PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE REGIONAL INTEGRADA DO ALTO URUGUAI E DAS MISSÕES URI CAMPUS DE ERECHIM PRÓ REITORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA SETEMBRO DE 2006

2 EQUIPE RESPONSÁVEL PELO PROJETO: Prof. Dr. Arnaldo Nogaro Diretor Acadêmico Profª. Msc. Miriam Wilk Wisniewski Fisioterapeuta Profª. Msc. Fernanda Dal Maso Fisioterapeuta Profª. Esp. Márcia Bairros de Castro Fisioterapeuta

3 SUMÁRIO 1 DENOMINAÇÃO DO CURSO... 2 ORGANIZAÇÃO CURRICULAR... 3 JUSTIFICATIVA DA NECESSIDADE SOCIAL DO CURSO Contexto de Inserção do Curso na Região O Curso de Fisioterapia e o Campus de Erechim Contexto de Inserção do Curso na Instituição Contexto Inserção do Curso na Legislação Contexto de Inserção do Curso na Área Específica da Atuação Profissional Fundamentos Norteadores do Curso Fundamentos Ético-Políticos Fundamentos Epistemológicos Fundamentos Didáticos-Pedagógicos Pressupostos Metodologógicos para Ensino em Fisioterapia Relação Teoria-Prática Trabalho Interdisciplinar Integração Ensino Pesquisa Extensão Pressupostos Metodológicos para a Realização de Estágios Curriculares e outras Atividades Complementares Serviço de Fisioterapia Avaliação... 4 CONCEPÇÃO DO CURSO Objetivos do Curso Objetivo Geral Objetivos Específicos Perfil do Profissional a ser Formado Organização Curricular Estrutura e organização do Currículo Currículo Pleno Disciplinas Obrigatórias Disciplinas Eletivas Totalização dos Créditos e da Carga Horária Currículo Pleno Semestralizado Estágio Curricular Projeto Pedagógico

4 5.0 ANEXOS Anexo I Anexo II Anexo III Anexo IV Anexo V

5 5 1 - DENOMINAÇÃO DO CURSO 1.1 Curso - Graduação em Fisioterapia 1.2 Modalidades - Bacharelado em Fisioterapia 1.3 Título - Fisioterapeuta

6 6 2 ORGANIZAÇÃO CURRICULAR 2.1 DADOS GERAIS 2.1 Denominação - Curso de Graduação em Fisioterapia Modalidades - Bacharelado em Fisioterapia 2.3 Título - Fisioterapeuta 2.4 Carga Horária Total Disciplinas Obrigatórias: horas (204 créditos) Disciplinas Eletivas Obrigatórias: 90 horas (06 créditos) Estágio: 900 horas (60 créditos) TOTAL horas (270 créditos) Atividades Complementares 150 horas (10 créditos) Carga Horária Total horas (280 créditos) Integralização - Mínimo: 3,5 anos (9 semestres) - Médio: 5 anos (10 semestres) - Máximo: 7,5 anos (14 semestres) Ingresso - Anual por Vestibular 2.7 Regime do Curso - Créditos de 15 horas 2.8 Turno de Funcionamento - Diurno (Manhã e Tarde)

7 7 3 - JUSTIFICATIVA DA NECESSIDADE SOCIAL DO CURSO 3.1 CONTEXTO DE INSERÇÃO DO CURSO NA REGIÃO A Região do Alto Uruguai e das Missões destaca-se, atualmente, por estar entre as regiões de maior desenvolvimento no Estado do Rio Grande do Sul. Tal o desenvolvimento estende-se a diferentes áreas, que, de forma associativa, tendem a produzir uma melhora na qualidade de vida da população. Nesse sentido, a área da saúde encontra espaço para desenvolver-se cada vez mais e melhor, proporcionando à comunidade da região, opções de tratamento diferenciados. A busca por uma melhor qualidade de vida induz o indivíduo a participar da escolha do que lhe é mais saudável e, sob este aspecto, muitas vezes, a Fisioterapia é a opção de terapia eleita. Para acompanhar a evolução da saúde é essencial a presença de profissionais capacitados a promover, prevenir, manter e melhorar as condições de vida e saúde humana. É mister ressaltar que a tendência mundial neste princípio de século se baseia na educação à saúde, concebendo-a como fator promotor de vida. É sob estes aspectos que a Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões vem propor a criação de uma Graduação em Fisioterapia. Sendo um curso voltado para o cuidado do ser humano como um todo, que concebe o processo saúde doença através de uma interdependência e inter-relação do homem com o meio em que vive, e que visa atender os três níveis de atenção à saúde, ou seja, prevenção, promoção e reabilitação, a Fisioterapia apresenta-se como um campo relativamente novo da ciência, no qual a sociedade ainda não tem amplo acesso. É uma ciência ainda em construção, que é mais bem visualizada quando exemplificada através da evolução tecnológica e científica do País. As constantes evoluções tecnológicas fizeram com que a Fisioterapia fosse gradativamente assumindo um mercado de trabalho baseado na recuperação de afecções surgidas em decorrência de atividades laborais. Esta possibilidade de atuação foi criando uma concepção de que o Fisioterapeuta é um profissional reabilitador, ou seja, capaz de restabelecer às condições de saúde anteriores ao trauma. Esta é, sem dúvida, uma das áreas de atuação mais importantes da Fisioterapia, justamente por auxiliar a minimizar seqüelas oriundas de lesões graves, sejam elas ortopédicas, neurológicas, reumatológicas entre outras. Porém, apesar da reabilitação ser uma das linhas de atuação do Fisioterapeuta, não é a única, pois a promoção e a prevenção à saúde estão cada vez mais sendo solicitadas.... fazer prevenção é uma maneira de atuar antes que o problema, sobre o qual se quer intervir, ocorra, para impedi-lo mesmo que em graus mínimos (Rebelatto e Botomé, 1987, p. 6-7). Prevenir não significa somente interferir antes de. Através da prevenção busca-se conscientizar o indivíduo sobre a importância de seu participação em programas preventivos, antes mesmo da instalação de alguma eventual patologia. Despertar no indivíduo a compreensão do todo, tratá-lo integralmente, educando-o e conscientizando-o para seu papel junto à construção de uma melhor qualidade de vida, também é função do Fisioterapeuta.

8 8 Através do exposto acima, percebe-se que esta profissão encontra-se em busca constante para a expansão de seus níveis de intervenção/atuação. Por isso, a melhoria dos currículos nas universidades formadoras de profissionais, a evolução tecnológica na área e, principalmente, o incentivo à pesquisa, irão contribuir para que a Fisioterapia possa firmar-se como ciência. Participar do processo de formação destes profissionais é uma das tarefas a qual a URI se propõe O CURSO DE FISIOTERAPIA E O CAMPUS DE ERECHIM A cidade de Erechim está inserida na Região Norte do Rio Grande do Sul, compondo a Região do Alto Uruguai, que é formada por 31 municípios. Destes, a grande maioria são pequenas cidades com população média de a habitantes. Abaixo, segue quadro demonstrativo da relação Município/População. QUADRO I RELAÇÃO MUNICÍPIO/POPULAÇÃO Município População Aratiba Áurea Barão de Cotegipe Barra do Rio Azul Benjamin Constant do Sul Campinas do Sul Carlos Gomes Centenário Charrua Cruzaltense Entre Rios do Sul Erebango Erechim Erval Grande Estação Faxinalzinho Floriano Peixoto Gaurama Getúlio Vargas Ipiranga do Sul Itatiba do Sul Jacutinga Marcelino Ramos Mariano Moro Paulo Bento Ponte Preta Quatro Irmãos São Valentim Severiano de Almeida Três Arroios Viadutos TOTAL Fonte: IBGE Censo 2000

9 9 Apresenta-se a seguir o Quadro II, demonstrando o número de hospitais existentes em cada município, bem como o número de leitos disponíveis em cada uma destas unidades. Quadro II: Número de Hospitais, leitos hospitalares por município da Região Alto Uruguai, Município No. de Hospitais No. Total de Leitos Aratiba 2 51 Áurea 1 18 Barão de Cotegipe 1 43 Barra do Rio Azul - - Benjamin Constant do Sul - - Campinas do Sul 1 32 Carlos Gomes - - Centenário - - Charrua - - Cruzaltense - - Entre Rios do Sul - - Erebango - - Erechim Erval Grande 1 32 Estação 1 45 Faxinalzinho - - Floriano Peixoto - - Gaurama 1 52 Getúlio Vargas 1 82 Ipiranga do Sul - - Itatiba do Sul 1 18 Jacutinga 1 40 Marcelino Ramos 2 38 Mariano Moro 1 15 Paulo Bento - - Ponte Preta - - Quatro Irmãos - - São Valentim 1 29 Severiano de Almeida 1 31 Três Arroios 1 33 Viadutos 1 42 Fonte: SIH/SUS

10 10 Observando-se as tabelas apresentadas, verifica-se que dos 31 municípios que compõem a Região do Alto Uruguai, 17 possuem infra-estrutura hospitalar disponibilizando 884 leitos para uma população estimada em habitantes. Especificamente falando-se da atuação Fisioterapêutica na cidade de Erechim, segundo o Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional CREFITO 5, existem hoje 10 Clínicas e 34 Fisioterapeutas atuantes em clínicas particulares e/ou hospitais. É importante ressaltar a necessidade de se ter na cidade de Erechim mais profissionais Fisioterapeutas em locais como instituições assistenciais, escolas, creches, asilos e empresas, estes locais ainda pouco conquistado por este profissional. Analisando, ainda, que a tendência do mercado é implantar Programas de Agentes Comunitários de Saúde e do Programa de Saúde da Família, e que nestes a atuação é multiprofissional, o Fisioterapeuta torna-se figura fundamental e indispensável para complementar o trabalho da equipe. Neste sentido, o Curso de Fisioterapia estaria possibilitando a formação e qualificação de pessoal necessário para a consecução destas ações. Associado a esse contexto vem à tona, também, o fato de que há amplo espaço para o profissional preparado para extrapolar a visão mecanicista e moderna da ciência e, junto a ela, desenvolver práticas vinculadas a um Fisioterapeuta mais inserido e conhecedor da realidade que o cerca. Outro fator que leva à defesa da oferta da Graduação em Fisioterapia, concentra-se no perfil de pessoas que o atual contexto exige. Assim, verifica-se que, cada vez mais o homem descobre meios que contribuem para a obtenção de uma melhor qualidade de vida. Ao longo dos anos, vê-se o surgimento de vários "gadgets que, agindo como extensões do corpo humano, proporcionaram essa melhoria. Foi isso o que aconteceu com os óculos, as lentes de contato, com o carro com a cadeira de rodas e as próteses, só para citar alguns casos. Esse avanço da ciência leva-nos à utilização contínua e imediata dessas extensões. Porém, em alguns casos, o uso de instrumentos diretamente ligado ao corpo, pode se tornar algo incômodo, especialmente quando, além de estar associado a algum problema de saúde, o profissional, põe tais instrumentos acima do ser humano que está sendo cuidando. É nesse espaço que ganha vida o profissional que a URI deseja formar, visto que este deve colocar, não a tecnologia como o fim junto ao paciente, mas sim como um meio que poderá proporcionar uma melhoria na qualidade de vida daquele ser, observando-se a totalidade do ser humano, e não apenas o foco em que se concentra o problema em tratamento. Assim, lidando diretamente com ser humano, tal profissional, em equipes multidisciplinares ou não, utiliza meios naturais, como o calor e a água, nos processos de tratamento da saúde, privilegiando, em primeiro momento, a garantia da qualidade de vida e, junto a esta, a saúde.

11 CONTEXTO DE INSERÇÃO DO CURSO NA INSTITUIÇÃO A Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões vem, há dez anos, construindo espaços nos quais a busca pelo conhecimento é uma constante. Ao longo de sua existência foi cultivando práticas sempre voltadas para a construção de uma sociedade mais justa e mais igualitária, ao oportunizar à população o ingresso em cursos de qualidade e que lhe propiciassem bagagem humano-conceitual capaz de torná-los bons profissionais. Houve um período em que predominaram as Licenciaturas, em seguida vieram os cursos das áreas de Administração e Direito. Nos últimos anos, entretanto, a URI vem consolidando uma história de construção do conhecimento voltada para as áreas da Tecnologia e da Saúde. Nesse último campo, com a evolução dos Cursos de Enfermagem e de Farmácia aconteceram as primeiras pesquisas desenvolvidas na área da saúde. Tendo como base esse histórico, é que a URI vem construindo, na prática, a sua concepção de saúde, diretamente relacionada à qualidade de vida, à educação da população e à inserção do profissional no contexto político, social e cultural em que irá atuar, como eixos fundantes. Um dado que confirma esse pensamento, passa, necessariamente, pelos marcos conceituais desenvolvidos pelo Departamento de Saúde da Universidade acerca da sua atuação nesse meio. Saúde - tem seu conceito associado ao contexto onde o ser humano está inserido, e deve ser vista como o resultado da organização social, cultural e política. É conquistada pela sociedade e deve ser construída e vivida pelas pessoas no seu cotidiano. Envolve um relativo bem estar físico-psíquico e espiritual, possibilitando ao indivíduo o desenvolvimento de suas tarefas diárias dentro de um padrão aceitável e sem esforço extremo. Cuidado Humano - entendido segundo Waldow, que ressalta: o cuidado humano, sem dúvida, está embutido em valores, os quais, independentemente do enfoque, priorizam a paz, a liberdade, o respeito, e o amor, entre outros aspectos... (1995:8) Cliente/Paciente/Usuário - pessoa a quem se deve garantir o espaço social, cultural, político e criativo. Capaz de auto-cuidar-se, de decidir sobre o seu tratamento- sendo o sujeito de sua própria vivência - com responsabilidades e direitos universalmente conquistados. Ser comunicativo capaz de interagir com o meio com atenção, liberdade, informação e tendo sua saúde afetada, necessita de cuidados. Perfil Epidemiológico - conjunto de informações concentradas nas relações entre os fatores que determinam a prevalência, a incidência e a transcendência de um processo de saúde/doença numa comunidade para que se possa, a partir destas, atuar na cura e, especialmente, na prevenção do processo saúde/doença.

12 12 A representação de tais conceitos na prática vincula-se à constante e ativa inserção da Universidade junto aos diversos programas da área de Saúde hoje existentes na Região do Alto Uruguai e das Missões, a saber: Programa de Imunizações; Saúde da Mulher; Saúde da Criança; Saúde do Trabalhador; Controle de Doenças Transmissíveis Agudas; Programa da AIDS e DST; Programa da Tuberculose; Programa da Hanseníase; Vigilância Sanitária; Controle e tratamento das doenças cárdio-circulatórias; Controle da hepatite viral; Controle da toxoplasmose na gestação; Programa de Saúde da Família Observando este histórico, no qual predominam os cursos de Enfermagem e Farmácia, afirma-se que a criação de uma graduação em Fisioterapia vem complementar tal quadro, a partir do momento em que, além de oferecer à comunidade a possibilidade de formar mais um profissional, também se abrem para a própria instituição, meios de se desenvolver pesquisas e estudos em conjunto entre tais áreas do conhecimento, realizando o objetivo último de toda universidade, que é unir ensino, pesquisa e extensão, sempre num exercício de interdisciplinaridade. Nesse sentido, vale ressaltar que o curso de Fisioterapia não se apresenta como mais um curso da universidade, mas sim, como um curso que vem complementar um núcleo de ensino, pesquisa e extensão que já existe na universidade e cuja área de concentração volta-se para os diversos campos da saúde, tendo como marco filosófico, uma permanente postura ética, o desenvolvimento de um trabalho fundamentado na co-responsabilidade, e, a formação de profissionais voltados para o desenvolvimento e o respeito do ser humano em sua totalidade. A implantação do Curso de Fisioterapia na URI Campus de Erechim, fez parte de um amplo processo de Planejamento Institucional, que, ao ser realizado, levou em consideração as condições da Universidade para a instalação e a necessidade social do curso, oferecendo à comunidade mais um caminho para a formação profissional de seus integrantes. Após quatro anos de andamento do Curso, optou-se em readequar algumas disciplinas da grade curricular, por motivo de algumas destas não estarem de acordo com o propósito e objetivo dos docentes do curso. Sendo assim, realizou-se alterações pertinentes na grade curricular do curso, para que assim a partir de março de 2007 possamos ter em nossa grade curricular grandes melhorias para o crescimento e desenvolvimento dos nossos acadêmicos.

13 CONTEXTO INSERÇÃO DO CURSO NA LEGISLAÇÃO O curso de Fisioterapia a ser oferecido pela URI, encaixa-se, na Legislação Educacional em vigor e que orienta o processo de formação do Fisioterapeuta, a saber: Lei 9394/96, Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional; Diretrizes Curriculares para os Cursos de Graduação em Fisioterapia; Padrões de Qualidade para Implantação e Funcionamento dos Cursos de Graduação em Fisioterapia; Legislações específicas ao Fisioterapeuta. Observando a relação de algumas dessas leis com a saúde, é interessante ressaltar-se a presença do conceito de saúde em muitos documentos hoje vinculados a essa área e aos quais a URI pretende estar alinhada. Assim, o conceito de saúde construído na VIII Conferência Nacional de Saúde, que permite conceber o processo saúde doença em termos de uma relação dinâmica do homem com o meio, caracterizado pela inter-relação e interdependência de todos os fenômenos (físicos, biológicos, sociais e mentais) e não só como ausência da doença, mas sim com a promoção, prevenção e reabilitação, contemplando o homem como um ser bio-psico-social. Portanto, um conceito com base numa visão global, holística, pois, já em 1981, a Organização Mundial da Saúde (OMS) adotou, como estratégia mundial da saúde, para todos no ano 2000, os seguintes objetivos:... promover estilos de vida saudáveis, prevenir, e fomentar a reabilitação daqueles cuja saúde tenha sido afetada (FERRETTI, 2002). A Constituição Federal de 1988, em seu artigo 6º, considera a saúde como:... um direito de todos e dever do estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doenças e de outros agravos e ao acesso universal igualitário às ações e serviços para a promoção, proteção e recuperação (art.196). Em seu artigo 198, inciso II, a Constituição determina como diretrizes para a concretização desse direito social, o atendimento integral, com prioridade para as atividades preventivas, sem prejuízo dos serviços assistenciais e, no inciso III, participação da comunidade (BRASIL, 1988). Na Lei 8.080/90 em seu artigo 5º, inciso III, o Sistema Único de Saúde determina como objetivo a assistência às pessoas por intermédio de ações de promoção, proteção e recuperação da saúde, como realização integrada das ações assistenciais e das atividades preventivas. Em seu artigo 7º coloca como princípios, inciso I, universalidade de acesso aos serviços de saúde em todos os níveis de assistência ; em seu inciso II, integralidade de assistência, entendida como um conjunto articulado e contínuo das ações e serviços preventivos e curativos, individuais e coletivos, exigido para cada caso em todos os níveis de complexidade do sistema ; ainda em seus incisos VII, X e XII, propõe que o estabelecimento de prioridades e a orientação programática deverá ser referendada por dados epidemiológicos e que as ações em saúde, meio ambiente e saneamento básico

14 14 deverá ser de forma integrada, atendendo a todos os níveis de assistência com capacidade de resolução. A Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de Educação, na Resolução CNE/CES 4, de 19 de fevereiro de 2002, institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Fisioterapia, constituam-se em orientação para a organização e elaboração curricular nas Instituições do Sistema de Educação Superior do País, assegurando qualidade na formação acadêmica, preparando o futuro graduado para enfrentar os desafios das rápidas transformações da sociedade, do mercado de trabalho e das condições de exercício profissional. As Diretrizes Curriculares definem os princípios, fundamentos, condições e procedimentos na formação de fisioterapeutas, permitindo que os currículos propostos possam construir perfil acadêmico e profissional com competência, habilidades e conteúdos, dentro de perspectivas e abordagens contemporâneas de formação pertinentes e compatíveis com referências nacionais e internacionais, capazes de atuar com qualidade, eficiência e resolutividade, no Sistema Único de Saúde, considerando o processo da Reforma Sanitária Brasileira. Observando a Conferência de Alma-Ata (1978), refere que os cuidados primários em Saúde refletem, e a partir delas evoluem, as condições econômicas e as características sócio-culturais e políticas do país e de suas comunidades, e se baseiam na aplicação dos resultados relevantes da pesquisa social, biomédica e de serviços de saúde e da experiência em saúde pública, e ainda, incluem pelo menos: educação no tocante a problemas prevalentes de saúde e aos métodos para sua prevenção e controle, promoção da distribuição de alimentos e da nutrição apropriada, provisão adequada de água de boa qualidade e saneamento básico, cuidados de saúde materno-infantil, inclusive planejamento familiar, imunização contra as principais doenças infecciosas, prevenção e controle de doenças endêmicas, tratamento apropriado de doenças e lesões comuns e fornecimento de medicamentos essenciais, e, também, requerem e promovem a máxima autoconfiança e participação comunitária e individual no planejamento, organização, operação e controle dos cuidados primários de saúde, fazendo o mais pleno uso possível de recursos disponíveis, locais, nacionais e outros, e para esse fim desenvolvem, através da educação apropriada, a capacidade de participação das comunidades. Em uma resposta à crescente demanda por uma nova concepção em Saúde Pública no mundo, a primeira conferência sobre a Promoção da Saúde realizada em Ottawa em 21 de novembro de 1986, tendo como ponto de referência a declaração de Alma-Ata, emite carta dirigida a execução do objetivo Saúde para Todos no Ano 2000, refere como a promoção da saúde interfere no desenvolvimento pessoal e social indicando que ela deve, proporcionar informação e educação sanitária e aperfeiçoar as aptidões indispensáveis a vida. Diante deste movimento a nível mundial, observamos que o momento é de promover os meios que permitam à população, o desenvolvimento máximo de sua Saúde. Os mais diversos setores sociais devem tomar uma nova orientação e buscar uma escuta sensível das necessidades culturais dos indivíduos respeitando e trabalhando para garantir a promoção plena da Saúde individual e coletiva.

15 CONTEXTO DE INSERÇÃO DO CURSO NA ÁREA ESPECÍFICA DA ATUAÇÃO PROFISSIONAL Observando a realidade da Região do Alto Uruguai, das Missões e Centro- Oeste, percebe-se o quanto é necessário a atuação desse profissional nos diversos níveis de atenção em saúde, promoção, prevenção e reabilitação. Assim, o curso de Fisioterapia a ser desenvolvido pela URI pretende formar um profissional preocupado em intervir respeitando as características bio-psico-sociais do indivíduo, comprometido com a melhora da qualidade de vida da população regional. No que diz respeito às especialidades que competem ao fisioterapeuta, atualmente o Coffito tem regulamentado exercício da profissão nas seguintes áreas: - Acupuntura (Resoluções Coffito nº: 201 de 24 de junho de 1999 e 219, de 14 de dezembro de 2000); - Fisioterapia Neuro-Funcional (Resolução Coffito nº 189, de 09 de dezembro de 1998); - Fisioterapia Pneumo-Funcional (Resolução Coffito nº 188, de 09 de dezembro de 1998); - Osteopatia (Resolução Coffito nº 220 de 23 de maio de 2001); - Quiropraxia (Resolução Coffito nº 220, de 23 de maio de 2001) FUNDAMENTOS NORTEADORES DO CURSO A criação de todo curso requer a inserção das linhas que servirão de base para os caminhos a serem traçados pelo curso. Nesse sentido, este processo terá três pontos básicos para o seu desenvolvimento: os fundamentos ético-políticos, fundamentos epistemológicos e os fundamentos didático-pedagógicos Fundamentos Ético-Políticos Produzir conhecimento. Essa é a missão primeira da Universidade. Porém, em meio a essa jornada, alguns fundamentos são de excepcional importância, especificamente, considerando-se que neste início de século, um conjunto de conceitos e valores estão se estabelecendo no processo de construção do saber. Assim, ao mesmo tempo em que se desenvolvem pesquisas que fundamentam a possibilidade de maior longevidade e de melhores condições de vida, exige-se também a adoção de uma postura ética forte e segura, voltada para a conscientização do papel do cidadão e para o resgate da história e da cultura local. Nesse contexto, o Curso de Fisioterapia tem em seus fundamentos éticopolíticos, a visão da necessidade da construção de uma sociedade que seja de fato democrática, na qual a participação dos cidadãos não fique restrita ao exercício do voto, mas que seja ampliada à conquista dos direitos e à defesa dos deveres de cada um, tornando-se assim, num aprendizado constante. O resultado de tal prática, espera-se, que seja a formação de profissionais cuja consciência e prática social estejam voltadas para a defesa e construção de uma sociedade mais justa e mais solidária, na qual aspectos como o conhecimento e serviços como educação e

16 16 saúde, sejam de acesso livre a todas as camadas sociais e não apenas a um pequeno número de privilegiados Fundamentos Epistemológicos Estando inserido num contexto marcado por um amplo processo de transição paradigmática, no qual ícones e idéias vinculadas à ciência moderna estão sendo questionados, o Curso de Fisioterapia a ser oferecido pela URI, procura se inscrever junto a esse processo de questionamento acerca do modelo científico ora em voga. Nesse sentido, procurará fundamentar suas bases epistemológicas no exercício da construção de um conhecimento que, além de ser capaz de gerar desenvolvimento, também esteja voltado para a satisfação de necessidades sociais, buscando contribuir na construção de uma vida decente, dentro da sociedade na qual se inscreve. O caminho, para tanto, deverá estar concentrado no constante exercício do analisar, do questionar e do sugerir novos rumos a serem seguidos. Durante esse processo, a relação do curso com a sociedade no qual está inserido, é elemento fundamental, visto que, os temas ali estudados e desenvolvidos também deverão estar voltados para essa realidade. Tal fato requer um conjunto de novas experiências e experimentos a serem vivenciadas pela comunidade acadêmica em questão, as quais concentrar-se-ão em elementos voltados para a integração da Fisioterapia aos conhecimentos produzidos por sua área específica, mas também aos conhecimentos gerados por outras áreas e que possam ser úteis a esse profissional em seu local de trabalho. Essa realidade epistemológica configura-se, então, como um constante exercício de construção do conhecimento, voltado para a interdisciplinaridade e a busca da integração do Fisioterapeuta com um novo paradigma científico, o qual está voltado para a construção de uma sociedade mais solidária, fundamentada em novas práticas de Direito, de Poder e na construção de uma Ciência que, tendo em mente as conseqüências da sua ação, produza um conhecimento que possa favorecer a todos, resultando assim, num novo senso comum. Diante deste movimento a nível mundial, observamos que o momento é de promover os meios que permitam a população o desenvolvimento máximo de sua Saúde. Os mais diversos setores sociais devem tomar uma nova orientação e buscarem a escuta sensível as necessidades culturais dos indivíduos respeitando e trabalhando para garantir a promoção plena da Saúde individual e coletiva. Devemos reconhecer que a visão cartesiana do homem e do mundo que permitiu grandes progressos científicos produziu nos profissionais da área da saúde, um modelo onde o objetivo-racional prevalece sobre o subjetivo. A Fisioterapia parte da cópia do modelo médico onde, a sabedoria do corpo é o ponto de onde se estuda e se trata a doença e o órgão enfermo, como partes de sistemas, transformando clínicas e consultórios em locais que promovem os interesses da ciência, não as necessidades da sociedade, desta forma, desumanizando relação fisioterapeuta/paciente, promovendo, sem dúvida, uma formação de orientação hospitalocêntrica/assistencialista. Hoje o que se produz para responder ao sofrimento do homem é inventar sempre novas técnicas para reparar danos.

17 17 Nesse contexto, revela-se a necessidade de se re-implantar a consciência da unidade do bios, do logos e do ethos, assim estaríamos desenvolvendo uma nova cultura em saúde. Abandonando o reducionismo poderemos entender a saúde como um problema do qual todos somos responsáveis, o próprio indivíduo, grupos comunitários, profissionais da saúde, governo e outros. Desta forma entenderíamos que a saúde e a doença não são acontecimentos estanques e isolados, mas são resultantes de um processo complexo que envolve variáveis ambientais, biológicas, psíquicas, de modo de vida de cada grupo e de cada cultura. A saúde não é comparável puramente ao equilíbrio fisiológico dos animais, mas é produto de múltiplos fatores biopsíquico-espirituais, culturais, sociais, e é digamos com Illich, uma virtude porque esta capacidade do homem de saber viver não é automática, mas é uma conquista pessoal, mesmo se condicionada pela cultura em que o indivíduo vive, pelos modelos de trabalho, a distração, as relações familiares, a habitação, a comunicação, a alimentação, a sexualidade e o ambiente sociológico. Neste contexto, a vida humana é compreendida como síntese de uma história social, pois o indivíduo através de processos de mediação se apropria do social, filtra e ressignifica essa dimensão. Assim, o processo saúde-doença constitui-se, ao mesmo tempo, como individual e coletivo, visto que se desenvolve com características específicas a partir do ambiente sóciocultural e econômico no qual se situa. Fundamentada nessa concepção de saúde é que se propõe compreender a Fisioterapia. Esta perspectiva é inovadora, pois a atividade fisioterapêutica, em geral, tem se caracterizado pelo estudo e pela atenção à doença, ou seja, desenvolve atividades recuperativas, reabilitadoras ou, ainda, atenuadoras de organismos que se encontram em más condições de saúde. Para Silva Jr. (1998), a atenção à saúde deverá revelar-se sob uma forma mais atual e dinâmica, não centrada apenas no critério curativo, mas nas ações de caráter preventivo. Ou seja, não mais atuando de forma a minorar o sofrimento, mas buscando evitá-lo. Uma profissão que tem seu campo de atuação na área da saúde, não pode apenas se resumir ao conhecimento da gênese das doenças e suas implicações, não pode ser entendida apenas como reabilitadora, mas deverá ter competência profissional para atuar de forma orientada na Educação à Saúde e desta forma criar ambiente favorável para que, frente aos desafios da contemporaneidade seja capaz de buscar soluções que operem as transformações necessárias à promoção da saúde em conformidade com valores morais e sociais, particularmente relacionadas a atenção à saúde. Para percorrer tal caminho, reforça-se, portanto, a busca da construção de um ensino que privilegie os aspectos metodológicos presente na atual LDB, a saber: a identidade, autonomia, diversidade, interdisciplinaridade, contextualização e flexibilidade. Oferecer, pois, ao aluno de Fisioterapia um currículo que prime pela prática desses princípios é fator fundamental para a Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Fundamentos Didáticos-Pedagógicos Tendo em mente o estabelecido nos Fundamentos Epistemológicos, a linha didático-pedagógica a ser seguida pelo Bacharelado em Fisioterapia a ser oferecido pela URI concentra-se numa prática interdisciplinar, na qual o conjunto de

18 18 conhecimentos estudados integram-se entre si, construindo assim uma base sólida acerca dos saberes necessário ao fisioterapeuta apto para trabalhar com os diferentes campos nos quais pode atuar. O objetivo final, portanto, é, além de formar o profissional, contribuir para a busca e a construção do conhecimento. Nesse sentido, o Departamento de Ciências da Saúde da URI inicia uma busca que certamente o destacará no cenário regional, nacional e internacional pela formação acadêmica e atuação na Educação à Saúde, que se diferenciará, não na busca comum de um espaço terapêutico, mas pela escuta do social onde a condição de saúde necessariamente deve ser entendida como processo educativo. Educando para a Saúde, entendendo a saúde como processo integral e integrador, que se dá nas relações entre o indivíduo e a sociedade, promovendo uma vida de qualidade. A atuação do Fisioterapeuta dirigida para a Educação em Saúde de forma integral, contempla um compromisso político e institucional com o humano e o social, transcendendo a regra geral e implantando uma formação profissional de referência, capaz de transformações. Assim sendo, este curso encontra na URI o espaço de uma busca histórica fundamentada em ideais e pressupostos que podem contribuir com um diferencial nesta formação profissional, o que justifica esta iniciativa de formação diferenciada para a qualificação da Fisioterapia no âmbito desta profissão. Pois, se optarmos pela inserção da formação profissional do Fisioterapeuta fundamentada na Educação à Saúde, certamente as atividades desenvolvidas pelos alunos e egressos proporia uma nova forma de atuação junto à comunidade. Ou seja, o presente projeto justifica-se, no âmbito profissional da Fisioterapia, na medida em que propõe uma inovação na formação do Fisioterapeuta que se utiliza da Educação para atenção integral à saúde PRESSUPOSTOS METODOLÓGICOS PARA ENSINO EM FISIOTERAPIA 1 Buscar uma via de trabalho dinâmica, sempre foi uma das preocupações do professor. Sabe-se, entretanto, que as tendências pedagógicas tradicionais para o ensino da Fisioterapia induziam atividades de repetição, de reprodução e de condicionamentos. Assim este ensino restringia-se a repetição de exercícios mecânicos, estereotipados e pouco criativos, resultando para o aluno, uma aprendizagem limitada, fragmentada e carente de significados. Na atualidade, as Diretrizes Curriculares direcionam o processo educacional para além da automatização, da mecanização e da estereotipia dos movimentos. Para tanto, os marcos referenciais indicados pelo respectivo parecer, fundamentamse numa concepção de aprendizagem criativa e emancipadora. Por ela, os encaminhamentos metodológicos partem das situações e contextos pessoais, culturais e sociais dos alunos, buscando articular significados amplos e diversificados quanto a saúde, que extrapolam o cotidiano. A partir desta realidade, vê-se a necessidade do professor integrar-se nesse processo de transição paradigmática, devendo para isso, assumir em sala de aula, uma postura metodológica que vise estimular a criatividade, o questionamento, a 1 [1] Pressupostos Metodológicos para o Ensino em Fisioterapia baseados no Projeto Pedagógico da Faculdade Educacional do Sudoeste do Paraná (FADEP).

19 19 leitura, a pesquisa, conduzindo o aluno a reflexão e através desta, a construção do conhecimento. É mister que este processo de reflexão crítica esteja ancorado na realidade local em que o profissional se insere, para que possa atender as demandas da região. Os princípios fundantes da proposta pedagógica, anteriormente explicitados, fornecem subsídios para que o processo de construção de conhecimento desses acadêmicos se faça com um trabalho interdisciplinar, onde os diversos campos de conhecimento interagem entre si para oportunizar o saber científico dos alunos, que se enriquece com as experiências práticas oportunizadas no decorrer do curso. A integração ensino-pesquisa-extensão se faz necessária para formalizar o compromisso maior da universidade que é com a sociedade na qual está inserida Relação Teoria-Prática A realização dessa proposta é enriquecida com um forte programa de atividades, através do qual será contemplado, durante o processo ensinoaprendizagem, além dos elementos teóricos necessários, uma ampla estrutura do aprender fundamentada na relação teoria/prática. A concretização da proposta de horas práticas se faz por meio de vivências nas diversas disciplinas que envolvem a observação, a avaliação, o acompanhamento e intervenção nos três níveis de atenção em saúde, promoção, prevenção e reabilitação, nas diversas áreas de conhecimentos fisioterapêuticos. A metodologia decorrente da relação teoria e prática se fundamenta pela ação profissional com significado histórico-crítico, ou seja, o sentido da intervenção do fisioterapeuta é produzido historicamente. Portanto o processo formador de Fisioterapia busca tematizar as manifestações do movimento humano, numa perspectiva teórica-prática, ou seja, procura integrar as mais diversas manifestações do movimento, resgatando a historicidade das diferentes sociedades, ampliando os referenciais de mundo do educando e favorecendo o desenvolvimento de suas competências e habilidades profissionais. O trabalho docente do professor que atuará no Curso de Fisioterapia da URI pressupõe operacionalizar atividades onde o aluno identifica seu meio social e cultural, as transformações ocasionadas pelo trabalho do homem, suas conseqüências e as determinações históricas que ocasionaram as transformações. Essa reflexão e ação de nível teórico e prático possibilita ao aluno situar-se num determinado tempo e espaço social, tomando consciência de intervir profissionalmente nos diversos níveis de atenção da saúde comprometido com o ser humano, respeitando-o e valorizando-o nas dimensões cognitivas, afetivas, éticas, estéticas, de relação interpessoal e de inserção social. As diferentes manifestações da cultura do movimento humano, ao serem trabalhadas no enfoque metodológico teórico-prático supera esta dicotomia de ênfase do corpo-máquina, aluno-profissional, professor-técnico buscando entender o ser humano como um ser global, com suas características bio-psico-sociais respeitadas.

20 20 O trabalho docente, resultante do enfoque metodológico teórico-prático, amplia as possibilidades da Fisioterapia vivenciar e exercitar a cidadania, isto porque, ao trabalhar os conteúdos disciplinares dos campos de estudos como produtos sócio-culturais, garante como direito de todos os alunos o acesso a esses conhecimentos historicamente produzidos. Além do exercício de cidadania, o trabalho docente posto na perspectiva teórica-prática, favorece o desenvolvimento da autonomia, da cooperação, da participação social e da afirmação de valores e princípios democráticos. A formação do fisioterapeuta trabalhada no enfoque metodológico teórico-prático supõe a vivência de situações de socialização e de desfrute de atividades coletivas, onde os alunos passam a compreender que os exercícios e demais atividades físicas são essenciais para a qualidade de vida e, nesse sentido, não devem ser privilégio apenas de algumas pessoas, mas sim da coletividade. Valorizar as atividades físicas e reivindicar o acesso a elas para todos é um posicionamento que pode ser incorporado pelos alunos, a partir do trabalho docente compromissado. Em síntese, a relação teoria e prática, elemento fundante do enfoque metodológico teórico-prático no curso de Fisioterapia, supõe trazer a prática social da saúde como direcionadora da prática profissional isto é, a teoria será permanentemente confrontada com o concreto social e este será olhado a partir da teoria, recuperando-se a unicidade dialética teoria-prática (ALVES, 1992:77). Ressalta-se ainda que através da relação teoria/prática instituída praticamente em todos os semestres do curso, os acadêmicos formarão um suporte para a atuação tanto em atividades de pesquisa, via Iniciação Científica, quanto em atividades de extensão. Nesse sentido, os alunos da Fisioterapia deverão, já a partir do terceiro semestre, participar de um dos programas de fomento a pesquisa, via Iniciação Científica, já desenvolvidos pela Universidade. Ao mesmo tempo, ao trabalharem com tais pesquisas e entrarem em contato com a realidade da região, os alunos, seguindo uma prática comum à universidade, poderão restituir os resultados de tais estudos à comunidade, via projetos de extensão, vinculados, por exemplo, a área da prevenção e educação em saúde. Conclui-se então que o processo ensino-aprendizagem a ser realizado no curso de Fisioterapia da URI, deverá oferecer condições para que haja análise, discussão e reflexão acerca da realidade local e nacional, buscando-se, sempre a prática de um paradigma que leve o acadêmico, a construir conhecimento. Problematizar a realidade, fazer com que os alunos reflitam sobre o que já aprenderam, na busca de soluções para os problemas apresentados, incentivo à pesquisa e à criatividade, estas devem ser as tarefas básicas do professor do curso de Fisioterapia em sala de aula Trabalho Interdisciplinar Ao mesmo tempo, para que haja uma maior possibilidade de aprendizado do aluno, através da integração do seu corpo docente, o curso de Fisioterapia, instituirá, quando possível, práticas interdisciplinares vinculadas ao cotidiano pedagógico do professor. Tal fato, vale ressaltar, também se fez presente no momento da

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE FISIOTERAPIA

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE FISIOTERAPIA MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE FISIOTERAPIA Este manual tem por finalidade orientar os alunos do curso de fisioterapia, sobre a sistemática e os procedimentos para a execução do Estagio Supervisionado

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA Modalidade Bacharelado

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA Modalidade Bacharelado UNIVERSIDADE REGIONAL INTEGRADA DO ALTO URUGUAI E DAS MISSÕES URI - CAMPUS DE SÃO LUIZ GONZAGA PRÓ-REITORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DIPLOMA CONFERIDO: BACHAREL NÚMERO DE VAGAS: 100 VAGAS ANUAIS NÚMERO DE ALUNOS POR TURMA: 50 ALUNOS TURNOS

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE FISIOTERAPIA, BACHARELADO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no 2º semestre letivo de 2001 para os alunos matriculados no 4º semestre.

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no 2º semestre letivo de 2001 para os alunos matriculados no 4º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 38/2001 ALTERA O CURRÍCULO DO CURSO DE ENFERMAGEM, REGIME SERIADO SEMESTRAL, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso

Leia mais

Competências e Habilidades Específicas:

Competências e Habilidades Específicas: DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Enfermeiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Profissional qualificado

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

FISIOTERAPIA - GRADUAÇÃO

FISIOTERAPIA - GRADUAÇÃO FISIOTERAPIA - GRADUAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: Curso De Graduação Em Fisioterapia. DIPLOMA CONFERIDO: BACHAREL NÚMERO DE VAGAS: 225 VAGAS ANUAIS TURNOS DE OFERTA: NOTURNO REGIME LETIVO:

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DRA. MARIA AUGUSTA SARAIVA MANUAL DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DRA. MARIA AUGUSTA SARAIVA MANUAL DE ESTÁGIO PROFISSIONAL 2012 ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DRA. MARIA AUGUSTA SARAIVA MANUAL DE ESTÁGIO PROFISSIONAL APRESENTAÇÃO Este Manual foi elaborado com o objetivo de normalizar o Estágio Profissional Supervisionado, para os

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular Daiele Zuquetto Rosa 1 Resumo: O presente trabalho objetiva socializar uma das estratégias de integração curricular em aplicação

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Nossa inserção na Graduação se dá por meio da Unidade Curricular Educação e Comunicação na Prática Médica.

Nossa inserção na Graduação se dá por meio da Unidade Curricular Educação e Comunicação na Prática Médica. Ao longo desses 15 anos o CEDESS congrega atividades de ensino, pesquisa e extensão, nos níveis de graduação e pós-graduação lato e stricto sensu e tem por objeto de estudo o binômio Educação e Saúde.

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA Romaldo Bomfim Medina Jr 1 Luciane Silva Ramos 2 Fernanda Franceschi de Freitas 3 Carmem Lúcia Colomé Beck 4 O movimento

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA 1 FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA O PROFISSIONAL FARMACÊUTICO O Farmacêutico é um profissional da

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

Bacharelado em Humanidades

Bacharelado em Humanidades UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO COORDENAÇÃO DE CURSO Bacharelado em Humanidades 1. Perfil do Egresso Em consonância

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA (bacharelado)

CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA (bacharelado) CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA (bacharelado) Missão Sua missão é tornar-se referência na formação de profissionais para atuar nos diferentes segmentos humanos e sociais, considerando a atividade física e promoção

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 5, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Nutrição. O Presidente

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia RELATOR(A):

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica alterado o Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Psicologia, do. São Paulo, 26 de abril de 2012.

R E S O L U Ç Ã O. Fica alterado o Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Psicologia, do. São Paulo, 26 de abril de 2012. RESOLUÇÃO CONSEACC/SP 04/2012 ALTERA O REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA, DO CAMPUS SÃO PAULO DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF. A Presidente do Conselho Acadêmico de Campus

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL Celeida Belchior Cintra Pinto 1 ; Maria Eleusa Montenegro

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. O Presidente

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

PROGRAMA ULBRASOL. Palavras-chave: assistência social, extensão, trabalho comunitário.

PROGRAMA ULBRASOL. Palavras-chave: assistência social, extensão, trabalho comunitário. PROGRAMA ULBRASOL Irmo Wagner RESUMO Com a intenção e o propósito de cada vez mais fomentar e solidificar a inserção da Universidade na Comunidade em que encontra-se inserida, aprimorando a construção

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E REGULAMENTOS

PLANO DE AÇÃO E REGULAMENTOS INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RAIMUNDO SÁ DESENVOLVENDO COM EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DO CURSO DE FISIOTERAPIA PLANO DE AÇÃO E REGULAMENTOS ESTÁGIO SUPERVISIONADO I FISIOTERAPIA AMBULATORIAL, PREVENTIVA E

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 119-COU/UNICENTRO, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. ALTERADA A NOMENCLATURA DESSE CURSO PARA LICENCIATURA EM PSICOLOGIA COMPLEMENTAÇÃO, CONFORME RESOLUÇÃO Nº 182/2014-GR/UNICENTRO. Aprova o Projeto

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE PROJETO AVALIAÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA MAFRA 2009 Núcleo de Ciências da Saúde e Meio Ambiente

Leia mais

Licenciatura em Educação Física

Licenciatura em Educação Física Licenciatura em Educação Física Estágio Curricular O Estágio Curricular talvez seja um dos primeiros grandes desafios do acadêmico que optou pelo Curso de licenciatura em Educação Física. As situações

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 4, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2002. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 4, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2002. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 4, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2002. (*) Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Fisioterapia. O Presidente

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

METODOLOGIAS ATIVAS COMO ESTRATÉGIAS DE ENSINO: EXPERIÊNCIA DA TERAPIA OCUPACIONAL NA UFS

METODOLOGIAS ATIVAS COMO ESTRATÉGIAS DE ENSINO: EXPERIÊNCIA DA TERAPIA OCUPACIONAL NA UFS METODOLOGIAS ATIVAS COMO ESTRATÉGIAS DE ENSINO: EXPERIÊNCIA DA TERAPIA OCUPACIONAL NA UFS INTRODUÇÃO Érika Hiratuka Andrezza Marques Duque Francisco Leal de Andrade Maria Natália Santos Silva Sandra Aiache

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação 1. Apresentação As atividades complementares são consideradas parte integrante do Currículo do Curso de Bacharelado em Ciência da

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Atividades Complementares Sistemas de Informação 1. Introdução Nos cursos de graduação, além das atividades de aprendizagem articuladas pelas disciplinas que compõem a matriz curricular, deverão ser inseridas

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DA ÁREA DE ENSINO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PARA PROFISSIONAIS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

QUALIFICAÇÃO DA ÁREA DE ENSINO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PARA PROFISSIONAIS DE SERVIÇOS DE SAÚDE QUALIFICAÇÃO DA ÁREA DE ENSINO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PARA PROFISSIONAIS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Há amplo consenso nas categorias profissionais da saúde, em especial na categoria

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

O trabalho do CFN amplia o campo de atuação dos nutricionistas.

O trabalho do CFN amplia o campo de atuação dos nutricionistas. O trabalho do CFN amplia o campo de atuação dos nutricionistas. Quando o campo se expande, mais profissionais chegam ao mercado, mais áreas de atuação se formam e a categoria conquista mais visibilidade.

Leia mais

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando:

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando: Resolução Nº. 024/2010/CONSEPE/ Regulamento de Estágio Supervisionado O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, credenciada pela Portaria MEC

Leia mais

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira Sumário Psicologia no Brasil: percurso histórico Psicologia no Brasil nos últimos vinte anos Referências legais e organização

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR GLEICE PEREIRA (UFES). Resumo Com o objetivo de apresentar considerações sobre a formação do bibliotecário escolar, esta pesquisa analisa o perfil dos alunos do Curso

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE FISIOTERAPIA

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE FISIOTERAPIA MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE FISIOTERAPIA MONTES CLAROS - MG SUMÁRIO 1. Introdução 4 2. Obrigatoriedade das atividades complementares 5 3. Modalidades de Atividades Complementares

Leia mais

Fórum Nacional de Diretores de Faculdades/Centros/Departamentos de Educação das Universidades Públicas Brasileiras (FORUMDIR)

Fórum Nacional de Diretores de Faculdades/Centros/Departamentos de Educação das Universidades Públicas Brasileiras (FORUMDIR) Fórum Nacional de Diretores de Faculdades/Centros/Departamentos de Educação das Universidades Públicas Brasileiras (FORUMDIR) I ENCONTRO NACIONAL DE COORDENADORES DE CURSO DE PEDAGOGIA DAS UNIVERSIDADES

Leia mais

1963 Técnico em fisioterapia, formado em 2 anos, auxiliar médico

1963 Técnico em fisioterapia, formado em 2 anos, auxiliar médico 1963 Técnico em fisioterapia, formado em 2 anos, auxiliar médico 1964 Currículo mínimo para fisioterapia, formação em 3 anos, manutenção ao longo da Ditadura Fundamentos da Fisioterapia, Ética e História

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

Integrar o processo de ensino, pesquisa e extensão;

Integrar o processo de ensino, pesquisa e extensão; REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE AGRONOMIA DO IFES CAMPUS ITAPINA O Estágio Curricular constitui um momento de aquisição e aprimoramento de conhecimentos e de habilidades essenciais ao

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1.1 Denominação Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1.2 Total de Vagas Anuais 80 vagas anuais 1.3 Regime Acadêmico de Oferta Seriado

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância ATOS LEGAIS DO CURSO: Nome do Curso: Pedagogia Tempo de Integralização: Mínimo: 8 semestres Máximo: 14 semestres Nome da Mantida: Centro Universitário

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Estágio, pela sua natureza, é uma atividade curricular obrigatória,

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 Institui no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

Faculdade Escola Paulista de Direito

Faculdade Escola Paulista de Direito REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO São Paulo 2014 ESCOLA PAULISTA DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO ATIVIDADES COMPLEMENTARES As atividades

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

PROJETO 7. 1. Identificação do projeto

PROJETO 7. 1. Identificação do projeto PROJETO 7 1. Identificação do projeto Título:Cinema, vídeo e tridimensionalidade: o AVA-AV na integração do ensino presencial e a distância. Responsável:Dra. Ana Zeferina Ferreira Maio Vínculo institucional:professora

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

CURSO: Matemática. Missão

CURSO: Matemática. Missão CURSO: Matemática Missão O Curso de Licenciatura em Matemática tem por missão a formação de docentes com um novo perfil fundamentado na conexão de dois eixos, pedagógico e matemático, permeado pelos recursos

Leia mais

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001 ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA: EDUCAÇÃO FÍSICA (Portaria de Reconhecimento nº 428 de 28 de julho de 2014) E PEDAGOGIA (Portaria de Reconhecimento nº 286 de 21 de dezembro de 2012) ORIENTAÇÕES

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

ESCLARECIMENTOS SOBRE OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA

ESCLARECIMENTOS SOBRE OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA ISSN 2238-300X ESCLARECIMENTOS SOBRE OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA Prof. Dr. Francisco Pitanga 1 A Educação Física passa por momento bastante difícil no Estado da Bahia e precisamos

Leia mais