GEOGRAFIA COMERCIAL E INFLUÊNCIA PLATINA NO RIO GRANDE DO SUL NA TRANSiÇÃO ENTRE OS SÉCULOS XIX E XX MARCELO HENRIQUE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GEOGRAFIA COMERCIAL E INFLUÊNCIA PLATINA NO RIO GRANDE DO SUL NA TRANSiÇÃO ENTRE OS SÉCULOS XIX E XX MARCELO HENRIQUE"

Transcrição

1 GEOGRAFIA COMERCIAL E INFLUÊNCIA PLATINA NO RIO GRANDE DO SUL NA TRANSiÇÃO ENTRE OS SÉCULOS XIX E XX MARCELO HENRIQUE DIAS RESUMO Analisamos a dinâmica do comércio de importação e exportação rio-grandense no período indicado, dando ênfase à geografia dos fluxos comerciais, à influência dos portos platinos e ao conflito que se estabeleceu entre os comerciantes das praças do litoral (Porto Alegre, Rio Grande e Pelotas) e os grupos estabelecidos nas zonas fronteiriças, com destaque para o de Santana do Livramento. Caracterizamos a tensão projetada a partir da demanda das vias platinas pelo comércio do interior e uma política estadual cujo objetivo era interceder na geografia comercial, interrompendo os fluxos platinos e ampliando a participação das praças litorâneas (Porto Alegre, Rio Grande e Pelotas). o tema das relações comerciais que se estabeleceram entre o Rio Grande do Sul e as repúblicas platinas durante o período imperial e a 1a República tem sido freqüentemente reduzido à questão do contrabando. As redundantes afirmações de que as atividades de introdução e exportação praticadas à margem do fisco dominaram a quase totalidade dos intercâmbios que se processaram através das fronteiras platinas acabam por encobrir uma realidade econômica mais complexa. onde a integração regional significava não apenas uma possibilidade de burlar o sistema fiscal e tirar vantagens comerciais, mas uma necessidade comercial vital para as POpulações da Campanha e do Planalto rio-grandenses. Partindo dessa última perspectiva, apresentamos, neste artigo, algumas breves considerações sobre a geografia comercial rio-grandense no oertoco correspondente à última passagem de séculos, destacando a amplitude espacial da influência platina nos mercados do interior riograndense. Na órbita de Montevidéu e Buenos Aires, desenvolveram-se, na fronteira gaúcha, importantes praças comerciais, como Uruguaiana, Jaguarão e Livramento, que rivalizaram os mercados do interior com as Professor substituto do Dep. de Biblioteconomia e História e coordenador do Centro de Documentação Histórica - FURG; Mestre em História - UNISINOS BIBlas, Rio Grande. 10: ,

2 tradicionais praças do litoral rio-grandense (Rio Grande, Pelotas e Porto Alegre). No desenvolvimento deste trabalho procuramos dar ênfase à contradição que emergia entre as vantagens concretas que o comércio da Campanha e do Planalto rio-grandenses encontravam no circuito comercial platino, situação esta que promovia a defesa dessa integração pelos grupos diretamente envolvidos neste intercâmbio, e o projeto econômico do governo estadual, o qual visava a hegemonia das praças do litoral sobre os fluxos de importação e exportação. Nas últimas décadas do século XIX, ocorreu no Rio Grande do Sul uma mudança quanto à hegemonia econômico-regional. A Campanha, até então a principal zona produtora rio-grandense, enfrentou uma crise de mercados para a pecuária. O consumo do charque, restrito às classes pobres e à escrava ria brasileiras, não oferecia perspectivas de expansão. A indústria frigorífica estrangeira, por sua vez, investia no Prata, devido à melhor qualidade de seus rebanhos, maior facilidade de escoamento pelos portos platinos e incentivos fiscais oferecidos pelos governos do Uruguai e da Argentina. Diante desse quadro, a partir do final da década de 1880, a produção pecuária gaúcha não mais se expandiu, e essa estagnação refletiu-se na Campanha, que, desse período em diante, manteve baixos índices de crescimento econômico e demográfico. Na serra, porém, a situação se invertia. O processo de imigração, que havia se iniciado em 1824, quando os primeiros imigrantes alemães instalaram-se no Vale do Rio dos Sinos, intensificou-se na segunda metade do século. Após a década de 1870, começaram a chegar os italianos, que ocuparam as áreas serranas ao norte das colônias alemãs, que por sua vez também se expandiam numa ampla área ao longo dos rios Taquari e dos Sinos, assim como em direção ao Planalto. Sendo a base econômica das colônias a pequena propriedade de produção agrícola, não tardou a advir um significativo incremento deste setor, já que, coetaneamente, se expandia o mercado consumidor de produtos alimentícios nas demais regiões do Brasil. Outros fatores que contribuíram para o crescimento da produção agrícola e conseqüente ampliação da participação econômica das áreas coloniais na economia rio-grandense foram, segundo Elmar M. da Silva (1979, p.68), o desenvolvimento do ensino técnico profissional, que possibilitava a substituição dos processos rotineiros por outros mais racionais, a importação de modernos instrumentos agrários e, sobretudo, a multiplicação das vias de comunicação nas áreas coloniais. Lembremos que a primeira via férrea da Província do Rio Grande do Sul foi inaugurada em 1874, e ligava Porto Alegre ao município de São Leopoldo, chegando, dois anos mais tarde, a Novo Hamburgo. 98 BIBlOS. Rio Grande, 10: , A conseqüência paul Singer: imediata deste fenômeno foi assim analisada por Resultou daí que a região serrana, mal aflorada em meados do século, passou por um intenso processo de ocupação e nos últimos anos do século passado já ameaçava a hegemonia do sul pastoril. É o que se comprova, examinando-se as transformações na composição da pauta de exportações do Rio Grande do sul. [...] O Rio Grande do Sul, que durante a maior parte do século passado se notabilizara como exportador de produtos animais (carne e couros), assume no fim do século as suas feições atuais de grande exportador de produtos da lavoura. Essa transformação, do ponto de vista geográfico, significou a passagem da hegemonia econômica do sul para o norte, da pecuária para a lavoura. Obviamente as cabeças de zona - Rio Grande e Porto Alegre - sofrem as conseqüências da mudança. A capital volta a tornar-se o grande centro econômico do Estado (1969, p.164). A praça comercial de Porto Alegre beneficiou-se duplamente com o desenvolvimento das áreas coloniais. No que diz respeito à exportação da produção agrícola colonial, a praça de Porto Alegre exercia um verdadeiro monopólio. Além disso, as importações de bens de produção, a princípio destinados à lavoura e, mais tarde as incipientes indústrias, também alimentaram o alto-comércio da capital. Nesse sentido, Rio Grande também se beneficiou, como único porto marítimo do Estado. Jean Roche (1949) mostra a influência dos elementos teuto-brasileiros nesse comércio. De acordo com o autor, ao final do século XIX, boa parte das casas comerciais de Porto Alegre estavam em mãos de alemães e descendentes. A presença alemã na diretoria da Associação Comercial de Porto Alegre também foi destacada. As estreitas ligações da elite comercial teuto-brasileira com empresas germânicas favoreceu, sobretudo, a importação de maquinários. Isso fez com que, segundo Roche, na última década do século XIX, os alemães dominassem o alto-comércio da cidade do Rio Grande. Esse porto, cujas rotas tradicionalmente sofriam intermediações da praça do Rio de Janeiro, passava, a partir da influência alemã, a estabelecer linhas de navegação diretas com a Europa, principalmente através de empresas germânicas. O quadro comercial apresentado por Jean Roche para o final do século passado, com relação às praças do litoral, foi assim por ele resumido: Em 1890, Porto Alegre torna-se a primeira praça comercial do Estado. Apesar das dificuldades que apresenta a entrada do canal e a BIBLOS, Rio Grande, 10:

3 navegação da lagoa, sua prosperidade cresceu ao mesmo tempo que as colônias, com as quais se realiza o essencial de suas trocas graças ao comércio transoceânico, que está quase exclusivament~ nas mãos de elementos alemães. Desde 1890, os alemães dirigem, de modo mais ou menos exclusivo, a totalidade do alto-comércio, que continuam a gerir nos outros dois portos, Rio Grande e Pelotas, ao mesmo tempo que fundam as primeiras indústrias (1949,. p. 458). Nas palavras do autor, fica saliente que Porto Alegre, assim como as outras praças do litoral, constituíam-se nas principais praças do Estado ao final do século passado, devido, logicamente, ao montante de bens e capitais movimentados, frutos do amplo desenvolvimento das áreas coloniais. No entanto, como o próprio Rache afirma, é com as colônias que as praças do litoral realizavam o essencial de seu comércio. E o interior da Campanha e do Planalto rio-grandenses? Essas áreas faziam de Montevidéu e Buenos Aires seus portos, assim como das praças comerciais de Uruguaiana e Santana do Livramento seus principais mercados. A intermediação platina foi ainda mais estimulada a partir de 1892, ano em que se inaugurava a Ferrocarriles Central dei Uruguay, estabelecendo a ligação, em 24 horas, entre Rivera, junto a Santana do Livramento, e o porto de Montevidéu. Contudo, um problema se colocava frente às intenções de expansão das atividades comerciais do grupo de Livramento. O único posto alfandegário da fronteira gaúcha estava localizado em Uruguaiana, colocando, assim, duas opções para o comércio santanense: ou deslocavam as mercadorias até aquela localidade, o que era impraticável, ou aderiam ao contrabando A intensificação desta última pràtica promoveu não apenas uma avalanche de denúncias do alto-comércio litorâneo, mas uma intensa luta dos santanenses em prol da instalação de uma alfândega local. Segundo estes últimos, somente com esta medida se solucionaria o problema das introduções ilegais. No bojo deste processo reivindicatório, os testemunhos produzidos nos permitem reconhecer alguns aspectos da geografia comercial do período e identificar certos interesses que deram a tônica do conflito que envolveu os comerciantes daquela zona fronteiriça e seus opositores do litoral. O zoneamento comercial do Rio Grande do Sul foi o tema de um dos capítulos de uma Representação que a Praça do Comércio de Santana do Livramento enviou ao Ministro da Fazenda, Joaquim Murtinho, em 1900, tendo por finalidade conseguir o aval desta autoridade para a instalação da alfândega 1. Na ocasião, o Presidente Borges de Medeiros, pressionado pela praça do Comércio de Porto Alegre, já havia se posicionado contra a nova alfândega, convencido de que esta só faria aumentar o desvio dos fluxos comerciais para Montevidéu, favorecendo o acúmulo de capital pelos comerciantes daquela praça em detrimento da burguesia comercial do Estado. No documento, o representante do comércio santanense e autor da Representação, o jornalista e comerciante Albino Costa, apresenta o seguinte quadro, referente às zonas comerciais do Estado: 1.a zona - compreendia os grandes territórios banhados pelos afluentes do Guaíba, terminando ao norte nos afluentes do Uruguai, ao sul na Serra do Herval, a leste no Atlãntico e a oeste na Serra de São Martinho e Coxilha do Pau Fincado. Esta zona era tributária da praça de Porto Alegre. 2.a zona - englobava todo o litoral do sul, limitando-se ao norte pela foz do Camaquã e Serra do Herval, ao sul pela lagoa Mirim, a leste pelo Atlântico e a oeste pela serra de Batovi e pontas dos afluentes do Santa Maria ou Ibicuí-Guassu. Estas áreas eram tributárias dos mercados do Rio Grande e Pelotas. 3.a zona - abarcava os territórios próximos à fronteira. Para o autor, essa zona se limitava a uma tira de 20 léguas de largura, estendida de sul a oeste pela linha limítrofe do Uruguai, desde o Chuí, em Santa Vitória do Palmar, até a foz do Ouaraí, em Uruguaiana. Da foz do Ouaraí, a mesma faixa tomava o rumo de nordeste pelo Uruguai acima, costeando a Província de Corrientes até São Luis, no território das Missões. Essa grande área era tributária: ao sul, sobre a lagoa Mirim, de Jaguarão; ao centro, de Livramento; a oeste, de Uruguaiana. Tal divisão correspondia, segundo Albino Costa, ao comércio de importação. Com relação à exportação, é observada a afluência de produtos das localidades ao norte da Serra Geral, para duas praças: Porto Alegre e Livramento. As relações comerciais da fronteira, mais especificamente de Livramento com Porto Alegre, eram praticamente nulas. Já com Rio Grande, existia, no verão, um pequeno fluxo. Em compensação, as transações COmerCiaiscom o nordeste do Estado eram bem volumosas, o que gerava o descontentamento de Porto Alegre, que, com a construção da Ferrpcarriles Central dei Uruguay, perdera a hegemonia numa área que lhe era tradicionalmente tributária. Núm quadro apresentado pelo autor da Representação onde eram expostos os números do comércio de Livramento no ano de 1898, os produtos procedentes das áreas do Planalto (Cruz Alta, Soledade, Passo BIBLOS. Rio Grande A alfândega foi concedida e inaugurada em 1.0 de outubro de liiblos. Rio Grande. 10:

4 ... Fundo, São Martinho, São Vicente e outros municípios) somavam kg, transportados em carretas. Isso significa que, só em compras dessas áreas (serranas, na denominação da época), o volume das transações correspondia a aproximadamente 20% do total dos negócios na praça de Livramento em Não era sem fundamento que Albino Costa procurava destacar a extensão da esfera comercial de sua cidade: De cima da Serra, em distancia que varia entre 400 e 700 kilometros, recebe cargas com kllos, -aproveitando o transito terrestre de que seu mercado é séde. Da Republica Oriental, cuja capital, Montevidéo,' está a um dia de viagem, a 568 kilometros pela E F. Central dei Uruguay, recebeu el/a nesse anno (1899) kilos e remetteu em lãs, fructos bovinos e productos coloniaes de cima da Serra, cerca de É o mercado que abastece os municipios vizinhos (Alfândega , p. 14). Os comerciantes de Livramento tiravam vantagens do dinamismo comercial de Montevidéu, para ampliarem sua influência econômica no Estado. Tanto o governo uruguaio como o argentino, interessados em manter suas principais praças como provedoras do comércio do interior do Rio Grande do Sul, procuravam oferecer vantagens, que iam desde redução de tarifas de fretes até a construção de ramais férreos que atendessem aos mercados da fronteira gaúcha. Ambas as nações praticavam o comércio de livre trânsito". Na guerra comercial entre Buenos Aires e Montevidéu", 2 o mesmo quadro nos informa que o volume total dos negócios em Livramento no ano de 1898 foi de kg, sendo que de Montevidéu recebeu kg e de Pelotas e Rio Grande, via Bagé, recebeu apenas 550 carretas e um volume de kg. 3 Segundo as regras do livre trânsito, adotadas desde 1852 pela Argentina e pelo Uruguai, todas as mercadorias procedentes do exterior com destino aos países vizinhos poderiam ou fazer o trânsito direto ou ser intermediadas nos portos platinos e posteriormente reembarcadas para seu destino final, sem sofrer taxações referentes à importação e exportação enquanto estivessem em trânsito. Seriam taxadas, no Uruguai e na Argentina, apenas as mercadorias que se destinassem a ser consumidas nos respectivos países. Alérn disso, as tarifas de armazenagem e de fretes para o transporte fluvial e ferroviário, pelos preços relativamente baixos que apresentavam, incentivavam o mecanismo de intermediação pelo reembarque, promovendo a formação de um corpo comercial, tanto. em Buenos Aires como em Montevidéu, que se dedicava à lucrativa atividade de intermediar o comércio corn o sul do Brasil. 4 Sobre a "guerra de tarifas" e seus efeitos para o comércio de trânsito platina, sugerimos a obra de Oscar Mourat, La crisis comercial en Ia Cuenca dei P/ata, Montevidéu: Ed. Banda Oriental, BlBlOS. Rio Grande. 10: , ganhavam muito os comerciantes da fronteira rio-grandense, beneficiados pelas vantagens platinas oferecidas como atrativo. O principal fator da preferência por Montevidéu em detrimento do porto de Rio Grande era, sem dúvida, a facilidade do transporte ferroviário e OS melhores preços e serviços oferecidos pelo porto oriental. Sugerindo ao ministro que a promoção de vias de integração entre o Rio Grande do Sul e a capital uruguaia poderia favorecer, inclusive, aos comerciantes da praça de Porto Alegre, o autor da citada representação apresenta um projeto no qual propõe uma intensificação desses vínculos comerciais, mostrando as vantagens que um sistema integrado de vias férreas gaúchas e uruguaias poderia trazer, não só para o comércio do interior, mas também para a capital. De acordo com o projeto, Porto Alegre passaria a usufruir dos melhores serviços do porto uruguaio, uma alternativa interessante, frente ao problemático porto rio-grandino, cujas melhorias ainda não haviam saído dos discursos dos vârios governos que se alternavam desde o período monárquico. Vejamos a proposta do autor do documento: [...] estabelecido o ramal ferreo entre Cacequy e Livramento, ficará Porto Alegre ligada ao porto de Montevidéo por via de Sant Anna do Livramento em tres dias, sendo um dia da Capital a Cacequy, outro de Cacequy ao Livramento, pelo ramal já decretado pelo Congresso, o terceiro dia de Livramento a Montevidéo. Estando prompto este ramal do Cacequy ao Livramento, ficará a Capital do Estado coflocada a 19 dias da Europa. Suas mercadorias, de maior valor, aproveitarão a celeridade deste opulento e seguro transporte, evitando as longas estadias e descargas no porto do Rio Grande, os elevadissimos fretes maritimos e fluviais e os transbordos que estragam os envólucros e deterioram as mercadorias. Ninguem tem tanto a lucrar com a nova alfândega como a Praça de Porto Alegre: Poderá em 19 dias vêr entrar da Europa suas mercadorias na alfândega da Cspiiet, em vez de dois mezes de viagem que actualmente oneram suas encomendes européias. O que augmenta nos fretes pelas estradas de ferro, diminuirá no frete maritimo e no seguro, que para o Rio Grande é enormissimo, mais do dobro do frete e seguro para Montevideo (Idem, p ).. No entanto, a proposta do representante do comércio santanense s~9~ificava a perpetuação da dependência econômica em relação à nação VIZinha. Esse destino não convergia com a política econômica que o PRR, apoiado pelo alto-comércio das praças litorâneas, pretendia impor ao BIBLQS, Rio Grande. 10: ,

5 estado. Para participar do processo de expansão capitalista que progressivamente colocava o Brasil na divisão internacional do trabalho como área periférica, o governo gaúcho procurou, além de estabelecer relações diretas com o exterior, sem a intermediação platense, ampliar a participação do estado ao mercado interno. Abria-se a possibilidade de o Rio Grande do Sul se tornar o grande abastecedor de produtos alimentícios para as demais partes do país, onde se processava, mais rapidamente, a formação de um mercado consumidor urbano, como no sudeste. Nos limites do próprio estado operava-se a constituição de um mercado consumidor significativo, que, como bem observou Heloísa J. Reichel (1978), deu sustentação ao desenvolvimento das novas indústrias que foram se formando na zona da capital. Vista por esse ângulo, a diversificação setorial, com incentivo à agricultura e à indústria, aparece como prioridade no projeto econômico governista. Era necessário a condução do governo para promover a comercialização dos seus produtos e garantir a acumulação do capital que, de mercantil, passaria a ser aplicado em outros setores. Todavia, um dos principais empecilhos à realização do projeto governista, como decorrência da insuficiência viária do estado, era exatamente o desvio de parte dos fluxos comerciais rio-grandenses para os portos platenses, sobretudo o de Montevidéu. É o que demonstra a mensagem do Presidente Borges de Medeiros à Assembléia dos Representantes do ano de 1904: [...) o nosso comércio, excetuando do litoral, fez de Montevidéu o seu entreposto, tornando-se tributário da vizinha República, cujas vias férreas se dirigem para a nossa fronteira como outros tantos tentáculos destinados a sugar a seiva econômica do Rio Grande do Sul. Demais, como fator atrofiante do 'comércio lícito, o contrabando encontra ali toda a sorte de estímulos e facilidades, como as que provêm do livre trânsito, além das diferenças de fretes e seguros. Como se percebe, o Uruguai foi eleito o primeiro vilão da economia rio-grandense, e sua concorrência comercial deveria ser extirpada através de uma intervenção eficaz em duas frentes: na repressão ao contrabando e, principalmente, na melhoria da circulação de mercadorias no interior e para o exterior do Rio Grande do Sul. A fim de neutralizar as vantagens viárias do Uruguai, o presidente Borges de Medeiros insistia em apontar a necessidade de nutrir o estado de um porto marítimo funcional e de estradas de ferro que tivessem como finalidade o desenvolvimento ampliado do comércio dentro dos limites territoriais do Rio Grande do Sul. A intenção maior era a de favorecer o acúmulo de capital por uma burguesia local e não alienfgena, como a do alto-comércio uruguaio. Fica claro que o projeto viário proposto pelos comerciantes de Livramento, apesar de possibilitar a solução do problema do abastecimento e do escoamento da produção rio-grandense, colocava o estado numa condiçao de subordinação aos interesses do alto-comércio da capital uruguaia, o qual ficaria, assim, com a maior parcela da renda gerada nestas operações. A integração regional, nesse momento, não era vista como solução, mas, de acordo com o discurso do chefe de governo, como via de desvio de capital, da "seiva econômica" rio-grandense, que estava sendo absorvida através das vias férreas, de rodagem e fluviais, verdadeiros "tentáculos" com os quais o Uruguai tirava toda sorte de vantagens aos gaúchos. Contudo, o processo de desarticulação regional não se deu de forma consensual e homogênea no Rio Grande do Sul. Ao contrário, a desarticulação da Campanha rio-grandense com o Prata requeria a oferta de novas alternativas para o abastecimento e exportação do interior gaúcho. Além disso, os grupos de comerciantes interessados na permanência da via platina buscaram, por vários meios, pressionar o poder público para suas causas, como indica a Representação da Praça do Comércio de Livramento. O Governo do Estado, não obstante os objetivos de seu projeto econômico, tinha consciência sobre o que representava para a 3. a zona comercial do Estado e para as áreas por ela servidas a alternativa platina. Assim, buscou proporcionar ao Rio Grande do Sul um sistema de transportes que proporcionasse uma comunicação mais eficiente entre o interior e as praças do litoral. As pressões do comércio litorâneo foram sendo assimiladas pelo governo, que, vez ou outra, decretava alguma medida no sentido de conter o contrabando, principal argumento do litoral contra as praças da fronteira. Acreditava Borges de Medeiros que, encampada a Viação Férrea e o porto do Rio Grande, os fluxos comerciais verteriam naturalmente para o litoral gaúcho. A primeira República riograndense seria, assim, um palco de tensões projetadas na dicotomia entre a existência de um circuito comercial funcional e bem-estruturado, o circuito platino, responsável pela dinâmica econômica de amplas áreas do Estado Integradas a Buenos Aires e Montevidéu, e uma política voltada à desintegração dessa região econômica extrafronteiriça. Desarticulação ou permanência do Rio Grande do Sul no circuito comercial platino: eis uma questão que iria movimentar o Estado Borgista e os grupos mercantis-regionais no correr da República Velha." li LOS. Rio Grande. 10: 97_ Este assunto foi tema de nossa dissertação de mestrado, orientada pela Prof", Dr". elolsa J. Reichel, apresentada na UNISINOSem janeiro de 1997 (Dias, 1997). 818LOS, Rio Grande, 10: ,

6 REFERêNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALFÂNDEGA de Livramento. Representação da Associação Commercial do Livramento dirigida ao Exm. Sr. Ministro da Fazenda Dr. Joaquim Murlinho, elaborada por Albino Costa. Rio de Janeiro: Typ. e Lith. de Almeida Marques e C., DIAS, Marcelo H. O Rio Grande do Sul no circuito comercial platino : permanência ou desarticulação durante a 1 8 República? Dissertação (Mestrado em História) - Universidade do Vale do Rio dos Sinos, 1997 (mimeo). MEDEIROS, A. A. Borges de. Mensagem enviada à Assembléia dos Representantes do Estado do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, MOURAT, Oscar. La crisis comercial en Ia Cuenca dei PIata, Mon!evideo : Ed. Banda Oriental, REICHEL, Heloisa J. A indústria têxtil do Rio Grande do Sul Porto Alegre Mercado-Aberto-IEL, ROCHE, Jean. A colonização alemã no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Globo, SILVA, Elmar M. Ligações extemas da economia gaúcha: In: DACANAL, J.H., GONZAGA, S. RS: economia e política. Porto Alegre: Mercado Aberto, p SINGER, Paul. Desenvolvimento econômico e evolução urbana. São Paulo : Ed. Nacional, I j 106 BIBLOS. Rio Grande. 10:

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO Prof. Israel Frois SÉCULO XV Território desconhecido; Era habitado por ameríndios ; Natureza praticamente intocada Riqueza imediata: Pau-Brasil (Mata Atlântica) Seus limites

Leia mais

Trabalhar as regiões

Trabalhar as regiões A U A UL LA Trabalhar as regiões Nesta aula, vamos aprender como a organi- zação espacial das atividades econômicas contribui para diferenciar o espaço geográfico em regiões. Vamos verificar que a integração

Leia mais

GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL

GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL 1. Posição e situação geográfica. O Rio Grande do Sul é o estado mais meridional do Brasil, localiza-se no extremo sul do país. Tem um território de 282.062 km 2, ou seja,

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

HIDROVIA DA LAGOA MIRIM: UM MARCO DE DESENVOLVIMENTO NOS CAMINHOS DO MERCOSUL

HIDROVIA DA LAGOA MIRIM: UM MARCO DE DESENVOLVIMENTO NOS CAMINHOS DO MERCOSUL HIDROVIA DA LAGOA MIRIM: UM MARCO DE DESENVOLVIMENTO NOS CAMINHOS DO MERCOSUL Eng. José Luiz Fay de Azambuja azambuj@uol.com.br TREINTA Y TRES 04.10.2012 CARACTERIZAÇÃO Lagoa Mirim São Gonçalo Lagoa dos

Leia mais

Projeto 018 : Dragagem no porto de Rio Grande. Portuária. TIPO: Eixo Estruturante. LOCALIZAÇÃO: Rio Grande - RS. Categoria: Dragagem / Derrocamento

Projeto 018 : Dragagem no porto de Rio Grande. Portuária. TIPO: Eixo Estruturante. LOCALIZAÇÃO: Rio Grande - RS. Categoria: Dragagem / Derrocamento Projeto 018 : Dragagem no porto de Rio Grande E9 Portuária TIPO: Eixo Estruturante LOCALIZAÇÃO: Rio Grande - RS Categoria: Dragagem / Derrocamento EXTENSÃO/QUANTIDADE/VOLUME: 2.000.000 m³ JUSTIFICATIVA:

Leia mais

Avaliação de Impacto e de Efeitos Econômicos nas Regiões do Rio Grande do Sul dos Projetos e Investimentos Industriais Incentivados

Avaliação de Impacto e de Efeitos Econômicos nas Regiões do Rio Grande do Sul dos Projetos e Investimentos Industriais Incentivados Avaliação de Impacto e de Efeitos Econômicos nas Regiões do Rio Grande do Sul dos Projetos e Investimentos Industriais Incentivados pelo Fundopem no Período 1989/1998 Antônio Ernani Martins Lima Porto

Leia mais

Sumário. Agradecimentos II Resumo III Resumen V Abstrat X

Sumário. Agradecimentos II Resumo III Resumen V Abstrat X Sumário Agradecimentos II Resumo III Resumen V Abstrat X 1. Introdução Centro da investigação 01 Delimitação do campo de estudo e aproximação metodológica 02 Os percursos da investigação: o Rio Grande

Leia mais

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar Publicado no site em 13/11/2014 Euripedes Falcão Vieira*/** Na margem continental sul-brasileira a presença de dois estuários

Leia mais

Courobusiness em Alagoas

Courobusiness em Alagoas Courobusiness em Alagoas Descrição Atração e instalação de empreendimentos de curtumes para o desenvolvimento e consolidação da cadeia produtiva do couro no Estado de Alagoas. Entidades responsáveis Célula

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 2ª Ano Tema da aula: transporte e Telecomunicação Objetivo da aula:. Entender as principais formas de

Leia mais

Uma leitura histórica no contexto das diferenças sócio-culturais e naturais do estado do Rio Grande do Sul

Uma leitura histórica no contexto das diferenças sócio-culturais e naturais do estado do Rio Grande do Sul A CONSTITUIÇÃO DAS REDES DE CIDADES NO RIO GRANDE DO SUL A PARTIR DE UMA LEITURA HISTÓRICA DENTRO DO CONTEXTO DAS DIFERENÇAS SÓCIO- CULTURAIS E NATURAIS Adriana M. Rodrigues Pilar Mestranda do Programa

Leia mais

1) INSTRUÇÃO: Para responder à questão, considere as afirmativas a seguir, sobre a Região Nordeste do Brasil.

1) INSTRUÇÃO: Para responder à questão, considere as afirmativas a seguir, sobre a Região Nordeste do Brasil. Marque com um a resposta correta. 1) INSTRUÇÃO: Para responder à questão, considere as afirmativas a seguir, sobre a Região Nordeste do Brasil. I. A região Nordeste é a maior região do país, concentrando

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL TRANSPORTES Os transportes têm como finalidade o deslocamento e a circulação de mercadorias e de pessoas de um lugar para outro. Nos países subdesenvolvidos, cuja economia sempre foi dependente dos mercados

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA BARRAGEM ECLUSA DO CANAL SÃO GONÇALO PARA A REDE PORTUÁRIA TRANSFRONTEIRIÇA VIA HIDROVIA BRASIL URUGUAI

A IMPORTÂNCIA DA BARRAGEM ECLUSA DO CANAL SÃO GONÇALO PARA A REDE PORTUÁRIA TRANSFRONTEIRIÇA VIA HIDROVIA BRASIL URUGUAI A IMPORTÂNCIA DA BARRAGEM ECLUSA DO CANAL SÃO GONÇALO PARA A REDE PORTUÁRIA TRANSFRONTEIRIÇA VIA HIDROVIA BRASIL URUGUAI Este artigo tem como objetivo abordar a importância estratégica da Barragem Eclusa

Leia mais

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA 1 Outubro 2009 ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA Fernando Raphael Ferro de Lima * INTRODUÇÃO Este trabalho busca compreender como se modificaram, no período recente, os fluxos internos

Leia mais

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 8 ANO B Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1- (1,0) A mundialização da produção industrial é caracterizada

Leia mais

Questão 1. Resposta A. Resposta B

Questão 1. Resposta A. Resposta B Questão 1 Ao longo do século XX, as cidades norte-americanas se organizaram espacialmente de um modo original: a partir do Central Business District (CBD), elas se estruturaram em circunferências concêntricas

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Leonardo César PEREIRA 1 ; Revalino Antonio FREITAS (orientador) Palavras-chave: trabalho, migração, fronteira,

Leia mais

SUMÁRIO. Apresentação... IX Prefácio... XI

SUMÁRIO. Apresentação... IX Prefácio... XI SUMÁRIO Apresentação... IX Prefácio... XI 1. INTRODUÇÃO À GESTÃO DE FROTAS... 1 1.1. Introdução... 1 1.2. Considerações sobre a Estrutura do Transporte Rodoviário no Brasil... 2 1.3. A Estrutura Organizacional

Leia mais

UFSC. Resposta: 01 + 02 = 03. Comentário

UFSC. Resposta: 01 + 02 = 03. Comentário Resposta: 01 + 02 = 03 01. Correta. 04. Incorreta. O número de trabalhadores no setor primário, principalmente na agropecuária, continuou diminuindo devido à automação. O aumento ocorreu no setor de serviço.

Leia mais

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11 Águas Continentais do Brasil Capítulo 11 As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado pois detém cerca de 12% da água doce disponível no planeta; Há diversos problemas que preocupam:

Leia mais

UNIVERSIDADE e INTEGRAÇÃO. Universidade Federal de Pelotas

UNIVERSIDADE e INTEGRAÇÃO. Universidade Federal de Pelotas UNIVERSIDADE e INTEGRAÇÃO Universidade Federal de Pelotas Apresentação Breve Relato Sobre a UFPEL. O papel da Universidade de acordo com o Tratado Brasil-Uruguay da Lagoa Mirim. A criação de uma nova

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOBRE TRANSPORTE FLUVIAL E LACUSTRE NA HIDROVIA URUGUAI-BRASIL

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOBRE TRANSPORTE FLUVIAL E LACUSTRE NA HIDROVIA URUGUAI-BRASIL ACORDO ENTRE A REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOBRE TRANSPORTE FLUVIAL E LACUSTRE NA HIDROVIA URUGUAI-BRASIL A República Oriental do Uruguai e A República Federativa do

Leia mais

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer CAUSAS: Acirramento da concorrência comercial entre as potências coloniais; Crise das lavouras de cana; Estagnação da economia portuguesa na segunda metade do século XVII; Necessidade de encontrar metais

Leia mais

Geografia. Textos complementares

Geografia. Textos complementares Geografia Ficha 2 Geografia 2 os anos Silvia ago/09 Nome: Nº: Turma: Queridos alunos, bom retorno. Segue um conjunto de atividades que têm por objetivo encaminhar as discussões iniciadas em nossas aulas

Leia mais

O poderio norte-americano

O poderio norte-americano A U A UL LA Acesse: http://fuvestibular.com.br/ O poderio norte-americano Nesta aula vamos estudar os Estados Uni- dos da América, a mais importante economia nacional do planeta, e o Canadá, seu vizinho,

Leia mais

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE Conceitos Diversos Estado É uma organização políticoadministrativa da sociedade. Estado-nação - Quando um território delimitado é composto de um governo e uma população

Leia mais

GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO

GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO BRASIL 1) Aspectos Gerais: Território: 8 547 403 Km 2. 5 0 maior país do mundo em extensão e população. País continental devido a sua dimensão territorial. Ocupa

Leia mais

Rei (controla poder moderador) além de indicar o primeiro ministro e dissolve a Câmara de Deputados Monarquia torna-se estável

Rei (controla poder moderador) além de indicar o primeiro ministro e dissolve a Câmara de Deputados Monarquia torna-se estável História do Brasil Professora Agnes (Cursinho Etec Popular de São Roque) Política Interna O SEGUNDO REINADO (1840-1889) * Apogeu da monarquia brasileira. * Centralização política e administrativa. * Pacificação

Leia mais

1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão concentradas as grandes parcelas dessas águas? R:

1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão concentradas as grandes parcelas dessas águas? R: Data: / /2014 Bimestre: 3 Nome: 6 ANO Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Atividade: 2,0 (Dois) Nota: GRUPO 6 1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão

Leia mais

Situação da Armazenagem no Brasil 2006

Situação da Armazenagem no Brasil 2006 Situação da Armazenagem no Brasil 2006 1. Estática de Armazenagem A capacidade estática das estruturas armazenadoras existentes no Brasil, registrada em dezembro de 2006 é de até o mês de novembro de 2006

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DOS MUNICÍPIOS EMERGENTES DO PROCESSO EMANCIPATÓRIO. EVOLUÇÃO DA TERRITORIALIDADE MUNICIPAL. ALGUMAS CONSIDERAÇÕES.

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DOS MUNICÍPIOS EMERGENTES DO PROCESSO EMANCIPATÓRIO. EVOLUÇÃO DA TERRITORIALIDADE MUNICIPAL. ALGUMAS CONSIDERAÇÕES. DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DOS MUNICÍPIOS EMERGENTES DO PROCESSO EMANCIPATÓRIO. EVOLUÇÃO DA TERRITORIALIDADE MUNICIPAL. ALGUMAS CONSIDERAÇÕES. Susana Salum Rangel * Euripedes Falcão Vieira ** Michelle Rodrigues

Leia mais

2ª FASE Prof.ª JEANNE ARAÚJO E SILVA

2ª FASE Prof.ª JEANNE ARAÚJO E SILVA 2ª FASE Prof.ª JEANNE ARAÚJO E SILVA 4º BIMESTRE 2ª Avaliação - Área de Ciências Humanas. Aula 196 Revisão e avaliação de Ciências Humanas. 2 Hidrografia 3 A hidrografia é o ramo da geografia física que

Leia mais

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº:

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº: Exerc íciosde Revisão Aluno(a): Nº: Disciplina:HistóriadoBrasil Prof(a).:Cidney Data: deagostode2009 2ªSériedoEnsinoMédio Turma: Unidade:Nilópolis 01. QuerPortugallivreser, EmferrosqueroBrasil; promoveaguerracivil,

Leia mais

AS TRANSFORMAÇÕES OCORRIDAS NO ESPAÇO AGRÁRIO BRASILEIRO A PARTIR DO PROCESSO DE MODERNIZAÇÃO DA AGRICULTURA

AS TRANSFORMAÇÕES OCORRIDAS NO ESPAÇO AGRÁRIO BRASILEIRO A PARTIR DO PROCESSO DE MODERNIZAÇÃO DA AGRICULTURA AS TRANSFORMAÇÕES OCORRIDAS NO ESPAÇO AGRÁRIO BRASILEIRO A PARTIR DO PROCESSO DE MODERNIZAÇÃO DA AGRICULTURA Jane Carla Burin Mestranda em Geografia UFSM RESUMO O processo de modernização agrícola iniciado

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES COLÉGIO ARNALDO 2014 CADERNO DE ATIVIDADES GEOGRAFIA ATENÇÃO: Este trabalho deverá ser realizado em casa, trazendo as dúvidas para serem sanadas durante as aulas de plantão. Aluno (a): 5º ano Turma: Professora:

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

PROVA DE GEOGRAFIA 3 o TRIMESTRE DE 2011

PROVA DE GEOGRAFIA 3 o TRIMESTRE DE 2011 PROVA DE GEOGRAFIA 3 o TRIMESTRE DE 2011 PROF. FERNANDO NOME N o 9 o ANO A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta azul ou preta.

Leia mais

Expansão do território brasileiro

Expansão do território brasileiro Expansão do território brasileiro O território brasileiro é resultado de diferentes movimentos expansionistas que ocorreram no Período Colonial, Imperial e Republicano. Esse processo ocorreu através de

Leia mais

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX)

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX) 1803 Os Estados Unidos compram a Louisiana da França. Cronologia 1846 a 1848 Guerra do México. Os Estados Unidos conquistam e anexam os territórios da Califórnia, Novo México, Nevada, Arizona e Utah. 1810

Leia mais

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Formação do Estado e do território Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Sociedade humana kei É um conjunto de pessoas Que vivem em determinado espaço e tempo e de acordo com certas regras

Leia mais

FRONTEIRA ILUMINADA HISTÓRIA DO POVOAMENTO, CONQUISTA E LIMITES DO RIO GRANDE DO SUL a partir do Tratado de Tordesilhas (1420-1920)

FRONTEIRA ILUMINADA HISTÓRIA DO POVOAMENTO, CONQUISTA E LIMITES DO RIO GRANDE DO SUL a partir do Tratado de Tordesilhas (1420-1920) SUB Hamburg A/548637 FRONTEIRA ILUMINADA HISTÓRIA DO POVOAMENTO, CONQUISTA E LIMITES DO RIO GRANDE DO SUL a partir do Tratado de Tordesilhas (1420-1920) Fernando Cacciatore de Garcia Editora Sulina Porto

Leia mais

PELOTAS: Cidade rica em patrimônio cultural e histórico imaterial e material.

PELOTAS: Cidade rica em patrimônio cultural e histórico imaterial e material. PELOTAS: Cidade rica em patrimônio cultural e histórico imaterial e material. O surgimento das Charqueadas e sua importância econômica Ogadofoiabasedaeconomiagaúchaduranteumlongoperíododahistória do Rio

Leia mais

IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO

IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO Instituições de Direito Profª Doutora Ideli Raimundo Di Tizio p 41 IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO O imposto de importação é de competência da União, é também conhecido como tarifa aduaneira. Sua função é predominantemente

Leia mais

A Hora Legal Brasileira e o sistema de fusos horários Sabina Alexandre Luz

A Hora Legal Brasileira e o sistema de fusos horários Sabina Alexandre Luz A Hora Legal Brasileira e o sistema de fusos horários Sabina Alexandre Luz Estamos certamente acostumados a ouvir a indicação horário de Brasília quando a hora é anunciada na rádio. Esta indicação refere-se

Leia mais

Total aulas previstas

Total aulas previstas ESCOLA BÁSICA 2/3 DE MARTIM DE FREITAS Planificação Anual de História do 7º Ano Ano Lectivo 2011/2012 LISTAGEM DE CONTEÚDOS TURMA Tema 1.º Período Unidade Aulas Previas -tas INTRODUÇÃO À HISTÓRIA: DA ORIGEM

Leia mais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais AS TRANSFORMAÇÕES ESPACIAIS NA ZONA OESTE DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO A PARTIR DOS INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA PARA COPA DO MUNDO EM 2014 E AS OLIMPÍADAS DE 2016 Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino

Leia mais

PLANO DE AÇÃO PARA O DIÁLOGO E A COOPERAÇÃO EM CULTURA ENTRE BRASIL E URUGUAI

PLANO DE AÇÃO PARA O DIÁLOGO E A COOPERAÇÃO EM CULTURA ENTRE BRASIL E URUGUAI PLANO DE AÇÃO PARA O DIÁLOGO E A COOPERAÇÃO EM CULTURA ENTRE BRASIL E URUGUAI Aos 26 dias do mês de julho de 2011, as autoridades de Cultura da República Federativa do Brasil e da República Oriental do

Leia mais

História do Brasil Colônia

História do Brasil Colônia História do Brasil Colônia Aula VII Objetivo: a expansão e a consolidação da colonização portuguesa na América. A) A economia política da colônia portuguesa. Em O tempo Saquarema, o historiador Ilmar R.

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 Cria a Zona Franca de São Luís, no Estado do Maranhão. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Fica criada a Zona Franca de São Luís, no Estado do Maranhão, definida

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A Palestra: História da Cana-de de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A ORIGEM DA CANA-DE-AÇÚCAR A cana-de de-açúcar é uma planta proveniente

Leia mais

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Iniciaremos aqui mais um desenvolvimento de segmento da Indústria de Petróleo e Gás, DOWNSTREAM TRANSPORTE, no que se refere

Leia mais

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL Foi a conquista e ocupação do interior do território, além dos limites do Tratado de Tordesilhas. Essa expansão foi responsável pela extensão territorial do Brasil de hoje.

Leia mais

7. Bibliografias... 10

7. Bibliografias... 10 1. Introdução... 03 2. Surgimento da Economia Açucareira... 04 3. Desenvolvimento da Economia Açucareira... 05 4. Desarticulação da Economia Açucareira... 07 5. Encerramento da Economia Açucareira... 08

Leia mais

PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE

PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE Integrantes: Mauricio Beinlich Pedro Granzotto Características físicas: O Porto de Porto Alegre é o mais meridional do Brasil. Geograficamente, privilegiado em sua

Leia mais

Hidrografia no Brasil. Luciano Teixeira

Hidrografia no Brasil. Luciano Teixeira Hidrografia no Brasil Luciano Teixeira Hidrografia Brasil Características da Hidrografia Brasileira Pobre em lagos Drenagem Exorréica Predomínio de foz em estuário Predomínio de rios de planaltos Bacias

Leia mais

Unidade: Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional e do Comércio Exterior. Revisor Textual: Profa. Esp.

Unidade: Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional e do Comércio Exterior. Revisor Textual: Profa. Esp. Unidade: Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional e do Comércio Exterior Revisor Textual: Profa. Esp. Márcia Ota Papel dos Transportes Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA SUBSTITUTIVA DE GEOGRAFIA

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA SUBSTITUTIVA DE GEOGRAFIA COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 1ª PROVA SUBSTITUTIVA DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 9º Turma: Data: / /2012 Nota: Professor(a): Edvaldo Valor da Prova: 65 pontos Orientações gerais: 1)

Leia mais

- 41 - Lição III RIO GRANDE DO SUL

- 41 - Lição III RIO GRANDE DO SUL Lição III RIO GRANDE DO SUL - 41 - Na lição anterior estudamos sobre o Brasil. Vimos que existem 26 Estados e 1 Distrito Federal. E um desses Estados, é o Rio Grande do Sul, que fica no extremo sul do

Leia mais

MERCOCIUDADES / UNIDADE TEMÁTICA DE TURISMO / ATA Nº 02/2011 REUNIÃO DA UNIDADE TEMÁTICA DE TURISMO DA REDE MERCOCIDADES

MERCOCIUDADES / UNIDADE TEMÁTICA DE TURISMO / ATA Nº 02/2011 REUNIÃO DA UNIDADE TEMÁTICA DE TURISMO DA REDE MERCOCIDADES MERCOCIUDADES / UNIDADE TEMÁTICA DE TURISMO / ATA Nº 02/2011 REUNIÃO DA UNIDADE TEMÁTICA DE TURISMO DA REDE MERCOCIDADES Celebrou-se na cidade de Porto Alegre, RS, Brasil, entre os dias 03 e 04 do mês

Leia mais

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL Portugal: crises e dependências -Portugal: acordos comerciais com a Inglaterra; -Exportação de produtos brasileiros; -Tratado de Methuen: redução fiscal para os

Leia mais

A industrialização no Brasil teve início a partir de. A vinda da Família Real propiciou a quebra do pacto colonial;

A industrialização no Brasil teve início a partir de. A vinda da Família Real propiciou a quebra do pacto colonial; PROCESSO DE INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA 1 Histórico de nossa industrialização A industrialização no Brasil teve início a partir de meados do século XIX; A vinda da Família Real propiciou a quebra do pacto

Leia mais

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo A UA UL LA MÓDULO 7 Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo Nesta aula O café foi o principal produto de exportação durante a República Velha. Os cafeicultores detinham o controle da

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Os domínios morfoclimáticos representam a interação e a integração do clima, relevo e vegetação que resultam na formação de uma paisagem passível de ser individualizada. Domínios

Leia mais

REDE DE MERCADORIAS E ALTA VELOCIDADE

REDE DE MERCADORIAS E ALTA VELOCIDADE REDE DE MERCADORIAS E ALTA VELOCIDADE Com a criação da CEE, as trocas comerciais entre membros sofreram enormes aumentos de tráfego, tendo as empresas a oportunidade de aceder a um mercado muito mais vasto.

Leia mais

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR Tamires Silva Gama Acadêmica do Curso de Geografia da UEM. Bolsista do CNPq Tamires_gama@hotmail.com OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR INTRODUÇÃO Frente os avanços da modernização

Leia mais

O Plano de Integração Nacional de 1970 e as rodovias na Amazônia: o caso da região amazônica na política de integração do território Nacional.

O Plano de Integração Nacional de 1970 e as rodovias na Amazônia: o caso da região amazônica na política de integração do território Nacional. O Plano de Integração Nacional de 1970 e as rodovias na Amazônia: o caso da região amazônica na política de integração do território Nacional. Aluno Bernardo Pacheco Loureiro N USP 4355431 AUP 270 A formação

Leia mais

a) A humilhação sofrida pela China, durante um século e meio, era algo inimaginável para os ocidentais.

a) A humilhação sofrida pela China, durante um século e meio, era algo inimaginável para os ocidentais. Questões: 01. Ao final do século passado, a dominação e a espoliação assumiram características novas nas áreas partilhadas e neocolonizadas. A crença no progresso, o darwinismo social e a pretensa superioridade

Leia mais

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA 2011/HIST8ANOEXE2-PARC-1ºTRI-I AVALIAÇÃO PARCIAL 1º TRIMESTRE

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 7º Turma: Data: 02/06/2012 Nota: Professor(a): EDVALDO DE OLIVEIRA Valor da Prova: 40 pontos Orientações

Leia mais

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade I GERENCIAMENTO DE TRANSPORTES Prof. Altair da Silva Introdução O transporte é a essência das atividades logísticas visto como estratégica para que as empresas possam ser cada vez mais competitivas.

Leia mais

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 58, de 13 de outubro de 1989, do Congresso Nacional.

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 58, de 13 de outubro de 1989, do Congresso Nacional. Acordo sobre Transportes Marítimos entre a República Federativa do Brasil e a República Argentina Assinado em 15 de agosto de 1985, em Buenos Aires. Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 58, de 13 de outubro

Leia mais

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO Mercado Economico em Angola - 2015 Caracterização Geográfica de Angola Caracterização da economia Angolana Medidas para mitigar o efeito da redução do

Leia mais

O continente africano

O continente africano O continente africano ATIVIDADES Questão 04 Observe o mapa 2 MAPA 2 Continente Africano Fonte: . A região do Sahel, representada

Leia mais

CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL

CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL BASES COMUNS DO SISTEMA COLONIAL PACTO-COLONIAL Dominação Política Monopólio Comercial Sistema de Produção Escravista ESTRUTURA SOCIAL DAS COLONIAS ESPANHOLAS Chapetones

Leia mais

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL O QUE ERAM AS ENTRADAS E BANDEIRAS?

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL O QUE ERAM AS ENTRADAS E BANDEIRAS? EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL Foi a conquista e ocupação do interior do território, além dos limites do Tratado de Tordesilhas. Essa expansão foi responsável pela extensão territorial do Brasil de hoje.

Leia mais

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA TREZE COLÔNIAS Base de ocupação iniciativa privada: Companhias de colonização + Grupos de imigrantes = GRUPOS DISTINTOS [excedente da metrópole;

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

REVISÃO NOVAFAP-FACID(geografia-Hugo)

REVISÃO NOVAFAP-FACID(geografia-Hugo) REVISÃO NOVAFAP-FACID(geografia-Hugo) 1. (Ufu) Na década de 1960, o geógrafo Aziz Nacib Ab'Saber reuniu as principais características do relevo e do clima das regiões brasileiras para formar, com os demais

Leia mais

Geografia (A) 1, 2, 4, 3 (D) 3, 1, 4, 2 (B) 2, 1, 3, 4 (E) 4, 3, 2, 1 (C) 2, 3, 1, 4

Geografia (A) 1, 2, 4, 3 (D) 3, 1, 4, 2 (B) 2, 1, 3, 4 (E) 4, 3, 2, 1 (C) 2, 3, 1, 4 46 As reformas neoliberais implementadas pelos dois últimos governos conferiram ao Brasil a imagem de um país conduzido segundo um determinado modelo econômico. O referido modelo busca um desenvolvimento:

Leia mais

Expansão Territorial séc. XVII-XVIII

Expansão Territorial séc. XVII-XVIII BRASIL COLÔNIA Expansão Territorial séc. XVII-XVIII No período da União Ibérica, a Linha de Tordesilhas ficou sem efeito, permitindo um avanço do território brasileiro rumo ao interior. Duas formas básicas

Leia mais

A Economia da América Latina

A Economia da América Latina A Economia da América Latina adsense1 Agricultura A agricultura de subsistência era a principal atividade econômica dos povos originais da América Latina, Essa atividade era complementada pela caça, pela

Leia mais

Século XVIII e XIX / Europa

Século XVIII e XIX / Europa 1 I REVOLUÇÃO AGRÍCOLA Século XVIII e XIX / Europa! O crescimento populacional e a queda da fertilidade dos solos utilizados após anos de sucessivas culturas no continente europeu, causaram, entre outros

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

A FALTA DE PLANEJAMENTO NOS INVESTIMENTOS DA ÁREA DE TURISMO O CASO DA ZONA PORTUÁRIA DE SANTA VITÓRIA DO PALMAR/RS.

A FALTA DE PLANEJAMENTO NOS INVESTIMENTOS DA ÁREA DE TURISMO O CASO DA ZONA PORTUÁRIA DE SANTA VITÓRIA DO PALMAR/RS. 1 A FALTA DE PLANEJAMENTO NOS INVESTIMENTOS DA ÁREA DE TURISMO O CASO DA ZONA PORTUÁRIA DE SANTA VITÓRIA DO PALMAR/RS. Resumo: O artigo que segue, apresenta os resultados da pesquisa realizada no Porto

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca II ENCONTRO NACIONAL DE TRANSPORTADORES

Leia mais

3. do Sul-Sudeste. Sudeste.

3. do Sul-Sudeste. Sudeste. A Hidrografia Brasileira HIDROGRAFIA O Brasil apresenta hidrografia bastante diversificada e rica. Para se ter uma idéia, a Bacia Amazônica, que é a maior do mundo, tem 7.050.000 km, enquanto a do Congo,

Leia mais

Por que é tão Difícil se Promover uma Reforma Tributária mais Ampla no Brasil?

Por que é tão Difícil se Promover uma Reforma Tributária mais Ampla no Brasil? 74 Por que é tão Difícil se Promover uma Reforma Tributária mais Ampla no Brasil? 23.10.1997 Fala-se em reforma tributária no Brasil, no entanto se avança tão pouco ainda, se comparada às necessidades

Leia mais

ENEM 2014 - Caderno Rosa. Resolução da Prova de História

ENEM 2014 - Caderno Rosa. Resolução da Prova de História ENEM 2014 - Caderno Rosa Resolução da Prova de História 5. Alternativa (E) Uma das características basilares do contato entre jesuítas e os povos nativos na América, entre os séculos XVI e XVIII, foi o

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 3 DE OUTUBRO DE 1975 ABERTURA DO

Leia mais

1) Caracterize a economia e a história recente da região insular da América Central.

1) Caracterize a economia e a história recente da região insular da América Central. 1) Caracterize a economia e a história recente da região insular da América Central. 2) Considere a tabela para responder à questão: TAXA DE CRESCIMENTO URBANO (em %) África 4,3 Ásia 3,2 América Lat./Caribe

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SEGURO (cultura do seguro) www.sindsegsc.org.br A história do seguro remonta a séculos antes de Cristo, quando as caravanas atravessavam os desertos do Oriente para comercializar camelos.

Leia mais