ÍNDICE. Mensagem do Presidente 3 Órgãos Sociais 4 A Empresa e a sua Visão Estratégica 5 Grupo de Empresas 6 Principais acontecimentos em

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE. Mensagem do Presidente 3 Órgãos Sociais 4 A Empresa e a sua Visão Estratégica 5 Grupo de Empresas 6 Principais acontecimentos em 2009 7"

Transcrição

1

2 ÍNDICE Mensagem do Presidente 3 Órgãos Sociais 4 A Empresa e a sua Visão Estratégica 5 Grupo de Empresas 6 Principais acontecimentos em A - ACTIVIDADE DA EMPRESA 1. Introdução 8 2. Enquadramento Macro Económico do Sector e Cadeia de Valor 9 3. Actividade Industrial Actividade Comercial Investigação e Desenvolvimento Investimentos Situação Económica e Financeira Qualidade, Ambiente e Segurança Recursos Humanos Principais Riscos e Incertezas Munditêxtil Perspectivas para o Futuro Proposta de Aplicação de Resultados Agradecimentos Nota Final 29 ANEXO I AO RELATÓRIO DE GESTÃO 31 B - GOVERNO DA SOCIEDADE 0. Declaração de cumprimento Relatório sobre Governo das Sociedades 34 1

3 CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2009 Contas consolidadas Demonstrações da posição financeira Demonstrações de resultados por naturezas Demonstrações de rendimento integral Demonstrações das alterações no capital próprio Demonstrações dos fluxos de caixa Anexo às demonstrações financeiras Relatório e parecer do conselho fiscal Certificação legal das contas e Relatório de auditoria Contas individuais Demonstrações da posição financeira Demonstrações de resultados por naturezas Demonstrações de rendimento integral Demonstrações das alterações no capital próprio Demonstrações dos fluxos de caixa Anexo às demonstrações financeiras Relatório e parecer do conselho fiscal Certificação legal das contas e Relatório de auditoria 2

4 MENSAGEM DO PRESIDENTE O ano de 2009 iniciou-se com grandes dificuldades, com o mercado numa situação de expectativa em relação aos preços das matérias-primas e ao comportamento do consumo face à crise que se anunciava. A situação veio a melhorar no decorrer do 1º trimestre e, dada a redução da oferta (fecharam, no decorrer de 2008, cerca de toneladas de capacidade de produção de fibra acrílica), o ano de 2009 veio a apresentar-se bastante favorável, com o mercado a consumir e o acrilonitrilo a preços razoáveis. Continuámos a dar passos significativos na concretização da nossa estratégia de nos tornarmos uma referência internacional como produtores de fibras acrílicas especiais, nomeadamente pré-tintas e funcionais, fibras para aplicações técnicas e precursor de fibra de carbono: O projecto de construção de uma Nova Central de Cogeração, em parceria com a EDP, foi concluído dentro do prazo previsto, tendo arrancado com êxito no final de Os primeiros equipamentos para a nova instalação piloto de produção de fibra de carbono chegaram no final do ano e já iniciámos a sua montagem. O lançamento no mercado da fibra tinta pigmentada decorreu com as dificuldades habituais de um novo produto mas já temos um cliente fidelizado e o ano de 2010 irá ser o ano de consolidação da nossa entrada nesse segmento de mercado. A formação e requalificação dos nossos efectivos será uma prioridade em 2010, pelo que no ano agora findo aumentámos os efectivos de modo a passarmos a trabalhar com 5 equipas no trabalho de turno contínuo, o que possibilitará tempos disponíveis para a tão necessária formação e requalificação. Esta necessidade de formação e requalificação de todo o nosso pessoal deriva do tipo de produtos que fabricamos, cada vez mais exigentes em termos técnicos e de qualidade. Os resultados conseguidos no ano permitiram-nos consolidar a nossa posição financeira com uma redução substancial do passivo e com um volume de investimento que nos permite encarar o futuro com mais tranquilidade. 3

5 ORGÃOS SOCIAIS CORPOS GERENTES - TRIÉNIO 2009/2011 MESA DA ASSEMBLEIA-GERAL Presidente José Ferreira de Almeida e Francisco Dias Antunes - Sociedade de Advogados, representada por Francisco Neves Dias Antunes Fernandes Vice-Presidente Secretário José Alexandre Teixeira de Sousa Machado Paulo Alexandre da Silva Pernes Mota CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Presidente COMISSÃO EXECUTIVA Presidente CONSELHO FISCAL João Manuel Caminha Dotti João Rodrigo Guedes de Castro Pereira José Miguel Duarte Martins Contreiras Celestino Vieira de Freitas Takanori Mikuni João Manuel Caminha Dotti João Rodrigo Guedes de Castro Pereira José Miguel Duarte Martins Contreiras Efectivos Presidente José Jorge da Costa Martins Reimão Pedro Manuel da Silva Leandro (ROC nº 392) Luís Jacinto Pereira Suplente Carlos Pedro Machado de Sousa Góis (ROC nº 597) RELAÇÕES COM O MERCADO Representante João Rodrigo Guedes de Castro Pereira 4

6 A EMPRESA Nascemos em 1973 da fusão de conhecimentos e capitais da Companhia União Fabril (à época o maior grupo empresarial português) e do grupo japonês Mitsubishi. Hoje somos uma Empresa essencialmente exportadora, cotada na Bolsa de Valores de Lisboa e actuando a nível global. O nosso elevado grau de flexibilidade estrutural permite-nos dar resposta rápida às exigências dos Clientes e disponibilizar os recursos necessários à prestação de um vasto leque de Serviços. A certificação do nosso Sistema de Garantia de Qualidade, bem assim como a adesão voluntária ao Programa Actuação Responsável e ao Painel do Ambiente do Barreiro, reafirmam o nosso compromisso no desenvolvimento sustentável e, portanto, no respeito pelo Ambiente. VISÃO ESTRATÉGICA A - Missão (razão de ser da FISIPE) Criar Valor através do desenvolvimento e aperfeiçoamento de fibras acrílicas inovadoras, que satisfaçam eficazmente os requisitos técnicos e económicos dos mercados-alvo, Têxteis e Técnicos, à escala mundial, fomentando a nossa competitividade e a dos nossos Clientes. B - Valores (princípios orientadores da gestão, critérios de decisão) Ética Inovação como factor de progresso Competência Profissional e Desenvolvimento Humano Responsabilidade Social e Ambiental C - Propósito Estratégico (o que queremos ser) Queremos ser uma empresa financeiramente equilibrada e inovadora e uma referência internacional como produtores de fibras acrílicas especiais - nomeadamente fibras pré-tintas e funcionais, fibras para aplicações técnicas e precursor de fibra de carbono. 5

7 GRUPO DE EMPRESAS FISIPE FISIPE - FIBRAS SINTÉTICAS DE PORTUGAL S.A. MUNDITÊXTIL, LDA. 100% FISIGEN, S.A. 49% 6

8 PRINCIPAIS ACONTECIMENTOS Durante o ano de 2009 registaram-se três acontecimentos de grande importância. O principal foi sem dúvida o início de funcionamento da nova central de cogeração, cuja actividade foi iniciada nos últimos dias de Dezembro. A nova central, com uma capacidade de 24 MW, permitirá assegurar o fornecimento de vapor em melhores condições ambientais e operacionais. O investimento ascendeu a 24 milhões de euros e, para a sua concretização, foi constituída uma Sociedade Veículo (FISIGEN), na qual a FISIPE tem uma participação de 49%. O outro acontecimento foi a queda do preço da nossa matéria-prima principal para níveis há muito não verificados. Este factor tornou o acrílico mais competitivo em relação a outras fibras o que, conjugado com o encerramento de várias unidades durante o ano de 2008, provocou uma redução da oferta e uma melhoria considerável nas margens do negócio. Finalmente é de realçar a alteração efectuada no nosso fundo de pensões o qual, na sequência de uma autorização do Instituto de Seguros de Portugal a um requerimento efectuado pela FISIPE, passará a contemplar duas situações: a de benefício definido em que serão incluídos os actuais pensionistas e a de contribuição definida para os efectivos permanentes da empresa. 7

9 A - ACTIVIDADE DA EMPRESA 1. Introdução Em 2009 a zona Euro sofreu a maior recessão económica da sua história. A crise, iniciada no sector financeiro conduziu á paralisia do comércio internacional, ao adiamento das decisões de investimento das empresas e á retracção do consumo. As consequências não se fizeram esperar: queda do PIB em cerca de 5% (acumulado); aumento das taxas de desemprego para perto de 10%; perdas nos balanços das instituições financeiras em cerca de 300 mil milhões de euros (FMI) e aumento da dívida pública dos estados membros de 69,3% em 2008 para 84% em 2010 (Comissão Europeia). Para evitarem o colapso total do sistema, os governos intensificaram as medidas excepcionais de apoio á economia. Foram dadas garantias ao sector financeiro para facilitar a concessão de crédito pela banca aos privados, e foram apresentados pacotes de estímulo á economia: apoio á industria automóvel, combate ao desemprego, aumento do investimento público, etc. Estas medidas impulsionaram o processo de recuperação da economia a partir do segundo semestre. No entanto este crescimento foi alcançado com medidas artificiais pelo que sem qualquer garantia de sustentabilidade. Em 2009 a economia nacional comportou-se melhor do que a média dos países da União Europeia, prevendo-se uma contracção do PIB inferior a 3%. Apesar dos fortes incentivos governamentais ao sistema bancário o ano foi no entanto marcado pelas dificuldades de acesso ao crédito por parte de empresas e particulares. Estas medidas resultaram num aumento significativo do défice público e irão ter um impacto nas taxas de juro de longo prazo. Apesar da recessão económica mundial, o ano foi extremamente positivo para o negócio de fibras acrílicas. A redução brusca do preço do petróleo a partir de finais de 2008 teve uma inevitável repercussão no preço da nossa matéria-prima principal, o acrilonitrilo, o qual em cerca de um mês sofreu uma redução de cerca de 50%. Esta situação provocou inicialmente um fenómeno deflacionista junto dos nossos clientes, pois a expectativa era de uma redução gradual dos preços de venda de fibra acrílica. No entanto, o desaparecimento de algumas unidades no decorrer de 2008, a necessidade de repor stocks e a redução do preço de venda do acrílico, tornando-o mais competitivo em relação a outras fibras, deram origem a um aumento significativo da procura, a qual não tem origem numa retoma da actividade económica mas sim numa redução da oferta. O reduzido preço do acrilonitrilo especialmente na primeira metade do ano permitiu um significativo aumento das margens comerciais em relação a

10 Os resultados líquidos consolidados foram positivos no montante de euros. 2. Enquadramento Macro Económico do Sector e Cadeia de Valor As variáveis exógenas com maior impacto na nossa actividade são indubitavelmente o preço do petróleo, as taxas de câmbio, as taxas de juro, o preço das fibras têxteis concorrentes e, menos directamente, o crescimento do PIB e a situação das balanças de transacção corrente dos países destino das nossas exportações. TAXAS DE CÂMBIO Na Figura abaixo encontra-se registada a evolução das taxas de câmbio entre o euro e as moedas dos principais países em que a FISIPE actua, a partir de 2001: EVOLUÇÃO CAMBIAL - /divisa INDICE = acumulado a Dezembro CAN BRAS CHINA AF.SUL EUA TURK MEX Brazilian real Canadian dollar Chinese yuan renminbi Mexican peso Turkish lira US dollar South African Rand O euro tem-se valorizado contra quase todas as moedas, dificultando dessa forma a exportação de produtos europeus e prejudicando a competitividade das indústrias e serviços. Nos últimos anos é visível a inflexão da moeda da China, que se valorizou face ao dólar, apesar da recente recuperação do mesmo. As moedas da África do Sul, Turquia e México são as que mais se desvalorizaram face ao euro. O dólar Norte-Americano perdeu 30% em 2008 e inverteu a tendência em 2009 tendo-se valorizado. Segundo o Deutsche Bank, em 2010 o dólar cairá para 1,40/ mas, de acordo com outras fontes igualmente credíveis, a taxa de câmbio poderá manter-se na faixa de 1,25-1,30/. A recente valorização do dólar e a forte redução no preço dos produtos petroquímicos perspectivam uma enorme alteração relativamente aos anos de 2008 e

11 - TAXAS DE JURO Na tentativa de relançar a actividade económica e perante a queda acentuada da inflação a partir da segunda metade de 2008, os Bancos centrais iniciaram uma séria de reduções nas taxas de desconto, que tiveram os seguintes efeitos nas taxas interbancárias: USD Libor vs. Target rate dos Fed funds (%). Euribor vs. Taxa Refi (%). Fonte: Bloomberg Fonte: Bloomberg Em contrapartida, a falta de liquidez e a maior percepção do risco por parte dos Bancos comerciais conduziram ao aumento progressivo dos spreads praticados nas operações de financiamento nos últimos meses. Com efeito, o impacto orçamental da recessão e os custos das medidas de estabilização aumentam as necessidades de financiamento públicas para os próximos anos. A dívida pública de Portugal tende a crescer de forma preocupante, embora se mantenha inferior à de outros países da zona euro, como a Itália e a Grécia: Dívida pública (% PIB). Fontes: Comissão Europeia, Goldman Sachs A consequência desta evolução foi o aumento dos spreads aplicados ao financiamento internacional a que Portugal terá que recorrer, com impacto directo nos juros. 10

12 Para 2010, a elevada necessidade de financiamento externo, a restrição nos critérios de concessão de crédito por parte dos investidores internacionais e o cenário de reduzido crescimento para os próximos anos irão reflectir-se no custo de financiamento relativo do Estado, pelo que o impacto negativo nos spreads e as restrições ao crédito irão permanecer: Previsões % Consumo Privado -1,0 0,8 1 Consumo público 2,1 0,2-0,2 Investimento -12,0 0,5 1,5 Exportações -11,2 3,5 4,5 Importações -9,3 3 3,4 PIB -2,8 0,5 1 Défice Orçamental sem rec.extr. 8,0 6,2 5,6 Taxa de inflação média -0,8 0,7 1,8 Taxa média de desemprego 9,3 9,8 9,5 Fonte:BPI A tendência de queda das exportações deverá inverter-se durante o ano de Por outro lado deverá ocorrer uma maior diversificação das mesmas. No quadro seguinte estão realçados alguns dos países destino das nossas exportações: Principais destinos das exportações para fora da União Europeia (Jan-Set 2009) Fonte:BPI Var % Peso contributo Extra EU 22,90% Angola 4,30% 29,00% 0,9 E.Unidos -30,80% 13,00% -4,3 Suíça -3,80% 4,00% -0,1 Brasil -13,20% 4,00% -0,4 México -12,60% 3,00% -0,3 C.verde -15,00% 3,00% -0,4 Marrocos -23,70% 3,00% -0,7 Argélia 17,70% 3,00% 0,3 China 9,00% 3,00% 0,2 Turquia -16,90% 3,00% -0,4 Canadá -28,50% 2,00% -0,6 Moçambique 36,20% 2,00% 0,3 Venezuela 176,60% 2,00% 0,7 Tunísia 60,70% 1,00% 0,4 Rússia -53,30% 1,00% -1,1 Singapura -89,10% 1,00% -7,6 Noruega -26,10% 1,00% -0,3 Total(em milhões de euros)

13 PETRÓLEO Em 2008 assistimos à subida extrema do preço do petróleo, que atingiu um máximo histórico de US$ 136/bbr para o Brent em Agosto, para subitamente entrar em queda acelerada até chegar a níveis inferiores a US$ 50/bbr, os quais foram atingidos no início de A partir do terceiro trimestre os preços voltaram novamente a subir, tendo atingido um pico no mês de Novembro. EVOLUÇÃO DO PREÇO DO PETRÓLEO BRENT Pico Setembro JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ brent $US/barril brent /barril Estas variações de preço reflectiram-se de imediato no preço dos produtos petroquímicos, influenciando fortemente o preço do acrilonitrilo, a matéria-prima principal da fibra acrílica: EVOLUÇÃO DO PREÇO DO PETRÓLEO E DO ACRILONITRILO USD/ton USD/bbr JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ ACN US/ton brent $US/barril 12

14 - MERCADO DO NEGÓCIO DE FIBRAS Acrilonitrilo Como se dizia atrás, a matéria-prima principal da fibra produzida pela FISIPE é o acrilonitrilo, cujo processo de fabrico está esquematizado na Figura abaixo: Cracking Propileno Nafta Acrilonitrilo 3H2+N2 (ar) --->2NH3 Petróleo Refinação Combustíveis Amónia Fonte: FISIPE O preço do acrilonitrilo apresenta uma estreita correlação com o preço do barril de petróleo mas também é influenciado pelas condições de oferta e procura das matérias-primas utilizadas no seu processo de fabrico, nomeadamente o propileno e a amónia. Como se pode verificar no Gráfico abaixo, os preços do acrilonitrilo têm acompanhado os aumentos do petróleo, propileno e amoníaco: ACRILONITRILO E MATÉRIAS PRIMAS 3000 fonte:pci $US/ton ºT 2ºT 3ºT 4ºT 1ºT 2ºT 3ºT 4ºT 1ºT 2ºT 3ºT 4ºT 1ºT 2ºT 3ºT 4ºT 1ºT 2ºT 3ºT 4ºT 1ºT 2ºT 3ºT 4ºT Spread acn Brent Nafta Propileno Amoníaco Custo M.P. ACN 13

15 Perante a quebra de consumo industrial de fibras acrílicas e ABS, que resultou da enorme subida de custos, os spreads obtidos pelos produtores de acrilonitrilo registaram um valor fortemente negativo no 3º trimestre de Esta tendência inverteu-se no 4º trimestre de 2008 face à quebra de procura e à consequente pressão sobre os preços em todas as fases da fileira industrial. Durante o primeiro trimestre de 2009 os spreads dos produtores voltaram novamente a cair, recomeçando depois gradualmente a crescer até final do quarto trimestre de Admitindo como provável uma oscilação do preço do petróleo entre os 40 e os 80 US$/bbr, o preço do acrilonitrilo deverá situar-se entre os 1000 e 1600 US$/t, ou seja, cerca de 18 a 20 vezes o preço do barril de Brent. Os produtores de fibras acrílicas da Europa Ocidental têm conseguido repercutir nos preços da fibra uma parte importante dos enormes aumentos de custo do acrilonitrilo que se têm verificado desde 2003, conforme se pode observar no gráfico seguinte: SPREADS ACN E FIBRA - euros /ton ºT 2ºT 3ºT 4ºT 1ºT 2ºT 3ºT 4ºT 1ºT 2ºT 3ºT 4ºT 1ºT 2ºT 3ºT 4ºT 1ºT 2ºT 3ºT 4ºT 1ºT 2ºT 3ºT 4ºT M.Primas Frete ACN spreadt1 Spread Tow ACN T1 Tow Média Fonte: PCI Como se demonstrará adiante, os aumentos de preço de fibra acrílica desde 2003 têm conduzido à perda de quota de mercado das acrílicas no consumo industrial inter-fibras nas aplicações têxteis, situação dificilmente reversível, ainda que o seu preço se venha a reaproximar do poliéster. Pelas razões atrás referidas, veremos no futuro a fileira do acrilonitrilo, e a fibra acrílica em particular, a tentar encontrar segmentos fora do mercado tradicional têxtil. 14

16 Mercado - Consumo de Fibras Têxteis O consumo industrial das principais fibras têxteis tem tido a seguinte evolução: CONSUMO INDUSTRIAL DE FIBRAS TÊXTEIS - MUNDO 000 ton LÃ ALGODÃO QUIMICAS TOTAL ACRILICA ACRILICA % 4,92% 4,84% 4,86% 4,65% 4,49% 3,94% 3,63% 3,28% 2,65% 2,41% É fácil de concluir que o consumo de ramas têxteis tem perdido quota para os filamentos contínuos, pelo que o crescimento das fibras químicas se deve principalmente aos últimos. As acrílicas continuam a perder quota para as ramas de poliéster, por efeito de um diferencial de preços que persiste e tem mesmo aumentado, devido à maior rivalidade entre os ainda numerosos produtores das últimas. - Preços das Fibras Têxteis PREÇOS FIBRA ACRILICA-POLIESTER-ALGODÃO NA ÁSIA 3,00 2,50 2,00 1,50 USD/kg 1,00 0,50 0,00 1ºT 2ºT 3ºT 4ºT 1ºT 2ºT 3ºT 4ºT 1ºT 2ºT 3ºT 4ºT 1ºT 2ºT 3ºT 4ºT 1ºT 2ºT 3ºT 4ºT 1ºT 2ºT 3ºT 4ºT 1ºT 2ºT 3ºT 4ºT 1ºT 2ºT 3ºT 4ºT 1ºT 2ºT 3ºT 4ºT 1ºT 2ºT 3ºT 4ºT 1ºT 2ºT 3ºT 4ºT 1ºT 2ºT 3ºT 4ºT 1ºT 2ºT 3ºT 4ºT -0, ,00 Acr-Pes Acr-Alg Acrílica Poliester Algodão 15

17 PREÇOS FIBRA ACRILICA-POLIESTER-ALGODÃO NA EUROPA OCIDENTAL 3,50 3,00 2,50 2,00 USD/kg 1,50 1,00 0,50 0,00 1ºT 2ºT 3ºT 4ºT 1ºT 2ºT 3ºT 4ºT 1ºT 2ºT 3ºT 4ºT 1ºT 2ºT 3ºT 4ºT 1ºT 2ºT 3ºT 4ºT 1ºT 2ºT 3ºT 4ºT 1ºT 2ºT 3ºT 4ºT 1ºT 2ºT 3ºT 4ºT 1ºT 2ºT 3ºT 4ºT 1ºT 2ºT 3ºT 4ºT 1ºT 2ºT 3ºT 4ºT 1ºT 2ºT 3ºT 4ºT 1ºT 2ºT 3ºT 4ºT -0, ,00 Acr-Pes Acr-Alg Acrílica Poliester Algodão O diferencial de preço entre a fibra acrílica e o poliéster na Ásia tem vindo a aumentar significativamente, prejudicando a competitividade da primeira. Entre as principais fibras têxteis químicas, as acrílicas são as mais caras, devido ao seu custo de produção, pelo que estarão cada vez mais confinadas às aplicações em que a sua substituição seja mais difícil, nomeadamente artigos de qualidade média alta com características de toque, volume e leveza, e têxteis expostos à intempérie. Esta tem sido a estratégia de desenvolvimento de produtos e mercados seguida pela FISIPE nos últimos anos. 16

18 Produção e Consumo Industrial de Fibra Acrílica - Análise Global do Mercado CONSUMO INDUSTRIAL DE ACRILICAS ton A.NORTE A.LATINA E.OCIDENTAL E.ORIENTAL TURQUIA AF.MED.ORIENTE CHINA ASIA OUTROS Total Têxteis Aplicações Técnicas Grande total Capacidades F. Têxteis Capacidades extra PFC Capacidades Totais Taxa de Utilização 90,6% 83,1% 77,3% 75,1% 76,4% 76,3% 75,4% 74,5% 73,8% 73,2% O Quadro acima evidencia o consumo mundial de fibras acrílicas têxteis e para aplicações técnicas incluindo o precursor de fibra de carbono. Não se conhecem nem são prováveis novos projectos ou expansões de capacidade, sendo mais provável o contrário, mesmo na China. Pode ainda observar-se que o decréscimo no consumo de fibra acrílica tem sido, e vai continuar a ser, apenas parcialmente compensado pelo aumento da procura para aplicações técnicas. Em termos de exportações, a evolução será: As regiões exportadoras continuam a ser a Europa Ocidental e Ásia Outros A China, apesar do crescimento notável das capacidades instaladas, continua a importar, embora em quantidades bastante menores, principalmente especialidades. O grande crescimento deverá ocorrer na área das fibras técnicas, nomeadamente no precursor de fibra de carbono. 17

19 CONSUMO MUNDIAL DE ACRILICAS EM USOS TÉCNICOS ton CARBONO total CARBONO industrial+lazer OUTRAS TÉCNICAS Pigmentadas outdoor (d) Asfalto Argamassas OUTRAS APLICAÇÕES Filtros (a) Papel (b) Abrasivos (c) TOTAL Consumo Total Acrilicas % Técnicas 3,6% 4,2% 5,0% 5,5% 5,9% 6,4% 6,9% 7,5% 8,2% 8,9% - Vendas (Grupo Estratégico da FISIPE - Data Group do CIRFS) As vendas de fibra acrílica do Data Group do CIRFS (Aksa, Dralon, Montefibra e FISIPE) reflectem claramente o desmantelamento da indústria de fiação europeia, iniciado na primeira década e, portanto, cinco anos antes do termo do acordo MFA (Acordo Multifibras): ENTREGAS EUROPA OCIDENTAL - DATA GROUP ton Germany+Austria France+Belgium Italy Spain Greece Portugal UK Nordics Em nove anos, as vendas de fibra acrílica na Europa caíram 80%, de cerca de 300 mil para cerca de 60 mil toneladas. 18

20 As vendas mundiais deste grupo têm vindo a cair também mas a ritmo muito mais atenuado, tendo-se registado um incremento em relação ao ano de 2008, o qual está relacionado com o aumento de competitividade da fibra acrílica durante o ano de 2009: ENTREGAS MUNDIAIS FIBRA ACRÍLICA - DATA GROUP CIRFS ton AMERICA DO NORTE AMERICA LATINA EUROPA OCIDENTAL EUROPA ORIENTAL TURQUIA AF.MED.ORIENTE CHINA ASIA OUTROS 3. Actividade Industrial A fraca procura de fibra acrílica verificada no último trimestre de 2008 e a incerteza quanto à sua evolução levaram à execução de um orçamento conservador para 2009, projectando a produção em toneladas no ano. No ano de 2009, a fábrica desenvolveu a sua actividade industrial utilizando aproximadamente 93% da sua capacidade, fechando o ano com uma produção de toneladas de fibra, 3,1% acima do orçamentado e 1% acima da produção de A FISIPE, em linha com o seu plano estratégico, criou as condições necessárias na fábrica para aproveitar as oportunidades que resultaram do encerramento de várias unidades concorrentes em Destacam-se a melhoria da flexibilidade produtiva e capacidade tecnológica, que permitiu fazer face às exigências dos nichos de mercado conquistados e ao crescimento da produção de fibras especiais e de maior complexidade, têxteis e técnicas, de 48% para 54%. O número de variedades de baixo e muito baixo volume introduzidas pelos produtos especiais conquistados, associado à política de redução de stocks, obrigou à realização de mais 14% de mudanças de variedade e 24% de paragens/arranques de máquinas do que em

21 O regime produtivo e as melhorias implementadas, em associação com a eficiência fabril, proporcionaram ganhos consideráveis nos custos operacionais. Na área da manutenção de equipamentos, em 2009 deu-se início a um programa de investimentos de manutenção na Área SP, com uma grande reparação numa linha de spinning, com o objectivo de melhorar a fiabilidade e disponibilidade da mesma e, consequentemente, a qualidade e produtividade dos respectivos produtos. Relativamente à organização do pessoal de turno, foi concretizada a implementação da 5ª Equipa no dia 1 de Outubro de Esta alteração organizacional tem 4 grandes objectivos: - Fixar um Líder (Chefe de Turno) por equipa como garantia da coesão e da melhoria do desempenho das equipas. - Criar as condições necessárias para proporcionar formação contínua a toda a população da empresa. - Melhorar a gestão de recursos humanos em períodos de férias e outras ausências, reduzindo o trabalho suplementar. - Reduzir os custos associados à realização de tarefas não cíclicas asseguradas por contratos de prestação de serviços. 4. Actividade Comercial Relativamente à actividade comercial, o ano de 2009 iniciou-se com uma grande incerteza face à situação de bloqueio que se verificou no mercado das fibras no final do ano de A partir do início de Fevereiro a procura foi aumentando gradualmente, tendo-se mantido forte e com boas margens durante todo o primeiro semestre. Para este facto contribuiu o encerramento da unidade italiana de produção de fibra acrílica de um nosso concorrente. O aumento da procura no mercado Europeu e a consolidação da nossa posição de líder no mercado Norte Americano dos fios de tricot contribuíram para os atrasos nas entregas nos mercados do médio e extremo oriente, que se agravaram pela falta pontual de matéria-prima no mês de Junho, por limitações na capacidade de produção de fibras tintas muito escuras no mês de Julho e pela paragem geral da fábrica para manutenção em Agosto. No último trimestre foi possível recuperar uma parte substancial dos atrasos mas as margens sofreram uma notável degradação por aumento constante do preço da matéria-prima, que não foi possível compensar integralmente com aumentos dos preços da fibra. No mês de Dezembro, um problema de qualidade na polimerização resultou numa forte redução da produção e, consequentemente, nas vendas. Em termos de vendas dos produtores CIRFS, a FISIPE continuou a aumentar o seu market share global, completamente em contra ciclo com os outros produtores europeus. Mais 20

22 importante ainda foi o aumento das vendas nos mercados de maior margem - Espanha, Itália, USA e Canadá - e a forte redução nos mercados de produtos commodities, como por exemplo o Brasil, onde vendemos menos 70% em volume mas, mesmo assim, subimos o market share CIRFS de 72% para 75%. As vendas de Especialidades representaram 54% das vendas em quantidade e 67% em margem e estão consolidadas em 75% da nossa base de clientes. As vendas de Especialidades não têxteis representaram 5% do total das Especialidades. O novo branco óptico White+, lançado comercialmente em 2008, estabeleceu-se como o produto de referência do mercado Norte-Americano dos fios de tricot. No sector das fibras técnicas, onde se inclui a fibra L62 Binder+ para misturas cimentícias e o L28 Sunlast para aplicações outdoor, subimos 56% as vendas em quantidade e quadruplicámos a margem gerada. Em conclusão, o ano de 2009, após um início muito tímido, revelou forte procura resultante da racionalização do Sector e do dinamismo nos mercados do extremo oriente e terminou com uma situação mais equilibrada. Os preços da fibra, após uma forte descida no final de 2008, mantiveram-se a subir, seguindo a tendência da nossa matéria-prima. A procura mundial de acrílico em 2009 recuperou ligeiramente face a Investigação e Desenvolvimento A actividade de Inovação & Desenvolvimento durante o ano de 2009 foi fortemente centrada no projecto CARBOPAN. Este projecto visa a construção de uma Instalação Piloto para produção de Fibra de Carbono. Esta infra-estrutura é o primeiro investimento corpóreo enquadrado no processo de reconversão parcial da FISIPE para produção de precursor de fibra de carbono. A sua construção e montagem decorrerão entre Dezembro de 2009 e Março de Em Abril de 2010, com o arranque desta instalação, a FISIPE disporá de uma importante ferramenta para optimização do produto que será a grande aposta da empresa no médio prazo: o Precursor de Fibra de Carbono. Durante 2009, a FISIPE submeteu mais duas candidaturas ao sistema de incentivos I&DT do QREN: os projectos POLYBLEND e ACRYFORCE. O primeiro - POLYBLEND - foi aprovado com distinção e trata-se de um projecto de desenvolvimento fundamental de fibras híbridas incorporando simultaneamente polímeros de origem natural e polímeros sintéticos de origem petroquímica (poliacrilonitrilo e outros). O objectivo é assim combinar as diferentes propriedades dos polímeros individuais para potenciar novas funcionalidades ou propriedades no produto final. A incorporação de polímeros naturais mais ecoeficientes, de preço mais reduzido e produzidos com matérias-primas nacionais e renováveis permitirá ainda minimizar o impacto negativo da dependência exclusiva de 21

RELATÓRIO SOBRE O GOVERNO DAS SOCIEDADES

RELATÓRIO SOBRE O GOVERNO DAS SOCIEDADES Capital Social: 115.000.000 Capital Próprio a 30 de Junho de 2009: ( 11.790.198) Sede: Av. General Norton de Matos Estádio do Sport Lisboa e Benfica 1500-313 Lisboa Matriculada na Conservatória do Registo

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas II Situação Económico-Financeira Balanço e Contas Esta parte do Relatório respeita à situação económico-financeira da Instituição, através da publicação dos respectivos Balanço e Contas e do Relatório

Leia mais

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt 30 27 Evolução do Preço CO2 Jan 06 - Fev 07 Spot Price Powernext Carbon Jan de 2006 a Fev 2007 Spot CO2 (30/01/07) Preço Δ Mensal 2,30-64.50% 2007 2,35-64,4% 2008 15.30-16,16% Futuro Dez 2009 2010 15.85

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 310 CONHECIMENTO DO NEGÓCIO Outubro de 1999 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1-7 Obtenção do Conhecimento 8-13 Uso do Conhecimento 14-18 Apêndice Matérias a Considerar no Conhecimento

Leia mais

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada Angola Setembro 2009 No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada I.- Evolução recente das reservas cambiais 1. O dado mais relevante a assinalar na evolução da conjuntura económica e financeira

Leia mais

(Não auditadas) Segundo a Norma Internacional de Contabilidade 34. Relato Financeiro Intercalar

(Não auditadas) Segundo a Norma Internacional de Contabilidade 34. Relato Financeiro Intercalar (Não auditadas) Segundo a Norma Internacional de Contabilidade 34 Relato Financeiro Intercalar ÍNDICE Órgãos Sociais 2 A Empresa e a sua Visão Estratégica 3 Grupo de Empresas 4 RELATÓRIO DE GESTÃO 1. Introdução

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Mudanças recentes na situação socioeconómica portuguesa A evolução recente da economia portuguesa têm-se caracterizado por um

Leia mais

(Não auditadas) Segundo a Norma Internacional de Contabilidade 34. Relato Financeiro Intercalar

(Não auditadas) Segundo a Norma Internacional de Contabilidade 34. Relato Financeiro Intercalar (Não auditadas) Segundo a Norma Internacional de Contabilidade 34 Relato Financeiro Intercalar QUEM SOMOS Nascemos em 1973 da fusão de conhecimentos e capitais da Companhia União Fabril (à época o maior

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

Europac obtém um Ebitda de 49,73 milhões

Europac obtém um Ebitda de 49,73 milhões Europac obtém um Ebitda de 49,73 milhões Neste trimestre obtém 17,94 milhões, cerca de 25% superior ao segundo trimestre deste ano Só o Ebitda de 2007, o melhor ano desde que a companhia é cotada em Bolsa,

Leia mais

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida

Leia mais

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Nos termos da Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 26 de Julho, que aprovou o Programa para a Produtividade e o Crescimento da Economia, foi delineado

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

APROVADO POR DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE 15 DE SETEMBRO DE 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SONAE SGPS, SA

APROVADO POR DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE 15 DE SETEMBRO DE 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SONAE SGPS, SA APROVADO POR DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE 15 DE SETEMBRO DE 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SONAE SGPS, SA ARTIGO 1.º COMPOSIÇÃO DO CONSELHO E COMISSÕES 1. O Conselho de

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Objectivos do Capítulo

Objectivos do Capítulo Objectivos do Capítulo Descrever a função de finanças da Multinacional e mostrar como se enquadra na estrutura organizacional das MNE s Mostrar como as empresas adquirem fundos externos para operações

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Maio 2011 Indicador de Sentimento Económico Os indicadores de sentimento económico da União Europeia e da Área

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas 1- INTRODUÇÃO A lei das Finanças Locais (Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiros) veio determinar a obrigatoriedade da consolidação de contas para os Municípios que detenham serviços municipalizados e/ou a totalidade

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP 29.07.2010 REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A.

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. Nos termos e para os efeitos do disposto no artigo 2.º, n.º 1, da Lei n.º 28/2009, de 19

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

Recomendações da CMVM sobre o Governo das Sociedades Cotadas

Recomendações da CMVM sobre o Governo das Sociedades Cotadas Recomendações da CMVM sobre o Governo das Sociedades Cotadas Introdução O desenvolvimento dos mercados de valores mobiliários tem conduzido a uma intensa reflexão sobre a estrutura e o controlo das sociedades

Leia mais

Reestruturação da Sonae Indústria prosseguiu como planeado durante o exercício de 2000

Reestruturação da Sonae Indústria prosseguiu como planeado durante o exercício de 2000 Informação à Imprensa 8 de Março de 2001 Reestruturação da Sonae Indústria prosseguiu como planeado durante o exercício de 2000 As vendas da Sonae Indústria no exercício de 2000 ascenderam a Euro 1 294

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 1/2010 Governo das Sociedades Cotadas

Regulamento da CMVM n.º 1/2010 Governo das Sociedades Cotadas Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República. Regulamento da CMVM n.º 1/2010 Governo das Sociedades Cotadas As alterações normativas recentes, quer a nível interno, quer a nível

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Janeiro de 2009 Resultados para Portugal I. Apreciação Geral De acordo com os resultados do inquérito realizado em Janeiro de 2009, os cinco grupos bancários

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

O FUTURO DA ZONA EURO. José da Silva Lopes

O FUTURO DA ZONA EURO. José da Silva Lopes O FUTURO DA ZONA EURO José da Silva Lopes IDEFF, 29-11-2011 1 VIAS ALTERNATIVAS PARA FAZER FACE À CRISE DA ZONA EURO As propostas que têm vindo a ser apresentadas por economistas, comentadores e políticas

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª Financiar o investimento para dever menos Em Março de 2009 o do PCP apresentou o Projeto de Resolução nº 438/X Medidas de combate à crise económica e social que, entre

Leia mais

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. Sociedade Aberta Rua Carlos Alberto da Mota Pinto, nº 17 6A, 1070-313 Lisboa Portugal Capital

Leia mais

FISIPE a via Europeia para entrar no negócio da Fibra de Carbono. Março 2012 Instituto de Defesa Nacional 1

FISIPE a via Europeia para entrar no negócio da Fibra de Carbono. Março 2012 Instituto de Defesa Nacional 1 FISIPE a via Europeia para entrar no negócio da Fibra de Carbono Março 2012 Instituto de Defesa Nacional 1 Fibra de Carbono um negócio com fortes barreiras à entrada Precursor Custos de Operação Tecnologia

Leia mais

10º Fórum da Indústria Têxtil. Que Private Label na Era das Marcas?

10º Fórum da Indústria Têxtil. Que Private Label na Era das Marcas? Que Private Label na Era das Marcas? Vila Nova de Famalicão, 26 de Novembro de 2008 Manuel Sousa Lopes Teixeira 1 2 INTELIGÊNCIA TÊXTIL O Sector Têxtil e Vestuário Português e o seu enquadramento na Economia

Leia mais

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 UNIÓN EUROPEA 1 de junio de 2011 3. SUMÁRIO EXECUTIVO A avaliação do Plano de

Leia mais

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Cenário de referência O estudo WETO apresenta um cenário de referência que descreve a futura situação energética

Leia mais

Capítulo I Denominação, sede e objecto. Artigo 1º. (Firma e sede) Artigo 2º. (Agências, filiais, delegações e outras formas de representação)

Capítulo I Denominação, sede e objecto. Artigo 1º. (Firma e sede) Artigo 2º. (Agências, filiais, delegações e outras formas de representação) Capítulo I Denominação, sede e objecto Artigo 1º (Firma e sede) 1 - A sociedade adopta a firma de APOR - Agência para a Modernização do Porto, S.A. e tem a sua sede na Rua Justino Teixeira, nº 861, 4300-281

Leia mais

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 Abrandamento da atividade económica mundial ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1.1. Evolução da conjuntura internacional A atividade económica mundial manteve o abrandamento

Leia mais

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1.

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1. Jan-04 Jan-05 Jan-06 Jan-07 Jan-08 Jan-09 Jan-10 Jan-11 Jan-12 Análise de Conjuntura Fevereiro 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9

Leia mais

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007 26 de Outubro de 2010 Actividade do Bank Millennium (Polónia) no 3º Trimestre de 2010 O Banco Comercial Português, S.A. informa que o Bank Millennium S.A. com sede em Varsóvia, Polónia, entidade na qual

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2013 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

Análise de Conjuntura

Análise de Conjuntura Análise de Conjuntura Novembro 2006 Associação Industrial Portuguesa Confederação Empresarial Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico de Outubro de 2006 apresenta uma melhoria

Leia mais

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas)

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas) COMUNICADO 9M 2015 (Contas não auditadas) 30 novembro 2015 1 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial e as

Leia mais

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco IP/98/305 Bruxelas, 31 de Março de 1998 A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco A Comissão Europeia lançou uma vasta iniciativa para promover o desenvolvimento de um importante mercado

Leia mais

PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010

PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 17.6.2010 COM(2010) 315 final PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010 MAPA DE RECEITAS E DE DESPESAS POR SECÇÃO Secção II Conselho Europeu e Conselho

Leia mais

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação 1 Incentivos financeiros à internacionalização Em 2010 os incentivos financeiros à internacionalização, não considerando

Leia mais

. INFORMAÇÃO E EMITENTES MOBILIÁRIOS

. INFORMAÇÃO E EMITENTES MOBILIÁRIOS . INFORMAÇÃO 4.. I E EMITENTES DE VALORES MOBILIÁRIOS 4. Informação e Emitentes de Valores Mobiliários O QUE É PRECISO SABER PARA INVESTIR EM VALORES MOBILIÁRIOS? A informação desempenha um papel fundamental

Leia mais

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida Existência de comissões Possibilidade de exigência

Leia mais

A. E. / P T Comunicações PROPOSTA DE REVISÃO * 2009

A. E. / P T Comunicações PROPOSTA DE REVISÃO * 2009 STPT Sindicato dos Trabalhadores 1 do Grupo Portugal Telecom Fundamentação Económica A. E. / P T Comunicações PROPOSTA DE REVISÃO * 2009 A proposta de revisão do AE/PT-C que para efeitos de negociação

Leia mais

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Av. Fontes Pereira de Melo, 14 10º -1050-121 Lisboa Capital Social: 118.332.445 Euros - NIPC e Mat. na C.R.C. de Lisboa sob

Leia mais

Instrumentos e Mercados Financeiros A crise do Subprime no mercado Norte-Americano Introdução

Instrumentos e Mercados Financeiros A crise do Subprime no mercado Norte-Americano Introdução Instrumentos e Mercados Financeiros A crise do Subprime no mercado Norte-Americano Introdução Noção do Subprime Causas da crise Consequências da crise A crise subprime em Portugal Previsões para as economias

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

MASTER EM DIRECÇÃO DE COMÉRCIO INTERNACIONAL E DE MARKETING OBJECTIVOS DO PROGRAMA A Escola de Negócios EUDEM apresenta o seu programa MCIM - Master em Direcção de Comércio Internacional e de Marketing,

Leia mais

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Senhores Accionistas, De acordo com o disposto na Lei e nos Estatutos, vem o Conselho de Administração apresentar o seu Relatório de Gestão, o Balanço e Contas, bem

Leia mais

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica.

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica. INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CONFERÊNCIA «O QUE FAZER POR PORTUGAL? MEDIDAS PARA ULTRAPASSAR A CRISE», SOB O TEMA «AS PESSOAS E AS EMPRESAS

Leia mais

Estatutos - Hospitais E.P.E.

Estatutos - Hospitais E.P.E. Estatutos - Hospitais E.P.E. ANEXO II ao Decreto-Lei n.º 233/05, de 29 de Dezembro ESTATUTOS CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 1.º Natureza e duração 1 - O hospital E. P. E. é uma pessoa colectiva de

Leia mais

Apresentação de Resultados 2009. 10 Março 2010

Apresentação de Resultados 2009. 10 Março 2010 Apresentação de Resultados 2009 10 Março 2010 Principais acontecimentos de 2009 Conclusão da integração das empresas adquiridas no final de 2008, Tecnidata e Roff Abertura de Centros de Serviços dedicados

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

PROJECTO DE FUSÃO. Marinha Grande, 24 de Abril de 2007

PROJECTO DE FUSÃO. Marinha Grande, 24 de Abril de 2007 Este documento, apresentado como Modelo de Projecto de Fusão, resulta de um caso (processo de fusão) real. Na conjuntura actual, em que as entidades empresariais cada vez mais encaram processos de reorganização

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2013

RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2014 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

Auxílio estatal N 80/2010 Portugal Prorrogação do regime de recapitalização português

Auxílio estatal N 80/2010 Portugal Prorrogação do regime de recapitalização português COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 17.3.2010 C(2010)1733 final Assunto: Auxílio estatal N 80/2010 Portugal Prorrogação do regime de recapitalização português Excelência, I. ASPECTOS PROCESSUAIS 1. Em 20 de Maio

Leia mais

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES Crescimento de volume de negócios: + 5.1% a valores e taxas

Leia mais

政 府 機 關 通 告 及 公 告 AVISOS E ANÚNCIOS OFICIAIS

政 府 機 關 通 告 及 公 告 AVISOS E ANÚNCIOS OFICIAIS N.º 12 27-3-2015 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU II SÉRIE 2.º SUPLEMENTO 5241 政 府 機 關 通 告 及 公 告 AVISOS E ANÚNCIOS OFICIAIS 澳 門 金 融 管 理 局 AUTORIDADE MONETÁRIA DE MACAU 通 告 澳 門

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 06 / SI / 2012

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 06 / SI / 2012 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 06 / SI / 2012 SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO DE PME) PROGRAMA ESTRATÉGICO +E+I VALE PROJETO SIMPLIFICADO

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010 I. Balança de Pagamentos As contas externas mostram de forma resumida as relações económicas entre residentes e nãoresidentes

Leia mais

ESTATUTOS DA APL - ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE LISBOA, S. A.

ESTATUTOS DA APL - ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE LISBOA, S. A. ESTATUTOS DA APL - ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE LISBOA, S. A. CAPÍTULO I Denominação, duração, sede e objecto Artigo 1.º Denominação e duração 1 - A sociedade adopta a forma de sociedade anónima de capitais

Leia mais

Portugal Forte crescimento no início do ano

Portugal Forte crescimento no início do ano 8 Abr ANÁLISE ECONÓMICA Portugal Forte crescimento no início do ano Miguel Jiménez / Agustín García / Diego Torres / Massimo Trento Nos primeiros meses do ano, a retoma do consumo privado teria impulsionado

Leia mais

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR Prioridades Estratégicas Indústria Portuguesa Agro-Alimentar Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares XI LEGISLATURA 2009-2013 XVIII

Leia mais

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica 27 de Janeiro, 2010 13ª edição Anual do CEO Survey da PricewaterhouseCoopers em Davos Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica Cerca de 40% dos CEOs prevê aumentar o número de colaboradores

Leia mais

Tendo em conta objectivos de sistematização dos relatórios de controlo interno, em base individual e consolidada;

Tendo em conta objectivos de sistematização dos relatórios de controlo interno, em base individual e consolidada; Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 3/2006 Considerando que todas as instituições de crédito e sociedades financeiras, bem como os grupos financeiros, devem possuir um sistema de controlo interno adaptado

Leia mais

Reforma da Segurança Social Prioridade Estratégica Nacional

Reforma da Segurança Social Prioridade Estratégica Nacional INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL Reforma da Segurança Social Prioridade Estratégica Nacional - A ligação entre os Fundos de Pensões e o 1 Os Fundos de Pensões em Portugal Início em 1987 Fundos de Pensões

Leia mais

Prospecto Informativo Invest Sectores Essenciais Junho 2015

Prospecto Informativo Invest Sectores Essenciais Junho 2015 Prospecto Informativo Invest Sectores Essenciais Junho 2015 Junho de 2015 Designação: Invest Sectores Essenciais Junho 2015 Classificação: Caracterização do Depósito: Produto financeiro complexo Depósito

Leia mais

Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010

Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010 Economia Angolana Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010 I. Nota Prévia Nesta edição do Boletim Económico do BAIE foi decidido inserir, para além da habitual informação e comentário sobre a evolução

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31 Índice LISTA DE SÍMBOLOS 17 PREFÁCIO 23 INTRODUÇÃO 25 Capítulo 1 O processo de criação de moeda 1. Conceitos básicos 31 1.1. Moeda e outros activos de uma economia 31 1.2. Sector monetário de uma economia

Leia mais

Resultados Consolidados

Resultados Consolidados Resultados Consolidados 2013 1. MENSAGEM DO PRESIDENTE DA COMISSÃO EXECUTIVA 2013 constitui um marco no processo de reposicionamento e recuperação da Inapa. Para além da melhoria do desempenho económico

Leia mais

A Comissão de Auditoria e Controlo tem entre outras as seguintes competências:

A Comissão de Auditoria e Controlo tem entre outras as seguintes competências: RELATÓRIO DAS ACTIVIDADES DA COMISSÃO DE AUDITORIA E CONTROLO DESENVOLVIDAS NO EXERCÍCIO DE 2011 I Introdução O âmbito de actuação da Comissão de Auditoria e Controlo da EDP Renováveis, SA, como Comissão

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Mercados. informação de negócios. Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado

Mercados. informação de negócios. Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Mercados informação de negócios Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Dezembro 2011 Índice 1. Oportunidades 03 1.1 Pontos Fortes 03 1.2 Áreas de Oportunidade 03 2. Dificuldades 04 2.1 Pontos Fracos

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

Regulamento da CMVM 12/2005, de 9 de Dezembro - II Série nº 235

Regulamento da CMVM 12/2005, de 9 de Dezembro - II Série nº 235 Regulamento da CMVM 12/2005, de 9 de Dezembro - II Série nº 235 Contabilidade das sociedades e fundos de capital de risco A alteração do Decreto-Lei n.º 319/2002, de 28 de Dezembro, pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO Mercado Economico em Angola - 2015 Caracterização Geográfica de Angola Caracterização da economia Angolana Medidas para mitigar o efeito da redução do

Leia mais