Agroindústria familiar: problemas e melhorias para a região do Alto Uruguai Catarinense

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Agroindústria familiar: problemas e melhorias para a região do Alto Uruguai Catarinense"

Transcrição

1 Agroindústria familiar: problemas e melhorias para a região do Alto Uruguai Catarinense CLADECIR ALBERTO SCHENKEL 1 DEBORA DE MOURA 2 TANICE ANDREATTA 3 RESUMO O presente trabalho busca avaliar aspectos voltados à execução de projetos ligados ao desenvolvimento de agroindústrias familiares de pequeno porte na região do Alto Uruguai Catarinense. O problema que norteia o trabalho está focado nos serviços de assistência técnica prestados pelas instituições públicas aos agricultores familiares da região, mais especificamente acerca de agroindústrias. O objetivo central é o de avaliar, sob a ótica do agricultor familiar, como as ações das agências públicas vem sendo desenvolvidas junto às agroindústrias familiares de pequeno porte. Mais especificamente, é feita a caracterização da região e seus principais problemas, a apresentação da situação atual das agroindústrias e a elaboração de propostas que venham a minimizar os problemas apontados. Metodologicamente é uma pesquisa exploratória, do tipo estudo de caso. Estes casos referem-se a dois estudos realizados por alunos e professores da Universidade do Contestado Campus de Concórdia, respectivamente, com seis frigoríficos de cinco municípios da região e com cinco agroindústrias familiares incubadas na Incubadora Agroindústria de Concórdia IAC, durante o mês de Janeiro de A coleta de dados apresentou problemas voltados à gestão ambiental, tais como, a alocação de resíduos sólidos e líquidos, e de gestão administrativa, tais como, a elaboração de preços, a organização da produção e controle de custos. Sendo assim, as principais propostas apontadas podem ser agrupadas em quatro pontos centrais: a capacitação dos profissionais envolvidos na condução e assistência dos projetos; capacitação dos agricultores familiares; maior interação entre os profissionais e os agricultores e, por fim, criação de parcerias entre as instituições envolvidas diretamente com organizações não governamentais ONGs - e instituições de ensino e pesquisa presentes na região. PALAVRAS-CHAVE: Agroindústria familiar, assistência, agricultura familiar. 1 Mestre em Desenvolvimento Agricultura e Sociedade CPDA/UFRRJ, professor dos cursos de Gestão Ambiental, Economia Agroindustrial e Administração da Universidade do Contestado UnC/Concordia SC. Rua Leandro M. D. Costa, 71 cs 12 Bairro Imigrantes - Concórdia SC - 2 Mestre em Agronegócios - CEPAN/UFRGS, professora do curso de Administração e Química Industrial de Alimentos da Universidade do Contestado UnC/Concordia SC. Travessa Antônio Brunetto, 105/1003 Concórdia SC 3 Mestre em Desenvolvimeto Rural PGDR/UFRGS, professora do curso de Economia Agroindustrial da Universidade do Contestado UnC/Concordia SC. Travessa Antônio Brunetto, 105/1003 Concórdia SC

2 INTRODUÇÃO A região do Alto Uruguai Catarinense, situada no Meio Oeste do estado de Santa Catarina, é conhecida pela sua tradição agrícola familiar, pela presença de grandes frigoríficos, tais como a Sadia e a Seara, e, mais recentemente, também pelos problemas ambientais decorrentes da expansão e concentração da produção de suínos de aves. O presente trabalho é fruto das preocupações que vem sendo alimentadas pelo contato direto com algumas das pequenas agroindústrias rurais familiares instaladas na região do Alto Uruguai Catarinense, a partir da experiência da Incubadora Agroindustrial de Concórdia IAC. Estas agroindústrias são resultantes de iniciativas dos próprios agricultores e do poder público, para fazer frente ao quadro de exclusão dos agricultores familiares em curso, a partir da reestruturação do sistema de integração às grandes agroindústrias (fornecimento de matéria-prima) e da abertura comercial. É preciso dizer que tais iniciativas não se restringem ao incentivo para a implantação de pequenas agroindústrias rurais, mas são as que se destacam. A busca de alternativas para a viabilização das unidades de produção agrícola familiar certamente é uma necessidade do ponto de vista social e econômico. Cabe, entretanto, averiguar se os encaminhamentos que estão sendo dados pelos órgãos e agências competentes permitem soluções de longo prazo ou se, talvez no afã de apontar soluções para o caso, podem comprometer em futuro próximo todo o trabalho e investimento realizado atualmente. Não se trata aqui de julgar os serviços prestados pelas agências de fomento e de assistência técnica públicas, mas de perceber o trabalho que está sendo desenvolvido a partir da perspectiva do agricultor familiar. Assim, o que se busca é analisar eventuais falhas que possam estar acontecendo e apontar formas de aperfeiçoamento do trabalho realizado junto aos agricultores familiares e de sua metodologia, tendo como fim fortalecer a proposta das agroindústrias rurais de pequeno porte enquanto alternativas de longo prazo, evitando-se, no que couber, problemas decorrentes de falhas na gestão econômico-financeira e ambiental destas unidades. Diante do exposto este artigo apresenta como questão central, o seguinte problema: como têm sido realizados os serviços de assessoria e assistência pelas instituições públicas aos agricultores familiares para a organização e implementação dos projetos agroindustriais rurais de pequeno porte na região do Alto Uruguai Catarinense? OBJETIVOS Geral Avaliar, sob a ótica do agricultor familiar, as ações que vêm sendo desenvolvidas pelas agências de fomento e assistência às agroindústrias rurais de pequeno porte. Específicos Caracterizar a agricultura familiar da região e seus principais problemas; Verificar a situação atual das agroindústrias rurais e de pequeno porte da região; 2

3 Propor sugestões que contribuam para a solução dos problemas apresentados. METODOLOGIA O presente trabalho consiste em uma pesquisa exploratória, uma vez que este método de pesquisa tem como objetivo, proporcionar uma visão geral acerca de determinado fato, ou seja, busca esclarecer soluções para problemas passíveis de investigação, mediante procedimentos mais sistematizados, (GIL, 1995). Neste sentido, busca-se apresentar os principais problemas que vem sendo enfrentados pelas agroindústrias familiares e de pequeno porte da região, uma vez que, na busca de soluções para a permanência do produtor rural no campo, a manutenção da cultura e tradição da região e sua contribuição no desenvolvimento econômico nacional e até internacional, venha realmente surtir o efeito desejado. O tipo de pesquisa realizado é considerado multicaso por ser caracterizado como um estudo aprofundado de um ou poucos objetos, cujo objetivo é permitir um conhecimento amplo e detalhado de determinado caso (GIL,1995). Sendo assim, foram realizados dois estudos, um pelos alunos do curso de Gestão Ambiental da UnC/Concórdia e o segundo pelos professores coordenadores da Incubadora Agroindustrial de Concórdia IAC, também vinculada a mesma universidade. O primeiro caso foi realizado na região da Associação dos Municípios do Alto Uruguai Catarinense AMAUC, mais especificamente nos municípios de Concórdia, Seara, Ipumirim, Arabutã e Lindóia do Sul, cujo objetivo central era obter informações quanto à gestão ambiental. Selecionaram-se seis frigoríficos nos quais foram feitas visitas e entrevistas com os responsáveis, durante o mês de janeiro de O segundo caso, realizado pela IAC, foi constituído de um diagnóstico com as cinco agroindústrias incubadas produtoras de frutas cristalizadas, vinho, geleado de laranja, derivados de cana-de-açúcar (cachaça, açúcar mascavo e melado) e embalagens para carvão. A partir deste diagnóstico, também realizado em janeiro de 2004 buscou-se levantar problemas acerca da gestão administrativa das respectivas agroindústrias. 3

4 CARACTERIZAÇÃO REGIONAL A colonização da região do Alto Uruguai Catarinense se inscreve na história de imigração e colonização realizada na região Sul do Brasil a partir de 1824, quando, sob a direção do Governo Imperial brasileiro, se deu início ao processo de atração de imigrantes europeus não portugueses ao Brasil, com o objetivo de promover a ocupação de territórios pouco ou não ocupados, como mecanismo de defesa da posse dos mesmos, especialmente no Sul do Brasil, onde a disputa territorial com os povos do Plata era constante (SCHENKEL, 1997; ROCHE, 1969). Tal processo de colonização, interrompido entre 1830 e 1847 por razões diversas, foi retomado a partir da segunda metade do século XIX, já com vistas ao suprimento de mão-de-obra para as lavouras cafeeiras do centro do país, dada a crise do trabalho escravo advinda do combate da Inglaterra ao comércio de africanos (PETRONE, 1976; PETRONE, 1984; OBERACKER, 1976; HOLANDA, 1976; HOLANDA, 1991; PRADO JÚNIOR, 1967). As colônias instaladas inicialmente no Vale do Rio dos Sinos no Rio Grande do Sul, alastram-se serra acima na segunda metade do século XIX, alcançando o Planalto Norte e o Oeste de Santa Catarina, já nas primeiras décadas do século XX. Tal expansão foi resultante de um conjunto de fenômenos interdependentes e complementares, dos quais destacam-se: a pouca influência do latifúndio exportador sobre a região; a contestação da Argentina sobre a posse da região e a ameaça de invasão; a promulgação da lei de terras; o tamanho exíguo dos lotes de terras destinadas aos imigrantes, forçando os descendentes à continuidade do processo migratório em busca da reprodução social e familiar; a abertura dos meios de comunicação ligando o sul ao centro do país, propiciando a incorporação definitiva da região à produção nacional, especialmente a construção da Estrada de Ferro São Paulo Rio Grande, ligando Santa Maria no Rio Grande do Sul à Itararé em São Paulo (SANTOS, 1978; SANTOS, 1993; PETRONE, 1984; WERLANG, 1994; SCHENKEL, 1997). Formou-se uma sociedade com traços significativamente distintos nas regiões de colonização em relação aquela formada nos trópicos, que teve por base o latifúndio, a agricultura de monocultura e de exportação e o trabalho escravo. A sociedade organizava-se sob o modelo de colônias de povoamento, ancorados numa produção de gêneros alimentícios voltados ao mercado interno, na pequena propriedade, no trabalho familiar, na policultura, na diversificação das atividades econômicas, que incluíam atividades de artesanato, manufatura, indústria e comércio ligados às necessidades das colônias, bem como, no desenvolvimento de um tecido social complexo em relação à simplicidade do modelo social implantado nas áreas de plantation. (HOLANDA, 1991; ROCHE, 1969; OBERACKER, 1976). Imediatamente após a construção da referida estrada de ferro, e por contrato firmado entre a companhia responsável pela construção da obra e o governo brasileiro, foi dado início ao processo de colonização da região do Oeste de Santa Catarina. Foram atraídos, especialmente, os descendentes de imigrantes italianos e alemães oriundos do Rio Grande do Sul que implantaram na região um modelo social e econômico semelhante ao praticado nas colônias do Rio Grande do Sul (FERREIRA, 1992; THOMÉ, 1992; WERLANG, 1994; SCHENKEL, 1997). A região do Alto Uruguai Catarinense foi colonizada a partir do início da década de vinte, do século XX. Mais especificamente, a partir da transferência da responsabilidade pela colonização 4

5 da região da Brazil Railway Company para outras companhias, quais sejam: à Companhia Luce e Rosa, a Colônia de Uvá; à Companhia Capelli, a Colônia de Rancho Grande; à Empresa Brum, as da região de Suruvi; e à Sociedade Territorial Mosele, Eberle, Ahrons e Companhia as Colônias de Sertãozinho e de Rio Engano, dentre outras (FERREIRA, 1992; SCHENKEL, 1997). Desde o início do processo de ocupação destacaram-se na região, além das atividades de produção agrícola e animal, a produção de milho, o feijão, o trigo, a alfafa, os suínos e outros, as atividades artesanais, dentre as quais as de transformação, com a fabricação artesanal (colonial) de embutidos e outros derivados da carne, queijos e demais derivados do leite, doces e compotas, conservas e outras (SCHENKEL, 1997). O desenvolvimento da região ao longo do século XX foi decisivamente influenciado pelo desenvolvimento das agroindústrias que surgiram e prosperaram como resultado das atividades realizadas pela agricultura familiar regional, tais como, a Sadia e a Seara, para citar duas empresas que surgiram na região do Alto Uruguai (TORMEM e FERREIRA, 1987; SCHENKEL, 1997). O processo de modernização da agricultura, ocorrido no Brasil como um todo, teve reflexos decisivos no cenário agrícola da região em foco. Tal processo caracterizou-se pela integração do agricultor familiar, enquanto consumidor de insumos de produção e fornecedor de matéria-prima, ao processo de produção agroindustrial, especialmente no setor de carnes (SORJ, POMPERMAYER, CORADINI, 1982; BELATTO, 1985). As agroindústrias da região, especialmente a Sadia, foram pioneiras neste processo de integração da produção agrícola familiar à produção agroindustrial, submetendo aos agricultores o padrão tecnológico de produção de interesse da indústria. No bojo deste processo, foi exigido que o agricultor familiar produzisse em quantidade, épocas e volumes segundo interesses da agroindústria. Em nome da qualidade e produtividade, foram promovidas profundas transformações no processo de produção, envolvendo o emprego de raças melhoradas e de ração balanceada, a construção de instalações adequadas, o emprego de máquina e equipamentos, o uso de fármacos, dentre outros, num processo que ficou conhecido como de industrialização da produção agrícola (MULLER, 1982; MOREIRA, 1982). Constitui, assim, parte do fenômeno mais geral ocorrido na agricultura brasileira a partir de meados do século passado, qual seja, a implantação da Revolução Verde (GRAZIANO DA SILVA, 1999; MOREIRA, 1982). Com a Revolução Verde, houveram significativos ganhos de produtividade, aumento de produção, padronização da produção, dentre outros. Entretanto, ela se fez acompanhar de mudanças sócio-econômicas também significativas: a especialização da produção, a perda da autonomia de decisão, a monetarização das atividades, a inserção e dependência crescente em relação ao mercado e ao crédito agrícola, a concentração da produção e a exclusão de agricultores familiares, dentre outras (GRAZIANO DA SILVA, 1999; MOREIRA, 1999 e outros). O processo de exclusão foi reforçado na década passada com a abertura econômica brasileira ao comércio internacional, pois submeteu os já descapitalizados agricultores familiares brasileiros à concorrência com agricultores de outros países, em situação muitas vezes de desigualdade, seja em função de subsídios agrícolas concedidos aos agricultores de outros países, seja em função de restrições de mercado (de ordem sanitária ou não), seja em função da definição de cotas, como é caso da carne suína na Rússia. 5

6 É dentro deste quadro que a busca por alternativas econômicas toma corpo junto à comunidade regional. Encontrar alternativas para a geração de renda e emprego para a agricultura familiar tem o significado de promover o estancamento do processo de exclusão e, mais do que isso, de revertê-lo, de passar a incluir. Dentre as medidas tomadas neste sentido, valem ser destacadas as ações das agências públicas de crédito, pesquisa e extensão rural, as quais, apesar da tônica central estar orientada para os interesses da Revolução Verde, têm desenvolvido relevante trabalho no sentido de propiciar alternativas sócio-econômicas para a agricultura familiar, tais como, a agregação de valor aos produtos através da industrialização rural em pequenas agroindústrias. Este programa, na região em foco, como em todo o Oeste de Santa Catarina, teve fomento e foi incentivado por diversos órgãos federais (EMBRAPA, PRONAF, Desenvolver e outros), estaduais (Desenvolver, EPAGRI e outros) e municipais (Secretarias Municipais de Agricultura), permeou a pesquisa, a extensão e o processo de formação de agricultores, através dos Centros de Treinamento de Agricultores da EPAGRI. Da mesma forma, são merecedoras de reconhecimento, embora não constituam alvo deste, o conjunto de ações empreendidas pelas ONG s, especialmente no que tange ao fomento da agroecologia, formação de associações e cooperativas de agricultores familiares, do resgate de sementes e da agroindústria rural de pequeno porte. AGRICULTURA FAMILIAR Traço característico da agricultura regional é o seu caráter familiar. Para Lamarche, a exploração familiar corresponde a uma unidade de produção agrícola onde a propriedade e o trabalho estão intimamente ligados à família (1993, p. 15). De acordo com o projeto de Cooperação Técnica realizado pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária e Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, um estabelecimento agrícola tipicamente familiar é aquele em que a direção dos trabalhos é exercida pelo produtor e que o trabalho familiar sobreponha-se ao trabalho contratado, além da extensão territorial das unidades de produção, limitadas regionalmente, mas, via-de-regra, de pequeno porte (INCRA/FAO, 2000). Como aponta Lamarche (1993), a agricultura familiar apresenta grande diversidade, cujas formas assumidas não permitem compreendê-la como um modelo único, enquanto classe social no sentido marxista. Se bem que esta afirmação tenha como referência a presença da agricultura familiar em todo mundo, independentemente dos sistemas sócio-políticos vigentes e do grau de reconhecimento e de participação na econômica, na região do Alto Uruguai Catarinense tal afirmativa se aplica para o entendimento da diversidade de formas assumidas por ela. Neste contexto, a exploração familiar não é um elemento da diversidade social, mas contém em si mesma toda esta diversidade. Pode ser definida como um modelo de funcionamento da exploração agrícola, subdividida em classes sociais no interior do próprio modelo, estas determinadas pela capacidade de apropriação dos meios de produção e de desenvolvê-los. Devese estudá-la numa totalidade, isto é, deve-se considerar a influência dos diferentes níveis da 6

7 realidade na sua capacidade de adaptação e de reprodução, tendo como eixo o grau de integração à economia de mercado (LAMARCHE, 1993). Propõe, para efeito de análise, os conceitos de modelo original (memória) e modelo ideal (ambição). O modelo original consiste num modelo anterior ao qual o agricultor familiar necessariamente se refere, depende do contexto histórico específico do grupo (LAMARCHE, 1993). No caso em foco, conforme apontado, a tradição oriunda do processo de colonização, como o trabalho árduo, o pioneirismo e a etnicidade, com matizes de economia camponesa, compõe este modelo original (SCHENKEL, 1997). O modelo ideal, por outro lado, é a projeção para o futuro de uma imagem idealizada da exploração e um conjunto de estratégias é adotado para que se alcance tal situação esperada. Segundo a importância da lógica familiar e do grau de dependência ao mercado para o funcionamento da unidade, Lamarche (1993) distingue quatro tipos de modelos ideais: modelo empreendimento familiar, em que o objetivo é a realização de uma produção para o mercado, permanecendo o trabalho essencialmente familiar; modelo familiar, em que finalidade essencial é a reprodução da família e não da unidade de produção; modelo subsistência, em que o objetivo é a simples sobrevivência da família; e o modelo empreendimento agrícola, cujo objetivo é uma exploração agrícola voltada ao mercado, realizada com trabalho assalariado e para a obtenção de um ganho máximo. A questão referente ao comportamento econômico é bastante complexa e delicada, pois os colonos (agricultores familiares) sempre mantiveram relações com o mercado, desde os princípios do processo de colonização, embora, conforme apontado, com matizes da racionalidade camponesa. Com a implementação da política de modernização da agricultura brasileira, a partir de meados do século passado, na região representada pelo processo de integração da produção agrícola familiar a produção agroindustrial, foi estabelecido, de fora, um padrão tecnológico e um controle do volume de produção e da época de venda, aprofundando a integração ao mercado e intensificando a interferência de fatores externos à racionalidade interna da unidade de produção familiar (SCHENKEL, 1997). Como aponta Abramoway (1992), a racionalidade da organização de uma agricultura familiar altamente integrada ao mercado, capaz de incorporar os avanços técnicos e de responder às políticas governamentais, não depende mais da família em si mesma, mas de sua capacidade de adaptar-se e de montar um comportamento adequado ao meio social em que está inserida. Por outro lado, o que se percebe na região em foco, é uma multiplicidade de modelos, com base em Lamarche, de agricultores familiares, sendo encontrados representantes do modelo empreendimento agrícola - altamente integrados ao mercado, com uso de mão-de-obra assalariada e voltados à obtenção de ganho máximo até representantes do modelo de subsistência sobrevivência da família. Em função do processo de exclusão em curso, decorrente da reformulação do processo de integração pelas agroindústrias e da abertura comercial, há uma diminuição do número de agricultores altamente integrados, e uma elevação daqueles que se aproximam do modelo de subsistência; de maneira geral, pode-se dizer que está ocorrendo um empobrecimento generalizado dos agricultores familiares da região. É o que justifica a busca pelas alternativas de emprego e renda. 7

8 AGROINDÚSTRIA As agroindústrias constituem um subsistema constituinte do grande sistema denominado como agronegócio, que se encontra a jusante da agricultura. Assim como as grandes agroindústrias, as pequenas, geralmente formadas por agricultores familiares também contribuem de maneira relevante para o desenvolvimento econômico do país. De acordo com dados do Ministério do Desenvolvimento Agrário (2003), a participação da agricultura familiar representa mais de 84% dos imóveis rurais do país, constituindo mais de 4,1 milhões de estabelecimentos do meio rural. A produção destes estabelecimentos é responsável por aproximadamente 40% do valor bruto da produção agropecuária, 80% das ocupações produtivas agropecuárias e parcela significativa dos alimentos que chegam à mesa da população brasileira, merecendo destaque os seguintes produtos: feijão (70%); mandioca (84%); suínos (58%) bovinocultura de leite (54%); milho (49%) e aves e ovos (40%). Neste sentido, nota-se a relevância das agroindústrias familiares como alternativa para a permanência dos agricultores familiares no meio rural e também na construção de um novo modelo de desenvolvimento sustentável, que visa o rural como um todo, e não somente ligado à produção agrícola. Além desta alternativa, há também duas outras contribuições das agroindústrias familiares: a primeira é a criação de oportunidades de inclusão social, principalmente para os segmentos menos privilegiados como as mulheres, jovens e idosos, uma vez que, para estes, se tornar ativo pode representar o início ou até mesmo o reinício da construção da cidadania, bem como, a oportunidade de resgatar seus valores sociais e culturais. E, a segunda, consiste na promoção da participação dos agricultores familiares no processo produtivo e no mercado. Apesar da sua grande contribuição econômica e social para o produtor rural, o subsistema agroindústria vem sofrendo algumas mudanças. Uma delas, segundo dados do Instituto de Planejamento e Economia Agrícola de Santa Catarina - CEPA/SC (2002), é a abertura de novos mercados e a formação de grandes grupos econômicos internacionais, ocasionando em um ambiente competitivo com novos paradigmas gerenciais e operacionais para as empresas agroalimentares. Neste contexto competitivo, e com tendências de ampliação na escala de produção agrícola destinada às grandes agroindústrias, a opção de geração de renda e agregação de valor para a agroindústria familiar de Santa Catarina está na criação de produtos diferenciados e também na articulação de redes de cooperação, cujo objetivo é buscar economias de escala, viabilizando o acesso desta produção tanto para o mercado nacional quanto para o internacional. Vale ressaltar, que para tanto, é necessário a adequação aos instrumentos de apoio governamental, dentre estes: o acesso ao crédito, a desburocratização de processos de registros empresariais e de produtos e a adaptação às leis vigentes quanto á produção de alimentos, dentre outros. Para esta última, o que se busca é a adequação às normas de produção de alimentos típicos regionais, buscando resgatar as especificidades do saber-fazer tradicional aliado a preservação das características originais dos produtos com qualidade reconhecida (ICEPA/SC, 2002). 8

9 APRESENTAÇÃO DOS CASOS Conforme apresentado na metodologia, a elaboração deste artigo foi fundamentada na condução de dois estudos realizados por alunos e professores da UnC Concórdia, em janeiro de 2004, abrangendo dois tipos de agroindústrias. As primeiras foram frigoríficos de pequeno porte da Região do Alto Uruguai Catarinense AMAUC e as segundas são cinco agroindústrias familiares incubadas na IAC. O primeiro caso levantou questões referentes aos seguintes aspectos: ano de fundação dos abatedouros, capacidade de abate, destino de sólidos e líquidos, abate diário, quantidade de sólidos e líquidos, limpeza, animais condenados, destino do couro, controle de insetos e aquisição de água quente. Diante dos dados coletados, foram apontados os seguintes aspectos: Os frigoríficos já estão em funcionamento desde 1996, sendo que dois deles foram estabelecidos em 2003; A quantidade de produção de resíduos está acima do que fora planejado no projeto original (um abatedouro tem licença para o abate de 80 cabeças/dia, no entanto está abatendo 180 cabeças/dia) resultando no aumento do volume de resíduos produzidos; A quantidade de resíduos líquidos e sólidos está sendo atirada ao ar livre atraindo animais e poluindo o meio ambiente; Percebeu-se que algumas lagoas de estabilização não são revestidas e a distância dos mananciais de águas é inferior ao permitido pela legislação ambiental (IN4); Falta assistência técnica por parte dos órgãos competentes quanto à educação ambiental dos responsáveis pelos abatedouros e seus funcionários; Há mau cheiro provocado pelo processo errôneo de fermentação das lagoas de decantação; Alguns abatedouros incineram os animais condenados, o que não é permitido pela legislação; Há deficiência por parte da fiscalização; Faltam instruções normativas para os donos de abatedouros. Diante do exposto, concluiu-se que os frigoríficos estudados não estão cumprindo adequadamente a legislação, uma vez que não estão sendo realizadas as ações necessárias para evitar a poluição ambiental. No entanto, sabe-se que algumas mudanças aconteceram, o que não veio garantir, necessariamente, que ocorreram mudanças de atitude e de comprometimento da relação abatedouro sociedade-meio ambiente, mas, indicam um início de caminhada na busca do equilíbrio e de uma relação harmônica com o mundo natural. 9

10 O segundo caso, conduzido pela IAC, realizou um diagnóstico focando as principais questões relacionadas à administração geral de uma agroindústria. Neste sentido, os principais itens abordados foram: produção, comercialização, custos e legislação para produtos alimentares. Assim, os principais pontos observados foram os seguintes: A matéria-prima consumida geralmente é produzida no próprio estabelecimento, exceto para agroindústria de embalagens; O acompanhamento da qualidade da matéria-prima para processamento é deficitário; Não há controle oficial de entrada e saída de matéria-prima e a elaboração dos produtos é feita pelos próprios proprietários; Em três agroindústrias a comercialização do produto se dá principalmente no próprio estabelecimento ou por venda direta, sem dispor de estratégias de comercialização; O valor de venda dos produtos é estabelecido com base principalmente no preço de mercado, incorporando algumas vezes, os custos variáveis; Não são feitos controles de custos específicos para as entradas e saídas de recursos financeiros; Apenas duas agroindústrias possuem certificado de boas práticas; Há produtos que ainda não podem ser comercializados oficialmente por falta de registro no Ministério da Agricultura; De posse destas informações, conclui-se que ainda há deficiências no tocante às técnicas administrativas adotadas pelas agroindústrias consultadas. Neste sentido, há necessidade de promover a capacitação dos gestores, mediante a realização de treinamentos direcionados e assessorias. CONSIDERAÇÕES FINAIS Conforme proposto no início do trabalho, as considerações a serem apresentadas referem-se à sugestões e propostas que possam no entender dos autores contribuir para minimizar os problemas comumente encontrados nas agroindústrias familiares e de pequeno porte da região. Tais sugestões e propostas podem ser agrupadas em quatro pontos centrais: a capacitação dos profissionais envolvidos na condução e assistência dos projetos; capacitação dos agricultores familiares; maior interação entre os profissionais e os agricultores e, por fim, criação de parcerias entre as instituições envolvidas diretamente com organizações não governamentais ONGs - e instituições de ensino e pesquisa presentes na região. Acerca do primeiro ponto, cabe ressaltar que a proposta de capacitação refere-se criação de uma visão interdisciplinar do profissional, isto é, que ele ultrapasse a visão específica da sua área incorporando novas técnicas e conhecimentos que estejam em áreas correlatas aos projetos a serem desenvolvidos. Mais especificamente, espera-se que o técnico que atue junto ao agricultor no planejamento de alguma atividade agroindustrial possa ao mesmo tempo estar capacitado para orientar tanto questões econômicas e agronômicas, quanto produtivas e ambientais, dentre outras. 10

11 Neste sentido, destaca-se que a ausência deste tipo de visão pode comprometer todo o projeto a ser executado. Para a capacitação dos produtores a proposta que se apresenta está calcada nos mesmos princípios apontados para os profissionais, devendo, entretanto, pautar-se pela criação de uma cultura de gestão que envolva os aspectos econômicos, ambientais, produtivos, agronômicos e legais. A promoção da interação entre os técnicos e agricultores tem o propósito de fazer com que os aspectos técnicos e legais que necessariamente precisam ser abordados na elaboração de um projeto, sejam efetivamente compartilhados sob o ponto de vista da co-responsabilidade entre o técnico e o empreendedor. Tal proposta tem como fundamento a percepção de que a falta de conhecimento dos critérios utilizados pelo técnico no momento do planejamento, tem levado muitas vezes os agricultores familiares a desrespeitá-los. As parceiras, como é do conhecimento de todos, são necessárias em razão da dificuldade das Instituições em ter nos seus quadros profissionais de todas as áreas, problema este que se torna ainda mais presente nos dias de hoje em função das dificuldades financeiras enfrentadas pelas diversas esferas do poder público. Por outro lado, na região do Alto Uruguai Catarinense, como em outras, há um conjunto de Instituições cujos quadros se complementam, mas que na maior parte das vezes trabalham de forma desarticulada. É certo que algumas iniciativas já estão em curso, das quais a Incubadora Agroindustrial de Concórdia é um dos exemplos em fase ainda germinal. No entanto, este é apenas um primeiro e tímido passo; muito mais ainda pode e precisa ser feito em favor da agricultura familiar. 11

12 REFERÊNCIAS ABRAMOWAY, Ricardo. Paradigmas do capitalismo agrário em questão. Rio de Janeiro: ANPOCS; Campinas: UNICAMP; São Paulo: Hucitec, BELATO, Dinarte. Os camponeses integrados. Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, BRASIL, Programa de agroindustrialização da produção dos agricultores familiares 2003/2006: Documento Referencial. Brasília, Ministério do Desenvolvimento Agrário, FERREIRA, Antenor Geraldo Z. Concórdia: o rastro de sua história. Concórdia: Fundação Municipal de Cultura, GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, GRAZIANO DA SILVA, José. Tecnologia e agricultura familiar. Porto Alegre: Ed. UFRGS, HOLANDA, Sérgio Buarque de. As colônias de parceria. In: HOLANDA, Sérgio Buarque de (Diretor). História Geral da Civilização Brasileira. TOMO II, Vol. 3, Livro Segundo. São Paulo: Difusão Européia do Livro, HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. 23ª ed. Rio de Janeiro: José Olympio, ICEPA/SC, Perspectiva para a agricultura familiar Horizonte Secretaria de Estado do Desenvolvimento Rural e da Agricultura. Florianópolis, INCRA/FAO. Novo Retrato da Agricultura Familiar: O Brasil Redescoberto. Brasília: INCRA/FAO, LAMARCHE, Hughes (Coord.). A agricultura familiar: comparação internacional - uma realidade multiforme. TOMO I. Campinas, Editora da UNICAMP, MOREIRA, Roberto José. Agricultura brasileira: os interesses em jogo no início dos anos 80. Reforma Agrária, Vol. 12, nº 6, nov/dez MOREIRA, Roberto J. Agricultura familiar: processos sociais e competitividade. Rio de Janeiro: Mauad; Seropédica: UFRRJ, MULLER, Geraldo. Agricultura e industrialização do campo no Brasil. Revista de Economia Política, Vol. 1, nº 6, abr/jun

13 OBERACKER Jr, Carlos H. A colonização baseada no regime da pequena propriedade agrícola. In: HOLANDA, Sérgio B. de (Diretor). História Geral da Civilização Brasileira. TOMO II, Vol. 3, Livro Segundo. São Paulo: Difusão Européia do Livro, PETRONE, Maria Thereza S. Imigração assalariada. In: HOLANDA, Sérgio Buarque de (Diretor). História Geral da Civilização Brasileira. TOMO II, Vol. 3, Livro Segundo. São Paulo: Difusão Européia do Livro, PETRONE, Maria Thereza S. O imigrante e a pequena propriedade. 2ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1984 (Coleção "Tudo é História", 38). PRADO JÚNIOR, Caio. História Econômica do Brasil. São Paulo: Brasiliense, ROCHE, Jean. A colonização alemã e o Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Globo, 1969 (Volume I e II). SANTOS, José Vicente Tavares dos. Os colonos do vinho: estudo sobre a subordinação do trabalho camponês ao capital. São Paulo: HUCITEC, SANTOS, José Vicente Tavares dos. Matuchos: exclusão e luta: do sul para a Amazônia. Petrópolis: Vozes, SCHENKEL, Cladecir Alberto. Estudo de um processo cultural na relação entre os colonos e a Sadia: o caso da micro-região do Alto Uruguai Catarinense. Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Itaguaí RJ, SORJ, Bernardo; POMPERMAYER, Malori J. e CORADINI, Odacir L. Camponeses e agroindústria: transformação social e representação política na sociedade brasileira. Rio de Janeiro: Zahar Editores, THOMÉ, Nilson. Sangue, suor e lágrimas no chão do Contestado. Caçador - SC: INCON edições/universidade do Contestado, TORMEN, Glacir A.; FERREIRA, Antenor Geraldo Z. História da produção e industrialização de alimentos em Santa Catarina. Monografia, Curso de Pós-Graduação em História, FUNDESTE/UFSC, Chapecó, WERLANG, Alceu A. Processo de colonização no Oeste de Santa Catarina. Cadernos do Centro de Organização da Memória Sócio-Cultural do Oeste de Santa Catarina, ano VIII, nº 9, Chapecó-SC, maio/

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996.

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996. Acesso a Tecnologias, Capital e Mercados, quanto à Agricultura Familiar x Agricultura Patronal (Texto auxiliar preparado para discussão no Primeiro Curso Centralizado da ENFOC) I No Brasil, a agricultura

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação Entrevista concedida por Álvaro Santin*, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS

PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS Área: ADMINISTRAÇÃO José Lindomir Pezenti EMATER, Cascavel-PR, pezenti@yahoo.com.br Geysler Rogis Flor Bertolini UNIOESTE, Cascavel-PR,

Leia mais

55% da população mundial vive em zonas rurais. 70% da população mundial muito pobre é rural. 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia

55% da população mundial vive em zonas rurais. 70% da população mundial muito pobre é rural. 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia A pobreza rural 55% da população mundial vive em zonas rurais 70% da população mundial muito pobre é rural 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia 1,0 bilhão passa fome 80% dos lugares mais pobres dependem

Leia mais

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário DILMA ROUSSEFF Presidenta da República PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário MARIA FERNANDA RAMOS COELHO Secretária Executiva do Ministério do Desenvolvimento Agrário MARIA LÚCIA DE OLIVEIRA

Leia mais

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA.

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. FICHA TÉCNICA Coordenação de População e Indicadores Sociais: Bárbara Cobo Soares Gerente de Pesquisas e Estudos Federativos: Antônio

Leia mais

(E-MAIL): marfa.alessandra@seagro.to.gov.br. Fortalecimento dos Serviços Públicos Selecionados

(E-MAIL): marfa.alessandra@seagro.to.gov.br. Fortalecimento dos Serviços Públicos Selecionados NOME DO PROJETO: PROJETO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INTEGRADO E SUSTENTÁVEL PDRIS Nº ACORDO EMPRÉSTIMO: 8185-0/BR NÃO OBJEÇÃO - (TERMO DE REFERÊNCIA) Nº DO TDR: 02/2015 DATA: 01/02/2015 COMPONENTE: SUBCOMPONENTE:

Leia mais

COMISSÃO DE AGRICULTURA E POLÍTICA RURAL

COMISSÃO DE AGRICULTURA E POLÍTICA RURAL COMISSÃO DE AGRICULTURA E POLÍTICA RURAL PROJETO DE LEI Nº 3.428, de 1997 Dispõe sobre a elaboração, beneficiamento e comercialização de produtos artesanais de origem animal e vegetal e dá outras providências.

Leia mais

PLANO DE REORDENAÇÃO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR DE SANTA CATARINA I. B.

PLANO DE REORDENAÇÃO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR DE SANTA CATARINA I. B. PLANO DE REORDENAÇÃO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR DE SANTA CATARINA SITUAÇÃO AGRICULTURA FAMILIAR Esta errado o pensamento de que agricultura familiar é só de sobrevivência Ela é responsável pela

Leia mais

EMATER RS. Seminário. A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável

EMATER RS. Seminário. A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável Seminário A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável e Mário Augusto Ribas do Nascimento Presidente da EMATER/RS Associação Riograndense de Empreendimentos de Assistência

Leia mais

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA 1. Nós, 350 educadores e educadoras das escolas públicas do campo,

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

RELATORA: Senadora KÁTIA ABREU

RELATORA: Senadora KÁTIA ABREU PARECER N o, DE 2009 Da COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA, sobre o Projeto de Lei do Senado n o 246, de 2007, que regula o Programa de Seguro- Desemprego Rural, o Abono Salarial Rural, o Programa

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

Departamento de Geração de Renda e

Departamento de Geração de Renda e Departamento de Geração de Renda e Agregação de Valor - DGRAV ESTRUTURA DO MDA Gabinete do Ministro Secretaria Executiva Secretaria da Agricultura Familiar SAF Secretaria de Reordenamento Agrário - SRA

Leia mais

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA INCRA RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO

PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO O Governo do Estado de Santa Catarina apresenta o Programa Catarinense de Inovação (PCI). O PCI promoverá ações que permitam ao Estado

Leia mais

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO [30] TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO 1. As zonas áridas e semi-áridas constituem um conjunto de formações naturais complexas, dispersas em vários pontos do planeta e muito diferenciadas

Leia mais

PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010. PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS

PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010. PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010 PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS Propósito da Coopaer Identificar problemas oriundos da Cadeia produtiva leite;

Leia mais

ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS.

ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS. ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS. Graciela Rodrigues Trindade (1) Bacharel em Gestão Ambiental formada

Leia mais

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo 1 BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado Álisson Riceto 1 João Cleps Junior 2 Eduardo Rozetti de Carvalho 3 Resumo O presente artigo

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

Inclusão Socioeconômica

Inclusão Socioeconômica PPA 2004-2007 Bahia que Faz SECRETARIAS ENVOLVIDAS OBJETIVO RECURSOS SEAGRI, SEC, SEFAZ, SICM, SEPLAN, SETRAS, SCT, SEINFRA, SECOMP, EGERAIS Desenvolver políticas de incentivo à inserção econômica das

Leia mais

Levantamento das Cooperativas da Agricultura Familiar na mesorregião Sul Catarinense 1. Relatório Florianópolis, Dezembro de 2013

Levantamento das Cooperativas da Agricultura Familiar na mesorregião Sul Catarinense 1. Relatório Florianópolis, Dezembro de 2013 Levantamento das Cooperativas da Agricultura Familiar na mesorregião Sul Catarinense 1 Janice Maria Waintuch Reiter Marcia Mondardo Luiz Carlos Mior Dilvan Luiz Ferrari Tabajara Marcondes Luís Augusto

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011.

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. 1 LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. Institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Estabelece a forma de organização e regulamenta o funcionamento das unidades administrativas da Secretaria de Trabalho e Geração

Leia mais

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS Página: 2504 de 2619 ESPELHO DE S DE 1 Apoio à pesquisa e preservação de recursos genéticos e biotecnologia Custos financeiros: Despesas de custeio - 3

Leia mais

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Objetivo da Apresentação Possibilitar a compreensão das políticas públicas relacionadas e/ou

Leia mais

Palavras-chave: Compra direta. Agricultura Familiar. Modelo de checagem

Palavras-chave: Compra direta. Agricultura Familiar. Modelo de checagem Avaliação de desempenho de processos de Compra Direta da Agricultura familiar: proposta metodológica baseada em modelo de checagem Magalhães A. M. Cruz, G. V. O mercado institucional pode ser um excelente

Leia mais

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Janeiro - 2011 Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais

Programa de Aquisição de Alimentos

Programa de Aquisição de Alimentos Programa de Aquisição de Alimentos Programa de Aquisição de Alimentos Produção Consumo Rede Socioassistencial Agricultura Familiar Inclui: Agricultores Familiares; Assentados; Povos e Comunidades Tradicionais;

Leia mais

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero Andrea Butto Ministério do Desenvolvimento Agrário Temas abordados Estados assumiram compromissos que

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

Plano Plurianual 2012-2015

Plano Plurianual 2012-2015 12. Paraná Inovador PROGRAMA: 12 Órgão Responsável: Contextualização: Paraná Inovador Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI As ações em Ciência, Tecnologia e Inovação visam

Leia mais

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS José E Cassiolato Coordenador da RedeSist, IE-UFRJ Marcelo G P de Matos Pesquisador da RedeSist,

Leia mais

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA. Banco Mundial

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA. Banco Mundial PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA POR QUE O PROJETO Decisão Estratégica do Governo do Estado da Bahia Necessidade de avançar na erradicação da pobreza rural Existência de

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR...o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff Julho/2014 0 APRESENTAÇÃO Se fôssemos traduzir o Plano de Governo 2015-2018

Leia mais

Empresa Ferramentas de Apoio a Inovação e Excelência. DATA: 23/06/05

Empresa Ferramentas de Apoio a Inovação e Excelência. DATA: 23/06/05 RELATÓRIO EIXO TEMÁTICO: Eixo dos Arranjos Produtivos Locais APL s - GRUPO DE TRABALHO 07: Oportunidades para Desenvolvimento Tecnológico na Empresa Ferramentas de Apoio a Inovação e Excelência. DATA:

Leia mais

Antonio Waldimir Leopoldino da Silva (UDESC / UFSC) Paulo Maurício Selig (UFSC) Alexandre de Ávila Lerípio (UNIVALI / UFSC) Cláudia Viviane Viegas

Antonio Waldimir Leopoldino da Silva (UDESC / UFSC) Paulo Maurício Selig (UFSC) Alexandre de Ávila Lerípio (UNIVALI / UFSC) Cláudia Viviane Viegas A SUSTENTABILIDADE DA ATIVIDADE AGROPECUÁRIA DESENVOLVIDA NA REGIÃO OESTE DE SANTA CATARINA, BRASIL, SOB A ÓTICA DE TÉCNICOS DA EXTENSÃO RURAL SUSTAINABILITY IN AGRICULTURAL ACTIVITIES DEVELOPED IN THE

Leia mais

Lei nº 17773 DE 29/11/2013

Lei nº 17773 DE 29/11/2013 Lei nº 17773 DE 29/11/2013 Norma Estadual - Paraná Publicado no DOE em 02 dez 2013 Dispõe sobre o Sistema Unificado Estadual de Sanidade Agroindustrial Familiar, Artesanal e de Pequeno Porte - SUSAF-PR.

Leia mais

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste O que é FCO? O Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) é um fundo de crédito criado pela Constituição Federal de 1988 com o objetivo de promover

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo de internacionalização

Leia mais

Projeto Execução Expositores

Projeto Execução Expositores Projeto Execução Expositores Realização: Cooperativa Agropecuária Petrópolis PIA EMATER RS ASCAR Prefeitura Municipal de Nova Petrópolis A ENTIDADE PROMOTORA DO RURALSHOW 2014. COOPERATIVA AGROPECUÁRIA

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário MDA Secretaria da Agricultura Familiar SAF Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural DATER

Ministério do Desenvolvimento Agrário MDA Secretaria da Agricultura Familiar SAF Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural DATER Ministério do Desenvolvimento Agrário MDA Secretaria da Agricultura Familiar SAF Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural DATER Termo de Referência para Redes de Organizações de Ater da Sociedade

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL RESOLUÇÃO Nº 21 DE 10 DE OUTUBRO DE 2001

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL RESOLUÇÃO Nº 21 DE 10 DE OUTUBRO DE 2001 Publicada no D.O.U. de 20/12/2001, Seção 1, Página 36 CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL RESOLUÇÃO Nº 21 DE 10 DE OUTUBRO DE 2001 Dispõe sobre a aprovação do Programa Jovem Agricultor

Leia mais

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Hoje, um grande desafio para a agropecuária, principalmente em relação à inovação tecnológica, é a harmonização do setor produtivo com os princípios da

Leia mais

Financiamento da Transição para a Agroecologia A proposta do Proambiente

Financiamento da Transição para a Agroecologia A proposta do Proambiente Financiamento da Transição para a Agroecologia A proposta do Proambiente Letícia Rangel Tura 1 e Luciano Mattos 2 Na Amazônia, desde o final dos anos 90, vêm-se discutindo formas de introduzir, em programas

Leia mais

LEI N 21.156, DE 17 DE JANEIRO DE 2014. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR.

LEI N 21.156, DE 17 DE JANEIRO DE 2014. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR. LEI N 21.156, DE 17 DE JANEIRO DE 2014. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR. (PUBLICAÇÃO - MINAS GERAIS DIÁRIO DO EXECUTIVO - 18/01/2014 PÁG. 2 e 03)

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS MARCO LEGAL Diálogo do Governo Federal com Sociedade Civil (Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis MNCR). Código Brasileiro de Ocupações - 2002 Reconhecimento a Categoria profissional

Leia mais

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR Tamires Silva Gama Acadêmica do Curso de Geografia da UEM. Bolsista do CNPq Tamires_gama@hotmail.com OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR INTRODUÇÃO Frente os avanços da modernização

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA 1. Concepções e diretrizes políticas para áreas; Quando falamos de economia solidária não estamos apenas falando de geração de trabalho e renda através de empreendimentos

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

Empreendedorismo e Competência do Gestor no Agronegócio. Prof. Dr. Osmar Manoel Nunes

Empreendedorismo e Competência do Gestor no Agronegócio. Prof. Dr. Osmar Manoel Nunes Empreendedorismo e Competência do Gestor no Agronegócio. Prof. Dr. Osmar Manoel Nunes 1 Conceito de Agronegócio As propriedades rurais tradicionais eram muito diversificadas, com várias culturas e criações

Leia mais

Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012

Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012 Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012 MARCO DE AÇÃO A Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil

Leia mais

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção Programa 0508 Biodiversidade e Recursos Genéticos - BIOVIDA Objetivo Promover o conhecimento, a conservação e o uso sustentável da biodiversidade e dos recursos genéticos e a repartição justa e eqüitativa

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR Luis Artur Bernardes da Rosa¹; Maria de Fátima Guimarães²; Sergio Luis Carneiro³; Dimas Soares Júnior4

Leia mais

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG)

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) Arthur Rodrigues Lourenço¹ e Ana Rute do Vale² madrugarockets@hotmail.com, aruvale@bol.com.br ¹ discente do curso

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 316

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 316 Página 316 ALGODÃO ORGÂNICO: DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE NO MUNICÍPIO DE REMÍGIO PB Luciana Gomes da Silva 1, Perla Joana Souza Gondim 2, Márcia Maria de Souza Gondim 2, Rosemare

Leia mais

Conexões Sustentáveis São Paulo Amazônia Quem se beneficia com a destruição da Amazônia Edição 2011

Conexões Sustentáveis São Paulo Amazônia Quem se beneficia com a destruição da Amazônia Edição 2011 Caso: O desmatamento ilegal do bife Link: http://reporterbrasil.org.br/conexoes/?p=147 Íntegra do posicionamento das empresas JBS Friboi 1) Quais as ações realizadas pela empresa para evitar, em sua cadeia

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social - 2013 Regulamento

Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social - 2013 Regulamento 1. Do Conceito de Tecnologia Social 1.1 Tecnologia Social compreende produtos, técnicas ou metodologias reaplicáveis, desenvolvidas na interação com a comunidade e que representem efetivas soluções de

Leia mais

PERSPECTIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR: a questão sucessória e o envelhecimento dos produtores familiares no Município de Indiana/SP.

PERSPECTIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR: a questão sucessória e o envelhecimento dos produtores familiares no Município de Indiana/SP. 1 PERSPECTIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR: a questão sucessória e o envelhecimento dos produtores familiares no Município de Indiana/SP Regiane Aparecida Menegati 1 Rosangela Aparecida de Medeiros Hespanhol

Leia mais

PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016

PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 Pilares do PSPA CRÉDITO PROMOÇÃO PROMOÇÃO DO DO CONSUMO PESQUEIRO PSPA INFRAESTRUTURA ASSISTÊNCIA TÉCNICA COMERCIALI

Leia mais

Assistência Técnica e Extensão Rural

Assistência Técnica e Extensão Rural Assistência Técnica e Extensão Rural A EXTENSÃO RURAL CONTEMPORÂNEA DA CEPLAC Concepção, Estrutura e Projetos Sergio Murilo Correia Menezes Ceplac / Cenex Base - Fundamentos ANATER Agenda Estratégica da

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 O Presidente do Instituto Pauline Reichstul-IPR, torna público que receberá inscrições para o processo seletivo de pessoal para atuação no projeto Ações Integradas

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL

TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ESCADA, 2014 EXTENSÃO RURAL CONSTRUIR UM SONHO E LUTAR POR ELE Regional : Palmares PE Municipio: Escada Comunidades: Sitio

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS LEI Nº 14.830, de 11 de agosto de 2009 Dispõe sobre a criação do Conselho Estadual do Artesanato e da Economia Solidária - CEAES, e adota outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA,

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 Institui o Sistema Municipal de Assistência Social do Município de Santo Antônio da Patrulha e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL de Santo Antônio da Patrulha,

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP INTRODUÇÃO A Agenda 21 Local é um instrumento de planejamento de políticas públicas que envolve tanto a sociedade

Leia mais

Capacitação de Recursos Humanos para o Planejamento e Gestão do Desenvolvimento Regional

Capacitação de Recursos Humanos para o Planejamento e Gestão do Desenvolvimento Regional Programa 0757 Gestão da Política de Integração Objetivo Apoiar o planejamento, avaliação e controle dos programas da área de integração nacional. Público Alvo Governo Ações Orçamentárias Indicador(es)

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial 0352 Abastecimento Agroalimentar 22000 1049 Acesso à Alimentação 0351 Agricultura Familiar - PRONAF 1215 Alimentação Saudável 1016 Artesanato Brasileiro 28000 0135 Assentamentos Sustentáveis para Trabalhadores

Leia mais

Cultura Oficina Litoral Sustentável

Cultura Oficina Litoral Sustentável Cultura Oficina Litoral Sustentável 1 ESTRUTURA DA AGENDA REGIONAL E MUNICIPAIS 1. Princípios 2. Eixos 3. Diretrizes 4. Ações 4.1 Natureza das ações (planos, projetos, avaliação) 4.2 Mapeamento de Atores

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

VIABILIZAÇÃO SÓCIO-ECONÔMICA DA PEQUENA PROPRIEDADE DE AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNDO GLOBALIZADO

VIABILIZAÇÃO SÓCIO-ECONÔMICA DA PEQUENA PROPRIEDADE DE AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNDO GLOBALIZADO 1 2 VIABILIZAÇÃO SÓCIO-ECONÔMICA DA PEQUENA PROPRIEDADE DE AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNDO GLOBALIZADO 3 COSUEL Razão Social: Cooperativa dos Suinocultores de Encantado Ltda. Nome fantasia: COSUEL Marca:

Leia mais

TECNOLOGIA O QUE É O SEBRAETEC A QUEM SE DESTINA COMO PARTICIPAR SETORES ATENDIDOS VANTAGENS AÇÕES NÃO COBERTAS CONTATO

TECNOLOGIA O QUE É O SEBRAETEC A QUEM SE DESTINA COMO PARTICIPAR SETORES ATENDIDOS VANTAGENS AÇÕES NÃO COBERTAS CONTATO Um investimento indispensável para o crescimento da sua empresa. O Sebrae viabiliza serviços de consultoria prestados por uma rede de instituições/empresas detentoras de conhecimento tecnológico. Através

Leia mais

Programa Nacional da Alimentação Escolar PNAE

Programa Nacional da Alimentação Escolar PNAE Programa Nacional da Alimentação Escolar PNAE PROGRAMA NACIONAL DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PNAE A compra de gêneros alimentícios da agricultura familiar para a alimentação escolar é uma conquista dos agricultores

Leia mais

Enfrentando os Desafios Para Criar Competitividade Sustentável

Enfrentando os Desafios Para Criar Competitividade Sustentável SIMPÓSIO REGIONAL DE BOVINOCULTURA DE LEITE Guarapuava,07/10/2015 Enfrentando os Desafios Para Criar Competitividade Sustentável Ronei Volpi Coordenador Geral da Aliança Láctea Sul Brasileira Competitividade

Leia mais