RELATÓRIO ANUAL 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO ANUAL 2014"

Transcrição

1 RELATÓRIO ANUAL 2014

2 SUMÁRIO PALAVRA DO PRESIDENTE...4 AMBIENTE ECONÔMICO...5 PERFIL CORPORATIVO...8 GOVERNANÇA CORPORATIVA...9 EVOLUÇÃO PATRIMONIAL CONSOLIDADA...16 EVOLUÇÃO DO RESULTADO...24 PRODUTOS FINANCEIROS...29 GESTÃO INTEGRADA DE RISCOS, CONTROLES INTERNOS E AUDITORIA...35 GESTÃO DE RECURSOS NATURAIS...41 RELACIONAMENTO COM AS PARTES INTERESSADAS...42 AGRADECIMENTOS...48 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS...49 BALANÇO PATRIMONIAL - EM REAIS MIL...50 BALANÇO PATRIMONIAL - EM REAIS MIL...51 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO - EM REAIS MIL...52 DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO INDIVIDUAL - EM REAIS MIL...53 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA - EM REAIS MIL...54 DEMONSTRAÇÃO DOS VALORES ADICIONADOS - EM REAIS MIL CONTEXTO OPERACIONAL APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RESUMO DAS PRINCIPAIS PRÁTICAS CONTÁBEIS CAIXA E EQUIVALENTE DE CAIXA APLICAÇÕES INTERFINANCEIRAS DE LIQUIDEZ TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS E INSTRUMENTOS FINANCEIROS DERIVATIVOS...63

3 7 RELAÇÕES INTERFINANCEIRAS OPERAÇÕES DE CRÉDITO E PROVISÃO PARA OPERAÇÕES DE CRÉDITO DE LIQUIDAÇÃO DUVIDOSA OUTROS CRÉDITOS OUTROS VALORES E BENS INVESTIMENTOS IMOBILIZADO DE USO INTANGÍVEL DEPÓSITOS, CAPTAÇÕES NO MERCADO ABERTO, RECURSOS DE ACEITES E EMISSÃO DE TÍTULOS, OBRIGAÇÕES POR EMPRÉSTIMOS E OBRIGAÇÕES POR REPASSES DO PAÍS OUTRAS OBRIGAÇÕES PROVISÕES, ATIVOS E PASSIVOS CONTINGENTES E OBRIGAÇÕES LEGAIS PARTICIPAÇÃO DE NÃO CONTROLADORES PATRIMÔNIO LÍQUIDO OUTRAS RECEITAS/DESPESAS OPERACIONAIS RESULTADO NÃO OPERACIONAL EXIGIBILIDADES DE CAPITAL E LIMITES DE IMOBILIZAÇÃO IMPOSTO DE RENDA E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL GERENCIAMENTO DE RISCO REMUNERAÇÃO PAGA A EMPREGADOS E ADMINISTRADORES BENEFÍCIOS A EMPREGADOS TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS (BANCO) OUTRAS INFORMAÇÕES AUTORIZAÇÃO PARA CONCLUSÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS...90 RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS...91 PARECER DO CONSELHO FISCAL...92

4 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 2014 PALAVRA DO PRESIDENTE FERNANDO SOARES DA MOTA Em virtude de um cenário econômico instável, o ano de 2014 foi marcado por diversos desafios impostos ao Banco do Estado de Sergipe, provocando a adoção de medidas enérgicas em sua gestão. O Banese estabeleceu como objetivos para construção de modelos de negócios mais competitivos no setor bancário, o aperfeiçoamento da estrutura administrativa, aliado ao desenvolvimento de novos produtos e serviços que atendessem às necessidades dos clientes. O desempenho alcançado no exercício, foi influenciado pelos efeitos do menor ritmo de crescimento do crédito, pela manutenção de práticas e critérios prudenciais na concessão de novas operações e pelos fatores econômicos e sociais recentes. Também foram evidenciados eventos extraordinários, que impactaram no resultado do exercício, contrariando o curso da rentabilidade neste ano. Entre eles, destaco: a adesão do Banese e da Sergipe Administradora de Cartões e Serviços LTDA ao Programa de Recuperação Fiscal REFIS; ajuste no pagamento de alíquota do Fator de Acidente Previdenciário FAP; aumento das despesas de provisão para operações de crédito e a implantação do Programa de Estímulo à Aposentadoria PEA. Ainda no mesmo período, também foram adotadas diversas medidas para alcançar resultados tempestivos na área de crédito e melhorias no processo de atendimento aos clientes: a implementação da central do consignado, a reestruturação do processo de recuperação de ativos, a reposição e treinamento do quadro funcional, o intenso esforço na ampliação da acessibilidade aos produtos e serviços do Banco e a busca de parcerias para criar novas frentes de expansão como exemplo, a parceria com a rede Saque e Pague. O Banese em 2014 manteve sua função social, apoiando diversos projetos sociais através do Instituto Banese, cujo projeto âncora é o Museu da Gente Sergipana, guardião da cultura do Estado, e através do fomento de linhas de crédito que geram desenvolvimento socioeconômico, a exemplo do microcrédito, crédito imobiliário e cultural. Todas essas ações acabaram por imprimir um novo estilo de gestão no Banese, que agora se caracteriza por uma disposição ousada de empreender um projeto coletivo de empresa, em torno de um propósito comum, que contempla todo o Grupo Econômico. Certo de que os aprimoramentos são essenciais para conservação de sua sustentabilidade, o Banese seguirá sua trajetória de inovação, primando pelo processo criativo, zelando pela consistência das condições financeiras e estruturais, assim, atendendo às exigências de uma gestão produtiva. A empresa pretende alcançar resultados mais robustos construindo oportunidades e valorizando sempre os princípios que a mobilizam na direção do seu compromisso com seus clientes e com Sergipe. Por fim, o Banese apresenta o Relatório de Administração e as Demonstrações Contábeis , elaborados em conformidade com as normas estabelecidas pela Lei das Sociedades por Ações, pelo Banco Central do Brasil (Bacen) e pela Comissão de Valores Mobiliários

5 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 2014 AMBIENTE ECONÔMICO O ano de 2014 foi marcado por um cenário externo com baixo ritmo de crescimento econômico. Observa-se que a recuperação da economia norte-americana vem ocorrendo de forma gradativa, com base nos dados anuais do PIB do país e na redução do desemprego. A retirada gradual dos estímulos monetários nos EUA, acarretou em uma diminuição na volatilidade dos mercados financeiros. Na Europa, a taxa de desemprego na zona do euro ficou estagnada, enquanto a inflação se manteve abaixo da meta oficial, com riscos cada vez mais próximos de deflação. A China cresceu em um ritmo mais fraco, tendo adotado um modelo mais sustentável de crescimento e voltado a atenção ao consumo doméstico. No mercado financeiro, não obstante, a percepção de redução do risco sistêmico e da ocorrência de eventos externos em economias mais maduras, considerando a redução do grau de alavancagem e melhora do nível e qualidade do capital próprio, as autoridades reguladoras apontam para um aumento do investimento em segurança cibernética e compliance. No Brasil, a atividade econômica recuou e o país apresentou um crescimento inexpressivo em seu Produto Interno Bruto. O quadro inflacionário complexo, refletido pelo IPCA acima do centro da meta, 6,41%, direcionou ações do governo para a contenção nos índices de preços, com medidas como aumento da taxa básica de juros, que encerrou o ano a 11,75%. O dólar encerrou 2014 com uma valorização de 13% ante o real. A balança comercial registrou déficit de US$ 3,930 bi, pior resultado desde A queda no preço das commodities contribuiu com o resultado. A redução nos preços do petróleo influenciada também pela menor demanda mundial com o enfraquecimento das economias, marcou uma desvalorização histórica do produto. O comércio e a indústria também apontaram sinais de enfraquecimento no ano. A seca elevou o custo da energia, sendo anunciado no final do ano reajustes aos consumidores. O desaquecimento da economia refletiu na desaceleração do consumo, assim como na diminuição na demanda por crédito. A carteira total de crédito cresceu em ritmo moderado no ano. No período das eleições presidenciais, os resultados das pesquisas de intenção de votos impactaram na movimentação da bolsa brasileira, que virou alvo fácil de especulação para grandes agentes do mercado financeiro. Em Sergipe, o cenário econômico acompanhou as tendências do mercado nacional. As vendas e receitas do comércio registraram crescimento tímido, o setor de serviços foi destaque na geração de empregos formais, a balança comercial continua registrando déficit. Não obstante, o governo segue com programas de incentivos à economia, atraindo novos investimentos para o Estado. Nesse contexto, o Banese investiu na melhoria de sua rede de relações, mantendo e estabelecendo parcerias relevantes, que pudessem reforçar sua posição de importante intermediador de negócios no Estado, com foco na estratégia de expansão de sua base de negócios por meio da oferta de melhores produtos e serviços, no cumprimento de sua missão institucional

6 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 2014 ATRAVÉS DAS SUAS 62 AGÊNCIAS, 10 POSTOS DE SERVIÇOS E MAIS DE 460 CAIXAS ELETRÔNICOS, O BANESE POSSUI A MAIOR REDE DE ATENDIMENTO BANCÁRIO DO ESTADO DE SERGIPE. O Banco do Estado de Sergipe S.A. atua no mercado local desde 1961, sob a forma de banco múltiplo, tendo 90% de seu capital com o Governo do Estado de Sergipe. O Banese se posiciona como agente de desenvolvimento da região Nordeste e principalmente do Estado de Sergipe, seja no fomento econômico, através do estímulo à bancarização e acesso ao crédito sustentável, como também na promoção de ações de responsabilidade socioambiental. SOBRE O BANESE O Banco compreende um consolidado econômico com a Sergipe Administradora de Cartões e Serviços Ltda SEAC (Banese Card). Além disso, fazem parte da marca a Banese Corretora e Administradora de Seguros, o Instituto Banese de Seguridade Social (Sergus), a Caixa de Assistência dos Empregados do Banese (Casse), a Associação Atlética Banese (AAB) e o Instituto Banese, responsável pela gestão da responsabilidade socioambiental e apoio às manifestações culturais. As estratégias adotadas ao longo desse período contemplaram importantes ações de apoio à promoção do resgate, preservação e difusão da cultura sergipana, em sintonia com as políticas públicas, levando a instituição a ser reconhecida como um Banco que #faz parte da gente. O Banco possui forte atuação no segmento de Varejo, em especial nas operações direcionadas aos servidores públicos com recebimento de salário pela instituição, bem como no financiamento ao capital de giro das Pequenas e Médias Empresas, na construção de empreendimentos imobiliários e nas operações oriundas de repasses do BNDES e BNB, em especial no crédito voltado ao fomento com as carteiras rural e industrial

7 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 2014 ESTRATÉGIA EMPRESARIAL A nova modelagem da indústria financeira exige a adoção de estratégia com foco nos negócios, baseada na melhoria da qualidade da carteira de crédito e do relacionamento com os clientes, assim como do crescimento da participação das receitas provenientes da prestação de serviços financeiros. A estratégia do Banese tem como principais vetores a melhoria do relacionamento com clientes, através de uma combinação de oferta de serviços ágeis e diversificados, produtos inovadores, segmentação e oferta de valor orientadas a cada perfil, eficiência operacional, e uma maior diversidade de canais de atendimento, que contribuam com a melhoria da interação do cliente com o Banco. Em 2014, o Banese buscou parcerias estratégicas que viabilizassem a implantação de inovações tecnológicas e novos produtos e serviços, a exemplo da rede Saque e Pague. A expansão e o fortalecimento dos negócios vinculados ao cartão, tornam-se também um segmento estratégico, pois o mercado de cartões é um dos que mais cresce no país, assim como possibilita a ampliação do portfólio de serviços que o banco pode oferecer às pequenas e médias empresas. FUNDAMENTADO EM VALORES ÉTICOS COMO RESPEITO E TRANSPARÊNCIA, O BANESE ENFREN- TA COM DETERMINAÇÃO O DESAFIO DE MANTER A LIDERANÇA NO MERCADO DE CRÉDITO COMERCIAL E DE EXPANDIR SUA PRESENÇA REGIONALMENTE, DEMONSTRANDO FORÇA E SIN- GULAR CAPACIDADE DE SUA MARCA COMO SENDO O ÚNICO BANCO ESTADUAL NA REGIÃO NORDESTE

8 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 2014 PERFIL CORPORATIVO MISSÃO Fornecer soluções, produtos e serviços financeiros de forma eficiente, promovendo desenvolvimento social através da inclusão financeira, contribuindo para a construção de relações perenes com os clientes e para a geração sustentável de valor para os acionistas e toda sociedade. VISÃO Ser um banco competitivo, sólido e sustentável, reconhecido pelo atendimento diferenciado, produtos e serviços inovadores, que busca excelência na geração de valor aos seus clientes, até VALORES Responsabilidade Social Qualidade Valorização dos Funcionários Rentabilidade e Produtividade Gestão Profissionalizada Credibilidade Comprometimento Inovação Satisfação dos Clientes - 8 -

9 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 2014 GOVERNANÇA CORPORATIVA O Banese vem aperfeiçoando seus processos e ações com vistas às melhores práticas de governança corporativa. Atuando de forma transparente, todas as decisões e fatos relevantes do Banco são comunicados ao mercado, estando acessíveis para consulta pública a qualquer tempo. Observa-se ainda que as decisões em qualquer nível da empresa são tomadas de forma colegiada, através da estrutura de governança composta pela alta administração e pelos comitês de assessoramento à Diretoria e Conselho de Administração. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA A Governança do Banese compreende a Assembleia Geral dos Acionistas e os seguintes órgãos: Conselho de Administração, Diretoria Executiva e Conselho Fiscal, além dos comitês vinculados aos órgãos da administração. A Assembleia Geral de Acionistas é o órgão superior de deliberação, sendo constituída pelos acionistas, com poderes para deliberar sobre todos os negócios de interesse do Banco e tomar decisões de sua competência privativa. O Conselho de Administração é um dos órgãos da Administração Geral e é composto por nove membros efetivos, eleitos pela Assembleia Geral. Dentre suas finalidades está a deliberação sobre o planejamento estratégico e a fixação da política e dos negócios do Banco. A Diretoria Executiva é responsável pela realização dos objetivos sociais e da gestão do Banese, sendo composta pela Presidência e quatro Diretorias: Crédito Comercial Dicom; Crédito de Desenvolvimento Dides; Finanças e Relações com Investidores Difir; Administrativa - Dirad. O Conselho Fiscal é o órgão da Administração Geral com a função de fiscalizar os demais órgãos da administração em relação às suas contas e regularidade dos atos da gestão. Funciona de modo permanente e é constituído por cinco membros efetivos e igual número de suplentes, eleitos anualmente pela Assembleia Geral. Os comitês atuam como órgãos auxiliares da Diretoria Executiva e Conselho de Administração, assessorando-os nas decisões, que ocorrem de forma colegiada de acordo com a competência de cada comitê

10 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 2014 PROCURANDO APLICAR AS MELHORES PRÁTICAS E ASSEGURAR TRANSPARÊNCIA, A GOVER- NANÇA DO BANESE BUSCA A GERAÇÃO DE VALOR AOS ACIONISTAS E AOS SEUS CLIENTES. No Banese, existem 14 comitês que se reportam à Diretoria Executiva e ainda o Comitê de Remuneração que tem vinculação direta com o Conselho de Administração. Estrutura Organizacional Auditoria, Controles Internos e Gestão de Riscos Assembleia Geral Conselho Fiscal Conselho de Administração CONAD Superintendência de Auditoria Interna SUADI Superintendência de Gestão Estratégica, Controles e de Riscos SUGER Área de Auditoria de Processos AUDIP Área de Gestão de Riscos ARGER Área de Auditorias Especiais AUDES Área de Segurança da Informação e Continuidade de Negócios ARSEC Diretoria Executiva DIREX Área de Análise de Risco de Crédito ARARC Presidência PRESI Área de Controles Internos e Compliance ARCIC Área de Processo APROC Área de Inteligência Estratégica e Competitiva ARINC

11 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 2014 POLÍTICA DE TRANSPARÊNCIA E DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES: RELAÇÕES COM INVESTIDORES O Banco do Estado de Sergipe S.A. é uma companhia aberta e se preocupa em assegurar elevados padrões de transparência e equidade de tratamento com os investidores e com o mercado de capitais em geral. Visando atender à Instrução CVM nº 358/2002, o Banese tem consubstanciado em seus normativos a Política de Divulgação de Atos e Fatos Relevantes e a Política de Negociação com Valores Mobiliários, que se fundamenta nos princípios básicos da obediência à legislação específica, à regulamentação da CVM e outros órgãos reguladores nacionais e estrangeiros aos quais esteja sujeito: aderência às melhores práticas com investidores, transparência e equidade de tratamento com investidores e mercado de capitais em geral. Atento à necessidade de aprimorar seu relacionamento com todos os públicos, o Banese busca, continuamente, adicionar o máximo de valor possível à Política de Relações com Investidores, ao mesmo tempo em que disponibiliza todas as informações necessárias à sociedade, acionistas, clientes, empregados, fornecedores, órgãos reguladores e demais partes interessadas, através de sua página na internet:

12 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 2014 COMUNICADOS AO MERCADO Os atos da administração do Banese estão disponíveis em através da publicação das Assembleias Gerais, Reuniões do Conselho de Administração e Fiscal, Formulários da CVM, Comunicados e Fatos Relevantes, como também as devidas Homologações do Bacen aos atos administrativos que carecem de aprovação. Além das informações exigidas pelos órgãos reguladores, o Banese reconhece a importância de prestar publicidade a todos os fatos de 2014 de interesse do mercado: Eleição dos componentes da Diretoria Executiva do Banco, com destaque para os novos membros: Presidência, Diretoria Administrativa, Diretoria de Crédito Comercial; Eleição dos componentes dos Conselhos de Administração e Fiscal; As ações provenientes das bonificações de ações, passaram a participar em igualdade de condições das ações atualmente existentes, fazendo jus aos dividendos e aos juros sobre capital próprio de forma integral que vierem a ser deliberados pela empresa. Pagamento de dividendos intermediários à conta de reserva estatutária para equalização de dividendo existente no último balanço aprovado pela AGO. Aprovação pelo Banco Central do aumento do capital social, oriundo de parte da reserva estatutária para margem operacional, com bonificação em ações. Aprovação pelo Conselho de Administração da proposta da Diretoria da Instituição para pagamento de juros sobre Capital Próprio relativo ao primeiro semestre de

13 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 2014 Governo do Estado de Sergipe Outros Acionistas 90% 10% 94% ON 86% PN 6% ON 14% PN BANESE ESTRUTURA ACIONÁRIA A estrutura societária do Banese é composta por 15,3 milhões de cotas de ações, divididas em partes iguais entre ordinárias e preferenciais, sendo que 10,13% das ações do Banese são negociadas no mercado. Do total de ações negociadas no mercado, 31% são ordinárias e 69% preferenciais. O Governo do Estado de Sergipe é o sócio majoritário do Banese, detendo 90% das ações totais. AGÊNCIAS DE RATING O Banese é classificado por agências de Ratings, que são mecanismos utilizados para a avaliação da qualidade do crédito da empresa, buscando assim mensurar a probabilidade de default das obrigações financeiras, destacando que as notas atribuídas refletem o seu desempenho operacional, e a qualidade de sua administração. Na última avaliação, a Fitch Ratings manteve a sua revisão de rating do Banese como Estável, tendo ponderado alguns aspectos, dentre os quais destacamos: a adequação das normas legais pela administração e a implantação do novo acordo de capitais, chamado de Basileia III; a questão do endividamento das famílias sergipanas que causou uma ligeira e leve deterioração na qualidade da carteira de crédito, apontando um cenário de normalidade para os itens destacados; a pulverização dos depósitos, considerando como estável, devido a característica de varejo, e manutenção da base dos nossos depósitos; a rede de atendimento do Banco que se mantém com qualidade, entre outros aspectos. Além de manter a revisão do Banco como estável, em perspectiva do Rating Nacional, melhorou a avaliação no longo prazo para A(-), antes a BBB(+), no cenário de curto prazo a avaliação foi mantida em F2. Já a avaliação em relação aos de pares com rating nacional manteve-se favorável, enfocando também a preocupação do Banco com o aumento da inadimplência, e sendo mais criterioso na concessão de crédito

14 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 2014 A agência de classificação de risco Moody s avaliou o banco em uma perspectiva Estável, enfatizando sua participação no Estado; classificando nossa carteira como diversificada e adequada ao porte da instituição; destacando a qualidade das operações e sua classificação de baixo risco; a qualidade dos nossos ativos; dentre outros aspectos. Na avaliação da Moody s o Banco foi classificado como A1.br, em perspectiva de longo prazo, e no curto prazo BR-1. A tabela abaixo apresenta os ratings atribuídos pela Fitch Rating e Moody s Investors Service: FITCH RATING Escala Nacional Perspectiva Estável Longo Prazo Curto Prazo A- F2 MOODY S INVESTORS SERVICE Escala Nacional Ratings de Depósito Perspectiva Estável Longo Prazo A1.br Curto Prazo BR-1 Escala global em moeda local Ratings de Depósito Perspectiva Estável Longo Prazo Ba2 Curto Prazo Not Prime Escala global em moeda estrangeira Ratings de Depósito Perspectiva Estável Longo Prazo Ba2 Curto Prazo Not Prime Perspectiva Estável Escala Global - Ratings de Força Financeira de Bancos D ABRANGÊNCIA OPERACIONAL O Banese dispõe de canais de atendimento que garantem sua cobertura em todo o Estado de Sergipe, bem como nos Estados de Alagoas, Bahia e Paraíba. Além dos canais Internet Banking, Celular Banking, Call Center e as Redes Compartilhadas, dentre as quais destacamos Banco 24 Horas e Mastercard Maestro, o Banco tem 800 pontos de atendimento, assim distribuídos: 62 agências; 10 postos de serviços bancários; 464 caixas eletrônicos; 264 Correspondentes no País (Pontos Banese). Além da rede de atendimento relacionada, destacamos ainda a Ouvidoria Banese, que constitui um canal de comunicação direta entre o cliente e a diretoria do Banco do Estado de Sergipe, tendo a missão de representar os interesses dos clientes e usuários dos produtos e serviços do Banco, quanto às suas reclamações, elogios, sugestões, dúvidas, informações e solicitações. Nesse sentido, por meio da Ouvidoria, o Banese tem o compromisso de melhorar continuamente seus produtos, prestação de serviços e canais de atendimento. Em 2014, o Banese registrou um total de eventos classificados em elogios, sugestões, solicitações, informações e reclamações, através dos canais: Internet, Alô Ouvidoria ( ), pessoalmente na Ouvidoria Banese, correspondências, Banco Central do Brasil e Ouvidoria Geral do Estado de Sergipe

15 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 2014 BANESE NAS REDES seguidores banese seguidores bancobanese 16 mil visualizações

16 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 2014 EVOLUÇÃO PATRIMONIAL CONSOLIDADA ATIVO Em consonância com as premissas de sua gestão estratégica, o Consolidado Banese vem apresentando crescimento dos seus ativos nos últimos anos. Em 2014, os ativos totais do consolidado obtiveram um saldo de R$ milhões, representando um crescimento de 12% em relação ao mesmo período de No período de 2010 a 2014, observa-se um crescimento de 53,6%. Ativos Em R$ Milhões OPERAÇÕES DE CRÉDITO Ao final de 2014, as operações de crédito totalizaram R$ milhões, que representaram um crescimento de 11,5% comparado ao ano de 2013, e de 53,7% quando comparado ao ano de Conforme dados do BACEN de novembro de 2014, o saldo de operações do Banese representava 17,2% de participação de mercado. Destacaram-se nas operações direcionadas para pessoas físicas as linhas de Crédito Salário e Crédito Consignado, e para as pessoas jurídicas as linhas de Capital de Giro e Antecipação de Recebíveis. Operações de Crédito Em R$ Milhões

17 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 2014 Na composição das operações de crédito do Banco em 2014, a carteira comercial representa 76,6% e a carteira de desenvolvimento 23,4%. A carteira comercial é a mais representativa, alinhada com o perfil corporativo do Banese, através da forte atuação no segmento de varejo comercial, voltado especialmente às pessoas físicas. Distribuição do Crédito Em R$ Milhões O volume de operações de crédito comercial no Banese alcançou R$ milhões ao final de 2014, registrando um incremento de 10,3% em relação ao ano de 2013, e de 42,5% quando comparado ao ano de A participação de mercado em novembro de 2014 representava 32,0%, segundo dados do BACEN, garantindo a liderança nesse segmento de crédito. Carteira Comercial Em R$ Milhões

18 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 2014 Na composição da carteira comercial, as operações de pessoas físicas somaram R$ milhões (74,7%), sendo que as mais representativas são aquelas direcionadas aos servidores públicos com recebimento de salário em conta corrente, além das operações vinculadas ao cartão de crédito Banese Card. As linhas de crédito para pessoas jurídicas totalizaram R$ 342 milhões (25,3%), destacando o Progiro, direcionado a suprir a necessidade de capital de giro das empresas, e ECC-Banese Card, destinado à antecipação de recebíveis do cartão de crédito Banese Card. Distribuição do Crédito Comercial Distribuição do Crédito Comercial Em R$ Milhões Em R$ Milhões Na carteira de crédito de desenvolvimento, o saldo das operações em 2014 registrou crescimento de 15,4% comparado ao ano anterior e de 107,5% quando comparado ao ano de 2010, quando a carteira de desenvolvimento registrava saldo de R$ 199 milhões. Com a ampliação do crédito de desenvolvimento, o Banese contribui cada vez mais com o desenvolvimento socioeconômico do Estado, com a geração de emprego e renda. Carteira Desenvolvimento Em R$ Milhões

19 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 2014 Na composição do crédito de desenvolvimento do Banese, consideram-se todos os recursos destinados às atividades econômicas: industrial, rural e imobiliário. Atualmente, a atividade imobiliária é a mais representativa, com participação de 64,2%, enquanto que a rural e a industrial contribuem com 20,3% e 15,5%, respectivamente. Destaca-se o apoio ao microempreendedor através do microcrédito, cujas operações alcançaram contratos, o equivalente a R$ 33 milhões em Distribuição por Atividade Em R$ Milhões O desempenho positivo do crédito imobiliário do Banese foi particularmente favorecido pelo direcionamento estratégico para a carteira, bem como pelo aquecimento do mercado imobiliário nos últimos anos, seja através das aplicações direcionadas à construção de empreendimentos imobiliários, pelas pessoas jurídicas, seja pela aquisição da casa própria para as pessoas físicas. Em 2014, o crédito imobiliário do Banese apresentou crescimento de 14,7% em relação ao ano de 2013, e de 307,7% em relação ao ano de Para as pessoas físicas foram concedidos R$ 224 milhões (84,5%), e para as pessoas jurídicas R$ 41 milhões (15,5%) no ano. Crédito Imobiliário Em R$ Milhões

20 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 2014 POLÍTICA DE CRÉDITO O Banese estabelece, a partir da combinação de premissas para concessão (tais como seletividade, garantias, liquidez e diversificação de riscos), de limites de concentração e exposição de crédito e, por fim, de uma estrutura baseada em comitês e alçadas de decisão de crédito bem definidas, busca promover negócios rentáveis para o banco e qualidade na aplicação dos seus ativos, ambos em associação com a mitigação de riscos. Em 2014, 94% das operações de crédito do Banco se concentraram nos melhores níveis de risco, de AA a C, o que garante um menor aprovisionamento sobre as operações de crédito, de acordo com a Resolução CMN 2.682/1999. Classificação Classificação da Carteira da Carteira de Crédito de Crédito por Nível por de Nível Risco de Risco Em R$ Milhões Em R$ Milhões No período, o Banese registrou R$ 82 milhões a título de provisão para operações de crédito, o que equivale a 5% da carteira total, reflexo de um saneamento promovido como medida prudencial. Provisão da Carteira de Crédito por Nível de Risco Provisão da carteira de Crédito por Nível de Risco Em R$ Milhões Em R$ Milhões

21 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 2014 Ao término do ano de 2014, o Banese alcançou um índice de inadimplência de 0,6% sobre suas operações de crédito, considerando um atraso superior a 60 dias. Quando comparado ao ano de 2013 o indicador ficou menor em 0,1 p.p., e 0,4 p.p. a Índice de Inadimplência Em %

22 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 2014 APLICAÇÕES FINANCEIRAS Ao final de 2014, as aplicações financeiras do Banese registraram a marca de R$ milhões, um aumento de 10,9% e 41,3%, sobre o ano de 2013 e 2010, respectivamente. Na composição dessas aplicações, destacam-se os investimentos em TVM renda fixa (36,9%), e as aplicações interfinanceiras de liquidez (34,2%). Aplicações Financeiras Em R$ Milhões Composição das Aplicações Composição das Aplicações Em R$ Milhões Em R$ Milhões

23 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 2014 RECURSOS CAPTADOS E ADMINISTRADOS Os recursos captados e administrados do Consolidado Banese compreendem a soma dos depósitos totais e dos recursos de terceiros administrados, que apresentaram um montante de R$ milhões em 2014, um crescimento de 11,2% sobre o saldo de R$ milhões registrado em Ao comparar com o ano de 2010, houve um crescimento de 46,2%. O saldo dos depósitos totais do Banese representou 28,4% 2 de participação de mercado, alcançando o valor de R$ milhões em , uma evolução de 12,8% em relação a igual posição em 2013, e de 44,8% quando comparado a Compõem esse grupamento os depósitos à vista, a prazo, poupança e interfinanceiros. Contribuíram para esse desempenho os incrementos verificados nos depósitos de poupança e a prazo, respectivamente 16,0% e 13,8%. A participação do setor público nos depósitos totais foi de 7,4% (3,0% à vista, e 4,4% à prazo). Já os recursos de terceiros administrados, são formados pelos fundos de investimento, obrigações por repasses e outras captações. O saldo ao final de 2014 foi de R$ 412 milhões, superior em 1,2% em relação ao verificado em Recursos Captados e Administrados Em R$ Milhões 2 - Referente ao mês de novembro de 2014 cálculo próprio. Base de dados: BACEN. Em 2014, os Depósitos de Poupança figuraram como a principal fonte de captação do Banese, detendo uma participação de 33,4%, com um montante de R$ milhões. Os Depósitos à Prazo apontam um percentual de 33%, seguido pelos depósitos à vista com 18,1% e, por fim, as outras captações, os depósitos interfinanceiros, as obrigações por repasses e os fundos de investimento com participações de 15,5%. Composição dos Recursos Captados e Administrados Composição dos Recursos Captados e Administrados Em R$ Milhões Em R$ Milhões

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III Basiléia 3º Trimestre 2015 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

JSL Arrendamento Mercantil S/A.

JSL Arrendamento Mercantil S/A. JSL Arrendamento Mercantil S/A. Relatório de Gerenciamento de Riscos 2º Trimestre de 2015 JSL Arrendamento Mercantil S/A Introdução A JSL Arrendamento Mercantil S/A. (Companhia) se preocupa com a manutenção

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos 2014

Relatório de Gestão de Riscos 2014 Relatório de Gestão de Riscos 2014 2/16 Sumário 1. Introdução... 3 2. Perfil da Instituição... 3 3. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3.1 Gestão de Risco de Mercado... 5 3.1.1 Instrumentos de monitoramento

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI Contexto Operacional A Portoseg S.A. Crédito, Financiamento e Investimento ( Portoseg ) é uma instituição financeira privada,

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO

PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DATA-BASE: JANEIRO/2014 PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO Contexto Operacional A Portoseg S.A. Crédito, Financiamento e Investimento

Leia mais

Release de Resultado 2T14

Release de Resultado 2T14 BANCO BMG ANUNCIA SEUS RESULTADOS CONSOLIDADOS DO 2T14 São Paulo, 07 de agosto de 2014 O Banco BMG S.A. e suas controladas ( BMG ou Banco ) divulgam seus resultados consolidados referentes ao período encerrado

Leia mais

Banco do Estado de Sergipe S/A Rua Olímpio de Souza Campos Júnior, 31 - Bairro Inácio Barbosa CEP 49040-840 - Aracaju - Sergipe

Banco do Estado de Sergipe S/A Rua Olímpio de Souza Campos Júnior, 31 - Bairro Inácio Barbosa CEP 49040-840 - Aracaju - Sergipe Banco do Estado de Sergipe S/A Rua Olímpio de Souza Campos Júnior, 31 - Bairro Inácio Barbosa CEP 49040-840 - Aracaju - Sergipe O Banco do Estado de Sergipe S.A está inserido no Sistema Financeiro Nacional

Leia mais

www.panamericano.com.br

www.panamericano.com.br www.panamericano.com.br Agenda Principais dados do Banco Histórico Divulgação das Demonstrações Financeiras Resultado e Balanço Providências e Perspectivas 2 Agenda Principais dados do Banco 3 Composição

Leia mais

Relatório da Administração. 1º Semestre de 2015

Relatório da Administração. 1º Semestre de 2015 Relatório da Administração 1º Semestre de 2015 Sumário 1. Senhores Acionistas... 3 2. Banco Luso Brasileiro S.A.... 3 3. Estrutura Acionária... 3 4. Desempenho Operacional... 3 5. Destaques do Semestre...

Leia mais

BRB ANUNCIA RESULTADOS DO 2T15

BRB ANUNCIA RESULTADOS DO 2T15 BRB ANUNCIA RESULTADOS DO 2T15 Brasília, 26 de agosto de 2015 O BRB - Banco de Brasília S.A., sociedade de economia mista, cujo acionista majoritário é o Governo de Brasília, anuncia seus resultados do

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO 3º TRIMESTRE - 2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. INSTITUCIONAL... 3 3. GERENCIAMENTO DE RISCOS... 4 4. TIPOS DE RISCOS FINANCEIROS...

Leia mais

Ano - 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLES E GERENCIAMENTO DE RISCOS - SUCOR GERÊNCIA DE RISCOS - GERIS. Banco do Estado do Pará S.A

Ano - 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLES E GERENCIAMENTO DE RISCOS - SUCOR GERÊNCIA DE RISCOS - GERIS. Banco do Estado do Pará S.A Ano - 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLES E GERENCIAMENTO DE RISCOS - SUCOR GERÊNCIA DE RISCOS - GERIS Banco do Estado do Pará S.A SUMÁRIO Pág. APRESENTAÇÃO... 03 1. GERENCIAMENTO DE RISCOS 1.1 Cultura

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

Simulado CPA 10 Completo

Simulado CPA 10 Completo Simulado CPA 10 Completo Question 1. O SELIC é um sistema informatizado que cuida da liquidação e custódia de: ( ) Certificado de Depósito Bancário ( ) Contratos de derivativos ( ) Ações negociadas em

Leia mais

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 Controle: D.04.10.05 Data da Elaboração: 10/11/2009 Data da Revisão: 14/05/2015 Elaborado por: Certificação ANBIMA Aprovado por:

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA Base normativa: Circular 3477, de 24.12.2009. Data base: 30.06.2013 1 I INTRODUÇÃO Visando atendimento as diversas resoluções que tratam sobre Riscos

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos Objetivo As instituições financeiras estão expostas a riscos inerentes ao desenvolvimento de seus negócios e operações. A gestão e o controle de tais riscos constituem aspectos centrais da administração

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Diretoria Executiva / Dir. Risco de Credito Área de Crédito e Risco Área Comercial Área de Tecnologia da Informação Compliance Officer Elementos de Apoio:

Leia mais

Banco do Estado do Pará S.A

Banco do Estado do Pará S.A Superintendência de Controles e Gerenciamento de Riscos - SUCOR Gerência de Riscos Financeiros GERIF Banco do Estado do Pará S.A ÍNDICE APRESENTAÇÃO 03 1. GERENCIAMENTO DE RISCOS 03 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009. 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009. 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

4 trimestre de 2010. Sumário Executivo. Itaú Unibanco Holding S.A.

4 trimestre de 2010. Sumário Executivo. Itaú Unibanco Holding S.A. 4 trimestre de 2010 Sumário Executivo Apresentamos, abaixo, informações e indicadores financeiros do (Itaú Unibanco) do quarto trimestre de 2010 e do exercício findo em 31 de dezembro de 2010. (exceto

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional Objetivo Este relatório tem como objetivo atender a Circular 3.678, de 31 de outubro de 2013, apresentando as informações referentes a gestão de riscos, à apuração do montante dos ativos ponderados pelo

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO 1º TRIMESTRE - 2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. INSTITUCIONAL... 3 3. GERENCIAMENTO DE RISCOS... 4 4. TIPOS DE RISCOS FINANCEIROS...

Leia mais

Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Dez/2012 a Mar/2014

Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Dez/2012 a Mar/2014 Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Dez/2012 a Mar/2014 Índice Introdução e Perfil 3 Crédito Política de Risco de Crédito 4 Exposição, exposição média e maiores clientes 6 Distribuição

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS FINANCEIROS

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS FINANCEIROS RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS FINANCEIROS Superintendência de Controles e Gerenciamentos de Riscos - SUCOR Gerência de Riscos GERIS Primeiro Trimestre de 2011 Índice APRESENTAÇÃO 3 1. GERENCIAMENTO

Leia mais

Relatório de Estabilidade Financeira. Banco Central do Brasil Setembro de 2013

Relatório de Estabilidade Financeira. Banco Central do Brasil Setembro de 2013 Relatório de Estabilidade Financeira Banco Central do Brasil Setembro de 2013 Pontos abordados para o Sistema Bancário* Base: 1º semestre de 2013 Risco de liquidez Captações Risco de crédito Portabilidade

Leia mais

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA 1- INTRODUÇÃO O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social, por meio do Decreto nº 5.212, de 22 de setembro de 2004, teve o seu Estatuto Social alterado

Leia mais

Banco Western Union do Brasil S.A.

Banco Western Union do Brasil S.A. Banco Western Union do Brasil S.A. Relatório de Gerenciamento de Riscos para atender aos requisitos estabelecidos na Circular no. 3477/09 do Conselho Monetário Nacional. Data Base 31/12/2011 1 1. Introdução...

Leia mais

RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO GERENCIAMENTO DE RISCOS

RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO GERENCIAMENTO DE RISCOS RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO Gerenciamento de Riscos Revisão: Julho/ 2015 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA... 3 3. LINHAS DE NEGÓCIOS PRODUTOS OFERTADOS... 3 3.1. CARTÃO DE CRÉDITO...

Leia mais

Banco do Estado do Pará S.A

Banco do Estado do Pará S.A Superintendência ia de Controles e Gerenciamento de Riscos - Sucor Gerência de Riscos Financeiros Gerif Banco do Estado do Pará S.A APRESENTAÇÃO ÍNDICE Relatório de Gerenciamento de Riscos 03 1. GERENCIAMENTO

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 CIRCULANTE 67.424 76.165 DISPONIBILIDADES 4 5.328 312 TITULOS E VALORES MOBILIÁRIOS E INTRUMENTOS

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA 1. INTRODUÇÃO 1.1 A CAIXA A Caixa Econômica Federal é uma instituição financeira sob a forma de empresa pública, vinculada ao Ministério da Fazenda. Instituição integrante do Sistema Financeiro Nacional

Leia mais

Banco Luso Brasileiro S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes

Banco Luso Brasileiro S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Banco Luso Brasileiro S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes RELATÓRIO da ADMINISTRAÇÃO - 2012 SENHORES ACIONISTAS A Administração do Banco Luso

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

ESTRUTURA E GERENCIAMENTO DE RISCOS NO BRDE

ESTRUTURA E GERENCIAMENTO DE RISCOS NO BRDE ESTRUTURA E GERENCIAMENTO DE RISCOS NO BRDE JULHO/2014 1. Objetivos O gerenciamento de riscos no BRDE tem como objetivo mapear os eventos de riscos, sejam de natureza interna ou externa, que possam afetar

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 Controle: D.04.10.04 Data da Elaboração: 10/11/2009 Data da Revisão: 30/09/2013 Elaborado por: Certificação ANBIMA Aprovado por:

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2012 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 5 RISCO DE MERCADO... 8 6

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.678/2013

Gestão de Riscos Circular 3.678/2013 Gestão de Riscos Circular 3.678/2013 3 Trimestre de 2014 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 POSIÇÃO NO TRIMESTRE... 3 4 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 5 RISCO DE CRÉDITO...

Leia mais

1T13 FACT SHEET PERFIL DA COMPANHIA PRESENÇA NO BRASIL: FOCO NA REGIÃO SUL

1T13 FACT SHEET PERFIL DA COMPANHIA PRESENÇA NO BRASIL: FOCO NA REGIÃO SUL FACT SHEET 1T13 PERFIL DA COMPANHIA Fundado em 1928, o Banrisul é um banco múltiplo: comercial, de desenvolvimento e social, controlado pelo Estado do Rio Grande do Sul. A proximidade com o setor público

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 31/12/2010 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 4 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

Divulgação de resultados 3T13

Divulgação de resultados 3T13 Brasil Brokers divulga seus resultados do 3º Trimestre do ano de 2013 Rio de Janeiro, 13 de novembro de 2013. A Brasil Brokers Participações S.A. (BM&FBovespa: BBRK3) uma empresa com foco e atuação no

Leia mais

Release de Resultado 3T08

Release de Resultado 3T08 PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$75,0 MILHÕES OU R$0,33 POR AÇÃO NO E R$211,6 MILHÕES OU R$0,92 POR AÇÃO NO 9M08. São Paulo, 7 de Novembro de 2008 Porto Seguro S.A. (BOVESPA: PSSA3), anuncia os

Leia mais

Shadow Banking no Brasil

Shadow Banking no Brasil Shadow Banking no Brasil 1 Introdução escriturados fora do balanço dos bancos. Além disso, várias entidades, com pouca ou nenhuma regulação, shadow banking system 1 para designar o conjunto de tais entidades

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS 1. CONTEXTO A Porto Seguro Investimentos é uma Instituição Financeira privada, constituída em 8 de abril de 1991,

Leia mais

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014 Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta Novembro de 2014 OFERTA VOLUNTÁRIA DE PERMUTA DE AÇÕES No dia 30 de outubro realizamos o leilão da oferta voluntária. A adesão dos minoritários do Santander

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Junho 2015 1 SUMÁRIO ANÁLISE DE DESEMPENHO... 4 SUMÁRIO EXECUTIVO 1S15... 6 MERCADO COMPETITIVO... 8 MARGEM ANALÍTICA... 9 Desempenho da Intermediação Financeira... 9 Variações

Leia mais

Vinculado ao Grupo Rodobens, que possui mais de 60 anos de tradição e experiência no mercado de veículos desde a sua fundação.

Vinculado ao Grupo Rodobens, que possui mais de 60 anos de tradição e experiência no mercado de veículos desde a sua fundação. 2013 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do Banco Central do Brasil, através da Circular 3.477, de 24/12/2009,

Leia mais

Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur

Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur 1 - Sobre as atribuições do Banco Central do Brasil, é incorreto afirmar: a) Exerce o controle de crédito b) Estimula a formação de poupança e a sua aplicação

Leia mais

Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco

Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco Data-base: 30.06.2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos 1 Objetivo... 3 2 Gerenciamento de Riscos... 3 2.1 Política de Riscos... 3 2.2 Processo

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2014 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 POSIÇÃO NO TRIMESTRE... 3 4 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 5 RISCO DE CRÉDITO...

Leia mais

SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES

SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES Ilmos. Srs. Diretores e Acionistas de BVA Seguros S/A Rio de Janeiro - RJ RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Examinamos as demonstrações financeiras individuais

Leia mais

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2009 e 2008 HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS

Leia mais

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006.

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. São Paulo, 28 de fevereiro de 2007 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia seu resultado

Leia mais

DREBES FINANCEIRA S/A CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO DIRETORIA DREBES FINANCEIRA S/A

DREBES FINANCEIRA S/A CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO DIRETORIA DREBES FINANCEIRA S/A 2009 DREBES FINANCEIRA S/A CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO DIRETORIA DREBES FINANCEIRA S/A [ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS] O presente documento apresenta a Estrutura de Gestão de Riscos da DREBES

Leia mais

Por que abrir o capital?

Por que abrir o capital? Por que abrir capital? Por que abrir o capital? Vantagens e desafios de abrir o capital Roberto Faldini Fortaleza - Agosto de 2015 - PERFIL ABRASCA Associação Brasileira de Companhias Abertas associação

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos 31 de dezembro 2013 Informações Referentes ao Gerenciamento de Riscos, Patrimônio de Referência e Patrimônio de Referência Exigido 1. Considerações Iniciais 1.1. Todas as condições

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL DE PRIMAVERA DO LESTE Relatório de Gerenciamento de Riscos COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL DE PRIMAVERA DO LESTE 1ºTRI2015 1 Introdução... 4 2 Gestão de Riscos... 5 2.1 Principais

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS 1º Trimestre de 2012 Conteúdo Perfil Corporativo...3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos...4 Atribuições...4 Risco Operacional...5 Limite de Tolerância ao Risco Operacional...6

Leia mais

Programa de Atualização Certificação Profissional ANBIMA Série 10 (CPA-10) Versão 2.2

Programa de Atualização Certificação Profissional ANBIMA Série 10 (CPA-10) Versão 2.2 Programa de Atualização Certificação Profissional ANBIMA Série 10 (CPA-10) Versão 2.2 OBJETIVOS DA ATUALIZAÇÃO DA CPA-10 A Atualização dos profissionais certificados CPA-10 é parte do Código de Regulação

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Politica de Investimentos tem como objetivo

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados;

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados; Guia de Fundos de Investimento A CMA desenvolveu o Guia de Fundos de Investimento para você que quer se familiarizar com os princípios básicos do mercado financeiro, ou que tem interesse em aprofundar

Leia mais

Aplicação de recursos

Aplicação de recursos Aplicação de recursos São 3 os pilares de qualquer investimento Segurança Liquidez Rentabilidade Volatilidade - mede o risco que um fundo ou um título apresenta - maior a volatilidade, maior o risco; Aplicação

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE BENEFÍCIO DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Política de Investimentos tem

Leia mais

1T11. Principais. Destaques. Qualidade da Carteira de Crédito 4T09 3T09 4T08. 4T09 x 4T08

1T11. Principais. Destaques. Qualidade da Carteira de Crédito 4T09 3T09 4T08. 4T09 x 4T08 1T11 Disclaimer Todas as informações financeiras aqui apresentadas são consolidadas, abrangendo as demonstrações financeiras do Banco, suas controladas, a JMalucelli Seguradora, a JMalucelli Seguradora

Leia mais

Divulgação dos Resultados 1T15

Divulgação dos Resultados 1T15 Divulgação dos Resultados 1T15 Sumário Resultado Itens Patrimoniais Índices Financeiros e Estruturais Guidance 2 Resultado Margem Financeira (em e %) * 1T15 / 1T14 1T15 / 4T14 1T15 / 1T14 21,1% 5,4% 21,1%

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL 3º Trimestre 2015 RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL 1. INTRODUÇÃO 2. ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS 3. GERENCIAMENTO DE CAPITAL

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 22-10-08) Edição de 27 de Outubro de 08 Crise não teve impacto significativo nas operações

Leia mais

Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos. Dezembro de 2011. Introdução

Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos. Dezembro de 2011. Introdução Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos Dezembro de 2011 Introdução Este relatório foi elaborado com o objetivo de apresentar as atividades relacionadas à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência

Leia mais

Seminário "Governança Corporativa: Experiências em Empresas Estatais"

Seminário Governança Corporativa: Experiências em Empresas Estatais Seminário "Governança Corporativa: Experiências em Empresas Estatais" Marco Geovanne Tobias da Silva 17 de maio de 2005 O que é Governança Corporativa? Conjunto de normas de conduta a serem adotadas por

Leia mais

Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08)

Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08) Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08) Divulga procedimentos mínimos necessários para o desempenho do estabelecido pela Circular 3.400, de 2008, no cumprimento das atribuições especiais das cooperativas

Leia mais

Kinea Rendimentos Imobiliários - FII. Relatório de Gestão

Kinea Rendimentos Imobiliários - FII. Relatório de Gestão Kinea Rendimentos Imobiliários - FII Relatório de Gestão Maio de 2013 Palavra do Gestor Prezado investidor, O Kinea Rendimentos Imobiliários FII ( Fundo ) é dedicado ao investimento em Ativos de renda

Leia mais

Lucro Líquido de R$ 239 milhões no 1T15, crescimento de 34%; Margem EBITDA de 9,6%, com aumento de 0,7 p.p.

Lucro Líquido de R$ 239 milhões no 1T15, crescimento de 34%; Margem EBITDA de 9,6%, com aumento de 0,7 p.p. Lucro Líquido de R$ 239 milhões no 1T15, crescimento de 34%; Margem EBITDA de 9,6%, com aumento de 0,7 p.p. No 1T15, a receita líquida totalizou R$ 5,388 bilhões, estável em relação ao 1T14 excluindo-se

Leia mais

RELEASE DE RESULTADOS

RELEASE DE RESULTADOS RELEASE DE RESULTADOS BANCO PAULISTA SOCOPA Corretora Resultados 4 Trimestre de 2011 1 O BANCO PAULISTA e a SOCOPA - CORRETORA PAULISTA anunciam os resultados do quarto trimestre de 2011. O BANCO PAULISTA

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control Estrutura Organizacional Risco de Crédito Introdução Este documento apresenta a estrutura organizacional da área de Risco de Crédito do conglomerado CRÉDIT AGRICOLE Brasil e estabelece as suas principais

Leia mais

Vale do São Francisco

Vale do São Francisco Notas Explicativas da Administração às Demonstrações Contábeis em 30 de junho de 2015 e 2014 Cooperativa de Crédito de Livre Admissão do Vale do São Francisco Ltda. C.N.P.J 04.237.413/0001-45 Vale do São

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Prezado Cooperado, Em 2012 a economia brasileira apresentou forte desaceleração, tendo uma das mais baixas taxas de crescimento da América Latina, inferior até as pessimistas

Leia mais

Sergipe. A SuA oportunidade de investir em um estado cheio de oportunidades.

Sergipe. A SuA oportunidade de investir em um estado cheio de oportunidades. Sergipe. A SuA oportunidade de investir em um estado cheio de oportunidades. Nos últimos anos, Sergipe implantou um programa de Ampliou o acesso à água para as indústrias, através de uma industrialização

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DE CAPITAL Pilar 3 Basileia DATA-BASE: 31/03/2015 (1T2015) Sumário Introdução... 3 Principais Categorias de Risco... 3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos e de Capital...

Leia mais

31 de dezembro de 2014 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras

31 de dezembro de 2014 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Monetar Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. (Anteriormente denominada Sommar Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda) 31 de dezembro de 2014 com Relatório

Leia mais

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO L2 0 0 6 R E L AT Ó R I O A N U A EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO Prêmio de Seguros Participação no Mercado (em %) Mercado 74,2% Fonte: Susep e ANS Base: Nov/2006 Bradesco 25,8%

Leia mais

ING. Demonstrações Financeiras

ING. Demonstrações Financeiras ING Demonstrações Financeiras 30/junho/2002 ÍNDICE ING BANK N.V. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SEMESTRAIS DE 2002 E 2001... 3 ING CORRETORA DE CÂMBIO E TÍTULOS S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SEMESTRAIS DE

Leia mais

Acordo de Acionistas. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A.

Acordo de Acionistas. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. Acordo de Acionistas Diretrizes da CPFL de Energia Governança S.A. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. 1 Sumário I Introdução 3 II Estrutura Corporativa

Leia mais

Gerenciamento do Risco de Crédito

Gerenciamento do Risco de Crédito Gerenciamento do Risco de Crédito Documento TESTE INTRODUÇÃO O Conselho Monetário Nacional (CMN), por intermédio da Resolução no. 3.721 do Banco Central do Brasil (BACEN), determinou às instituições financeiras

Leia mais

Rating BANCO DO ESTADO DE SERGIPE S/A - BANESE. Bancos FUNDAMENTOS DO RATING

Rating BANCO DO ESTADO DE SERGIPE S/A - BANESE. Bancos FUNDAMENTOS DO RATING Relatório Analítico Semestral: JUN/09 Rating A- O banco apresenta solidez financeira intrínseca boa. São instituições dotadas de negócio seguro e valorizado, boa situação financeira atual e histórica.

Leia mais

Release de Resultados do 1T10

Release de Resultados do 1T10 Release de Resultados do 1T10 Fale com R.I Relações com Investidores Tel: (11) 3366-5323 / 3366-5378 www.portoseguro.com.br, gri@portoseguro.com.br Porto Seguro S.A. Alameda Ribeiro da Silva, 275 1º andar

Leia mais

Cresol Triunfo Flores

Cresol Triunfo Flores Cresol Triunfo Flores Relatório da Administração 1. Identidade organizacional Missão: Fortalecer e estimular a interação solidária entre agricultores e cooperativas através do crédito orientado e da educação

Leia mais