Palavras chaves: afro-reparações, movimentos negros, cidadania.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras chaves: afro-reparações, movimentos negros, cidadania."

Transcrição

1 Afro-reparações na perspectiva dos movimentos negros no Brasil e no Uruguai na última década 1 Laura Cecilia López Doutoranda em Antropologia Social - UFRGS, Bolsista da CAPES/CNPq - IEL Nacional - Brasil Resumo: O conceito de afro-reparações (Mosquera et al 2006) refere ao processo político em que os afro-latino-americanos disputam a redistribuição de riquezas e poder por conta dos danos e prejuízos produzidos pela escravidão e as desigualdades raciais posteriores, assim como o reconhecimento de valores (culturais, epistémicos, espirituais e estéticos) por parte dos Estados nacionais da região. Nesta perspectiva, as ações afirmativas devem ser entendidas como práticas que buscam uma cidadania substancial (social, civil, política, econômica e cultural) dos afrodescendentes. Embora estes processos locais tenham conexões transnacionais, as demandas por reparações e ações afirmativas não são homogêneas: tem uma historicidade e particularidades conforme os contextos institucionais nacionais, de relações raciais e trajetória de mobilização negra nos diferentes países da América Latina. No presente trabalho, exploraremos o modo em que vêm sendo modeladas as afro-reparações no Brasil e no Uruguai na última década, levando em conta as articulações com outros atores envolvidos nesses processos políticos. Palavras chaves: afro-reparações, movimentos negros, cidadania. O presente trabalho 2 tem por objetivo analisar os processos políticos que envolvem afro-reparações (Mosquera et al 2006) no Brasil e no Uruguai na perspectiva dos movimentos negros contemporâneos e outros atores relacionados. Contextualizarei minha argumentação na constituição dos chamados movimentos negros contemporâneos na América Latina, que coincide com um momento histórico dos anos 70 e 80 de abertura democrática após as ditaduras militares em quase todos os países da região. Os movimentos negros, entre outros movimentos sociais da região, podem ser entendidos no quadro das lutas políticas por projetos alternativos para a democracia. Em um cenário mundial, a ocorrência, no mesmo momento histórico das décadas de 1960 e 70, das mobilizações contra as ditaduras militares na América Latina, das lutas dos afro-norteamericanos pelos Direitos Civis, as lutas pela libertação nacional no continente africano, particularmente na África do Sul e nas colônias portuguesas propiciou, pela primeira vez, um 1 Trabalho apresentado na 26ª. Reunião Brasileira de Antropologia, realizada entre os dias 01 e 04 de junho, Porto Seguro, Bahia, Brasil. 2 Esta reflexão forma parte do processo de elaboração da tese de doutorado, que se propõe examinar as trajetórias dos movimentos negros contemporâneos no Cone Sul, com ênfase nas organizações e ativistas que atuam em Porto Alegre (Brasil), Montevidéu (Uruguai) e Buenos Aires (Argentina), frente aos atuais desafios da implementação de políticas públicas com uma perspectiva étnico-racial. Interessam-me as transformações de movimentos, políticas e instituições e a emergência de novos sujeitos políticos em torno das ações afirmativas no quadro geral das amplas ações empreendidas visando reparações históricas. 1

2 clima geral favorável para um exame especificamente sócio-racial da realidade latinoamericana. Através dos debates travados em um processo de redemocratização e fortalecimento de entidades da sociedade civil é que se organizaram as lutas contemporâneas de afrodescendentes e de indígenas na América Latina das décadas subseqüentes (Moore, 2005). É interessante ressaltar que a partir dos anos 80, a construção dos movimentos sociais latino-americanos é centrada na noção de cidadania, com reconfigurações e novas estratégias de ação. Neste cenário, grupos de filiações diversas estarão disputando na esfera pública atenção por parte do Estado para suas demandas específicas ao se reconhecerem como detentores de direitos legítimos. Paralelamente, existe um processo de consolidação de ideologias do pluralismo cultural, existindo uma pressão transnacional para as nações se declararem como multiculturais e enquadrarem juridicamente a diversidade étnico-racial interna, e ainda um processo de discussão do Estado de Direito a partir das demandas expressas por diferentes segmentos da sociedade civil organizada, como sujeitos que elaboram e negociam os termos do texto constitucional. Reformas constitucionais em vários países, como Brasil (1988), Colômbia (1991), reconhecem simultaneamente direitos de suas populações negras e indígenas. Em outros casos, como o da Argentina, a Constituição de 1994 reconhece direitos dos povos indígenas. Stuart Hall (2003) vincula este ressurgimento da questão multicultural como problema político contemporâneo ao fenômeno do pós-colonialismo. O momento póscolonial marca a passagem de uma configuração ou conjuntura histórica de poder para outra. No passado, eram articuladas como relações desiguais de poder e exploração entre as sociedades colonizadoras e as colonizadas. Atualmente, essas relações são deslocadas e reencenadas como lutas entre forças sociais nativas, como contradições internas às sociedades, ou entre elas e o sistema global como um todo. Assim, o movimento que vai da colonização aos tempos pós-coloniais não implica que os problemas do colonialismo foram resolvidos ou sucedidos por uma época livre de conflitos. Nesse cenário, no qual se dão processos que trazem as margens para o centro da nação (Cf. Hall, 2003) na estratégia ou abordagem política da questão multicultural, podemos interpretar as afro-reparações. Termo amplamente explorado por Claudia Mosquera e outros autores no livro Afro-reparaciones: Memorias de la Esclavitud y Justicia Reparativa para negros, afrocolombianos y raizales, editado na Colômbia em Produto do diálogo entre ativistas e intelectuais afro-latino-americanos e intelectuais brancos da região, pensando a relação entre conhecimento científico, ética e política numa perspectiva 2

3 reparativa, ou seja, num olhar para a responsabilidade do Estado e da sociedade em geral por um passado de opressão étnica e racial no processo escravista julgado na Declaração Final da Conferência de Durban como um crime de lesa humanidade-, assim como pela reprodução de formas de desigualdade racial até a atualidade. Perspectiva substancializada tanto na redistribuição de bens, direitos e poder, como no reconhecimento de valores (culturais, epistémicos, espirituais e estéticos) dos afro-americanos. Seguindo a Mónica Carrillo (2005), uma intelectual afroperuana, a reparação não seria um anseio de vingança, e sim uma exigência de justiça. As ações afirmativas devem ser entendidas dentro de este referencial como práticas que buscam uma cidadania substancial (social, civil, política, econômica e cultural) dos afrodescendentes. Um ponto que os autores desta coletânea exploram é o das demandas por reparações e ações afirmativas não serem homogêneas: tem uma historicidade e particularidades conforme os contextos institucionais nacionais, de relações raciais e trajetória de mobilização negra nos diferentes países das Américas, mas em conexão com processos transnacionais e espaços de identificação diaspórica. No panorama mundial, a década de 80 é marcada por Lao Montes (2006) como a virada do epicentro das mobilizações negras a nível transnacional. Nos anos 30, e mais fortemente nos anos 60 e 70 os movimento negros anti-sistêmicos negros (nas suas versões nacionalistas e socialistas) nos Estados Unidos eram vanguarda nas Américas nas discussões sobre afro-reparações, entendidas como um postulado ético-político que refere às medidas requeridas para buscar modos de corrigir os efeitos negativos do racismo na modernidade capitalista. Depois do declínio da onda de movimentos anti-sistémicos, destacando-se o movimento de libertação negra dos Estados Unidos e as lutas anti-colonistas do continente africano, houve uma revolução neoconservadora nos Estados Unidos como tentativa de recuperar a hegemonia mundial com ofensivas e políticas, elemento entre outros que marginou o radicalismo negro e nutriu uma cultura política afroamericana conservadora. Esta conjuntura propiciou ataques às ações afirmativas que, mantidas numa racionalidade de justiça reparativa, tinham desenvolvido medidas de promoção para a admissão dos excluídos (minorias raciais, mulheres) em universidades e empregos. Este cenário reformulou o debate público, junto a medidas legais e legislativas que iam contra os princípios das ações afirmativas alcançadas como resultado das lutas históricas pelos direitos civis e o poder negro 3. 3 Segundo o autor, a expressão mais notável desta tendência da nova direita norte-americana foi a delegação estadunidense se retirar da Conferência de Durban como protesto contra as afro-reparações. 3

4 Em contraponto, a partir do processo político em torno da Conferência Mundial contra o Racismo, em Durban, 2001, as afro-reparações emergiram como eixo central na agenda global contra o racismo como elemento chave da justiça social a escala mundial, tanto no discurso das Nações Unidas, quanto das ONGs e movimentos sociais. Lao Montes argumenta que o mundo afro-latino se constituiu nesse contexto como lócus principal nas Américas dos movimentos negros que efetuam propostas substanciais a favor da igualdade social e o pluralismo cultural através de políticas públicas. A partir da Conferência de Durban, os ativistas negros da América Latina consensuaram o uso do termo afrodescendente para identificar à população da diáspora africana nas Américas. Afrodescendente foi assumido pelos ativistas como categoria de auto-identificação e de pronunciamento político, transformando a categoria negro, já que a militância a avaliava como ainda ligada à ideologia colonial que denunciava. Neste pronunciamento a delegação afro-uruguaia, teve um papel protagónico, somado à delegação afro-brasileira, particularmente representada por mulheres negras. Desse modo, o processo em torno da Conferência de Durban trouxe um importante espaço de reflexão sobre a idéia de reparação, conformando-se num ponto culminante e fundamental para compreender as atuais construções das afro-reparações em escala transnacional e nos planos nacionais. Analisarei três dimensões que nos ajudem a entender a complexidade das reparações, tomando os casos do Brasil e do Uruguai. Em primeiro lugar, destacarei a construção de sujeitos coletivos negros em diálogo com um espaço de identificação diaspórica. As lutas por redescobrir as rotas africanas no interior das complexas configurações das culturas nacionais (Cf. Hall, 2003) contribuíram a descentrar uma perspectiva nacionalista e a propor uma abordagem da problemática racial e da construção de identidade étnica em perspectiva mundial, deslocando significados e símbolos das culturas nacionais que situavam a população negra numa situação de subordinação ou invisibilidade. Em segundo lugar, destacarei a pluralidade dos movimentos negros e suas diferentes frentes de representação e atuação, as alianças com outros movimentos nacionais e transnacionais e a potencialização em alguns âmbitos. Isto nos ajuda a pensar a heterogeneidade das afro-reparações rompendo com uma visão homogênea, como nos advertem Mosquera et al Num terceiro momento refletirei sobre as dificuldades da permeabilidade da temática racial nos Estados no Uruguai e no Brasil, para pensar as problemáticas de viabilização e as ênfases locais dadas às afro-reparações. 4

5 Descentrando a nação Como argumenta Hall, as lutas por redescobrir as rotas africanas no interior das complexas configurações das culturas nacionais e falar, através desse prisma, das rupturas do navio, da escravidão, colonização, exploração e racialização produziram a formação do sujeito negro nas Américas e a África na diáspora. Desse modo, estas lutas contribuíram a descentrar uma perspectiva nacionalista e a propor uma abordagem do problema racial e da construção de identidade étnica em perspectiva mundial. Enquanto movimento social, o movimento negro no Brasil (e pode ser estendido ao resto da América Latina) pode ser interpretado como um processo constante de organização de forças culturais e sociais bastante heterogêneas em torno de um projeto histórico. Gestado num contexto em que o que se interpretava como movimento social era o conjunto de organizações de caráter operário e popular 4, amparadas na idéia de luta contra as desigualdades sociais e solidariedade entre os oprimidos, e tendo uma base discursiva elaborada na experiência da igreja católica, dos grupos de esquerda e sindicatos; e de certa forma tributário dos antecedentes que marcaram os anos 30 aos anos 60 (com a Frente Negra Brasileira, o Teatro Experimental do Negro, a União dos Homens de Cor em vários estados do Brasil), as mobilizações políticas negras contemporâneas agregarão a partir dos anos 70 e 80 o racismo ao horizonte das lutas sociais, trazendo assim para a cena política os debates sobre discriminação e identidade racial como marcas distintivas em relação aos demais movimentos: a questão da identidade racial se coloca como um desafio ético, estético e político para o Movimento Negro (Cardoso, 2001: 12). Para Cardoso, a própria idéia de movimento social é construída a partir dos movimentos operários e populares dos anos 70, e a sua referência para pensar a luta antiracista brasileira inscreve-se neste mesmo período com a fundação do MNUCDR - Movimento Negro Unificado contra a Discriminação Racial 5, em 1978, na cidade de São Paulo. Embora o autor não negue a trajetória construída anteriormente pelas entidades da primeira metade do século XX, será na singularidade da idéia de resistência negra, absorvida na experiência histórica dos quilombos como a metáfora do Estado livre dentro do Estado escravocrata, ou no potencial das culturas afro-americanas como manifestação política, que 4 Nessa denominação, Cardoso (2001) enquadra os movimentos comunitários como associações de moradores, clubes de mães, comunidades eclesiais de base da igreja católica, grupos de jovens, etc. 5 O MNUCDR, posteriormente MNU, surge com a proposta de unificar as diversas organizações negras, em torno da luta política contra a discriminação racial, tendo seu foco, naquele momento, no repúdio e denúncia dos atos de discriminação e violência policial, entendidos como atos cotidianos contra a população negra brasileira. 5

6 parece atender a lógica dos anos 70, em que a liberdade e garantias individuais plenas não faziam parte do cenário sócio-político. Discursos e práticas de auto-afirmação e recuperação da identidade étnica e cultural marcam uma transição que se opera nas entidades dos movimentos negros, as quais tinham nas primeiras décadas um caráter integracionista não questionador do modelo social vigente, mas que a partir dos anos 70 e 80 buscam referenciais próprios de intervenção na arena política. Do ponto de vista do movimento é valorizada raça como a percepção racializada de si mesmo e do outro, significando a base de um anti-racismo. Trata-se de uma reconstrução da negritude a partir do duplo vínculo, por um lado, com a rica herança africana a cultura afrobrasileira das religiões de matriz africana, dos blocos de carnaval; no Uruguai, a cultura performática dos tambores de candombe-, e com a apropriação do legado cultural e político do Atlântico Negro, isto é, o pan-africanismo, o Movimento pelos Direitos Civis nos Estados Unidos, a renascença cultural caribenha, a luta contra o apartheid na África do Sul, etc. (Guimarães, 2005). Diversas são as entidades que surgem no bojo desse período, pautadas pela reafirmação identitária e resistência negra. No Brasil, é o caso do Grupo Palmares, de Porto Alegre, surgido em O grupo gaúcho que se autodenominara Palmares, em uma alusão ao quilombo do século XVII, reuniu militantes, intelectuais, poetas e escritores na proposição do deslocamento das comemorações da data 13 de maio para a de 20 de novembro - data da morte de Zumbi dos Palmares e destruição do quilombo homônimo esta data passa a ser o Dia da Consciência Negra. O Grupo Palmares propunha uma revisão da história do Brasil para desvelar a tradição de resistência a fim de recuperar a auto-estima étnica, valorizando os espaços culturais negros da cidade (Campos, 2006). Neste contexto, entraram as idéias que mobilizavam os negros na diáspora. A valorização dos negros na África e na diáspora estimulou processo culturais de reafricanização do Brasil, considerando que nos antigos territórios negros algumas referencias eram feitas a essa ancestralidade africana diretamente, como no caso da religião, ou indiretamente, no caso do carnaval ou dos clubes negros. Também surgiu a motivação nacional para a ressignificação da identidade negra, construída a partir de então no comunitarismo do Quilombo do Palmares, através do 20 de novembro, substituindo a idéia de liberdade concedida da comemoração do 13 de maio. As aproximações com o movimento pan-africanista contribuíram a romper com uma perspectiva nacionalista, propondo uma abordagem do problema do racismo e da construção de identidade étnica em perspectiva mundial. Isto levou ao duplo vínculo com os territórios negros, como clubes sociais, blocos de carnaval, terreiros de matriz africana, e com o pan-africanismo. 6

7 Este ressurgimento étnico começa travar uma luta contra o racialismo universalista e ilustrado que as elites nacionais impuseram durante longos períodos históricos, com posições racialistas assumidas das hierarquias entre as raças de fins do século XIX e princípios do século XX até as interpretações da democracia racial feitas pela geração de intelectuais de Gilberto Freyre dos anos 30 e 40, que traduziram para o discurso cultural um fundo ideológico racialista. O Movimento Negro Unificado de fins dos anos 70 assumirá esta agenda, contrária ao mito da democracia racial. Um processo similar de descoberta das rotas/raízes africanas (Cf. Hall, 2003) pode ser examinado também no Uruguai. A década de 1980 marca uma reformulação do ativismo afrouruguaio, por romper com uma ideologia nacionalista de integração e assimilação que deixava de fora da mobilização a defesa das formas culturais africanas, com táticas de dissimulação da condição racial, assim como com os termos de uma prática de intercambio de favores por lealdades políticas na esfera pública. Ao igual que no Brasil, os projetos alternativos de sociedade dos movimentos sociais em oposição ao regime militar, abriram brechas na sociedade uruguaia. Novas idéias e modalidades de consciência entre os afrodescendentes haviam incubado e, ao madurecer, se confrontam e provocam momentos rápidos de desagregação e reorganização, rupturas, alianças e reconfigurações de uma série de forças, grupos e lideranças 6. É nesse contexto que surge o Grupo Amandla a fins dos anos 80. A pan-africanidade aparece como elemento importante nos anos 80 como solidariedade com um terceiro, expressa através de mobilizações e campanhas em defesa de causas dos povos africanos. Por exemplo, a campanha realizada em Montevidéu contra o apartheid na África do Sul. Ou o próprio nome do Grupo Amandla, palavra que significa corpo e alma da nação na língua bantu, que é tomado da saudação do Congresso Nacional Africano da África do Sul. Assim, o grupo Amandla se baseia em suas reivindicações na identidade cultural do tambor de candombe no Uruguai e na solidariedade com Mandela e a luta contra o apartheid. A cultura performática dos tambores de candombe, com seus nexos com o Atlântico negro, passa a ser considerada como elemento que gera unidade entre os afrodescendentes. Reformulação, desse modo, a excisão que existia entre a cultura letrada e a cultura tradicional do candombe entre os diferentes setores afrodescendentes, diferenciação que produzia o estigma do primitivismo em relação aos tambores, e que celebrava a cultura letrada como modo de ascensão social. Porém, o Grupo Amandla contestará as relações paternalistas na cultura do tambor, assim como a visão evolucionista da África, ressaltando uma concepção da África como um lugar civilizatório. 6 Embasei a reconstituição da trajetória do movimento afro-uruguaio nos anos 80 e 90 em Ferreira (2003). 7

8 A construção de um grupo de oposição no campo político que lograsse levar adiante denuncias e concretizar demandas surgiu em 1989, denominado Mundo Afro, em parte, da experiência nos partidos políticos de esquerda a inícios dos anos 70 e dos movimentos sociais da sociedade majoritária ao final do governo militar. Implicou na leitura das formas locais de mobilização (no caso, do Partido Autônomo Negro dos anos 30 e a Revista Nuestra Raza vinculada a ele, que atuou até os anos 40 7 ) e na leitura da experiência dos afrodescendentes da diáspora local e internacional. A prática reflexiva, o fluxo de informação mobilizado discursivamente nas redes de movimentos, e a elaboração de novas perspectivas, valores e objetivos sustentou entre os ativistas dois aspectos: por um lado, a resignificação da produção cultural tradicional através de uma noção amplia de cultura como usos, costumes, sistema de crenças e de conhecimento, simbólicos e religiosos, e, por outro, a consciência do grau de descumprimento da promessa igualitária respeito à minoria, através de estratégias de desenvolvimento econômico autônomo do setor, e de fazer ouvir as denuncias de racismo e desigualdade frente à sociedade nacional e o Estado. Um tema interessante para pensar o recentramento das margens da nação é o caso da figura de Ansina e os pleitos da militância afrodescendente por lhe otorgar um lugar protagónico na narrativa de fundação da nação. Nas narrativas dos textos escolares ao longo do século XX, a figura de Ansina aparece centralmente na história fundante da nação como o fiel ajudante negro que acompanhou em seu exílio a Paraguai ao prócer Artigas, até sua morte. Várias tentativas foram feitas por militantes negros ao longo do século XX para que Ansina seja incluído na narrativa da nação, nome de rua, placa, estatua e nos rituais do Estado. A década de 1990 foi prolífica na ação da militância e na divulgação de ensaios literários e palestras em que o estereótipo de Ansina como fiel servidor negro do prócer Artigas é reformulado, mostrando-o como hábil militar e conselheiro do prócer, poeta músico e conhecedor de ervas medicinais. Pluralidade do movimento negro e alianças com outros movimentos Este item tenta ressaltar a pluralidade dos movimentos negros e suas diferentes frentes de atuação e representação, e quanto esta compreensão pode nos ajudar a desconstruir uma 7 O Partido Autônomo Negro PAN surge na década de 1930 impulsionado pelo Doutor em Direito Salvador Betervide (o terceiro profissional afrodescendente formado no Uruguai) e um grupo de ativistas e simpatizantes de uma camada de cultura letrada de classe média, com uma experiência variada de ativismo no jornalismo negro, em associações recreativas e em partidos político da sociedade majoritária. O ideário socialistacooperativista de Betervide e de caráter internacionalista, sua preocupação pela segregação racial nos Estados Unidos, o levam a buscar uma candidatura negra no Parlamento para promover leis que beneficiem ao setor afrodescendente (Ferreira, 2003). 8

9 idéia [que muitas vezes é um ideal a alcançar mantido pelo próprio movimento negro] de movimento homogêneo e unificado, que leva a desconsiderar sua potencialidade de atuação disseminada; assim como mostrar o poder das alianças entre movimentos. Destacarei a potencialização em alguns âmbitos, por exemplo, o caso da militância de gênero e raça. O que se identifica como movimento negro contemporâneo no Brasil está constituído por uma variedade de organizações com fins políticos e culturais diversos e muito vezes em conflito. Podemos observar uma pluralidade de trajetórias, de eixos de debate, trânsito e junção de militâncias em diferentes movimentos. Ressaltarei alguns desses trânsitos e articulações. Um dos eixos de militância definidos ao longo dos anos 80 é o de raça/classe. (particularmente pelos militantes do MNU). Os partidos políticos de esquerda surgidos no bojo da democratização (como o PT no Brasil e o Frente Amplio no Uruguai) foram espaços de militância de ativistas negros, ou também se constituíram como os interlocutores privilegiados do movimento negro, em sua discussão sobre raça e poder. Tanto na faceta da discussão no sentido de que os negros ocupassem espaços de decisão em seus âmbitos de participação (partidos, sindicatos, empregos privados e públicos), ou no debate sobre como permear o Estado, que foi aprofundado nos anos 90, com a reformulação do formato organizativo dos movimentos em ONGs e a profissionalização da militância. Desde fins dos anos 80 a confluência entre sindicatos e movimento negro abriu a discussão da inserção dos negros no mercado de trabalho, com a discussão nas diferentes categorias, e a criação de núcleos anti-racismo nos sindicatos, protagonizados por pessoas com dupla militância no movimento sindical e negro. Foi criado em 1995 o Instituto Sindical Interamericano pela Igualdade Racial INSPIR, impulsionado pela CUT entre outras centrais sindicais, que em 1998 lança o Mapa do Negro no Mercado de Trabalho com dados reveladores de desigualdades. A discussão com partidos e sindicatos é ressaltada pela militância negra, até a atualidade, como um aspecto problemático devido à ênfase destes interlocutores na questão de classe, visando uma defesa mais voltada à inclusão social do que racial, por aderirem de algum modo à ideologia da não existência do conflito racial. Outra linha de convergência foi a dos Agentes Pastorais Negros (APNs) e os teólogos negros da libertação, que denunciaram o racismo na Igreja Católica. Num contexto onde se expande a Teologia da Libertação, estes religiosos negros apontam que a liberação só acontece quando os oprimidos, a partir da consciência de sua situação, organizam-se para lutar por seus direitos, assumindo sua negritude. 9

10 Vinculado com este movimento surgem preocupações com a educação, expressas num primeiro momento, nos anos 80, com as campanhas de alfabetização a partir do ideário de Paulo Freire da educação como caminho de emancipação. Depois, com os cursinhos prévestibular para o ingresso de estudantes negros e carentes nas universidades públicas brasileiras, criando uma rede pelo Brasil todo. Uma das características é que esses cursos incluem, entre outras, a disciplina Cultura e Cidadania para que os alunos pensem também sobre seu papel na sociedade, e não apenas no vestibular, com caráter emancipatório. É na confluência desta linha de militância na educação como emancipação e a que problematiza a desigualdade dos negros no mercado de trabalho assim como na ocupação de espaços de poder e prestígio, que devem ser pensadas as cotas para negros nas universidades brasileiras. Outro eixo de debate que perpassou desde a década de 70, reforçando-se a fins dos anos 80 com a inclusão do artigo 68 na Constituição, e criando uma das teses de militância nos anos 90, é o vínculo entre raça e território. Militantes negros cuja trajetória nos anos 80 esteve mais vinculada a partidos e sindicatos abriram o debate sobre a constituição de espaços sociais negros e a sociabilidade em torno de práticas culturais de matriz afro-brasileira, através de exaltar sentimentos de pertencimento étnico, dimensões não contempladas pelo eixo raça/classe que muitos dos militantes do movimento negro aderiam. Assim, os terreiros, as comunidades remanescentes de quilombos, os espaços urbanos de sociabilidade, voltam à cena das discussões. As preocupações desta militância foram o questionamento de geografias racializadas, dos deslocamentos forçados de populações pelos processos de urbanização 8 e dos processo dificultosos de regularização fundiária de comunidades quilombolas 9. O último eixo que ressaltarei será o da discussão que se dá desde fins dos anos 70 e ao longo dos 80, sobre raça/gênero. Uma preocupação com a diferença de status entre mulheres negras e brancas começou a ser articulada mais explicitamente por mulheres negras que atuaram no movimento feminista no final dos anos 70. A discussão da militância de raça/gênero coloca com um dos pontos de partida que os legados da escravidão no Brasil em termos de dominação racial e de gênero e as desigualdades da sociedade pós-abolição conduziram a experiências sociais diferentes para mulheres negras e brancas: problemas presumivelmente comuns, como sexualidade, saúde 8 Como foi o caso da Vila Mirim de Porto Alegre nos anos 90, que foi reassentada por decisão de um governo do PT (o que causou um impacto entre os militantes negros que também aderiam a esse partido). 9 Um ponto importante é o a interlocução desta militância com as universidades, particularmente com antropólogos, na feitura de laudos para o reconhecimento das comunidades. Não me deterei nesse ponto devido a que é um campo complexo que por questões de espaço e de abrangência de meu objetivo não poderia dar conta no presente trabalho. 10

11 reprodutiva e trabalho remunerado passaram a ter significações diferentes para mulheres negras e brancas. Ao reconhecer essas diferenças, as mulheres negras no movimento feminista passaram a desafiar noções generalizadas da opressão das mulheres que não levaram em conta a relação entre ideologia patriarcal e racismo (Caldwell, 2000). Feministas negras como Lelia Gonzalez e Luisa Bairros afirmaram que a liberação aparente de feministas brancas estava relacionada à subordinação continuada de mulheres negras: o serviço doméstico das negras nas casas de famílias brancas permitiu às mulheres brancas entrar cada vez mais na força de trabalho. Outra crítica ao movimento feminista foi a de ignorar a exploração sexual das mulheres negras, particularmente as que trabalham no serviço doméstico. A mobilização de mulheres negras na convergência do movimento feminista e o movimento negro permitiu incorporar a perspectiva racial e de classe aos temas que o movimento feminista vinha trabalhando desde inícios dos anos 80, numa atuação centrada na violência e na saúde. Interessante ressaltar que o movimento de mulheres negras nas Américas deu um pontapé inicial na constituição de uma rede transnacional de militância: a Rede de Mulheres Negras durante o I Encontro de Mulheres Afro-Latino-Americanas e Afrocaribenhas, em Santo Domingos, República Dominicana no ano 1992, e estipulou-se a data 25 de julho como o Dia da Mulher Afro-Latino-Americana e Caribenha. Inclusive em artigo de 1988, Lélia Gonzáles já ressaltava a importância das alianças entre as mulheres negras e indígenas da América Latina. No contexto preparatório da Conferência Mundial sobre a Mulher, realizada em Bejing, em 1995, o movimento de mulheres negras teve forte atuação. Esta atuação resultou na incorporação da temática racial na Declaração das Mulheres Brasileiras para a IV Conferência Mundial sobre a Mulher, e fez com que o governo brasileiro sustentasse o reconhecimento da discriminação racial enquanto um grave problema que atinge grande parte das mulheres do mundo (Roland, 2000). No mesmo sentido cabe destacar que a Conferência de Durban, em 2001, foi acompanhada de uma intensa mobilização do movimento de mulheres negras, principalmente através da Articulação de Organizações de Mulheres Negras Brasileiras (AMNB), que na atualidade se apresenta como um importante Fórum visando o monitoramento e efetivação de políticas públicas de raça e de gênero. Se olharmos o caso do Uruguai em torno da militância de raça e gênero, o Grupo de Apoio à Mulher Afro GAMA surge em 1989 com militantes de anterior Grupo Amandla, que junta sua força à também incipiente Mundo Afro. Nos anos 90 surge a iniciativa de criar uma cooperativa de moradia para mulheres afrodescendentes chefas de família. Em 1996 Mundo Afro inicia conversações com o Ministério da Vivenda para um projeto de construção de 40 moradias no Barrio Sur, bairro de população africana e afrodescendente mais antigo de 11

12 Montevidéu. Uma centena de famílias afrodescendentes foi despejada e disseminada para a periferia da cidade pelos projetos desenvolvimentistas do governo militar em Através de negociações com o governo o grupo de mulheres conseguiu um empréstimo, um terreno e uma antiga estrutura edilícia doados pelo município. A cooperativa implicava para suas promotoras uma história concreta de resistência e de confrontação à discriminação racial e ao projeto de exclusão social. Implica na consideração ao antigo bairro com as formas de vida ao redor da cultura dos tambores e o candombe, mas também a memória de uma história de moradias deterioradas e de cortiços em decadência, e a expulsão policiada de segmentos da população negra. Na atualidade, este processo é considerado pelos militantes como a primeira ação afirmativa no Uruguai. Estas reivindicações se vieram reforçadas pelos dados obtidos no Diagnóstico socioeconómico y cultural de la Mujer Afrouruguaya, levado a cabo pelo GAMA com o apoio do PNUD e o Centro de Investigação, Estudo e Desenvolvimento de Itália (CIES), no ano de 1997, que teve, além do objetivo do diagnóstico propriamente dito, um objetivo político de empoderamento das mulheres afro-uruguaias, no contexto de consolidação do GAMA, cujas lideranças estavam estabelecendo trânsitos entre o movimento negro e o feminismo 10. É interessante pensar que nos anos 2000 é criada a Secretaria da Mulher Afrodescendente dentro do Instituto Nacional da Mulher, como veremos mais adiante, fato que consolida a possibilidades de políticas com recorte de gênero e raça, questão que por exemplo, no Brasil, com a articulação de mulheres negras importante não consegui se instalar como interesse de Estado. A emergência da organização Mundo Afro implicou na incidência nos mecanismos de constituição de hegemonia. Isto foi possível por um cenário cambiante de novas alianças nacionais (imprensa, outras organizações de minorias e de Direitos Humanos), e internacionais no cenário da globalização, com os vínculos com organismos multilaterais e agencias financiadoras. Em seu acionar político, Mundo Afro juntou uma atuação de pressão ao Estado com ações mais pontuais e especializadas de assessoria mais características das ONGs. Inclusive 10 Alguns dados impactaram imediatamente os agentes de governo e os militantes. Evidenciavam que 50% das mulheres entrevistadas estavam ocupadas no emprego doméstico, ganhando salários muito baixos sem conseguir resolver a sobrevivência da pessoa e da família. Também a metade das mulheres entrevistadas não tinha chegado a cursar o ensino médio (secundário), e só um 4% chegou ao ensino superior (universidade ou professorado), en un país como el Uruguay que las posibilidades de acceso a los niveles superiores de enseñanza constituyen un indicador privilegiado de igualdad de oportunidades sociales (como diz o documento de apresentação dos dados). 12

13 nos anos 90 se transformou numa federação de organizações, com uma centralização de lineamentos políticos. Esta tendência à centralização se encontra na atualidade numa situação inversa, existe um processo de fragmentação e formação de novas organizações com diferentes focos. Este fenômeno pode ser visto como uma disseminação da temática racial através de diferentes recortes: de gênero principalmente, etário, de ocupação, artístico, etc. 11, embora seja vivenciado por seus protagonistas como um espaço de tensão política. Ao longo dos anos 90 e nos anos 2000, Mundo Afro foi constituindo paralelamente seus interlocutores no plano nacional e internacional, ou seja, suas intervenções nacionais traziam o referencial transnacional para repensar o contexto de racismo uruguaio, se constituindo num mediador entre o global e o local através de articulações com o governo nacional e municipal, e instancias financiadoras externas. Este é um ponto importante para entender a construção atual da trama de políticas públicas, que se fortalece com o capital social, cultural e simbólico acumulados pela militância de Mundo Afro nos trânsitos e nas intervenções em diferentes planos 12, liderando, por exemplo, a criação de uma rede transnacional em 1994 (a Red Continental de Organizaciones Afro), assim como a Alianza Estratégica de Afrodescendientes de América Latina y el Caribe, conformada para a elaboração de estratégias afro-latino-americanas no processo da Conferência de Durban. Um elemento interessante a destacar em referência às alianças é o fenômeno ocorrido em 1992 em torno dos protestos pelos 500 anos da descoberta de América. Um fato importante da militância dos primeiros anos de Mundo Afro foi a organização, junto a organizações políticas dos povos indígenas, de uma manifestação contra a celebração dos 500 anos da descoberta de América em 12 de outubro de 1992 com o lema: 500 años: Ahora Basta!!. Foi realizada uma saída de tambores pela avenida central 18 de Julio no dia 11 de outubro como contra-festejo, afirmando que esse seria o último dia da liberdade americana. Esta manifestação contou com o apoio de vários setores da sociedade uruguaia, num contexto intelectual crítico em que o processo colonial e republicano vinha sendo questionado por ensaísta e escritores conhecidos, como o caso de Eduardo Galeano, e seu livro As veias abertas da América Latina. Um capital cultural os grupos de tambores de candombe 11 É o caso de UAFRO, organização de universitárias afro; MIZANGA, organização de mulheres jovens negras; MAAUI, organização de mulheres afro-artesãs; AFROGAMA, coral de mulheres negras; Quilombo Timbó, organização de universitários afro. 12 Exemplos da construção de alianças regionais são o 1º Encontro de Entidades Negras do Cone Sul, organizado por Mundo Afro no ano 90, e na atualidade a realização do Fórum Kizomba na cidade de Rivera (cidade uruguaia de fronteira com a cidade brasileira de Santana do Livramento), desde o ano 2003, em torno do Dia Universal da Luta Contra a Discriminação Racial (21 de março). O evento reúne diferentes atores para a articulação, negociação e comprometimento para executar políticas regionais / nacionais que promovam a equidade étnico-racial. 13

14 despolitizado no processo da modernização e conformação da nação, tinha sido transformado em capital político durante o ato. E ainda foi um exercício de reescrita da história americana e da diáspora afro-atlântica, assumindo uma releitura do candombe como forma de resistência. Permeabilidade do Estado Como coloca José Jorge de Carvalho (2005), uma questão central, e mais geral, a ser pensada com cuidado na luta por implementar o Programa de Ação de Durban, é a conversão das minorias étnico-raciais a um tipo de Estado eurocêntrico e monológico. Eurocêntrico por sua própria origem colonial, sem revisão algum da simbologia européia do poder e dos aparelhos ideológicos do estado; e monológico porque não há nenhum sinal dos governos de levar a sério uma reformulação da concepção de Estado como multicultural (mesmo, no caso do Brasil, estando presente na sua constituição). Este problema é analisado por Sonia Alvarez (2000) para o feminismo latinoamericano 13, particularmente na inserção de feministas no Estado. Se por um lado este foi um esforço de transformar as representações predominantes de gênero a partir de permear as estruturas do Estado, por outro, corre-se o perigo de que a dimensão ética-política do projeto fundador de transformação feminista possa ser esquecido pela absorção por essas estruturas e ignorado (e finalmente silenciado) por instituições políticas, econômicas e culturais dominantes. Este mesmo problema pode ser pensado para a questão racial: tal como menciona Alvarez para as relações de gênero, a absorção dos discursos feministas (e raciais, apontamos nós) nos planos nacionais vem sendo parcial e seletiva. Os governos continuam hesitando em adotar as reivindicações feministas e raciais porque isso provocaria uma grande perturbação nos arranjos predominantes de poder entre os sexos e entre segmentos da população racializados. Pensando na permeabilidade da temática racial no Estado brasileiro, podemos pensar o fenômeno da Marcha Zumbi dos Palmares Contra o Racismo, pela Cidadania e a Vida, organizada pelos movimentos negros e feita em Brasília em O evento obteve como resultado mais concreto a criação, por decreto presidencial, do Grupo de Trabalho Interministerial para a Promoção da População Negra (GTI). Tal grupo tinha como objetivo 13 Sonia Alvarez analisa esta problemática dentro do processo por ela chamado de ONGuização dos feminismos latino-americanos que, nos anos 90, perpassou o campo em expansão do movimento. Com efeito, a absorção de alguns dos itens mais aceitáveis culturalmente da agenda feminista promoveu a especialização e profissionalização progressiva de um número crescentes de ONGs dedicadas a intervir nos processos nacionais e internacionais, e a sua vez levou a um número crescente de ativistas a privilegiar alguns espaços da política feminista, tais como o Estado e as arenas políticas internacionais. 14

15 fundamental estabelecer canais de interlocução política entre todos os ministérios, a fim de chamar a atenção e a responsabilidade para a urgência de políticas voltadas à superação das desigualdades raciais. Porém, o GTI não foi suficientemente investido do ponto de vista institucional e de recursos financeiros necessários para seu pleno funcionamento, enfraquecendo-se a ponto de tornar-se inativo pouco após sua criação. O então presidente Fernando Henrique Cardoso assumiu como chefe de Estado, que o racismo é estruturante das desigualdades sociais no Brasil 14. A partir de 2001, com a Conferência de Durban, é recolocada a discussão do racismo e a necessidade de políticas públicas. É nesse contexto que ações afirmativas passam a constar das agendas internacionais e nacionais. Um reflexo desse contexto é a criação da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR) em Novos pactos de combate ao racismo são estabelecidos, configurados na proposição de uma política de promoção da igualdade racial. O cenário que se apresentava no final de 2002, com a conclusão de dois mandatos consecutivos do presidente Cardoso era de uma teia de programas pontuais e localizados, que não guardavam coerência e interligação entre si. A criação da SEPPIR no início do governo do presidente Lula, foi recebida como uma sinalização concreta de que o governo federal havia assumido como tarefa do executivo uma ação articulada de combate ao racismo evocadas pelo movimento negro desde as décadas anteriores. A orientação da SEPPIR é a de coordenar ações integradas com os demais ministérios, não se responsabilizando diretamente pela execução das ações, mas cumprindo o papel de que as ações sejam cumpridas e monitoradas. Sua atuação têm se concentrado nas áreas de educação, saúde e direitos das comunidades quilombolas, além de esforços no campo da diversidade cultural e religiosa, mercado de trabalho e relações internacionais, desenvolvendo programas e projetos para a construção da transversalidade nas ações da administração pública. Ainda devem ser levadas em conta as universidades federais e estaduais que implementaram Programas de Ações Afirmativas, que hoje chegam às 50 instituições. O Estatuto da Igualdade Racial, que está em processo de votação, responde também a essa transversalidade. Chamo a atenção para o fato da transversalidade, no sentido de debater 14 É importante ressaltar que no ano 1996 aconteceu o primeiro debate sobre ações afirmativas no âmbito do governo, no Seminário Internacional Multiculturalismo e racismo: a ação afirmativa nos estados democráticos. Organizado pelo Ministério da Justiça, o seminário reuniu intelectuais brasileiros e brasilianistas especialistas em relações raciais a fim de debaterem se haveria ou não condições adequadas para a implementação de políticas de ação afirmativa no contexto brasileiro. As críticas feitas pelo movimento negro a este seminário foi, por um lado, a quase inexistente participação de militantes e intelectuais negros como palestrantes. Os debates foram entre intelectuais majoritariamente brancos. Por outro lado, porque a idéia de fortalecer o modelo de uma brasilidade mestiça foi o pano de fundo das discussões (Santos, 2005). 15

16 a idéia de senso comum de que a reserva de vagas nas universidades seria o único tipo de ação afirmativa existente. Como ressalta Heringer (2005), nos anos 2000 a tônica do debate público em torno do papel do poder público tem sido: deve o Estado outorgar a si o papel de promover a igualdade racial? Se a resposta for sim, de que forma? É possível promover a igualdade racial independente do projeto político que se adote? Ou a promoção da igualdade racial define por si uma orientação de um determinado projeto nacional? Neste ponto o da não existência de um projeto político maior anti-racista - talvez resida o cerne das dificuldades enfrentadas hoje no Brasil para que se concretizem as políticas de ação afirmativa como uma importante ferramenta de promoção da igualdade, e ainda uma incompreensão dessas políticas no horizonte transnacional e nacional das reparações. E ainda fica a problemática da absorção das lideranças negras que entraram para o Estado: elas ficaram em uma condição ambivalente, nem mais representantes da sociedade civil, nem inteiramente integradas à estrutura de poder do governo Lula. Fato que está produzindo em certa forma uma moderação das ações de pressão do movimento negro ao Estado brasileiro. No caso do Uruguai, os anos 90 e 2000 foram um período de aprofundamento das articulações nacionais e fundamentalmente transnacionais da militância afrodescendente. Através de seu trabalho, os ativistas de Mundo Afro propiciaram durante a década de 1990 uma dimensão emergente na sociedade nacional uruguaia em torno da consideração explícita da questão das relações raciais como assunto de governo. Em 1994 foram realizados dois Seminários, um de alcance nacional e outro internacional, cuja temática era o racismo, e que foi a primeira manifestação pública do governo uruguaio assumindo a existência de racismo na sociedade nacional. Vários fenômenos relacionados se deram entre a década de 90 e começo dos anos A realização do primeiro estudo estatístico apresentado em 1998 tomando a variável de auto-identificação racial aplicada na Encuesta Continua de Hogares (o equivalente da amostra por domicílio PNAD do Brasil) na rodada que foi a primeira vez que uma contabilidade oficial no Uruguai durante o século XX incluísse a auto-identificação por categorias raciais-, resultando no reconhecimento do quadro de desigualdades sócioeconômicas que afeta à população afrodescendente. Estas constatações embasaram uma denuncia apresentada por Mundo Afro frente ao CERD 15 a fins da década de 90, que implicou 15 Comitê para Eliminação da Discriminação Racial da ONU. 16

17 numa série de recomendações que as Nações Unidas fizeram ao governo uruguaio para solucionar o quadro de racismo. Ainda a participação ativa no ano 2000 no processo em torno da Conferência de Durban, deu visibilidade para o problema na esfera transnacional 16. A partir de 2005, no contexto pós-durban, com o começo da gestão no governo nacional do Frente Amplio 17, se aprofundaram as relações que Mundo Afro tinha com esta coalizão de esquerda desde suas gestões na Intendência de Montevidéu nos anos 90. Esta gestão foi referida pelos militantes como sensível à promoção da equidade social dos diferentes setores que conformam o Uruguai, e dentro dessa idéia entra a promoção da igualdade racial. Uma das ações está sendo a de propiciar que os agentes protagonistas ocupem espaços de poder para influenciar nas decisões sobre políticas para a população negra. Desse modo, vários integrantes de Mundo Afro passaram a ocupar cargos no governo, se responsabilizando pelos novos escritórios de promoção da equidade racial criados em diferentes órgãos do Estado. Esta participação e a criação dos escritórios têm por objetivo incorporar o recorte racial no desenho de políticas públicas, nas áreas de políticas para as mulheres, juventude, saúde, educação e cultura. Um exemplo é a Secretaria da Mulher Afro-uruguaia (no Instituto das Mulheres dentro do Ministério de Desenvolvimento Econômico e Social MIDES). A atuação política no cruzamento de raça e gênero foi potencializada com a aliança com o movimento feminista através de coordenar uma secretaria vinculada ao Instituto Nacional da Mulher, como mencionamos anteriormente. Ainda a potencialização se deu porque o Instituto está dentro de um ministério novo, o MIDES. A incidência da Secretaria se dá particularmente na inserção do recorte racial nas políticas de gênero do Instituto, e mais amplamente, a inserção de categorias étnico-raciais nos diferentes programas do MIDES, que nos primeiros programas não tinha sido incorporado este recorte. A Secretaria é o único escritório de equidade racial que conta com orçamento, os outros não contam com recursos econômicos para sua ação, o que ocasiona sérios problemas para sua atuação. Esta situação foi chamada pela militância negra como racismo orçamentário. Este problema, junto com as reações a incorporar o recorte racial nas políticas públicas, estão sendo fatores que impedem a continuidade de alguns dos escritórios. 16 Inclusive Mundo Afro foi responsável pela organização local do Taller [oficina] Regional para la Adopción e Implementación de Medidas Afirmativas para Afrodescendientes de América Latina y el Caribe em 2003, como parte do processo pós-durban, convocado pelo Alto Comissionado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, que contou com a participação da sociedade civil organizada e dos governos, reforçando a responsabilidade destes últimos na implementação de políticas públicas de combate ao racismo. 17 Cabe frisar que foi a primeira vez que o Frente Amplio ganhou as eleições presidenciais. Historicamente as eleições se disputaram no bi-partidismo entre Blancos e Colorados. 17

18 A situação atual da relação da militância negra com o poder público está sendo vivenciada pelos militantes de Mundo Afro como um drama. Por um lado, a inserção de representantes do movimento negro em espaços do poder público abre uma problemática de como constituir a mediação política entre os agenciamentos estatais e as percepções e linguagens representadas pelas lideranças do movimento negro, numa complexa trama de poder. Por outro lado, esta inserção está ocasionando impactos tanto interpessoais entre os militantes quanto nas transformações das formas de organização e de aliança da militância. Este último ponto está relacionado também com o processo de fragmentação do qual falei anteriormente. Um último aspecto que gostaria de ressaltar é o fato de que em 2006 foi aprovada uma lei que institui o 3 de dezembro como o Dia Nacional do Candombe, a Cultura Afro-uruguaia e a Equidade Racial e o candombe como patrimônio cultural do Uruguai. Esta lei, produto da ação da Assessoria em Temas Afrodescendentes da Presidência, introduz já em seu texto uma resignificação do candombe, lido não só como patrimônio da nação num sentido etnicizado, como cultura afro-uruguaia ; mas também junto à equidade racial como ideal a alcançar. Ainda foi escolhido o 3 de dezembro por evocar a data (3/12/1978) em que sonaron los tambores em defesa do cortiço do qual foram despejadas as famílias moradoras para demolir o prédio posteriormente, fenômeno relacionado à expansão urbana de caráter higienista que expulsou as famílias negras do centro da cidade para os bairros periféricos montevideanos. A escolha dessa data para festejar o candombe como símbolo que condensa múltiplos significados e lutas, traz a cena nacional o tema das afro-reparações, esta vez referindo aos processos de exclusão gerados a partir do despejo das famílias negras e, de maneira ampla, aos abusos da ditadura militar para com a população afrouruguaia. ***** Com estas considerações gerais sobre algumas das dimensões que as afro-reparações abrem para pensar os contextos de diversidade dentro de Estados-nação construídos e mantidos como eurocêntricos e monológicos, tentamos contribuir a uma compreensão maior do que as reparações, viabilizadas através de ações afirmativas, trazem para repensar o pacto social como um todo através da construção de um horizonte comum de igualdade e diferença. Bibliografia ALVAREZ, Sonia. A globalização dos feminismos latino-americanos. Tendências dos anos 90 e desafios para o novo milênio. In: ALVAREZ, Sonia; DAGNINO, Evelina; ESCOBAR, Arturo (Org.) Cultura e política nos movimentos sociais latino-americanos. Belo Horizonte: Editora UFMG, p CALDWELL, Kia. Fronteiras da diferença: raça e mulheres no Brasil. In: Revista Estudos Feministas Vol. 8 n. 2,

19 CAMPOS, Deivison M. C. de. O Grupo Palmares ( ): um movimento negro de subversão e resistência pela construção de um novo espaço social e simbólico. Dissertação de Mestrado em História. Porto Alegre, PUC/RS, CARDOSO, Marcos A. O movimento negro em Belo Horizonte: Dissertação de Mestrado Programa de Pós-graduação em História/UFMG, Belo Horizonte, CARRILLO, Mónica. Ações Afirmativas e Afrodescendentes na América Latina: Análise de discursos, contra-discursos e estratégias. In: Ações Afirmativas e Combate ao Racismo nas Américas. Brasília: Edições MEC/BID/UNESCO, CARVALHO, José Jorge. Inclusão étnica e racial no Brasil: a questão das cotas no ensino superior. São Paulo: Attar Editorial, FERREIRA, Luis. Mundo Afro: Uma história da Consciência Afro-Uruguaia no seu processo de emergência. Tese de Doutorado Programa de Pós-graduação em Antropologia Social/UNB, GONZALES, Lélia. Por um feminismo afro-latino-americano. In: Revista ISIS Internacional, Vol. IX, junho GUIMARAES, Antônio S. Racismo e anti-racismo no Brasil. São Paulo: Ed. 34, HALL, S. Da diáspora. Identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Ed. UFMG, HASENBALG, Carlos A. Discursos sobre a raça: pequena crônica de In: In: Estudos Afro-asiáticos n.20. Rio de Janeiro: Universidade Cândido Mendes, 1991: HERINGER, Rosana. Políticas de promoção da igualdade racial no Brasil: Um balanço do período In: 1a Conferência Internacional da Rede de Estudos de Ação Afirmativa. Rio de Janeiro: Universidade Cândido Mendes, LAO-MONTES, Agustín. Sin justicia étnico-racial no hay paz: las afro-reparaciones en perspectiva histórico-mundial. In: MOSQUERA, Claudia e BARCELOS, Luiz C. (ed.) Afroreparaciones: Memorias de la Esclavitud y Justicia Reparativa para negros, afro-colombianos y raizales. Bogotá: Universidad Nacional de Colombia, MOORE, Carlos W. Do marco histórico das políticas públicas de ação afirmativa. In: Ações Afirmativas e Combate ao Racismo nas Américas. Brasília: Edições MEC/BID/UNESCO, MOSQUERA, Claudia, BARCELOS, Luiz C. e ARÉVALO, Andrés. Introducción: Contribuciones a los debates sobre las Memorias de la Esclavitud y las Afro-reparaciones en Colombia desde el campo de los estudios afro-colombianos, afro-latinoamericanos, afrobrasileros, afro-estadounidenses y afro-caribeños. In: MOSQUERA, Claudia e BARCELOS, Luiz C. (Ed.) Afro-reparaciones: Memorias de la Esclavitud y Justicia Reparativa para negros, afro-colombianos y raizales. Bogotá: Universidad Nacional de Colombia, ROLAND, Edna. O movimento de mulheres negras brasileiras: desafios e perspectivas. In: GUIMARÃES, Antônio Sérgio Alfredo, HUNTLEY, Linn. (orgs.). Tirando a máscara: ensaios sobre racismo no Brasil. São Paulo: Paz e Terra, 2000: SANTOS, Marcio André de Oliveira. A Persistência Política dos Movimentos Negros Brasileiros: Processo de Mobilização à 3ª Conferência Mundial das Nações Unidas Contra o Racismo. Dissertação de Mestrado Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais/UERJ, Rio de Janeiro,

Os Cursos Pré-Vestibulares para Negros e as Políticas de Cotas nas Instituições de Ensino Superior no Brasil

Os Cursos Pré-Vestibulares para Negros e as Políticas de Cotas nas Instituições de Ensino Superior no Brasil LUGAR COMUM Nº30, pp. 95-100 Os Cursos Pré-Vestibulares para Negros e as Políticas de Cotas nas Instituições de Ensino Superior no Brasil Alexandre do Nascimento Políticas de ação afirmativa são medidas

Leia mais

45ª Semana de Serviço Social. OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade. 14 a 16 de maio de 2014

45ª Semana de Serviço Social. OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade. 14 a 16 de maio de 2014 45ª Semana de Serviço Social OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade 14 a 16 de maio de 2014 Na Copa, comemorar o quê?. É com este mote criativo e provocativo que o Conjunto

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

UNIDADE 5 O MOVIMENTO NEGRO NO BRASIL: SUAS LUTAS E CONQUISTAS

UNIDADE 5 O MOVIMENTO NEGRO NO BRASIL: SUAS LUTAS E CONQUISTAS UNIDADE 5 O MOVIMENTO NEGRO NO BRASIL: SUAS LUTAS E CONQUISTAS Módulo 1 - Aspectos gerais da educação e das relações étnico-raciais Unidade 5- O movimento negro no Brasil: suas lutas e conquistas Objetivos:

Leia mais

OS MANIFESTOS, O DEBATE PÚBLICO E A PROPOSTA DE COTAS

OS MANIFESTOS, O DEBATE PÚBLICO E A PROPOSTA DE COTAS COMO CITAR ESTE TEXTO: NASCIMENTO, Alexandre do. Os Manifestos, o debate público e a proposta de cotas. Revista Lugar Comum: Estudos de Mídia, Cultura e Democracia, n. 23/24. Ou NASCIMENTO, Alexandre do.

Leia mais

ONGs republicanas e democráticas em um novo cenário político

ONGs republicanas e democráticas em um novo cenário político ONGs republicanas e democráticas em um novo cenário político Silvio Caccia Bava Silvio Caccia Bava é sociólogo, coordenador executivo do Instituto Pólis e membro do Conselho Nacional de Segurança Alimentar

Leia mais

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES COMO CITAR ESTE TEXTO: Formato Documento Eletrônico (ISO) NASCIMENTO, Alexandre do. Os Cursos Pré-Vestibulares Populares. [Acesso em dd/mm/aaaa]. Disponível em http://www.alexandrenascimento.com. OS CURSOS

Leia mais

Trabalhando com Projetos

Trabalhando com Projetos Trabalhando com Projetos Educar para a diversidade étnica e cultural investigação e ação Ricardo Luiz da Silva Fernandes Educar para a compreensão da pluralidade cultural é a luta para construção da igualdade

Leia mais

CARTA À POPULAÇÃO BRASILEIRA Construindo um Projeto Político do Povo Negro para o Brasil

CARTA À POPULAÇÃO BRASILEIRA Construindo um Projeto Político do Povo Negro para o Brasil CARTA À POPULAÇÃO BRASILEIRA Construindo um Projeto Político do Povo Negro para o Brasil Há séculos que estamos em luta. Antes contra a escravidão, hoje enfrentamos a discriminação e o racismo. Os anos

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

COTAS, DO DIREITO DE TODOS AO PRIVILÉGIO DE ALGUNS

COTAS, DO DIREITO DE TODOS AO PRIVILÉGIO DE ALGUNS COTAS, DO DIREITO DE TODOS AO PRIVILÉGIO DE ALGUNS Francisco Carlos Vitória Professor de História do Conjunto Agrotécnico Visconde da Graça - Universidade Federal de Pelotas A partir do ano 2000, setores

Leia mais

Educação e Direitos Humanos, Currículo e Estratégias Pedagógicas

Educação e Direitos Humanos, Currículo e Estratégias Pedagógicas Educação e Direitos Humanos, Currículo e Estratégias Pedagógicas Vera Maria Candau * * Pós-Doutora em Educação pela Universidad Complutense de Madrid. Docente da Pontifícia Universidade Católica do Rio

Leia mais

Visibilidade estatística da população afro-descendente da América Latina: aspectos conceituais e metodológicos

Visibilidade estatística da população afro-descendente da América Latina: aspectos conceituais e metodológicos Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) Comissão Européia Visibilidade estatística da população afro-descendente da América Latina: aspectos conceituais e metodológicos Versão preliminar

Leia mais

"Movimentos Sociais e Políticas Públicas na Interface com o Campo de Conhecimento. Maria da Glória Gohn UNICAMP/CNPq

Movimentos Sociais e Políticas Públicas na Interface com o Campo de Conhecimento. Maria da Glória Gohn UNICAMP/CNPq "Movimentos Sociais e Políticas Públicas na Interface com o Campo de Conhecimento UNICAMP/CNPq AGENDA Redes- Conceitos e Tipos Pressupostos Formas de Organização da Ação Coletiva na Sociedade Brasileira

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

Princípios Gerais. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra 15/10/2012

Princípios Gerais. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra 15/10/2012 Princípios Gerais Política Nacional de Saúde Integral da População Negra PORTARIA Nº 992, DE 13 DE MAIO DE 2009 Profª Carla Pintas A Constituição de 1988 assumiu o caráter de Constituição Cidadã, em virtude

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial

Presidência da República Federativa do Brasil. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Presidência da República Federativa do Brasil Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial A SEPPIR CRIAÇÃO A Seppir (Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial)

Leia mais

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR 1 Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR A Definição e organização do sistema: 1 O Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

DESIGUALDADE RACIAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ

DESIGUALDADE RACIAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ 1 DES E PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ INTRODUÇÃO No Brasil, criou-se a ideologia da democracia racial para explicar que as oportunidades

Leia mais

CURSOS NOVOS MATRIZ ORÇAMENTÁRIA 2013 UFRGS/FORPROF RENAFOR

CURSOS NOVOS MATRIZ ORÇAMENTÁRIA 2013 UFRGS/FORPROF RENAFOR CURSOS NOVOS MATRIZ ORÇAMENTÁRIA 2013 UFRGS/FORPROF RENAFOR Marie Jane Soares Carvalho Coordenadora Geral do FORPROF/RENAFOR/UFRGS Maio de 2013 Cursos SECADI - Catálogo EXTENSÃO, APERFEIÇOAMENTO E ESPECIALIZAÇÃO

Leia mais

Desafios e tendências das Políticas para as Mulheres pelas ações da SPM ou o que se poderia chamar de Feminismo de Estado 1

Desafios e tendências das Políticas para as Mulheres pelas ações da SPM ou o que se poderia chamar de Feminismo de Estado 1 1 Desafios e tendências das Políticas para as Mulheres pelas ações da SPM ou o que se poderia chamar de Feminismo de Estado 1 (Texto OPMs Versão Preliminar) A Secretaria de Políticas para as Mulheres da

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília Nome do Evento: Fórum Mundial de Direitos Humanos Tema central: Diálogo e Respeito às Diferenças Objetivo: Promover um

Leia mais

A Educação para e na Diversidade. 28 de abril 2009 São Paulo

A Educação para e na Diversidade. 28 de abril 2009 São Paulo A Educação para e na Diversidade 28 de abril 2009 São Paulo NOSSA MISSÃO Construir, articular, promover e implementar práticas e políticas inclusivas, com os diversos setores da sociedade, para garantir

Leia mais

II Seminário Estadual de Educação em Direitos Humanos Construindo o Plano Estadual de Educação em Direitos Humanos - Eixo Educação Não-Formal

II Seminário Estadual de Educação em Direitos Humanos Construindo o Plano Estadual de Educação em Direitos Humanos - Eixo Educação Não-Formal II Seminário Estadual de Educação em Direitos Humanos Construindo o Plano Estadual de Educação em Direitos Humanos - Eixo Educação Não-Formal Data: 10 e 11 de dezembro de 2010 Local: UFPR Praça Santos

Leia mais

O EDUCADOR E AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS: INCLUSÃO, DIVERSIDADE E IGUALDADE

O EDUCADOR E AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS: INCLUSÃO, DIVERSIDADE E IGUALDADE O EDUCADOR E AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS: INCLUSÃO, DIVERSIDADE E IGUALDADE Kizzy Morejón 1 Luci Riston Garcia 2 Cristiane Camargo Aita 3 Vitor Cleton Viegas de Lima 4 RESUMO Vivemos em uma sociedade que,

Leia mais

AULA 05. Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008

AULA 05. Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008 AULA 05 Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008 FÁBRICA DE IDÉIAS PEDAGÓGICAS CONCURSO PMSP FUND II 2011 (em parceria com a APROFEM e o Jornal dos Concursos)

Leia mais

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS 1. Assegurar com políticas públicas e programas de financiamento o direito dos jovens índios, afrodescendentes, camponeses

Leia mais

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 A Constituição de 1988 criou a possibilidade de que os cidadãos possam intervir na gestão pública. Pela via do controle social, influenciam

Leia mais

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA http:///br/resenhas.asp?ed=8&cod_artigo=136 Copyright, 2006. Todos os direitos são reservados.será permitida a reprodução integral ou parcial dos artigos, ocasião em que deverá ser observada a obrigatoriedade

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA SE-001/2011

TERMO DE REFERÊNCIA SE-001/2011 TERMO DE REFERÊNCIA SE-001/2011 Objeto da contratação Consultor sênior Título do Projeto Projeto BRA 07/010 Designação funcional Duração do contrato Consultoria por produto 04 meses Data limite para envio

Leia mais

AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO

AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO Área Temática: Educação Coordenador: Adilson de Angelo 1 Autoras: Neli Góes Ribeiro Laise dos

Leia mais

Programa Interagencial de Promoção da Igualdade de

Programa Interagencial de Promoção da Igualdade de TERMO DE REFERÊNCIA Título do Projeto Gênero, Raça e Etnia Designação funcional Tipo de contrato Duração do contrato Programa Interagencial de Promoção da Igualdade de Consultoria por produto SSA 5 meses

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE

DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE UFMG, BELO HORIZONTE, BRASIL 16 a 19 de setembro de 2007.

Leia mais

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

Reunião Plenária Final da

Reunião Plenária Final da Reunião Plenária Final da Conferência Regional das Américas sobre Avanços e Desafios no Plano de Ação contra o Racismo, a Discriminação Racial, a Xenofobia e as Intolerância Correlatas Resumo da Presidenta

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Aos 21 de março de 2014, dia em que o mundo comemora o Dia Internacional contra a Discriminação Racial instituído pela ONU em 1966, adotamos o presente Pacto

Leia mais

Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural

Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural Coordenação de Diversidade SECAD/MEC Professora Leonor Araujo A escola é apontada como um ambiente indiferente aos

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães) Institui feriado nacional no dia 20 de novembro, Dia Nacional da Consciência Negra, data que lembra o dia em que foi assassinado, em 1695, o líder Zumbi,

Leia mais

As desigualdades sociorraciais no Brasil

As desigualdades sociorraciais no Brasil 1 A Coordenação Nacional de Entidades Negras (Conen) e as eleições de 2010 As desigualdades sociorraciais no Brasil No Brasil republicano do século 21 existe igualdade apenas no papel da Lei. Não há efetivamente

Leia mais

Movimento Negro Contemporâneo: Lutas e desafios

Movimento Negro Contemporâneo: Lutas e desafios Movimento Negro Contemporâneo: Lutas e desafios *Valdisio Fernandes Para pensar o movimento negro contemporâneo é preciso buscar algumas referências no passado. Eis alguns marcos centrais: Luta e resistência

Leia mais

Salvador e Lauro de Freitas discutem saúde e religiões afro-brasileiras

Salvador e Lauro de Freitas discutem saúde e religiões afro-brasileiras Salvador e Lauro de Freitas discutem saúde e religiões afro-brasileiras Fotos: Alberto Lima Nos dias 14 e 15 de setembro, as Secretarias da Saúde de Salvador e Lauro de Freitas, Bahia, promoveram o I Seminário

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL CÚPULA DOS POVOS NA RIO+20 POR JUSTIÇA SOCIAL E AMBIENTAL EM DEFESA DOS BENS COMUNS, CONTRA A MERCANTILIZAÇÃO DA VIDA.

DECLARAÇÃO FINAL CÚPULA DOS POVOS NA RIO+20 POR JUSTIÇA SOCIAL E AMBIENTAL EM DEFESA DOS BENS COMUNS, CONTRA A MERCANTILIZAÇÃO DA VIDA. DECLARAÇÃO FINAL CÚPULA DOS POVOS NA RIO+20 POR JUSTIÇA SOCIAL E AMBIENTAL EM DEFESA DOS BENS COMUNS, CONTRA A MERCANTILIZAÇÃO DA VIDA. Movimentos sociais e populares, sindicatos, povos, organizações da

Leia mais

ANÁLISE DE CICLO POLÍTICAS PÚBLICAS DE AÇÕES AFIRMATIVAS PARA INDÍGENAS : REFLEXÕES PRELIMINARES SOBRE A UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL

ANÁLISE DE CICLO POLÍTICAS PÚBLICAS DE AÇÕES AFIRMATIVAS PARA INDÍGENAS : REFLEXÕES PRELIMINARES SOBRE A UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL 913 ANÁLISE DE CICLO POLÍTICAS PÚBLICAS DE AÇÕES AFIRMATIVAS PARA INDÍGENAS : REFLEXÕES PRELIMINARES SOBRE A UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL Erika Kaneta Ferri Universidade Estadual de Mato

Leia mais

O MOVIMENTO DOS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES PARA NEGROS E A POLÍTICAS DE COTAS NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR

O MOVIMENTO DOS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES PARA NEGROS E A POLÍTICAS DE COTAS NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR O MOVIMENTO DOS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES PARA NEGROS E A POLÍTICAS DE COTAS NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR Alexandre do Nascimento Dr. Serviço social (UFRJ) Professor da FAETEC-RJ Políticas de ações

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 4.886, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2003. Institui a Política Nacional de Promoção da Igualdade Racial - PNPIR e dá

Leia mais

PRESIDÊNCIA GRUPO DE MULHERES PARLAMENTARES DAS AMÉRICAS DO FIPA

PRESIDÊNCIA GRUPO DE MULHERES PARLAMENTARES DAS AMÉRICAS DO FIPA RELATÓRIO 2009-2011 PRESIDÊNCIA GRUPO DE MULHERES PARLAMENTARES DAS AMÉRICAS DO FIPA Linda Machuca Moscoso Membro da Assembléia Nacional do Equador RESUMO EXECUTIVO DO RELATÓRIO 2009-2011 Este resumo executivo

Leia mais

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal.

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal. Educação Não-Formal Todos os cidadãos estão em permanente processo de reflexão e aprendizado. Este ocorre durante toda a vida, pois a aquisição de conhecimento não acontece somente nas escolas e universidades,

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

Ação Orçamentária - Padronizada Setorial 14U2 - Implantação, Instalação e Modernização de Espaços e Equipamentos Culturais

Ação Orçamentária - Padronizada Setorial 14U2 - Implantação, Instalação e Modernização de Espaços e Equipamentos Culturais Momento do Tipo de Temático Macrodesafio Fortalecer a cidadania Eixo Desenvolvimento Social e Erradicação da Miséria Valor de Referência para Individualização de Projetos em Iniciativas Esferas Fiscal

Leia mais

ENTUSIASMO PELA EDUCAÇÃO E O OTIMISMO PEDAGÓGICO. pesquisadores da educação, como também é considerado ponto de virada de

ENTUSIASMO PELA EDUCAÇÃO E O OTIMISMO PEDAGÓGICO. pesquisadores da educação, como também é considerado ponto de virada de ENTUSIASMO PELA EDUCAÇÃO E O OTIMISMO PEDAGÓGICO Irene Domenes Zapparoli - UEL/ PUC/SP/ehps zapparoli@onda.com.br INTRODUÇÃO Jorge Nagle com o livro Educação e Sociedade na Primeira República consagrou-se

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

SEDE NACIONAL DA CAMPANHA

SEDE NACIONAL DA CAMPANHA Campanha Ponto Final na Violência contra as Mulheres e Meninas SEDE NACIONAL DA CAMPANHA REDE NACIONAL FEMINSTA DE SAÚDE, DIREITOS SEXUAIS E DIREITOS REPRODUTIVOS Avenida Salgado Filho, 28, cj 601. Porto

Leia mais

Partido Popular de Liberdade de Expressão Afro-Brasileira - PPLE

Partido Popular de Liberdade de Expressão Afro-Brasileira - PPLE Partido Popular de Liberdade de Expressão Afro-Brasileira - PPLE Manifesto Liberdade Maior e Primeira é a Liberdade de Expressão. Sob os olhos dos nossos antepassados, que na escravidão tanto lutaram pela

Leia mais

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

AS POLÍTICAS DE COTAS PARA O ACESSO DE NEGROS AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL E A IMPORTÂNCIA DOS CURSOS PRÉ VESTIBULARES PARA NEGROS NA SUA CONSOLIDAÇÃO

AS POLÍTICAS DE COTAS PARA O ACESSO DE NEGROS AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL E A IMPORTÂNCIA DOS CURSOS PRÉ VESTIBULARES PARA NEGROS NA SUA CONSOLIDAÇÃO IX SEMINÁRIO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA, SOCIEDADE E EDUCAÇÃO NO BRASIL Universidade Federal da Paraíba João Pessoa 31/07 a 03/08/2012 Anais Eletrônicos ISBN 978-85-7745-551-5 AS POLÍTICAS

Leia mais

Professor Ubiratan Castro de Araujo na Fundação Cultural PALMARES

Professor Ubiratan Castro de Araujo na Fundação Cultural PALMARES 1 Professor Ubiratan Castro de Araujo na Fundação Cultural PALMARES O ano de 2003 foi emblemático para o Brasil. A cultura negra não ficou imune a esse vendaval de mudanças. Luis Inácio Lula da Silva,

Leia mais

AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Rosa Maria Cavalheiro Jefferson Olivatto da Silva UNICENTRO Resumo: No Brasil, a abordagem das questões relacionadas História e Cultura Afro-Brasileira e

Leia mais

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Introdução No Brasil, a questão étnico-racial tem estado em pauta, nos últimos anos, em debates sobre políticas

Leia mais

RAÇA BRASIL TEMAS & CÓDIGOS GRUPOS TEMÁTICOS

RAÇA BRASIL TEMAS & CÓDIGOS GRUPOS TEMÁTICOS Personalidade Personalidade Carreira 521 Personalidade Personalidade Perfil 412 Estética Cabelos Femininos 157 Negritude Discriminação Racial 130 Sociedade Eventos 122 Estética Moda Feminina & Masculina

Leia mais

FUNDAÇÃO JOÃO MANGABEIRA

FUNDAÇÃO JOÃO MANGABEIRA FUNDAÇÃO JOÃO MANGABEIRA ESCOLA MIGUEL ARRAES A Fundação João Mangabeira é organizada em vários setores como História Viva para abrigar e documentar a vida do PSB, o setor de promoção de eventos e seminários,

Leia mais

As políticas de diversidade no governo Lula: inclusão e reconhecimento AS POLÍTICAS DE DIVERSIDADE NO GOVERNO LULA: INCLUSÃO

As políticas de diversidade no governo Lula: inclusão e reconhecimento AS POLÍTICAS DE DIVERSIDADE NO GOVERNO LULA: INCLUSÃO E RECONHECIMENTO* 32 Sidney Reinaldo Silva* 33 As políticas de diversidade no governo Lula: inclusão e reconhecimento AS POLÍTICAS DE DIVERSIDADE NO GOVERNO LULA: INCLUSÃO A diversidade pode ser entendida

Leia mais

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Este Tratado, assim como a educação, é um processo dinâmico em permanente construção. Deve portanto propiciar a reflexão,

Leia mais

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Economia solidária: Uma ferramenta para construção do feminismo

Leia mais

UNIDADE 10 PARA UMA EDUCAÇAO ANTIRRACISTA

UNIDADE 10 PARA UMA EDUCAÇAO ANTIRRACISTA UNIDADE 10 PARA UMA EDUCAÇAO ANTIRRACISTA Módulo 1 - Aspectos gerais da educação e das relações étnico-raciais Unidade 10 - Para uma educação antirracista Objetivos: Analisar o conceito de multiculturalismo;

Leia mais

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Institui a Política Nacional de Participação Social - PNPS e o Sistema Nacional de Participação

Leia mais

A Face Negra do Brasil Multicultural

A Face Negra do Brasil Multicultural A Face Negra do Brasil Multicultural Dulce Maria Pereira* O Estado brasileiro, pela primeira vez na sua história, trata das desigualdades raciais como uma questão nacional específica, relevante, importante

Leia mais

OBJETO DA CONTRATAÇÃO

OBJETO DA CONTRATAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA Título do Projeto Designação funcional Tipo de contrato Duração do contrato Programa Interagencial de Promoção da Igualdade de Gênero, Raça e Etnia (F079) Consultora SSA 5 meses Data

Leia mais

ANAIS DA 65ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC RECIFE, PE JULHO/2013

ANAIS DA 65ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC RECIFE, PE JULHO/2013 ANAIS DA 65ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC RECIFE, PE JULHO/2013 Atividade: Mesa-Redonda (MR-02) Título: OS POVOS INDÍGENAS E AS DEMANDAS POLÍTICAS NO BRASIL ATUAL Instituição Proponente: ABA Coordenador: Vânia

Leia mais

Áfricas e afro-brasileiros nos currículos

Áfricas e afro-brasileiros nos currículos Programa 5 Áfricas e afro-brasileiros nos currículos Bel Santos 1 A Lei n. 10.639/2003 altera a LDB e o olhar sobre a presença dos negros no Brasil e transforma a educação escolar A alteração dos artigos

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 14. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 14. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 14 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua MECANISMOS LEGAIS E INSTITUCIONAIS QUANTO A GÊNERO GENERO Programa Assistência Integral à Saúde da Mulher (PAISM) Central de Atendimento à

Leia mais

Multiculturalismo e Direitos Humanos

Multiculturalismo e Direitos Humanos Multiculturalismo e Direitos Humanos Vera Maria Candau Articular igualdade e diferença: uma exigência do momento Multiculturalismo na realidade latino-americana A questão das políticas de ação afirmativa

Leia mais

MOVIMENTO PRÉ-VESTIBULAR PARA NEGROS E CARENTES Histórico, Organização e Perspectivas

MOVIMENTO PRÉ-VESTIBULAR PARA NEGROS E CARENTES Histórico, Organização e Perspectivas COMO CITAR ESTE TEXTO: Formato Documento Eletrônico (ISO) NASCIMENTO, Alexandre do. O Movimento Pré-Vestibular para Negros e Carentes: Hostórico, Organização e Proposta. [Acesso em dd/mm/aaaa]. Disponível

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 CONSIDERAÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES SPM...5

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 CONSIDERAÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES SPM...5 PLANO MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES ICATÚ 2013-2015 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 CONSIDERAÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES SPM...5 1. PRINCÍPIOS DA POLÍTICA NACIONAL PARA AS

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

O Conselho Estadual de Educação do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições e considerando:

O Conselho Estadual de Educação do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições e considerando: GOVERNO DA PARAÍBA Secretaria de Estado da Educação e Cultura Conselho Estadual de Educação RESOLUÇÃO Nº 198/2010 REGULAMENTA AS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E O

Leia mais

DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS AS E ADOLESCENTES NO BRASIL.

DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS AS E ADOLESCENTES NO BRASIL. PRINCÍPIOS PIOS DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS AS E ADOLESCENTES NO BRASIL. Contextualização A elaboração da Política Nacional e do Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças

Leia mais

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão.

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão. A MÚSICA NA SOCIALIZAÇÃO DAS MENINAS DE SINHÁ GIL, Thais Nogueira UFMG thaisgil@terra.com.br GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: CAPES O que acontece quando os sujeitos excluídos

Leia mais

Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate

Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate ALEXANDRE DE SOUZA RAMOS 1 Saúde como direito de cidadania e um sistema de saúde (o SUS) de cunho marcadamente

Leia mais

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades #ElesPorElas Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades ElesPorElas Criado pela ONU Mulheres, a Entidade das Nações Unidas para

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Tema: Consciência Negra Público-alvo: O projeto é destinado a alunos do Ensino Fundamental - Anos Finais Duração: Um mês Justificativa:

Leia mais

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas 1. O Passado das ciências (Integração). O papel das Ciências Humanas? 2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas Contexto

Leia mais

1. DADOS DO PROJETO 2. ANTECEDENTES

1. DADOS DO PROJETO 2. ANTECEDENTES Data limite para apresentação de candidaturas: 08 de julho de 2015 Endereço eletrônico para envio de candidaturas: cddbr@uol.com.br Identificação a ser utilizada como título do e-mail de candidatura: A

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

Reforma do Sistema Político

Reforma do Sistema Político Reforma do Sistema Político Texto preparatório e questões norteadoras Data: 17/07/2013 Local: Centro de Estudos Helênicos, Areté. Roda de Conversa: Reforma do Sistema Político Data: 17.07.2013 Espaço Areté

Leia mais

JORNADA DAS MARGARIDAS 2013

JORNADA DAS MARGARIDAS 2013 JORNADA DAS MARGARIDAS 2013 PAUTA INTERNA 1 - ORGANIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SINDICAL 1 Assegurar condições de igualdade para homens e mulheres exercerem com autonomia o trabalho sindical nas diversas secretarias

Leia mais

As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial

As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial Introdução Este documento foi elaborado e aprovado pela Equipe de País do Sistema das Nações Unidas no Brasil em resposta ao interesse

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA EDUCAÇÃO, CURRÍCULO E DIVERSIDADE CULTURAL RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Michelly Spineli de Brito Campos Vieira/Prefeitura de Itapissuma-PE Paloma Viana de

Leia mais