Relatório da Missão Internacional do Polo de Excelência em Genética Bovina ao Uruguai

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório da Missão Internacional do Polo de Excelência em Genética Bovina ao Uruguai"

Transcrição

1 Relatório da Missão Internacional do Polo de Excelência em Genética Bovina ao Uruguai Uberaba MG 2014

2 1. Introdução Com o objetivo de conhecer a organização da cadeia pecuária de produção de carne bovina, com foco em qualidade, o Polo de Excelência em Genética Bovina (PEGB) realizou, entre os dias 12 e 17 de maio de 2014, a Missão Internacional ao Uruguai. A presente Missão aconteceu com o apoio da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (SECTES) e aporte financeiro da Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (FAPEMIG). A delegação foi composta pelo Polo de Genética representando um projeto do Governo de Minas e articulador; pela Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ) como associação de criadores; pela Cenatte Embriões representando o setor privado e empresa de biotecnologia e a Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) como Instituição de Ensino Superior (IES) que possui excelência em pesquisas sobre qualidade de carne bovina. Desta forma, os representantes do Polo de Genética, e convidados, visitaram importantes setores da cadeia pecuária Uruguai: Instituto Nacional de Carnes (INAC) em Montevidéu; o Centro Colaborador de OIE em Bem-Estar Animal e Produção Pecuária (CCBA) da Faculdade de Medicina Veterinária da Universidad de La Republica, em Montevidéu; O Centro de Genética Fertigen, em Batoví; a Planta Frigorífica Solís Meat Uruguay, em Solís e o Instituto Nacional de Investigação Agropecuária (INIA), na regional de Tacuarembó. O Polo de Excelência em Genética Bovina é uma iniciativa da SECTES, que atua com recursos FAPEMIG com objetivo de consolidar o Estado de Minas Gerais como centro do desenvolvimento integrado da Genética Bovina, com foco na geração de produtos de qualidade, de maneira sustentável. O Polo atua como articulador da cadeia, incentivando a pesquisa e inovação tecnológica na produção bovina e no agronegócio do Estado. A Missão ao Uruguai foi aprovada pela FAPEMIG, no Anexo IV, referente ao Convênio / Manutenção do Polo de Excelência em Genética Bovina, e seu desdobramento será importante componente do projeto /2013 Gestão da Inovação da Biotecnologia Pecuária em Minas Gerais. 2. Integrantes da Missão Delegação de Minas Gerais: Dra. Renata Soares Serafim Gerente Executiva do Polo de Excelência em Genética Bovina Coordenadora da Delegação e Chefe da Missão. M.Sc. Camila de Moraes Raymundo Coordenadora do Centro de Inteligência do Polo de Excelência em Genética Bovina; Sr. Carlos Henrique Cavallari Machado Superintendente Adjunto do Melhoramento Genético da Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ); 2

3 Sr. Cláudio Severino Lara Gerente Comercial do Cenatte Embriões; Sr. Edon Rocha Braga Gerente Técnico da Associação Brasileira dos Criadores de Zebu, ETR Porto Alegre RS; Dr. Sergio Bertelli Pflanzer Júnior Professor do Departamento de Tecnologia de Alimentos, da Faculdade de Engenharia de Alimentos Universidade estadual de Campinas, UNICAMP. 2.1 Uruguai O Uruguai (FIG. 1) está localizado no Sudeste da América do Sul e possui aproximadamente 3,5 milhões de habitantes. Na capital, Montevidéu, está localizada pouco menos da metade da população do país (1,338 milhões. ONU, 2009). O país é o segundo menor da América do Sul e a maior parte do território constitui-se de pradarias, ideais para criação de bovinos e ovinos que, a propósito, foram introduzidos na região em 1611 pelos espanhóis, tornando-se uma riqueza para a região. O principal componente da economia do país é o setor agropecuário, caracterizado pela criação de gado bovino e ovino, cujos produtos (tais como carne, lã, couro e derivados lácteos) são destinados, em sua maioria, à exportação. Os recursos minerais são escassos, mas há uma incipiente indústria de transformação das matérias-primas e combustíveis importados. Assim, sua principal indústria é a alimentícia, seguida da têxtil e da química. Além disso, o Uruguai é um dos países economicamente mais desenvolvidos da América do Sul, com um dos maiores PIB per capita da região, em 48 lugar no Índice de Qualidade de Vida (2011) e em 4 lugar em desenvolvimento humano na América Latina (2013). No país, foram visitados o Instituto Nacional de Carnes (INAC) em Montevidéu; o Centro Colaborador de OIE em Bem-Estar Animal e Produção Pecuária (CCBA) da Faculdade de Medicina Veterinária da Universidad de La Republica, em Montevidéu; O Centro de Genética Fertigen, em Batoví, a Planta Frigorífica Solís Meat Uruguay, em Solís; e o Instituto Nacional de Investigação Agropecuária (INIA), na regional de Tacuarembó. 3

4 FIGURA 1 Mapa do Uruguai e cidades visitadas Instituto Nacional de Carnes (INAC) Montevidéu Data: 12/05/2014 Presentes: Delegação mineira, Sr. Jorge Acosta (Chefe da área de informações e análise econômica), Sr. Guzmán Bessio (Departamento Técnico de Direção de Controle e Desenvolvimento de Qualidade), Sr. Daniel Abraham (Sistema Eletrônico de Informação da Indústria da Carne), Sr. Gregorio Dassati Razabone (Chefe da Unidade de Engenharia e Arquitetura e Sistema Eletrônico de Informação). Assuntos tratados: Apresentação da indústria da carne no Uruguai, do INAC e sua ligação com o Governo e toda a cadeia produtiva, como um representante do Poder Executivo do Uruguai (FIG. 2 e FIG. 3). Após a reunião, foi realizada uma visita ao Museu Interativo do INAC (FIG. 4 e FIG. 5). 4

5 Essa instituição, que está próxima de completar 50 anos de existência, parece ser o maior responsável pelo processo organizacional do setor carne do Uruguai. Até 1967, o setor produtivo de carnes era apenas normatizado e fiscalizado pelo MGAP, órgão no Brasil equivalente ao MAPA. Após um colapso produtivo ocorrido no ano de 1966, foi então instituído o INAC, que hoje é composto por membros que representam todos os elos do setor carne, sendo eles MGAP e MIEM (Ministério da Indústria, Energia e Minério) que representam o Governo, Associação Rural e Federação Rural que representam os produtores, a Câmara da Indústria Frigorífica e a Associação da Indústria Frigorífica que representam os frigoríficos. Desta maneira, os caminhos a serem trilhados pelo INAC, ou mesmo pelo setor produtivo, são discutidos pelos elos da cadeia, e as decisões tomadas acontecem em conjunto e com aprovação quase sempre unânime, sendo poucas vezes necessária a votação. Um dos pontos que diferenciam o INAC, frente a outros institutos, é a forma como o mesmo é financiado, ou seja, é uma instituição pública, mas não estatal, sendo financiada por uma parcela dos impostos recolhidos pelo mercado da carne (0,6% da carne exportada e 0,7% carne comercializada no país). Os objetivos globais do INAC consistem em promover a qualidade comercial dos produtos, controlar o mercado interno da carne, analisar os números da produção de carne no país e promover a carne uruguaia para o exterior. Na reunião foi possível destacar quatro importantes projetos desenvolvidos e coordenados pelo INAC, os quais foram e são primordiais para explicar como o Uruguai possui uma posição de destaque no cenário de produção e exportação de carne bovina. Os projetos são: Identificação animal e rastreabilidade; Bem Estar Animal; Sistema de Caixas Pretas, e por último a promoção da Produção Sustentável (Natural). A identificação individual de todos os bovinos, de forma obrigatória desde 2006, juntamente com um sistema de rastreabilidade, passou a ser uma maneira de controlar e coletar as informações sobre o setor produtivo da carne bovina. Até este momento era muito difícil saber, de maneira concreta, os números da produção de carne, pois era comum o abate clandestino ou a sonegação fiscal. Toda movimentação do gado é registrada até o momento do abate. Em 2004, o INAC iniciou o projeto para incentivar a melhoria das práticas de manejo do gado, com intuito de promover a qualidade da carne e acender no mercado internacional em relação ao Bem Estar Animal. Desta maneira, o Uruguai é reconhecido hoje como um dos países que possui um sistema nacional para controlar e monitorar o Bem Estar Animal. Além do aspecto ético, as boas práticas de manejo trazem benefícios econômicos, seja pela menor incidência de contusões ou pela menor incidência de carne escura (DFD). O sistema das Caixas Pretas tem dois objetivos principais. O primeiro é acabar com a desconfiança entre produtores e frigoríficos e o segundo, que vem de maneira 5

6 indireta, serve para estimar a produtividade do setor, pois as balanças, dispostas em diferentes pontos da cadeia produtiva, funcionam como registradores de informações, que tanto os produtores, quanto os frigoríficos podem utilizar para estimar suas eficiências de produção, enquanto o INAC recebe e avalia todas estas informações em conjunto. Dependendo do frigorífico, o número de caixas pretas pode ir de 1 a 7, e são elas: 1 - peso vivo, 2 - peso após sangria, 3 - peso antes da esfola e evisceração, 4 - peso após toalete, 5 - peso na desossa, 6 - peso dos cortes gerados e 7 - peso das caixas produzidas. O programa estratégico de promoção da carne Natural visa levar confiança aos clientes, com informações sobre questões de qualidade sensorial, nutrição e higiene, além de sustentabilidade e Bem Estar Animal. Com o uso de tecnologia e devido ao padrão sanitário do país, o Uruguai consegue produzir e exportar seus produtos para mercados e cotas específicas que possibilitam a agregação de valor, como Cota Hilton e Cota 481 (grain feed). De maneira geral, é possível concluir que o INAC é o grande responsável por manter a qualidade e a confiança do setor produtivo de carne bovina no Uruguai, e isto se deve à diversidade dos membros envolvidos e de como a instituição é financiada. FIGURA 2 Placa em frente ao prédio do INAC. 6

7 FIGURA 3 Sr. Jorge Acosta com a delegação mineira. FIGURA 4 Museu interativo do INAC. 7

8 FIGURA 5 Delegação em visita ao Museu interativo Universidad de La Republica (UDELAR): Facultad de Medicina Veterinaria Montevidéu Data: 13/05/2014 Presentes: Delegação mineira e professores/pesquisadores da UDELAR (FIG. 6): Dra. Stella Huertas (Professora Adjunta do Instituto de Biociências Veterinárias e Diretora do Centro Colaborador de OIE em Bem-estar Animal e Produção Pecuária CCBA), Deborah César (Assessora em Sanidade Animal do Instituto Plano Agropecuário e colaboradora honorária do CCBA), Andres D. Gil (Professor Titular do Instituto de Biociências Veterinárias, Área de Bioestatística), Silvia LLambí (Professora do Instituto de Produção Animal, Área de Genética) e Dr. Fernando Vila Hill (Doutor em medicina e tecnologia veterinária, docente da Faculdade de Veterinária, na área de Bioestatística. Especialista em Genética e Produção Equinos). Assuntos tratados: Breve apresentação do Polo e da delegação; Breve apresentação dos professores/ pesquisadores da Faculdade de Veterinária; Apresentação da Faculdade de Veterinária e dos trabalhos de bem-estar animal desenvolvidos pelo Centro Colaborador de OIE em Bem-estar Animal e Produção Pecuária; 8

9 Discussão sobre possíveis cooperações entre a UDELAR e as Universidades Mineiras um documento modelo para cooperação foi entregue ao Polo de Genética, para providenciar futuras parcerias (FIG. 7); Visita às instalações da Faculdade de Medicina Veterinária da UDELAR (FIG. 8 e FIG. 9). A Universidad de la Republica (UDELAR) é a principal instituição de educação superior e pesquisa do Uruguai. Em conjunto com vários atores institucionais e sociais, realiza múltiplas atividades orientadas ao uso de conhecimento e à difusão da cultura. Caracteriza-se por ser uma instituição pública, autônoma e governada por seus docentes, estudantes e egressos. A pesquisa, na UDELAR, é um dos objetivos estabelecidos no Art. 2º de sua Lei Orgânica. Mais da metade das pesquisas desenvolvidas no Uruguai é realizada nesta Universidade. Sendo a maior e a mais importante Universidade do país, a UDELAR conta com mais de 80 mil estudantes ( estudantes, em 2007) e compreende 14 faculdades, além de vários institutos e escolas universitárias. Foi fundada no dia 18 de julho de 1849, em Montevidéu. A visita à UDELAR foi bastante produtiva para o Polo de Genética, pois se abriram oportunidades para cooperações e intercâmbios para alunos e professores, de forma a haver participação e desenvolvimento de projetos conjuntamente, em áreas afins. O formulário cedido pela Dr.ª Stella Huertas durante a reunião, posteriormente, foi encaminhado para algumas Instituições de Ensino Superior, como a FAZU e UNIUBE, e ambas mostraram-se interessadas em preenchê-lo para posterior convênio. Foram realizadas duas reuniões com a UNIUBE, a fim de conhecer as linhas de pesquisa dos docentes do curso de mestrado em Sanidade e Produção Animal nos Trópicos. Os professores enviaram seus currículos, os quais podem ser visualizados no link - sendo este encaminhado à Dr.ª Stella Huertas para que se continuasse a tramitação do acordo de cooperação. Por outro lado, as Faculdades Associadas de Uberaba (FAZU) preencheram o formulário para estabelecer um convênio com UDELAR, e o Polo de Genética encaminhou o documento aos cuidados da Dr.ª Stella Huertas. A Dr.ª Stella comprometeu-se em informar ao Polo de Genética, tão logo recebesse o formulário. 9

10 FIGURA 6 Delegação mineira com pesquisadores da UDELAR. FIGURA 7 Reunião sobre cooperações entre UDELAR e Universidades Mineiras. 10

11 FIGURA 8 Instalações da Faculdade de Medicina Veterinária da UDELAR. FIGURA 9 Réplica da primeira escola de Medicina Veterinário do Mundo (em Lyon, na França). À direita, a delegação mineira em frente ao monumento, que é o laboratório de anatomia da UDELAR Centro de Genética Fertigen Batoví (Província de Tacuarembó) Data: 14/05/

12 Presentes: Delegação mineira e Dr. Daniel Gambetta (Veterinário e Diretor do Centro, FIG. 10). Assuntos tratados: Apresentação do Centro Fertigen de coleta e processamento de sêmen; Visita às instalações e laboratório; Mostra dos principais touros da Central, das raças Red e Black Angus e Hereford; Breve discussão sobre o mercado da biotecnologia, importações e exportações de material genético pelo Uruguai. O Centro Fertigen se dedica à coleta e congelamento de sêmen bovino. Além disso, prepara touros para competir em importantes exposições como Prado (Montevideo UY) e Expointer (Esteio RS- BR). O Centro é registrado junto às autoridades sanitárias uruguaias e pode comercializar sêmen no mercado doméstico e internacional. No último ano foram congeladas ao redor de doses, sendo parte delas destinadas à comercialização e parte à prestação de serviços ao cliente. No segundo caso, o cliente paga pela industrialização ao redor de U$ 3,50 (três dólares e cinquenta centavos) por dose. Na modalidade de prestação de serviços, o sêmen será utilizado no rebanho do cliente ou comercializado por ele. O Centro Fertigen dispõe de catálogo informativo com os touros disponíveis para comercialização, inclusive exportação (FIG. 11). As raças predominantes são Hereford e Angus, nas variedades Red e Black (FIG. 12). No catálogo está disponível um touro Braford (5/8 Hereford, 3/8 Brahmam ou Nelore). As instalações são extremamente simples, embora funcionais, saudáveis aos animais a atendendo a todos os requisitos básicos de ambiência e bem - estar (FIG. 13). O quadro de colaboradores envolvidos na rotina da central é composto por quatro pessoas, incluindo o Dr. Daniel Gambetta. Os equipamentos do laboratório são oriundos de uma central desativada no Brasil, em Rosário do Sul RS (FIG. 14). O Uruguai tem grande tradição na criação da raça Hereford. Os dados de avaliação genética do rebanho puro Hereford são coletados pelos criadores e enviados à Austrália, onde são processados pelo programa BREEDPLAN. Os rebanhos Hereford do Uruguai, Argentina e Estados Unidos são avaliados em conjunto, gerando dados confiáveis e harmonizados entre os países citados. 12

13 O touro destaque da Fertigen é o animal CAUDILLO, da raça Hereford (FIG. 15). Este touro foi destaque em pistas e sua prole também está se destacando em pistas. Os dados do teste de progênie deste touro são muito bons, mesmo quando comparado com a base de dados americana. A dieta dos touros se baseia em pastagem nativa nos piquetes, três quilogramas diários de concentrado e feno à vontade. Quando em coleta, os touros são trabalhados dois dias por semana e dois saltos ao dia. Apesar de o Uruguai ter a totalidade de suas 12 milhões de cabeças rastreadas, segundo o Dr. Daniel, uma pequena parte das vacas é inseminada. FIGURA 10 Delegação mineira com o Dr. Daniel Gambetta. FIGURA 11 Catálogo Fertigen 2013/

14 FIGURA 12 Touro Black Angus. Touro Red Angus. FIGURA 13 Instalações da Fertigen. 14

15 FIGURA 14 Laboratório de análises e botijões de armazenamento de sêmen. FIGURA 15 Touro Caudillo Planta Frigorífica Solís: Solís Meat Uruguay Solís Data: 15/05/2014 Presentes: Delegação mineira e Alejandro Sans (Gerente da Planta Frigorífica, FIG. 16). Assuntos tratados: Vídeo institucional do Solís Meat Uruguay; Apresentação da planta frigorífica, com foco na logística e funcionamento da mesma; Apresentação do sistema eletrônico de classificação de carcaça e relatório enviado ao produtor (FIG. 17); Discussão sobre o mercado da carne no Uruguai com foco na exportação (país exporta 80% da produção), Cota 481 da União Europeia (abate de bovinos de até 30 meses, entram aos 23 meses no confinamento, para serem terminados 15

16 neste sistema, por no mínimo 100 dias, FIG. 18), qualidade, segurança alimentar e bem-estar animal; Visita à planta frigorífica e explicações sobre toda a linha de abate; Visita aos currais de entrada dos animais (FIG. 19), os quais seguem os padrões de bem-estar animal pré-estabelecidos por Temple Grandin sumidade no assunto. O frigorífico Solís é uma empresa relativamente nova, que foi fundada em 1994, moderna, e que pode ser considerada de médio porte, pois abate diariamente cerca de 450 bovinos por dia. Entretanto, a empresa é reconhecida por seus programas de qualidade, os quais originam produtos que são exportados para países exigentes, como os da União Europeia e Estados Unidos. Assim como muitos frigoríficos do país, Solís recebe gado de um raio não maior que 250 km e normalmente dos mesmos produtores (70% do gado), os quais já fornecem gado há muitos anos. Desta maneira existe uma maior facilidade de negociação entre as partes, pois ambos sabem o funcionamento um do outro. O frigorífico funciona com uma escala de abate de cerca de uma semana, e a escala é montada sempre após a venda da carne, ou seja, procura-se comprar o gado após uma demanda já conhecida. A negociação para pagamento do produtor é feita basicamente pelo peso da carcaça, em kg, que em 2013 ficou em 3,66 US$ (54,9 que em reais, hoje, ficaria próximo a R$ 126,00. O produtor tem ainda a escolha de participar de um programa de pagamento diferenciado, no qual ele pode ser bonificado ou penalizado, dependendo das características de carcaça de seus animais. A tipificação é feita levando-se em conta a idade e sexo dos animais, além da musculosidade e acabamento das carcaças. Existe uma diferenciação no preço pago para as diferentes categorias de animais. Por exemplo, para as fêmeas o valor pago é de 3,33 US$/kg enquanto para touros o valor é de 2,56 US$/kg. Esses valores foram praticados em O tema Bem Estar Animal é muito fomentado no frigorífico Solís, e este é tratado com muita atenção desde o manejo do gado no momento do embarque até o momento do abate. O toalete, quando ocasionado pelas contusões, é descontado do produtor. Ainda neste contexto aplicam-se treinamentos constantes aos motoristas e funcionários do frigorífico, visando melhorar cada vez mais as práticas de manejo do gado. Os motoristas são instruídos a elaborar um relatório de embarque, onde descrevem como o mesmo foi realizado, ou seja, se foram utilizado cachorros, ou mesmo realizado de maneira agitada, ou com violência. Um diferencial aplicado pelo frigorífico Solís é o sistema de classificação eletrônica de carcaças, onde se avalia, além do peso, a conformação e o acabamento, podendo ainda ser possível avaliar a presença de contusões. Esse sistema baseia-se na avaliação de imagens/fotos de cada meia carcaça. Essas fotos, assim como todos 16

17 os dados coletados (romaneio), são enviadas em tempo real para o produtor e para o sistema do INAC, os quais podem acompanhar mesmo à distância, o resultado do abate. Esse sistema eletrônico, o qual também funciona no sistema de Caixa Preta, cria uma melhor confiança entre o produtor e o frigorífico, pois a avaliação das carcaças passa de subjetiva (pessoas) para objetiva (máquina). Há cerca de dois anos iniciou-se a exportação de carne pela Cota 481 da União Europeia, na qual a carne é originada de bovinos jovens (até 30 meses) terminados em confinamento (mínimo de 100 dias). Para conseguir esse tipo de produto, o frigorífico trabalha com convênios/parcerias com alguns produtores mais tecnificados, os quais são capazes de produzir este tipo de animal, e por isso recebem uma bonificação. Parece existir, no Uruguai, uma boa relação entre produtor e frigorífico, onde a confiança no sistema é baseada pelo sistema de rastreabilidade juntamente com as Caixas Pretas. Existem programas específicos de bonificação aos produtores de carne de qualidade, mas no geral a comercialização é feita pelo preço base da carne. FIGURA 16 Delegação mineira com Sr. Alejandro Sans, com roupas especiais para entrar no frigorífico. 17

18 FIGURA 17 Acima, sistema eletrônico de classificação de carcaça e abaixo, relatório enviado ao produtor. 18

19 FIGURA 18 Caixas de carne a serem exportadas à União Europeia. FIGURA 19 Currais de entrada e espera dos animais. 19

20 2.1.5 Instituto Nacional de Investigação Agropecuária (INIA), regional de Tacuarembó Data: 16/05/2014 Presentes: Delegação mineira, Dr. Fabio Montossi (Chefe do Programa Nacional de Ovinos e Caprinos), Dra. Olga Ravagnolo (Programa Nacional de Carne e Lã) e Dr. Gustavo Brito (Programa Nacional de Carne e Lã). Assuntos tratados: Vídeo institucional o qual explica brevemente o trabalho de pesquisa e extensão do INIA; Breve apresentação do Polo e da delegação; Apresentação sobre a pesquisa realizada pelo INIA pelo Dr. Fábio Montossi (FIG. 20): o Produção animal sustentabilidade, bem-estar, qualidade do produto final, rastreabilidade e identificação, segurança alimentar e genética; o Mercado - exportação x importação, preços de venda x custo de produção. o Apresentação sobre Melhoramento Genético de Bovinos, com foco em produção de carne, pela Dra. Olga Ravagnolo (FIG. 21): o Convênio com associações de criadores para estabelecer linhas de pesquisas (demandas); o Registros genealógicos; o Avaliações genéticas de populações (rebanhos): índices reprodutivos como facilidade de parto, por exemplo e eficiência alimentar; o Apresentação de resultados dos últimos experimentos. Mesa redonda: discussões sobre a pesquisa e programas de melhoramento genético de bovinos, realizados no Brasil e Uruguai. FIGURA 20 Apresentação do Dr. Fábio Montossi (Foto: INIA) 20

21 FIGURA 21 Apresentação da Dra. Olga Ravagnolo (foto INIA). O Instituto Nacional de Investigação Agropecuária (INIA) é um centro de pesquisa e desenvolvimento, criado em 1989, cuja missão é fortalecer a inovação tecnológica no setor, contribuindo para o desenvolvimento sustentável do Uruguai. É constituído por quatro representantes, sendo dois do Poder Executivo (propostos pelo Ministério da Pecuária, Agricultura e Pesca) e dois representantes dos produtores. A ideia deste sistema, o qual reúne governo, financiamento público e privado é tornar o desenvolvimento de pesquisas mais eficiente e dinâmico. Os produtores participam ativamente, através do Conselho complementar Regional, o qual é responsável pelas decisões para formulação, desenvolvimento, seguimento e difusão dos projetos de pesquisa nas áreas de maior demanda local. A difusão da informação tecnológica obtida através destas pesquisas é realizada através de articulação com associações de assistência técnica e extensão, atividades presenciais e de atualização (jornadas, dias de campo e seminários), além de publicações e página da web. O instituto é coordenado pela Direção Nacional, a qual é uma estância central localizada em Montevidéu. Além disso, e possui cinco Estações Experimentais: Las Brujas, La Estanzuela, Salto Grande, Tacuarembó e Treinta y Tres. A delegação mineira foi recebida pelos diretores e pesquisadores da Estação de Tacuarembó (FIG. 22 e FIG. 23). Esta Regional foi criada em 1972 com o objetivo de desenvolver pesquisas e disponibilizar assistência técnica naquela região, visando aumentar a eficiência de produção local. A então Estação Experimental do Norte foi instituída através do programa de regionalização do Centro de Investigações Agrícolas, que era ligado ao Ministério de Pecuária, Agricultura e Pesca do Uruguai. Em 1989, com a criação do INIA, esta Estação Experimental passou a integrá-lo. Tacuarembó é uma região de pecuária extensiva, produção agrícola e florestal e, desta forma, desenvolve pesquisas nas áreas de bovinocultura de corte, ovinocultura (carne e lã), pastagens, produção florestal (pinho e eucalipto), integração 21

22 lavoura-pecuária-silvicultura, produção hortícola (alho, batata comum e doce, cebola, amendoim e feijão), além do cultivo de arroz e rotação desta cultura com pasto. Assim, os principais objetivos desta Regional são melhorar a competitividade das cadeias agroindustriais, através da melhoria da eficiência de produção, qualidade e agregação de valor ao produto final. O foco é oferecer soluções tecnológicas, valorizando sempre os recursos naturais e a produção sustentável. FIGURA 22 Entrada do INIA, regional de Tacuarembó. 22

23 FIGURA 23 Delegação mineira com Dra. Olga Ravagnolo na entrada do INIA. 3. Conclusão Após a realização da missão ao Uruguai, foi possível conhecer uma realidade bem diferente da encontrada e vivenciada pelo Brasil. Apesar de sua pequena extensão territorial, o Uruguai destaca-se por sua organização na cadeia produtiva pecuária, que é reconhecida e respeitada por todos os atores da cadeia. Os Institutos de pesquisa visitados exercem notável influência em todos os setores, e monitoram os rebanhos que serão abatidos com tecnologia moderna e bonificações pela qualidade de carne. O investimento em pesquisas voltadas à melhoria das características de carcaça, bem estar animal, pecuária sustentável e a intensificação das parcerias com países desenvolvidos, como importadores da carne produzida, fazem do Uruguai um país em constante ascensão econômica e de grande destaque no cenário da pecuária internacional. Agradecimentos Ao apoio da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de Minas Gerais (SECTES), através dos esforços da Assessoria de Parcerias Nacionais e Internacionais (APNI) para que todas as visitas fossem programadas de acordo com a proposta do projeto do Polo de Genética. À FAPEMIG pela aprovação do projeto e liberação dos recursos para que a Missão ao Uruguai fosse realizada. 23

24 Às instituições de pesquisa e empresas visitadas, por terem disponibilizado seu tempo, pessoal e informações relevantes que subsidiarão os trabalhos desenvolvidos pelo Polo de Genética, e desta forma contribuirão com o desenvolvimento do Estado de Minas Gerais. À delegação mineira, pelo empenho, dedicação, companheirismo e participação durante todo o período da viagem. 24

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria Médio Integrado em Agroindústria A importância da cadeia do leite A cadeia do leite e de seus derivados desempenha papel relevante no suprimento de alimentos e na geração de emprego e renda, se igualando

Leia mais

ANGUS: Fábio Schuler Medeiros. Médico Veterinário, D. Sc Gerente Nacional do Programa Carne Angus Certificada Associação Brasileira de Angus

ANGUS: Fábio Schuler Medeiros. Médico Veterinário, D. Sc Gerente Nacional do Programa Carne Angus Certificada Associação Brasileira de Angus ANGUS: Rentabilidade e mercado Fábio Schuler Medeiros Médico Veterinário, D. Sc Gerente Nacional do Programa Carne Angus Certificada Associação Brasileira de Angus Nossos Questionamentos... Como está a

Leia mais

PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO

PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO WESP-GUTERRES, Caroline 1 ; TEIXEIRA, José Domingos Lemos 1 ; ARALDI,Daniele Furian 2 Palavras-Chave: Brasil. Consumo de carne. Bovinocultura. Introdução

Leia mais

DE CRIADOR PARA CRIADOR

DE CRIADOR PARA CRIADOR DE CRIADOR PARA CRIADOR No clima para a máxima produção com qualidade. Altitude e temperatura perfeitas. O resultado são rebanhos com máxima produção de sêmen com qualidade, para você vender sempre mais.

Leia mais

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil Revista Ovinos, Ano 4, N 12, Porto Alegre, Março de 2008. Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil João Garibaldi Almeida Viana 1 Os ovinos foram uma das primeiras espécies de animais domesticadas

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

BEM-ESTAR ANIMAL E ABATE HUMANITÁRIO

BEM-ESTAR ANIMAL E ABATE HUMANITÁRIO BEM-ESTAR ANIMAL E ABATE HUMANITÁRIO NELMON OLIVEIRA DA COSTA Fiscal Federal Agropecuário Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo SDC/MAPA PRINCÍPIOS DE BEM-ESTAR ANIMAL QUESTÕES ÉTICAS

Leia mais

Feira Internacional de tecnologia e negócios. 05 a 09 de março de 2012 Não-Me-Toque/RS

Feira Internacional de tecnologia e negócios. 05 a 09 de março de 2012 Não-Me-Toque/RS EXPODIRETO 2012 Feira Internacional de tecnologia e negócios 05 a 09 de março de 2012 Não-Me-Toque/RS EXPODIRETO 2012 Feira Internacional de tecnologia e negócios Você é nosso convidado para participar

Leia mais

ZAP Zambezia Agro Pecuaria Lda - Mozambique DESENVOLVIMENTO DE GADO LEITEIRO GIROLANDA FERTILIZACAO IN VITRO IVF

ZAP Zambezia Agro Pecuaria Lda - Mozambique DESENVOLVIMENTO DE GADO LEITEIRO GIROLANDA FERTILIZACAO IN VITRO IVF 1 ZAP Zambezia Agro Pecuaria Lda - Mozambique DESENVOLVIMENTO DE GADO LEITEIRO GIROLANDA FERTILIZACAO IN VITRO IVF 2 Capitulo 1 - Parceiros e Principal Fornecedor. Parceiros do projeto In Vitro Brasil

Leia mais

5ª Prova de Desempenho Individual de Touros Nelore Vitrine Tecnológica da UFU

5ª Prova de Desempenho Individual de Touros Nelore Vitrine Tecnológica da UFU 5ª Prova de Desempenho Individual de Touros Nelore Vitrine Tecnológica da UFU 1. Apresentação Este documento tem por finalidade apresentar a 5ª Prova de Desempenho Individual de Touros Nelore a ser realizada

Leia mais

Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil

Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil Parceria entre Alta Genetics, Pfizer e Sérgio Nadal promete acelerar os rebanhos comerciais do país. A carne

Leia mais

Carlos Eduardo Rocha Paulista Grupo JBS S/A. Desafio da Industria Brasileira

Carlos Eduardo Rocha Paulista Grupo JBS S/A. Desafio da Industria Brasileira Carlos Eduardo Rocha Paulista Grupo JBS S/A Desafio da Industria Brasileira Carlos Eduardo Rocha Paulista Zootecnista FAZU Msc. Melhoramento Genético UNESP MBA em Marketing FEA USP AUSMEAT Curso de Formação

Leia mais

O cruzamento do charolês com o zebu (indubrasil, guzerá ou nelore) dá origem ao CANCHIM. Rústico e precoce, produz carne de boa qualidade.

O cruzamento do charolês com o zebu (indubrasil, guzerá ou nelore) dá origem ao CANCHIM. Rústico e precoce, produz carne de boa qualidade. OUTUBRO 2006 Para chegar ao novo animal, os criadores contaram com a ajuda do superintendente do laboratório de inseminação artificial Sersia Brasil, Adriano Rúbio, idealizador da composição genética

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

AVICULTURA DE CORTE. José Euler Valeriano. Avicultor 2015 Belo Horizonte MG 25/06/2015

AVICULTURA DE CORTE. José Euler Valeriano. Avicultor 2015 Belo Horizonte MG 25/06/2015 BEM ESTAR ANIMAL - O FUTURO AVICULTURA DE CORTE José Euler Valeriano Avicultor 2015 Belo Horizonte MG 25/06/2015 BEA BEM ESTAR ANIMAL Como definir BEM ESTAR? O animal precisa encontrar no meio ambiente

Leia mais

PORTFÓLIO DOS CURSOS - 2015 PRONATEC - SENAR-AR/RN

PORTFÓLIO DOS CURSOS - 2015 PRONATEC - SENAR-AR/RN PORTFÓLIO DOS CURSOS - 2015 PRONATEC - SENAR-AR/RN 1. Agricultor Orgânico (160 horas) Perfil Profissional: Executa com base nas técnicas da produção orgânica, o manejo do solo e das culturas, a produção

Leia mais

Considerações sobre Sistemas de Avaliação e

Considerações sobre Sistemas de Avaliação e Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia FMVZ Campus de Botucatu Departamento de Produção Animal Considerações sobre Sistemas de Avaliação e Tipificação de Carcaças André démendes Jorge Zootecnista

Leia mais

Agronegócio Internacional

Agronegócio Internacional Boletim do Agronegócio Internacional Agronegócio Internacional Recordistas de vendas no valor total exportado pelo Brasil jan-jul 2014/2013 Edição 03 - Agosto de 2014 O agronegócio representou 44% das

Leia mais

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 8 APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE

Leia mais

Regimento. Programa de Residência Zootécnica como formador de agentes de desenvolvimento. Regimento

Regimento. Programa de Residência Zootécnica como formador de agentes de desenvolvimento. Regimento Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico Regimento Programa de Residência Zootécnica como formador de agentes de desenvolvimento territorial 2013 Embrapa Gado de Leite Juiz de Fora

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia Universidade Federal de Uberlândia Relatório Visita técnica Embrapa Gado de Corte-MS Grupo de estudos e pesquisa em forragicultra UFU GEPFOR Guilherme Amorim Soares da Silva Zootecnia Uberlândia 2014 I

Leia mais

Instruções e planilhas para o controle de produção visando o melhoramento genético na bovinocultura de corte de base familiar

Instruções e planilhas para o controle de produção visando o melhoramento genético na bovinocultura de corte de base familiar ISSN 0103-376X Setembro, 2006 Instruções e planilhas para o controle de produção visando o melhoramento genético na bovinocultura de corte de base familiar 57 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

Palestras Scot Consultoria

Palestras Scot Consultoria Palestras Scot Consultoria índice palestras scot consultoria As melhores e mais fiéis informações de mercado vão até você temas 3 pecuária de corte e seus derivados temas 5 pecuária de leite e derivados

Leia mais

PROGRAMA DE FOMENTO AO CRUZAMENTO ANGUS MANUAL

PROGRAMA DE FOMENTO AO CRUZAMENTO ANGUS MANUAL PROGRAMA DE FOMENTO AO CRUZAMENTO ANGUS MANUAL 1. A RAÇA ABERDEEN ANGUS Originária da Escócia, a raça foi selecionada em função de suas características superiores de precocidade, fertilidade, rusticidade,

Leia mais

Governo do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP

Governo do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP Governo do Brasil Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP Integração Contratual para Acesso a Mercado Rodolfo Osorio de Oliveira Coordenador

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

ESTRUTURAÇÃO DA CADEIA PRODUTIVA DE OVINOS REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS - PARANÁ. Bartmeyer, T.N. 1

ESTRUTURAÇÃO DA CADEIA PRODUTIVA DE OVINOS REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS - PARANÁ. Bartmeyer, T.N. 1 ESTRUTURAÇÃO DA CADEIA PRODUTIVA DE OVINOS REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS - PARANÁ Bartmeyer, T.N. 1 RESUMO O consumo da carne de cordeiro no Brasil está em expansão e hoje há uma demanda deste produto em restaurantes,

Leia mais

negócios agroindustriais

negócios agroindustriais graduação administração linha de formação específica negócios agroindustriais Características gerais A Linha de Formação Específica de Negócios Agroindustriais da Univates visa ao desenvolvimento de competências

Leia mais

QUALIDADE VERDANA 2014

QUALIDADE VERDANA 2014 ano 2 MAIO 2014 EDIÇão 02 www.verdanaagropecuaria.com.br camapuã/ms INFORMATIVO Mais valor para você Editorial QUALIDADE VERDANA 2014 1 1 A QUALIDADE QUE FEZ A DIFERENÇA em 2013 ENCONTRO 2013 Vinte e seis

Leia mais

SETOR EQÜINO MOVIMENTA R$ 7,3 BILHÕES POR ANO

SETOR EQÜINO MOVIMENTA R$ 7,3 BILHÕES POR ANO SETOR EQÜINO MOVIMENTA R$ 7,3 BILHÕES POR ANO Pio Guerra 1, Sidney Almeida Filgueira de Medeiros 2 A importância dos eqüinos para o desenvolvimento do Brasil pode ser observada desde os tempos do Brasil-Colônia,

Leia mais

INDEX ASBIA MERCADO 2014

INDEX ASBIA MERCADO 2014 INDEX ASBIA MERCADO 2014 INDEX ASBIA Mercado de sêmen 2014. O relatório do INDEX ASBIA 2014 representa aproximadamente 92% do mercado de sêmen no Brasil, incluindo as raças de corte e leite e é composto

Leia mais

Conheça a primeira central de inseminação do mundo.

Conheça a primeira central de inseminação do mundo. Conheça a primeira central de inseminação do mundo. A primeira central de inseminação do mundo nasceu nos Estados Unidos e veste verde e amarelo há mais de 40 anos. A C.R.I. Genética é uma cooperativa

Leia mais

III CIRCUITO DE CONCURSOS DE CARCAÇAS CARNE PAMPA

III CIRCUITO DE CONCURSOS DE CARCAÇAS CARNE PAMPA III CIRCUITO DE CONCURSOS DE CARCAÇAS CARNE PAMPA OBJETIVOS: REGULAMENTO GERAL O III Circuito de Concursos de Carcaça Carne Pampa, promovido em parceria entre a e o Frigoríficos Marfrig, tem como principais

Leia mais

PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC

PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC Dados da Instituição Razão Social Esfera Administrativa Site de Instituição e do Programa Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal

Leia mais

A PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO NO BRASIL BRUNO DE JESUS ANDRADE DIRETOR EXECUTIVO DA ASSOCON

A PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO NO BRASIL BRUNO DE JESUS ANDRADE DIRETOR EXECUTIVO DA ASSOCON A PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO NO BRASIL BRUNO DE JESUS ANDRADE DIRETOR EXECUTIVO DA ASSOCON ASSOCON Associação Nacional dos Confinadores Entidade nacional com 85 membros 21% do volume confinado

Leia mais

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES Rafael Herrera Alvarez Médico Veterinário, Doutor, Pesquisador Científico do Pólo Centro Sul/APTA

Leia mais

Características dos Touros Senepol. Benefício ao Criador Invernista Confinador. Senepol SL

Características dos Touros Senepol. Benefício ao Criador Invernista Confinador. Senepol SL Senepol SL Programa SLde Melhoramento Estância Santa Luzia SENEPOL Benefícios dos Touros Senepol Santa Luzia Venda permanente Reprodutores & Doadoras Qualidade diferenciada a preço justo Na condução, Pedro

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DE APOIO À REALIZAÇÃO DE EVENTOS

RELATÓRIO TÉCNICO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DE APOIO À REALIZAÇÃO DE EVENTOS RELATÓRIO TÉCNICO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DE APOIO À REALIZAÇÃO DE EVENTOS Intituição: Embrapa Cerrados / Centro de Pesquisa Agropecuária do Projeto: IV Reunião Técnica de Pesquisas em Maracujazeiro Responsável:

Leia mais

PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS. Hélio Machado. Introdução

PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS. Hélio Machado. Introdução Capítulo 34 Gestão da pecuária bovina de Minas Gerais PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS Hélio Machado Introdução Minas Gerais tem uma área de 58

Leia mais

Rastreabilidade bovina: do campo ao prato - uma ferramenta a serviço da segurança alimentar Taulni Francisco Santos da Rosa (Chico)

Rastreabilidade bovina: do campo ao prato - uma ferramenta a serviço da segurança alimentar Taulni Francisco Santos da Rosa (Chico) Rastreabilidade bovina: do campo ao prato - uma ferramenta a serviço da segurança alimentar Taulni Francisco Santos da Rosa (Chico) Coordenador Agricultural Services SGS do Brasil Ltda. O que é Rastreabilidade?

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

A utilização da vaca F1: visão da EMATER-MG INTRODUÇÃO

A utilização da vaca F1: visão da EMATER-MG INTRODUÇÃO A utilização da vaca F1: visão da EMATER-MG 1Elmer Ferreira Luiz de Almeida; 2José Alberto de Àvila Pires 1 Coordenador Técnico Bovinocultura de Leite da EMATER-MG 2Coordenador Técnico Bovinocultura de

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Dr. José Luiz Viana Coutinho Código: 073 Município: Jales Eio Tecnológico: Recursos Naturais Habilitação Profissional:

Leia mais

Por que o Agronegócio é o Negócio do Brasil?

Por que o Agronegócio é o Negócio do Brasil? Por que o Agronegócio é o Negócio do Brasil? Prof. Samuel Ribeiro Giordano, Dr.Sc. Coordenador de Projetos do Pensa Programa de Agronegócios da Universidade de São Paulo-Brasil srgiorda@usp.br www.fia.com.br/pensa

Leia mais

Leite. A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades. relatório de inteligência. Abril 2014

Leite. A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades. relatório de inteligência. Abril 2014 Leite relatório de inteligência Abril 2014 A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades A rotina em uma propriedade leiteira exige acompanhamento e atenção em todos os

Leia mais

INDICAÇÃO GEOGRÁFICA PAMPA GAÚCHO DA CAMPANHA MERIDIONAL

INDICAÇÃO GEOGRÁFICA PAMPA GAÚCHO DA CAMPANHA MERIDIONAL INDICAÇÃO GEOGRÁFICA PAMPA GAÚCHO DA CAMPANHA MERIDIONAL Uma estratégia de agregação de valor Angelo Antonio Queirolo Aguinaga Campo Grande, 27 de novembro de 2012. Indicação Geográfica UMA FERRAMENTA

Leia mais

Programa de extensão universitária mais leite

Programa de extensão universitária mais leite Programa de extensão universitária mais leite Renato SOARES OLIVEIRA¹; Samuel PIASSI TELES²; Rafael BASTOS TEIXEIRA³; Cassia MARIA SILVA NORONHA 4 ; Alan Dhan COSTA LIMA 5 ; Arnaldo Júnior VALERIANO RESENDE

Leia mais

Programa Estadual de Controle e Erradicação da Tuberculose e Brucelose Bovídea - PROCETUBE

Programa Estadual de Controle e Erradicação da Tuberculose e Brucelose Bovídea - PROCETUBE Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio Departamento de Defesa Agropecuária Divisão de Defesa Sanitária Animal Programa Estadual de Controle e Erradicação da Tuberculose

Leia mais

Gestão de pessoas na empresa rural. Prof. Rafahel Carvalho de Souza PUC Minas

Gestão de pessoas na empresa rural. Prof. Rafahel Carvalho de Souza PUC Minas Gestão de pessoas na empresa rural Prof. Rafahel Carvalho de Souza PUC Minas Panorama antigo Modernização da agricultura brasileira (década 60-80): Investimentos (máquinas, equipamentos e animais de raças

Leia mais

OPORTUNIDADES PARA A PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL

OPORTUNIDADES PARA A PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL OPORTUNIDADES PARA A PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL 1. Produção de Leite Rodrigo Sant`Anna Alvim 1 O Brasil conta com um setor leiteiro que vem crescendo substancialmente nos últimos anos. Grande importador

Leia mais

NEWS BRASIL SEM FRONTEIRAS ABC & ANO IV N o 04 R$ 19,50

NEWS BRASIL SEM FRONTEIRAS ABC & ANO IV N o 04 R$ 19,50 ASSOCIAÇÃO 1 DORPER BRASIL SEM FRONTEIRAS NEWS ANO IV N o 04 R$ 19,50 9 771414 620009 0 2 ORGÃO OFICIAL DA ASSOCIAÇÃO ABC & DORPER B R A S I L BRASILEIRA DOS CRIADORES DE DORPER BIOTECNOLOGIAS REPRODUTIVAS

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. PROCESSO SELETIVO 2013 Cursos Técnicos a Distância 2 SEMESTRE

MANUAL DO CANDIDATO. PROCESSO SELETIVO 2013 Cursos Técnicos a Distância 2 SEMESTRE MANUAL DO CANDIDATO PROCESSO SELETIVO 2013 Cursos Técnicos a Distância 2 SEMESTRE APRESENTAÇÃO Neste Manual, desenvolvido pela Comissão de Processo Seletivo (COPESE) do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

O MANEJO SANITÁRIO E SUA IMPORTÂNCIA NO NOVO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO DA PRODUÇÃO DE PECUÁRIA DE CORTE

O MANEJO SANITÁRIO E SUA IMPORTÂNCIA NO NOVO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO DA PRODUÇÃO DE PECUÁRIA DE CORTE O MANEJO SANITÁRIO E SUA IMPORTÂNCIA NO NOVO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO DA PRODUÇÃO DE PECUÁRIA DE CORTE Guilherme Augusto Vieira, MV, MSc gavet@uol.com.br 1 Danilo Gusmão de Quadros, Eng.Agro,DSc - uneb_neppa@yahoo.com.br

Leia mais

BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS

BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA LABORATÓRIO DE FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS Disciplina: Exterior e raças Prof. Mauricio van Tilburg

Leia mais

Panorama Atual e Plano de Desenvolvimento para a Caprinovinocultura

Panorama Atual e Plano de Desenvolvimento para a Caprinovinocultura Panorama Atual e Plano de Desenvolvimento para a Caprinovinocultura Francisco Edilson Maia Presidente da Comissão Nacional de Caprinos e Ovinos CNA Presidente da Câmara Setorial e Temática de Ovinos e

Leia mais

Árvore da informação do agronegócio do leite. identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite

Árvore da informação do agronegócio do leite. identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite Árvore da informação do agronegócio do leite identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite 1. Introdução Claudio Nápolis Costa 1 A exposição dos mercados dos diversos países às pressões

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 OTIMIZAÇÃO DA EFETIVIDADE DE HEDGE NA COMPRA DE MILHO POR MEIO DE CONTRATOS FUTUROS PARA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE RESUMO GUSTAVO DE SOUZA CAMPOS BADARÓ 1, RENATO ELIAS FONTES 2 ; TARCISIO GONÇALVES

Leia mais

Courobusiness em Alagoas

Courobusiness em Alagoas Courobusiness em Alagoas Descrição Atração e instalação de empreendimentos de curtumes para o desenvolvimento e consolidação da cadeia produtiva do couro no Estado de Alagoas. Entidades responsáveis Célula

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ZOOTECNIA. PRÉ-REQUISITO e/ou CO-REQUISITO (CR)

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ZOOTECNIA. PRÉ-REQUISITO e/ou CO-REQUISITO (CR) MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ZOOTECNIA Quadro 1- Matriz curricular do curso de zootecnia DISCIPLINA 1º Período Introdução à Zootecnia Nenhum 24 08 32 NC OB Exercício da Profissão de Zootecnista Nenhum

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais

Nova Sistemática de Consultoria. Raysildo B. Lôbo Sabrina M. Trigo

Nova Sistemática de Consultoria. Raysildo B. Lôbo Sabrina M. Trigo Nova Sistemática de Consultoria Raysildo B. Lôbo Sabrina M. Trigo Conceitos Normas para Consultoria Tipos de Consultoria Módulo Consultores Conceitos Consultor Técnico Associado: profissional formado na

Leia mais

Curso de inseminação artificial da Alta dá dicas de como aumentar a rentabilidade em sua fazenda

Curso de inseminação artificial da Alta dá dicas de como aumentar a rentabilidade em sua fazenda São Paulo, 12 março de 2014 Curso de inseminação artificial da Alta dá dicas de como aumentar a rentabilidade em sua fazenda Suprir a demanda de mercado com produtos de qualidade e sustentáveis. Este é

Leia mais

INTEGRAÇÃO CONTRATUAL

INTEGRAÇÃO CONTRATUAL INTEGRAÇÃO CONTRATUAL Uma Estratégia de Acesso ao Mercado Internacional Pedro Viana Borges Esp. Pol. Públicas P e Gestão Governamental Internacionalização de Cooperativas Integração Regional no Mercosul

Leia mais

INSTITUTO AGRONÔMICO DE PERNAMBUCO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO CLIPPING ELETRÔNICO

INSTITUTO AGRONÔMICO DE PERNAMBUCO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO CLIPPING ELETRÔNICO INSTITUTO AGRONÔMICO DE PERNAMBUCO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO CLIPPING ELETRÔNICO De 06 de outubro de 2014 TECNOLOGIA GENÉTICA ACESSÍVEL PECUÁRIA Laboratório fará transferência de embriões de animais de

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria VII Seminário ABMR&A da Cadeia Produtiva de Carne Bovina Feicorte 2007 Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria Médica Veterinária Andréa Veríssimo M. Appl. Sc. Farm Management Lincoln

Leia mais

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO.

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO. SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO. Valmir L. Rodrigues Médico Veterinário/Biorastro Hoje, mais que antigamente, o consumidor busca serviços de

Leia mais

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO DE SEMENTES FORRAGEIRAS

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO DE SEMENTES FORRAGEIRAS O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO DE SEMENTES FORRAGEIRAS Tomás Lérisson da Silva Augusto Hauber Gameiro 1. INTRODUÇÃO A semente forrageira tem amparo legal conforme a Lei n o 10.711, de 05 de agosto de 2003

Leia mais

Diretoria Executiva. Gestão 2010/2011

Diretoria Executiva. Gestão 2010/2011 Diretoria Executiva Gestão 2010/2011 Gestão 2010/2011 Diretoria Executiva Presidente Maurício Mendes - CEO da Informa Economics FNP Vice- Presidente Jacques Paciullo Neto Diretor Comercial da Rede Globo

Leia mais

Clipping de notícias. Recife, 15 de julho de 2015.

Clipping de notícias. Recife, 15 de julho de 2015. Clipping de notícias Recife, 15 de julho de 2015. Cepe Recife, 15 de julho de 2015. 14/07/2015 ATÉ QUE ENFIM: 'Secretaria de Agricultura de Tabira instala balança no Curral do Gado' O prefeito de Tabira,

Leia mais

ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL

ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL Empresa Júnior de Nutrição de Ruminantes NUTRIR FCA-UNESP-FMVZ INTRODUÇÃO CONCEITOS BÁSICOS CENÁRIO DADOS MERCADO DO BOI CONSIDERAÇÕES FINAIS CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção

Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção Por Prof. Dr. Sergio De Zen e Graziela Correr; Equipe Pecuária de Corte Se, de um lado, a forte alta do dólar frente ao Real tem contribuído para elevar

Leia mais

CONHECENDO UMA CENTRAL DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL

CONHECENDO UMA CENTRAL DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL CONHECENDO UMA CENTRAL DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL Entrevistado: Marcelo Brandi Vieira Mestre em Reprodução Animal Diretor Técnico da Progen Inseminação Artificial BI: Qual a importância da Inseminação Artificial

Leia mais

Mercado do Boi Gordo

Mercado do Boi Gordo Mercado do Boi Gordo Perspectivas para os próximos anos SIC Esteio - RS Agosto 2006 Fabiano R. Tito Rosa Scot Consultoria Índice 1. Brasil: país pecuário 2. Comportamento dos preços internos 3. Perspectivas

Leia mais

MANUAL DE RASTREABILIDADE

MANUAL DE RASTREABILIDADE MANUAL DE RASTREABILIDADE A.P.C.B.R.H/RASTRECERT CNPJ: 76.607.597/0001-07 Inscrição Estadual: 101.15739-39 Endereço: Rua Professor Francisco Dranka, nº 608 Bairro Orleans - CEP: 81200-560 Curitiba-Paraná

Leia mais

Vantagens do Intercâmbio Comercial Agrícola com Manitoba

Vantagens do Intercâmbio Comercial Agrícola com Manitoba Vantagens do Intercâmbio Comercial Agrícola com Manitoba Pessoas de confiança, qualificadas e empenhadas em produzir produtos de qualidade que satisfaçam ou excedam as normas internacionais. Fornecimento

Leia mais

Reformular as estradas: - estradas prioritárias até 2014 - estradas secundárias até 2017. Manter 100% das estradas em boas. Elaborar um levantamento

Reformular as estradas: - estradas prioritárias até 2014 - estradas secundárias até 2017. Manter 100% das estradas em boas. Elaborar um levantamento PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS GT DA AGRICULTURA -"A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: "Que rurais de Santa Maria e região tenham qualidade de vida; mantenham uma produção altamente tecnificada,

Leia mais

José Ferreira Pankowski

José Ferreira Pankowski José Ferreira Pankowski O conselheiro técnico da Associação dos Criadores de Nelore de Mato Grosso, José Ferreira Pankowski, é o entrevistado da semana do site da Nelore MT. Ele fala sobre o desenvolvimento

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná ODÍLIO SEPULCRI CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA EMATER Paraná Projeto apresentado a Universidade Federal do Paraná, Confederação Nacional da Indústria, Serviço Nacional de Aprendizagem

Leia mais

2013-2013 Curso de curta duração em Inseminação Artificial em Bovinocultura. Fazenda Paraíso, FAZENDA PARAÍSO, Brasil

2013-2013 Curso de curta duração em Inseminação Artificial em Bovinocultura. Fazenda Paraíso, FAZENDA PARAÍSO, Brasil CURRICULUM VITAE JULIO RAMOS REIS Endereço: Rua Iraci, 712, Boa Esperança Patrocínio - MG CEP: 38740-000 Telefones: (34) 9178-4616 / (34) 9903-1156 E-mail: julioramosreis@gmail.com Dados pessoais Filiação

Leia mais

Só vence nos negócios quem se preocupa com as pessoas

Só vence nos negócios quem se preocupa com as pessoas Só vence nos negócios quem se preocupa com as pessoas Dezoito anos à frente da maior empresa de inseminação Artificial Bovina do Brasil, Heverardo Rezende Carvalho conta o que teve que aprender para se

Leia mais

PLANEJAMENTO E GESTÃO DE SISTEMAS INTENSIVOS DE PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO

PLANEJAMENTO E GESTÃO DE SISTEMAS INTENSIVOS DE PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO PLANEJAMENTO E GESTÃO DE SISTEMAS INTENSIVOS DE PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO RODRIGO OTÁVIO SPENGLER BEEF TEC - Consultoria Pecuária Campo Grande/MS rodrigospengler@beeftec.com.br 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária

Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária Prevenção, controle e erradicação de doenças e pragas animais e vegetais de interesse econômico e de importância para a saúde pública. Assegurar a sanidade,

Leia mais

Realização: PROGRAMA DO CURSO Gestão da Pecuária de Corte Marabá, PA

Realização: PROGRAMA DO CURSO Gestão da Pecuária de Corte Marabá, PA Realização: PROGRAMA DO CURSO Gestão da Pecuária de Corte Marabá, PA Parceria: Programa do curso Gestão da Pecuária de Corte Marabá, PA O curso Gestão da Pecuária de Corte oferece ao participante conhecimento

Leia mais

BENCHMARKING INTERNACIONAL COMPLEXO AGROINDUSTRIAL DA OVICAPRINOCULTURA BRASILEIRA

BENCHMARKING INTERNACIONAL COMPLEXO AGROINDUSTRIAL DA OVICAPRINOCULTURA BRASILEIRA RELATÓRIO FINAL REINO UNIDO, ESPANHA, URUGUAI, AUSTRÁLIA e NOVA ZELÂNDIA 1 APRESENTAÇÃO Relatório final da Ação de Benchmarking produzida para o Estudos do Complexo Agroindustrial da Ovinocaprinocultura

Leia mais

PROJETO: REDUÇÃO DA INFORMALIDADE DE MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS POR MEIO DO DIÁLOGO SOCIAL

PROJETO: REDUÇÃO DA INFORMALIDADE DE MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS POR MEIO DO DIÁLOGO SOCIAL PROJETO: REDUÇÃO DA INFORMALIDADE DE MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS POR MEIO DO DIÁLOGO SOCIAL RELATÓRIO DA OFICINA INTERNA: AVALIAÇÃO INTERMEDIÁRIA Convênio ATN/ME 11684-BR fevereiro de 2012 1 SUMÁRIO

Leia mais

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Ézio José Gomes Os dados do último Censo Agropecuário do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, de 2006

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NA PRODUÇÃO Produção de carnes NACIONAL - USDA - mil ton DO COMPLEXO CARNES - 2014 Carne Bovina

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS EDITAL Nº 05/2009/BRA/06/032 CÓDIGO DEFESA AGROPECUÁRIA O Projeto BRA/06/032 comunica aos interessados que estará procedendo à contratação de consultoria individual, na modalidade produto, para assessorar

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINA UNIDADE PRÉ-REQUISITO CH SEMANAL CH SEMESTRAL TEO PRA TEO PRA 1. Administração Rural EA Economia Rural 2 1 32 16 48

Leia mais

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 dezembro, 2012 Índice 1. Algodão 2. Soja 3. Milho 4. Boi Gordo 5. Valor Bruto da Produção ALGODÃO Mil toneladas

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA

Universidade Estadual de Londrina CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA PROPOSTA 1 Curso Nome(s) do(s) Curso(s) ZOOTECNIA Código e-mec 56129 Conceito ENADE 4 Coordenador da Proposta (Tutor do Grupo) ANA MARIA BRIDI 2 Caracterização da Proposta 2.1Área de Conhecimento (código

Leia mais

ANÁLISE MERCADOLÓGICA DE EMBRIÕES ZEBUÍNOS PRODUZIDOS A PARTIR DA TÉCNICA DE FERTILIZAÇÃO IN VITRO - FIV

ANÁLISE MERCADOLÓGICA DE EMBRIÕES ZEBUÍNOS PRODUZIDOS A PARTIR DA TÉCNICA DE FERTILIZAÇÃO IN VITRO - FIV ANÁLISE MERCADOLÓGICA DE EMBRIÕES ZEBUÍNOS PRODUZIDOS A PARTIR DA TÉCNICA DE FERTILIZAÇÃO IN VITRO - FIV Autor: Jorge Dias da Silva (SILVA, J. D.) E-mail: jorge@simaoedias.com Tel: 34 9202 1195 1 - INTRODUÇÃO

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE CORRENTE, ESTADO DO PIAUÍ, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 55, 2º, I, da Lei Orgânica do Município,

O PREFEITO MUNICIPAL DE CORRENTE, ESTADO DO PIAUÍ, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 55, 2º, I, da Lei Orgânica do Município, LEI ORDINÁRIA Nº 564/2014, DE 13 DE MARÇO DE 2014 Amplia o quadro de pessoal efetivo da Prefeitura, define atribuições e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE CORRENTE, ESTADO DO PIAUÍ, no uso

Leia mais

Curso de MBA. Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO)

Curso de MBA. Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO) Curso de MBA Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO) 1 2 SUMÁRIO 4. FORMATO. 5. CONCEPÇÃO. 7. OBJETIVO. 7. PÚBLICO ALVO. 8. DIFERENCIAIS INOVADORES

Leia mais

CFMV Conselho Federal de Medicina Veterinária

CFMV Conselho Federal de Medicina Veterinária CFMV Conselho Federal de Medicina Veterinária Zoot. Adeilton Ricardo da Silva Conselheiro Efetivo Professor da FIMCA e UNIRON Agência IDARON adeiltonricardo@ibest.com.br Sistema CFMV/CRMV: É uma Autarquia

Leia mais

Estratégia financeira de uma empresa agropecuária no Estado do Mato Grosso

Estratégia financeira de uma empresa agropecuária no Estado do Mato Grosso Estratégia financeira de uma empresa agropecuária no Estado do Mato Grosso RESUMO - Um dos alicerces da economia do Estado do Mato Grosso é a pecuária, que tem o maior rebanho de bovinos do país, são aproximadamente

Leia mais