Manual de Contabilidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Contabilidade"

Transcrição

1

2

3 Manual de Contabilidade 2010

4

5 Apresentação O Manual de Contabilidade do Sistema SEBRAE teve início no ano de 1992, no SEBRAE/RJ, em reunião cuja finalidade era apenas melhorar o Plano de Contas ou, mais precisamente, naquela oportunidade, o objetivo era apenas reduzir o seu tamanho. Entretanto, o resultado daquele primeiro trabalho não eliminou todos os problemas detectados na época, concluindo-se pela necessidade da criação de um comitê para dar suporte aos contadores e para realizar o trabalho de manutenção permanente. O conceito de comitê foi ampliado, a partir do ano de 2004, a partir das decisões elaboradas por um grupo de trabalho, submetidas a todos os Contadores do Sistema SEBRAE. O novo procedimento manteve a característica do Manual de Contabilidade do Sistema SEBRAE, um produto do Sistema para o Sistema. 5

6 Composição do Comitê Contábil A partir do exercício de 2004, foi extinto o grupo do Comitê Contábil. As ações inerentes a temas contábeis serão coordenadas pela Unidade de Contabilidade e Orçamento UGOC e os grupos de trabalhos serão constituídos a partir da necessidade de discussão de temas. 6

7 Resumo das Alterações desta versão: 1) Do plano de contas do sistema SEBRAE. a) Criação das contas: CÓDIGO ESTRUTURA NOME REDUZIDO Deprec./Amortz. Benf. Prop. Terceiros Recuperação./Rest. Receitas de Convênios Recuperação./Rest. Receitas de Convênios 2) Alterações dos Procedimentos 3.1, 3.2, e 3.4 Adequação a IN 37/09 e Lei /2007 e Lei /

8 Sumário 1. Introdução Plano de Contas Comentários Elenco de Contas Ativo Passivo Despesas Receitas Função/Funcionamento das Contas do Ativo Função/Funcionamento das Contas do Passivo Descrição das Rubricas de Despesas Descrição das Rubricas de Receitas Procedimentos Contábeis Registro de Receitas e Despesas da Contribuição Social Ordinária e da CSN Registro de receitas e despesas de convênios entre o SEBRAE/NA e os SEBRAE/UF com outras entidades, onde o SEBRAE/NA e os SEBRAE/UF sejam os convenentes Baixa de Bens do Ativo Imobilizado Registro de Despesas com Convênios de Parcerias com Outras Entidades com o SEBRAE/NA e os SEBRAE/UF Registro de Receitas e Despesas de Exercícios Anteriores Registro de Imobilizações por Projeto/Atividade Baixa de Aquisição de Linha Telefônica Registro de Software Adquirido Registro de Contrato de Arrendamento Mercantil Leasing Registro de Aquisição de Livros e Periódicos para o CDI Registro de Valores Pagos a ser Reembolsados pelo SEBRAE/NA Registro de Valores Recebidos em Convênios com Liberação Parcelada Registro de Venda de Manuais no Balcão Sebrae

9 3.14 Excluído Registro de Variações Monetárias e Amortização de Dívidas para com o SEBRAE/NA Decréscimo de Variação Monetária de Adiantamento/Empréstimo Registro de Doações Recebidas Registro de Compra de Estação de Telefonia Registro de Operações com Cartão de Crédito Contas a Pagar Vendas de Ações Inerentes à Participação Societária do Sistema SEBRAE em Outras Empresas Contribuições Incidentes sobre a Remuneração Decorrente de Prestação de Serviços por Empreitada ou Cessão de Mão de Obra Baixa de Valores a Receber sem Garantias e Constituição da Provisão para Devedores Duvidosos Excluído Estorno de Despesas Excluído Recuperação de Custos com Auxílio - Alimentação, Transporte e Assistência Médica Reconhecimento de Ativos Realizáveis e Passivos Exigíveis Plano de Saúde Sistema SEBRAE Procedimento para Contabilização de Provisão de Imposto de Renda em Fundos de Aplicação Financeira Procedimento para Contabilização de Reversão de Saldo de Provisão de Contigências Trabalhistas e Outras Demonstrações Contábeis do Sistema SEBRAE Comentários Modelos das Demonstrações Contábeis Balanço Patrimonial Demonstração do Resultado do Exercício Demonstração das Mutações do Patrimônio Social Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Balanço Patrimonial Comparado Balanço Financeiro

10 4.2.7 Demonstração de Fluxo de Caixa Acumulado Direto Demonstração da Execução Orçamentária Notas Explicativas Análise das Demonstrações Financeiras Comentários Índices Econômicos e Financeiros Índice de Liquidez Geral (ILG) Índice de Liquidez Corrente (ILC) Índice de Liquidez Seca (ILS) Índice de Capital de Terceiros (ICT) Parte Geral Glossário dos Principais Termos Contábeis Utilizados Usos e Costumes do Sistema Sebrae Disposições Transitórias Principais Fontes de Consulta

11 Introdução O Manual de Contabilidade do Sistema SEBRAE é um produto resultante da colaboração dos contadores do Sistema, executado e coordenado pela Unidade de Contabilidade e Orçamento do SEBRAE/NA UGOC. Nesse sentido, durante o processo, interagimos com os profissionais da área contábil com a finalidade de formar um todo. Diante dessas circunstâncias, a UGOC procurou atender às reivindicações quanto a aspirações, características e peculiaridades regionais. No entanto, em nenhum momento deixou-se de analisar e julgar cada situação à luz da técnica e da legislação que norteiam o processo contábil. Com essas considerações, entende a UGOC que, com mais essa ferramenta, os contadores do Sistema terão melhores condições de avaliar diversas situações, decidindo com segurança, objetividade e obtendo resultados com qualidade. Esperamos que, com este trabalho, estejamos contribuindo para a melhoria da qualidade da informação contábil do Sistema SEBRAE, principalmente no tocante aos processos contábil/gerencial/orçamentário. Portanto, nunca é demais lembrar que o sucesso disso está relacionado à sua manutenção permanente, somente possível com a colaboração de todos. PRINCIPAIS OBJETIVOS DA ESTRUTURA DO PLANO DE CONTAS 1. Realçar o estado patrimonial e suas variações de forma a propiciar o conhecimento adequado da situação econômico-financeira da gestão da organização. 2. Possibilitar a extração de relatórios necessários à análise gerencial e contábil, em conformidade com a legislação vigente. 3. Padronizar o nível de informação dos integrantes do Sistema, com a finalidade de controle e acompanhamento, permitindo, por meio de contas e tabelas, a implantação de um sistema integrado de informações. 4. Auxiliar na elaboração e execução orçamentária. 11

12 REGIME CONTÁBIL O regime contábil adotado para o Sistema SEBRAE é o de competência, preceituado no art. 9º da resolução CFC nº 750, de 29 de dezembro de 1993, que dispõe sobre os Princípios Fundamentais de Contabilidade (PFC): Art. 9 o : As receitas e as despesas devem ser incluídas na apuração do resultado do período em que ocorrerem, sempre simultaneamente quando se correlacionarem, independentemente de recebimento ou pagamento. 1 o O Princípio da COMPETÊNCIA determina quando as alterações no ativo ou no passivo resultam no aumento ou diminuição no Patrimônio Líquido, estabelecendo diretrizes para classificação das mutações patrimoniais, resultantes da observância do princípio da OPORTUNIDADE. 2 o O reconhecimento simultâneo das receitas e despesas, quando correlatas, é consequência natural do respeito ao período em que ocorrer sua geração. 3 o As receitas consideram-se realizadas: I. Nas transações com terceiros, quando estes efetuarem o pagamento ou assumirem o compromisso firme de efetivá-lo, quer pela investidura na propriedade de bens anteriormente pertencentes à ENTIDADE, quer pela fruição de serviços, por esta prestados. II. Quando da extinção parcial ou total, de um passivo, qualquer que seja o motivo, sem o desaparecimento concomitante de um ativo de valor igual ou maior. III. Pela geração natural de novos ativos independentemente da intervenção de terceiros. IV. No recebimento efetivo de doações e subvenções. 4 o Consideram-se incorridas as despesas: I. Quando deixar de existir o correspondente valor ativo por transferência de sua propriedade para terceiro. II. Pela diminuição ou extinção do valor econômico de um ativo. III. Pelo surgimento de um passivo sem o correspondente ativo. Esse regime, indicado pelo Conselho Federal de Contabilidade CFC, estabelece que o reconhecimento da receita e despesa está identificado com o período específico e associado ao surgimento de fatos geradores de natureza econômica, legal e institucional, não sendo evento fundamental para tal reconhecimento o desembolso de caixa ou o recebimento de numerários. 12

13 2. PLANO DE CONTAS 2.1 Comentários O Plano de Contas foi reestruturado e uniformizado, a partir de 2005, com os objetivos de melhorar a qualidade das informações geradas pela Contabilidade, facilitar a implantação de um sistema integrado de gestão e a consolidação das Demonstrações Financeiras dos SEBRAE/UF e SEBRAE/NA. Na implantação do Plano de Contas, os agentes deverão observar: 1. O Plano de Contas é uniforme, até o 6º nível, nas contas de Despesas e Receitas. Com relação às contas de Ativo e Passivo, a obrigatoriedade de estrutura é até o 5º nível. As contas de ativo/passivo que registram operações de execução orçamentária, definidas no anexo I da IN 37.8, para os usuários do RM Corpore, devem ser padronizadas para receber informações gerenciais, não podendo ser objeto de alteração, por parte do agente, as informações enviadas pelo SEBRAE/NA, sob pena de ocasionar divergências com relação à importação da execução do orçamento pelo sistema corporativo em vigor. 2. Aquelas que contêm a referência 2 na descrição (ex: FAMPE), são de uso exclusivo do SEBRAE/NA, sendo obrigatória sua inclusão, para guardar uniformidade nos grupos e códigos das contas. 3. A partir de 2005, o sistema RM Corpore contará com o Plano de Contas cadastrado em sua base, com todos os códigos estruturados e reduzidos, tal como informados neste manual. Os usuários dessa ferramenta deverão, apenas, incluir suas contas analíticas específicas. 4. O código reduzido da conta contábil, a partir de 2010, não será mais chave de integração nos sistemas orçamentários em vigor. Sendo assim, o elenco de contas apresentado, com a coluna de código reduzido, é apenas exemplificativo, podendo, cada estado, se achar necessário e conveniente, adequar sua estrutura de código reduzido, devendo manter apenas a estrutura do código contábil de acordo com o elenco de contas apresentado. 13

14 2.2 Elenco de Contas Ativo CÓDIGO CONTA NOMENCLATURA ATIVO ATIVO CIRCULANTE DISPONÍVEL CAIXA CAIXA CAIXA GERAL FUNDO FIXO FUNDO FIXO SEDE FUNDO FIXO ESCRITÓRIO "X" BANCOS CONTA MOVIMENTO BANCO DO BRASIL S/A C/C CAIXA ECONÔMICA FEDERAL C/C OUTROS BANCOS BANCO AGÊNCIA C/C VALORES EM TRÂNSITO NUMERÁRIOS EM TRÂNSITO NUMERÁRIOS EM TRÂNSITO REMESSAS BANCÁRIAS REMESSAS BANCÁRIAS CONTAS A PAGAR (1) REMESSAS BANCÁRIAS CONTAS A RECEBER (1) APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM FUNDOS BANCO DO BRASIL S/A C/C FUNDO "X" (-) Provisão IRRF FUNDOS BB CAIXA ECONOMICA FEDERAL C/C FUNDO X" (-) Provisão IRRF FUNDOS CAIXA 14

15 CÓDIGO CONTA NOMENCLATURA OUTROS BANCOS BANCO AGÊNCIA C/C (-) Provisão IRRF FUNDOS OUTROS BANCOS APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM CDB BANCO DO BRASIL S.A C/C CAIXA ECONÔMICA FEDERAL C/C OUTROS BANCOS BANCO AGÊNCIA C/C APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM POUPANÇA BANCO DO BRASIL S.A C/C CAIXA ECONÔMICA FEDERAL C/C OUTROS BANCOS BANCO AGÊNCIA C/C APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM FUNDING BANCO DO BRASIL S.A C/C CAIXA ECONÔMICA FEDERAL C/C OUTROS BANCOS BANCO AGÊNCIA C/C OUTRAS APLICAÇÕES FINANCEIRAS BANCO DO BRASIL S/A C/C CAIXA ECONÔMICA FEDERAL C/C OUTROS BANCOS BANCO AGÊNCIA C/C 15

16 CÓDIGO CONTA NOMENCLATURA CRÉDITOS A RECEBER CLIENTES DUPLICATAS A RECEBER CLIENTE "X" OU TODOS (-) DUPLICATAS DESCONTADAS ANTECIPADAMENTE (-) PROVISÃO PARA CRÉDITOS DE LIQUIDAÇÃO DUVIDOSA CHEQUES CHEQUES A APRESENTAR CHEQUES PRÉ-DATADOS (-) CHEQUES DESCONTADOS ANTECIPADAMENTE CHEQUES EM COBRANÇA CHEQUES DEVOLVIDOS (-) PROVISÃO PARA PERDAS CARTÕES DE CRÉDITO CARTÕES DE CRÉDITO VISA MASTERCARD AMERICAN EXPRESS (-) CARTÕES DE CRÉDITO ANTECIPADOS OUTROS CRÉDITOS CONVÊNIOS E CONTRATOS A RECEBER CONVÊNIOS A RECEBER DE OUTRAS ENTIDADES CONVÊNIOS A RECEBER DE OUTRAS ENTIDADES ADIANTAMENTOS CONCEDIDOS ADIANTAMENTOS A FUNCIONÁRIOS ADIANTAMENTO 13º SALÁRIO ADIANTAMENTO DE FÉRIAS ADIANTAMENTO DE SALÁRIOS OUTROS ADIANTAMENTOS A FUNCIONÁRIOS ADIANTAMENTOS PARA VIAGENS ADIANTAMENTO PARA VIAGENS ADIANTAMENTOS A TERCEIROS ADIANTAMENTOS POR CONTA DE CONVÊNIOS ADIANTAMENTO A FORNECEDORES OUTROS ADIANTAMENTOS CONCEDIDOS 16

17 CÓDIGO CONTA NOMENCLATURA DEPÓSITOS RESTITUÍVEIS E VALORES VINCULADOS DEPÓSITOS JUDICIAIS DEPÓSITOS JUDICIAIS CAUÇÕES CAUÇÕES CRÉDITOS DIVERSOS IMPOSTOS E CONTRIBUIÇÕES A RECUPERAR TRIBUTOS FEDERAIS SEM SERVIÇOS DE TERCEIROS ISS ICMS PIS COFINS INSS IMPOSTOS FEDERAIS A COMPENSAR DCOMP DIVERSOS RESPONSÁVEIS RESPONSÁVEL "X" (-) PROVISÃO PARA PERDAS VALORES A APROP. BENEFÍCIOS A FUNCIONÁRIOS ASSISTÊNCIA MÉDICA E ODONTOLÓGICA AUXÍLIO-ALIMENTAÇÃO SEGURO DE VIDA EM GRUPO AUXÍLIO-TRANSPORTE PREVIDÊNCIA PRIVADA OUTROS BENEFÍCIOS SOCIAIS PLANO DE SAÚDE SISTEMA SEBRAE (2) ADIANTAMENTOS A FIPECQ(2) DEMITIDOS/APOSENTADOS (2) SINISTRALIDADE A RECUPERAR (2) (-) PROVISÃO PARA PERDAS COM SINISTRALIDADE OUTROS VALORES A RECEBER VALORES DIVERSOS PRESTAÇÕES DE CONTAS DE VIAGEM A RECEBER PESSOAL CEDIDO A OUTRAS INSTITUIÇÕES CONTRIBUIÇÃO SOCIAL A RECEBER DO INSS (2) JUROS DIVIDENDOS BRASILPREV (2) RESTITUIÇÕES DIVERSAS A RECEBER 17

18 CÓDIGO CONTA NOMENCLATURA CONTAS VINCULADAS FAMPE (2) BANCOS CONTA MOVIMENTO (2) BANCO AGÊNCIA C/C APLICAÇÕES FINANCEIRAS (2) BANCO AGÊNCIA C/C (-) PROVISÃO IRRF-FUNDOS FAMPE (2) PROV. CONSTITUÍDA IRRF FUNDOS FAMPE FAMPEX (2) BANCOS CONTA MOVIMENTO (2) BANCO AGÊNCIA C/C APLICAÇÕES FINANCEIRAS (2) BANCO AGÊNCIA C/C FAMPE/ACRE (2) BANCOS CONTA MOVIMENTO (2) APLICAÇÕES FINANCEIRAS (2) CONTA GARANTIA CAUÇÕES CONTRATUAIS BANCOS CONTA MOVIMENTO ESTOQUES ALMOXARIFADO MATERIAIS DE CONSUMO MATERIAIS DE CONSUMO EM GERAL MATERIAIS PARA VENDA MATERIAIS DIVERSOS MATERIAIS PARA VENDA EM GERAL 18

19 CÓDIGO CONTA NOMENCLATURA DESPESAS PAGAS ANTECIPADAMENTE DESPESAS A APROPRIAR PRÊMIO SEGURO A APROPRIAR VEÍCULOS PRÉDIO E MOBILIÁRIO ENCARGOS FINANCEIROS A APROPRIAR JUROS A APROPRIAR OUTRAS DESPESAS A APROPRIAR FRANQUIA POSTAL ASSINATURA DE JORNAIS, REVISTAS E PERIÓDICOS OUTRAS DESPESAS A APROPRIAR TRANSAÇÕES DO SISTEMA SEBRAE CRÉDITOS DO SEBRAE NACIONAL (2) ADIANTAMENTOS AOS AGENTES (2) PROGRAMAS DE IMOBILIZAÇÕES PROGRAMAS DE SANEAMENTO FINANCEIRO PROGRAMAS DE DESLIGAMENTO INCENTIVADO CRÉDITOS DIVERSOS DO SEBRAE NACIONAL(2) PLANO DE SAÚDE RESSARCIM. DE DESPESAS COM PESSOAL CEDIDO OUTROS CRÉDITOS PROJ. INTEGRADOS REGIÃO NORTE A APROP (2) PROJETOS SEBRAE/AC PROJETOS SEBRAE/AM PROJETOS SEBRAE/AP PROJETOS SEBRAE/PA PROJETOS SEBRAE/RO PROJETOS SEBRAE/RR PROJETOS SEBRAE/TO CRÉDITOS DOS AGENTES CONTRIBUIÇÃO SOCIAL A RECEBER SEBRAE/NA RECURSOS CSN A RECEBER RECURSOS ORDINÁRIOS A RECEBER CSN VIAGENS A RECEBER REEMBOLSOS DE DESPESAS A RECEBER REEMBOLSOS DE DESPESAS A RECEBER 19

20 CÓDIGO CONTA NOMENCLATURA ATIVO NÃO CIRCULANTE REALIZÁVEL A LONGO PRAZO DEPÓSITOS REALIZÁVEIS A LONGO PRAZO DEPÓSITOS COMPULSÓRIOS COMBUSTÍVEIS VEÍCULOS OUTROS DEPÓSITOS DEPÓSITOS JUDICIAIS DE PROCESSOS EM CURSO RECLAMANTE X OU TODOS OUTROS DEPÓSITOS E CAUÇÕES BENEFICIÁRIO X OU TODOS CONVÊNIOS E CONTRATOS A RECEBER CONVÊNIOS DIVERSOS ENTIDADE X OU TODAS CONTRATOS DIVERSOS ENTIDADE X OU TODAS APLICAÇÕES DE LONGO PRAZO APLIC FMIEE FUNDO X OU TODOS (-) PROVISÕES P/AJUSTE F.M.I.E.E (-) PROVISÃO AJUSTE VALOR PATRIMONIAL PROGRAMAS ESPECIAIS FAMPE/AVAIS HONRADOS (2) BANCO X OU TODOS (-) PROVISÃO P/ AVAIS HONRADOS FAMPE (-) PROVISÃO P/ AVAIS HONRADOS FAMPE MICROCRÉDITO FUNDOS MICROCRÉDITO BANCOOB (-) PROV. IR FUNDO BANCOOB 20

21 CÓDIGO CONTA NOMENCLATURA TRANSAÇÕES DE LONGO PRAZO DO SISTEMA SEBRAE CRÉDITOS DO SEBRAE NACIONAL (2) PROGRAMA DE IMOBILIZAÇÕES PROGRAMA DE SANEAMENTO FINANCEIRO PROGRAMA DE DESLIGAMENTO INCENTIVADO INVESTIMENTOS INVESTIMENTOS E PARTICIPAÇÕES PARTICIPAÇÕES EM OUTRAS ENTIDADES BRASILPREV (2) PARTIC. AÇÕES CIA TELEFÔNICAS FUNDOS FISCAIS FUNDO X OU TODOS BENS MÓVEIS BARREIRA ROXA BENS MÓVEIS BARREIRA ROXA IMOBILIZADO IMOBILIZAÇÕES TANGÍVEIS BENS IMÓVEIS TERRENOS EDIFICAÇÕES OBRAS EM ANDAMENTO (-) DEPREC. ACUMULADA EDIFICAÇÕES BENS MÓVEIS 21

22 CÓDIGO CONTA NOMENCLATURA MÓVEIS E UTENSÍLIOS VEÍCULOS E ACESSÓRIOS MÁQUINAS, APARELHOS E EQUIPAMENTOS EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA INSTALAÇÕES AQUISIÇÕES EM ANDAMENTO OOBRAS DE ARTE AQUISIÇÃO DE BENS EM ANDAMENTO VRG LEASING (-) DEPREC. ACUMULADA MÓVEIS E UTENSÍLIOS (-) DEPREC. ACUMULADA VEÍCULOS E ACESSÓRIOS (-) DEPREC. ACUMULADA MÁQ., APARELHOS E EQUIPAMENTOS (-) DEPREC. ACUMULADA EQUIPTO. INFORMÁTICA (-) DEPREC. ACUMULADA INSTALAÇÕES BENS MÓVEIS TERCEIROS MÓVEIS E UTENSÍLIOS VEÍCULOS E ACESSÓRIOS MÁQUINAS, APARELHOS E EQUIPAMENTOS EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA BENFEITORIAS EM PROPRIEDADES DE TERCEIROS (-) DEPREC. ACUMULADA MÓVEIS E UTENSÍLIOS (-) DEPREC. ACUMULADA VEÍCULOS E ACESSÓRIOS (-) DEPREC. ACUMULADA MÁQ., APARELHOS E EQUIPAMENTOS (-) DEPREC. ACUMULADA EQUIPAM. INFORMÁTICA (-) AMORTIZ. BENFEITORIAS EM PROPRIEDADE DE TERCEIROS 22

23 CÓDIGO CONTA NOMENCLATURA INTANGÍVEL INTANGÍVEL DIREITOS DE PROPRIEDADE MARCAS PATENTES DIREITOS AUTORAIS (-) AMORT. ACUMULADA MARCAS (-) AMORT. ACUMULADA PATENTES OUTROS INTANGÍVEIS TÍTULOS SISTEMAS APLICATIVOS/SOFTWARES BENFEITORIAS EM PROPRIED. TERCEIROS (-) AMORT. ACUMULADA SIST. APLIC/SOFTWARES (-) AMORT. ACUMULADA BENFEIT. PROP. TERCEIROS ATIVO COMPENSADO CONTRATOS E CONVÊNIOS CONTRATOS VALORES CONTRATADOS CONTRATO X OU TODOS (-) VALORES PAGOS CONTRATO X OU TODOS CONVÊNIOS VALORES CONVENIADOS CONVÊNIO X OU TODOS (-) VALORES LIBERADOS (-) CONVÊNIO X OU TODOS CONTRATOS DE GESTÃO VALORES PREVISTOS AGENTE X OU TODOS (-) VALORES LIBERADOS (-) AGENTE X OU TODOS COMODATO POR CESSÃO ATIVO EM COMODATO 23

24 CÓDIGO CONTA NOMENCLATURA PROGRAMAS ESPECIAIS FAMPE (2) AVAIS CONCEDIDOS (2) BANDES/ABDE BASA BDMG/ABDE/BNDES/CEF BCO BRASIL BRDE/ABDE/BNDES/CEF CEF/BNDES NOSSA CAIXA BRB/ABDE GOIÁSFOMENTO PROGERAR/BID (2) CARTEIRA DE CRÉDITO (2) CARTEIRA DE CRÉDITO BASA CARTEIRA DE CRÉDITO BNB FUNDO MÚTUO INVEST. EMPRESAS EMERGENTES SUBSCRIÇÕES SCTEC CRP RSTEC CRP SPTEC CRP E SP FUNDOS RIO B. NORDESTE I RIO BRAVO FUNDOTEC FIR CAPITAL REIF. DEKASSEGUI SUDAMERIS MVP TECH FUND. MERCATTO STRATUS VC STRATUS INVEST (-) INTEGRALIZAÇÕES (-) INTEG. SCTEC CRP (-) INTEG. RSTEC CRP (-) INTEG. SPTEC CRP E SP FUNDOS (-) INTEG. RIO B NORDESTE I RIO BRAVO (-) INTEG. FUNDOTEC FIR CAPITAL (-) INTEG. REIF DEKASSEGUI SUDAMERIS (-) INTEG. MVP TECH FUND MERCATTO (-) INTEG. STRATUS STRATUS INVESTIMENTOS 24

25 CÓDIGO CONTA NOMENCLATURA AMPEG/FINEP (2) CARTEIRA DE CRÉDITO (2) CARTEIRA DE CRÉDITO AMPEG/FINEP ACOMPANHAMENTO ORÇAMENTÁRIO ATIVO LONGO PRAZO LONGO PRAZO DEPÓSITOS JUDICIAIS DE PROC. EM CURSO FUNDO M.INVEST. DE EMPRESAS EMERGENTES AVAIS HONRADOS FUNDOS MICROCRÉDITO INVESTIMENTO/IMOBILIZADO INVESTIMENTOS PARTICIPAÇÕES EM OUTRAS ENTIDADES PARTICIPAÇÕES EM FUNDOS FISCAIS BENS IMÓVEIS TERRENOS EDIFICAÇÕES OBRAS EM ANDAMENTO BENS MÓVEIS MÓVEIS E UTENSÍLIOS VEÍCULOS E ACESSÓRIOS MÁQUINAS, APARELHOS E EQUIPAMENTOS EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA INSTALAÇÕES AQUISIÇÕES EM ANDAMENTO OBRAS DE ARTE AQUISIÇÃO DE BENS EM ANDAMENTO VRG LEASING 25

26 CÓDIGO CONTA NOMENCLATURA BENS INTANGÍVEIS MARCAS PATENTES DIREITOS AUTORAIS TÍTULOS SISTEMAS APLICATIVOS/SOFTWARES BENFEITORIAS EM PROPRIEDADES DE TERCEIROS PROVISÃO DE CONTINGÊNCIAS PROVISÃO DE CONTINGÊNCIAS RECLAMAÇÕES TRABALHISTAS AÇÕES CÍVEIS AUTUAÇÕES FISCAIS PASSIVO ATUARIAL S/ PREV. COMPLEMENTAR VALORES A PAGAR SEBRAE NACIONAL ADIANTAMENTO DO SEBRAE NACIONAL PROGRAMA DE IMOBILIZAÇÕES PROGRAMA DE SANEAMENTO FINANCEIRO PROGRAMA DE DESLIGAMENTO INCENTIVADO RECEITA ORÇAMENTÁRIA RECEITA ORÇAMENTÁRIA RECEITA ORÇAMENTÁRIA 26

27 CÓDIGO CONTA NOMENCLATURA CONTRIBUIÇÃO SOCIAL ORDINÁRIA CONTRIBUIÇÃO SOCIAL DO NACIONAL (CSN) CSN VIAGENS EMPRESAS BENEFICIADAS CONVÊNIOS CONVÊNIOS COM SEBRAE/NA RENDIMENTOS DE APLIC. FINANCEIRAS CSO RENDIMENTOS DE APLIC. FINANCEIRAS CSN RENDIMENTOS DE APLIC. FINANCEIRAS PRÓPRIAS APLICAÇÕES FINANCEIRAS CONVÊNIOS OUTROS RENDIMENTOS DE APLIC. FINANCEIRAS OUTRAS RECEITAS FINANCEIRAS LUCROS DE PARTICIP. EM OUTRAS ENTIDADES FAMPE DIVERSAS VENDA DE INVESTIMENTOS VENDA DE IMOBILIZADO VENDA DE ATIVO DIFERIDO RECEBIMENTO FINANCEIRO DOS AGENTES 27

28 2.2 Elenco de Contas Passivo CÓDIGO CONTA NOMENCLATURA PASSIVO PASSIVO CIRCULANTE OBRIGAÇÕES A CURTO PRAZO EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS ARRENDAMENTO MERCANTIL A PAGAR ARRENDAMENTO MERCANTIL A PAGAR EMPRÉSTIMOS A PAGAR EMPRÉSTIMOS BANCÁRIOS REMUNERAÇÕES A PAGAR REMUNERAÇÕES A PAGAR SALÁRIOS E PROVENTOS A PAGAR ENCARGOS SOCIAIS A RECOLHER ENCARGOS SOCIAIS A RECOLHER INSS RETIDO SOBRE SALÁRIO A RECOLHER FGTS A RECOLHER SALÁRIO-EDUCAÇÃO A RECOLHER CONSIGNAÇÕES DA FOLHA DE PAGAMENTO CONSIGNAÇÕES A PAGAR PENSÃO ALIMENTÍCIA EMPRÉSTIMOS BB EMPRÉSTIMOS CEF LOCAÇÃO DE IMÓVEIS SINDICATOS E ASSOCIAÇÕES PREVIDÊNCIA PRIVADA OUTRAS CONSIGNAÇÕES 28

29 CÓDIGO CONTA NOMENCLATURA OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS OBRIGAÇÕES FISCAIS A RECOLHER IRRF S/ SALÁRIOS A RECOLHER IRRF S/ SERVIÇOS PF A RECOLHER IRRF S/ SERVIÇOS PJ A RECOLHER ISS S/ SERVIÇOS PF A RECOLHER ISS S/ SERVIÇOS PJ A RECOLHER INSS RETIDO S/ SERVIÇOS PF A RECOLHER 11% INSS RETIDO S/ SERVIÇOS PJ A RECOLHER PIS/COFINS/CSLL RETIDOS S/ SERV. PJ A RECOLHER PIS A RECOLHER IMPOSTOS RETIDOS A COMPENSAR DCOMP INSS S/SERVIÇOS PJ POR COOPERATIVA INSS S/SERVIÇOS PF A RECOLHER 20% INSS S/SERVIÇOS PF A RECOLHER BASE REDUZIDA 4% OBRIGAÇÕES COM CONVÊNIOS E CONTRATOS VALORES A COMPROVAR COM ENTIDADES PARCEIRAS CONVÊNIO X (+) C/C X RECURSOS ENTIDADE PARCEIRA (+) C/C "X" RENDIMENTOS FINANCEIROS (-) C/C "X" LIBERAÇÕES (-) C/C "X" DESP. FINANCEIRAS/TRIBUTÁRIAS VALORES A LIBERAR P/ ENTIDADES PARCEIRAS VALORES A LIBERAR P/ ENTIDADES PARCEIRAS VALORES A LIBERAR P/ENTIDADES PARCEIRAS VALORES A RESTITUIR P/ ENTIDADES PARCEIRAS VALORES A RESTITUIR P/ ENTIDADES PARCEIRAS VALORES A RESTITUIR P/ ENTIDADES PARCEIRAS 29

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar A seguir um modelo de Plano de Contas que poderá ser utilizado por empresas comerciais, industriais e prestadoras de serviços, com as devidas adaptações: 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponível 1.1.1.01

Leia mais

PLANO DE CONTAS. - Plano 000001 FOLHA: 000001 0001 - INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA DA USP DATA: 18/08/2009 PERÍODO: 01/2007

PLANO DE CONTAS. - Plano 000001 FOLHA: 000001 0001 - INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA DA USP DATA: 18/08/2009 PERÍODO: 01/2007 PLANO DE S FOLHA: 000001 1 - ATIVO 1.1 - ATIVO CIRCULANTE 1.1.1 - DISPONÍVEL 1.1.1.01 - BENS NUMERÁRIOS 1.1.1.01.0001 - (0000000001) - CAIXA 1.1.1.02 - DEPÓSITOS BANCÁRIOS 1.1.1.02.0001 - (0000000002)

Leia mais

4. VALORES LIMITE DE PARTICIPAÇÃO DO SEBRAE-PE (IN-28, item 13 e subitens):

4. VALORES LIMITE DE PARTICIPAÇÃO DO SEBRAE-PE (IN-28, item 13 e subitens): O presente material foi elaborado para auxiliar as entidades parceiras na elaboração das prestações de contas de convênios. O material aqui apresentado foi extraído da Instrução Normativa 28 do SEBRAE/PE,

Leia mais

CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S/A - CEASA/CAMPINAS CNPJ: 44.608.776/0001-64

CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S/A - CEASA/CAMPINAS CNPJ: 44.608.776/0001-64 1.... ATIVO 152.101.493,67 50.040.951,48 153.182.697,98 1.10... ATIVO CIRCULANTE 12.634.079,13 49.780.167,34 14.042.894,83 1.10.10.. DISPONIBILIDADES 10.621.727,62 40.765.261,82 12.080.213,47 1101001 BENS

Leia mais

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1 ATIVO 1 11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1113 BANCOS CONTA DEPÓSITOS 11131 BANCOS CONTA DEPÓSITOS - MOVIMENTO

Leia mais

SICOOB - Contabilidade. Período: 01/12/2010 a 31/12/2010. Conta Cod. Red. Descrição da Conta Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual

SICOOB - Contabilidade. Período: 01/12/2010 a 31/12/2010. Conta Cod. Red. Descrição da Conta Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual 1.0.0.00.00-7 CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 9.671.194,34 29.326.303,91 29.462.756,13 9.534.742,12 1.1.0.00.00-6 DISPONIBILIDADES 80.215,82 11.749.129,63 11.810.017,76 19.327,69 1.1.1.00.00-9 CAIXA

Leia mais

SICOOB - Contabilidade. Período: 01/08/2013 a 31/08/2013. Conta Cod. Red. Descrição da Conta Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual

SICOOB - Contabilidade. Período: 01/08/2013 a 31/08/2013. Conta Cod. Red. Descrição da Conta Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual 1.0.0.00.00-7 CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 58.764.189,56 169.901.510,67 169.746.419,72 58.919.280,51 1.1.0.00.00-6 DISPONIBILIDADES 469.845,67 62.841.447,38 62.796.662,79 514.630,26 1.1.1.00.00-9

Leia mais

1.0 ATIVO 1.1. ATIVO CIRCULANTE

1.0 ATIVO 1.1. ATIVO CIRCULANTE PLANO DE CONTAS Associações, Sindicatos e Outras Entidades. 1.0 ATIVO 1.1. ATIVO CIRCULANTE 1.1.1. Disponibilidades 1.1.1.1. Caixa 1.1.1.2. Bancos c/ Movimento 1.1.1.3. Aplicações Financeiras 1.1.2. Créditos

Leia mais

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001. Empresa: Plano referencial 4 - Seguradoras

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001. Empresa: Plano referencial 4 - Seguradoras 1 ATIVO 1.01 CIRCULANTE 1.01.01 DISPONÍVEL 1.01.01.01 Caixa 1.01.01.02 Valores em Trânsito 1.01.01.03 Bancos Conta Depósitos 1.01.01.04 Aplicações no Mercado Aberto 1.01.02 APLICAÇÕES 1.01.02.01 Títulos

Leia mais

Notas Explicativas das Demonstrações Financeiras

Notas Explicativas das Demonstrações Financeiras Notas Explicativas das Demonstrações Financeiras No ano de 2012 o Londrina Country Club atualizou o plano de contas de sua demonstração de resultado. O objetivo é atualizar a nomenclatura das contas permitindo

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

Plano de Contas Pag.: 1 de 7

Plano de Contas Pag.: 1 de 7 Plano de Contas Pag.: 1 de 7 1 ATIVO 1.1 ATIVO CIRCULANTE 1.1.1 ATIVO DISPONIVEL 1.1.1.001 NUMERARIOS 1.1.1.001.0001-0 CAIXA PEQUENO 11110 X 1.1.1.002 BANCOS CONTA MOVIMENTO 1.1.1.002.0001-5 BANCO BRADESCO

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

Plano de Contas - Modelo

Plano de Contas - Modelo Plano de Contas - Modelo Ativo Passivo Contas De Compensação Passivas (CCP) Contas De Resultado Despesas Operacionais (DO) Provisão para o Imposto Sobre a Renda e Contribuição Social (PR) Participações

Leia mais

FUNDACAO EDUCACIONAL DE BRUSQUE - FEBE Folha: 1 Período: 01/05/13 a 31/05/13

FUNDACAO EDUCACIONAL DE BRUSQUE - FEBE Folha: 1 Período: 01/05/13 a 31/05/13 FUNDACAO EDUCACIONAL DE BRUSQUE - FEBE Folha: 1 17 T 1 ATIVO 42.807.744,57D 5.912.830,23 5.858.043,39 42.862.531,41D 23 T 1.1 ATIVO CIRCULANTE 2.202.794,33D 5.390.052,54 5.127.142,48 2.465.704,39D 30 T

Leia mais

Modelo de Plano de Contas Modelo após Leis 11638/2007 e 11941/2009 (Adaptada ao Sped)

Modelo de Plano de Contas Modelo após Leis 11638/2007 e 11941/2009 (Adaptada ao Sped) Modelo de Plano de Contas Modelo após Leis 11638/2007 e 11941/2009 (Adaptada ao Sped) Código Descrição Analítica Patrim. Natureza 1 *** Ativo *** X Devedora 101 Ativo Circulante X Devedora 10101 Disponibilidades

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 CIRCULANTE 67.424 76.165 DISPONIBILIDADES 4 5.328 312 TITULOS E VALORES MOBILIÁRIOS E INTRUMENTOS

Leia mais

PLANO DE CONTAS Critérios Para Elaboração

PLANO DE CONTAS Critérios Para Elaboração PLANO DE CONTAS Critérios Para Elaboração Sumário 1. Considerações Iniciais 2. Codificação 3. Abertura de Contas Novas 4. Manual de Contas 5. Estrutura e Classificação Das Contas Patrimoniais 6. Modelo

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em milhares de reais) ATIVO

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em milhares de reais) ATIVO BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em milhares de reais) ATIVO As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis. BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em milhares de reais) PASSIVO

Leia mais

============================================================================================================================

============================================================================================================================ 01/02/2015 a 28/02/2015 Folha:1 1 203 Ativo 27.205.825,51 33.646.052,26 31.176.612,07-29.675.265,70 1.01 204 Circulante 21.524.160,64 32.787.953,60 30.593.987,96-23.718.126,28 1.01.01 205 Caixa e Equivalentes

Leia mais

BALANCETE ANALÍTICO - JUNHO/2015

BALANCETE ANALÍTICO - JUNHO/2015 : 1 1 ATIVO 6.696.323,89D 1.488.250,06 1.434.586,10 6.749.987,85D 1.1 ATIVO CIRCULANTE 4.489.543,31D 1.482.146,36 1.418.329,94 4.553.359,73D 1.1.1 DISPONIBILIDADES 4.192.202,67D 1.192.026,76 1.128.756,69

Leia mais

PLANO DE CONTAS CONTÁBIL

PLANO DE CONTAS CONTÁBIL Cod.Normal Cód.Reduz. Grau Tipo Natureza Descrição 1. 1 1 S A ATIVO 1.1. 2 2 S AC ATIVO CIRCULANTE 1.1.1. 3 3 S AC DISPONÍVEL 1.1.1.01. 4 4 S AC BENS NUMERÁRIOS 1.1.1.01.001-5 5 A AC Caixa 1.1.1.01.002-6

Leia mais

Proposta Orçamentária Exercício 2015

Proposta Orçamentária Exercício 2015 Página : 1 1.0.00.00 - RECEITAS CORRENTES 1.954.000,00 1.1.00.00 - RECEITAS DE CONTRIBUIÇÕES 1.540.663,00 1.1.01.00 - ANUIDADE 1.540.663,00 1.1.01.01 - ANUIDADE DO EXERCICIO 1.035.137,00 1.1.01.01.01 -

Leia mais

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS 1. CONCEITOS A Demonstração do Fluxo de Caixa demonstra a origem e a aplicação de todo o dinheiro que transitou pelo Caixa em um determinado período e o resultado desse fluxo (Iudícibus e Marion, 1999).

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008 (Em milhares de reais) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Seguradora está autorizada a operar em seguros do

Leia mais

Ano 2011, Número 215 Brasília, quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Ano 2011, Número 215 Brasília, quarta-feira, 16 de novembro de 2011 Página 2 DIRETORIA-GERAL Atos do Diretor-Geral Portaria Plano de Contas dos Partidos Políticos Republicação da Portaria TSE nº 521, de 18 de outubro de 2011, em virtude de incorreções materiais. PORTARIA

Leia mais

5 Análise do Balanço Patrimonial

5 Análise do Balanço Patrimonial 5 Análise do Balanço Patrimonial Essa análise tem por finalidade confrontar os dados e valores que constituem o Balanço Patrimonial correspondente ao exercício de 2002, com os do mesmo período de 2001,

Leia mais

Comparativo da Despesa Paga. Gratificação por Tempo de Serviço. Programa de Alimentação ao Trabalhador - Pat

Comparativo da Despesa Paga. Gratificação por Tempo de Serviço. Programa de Alimentação ao Trabalhador - Pat Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Pará CNPJ: 14.974.293/0001-12 Comparativo da Paga CRÉDITO DISPONÍVEL DA DESPESA 922.380,03 665.569,81 CRÉDITO DISPONÍVEL DESPESA CORRENTE 541.961,33 188.309,60

Leia mais

Demonstrações Contábeis referente ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2005 e Parecer dos Auditores Independentes

Demonstrações Contábeis referente ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2005 e Parecer dos Auditores Independentes CENTRO ESPÍRITA NOSSO LAR CASAS ANDRÉ LUIZ CNPJ 62.220.637/0001-40 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores membros do Conselho Deliberativo e do Conselho Fiscal: o Conselho Diretor submete à apreciação de

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 14 Rendimentos a distribuir 3.599 2.190 Aplicações financeiras de renda fixa

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Aula n 04 online MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Balanço Patrimonial Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 CNPJ (MF) Nº 83.128.769/0001-17 Brusque - SC DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 Fevereiro/2012 1 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE Valores expressos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS EMPREGADOS DA COPASA COPASS SAÚDE

ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS EMPREGADOS DA COPASA COPASS SAÚDE ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS EMPREGADOS DA COPASA COPASS SAÚDE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AO EXERCÍCIO BASE DE 2012 ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS EMPREGADOS DA COPASA COPASS SAÚDE

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BRUSQUE - FEBE CNPJ (MF) Nº 83.128.769/0001-17 Brusque - SC DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 Fevereiro/2011 1 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL

Leia mais

ENTIDADES SEM FINALIDADE DE LUCROS Contabilidade

ENTIDADES SEM FINALIDADE DE LUCROS Contabilidade ENTIDADES SEM FINALIDADE DE LUCROS Contabilidade Sumário 1. Introdução 2. Conceito 3. Regras Aplicáveis 3.1 - Regime de Competência 4. Registros Contábeis 4.1 - Reavaliações do Imobilizado 4.2 - Depreciação,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO FRATERNAL PELICANO CNPJ Nº 05.439.594/0001-55 BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012/2011 (EM R$)

ASSOCIAÇÃO FRATERNAL PELICANO CNPJ Nº 05.439.594/0001-55 BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012/2011 (EM R$) BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012/2011 (EM R$) ATIVO 2012 2011 PASSIVO E PATRIMONIO SOCIAL 2012 2011 CIRCULANTE 41.213,54 37.485,00 CIRCULANTE 12.247,91 11.914,91 EQUIVALENCIA DE

Leia mais

PLANO DE CONTAS REFERENCIAL ECD-ECF EMPRESAS EM GERAL (L100A)- CONTAS PATRIMONIAS (Dt.Inicio: 01/01/14) Número Conta Descrição (Nome da Conta) Ord

PLANO DE CONTAS REFERENCIAL ECD-ECF EMPRESAS EM GERAL (L100A)- CONTAS PATRIMONIAS (Dt.Inicio: 01/01/14) Número Conta Descrição (Nome da Conta) Ord PLANO DE CONTAS REFERENCIAL ECD-ECF EMPRESAS EM GERAL (L100A)- CONTAS PATRIMONIAS (Dt.Inicio: 01/01/14) Número Conta Descrição (Nome da Conta) Ord TipoConta SuperiorGrau Nat 1 ATIVO 1 S 1 1 1.01 ATIVO

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE BIBLIOTECONOMIA - SP Sistema de Contabilidade BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL ATIVO Julho / 2015. Pág. : 1.

CONSELHO REGIONAL DE BIBLIOTECONOMIA - SP Sistema de Contabilidade BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL ATIVO Julho / 2015. Pág. : 1. ATIVO Pág. : 1 1 ATIVO 6.962.923,94 955.075,63 999.851,97 6.918.147,60 D 1.1 ATIVO CIRCULANTE 2.575.224,25 286.194,78 341.306,07 2.520.112,96 D 1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 998.084,67 206.815,23

Leia mais

Contabilidade Básica Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br Conceito Conta Nome dado aos componentes patrimoniais (bens, direitos, obrigações e Patrimônio Líquido) e aos elementos de resultado

Leia mais

Segue a relação das contas do Ativo e do Passivo Exigível mais utilizadas pela ESAF, organizadas por grupo de contas.

Segue a relação das contas do Ativo e do Passivo Exigível mais utilizadas pela ESAF, organizadas por grupo de contas. Segue a relação das contas do Ativo e do Passivo Exigível mais utilizadas pela ESAF, organizadas por grupo de contas. 1 - Ativo (Saldo devedor, exceto as contas retificadoras) 1.1 Ativo Circulante Adiantamento

Leia mais

=CAIXA ******6.053,07D *****200.073,85 *****179.146,19 *****26.980,73D

=CAIXA ******6.053,07D *****200.073,85 *****179.146,19 *****26.980,73D Diário:6 Folha: 12 [7]ATIVO [14]ATIVO CIRCULANTE [21]CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA [28]CAIXA [35]CAIXA 6.053,07D 200.073,85 179.146,19 26.980,73D =CAIXA ******6.053,07D *****200.073,85 *****179.146,19

Leia mais

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa V Pagamento de fornecedores Retenção de IRF sobre serviços Retenção de IRF sobre salários Pró-labore Integralização de capital em dinheiro Integralização de capital em bens Depreciação ICMS sobre vendas

Leia mais

Relatório do Plano de Contas

Relatório do Plano de Contas 1 10000 ATIVO 1.01 10001 ATIVO CIRCULANTE 1.01.01 10002 DISPONIVEL 1.01.01.01 10003 CAIXA 1.01.01.01.00001 10004 CAIXA GERAL S 1.01.01.02 10020 BANCO CONTA MOVIMENTO 1.01.01.02.00001 10021 BANCO DO BRASIL

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP Novas Demonstrações Contábeis do Setor Público DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO Englobam todos os fatos contábeis e atos que interessam

Leia mais

COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES PÚBLICOS NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO - COOPJUD

COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES PÚBLICOS NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO - COOPJUD COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES PÚBLICOS NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO - COOPJUD NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Península Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 3 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008

Leia mais

Documento gerado em 28/04/2015 13:31:35 Página 1 de 42

Documento gerado em 28/04/2015 13:31:35 Página 1 de 42 DCA-Anexo I-AB Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo Padrao Balanço Patrimonial Ativo - Ativo - 1.0.0.0.0.00.00 - Ativo 96.744.139,42 1.1.0.0.0.00.00 - Ativo Circulante 24.681.244,01 1.1.1.0.0.00.00 -

Leia mais

FUNDACAO EDUCACIONAL DE BRUSQUE - FEBE Folha: 1 Período: 01/01/11 a 31/01/11

FUNDACAO EDUCACIONAL DE BRUSQUE - FEBE Folha: 1 Período: 01/01/11 a 31/01/11 FUNDACAO EDUCACIONAL DE BRUSQUE - FEBE Folha: 1 17 T 1 ATIVO 41.752.495,74D 4.036.938,36 4.262.358,02 41.527.076,08D 23 T 1.1 ATIVO CIRCULANTE 1.250.072,51D 3.944.278,77 4.201.929,51 992.421,77D 30 T 1.1.01

Leia mais

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2009 e 2008 HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS

Leia mais

CREFITO/RS. Comparativo da Despesa Paga. Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional 5ª Região CNPJ: 90.601.147/0001-20.

CREFITO/RS. Comparativo da Despesa Paga. Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional 5ª Região CNPJ: 90.601.147/0001-20. Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional 5ª Região CNPJ: 90.601.147/0001-20 Comparativo da Paga CRÉDITO DISPONÍVEL DA DESPESA 6.425.208,00 2.742.999,95 2.742.999,95 3.682.208,05 CRÉDITO

Leia mais

SIND.TRAB.EM.EMPR.PLAN.DES.URBANO-SINCOHAB C.N.P.J: 66.661.372/0001-77 BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31/12/2014

SIND.TRAB.EM.EMPR.PLAN.DES.URBANO-SINCOHAB C.N.P.J: 66.661.372/0001-77 BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31/12/2014 SIND.TRAB.EM.EMPR.PLAN.DES.URBANO-SINCOHAB C.N.P.J: 66.661.372/0001-77 BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31/12/2014 CONTAS DO ATIVO DE 2014 DE 2013 Fls.: 051 DE 2012 CIRCULANTE DISPONÍVEL 6.204,56 6.866,64

Leia mais

Balancete. Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Piauí CNPJ: 14.882.936/0001-06. Créditos. Conta. Página:1/24

Balancete. Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Piauí CNPJ: 14.882.936/0001-06. Créditos. Conta. Página:1/24 Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Piauí CNPJ: 14.882.936/0001-06 Balancete Período: 01/05/2015 a 31/05/2015 Conta Anterior Débitos Créditos 1 - ATIVO 660.339,65D 383.449,46 379.045,53 664.743,58D

Leia mais

1 Ativo 60.294.189,82D 4.280.106,32D 64.574.296,14D. 1.1 Ativo Circulante 1.680.059,34D 2.772.409,05D 4.452.468,39D

1 Ativo 60.294.189,82D 4.280.106,32D 64.574.296,14D. 1.1 Ativo Circulante 1.680.059,34D 2.772.409,05D 4.452.468,39D FUNDACAO SANTO ANDRE Balancete Contábil Sintético Grau 5 01/01/2010 a 30/06/2010 Pag.: 1 1 Ativo 60.294.189,82D 4.280.106,32D 64.574.296,14D 1.1 Ativo Circulante 1.680.059,34D 2.772.409,05D 4.452.468,39D

Leia mais

ATIVO Nota 2012 2011 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Nota 2012 2011 CIRCULANTE CIRCULANTE

ATIVO Nota 2012 2011 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Nota 2012 2011 CIRCULANTE CIRCULANTE QUADRO I BALANÇOS PATRIMONIAIS ATIVO Nota 2012 2011 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Nota 2012 2011 CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 4 2.630.185 2.070.467 Fornecedores 115.915 76.688 Contas

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 03: ORIGEM E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA QUALIDADE A DRE tem por objetivo evidenciar a situação econômica de uma empresa,

Leia mais

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO 2 -DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS. OBJETIVO E CONTEÚDO Os objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis podem ser variados. Cada grupo de usuários pode ter objetivos específicos para analisar as Demonstrações

Leia mais

ANEXO I PLANO DE CONTAS BÁSICO

ANEXO I PLANO DE CONTAS BÁSICO ANEXO I PLANO DE CONTAS BÁSICO Conta do ATIVO 1 ATIVO 1. Circulante 1.. Disponível 1.. Realizável 1... Créditos 1... Estoques 1... Combustíveis 1... Lubrificantes 1... Peças, Acessórios, Materiais 1...

Leia mais

9.2 Elenco de Contas. 9.1 Conceito

9.2 Elenco de Contas. 9.1 Conceito PLANO DE CONTAS NOTA: Nos capítulos 1 a 8, você estudou as noções básicas da Contabilidade; conheceu a estrutura do Patrimônio (ponto de partida para o entendimento desta Ciência); aprendeu a registrar

Leia mais

11 MODELO DE PLANO DE CONTAS

11 MODELO DE PLANO DE CONTAS 11 MODELO DE PLANO DE CONTAS Apresentamos a seguir uma sugestão de plano de contas, para as empresas de construção civil, utilizável também por aquelas que trabalham com obras por empreitada MODELO DE

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

ASSOCIAÇÃO RESIDENCIAL FAZENDA TAMBORÉ (TAMBORÉ 1) CNPJ: 56.348.691/0001-73

ASSOCIAÇÃO RESIDENCIAL FAZENDA TAMBORÉ (TAMBORÉ 1) CNPJ: 56.348.691/0001-73 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Associados, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. os Balanços Patrimoniais encerrados em 31/12/2014 e 31/12/2013 e as

Leia mais

Adamantina, 16 de novembro de 2011. Prezado cliente:

Adamantina, 16 de novembro de 2011. Prezado cliente: Adamantina, 16 de novembro de 2011. Prezado cliente: Assunto: Procedimentos contábeis, administrativos e patrimoniais para o fechamento das contas do exercício de 2011 e abertura das contas de 2012. Dentro

Leia mais

WRM Auditoria e Consultoria Ltda. - CNPJ (MF) 00.164.845/0001/12.

WRM Auditoria e Consultoria Ltda. - CNPJ (MF) 00.164.845/0001/12. Lins (SP), 12 de Março de 2.010. À SOCIEDADE DE PROMOÇÃO SOCIAL DO FISSURADO LÁBIO- PALATAL - PROFIS Rua Silvio Marchione 3-55 Bauru SP. ILMO.SR. Diretor - Presidente Encaminhando em anexo, o Relatório

Leia mais

Anexo 12 - Balanço Orçamentário

Anexo 12 - Balanço Orçamentário Anexo 12 - Balanço Orçamentário BALANÇO ORÇAMENTÁRIO EXERCÍCIO: PERÍODO (MÊS) : DATA DE EMISSÃO: PÁGINA: PREVISÃO PREVISÃO RECEITAS SALDO RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS INICIAL ATUALIZADA REALIZADAS (a) (b) c

Leia mais

SICOOB - Contabilidade. Balanço Geral. Período: 31/12/2013 1.0.0.00.00-7 CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 1.1.0.00.00-6 DISPONIBILIDADES

SICOOB - Contabilidade. Balanço Geral. Período: 31/12/2013 1.0.0.00.00-7 CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 1.1.0.00.00-6 DISPONIBILIDADES SICOOB - bilidade Cod. Red. Descrição da 1.0.0.00.00-7 CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 13.947.026,08 D 1.1.0.00.00-6 DISPONIBILIDADES 142.150,63 D 1.1.1.00.00-9 CAIXA 140.856,84 D 1.1.1.10.00-6 CAIXA

Leia mais

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1 Exercícios de Fixação (Questões de concurso) 1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1.1.1 Concurso para AFRF 2000 prova de contabilidade avançada - Questão 15 ENUNCIADO 15- Aplicações em Investimentos

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 17.488 25.888 Fornecedores e outras obrigações 17.561 5.153 Contas a receber

Leia mais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL ECONÔMICO-FISCAIS DA PESSOA JURÍDICA D I P J 2014

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL ECONÔMICO-FISCAIS DA PESSOA JURÍDICA D I P J 2014 MINISTÉRIO DA FAZENDA DECLARAÇÃO DE INFORMAÇÕES SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL ECONÔMICO-FISCAIS DA PESSOA JURÍDICA D I P J 2014 Ficha 01 - Dados Iniciais CNPJ: Situação da Declaração: Normal

Leia mais

Governo do Estado da Bahia Secretaria da Fazenda Plano de Contas 1 /44. Apresentação

Governo do Estado da Bahia Secretaria da Fazenda Plano de Contas 1 /44. Apresentação Governo do Estado da Bahia Secretaria da Fazenda Plano de Contas 1 /44 Apresentação Este Plano de Contas tem o propósito de atender, de maneira uniforme e sistematizada, ao registro contábil dos atos e

Leia mais

Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron - ABTLuS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2001 e de 2000 e parecer dos auditores

Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron - ABTLuS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2001 e de 2000 e parecer dos auditores Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron - ABTLuS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2001 e de 2000 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes 18

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE - BAHIA Sistema de Contabilidade BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL ATIVO Abril / 2013. Pág. : 1.

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE - BAHIA Sistema de Contabilidade BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL ATIVO Abril / 2013. Pág. : 1. ATIVO Pág. : 1 1 ATIVO 9.636.699,15 6.183.906,04 6.058.627,85 9.761.977,34 D 1.1 ATIVO CIRCULANTE 5.510.723,89 5.458.792,41 5.105.727,80 5.863.788,50 D 1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 1.816.495,94

Leia mais

Balancete Contábil Julho de 2014

Balancete Contábil Julho de 2014 Balancete Contábil Julho de 2014 CNPJ 06.025.140/0001-09 Balancete Consolidado de 31 de Julho de 2014 ATIVO PASSIVO DISPONÍVEL 78 EXIGÍVEL OPERACIONAL 701 Caixa - Gestão Previdencial 442 Bancos c/movimento

Leia mais

UNISERCON. Contabilidade UNIÃO DE SERVIÇOS CONTABEIS

UNISERCON. Contabilidade UNIÃO DE SERVIÇOS CONTABEIS UNISERCON UNIÃO DE SERVIÇOS CONTABEIS CRC/RS3101 BALANÇO PATRIMONIAL ANALÍTICO EXERCÍCIO DE 2011 ooo - xxxxxxx- xxxxxx xx xxxxx xxxx (oo.ooo.oo/oooi-oo) CONTA Folha 1 SALDO 1 1. 1 1. 1. 01 1. 1. 01. 01

Leia mais

0001 CNPJ: Código T Classificação Nome

0001 CNPJ: Código T Classificação Nome 000..678/000-9 S ATIVO S. ATIVO CIRCULANTE S.. DISPONIVEL S...0 CAIXA...0.00 CAIXA GERAL 6...0.00 FUNDO FIXO DE CAIXA 7 S...0 BANCOS CONTA MOVIMENTO 8...0.00 BANCO DO BRASIL 9...0.00 CAIXA ECONOMICA FEDERAL

Leia mais

Instituto Lina Galvani

Instituto Lina Galvani Balanços patrimoniais Em milhares de reais Ativo 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Passivo e patrimônio social 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

Governo do Estado do Amazonas. Banco Interamericano de Desenvolvimento BID Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus PROSAMIM III 2676/OC-BR

Governo do Estado do Amazonas. Banco Interamericano de Desenvolvimento BID Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus PROSAMIM III 2676/OC-BR Governo do Estado do Amazonas Banco Interamericano de Desenvolvimento BID Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus PROSAMIM III 2676/OC-BR Plano de Contas Manaus Amazonas 2012 0 Índice 1. Introdução

Leia mais

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

Conta Descrição (em R$ mil) 31/03/2011 31/12/2010. 1 Ativo Total 13.623.774 13.422.948. 1.01 Ativo Circulante 1.403.533 1.180.328

Conta Descrição (em R$ mil) 31/03/2011 31/12/2010. 1 Ativo Total 13.623.774 13.422.948. 1.01 Ativo Circulante 1.403.533 1.180.328 Conta Descrição (em R$ mil) /0/0 //00 Ativo Total.6.77..98.0 Ativo Circulante.0.5.80.8.0.0 Caixa e Equivalentes de Caixa 69.7 8.657.0.0.0 Bens Numerários.0 05.0.0.0 Depósitos Bancários.07.57.0.0.0 Aplicações

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DO RIO DE JANEIRO CRA/RJ

CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DO RIO DE JANEIRO CRA/RJ RECEITAS 1 - O Orçamento do Conselho Regional de Administração do Rio de Janeiro para o exercício financeiro de 2013, estima a receita em R$ 16.122.900,00 e fixa sua despesa em igual importância. 2 - A

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31/12/2014 e 31/12/2013

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31/12/2014 e 31/12/2013 Registro no Cartório de Títulos e Documentos em 02/10/1934. Sob o nº 1.152, Livro "A" nº 6. BALANÇO PATRIMONIAL EM 31/12/2014 e 31/12/2013 2014 2013 Variação ATIVO ATIVO CIRCULANTE Caixa - - - Banco do

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO AMAPA Sistema de Contabilidade BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL ATIVO Abril / 2013. Pág. : 1.

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO AMAPA Sistema de Contabilidade BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL ATIVO Abril / 2013. Pág. : 1. ATIVO Pág. : 1 1 ATIVO 1.267.635,99 199.024,16 243.515,58 1.223.144,57 D 1.1 ATIVO CIRCULANTE 407.941,54 177.708,38 222.564,32 363.085,60 D 1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 119.056,37 76.325,59 56.861,51

Leia mais

Comparativo da Despesa Liquidada. Gratificação por Tempo de Serviço JUROS E ENCARGOS DE EMPRESTIMOS POR ANTECIPACAO DE RECEITA ORCAMENTARIA

Comparativo da Despesa Liquidada. Gratificação por Tempo de Serviço JUROS E ENCARGOS DE EMPRESTIMOS POR ANTECIPACAO DE RECEITA ORCAMENTARIA Conselho Regional de Psicologia / ES CNPJ: 06.964.242/0001-81 Comparativo da Liquidada CRÉDITO DISPONÍVEL DA DESPESA 1.687.048,66 1.151.487,32 1.151.487,32 535.561,34 CRÉDITO DISPONÍVEL DESPESA CORRENTE

Leia mais

Prefeitura Municipal de São José da Lapa

Prefeitura Municipal de São José da Lapa Estado de Minas Gerais Demostração das Variações Patrimoniais - Anexo 15 - Lei 4.320/64 ENTIDADE: 000 - CONSOLIDADO lilian@sonner.com.br 30-03-2015 13:44:25 400000000 VARIAÇÃO PATRIMONIAL AUMENTATIVA 300000000

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

a) Notas explicativas às demonstrações contábeis 1 Constituição, objetivo social e contexto operacional

a) Notas explicativas às demonstrações contábeis 1 Constituição, objetivo social e contexto operacional a) Notas explicativas às demonstrações contábeis 1 Constituição, objetivo social e contexto operacional O Conselho Regional de Administração de São Paulo, vinculado ao Conselho Federal de Administração,

Leia mais

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 02: BALANÇO PATRIMONIAL. É a apresentação padronizada dos saldos de todas as contas patrimoniais, ou seja, as que representam

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral 1. Em relação ao princípio contábil da Competência, é correto afirmar que (A) o reconhecimento de despesas deve ser efetuado quando houver o efetivo desembolso financeiro

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações), instituiu a Demonstração do Resultado do Exercício. A Demonstração do Resultado

Leia mais

VOLUME II ANEXOS DA LEI 4.320/64

VOLUME II ANEXOS DA LEI 4.320/64 VOLUME II ANEXOS DA LEI 4.320/64 Apresentação Este volume compõe o Balanço Geral do Estado do exercício financeiro 2010. Nele são apresentados os anexos exigidos na LEI 4.320/64. LUIZ MARCOS DE LIMA SUPERINTENDENTE

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES QUESTÕES 01) Fazem parte do grupo de contas do : A) Duplicatas a Receber Caixa Duplicatas a Pagar. B) Terrenos Banco Conta Movimento Credores Diversos. C) Duplicatas a Pagar Caixa Adiantamentos de Clientes.

Leia mais

Balancete Contábil Outubro de 2013

Balancete Contábil Outubro de 2013 Balancete Contábil Outubro de 2013 CNPJ 06.025.140/0001-09 Balancete Consolidado de 31 de outubro de 2013 ATIVO PASSIVO DISPONÍVEL 54 EXIGÍVEL OPERACIONAL 423 Caixa - Gestão Previdencial 185 Bancos c/movimento

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012 Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta Analista-Contabilidade 1 Primeiramente, é necessário Apurar o Resultado pois, como

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

MOGI MIRIM ESPORTE CLUBE

MOGI MIRIM ESPORTE CLUBE MOGI MIRIM ESPORTE CLUBE Relatório de Auditoria das Demonstrações Financeiras do exercício findo em 31 de Dezembro de 2014. LAM AUDITORES INDEPENDENTES Abril / 2015 Campinas, 22 de Abril de 2015. À Diretoria

Leia mais

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Niterói Administradora de Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais