PRINCÍPIOS BÁSICOS PRINCÍPIOS BÁSICOS 1. LEGALIDADE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRINCÍPIOS BÁSICOS PRINCÍPIOS BÁSICOS 1. LEGALIDADE"

Transcrição

1 PRINCÍPIOS BÁSICOS ART. 37, CAPUT, DA CF Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência. PRINCÍPIOS BÁSICOS 1. LEGALIDADE 2. IMPESSOALIDADE 3. MORALIDADE 4. PUBLICIDADE 5. EFICIÊNCIA (EC. N. 19/98) LEGALIDADE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

2 IMPESSOALIDADE MORALIDADE 1. IGUALDADE 2. FINALIDADE SU PE RE I PUBLICIDADE EFICIÊNCIA

3 PROGRAMA DE SEGURO DESEMPREGO PROGRAMA DE DESEMPREGO E ABONO SALARIAL (LEI N /90) FINALIDADE DO PROGRAMA 1. ASSISTÊNCIA FINANCEIRA TEMPORÁRIA AO TRABALHADOR A) DESEMPREGADO (SEM JUSTA CAUSA OU INDIRETA) B) SUSPENSO POR CONTA DE PARTICIPAR DE CURSOS C) SOLICITADO POR PESCADOR (PESCA PROIBIDA) D) FORÇADO OU ESCRAVO (RESGATAR) 2. AUXILIAR (BUSCA OU PRESERVAÇÃO DO EMPREGO) BOLSA SEGURO DESEMPREGO QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CUSTEADA HIPÓTESES CANCELADA DESCONTATO DO SEGURO DESEMPREGO FUNDO DE AMPARO AO TRABALHADOR (FAT) CONTRATO DE TRABALHO SUSPENSO (CURSO OU PROGRAMAS) RESCISÃO DO CONTRATOUAL E RETORNO AO TRABALHO FALSIDADE DE INFORMAÇÕES FRAUDE MORTE MINIMO 1 PARCELA CUSTEADO REQUISITOS EM CARÁTER EXCEPCIONAL FUNDO DE AMPARO AO TRABALHADOR (FAT) DESEMPREGO INVOLUNTÁRO (12 A 18 MESES DA PRIMEIRA PARCELADO DO SEGURO DESEMPREGO) VALOR 3 PARCELAR DE R$ 100,00 DETERMINADO CONSELHO DELIBERATIVO DO FUNDO DE AMPARO AO TRABALHADOR - CODEFAT (IDADE, END DO EMPREGADOR E RACURSOS)

4 TRABALHO FORÇADO SEGURO DESEMPREGO (ESCRAVO) RECEBIDO SALARIO NOS ULTIMOS 6 MESES DA DATA DA DISPENSA AUTÔNOMO (15 MESES NOS ULTIMOS 24 MESES) DIREITO SEM QUALQUER BENEFICIO PREVIDENCIÁRIO SEM AO AUXILIO DESEMPREGO SEGURO DESEMPREGO A) 3 PARCELAS B) 1 SALÁRIO MÍNIMO C) SISTEMA NACIONAL DE EMPREGO (SINE) B) VEDADO NOS 12 MESES seguintes (ULTIMA PARCELA) SEGURO DESEMPREGO SEM RENDA PRÓPRIA SUFICIENTE PODERÁ A UNIÃO FACULTAR O RECEBIMENTO MEDIANTE COMPROVAÇÃO DE MATRICULA E FRENQUÊNCIA EM CURSO DE FORMAÇÃO (MINIMO DE 160H) PODER EXECUTIVO CALCULO DO SEGURO DESEMPREGO TEMPO DE TRABALHO NUMERO DE PARCELAR - DE 6 MESES 00 6 MESES A 11 MESES MESES A 23 MESES MESES OU MAIS 05 PECULIARIDADES NOS ÚLTIMOS 3 MESES Art. 4º O benefício do seguro-desemprego será concedido ao trabalhador desempregado, por um período máximo de 4 meses, de forma contínua ou alternada, a cada período aquisitivo de 16 meses, contados da data de dispensa que deu origem à primeira habilitação. (lei n /94) 1. MINIMO DE SALÁRIO MÍNIMO 2. DIREITO PESSOAL E INTRANSFERÍVEL 3. REQUERIDO APÓS O 7º DA DISPENSA 4. PAGO APÓS O DIA 10 DE CADA MÊS 5. BÔNUS DO TESOURO NACIONAL (BTN)

5 SEGURO DESEMPREGO X 0,8 (80%) X 0,5 (50%) + R$ 920,85 CALCULAR O VALOR EM 2014 (VALOR DO SEGURO DESEMPREGO) HIPÓTESES SALARIO ATE R$ 1.151,06 (300 BTN) SALARIO ,06 (300 BTN) SALARIO ATE R$ 1.918,92 (500 BTN) R$ 1.304,63 (340 BTN) SALARIO ACIMA DE R$ 1.918,92 (+ 500 BTN) NUNCA INFERIOR 1 SALARIO MINIMO SUSPENSO NOVO EMPREGO BENEFÍCIO DA PREVIDENCIA (EXCETO O AUXÍLIO-ACIDENTE E AUXÍLIO SUPLEMENTAR) PERCEPÇÃO DE AUXÍLIO- DESEMPREGO CANCELADO RECUSA DE EMPREGO* (REMUNERAÇÃO ANTERIOR) FALSIDADE NA PRESTAÇÃO DA INFORMAÇÕES PARA HABILITAÇÃO COMPROVAÇÃO DE FRAUDE* O BENEFICIO SERÁ CANCELADO COM A MORTE DO SEGURADO * SUSPENSO POR 2 ANOS PROGRAMA DE ABONO SALARIAL FUNDO DE AMPARO AO TRABALHADOR 1 SALÁRIO MÍNIMO EMPREGADOR CONTRIBUA COM PIS OU PASEP ATÉ 2 SALÁRIO MÍNIMOS NO PERIODO TRABALHADO (30 DIAS DO ANO BASE) INSCRITOS HÁ PELO MENOS 5 ANOS A) VINCULADO AO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO B) DESTINADO AO PAGAMENTO: SEGURO DESEMPREGO ABONO SALARIAL FINANCIAMENTO DE PROGRMAS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL C) FUNDO CONTÁBIL DE NATUREZA FINANCEIRA

6 FUNDO DE AMPARO AO TRABALHADOR CONSELHO DELIBERATIVO DO FAT (CODEFAT) ARRECADAÇÃO DO PIS ENCARGOS DOS CONTRIBUINTES RECURSOS CORREÇÃO MONETÁRIA E JUROS (APLICAÇÃO DOS RECURSOS) PRODUTO DA ARRECAÇÃO (CONTRIBUIÇÃO ADICIONAL) OUTROS RECURSOS BANCOS OFICIAIS FEDERAIS COMPOSTO POR REPRESENTANTES DOS: A) TRABALADORES B) EMPREGADORES C) ORGÃO E ENTIDADES GOVERNAMENTAIS FORMA REGULADA PELO PODER EXECUTIVO INDICADOS: A) CENTRAIS SINDICAIS B) RESPECTIVA CONFEDERAÇÕES NOMEADOS PELO MINISTRO DO TRABALHO / SEM REMUNERAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO DO FAT (CODEFAT) CONSELHO DELIBERATIVO DO FAT (CODEFAT) COMPETÊNCIA PARA DELIBERAR 1. aprovar e acompanhar a execução do Plano de Trabalho Anual do Programa do Seguro- Desemprego e do abono salarial e os respectivos orçamentos; 2. deliberar sobre a prestação de conta e os relatórios de execução orçamentária 3. elaborar a proposta orçamentária do FAT, bem como suas alterações; 4. propor aperfeiçoamento da legislação ao seguro-desemprego e ao abono salarial 5. decidir sobre sua própria organização, elaborando seu regimento interno; 6. analisar relatórios do agente aplicador 7. fiscalizar a administração do fundo, podendo solicitar informações sobre contratos celebrados ou em vias de celebração e quaisquer outros atos; 8. definir indexadores sucedâneos no caso de extinção ou alteração 9. baixar instruções necessárias à devolução de parcelas do benefício 10. propor alteração das alíquotas referentes às contribuições 11. fixar prazos para processamento e envio ao trabalhador da requisição do benefício do seguro-desemprego, em função das possibilidades técnicas existentes, estabelecendo-se como objetivo o prazo de 30 (trinta) dias; 12. deliberar sobre outros assuntos de interesses do FAT. A SECRETARIA-EXECUTIVA SERÁ EXERCIDA PELO MINISTÉRIO DO TRABALHO AS DESPESAS SERÃO POR CONTA DO FAT SALVO COM PESSOAL. OS RECURSOS DO FAT INTEGRARÃO O ORÇAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL

7 FISCALIZAÇÃO E PENALIDADES FISCALIZAÇÃO DO CUMPRIMENTO (PROGRAMA SEGURO DESEMPREGO E ABONO SALARIAL) MINISTÉRIO DO TRABALHO ATENDER AS EXIGÊNCIAS PARA PAGAMENTO TRABALHADORES E EMPREGADORES INFRINGIR O DISPOSTO NA LEI PENALIDADE (DELEGACIA REGIONAL DO TRABALHO) MULTAS DE 400 A BTN (DOBRO REINCIDÊNCIA) PUNIDOS CIVIL E CRIMINALMENTE BOLSA FAMÍLIA (LEI /04) BOLSA FAMÍLIA PECULIARIDADES 1. AÇÕES DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM CONDICIONALIDADES. 2. FINALIDADE: A UNIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE GESTÃO E EXECUÇÃO DAS AÇÕES DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA DO GOVERNO FEDERAL, ESPECIALMENTE AS DO PROGRAMA NACIONAL DE RENDA MÍNIMA VINCULADO À EDUCAÇÃO - BOLSA ESCOLA FAMÍLIA RENDA FAMILIAR MENSAL CONSIDERA-SE a unidade nuclear, eventualmente ampliada por outros indivíduos que com ela possuam laços de parentesco ou de afinidade, que forme um grupo doméstico, vivendo sob o mesmo teto e que se mantém pela contribuição de seus membros. a soma dos rendimentos brutos auferidos mensalmente pela totalidade dos membros da família, excluindo-se os rendimentos concedidos por programas oficiais de transferência de renda, nos termos do regulamento.

8 BOLSA FAMÍLIA (PODEM SER MAJORADOS PELO CHEFE DO EXECUTIVO) PAGAMENTO DO BENEFÍCIOS (CARTÃO DA CEF + NÚMERO DE IDENTIFICAÇÃO SOCIAL - NIS) BENEFÍCIOS FINANCEIROS UNIDADES FAMILIARES COMPOSIÇÃO BENEFÍCIOS POR FAMÍLIA VALOR BÁSICO EXTREMA X POBREZA ATÉ R$ 60,00 PER CAPITA R$ 58,00 VARIÁVEL VARIÁVEL JOVEM PARA SUPERAÇÃO POBREZA E EXTREMA POBREZA POBREZA OU EXTREMA POBREZA EXTREMA POBREZA GESTANTE, CRIANÇAS E ADOLECENTES* ATÉ 15 ANOS ADOLECENTES* 16 E 17 ANOS ADOLECENTES* ATÉ 15 ANOS 5 ATÉ R$ 120,00 PER CAPITA 2 ATÉ R$ 120,00 PER CAPITA 1 ATÉ R$ 70,00 PER CAPITA R$ 18,00 R$ 30,00* FECHAR R$ 70,00* A) CONTAS-CORRENTES DE DEPÓSITO À VISTA B) CONTAS ESPECIAIS DE DEPÓSITO À VISTA C) CONTAS CONTÁBEIS D) OUTRAS ESPÉCIES DE CONTA QUE VENHAM SER CRIADAS PAGOS CUMULATIVAMENTE ÀS FAMÍLIAS BENEFICIÁRIAS CONCESSÃO DO BENEFÍCIOS CONSELHO GESTOR INTERMINISTERIAL (PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA) CONDICIONADO 1. EXAME PRÉ-NATAL 2. ACOMPANHAMENTO NUTRICIONAL 3. ACAMPANHAMENTO DE SAÚDE 4. FREQUÊNCIA ESCOLAR a) 85% ESTABELECIMENTO DE ENSINO b) 75% ESTABELECIMENTO DE ENSINO (ADOLECENTE 16 E 17 ANOS) PREFERENCIALMENTE PAGO A MULHER APARTIR DE 14 ANOS PODERÃO TER ACESSO A PROGRAMAS E CURSOS DE EDUCAÇÃO E QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAIS ORGÃO DE ASSESSORAMENTO FINALIDADE CONSIDERA-SE IMEDIATO DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA FORMULAR E INTEGRAR POLÍTICAS PÚBLICAS SECRETARIA-EXECUTIVA FINALIDADE DE COORDENAR, SUPERVISIONAR, CONTROLAR E AVALIAR O PROGRAMA (ATOS)

9 DESPESAS DO PROGRAMA EXECUÇÃO E A GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA DOTAÇÕES ALOCADAS NOS PROGRAMAS FEDERAIS DOTAÇÕES DO ORÇAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL PODER EXECUTIVO COMPATIBILIZAR A QUANTIDADE CEF AGENTE OPERADOR DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA, REMUNERADO (GOVERNO) 1. PÚBLICAS E GOVERNAMENTAIS (DESCENTRALIZADA) ADESÃO VOLUNTÁRIA DOS ESTADOS, DO DISTRITO FEDERAL E DOS MUNICÍPIOS 2. PARTICIPAÇÃO COMUNITÁRIA E O CONTROLE SOCIAL. 3. ÍNDICE DE GESTÃO DESCENTRALIZADA DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA IGD. A) MEDIR RESULTADOS B) INCENTIVAR A OBTENÇÃO DE RESULTADO C) CALCULAR O MONTANTE DE RECURSOS 4. A UNIÃO TRANSFERIRÁ OBRIGATORIAMENTE RECURSOS AOS ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS (PRESTAR CONTAS 3% DO ORÇAMENTO TOTAL DO BOLSA FAMÍLIA 5. CONTRE DA PARTICIPAÇÃO DO PROGRAMA (CONSELHO OU COMITÊ MUNICIPAL) RESPONSABILIDADES (SERVIDOR PÚBLICO OU AGENTE DA ENTIDADE) ADMINISTRATIVA DESEMPENHO DE CARGO OU FUNÇÃO CIVIL RESSASCIR O DANO MULTA DOBRO ATÉ 4X PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO SOCIAL PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO SOCIAL (LEI 7/70) PENAL CRIME INSERIR DADOS FALSOS CONTRIBUIR PARA PESSOAS INDEVIDAS RECEBA

10 PIS RECURSOS DO PIS DESTINADO A PROMOVER A INTEGRAÇÃO DO EMPREGADO NA VIDA E NO DESENVOLVIMENTO DAS EMPRESAS. PESSOA JURÍDICA EMPREGADO TRABALHADORES AVULSO ENTENDE-SE NOS TERMOS DA LIGISLAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA DEFINIDO PELA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA PRESTÃO SERVIÇOS A DIVERSAS EMPRESAS FUNDO DE PARTICIPAÇÃO (DUAS PARCELAS) 1. DEDUÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA (5%) 2. RECURSOS PRÓPRIOS DA EMPRESA (0,5%) CAIXA ECONÔMICA FEDERAL (CADERNETA EM NOME DO EMPREGADO E DEPÓSITO PROCESSADO MENSALMENTE) INSCRIÇÃO POR PARTE DO EMPREGADOR DEPOSITO EM 2 ETAPAS (50% + 50%) OMISSÃO DOLOSA OU DECLARAÇÃO FALSA (EMPREGADO) MULTA DE 10 MESES DE SALÁRIO PARTICIPAÇÃO DO EMPREGADO NO FUNDO REVOGADO ART. 8 E 9 PARTICIPAÇÃO DO EMPREGADO NO FUNDO DEPÓSITOS EFETUADOS POR EMPREGADORES NA CONTA DO EMPREGADO 1, primeira, mediante dedução do Imposto de Renda (5%) 2. segunda, com recursos próprios da empresa, calculados com base no faturamento (0,5%) PARTICIPAÇÃO DO EMPREGADO NO FUNDO FAR-SE-Á MEDIANTE DEPÓSITOS EFETUADOS EM CONTAS INDIVIDUAIS ABERTAS EM NOME DE CADA EMPREGADO (CEF USA AS INFORMAÇÕES FORNECIDAS PELAS EMPRESAS, NO PRAZO DE 180 DIAS APÓS A LEI PARA CADASTRO) a) 50% do valor destinado ao Fundo será dividido em partes proporcionais ao montante de salários recebidos no período); b) 50% restantes serão divididos em partes proporcionais aos qüinqüênios de serviços prestados pelo empregado. OMISSÃO DOLOSA OU DECLARAÇÃO FALSA (EMPREGADO) MULTA DE 10 MESES DE SALÁRIO

11 FGTS FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO (LEI 8.036/90) RECURSO INCORPORADOS DEPOSITO EFETUADOS NA CONTA DO EMPREGADO (IMPENHORAVÉL) DOTAÇÕES ORÇAMENTÁRIAS ESPECÍFICAS RESULTADOS DAS APLICAÇÕES DOS RECURSOS DO FGTS MULTAS, CORREÇÃO MONETÁRIA E JUROS MORATÓRIOS DEVIDOS DEMAIS RECEITAS PATRIMONIAIS E FINANCEIRAS APLICADOS COM ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA CONSELHO DE CURADORES COMPETÊNCIA COMPOSIÇÃO FINALIDADE PRESIDÊNCIA DECISÃO TRABALHADORES* EMPREGADORES* ÓRGÃO OU ENTIDADES *(SUPLENTES SINDICATO MANDATO 2 ANO + RECONDUÇÃO) DITAR NORMAS E DIRETRIZES REPRESENTANTE DO MINISTÉRIO DO TRABALHO MAIORIA SIMPLES (PRESIDENTE VOTO) REUNIÃO ORDINARIAMENTE A CADA BIMESTRE (CONVOCAÇÃO 15D) CONSELHO CURADOR MINISTÉRIO DA AÇÃO SOCIAL CEF AGENTE OPERADOR FGTS ART. 5 (APROVAR O PROGRAMA ANUAL) ART. 6 (CUMPRIR O PROGRAMA ANUAL) ART. 7 (CUMPRIR O PROGRAMA ANUAL) MINISTÉRIO DO TRABALHO, PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO, DA FAZENDA, DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO, CEF E BCB A GESTÃO DA APLICAÇÃO DO FGTS SERÁ EFETUADA PELO MINISTÉRIO DA AÇÃO SOCIAL, CABENDO À CEF AGENTE OPERADOR.

12 FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO (FGTS) FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO (FGTS) DEPOSITAR E COMUNICAR TODO MÊS AO TRABALHADOR VALOR 8% NO DIA 7 DO MÊS 1. HORAS EXTRAS 2. ADICIONAIS (PERICULOSIDADE E INSALUBRIDADE) 3. TRABALHO NOTURNO, 4. 13º SALÁRIO, 5. FÉRIAS 6. AVISO PRÉVIO CONTRATO DE APRENDIZADO 6% O QUE É? 1. CRIADO NA DÉCADA DE 60 (DEMITIDO SEM JUSTA CAUSA). 2. OS EMPREGADORES DEPOSITAM, EM CONTAS ABERTAS NA CAIXA 3. FINANCIA PROGRAMAS DE HABITAÇÃO POPULAR, SANEAMENTO BÁSICO E INFRAESTRUTURA URBANA, QUE BENEFICIAM A SOCIEDADE, EM GERAL, PRINCIPALMENTE A DE MENOR RENDA. TAXA REFERENCIAL + JUROS E MORA DE 0,5 A.M MULTA 5% PRIMEIRO MÊS E DEPOIS 10%. FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO (FGTS) FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO (FGTS) POUPANÇA + JUROS AO ANO 3% DOIS PRIMEIROS ANOS 4% TERCEIRO E QUINTO ANO 5% SEXTO AO DÉCIMO ANO 6% A PARTIR DO DÉCIMO ANO DESPEDIDA A) SEM JUSTA CAUSA = MULTA DE 40% B) CULPA RECÍPROCA OU FORÇA MAIOR = MULTA 20% OBJETIVO 1. FORMAR UM FUNDO DE INDENIZAÇÕES TRABALHISTAS; 2. OFERECER AO TRABALHADOR A POSSIBILIDADE DE FORMAR UM PATRIMÔNIO EM TROCA DA ESTABILIDADE NO EMPREGO; 3. PROPORCIONAR AO TRABALHADOR AUMENTO DE SUA RENDA REAL, PELA POSSIBILIDADE DE ACESSO À CASA PRÓPRIA; 4. FORMAR FUNDO DE RECURSOS PARA O FINANCIAMENTO DE PROGRAMAS DE HABITAÇÃO POPULAR, SANEAMENTO BÁSICO E INFRAESTRUTURA URBANA.

13 FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO (FGTS) FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO (FGTS) QUEM TEM DIREITO A TODOS OS TRABALHADORES COM CONTRATO DE TRABALHO FORMAL, REGIDO PELA CLT (CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DO TRABALHO) DESDE 5/10/88. ANTES DESSA DATA, O DIREITO AO FGTS ERA OPCIONAL. TAMBÉM TÊM DIREITO AO FGTS, TRABALHADORES RURAIS, TEMPORÁRIOS, AVULSOS, SAFREIROS (OPERÁRIOS RURAIS, QUE TRABALHAM NO PERÍODO DE COLHEITA) E ATLETAS PROFISSIONAIS. O DIRETOR NÃO EMPREGADO E O EMPREGADO DOMÉSTICO PODEM SER INCLUÍDOS NO SISTEMA, A CRITÉRIO DO EMPREGADOR. MOVIMENTADA I - DESPEDIDA SEM JUSTA CAUSA, INDIRETA E CULPA RECÍPROCA II - EXTINÇÃO TOTAL DA EMPRESA III - APOSENTADORIA IV - FALECIMENTO DO TRABALHADOR, (DEPENDENTES) V - FINANCIAMENTO HABITACIONAL (PARCELA - 3 ANOS) VII MORADIA PRÓPRIA (3 ANOS) VIII 3 ANOS ININTERRUPTOS, FORA DO REGIME DO FGTS IX - EXTINÇÃO NORMAL DO CONTRATO A TERMO, X - SUSPENSÃO TOTAL DO TRABALHO AVULSO 90 DIAS XI - TRABALHADOR OU DEPENDENTES DE NEOPLASIA MALIGNA. XII - APLICAÇÃO EM QUOTAS DE FUNDOS MÚTUOS DE PRIVATIZAÇÃO, XIII - TRABALHADOR OU DEPENDENTES FOR PORTADOR DO VÍRUS HIV; XIV - TRABALHADOR OU DEPENDENTES DOENÇA GRAVE XV - TRABALHADOR TIVER IDADE 70 ANOS. XVI - DESASTRE NATURAL, NÃO DEPOSITAR NO PRAZO: 10 A 100 BTN OMITIR INFORMAÇÕES OU ERROS: 2 A 5 BTN CARTÃO CIDADÃO DIFERENÇAS PARA QUE? 1. CONSULTAS DO FGTS E PIS 2. RECEBER BENEFICIOS (BOLSA FAMILIA, FGTS, ABONO SALARIAL, SEGURO E ETC) 3. PIS/PASEP (CAIXA OU 0800) SALVO SE JA TIVER O CARTÃO 4. MIDIA MAGNETICA + SENHA (CAIXA) ÉTICA GREGO ETHOS MODO SE SER MORAL LATIM MORES COSTUMES

14 É UM CONJUNTO DE NORMAS QUE REGULAM O COMPORTAMENTO DO HOMEM EM SOCIEDADE, E ESTAS NORMAS SÃO ADQUIRIDAS PELA EDUCAÇÃO, PELA TRADIÇÃO E PELO COTIDIANO. CIÊNCIA DOS COSTUMES, SENDO ALGO ANTERIOR A PRÓPRIA SOCIEDADE. A MORAL TEM CARÁTER OBRIGATÓRIO. CONJUNTO DE VALORES QUE ORIENTAM O COMPORTAMENTO DO HOMEM EM RELAÇÃO AOS OUTROS HOMENS NA SOCIEDADE EM QUE VIVE, GARANTINDO, OUTROSSIM, O BEM- ESTAR SOCIAL, OU SEJA, ÉTICA É A FORMA QUE O HOMEM DEVE SE COMPORTAR NO SEU MEIO SOCIAL.. A MORAL SEMPRE EXISTIU, POIS TODO SER HUMANO POSSUI A CONSCIÊNCIA MORAL QUE O LEVA A DISTINGUIR O BEM DO MAL NO CONTEXTO EM QUE VIVE. SURGINDO REALMENTE QUANDO O HOMEM PASSOU A FAZER PARTE DE AGRUPAMENTOS, ISTO É, SURGIU NAS SOCIEDADES PRIMITIVAS, NAS PRIMEIRAS TRIBOS. A ÉTICA TERIA SURGIDO COM SÓCRATES, POIS SE EXIGI MAIOR GRAU DE CULTURA. ELA INVESTIGA E EXPLICA AS NORMAS MORAIS, POIS LEVA O HOMEM A AGIR NÃO SÓ POR TRADIÇÃO, EDUCAÇÃO OU HÁBITO, MAS PRINCIPALMENTE POR CONVICÇÃO E INTELIGÊNCIA. CONJUNTO DE NORMAS QUE MATERIALIZAM UM IDEAL DE PERFEIÇÃO BUSCADO PELOS SERES HUMANOS. SE REFEREM ÀS NORMAS OU CRITÉRIOS DE CONDUTA QUE AFETAM TODAS AS ÁREAS DA NOSSA ATIVIDADE. EXEMPLOS: SOLIDARIEDADE, HONESTIDADE, VERDADE, LEALDADE, BONDADE, ALTRUÍSMO... (O HOMEM ESTÁ BUSCANDO) ÉTICA UNIVERSAL TEORICA - ETERNA MORAL CULTURAL PRÁTICA - TEMPORÁRIA NO MAIS ALTO GRAU, É O CONJUNTO DE TODAS AS QUALIDADES ESSENCIAIS QUE CONSTITUEM O HOMEM DE BEM. SEGUNDO ARISTÓTELES, É UMA DISPOSIÇÃO ADQUIRIDA DE FAZER O BEM,E ELAS SE APERFEIÇOAM COM O HÁBITO. (O HOMEM VIRTUOSO JÁ POSSUI, MAS CERTAMENTE PODE BUSCAR OUTROS VALORES).

15 ÉTICA PROFISSIONAL E EMPRESARIAL 1. ÉTICA PROFISSIONAL É o conjunto de princípios que regem a conduta funcional de uma determinada profissão. Dessa maneira, cada pessoa deve proceder de acordo com os princípios éticos. Cada profissão, porém, exige de quem a exerce, além dos princípios éticos comuns a todos os homens, procedimento ético de acordo com a profissão. Exemplo: sigilo do médico, do padre, do terapeuta. 2. ÉTICA EMPRESARIAL Refere-se e atinge as empresas e organizações, pois estas necessitam desenvolver-se de tal forma que a ética, a conduta ética de seus integrantes, bem como os valores e convicções primários da organização se tornem parte de sua cultura. 3. CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL Uma relação das práticas de comportamento que se espera sejam observadas no exercício da profissão, sendo que sua normas visam o bem-estar da sociedade, de forma a assegurar a lisura de procedimentos de seus membros dentro e fora da instituição. Objetivo: formação da consciência profissional sobre padrões de conduta GESTÃO DE ÉTICA NAS EMPRESAS PÚBLICAS E PRIVADAS VANTAGENS DE SE IMPLANTAR UM PROGRAMA DE CIDADANIA 1. MELHORIA DO CLIMA DE TRABALHO (DIREITOS RESPEITADOS) 2. CRIA UM CLIMA DE COOPERAÇÃO INTERNA (CRIATIVIDADE) 3. FORTALECIMENTO DA IMAGEM DA ORGANIZAÇÃO SOCIAL 4. CONSUMIDOR PEVILEGIA EMPRESAS ÉTICAS (FUNCIONARIOS) 5. AUMENTO DA AUTOMOTIVAÇÃO 6. FORTALECIMENTO DO ESPÍRITO DE EQUIPE RECOMENDAÇÕES P/ O SUCESSO DE UM PROGRAMA DE CIDADANIA 1. HOUVIR O FUNCIONÁRIO E A COMUNIDADE 2. ESTAVELECER UMA RELAÇÃO DE DIÁLOGO ENTRE OS DOIS 3. DIREITOS HUMANOS RESPEITADOS 4. ESTIMULAR O VOLUNTARIADO 5. TRABALHO EM EQUIPE UM PRAZER 6. TUDO PODE SER MELHOR SE CADA UM FIZER SUA PARTE

16 CÓDIGO DE ÉTICA DA CAIXA MISSÃO Atuar na promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável do País, como instituição financeira, agente de políticas públicas e parceira estratégica do Estado brasileiro. VALORES Sustentabilidade econômica, financeira e sócio-ambiental Valorização do ser humano Respeito à diversidade Transparência e ética com o cliente Reconhecimento e valorização das pessoas que fazem a CAIXA Eficiência e inovação nos serviços, produtos e processos VALORES DO CÓGIDO DE ÉTICA DA CEF 1. As pessoas tratadas com ética, justiça, respeito, cortesia, igualdade e dignidade. 2. respeito pelo ser humano, pelo bem público, pela sociedade e pelo meio ambiente. 3. Repudiamos todas as atitudes de preconceitos relacionadas 4. Informações corretas, 5. Preservamos a dignidade de todos ( constrangimento no ambiente de trabalho) 6. No exercício profissional, os interesses da CAIXA estão em 1º lugar 7.Gerimos com honestidade nossos negócios, 8.Não admitimos relacionamento ou prática desleal (padrão ético) 9. Não admitimos práticas que fragilizem a imagem da CAIXA 10. vedado privilegiar fornecedores e prestadores de serviços, sob qualquer pretexto. 11. Condenamos a solicitação de doações, em nome da CAIXA, 12. Pautamos nosso relacionamento com clientes e fornecedores, 13. compromisso de oferecer produtos e serviços de qualidade 14. orientações e informações corretas aos nossos clientes 15. sigilo e a segurança das informações. 16. melhoria das condições de segurança e saúde do ambiente de trabalho, 17. princípio da transparência 18. Como empresa pública, estamos comprometidos com a prestação de contas de nossas atividades, 19. empregados oportunidades de ascensão profissional, 20. Valorizamos o processo de comunicação interna, 21. ações nos preceitos e valores éticos deste Código, 22. Zelamos pela proteção do patrimônio público, 23. Buscamos a preservação ambiental nos projetos dos quais participamos, 24. Garantimos proteção contra qualquer forma de represália ou discriminação profissional a quem denunciar as violações a este Código, como forma de preservar os valores da CAIXA

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 7.998, DE 11 DE JANEIRO DE 1990. Mensagem de veto Regula o Programa do Seguro-Desemprego, o Abono Salarial, institui

Leia mais

* Inciso I com redação determinada pela Lei 10.608/2002. * Inciso II com redação determinada pela MP 2.164-41/2001.

* Inciso I com redação determinada pela Lei 10.608/2002. * Inciso II com redação determinada pela MP 2.164-41/2001. LEI 7.998, DE 11 DE JANEIRO DE 1990 Regula o Programa do Seguro-Desemprego, o Abono Salarial, institui o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), e dá outras providências. * V. Súmula 389, TST. O Presidente

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 7.998, DE 11 DE JANEIRO DE 1990.

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 7.998, DE 11 DE JANEIRO DE 1990. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 7.998, DE 11 DE JANEIRO DE 1990. Regula o Programa do Seguro-Desemprego, o Abono Salarial, institui o Fundo de Amparo ao Trabalhador

Leia mais

Art. 2 o O Programa do Seguro Desemprego tem por finalidade:

Art. 2 o O Programa do Seguro Desemprego tem por finalidade: LEI N o 7.998, DE 11 DE JANEIRO DE 1990 Regula o Programa do Seguro Desemprego, o Abono Salarial, institui o Fundo de Amparo ao Trabalhador FAT, e dá outras providências. c Publicada no DOU de 12-1-1990.

Leia mais

Quadro comparativo da Medida Provisória nº 665, de 30 de dezembro de 2014

Quadro comparativo da Medida Provisória nº 665, de 30 de dezembro de 2014 Quadro comparativo da 1 Lei nº 7.998, de 11 de janeiro de 1990 Art. 3º Terá direito à percepção do segurodesemprego o trabalhador dispensado sem justa causa que comprove: I - ter recebido salários de pessoa

Leia mais

Concurso CEF/2012. Prof: Fernando Aprato

Concurso CEF/2012. Prof: Fernando Aprato Concurso CEF/2012 CETEC POA Prof: Fernando Aprato Programa Seguro- Desemprego Introdução O Seguro-Desemprego é um benefício integrante da seguridade social, garantido pelo art.7º dos Direitos Sociais da

Leia mais

SEGURO-DESEMPREGO - EMPREGADO DOMÉSTICO - Considerações

SEGURO-DESEMPREGO - EMPREGADO DOMÉSTICO - Considerações SEGURO-DESEMPREGO - EMPREGADO DOMÉSTICO - Considerações Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 26/10/2012. Sumário: 1 - Introdução 2 - Seguro-Desemprego 3 - Finalidade 4 - Requisitos 4.1

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 253 DE 4 DE OUTUBRO DE 2000

RESOLUÇÃO Nº 253 DE 4 DE OUTUBRO DE 2000 RESOLUÇÃO Nº 253 DE 4 DE OUTUBRO DE 2000 Estabelece procedimentos para a concessão do benefício do Seguro-Desemprego ao Empregado Doméstico. O Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador CODEFAT,

Leia mais

SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES

SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES PROJETO DE LEI Institui o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego - PRONATEC; altera as Leis n os 7.998, de 11 de janeiro de 1990, que regula o Programa

Leia mais

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º,

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º, 13º SALARIO Trabalhadores beneficiados Farão jus ao recebimento do 13º salário os seguintes trabalhadores: a) empregado - a pessoa física que presta serviços de natureza urbana ou rural à empresa, em caráter

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 545/2009.

LEI MUNICIPAL Nº 545/2009. LEI MUNICIPAL Nº 545/2009. EMENTA: INSTITUI O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA, NA EMANCIPAÇÃO SUSTENTADA DAS FAMÍLIAS QUE VIVEM EM SITUAÇÃO DE EXTREMA POBREZA, CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA,

Leia mais

PROJETO DE LEI N. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

PROJETO DE LEI N. O CONGRESSO NACIONAL decreta: PROJETO DE LEI N Institui o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego PRONATEC, altera as Leis n. 7.998, de 11 de janeiro de 1990, n. 8.121, de 24 de julho de 1991 e n. 10.260, de 12 de julho

Leia mais

2 Lei 13.134/2015. 2.3 Alterações no Abono Salarial: 2.3.1 Quanto ao período de tempo e valor

2 Lei 13.134/2015. 2.3 Alterações no Abono Salarial: 2.3.1 Quanto ao período de tempo e valor 2 Lei 13.134/2015 2.2 Conteúdo da Lei 13.134/2015: Altera as Leis no 7.998, de 11 de janeiro de 1990, que regula o Programa do Seguro-Desemprego e o Abono Salarial e institui o Fundo de Amparo ao Trabalhador

Leia mais

SEGURO DESEMPREGO. LEGISLAÇÃO Artigo 201, III, da CF; Artigo 7º, II, da CF;

SEGURO DESEMPREGO. LEGISLAÇÃO Artigo 201, III, da CF; Artigo 7º, II, da CF; LEGISLAÇÃO Artigo 201, III, da CF; Artigo 7º, II, da CF; Artigo 28, da LC 150/15; Lei 13134/15; Lei 7998, de 11 de janeiro de 1990- que regula o Programa do Seguro-Desemprego e o Abono Salarial e institui

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS Artigo 1º O Centro de Referência em Informação Ambiental com sede e foro na cidade de Campinas na Avenida Romeu Tortima 388, Cidade Universitária, é uma sociedade

Leia mais

FEVEREIRO 2015 BRASÍLIA 1ª EDIÇÃO

FEVEREIRO 2015 BRASÍLIA 1ª EDIÇÃO Secretaria de Políticas Públicas de Emprego Departamento de Emprego e Salário Coordenação-Geral do Seguro-Desemprego, do Abono Salarial e Identificação Profissional SEGURO-DESEMPREGO E ABONO SALARIAL NOVAS

Leia mais

LAY OFF LEGISLAÇÃO encontra-se transcrito todo o texto, posto que pertinente. Ao final de cada item,

LAY OFF LEGISLAÇÃO encontra-se transcrito todo o texto, posto que pertinente. Ao final de cada item, LAY OFF LEGISLAÇÃO O Lay Off encontra-se definido por legislação específica. Seguem os três itens legislativos a serem considerados, sendo que, nos casos dos itens 1 e 3, respectivamente o artigo 476-A

Leia mais

SEGURO-DESEMPREGO - NOVOS VALORES - MARÇO/2011. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 09/03/2011.

SEGURO-DESEMPREGO - NOVOS VALORES - MARÇO/2011. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 09/03/2011. SEGURO-DESEMPREGO - NOVOS VALORES - MARÇO/2011 Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 09/03/2011. Sumário: 1 - Introdução 2 - Requisitos 3 - Comprovação 4 - Parcelas 4.1 - Parcelas Adicionais

Leia mais

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000.

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. Institui o Plano de Custeio do Regime de Previdência dos Servidores Municipais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE DUQUE DE CAXIAS decreto e eu sanciono

Leia mais

Secretaria de Políticas Públicas de Emprego Departamento de Emprego e Salário Coordenação-Geral do Seguro-Desemprego, do Abono Salarial e

Secretaria de Políticas Públicas de Emprego Departamento de Emprego e Salário Coordenação-Geral do Seguro-Desemprego, do Abono Salarial e Secretaria de Políticas Públicas de Emprego Departamento de Emprego e Salário Coordenação-Geral do Seguro-Desemprego, do Abono Salarial e Identificação Profissional NOVAS REGRAS DO SEGURO-DESEMPREGO E

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 1.099, DE 1º DE DEZEMBRO DE 1993 "Dispõe sobre a constituição do Conselho Estadual do Bem-Estar Social e a criação do Fundo Estadual a ele vinculado e dá outras providências." O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

Direito do Trabalho CARACTERÍSTICAS. Empregados urbanos e rurais contratados a partir de 1988 inserem-se automaticamente no sistema do FGTS.

Direito do Trabalho CARACTERÍSTICAS. Empregados urbanos e rurais contratados a partir de 1988 inserem-se automaticamente no sistema do FGTS. CARACTERÍSTICAS Empregados urbanos e rurais contratados a partir de 1988 inserem-se automaticamente no sistema do FGTS. O FGTS consiste em recolhimentos pecuniários mensais feitos pelo empregador em uma

Leia mais

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. Pág. 1 de 5 LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL FMHIS E INSTITUI O CONSELHO GESTOR DO FMHIS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL ACRE, EM EXERCÍCIO,

Leia mais

SISTEMAS ESPECIAIS DE PREVIDÊNCIA

SISTEMAS ESPECIAIS DE PREVIDÊNCIA Seguridade Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 36 SISTEMAS ESPECIAIS DE PREVIDÊNCIA Congressistas deputados federais e senadores tinham até 1997 um regime próprio de Previdência Social (I.P.C.)

Leia mais

TESTE RÁPIDO LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA PARA O MTE

TESTE RÁPIDO LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA PARA O MTE TESTE RÁPIDO LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA PARA O MTE LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA A respeito da estrutura regimental do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), julgue os itens a seguir. 102 É exemplo de órgão de assistência

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 306, DE 6 DE NOVEMBRO DE 2002

RESOLUÇÃO Nº 306, DE 6 DE NOVEMBRO DE 2002 RESOLUÇÃO Nº 306, DE 6 DE NOVEMBRO DE 2002 Estabelece procedimentos para a concessão do benefício do Seguro- Desemprego ao trabalhador resgatado da condição análoga à de escravo. O Conselho Deliberativo

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 240, DE 2015

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 240, DE 2015 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 240, DE 2015 Redação final do Projeto de Lei de Conversão nº 3, de 2015 (Medida Provisória nº 665, de 2014). A Comissão Diretora apresenta a redação final do Projeto de Lei

Leia mais

Empregado Doméstico Normatização da Profissão

Empregado Doméstico Normatização da Profissão Empregado Doméstico Normatização da Profissão 3 DE JUNHO DE 2015 CONTSUL A Lei complementar nº150, publicada no DOU de 02.06.2015, dispôs sobre o trabalho doméstico no que tange ao contrato de trabalho,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Itanhangá Gestão 2005/2008

Prefeitura Municipal de Itanhangá Gestão 2005/2008 LEI Nº 019/2005 DATA: 10 DE MARÇO DE 2005. SÚMULA: CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTENCIA SOCIAL DA OUTRAS PROVIDÊNCIS. O Sr. VALDIR CAMPAGNOLO, Prefeito Municipal de Itanhangá, Estado de Mato Grosso,

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 5 Decreto nº 6.260, de 20 de novembro de 2007 DOU de 20.11.2007 Dispõe sobre a exclusão do lucro líquido, para efeito de apuração do lucro real e da base de cálculo da Contribuição Social sobre

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.880, DE 9 DE JUNHO DE 2004. Conversão da MPv nº 173, de 2004 Institui o Programa Nacional de Apoio ao Transporte do Escolar

Leia mais

Marcones Libório de Sá Prefeito

Marcones Libório de Sá Prefeito Mensagem n. 010 /2015 Salgueiro, 14 de Setembro de 2015. Senhor Presidente, Senhores (as) Vereadores (as), Considerando os princípios de descentralização e transparência, que tem levado esta administração

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Comissão Permanente de Propriedade Intelectual RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

Leia mais

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS 11. DIREITOS NA HORA DA DEMISSÃO É de fundamental importância saber quais os direitos dos trabalhadores na hora da rescisão do contrato de trabalho. Devese ter especial atenção no caso de demissões sem

Leia mais

Dispensa Sem Justa Causa. Dispensa com Justa Causa. (**) Culpa Recíproca ou Força Maior. Rescisão Indireta. Pedido de Demissão

Dispensa Sem Justa Causa. Dispensa com Justa Causa. (**) Culpa Recíproca ou Força Maior. Rescisão Indireta. Pedido de Demissão RESCISÃO DE CONTRATO DE TRABALHO VERBAS RESCISÓRIAS (Antes de qualquer procedimento rescisório, importante ler os cuidados especiais ao final Verbas adicionais) Dispensa Sem Justa Causa AvisoPrévio Dispensa

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta O Código de Ética e Conduta do ESA - Externato Santo Antônio estabelece o comportamento esperado de todos aqueles que trabalham na, para e com a instituição, e tem por objetivo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.572, DE 28 DE SETEMBRO DE 2011. Regulamenta dispositivos da Medida Provisória n o 535, de 2 de junho de 2011, que tratam

Leia mais

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB AULA 10: Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB Amparo legal: art. 7º, II da CRFB. * urbanos e rurais: Lei nº 7.998/90, Lei nº 8.900/94 e Resolução do CODEFAT 467/05. * domésticos: artigo 6º-A da Lei

Leia mais

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 Súmula: Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno Municipal, nos termos do artigo 31 da Constituição Federal e do artigo 59 da Lei Complementar n 101/2000 e cria a

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO invepar índice Apresentação Visão, Missão, Valores Objetivos Princípios Básicos Pág. 4 Pág. 6 Pág. 7 Pág. 8 Abrangência / Funcionários Empresas do Grupo Sociedade / Comunidade

Leia mais

Diretriz 5: A função das entidades de grau superior é de coordenar os interesses das suas filiadas.

Diretriz 5: A função das entidades de grau superior é de coordenar os interesses das suas filiadas. DIRETRIZES NORMATIVAS ELABORADAS PELO GRUPO DE TRABALHO DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SOBRE ORGANIZAÇÃO SINDICAL, NEGOCIAÇÃO COLETIVA, APLICAÇÃO DO DIREITO DE GREVE, CUSTEIO E LIBERAÇÃO DE DIRIGENTE

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

ANEXO CONSELHO DELIBERATIVO DO FUNDO DE AMPARO AO TRABALHADOR RESOLUÇÃO Nº 736, DE 8 DE OUTUBRO DE 2014 Torna obrigatório aos empregadores o uso do

ANEXO CONSELHO DELIBERATIVO DO FUNDO DE AMPARO AO TRABALHADOR RESOLUÇÃO Nº 736, DE 8 DE OUTUBRO DE 2014 Torna obrigatório aos empregadores o uso do ANEXO CONSELHO DELIBERATIVO DO FUNDO DE AMPARO AO TRABALHADOR RESOLUÇÃO Nº 736, DE 8 DE OUTUBRO DE 2014 Torna obrigatório aos empregadores o uso do aplicativo Empregador Web no Portal Mais Emprego para

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO Art. 1º A Diretoria Executiva, subordinada ao Presidente da Fundação, é responsável pelas atividades

Leia mais

LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001.

LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001. LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001. Autoriza o Poder Executivo a criar a Universidade Estadual do Rio Grande do Sul - UERGS e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Faço

Leia mais

DECRETO Nº 30226 DE 8 DE DEZEMBRO DE 2008

DECRETO Nº 30226 DE 8 DE DEZEMBRO DE 2008 DECRETO Nº 30226 DE 8 DE DEZEMBRO DE 2008 Regulamenta o Fundo Especial Projeto Tiradentes, criado pela Lei nº 3.019, de 2000, de 3 de maio de 2000. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas

Leia mais

Incentivos do Poder Público à atuação de entidades civis sem fins lucrativos, na área social. (1) renúncia fiscal

Incentivos do Poder Público à atuação de entidades civis sem fins lucrativos, na área social. (1) renúncia fiscal Incentivos do Poder Público à atuação de entidades civis sem fins lucrativos, na área social Associação Fundação Privada Associação Sindical Partidos Políticos (1) renúncia fiscal Subvencionada 1 Entidades

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 326, DE 4 DE OUTUBRO DE 2000 (AUTORIA DO PROJETO: PODER EXECUTIVO)

LEI COMPLEMENTAR Nº 326, DE 4 DE OUTUBRO DE 2000 (AUTORIA DO PROJETO: PODER EXECUTIVO) LEI COMPLEMENTAR Nº 326, DE 4 DE OUTUBRO DE 2000 (AUTORIA DO PROJETO: PODER EXECUTIVO) Publicação: DODF nº 192 de 5/10/2000 PÁG.01 e 02. Regulamentada pelo Decreto nº 21.933, de 31/01/2001 DODF nº 23,

Leia mais

Este Código de Conduta Ética foi impresso em papel couché, com tiragem de 1500 exemplares, em português.

Este Código de Conduta Ética foi impresso em papel couché, com tiragem de 1500 exemplares, em português. Este Código de Conduta Ética foi impresso em papel couché, com tiragem de 1500 exemplares, em português. Esta publicação é distribuída para os colaboradores da Recuperadora Sales Gama Ltda e seu público

Leia mais

Brigada 1 Combate Voluntário a Incêndios Florestais CNPJ 05 840 482 0001/01

Brigada 1 Combate Voluntário a Incêndios Florestais CNPJ 05 840 482 0001/01 REGIMENTO INTERNO O presente Regimento Interno, dirigido aos associados da ONG Brigada 1, inscrita no CNPJ 05.840.482/0001-01 e previsto no Art. 4º do Capítulo II do Estatuto da Instituição, visa estabelecer

Leia mais

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Digite o título aqui INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Lei Complementar nº 150, de 1º de junho de 2015 -

Leia mais

QUEM PODE HABILITAR-SE NO SICONV?

QUEM PODE HABILITAR-SE NO SICONV? O QUE É SICONV? Criado pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, o SICONV Sistema de Convênio, tem como uma das finalidades, facilitar as apresentações de projetos aos programas ofertados pelo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE NEPOMUCENO

PREFEITURA MUNICIPAL DE NEPOMUCENO LEI N 495, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE ESPORTES E DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTES E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Povo do Município de Nepomuceno, Minas Gerais,

Leia mais

1/7. Prof. Wilson Roberto

1/7. Prof. Wilson Roberto 1/7 5. Contrato individual de trabalho: Contribuição Sindical, INSS, Salário-família, IRRF trabalho assalariado, PIS/PASEP, e CAGED Contribuição Sindical A contribuição sindical está prevista nos artigos

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA APLICADO AOS ATORES DIRETOS

CÓDIGO DE ÉTICA APLICADO AOS ATORES DIRETOS Arranjo Produtivo Local de Tecnologia da Informação e Comunicação da Região Central do Centro do Rio Grande do Sul CÓDIGO DE ÉTICA APLICADO AOS ATORES DIRETOS Outubro de 2013 MISSÃO Fortalecer, qualificar,

Leia mais

CAPÍTULO I. Parágrafo Único - Sua duração é por tempo indeterminado. CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA FUNDAÇÃO

CAPÍTULO I. Parágrafo Único - Sua duração é por tempo indeterminado. CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA FUNDAÇÃO ESTATUTO DA FUNDAÇÃO HOSPITAL SANTA LYDIA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA JURÍDICA, SEDE E FORO Artigo 1º - A FUNDAÇÃO HOSPITAL SANTA LYDIA, cuja instituição foi autorizada pela Lei Complementar nº

Leia mais

Subchefia de Assuntos Parlamentares SUPAR

Subchefia de Assuntos Parlamentares SUPAR Quadro comparativo Medida Provisória nº 665, de 30 de dezembro de 2014 Altera a Legislação Trabalhista Lei nº 7.998, de 1990. Ementa: Regula o Programa do Seguro-Desemprego, o Abono Salarial, institui

Leia mais

RELATORA: Senadora KÁTIA ABREU

RELATORA: Senadora KÁTIA ABREU PARECER N o, DE 2009 Da COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA, sobre o Projeto de Lei do Senado n o 246, de 2007, que regula o Programa de Seguro- Desemprego Rural, o Abono Salarial Rural, o Programa

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 4.723, DE 22 DE DEZE M B R O DE 2010. outras providência s. CAPÍTULO I. Das disposições Gerais

LEI MUNICIPAL Nº 4.723, DE 22 DE DEZE M B R O DE 2010. outras providência s. CAPÍTULO I. Das disposições Gerais LEI MUNICIPAL Nº 4.723, DE 22 DE DEZE M B R O DE 2010. Dispõe sobre a Política de Assistência Social No Município, cria o Conselho Municipal de Assistência Social e o Fundo Municipal de Assistência Social

Leia mais

O Congresso Nacional decreta:

O Congresso Nacional decreta: Dispõe sobre os valores mínimos a serem aplicados anualmente por Estados, Distrito Federal, Municípios e União em ações e serviços públicos de saúde, os critérios de rateio dos recursos de transferências

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE 2011. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

PROJETO DE LEI Nº., DE 2011. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO DE LEI Nº., DE 2011. Dispõe sobre a organização sindical no setor público, afastamento de dirigentes sindicais, negociação coletiva, aplicação do direito de greve e sobre o custeio da organização

Leia mais

Constituição Federal

Constituição Federal Constituição Federal CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1 CONSTITUIÇÃO FEDERAL DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL - 1988 COM A INCORPORAÇÃO DA EMENDA 14 Capítulo III Da Educação, da Cultura e do Desporto Seção I Da Educação

Leia mais

MTE - SPPE SECRETARIA DE POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO

MTE - SPPE SECRETARIA DE POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO Sistema Público de Emprego Trabalho e Renda (SPETR) O SPETR deve estruturar e integrar as seguintes funções/ações básicas e complementares: seguro-desemprego, intermediação de mão-de-obra, orientação profissional,

Leia mais

INDAIAL SANTA CATARINA CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO Nº 001/2010

INDAIAL SANTA CATARINA CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO Nº 001/2010 INDAIAL SANTA CATARINA CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO Nº 001/2010 DISPÕE SOBRE APROVAÇÃO DO BENEFÍCIO ALIMENTAÇÃO. O Conselho Municipal de Assistência Social de Indaial, no uso de suas

Leia mais

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos LEI Nº 358/2011 Faço saber a todos os habitantes que a Câmara Municipal de Cafeara, Estado do Paraná aprovou e eu sanciono a presente Lei, que revoga a Lei nº. 084/92 de 17/09/1992. Súmula: Institui o

Leia mais

VALE-TRANSPORTE. São beneficiários do vale-transporte os trabalhadores em geral, tais como:

VALE-TRANSPORTE. São beneficiários do vale-transporte os trabalhadores em geral, tais como: VALE-TRANSPORTE 1. Introdução O vale-transporte foi instituído pela Lei nº 7.418 de 16.12.85, regulamentada pelo Decreto nº 92.180/85, revogado pelo de nº 95.247, de 17.11.87, consiste em benefício que

Leia mais

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES MENSAIS

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES MENSAIS Data Vencimento 07 Obrigação Salário Mensal Fato Gerador e Fundamento Legal Pagamento mensal da remuneração. (ver nota 1) Salário-Mínimo Valor atual de R$ 788,00 - Decreto nº 8.381/14. Pró-labore Código

Leia mais

DO ESTADO CORPORATIVO E SUA ORGANIZAÇÃO

DO ESTADO CORPORATIVO E SUA ORGANIZAÇÃO CARTA DEL LAVORO (Aprovada no Grande Conselho Fascista, de 21 de abril de 1927) DO ESTADO CORPORATIVO E SUA ORGANIZAÇÃO I - A Nação italiana é um organismo com finalidades, vida, meios, de ação superior,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 6 01/10/2015 16:38 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.134, DE 16 DE JUNHO DE 2015. Conversão da Medida Provisória nº 665, de 2014 Mensagem de veto Altera

Leia mais

Art. 2º Ao Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - CONSEA-SC - compete:

Art. 2º Ao Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - CONSEA-SC - compete: LEI Nº 12.911, de 22 de janeiro de 2004 Dispõe sobre a criação do Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - CONSEA-SC - e do Fundo Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - FUNSEA-SC

Leia mais

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA Considerando a importância de efetivar a gestão integrada de recursos hídricos conforme as diretrizes gerais de ação estabelecidas na Lei 9.433, de 8.01.1997, a qual institui

Leia mais

O Banrisul no relacionamento com os diversos setores da sociedade terá suas posições e ações baseadas nas seguintes disposições:

O Banrisul no relacionamento com os diversos setores da sociedade terá suas posições e ações baseadas nas seguintes disposições: 1.0 - CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA DO BANRISUL Preâmbulo O compromisso é servir como Guia Prático de Conduta Pessoal e Profissional, a ser utilizado por todos os Colaboradores do Banrisul, possibilitando a

Leia mais

Disciplina: modernidade e Envelhecimento Curso de Serviço Social 3º e 5º Semestre Políticas públicas para idosos 1 Marco Legal Nacional Constituição Federal (1988) Art. 202 Inciso I Ao idoso é assegurado

Leia mais

PROVA DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO TCE-CE FCC 2015

PROVA DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO TCE-CE FCC 2015 PROVA DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO TCE-CE FCC 2015 Direito Previdenciário 67. (Auditor de Controle Externo/TCE-CE/FCC/2015): O princípio constitucional estipulando que a Seguridade Social deve contemplar

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 467, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2005

RESOLUÇÃO Nº 467, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2005 RESOLUÇÃO Nº 467, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2005 Estabelece procedimentos relativos à concessão do Seguro-Desemprego. O Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador - CODEFAT, no uso das atribuições

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 11.620 DE 14 DE MAIO DE 2001. (publicada no DOE nº 91, de 15 de maio de 2001) Institui o Programa de Garantia

Leia mais

LEI N. 084/91. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc.

LEI N. 084/91. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc. LEI N. 084/91 Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc. Faço saber que a Câmara

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina

PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina LEI N. 1925/06 de 25.07.2006. Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal

Leia mais

DOS DIREITOS DOS TRABALHADORES URBANOS E RURAIS. art. 7º da Constituição Federal

DOS DIREITOS DOS TRABALHADORES URBANOS E RURAIS. art. 7º da Constituição Federal DOS DIREITOS DOS TRABALHADORES URBANOS E RURAIS art. 7º da Constituição Federal ASPECTOS GERAIS 1) Os direitos trabalhistas previstos no art. 7º da CF, abrangem os trabalhadores urbanos e rurais; 2) A

Leia mais

LEI Nº. 430 DE 15 DE ABRIL DE 2010

LEI Nº. 430 DE 15 DE ABRIL DE 2010 LEI Nº. 430 DE 15 DE ABRIL DE 2010 DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO E O FUNCIONAMENTO DA INSTÂNCIA MUNICIPAL DE CONTROLE SOCIAL DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA MARCOS ROBERTO FERNANDES CORRÊA, Prefeito Municipal de Pratânia,

Leia mais

ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE

ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE AULA 04 INTRODUÇÃO AO EXERCÍCIO PROFISSIONAL DOCENTE: ROSEMARI VIEIRA BRAGANÇA ARQUITETO E URBANISTA RESPONSABILIDADES E OBRIGAÇÕES ÉTICA RESPONSABILIDADE TÉCNICA RESPONSABILIDADE

Leia mais

PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS PASEP - PROGRAMA DE FORMAÇÃO DO PATRIMÔNIO DO SERVIDOR PÚBLICO

PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS PASEP - PROGRAMA DE FORMAÇÃO DO PATRIMÔNIO DO SERVIDOR PÚBLICO PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS PASEP - PROGRAMA DE FORMAÇÃO DO PATRIMÔNIO DO SERVIDOR PÚBLICO 1 CONCEITO O Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público - PASEP foi criado pelo Governo Federal

Leia mais

Direito Constitucional. Professor Marcelo Miranda professormiranda@live.com facebook.com/professormarcelomiranda

Direito Constitucional. Professor Marcelo Miranda professormiranda@live.com facebook.com/professormarcelomiranda Direito Constitucional Professor Marcelo Miranda professormiranda@live.com facebook.com/professormarcelomiranda Direitos fundamentais de segunda geração Surgimento: necessidade de intervenção estatal em

Leia mais

O Banrisul no relacionamento com os diversos setores da sociedade terá suas posições e ações baseadas nas seguintes disposições:

O Banrisul no relacionamento com os diversos setores da sociedade terá suas posições e ações baseadas nas seguintes disposições: 1.0 - CÓDIGO DE ÉTICA DO BANRISUL Preâmbulo O compromisso maior da instituição deve ser o de possibilitar continuamente a consecução de sua missão, a saber: Ser o agente financeiro do Estado para promover

Leia mais

Regras de Aposentadorias e Pensões

Regras de Aposentadorias e Pensões Seguridade Social: A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da sociedade, destinadas a assegurar os direitos relativos à saúde, à previdência e

Leia mais

Dom Macedo Costa. ESTADO DA BAHIA Município de Dom Macedo Costa Prefeitura Municipal Onde Pulsa o Desenvolvimento

Dom Macedo Costa. ESTADO DA BAHIA Município de Dom Macedo Costa Prefeitura Municipal Onde Pulsa o Desenvolvimento Terça-feira 54 - Ano I - Nº 98 Dom Macedo Costa LEI MUNICIPAL Nº 400/2010 De 27 de dezembro de 2010 Dispõe sobre a criação do Sistema Municipal de Cultura e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

INTRODUÇÃO O PROGRAMA DO SEGURO-DESEMPREGO

INTRODUÇÃO O PROGRAMA DO SEGURO-DESEMPREGO SEGURO-DESEMPREGO NO MUNICÍPIO DE CURITIBA 2008 E 1º BIMESTRE DE 2009 INTRODUÇÃO Este texto tem como objetivo apresentar um perfil do programa de Seguro-Desemprego no município de Curitiba no ano de 2008

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA. CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA. CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento SUMÁRIO 1. Conceito 2. Objetivo 3. Abrangência 4. Regras e Normas 4.1 Conceito de Ética. Ponto de vista empresarial 4.2 Princípios

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As atividades de Pesquisa da Universidade de Santo Amaro UNISA buscam fomentar o conhecimento por meio da inovação técnica, científica, humana, social e artística,

Leia mais

SAIBA COMO O FGTS PODE FAZER TODA A DIFERENÇA PARA VOCÊ

SAIBA COMO O FGTS PODE FAZER TODA A DIFERENÇA PARA VOCÊ SAIBA COMO O FGTS PODE FAZER TODA A DIFERENÇA PARA VOCÊ O que é o FGTS O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) foi criado na década de 60 para assegurar ao trabalhador, quando demitido sem justa

Leia mais

LEI N 1.892/2008 Dá nova redação a Lei nº 1.580/2004

LEI N 1.892/2008 Dá nova redação a Lei nº 1.580/2004 LEI N 1.892/2008 Dá nova redação a Lei nº 1.580/2004 Povo do Município de Viçosa, por seus representantes legais, aprovou e eu, em seu nome, sanciono e promulgo a seguinte Lei: Das disposições Gerais Art.

Leia mais

ABONO SALARIAL ABONO SALARIAL ABONO SALARIAL ABONO SALARIAL ABONO SALARIAL LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA ABONO SALARIAL

ABONO SALARIAL ABONO SALARIAL ABONO SALARIAL ABONO SALARIAL ABONO SALARIAL LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA ABONO SALARIAL LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA ABONO SALARIAL ABONO SALARIAL O QUE É Abono Salarial é um benefício anual, equivalente a 1 salário mínimo vigente no ato do pagamento, assegurado ao trabalhador cadastrado no programa

Leia mais

expert PDF Trial Aspectos Trabalhistas e Previdenciários (Departamento Pessoal) Outubro 2013 Elaborado por: Valéria de Souza Telles

expert PDF Trial Aspectos Trabalhistas e Previdenciários (Departamento Pessoal) Outubro 2013 Elaborado por: Valéria de Souza Telles Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 - ramal 1529 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN

CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN 1. Que vantagens além do vencimento podem ser pagas ao servidor? a) indenizações, que não se incorporam

Leia mais

Medidas Provisórias 664 e 665 ( Pacote Levy ): mudanças no seguro-desemprego, abono salarial, auxílio-doença, pensão por morte OTAVIO PINTO E SILVA

Medidas Provisórias 664 e 665 ( Pacote Levy ): mudanças no seguro-desemprego, abono salarial, auxílio-doença, pensão por morte OTAVIO PINTO E SILVA Medidas Provisórias 664 e 665 ( Pacote Levy ): mudanças no seguro-desemprego, abono salarial, auxílio-doença, pensão por morte OTAVIO PINTO E SILVA Pacote Levy No dia 30 de dezembro de 2014, o Governo

Leia mais

O que é associação sem fins lucrativos? Como constituir e como é tributada?

O que é associação sem fins lucrativos? Como constituir e como é tributada? O que é associação sem fins lucrativos? Como constituir e como é tributada? Parecer: I - Conceitos e objetivos: Associação Sem Fins Lucrativos: Associação é uma entidade de direito privado, dotada de personalidade

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O programa de Iniciação Científica da

Leia mais