UNIVERSIDADE REGIONAL INTEGRADA DO ALTO URUGUAI E DAS MISSÕES DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CAMPUS SANTIAGO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE REGIONAL INTEGRADA DO ALTO URUGUAI E DAS MISSÕES DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CAMPUS SANTIAGO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE REGIONAL INTEGRADA DO ALTO URUGUAI E DAS MISSÕES DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CAMPUS SANTIAGO TRANSFORMAÇÕES NO CONTEXTO POLÍTICO SANTIAGUENSE A PARTIR DO ASSASSINATO DO JUIZ DE DIREITO MOYSÉS VIANNA (PATRONO DA JUSTIÇA ELEITORAL BRASILEIRA) Cléo Adriano Sabadi Bonotto * Resumo: A década de 30 foi uma época de grandes transformações estruturais para o Brasil, transformações estas que modificaram muito nossa sociedade, pois atingiu tanto o campo político como o social, econômico e também o ideológico. No âmbito regional, estas mudanças estruturais culminam com a assassinato, ocorrido em Vila Flores, do juiz de direito Moysés Vianna, Patrono da Justiça Eleitoral Brasileira, devido à sua participação como juiz eleitoral ao presidir as eleições suplementares municipais de 1936 em Santiago. O objetivo deste trabalho é trazer à tona a história política, social e jurídica do município de Santiago durante a década de 30. identificando as correntes ideológicas em cena, as instituições que davam sustentação ao poder político, bem como seus traços de coronelismo e positivismo, e, também, analisar o papel do Judiciário em função da recém criada Justiça Eleitoral, através da atuação do juiz Moysés Vianna, no processo de consolidação da democracia brasileira. Palavras-Chave: Justiça Eleitoral. Política. Santiago. 1 INTRODUÇÃO A década de 30 foi uma época de profundas transformações nos mais variados setores da sociedade brasileira. A revolução de 30, mesmo sendo uma reação conservadora, acaba com o predomínio de uma estrutura oligárquica regional, que passa - durante toda essa década - por um período de transição, mudando para uma estrutura sócio-política burguesa liberal. Embora, entre os objetivos dos revolucionários de 30 estivesse a desmontagem da máquina política da República Velha, radicada nas situações municipais, na realidade não foi o que aconteceu. Houve substituição de grupos no poder, sem que isso representasse uma grande perda de atributos e autoridade de fato. Porque o coronel continuou sendo o alicerce da autoridade social e política. As mudanças ocorreram sob uma nova aparência do domínio oligárquico, mas não decretaram o fim do coronelismo. (FÉLIX, Loiva Otero, p. 176) * Historiador e Mestre em Integração Latino-Americana na URI-Santiago/RS. Professor dos cursos de História e Direito da Universidade Regional Integrada (URI) de Santiago. 1

2 Em 1932 o Código Eleitoral instituiu o voto feminino, baixou para 18 anos e limite de idade para ser eleito e deu segurança efetiva ao sigilo do sufrágio. Contudo, a sua grande inovação consistiu em aferir o alistamento, a apuração dos votos, o reconhecimento e a proclamação dos eleitos à Justiça Eleitoral (LEAL, 1975; p. 257) Pela reforma de 1935 a Justiça Eleitoral, além do Tribunal Superior e dos Tribunais Regionais, tinha, em cada circunscrição judiciária, como juiz eleitoral de primeira instância, o juiz local vitalício, ou o escolhido pelo Tribunal Regional e juntas apuradoras nos lugares designados, constituída cada uma por três juízes locais vitalícios, sob a presidência do que tivesse jurisdição no município sede. Em Santiago, a recém formada Justiça Eleitoral tem sua prova de fogo nas eleições de 1936, quando, depois de acirrada disputa, as eleições são anuladas devido a fraudes eleitorais praticadas pela situação e marcadas para data posterior. De acordo com PESAVENTO (1980), os oligarcas se agrupavam tanto na FUG (Frente Única Gaúcha) quanto no PRL (Partido Republicano Liberal). Com vistas a atender uma das principais promessas dos revolucionários de 1930, em 1932 cria-se uma legislação eleitoral, tendo em vista terminar com as fraudes e os desmandos nas eleições. O Governo Provisório de Vargas, sob pressão da oposição, cria então a Justiça Eleitoral Brasileira, para garantir a transparência das eleições (BRUM, 1981). As primeiras eleições realizadas no Brasil após a criação da Justiça Eleitoral foram saudadas como eleições verdadeiras, em que os eleitos se tranqüilizaram com os reconhecimentos entregues exclusivamente à magistratura. E desapareceram, segundo os comentadores, as desmoralizações do voto (PORTO, 1989). De acordo com SIMÕES (1976), o clima era de tumulto e agressões durante as eleições suplementares municipais de Santiago em 1936, com bandos armados intimidando partidários adversários. Nessas eleições, tanto oposição como situação, lançaram mão de todos os recursos legais e ilegais para obter a vitória, necessitando a intervenção do poder estadual, que se deu através do envio de maior contingente de policiais para assegurar a ordem no pleito. Nesse contexto, o juiz de direito Moysés Vianna é assassinado ao impedir fraude eleitoral por parte da situação, morrendo junto à urna a qual fiscalizava em Vila Flores. Contudo, na prática social regional constata-se que também não existem estudos que levem em consideração o contexto histórico da política santiaguense, que culminou com o assassinato do juiz de direito Moysés Antunes Vianna, patrono da Justiça Eleitoral e exemplo profissional para todo judiciário brasileiro devido à sua participação como 2

3 juiz eleitoral, presidindo as eleições suplementares de 1936 em Santiago. Em vista disso, o estudo deste momento histórico traz à tona a história política, social e jurídica, interpretando a atuação do judiciário no município de Santiago e, assim, aumentando em muito as possibilidades de melhor compreensão de nossa história. Para a realização da pesquisa, estamos coletando dados em corpus documentais, tais como jornais da época, documentos oficiais e história oral, numa proposta metodológica que articula os métodos dialético, quanto à abordagem, histórico e interpretativo, nos procedimentos. Assim, temos a seguinte pergunta: como a atuação do judiciário, cujo principal representante foi o juiz o de direito Moysés Antunes Vianna, influenciou no contexto sóciopolítico-jurídico santiaguense e regional durante a década de 1930? A principal obra que nos baseamos para o desenvolvimento deste trabalho foi Coronelismo, enxada e voto, de Vitor Nunes Leal, no qual o autor argumenta que o coronelismo se debilitaria com o progresso social e econômico e com o avanço das instituições democráticas no Brasil. A tese que pretendemos desenvolver no presente artigo é de que a Justiça Eleitoral foi um dos principais instrumentos capazes de fazer frente ao poder absoluto dos coronéis, já que interferiu na sua principal força de barganha frente ao poder estadual, o controle do eleitorado do interior. Os resultados serão apresentados em dois momentos referentes aos objetivos da pesquisa. Num primeiro momento identificaremos as correntes ideológicas em cena e as instituições que davam suporte ao poder político, sendo enfatizado o coronelismo como o principal eixo de sustentação política, e, logo no momento seguinte, analisaremos a história política do município de Santiago durante a década de 30, e a participação da Justiça Eleitoral, representada nesse momento pelo juiz de direito Moysés Vianna nas eleições de 1936 nesse município. Instituições e correntes ideológicas que davam suporte ao poder político O coronelismo sobreviveu à Proclamação da República, e se tornou um dos principais sustentáculos do jogo político no Brasil republicano. Esse foi o período definido pela historiografia como República Café com Leite, República dos Governadores ou República Velha. Foi uma época em que as oligarquias cafeeiras eram hegemônicas na política nacional. Essa hegemonia baseava-se num acordo silencioso entre o governo, que proporcionava ampla autonomia para as frações oligárquicas dos estados em troca da manutenção do domínio dos setores hegemônicos ligados à cafeicultura. 3

4 As eleições de 1936 deram a vitória para a situação, representada pelo intendente José Ernesto Muller. Porém a Frente Única recorreu ao Tribunal Regional Eleitoral, que, em abril de 1936, anulou dias seções eleitorais, marcando eleições suplementares para maio do mesmo ano (TRE, 1998). Deve-se ressaltar que todos os dirigentes dos partidos concorrentes eram grandes pecuaristas do município. As decisões eram tomadas por estes e de acordo com os objetivos destes. As eleições marcadas para o dia 10 de maio de 1936 são transferidas para o dia 24 de maio pelo TRE, atendendo ao pedido do juiz de direito de Santiago, Moysés Vianna, que telegrafou para o TRE solicitando a transferência da data do pleito por motivo de segurança. Segundo o telegrama de Moysés Vianna, que foi publicado pelo jornal Correio do Povo, no dia 9 de maio de 1936, grupos armados existentes no 3º e 6º distritos intimidam o eleitorado da Frente Única. (Correio do Povo, 09 de maio de 1936). Os cangaceiros no nordeste brasileiro, no Rio grande do Sul os bombachudos na região de Palmeira das Missões e o bando de Don Juan em Santiago, que teve amplo destaque durante as eleições de 1936, são exemplos do banditismo associado a interesses coronelísticos. Nessas regiões, não só as autoridades e os ricos têm de viver com os bandidos, como muitas vezes tem todo o interesse em fazê-lo. Hélgio Trindade afirma que a violência que marcará as eleições municipais desse período deve-se ao fato de que grande parte dos prefeitos nomeados por Flores da Cunha concorreram ao cargo, sem deixarem para tanto o governo do município, utilizaram a máquina administrativa do município para vencer as eleições. Este foi o caso de Santiago, já que o prefeito José Ernesto Muller continuou exercendo a chefia do executivo municipal quando concorreu em 1935 e Deve-se destacar o deterioramento das relações entre Flores da Cunha e Getúlio Vargas, o que garantias à oposição estadual uma certa simpatia por parte do governo nacional. Também deve se acrescentar que em 1936 o PRL firma com a Frente Única o chamado Modus Vivendi, que garantia a participação da oposição no governo do Estado. Raul Pilla, chefe estadual do Partido Libertador - e Lindolfo Collor -líder do PRR - ocupariam as duas principais secretarias do Estado, a da Agricultura e das Finanças, respectivamente. Flores da Cunha precisava do estado unido para fazer frente ao poder central. Vargas, por seu lado, incentivava as rivalidades regionais, buscando fragmentar o poder de Flores da Cunha (RANGEL, 2001). As rivalidades eleitorais de Santiago são exploradas ao extremo pela imprensa 4

5 no sentido de desestabilizar o governo estadual. Os jornais Correio do Povo e Diário de Notícias, ambos de Porto Alegre e com circulação estadual, e o jornal A Razão, de Santa Maria, este de circulação regional, darão amplo destaque aos acontecimentos de Santiago. A oposição santiaguense soube tirar proveito da situação estadual. Severino Azambuja (chefe oposicionista santiaguense) relata, em telegrama, os acontecimentos de Santiago: As autoridades municipais e estaduais a frente de grupos reconhecidos por serem pertencidos ao mau elemento, todos armados de armas de guerra, exercem violenta pressão, ameaçando de morte s elementos da Frente Única, seus chefes e eleitores. (CORREIO DO POVO, 9 de maio de 1936) Neste telegrama define-se como objetivo relacionar a situação municipal com a estadual. Severino Azambuja enviou cópia para Raul Pilla, chefe Libertador e Secretário da Agricultura do Estado, outra ao TRE, e outra ao Correio do Povo, objetivando mobilizar a opinião pública. Também devemos ter presente o caráter simbólico desta associação entre os ditos bandidos com os coronéis. A instituição coronelística lega uma sociedade de grandes extremos sociais, quando podemos falar até de uma polarização entre coronéis e dependentes, com uma camada média que geralmente gira em torno da dependência ao chefe local. Nessa sociedade o banditismo se torna mito, impregnando o imaginário popular, já que as ações dos bandidos se darão na parte mais fraca, ou sejam nos dependentes, que são os que têm menores condições de defesa, o que acrescenta em muito na periculosidade desses elementos. Na realização do pleito municipal, ao impedir fraude eleitoral, o juiz Moysés Vianna foi assassinado por um dos integrantes dos bandos armados ligados prefeito José Ernesto Muller (PRL). Ao impedir a fraude, Moysés impediu a anulação da seção eleitoral, o que daria vitória para o PRL. A Justiça Eleitoral declarou vitorioso o candidato da oposição, Sílvio Aquino. O fato teve ampla repercussão na imprensa, sendo noticiado até mesmo na imprensa carioca, que fez a ligação dos bandos armados com o governo de Flores da Cunha (Correio do Povo, 27 de maio de 1936). Este período democrático durou pouco tempo, pois em 1937, Getúlio Vargas inicia seu período ditatorial, é o Estado Novo. Sílvio Aquino, candidato vitorioso, torna-se interventor municipal durante todo o período ditatorial de Vargas. A dissolução dos partidos políticos durante o Estado Novo amenizou as rivalidades locais, que tiveram seu ápice nas eleições de A contradição entre o desprezo pelas eleições da doutrina oficial do Partido e a instituição do coronelismo é explicada por dois motivos: o peso eleitoral do Rio Grande do Sul foi explorado ao máximo para permitir maior poder de barganha frente ao poder federal, e 5

6 a compatibilização com o coronelismo era a garantia de soldados para sustentar o poder estadual, o que pode ser comprovado pela acentuação do papel militar pelo Álbum Ilustrado do Partido Castilhista, onde os representantes municipais eram antes de tudo uma força em armas. 6

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições.

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Revolução de 1930 Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Responsável pelo fim da chamada Política café com leite Política café com leite

Leia mais

A longa conquista do voto na história política brasileira

A longa conquista do voto na história política brasileira A longa conquista do voto na história política brasileira Vera Chaia 1 A extensão dos direitos políticos no Brasil nem sempre esteve ligada ao aumento da participação política no processo eleitoral. Esta

Leia mais

CARTILHA DO VOTO CONSCIENTE

CARTILHA DO VOTO CONSCIENTE CARTILHA DO VOTO CONSCIENTE ART. 1, 1 da Constituição Federal de 88: Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição. Voto consciente:

Leia mais

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA Os últimos anos da República Velha Década de 1920 Brasil - as cidades cresciam e desenvolviam * Nos grandes centros urbanos, as ruas eram bem movimentadas, as pessoas

Leia mais

REPÚBLICA VELHA (1889 1930) Disciplina: História. Professora: Daianne. Série: 9º ano.

REPÚBLICA VELHA (1889 1930) Disciplina: História. Professora: Daianne. Série: 9º ano. REPÚBLICA VELHA (1889 1930) Disciplina: História. Professora: Daianne. Série: 9º ano. PROJETOS DE REPÚBLICA MILITARES Relutava em convocar eleições para a Assembleia Constituinte; Queria um governo forte,

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: HISTÓRIA SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:. Compreender

Leia mais

Cartilha VOTE CONSCIENTE VOTE BEM

Cartilha VOTE CONSCIENTE VOTE BEM Cartilha VOTE VOTE BEM CONSCIENTE O mês de outubro marca a escolha de quem estará, durante os próximos anos, à frente do poder no Brasil. É um dos momentos mais significativos, pois é a hora de o brasileiro

Leia mais

12. Assinale a opção correta a respeito da composição e do funcionamento das juntas eleitorais.

12. Assinale a opção correta a respeito da composição e do funcionamento das juntas eleitorais. TRE-MT ANALIS. JUD. ADM CESPE 9. Assinale a opção correta com relação aos órgãos da justiça eleitoral. a) A justiça eleitoral é composta pelo Tribunal Superior Eleitoral ( TSE ), pelo TRE, na capital de

Leia mais

Histórico das constituições: direito de sufrágio

Histórico das constituições: direito de sufrágio 89 Histórico das constituições: direito de sufrágio André de Oliveira da Cruz Waldemar de Moura Bueno Neto José Carlos Galvão Goulart de Oliveira Graduandos pela Faculdade de Educação, Administração e

Leia mais

AMAJUM. No próximo dia 7 de outubro, o povo brasileiro retorna às urnas, desta vez para escolher prefeitos, vice-prefeitos e vereadores.

AMAJUM. No próximo dia 7 de outubro, o povo brasileiro retorna às urnas, desta vez para escolher prefeitos, vice-prefeitos e vereadores. No próximo dia 7 de outubro, o povo brasileiro retorna às urnas, desta vez para escolher prefeitos, vice-prefeitos e vereadores. Produção: Ação conjunta: Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso Parceiro:

Leia mais

Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985) e República Nova (Redemocratização do Brasil) (1985-2010)

Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985) e República Nova (Redemocratização do Brasil) (1985-2010) Trabalho de História Recuperação _3ºAno Professor: Nara Núbia de Morais Data / /2014 Aluno: nº Ens. Médio Valor: 40 Nota: Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985)

Leia mais

A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA JUSTIÇA ELEITORAL BRASILEIRA. Marcello Albuquerque de Miranda

A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA JUSTIÇA ELEITORAL BRASILEIRA. Marcello Albuquerque de Miranda A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA JUSTIÇA ELEITORAL BRASILEIRA Marcello Albuquerque de Miranda A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA JUSTIÇA ELEITORAL BRASILEIRA Marcello Albuquerque de Miranda Bacharel em Direito

Leia mais

O que fazer para reformar o Senado?

O que fazer para reformar o Senado? O que fazer para reformar o Senado? Cristovam Buarque As m e d i d a s para enfrentar a crise do momento não serão suficientes sem mudanças na estrutura do Senado. Pelo menos 26 medidas seriam necessárias

Leia mais

Síntese de pesquisas de opinião sobre o Ministério Público

Síntese de pesquisas de opinião sobre o Ministério Público Síntese de pesquisas de opinião sobre o Ministério Público Fonte: TRE/Rondônia noticiado na Notícias Jus Brasil Data: 2005 A pesquisa também mostra que 53,5% dos eleitores são favoráveis à realização de

Leia mais

Justiça Eleitoral. Suplementar. Eleições Municipais Eleições 2008 - Suplementar - 1º turno. Resultado da totalização ANÍSIO DE ABREU

Justiça Eleitoral. Suplementar. Eleições Municipais Eleições 2008 - Suplementar - 1º turno. Resultado da totalização ANÍSIO DE ABREU Justiça Eleitoral Suplementar Eleições Municipais Eleições 28 - Suplementar - 1º turno Resultado da totalização ANÍSIO DE ABREU 5 de setembro de Justiça Eleitoral/ PI Eleições 28 - Suplementar 5/9/ 18:8:11

Leia mais

Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 13 APRESENTAÇÃO... 15 NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 17 NOTA À SEGUNDA EDIÇÃO... 19 DIREITO ELEITORAL...

Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 13 APRESENTAÇÃO... 15 NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 17 NOTA À SEGUNDA EDIÇÃO... 19 DIREITO ELEITORAL... Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 13 APRESENTAÇÃO... 15 NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 17 NOTA À SEGUNDA EDIÇÃO... 19 CAPÍTULO 1 DIREITO ELEITORAL... 21 1.1. Conceito...21 1.1.1. Competência legislativa em

Leia mais

Acerca da Luta Armada

Acerca da Luta Armada VALOR E VIOLÊNCIA Acerca da Luta Armada Conferência Pronunciada no Anfiteatro de História da USP em 2011 Wilson do Nascimento Barbosa Professor Titular de História Econômica na USP Boa noite! Direi em

Leia mais

PONTO DOS CONCURSOS CURSO: DIREITO ELEITORAL - TEORIA E EXERCÍCIOS TREs. 3º Simulado de Direito Eleitoral para TREs. PROFESSOR: RICARDO GOMES AVISOS:

PONTO DOS CONCURSOS CURSO: DIREITO ELEITORAL - TEORIA E EXERCÍCIOS TREs. 3º Simulado de Direito Eleitoral para TREs. PROFESSOR: RICARDO GOMES AVISOS: AVISOS: 1. Os Simulados de Direito Eleitoral para TREs serão com base em Provas da FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS (FCC); 2. Estamos ministrando o CURSO DE DIREITO ELEITORAL para TREs Teoria e Exercícios, iniciado

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

Mas, um golpe de Estado militar instaurou a forma republicana presidencialista, em 15 de novembro de 1889.

Mas, um golpe de Estado militar instaurou a forma republicana presidencialista, em 15 de novembro de 1889. Brasil no período de transição: Império para República. Éramos governados por um dos ramos da Casa de Bragança, conhecido como família imperial brasileira que constituía o 11º maior império da história

Leia mais

ARQUIVO HISTÓRICO VIRTUAL DO LEGISLATIVO

ARQUIVO HISTÓRICO VIRTUAL DO LEGISLATIVO ARQUIVO HISTÓRICO VIRTUAL DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO (BRASIL) A história das Câmaras municipais no Brasil começou em 1532, quando São Vicente, hoje atual Estado de São Paulo foi elevada à categoria

Leia mais

Tese da AJR para o XI Congresso dos Estudantes da USP. Fora Rodas! Fora PM! Ensino público e gratuito! Poder Estudantil!

Tese da AJR para o XI Congresso dos Estudantes da USP. Fora Rodas! Fora PM! Ensino público e gratuito! Poder Estudantil! Tese da AJR para o XI Congresso dos Estudantes da USP Fora Rodas! Fora PM! Ensino público e gratuito! Poder Estudantil! Fora PM da USP! O estado de sítio na USP, com a instalação de bases da Polícia Militar

Leia mais

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI Thasley Westanyslau Alves Pereira 1 ; Marcelo Santos Rodrigues 2. 1 Aluno do Curso de História; Campus de Porto Nacional; e-mail:thasley_uft@hotmail.com

Leia mais

O SR. NELSON MARQUEZELLI (PTB - sp) pronuncia o. seguinte discurso: Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados,

O SR. NELSON MARQUEZELLI (PTB - sp) pronuncia o. seguinte discurso: Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, O SR. NELSON MARQUEZELLI (PTB - sp) pronuncia o seguinte discurso: Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, encontra-se em curso, no Congresso Nacional, uma proposta de reforma que aborda questões consideradas

Leia mais

Avaliação da unidade II Pontuação: 7,5 pontos

Avaliação da unidade II Pontuação: 7,5 pontos Avaliação da unidade II Pontuação: 7,5 pontos QUESTÃO 01 (1,0 ponto) A Segunda Grande Guerra (1939-1945), a partir de 7 de dezembro de 1941, adquire um caráter mundial quando os a) ( ) russos tomam a iniciativa

Leia mais

REVOLTAS DURANTE A REPÚBLICA VELHA

REVOLTAS DURANTE A REPÚBLICA VELHA REVOLTAS DURANTE A REPÚBLICA VELHA Unidade 2, Tema 2 e 3. Págs. 50 53 Personagem. Pág. 55 e 64 Ampliando Conhecimentos. Págs. 60-61 Conceitos Históricos. Pág. 65 Em foco. Págs. 66-71 GUERRA DE CANUDOS

Leia mais

A INSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA

A INSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA A INSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA A PROCLAMAÇÃO Proclamada em 15 de novembro de 1889, a República nascia no Brasil como resultado de um movimento de cúpula, como uma espécie de revolução pelo alto controlada

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA. MOVIMENTO BURGUÊS França antes da revolução TEVE APOIO DO POVO Monarquia absolutista Economia capitalista.(costumes feudais) sociedade estamental. 1º Estado-

Leia mais

Poder Judiciário. Tabela 1 Poder Judiciário Primeira Instância Segunda Instância

Poder Judiciário. Tabela 1 Poder Judiciário Primeira Instância Segunda Instância O é a instituição encarregada de administrar justiça por meio dos tribunais. Sua função é assegurar o amparo, proteção ou tutela dos direitos dispostos nas leis. A Suprema Corte de Justiça é a máxima autoridade

Leia mais

Pesquisa de Opinião Pública Nacional. Associação dos Magistrados Brasileiros AMB Voto, Eleições e Corrupção Eleitoral

Pesquisa de Opinião Pública Nacional. Associação dos Magistrados Brasileiros AMB Voto, Eleições e Corrupção Eleitoral Pesquisa de Opinião Pública Nacional Associação dos Magistrados Brasileiros AMB Voto, Eleições e Corrupção Eleitoral Julho de 2008 Roteiro I. Metodologia II. III. IV. Eleições e Política Corrupção eleitoral

Leia mais

Vem pra urna! Justiça Eleitoral. Cartório Eleitoral - ES. Cartilha educativa da. Justiça Eleitoral. sobreo poder do voto.

Vem pra urna! Justiça Eleitoral. Cartório Eleitoral - ES. Cartilha educativa da. Justiça Eleitoral. sobreo poder do voto. Vem pra urna! Justiça Eleitoral Cartório Eleitoral - ES www.tre-es.jus.br. #vempraurna Cartilha educativa da Justiça Eleitoral sobreo poder do voto. Material desenvolvido pelo Tribunal Regional Eleitoral

Leia mais

A Vedação da Propaganda Institucional no Período Eleitoral e a Lei 9.504/97

A Vedação da Propaganda Institucional no Período Eleitoral e a Lei 9.504/97 268 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 7 Curso: 1º Seminário de Direito Eleitoral: Temas Relevantes para as Eleições de 2012 A Vedação da Propaganda Institucional no Período Eleitoral e a Lei 9.504/97

Leia mais

PROJETOS CULTURAIS ELEIÇÕES. 5 0 a O - fu dame tal. Votar é uma forma de lutar pelos nossos direitos. Justificativa

PROJETOS CULTURAIS ELEIÇÕES. 5 0 a O - fu dame tal. Votar é uma forma de lutar pelos nossos direitos. Justificativa ELEIÇÕES ELEIÇÕES 5 0 a O - fu dame tal Votar é uma forma de lutar pelos nossos direitos. Justificativa PROJETOS CULTURAIS Estamos em época de eleições, em tempo de discutir ideias para fazer a melhor

Leia mais

TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR. Foram aprovadas as seguintes alterações:

TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR. Foram aprovadas as seguintes alterações: Senado Federal Comissão da Reforma Política TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR a) Redução de dois suplentes de Senador para um; b) Em caso de afastamento o suplente assume; em

Leia mais

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS Perguntas e resposta feitas ao jornalisa Romário Schettino Perguntas dos participantes do 6 Seminário de Direito para Jornalistas

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA JUDICIÁRIA ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL EJERS ATIVIDADES JÁ REALIZADAS PELA ESCOLA 17.09.2010 - Exposição do Ministro Ricardo Lewandowski - Sobre as Eleições 2010. Realizado no Plenário do TRE-RS.

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN. b) Cite duas características do Estado Novo. Resposta: Ditadura, censura, nacionalismo, etc.

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN. b) Cite duas características do Estado Novo. Resposta: Ditadura, censura, nacionalismo, etc. 2ª série Ens. Médio EXERCÍCIOS DE MONITORIA HISTÓRIA - OBJETIVA Professora: Higor David Lopes Prucoli 1. (Fuvest 1987) Como se expressa a ação do governo na economia brasileira no período do Estado Novo?

Leia mais

O Estado brasileiro: Oligárquico/patrimonial; Autoritário/burocrático; Estado de bem-estar; Estado Regulador

O Estado brasileiro: Oligárquico/patrimonial; Autoritário/burocrático; Estado de bem-estar; Estado Regulador O Estado brasileiro: Oligárquico/patrimonial; Autoritário/burocrático; Estado de bem-estar; Estado Regulador 1. Introdução 2. Estado oligárquico e patrimonial 3. Estado autoritário e burocrático 4. Estado

Leia mais

1 a Questão: (2,0 pontos) APRESENTAÇÃO

1 a Questão: (2,0 pontos) APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO Para dar uma definição compreensível de revolução, diremos que ela é uma tentativa de substituir o poder estabelecido por outro poder, usando meios ilegais. Esses meios, geralmente, implicam

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Competência da Justiça Militar Paulo Tadeu Rodrigues Rosa* A Justiça Militar é um dos órgãos do Poder Judiciário, com previsão constitucional e Lei de Organização Judiciária que

Leia mais

China Sistema Político Vigente

China Sistema Político Vigente China Sistema Político Vigente Especial Sistema Político / Eleitoral Carolina Andressa S. Lima 15 de setembro de 2005 China Sistema Político Vigente Especial Sistema Político / Eleitoral Carolina Andressa

Leia mais

29 A ordem liberal-democrática

29 A ordem liberal-democrática A U A UL LA A ordem liberal-democrática Abertura Na aula passada vimos que, em 1945, Vargas convocou eleições para a presidência da República. Mas o regime do Estado Novo chegou ao fim antes que elas se

Leia mais

REGISTRO DE CANDIDATO

REGISTRO DE CANDIDATO LEGISLAÇÃO APLICÁVEL - Constituição Federal - Código Eleitoral (Lei n. 4737/65) - Lei n. 9.504/97 (Lei das Eleições) - Lei Complementar n. 64/90 (Lei das Inelegibilidades) DISPOSIÇÕES GERAIS REGISTRO DE

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE HISTÓRIA A ERA VARGAS-1930-1945

EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE HISTÓRIA A ERA VARGAS-1930-1945 EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE HISTÓRIA A ERA VARGAS-1930-1945 01) Sobre o Estado Novo (1937-1945), é incorreto afirmar que: a) Foi caracterizado por um forte intervencionismo estatal. b) Criou órgãos de censura

Leia mais

Planejamento estratégico do Movimento Nossa São Paulo

Planejamento estratégico do Movimento Nossa São Paulo Planejamento estratégico do Movimento Nossa São Paulo Contribuições construídas pelo GT Juventude A avaliação das entidades e grupos que compõe o GT Juventude faz da atuação do Movimento em 2008 é extremamente

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR SUB-COMISSÃO DO VOTO ELETRÔNICO E O DEBATE EM TORNO DA ESCOLHA DEMOCRÁTICA DOS REPRESENTANTES POR MEIO DO VOTO ELETRÔNICO, A MANUTENÇÃO E

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 9 o ano 1 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : 1. A proclamação da República correspondeu ao encontro de duas forças diversas Exército e fazendeiros de café movidas por razões

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 6.996, DE 7 DE JUNHO MAIO DE 1982. Dispõe sobre a utilização de processamento eletrônico de dados nos serviços eleitorais e

Leia mais

FORMAÇÃO PARA CONSELHEIROS DE DIREITOS. www.institutocultiva.com.br www.rudaricci.com.br

FORMAÇÃO PARA CONSELHEIROS DE DIREITOS. www.institutocultiva.com.br www.rudaricci.com.br FORMAÇÃO PARA CONSELHEIROS DE DIREITOS www.institutocultiva.com.br www.rudaricci.com.br CIDADANIA E PARTICIPAÇÃO Cidadania é o conjunto de DIREITOS: Civis (individuais, em que todos são indivíduos livres

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE DA MÍDIA

RELATÓRIO DE ANÁLISE DA MÍDIA RELATÓRIO DE ANÁLISE DA MÍDIA CLIPPING SENADO FEDERAL E CONGRESSO NACIONAL NOTICIÁRIO MAIO DE 2010 SEAI 05/2010 Brasília, junho de 2010 Análise de Notícias Senado Federal e Congresso Nacional 1. Mídia

Leia mais

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável Este artigo é cópia fiel do publicado na revista Nu e va So c i e d a d especial em português, junho de 2012, ISSN: 0251-3552, . Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Leia mais

ESCRITAS Vol.5 n.2 (2013) ISSN 2238-7188 pp.204-209

ESCRITAS Vol.5 n.2 (2013) ISSN 2238-7188 pp.204-209 A TRAJETÓRIA DO VOTO NO BRASIL: DAS ELEIÇÕES A BICO DE PENA À BIOMETRIA Resenha da obra: NICOLAU, Jairo. Eleições no Brasil: do Império aos dias atuais. Rio de Janeiro: Zahar, 2012. Martha Victor Vieira

Leia mais

Prof. Thiago Oliveira

Prof. Thiago Oliveira Prof. Thiago Oliveira Depois da 2ª Guerra Mundial o Brasil passou por um período de grandes transformações no campo da política, economia e sociedade, superando o Estado Novo de Getúlio e experimentando

Leia mais

Manual de Convenção. Um ano antes da Convenção Data limite de filiação para ser eleito delegado.

Manual de Convenção. Um ano antes da Convenção Data limite de filiação para ser eleito delegado. Manual de Convenção Um ano antes da Convenção Data limite de filiação para ser eleito delegado. Seis meses antes da Convenção Data limite de filiação para votar e ser votado nas Convenções Municipais.

Leia mais

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS 2014 1 Índice 1. Contexto... 3 2. O Programa Cidades Sustentáveis (PCS)... 3 3. Iniciativas para 2014... 5 4. Recursos Financeiros... 9 5. Contrapartidas... 9 2 1. Contexto

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR PROMOTOR ELEITORAL DA CIRCUNSCRIÇÃO ELEITORAL DE JARAGUÁ DO SUL SANTA CATARINA.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR PROMOTOR ELEITORAL DA CIRCUNSCRIÇÃO ELEITORAL DE JARAGUÁ DO SUL SANTA CATARINA. EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR PROMOTOR ELEITORAL DA CIRCUNSCRIÇÃO ELEITORAL DE JARAGUÁ DO SUL SANTA CATARINA. ALMIRO ANTUNES FARIAS FILHO, brasileiro, casado, representante comercial, portador da carteira

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA Fase 1 Novembro 2008 INTRODUÇÃO Na prova de História de 2009 foi possível concretizar vários dos objetivos do programa do Vestibular.

Leia mais

POLÍCIA E POLÍTICA: RELAÇÕES ESTADOS UNIDOS/AMÉRICA LATINA Police and Politics: the United States/Latin America relations

POLÍCIA E POLÍTICA: RELAÇÕES ESTADOS UNIDOS/AMÉRICA LATINA Police and Politics: the United States/Latin America relations POLÍCIA E POLÍTICA: RELAÇÕES ESTADOS UNIDOS/AMÉRICA LATINA Police and Politics: the United States/Latin America relations Andréa Roloff Lopes * HUGGINS, Martha K. Polícia e Política: relações Estados Unidos/América

Leia mais

O Voto e a Internet. por Caetano Ernesto Pereira de Araújo

O Voto e a Internet. por Caetano Ernesto Pereira de Araújo O Voto e a Internet por Caetano Ernesto Pereira de Araújo O desenvolvimento acelerado da Internet traz à discussão, de maneira recorrente, a possibilidade da utilização político-institucional de seus recursos.

Leia mais

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia Sistema Político Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia A 20 de Dezembro de 1999 Macau passa a Região Administrativa Especial da República Popular da China, sendo simultaneamente

Leia mais

COMISSÃO DE CULTURA PROJETO DE LEI Nº 3388, DE 2012

COMISSÃO DE CULTURA PROJETO DE LEI Nº 3388, DE 2012 COMISSÃO DE CULTURA PROJETO DE LEI Nº 3388, DE 2012 Dá o nome de Ponte Herbert de Souza Betinho, à atual Ponte Presidente Costa e Silva, localizada do km 321 ao 334, na BR 101/RJ. Autor: Deputado Chico

Leia mais

Lei dos Partidos Políticos

Lei dos Partidos Políticos Lei dos Partidos Políticos Lei Orgânica n.º 2/2003, de 22 de Agosto, com as alterações introduzidas pela Lei Orgânica n.º 2/2008, de 14 de Maio 1 A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea

Leia mais

I - INTRODUÇÃO. 1) Como funciona o poder numa democracia

I - INTRODUÇÃO. 1) Como funciona o poder numa democracia I - INTRODUÇÃO 1) Como funciona o poder numa democracia - No plano municipal: prefeito (executivo) governa e vereadores (legislativo) votam leis para a cidade. - No plano estadual: governador (executivo)

Leia mais

F O R M A Ç Ã O. ÓRGÃOS das

F O R M A Ç Ã O. ÓRGÃOS das F O R M A Ç Ã O ÓRGÃOS das AUTARQUIAS JORGE GASPAR AUTARQUIAS LOCAIS Noção e enquadramento As autarquias locais são pessoas colectivas territoriais, dotadas de órgãos representativos, que visam a prossecução

Leia mais

Lei de Criação do Conselho Tutelar da Criança e do Adolescente. Lei n. 574/00

Lei de Criação do Conselho Tutelar da Criança e do Adolescente. Lei n. 574/00 Lei de Criação do Conselho Tutelar da Criança e do Adolescente Lei n. 574/00 CAPÍTULO II DO CONSELHO TUTELAR DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DAS DISPOSIÇÕES GERAIS ART. 15 Fica criado o Conselho

Leia mais

DIRETÓRIO ACADÊMICO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL ALÉM PARAÍBA Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais Alves Fortes ESTATUTO

DIRETÓRIO ACADÊMICO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL ALÉM PARAÍBA Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais Alves Fortes ESTATUTO ESTATUTO Capítulo I: Da Denominação Artigo 1º - O Diretório Acadêmico da, FACE ALFOR, é entidade máxima de representação dos estudantes dos cursos de Direito, Administração de Empresas e Engenharia Civil

Leia mais

Rei (controla poder moderador) além de indicar o primeiro ministro e dissolve a Câmara de Deputados Monarquia torna-se estável

Rei (controla poder moderador) além de indicar o primeiro ministro e dissolve a Câmara de Deputados Monarquia torna-se estável História do Brasil Professora Agnes (Cursinho Etec Popular de São Roque) Política Interna O SEGUNDO REINADO (1840-1889) * Apogeu da monarquia brasileira. * Centralização política e administrativa. * Pacificação

Leia mais

Por que defender o Sistema Único de Saúde?

Por que defender o Sistema Único de Saúde? Por que defender o Sistema Único de Saúde? Diferenças entre Direito Universal e Cobertura Universal de Saúde Cebes 1 Direito universal à saúde diz respeito à possibilidade de todos os brasileiros homens

Leia mais

Cartilha da Cidadania

Cartilha da Cidadania Cartilha da Cidadania Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência PIBID/ CAPES Centro Universitário Franciscano Realização Apoio Organizadores Ricardo Antônio Rodrigues Jeronimo Kunz Lauer

Leia mais

Justiça Eleitoral. Suplementar. Eleições Municipais Eleições 2008 - Suplementar - 1º turno. Resultado da totalização CELSO RAMOS

Justiça Eleitoral. Suplementar. Eleições Municipais Eleições 2008 - Suplementar - 1º turno. Resultado da totalização CELSO RAMOS Justiça Eleitoral Suplementar Eleições Municipais Eleições 2 - Suplementar - 1º turno Resultado da totalização CELSO RAMOS 6 de junho de 21 Justiça Eleitoral/ SC Eleições 2 - Suplementar 6/6/21 1:3:23

Leia mais

Professor Tiago / 9º Ano / 3º Trimestre / História

Professor Tiago / 9º Ano / 3º Trimestre / História Professor Tiago / 9º Ano / 3º Trimestre / História 1. Assinale V(verdadeira) e F(falsa): a) ( ) Em 1929, o mundo capitalista enfrentou grave crise econômica, causada principalmente pelo crescimento exagerado

Leia mais

RELATÓRIO RESUMIDO SOBRE AUDITORIA DAS URNAS

RELATÓRIO RESUMIDO SOBRE AUDITORIA DAS URNAS RELATÓRIO RESUMIDO SOBRE AUDITORIA DAS URNAS I INTRODUÇÃO Todos sabemos que o que há de mais importante numa democracia é o respeito ao voto que externa a vontade da população. Esse respeito se dá quando

Leia mais

Guerra por domínio territorial e econômico.

Guerra por domínio territorial e econômico. Guerra da Crimeia Quando: De 1853 até 1856 Guerra por domínio territorial e econômico. Cerca de 595 mil mortos Por que começou: A Rússia invocou o direito de proteger os lugares santos dos cristãos em

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS

CÂMARA DOS DEPUTADOS CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO MULHERES NA POLÍTICA Exposição organizada pelo Museu da Câmara dos Deputados mostrando a trajetória da mulher brasileira na política. Centro de

Leia mais

Entendendo a Reforma Política no Brasil

Entendendo a Reforma Política no Brasil Entendendo a Reforma Política no Brasil 1- Introdução As manifestações de junho de 2013 trouxeram a tona o questionamento da representatividade do sistema político e eleitoral brasileiro, mostrando a necessidade

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador VALDIR RAUPP

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador VALDIR RAUPP PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Substitutivo da Câmara dos Deputados ao Projeto de Lei do Senado nº 441, de 2012 (nº 6.397, de 2013, na Câmara dos Deputados),

Leia mais

Lei das Precedências do Protocolo do Estado Português

Lei das Precedências do Protocolo do Estado Português Lei das Precedências do Protocolo do Estado Português Lei n.º 40/2006, de 25 de Agosto A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: SECÇÃO I Princípios

Leia mais

Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985?

Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985? Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985? A - Através de eleições democráticas que levaram ao

Leia mais

A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff

A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff Homero de Oliveira Costa Revista Jurídica Consulex, Ano XV n. 335, 01/Janeiro/2011 Brasília DF A reforma política, entendida como o conjunto

Leia mais

INICIATIVA POPULAR. 1 Benevides, Maria Vitoria de Mesquita A Cidadania Ativa Referendo, Plebiscito e Iniciativa Poipular,

INICIATIVA POPULAR. 1 Benevides, Maria Vitoria de Mesquita A Cidadania Ativa Referendo, Plebiscito e Iniciativa Poipular, INICIATIVA POPULAR Iniciativa popular designa, em termos genéricos, diferente maneiras de participação popular no exercício dos poderes legislativo e executivo incluindo o plebiscito, referendo, conselhos

Leia mais

AS ELEIÇÕES DO OFICIAIS DAS CÂMARAS MUNICIPAIS DO BRASIL COLÔNIA

AS ELEIÇÕES DO OFICIAIS DAS CÂMARAS MUNICIPAIS DO BRASIL COLÔNIA Centro Universitário das Faculdades Associadas de Ensino FAE São João da Boa Vista - SP Mestrado Acadêmico em Desenvolvimento Sustentável e Qualidade de Vida Disciplina: Desenvolvimento Sustentável Prof.ª.

Leia mais

Plataforma dos movimentos sociais para a reforma do sistema político

Plataforma dos movimentos sociais para a reforma do sistema político Plataforma dos movimentos sociais para a reforma do sistema político Autoria Movimentos Sociais Mês/Ano março/2007 Por uma reforma política ampla, democrática e participativa. Plataforma dos movimentos

Leia mais

Estudo comparado de duas experiências municipais de ASCOMs releitura à luz dos Planos Municipais de Saúde 2010-2013

Estudo comparado de duas experiências municipais de ASCOMs releitura à luz dos Planos Municipais de Saúde 2010-2013 Estudo comparado de duas experiências municipais de ASCOMs releitura à luz dos Planos Municipais de Saúde 2010-2013 Aurea Maria da Rocha Pitta aureapitta@fiocruz.br Grupo de Pesquisa Governos e Sociedade

Leia mais

Regimento Interno da Articulação de Esquerda

Regimento Interno da Articulação de Esquerda Regimento Interno da Articulação de Esquerda A Articulação de Esquerda (AE) é uma tendência interna do Partido dos Trabalhadores. Existe para a defesa de um PT de luta, de massa, democrático, socialista

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

RESOLUÇÃO Nº TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº xxxx CLASSE 19ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Dispõe sobre a arrecadação de recursos financeiros de campanha eleitoral por cartões de crédito O Tribunal Superior

Leia mais

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA AULA: 17 Assíncrona TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdos: China: dominação

Leia mais

Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015

Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015 Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015 A Coalizão é uma articulação da sociedade brasileira visando a uma Reforma Política Democrática. Ela é composta atualmente por 101 entidades,

Leia mais

PROGRAMA: 0553 - Atuação Legislativa da Câmara dos Deputados. PROGRAMA: 0551 - Atuação Legislativa do Senado Federal

PROGRAMA: 0553 - Atuação Legislativa da Câmara dos Deputados. PROGRAMA: 0551 - Atuação Legislativa do Senado Federal PROGRAMA: 0553 - Atuação Legislativa da Câmara dos Deputados 3.172.280 9.772.013 Despesas Correntes 2.964.653 9.031.347 Despesas de Capital 207.627 740.666 3.172.280 12.944.292 9.772.013 PROGRAMA: 0551

Leia mais

Domicílio eleitoral de deputado federal: possibilidade de concorrer por outra unidade da Federação

Domicílio eleitoral de deputado federal: possibilidade de concorrer por outra unidade da Federação Domicílio eleitoral de deputado federal: possibilidade de concorrer por outra unidade da Federação MIRIAM CAMPELO DE MELO AMORIM Consultora Legislativa da Área I Direito Constitucional, Eleitoral, Municipal,

Leia mais

Anexo II - Programas de Gestão, Manutenção e Serviços ao Estado

Anexo II - Programas de Gestão, Manutenção e Serviços ao Estado Anexo II - Programas de Gestão, Manutenção e Serviços ao Estado PROGRAMA: 0553 - Atuação Legislativa da Câmara dos Deputados 3.185.780 9.806.513 Despesas Correntes 2.978.153 9.065.847 Despesas de Capital

Leia mais

Política, Democracia e Cidadania

Política, Democracia e Cidadania Política, Democracia e Cidadania Por um jovem brasileiro atuante Por Floriano Pesaro Vereador, líder da bancada do PSDB na Câmara Municipal de São Paulo. Natural de São Paulo, Floriano é sociólogo formado

Leia mais

O SISTEMA PROPORCINAL NO BRASIL: ORÍGENS, CARACTERÍSTICAS E EFEITOS Proportional system in Brazil: origins, characteristics and effects.

O SISTEMA PROPORCINAL NO BRASIL: ORÍGENS, CARACTERÍSTICAS E EFEITOS Proportional system in Brazil: origins, characteristics and effects. 21 O SISTEMA PROPORCINAL NO BRASIL: ORÍGENS, CARACTERÍSTICAS E EFEITOS Proportional system in Brazil: origins, characteristics and effects. Noelle Del Giudice Universidad Autónoma de Madrid noellecg@yahoo.com.br

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 9 17/10/2013 13:46 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.165, DE 29 DE ABRIL DE 2010. Regulamenta o inciso I do art. 48 da Lei n o 6.450, de 14 de outubro

Leia mais

www.brasil-economia-governo.org.br

www.brasil-economia-governo.org.br O Brasil deve adotar o voto distrital? Pedro Nery 1 Proposta recorrente nos debates sobre reforma política, o voto distrital é exaltado por suas vantagens em relação ao sistema de voto proporcional para

Leia mais

Calendário Eleitoral 2012 - Eleições Municipais

Calendário Eleitoral 2012 - Eleições Municipais Calendário Eleitoral 2012 - Eleições Municipais Em ano de eleições municipais é importante estar atento ao calendário eleitoral 2012 para as eleições municipais. O Tribunal Superior Eleitoral/TSE divulgou

Leia mais

ENEM 2014 - Caderno Rosa. Resolução da Prova de História

ENEM 2014 - Caderno Rosa. Resolução da Prova de História ENEM 2014 - Caderno Rosa Resolução da Prova de História 5. Alternativa (E) Uma das características basilares do contato entre jesuítas e os povos nativos na América, entre os séculos XVI e XVIII, foi o

Leia mais

História Fascículo 01 Cinília Tadeu Gisondi Omaki Maria Odette Simão Brancatelli

História Fascículo 01 Cinília Tadeu Gisondi Omaki Maria Odette Simão Brancatelli História Fascículo 01 Cinília Tadeu Gisondi Omaki Maria Odette Simão Brancatelli Índice História do Brasil Eleições e voto no Brasil Império e República...1 Exercícios...2 Gabarito...4 História do Brasil

Leia mais

CLIPPING DE NOTÍCIAS DO PODERJUDICIÁRIO GESTÃO ESTRATÉGICA CONSELHOS TRIBUNAIS SUPERIORES

CLIPPING DE NOTÍCIAS DO PODERJUDICIÁRIO GESTÃO ESTRATÉGICA CONSELHOS TRIBUNAIS SUPERIORES CLIPPING DE NOTÍCIAS DO PODERJUDICIÁRIO GESTÃO ESTRATÉGICA CNJ CONSELHOS http://www.cnj.jus.br/ 12/08/2014 II Encontro Nacional debate formação de servidores do Judiciário (http://www.cnj.jus.br/noticias/cnj/29333-ii-encontronacional-debate-formacao-de-servidores-do-judiciario)

Leia mais