SIMULADO DE MATEMÁTICA - TURMAS DO 3 o ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - MAIO DE ELABORAÇÃO: PROFESSORES ADRIANO CARIBÉ E WALTER PORTO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SIMULADO DE MATEMÁTICA - TURMAS DO 3 o ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - MAIO DE 2012. ELABORAÇÃO: PROFESSORES ADRIANO CARIBÉ E WALTER PORTO."

Transcrição

1 SIMULADO DE MATEMÁTICA - TURMAS DO 3 o ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - MAIO DE 0. ELABORAÇÃO: PROFESSORES ADRIANO CARIBÉ E WALTER PORTO. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA QUESTÃO 0 Muitas vezes o objetivo de um remédio é aumetar a quatidade de uma ou mais substâcias já existetes o corpo do idivíduo para melhorar as defesas do orgaismo. Depois de alcaçar o objetivo, essa quatidade deve voltar ao ormal. Se uma determiada pessoa igere um medicameto para aumetar a cocetração da substâcia A em seu orgaismo, a quatidade dessa substâcia o orgaismo da pessoa, em relação ao tempo, pode ser melhor represetada pelo gráfico: a) b) c) d) e) RESPOSTA: Alterativa d QUESTÃO 0 Às 6 horas o relógio de uma igreja levou 30 segudos para soar as 6 badaladas. Para soar as badaladas ao meio-dia, levará: 0) 5 segudos 0) 55 segudos 03) 60 segudos 0) 65 segudos 05) 66 segudos

2 Exatamete às 6 h 0 seg, soou a primeira badalada. Como o espaço de 30 segudos soaram as 6 badaladas, foram 5 itervalos de 6 seg etre duas badaladas cosecutivas. No gráfico abaixo estão represetadas as badaladas a partir das h 0seg Etão o tempo para soar as badaladas é de 66 seg. RESPOSTA: Alterativa 05. QUESTÃO 03 Uma pessoa decidiu depositar moedas de, 5, 0, 5 e 50 cetavos em um cofre durate certo tempo. Todo dia da semaa ela depositava uma úica moeda, sempre esta ordem:, 5, 0, 5, 50, e, ovamete,, 5, 0, 5, 50, assim sucessivamete. Se a primeira moeda foi depositada em uma seguda-feira, etão essa pessoa coseguiu a quatia exata de R$ 95,05 após depositar a moeda de: 0) cetavo o 679 o dia, que caiu uma seguda-feira. 0) 5 cetavos o 86 o dia, que caiu uma quita-feira. 03) 0 cetavos o 88 o dia, que caiu uma quita-feira. 0) 5 cetavos o 5 o dia, que caiu um sábado. 05) 50 cetavos o 535 o dia, que caiu uma quita-feira. a 3 a a 5 a 6 a S D a 3 a a 5 a 6 a S D... a X cetavos. R$ 95, cetavos ( ) ( 5 0 5). A última moeda a ser depositada foi de 5 cetavos. O úmero de dias é: RESPOSTA: Alterativa 0.

3 QUESTÃO 0 Em uma ura há 8 bolas azuis, 0 bolas verdes, bolas amarelas, 0 bolas pretas e 8 bolas bracas. Qual é o úmero míimo de bolas que devemos sacar dessa ura para termos certeza de que sacaremos pelo meos 5 bolas da mesma cor? 0) 58 0) 59 03) 60 0) 7 05) 7 Como O úmero míimo de bolas que devemos sacar é RESPOSTA: Alterativa 0. QUESTÃO 05 Segudo a Associação Brasileira de Alumíio (ABAL), o Brasil foi o campeão mudial, pelo sétimo ao seguido, a reciclagem de latas de alumíio. Foi reciclado 96,5% do que foi utilizado o mercado itero em 007, o equivalete a,9 bilhões de latihas. Este úmero sigifica, em média, um movimeto de,8 bilhão de reais auais em fução da reutilização de latas o Brasil, sedo 53 milhões referetes à etapa da coleta, gerado, assim, "emprego" e reda para cerca de 80 mil trabalhadores. Essa reda, em muitos casos, serve como complemetação do orçameto familiar e, em outros casos, como úica reda da família. (Revista Cohecimeto Prático. Geografia, o. (Adaptado)) Com base as iformações apresetadas, a reda média mesal, em Reais, dos trabalhadores evolvidos esse tipo de coleta gira em toro de: 0) 73 0) 03) 33 0) 50 05) 8 Como 53 milhões de reais auais são referetes à etapa da coleta, gerado, assim, "emprego" e reda para cerca de 80 mil trabalhadores Etão em média, cada trabalhador recebe por ao, 905,56 reais ,56 E por mês,,3 reais. RESPOSTA: Alterativa 0. 3

4 QUESTÃO 06 Supoha que existam 500 pessoas assitido a uma palestra o auditório da escola este mometo. Etão com certeza podemos afirmar que: 0) pelo meos pessoas fazem aiversário hoje; 0) pelo meos pessoas fazem aiversário o mesmo dia; 03) pelo meos 300 pessoas tem a mesma idade; 0) ehuma pessoa faz aiversário hoje; 05) ehuma das pessoas fazem aiversário o mesmo dia. São 500 pessoas ascidas ao logo de 365 ou 366 dias, logo, pelo meos pessoas fazem aiversário o mesmo dia. RESPOSTA: Alterativa 0. QUESTÃO 07 O Tagra é um atigo quebra-cabeça chiês, cujo ome sigifica sete tábuas da sabedoria. Ele é composto de sete peças 5 triâgulos isósceles, paralelogramo e quadrado que podem ser posicioadas de modo a formar um quadrado como mostra a figura ao lado: Observe que, para costruir a seta mostrada a figura ao lado, foram usadas apeas seis das peças do Tagra origial. Dessa forma, se a área do triâgulo sombreado a figura I é igual a 9 cm, a área da superfície da seta costruída a figura II, em cm é: 0) 08 0) 6 03) 8 0) 3 05) 36

5 O triâgulo QOR sombreado a figura I é retâgulo e isósceles de área igual a 9 cm. Cosiderado como b a medida dos seus catetos, b 9 b 8 b 3 cm. A medida do cateto OC do triâgulo BOC, retâgulo e isósceles, é igual a cm. mede ( ) b 6 cm, logo sua área A área do quadrado NPOQ tem medida igual a A área do quadrado ABCD tem medida igual a b 3 cm, etão sua área mede b ( 3 ) 8cm 36 cm, etão seu lado mede cm. A medida do cateto DM do triâgulo MDO, retâgulo e isósceles, é igual à metade do lado do quadrado ABCD, logo sua área é 6. 8cm Etão a área da superfície da seta costruída a figura II, em cm é: ( S S S S ) ( ) cm 6cm NPOQ QOR MDO BOC Esta questão pode também ser resolvida com a seguite observação: A figura II pode ser recoberta por triâgulos cogruetes ao triâgulo assialado a figura I, logo, sua área é 9cm 6cm. RESPOSTA: Alterativa 0. 5

6 QUESTÃO 08 Um casal pretedia ter um casal de filhos e sabe-se que tiveram um filho homem. Supodo que as chaces de ascer mulher e homem são as mesmas, qual é a probabilidade de terem tido um casal de filhos? 0) 0 0) / 03) /3 0) / 05) /3 O cojuto E {(H,H), (M,H), (H,M)} (possibilidades de ascimetos de dois filhos segudo a ordem de ascimeto, sabedo que um filho é homem. O cojuto A {(M,H), (H,M)} (casos desejados de ascimetos de um casal de filhos segudo a ordem de ascimeto, quado se sabe que um dos filhos ascidos é homem) A probabilidade pedida é p. 3 RESPOSTA: Alterativa 05 QUESTÃO 09 O cérebro evelhece mais rápido se ão for desafiado a cada dia: apreder coisas ovas, aumetado o úmero de iformações, compesa parcialmete as perdas cogitivas; divertir-se com jogos baseados em lógica matemática, palavras-cruzadas, quebra-cabeças, etre outros, ajuda a mater a juvetude dos eurôios. Para isso, pode-se utilizar fichas circulares em um jogo, divididas em seis regiões, a forma de setores circulares, ordeados de acordo com a figura e efileiradas de tal modo que a umeração das regiões em que cada uma delas é dividida segue um padrão umérico, coforme figura. De acordo com esse padrão, o primeiro úmero maior do que 000 deve estar a região R a da ficha F e, assim, F R é igual a: 0) 9 0) 8 03) 37 0) 6 05) 5 6

7 Os úmeros que preechem as fichas da figura, a partir da a posição da ficha, formam a P.A.: (5,0, 5, 0, 5, 30, 35,...). Cosiderado a expressão do termo geral de uma P.A.: a a ( )r a 5 ( ) 5 5 ( ) 5 > 000 > 99 > 00 0 a Como os termos dessa P.A. estão distribuídos ordeadamete as fichas e sedo, O úmero 005 está a 3 a região da ficha 3, logo R 3 e F 3. R F 37. RESPOSTA: Alterativa 03. QUESTÃO 0 (MACK-SP) Para se cadastrar em um site de compras, cada cliete digitava uma seha com quatro algarismos. Com o objetivo de aumetar a seguraça, todos os clietes foram solicitados a adotar ovas sehas com cico algarismos. Se defiirmos o ível de seguraça com a quatidade possível de sehas, etão a seguraça esse site aumetou em: 0) 0% 0) 5% 03) 5% 0) 900% 05).00% Número de sehas com dígitos: 0. Número de sehas com 5 dígitos: % 00 RESPOSTA: 0 QUESTÃO Após se aposetarem, três amigos, X, Y e Z, resolveram aplicar suas ecoomias a fudação de uma empresa e ivestiram o primeiro ao do seu fucioameto, respectivamete, R$ ,00, R$ 5.000,00 e R$ ,00. Se, ao fial desse ao, a empresa teve um lucro líquido de R$ ,00 a ser dividido etre os sócios, a proporção direta do capital ivestido por cada um, etão: 0) X recebeu o equivalete a 30% do valor que ivestiu. 0) Y recebeu o equivalete a 60% do valor que ivestiu. 03) Z recebeu R$ 5.000,00 a mais que X. 0) cada sócio recebeu mais de R$ 8.000,00. 05) ehum dos sócios recebeu mais de R$.000,00. 7

8 X Y Z X Y Z X Y Z X Y Z , X Y Z 0, X 0000; 0, Y 8000; 0, RESPOSTA: Alterativa 05. QUESTÃO (FGV) O úmero de permutações da palavra ECONOMIA que ão começam em termiam com a letra O é 0) ) ) ) ) ! Número de aagramas da palavra ECONOMIA: 7! 060.! Número de aagramas que começam por O: 7! 500. Número de aagramas que termiam por O: 7! 500. Número de aagramas que começam por e termiam por O: 3 6! 70. Número de aagramas que começam ou termiam por O: O úmero de permutações da palavra ECONOMIA que ão começam em termiam com a letra O é : Outro maeira sugerida pelo Prof. Walter: Número de aagramas que ão começam em termiam com a letra O: Devemos garatir que a primeira e a última letras devem ser utilizadas qualquer uma das 6 letras que ão a letra O 6 6!! 5 Dessa forma, o produto etre 6 (6!/!) RESPOSTA: Alterativa 05. 8

9 QUESTÃO 3 Certo dia costatou-se que o Sr. X, itegrate de uma comuidade, havia cotraído uma doeça cotagiosa e que, ao fial desse primeiro dia, cotamiou duas outras pessoas da comuidade. Como ehuma medida foi tomada para cotrolar a propagação da doeça, verificou-se que cada doete cotamiou exatamete duas pessoas, de modo que, o segudo dia, o úmero de doetes aumetou para sete, o terceiro para quize e, assim, sucessivamete. Calcule o úmero de doetes o décimo dia. 0) 03 0) 5 03) 07 0) 75 05) 789 Crescimeto do úmero de doetes: a a 0 a a a 0, a 3, a 7, a 3 5, a 3, a 5 63, a 6 7, a 7 55, a 8 5, a 9 03 e a 0 07 RESPOSTA: Alterativa 03. QUESTÃO O código de abertura de um cofre é formado por 3 dígitos (que podem se repetir, e o código pode começar com o dígito 0). Quatos são os códigos de abertura com pelo meos um dígito 7? 0) 90 0) 7 03) 33 0) ) 79 C D U N o de possibilidades algarismos 9 algarismos algarismos 7 9 algarismos algarismos 9 algarismos algarismos 9 9 garismos algarismos 7 9 Etão os códigos de abertura com pelo meos um dígito 7 são em úmero de: Outra maeira sugerida pelo Prof. Walter: (Total) (Números que ão possuem o º 7) RESPOSTA: Alterativa 0. 9

10 QUESTÃO 5 Em um determiado período, uma operadora de plaos de saúde reajustou suas mesalidades em 0% alegado aumetos de custos. Levado-se em cota que houveram modificações apeas as suas despesas com cosultas, hospitais e exames esse período, que essas despesas aumetaram 8% com cosultas, 5% com hospitais e dimiuíram,5% com exames e cosiderado aida que 0% dos custos da empresa são relativos ao pagameto de cosultas, 5% ao pagameto de hospitais e % ao pagameto de exames, calcule qual deveria ser o aumeto percetual das mesalidades admitido que ele deve ser igual ao aumeto percetual dos custos dessa empresa o período citado. 0,08 0, 0,05 0,5 0,05 0, 0,03 0,05 0,0080 0,07,7% 0),7% 0),75% 03) 5,0% 0) 5,8% 05) NRA RESPOSTA: Alterativa 0 QUESTÃO 6 (UESC) Etre os 7 fucioários de uma firma de seguraça, o úmero de modos que se pode formar uma equipe que coteha, o míimo, pessoas é: 0) 0) 3 03) 0 0) 05) 8 O úmero de modos que se pode formar uma equipe que coteha, o míimo, pessoas é: C 7,7 7, C7,3 C7, C7,5 C7,6 C RESP: Alterativa 03. QUESTÃO 7 Moedas idêticas de 0 cetavos de real foram arrumadas sobre uma mesa, obedecedo à disposição apresetada o deseho: uma moeda o cetro e as demais formado camadas tagetes. Cosiderado que a última camada é composta por 8 moedas, calcule a quatia, em reais, do total de moedas usadas essa arrumação. 0) R$63,0 0) R$6,60 03) R$59,30 0) R$57,80 05) R$55,90 0

11 C 0, C 6, C, C 3 8, C,... Nesta sequêcia de termos, a partir da C tem-se uma P.A. a qual o primeiro termo é 6, C 8 e a razão é 6. Sedo o úmero de camadas 6 ( ) A quatidade total de moedas é: ( 6 8) A quatia em reais é 63 R$0,0 R$ 63,0. RESPOSTA: Alterativa 0. QUESTÃO 8 (UNEB) Sorteado-se um úmero de a 0, a probabilidade de que ele seja par ou múltiplo de 3 é igual a: 0) 70% 0) 65% 03) 50% 0) 0% 05) 0% Cojuto dos úmeros pares ão ulos e meores que : A {,,6,8,0,,,6,8,0}. Cojuto dos úmeros múltiplos de 3 ão ulos e meores que 0: B {3,6,9,,5,8}. Cojuto dos úmeros pares ão ulos ou múltiplos de 3, e meores que : A B {, 3,, 6, 8, 9, 0,,, 5, 6, 8, 0} A probabilidade pedida é: p 65% 0 00 RESPOSTA: Alterativa 0.

12 QUESTÃO 9 Um mestre-de-obras e quatro pedreiros foram cotratados para fazer um certo serviço, pelo qual receberiam a quatia de Q reais. Essa quatia seria repartida etre eles de modo que todos os pedreiros recebessem o mesmo valor e o mestre-de-obras gahasse 50% a mais que cada um deles. Na última hora, um dos pedreiros desistiu. Etão, o mestre-de-obras e os três pedreiros restates decidiram fazer sozihos o serviço e combiaram uma ova divisão dos Q reais: os três pedreiros receberiam valores iguais, mas o mestre-de-obras gaharia, agora, 0% a mais que cada um deles. Etão, a quatia que cada um dos três pedreiros recebeu teve um aumeto de: 0) 30% 0) % 03) 0% 0) 5% 05) 5% No primeiro plaejameto, cada um dos quatro pedreiros deveria receber x reais e o mestre de obras,,5x. Q Q x,5x Q x cada pedreiro receberia 5,5 5,5 reais. No segudo plaejameto, cada um dos três pedreiros deve receber y reais e o mestre de obras,y. Q,y 3y Q y cada um dos três pedreiros deve receber, y Q Q 5,5,5 y,5x x 5%x. x, 5,5, RESPOSTA: Alterativa 0. Q y reais., QUESTÃO 0 (UESB) No desevolvimeto do biômio 8 x, o termo cetral é: x 0) x - 0) 38x 3 03) 70x 0) x 05) 70x O desevolvimeto do biômio x, tem 9 termos, logo o seu termo médio é o de úmero x x x 6 70 C8, 8 T5 T 70x x 3 6 x x RESPOSTA: Alterativa 03.

13 3 QUESTÃO Um comerciate vedeu um artigo com um descoto de 0% sobre o preço auciado e, aida assim, teve um lucro de 0% sobre o preço de custo. Caso vedesse sem descoto, seu lucro seria de: 0) 0% 0) % 03) 8% 0) 50% 05) 60% Preço de custo: C. Preço de veda: V. Veda com descoto: 0,8V. Veda com lucro de 0% sobre o preço de custo:,c 50%C C,5C V,C 0,8V. RESPOSTA: Alterativa 0. QUESTÃO Sabedo que os úmeros biomiais e 3 têm o mesmo valor umérico, quato vale a expressão 3? 0) 5 0) 30 03) 56 0) 98 05) 6 RESOLUÇÃO Se os úmeros biomiais e 3 têm o mesmo valor umérico, RESPOSTA: alterativa 0. QUESTÃO 3 Um determiado tipo de cogumelo fresco cotém 90% de água e, quado desidratado, apreseta % de água. Com 0 kg de cogumelos frescos, a quatidade, em kg, de cogumelos desidratados que pode ser obtida é 0),5 0) 7,5 03),5 0) 7,5 05) NRA

14 Em 0 kg de cogumelos frescos existem 0,9 0kg 99kg de água. 99 x 0, 99 x 3, 0,x 0,88x 85,8 x 97,5 0 x 0 97,5,5 RESPOSTA: Alterativa 03. QUESTÃO Supoha que para o ascimeto de uma criaça os dois sexos teham a mesma probabilidade de ocorrer. Se um casal tem filhos, a probabilidade de ão serem todos do mesmo sexo é: 0) /3 0) 3/8 03) /3 0) 3/ 05) 7/8 A probabilidade pedida é : RESPOSTA: Alterativa 05. MULHERES 3 MULHERES E HOMEM! / 3! MULHERES E HOMENS! / (!.!) 6 MULHER E 3 HOMENS! / 3! HOMENS Questão 5 Cosidere a sequêcia ilimitada de símbolos seguite: (,, Ο,,,, Ο,,,... ) É verdade que, essa sequêcia, 0) o 0 o termo é. 0) o 3 o termo é Ο. 03) o 7 o termo é. 0) o 377 o termo é. 05) o 700 o termo é Ο.

15 Na sequêcia ilimitada (,, Ο,,,, Ο,,,... ), os símbolos,, Ο, se repetem de em essa ordem. Como 0, o 0 o termo é. Como 3 8, o 3 o termo é. Como 7 3 3, o 7 o termo é Ο. Como 377 9, o 377 o termo é. RESPOSTA: Alterativa 0. QUESTÃO 6 Os orçametos (em milhares de reais) das três empresas que apresetaram propostas estão idicados a matriz A abaixo, ode cada a i j correspode ao orçameto da empresa i para a mauteção do avião j. 3x3 3 A Como cada uma dessas empresas só terá codições de efetuar, o prazo estabelecido, a mauteção de um avião, a compahia terá que escolher, para cada avião, uma empresa distita. A escolha que a compahia de aviação deverá fazer para que sua despesa seja a meor possível será: 0) empresa : avião ; empresa : avião 3 e empresa 3: avião. 0) empresa : avião ; empresa : avião e empresa 3: avião 3. 03) empresa : avião 3; empresa : avião e empresa 3: avião. 0) empresa : avião ; empresa : avião 3 e empresa 3: avião. 05) empresa : avião ; empresa : avião e empresa 3: avião 3 0) empresa : avião ; empresa : avião 3 e empresa 3: avião. Despesa: (3 57) 9 mil reais. 0) empresa : avião ; empresa : avião e empresa 3: avião 3. Despesa: ( 3 6 8) 93 mil reais. 03) empresa : avião 3; empresa : avião e empresa 3: avião. 5

16 Despesa: ( 7 6 8) 07 mil reais. 0) empresa : avião ; empresa : avião 3 e empresa 3: avião. Despesa: ( 66 8) 06 mil reais. 05) empresa : avião ; empresa : avião e empresa 3: avião 3 Despesa: (66 9 8) 93 mil reais. RESPOSTA: Alterativa 0 Questão 7 Uma pessoa tomou emprestada uma quatia de R$.800,00 e vai devolvê-la com juros, que totalizam R$ 780,00. O pagameto será feito em prestações, sedo cada uma delas maior que a aterior em R$0,00. O valor da primeira prestação deverá ser 0) R$ 30,00 0) R$ 0,00 03) R$ 50,00 0) R$ 60,00 05) R$ 70,00 A sequêcia das prestações é a P.A.: x, x 0, x 0,... x 0. A soma dos termos dessa sequêcia é igual a R$.580,00. ( x x 0) 580 x x 90 x 60 RESPOSTA: Alterativa 0. QUESTÃO 8 (UEPB) Sejam A, B matrizes dadas por A 0 e B e X, Y matrizes satisfazedo às 0 X Y A codições, a soma dos elemetos da diagoal pricipal de X é: X Y B 0) 0) / 03) 5/ 0) 3/ 05) 5 X Y A 0 { X A B X X Y B X X 0 Etão a soma dos elemetos da diagoal pricipal de X é: RESPOSTA: Alterativa

17 QUESTÃO 9 Um cliete de um baco tem de trocar a seha do seu cartão costatemete. A seha exigida pelo baco é composta de algarismos sem maiores restrições, porem, este cliete, por superstição, só gosta de sehas que formem úmeros que sejam múltiplos de 6 e que comecem por 5. Nas codições do gosto do cliete, quatas sehas podem ser formadas? 0) 6 0) 7 03) 8 0) 9 05) 0 5 a b Número de sehas 5, 5 ou 8 0 ou , 3, 6, 9 ou 8 8 5, ou Total de sehas: 7. RESPOSTA: Alterativa 0. QUESTÃO 30 Zeziho aotou as suas médias bimestrais de Matemática, Português, História e Iglês em uma tabela com quatro lihas e quatro coluas, formado uma matriz, como mostra a figura: o b Matemática 5,0 Português 8, História 9,0 Iglês 7,7 º b,5 6,5 7,8 5,9 3º b 6, 7, 6,8 5,6 º b 5,9 6,6 8,6 6, Sabe-se que as otas de todos os bimestres têm o mesmo peso, isto é, para calcular a média aual do aluo em cada matéria basta fazer a média aritmética de suas médias bimestrais. Para gerar uma ova matriz cujos elemetos represetem as médias auais de Zeziho, a mesma ordem acima apresetada, bastaria multiplicar essa matriz por: 0) 0) 03) 0) 05) 7

18 A matriz resultate deve ser formada de lihas e colua. A matriz dada é de ordem por, logo a matriz pela qual deve ser multiplica é de ordem por. Como são quatro bimestres, a média aual de cada disciplia deve ser dada pela quarta parte da soma das suas quatro otas durate o ao. A matriz 5,0 8, 9,0 7,7,5 6,5 7,8 5,9 6, 7, 6,8 5,6 5,9 6,6 deve ser multiplicada por 8,6 6,. 5,0 8, 9,0 7,7,5 6,5 7,8 5,9 6, 7, 6,8 5,6 5,0,5 6, 5,9 5,9 5, 8, 6,5 7, 6,6 6,6 7,5 8,6 9,0 7,8 6,8 8,6 8,05 6, 6,35 7,7 5,9 5,6 6, RESPOSTA: Alterativa 05 QUESTÃO 3 Calcule x y a figura, sabedo AB // CD. 0) 70º 0) 90º 03) 00º 0) 30º 05) 80º Deomiado o octógoo ão covexo acima como ABFICDLG, traçado por F e L retas paralelas aos segmetos AB e CD e prologado AG até iterceptar EF tem-se a figura ao lado. 8

19 Desta figura destacado as figuras abaixo e aplicado as propriedades relativas a cada uma, determia-se os valores de x e y ABFE é um trapézio do qual se cohecem os âgulos da base meor. FIGURA I Sedo a 5 80 e b 0 80 (âgulos colaterais iteros formados por uma trasversal e duas paralelas,em ambos os casos), etão a 55 e b 70 Substituido a pelo seu valor e determiado o âgulo itero relativo ao âgulo extero de 80 tem-se o triâgulo EGH ao lado. FIGURA II y 0 80 y 80 5 y 65 c c FIGURA III c 55 d No petágoo FIJLH: x x 5 Logo, x y 80. RESPOSTA: Alterativa 05. QUESTÃO 3 Na figura ao lado, sedo O é o cetro da circuferêcia, o valor de y é igual a: 0) 08º 0) 7º 03) 0º 0) 8º 05) NRA 9

20 O comprimeto da circuferêcia é C π r π π. A razão etre o comprimeto do arco BC e o da circuferêcia é 9π π 3 8. A medida do arco BC em radiao é 3 3 π rad π rad. 8 3π 3π 7π 7 80 A medida do maior arco AB é rad rad Assim o âgulo cetral AÔB mede RESPOSTA: Alterativa 0. Euciado para as questões 33 e 3. Em 0, Cátia orgaizou um caixa do qual participaram pessoas e que teve duração de meses. Todo mês 0 pessoas cotribuiam com uma certa quatia e uma recebia o total arrecadado com as cotribuições das demais. Ficou combiado etre os participates que o valor da cotribuição de cada mês seria % maior que a cotribuição do mês aterior. Na tabela ao lado temos o beeficiário de cada mês e o valor das cotribuições dos três primeiros meses: Dados: (,0) 0,9 e (,0),3 MÊS FEV/ VALOR DA CONTRIBUIÇÃO BENEFICIÁRIO R$500 Cátia MAR/ R$50 Guilherme ABR/ R$50,0 Zé Carlos MAI/ JUN/ Waderlei Marcelo JUL/ AGO/ SET/ OUT/ NOV/ DEZ/ Valeça Caribé Edvaldo Lília Marília Chico QUESTÃO 33 Ao fial do caixa, em dezembro de 0, calcule o valor recebido por Chico. 0) R$ 575,00. 0) R$ 565,00. 03) R$ 6095,00. 0) R$ 65,00. 05) R$ 670,50. 0

21 As cotribuições formam a P.G. (500; 50; 50,0;...; 500 (,0) 0 ). Chico recebeu: (,0) , RESPOSTA: Alterativa 03. QUESTÃO 3 Somadas todas as cotribuições realizadas por Chico ao logo do ao de 0, ecotramos a quatia de: 0) R$ 575,00. 0) R$ 565,00. 03) R$ 6095,00. 0) R$ 65,00. 05) R$ 670, (,0 ) 500(,9 ) A soma das cotribuições de Chico é: ,9 575.,0 0,0 RESPOSTA: Alterativa 0. QUESTÃO 35 Um ivestidor estrageiro tiha uma certa quatia em dólares o dia 0/0/0. Neste dia ele trocou seus dólares por reais pela cotação do dia e em seguida, com estes reais, comprou ações da Petrobras por R$ 5,00 cada ação. Na terça-feira, dia 08/05/0, ele vedeu suas ações da Petrobras por R$,00 cada ação e em seguida trocou seus reais por dólares pela cotação do dia. Sabedo que a cotação do dólar, em reais, o dia 08/05 estava 0% superior à cotação do dia 0/0, determie o prejuízo percetual que este ivestidor teve em dólares. 0) % 0) 8% 03) 30% 0) 36% 05) 0% Cosidere-se que o dia em que o ivestidor comprou as ações dólar valia x reais, etão pagou por uma ação x 5 dólares. No dia em que vedeu suas ações, dólar valia,0x reais, logo vedeu cada ação por 70,x x Sedo a razão etre o preço de veda e o de compra das ações igual a: 0,7 70% x x 5 O prejuízo percetual que este ivestidor teve em dólares foi de 30%. RESPOSTA: Alterativa 03.

COLÉGIO ANCHIETA-BA. ELABORAÇÃO: PROF. ADRIANO CARIBÉ e WALTER PORTO. RESOLUÇÃO: PROFA, MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

COLÉGIO ANCHIETA-BA. ELABORAÇÃO: PROF. ADRIANO CARIBÉ e WALTER PORTO. RESOLUÇÃO: PROFA, MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Questão 0. (UDESC) A AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA DA UNIDADE I-0 COLÉGIO ANCHIETA-BA ELABORAÇÃO: PROF. ADRIANO CARIBÉ e WALTER PORTO. PROFA, MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Um professor de matemática, após corrigir

Leia mais

Prova 3 Matemática ... GABARITO 1 NOME DO CANDIDATO:

Prova 3 Matemática ... GABARITO 1 NOME DO CANDIDATO: Prova 3 QUESTÕES OBJETIIVAS N ọ DE ORDEM: NOME DO CANDIDATO: N ọ DE INSCRIÇÃO: IINSTRUÇÕES PARA A REALIIZAÇÃO DA PROVA. Cofira os campos N ọ DE ORDEM, N ọ DE INSCRIÇÃO e NOME, que costam da etiqueta fixada

Leia mais

PG Progressão Geométrica

PG Progressão Geométrica PG Progressão Geométrica 1. (Uel 014) Amalio Shchams é o ome cietífico de uma espécie rara de plata, típica do oroeste do cotiete africao. O caule dessa plata é composto por colmos, cujas características

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Progressões. 1 (UFBA) A soma dos 3 o e 4 o termos da seqüência abaixo é:

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Progressões. 1 (UFBA) A soma dos 3 o e 4 o termos da seqüência abaixo é: Resolução das atividades complemetares Matemática M0 Progressões p. 46 (UFBA) A soma dos o e 4 o termos da seqüêcia abaio é: a 8 * a 8 ( )? a, IN a) 6 c) 0 e) 6 b) 8 d) 8 a 8 * a 8 ( )? a, IN a 8 ()? a

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

M = 4320 CERTO. O montante será

M = 4320 CERTO. O montante será PROVA BANCO DO BRASIL / 008 CESPE Para a veda de otebooks, uma loja de iformática oferece vários plaos de fiaciameto e, em todos eles, a taxa básica de juros é de % compostos ao mês. Nessa situação, julgue

Leia mais

Resposta: L π 4 L π 8

Resposta: L π 4 L π 8 . A figura a seguir ilustra as três primeiras etapas da divisão de um quadrado de lado L em quadrados meores, com um círculo iscrito em cada um deles. Sabedo-se que o úmero de círculos em cada etapa cresce

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

A soma dos perímetros dos triângulos dessa sequência infinita é a) 9 b) 12 c) 15 d) 18 e) 21

A soma dos perímetros dos triângulos dessa sequência infinita é a) 9 b) 12 c) 15 d) 18 e) 21 Nome: ºANO / CURSO TURMA: DATA: 0 / 0 / 05 Professor: Paulo. (Pucrj 0) Vamos empilhar 5 caixas em ordem crescete de altura. A primeira caixa tem m de altura, cada caixa seguite tem o triplo da altura da

Leia mais

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização Curso MI Matemática Fiaceira Professor: Pacífico Referêcia: 07//00 Juros compostos com testes resolvidos. Coceito Como vimos, o regime de capitalização composta o juro de cada período é calculado tomado

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

Resolução -Vestibular Insper 2015-1 Análise Quantitativa e Lógica. Por profa. Maria Antônia Conceição Gouveia.

Resolução -Vestibular Insper 2015-1 Análise Quantitativa e Lógica. Por profa. Maria Antônia Conceição Gouveia. Resolução -Vestibular Isper 0- Aálise Quatitativa e Lógica Por profa. Maria Atôia Coceição Gouveia.. A fila para etrar em uma balada é ecerrada às h e, quem chega exatamete esse horário, somete cosegue

Leia mais

37ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 (Ensino Médio) GABARITO

37ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 (Ensino Médio) GABARITO 37ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 Esio Médio) GABARITO GABARITO NÍVEL 3 ) B ) A ) B ) D ) C ) B 7) C ) C 7) B ) C 3) D 8) E 3) A 8) E 3) A ) C 9) B ) B 9) B ) C ) E 0) D ) A

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

Matemática Financeira I 3º semestre 2013 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios

Matemática Financeira I 3º semestre 2013 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios www/campossalles.br Cursos de: dmiistração, Ciêcias Cotábeis, Ecoomia, Comércio Exterior, e Sistemas de Iformação - telefoe (11) 3649-70-00 Matemática Fiaceira I 3º semestre 013 Professor Dorival Boora

Leia mais

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uiformes Daillo Touriho S. da Silva, M.Sc. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Coceito A resolução de problemas de matemática fiaceira tora-se muito

Leia mais

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO Amortizar sigifica pagar em parcelas. Como o pagameto do saldo devedor pricipal é feito de forma parcelada durate um prazo estabelecido, cada parcela, chamada PRESTAÇÃO, será formada por duas

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

Juros Simples e Compostos

Juros Simples e Compostos Juros Simples e Compostos 1. (G1 - epcar (Cpcar) 2013) Gabriel aplicou R$ 6500,00 a juros simples em dois bacos. No baco A, ele aplicou uma parte a 3% ao mês durate 5 6 de um ao; o baco B, aplicou o restate

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

CPV seu Pé Direito no INSPER

CPV seu Pé Direito no INSPER CPV seu Pé Direito o INSPE INSPE esolvida /ovembro/0 Prova A (Marrom) MATEMÁTICA 7. Cosidere o quadrilátero coveo ABCD mostrado a figura, em que AB = cm, AD = cm e m(^a) = 90º. 8. No plao cartesiao da

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

Questão 11. Questão 13. Questão 12. Questão 14. alternativa B. alternativa E. alternativa A

Questão 11. Questão 13. Questão 12. Questão 14. alternativa B. alternativa E. alternativa A Questão Em uma pesquisa, foram cosultados 00 cosumidores sobre sua satisfação em relação a uma certa marca de sabão em pó. Cada cosumidor deu uma ota de 0 a 0 para o produto, e a média fial das otas foi

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

UM NOVO OLHAR PARA O TEOREMA DE EULER

UM NOVO OLHAR PARA O TEOREMA DE EULER X Ecotro Nacioal de Educação Matemática UM NOVO OLHA PAA O TEOEMA DE EULE Iácio Atôio Athayde Oliveira Secretária de Educação do Distrito Federal professoriacio@gmail.com Aa Maria edolfi Gadulfo Uiversidade

Leia mais

Matemática Alexander dos Santos Dutra Ingrid Regina Pellini Valenço

Matemática Alexander dos Santos Dutra Ingrid Regina Pellini Valenço 4 Matemática Alexader dos Satos Dutra Igrid Regia Pellii Valeço Professor SUMÁRIO Reprodução proibida. Art. 84 do Código Peal e Lei 9.60 de 9 de fevereiro de 998. Módulo 0 Progressão aritmérica.................................

Leia mais

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013 ANDRÉ REIS MATEMÁTICA TEORIA 6 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS GABARITADAS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Adré Reis Orgaização e Diagramação: Mariae dos Reis ª Edição NOV 0

Leia mais

UFRGS 2007 - MATEMÁTICA

UFRGS 2007 - MATEMÁTICA - MATEMÁTICA 01) Em 2006, segudo otícias veiculadas a impresa, a dívida itera brasileira superou um trilhão de reais. Em otas de R$ 50, um trilhão de reais tem massa de 20.000 toeladas. Com base essas

Leia mais

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista 9 - Itrodução à Probabilidade e Estatística Desigualdades e Teoremas Limites 1 Um ariro apota a um alvo de 20 cm de raio. Seus disparos atigem o alvo, em média, a 5 cm

Leia mais

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b JUROS COMPOSTOS Chamamos de regime de juros compostos àquele ode os juros de cada período são calculados sobre o motate do período aterior, ou seja, os juros produzidos ao fim de cada período passam a

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler http://wwwuematbr/eugeio SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO A ecessidade de recursos obriga aqueles que querem fazer ivestimetos a tomar empréstimos e assumir dívidas que são pagas com juros que variam de acordo

Leia mais

Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO

Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO A parte fiaceira disciplia todas as áreas de uma orgaização que esteja direta ou idiretamete ligadas à tomada de decisão. Todo profissioal

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Gilmar Boratto Material de apoio para o curso de Admiistração. ÍNDICE CONCEITOS BÁSICOS...- 2-1- CONCEITO DE FLUXO DE CAIXA...- 2-2-A MATEMÁTICA FINANCEIRA E SEUS OBJETIVOS...-

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

Aula 2 - POT - Teoria dos Números - Fabio E. Brochero Martinez Carlos Gustavo T. de A. Moreira Nicolau C. Saldanha Eduardo Tengan

Aula 2 - POT - Teoria dos Números - Fabio E. Brochero Martinez Carlos Gustavo T. de A. Moreira Nicolau C. Saldanha Eduardo Tengan Aula - POT - Teoria dos Números - Nível III - Pricípios Fabio E. Brochero Martiez Carlos Gustavo T. de A. Moreira Nicolau C. Saldaha Eduardo Tega de Julho de 01 Pricípios Nesta aula apresetaremos algus

Leia mais

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - 0 - PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Setembro/203 UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - - TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCIEIRA

Leia mais

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades:

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades: CURTOSE O que sigifica aalisar um cojuto quato à Curtose? Sigifica apeas verificar o grau de achatameto da curva. Ou seja, saber se a Curva de Freqüêcia que represeta o cojuto é mais afilada ou mais achatada

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO Notas de aulas Gereciameto do Empreedimeto de Egeharia Egeharia Ecoômica e Aálise de Empreedimetos Prof. Márcio Belluomii Moraes, MsC CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Programação Diâmica Aula 3: Programação Diâmica Programação Diâmica Determiística; e Programação Diâmica Probabilística. Programação Diâmica O que é a Programação Diâmica? A Programação Diâmica é uma técica

Leia mais

CONTEÚDO AOS LEITORES 2. XXVI OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA 3 Problemas e Soluções da Primeira Fase

CONTEÚDO AOS LEITORES 2. XXVI OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA 3 Problemas e Soluções da Primeira Fase CONTEÚDO AOS LEITORES XXVI OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA 3 Problemas e Soluções da Primeira Fase XXVI OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA 7 Problemas e Soluções da Seguda Fase XXVI OLIMPÍADA BRASILEIRA

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 2013 MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE "D" TEORIA E 146 QUESTÕES POR TÓPICOS. 1ª Edição JUN 2013

CONCURSO PÚBLICO 2013 MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE D TEORIA E 146 QUESTÕES POR TÓPICOS. 1ª Edição JUN 2013 CONCURSO PÚBLICO 01 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL UFMS MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE "D" TEORIA E 16 QUESTÕES POR TÓPICOS Coordeação e Orgaização: Mariae dos Reis 1ª Edição

Leia mais

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 534 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA 1. Aalise as situações descritas abaixo e decida se a pesquisa deve ser feita por

Leia mais

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a.

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a. JUROS SIMPLES 1. Calcule os juros simples referetes a um capital de mil reais, aplicado em 4 aos, a uma taxa de 17% a.a. 2. Calcule o capital ecessário para que, em 17 meses, a uma taxa de juros simples

Leia mais

M = C (1 + i) n. Comparando o cálculo composto (exponencial) com o cálculo simples (linear), vemos no cálculo simples:

M = C (1 + i) n. Comparando o cálculo composto (exponencial) com o cálculo simples (linear), vemos no cálculo simples: PEDRO ORBERTO JUROS COMPOSTOS Da capitalização simples, sabemos que o redimeto se dá de forma liear ou proporcioal. A base de cálculo é sempre o capital iicial. o regime composto de capitalização, dizemos

Leia mais

Capitulo 9 Resolução de Exercícios

Capitulo 9 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Empréstimos a Curto Prazo (Juros Simples) Taxa efetiva liear i l i ; Taxa efetiva expoecial i Empréstimos a Logo Prazo Relações Básicas C k R k i k ; Sk i Sk i e i ; Sk Sk Rk ; Sk i Sk R k ;

Leia mais

Capitulo 10 Resolução de Exercícios

Capitulo 10 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com pricipal e juros simples corrigidos S C i I Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com apeas o pricipal corrigido e juros simples.

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M5 Análise combinatória

Matemática. Resolução das atividades complementares. M5 Análise combinatória Resolução das atividades complemetares Matemática M Aálise combiatória p. 6 Ao laçarmos um dado duas vezes, quatas e quais são as possibilidades de ocorrêcia dos úmeros? Ao laçarmos um dado duas vezes,

Leia mais

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato 1 PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato 1. Estimação: O objetivo da iferêcia estatística é obter coclusões a respeito de populações através de uma amostra extraída

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2008 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão (Costrução de modelo ER) Deseja-se projetar uma base de dados que dará suporte a

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO ESTATISTICA AVANÇADA

DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO ESTATISTICA AVANÇADA DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO Ferado Mori DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO ESTATISTICA AVANÇADA Resumo [Atraia o leitor com um resumo evolvete, em geral, uma rápida visão geral do

Leia mais

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia ActivALEA ative e atualize a sua literacia N.º 29 O QUE É UMA SONDAGEM? COMO É TRANSMIITIIDO O RESULTADO DE UMA SONDAGEM? O QUE É UM IINTERVALO DE CONFIIANÇA? Por: Maria Eugéia Graça Martis Departameto

Leia mais

Capitulo 3 Resolução de Exercícios

Capitulo 3 Resolução de Exercícios S C J J C i FORMULÁRIO Regime de Juros Compostos S C i C S i S i C S LN C LN i 3.7 Exercícios Propostos ) Qual o motate de uma aplicação de R$ 00.000,00 aplicados por um prazo de meses, a uma taxa de 5%

Leia mais

Revisão 01-2011. Exercícios Lista 01 21/02/2011. Questão 01 UFRJ - 2006

Revisão 01-2011. Exercícios Lista 01 21/02/2011. Questão 01 UFRJ - 2006 Aluo(a): Professor: Chiquiho Revisão 0-20 Exercícios Lista 0 2/02/20 Questão 0 UFRJ - 2006 Dois estados produzem trigo e soja. Os gráficos abaixo represetam a produção relativa de grãos de cada um desses

Leia mais

CURSO ONLINE DE EXERCÍCIOS MATEMÁTICA FINANCEIRA & ESTATÍSTICA AULA 09

CURSO ONLINE DE EXERCÍCIOS MATEMÁTICA FINANCEIRA & ESTATÍSTICA AULA 09 1 AULA 09 Olá, amigos! Chegamos hoje ao osso peúltimo simulado! Com mais esta aula, completaremos 8 (ceto e oito) questões resolvidas e miuciosamete aalisadas (54 de cada matéria). Teho a impressão de

Leia mais

1.4- Técnicas de Amostragem

1.4- Técnicas de Amostragem 1.4- Técicas de Amostragem É a parte da Teoria Estatística que defie os procedimetos para os plaejametos amostrais e as técicas de estimação utilizadas. As técicas de amostragem, tal como o plaejameto

Leia mais

Estatística stica para Metrologia

Estatística stica para Metrologia Estatística stica para Metrologia Aula Môica Barros, D.Sc. Juho de 28 Muitos problemas práticos exigem que a gete decida aceitar ou rejeitar alguma afirmação a respeito de um parâmetro de iteresse. Esta

Leia mais

PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS

PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS O coteúdo programático das provas objetivas, apresetado o Aexo I do edital de abertura do referido cocurso público, iclui etre os tópicos de

Leia mais

+... + a k. Observação: Os sistemas de coordenadas considerados são cartesianos retangulares.

+... + a k. Observação: Os sistemas de coordenadas considerados são cartesianos retangulares. MATEMÁTICA NOTAÇÕES : cojuto dos úmeros aturais; = {,,, } : cojuto dos úmeros iteiros : cojuto dos úmeros racioais : cojuto dos úmeros reais : cojuto dos úmeros complexos i: uidade imagiária, i = z: módulo

Leia mais

CONTEÚDO. XIV OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA 2 Problemas e Soluções da Primeira Fase

CONTEÚDO. XIV OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA 2 Problemas e Soluções da Primeira Fase CONTEÚDO XIV OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA Problemas e Soluções da Primeira Fase XIV OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA 4 Problemas e Soluções da Seguda Fase XIV OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA INTRODUÇÃO MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 1 1 Itrodução à Egeharia Ecoômica A egeharia, iserida detro do cotexto de escassez de recursos, pode aplicar

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (III ) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Ídice Itrodução Aplicação do cálculo matricial aos

Leia mais

Capitulo 2 Resolução de Exercícios

Capitulo 2 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Regime de Juros Simples S C J S 1 C i J Ci S C (1 i) S 1 C i Juro exato C i 365 S C 1 i C i 360 Juro Comercial 2.7 Exercícios Propostos 1 1) Qual o motate de uma aplicação de R$ 100.000,00 aplicados

Leia mais

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos Aexo VI Técicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Mauteção a Gestão de Activos Físicos LIDEL, 1 Rui Assis rassis@rassis.com http://www.rassis.com ANEXO VI Técicas Básicas de Simulação Simular

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

1. Objetivo: determinar as tensões normais nas seções transversais de uma viga sujeita a flexão pura e flexão simples.

1. Objetivo: determinar as tensões normais nas seções transversais de uma viga sujeita a flexão pura e flexão simples. FACULDADES NTEGRADAS ENSTEN DE LMERA Curso de Graduação em Egeharia Civil Resistêcia dos Materiais - 0 Prof. José Atoio Schiavo, MSc. NOTAS DE AULA Aula : Flexão Pura e Flexão Simples. Objetivo: determiar

Leia mais

PROVA DE ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE SELEÇÃO MESTRADO/UFMG 2008. são fixos (não aleatórios), α e β são parâmetros desconhecidos e os εi

PROVA DE ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE SELEÇÃO MESTRADO/UFMG 2008. são fixos (não aleatórios), α e β são parâmetros desconhecidos e os εi PROVA DE ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE SELEÇÃO MESTRADO/UFMG 008 Istruções para a prova: a) Cada questão respodida corretamete vale um poto. b) Questões deixadas em braco valem zero potos (este caso marque

Leia mais

Probabilidade e Estatística. Probabilidade e Estatística

Probabilidade e Estatística. Probabilidade e Estatística Probabilidade e Estatística i Sumário 1 Estatística Descritiva 1 1.1 Coceitos Básicos.................................... 1 1.1.1 Defiições importates............................. 1 1.2 Tabelas Estatísticas...................................

Leia mais

UNIVERSIDADE DA MADEIRA

UNIVERSIDADE DA MADEIRA Biofísica UNIVERSIDADE DA MADEIRA P9:Lei de Sell. Objetivos Verificar o deslocameto lateral de um feixe de luz LASER uma lâmia de faces paralelas. Verificação do âgulo critico e reflexão total. Determiação

Leia mais

Exercícios de Matemática Polinômios

Exercícios de Matemática Polinômios Exercícios de Matemática Poliômios ) (ITA-977) Se P(x) é um poliômio do 5º grau que satisfaz as codições = P() = P() = P(3) = P(4) = P(5) e P(6) = 0, etão temos: a) P(0) = 4 b) P(0) = 3 c) P(0) = 9 d)

Leia mais

Aula 02 - Relações de Equivalência

Aula 02 - Relações de Equivalência MATEMÁTICA FINANCEIRA Aula 02 - Relações de Equivalêcia Prof. Waderso S. Paris, M.Eg. prof@croosquality.com.br Relação etre P e F F 0 0 P Relação etre P e F Demostração da relação: Pricipal + juros = P

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2007 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão 1 (Costrução de modelo ER - Peso 3) Deseja-se costruir um sistema WEB que armazee

Leia mais

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira Rejae Corrrea da Rocha Matemática Fiaceira Uiversidade Federal de São João del-rei 0 Capítulo 5 Matemática Fiaceira Neste capítulo, os coceitos básicos de Matemática Fiaceira e algumas aplicações, dos

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS EFETIVOS DA PREFEITURA MUNICÍPIO DE TAIOBEIRAS/MG - EDITAL 1/2014 -

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS EFETIVOS DA PREFEITURA MUNICÍPIO DE TAIOBEIRAS/MG - EDITAL 1/2014 - CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS EFETIVOS DA PREFEITURA MUNICÍPIO DE TAIOBEIRAS/MG - EDITAL 1/014 - ESTE CADERNO DE PROVAS DESTINA-SE AOS CANDIDATOS AOS SEGUINTES CARGOS: Auxiliar de Saúde Soldador

Leia mais

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS INTRODUÇÃO TEORI DE CONJUNTOS Professora Laura guiar Cojuto dmitiremos que um cojuto seja uma coleção de ojetos chamados elemetos e que cada elemeto é um dos compoetes do cojuto. Geralmete, para dar ome

Leia mais

OS TRABALHOS DO SR. RICHARD PRICE * E O SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO UM RESUMO

OS TRABALHOS DO SR. RICHARD PRICE * E O SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO UM RESUMO OS TRABALHOS DO SR. RICHARD PRICE * E O SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO UM RESUMO Esta matéria comprova a afirmação do autor Thales Mello de Carvalho - Matemática Comercial e Fiaceira - falecido em 1961,

Leia mais

Cálculo Financeiro Comercial e suas aplicações.

Cálculo Financeiro Comercial e suas aplicações. Matemática Fiaceira Uidade de Sorriso - SENAC M, Prof Rikey Felix Cálculo Fiaceiro Comercial e suas aplicações. Método Algébrico Parte 0 Professor Rikey Felix Edição 0/03 Matemática Fiaceira Uidade de

Leia mais

somente um valor da variável y para cada valor de variável x.

somente um valor da variável y para cada valor de variável x. Notas de Aula: Revisão de fuções e geometria aalítica REVISÃO DE FUNÇÕES Fução como regra ou correspodêcia Defiição : Uma fução f é uma regra ou uma correspodêcia que faz associar um e somete um valor

Leia mais

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaesch Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção

Leia mais

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 60 Sumário CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 5.1. Itrodução... 62 5.2. Tabelas de trasição dos flip-flops... 63 5.2.1. Tabela de trasição do flip-flop JK... 63 5.2.2. Tabela de

Leia mais

RESISTORES E RESISTÊNCIAS

RESISTORES E RESISTÊNCIAS ELETICIDADE CAPÍTULO ESISTOES E ESISTÊNCIAS No Capítulo estudamos, detre outras coisas, o coceito de resistêcia elétrica. Vimos que tal costitui a capacidade de um corpo qualquer se opôr a passagem de

Leia mais

Aulas Particulares on-line

Aulas Particulares on-line Esse material é parte itegrate do Aulas Particulares o-lie do IESDE BRASIL S/A, mais iformações www.aulasparticularesiesde.com.br MATEMÁTICA PRÉ-VESTIBULAR LIVRO DO PROFESSOR 2006-2009 IESDE Brasil S.A.

Leia mais

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST Sistema Computacioal para Medidas de Posição - FATEST Deise Deolido Silva, Mauricio Duarte, Reata Ueo Sales, Guilherme Maia da Silva Faculdade de Tecologia de Garça FATEC deisedeolido@hotmail.com, maur.duarte@gmail.com,

Leia mais

UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS

UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS Viícius Atoio Motgomery de Mirada e-mail: vmotgomery@hotmail.com Edso Oliveira Pamploa e-mail: pamploa@iem.efei.rmg.br

Leia mais

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos Guia do Professor Matemática e Saúde Experimetos Coordeação Geral Elizabete dos Satos Autores Bárbara N. Palharii Alvim Sousa Karia Pessoa da Silva Lourdes Maria Werle de Almeida Luciaa Gastaldi S. Souza

Leia mais

Portanto, os juros podem induzir o adiamento do consumo, permitindo a formação de uma poupança.

Portanto, os juros podem induzir o adiamento do consumo, permitindo a formação de uma poupança. Matemática Fiaceira Deixar de cosumir hoje, visado comprar o futuro pode ser uma boa decisão, pois podemos, durate um período de tempo, ecoomizar uma certa quatia de diheiro para gahar os juros. Esses

Leia mais

7. ANÁLISE COMBINATÓRIA Professor Fernando Vargas. n 1 Cuidado

7. ANÁLISE COMBINATÓRIA Professor Fernando Vargas. n 1 Cuidado 7. ANÁLISE COMBINATÓRIA Professor Ferado Vargas É a área da Matemática que trata dos problemas de cotagem. Estuda problemas que evolvem o cálculo do úmero de agrupametos que podem ser feitos com os elemetos

Leia mais

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante .5 Aritmética de Poto Flutuate A represetação em aritmética de poto flutuate é muito utilizada a computação digital. Um exemplo é a caso das calculadoras cietíficas. Exemplo:,597 03. 3 Este úmero represeta:,597.

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL 2 OBJETIVO Trasmitir ao participate as formas de evolução do diheiro com o tempo as aplicações e empréstimos e istrumetos para aálise de alterativas de ivestimetos,

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Julho de 2008 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão (Costrução de modelo ER - Peso 2 Deseja-se costruir um sistema WEB que armazee a comuicação

Leia mais

Notas de aula de Matemática Financeira

Notas de aula de Matemática Financeira Notas de aula de Matemática Fiaceira Professores: Gelso Augusto SUMÁRIO 1. Sistema de capitalização simples...3 1.1 Itrodução:...3 1.2 Coceitos Iiciais....3 1.3 Juros Simples...5 1.3.1 Motate simples...5

Leia mais

1. O Cartão ACP Master...2. 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2

1. O Cartão ACP Master...2. 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2 GUIA DO UTILIZADOR Cartão ACP Master Ídice 1. O Cartão ACP Master...2 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2 3. O que fazer em caso de perda, furto, roubo ou extravio do cartão...3 4. Ode

Leia mais

TAXA DE JUROS NOMINAL, PROPORCIONAL, EFETIVA E EQUIVALENTE

TAXA DE JUROS NOMINAL, PROPORCIONAL, EFETIVA E EQUIVALENTE ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2 2. JUROS SIMPLES 3 2.1 Coceitos e Cálculos 3 2.2 Descoto Simples 6 2.2.1 Descoto Simples Bacário 6 2.2.2 Descoto Simples Racioal 8 3. JUROS COMPOSTOS 9 3.1 Coceitos e Cálculos 9

Leia mais

MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I

MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I 00 MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I TEXTO DE APOIO MARIA ALICE FILIPE ÍNDICE NOTAS PRÉVIAS ALGUNS CONCEITOS SOBRE SÉRIES6 NOTAS PRÉVIAS As otas seguites referem-se ao maual adoptado: Cálculo, Vol I James

Leia mais

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico.

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico. CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO NORMA N o 045 APROVADA EM AGO/03 N o 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Resposabilidade 4 Documetos Complemetes 5 Siglas

Leia mais

SUMÁRIO 1. AMOSTRAGEM 4. 1.1. Conceitos básicos 4

SUMÁRIO 1. AMOSTRAGEM 4. 1.1. Conceitos básicos 4 SUMÁRIO 1. AMOSTRAGEM 4 1.1. Coceitos básicos 4 1.. Distribuição amostral dos estimadores 8 1..1. Distribuição amostral da média 8 1... Distribuição amostral da variâcia 11 1..3. Distribuição amostral

Leia mais