A COMUNICAÇÃO ENTRE PROFISSIONAIS E USUÁRIOS DA ESTRATÉGIA DA SAÚDE DA FAMÍLIA NA VISITA DOMICILIAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A COMUNICAÇÃO ENTRE PROFISSIONAIS E USUÁRIOS DA ESTRATÉGIA DA SAÚDE DA FAMÍLIA NA VISITA DOMICILIAR"

Transcrição

1 A COMUNICAÇÃO ENTRE PROFISSIONAIS E USUÁRIOS DA ESTRATÉGIA DA SAÚDE DA FAMÍLIA NA VISITA DOMICILIAR Sandra Beastris Diniz Ebling (Universidade Regional do Alto Uruguai e das Missões-URI/ Santiago) Narciso Soares (Universidade Regional do Alto Uruguai e das Missões-URI/ Santo Ângelo) Eixo: 8. Educação e Trabalho Este estudo constituiu-se numa pesquisa descritiva com abordagem qualitativa, que teve como objetivo investigar como vem se processando a comunicação entre profissionais que atuam em Estratégia da Saúde da Família (ESF) do município de Santiago, estado do Rio Grande do Sul, e os usuários da Estratégia da Saúde da Família no referido município, no período de agosto a outubro de A amostra consistiu de 15 (quinze) sujeitos que aceitaram participar espontaneamente do estudo. A análise dos dados evidenciou duas categorias temáticas que são: a comunicação entre profissionais e usuários da ESF na visita domiciliar e estratégias para melhorar a qualidade da visita domiciliar e a comunicação entre profissionais da saúde/usuário na ESF. A análise dos dados mostra a importância do profissional da saúde estar junto à comunidade, realizando atendimento nos domicílios, e a concomitante necessidade de melhorar a comunicação com os usuários, mediante a utilização de linguagem acessível e não apenas técnica, esta de difícil entendimento por parte dos usuários. Palavras-chave: visita domiciliar, linguagem, educação, saúde

2 2 A COMUNICAÇÃO ENTRE PROFISSIONAIS E USUÁRIOS DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA NA VISITA DOMICILIAR Para Freire (1998), os seres humanos transcendem o biológico, são seres históricosociais, capazes de, na sua individualidade, avaliar e fazer escolhas. A capacidade do ser humano de se comunicar e dialogar ocorre entre aqueles atores sociais que não coíbem uns aos outros o direito a suas próprias palavras, pensamentos e decisões (FREIRE, 1999). Habermas (1989a), por meio da teoria da ação comunicativa, afirma que o agir comunicativo possibilita uma interação plena entre os seres humanos, substituindo as relações assimétricas que a impedem. Segundo Alonso; Verdi (2005), a aproximação das pessoas para compartilhar problemas e experiências é uma tendência natural, pois elas passam a maior parte de suas vidas em situações de grupos. Desde o início do século XX, começou-se a pensar em uma associação entre saúde, comunicação e educação, partindo da suposição de que esta união teria como consequência uma evolução na educação relacionada à saúde da população e, com isso, a prevenção de doenças. Da realidade vivenciada pelos profissionais da saúde ao compartilhar o cenário da assistência à saúde no Brasil surge a importância de refletir sobre a comunicação na área da saúde (LAROCCA; MAZZA, 2003). Atualmente, as políticas de saúde no Brasil, em grande parte, direcionam a assistência para programas específicos para grupos de pessoas. No entanto, para se direcionar o trabalho educativo em saúde em forma de grupos, faz-se necessária a utilização de metodologia apropriada, caminho que estrutura a assistência e que, segundo Leopardi (1999, p. 36), [ ] restaura para os profissionais da saúde seu primeiro compromisso, que é o de cuidar das pessoas numa base personalizada e humana [ ]. Para tanto, acredita-se que as práticas educativas e a comunicação devem considerar a construção compartilhada de saberes, potencializando o protagonismo das pessoas e dos coletivos sociais que atingem. Prioritariamente, tais práticas devem rejeitar ações educativas individualistas e autoritárias voltadas, na maioria das vezes, para a mudança de hábitos, que têm como referência um estilo de vida infinitamente distante da realidade em que se encontram as camadas populares do país, usuários primeiros da Estratégia da Saúde da Família (ESF).

3 3 Contemporaneamente, a educação em saúde, pautada no paradigma biomédico, cujas ações estão focadas na modificação de comportamento individual, vem sofrendo críticas pela ênfase na responsabilização e culpabilização do indivíduo por sua condição. Já a proposta de educação em saúde que rompe com tal paradigma, ao invés de trabalhar com indivíduos considerados alvos isolados, busca atingir seus objetivos trabalhando com grupos. A modalidade grupal possibilita a troca de ideias entre os sujeitos, tal prática pode resultar na conscientização coletiva sobre as condições de vida e de saúde da coletividade para, conjuntamente, buscar estratégias que visem à promoção da saúde (OLIVEIRA, 2005). Assim, a proposta da Estratégia da Saúde da Família (ESF) nasceu em 1994, quando foram sugeridas a descentralização e municipalização dos serviços de saúde, e que era um desafio a implementação efetiva do Sistema único de Saúde (SUS). A Estratégia da Saúde da Família não é, então, uma ideia e nem uma proposta nova, é decorrente de diversas tentativas de mudança, anteriores, que a originaram. A Estratégia da Saúde da Família, de acordo com o Ministério da Saúde (MS), tem como principal objetivo contribuir para a reorientação do modelo assistencial a partir da atenção básica, em conformidade com os princípios do Sistema Único de Saúde (BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000). Desse modo, envolve um conjunto de cuidados e conhecimentos passados por meio dos profissionais de saúde para com a família: educação em saúde, saneamento ambiental (cuidados com água e alimentos), programas de saúde maternoinfantis, incluindo imunização e planejamento familiar, prevenção de doenças endêmicas locais, tratamento adequado de doenças e lesões comuns e promoção da boa nutrição (VERDI; ALONSO, 2005). Dessa forma, a Estratégia da Saúde da Família visa tanto prestar assistência na Unidade de Saúde, quanto desenvolver tradicionalmente as ações de saúde a domicílio, numa perspectiva de ação integral em que todos os membros de uma família são acompanhados. Segundo Verdi; Boehs; Zampieri (2005), a Visita Domiciliar (VD) é um método de trabalho eficiente, pois, na observação e identificação das condições de vida, das relações afetivas sociais e de todo o contexto em que os sujeitos/famílias inserem-se, permite a adaptação do planejamento da assistência a partir da realidade e recursos que a família dispõe, assim como, proporciona melhor relacionamento do profissional com a família, por se tratar de um método menos formal em relação aos utilizados nas atividades internas dos serviços em saúde, favorecendo espaços de confiança para o sujeito/família expor seus problemas, pois se trata do próprio ambiente familiar, o que favorece uma maior reciprocidade, construção de

4 4 vínculo e, consequentemente, uma efetiva interação equipe/sujeito/família. Corroborando com Takahashi; Oliveira (2001, p.43): A VD é um instrumento de trabalho fundamental, principalmente no âmbito da ESF. Sabendo-se que o ambiente familiar, seja sob os aspectos de relacionamento afetivo social ou sob os aspectos físicos, constitui-se num dos mais relevantes fatores que influenciam diretamente no processo saúde-doença individual, coletivo e familiar, tendo como propósito não somente para o cadastramento das famílias e de suas características sociais e epidemiológicas, condições de saúdes e vulnerabilidades aos agravos, mas, sobretudo, para uma consistente interação entre equipe de saúde e famílias, no sentido da ação educativa propiciar a família a cuidar de si mesma, tornando-a independente. Para Oliveira (2005) a educação em saúde, resultado da Visita Domiciliar, assume papel relevante para a redução das desigualdades sociais mediante a universalização e democratização das ações de saúde, promoção do desenvolvimento sustentável e inclusão social e, ainda, a melhoria da qualidade de vida da população. Nessa perspectiva, o processo educativo em saúde favorece o desenvolvimento da autonomia e competência para o cuidado com a saúde, ao mesmo tempo em que atende a objetivos sociais. Mas para se obter o sucesso esperado pela educação em saúde, é imprescindível que aconteça a interatividade, a multiplicação de informações através do diálogo. Isso é bem possível de ser realizado mediante o diálogo, pois segundo Habermas (1990) a educação se apresenta como uma ação entre sujeitos, essa ação é social, é interação e pode ser solução de um problema entre planos de ação de dois ou mais indivíduos participantes que se sentem socializados. Dessa forma defende-se que a Visita Domiciliar, tendo como intuito prover cuidados e prevenção para com a saúde, depende diretamente da comunicação e de conceitos de educação coerentes com tal propósito. No presente trabalho, busca-se fazer um entrelaçamento entre a relevância da educação no contexto da educação em saúde, assim como principalmente, investigar como vem se processando a comunicação entre profissionais que atuam em uma experiência de Estratégia da Saúde da Família do município de Santiago, no estado do Rio Grande do Sul, e os usuários por eles atendidos, tendo como foco a prevenção, a autonomia do sujeito e a construção de sua cidadania juntamente com a educação.

5 5 METODOLOGIA O presente texto tem por base uma pesquisa descritiva com abordagem qualitativa, pois se entende que, através da abordagem qualitativa, se pode perceber os sentimentos, bem como esclarecer, sensibilizar e transformar conceitos e ideias. Segundo Minayo (1996, p. 90), [ ] os sujeitos sociais que detém os atributos que se pretende conhecer, perderiam muito do seu significado se fossem abordados quantitativamente [ ], sendo assim, a intenção de realizar essa pesquisa de natureza descritiva é, como a própria nomenclatura sugere, o que se refere àqueles que pretendem descrever e analisar fatos e fenômenos da realidade escolhida e delimitada. A pesquisa foi realizada com indivíduos adultos que residem na área de abrangência da ESF (Estratégia da Saúde da Família) Monsenhor Assis, no município de Santiago/RS, no período de agosto a outubro de A amostra integrou 15 sujeitos moradores da referida comunidade que atenderam aos seguintes critérios de inclusão: ser morador da área de abrangência da Estratégia da Saúde da Família, ser maior de 18 anos e menor de 70 anos, aceitar participar espontaneamente do estudo. A amostra de 15 entrevistados foi definida com base no que preconizam Polit; Hungler (2004) e Minayo (2007), ou seja, nas pesquisas qualitativas, as falas tendem a se tornarem repetitivas a partir da 15ª entrevista. Para a coleta de dados foram realizadas, portanto, entrevistas, durante as visitas domiciliares. O instrumento de coleta de dados foi organizado com perguntas abertas à livre exposição. Segundo Minayo, (1996, p. 122), na entrevista, o entrevistador pode fazer intervenções que visam abrir o campo de explanação do entrevistado ou aprofundar o nível de informações ou opiniões. Ainda de acordo com a autora, a entrevista deve ser considerada como um roteiro (ou guia) [ ] facilitador de abertura, de ampliação e de aprofundamento da comunicação [ ] (MINAYO, 1996, p. 99). O registro das informações coletadas ocorreu através da gravação em fita magnética e posterior transcrição. Os dados foram analisados mediante análise temática, em consonância com o que também afirma Minayo (2007): a análise temática enfatiza as expressões e a frequência de determinadas ideias ou palavras-chave no discurso. Conforme determina a Resolução 196/96, visando atender os aspectos éticos da pesquisa, o projeto foi encaminhado ao Comitê de Ética na Pesquisa da Universidade

6 6 Regional do Alto Uruguai e das Missões-Campus Santo Ângelo, sendo aprovado conforme parecer n o /PP-09. Dessa forma, aos sujeitos da pesquisa, foi apresentado um Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, no qual constavam os objetivos do estudo, incluindo esclarecimentos sobre a livre participação, preservação do anonimato e respeito à liberdade em participar ou não da pesquisa. Do mesmo modo, para garantir o anonimato dos sujeitos envolvidos, seus nomes foram substituídos por nomes de flores. À Secretária Municipal de Saúde, foi encaminhado documento solicitando autorização para realização da pesquisa. RESULTADOS E DISCUSSÃO O material obtido mediante as entrevistas foi submetido às etapas de organização e sistematização dos dados, leitura e releitura, análise e categorização. Nesta fase, ocorreu a eliminação de dados e substituição e/ou introdução de outros que pudessem contribuir para o conhecimento do problema, permitindo a aproximação da pesquisadora com o objeto da análise. Realizou-se a leitura do material empírico, o que consistiu no primeiro contato da pesquisadora com o material analisado. Posteriormente, fez-se a marcação dos dados que seriam transformados em informações sobre o problema em estudo, efetuando-se, a seguir, classificação, ordenação e agregação dos dados, de acordo com suas semelhanças, resultando em duas grandes categorias temáticas apresentadas a seguir. A primeira foi: a comunicação entre profissionais da saúde e usuários da ESF na Visita Domiciliar Esta categoria apresenta a percepção dos usuários sobre a comunicação que se estabelece com os profissionais da saúde da Estratégia da Saúde da Família durante a visita domiciliar. Os dados evidenciam que os entrevistados consideram que os profissionais da saúde mantêm boa comunicação durante as visitas domiciliares, isso favorece a interação, podendo produzir resultados importantes na melhora das condições de saúde e bem estar da comunidade atendida, contribuindo, desta forma, para a consolidação da Estratégia da Saúde da Família. Em relação à linguagem utilizada pelos profissionais nas visitas domiciliares, houve manifestações dos entrevistados afirmando:

7 7 Em alguns momentos é clara, em outros momentos os profissionais utilizam uma linguagem muito técnica. (Cravo) É acessível, mas com alguns é melhor do que com outros. (Rosa) Na maioria das visitas, entendo o que eles querem dizer, mas às vezes entendo pouco. (Adália) Quanto mais se analisa as relações educador-educandos, parece que mais se pode convencer de que estas relações representam um caráter marcante, ou seja, o de serem relações basicamente narradoras e dissertadoras, assim o educador sempre será o que fala e os educandos, os que simplesmente e unicamente ouvem (FREIRE, 1999). Dessa maneira, percebemos a necessidade de contemplar a interação entre os sujeitos, conforme sugerem Verdi e Santana (2005), pois consideram que a comunicação é decisiva na consulta durante a Visita Domiciliar realizada pelo profissional da saúde da Estratégia da Saúde da Família, uma vez que o usuário e o profissional estão trocando idéias, e a efetividade do intercâmbio depende da percepção que cada um tem do outro. A consulta durante a Visita Domiciliar, portanto, afirmam os mesmos autores, deve iniciar-se com abordagem do usuário em que o visitador tenha consciência de que esse método de assistência deve ser informal, sempre permitindo que o usuário se expresse livremente. Para que na Visita Domiciliar haja aproximação do profissional com o mundo da vida do(s) visitado(s), é preciso que este profissional compreenda que o processo de comunicação é algo que vai além da transmissão de mensagens, e sim que este processo relaciona-se diretamente no plano das interações pessoais (ALONSO, 1999). Isto envolve compreensão, compartilhamento dos significados de ideias, pensamentos e objetivos bem como, estes sujeitos devem estar abertos para o surgimento de mudanças nas suas convicções (STEFANELLI, 1993). Deste modo, a visita domiciliar tem uma grande relevância na área da saúde, visto que, através dela, os profissionais da saúde podem avaliar as condições ambientais e físicas em que vive o usuário e sua família, prestar assistência, levantar dados sobre condições de habitação e saneamento e aplicar medidas de controle nas doenças transmissíveis ou parasitárias e, principalmente, educar (KAWAMOTO; SANTOS; MATTOS, 1995).

8 8 Segundo Freire (1980) qualquer ação educativa deve necessariamente estar precedida de uma reflexão sobre o ser humano concreto e de uma análise do meio em que vive o referido ser humano e que isso propicie a comunicação. Nessa perspectiva, o trabalho educativo oportuniza ao usuário dos serviços e ao profissional da saúde a capacidade de compartilhar, enriquecendo a auto-estima por ampliar o potencial pessoal e profissional, por meio da troca de conhecimentos. O pensamento de Habermas (1989b), no que tange à ação comunicativa, pode também ajudar a compreender como o profissional de saúde, na sua prática cotidiana, tem possibilidade de reconstruir, com aqueles com quem intera na sua prática cotidiana, oportunidade de fala e argumentos que dão validez ao dito por ambos. A segunda categoria foi: Estratégias para melhorar a qualidade da visita domiciliar e a comunicação entre profissionais da saúde/usuários na ESF Os entrevistados apontaram algumas estratégias de comunicação que consideram ser importantes para tornar as visitas domiciliares mais enriquecedoras, conforme se percebe nos relatos a seguir: Acho que os profissionais, na visita, deveriam falar mais sobre os problemas de saúde da família em uma conversa mais fácil. (Rosa) Me ajuda, mas as vezes não entendo muito, mas é boa. (Azaleia) Acho que poderiam falar com palavras mais claras. (Margarida) Essas manifestações podem estar relacionadas com o déficit de comunicação entre o profissional da área da saúde no momento da visita domiciliar. É possível que haja um ruído na comunicação entre profissional e usuário, situação esta que pode ser evitada com comunicação adequada, primeiramente, apresentando o propósito e objetivos específicos da visita domiciliar, com linguagem clara para com o visitado e esclarecimentos de dúvidas deste sobre o objetivo da visita. Da maneira proposta, o educador, também cuidador, não apenas ensina, mas quando ensina passa a aprender no diálogo com aquele que é ensinado, pois o diálogo é o encontro das pessoas e não o esgotamento ou opressão de uma das partes (FREIRE, 1999). O mesmo autor disse que o opressor só supera a contradição de oprimir tentando educar quando se reconhece também oprimido, ou seja, quando aprende com a tentativa de ensinar.

9 9 A aproximação dos profissionais da saúde desta compreensão é fundamental, pois as ações de cuidar encontram-se diretamente ligadas à cultura. Isso significa que a forma com que os indivíduos e/ou grupos cuidam de sua saúde está muito ligada às suas experiências gerais de vida e sínteses que realizam, a partir das mesmas, na consciência. Sendo assim, é nesse aspecto que os profissionais da saúde, enquanto educadores, podem buscar espaço para compartilhar seus conhecimentos e tomar ciência das inúmeras diferenças existentes nas realidades trabalhadas, para orientar o seu trabalho. Para Verdi & Santana (2005), a visita domiciliar deve associar, simultaneamente, educação e assistência, permitindo uma continuidade da assistência desenvolvida na unidade básica de saúde. Para Costa (1977), essa atividade deve corresponder a um tipo de ensino voltado à solução de problemas de vivência em situações de vida real, no ambiente familiar e não o tratamento de doenças propriamente ditas. Assim, é interessante ressaltar a importância da compreensão, por parte dos profissionais, ao mesmo tempo, a respeito do que pensa o usuário desses serviços de saúde domiciliar, evitando conceitos errôneos pelos usuários visitados que iriam resultar na não concretização dos objetivos da atividade domiciliar (MATUMOTO; MISHIMA; PINTO, 2001). Em relação ao último relato descrito (Margarida), aponta possível falha na metodologia adotada pelo profissional da área da saúde ou, pelo menos, uma heterogeneidade em relação ao modo de comunicação da visita entre esses profissionais. Assim sendo, este tipo de assistência domiciliar possui, ou pelo menos deveria possuir, uma organização metodológica sempre associada à comunicação adequada com os usuários, de forma que os itens planejamento e comunicação tornem-se cruciais para o sucesso e homogeneidade do modelo de assistência domiciliar praticado, sendo que, se seguidos, evitam disparidade entre profissionais de mesmo objetivo e promovem um melhor aproveitamento do tempo durante as visitas. A auto-suficiência é incompatível com o diálogo, os homens que não tem humildade ou a perdem, não podem aproximar-se e encontrar-se com o povo, pois nesse lugar de encontro não existe ignorantes absolutos, nem sábios absolutos (FREIRE, 1999, p. 81).

10 10 CONCLUSÃO Ao concluir a análise dos dados, percebeu-se que, em geral, o grupo de entrevistados sente-se satisfeito com a abordagem do profissional da enfermagem na visita domiciliar. Embora tenha se evidenciado, com relativamente intensidade, em alguns momentos da pesquisa, o surgimento de problemas frente à linguagem utilizada pelos profissionais da saúde que, por vezes, não é acessível. Acredita-se que os profissionais cuidadores, educadores, necessitam ampliar os espaços para educação permanente da equipe, pois esta é realizada a partir dos problemas enfrentados na realidade e leva em consideração os conhecimentos e as experiências que os sujeitos já tem (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2007). Essa proposta vem no sentido de melhorar o processo de comunicação com os usuários, mediante a utilização de linguagem clara e acessível não apenas a linguagem técnica, de difícil entendimento por parte dos sujeitos/famílias. No caso do uso da linguagem técnica, faz-se necessária a sua decodificação com os usuários dos serviços de saúde, para que se apropriem da mesma. Deste modo, é fundamental buscar compreender que a linguagem muito elaborada e a linguagem técnica, em alguns momentos, podem gerar certo distanciamento na comunicação. Podem, assim, se perder os significados produzidos no contexto da visita domiciliar, bem como as interpretações que deles emergem. Uma atitude profissional de abertura ao diálogo, de escuta e acolhimento, a manifestação da capacidade de observação e respeito frente às questões e significados culturais, aos valores e s crenças são exigências um processo comunicativo. O consenso sobre algo mede-se pelo reconhecimento intersubjetivo da validade de um proferimento fundamentalmente aberto à crítica (HABERMAS, 1990, p.77). Isso só é possível sob confiança recíproca, ou seja, sempre que nós pensamos no que estamos dizendo, levantamos com relação ao dito a pretensão de que é verdadeiro, correto ou sincero (HABERMAS, 1993, p. 98). Pois ninguém liberta ninguém sozinho, ninguém se liberta sozinho: os homens se libertam em comunhão (FREIRE, 1999, p. 52). Para isso, fez-se necessário estabelecer com os sujeitos, um processo dialógico em que a comunicação se estabelece entre usuário e profissional, mediante a compreensão mútua do significado das propostas sobre saúde.

11 11 REFERÊNCIAS ALONSO, L. L. K. O processo educativo e saúde na dimensão grupal. Texto e Contexto Enfermagem, Florianópolis, v. 1, p , jan./abr., ALONSO, L. L. K.; VERDI, M. Processo educativo em saúde e a assistência da enfermagem. Enfermagem na Atenção Primária de Saúde, Florianópolis, v. 1, p , BRASIL. Rede Intergerencial de Informações para a Saúde. Indicadores e dados básicos para a saúde IBD, Brasília, Disponível em: < Acessado em: 15 jan MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria GM/MS nº 1.996, de 20/08/2007. Dispõe sobre as diretrizes para a implementação da Política Nacional de Educação Permanente em Saúde e dá outras providências. COSTA, J. Visitação domiciliária: base para ensino de enfermagem na comunidade. Enfermagem Nova Dimensão. V. 3, n. 2, p , FREIRE, P. Conscientização: teoria e prática da liberdade. São Paulo: Moraes, p.. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 9. ed. São Paulo: Paz e Terra; p.. Pedagogia do oprimido. 26ª ed. São Paulo: Paz e Terra; HABERMAS, J. Consciência moral e agir comunicativo. Rio de Janeiro: Tempo Universitário; 1989a. 236 p.. Teoria de la acción comunicativa: complementos y estuduis revios. Madrid: Cátedra, 1989b. 506 p.. Pensamento pós-matafísico: estudos filosóficos. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, p.. Passado como futuro. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, p. KAWAMOTO, E. E.; SANTOS, M. C. M.; MATTOS T. M. Enfermagem comunitária. São Paulo: E.P.U., LAROCCA, LM, MAZZA, VA. Habermas e Paulo Freire: referenciais teóricos para o estudo da comunicação em enfermagem. Revista Gaúcha de Enfermagem. Porto Alegre, RS, v. 24, n. 2, p , ago LEOPARDI, Maria Tereza. Teorias em enfermagem. 3. ed. Florianópolis: Papa-livro, 1999.

12 12 MATUMOTO, S,; MISHIMA, S.; PINTO, I. Saúde coletiva: um desafio para a enfermagem. Caderno de Saúde Pública. v. 17, n. 1, MINAYO, M.C.S. Desafio do Conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 5 ed. São Paulo: Hucitec, O desafio do conhecimento. Porto Alegre: Artmed, OLIVEIRA, D. L. A nova saúde pública e a promoção da saúde via educação: entre a tradição e a inovação. Revista Latino Americana de Enfermagem. São Paulo: USP, v. 13, n. 3, mai-jun, POLIT, D. F.; HUNGLER, B. P. Fundamentos de pesquisa em enfermagem: métodos, avaliações e utilização. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, STEFANELLI, M. C. Comunicação com paciente: teoria e ensino. 2. ed. São Paulo: Robe, TAKAHASHI, R.T.; OLIVEIRA, M.A.C. A visita domiciliária no contexto da saúde da família. BRASIL. Instituto para o Desenvolvimento da Saúde. Universidade de São Paulo. Manual de enfermagem. Brasília: Ministério da Saúde, VERDI, M.; ALONSO, L. L. K. Atenção primária de saúde e a enfermagem. Enfermagem na atenção primária de saúde. Florianópolis, v. 1, p , VERDI, M.; BOEHS, A. E.; ZAMPIERI, M. F. M. Enfermagem na atenção primária de saúde: textos fundamentais. Florianópolis: UFSC/NFR/SBP, VERDI, M.; SANTANA, M. Assistência domiciliar. Enfermagem na atenção primária de saúde. Florianópolis, v. 1, p , 2005.

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

De portas abertas para as comunidades

De portas abertas para as comunidades De portas abertas para as comunidades VALÉRIA DOS SANTOS NORONHA 1 Apresentação Este projeto de gestão é fruto da experiência vivenciada no Programa Saúde da Família de Macaé em 2005 enquanto assessora

Leia mais

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 DALCIN, Camila Biazus 2 ; GUERRA, Leonardo Rigo 3 ; VOGEL, Gustavo Micheli 4 ; BACKES, Dirce

Leia mais

ATENDIMENTO MULTIPROFISSIONAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: PERCEPÇÃO DA EQUIPE

ATENDIMENTO MULTIPROFISSIONAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: PERCEPÇÃO DA EQUIPE ATENDIMENTO MULTIPROFISSIONAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: PERCEPÇÃO DA EQUIPE Rosimery Cruz de Oliveira Dantas Universidade Federal de Campina Grande Campus Cajazeiras. Symara Abrantes Albuquerque

Leia mais

TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL

TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL OBJETIVO DO CURSO Capacitar trabalhadores da assistência social para a utilização dos instrumentos técnico-operativos trabalho

Leia mais

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA http:///br/resenhas.asp?ed=8&cod_artigo=136 Copyright, 2006. Todos os direitos são reservados.será permitida a reprodução integral ou parcial dos artigos, ocasião em que deverá ser observada a obrigatoriedade

Leia mais

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa;

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa; TÍTULO DA PRÁTICA: PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE TUBERCULOSE DO DISTRITO SANITÁRIO CENTRO 2011: apresentação regular dos dados de tuberculose as unidades do Distrito Sanitário Centro CÓDIGO DA PRÁTICA:

Leia mais

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992.

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992. METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Aline Fabiane Barbieri Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez,

Leia mais

ID:1410 EXPERIÊNCIA EXITOSA DO PROGRAMA CHAPÉU DE PALHA-SAÚDE: ABORDAGEM À SAÚDE MENTAL, ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS NA ATENÇÃO PRIMÁRIA

ID:1410 EXPERIÊNCIA EXITOSA DO PROGRAMA CHAPÉU DE PALHA-SAÚDE: ABORDAGEM À SAÚDE MENTAL, ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS NA ATENÇÃO PRIMÁRIA ID:1410 EXPERIÊNCIA EXITOSA DO PROGRAMA CHAPÉU DE PALHA-SAÚDE: ABORDAGEM À SAÚDE MENTAL, ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS NA ATENÇÃO PRIMÁRIA Figueredo Silva Monteiro, Silvana Patrícia; Carvalho Santos, Maria Francisca;

Leia mais

A EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE E A EDUCAÇÃO POPULAR: UMA REVISÃO DA LITERATURA

A EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE E A EDUCAÇÃO POPULAR: UMA REVISÃO DA LITERATURA A EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE E A EDUCAÇÃO POPULAR: UMA REVISÃO DA LITERATURA Érica Fernanda Nascimento de Souza 1 Renilda Rosa Dias 2 RESUMO O estudo objetivou evidenciar a importância da Educação Popular

Leia mais

O DIÁLOGO EM PAULO FREIRE: CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA EM CLASSES DE RECUPERAÇÃO INTENSIVA

O DIÁLOGO EM PAULO FREIRE: CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA EM CLASSES DE RECUPERAÇÃO INTENSIVA 1072 O DIÁLOGO EM PAULO FREIRE: CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA EM CLASSES DE RECUPERAÇÃO INTENSIVA Ana Cristina da Silva Ambrosio Programa de Pós Graduação em Educação (PPGE-UNESP/PP). E-mail:

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DA RELAÇÃO ENSINO E SERVIÇO EM UMA POLICLÍNICA DE FORTALEZA

A ORGANIZAÇÃO DA RELAÇÃO ENSINO E SERVIÇO EM UMA POLICLÍNICA DE FORTALEZA A ORGANIZAÇÃO DA RELAÇÃO ENSINO E SERVIÇO EM UMA POLICLÍNICA DE FORTALEZA O Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde (PET-Saúde) nasce da necessidade de reformular a formação dos cursos de graduação

Leia mais

PESQUISA QUALITATIVA

PESQUISA QUALITATIVA PESQUISA QUALITATIVA CONHECIMENTO É o processo pelo qual as pessoas intuem, apreendem e depois expressam. Qualquer ser humano que apreende o mundo (pensa) e exterioriza, produz conhecimento. PESQUISA É

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES?

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? Beatriz Francisco Farah E-mail:biafarah@nates.ufjf.br A questão da educação para profissionais

Leia mais

A PEDAGOGIA FREIREANA E A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A PEDAGOGIA FREIREANA E A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A PEDAGOGIA FREIREANA E A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Avanay Samara do N. Santos. Pedagogia - UEPB-CAMPUS III avanaysamara@yahoo.com.br Lidivânia de Lima Macena. Pedagogia -

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

POLÍTICAS RELACIONADAS À ALIMENTAÇÃO ESCOLAR: PERCEPÇÃO DOS MANIPULADORES DE ALIMENTOS

POLÍTICAS RELACIONADAS À ALIMENTAÇÃO ESCOLAR: PERCEPÇÃO DOS MANIPULADORES DE ALIMENTOS POLÍTICAS RELACIONADAS À ALIMENTAÇÃO ESCOLAR: PERCEPÇÃO DOS MANIPULADORES DE ALIMENTOS Jaqueline N. de ASSIS 1 ; Estelamaris T. MONEGO 2 ; Raquel de Andrade C. SANTIAGO 3 (1) Mestranda do Programa de Pós

Leia mais

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO O transplante cardíaco é uma forma de tratamento para os pacientes com insuficiência cardíaca

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA ACERCA DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1

PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA ACERCA DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1 PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA ACERCA DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1 VOIGT, Bruna Francisco 2 ; PREIGSCHADT, Gláucia Pinheiro 2 ; MACHADO, Rafaela Oliveira 2

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

O TRABALHO DA ENFERMAGEM COM POPULAÇÕES VULNERÁVEIS- INTERFACE ENTRE AIDS, CAMINHONEIROS E PROFISSIONAIS DO SEXO

O TRABALHO DA ENFERMAGEM COM POPULAÇÕES VULNERÁVEIS- INTERFACE ENTRE AIDS, CAMINHONEIROS E PROFISSIONAIS DO SEXO O TRABALHO DA ENFERMAGEM COM POPULAÇÕES VULNERÁVEIS- INTERFACE ENTRE AIDS, CAMINHONEIROS E PROFISSIONAIS DO SEXO KOLLER, Evely Marlene Pereira 1 RAMOS,Flávia Regina Souza 2 O Brasil conta com uma população

Leia mais

O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES

O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES 122 O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES Carlise Cadore Carmem Lúcia Colomé Beck Universidade Federal de Santa Maria Resumo Os movimentos da Reforma Sanitária e da Reforma Psiquiátrica

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ DUCHEIKO, Angelina do Rocio 1 RODRIGUES, Camila Moreira

Leia mais

PRODUÇÃO DO CUIDADO EM SAÚDE BUCAL AOS USUÁRIOS PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL NO PSF EM FEIRA DE SANTANA-BA

PRODUÇÃO DO CUIDADO EM SAÚDE BUCAL AOS USUÁRIOS PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL NO PSF EM FEIRA DE SANTANA-BA 1363 PRODUÇÃO DO CUIDADO EM SAÚDE BUCAL AOS USUÁRIOS PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL NO PSF EM FEIRA DE SANTANA-BA Laís Ramos Queiroz¹; Erenilde Marques de Cerqueira² 1. Bolsista PROBIC, Graduanda em

Leia mais

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL APROVO Em conformidade com as Port. 38-DECEx, 12ABR11 e Port 137- Cmdo Ex, 28FEV12 MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE EM ENFERMAGEM

O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE EM ENFERMAGEM O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE EM ENFERMAGEM INTRODUÇÃO ANDRADE, João Marcus Oliveira Acadêmico de Enfermagem da Universidade Estadual de Montes Claros joao_marcus13@hotmail.com OLIVEIRA, Priscila

Leia mais

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR LUIZ, Cintya Fonseca; AMARAL, Anelize Queiroz & PAGNO, Sônia Fátima Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste. cintya_fonseca@hotmail.com;

Leia mais

administração. Esse modelo intitulado taylorista, também denominado Racionalidade Gerencial, centrou-se na tarefa visando o máximo de produtividade,

administração. Esse modelo intitulado taylorista, também denominado Racionalidade Gerencial, centrou-se na tarefa visando o máximo de produtividade, TEORIAS ADMINISTRATIVAS NA SAÚDE: A LÓGICA CAPITALISTA QUE SUBORDINA AS TEORIAS ADMINISTRATIVAS Sônia Maria Alves de Paiva 1 Cristiane Aparecida Silveira 2 Elizabeth Laus Ribas Gomes 3 Maísa Crivellini

Leia mais

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE Mayara Teles Viveiros de Lira (UFAL) Maria Helena de Melo Aragão (UFAL) Luis Paulo Leopoldo Mercado (UFAL) Resumo Este estudo analisa

Leia mais

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE)

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE) PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE (SÍNTESE) Ao longo de mais de cinco décadas, a Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) estruturou um ambiente acadêmico intelectualmente rico

Leia mais

PAPEL DE ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO NA EQUIPE SAÚDE DA FAMÍLIA (ESF)

PAPEL DE ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO NA EQUIPE SAÚDE DA FAMÍLIA (ESF) PAPEL DE ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO NA EQUIPE SAÚDE DA FAMÍLIA (ESF) 2013 Larissa de Oliveira Pena Graduanda no curso de Psicologia na União de Ensino Superior (UNIVIÇOSA)/ Faculdade de Ciências Biológicas e

Leia mais

SEMANA DA SAÚDE INTRODUÇÃO

SEMANA DA SAÚDE INTRODUÇÃO SEMANA DA SAÚDE Sandra Rosabel Pereira 1 ; Maria Angelica de Moraes Assumpção Pimenta 2 ; Maria Goreti Aléssio Crispim 3 ; Nelza de Moura 4 ; Neusa Denise Marques de Oliveira 5 ; Eliana Maria Fabiano de

Leia mais

SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO

SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO Valesca Boarim da Silva 1 Regina Célia Gollner Zeitoune 2 Introdução:Trata-se de nota prévia de estudo que tem como

Leia mais

Maria Rachel Jasmim de Aguiar

Maria Rachel Jasmim de Aguiar III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família A ATENÇÃO PRIMÁRIA E A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO EM UM MODELO DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE Maria Rachel Jasmim de Aguiar Orientação: Carlos Eduardo Aguilera

Leia mais

A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA

A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA Carlos Silva 1 Objetivo: Favorecer o desenvolvimento de ações pedagógicas em saúde a partir da inserção das questões de saúde no Projeto Político

Leia mais

PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES PARA PROMOÇÃO DA SAÚDE

PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES PARA PROMOÇÃO DA SAÚDE 1 PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES PARA PROMOÇÃO DA SAÚDE Autoras: Paula Cristina Ischkanian 1 e Maria Cecília Focesi Pelicioni 2. 1 Mestranda da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

Carvalho Goretti Moreira Leal de, Themis; Ribas Almeida, Milene. Brasil RESUMO

Carvalho Goretti Moreira Leal de, Themis; Ribas Almeida, Milene. Brasil RESUMO ID:862 PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA AMPLIANDO AS AÇÕES DE PREVENÇÃO EM DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS JUNTO À POPULAÇÃO ESCOLAR: UM ESPAÇO PARA FORMAÇÃO PROFISSIONAL E PROMOÇÃO DA SAÚDE Carvalho Goretti

Leia mais

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA (2011) Dayana Lima Dantas Valverde Psicóloga, graduada pela Faculdade de Tecnologia e Ciências de Feira de Santana, BA. Pós-graduanda em Saúde Mental

Leia mais

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Atuação do psicólogo na Assistência Social Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Concepção de Assistência Social Assistência social direito social e dever estatal Marco legal: Constituição

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

A Educação Popular em Saúde e a Educação ao Longo da Vida

A Educação Popular em Saúde e a Educação ao Longo da Vida Coordenação de Educação Popular e Mobilização Social Departamento de Apoio à Gestão Participativa e ao Controle Social Secretaria de Gestão Participativa Ministério da Saúde A Educação Popular em Saúde

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE

PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE Maria do Rozario Gomes da Mota Silva Orientadora: Profª Drª Márcia Ângela da Silva Aguiar

Leia mais

A experiência de residentes em saúde da família no enfoque integral da população adscrita ao PSF Sereno

A experiência de residentes em saúde da família no enfoque integral da população adscrita ao PSF Sereno A experiência de residentes em saúde da família no enfoque integral da população adscrita ao PSF Sereno HUGO BRAZ MARQUES JUBEMAR DE MEDEIROS JUREMA FREITAS WARDINE LUDMILA ROBERTO MORAES Introdução Em

Leia mais

Gestão da dengue no município de Niterói

Gestão da dengue no município de Niterói Gestão da dengue no município de Niterói Fundação Municipal de Saúde de Niterói Veronica Alcoforado de Miranda Coordenação do Núcleo de Educação Permanente e Pesquisa A questão da reemergência da dengue

Leia mais

SE ESSA RUA, SE ESSA RUA FOSSE MINHA: PET SAÚ DE MENTAL E CONSULTÓ RIO DE RUA, UM DIÁ LOGO POSSÍVEL

SE ESSA RUA, SE ESSA RUA FOSSE MINHA: PET SAÚ DE MENTAL E CONSULTÓ RIO DE RUA, UM DIÁ LOGO POSSÍVEL SE ESSA RUA, SE ESSA RUA FOSSE MINHA: PET SAÚ DE MENTAL E CONSULTÓ RIO DE RUA, UM DIÁ LOGO POSSÍVEL Arthur Rodrigues de OLIVEIRA, Cerise de Castro CAMPOS, Eduardo Henrique Rosa SANTOS, Elaine Fernandes

Leia mais

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB.

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. Antonio José Barbosa Neto (ajbneto_@hotmail.com) 1 Ceciliana Araújo Leite (cecidemais@hotmail.com)

Leia mais

A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM. Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007

A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM. Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007 A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007 A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Dimensão formativa do programa voltada à educação para a cidadania

Leia mais

Prof. MS. Ellen H. Magedanz

Prof. MS. Ellen H. Magedanz Prof. MS. Ellen H. Magedanz As transformações nos padrões de saúde/doença constituíram-se em uma das características do último século, estão associadas às mudanças na estrutura etária populacional. América

Leia mais

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS CRIZÓSTOMO, Cilene Delgado MILANEZ, Maria Rosa de Morais SOUSA, Rejane Lúcia Rodrigues Veloso ALBUQUERQUE, Judith

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO PERFIL PROFISSIONAL DOS RESPONSÁVEIS PELA SAÚDE NOS MUNICIPIOS DO RS

IDENTIFICAÇÃO DO PERFIL PROFISSIONAL DOS RESPONSÁVEIS PELA SAÚDE NOS MUNICIPIOS DO RS ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA IDENTIFICAÇÃO DO PERFIL PROFISSIONAL DOS RESPONSÁVEIS PELA SAÚDE NOS MUNICIPIOS DO RS Porto Alegre, janeiro de 2006 SECRETARIA

Leia mais

No entanto, a compreensão e a implicação de ser docente envolve reflexões que necessitam cada vez mais de sentido e significado para que se possa

No entanto, a compreensão e a implicação de ser docente envolve reflexões que necessitam cada vez mais de sentido e significado para que se possa CONCEPÇÕES DE FORMAÇÃO/DOCÊNCIA DOS PROFESSORES DO CURSO DE FISIOTERAPIA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO *Hedioneia Maria Foletto Pivetta **Silvia Maria de Aguiar Isaia A educação superior vem passando

Leia mais

PLANEJAMENTO DEMOCRÁTICO COM CRIANÇAS 0 A 3 ANOS

PLANEJAMENTO DEMOCRÁTICO COM CRIANÇAS 0 A 3 ANOS IX Encontro Internacional do Fórum Paulo Freire Tema Geral: Caminhos de emancipação para além da crise: Resgatando temas geradores do pensamento educativo e social de Paulo Freire Eixo 2 - Educação - O

Leia mais

O PROGRAMA SAÚDE DA FAMILIA NA COMPREENSÃO DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE

O PROGRAMA SAÚDE DA FAMILIA NA COMPREENSÃO DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE O PROGRAMA SAÚDE DA FAMILIA NA COMPREENSÃO DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE VIDAL, Kiussa Taina Geteins; LIMA, Flávia Patricia Farias; SOUZA, Alcy Aparecida Leite; LAZZAROTTO, Elizabeth Maria; MEZA, Sheila

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA COMUNICAÇÃO ORAL PARA O SECRETÁRIO EXECUTIVO

A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA COMUNICAÇÃO ORAL PARA O SECRETÁRIO EXECUTIVO A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA COMUNICAÇÃO ORAL PARA O SECRETÁRIO EXECUTIVO Neusa Kreuz 1 RESUMO: É indiscutível a grande importância da linguagem oral no processo interacional humano. Trata-se da primeira

Leia mais

ATIVIDADE DO PROGEP NA ESCOLA: PREVENÇÃO DE GESTAÇÃO INDESEJADA NA ADOLESCÊNCIA

ATIVIDADE DO PROGEP NA ESCOLA: PREVENÇÃO DE GESTAÇÃO INDESEJADA NA ADOLESCÊNCIA ATIVIDADE DO PROGEP NA ESCOLA: PREVENÇÃO DE GESTAÇÃO INDESEJADA NA ADOLESCÊNCIA LAUREANO¹, Rayssa Pereira Suassuna MONTEIRO², Rubia Dayane Fontes DIAS², Dayse Caetano Beserra MORAIS³, Maria do Socorro

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco.

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. Autora: Maria José de Souza Marcelino. Orientador: Professor Dr. Washington Luiz Martins (UFPE). Instituto

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DOS FAMILIARES DE IDOSOS PORTADORES DO VÍRUS HIV

ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DOS FAMILIARES DE IDOSOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DOS FAMILIARES DE IDOSOS PORTADORES DO VÍRUS HIV Jamira Martins dos Santos (1); Camila Mendes da Silva (2); Gerlane Ângela da C. Moreira Vieira (3); Ana Claudia Torres de Medeiros

Leia mais

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos.

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Autores Aline Xavier Melo alinexaviermelo@yahoo.com.br Juliana Roman dos Santos Oliveira ju_roman@hotmail.com

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA PARA O CURSO DE SERVIÇO SOCIAL: PERSPECTIVA HISTÓRICA E ATUAL FERREIRA, CMA 1 ; ROCHA, LM 2 ; FERREIRA, CMA 3

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA PARA O CURSO DE SERVIÇO SOCIAL: PERSPECTIVA HISTÓRICA E ATUAL FERREIRA, CMA 1 ; ROCHA, LM 2 ; FERREIRA, CMA 3 A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA PARA O CURSO DE SERVIÇO SOCIAL: PERSPECTIVA HISTÓRICA E ATUAL FERREIRA, CMA 1 ; ROCHA, LM 2 ; FERREIRA, CMA 3 1 Catyelle Maria de Arruda Ferreira, autora, aluna do Curso de Ciências

Leia mais

5 Considerações Finais

5 Considerações Finais 5 Considerações Finais Neste capítulo serão apresentadas as considerações finais do estudo. Quando necessário, serão feitas referências ao que já foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores, dispondo,

Leia mais

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Metodologia da Pesquisa Cientifica Metodologia Como se procederá a pesquisa? Caminhos para se

Leia mais

A CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS E OUTRAS FERRAMENTAS COMO RECURSOS PEDAGÓGICOS NA ELABORAÇÃO DE PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO EM SAÚDE MENTAL

A CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS E OUTRAS FERRAMENTAS COMO RECURSOS PEDAGÓGICOS NA ELABORAÇÃO DE PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO EM SAÚDE MENTAL 1 A CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS E OUTRAS FERRAMENTAS COMO RECURSOS PEDAGÓGICOS NA ELABORAÇÃO DE PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO EM SAÚDE MENTAL Annatália Meneses de Amorim Gomes José Jackson Coelho Sampaio Resumo

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL:

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: AÇÃO TRANSFORMADORA IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Belo Horizonte Março de 2013 Quem sou eu? A que grupos pertenço? Marcia Faria Westphal Faculdade

Leia mais

A GESTÃO DA SAÚDE E A ENFERMAGEM: A FORMAÇÃO E A ATUAÇÃO PROFISSIONAL NO CONTEXTO DE UM COLEGIADO DE GESTÃO REGIONAL Sueli Terezinha Goi Barrios

A GESTÃO DA SAÚDE E A ENFERMAGEM: A FORMAÇÃO E A ATUAÇÃO PROFISSIONAL NO CONTEXTO DE UM COLEGIADO DE GESTÃO REGIONAL Sueli Terezinha Goi Barrios A GESTÃO DA SAÚDE E A ENFERMAGEM: A FORMAÇÃO E A ATUAÇÃO PROFISSIONAL NO CONTEXTO DE UM COLEGIADO DE GESTÃO REGIONAL Sueli Terezinha Goi Barrios Alcindo Antônio Ferla Adelina Giacomelli Prochnow Ana Cristina

Leia mais

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Rio de Janeiro, Brasil - 21 de outubro de 2011 1. Convidados pela Organização Mundial da Saúde, nós, Chefes de Governo, Ministros e representantes

Leia mais

HUMANIZAÇÃO E ACOLHIMENTO À PESSOA IDOSA NOS SERVIÇOS DE SAÚDE: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

HUMANIZAÇÃO E ACOLHIMENTO À PESSOA IDOSA NOS SERVIÇOS DE SAÚDE: UMA REVISÃO INTEGRATIVA HUMANIZAÇÃO E ACOLHIMENTO À PESSOA IDOSA NOS SERVIÇOS DE SAÚDE: UMA REVISÃO INTEGRATIVA Eveline de Oliveira Barros (UFPB). evinhabarros@gmail.com Fabiana Medeiros de Brito (UFPB). fabianabrito_@hotmail.com

Leia mais

XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010

XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010 XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010 PERFIL DOS PROFESSORES-PESQUISADORES DOS CURSOS DA SAÚDE DE UMA UNIVERSIDADE CEARENSE Palavras-chave: Educação

Leia mais

SIBSA - 2º SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SAÚDE E AMBIENTE ABRASCO/GT Saúde&Ambiente, Belo Horizonte, outubro 2014

SIBSA - 2º SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SAÚDE E AMBIENTE ABRASCO/GT Saúde&Ambiente, Belo Horizonte, outubro 2014 1 SIBSA - 2º SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SAÚDE E AMBIENTE ABRASCO/GT Saúde&Ambiente, Belo Horizonte, outubro 2014 Estratégias de educação e sensibilização para minimização de danos no pós enchente em áreas

Leia mais

GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Ana Paula Martins Costa Graduanda de Pedagogia- UEPB Aline Carla da Silva Costa - Graduanda de Pedagogia- UEPB

Leia mais

FINOM FACULDADE DO NOROESTE DE MINAS GUILHERME DE ANDRADE RUELA A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE NA GESTÃO DO PSF

FINOM FACULDADE DO NOROESTE DE MINAS GUILHERME DE ANDRADE RUELA A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE NA GESTÃO DO PSF FINOM FACULDADE DO NOROESTE DE MINAS GUILHERME DE ANDRADE RUELA A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE NA GESTÃO DO PSF SÃO JOÃO DO MANTENINHA 2008 FINOM FACULDADE DO NOROESTE DE MINAS GUILHERME

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA João Sotero do Vale Júnior ¹ a) apresentação do tema/problema: A questão ambiental está cada vez mais presente no cotidiano da população das nossas cidades, principalmente

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Paraná Programa de Pós-Graduação em Teologia Linha Teologia e Sociedade

Pontifícia Universidade Católica do Paraná Programa de Pós-Graduação em Teologia Linha Teologia e Sociedade Pontifícia Universidade Católica do Paraná Programa de Pós-Graduação em Teologia Linha Teologia e Sociedade PROJETO ESPAÇO SAGRADO: UMA PROPOSTA DE TURISMO EDUCACIONAL E UMA ESTRATÉGIA PARA CONHECER E

Leia mais

Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate

Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate ALEXANDRE DE SOUZA RAMOS 1 Saúde como direito de cidadania e um sistema de saúde (o SUS) de cunho marcadamente

Leia mais

PALAVRAS CHAVES: Educação infantil. Alfabetização. Letramento.

PALAVRAS CHAVES: Educação infantil. Alfabetização. Letramento. PROCESSOS DE LEITURA E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL À LUZ DO LETRAMENTO: ESTABELECENDO ALGUNS DIÁLOGOS CLÉZIA MEIRE DE CARVALHO 1 MAGDA NUNES GURGEL 2 RESUMO Este artigo centraliza a atenção na investigação

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

HUMANIZAÇÃO NO PRÉ-NATAL:

HUMANIZAÇÃO NO PRÉ-NATAL: SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS. Secretária Municipal de Saúde. Prefeitura Municipal Morro da Fumaça SC. HUMANIZAÇÃO NO PRÉ-NATAL: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. Enfermeiro Jacks Soratto e equipe. (COREN-SC143061).

Leia mais

A RELEVÂNCIA DO TRABALHO INTERDISCIPLINAR NO PROGRAMA PRIMEIRA INFÂNCIA MELHOR 1

A RELEVÂNCIA DO TRABALHO INTERDISCIPLINAR NO PROGRAMA PRIMEIRA INFÂNCIA MELHOR 1 A RELEVÂNCIA DO TRABALHO INTERDISCIPLINAR NO PROGRAMA PRIMEIRA INFÂNCIA MELHOR 1 BERNARDON, Andressa Corrêa 2 ; RAMOS, C. Marília 3 ; LEAL, Francine Ziegler 4 ; TRINDADE, Tatiana Siqueira 5 ; PRESTES,

Leia mais

Maria Angela Alves do Nascimento 2 Marluce Maria Araújo Assis 3

Maria Angela Alves do Nascimento 2 Marluce Maria Araújo Assis 3 Universidade Estadual de Feira de Santana Departamento de saúde Núcleo de Pesquisa Integrada em Saúde Coletiva - NUPISC NUPISC NÚCLEO DE PESQUISA INTEGRADA EM SAÚDE COLETIVA PRÁTICAS DO PROGRAMA SAÚDE

Leia mais

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 1 VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 3 Ívis Emília de Oliveira

Leia mais

PLANO DE ENSINO Semestre: 2012.1

PLANO DE ENSINO Semestre: 2012.1 DEPARTAMENTO DE SAÚDE CURSO ENFERMAGEM ÁREA: Vigilância PLANO DE ENSINO Semestre: 2012.1 IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO COMPONENTE CURRICULAR PRÉ-REQUISITOS SAU179 POLÍTICAS DE SAÚDE I CARGA HORÁRIA PROFESSOR (A)

Leia mais

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática Rosangela Ferreira Prestes Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões DECET 1 / GEMEP

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

PROCESSOS EDUCATIVOS AO REDOR DE OBRAS ARTÍSTICAS Adriana Fernandes Coimbra Marigo UFSCar

PROCESSOS EDUCATIVOS AO REDOR DE OBRAS ARTÍSTICAS Adriana Fernandes Coimbra Marigo UFSCar 1 PROCESSOS EDUCATIVOS AO REDOR DE OBRAS ARTÍSTICAS Adriana Fernandes Coimbra Marigo UFSCar Este estudo se inclui em uma pesquisa maior, que investiga as interações em uma escola da rede pública municipal

Leia mais

PRODUTO FINAL: RETORIO TÉCNICO A RELAÇÃO TEORIA E PRÁTICA NA FORMAÇÃO DO ENFERMEIRO: CONCEPÇÕES DE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM EM ESTÁGIO SUPERVISIONADO

PRODUTO FINAL: RETORIO TÉCNICO A RELAÇÃO TEORIA E PRÁTICA NA FORMAÇÃO DO ENFERMEIRO: CONCEPÇÕES DE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM EM ESTÁGIO SUPERVISIONADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA Programa de Pós Graduação Ensino em Ciências da Saúde TATIANE FERNANDES ALVES PRODUTO FINAL: RETORIO TÉCNICO A RELAÇÃO TEORIA E PRÁTICA NA FORMAÇÃO

Leia mais

EDUCAR PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO ENVOLVENDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA

EDUCAR PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO ENVOLVENDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA EDUCAR PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO ENVOLVENDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA 1 DEUS, Josiani Camargo & 1 AMARAL, Anelize Queiroz 1 Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste RESUMO Nos

Leia mais

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 761 CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Fabiana Gonçalves Monti 1, Sérgio

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais