ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE ESMORIZ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE ESMORIZ"

Transcrição

1 ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE ESMORIZ RELATÓRIO DE ACTIVIDADES E CONTAS ANO DE 2008

2 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES ANO 2008 Capítulo I INFORMAÇÃO AOS SÓCIOS A Direcção eleita para o triénio 2006/2009 vem desta forma informar os Sócios das actividades desenvolvidas durante o ano transacto. O ano de 2008 foi marcado pela conclusão e inauguração da piscina. Esta obra foi concretizada com muito esforço por parte da Associação e inaugurada no dia 20/07/2008. Em Maio de 2008 fez-se o concurso para admissão e recrutamento do responsável desta infraestrutura e da restante equipa. Tivemos o cuidado de fazer a preparação da abertura que se realizou a 08 de Setembro. Salientamos o facto de termos vivido uma experiência nova para todos nós e ao mesmo tempo um desafio para que tudo funcionasse bem. Tudo teve que ser feito, desde aquisição de mobiliário, sistemas informáticos, material para o ensino de natação, equipamentos e produtos para limpeza, enfim tudo o que é necessário para uma infraestrutura destas poder funcionar. Iniciamos um programa de formação ao pessoal que compõem o quadro, na utilização do software existente. Fizeram-se inscrições, emitiram-se cartões e organizou-se toda a parte administrativa e burocrática. Para além disso procedeu-se à contratação do quadro docente e criaram-se horários de acordo com as necessidades. Na parte técnica procedeu-se à formação dos nadadores-salvadores no trabalho de tratamento de águas, aquecimento e bombagem. Hoje já temos competências internas que nos permitem resolver grande parte dos problemas do dia-a-dia. De salientar que o início desta operação foi muito custosa e difícil, mas pensamos que grande parte dos objectivos foram atingidos. Ainda temos um longo caminho a percorrer no sentido de melhorar os serviços, aumentar a oferta de actividades, cativando desta forma um maior número de utentes, maximizando as receitas e controlando devidamente os custos. Salientamos o facto de termos sido confrontados desde o ano em que lançamos a obra e a sua execução, com um tremendo aumento dos juros, concretamente a taxa Euribor a qual como todos Página 1 de 62

3 sabem chegou a passar os 5%. Para além disso quer o custo do gás quer o custo da energia aumentaram de forma significativa tornando a exploração mais difícil e mais cara. Tudo isto nos vai obrigar durante o ano de 2009 a um esforço redobrado de aumentarmos as receitas e de forte contenção dos custos. A Direcção encontra-se empenhada em encontrar um parceiro credível para o aluguer da Clínica. Os tempos que vivemos têm sido difíceis mas continuamos a acreditar que iremos encontrar as pessoas certas e que cumpram os objectivos preconizados no início deste projecto. Caso a opção de instalação de serviços de uma Clínica continuem a revelar-se difíceis outras opções serão possíveis. O importante será a rentabilização dos espaços em causa. Esta Direcção quer informar os Sócios do diferendo com a Junta de Freguesia de Esmoriz. Tal como podem verificar em anexo, a nossa Associação celebrou um protocolo com a JFE no dia 30 de Abril de 2006 o qual previa o apoio financeiro dentro do seguinte esquema. Ano Valor a Transferir , , , ,00 Foi efectuado um plano para a construção desta obra, que previa um calendário de execução e pagamento ao Empreiteiro. Todas as Entidades Oficiais e Particulares cumpriram com o pagamento das prestações de acordo com os autos de medição. A Associação por sua vez cumpriu de forma escrupulosa todos os pagamentos quer em montante quer em prazos. Tudo esteve organizado no sentido de cumprirmos os prazos da construção. Lamentavelmente a Junta de Freguesia de Esmoriz não cumpriu com o que estava protocolado, faltando aos pagamentos conforme estava combinado. Infelizmente a Junta de Freguesia de Esmoriz não só não pagou, como não respondeu aos ofícios enviados conforme anexos a este relatório de actividades. Na sequência destes acontecimentos entendeu a Direcção de forma unânime que o nome da Junta de Freguesia de Esmoriz não deveria constar na dita placa alusiva à inauguração, facto que lamentamos profundamente. Esta Direcção continua a envidar todos os esforços no sentido de receber as verbas devidas pela Junta de Freguesia de Esmoriz. Página 2 de 62

4 Aproveitando a construção da obra da Piscina foi feita uma melhoria substancial do espaço da parada tendo sido toda ela revestida a tapete betuminoso, melhorado o acesso frontal do Quartel, instaladas cancelas de acesso ao parque de estacionamento. Continuamos infelizmente com o assunto do espaço do Quartel antigo pendente. Em concreto, foi solicitado à Junta de Freguesia de Esmoriz o aumento da renda ou em contrapartida que executasse obras de recuperação daquele espaço, infelizmente não conseguimos obter respostas positivas por parte da mesma. Ainda relativamente ao Quartel antigo queremos informar os sócios de que o inquilino da loja do R/C está com os pagamentos da renda em atraso no total de ,78 até a presente data. Foi enviada uma carta registada informando o dito inquilino para proceder ao pagamento imediato dos valores em atraso. Caso não venhamos a receber as ditas mensalidades em atraso iremos iniciar um processo de despejo do dito inquilino. Esta Direcção quer salientar ter tentado tudo para cobrar os valores em causa. O ano de 2008 fica marcado pelo forte agravamento das dividas dos utentes dos serviços de saúde. Verificamos que há uma parte da população sem recursos financeiros que recorre aos serviços dos Bombeiros para ser transportada ao Hospital ou aos Centros de Saúde e que não paga os ditos serviços. Para além deste prejuízo, os serviços de urgência feitos a pedido do CODU foram deficitários durante o decorrer do ano de 2008, já que o preço por KM pago pelo Estado esteve muito abaixo do custo efectivo que a Associação teve. Como todos sabemos o custo do combustível subiu de forma exponencial e infelizmente o pagamento do Estado manteve-se no mesmo valor. Este comportamento é extensível aos serviços de grua, no qual há uma série de empresas que se atrasam no pagamentos dos serviços efectuados. Neste caso a Direcção tomou medidas no sentido de só se executar o serviço a empresas que garantam o pagamento e em caso de dúvidas, são exigidos pagamentos adiantados. No seguimento do trabalho executado pelo actual Governo foi publicada legislação que regula a actividade das Associações Humanitárias dos Bombeiros, onde, duma forma muito exaustiva foram regulamentadas todas as actividades relativas a esta matéria. Salientamos o trabalho desenvolvido pelo Comando no sentido de dar cumprimento integral as novas exigências da lei. A Direcção desta Associação não comunga e não subscreve grande parte da legislação produzida já que tendencialmente, legislação desta natureza levará mais cedo ou mais tarde à profissionalização dos Bombeiros em prejuízo do Espírito do Voluntariado, facto que lamentamos profundamente. De qualquer forma esta mesma legislação vem introduzir algumas regras que faziam Página 3 de 62

5 falta e que são importantes para a clarificação da figura dos Corpos de Bombeiros e respectivas Associações. Foi no ano de 2008 que a Associação passou a ser sujeita a transferências mensais por parte da Autoridade Nacional de Protecção Civil, chamado (Programa Permanente de Cooperação), verificamos uma vantagem particularmente importante neste programa. As transferências são feitas de forma sistemática de mês a mês, esta verba que totalizou ,75, feitas as contas verificamos que este programa prejudica gravemente a Associação, já que os cálculos para encontrar este número foram feitos sobre as médias dos valores transferidos no ano de 2005, 2006 e Esta verba é composta pelo custo dos combustíveis, custo da Segurança Social e transferências da Totobola e Totoloto. Considerando o agravamento dos custos destas mesmas rubricas conclui-se o prejuízo a que estamos a ser sujeitos. Uma das verbas importantes para a saúde financeira da Associação tem a haver com as transferências por parte da CMO. Foi negociado um aumento de 2,9% para o ano de A verba tem como objectivo o financiamento do Gabinete de Protecção Civil e das vigilâncias das praias. A Direcção e Comando têm decidido todos os anos a actualização salarial do quadro do nosso pessoal. Para este ano de 2009 foi feito um esforço muito grande na questão dos aumentos salariais dada a actual conjuntura. A Direcção espera que haja um reconhecimento desse esforço e que o quadro de pessoal faça o seu melhor dignificando a Associação através de um trabalho dedicado, rigoroso e responsável. O ano de 2008 foi marcado por mais um incêndio industrial de grandes dimensões ocorrido na Bi-Silque. Uma vez mais foi confirmada publicamente e de forma inequívoca a capacidade e a coragem dos Bombeiros que ali estiveram presentes e que se entregaram de forma abnegada ao combate às chamas. Estamos certos, porque presenciamos, que a acção dos Bombeiros foi determinante para se evitar uma maior tragédia e que o fogo consumisse a totalidade da fábrica. Com toda a certeza os Bombeiros de Esmoriz e não só, devem orgulhar-se do trabalho que fizeram, já que evitaram que centenas de postos de trabalho estivessem em risco caso a fábrica tivesse ficado totalmente destruída. A importância desta Corporação é sempre mais visível com acidentes desta magnitude mas, conforme pode ser visto mais adiante no mapa de actividades temos todos os dias de acudir a quem mais precisa sem publicidade e sem protagonismos. O serviço de Saúde em 2008 ficou mais equipado, já que foi adquirida uma nova ambulância, oferta da empresa Bi-Silque. Foi comprado mais 1 monitor de sinais vitais e foi admitido mais um colaborador para o quadro da Associação com formação específica para a área de saúde. Página 4 de 62

6 A época balnear de 2008 foi marcada pelo excelente desempenho do Comando e de toda a equipa de nadadores-salvadores e só foi possível com a ajuda da Câmara Municipal de Ovar, Junta de Freguesia de Cortegaça, Junta de Freguesia de Maceda e Empresas Amigas. Tivemos ao serviço da Associação uma viatura emprestada pela empresa Salvador Caetano e foram construídas mais duas torres de vigilância. Lamentamos a não participação da Junta de Freguesia de Esmoriz neste esforço conjunto do Comando, nadadores-salvadores e das Empresas. Esta Junta de Freguesia de forma unilateral não se dispôs a participar no custo desta operação. Depois de devidamente informados sobre o valor a pagar a Junta de Freguesia de Esmoriz entendeu que só deveria comparticipar com o valor de Esta atitude a ser aceite pela Associação não seria justa e equitativa para com as outras Entidades que acederam e aceitaram de bom grado o valor proposto. Esta informação pode ser confirmada através da cópia dos ofícios anexos a este relatório. Esta Direcção quer deixar bem claro que não tem como missão fazer política, a nossa missão é defender os interesses da Associação dos seus Sócios e da população em geral e não se vai demitir de no lugar certo e no momento certo falar a verdade e só a verdade sobre os lamentáveis acontecimentos com a Junta de Freguesia de Esmoriz. Relativamente à aquisição do VUCI (Veículo Urbano de Combate a Incêndios), infelizmente não foi concretizada no ano de A Direcção e Comando obtiveram por parte do Sr. Governador Civil a garantia de que essa viatura nos seria atribuída com o custo 0 (zero). Esperamos que em 2009 se concretize este objectivo Para o ano corrente de 2009 a Direcção preconiza manter a mesma linha de orientação e gestão promovendo todas as acções necessárias para a boa operacionalidade do corpo de Bombeiros. cuidado de: Esta Direcção manteve o mesmo rigor dos critérios contabilísticos previstos na lei. Tivemos o 1. Manter um alto nível de operacionalidade da Corporação de Bombeiros, graças à acção sempre impecável do Comando e Corpo Activo; 2. Garantir a boa gestão dos meios disponíveis, evitando desperdícios e maximizando todos os meios; 3. Manter a politica de forte investimento em fardamento de trabalho e de protecção individual; 4. Prestar aos nossos sócios um nível de informação sobre a actividade da Associação. 5. Manter a política de formação técnica do nosso pessoal, dando seguimento ao estabelecido na lei. Página 5 de 62

7 6. Fizemos o acompanhamento do arranque da actividade na piscina. 7. Respeitar escrupulosamente a lei e todos requisitos administrativos para que a gestão fosse absolutamente transparente e regular. 8. A Direcção agradece a todos os Sócios, Empresas, à população em geral, autoridades locais e centrais, todo o apoio demonstrado durante o decorrer do ano transacto. 9. A Direcção agradece o empenho de todos os colaboradores desta casa, do Comando e Corpo Activo pelo desempenho revelado durante Por fim queremos salientar que a gestão manteve como objectivo garantir a boa aplicação dos meios financeiros no investimento e valorização do património da Associação. O Presidente, Carlos Pereira Página 6 de 62

8 SÓCIOS / QUOTIZAÇÕES No ano de 2009 conforme estava previsto a cobrança das quotizações deu-se início na primeira semana de Fevereiro de Foi este o 2º ano que se procedeu à cobrança da quota pelo valor de 20. Demos como concluído a actualização do ficheiro de sócios. Foi um trabalho demorado, pois obrigou o responsável pela gestão de sócios a tentar de todas as formas contactar os sócios por telefone, por carta e através do cobrador, com o objectivo de se manter o registo de sócios actualizado. Este procedimento permitiu o recebimento atempado de verbas que serviram para uma melhor gestão da tesouraria. Concluímos o ano de 2008 com quase a totalidade das quotas cobradas, no total ,00. A abertura da Piscina permitiu o aumento do número de associados em mais 633 sócios. Foi executada durante o ano 2008 uma campanha de angariação de sócios com a colaboração do Corpo Activo. Durante essa acção foram vendidos 212 livros das comemorações dos 75 anos dos BVE e angariam-se aproximadamente 200 sócios. Situação Actual: Situação em Sócios activos no início ano Admitidos e Readmitidos Desistências Nº de Sócios Fim Período Foram desactivados 143 sócios, que resulta da contínua actualização do ficheiro de sócios. A Direcção quer manifestar um especial agradecimento ao empenho demonstrado pelo Sr. José Sá Pistola, na cobrança atempada das quotas dos nossos sócios. Foi recrutado um colaborador para a Freguesia de Maceda para cobrança da época de Valores por Cobrar: ,00 Página 7 de 62

9 NATAL BOMBEIRO Como é tradição, realizou-se uma vez mais o Natal do Bombeiro com uma festa convívio, com os filhos dos bombeiros. A realização em causa teve um grande sucesso e uma adesão digna. A iniciativa foi da Secção Desportiva que muito valorizou o natal do bombeiro. SECÇÃO DESPORTIVA A organização da Secção Desportiva veio aportar um grande dinamismo nas diversas actividades desenvolvidas por este grupo. SERVIÇOS DE SAÚDE E RESERVA INEM A Associação através do serviço de saúde continua a desempenhar de forma exemplar o serviço de reserva de INEM como atrás foi referido, a equipa foi reforçada com mais dois T.A.S., infelizmente não foi possível formar mais pessoal por falta de disponibilidade de elementos para receber tal formação. O serviço efectuado como reserva de INEM totalizou ,00. No decorrer do ano de 2008 tivemos 4172 serviços de saúde e 1707 urgências pré-hospitalares. Os números são significativos da importância deste serviço no apoio às populações que servimos. O serviço de saúde continua a ser uma grande parte dos serviços efectuados. Temos que dividir este assunto em dois níveis: Pré-hospitalar Transporte de doentes No primeiro caso não há discussão Vamos a todas, mesmo aqueles serviços fora da nossa área de intervenção. Quanto ao transporte de doentes, continuamos a ser confrontados com valores desadequados aos custos efectivos e reais. As Entidades Oficiais insistem em pagar valores muito baixos, que não cobrem sequer os custos. Continuamos a trabalhar e fazer contacto no sentido de acordar e assinar protocolo com ARS. Neste particular queremos relembrar que a CMO se comprometeu a intervir directamente na resolução deste assunto, facto ainda não concretizado. Página 8 de 62

10 ÉPOCA BALNEAR 2008 É com muito orgulho e satisfação que verificamos que os resultados desta operação são muito positivos. Uma vez mais, não se verificaram vítimas mortais. Tivemos os apoios da Câmara Municipal de Ovar, da Junta de Freguesia de Cortegaça e da Junta de Freguesia de Maceda, tal como já foi explicado anteriormente fomos confrontados com a uma decisão da Junta de Freguesia de Esmoriz que não podemos concordar. Esta importante operação de apoio às praias é certamente um trabalho exemplar prestado pela Associação. O custo é muito mais alto do que as receitas arrecadadas. A manutenção dos equipamentos, o pagamento aos nadadores-salvadores e o combustível significa um total aproximado de ,00. As receitas são de apenas ,00 atribuídas pelas 3 Entidades Autárquicas, o financiamento do restante valor tem origem em apoios angariados, que infelizmente não cobrem a totalidade dos custos. Que infelizmente não cobre a totalidade dos custos. Para o ano de 2009, a Direcção pretende desenvolver um trabalho mais apurado no sentido de encontrar patrocinadores para esta acção de vigilância das praias. Está em curso um trabalho junto da Capitania do Porto do Douro e Leixões para que o Instituto de Socorro a Náufragos nos apoie de uma forma mais concreta em Uma palavra especial à TMN que forneceu 12 telemóveis e um subsídio de 2.500,00. Um agradecimento às Empresas que nos apoiaram através de donativos. A Direcção uma vez mais propõe um voto de louvor e agradecimento ao nosso Comandante e á equipa de nadadores-salvadores pela forma rigorosa, eficaz, cuidada e responsável como tem preparado e orientado a época balnear. intervenção. Queremos salientar a demonstração das capacidades demonstradas por este grupo de Praia Praia Praia Praias Cantinho Velha Cortegaça Maceda Total Mortos Socorro no Mar Vitimas Assistidas Socorro na Terra Vitimas Assistidas Página 9 de 62

11 PATRIMÓNIO E ACTIVO Esta Direcção continua a ter um especial cuidado em manter actualizado o inventário do património. Como é natural o valor do activo imobilizado continua a crescer devido às obras que foram concluídas em Os activos mais relevantes que contribuiriam para aumento do mesmo foram, obras da piscina. Neste momento o valor cifra-se ,80. O valor de 2007 era de ,99, verificase um aumento de 25,72% ou seja ,81. No decorrer de 2008 foi alienada a viatura Ford Transit RN, pelo valor total de ,00 à Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Pampilhosa. RENTABILIZAÇÃO DO PATRIMÓNIO PARA OBTENÇÃO DE MAIORES RECEITAS A Direcção e Comando continuam com uma política de rentabilização dos activos e na prestação de serviços. A grua continua a revelar-se um excelente investimento tendo facturado ,19 no decorrer do ano de Isto significa um aumento das receitas de 14,44% relativamente a FOGOS FLORESTAIS 2008 No ano de 2008 tivemos 53 incêndios florestais, com uma grande incidência dos mesmos fora da nossa área de intervenção. Felizmente foi o ano com menor número de fogos florestais dos últimos 10 anos. De uma forma geral estas ocorrências tiveram origem em concelhos vizinhos o que obrigou a uma mobilização muito forte dos meios humanos e materiais. Esta época florestal caracterizou-se a exemplo do país como a de menor número de hectares ardidos na nossa área de intervenção. O modelo de organização ao combate aos fogos florestais em 2008, baseou-se na formação de equipas de intervenção rápida e que estiveram localizadas em ponto específicos do território nacional, os Bombeiros de Esmoriz participaram neste esquema organizativo contribuindo com 10 homens, duas viaturas e mais 5 elementos de reserva. A Direcção agradece o empenho de todos os bombeiros que sempre estiveram disponíveis, sacrificando em muitos casos o seu período de férias, o seu trabalho e por muitas noites passadas no teatro de operações, às vezes em condições de risco para a sua vida. Uma vez mais uma palavra especial ao nosso Comandante pela forma como organizou os piquetes e mobilizou pessoal para acudir a fogos que se registaram pelo País fora. Página 10 de 62

12 FANFARRA Este grupo tem desenvolvido uma actividade muito meritória e que muito tem prestigiado a Associação. As verbas arrecadadas pela fanfarra em 2008 totalizaram 5.650,00. O valor foi mais baixo do que no ano anterior em 32,74 %. Esperamos que a actividade para 2009 seja mais dinâmica e mais proveitosa. COMEMORAÇÃO DOS 77 ANOS Como é tradição comemoramos os 77 anos de vida da nossa Associação. NOTA DE AGRADECIMENTO Em meu nome pessoal quero agradecer aos meus colegas de Direcção pelo trabalho e empenho demonstrado no decorrer do ano de Ao Comando e Corpo Activo um especial agradecimento pelo extraordinário trabalho realizado no decorrer do ano de 2008, ao pessoal de saúde, aos funcionários da Associação, aos Sócios, ás Empresas e ás Entidades Públicas. O Presidente, Carlos Pereira Página 11 de 62

13 MAPA ANUAL DE ALERTAS / GRUPO DE SERVIÇO Ano Grupo Serviço Nº Nº Nº Total Duração Nº Doent. Serv. Bomb. Viat. Kms Total (H) Transp : Incêndios :23: Acidente c/ Transporte :34: Infra-Estr. Vias Comum :30: Pré-Hospitalar :50: Conflitos Legais :54: Tecnológicos e Industriais : Serviços : Actividades : Códigos Internos :23 45 Ano Grupo Serviço Nº Nº Nº Total Duração Nº Doent. Serv. Bomb. Viat. Kms Total (H) Transp : Incêndios :38: Acidente c/ Transporte :35: Infra-Estr. Vias Comum :29: Pré-Hospitalar :09: Conflitos Legais :32: Tecnológicos e Industriais : Serviços : Actividades :09: Códigos Internos : Ano Grupo Serviço Nº Nº Nº Total Duração Nº Doent. Serv. Bomb. Viat. Kms Total (H) Transp : Incêndios : Acidente c/ Transporte :05: Infra-Estr. Vias Comum :20: Pré-Hospitalar : Conflitos Legais :21: Tecnológicos e Industriais : Serviços : Actividades :50: Códigos Internos : Página 12 de 62

14 Ano Grupo Serviço Nº Nº Nº Total Duração Nº Doent. Serv. Bomb. Viat. Kms Total (H) Transp : Incêndios :15: Acidente c/ Transporte :51: Infra-Estr. Vias Comum :20: Pré-Hospitalar : Conflitos Legais :38: Tecnológicos e Industriais : Serviços : Actividades :07: Códigos Internos : Ano Grupo Serviço Nº Nº Nº Total Duração Nº Doent. Serv. Bomb. Viat. Kms Total (H) Transp : Incêndios :03: Acidente c/ Transporte :37: Infra-Estr. Vias Comum :20: Pré-Hospitalar : Conflitos Legais :06: Tecnológicos e Industriais : Serviços : Actividades : Códigos Internos :55:00 8 Ano Grupo Serviço Nº Nº Nº Total Duração Nº Doent. Serv. Bomb. Viat. Kms Total (H) Transp : Incêndios : Acidente c/ Transporte : Infra-Estr. Vias Comum : Pré-Hospitalar : Conflitos Legais : Tecnológicos e Industriais : Serviços : Actividades : Códigos Internos :55 0 Página 13 de 62

15 RESUMO GERAL ESTATÍSTICO DE ACTIVIDADE Actividade Incêndios Acidente c/ Transporte Infra-Estr. Vias Comum Pré-Hospitalar Conflitos Legais Tecnológicos e Industriais Serviços Actividades Códigos Internos Total Global Página 14 de 62

16 Página 15 de 62

17 COMPARATIVO DO CONSUMO DE COMBUSTÍVEIS COM RESTANTES ANOS Litros GASÓLEO GASOLINA Página 16 de 62

18 Página 17 de 62

19 Capítulo II ELEMENTOS CONTABILÍSTICOS ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras foram preparadas em todos os aspectos materiais de acordo com os princípios contabilísticos fundamentais da prudência, substância sobre a forma, materialidade e especialização do exercício consignados no POC. Não sendo esta Instituição uma Empresa a leitura dos mapas de demonstração de resultados e balanço não deve ser vista numa perspectiva empresarial. Obedecendo ao princípio da especialização do exercício e face aos protocolos e outros assinados com a Câmara Municipal de Ovar, Junta de Freguesia de Esmoriz, e Serviço Nacional de Bombeiros os proveitos evidenciados na classe 7 nomeadamente subsídios estão em grande parte por receber que destacamos: Por Receber 2007/2008 Acordado P/ 2007 /2008 Junta de Freguesia de Esmoriz , ,00 Facto que origina no ano de 2008 um resultado líquido de ,59 As amortizações foram calculadas pelo método das quotas constantes. O imobilizado ascende nesta data a ,80 Página 18 de 62

20 BALANÇO SINTÉTICO Página 19 de 62

21 DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS Página 20 de 62

22 FLUXOS DE CAIXA Página 21 de 62

23 COMPARAÇÃO DE VENDAS E FORNECIMENTOS Página 22 de 62

24 BALANÇO ANALÍTICO Página 23 de 62

25 Página 24 de 62

26 Página 25 de 62

27 Página 26 de 62

28 BALANÇO SINTÉTICO (POR CLASSES) Página 27 de 62

29 BALANCETE DO RAZÃO CONTABILIDADE GERAL MÊS DE DEZEMBRO Página 28 de 62

30 BALANCETE DO RAZÃO CONTABILIDADE GERAL MÊS 14º Página 29 de 62

31 CLIENTES CONTA CORRENTE - SALDO CONTA DESIGNAÇÃO SALDO Particulares - Cobradores , A. H. Bombeiros V. Pampilhosa 7.000, Asiquim - Asistencia Servicos 3.771, Luso Scut-Auto Est.C.Prata,SA , Transportes abilio borges U. L 981, Hospital Geral Santo António 782, Camara M. S. Joao Madeira 748, Gopaca-Fábrica Papel Cartão,SA 741, Transportadora canas de s.ta m 680, SOMA Soc. Montagem Automoveis 600, Brispargo, Lda 550, TDN - Transportes David Neto 523, Escola Secundária Esmoriz 504, Painel Pinho-Ind.Mad.Lam.,SA. 495, Irmaos Reis Lda 484, Vidro ao cubo-transf.com.vidro 440, Flex , Companhia Seguros Tranquilidad 344, BTL-Industrias Metalurgicas,SA 327, Alcobre-Cond.Electricos,SA. 327, GODISERV - Tratamento Resíduos 308, Fraternidad - Muprespa 308, Salvador Caetano 272, Administraçao Reg. Saude Centr 265, Oliveira Carv. & Pertiga, Lda. 236, AFPA As. Frat. Prev. Ajuda 223, Antonio Marques lda 220, Jessilar Importação Com. Art. 218, Now ever design e publicdade l 212, Construcoes ventura & martins 174, Sociedade Portuguesa Cavan 163, Exporplás, SA. 154, Quadratica - Vidros Serviços 150, Companhia de papel aradense 132, Junta de Freg. de Cortegaça 130, PLACOFEIRA - Tectos Falsos 127, Centro Social de Maceda 120, Agrup.Escolas Florbela Espanca 120, Agrupamento de Escolas Maceda 100, Fidelidade Mundial, SA 92, DCB-Componentes Calçado, Lda. 88, Ana Maria T. R. Melo Lda 88, Safina-Soc.Industria Alcatifas 87, Mapfre - seguros gerais S A 65, Viver Brancura 60, Lusotufo-Ind.Texteis Rolas,SA. 59, Hospital D. Pedro 56, Lusitanea Companhia Seguros 56, Jose Paulo Ferreira Oliveira 42,00 Página 30 de 62

32 Sicor 25, Centro hospitalar de V.N Gaia 24, Cordex-Comp.Indust.Textil, SA. 12, Centro Social Cortegacense 12, Escola Profissional Cortegaça 12, Costa & Neto, Lda. 12, Vitoria Seguros 12, Liberty Seguros, SA 12, Centro Dia Esmoriz 9,90 TOTAL GERAL : ,98 FORNECEDORES CONTA CORRENTE - SALDO CONTA DESIGNAÇÃO SALDO Manuel Fernandes Pinho, Lda , Manuel Alves Dias, Lda , Lusitaniagás 7.072, edp 5.468, Manuel Marques, Lda 3.957, Valter Ferreira Arcanjo, Lda 3.280, EGAC - Construcao e Eng.Civil 2.092, Oliveira Sá, S.A , Nelson Gomes 1.824, GlobalDesign 1.776, Smas-Serv.Munic.Água San.Ovar 1.536, SoPneus, Lda 1.484, Ecocompositos, Lda 1.251, Futurvida 1.200, OLMAR - FERNANDO G O & CA, LDA 1.027, O Forninho de Esmoriz 1.000, Irmaos Pereira, Lda 960, Tipografia Ideal Ovarense, Lda 876, Dinatec, Lda 624, Sociedade Agric. Vinh. Messias 540, PT Comunicações, SA. 519, Lusoestore, Lda 513, Manuel Rodrigues Silva 437, Marijol 412, Pronado 378, VIDRO AO CUBO 345, Prisma-Comb.Lubrificantes, SA. 316, EXTINCENDIOS 297, Gole-Auto-António H.Santos,Lda 270, Acail-Ind.Com.Ferro Aços, Lda. 229, IDIT - Instituto Desenv. Inov. 212, EGI 189, ANTONIO FERNANDO P. VIEIRA 119, Aranda 96, Gopaca-Fábrica Papel Cartão,SA 89, Malaquias Dist.Alimentar, Lda. 86, Caixa Geral Depositos 51,24 Página 31 de 62

33 Albertino Joaquim O. Caleiro 43, José Manuel Carvalho da Silva 27, Joaquim Alves da Silva 11, Augusto Alves Monteiro 3,99 FORNECEDORES IMOBILIZADO SALDO EM CONTA DESIGNAÇÃO SALDO Vianas - Maquinas, F. Mat. Inc 2.819, Patricios S.A ,47 TOTAL GERAL : ,54 COBRADORES - QUOTIZAÇÕES A RECEBER EM CONTA DESIGNAÇÃO SALDO Quotizações a Receber ,00 TOTAL GERAL : 80,00 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Página 32 de 62

34 AMORTIZAÇÕES DO EXERCÍCIO DE 2008 CONTA DESIGNAÇÃO SALDO Amort.Edif.e Out.Construções , Amort.Equipamento Básico 485, Amort.Equipamento Transporte , Amort.Ferramentas e Utensílios 6.219, Amort.Equip.Administrativo 2.542, Amort.Outras Imob.Corpóreas ,90 SUBTOTAL - ACTIVIDADE BOMBEIROS , Amort.Edif.e Out.Construções , Amort.Equipamento Básico 541, Amort.Ferramentas e Utensílios 2.073, Amort.Equip.Administrativo 6.387,53 SUBTOTAL - ACTIVIDADE PISCINA ,48 TOTAL GERAL : ,38 AS AMORTIZAÇÕES SÃO CALCULADAS PELO MÉTODO DAS QUOTAS CONSTANTES Página 33 de 62

35 IMOBILIZAÇÕES CORPÓREAS EM COMPARAÇÃO CONTA DESIGNAÇÃO SALDO 2007 SALDO Terrenos e Recursos Naturais , , Edíficios e Outras Construções , , Equipamento Básico/Instalações 2.399, , Equipamento de Transporte , , Ferramentas e Utensílios , , Equipamentos Administrativos , , Outras Imobilizações Corpóreas , ,56 SUBTOTAL - ACTIVIDADE ,07 BOMBEIROS , PISCINA - Edíficios e Outras Construções 0, , PISCINA - Equipamento 0,00 Básico/Instalações 3.811, PISCINA - Ferramentas e Utensílios 0, , PISCINA - Equipamentos Administrativos 0, ,20 SUBTOTAL - ACTIVIDADE PISCINA 0, ,06 TOTAL GERAL : , ,80 IMOBILIZAÇÕES EM CURSO EM CONTA DESIGNAÇÃO SALDO Reservatório PD 5000 Litros 1.900,00 TOTAL GERAL : 1.900,00 AMORTIZAÇÕES ACUMULADAS EM CONTA DESIGNAÇÃO SALDO Amort.Edíficios Out.Construç , Amort.Equipamento Básico 940, Amort.Equipamento Transporte , Amort.Ferramentas e Utensílios , Amort.Equip.Administrativo , Amort.Out.Imobil.Corpóreas ,02 SUBTOTAL - ACTIVIDADE BOMBEIROS , PISCINA - Amort.Edíficios Out.Construç , PISCINA - Amort.Equipamento Básico 541, PISCINA - Amort.Ferramentas e Utensílios 2.073, PISCINA - Amort.Equip.Administrativo 6.387,53 SUBTOTAL - ACTIVIDADE PISCINA ,48 TOTAL GERAL : ,98 Página 34 de 62

36 CLIENTES DE COBRANÇA DUVIDOSA EM CONTA DESIGNAÇÃO SALDO Enveredar-Com.Rev.Pavim., Lda. 412, AquaPura-Trat.Controlo Águas 675, Joaquim Henriques Oliveira,Lda 112, Samuel Rocha 200, PARTICULARES ATÉ , PARTIC.01/04/2004 A 31/12/ , PARTIC.01/01/2005 A 31/12/ ,20 TOTAL GERAL : ,40 PROVISÕES DO EXERCÍCIO EM 2008 Estão a ser tomadas iniciativas no sentido de se proceder à cobrança de valores que pensamos ainda poder ser recebidos durante A informatização de todo o processo de contabilização de facturação, permitirá ao responsável pelas cobranças, estar mais atento aos débitos de clientes. Terá de ser considerado outro procedimento contabilístico caso não tenha sucesso a boa cobrança. PROVISÕES FORNECIMENTOS SERVIÇOS EXTERNOS ANO 2008 VALORES / COMPARAÇÕES CONTA DESIGNAÇÃO SALDO % SALDO 2008 s/total 2007 VARIAÇÃO Electricidade 8.809,58 4,92% 6.499,87 35,53% Gasolina 935,31 0,52% 888,77 5,24% Gasóleo ,43 26,56% ,62 12,41% Gás 2.045,56 1,14% 1.655,38 23,57% Água 1.690,04 0,94% 1.447,82 16,73% Viaturas 640,64 0,36% 119,11 437,86% Instalações 1.836,46 1,03% 1.892,24-2,95% Diversos 1.612,82 0,90% 386,36 317,44% Livros 0,00 0,00% ,51-100,00% Material de Escritório 5.700,88 3,19% 4.790,76 19,00% Artigos para oferta 0,00 0,00% 400,00-100,00% Serv.Expl.Postal 2.663,30 1,49% 2.708,62-1,67% Telefones 7.166,10 4,01% 5.950,05 20,44% Viat.Inc./Ambulâ Ap ,09 2,53% 5.667,42-20,16% Maquina Casco Ap ,15 0,86% 1.562,29-1,93% Automóvel Ap ,65 0,15% 272,56-1,80% Moto Aq.13465PT Ap.70/ ,37 0,04% 70,71-6,14% Moto Aq.D13669PT Ap.70/ ,08 0,04% 70,71 6,18% Página 35 de 62

37 Quartel-Av.29 de Março A ,07 0,11% 214,88-9,68% Quartel-Av.Correios A ,12 0,43% 825,02-7,62% Seguro-Rsp.Civil Geral A ,25 0,26% 469,25 0,00% Outras Desp.Transp.Pessoal 0,00 0,00% 800,00-100,00% Despesas de Alimentação 225,00 0,13% 371,10-39,37% Portagens e Parqueamento 29,75 0,02% 2, ,00% Percentagens Cobradores 4.292,08 2,40% 3.740,74 14,74% Honorários de Outros 1.815,00 1,01% 0,00 100,00% Contencioso e Notariado 370,02 0,21% 619,75-40,30% Cons.Rep.Grua 3.617,49 2,02% 1.955,76 84,97% Cons.Rep.Ambulâncias ,48 8,60% ,94 17,87% Cons.Rep.Viaturas de Incêndio 8.548,26 4,78% ,43-24,21% Cons.Rep.Veiculos Aquaticos 4.060,95 2,27% 1.798,64 125,78% Cons.Rep.Diversos 4.621,52 2,58% 522,68 784,20% Conserv.Rep.Equip.Bas.Instal ,84 5,19% 498, ,22% Cons.Rep.Terrenos e Edifícios 737,81 0,41% 0,00 100,00% Cons.Rep.Equip.Administrativo 524,12 0,29% 982,78-46,67% Ferramentas e Utensilios 209,35 0,12% 4, ,85% Conserv.Reparação Outros 636,87 0,36% 1.111,13-42,68% Publicidade 2.065,64 1,15% 145, ,28% Viaturas 388,82 0,22% 65,61 492,62% Instalações 1.396,32 0,78% 1.133,45 23,19% Fardamento 67,10 0,04% 98,08-31,59% Oxig.Med.B 20 Carga 703,35 0,39% 428,10 64,30% Oxig.Med.B 3 Carga 882,02 0,49% 340,25 159,23% Oxig.Med.B 10 Carga 33,21 0,02% 57,89-42,63% Oxig. Prova Hidraulica 87,83 0,05% 801,66-89,04% Mascaras e Outros 5.076,52 2,84% 2.251,56 125,47% Instalações 194,37 0,11% 514,25-62,20% Natal do Bombeiro 8.605,43 4,81% 8.557,97 0,55% Festa de Aniversário 8.970,32 5,01% 2.397,34 274,18% Eventos Culturais e Desportivo 115,97 0,06% 4.281,67-97,29% Produtos Alimentares 50,90 0,03% 311,40-83,65% Outros Fornecimentos 7.397,08 4,13% 3.168,84 133,43% SUBTOTAL - FSE - ACTIVIDADE ,32 100,00% ,37 BOMBEIROS PISCINA - Electricidade ,55 28,81% 0, PISCINA - Gas ,18 18,59% 0, PISCINA - Agua 6.209,12 10,65% 0, PISCINA - Ferramentas Ut. Desg. Rapido 6.993,53 12,00% 0, PISCINA - Material de Escritorio 1.860,44 3,19% 0, PISCINA - Comunicações 800,03 1,37% 0, Seg.PISCINA RCivil Ap.94429/93 125,27 0,21% 0, Seg.PISCINA Edifio Ap.91529/94 324,95 0,56% 0, PISCINA - Conservação e Reparação 1.824,72 3,13% 0, PISCINA - Limpeza, Higiene e Conforto ,50 17,42% 0, PISCINA - Trabalhos Especializados 2.364,00 4,06% 0,00 SUBTOTAL - FSE - ACTIVIDADE PISCINA ,29 100,00% 0,00 TOTAL GERAL : , ,37 Página 36 de 62

38 CUSTOS COM O PESSOAL ANO 2008 VALORES / COMPARAÇÕES CONTA DESIGNAÇÃO SALDO 2008 SALDO 2007 Variação Var % Ordenados Escritório 6.600, ,00 308,00 4,90% Subsídio de Férias Escritório 615,00 572,00 43,00 7,52% Subsídio de Natal Escritório 600,00 572,00 28,00 4,90% Prémio Assiduidade Escritório 999,00 780,00 219,00 28,08% Subsídio Alimentação Escritóri 1.082, ,00 26,40 2,50% Férias Escritório 615,00 572,00 43,00 7,52% Ordenados Telefonistas , , ,91 11,24% Subsídio de Férias Telefonista 1.100, ,00-520,00-32,10% Subsídio de Natal Telefonistas 1.627, ,83 236,27 16,99% Prémio Desempenho Telefonista 3.724,25 0, ,25 100,00% Subsídio Alimentação Telefonis 2.681, ,00 185,40 7,43% Férias Telefonistas 1.100, ,00-520,00-32,10% Ordenados Motoristas , , ,86-5,87% Subsídio de Férias Motoristas 3.052, ,00-248,00-7,52% Subsídio de Natal Motoristas 2.870, ,00-154,15-5,10% Prémio Desempenho Motoristas 8.016,22 0, ,22 100,00% Subsídio Alimentação Motorista 5.870, ,00 494,10 9,19% Férias Motoristas 3.052, ,00-248,00-7,52% Ordenados Pess.Gab.Prot.Civil , , ,59 9,69% Subsídio Férias P.Gab.Prot.Civ 1.542, ,00 80,00 5,47% Subsídio Natal P.Gab.Prot.Civ 1.505, ,00 43,00 2,94% Prémio Desempenho P.G.Prt.Civ 4.913,52 0, ,52 100,00% Subsídio Alimentação P.G.P.Civ 1.959, ,00 171,80 9,61% Férias P.G.P.Civ 1.542, ,00 80,00 5,47% Ordenados Serv.Manutenção , , ,40 96,77% Subsidio ferias serv. manutenç 1.946,00 0, ,00 100,00% Subsidio de natal manutençao 1.890, ,00 881,00 87,31% Prémio Desempenho Serv.Manut , , ,08 609,42% Subsídio Alimentação Serv.Manu 3.021, , ,70 61,76% Férias Serv.Manutenção 1.946, ,00 937,00 92,86% Serviço Piquete Tempo Perdido 8.398, , ,10-66,40% Serviço Piquete Alimentação , , ,74 82,17% Serviço Piquete em G.P.I S , , ,00-22,38% Gratificação Instrutor Fanfarr 350,00 350,00 0,00 0,00% Apoio Vigilância Praias 4.807, , ,00-62,87% Encargos Administrativos ,42 0, ,42 100,00% Seg.A.Trab.Apólice / , , ,42-58,45% Bombeiros 7.151, , ,97 101,49% Fanfarristas 2.467,85 432, ,95 470,07% Curso Escola Nac.Bombeiros 134,10 0,00 134,10 100,00% Curso Cegalia Mandford 0, , ,00 100,00% Out.Cust.Pess.Isentos 240,00 0,00 240,00 100,00% SUBTOTAL - ACTIVIDADE BOMBEIROS , , ,29 PISCINA: Ordenados TPDesporto 6.720, Subsídio de Férias TPDesporto 1.148, Subs.Natal TPDesporto 560,00 Página 37 de 62

39 Isenção Horário TPDesporto 1.680, Subsídio AlimentaçãoTPDesporto 600, Férias TPDesporto 1.148, Ordenados Escritório 4.120, Subsídios de Férias Escritório 1.065, Subs.Natal Escritório 343, Subsídio AlimentaçãoEscritório 721, Férias Escritório 1.065, Ordenados Nad.Salvadores 6.900, Subsídio Férias Nad.Salvadores 1.770, Subs.Natal Nad.Salvadores 575, Subs.AlimentaçãoNad.Salvadores 1.082, Férias Nad.Salvadores 1.770, Ordenados Serv.Limpeza 3.440, Subsídios Férias Serv.Limpeza 900, Subs.Natal Serv.Limpeza 286, Subs.Alimentação Serv.Limpeza 721, Férias Serv.Limpeza 900, Custos PROFESSORES , Encargos PISCINA 7.377,53 SUBTOTAL - ACTIVIDADE PISCINA ,23 0,00 0,00 TOTAL GERAL : , , ,29 RESUMO PERCENTUAL DE 2007 E 2008 SEM PISCINA RUBRICA DIFERENÇA VARIAÇÃO Electricidade 6.499, , ,71 35,53% Combustiveis , , ,53 12,68% Reparação Viaturas , , ,25 26,65% Comunicações 8.658, , ,73 13,52% Água 1.447, ,04 242,22 16,73% Custo com Pessoal , , ,52 30,85% Página 38 de 62

40 COMPARAÇÃO COM OUTROS ANOS VALORES RUBRICA Electricidade 7.416, , ,58 Combustiveis , , ,30 Reparação Viaturas , , ,70 Comunicações 6.553, , ,40 Água 2.345, , ,04 VARIAÇÃO PERCENTUAL RUBRICA 2006/ /2008 Electricidade -12,36% 35,53% Combustiveis -4,61% 12,68% Reparação Viaturas -41,93% 26,65% Comunicações 32,13% 13,52% Água -38,28% 16,73% Página 39 de 62

41 CUSTOS COM PESSOAL - SEM PISCINA RUBRICA Custo com Pessoal , , ,72 Evolução Percentual 31,11% 10,83% O custo com Pessoal da Piscina em 2008 foi de ,70. O custo total geral com Pessoal foi de ,42 Página 40 de 62

42 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM 2008 SEM PISCINA RUBRICA variação % variação Serviços de Saúde , ,57-15,45% ,06 Serviços de Grua , ,19 14,44% 7.464,89 Outros Serv.Viatura Inc.Socorro 6.452, ,99-34,89% ,21 Fanfarra 8.400, ,00-32,74% ,00 Inem , ,00 72,94% ,60 Outros , ,92-45,32% ,66 TOTAL , ,67-0,29% -405,44 Prestação de Serviços da Piscina ,92 O Total Geral Prestação de Serviços foi de ,59 CONTA DESIGNAÇÃO SALDO Hospitais 3.410, Escolas 4.102, Companhias de Seguro 3.700, Particulares , O. Entidades 5.306, INEM , Serviços de Grua Isentos 686, Serviços de Grua (Tx.Normal) , Fanfarra 5.650, Medalhas, Emblemas Galhardetes 1.455, Cursos de formaçao-(tx Normal) 3.500, Vistorias 683, Matrecos 227, Aluguer de Gerador (TX Normal) 620, Transporte de Agua - Isento 1.270, Transporte de Agua-TX Normal 2.310, Serviços Diversos - Isentos 2.235, Serviços Diversos-(TX Normal) 128,60 SUBTOTAL - ACTIVIDADE ,67 Página 41 de 62

43 BOMBEIROS Piscina B.V.E ,92 SUBTOTAL - ACTIVIDADE PISCINA ,92 TOTAL GERAL : ,59 PROVEITOS SUPLEMENTARES EM 2008 CONTA DESIGNAÇÃO SALDO Renda de Edificios , Bar do Bombeiro 5.387, Renda Ginásio/Salão de Festas 80,00 SUBTOTAL - ACTIVIDADE BOMBEIROS , Bar Piscina 4.000,00 SUBTOTAL - ACTIVIDADE PISCINA 4.000,00 TOTAL GERAL : ,36 SUBSÍDIOS EM 2008 SUBSÍDIOS ATRIBUÍDOS EM 2008 NÃO OBRIGATORIAMENTE RECEBIDOS NO RESUMO ABAIXO ESTÁ EVIDENCIADO AS VERBAS QUE FALTAM RECEBER ( EM ATRASO) CONTA DESIGNAÇÃO SUB-TOTAL TOTAL Câmara Municipal de Ovar , Apoio Gabinete Protecção Civil , Subsidio p/equipamentos , Subsidio p/equipamentos , Subsidio p/equipamentos , CMOvar-Ap.Comp.Obras Piscina , Governo Civil 2.750, Equipamentos-Radios e EPI 2.750, Junta Freguesia de Esmoriz , JFEsmori-Ap.Comp.Obras Piscina , Subs.Auto.Nac.Protecção Civil , Incêndios Florestais 3.937, Combustiveis 6.127, Totoloto e Totobola 734, Piquetes G.P.I S e GAP S , Programa Permanente Cooperacao , Direcção Geral Impostos 1.594, , Beneficio Fiscal IRS 1.594,44 TOTAL GERAL: ,64 Página 42 de 62

44 DEVEDORES A RECEBER SALDO EM CONTA DESIGNAÇÃO SUB-TOTAL TOTAL Câmara Municipal de Ovar 0, CMOvar-Ap.Comp.Obras Piscina CMOvar-Vistorias Junta Freguesia de Esmoriz , JFEsmoriz-Ap.Comp.Ob.Piscina , JFEsmoriz-Renda de Edificio 1.496, ANPC 7.446, ANPC-Restituicao IVA , INEM , Hortêncio Correia dos Santos 1.038, Processo Judicial 1.038, Eichmann & Gomes, Lda , Renda de Edificio 8.210, Alvaro de Sá Alves da Rocha 448, Bar do Bombeiro 448, CGD 4.859, CGD - Imposto Selo 4.859,25 TOTAL GERAL: ,95 NOTA: ( CONTA ) ESTES VALORES ESTÃO CONTABILIZADOS COMO RECEITAS NA CONTA DE PROVEITOS, NO ENTANTO, AINDA NÃO FORAM RECEBIDOS. CORRESPONDEM A VALORES QUE ESTÃO EM ATRASO A RECEBER PELA ASSOCIAÇÃO. OUTROS PROVEITOS OPERACIONAIS EM 2008 CONTA DESIGNAÇÃO SALDO 76.1 Quotizações de Sócios ,00 TOTAL GERAL : ,00 Página 43 de 62

45 EMPRÉSTIMOS OBTIDOS 2008 CONTA DESIGNAÇÃO SALDO Empréstimos Bancários - piscina : Caixa Geral Depositos ,39 TOTAL GERAL : ,39 A Piscina foi financiada pela CGD no valor de ,00 Foi amortizada divida no valor de ,61 durante o ano de CUSTOS FINANCEIROS 2008 CONTA DESIGNAÇÃO SALDO Juros de Acordos 59, Desc.Pto.Pag.Concedidos s/r.i 0, Cust.Serv.Banc.Isentos 527, Cust.Serv.Banc.Isentos PISCINA 535, Out.n/Especif.Outros (Artº 9º) 23,67 SUBTOTAL - ACTIVIDADE BOMBEIROS 1.145, PISCINA Juros - Empréstimos Bancários ,02 SUBTOTAL - ACTIVIDADE PISCINA ,02 TOTAL GERAL : ,77 PROVEITOS E GANHOS FINANCEIROS 2008 CONTA DESIGNAÇÃO SALDO Descontos Obtidos 211,05 TOTAL GERAL : 211,05 PROVEITOS GANHOS EXTRAORDINÁRIOS EM 2008 CONTA DESIGNAÇÃO SALDO Alienação de Ambulância , Correcções Relat.Exer.Anterior 524, Outros não especificados 250, Donativos Empresas , Donativos Particulares ,52 TOTAL GERAL : ,75 Página 44 de 62

46 COMPARAÇÃO DOS DONATIVOS COM ANOS ANTERIORES RUBRICA Donativos Empresas , , ,28 Donativos Particulares , , ,52 ANALISE DA SITUAÇÃO LIQUIDA Activos: Disponibilidades , ,11 Realizavel de Curto Prazo , ,10 Imobilizado , ,82 Total de Activos , ,03 Capital Proprio , ,33 Passivo: Exigivel Curto prazo , ,31 Exigivel a Médio longo Prazo , ,39 Total do Passivo , , , ,03 Página 45 de 62

47 ANALISE COMPARATIVA DE PROVEITOS SEM PISCINA Prestação de Serviços , , Provietos Suplementares , , Subsidios , , Outros Proveitos Operacionais , , Proveitos e Ganhos Finaneiros 454,20 211, Proveitos e Ganhos Extraordinários , ,75 Página 46 de 62

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO Ano de 2012 NOTA DE APRESENTAÇÃO A actual Direcção da Associação terminou o mandato para que foi eleita em 31/12/2010. Após a marcação de vários actos eleitorais para os

Leia mais

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009 Folha de cálculo para Plano de Negócios 7 de Novembro 2009 9 de Novembro de 2009 Modelo 9 de Novembro de 2009 2 Objectivos ferramenta Disponibilizar uma ferramenta que possibilite a um empreendedor efectuar

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS CONTABILIDADE GERAL I III - CADERNO DE EXERCÍCIOS Terceiros e Antecipações Exercício 17 A empresa

Leia mais

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira 18 de Maio de 2011 1 Modelo de análise económico-financeira 2 Modelo de análise económico-financeira

Leia mais

Vida por vida 2014 PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO ANO DE 2014

Vida por vida 2014 PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO ANO DE 2014 Vida por vida PL DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO DE Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Amarante Fundada em 1921 NOTA DE APRESENTAÇÃO Excelentíssimos Senhores Associados, Para cumprimento do

Leia mais

Programa de Ação e Orçamento

Programa de Ação e Orçamento 1 ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE VAGOS Programa de Ação e Orçamento 2014 2 PROGRAMA DE AÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2014 Esta apresentação do programa de ação e orçamento para o ano de 2014

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO ANO 2013

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO ANO 2013 PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO ANO 2013 05-04-2013 ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DE BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE PAÇO DE ARCOS Documento aprovado por maioria em Assembleia-Geral Ordinária no dia 5 de Abril de 2013.

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Código das contas POCMS Imobilizado ACTIVO Exercícios AB AP AL AL Bens de domínio público: 451 Terrenos e Recursos naturais 452 Edifícios 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Batalha Relatório e Contas 2013 ANEXO

Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Batalha Relatório e Contas 2013 ANEXO ANEXO 13 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários do Concelho da Batalha, PCUP 1.2 Sede: Batalha 2440-117 Batalha 1.3 - Natureza da actividade:

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Designação da Entidade: CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2006 8.2.1 Não se aplica. 8.2.2 Os conteúdos das contas

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS relativo às contas individuais do exercício de dois mil e quatro, do Conselho Geral da Ordem dos Advogados, pessoa colectiva de direito público nº 500 965

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

Balancete Geral (Acumulado até Regularizações) - 2012

Balancete Geral (Acumulado até Regularizações) - 2012 Pág. 1/5 Data b.: 31-13-2012 11 Caixa 2.628,04 2.297,40 330,64 0,00 111 Caixa 2.628,04 2.297,40 330,64 0,00 Soma Líquida 2.628,04 2.297,40 330,64 0,00 Soma Saldos 330,64 0,00 12 Depósitos à ordem 152.341,84

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais

Relatório de Gestão. Exercício de 2014 INSTITUTO CARDIOLOGIA PREVENTIVA DE ALMADA. Audite Gestão Financeira

Relatório de Gestão. Exercício de 2014 INSTITUTO CARDIOLOGIA PREVENTIVA DE ALMADA. Audite Gestão Financeira Relatório de Gestão INSTITUTO CARDIOLOGIA PREVENTIVA DE ALMADA Audite Exercício de 2014 11-03-2015 Linda-a Velha, 11 de Março de 2015 Estimado cliente, O presente relatório pretende dar-lhe um flash da

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

IV.2 - LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os custos correntes do exercício

IV.2 - LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os custos correntes do exercício Anexo à Instrução nº 5/96 IV.2 - LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA As contas desta classe registam os custos correntes do exercício 70 - JUROS E CUSTOS EQUIPARADOS 703 - Juros de recursos

Leia mais

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CONTAS ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PARAQUEDISMO RUA DA UNIDADE, 9 7000-719

Leia mais

Regulamento de Inventário e Cadastro do Património da Junta de Freguesia de Polvoreira CAPITULO I PRINCIPIOS GERAIS. Art.º 1º.

Regulamento de Inventário e Cadastro do Património da Junta de Freguesia de Polvoreira CAPITULO I PRINCIPIOS GERAIS. Art.º 1º. 1 Regulamento de Inventário e Cadastro do Património da Junta de Freguesia de Polvoreira CAPITULO I PRINCIPIOS GERAIS Art.º 1º. Lei habilitante O presente regulamento é elaborado no uso das competências

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. Exercício 2010

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. Exercício 2010 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Exercício 2010 NOTA INTRODUTÓRIA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO é uma instituição de utilidade pública, sem fins lucrativos, com sede em Lisboa na Rua Luís Derouet

Leia mais

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado:

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado: PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 Imobilizado: ACTIVO AB AA AL AL Imobilizações incorpóreas: Despesas de Instalação... 770,64 770,64 Despesas de investigação e de desenvolvimento... Propriedade industrial

Leia mais

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas Nome: Nº do BI/ Passaporte Duração: 2 horas Leia atentamente as questões. Depois, coloque no quadradinho que fica na parte superior direito de cada questão, a alínea correspondente à melhor resposta. Se

Leia mais

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição:

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição: 8.2 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados As demonstrações financeiras relativas ao exercício de 2012, foram preparadas de acordo com os princípios contabilístico fundamentais previstos no POCAL

Leia mais

Instrumentos de Gestão Previsional

Instrumentos de Gestão Previsional Instrumentos de Gestão Previsional Ano 2012 Relatório 1.Introdução Dando cumprimento ao artigo 40º da Lei 53-F/2006 de 29 de Dezembro, a Empresa Municipal, TEGEC Trancoso Eventos, EEM, vem apresentar os

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS E PARECER DO CONSELHO FISCAL

RELATÓRIO E CONTAS E PARECER DO CONSELHO FISCAL ASSOCIAÇÃO DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE MANGUALDE RELATÓRIO E CONTAS E PARECER DO CONSELHO FISCAL 2005 Associação dos Bombeiros Voluntários de Mangualde RELATÓRIO E CONTAS Associação dos Bombeiros Voluntários

Leia mais

DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014

DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014 DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014 VIZELA Câmara Municipal VIZELA INDÍCE MENSAGEM DO PRESIDENTE 1 BALANÇO (PONTO 5 DO POCAL) - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Leia mais

MUNICÍPIO DE MÊDA Plano de Contas Consolidado para o Ano Económico de 2012

MUNICÍPIO DE MÊDA Plano de Contas Consolidado para o Ano Económico de 2012 Plano de s Consolidado para o Ano Económico de 2012 1 Disponibilidades 11 Caixa 111 Caixa Principal 118 Fundo Maneio 119 Transferências de caixa 12 Depósitos em instituições financeiras 1201 Caixa Geral

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

Existências. Provisões para cobrança duvidosa

Existências. Provisões para cobrança duvidosa 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA As demonstrações financeiras anexas foram preparadas com base nos livros e registos contabilísticos da ESHTE mantidos em conformidade com

Leia mais

ANÁLISE DA SITUAÇÃO ECONÓMICA

ANÁLISE DA SITUAÇÃO ECONÓMICA ANÁLISE DA SITUAÇÃO ECONÓMICA 1 - Nota introdutória As contas de 2008 do Conselho Distrital de Faro da Ordem dos Advogados, integram, como habitualmente, o Conselho Distrital de Deontologia e as 9 Delegações

Leia mais

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 ANEXO Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1 - Identificação de entidade: 1.1- Designação da entidade: GATO - Grupo de Ajuda a Toxicodependentes

Leia mais

Fluxos de Caixa Instituto de Higiene e Medicina Tropical - Universidade Nova de Lisboa Gerência de 01-01-2012 a 31-12-2012 Class. Económica Recebimentos Saldo da gerência anterior Execução orçamental -

Leia mais

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ASSOCIAÇÃO POPULAR DE PAÇO DE ARCOS Rua Carlos Bonvalot, Nº 4 Paço de Arcos Contribuinte nº 501 238 840 NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE:

Leia mais

ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS MARCO DE CANAVESES APRESENTAÇÃO DE CONTAS RELATÓRIO DE GESTÃO EXERCÍCIO DE 2013.

ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS MARCO DE CANAVESES APRESENTAÇÃO DE CONTAS RELATÓRIO DE GESTÃO EXERCÍCIO DE 2013. ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE MARCO DE CANAVESES APRESENTAÇÃO DE CONTAS E RELATÓRIO DE GESTÃO EXERCÍCIO DE 2013 Página 1 de 13 Parecer do Conselho Fiscal Introdução O Conselho Fiscal

Leia mais

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19.1. INFORMAÇÕES RELATIVAS ÀS ENTIDADES INCLUÍDAS NA CONSOLIDAÇÃO a) O perímetro de consolidação do Município de Pombal integra as seguintes entidades:

Leia mais

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS A prestação de contas é matéria que deve respeitar o quadro normativo em vigor actualmente (consultar nota final deste manual). No POCAL Simplificado,

Leia mais

RELATÓRIO DA GERÊNCIA DE 01 DE JANEIRO A 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DA GERÊNCIA DE 01 DE JANEIRO A 31 DE DEZEMBRO DE 2008 RELATÓRIO DA GERÊNCIA DE 1 DE JANEIRO A 31 DE DEZEMBRO DE 28 De acordo com o definido no art.º 12º, n.º3 dos Estatutos da Associação, apresenta-se o relatório das actividades mais relevantes desenvolvidas

Leia mais

ASSUNTO: EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DA REGIÃO PARA 2004.

ASSUNTO: EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DA REGIÃO PARA 2004. CIRCULAR N.º 11/ORÇ/2003 (PROVISÓRIA) A todos os serviços da administração pública regional ASSUNTO: EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DA REGIÃO PARA 2004. O Decreto Regulamentar Regional n.º ---/---M, de --de --,

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I)

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) Ano de 2007 CC ÂÂMM AARR AA MM UU NN I IICC IIPP I AALL DD EE GG OONN DD OOMM AARR R EE LL AA TT ÓÓ RR II IOO EE C OO NN TT AA SS / 22

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS Introdução Os Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa são uma associação de direito privado, sem fins lucrativos, constituída por escritura pública

Leia mais

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas 1- INTRODUÇÃO A lei das Finanças Locais (Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiros) veio determinar a obrigatoriedade da consolidação de contas para os Municípios que detenham serviços municipalizados e/ou a totalidade

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

Município de Mesão Frio

Município de Mesão Frio Relatório Anual 2014 Execução do Plano de Saneamento Financeiro (n.º7, do artigo 40.º, da Lei das Finanças Locais) ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO 3 2 EMPRÉSTIMO A MÉDIO E LONGO PRAZO 4 3 ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA

Leia mais

RELATÓRIO INSTRUMENTOS PREVISIONAIS VARZIM

RELATÓRIO INSTRUMENTOS PREVISIONAIS VARZIM 2012 RELATÓRIO INSTRUMENTOS PREVISIONAIS VARZIM LAZEREEM 1 - Introdução 2 - Análise dos Documentos Previsionais 2.1 - Plano Plurianual de Investimentos 2.2 - Orçamento Anual de Exploração 2.3 - Demonstração

Leia mais

Associação de Solidariedade Social de Ferrel ORÇAMENTO 2016

Associação de Solidariedade Social de Ferrel ORÇAMENTO 2016 ORÇAMENTO 2016 ORÇAMENTO 2016 DADOS DO ORÇAMENTO Ano económico: 2016 Versão: Inicial Orgão deliberativo (Assembleia geral) Nome Cargo NIF Vitor Manuel Dias Ramos Presidente 204298652 Manuel Fernando Martins

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

2. Regra geral, o IVA não dedutível deve ser registado na conta 68111 : a) Verdadeira; b) Falsa Justificação:

2. Regra geral, o IVA não dedutível deve ser registado na conta 68111 : a) Verdadeira; b) Falsa Justificação: 1. A aplicação do princípio da prudência está exclusivamente relacionada com o registo de perdas de imparidade em activos e provisões : a) Verdadeira; b) Falsa 2. Regra geral, o IVA não dedutível deve

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8.2 - NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excecionais, devidamente fundamentados e sem

Leia mais

Contabilidade Geral I

Contabilidade Geral I Contabilidade Geral I Licenciatura(s) : GESTÃO; MAEG; FINANÇAS Ano/semestre/regime : 1º ano/2º semestre/tempo integral (Gestão) (recomendado) : 3º ano/1º semestre/tempo integral (MAEG) : 2º ano/1º semestre/tempo

Leia mais

R E L A T Ó R I O E C O N T A D E G E R Ê N C I A 2 0 0 8

R E L A T Ó R I O E C O N T A D E G E R Ê N C I A 2 0 0 8 R E L A T Ó R I O E C O N T A D E G E R Ê N C I A 2 0 0 8 índice Índice (numeração conforme a indicação no POCAL) índice... 2 5 - Balanço... 3 6 Demonstração de Resultados... 9 7 Mapas de Execução Orçamental...

Leia mais

MAPA DE PESSOAL DA JUNTA DE FREGUESIA DE CARNIDE - Ano 2014 Nos termos da Lei n.º 12-A/2008, de 27 de Fevereiro

MAPA DE PESSOAL DA JUNTA DE FREGUESIA DE CARNIDE - Ano 2014 Nos termos da Lei n.º 12-A/2008, de 27 de Fevereiro MAPA DE PESSOAL DA JUNTA DE FREGUESIA DE CARNIDE - Ano 204 Nos termos da Lei n.º 2-A/2008, de 27 de Fevereiro SECÇÃO DE APOIO E DE COORDENAÇÃO GERAL (Capitulo III do Regulamento da Organização dos Serviços)

Leia mais

A prestação de contas de 2011 é elaborada de acordo com o SNC 1, não existiram alterações no capital nem perdas ou ganhos por imparidade.

A prestação de contas de 2011 é elaborada de acordo com o SNC 1, não existiram alterações no capital nem perdas ou ganhos por imparidade. INTERPRETAÇÃO DAS CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2011 Nota Introdutória: A prestação de contas de 2011 é elaborada de acordo com o SNC 1, não existiram alterações no capital nem perdas ou ganhos por imparidade.

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EXERCÍCIO 2014

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EXERCÍCIO 2014 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EXERCÍCIO 2014 AIDGLOBAL- ACÃO E INTEG. PARA O DESENVOLVIMENTO GLOBAL ONG BALANÇOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 (VALORES EXPRESSOS EM EUROS) Notas 2014 2013 Activo Activos

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Polis Litoral Ria Aveiro das ACTIVO BALANÇO ANALÍTICO Dezembro 09 Dezembro 08 ACTIVO BRUTO AMORT. E AJUST. ACTIVO LIQUIDO ACTIVO LIQUIDO IMOBILIZADO Imobilizações Incorpóreas

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2010 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA

RELATÓRIO E CONTAS 2010 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA 1 ANÁLISE DO BALANÇO O Balanço e o Sistema Contabilístico adequam-se ao previsto no Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL), espelhando a situação

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I

REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Objeto e Âmbito de Aplicação 1. O presente regulamento define as normas relativas à obtenção de rendimentos e realização de gastos, as regras

Leia mais

RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL

RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL 2015 RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL EM 1 - Introdução 2 - Análise dos Documentos Previsionais 2.1 - Plano Plurianual de Investimentos 2.2 - Orçamento Anual de Exploração 2.3. Demonstração

Leia mais

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Nota Introdutória A Manuel Rodrigues Gouveia, S.A. ( MRG ou Empresa ) tem sede em Seia, foi constituída em 1977 e tem como actividade principal a Construção Civil

Leia mais

MEMÓRIA JUSTIFICATIVA À CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS E DESINVESTIMENTOS PARA O ANO DE 2014

MEMÓRIA JUSTIFICATIVA À CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS E DESINVESTIMENTOS PARA O ANO DE 2014 CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS E DESINVESTIMENTOS PARA O ANO DE 2014 SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MOGADOURO 28-10-2013 MEMÓRIA JUSTIFICATIVA À CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 30 de Junho de 2005 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31 00 - Introdução a) Objecto social e identificação da Empresa HABECE Cooperativa de Habitação e Construção de Cedofeita, Crl., tem por objecto a construção ou a sua promoção e a aquisição de fogos para

Leia mais

REGULAMENTO Nº 3/2009

REGULAMENTO Nº 3/2009 REGULAMENTO Nº 3/2009 REGULAMENTO DE LIQUIDAÇÃO E COBRANÇA DE RECEITAS MUNICIPAIS Preâmbulo A dispersão geográfica dos serviços da Câmara Municipal torna impraticável a cobrança de todas as receitas na

Leia mais

ANEXO 4 Tabela de Rubricas Orçamentais 1 NATUREZA DA DESPESA SUPORTE DESPESAS CORRENTES

ANEXO 4 Tabela de Rubricas Orçamentais 1 NATUREZA DA DESPESA SUPORTE DESPESAS CORRENTES ANEXO 4 Tabela de Rubricas Orçamentais 1 CODIGO DESPESAS CORRENTES 010101 TITULARES DE ORGÃOS DE SOBERANIA E MEMBROS DE ORGÃOS AUTÁRQUICOS Corrente DL 26/2002 010102 ORGÃOS SOCIAIS Corrente DL 26/2002

Leia mais

ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DO CONCELHO DA BATALHA RELATÓRIO E CONTAS

ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DO CONCELHO DA BATALHA RELATÓRIO E CONTAS ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DO CONCELHO DA BATALHA RELATÓRIO E CONTAS 2014 ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DO CONCELHO DA BATALHA RELATÓRIO DA DIREÇÃO 2014 Aprovada

Leia mais

Documentos de Prestação de Contas

Documentos de Prestação de Contas Documentos de Prestação de Contas E DOCUMENTOS ANEXOS Segundo a Resolução nº04/2001-2ª Secção APROVAÇÃO Câmara Municipal - Reunião de / / Assembleia Municipal - Sessão de / / ACÓRDÃO DO TRIBUNAL DE CONTAS

Leia mais

Noções de Contabilidade

Noções de Contabilidade Noções de Contabilidade 1 1. Noção de Contabilidade A contabilidade é uma técnica utilizada para: registar toda a actividade de uma empresa (anotação sistemática e ordenada da qualidade e quantidade de

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CORAÇÕES COM COROA ESTATUTOS

ASSOCIAÇÃO CORAÇÕES COM COROA ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO CORAÇÕES COM COROA ESTATUTOS Estatutos aprovados em Acta de fundação em 4 de Janeiro de 2012 Alterações estatutárias aprovadas em 28 de Fevereiro de 2012 Publicados e disponíveis no site publicacoes.mj.pt

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2009

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2009 1 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2009 00. Introdução a) A firma Custódio A. Rodrigues, Lda., designada também por CORPOS Corretagem Portuguesa de Seguros, pessoa colectiva

Leia mais

Conta Gerência 2012 Liliana Silva Toc n.º 70105 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS DO EXERCÍCIO 2012

Conta Gerência 2012 Liliana Silva Toc n.º 70105 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS DO EXERCÍCIO 2012 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS DO EXERCÍCIO 2012 1. Identificação da entidade: Designação: Fundação Padre Manuel Pereira Pinho e Irmã- Lar paroquial de Santa Maria Morada: Rua Padre Pinho,

Leia mais

BALANCETE CONTAS PLANO1 (Formato Pré-definido #2)

BALANCETE CONTAS PLANO1 (Formato Pré-definido #2) : (0) / 16 PARÂMETROS: Período Contabilístico Contas Plano1 entre Grau entre Contas Falsas Contas Lançamento (L) Contas c/ Quantidades (Q) Contas c/ Divisas (V) Contas Lancam/ Externo (T) Contas Estatísticas

Leia mais

37.100.500,00 TOTAL DA RECEITA: TOTAL DA DESPESA: 37.100.500,00

37.100.500,00 TOTAL DA RECEITA: TOTAL DA DESPESA: 37.100.500,00 TOTAL DA RECEITA: TOTAL DA DESPESA: 37.100.500,00 37.100.500,00 0 DA CÂMARA MUNICIPAL DE LEIRIA ANO 2013 RECEITAS DESPESAS CORRENTES 23.469.442,00 CORRENTES 23.270.500,00 CAPITAL 13.631.058,00 CAPITAL

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

Orçamento para o ano de 2010 do Conselho de Deontologia do Porto

Orçamento para o ano de 2010 do Conselho de Deontologia do Porto Orçamento para o ano de 2010 do Conselho de Deontologia do Porto 1. Pressupostos relativos às Receitas/Proveitos do Conselho de Deontologia do Porto Receitas Próprias O Conselho de Deontologia não dispõe

Leia mais

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014 PARTE A (13,50v) Realize as partes A e B em folhas de teste separadas devidamente identificadas I A empresa A2, SA dedica-se à compra e venda de mobiliário, adotando o sistema de inventário periódico.

Leia mais

ASSEMBLEIA EXTRAORDINÁRIA 27 DE OUTUBRO DE 2004

ASSEMBLEIA EXTRAORDINÁRIA 27 DE OUTUBRO DE 2004 1 Associação dos Bombeiros Voluntários de Vagos ASSEMBLEIA EXTRAORDINÁRIA DE 27 DE OUTUBRO DE 2004 2 ASSOCIAÇÃO DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE VAGOS ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA Primeira Convocatória

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31-12-2011

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31-12-2011 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 00 - Introdução a) Objecto social e identificação da entidade A (FPPM), fundada em 19 de Dezembro de 1949, é uma pessoa colectiva de direito privado,

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS EXERCÍCIO 2012

RELATÓRIO E CONTAS EXERCÍCIO 2012 RELATÓRIO E CONTAS EXERCÍCIO 2012 1 ÍNDICE 1. MENSAGEM DO PRESIDENTE DA DIRECÇÃO... 3 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS... 4 2.1. BALANÇO (em 31 Dezembro de 2012)... 4 2.2. BALANCETE de 31 Dezembro de 2012...

Leia mais

AMADORA - MUNICIPIO DA AMADORA MOEDA EUR DATA 2015/04/10 A DEZEMBRO - 2014/12/01 a 2014/12/31 PAG. 1

AMADORA - MUNICIPIO DA AMADORA MOEDA EUR DATA 2015/04/10 A DEZEMBRO - 2014/12/01 a 2014/12/31 PAG. 1 A DEZEMBRO - 2014/12/01 a 2014/12/31 PAG. 1 Imobilizado: Bens de domínio público 451 Terrenos e recursos naturais 1.437.193,54 1.437.193,54 1.424.390,02 452 Edifícios 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

União das Freguesias de Viana do Castelo (Santa Maria Maior e Monserrate) e Meadela

União das Freguesias de Viana do Castelo (Santa Maria Maior e Monserrate) e Meadela Pág. n.º 1 01 ADMINISTRAÇÃO AUTÁRQUICA... 769100,89 01 DESPESAS COM O PESSOAL:... 54506,91 01.01 Remunerações certas e permanentes:... 34358,38 01.01.01 Tit. de órgãos de soberania e m. de órgãos autárquicos

Leia mais

Contabilidade II. I. Demonstração dos resultados. Tipos de demonstrações de resultados

Contabilidade II. I. Demonstração dos resultados. Tipos de demonstrações de resultados Contabilidade II I. Demonstração dos resultados Demonstração dos resultados A demonstração dos resultados tem como objectivo evidenciar os resultados (lucros ou prejuízos) obtidos na actividade desenvolvida

Leia mais

Junta de Freguesia de Alcabideche

Junta de Freguesia de Alcabideche Junta de Freguesia de Alcabideche (Sede da Junta de Freguesia de Alcabideche) Conta de Gerência 2012 Junta de Freguesia de Alcabideche Conta de Gerência 2012 Prestação de Contas Ano de 2012 Prefácio Orçamental

Leia mais

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL... 4 II PLANO DE ATIVIDADES PARA 2016... 6 1. EIXO 1 PROFISSIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS 6

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL... 4 II PLANO DE ATIVIDADES PARA 2016... 6 1. EIXO 1 PROFISSIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS 6 PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO 2016 ÍNDICE ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL... 4 1. Princípios de Ação.4 2. Recursos Organizacionais.4 3. Recursos Humanos 5 4. Recursos Físicos

Leia mais

F L U X O S D E C A I X A ANO 2013 ENTIDADE MVN MUNICIPIO DE VENDAS NOVAS Pág. 1 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO - 2013/12/31 R E C E B I M E N T O S

F L U X O S D E C A I X A ANO 2013 ENTIDADE MVN MUNICIPIO DE VENDAS NOVAS Pág. 1 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO - 2013/12/31 R E C E B I M E N T O S ENTIDADE MVN MUNICIPIO DE VENDAS NOVAS Pág. 1 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO - 2013/12/31 R E C E B I M E N T O S SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR... 213.697,03 EXECUÇÃO ORÇAMENTAL... 67.235,92 OPERAÇÕES DE TESOURARIA...

Leia mais

Notas Explicativas das Demonstrações Financeiras

Notas Explicativas das Demonstrações Financeiras Notas Explicativas das Demonstrações Financeiras No ano de 2012 o Londrina Country Club atualizou o plano de contas de sua demonstração de resultado. O objetivo é atualizar a nomenclatura das contas permitindo

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I Aprova o Código de Contas para Microentidades O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria

Leia mais

MAPAS DE FLUXOS FINANCEIROS

MAPAS DE FLUXOS FINANCEIROS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 2010 MAPAS DE FLUXOS FINANCEIROS Documentos de Prestação de Contas 2010 DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 2010 Fluxos de Caixa Documentos de Prestação de Contas 2010 DOC

Leia mais

1 - Identificação da entidade

1 - Identificação da entidade ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2014 ATAS Apartamentos Turísticos Amorim Santos, Lda 1 - Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade: Apartamentos Turísticos Amorim

Leia mais

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA 31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA A demonstração de fluxos de caixa é um mapa de fluxos que releva a entradas e as saídas de caixa, durante um exercício. A Demonstração de fluxos de caixa é estruturada

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTAL E PATRIMONIAL DO POCAL, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 54-A/99, DE 22 DE FEVEREIRO

CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTAL E PATRIMONIAL DO POCAL, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 54-A/99, DE 22 DE FEVEREIRO Classe 0 Contas do controlo orçamental e de ordem* 01 Orçamento Exercício corrente* 02 Despesas 021 Dotações iniciais* 022 Modificações orçamentais* 0221 Transferências de dotações 02211 Reforços* 02212

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS NOTA INTRODUTÓRIA A Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiro (Lei das Finanças Locais), dispõe no seu Artigo 46.º o seguinte: «1 - Sem prejuízo dos documentos

Leia mais

AB AP AL AL 2013 2013 2013 2012

AB AP AL AL 2013 2013 2013 2012 Balanço - Activo Dados atuais 23.04.2014 13:48:11 Organismo: 1012 ADSE Página: 1 Exercício:2013 Emissão:23.04.2014 13:48:17 Balanço - Activo Activo Imobilizado Bens de domínio público: 451 Terrenos e recursos

Leia mais

Contabilidade Financeira I

Contabilidade Financeira I Contabilidade Financeira I INVESTIMENTOS É constituído pelos recursos que a empresa detém com carácter de continuidade, não se destinando a ser vendidos ou transformados no decorrer das suas actividades

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS A Penafiel Verde, E.M. é uma empresa municipal, com sede em Penafiel, constituída em Maio de 2006 e que tem como actividades principais a gestão e exploração

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.063 NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO

Leia mais