CONHECIMENTOS BANCÁRIOS Prof. Cid Roberto ( ) Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONHECIMENTOS BANCÁRIOS Prof. Cid Roberto (8141-4045) prof.bancario@gmail.com Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut)"

Transcrição

1 CONHECIMENTOS BANCÁRIOS Prof. Cid Roberto ( ) Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) I. Sistema Financeiro Nacional 1. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional 1.1 Órgãos Normativos 1.2 Entidades Supervisoras 1.3 Operadores II. Noções de políticas: 1. Política Econômica 2. Política Monetária 2.1 Instrumentos de política monetária III. Mercados 1. Mercado Monetário 2. Mercado de Crédito 3. Mercado de Capitais 4. Mercado de Câmbio IV. Mercado Financeiro 1. Órgãos normativo/fiscalizador 1.1 Conselho Monetário Nacional 1.2 Banco Central do Brasil COPOM - Comitê de Política Monetária do Banco Central Cadastro de Clientes do Sistema Financeiro Nacional CCS 1.3 Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional 2. Instituições Operadoras 2.1 Bancos comerciais 2.2 Caixa Econômica Federal 2.3 Cooperativas de crédito 2.4 Bancos comerciais cooperativos 2.5 Bancos de investimento 2.6 Bancos de desenvolvimento Bancos Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) 2.7 Sociedades de crédito, financiamento e investimento 2.8 Sociedades de arrendamento mercantil 2.9 Sociedades de Crédito Imobiliário 2.10 Associações de poupança e empréstimo 2.11 Bancos Múltiplos Banco do Brasil IV. Mercado Financeiro 3. Produtos e Serviços Bancários 3.1 Operações Passivas Depósitos à Vista Depósitos a prazo (CDB e RDB) Cadernetas de poupança 3.2 Operações Ativas Financiamento de capital fixo Financiamento de capital de giro Crédito direto ao consumidor Crédito rotativo Cheque Especial Contas garantidas Descontos de títulos Hot money Vendor finance Compror finance Leasing (tipos, funcionamento, bens) 3.3 Operações Acessórias Cobrança e pagamento de títulos, boletos e carnês Arrecadação de tributos e tarifas públicas Transferências automáticas de fundos Home/office banking Remote banking Banco virtual Dinheiro de plástico Cartões de crédito Conceitos de corporate finance Órgãos normativos Entidades supervisoras Operadores Conselho Monetário Nacional - CMN Banco Central do Brasil - Bacen Instituições financeiras captadoras de depósitos à vista Demais instituições financeiras Bancos de Câmbio Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros Comissão de Valores Mobiliários - CVM Bolsas de mercadorias e futuros Bolsas de valores Conselho Nacional de Seguros Privados - CNSP Superintendência de Seguros Privados - Susep Resseguradores Sociedades seguradoras Sociedades de capitalização Entidades abertas de previdência complementar Conselho de Gestão da Secretaria de Previdência Previdência Complementar Complementar - SPC - CGPC Entidades fechadas de previdência complementar (fundos de pensão) Fonte: (consulta em ) Grancursos Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Prof. Cid Roberto Página 1/30

2 I. Sistema Financeiro Nacional 1. Estrutura 1 do Sistema Financeiro 2 Nacional 3 Sistema conjunto de partes, componentes, que interagem entre si, de forma ordenada, a fim de atingir um objetivo comum. De acordo com o conceito, todos os sistemas têm partes que interagem entre si, possuem ordem ou normas e visam um objetivo comum. Assim, poderíamos fazer as seguintes associações: sistema partes ordenamento/ normas Solar Transporte Financeiro Nacional planetas, estrelas, satélites, etc. vias, veículos, passageiros, etc. entidades supervisoras, entidades financeiras, entidades auxiliares, PF e PJ, etc. 1.1 Órgãos Normativos leis da gravidade, física, etc. código de trânsito leis, decretos, resoluções, normas, códigos, etc. objetivo manter o equilíbrio dos corpos celestes transportar cargas e passageiros circular as finanças da nação brasileira; encontro dos superavitários com os deficitários Têm a atribuição de traçar as linhas gerais que devem ser observadas na parte do Sistema Financeiro que está a cargo de cada uma delas. Não executam coisa alguma. São o Conselho Monetário Nacional - CMN, o Conselho Nacional de Seguros Privados - CNSP e o Conselho de Gestão da Previdência Complementar - CGPC. 1.2 Entidades Supervisoras Executam o que foi determinado pelos órgãos normativos, cabendo supervisionar, fiscalizar, acompanhar e punir os operadores do Sistema Financeiro, dentro das atribuições definidas para cada uma delas. São o Banco Central do Brasil - Bacen, a Comissão de Valores Mobiliários - CVM, a Superintendência de Seguros Privados Susep e a Secretaria de Previdência Complementar SPC. 1.3 Operadores São todos aqueles que fazem efetivamente o Sistema Financeiro Nacional alcançar o seu objetivo de proporcionar o encontro dos superavitários com os deficitários, cabendo-lhes observar as regras definidas pelos órgãos normativos e que são implementadas pelas entidades supervisoras. Ao longo dos nossos doze encontros iremos ver cada um desses operadores que constam do edital BRB 2009, divulgado pelo Cespe, bem como serão apresentados os instrumentos que viabilizam as operações no Sistema Financeiro Nacional. II. Noções de políticas: Como política, entende-se as regras, os procedimentos, as articulações que são feitas com o fim de alcançar-se algum objetivo. 1. Política Econômica A política econômica consiste no conjunto de ações governamentais que são planejadas para atingir determinadas finalidades relacionadas com a situação econômica do Brasil. Os instrumentos da política econômica são: política fiscal tem a ver com os gastos públicos e os impostos; política monetária diz respeito com a moeda e os títulos públicos (dívida pública interna); política cambial tem a ver às moedas estrangeiras; política creditícia - diz respeito à concessão de créditos. 2. Política Monetária Diz respeito à moeda nacional. São os procedimentos que o governo adota para regular a oferta (quantidade) da moeda em circulação na economia nacional Instrumentos de política monetária São três, basicamente, os instrumentos utilizados pelo governo: compra e venda de títulos públicos (operações do mercado aberto) quando o governo vende (lança) títulos no mercado ele retira moeda da economia e quando compra títulos ele coloca moeda na economia; depósitos compulsórios corresponde a um percentual das captações que os bancos são obrigados a recolher ao Banco Central; quanto maior o percentual do compulsório menos moeda na economia e vice-versa; e controle da taxa de juros quanto maior a taxa de juros menos pessoas estarão dispostas a tomar dinheiro emprestado, resultando em menos moeda na economia. III. Mercados O setor financeiro da economia é constituído por quatro segmentos definidos pelos tipos de operações que os caracterizam e pelos fins a que se destinam. O termo mercado é usualmente empregado na designação destes segmentos. Nesses segmentos acontecem o encontro das pessoas ou empresas que têm dinheiro e as pessoas ou empresas que precisam de dinheiro. Para que esse encontro aconteça, as instituições financeiras fazem o papel de intermediárias. Desta forma, os quatro segmentos do setor financeiro correspondem a quatro mercados: mercado monetário mercado de crédito mercado de capitais mercado de câmbio Grancursos Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Prof. Cid Roberto Página 2/30

3 1 Mercado Monetário É neste mercado que se estabelece o nível de liquidez geral da economia, definido pelo suprimento de moeda, em seu conceito estrito e convencional constituída pelo papelmoeda e pela moeda escritural, esta última correspondendo aos depósitos à vista no sistema bancário. O Banco Central, na qualidade de autoridade monetária, é o regulador do nível dos estoques monetários. Para compatibilizar, no dia-a-dia o nível desses estoques com a desejada liquidez da economia, as autoridades monetárias operam neste mercado junto a uma rede de intermediários financeiros, através da qual injeta ou retira recursos. Neste mercado, de alta sensibilidade e de grandes montantes negociados, as operações são de curtíssimo prazo, lastreadas por títulos repassados pelo Banco Central. Essas operações com títulos públicos realizadas pelo Banco Central no mercado monetário são chamadas de Operações no Mercado Aberto. 2 Mercado de Crédito As operações neste mercado têm prazos curto, médio e longo, com a finalidade de oferecer o financiamento do consumo das pessoas físicas, do capital fixo e do capital de giro das empresas. Esse processo envolve concessores de crédito (instituições financeiras) e tomadores finais (pessoas físicas e jurídicas), com normas preestabelecidas, tais como valor da operação, destino do uso, custo do crédito, prazo, prazo, garantias oferecidas e forma de liquidação. 3 Mercado de Capitais O mercado de capitais é um sistema de distribuição de valores mobiliários, que tem o propósito de proporcionar liquidez aos títulos de emissão de empresas e viabilizar seu processo de capitalização. É constituído pelas bolsas de valores, sociedades corretoras e outras instituições financeiras autorizadas. Neste mercado são negociados os valores mobiliários que são títulos emitidos pelas empresas sociedades anônimas, que representam para aqueles que adquirem esses títulos um investimento com determinado grau de risco. No mercado de capitais, os principais títulos são os representativos do capital de empresas as ações ou de empréstimos tomados, via mercado, por empresas debêntures e commercial papers que permitem a circulação de capital para custear o desenvolvimento econômico. As operações que ocorrem no mercado de capitais, bem como seus participantes são reguladas pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM). 4 Mercado de Câmbio Esse mercado viabiliza as transações com moedas estrangeiras. Seu prazo é à vista ou de curto prazo, tem por finalidade a transformação de valores de moeda estrangeira em moeda nacional ou vice-versa; sua intermediação é por meio do sistema bancário e auxiliar. IV. Mercado Financeiro No mercado financeiro acontece o encontro das pessoas ou empresas que têm dinheiro e as pessoas ou empresas que precisam de dinheiro. Para que esse encontro aconteça, as instituições financeiras fazem o papel de intermediárias. O mercado financeiro leva o dinheiro de quem tem para quem não tem, cobrando uma taxa que chamamos juros. Pagam juros os que tomam dinheiro emprestado e recebem juros aqueles que aplicam suas sobras de recursos nas instituições financeiras. 1. Órgãos normativos/fiscalizadores 1.1 Conselho Monetário Nacional O Conselho Monetário Nacional (CMN) foi instituído pela Lei 4.595, de 31 de dezembro de É o órgão deliberativo máximo do Sistema Financeiro Nacional. É o órgão responsável por expedir diretrizes gerais para o bom funcionamento do SFN. Dentre suas funções estão: adaptar o volume dos meios de pagamento às reais necessidades da economia; regular o valor interno e externo da moeda e o equilíbrio do balanço de pagamentos; orientar a aplicação dos recursos das instituições financeiras; propiciar o aperfeiçoamento das instituições e dos instrumentos financeiros; zelar pela liquidez e solvência das instituições financeiras; coordenar as políticas monetária, creditícia, orçamentária, fiscal e da dívida pública interna e externa; regular as condições de constituição, funcionamento e fiscalização das instituições financeiras. É constituído pelo Ministro de Estado da Fazenda (Presidente), pelo Ministro de Estado do Planejamento e Orçamento e pelo Presidente do Banco Central do Brasil (Bacen). Os serviços de secretaria do CMN são exercidos pelo Bacen. 1.2 Banco Central do Brasil É uma autarquia 4 vinculada ao Ministério da Fazenda. Cabe ao Bacen fazer com que sejam implementadas e cumpridas as decisões do CMN, em especial, no que diz respeito ao mercado financeiro. Tem o papel de executar as políticas definidas pelo CMN, fiscalizando o SFN. Banco dos bancos - depósitos compulsórios e redesconto de liquidez. Gestor do SFN - normas, autorizações, fiscalização e intervenção. Executor da política monetária - controle dos meios de pagamento liquidez do mercado. Grancursos Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Prof. Cid Roberto Página 3/30

4 Banco emissor - orçamento monetário, instrumentos de política monetária, emissão e saneamento do meio circulante. Banqueiro do governo - gestor e fiel depositário das reservas internacionais do país, e representante do país diante das instituições financeiras internacionais. O Banco Central do Brasil será administrado por uma diretoria composta de oito membros, um dos quais será seu Presidente, todos nomeados pelo Presidente da República, entre brasileiros de ilibada reputação e notória capacidade em assuntos econômico-financeiros. Compete: controle monetário, serviço do meio circulante, autorizar o funcionamento das instituições financeiras, fixar normas para o funcionamento das instituições financeiras, fiscalização, depositário das reservas internacionais no Brasil, controle sobre o capital estrangeiro no Brasil, política cambial, fixar e recolher os depósitos compulsórios COPOM - Comitê de Política Monetária do Banco Central O Copom foi instituído em 20 de junho de 1996, com o objetivo de estabelecer as diretrizes da política monetária e de definir a taxa de juros. As decisões do Copom têm como objetivo cumprir as metas para a inflação definidas pelo Conselho Monetário Nacional. O regime de metas para a inflação é um regime monetário no qual o Banco Central se compromete a atuar de forma a garantir que a inflação observada esteja em linha com uma meta pré-estabelecida, anunciada publicamente. Formalmente, os objetivos do Copom são "implementar a política monetária, definir a meta da Taxa Selic e seu eventual viés, e analisar o 'Relatório de Inflação'". A taxa de juros fixada na reunião do Copom é a meta para a Taxa Selic (taxa média dos financiamentos diários, com lastro em títulos federais, apurados no Sistema Especial de Liquidação e Custódia), a qual vigora por todo o período entre reuniões ordinárias do Comitê. Se for o caso, o Copom também pode definir o viés, que é a prerrogativa dada ao presidente do Banco Central para alterar, na direção do viés, a meta para a Taxa Selic a qualquer momento entre as reuniões ordinárias. As reuniões do Copom acontecem com o intervalo de cerca de 45 dias, totalizando oito por ano. As atas das reuniões devem ser divulgadas até seis dias úteis após a reunião Cadastro de Clientes do Sistema Financeiro Nacional CCS O Cadastro de Clientes do Sistema Financeiro Nacional (CCS) é um sistema informatizado, que permitirá indicar onde os clientes de instituições financeiras mantêm contas de depósitos à vista, depósitos de poupança, depósitos a prazo e outros bens, direitos e valores, diretamente ou por intermédio de seus representantes legais e procuradores. O Cadastro NÃO conterá dados de valor, de movimentação financeira ou de saldos de contas/aplicações. O Cadastro visa dar cumprimento ao artigo 3º da Lei , de 9/7/2003, que incluiu dispositivo na Lei de Lavagem de Dinheiro (Lei 9.613/98, artigo 10A), determinando que o Banco Central "manterá registro centralizado formando o cadastro geral de correntistas e clientes de instituições financeiras, bem como de seus procuradores. O principal objetivo do CCS é auxiliar nas investigações financeiras conduzidas pelas autoridades competentes, mediante requisição de informações pelo Poder Judiciário (ofício eletrônico), ou por outras autoridades, quando devidamente legitimadas. As regras relativas ao sigilo bancário e ao direito à privacidade serão observadas em toda a implantação e operação do CCS. 1.3 Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional E um órgão colegiado, de segundo grau, integrante da estrutura do Ministério da Fazenda. O Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional é constituído por oito Conselheiros, possuidores de conhecimentos especializados em assuntos relativos aos mercados financeiro, de câmbio, de capitais, e de crédito rural e industrial, observada a seguinte composição: I - um representante do Ministério da Fazenda (Minifaz); II - um representante do Banco Central do Brasil (Bacen); III - um representante da Secretaria de Comércio Exterior (MIDIC); IV - um representante da Comissão de Valores Mobiliários (CVM); V - quatro representantes das entidades de classe dos mercados afins, por estas indicados em lista tríplice. As entidades de classe que integram o CRFSN são as seguintes: Abrasca (Associação Brasileira das Companhias Abertas), Anbid (Associação Nacional dos Bancos de Investimento), CNBV (Comissão de Bolsas de Valores), Febraban (Federação Brasileira das Associações de Bancos), Abel (Associação Brasileira das Empresas de Leasing), Adeval (Associação das Empresas Distribuidoras de Valores), AEB (Associação de Comércio Exterior do Brasil), sendo que os representantes das quatro primeiras entidades têm assento no Conselho como membrostitulares e os demais, como suplentes. Tanto os Conselheiros Titulares, como os seus respectivos suplentes, são nomeados pelo Ministro da Fazenda, com mandatos de dois anos, podendo ser reconduzidos uma única vez. Fazem ainda parte do Conselho de Recursos dois Procuradores da Fazenda Nacional, designados pelo Procurador-Geral da Fazenda Nacional, com a atribuição de zelar pela fiel observância da legislação aplicável, e um Secretário-Executivo, nomeado pelo Ministério da Fazenda, responsável pela execução e coordenação dos trabalhos administrativos. Para tanto, o Banco Central do Brasil, a Comissão de Valores Mobiliários e a Secretaria de Comércio Exterior proporcionam o respectivo apoio técnico e administrativo. O representante do Ministério da Fazenda é o presidente do Conselho e o vice presidente é o representante designado pelo Ministério da Fazenda dentre os quatro Grancursos Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Prof. Cid Roberto Página 4/30

5 representantes das entidades de classe que integram o Conselho. Atribuições: julgar em segunda e última instância administrativa os recursos interpostos das decisões relativas às penalidades administrativas aplicadas pelo Banco Central do Brasil, pela Comissão de Valores Mobiliários e pela Secretaria de Comércio Exterior, a saber: relativas a penalidades por infrações à legislação cambial, de capitais estrangeiros e de crédito rural e industrial; relativas à aplicação de penalidades por infração à legislação de consórcios; referentes à adoção de medidas cautelares; e referentes à desclassificação e à descaracterização de operações de crédito rural e industrial, e a impedimentos referentes ao Programa de Garantia de Atividade Agropecuária PROAGRO. compete ainda apreciar os recursos de ofício, dos órgãos e entidades competentes, contra decisões de arquivamento dos processos. 2. Instituições Operadoras 2.1 Bancos Comerciais É instituição financeira privada ou pública. Objetivo principal: proporcionar o suprimento oportuno e adequado dos recursos necessários para financiar, a curto e médio prazos, o comércio, a indústria, as empresas prestadoras de serviços, as pessoas físicas e terceiros em geral. A captação de depósitos à vista, livremente movimentáveis, é atividade típica do banco comercial. Deve ser constituído sob a forma de sociedade anônima e na sua denominação social constar a expressão "Banco". É vedado o uso da palavra Central na denominação social. Podem: descontar títulos; realizar operações de abertura de crédito simples ou em conta corrente (conta garantida/cheque especial; realizar operações especiais, inclusive do crédito rural, de câmbio e comércio internacional; captar depósitos à vista e a prazo fixo; obter recursos junto às instituições oficiais para repasse aos clientes; obter recursos externos para repasse; e efetuar a prestação de serviços, inclusive mediante convênio com outras instituições. 2.2 Caixa Econômica Federal A Caixa Econômica Federal (Caixa) É uma empresa pública vinculada ao Ministério da Fazenda. Trata-se de instituição assemelhada aos bancos comerciais, podendo captar depósitos à vista, realizar operações ativas e efetuar prestação de serviços. Uma característica distintiva da Caixa é que ela prioriza a concessão de empréstimos e financiamentos a programas e projetos nas áreas de assistência social, saúde, educação, trabalho, transportes urbanos e esporte. O Art. 5º do Capítulo II do Estatuto da Caixa, diz que a CEF tem por objetivos: I - receber depósitos, a qualquer título, inclusive os garantidos pela União, em especial os de economia popular, tendo como propósito incentivar e educar a população brasileira nos hábitos da poupança e fomentar o crédito em todas as regiões do país; II - prestar serviços bancários de qualquer natureza, praticando operações ativas, passivas e acessórias, inclusive de intermediação e suprimento financeiro, sob suas múltiplas formas; III - administrar, com exclusividade, os serviços das loterias federais, nos termos da legislação específica; IV - exercer o monopólio das operações de penhor civil, em caráter permanente e contínuo; V - prestar serviços delegados pelo Governo Federal, que se adaptem à sua estrutura e natureza de instituição financeira, ou mediante convênio com outras entidades ou empresas; VI - realizar quaisquer operações, serviços e atividades negociais nos mercados financeiros e de capitais, internos ou externos; VII - efetuar operações de subscrição, aquisição e distribuição de ações, obrigações e quaisquer outros títulos ou valores mobiliários no mercado de capitais, para investimento ou revenda; VIII - realizar operações relacionadas com a emissão e a administração de cartões de crédito; IX - realizar operações nos mercados de câmbio; X - realizar operações de corretagem de seguros e de valores mobiliários, arrendamento residencial e mercantil, inclusive sob a forma de leasing; XI - prestar, direta ou indiretamente, serviços relacionados às atividades de fomento da cultura e do turismo, inclusive mediante intermediação e apoio financeiro; XII - atuar como agente financeiro dos programas oficiais de habitação e saneamento e como principal órgão de execução da política habitacional e de saneamento do Governo Federal, operando, inclusive, como sociedade de crédito imobiliário, de forma a promover o acesso à moradia, especialmente das classes de menor renda da população; XIII - atuar como agente operador e financeiro do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS; XIV - administrar fundos e programas delegados pelo Governo Federal; XV - conceder empréstimos e financiamentos de natureza social, em consonância com a política do Governo Federal, observadas as condições de retorno, que, no mínimo, venham a ressarcir os custos operacionais, de captação e de capital alocado; XVI - realizar, na qualidade de agente do Governo Federal, por conta e ordem deste, quaisquer operações ou serviços, nos mercados financeiro e de capitais, que lhe forem delegados; XVII - prestar serviços de custódia de valores mobiliários; XVIII - prestar serviços de assessoria, consultoria e gerenciamento de atividades econômicas, de políticas públicas, de previdência e de outras matérias relacionadas com sua área de atuação, diretamente ou mediante convênio ou consórcio com outras entidades ou empresas; Grancursos Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Prof. Cid Roberto Página 5/30

6 XIX - atuar na exploração comercial de mercado digital voltada para seus fins institucionais. Parágrafo único. No desempenho de seus objetivos, a CEF opera, ainda, no recebimento de: I - depósitos judiciais, na forma da lei; II - depósitos de disponibilidades de caixa dos órgãos ou entidades do Poder Público e das empresas por ele controladas, observada a legislação pertinente. 2.3 Cooperativas 5 de Crédito Devem adotar, obrigatoriamente, em sua denominação social, a expressão "cooperativa" (vedada a utilização da palavra "banco"). São autorizadas cooperativas de dois tipos: cooperativas de economia e crédito mútuo e cooperativas de crédito rural. Podem: Na captação (operações passivas): captar depósitos (somente de associados), obter empréstimos ou repasses de instituições financeiras nacionais ou estrangeiras, e receber recursos oriundos de fundos oficiais; Na aplicação (operações ativas): conceder créditos, e aplicar recursos no mercado financeiro; Na prestação de serviços: prestar garantias, prestar serviços de cobrança, de custódia, de recebimentos e pagamentos por conta de terceiros (instituições públicas ou privadas); prestar serviços de correspondente no País. 2.4 Bancos comerciais cooperativos São bancos comerciais, ou bancos múltiplos com carteira comercial, com controle acionário de Cooperativas Centrais de Crédito, que devem deter, no mínimo, 51% das ações com direito a voto. Em sua denominação social deve incluir a expressão "Banco Cooperativo". São autorizadas a captar recursos por meio da poupança rural, cabendo aplicar, no mínimo, 65% desses recursos da seguinte forma: em operações de crédito rural; na comercialização, beneficiamento ou industrialização de produtos de origem agropecuária ou de insumos utilizados naquela atividade; e na aquisição, diretamente de seu emitente, de Cédulas de Produto Rural (CPR). 2.5 Bancos de Investimento São os grandes municiadores de crédito de médio e longo prazos no mercado, suprindo os agentes carentes de recursos para investimento em capital de giro e fixo. Especializados em operações de participação societária de caráter temporário, de financiamento da atividade produtiva para suprimento de capital fixo e de giro e de administração de recursos de terceiros. Devem ser constituídos sob a forma de sociedade anônima. Na sua denominação deve constar a expressão "Banco de Investimento". As atividades inerentes à consecução de seus objetivos são: praticar operações de compra e venda, por conta própria ou de terceiros, de metais preciosos, no mercado físico, e de quaisquer títulos e valores mobiliários, nos mercados financeiros e de capitais; operar em bolsas de mercadorias e de futuros, bem como em mercados de balcão organizados, por conta própria e de terceiros; operar em todas as modalidades de concessão de crédito para financiamento de capital fixo e de giro; participar do processo de emissão, subscrição (underwriting) para revenda e distribuição de títulos e valores mobiliários; operar em câmbio, mediante autorização específica do Banco Central do Brasil; coordenar processos de reorganização e reestruturação de sociedades e conglomerados, financeiros ou não, mediante prestação de serviços de consultoria, participação societária e/ou concessão de financiamentos ou empréstimos; realizar outras operações autorizadas pelo Banco Central do Brasil. Os bancos de investimento podem empregar em suas atividades, além de recursos próprios, os provenientes de: depósitos a prazo, com ou sem emissão de certificado; recursos oriundos do exterior, inclusive por meio de repasses interbancários; repasse de recursos oficiais; depósitos interfinanceiros; outras formas de captação autorizadas pelo Banco Central do Brasil. Os bancos de investimento podem manter contas, sem juros e não movimentáveis por cheque, relativas a recursos de terceiros destinados a aplicações ou prestação de serviços. Podem dedicar-se também à prestação de vários tipos de serviços, tais como: avais; custódias; negociação no mercado de capitais; administração de carteiras de títulos e valores mobiliários e de fundos de investimento, underwriting, etc. administração de empresas cujo objeto social esteja diretamente vinculado a operações praticadas no âmbito do mercado financeiro, abrangendo o exercício de atividades necessárias ao seu funcionamento, inclusive escrituração, administração de ativos e passivos e custódia. 2.6 Bancos de Desenvolvimento Os Bancos de Desenvolvimento são instituições financeiras públicas não federais, constituídas sob a forma de sociedade anônima, com sede na Capital do Estado da Federação que detiver seu controle acionário (Res. BC 394, de ). Adotam, obrigatória e privativamente, em sua denominação, a expressão "Banco de Desenvolvimento", seguida do nome do Estado em que tenham sede. Grancursos Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Prof. Cid Roberto Página 6/30

7 O objetivo precípuo dos Bancos de Desenvolvimento é proporcionar o suprimento oportuno e adequado dos recursos necessários ao financiamento, a médio e longo prazos, de programas e projetos que visem a promover o desenvolvimento econômico e social dos respectivos Estados da Federação onde tenham sede, cabendo-lhes apoiar prioritariamente o setor privado. Excepcionalmente, quando o empreendimento visar a benefícios de interesse comum, os Bancos de Desenvolvimento podem assistir a programas e projetos desenvolvidos fora dos respectivos Estados. Para atender a seu objetivo, os Bancos de Desenvolvimento podem apoiar iniciativas que visem a: ampliar a capacidade produtiva da economia; incentivar a melhoria da produtividade; assegurar melhor ordenação de setores da economia regional e o saneamento de empresas; incrementar a produção rural por meio de projetos integrados; promover a incorporação e o desenvolvimento de tecnologia de produção. Podem dar seu apoio financeiro a: pessoas físicas residentes e domiciliadas no País; pessoas jurídicas de direito privado; e pessoas jurídicas de direito público ou entidade direta ou indiretamente por elas controladas. Podem praticar as seguintes modalidades de operações: empréstimos e financiamentos; prestação de garantias; investimentos. Podem praticar as seguintes modalidades de operações passivas: depósitos a prazo; operações de crédito, inclusive as provenientes de empréstimos e financiamentos obtidos no País ou no exterior; e operações de crédito ou contribuições do setor público federal, estadual ou municipal Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES, ex-autarquia federal criada pela Lei nº 1.628, de 20 de junho de 1952, foi enquadrado hoje uma empresa pública federal, com personalidade jurídica de direito privado e patrimônio próprio, pela Lei nº 5.662, de 21 de junho de O BNDES é um órgão vinculado ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior e tem como objetivo apoiar empreendimentos que contribuam para o desenvolvimento do país. Desta ação resulta a melhoria da competitividade da economia brasileira e a elevação da qualidade de vida da sua população Embora tenha o nome de Banco Nacional de Desenvolvimento, ele não é um banco de desenvolvimento, visto ser uma empresa pública federal e bancos de desenvolvimento são instituições financeiras não federais. Sua linha de atuação é muito parecida com a dos bancos de desenvolvimento, visto ter como missão promover o desenvolvimento do País, elevando a competitividade da economia brasileira, priorizando tanto a redução de desigualdades sociais e regionais, como a manutenção e geração de emprego. 2.7 Sociedades 6 de Crédito, Financiamento e Investimento São as financeiras, que têm por finalidade conceder crédito pessoal e financiar bens duráveis às pessoas físicas ou jurídicas (usuários finais) por meio do conhecido crediário ou CDC (crédito direto ao consumidor). Devem ser constituídas sob a forma de sociedade anônima e na sua denominação social deve constar a expressão "Crédito, Financiamento e Investimento". Podem captar recursos por meio de aceite ou colocação de Letra de Câmbio no mercado e de depósito a prazo na forma de RDB (Res. CMN 45 e 3.454). 2.8 Sociedades de Arrendamento Mercantil Têm a finalidade de realizar operações de arrendamento mercantil (leasing). Surgiram com o reconhecimento de que a propriedade de um bem não gera lucro, mas sim a sua utilização econômica. As empresas que necessitam de um determinado bem em sua atividade produtiva e não possuem recursos para a compra, arrendam o bem para uso em seu negócio. Diferença entre aluguel e arrendamento mercantil: aluguel uso do bem para o prazer próprio, e arrendamento mercantil uso do bem com objetivo de obter ganhos. 2.9 Associações de Poupança e Empréstimo Atuam no financiamento habitacional. Suas operações passivas são: depósitos de cadernetas de poupança, emissão de letras e cédulas hipotecárias, depósitos interfinanceiros, e empréstimos externos. Suas operações ativas são, basicamente, direcionadas ao mercado imobiliário e ao Sistema Financeiro da Habitação (SFH). São constituídas sob a forma de sociedade civil, sendo de propriedade comum de seus associados. Os depositantes dessas entidades são considerados acionistas da associação e, por isso, não recebem rendimentos, mas dividendos. Os recursos dos depositantes são, assim, classificados no patrimônio líquido da associação e não no passivo exigível Bancos Múltiplos É a instituição financeira privada ou pública que realiza as operações ativas, passivas e acessórias das diversas instituições financeiras, por intermédio das seguintes carteiras: comercial, de investimento e/ou de desenvolvimento, de crédito imobiliário, de arrendamento mercantil e Grancursos Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Prof. Cid Roberto Página 7/30

8 de crédito, financiamento e investimento. O banco múltiplo deve ser constituído com, no mínimo, duas carteiras, sendo uma delas, obrigatoriamente, comercial ou de investimento, e ser organizado sob a forma de sociedade anônima. Essas operações estão sujeitas às mesmas normas legais e regulamentares aplicáveis às instituições singulares correspondentes às suas carteiras. A carteira de desenvolvimento somente poderá ser operada por banco público. Na sua denominação social deve constar a expressão "banco Banco do Brasil O Banco do Brasil (BB) é uma pessoa jurídica de direito privado, sociedade anônima aberta, de economia mista, organizado sob a forma de banco múltiplo, regido pelo seu estatuto e pelas disposições legais que lhe sejam aplicáveis. O BB tem domicílio e sede em Brasília, podendo criar e suprimir sucursais, filiais ou agências, escritórios, dependências e outros pontos de atendimento nas demais praças do País e no exterior. Tem por objeto a prática de todas as operações bancárias ativas, passivas e acessórias, a prestação de serviços bancários, de intermediação e suprimento financeiro sob suas múltiplas formas e o exercício de quaisquer atividades facultadas às instituições integrantes do Sistema Financeiro Nacional. O BB pode, também, atuar na comercialização de produtos agropecuários e promover a circulação de bens produzidos. Funciona como instrumento de execução da política creditícia e financeira do Governo Federal, sendo Agente Financeiro do Tesouro Nacional. É o principal executor dos serviços bancários de interesse do Governo Federal. Executa os serviços de compensação de cheques e outros papéis. Financia a aquisição e a instalação da pequena e média propriedade rural, nos termos da legislação que regula a matéria, bem como as atividades industriais e rurais. A administração de recursos de terceiros será realizada mediante a contratação de sociedade subsidiária ou controlada do Banco. Tem como missão ser a solução em serviços e intermediação financeira, atender às expectativas de clientes e acionistas, fortalecer o compromisso entre os funcionários e a Empresa e contribuir para o desenvolvimento do País. Possui as seguintes crenças: ética e transparência; compromisso com o desenvolvimento das comunidades e do país; responsabilidade socioambiental; excelência e especialização no relacionamento com o cliente; gestão participativa, decisão colegiada e trabalho em equipe; ascensão profissional baseada no mérito; marca como diferencial competitivo; conservadorismo e proatividade na gestão de riscos; e comprometimento com rentabilidade, eficiência e inovação. EXERCÍCIOS 1. (Caixa/Cesgranrio 7 /2008-Acre) O mercado que opera a curto prazo destinando os recursos captados ao financiamento de consumo para pessoas físicas e capital de giro para pessoas jurídicas, através de intermediários financeiros bancários, é o mercado: (A) de ações (B) de capitais (C) de câmbio (D) de crédito (E) monetário 2. (Caixa/Cesgranrio/2008-Acre) O Sistema Financeiro Nacional (SFN), conhecido também como Sistema Financeiro Brasileiro, compreende um vasto sistema que abrange grupos de instituições, entidades e empresas. Nesse sentido, o Sistema Financeiro Nacional é compreendido por (A) agentes econômicos e não econômicos que objetivam a transferência de recursos financeiros, desde que previamente autorizada pela Comissão de Valores Mobiliários para os demais agentes participantes do sistema. (B) instituições financeiras e filantrópicas, situadas no território nacional, que têm como objetivo principal o financiamento de obras públicas e a participação ativa em programas sociais. (C) dois subsistemas: um normativo e outro de intermediação financeira, sendo que este último é composto por instituições que estabelecem diretrizes de atuação das instituições financeiras operativas, como a Comissão de Valores Mobiliários. (D) Um conjunto de instituições financeiras e instrumentos financeiros que visam, em última análise, a transferir recursos dos agentes econômicos (pessoas, empresas, governo) superavitários para os deficitários. (E) Uma rede de instituições bancárias, ONG, entidades e fundações que visam principalmente à transferência de recursos financeiros para empresas com déficit de caixa. 3. (Caixa/Cesgranrio/2008-Acre) O Conselho Monetário Nacional (CMN) planeja, elabora, implementa e julga a consistência de toda a política monetária, cambial e creditícias do país. É um órgão que domina toda a política monetária e ao qual se submetem todas as instituições que o compõem. Uma das atribuições do CMN é: (A) estabelecer normas a serem seguidas pelo Banco Central (BACEN) nas transações com títulos públicos. (B) administrar carteiras e a custódia de valores mobiliários. (C) executar a política monetária estabelecida pelo Banco Central. (D) regular a execução dos serviços de compensação de cheques e outros papéis. (E) propiciar liquidez às aplicações financeiras, fornecendo, concomitantemente, um preço de referência para os ativos negociados no mercado. 4. (BB/FCC 8 /2006-DF) O Conselho Monetário Nacional constitui a autoridade maior na estrutura do sistema financeiro nacional. Dentre as suas competências, é correto afirmar que (A) fiscaliza o mercado cambial. (B) recebe os recolhimentos compulsórios das instituições financeiras. (C) concede autorização às instituições financeiras, a fim de que possam funcionar no país. Grancursos Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Prof. Cid Roberto Página 8/30

9 (D) efetua o controle dos capitais estrangeiros. (E) regula a constituição, o funcionamento e a fiscalização das instituições financeiras. 5. (Caixa/Cesgranrio/2008-Acre) Quando o Banco Central deseja baratear os empréstimos e possibilitar maior desenvolvimento empresarial, ele irá adotar uma Política Monetária Expansiva, valendo-se de medidas como a: (A) venda de títulos públicos (B) elevação da taxa de juros (C) elevação do recolhimento compulsório (D) redução das taxas de juros (E) redução das linhas de crédito 6. (Anbid 9 CPA /ECAC 11 ) Como poderíamos descrever melhor as funções básicas do Sistema Financeiro Nacional (SFN)? (A) O Sistema Financeiro Nacional é formado por um conjunto de regras para a captação de clientes necessários ao giro da economia. (B) O Sistema Financeiro Nacional é formado por um conjunto de regras e instituições que buscam reunir poupadores e tomadores de recursos, e transferir recursos necessários ao giro da economia. (C) O Sistema Financeiro Nacional é formado por um conjunto de instituições que são tomadores de recursos. (D) O Sistema Financeiro Nacional é formado por um conjunto de regras e instituições poupadoras de recursos. 7. (Anbid CPA-10/ECAC) Podemos dizer que o Sistema Financeiro Nacional é formado por: (A) diversos participantes, inclusive Pessoas Físicas e intermediadores financeiros; (B) por diversos participantes, incluindo as instituições fiscalizadoras e as Pessoas Físicas (C) por diversas instituições normativas e fiscalizadoras e intermediadores financeiros que agem junto ao público na busca de encontrar poupadores e tomadores de recursos; (D) todas as respostas acima. 8. (BB/FCC/2006-MT/MS/TO) O Conselho Monetário Nacional constitui o órgão regulador maior do sistema financeiro nacional. É membro desse Conselho, embora não ocupe o cargo de presidente, o (A) Presidente da Superintendência de Seguros Privados. (B) Presidente da Comissão de Valores Mobiliários. (C) Ministro da Previdência e Assistência Social. (D) Presidente do Banco Central do Brasil. (E) Ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. 9. (BB/FCC/2006-MT/MS/TO) Efetuar o controle dos capitais estrangeiros é uma competência privativa (A) do Conselho Monetário Nacional. (B) do Banco Central do Brasil. (C) da Secretaria da Receita Federal. (D) do Tesouro Nacional. (E) do Ministério da Fazenda. (BB/Cespe/2008-II) O Comitê de Política Monetária (COPOM) do BACEN foi instituído em 20/6/1996, com o objetivo de estabelecer as diretrizes da política monetária e de definir a taxa de juros. A criação desse comitê buscou proporcionar maior transparência e ritual adequado ao processo decisório da instituição. Com relação ao COPOM, julgue os itens seguintes. 10. As atas das reuniões do COPOM devem ser divulgadas no prazo de até quinze dias úteis após a data de sua realização. 11. A taxa de juros fixada na reunião do COPOM é a meta para a taxa SELlC (taxa média dos financiamentos diários, com lastro em títulos federais, apurados no Sistema Especial de Liquidação e Custódia), a qual vigora por todo o período entre reuniões ordinárias do Comitê. (BB/Cespe/2008-I) Comitê de Política Monetária (COPOM) do BACEN foi instituído em 1996, com o objetivo de estabelecer as diretrizes da política monetária e de definir a taxa de juros. A criação do COPOM buscou proporcionar maior transparência e ritual adequado ao processo decisório do BACEN. Com base nessas informações e acerca do COPOM, julgue os próximos itens. 12. As atas das reuniões do COPOM são divulgadas quinze dias úteis após a sua realização. 13. O COPOM reúne-se ordinariamente doze vezes por ano e extraordinariamente sempre que necessário, por convocação de seu presidente. 14. Compete ao COPOM avaliar o cenário macroeconômico e os principais riscos a ele associados, com base nos quais são tomadas as decisões de política monetária. (BB/Cespe/2008-II) O Cadastro de Clientes do Sistema Financeiro Nacional (CCS) é um sistema informatizado, centralizado no BACEN, que permite indicar onde os clientes de instituições financeiras mantêm bens, direitos e valores, diretamente ou por seus representantes legais e procuradores. Quanto ao CCS, julgue os seguintes itens. 15. Como o CCS propicia boas condições para a realização de investigações e de ações destinadas a combater a criminalidade, as regras relativas ao sigilo bancário e ao direito à privacidade não incidem em sua implantação e operação. 16. Como decorrência de sua atuação específica, as autoridades policiais têm pleno acesso às informações constantes do CCS. (BB/Cespe/2008-I) O CRSFN é um órgão colegiado, de segundo grau, integrante da estrutura do Ministério da Fazenda. Com relação ao CRSFN, julgue os itens a seguir. 17. Compete ao CRSFN apreciar os recursos de ofício, dos órgãos e entidades competentes, contra decisões de arquivamento de processos que versem sobre penalidades por infrações à legislação cambial, de capitais estrangeiros e de crédito rural e industrial. 18. Não é atribuição do CRSFN julgar recursos Grancursos Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Prof. Cid Roberto Página 9/30

10 interpostos das decisões relativas às penalidades administrativas aplicadas pela Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). 19. É atribuição do CRSFN julgar, em segunda e última instâncias administrativas, os recursos interpostos das decisões relativas às penalidades administrativas aplicadas pelo BACEN e relativas a infração à legislação de consórcios. 20. (Anbid CPA-10/ECAC) A Caixa Econômica Federal é uma instituição bancária cuja principal característica é a função social, atuando como principal agente do SFH e também como banco comercial. Dentre as alternativas abaixo, assinale aquela que contenha pelo menos uma atividade que ela NÃO executa: (A) captação de recursos através de depósitos à vista e emissão de CDB; (B) captação de depósitos em caderneta de poupança e emissão de letras hipotecárias; (C) empréstimos pessoais, penhor e financiamento habitacionais; (D) operações de arrendamento mercantil e operações de câmbio comercial. 21. (CEF/FCC/2004-I) A CAIXA é a instituição financeira responsável pela operacionalização das políticas do Governo Federal para habitação popular e saneamento básico, caracterizando-se cada vez mais como o banco de apoio ao trabalhador de baixa renda. Em seu estatuto estão previstos também outros objetivos, COM EXCEÇÃO de (A) atuar nas áreas de atividades relativas a bancos comerciais sociedade de crédito imobiliário e de saneamento e infra-estrutura urbana. (B) monopólio das operações de penhor, que consistem em empréstimos concedidos contra a garantia em bens e valor e alta liquidez, como jóias, metais preciosos, pedras preciosas, etc. (C) administração, com exclusividade, das loterias federais. (D) ser órgão executivo e fiscalizador do Sistema Financeiro da Habitação, após a incorporação do BNH Banco Nacional de Habitação. (E) ser o principal operador da política agrícola do governo. 22. (Caixa/Cesgranrio/2008-Acre) A Caixa Econômica Federal é a instituição financeira responsável pela operacionalização das políticas do Governo Federal, principalmente, para habitação, saneamento básico e apoio ao trabalhador. As principais atividades da Caixa Econômica Federal estão relacionadas a: (A) estruturação do Sistema Financeiro Nacional, auxiliando o Banco Central na elaboração de normas e diretrizes para administração de fundos e programas como FGTS e PIS. (B) administração de loterias, fundos (FGTS), programas (PIS) e captação de recursos em cadernetas de poupança, em depósitos à vista e a prazo e sua aplicação em empréstimos vinculados substancialmente à habitação. (C) captação de recursos financeiros para as transferências internacionais auxiliando os trabalhadores brasileiros residentes no exterior. (D) elaboração de políticas para o mercado financeiro, viabilizando a captação de recursos financeiros, administração de loterias, fundos, programas e aplicação dos recursos e obras sociais. (E) elaboração de políticas econômicas que irão auxiliar o Governo Federal na composição do orçamento público e na aplicação dos recursos em atividades sociais, como esporte e cultura. 23. (Anbid CPA-10/ECAC*) Consideram-se instituições financeiras: (A) tanto Pessoas Físicas como jurídicas que tenham como atividade exclusiva a intermediação de recursos financeiros; (B) tanto Pessoas Jurídicas públicas quanto privadas, que tenham como atividade principal ou acessória a coleta, intermediação ou aplicação de recursos financeiros e a custódia de valores de propriedade de terceiros; (C) tanto Pessoas Jurídicas públicas quanto Pessoas Físicas, que tenham a custódia de valor de propriedade de terceiros com atividade exclusiva; (D) somente Pessoas Jurídicas que fazem a intermediação de recursos financeiros e as Pessoas Físicas que prestem serviço de custódia de valor a terceiros. 24. (Anbid CPA-10/ECAC*) Como podemos definir juro? (A) A compensação, em títulos, pelo uso de um capital financeiro, por determinado tempo, a uma taxa previamente combinada. (B) A compensação, em dinheiro, pelo uso de uma máquina, por determinado tempo, a um preço estabelecido. (C) A compensação, em dinheiro, pelo uso de um capital financeiro, por determinado tempo, a uma taxa indeterminada, que será estabelecida no término da utilização do capital. (D) A compensação, em dinheiro, pelo uso de um capital financeiro, por determinado tempo, a uma taxa previamente combinada. (BB/Cespe/2008-I) Com relação ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e aos bancos estaduais de desenvolvimento, julgue os itens seguintes: 25. O BNDES é um órgão vinculado ao Ministério da Fazenda. 26. Atualmente, o BNDES não é um banco de desenvolvimento. É uma empresa pública federal, com personalidade jurídica de direito privado e patrimônio próprio. 27. Os bancos estaduais de desenvolvimento são constituídos sob a forma de sociedades anônimas, devendo adotar, obrigatória e privativamente, em sua denominação social, a expressão Banco de Desenvolvimento, seguida do nome do estado em que tenha sede. 28. (CEF/FCC/2004-I) Em relação ao subsistema de intermediação está correto afirmar que (A) os Bancos de Desenvolvimento apóiam formalmente o setor público da economia por meios de operações e financiamentos às empresas governamentais. (B) os bancos comerciais são instituições financeiras constituídas obrigatoriamente sob a forma de sociedades anônimas e executam operações comerciais, isto é, de compra e venda de títulos. Grancursos Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Prof. Cid Roberto Página 10/30

11 (C) bancos múltiplos têm sua formação com base nas atividades de quatro instituições: banco comercial, banco de investimento e desenvolvimento, sociedade de crédito, financiamento e investimento e sociedade de micro-crédito. (D) os Bancos de Investimento constituem-se em instituições públicas de âmbito estadual, que visam promover investimentos na área de desenvolvimento urbano da região onde atuam. (E) a criação de bancos múltiplos surgiu como reflexo da própria evolução das cooperativas e crescimento do mercado. 29. (BACEN/Analista/2002/ESAF) Em relação aos Bancos Múltiplos, regulamentados pela Resolução nº 1524/88, do Conselho Monetário Nacional e por suas alterações, é correto afirmar que: (A) a existência do banco múltiplo permite que uma única instituição possa executar e contabilizar operações típicas de diferentes instituições financeiras, porém é exigido que se observe, em cada carteira, a regulamentação pertinente à instituição singular que lhe deu origem (a carteira comercial segue a regulamentação aplicável aos bancos comerciais etc.). (B) as instituições devem manter, para cada carteira em que operarem, diretor tecnicamente qualificado que será o responsável pelas operações, sendo vedado que um mesmo diretor seja responsável por mais de uma carteira. (C) a constituição de banco múltiplo depende de autorização do Banco Central do Brasil no caso de constituição direta, mas independe nos casos de transformação ou de fusão entre instituições já existentes. (D) para ser considerada banco múltiplo, a instituição deve ter, no mínimo, quatro das seguintes carteiras: comercial, de investimento, de desenvolvimento, de crédito, financiamento e investimento (de aceite), de crédito imobiliário e de arrendamento mercantil (de leasing). (E) é facultado aos bancos múltiplos, independentemente das carteiras que possuam, captar recursos por meio de depósitos a vista. (BB/Cespe/2008-I) O Sistema Financeiro Nacional é composto por órgãos de regulação, instituições financeiras, instituições auxiliares públicas e privadas, que atuam na intermediação de recursos dos agentes econômicos (pessoas, empresas, governo). Com relação ao SFN, julgue os itens a seguir. 30. O SFN atua na intermediação financeira, processo pelo qual os agentes que estão superavitários, com sobra de dinheiro, transferem esses recursos para aqueles que estejam deficitários, com falta de dinheiro. 31. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social é uma das principais entidades supervisoras do SFN. 32. Há dois grandes grupos de entidades no SFN: o subsistema normativo, que trata da regulação e da fiscalização, e o subsistema operativo, que trata da intermediação, do suporte operacional e da administração. (BB/Cespe/2008-I) O Conselho Monetário Nacional (CMN) é um órgão normativo, responsável pelas políticas e diretrizes monetárias para a economia do país. A respeito do CMN, julgue os itens a seguir: 33. Na sua mais recente composição, o CMN passou a ser integrado pelo ministro da Fazenda, como presidente do conselho, pelo ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão e pelo presidente do Banco do Brasil. 34. Compete ao CMN fixar as diretrizes e normas da política cambial, inclusive quanto a compra e venda de ouro e quaisquer operações em direitos especiais de saque e em moeda estrangeira. 35. São regulamentadas por meio de resoluções as matérias aprovadas pelo CMN, normativo de caráter público, sempre divulgado no Diário Oficial da União (DOU) e na página de normativos do Banco Central do Brasil (BACEN). 36. Apenas a partir de reuniões consideradas nãosigilosas do CMN são lavradas atas, cujo extrato é publicado no DOU. (BB/Cespe/2008-I) O BACEN, criado pela Lei n 4.595/1964, é uma autarquia federal vinculada ao Ministério da Fazenda, com sede e foro na capital da República e atuação em todo o território nacional. Com relação ao BACEN, julgue os seguintes itens. 37. As instituições financeiras estrangeiras podem funcionar no país somente mediante prévia autorização do Bacen ou decreto do Poder Executivo. 38. Compete ao BACEN autorizar e fiscalizar o funcionamento das administradoras de cartão de crédito. 39. O BACEN executa a política cambial definida pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, regulamentando o mercado de câmbio e autorizando as instituições que nele operam. (BB/Cespe/2008-II) O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composto por órgãos de regulação, por instituições financeiras e auxiliares, públicas e privadas, que atuam na intermediação de recursos dos agentes econômicos (pessoas, empresas, governo). Com relação ao SFN, julgue os itens a seguir. 40. A área operativa do SFN é formada pelas instituições financeiras públicas e privadas, que atuam no mercado financeiro. 41. A área normativa do SFN tem como órgão máximo o Banco Central do Brasil (BACEN). Grancursos Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Prof. Cid Roberto Página 11/30

12 (BB/Cespe/2008-II) O Conselho Monetário Nacional (CMN), instituído pela Lei n 4.595/1964, é um órgão normativo, responsável pelas políticas e diretrizes monetárias para a economia do país. Acerca do CMN, julgue os itens que se seguem. 42. O SFN tem como órgão executivo central o BACEN, que estabelece normas a serem observadas pelo CMN. 43. Entre as funções do CMN, estão a de adaptar o volume dos meios de pagamento às reais necessidades da economia e a de regular o valor interno e externo da moeda e o equilíbrio do balanço de pagamentos. (BB/Cespe/2008-II) O BACEN, criado pela Lei n 4.595/1964, é uma autarquia federal vinculada ao Ministério da Fazenda e tem atuação em todo o território nacional. No que se refere ao BACEN, julgue os itens subsequentes. 44. O BACEN tem sua sede no Rio de Janeiro e conta com representações em Brasília, capital do país, e nas capitais dos estados do Rio Grande do Sul, do Paraná, de São Paulo, de Minas Gerais, da Bahia, de Pernambuco, do Ceará e do Pará. 45. Entre as atribuições do BACEN, estão a de realizar as operações de redesconto e empréstimo às instituições financeiras e a de regular a execução dos serviços de compensação de cheques e outros papéis. (BB/Cespe/2008-II) O Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional I (CRSFN) é um órgão colegiado, de segundo grau, integrante da estrutura do Ministério da Fazenda, cuja Secretaria-Executiva funciona no edifício sede do BACEN. Acerca do CRSFN julgue os itens que se seguem. 46. Ao receber intimação decisória de processo administrativo oriundo do BACEN, da CVM, do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio-Secretaria de Comércio Exterior (SECEX) ou do Ministério da Fazenda- Secretaria da Receita Federal (SRF), o(s) interessado(s) poderá(ão) interpor recurso ao CRSFN, no prazo estipulado na intimação, devendo entregá-io mediante recibo ao respectivo órgão instaurador. 47. Constituem atribuições do CRSFN: adaptar o volume dos meios de pagamento às reais necessidades da economia; regular o valor interno e externo da moeda e o equilíbrio do balanço de pagamentos. (BB/Cespe/2008-II) Bancos comerciais são instituições financeiras privadas ou públicas que têm como objetivo principal proporcionar suprimento de recursos necessários para financiar, a curto e a médio prazos, o comércio, a indústria, as empresas prestadoras de serviços, as pessoas fisicas e terceiros em geral. No que se refere aos bancos comerciais, julgue os itens a seguir. 48. Os bancos comerciais não podem captar depósitos a prazo. 49. Na denominação dos bancos comerciais, é vedado o uso da palavra "Central". (BB/Cespe/2008-II) Bancos múltiplos são instituições financeiras privadas ou públicas que realizam operações ativas, passivas e acessórias de diversas instituições financeiras, por intermédio das seguintes carteiras: comercial, de investimento e(ou) de desenvolvimento, de crédito imobiliário, de arrendamento mercantil e de crédito, financiamento e investimento. Com relação aos bancos múltiplos, julgue os seguintes itens. 50. A carteira de desenvolvimento pode ser operada por banco múltiplo e por banco público. 51. Os bancos múltiplos devem ser constituídos com, no mínimo, duas carteiras, sendo uma delas, obrigatoriamente, comercial ou de investimento. (BB/Cespe/2008-II) As cooperativas de crédito observam, além da legislação e das normas do SFN, a Lei n.o 5.764/1971, que define a Política Nacional de Cooperativismo e institui o regime jurídico das sociedades cooperativas. No referente às cooperativas de crédito, julgue os itens subsequentes. 52. As cooperativas de crédito podem adotar, em sua denominação social, tanto a expressão "Cooperativa" como a palavra "Banco", dependendo de sua política de marketing e de seu planejamento estratégico. 53. As cooperativas de crédito devem possuir o número mínimo de 85 cooperados e adequar sua área de ação às possibilidades de reunião, controle, operações e prestações de serviços. (BB/Cespe/2008-III) O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composto por órgãos de regulação e por instituições financeiras e auxiliares, públicas e privadas, que atuam na intermediação de recursos dos agentes econômicos (pessoas, empresas, governo). Com relação ao SFN, julgue os itens seguintes. 54. São consideradas instituições financeiras as pessoas jurídicas, públicas ou privadas, que tenham como atividade principal ou acessória a coleta, a intermediação ou a aplicação de recursos financeiros próprios ou de terceiros, em moeda nacional ou estrangeira, e a custódia de valor de propriedade de terceiros. 55. Os pagamentos sem utilização de papel-moeda (noncash) são efetuados principalmente por meio de cheques, transferências de crédito, cartões de crédito e de débito e, também por débitos diretos. Todas essas movimentações, Grancursos Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Prof. Cid Roberto Página 12/30

13 quando cursadas no SFN, podem ser realizadas em moeda nacional, em dólares norte-americanos ou em euros. (BB/Cespe/2008-III) O Conselho Monetário Nacional (CMN), instituído pela Lei nº 4.595/1964, é um órgão normativo, responsável pelas políticas e diretrizes monetárias para a economia do país. Com relação ao CMN, julgue os itens que se seguem. 56. O CMN é o órgão formulador da política da moeda e do crédito, devendo atuar, inclusive, no sentido de promover o aperfeiçoamento das instituições e dos instrumentos financeiros, com vistas à maior eficiência do sistema de pagamentos e de mobilização de recursos. 57. O Banco Central do Brasil (BACEN) é o principal executor das orientações do CMN. 58. Entre as competências do CMN encontra-se a de definir a forma como o Banco do Brasil administrará as reservas vinculadas. (BB/Cespe/2008-III) O BACEN, criado pela Lei nº 4.595/1964, é uma autarquia federal vinculada ao Ministério da Fazenda, com sede e foro na capital da República e atuação em todo o território nacional. Com relação ao BACEN, julgue os seguintes itens 59. Entre as atribuições do BACEN estão a de estabelecer as condições para o exercício de quaisquer cargos de direção nas instituições financeiras, a de vigiar a interferência de outras empresas nos mercados financeiros e de capitais e a de controlar o fluxo de capitais estrangeiros no país. 60. O BACEN tem competência para regulamentar, autorizar o funcionamento e supervisionar os sistemas de compensação e de liquidação, atividades que, no caso de sistemas de liquidação de operações com valores mobiliários, exceto títulos públicos e privados emitidos por bancos, são compartilhadas com a Comissão de Valores Mobiliários. 61. O CMN é o principal órgão executor da política traçada pelo BACEN, cumprindo-lhe, também, autorizar o funcionamento e exercer a fiscalização das instituições financeiras, emitir moeda e executar os serviços do meio circulante. (BB/Cespe/2008-III) O Comitê de Política Monetária (COPOM) do BACEN tem como objetivos estabelecer as diretrizes da política monetária e definir a taxa de juros. A criação desse comitê buscou proporcionar maior transparência e ritual adequado ao processo decisório da Instituição. No que se refere ao COPOM, julgue os próximos itens. 62. É objetivo do COPOM implementar as políticas econômica e tributária do governo federal. 63. Desde a adoção da sistemática de metas para a inflação como diretriz de política monetária, as decisões do COPOM passaram a ter como objetivo cumprir as metas para a inflação definidas pelo CMN. Se as mesmas não forem atingidas, cabe ao presidente do BACEN divulgar em carta aberta ao ministro da Fazenda, os motivos do descumprimento, bem como as providências e o prazo para retorno da taxa de inflação aos limites estabelecidos. (BB/Cespe/2008-III) Bancos comerciais são instituições financeiras privadas ou públicas que têm como objetivo principal proporcionar suprimento de recursos necessários para financiar, a curto e a médio prazos, o comércio, a indústria, as empresas prestadoras de serviços, as pessoas físicas e terceiros em geral. Quanto aos bancos comerciais, julgue os itens seguintes. 64. Bancos comerciais devem ser constituídos sob a forma de sociedade anônima e na sua denominação social deve constar a palavra Banco. 65. A captação de depósitos à vista, livremente movimentáveis, é atividade típica dos bancos comerciais. (BB/Cespe/2009) O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composto por órgãos de regulação, por instituições financeiras, e auxiliares, públicas e privadas, que atuam na intermediação de recursos dos agentes econômicos (pessoas, empresas, governo). Com relação ao SFN, julgue os itens que se seguem. 66. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social é uma das principais entidades supervisoras do SFN. 67. O SFN atua na intermediação financeira, ou seja, no processo pelo qual os agentes que estão superavitários, com sobra de dinheiro, transferem esses recursos para aqueles que estejam deficitários, com falta de dinheiro. 68. São consideradas instituições financeiras as pessoas jurídicas, públicas ou privadas, que tenham como atividade principal ou acessória a coleta, a intermediação ou a aplicação de recursos financeiros próprios ou de terceiros, em moeda nacional ou estrangeira, e a custódia de valor de propriedade de terceiros. 69. A área normativa do SFN tem como órgão máximo o Banco Central do Brasil (BACEN). (BB/Cespe/2009) O Conselho Monetário Nacional (CMN), instituído pela Lei n 4.595/1964, é um órgão normativo, Grancursos Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Prof. Cid Roberto Página 13/30

14 responsável pelas políticas e diretrizes monetárias para a economia do país. No que concerne ao CMN, julgue os itens seguintes. 70. O SFN tem como órgão executivo central o BACEN, que estabelece normas a serem observadas pelo CMN. 71. As funções do CMN incluem: adaptar o volume dos meios de pagamento às reais necessidades da economia e regular o valor interno e externo da moeda e o equilíbrio do balanço de pagamentos. 72. É competência do CMN definir a forma como o BB administra as reservas vinculadas. 73. O CMN é o órgão formulador da política da moeda e do crédito, devendo atuar até mesmo no sentido de promover o aperfeiçoamento das instituições e dos instrumentos financeiros, com vistas à maior eficiência do sistema de pagamentos e de mobilização de recursos. (BB/Cespe/2009) O BACEN, criado pela Lei n 4.595/1964, é uma autarquia federal vinculada ao Ministério da Fazenda, com sede e foro na capital da República e atuação em todo o território nacional. Com relação ao BACEN, julgue os próximos itens. 74. O BACEN tem competência para regulamentar, autorizar o funcionamento e supervisionar os sistemas de compensação e de liquidação, atividades que, no caso de sistemas de liquidação de operações com valores mobiliários, exceto títulos públicos e títulos privados emitidos por bancos, são compartilhadas com a Comissão de Valores Mobiliários (CVM). 75. Realizar operações de redesconto e empréstimo às instituições financeiras e regular a execução dos serviços de compensação de cheques e outros papéis são as atribuições do BACEN. 76. Além de autorizar o funcionamento e exercer a fiscalização das instituições financeiras, emitir moeda e executar os serviços do meio circulante, compete também ao BACEN traçar as políticas econômicas, das quais o CMN é o principal órgão executor. 77. As atribuições do BACEN incluem: estabelecer as condições para o exercício de quaisquer cargos de direção nas instituições financeiras, vigiar a interferência de outras empresas nos mercados financeiros e de capitais e controlar o fluxo de capitais estrangeiros no país. (BB/Cespe/2009) O Comitê de Política Monetária (COPOM) do BACEN foi instituído em 1996, com os objetivos de estabelecer as diretrizes da política monetária e de definir a taxa de juros. A criação desse comitê buscou proporcionar maior transparência e ritual adequado ao processo decisório do BACEN. Acerca do COPOM, julgue os próximos itens. 78. O COPOM, constituído no âmbito do BACEN, tem como objetivo implementar as políticas econômica e tributária do governo federal. 79. Desde a adoção da sistemática de metas para a inflação como diretriz de política monetária, as decisões do COPOM visam cumprir as metas para a inflação definidas pelo CMN. Se as metas não forem atingidas, cabe ao presidente do BACEN divulgar, em carta aberta ao ministro da Fazenda, os motivos do descumprimento, as providências e o prazo para o retorno da taxa de inflação aos limites estabelecidos. (BB/Cespe/2009) A CVM, autarquia vinculada ao Ministério da Fazenda, instituída pela Lei n 6.385/1976, é um órgão normativo do SFN voltado para o desenvolvimento, a disciplina e a fiscalização do mercado mobiliário. É correto afirmar que a CVM 80. é o órgão do SFN que se responsabiliza pela fiscalização das operações de câmbio e dos consórcios. 81. tem como um de seus objetivos assegurar o acesso do público às informações acerca dos valores mobiliários negociados, assim como às companhias que os tenham emitido. 82. exerce a função de assegurar a observância de práticas comerciais equitativas no mercado de valores mobiliários e a de estimular a formação de poupança e sua aplicação em valores mobiliários. (BB/Cespe/2009) O Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional (CRSFN) é um órgão colegiado, de segundo grau, integrante da estrutura do Ministério da Fazenda. Com relação ao CRSFN, julgue os itens a seguir. 83. De decisão em processo administrativo oriundo do BACEN, da CVM, da Secretaria de Comércio Exterior ou da Secretaria da Receita Federal, cabe recurso ao CRSFN, no prazo estipulado na intimação, devendo o interessado entregá-lo mediante recibo ao respectivo órgão instaurador. 84. É atribuição do CRSFN julgar, em segunda e última instância administrativa, os recursos interpostos das decisões relativas às penalidades administrativas aplicadas pelo BACEN quanto a matérias relativas à aplicação de penalidades por infração à legislação de consórcios. 85. É atribuição do CRSFN adaptar o volume dos meios Grancursos Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Prof. Cid Roberto Página 14/30

15 de pagamento às reais necessidades da economia, bem como regular os valores interno e externo da moeda e o equilíbrio do balanço de pagamentos. (BB/Cespe/2009) Os bancos comerciais são instituições financeiras privadas ou públicas que visam proporcionar suprimento de recursos necessários para financiar, a curto e a médio prazos, o comércio, a indústria, as empresas prestadoras de serviços, as pessoas físicas e terceiros em geral. A respeito dos bancos comerciais, julgue os itens subsequentes. 86. Todo banco comercial deve ser constituído sob a forma de sociedade anônima e, na sua denominação social, deve constar a palavra Banco, exceto no caso da Caixa Econômica Federal (CAIXA), que é um banco múltiplo. 87. Os bancos comerciais podem captar depósitos à vista, mas não podem captar depósitos a prazo, o que está facultado apenas aos bancos de investimento. (BB/Cespe/2009) O segmento de crédito cooperativo brasileiro conta com mais de três milhões de associados em todo o Brasil, número que se encontra em significativa expansão. O segmento tem-se caracterizado, nos últimos anos, por uma trajetória de crescimento e constante mudança em relação ao perfil das cooperativas. A participação das cooperativas de crédito nos agregados financeiros do segmento bancário é crescente. As cooperativas de crédito observam, além da legislação e das normas do SFN, a Lei nº 5.764/1971, que define a política nacional de cooperativismo e institui o regime jurídico das sociedades cooperativas. Com relação às cooperativas de crédito, julgue os próximos itens. 88. As cooperativas de crédito podem conceder crédito somente a brasileiros maiores de 21 anos de idade, por meio de desconto de títulos, empréstimos e financiamentos, e realizar aplicação de recursos no mercado financeiro. 89. As cooperativas de crédito podem adotar, em sua denominação social, tanto a palavra Cooperativa, como Banco, dependendo de sua política de marketing e de seu planejamento estratégico. 90. As cooperativas de crédito estão autorizadas a realizar operações de captação por meio de depósitos à vista e a prazo somente vindos de associados, de empréstimos, repasses e refinanciamentos oriundos de outras entidades financeiras e de doações. (BB/Cespe/2009) A CAIXA, criada em 1861, está regulada pelo Decreto-lei nº 759/1969 como empresa pública vinculada ao Ministério da Fazenda. A instituição integra o SFN e auxilia na execução da política de crédito do governo federal. Acerca da CAIXA, julgue os itens subsequentes. 91. A CAIXA não pode emprestar sob garantia de penhor industrial e caução de títulos. 92. Além de centralizar o recolhimento e a posterior aplicação de todos os recursos oriundos do FGTS, a CAIXA integra o Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo e o Sistema Financeiro da Habitação. 93. Após ter incorporado o Banco Nacional de Habitação (BNH) e o papel de agente operador do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), a CAIXA passou a centralizar todas as contas recolhedoras do FGTS existentes na rede bancária e a administrar a arrecadação desse fundo e o pagamento dos valores aos trabalhadores. 94. (Banrisul/FDRH/2010) Analise as seguintes afirmações sobre a estrutura atual do Sistema Financeiro Nacional (SFN) I O Sistema de distribuição de títulos e valores mobiliários inclui, entre outros participantes, as bolsas de valores, as corretoras e os agentes autônomos de investimentos. II Os bancos de investimento, as sociedades de crédito investimento e financiamento e os bancos múltiplos sem carteira comercial são instituições bancárias. III Os bancos múltiplos devem possuir pelo menos duas carteiras, sendo uma delas, obrigatoriamente, comercial ou de investimento. Quais são as corretas? A) Apenas a I. B) Apenas a III. C) Apenas a I e a II. D) Apenas a I e a III. E) A I, II e III. (BB/Cespe/2009) Arrendamento mercantil ou leasing é uma operação em que o proprietário de um bem cede a terceiro o uso desse bem por prazo determinado, recebendo em troca uma contraprestação. No que concerne ao leasing, julgue os itens seguintes. 95. A constituição e o funcionamento das pessoas jurídicas que tenham como objeto principal de sua atividade a prática de operações de arrendamento mercantil, denominadas sociedades de arrendamento mercantil, dependem de autorização da CVM. 96. As sociedades de arrendamento mercantil são constituídas sob a forma de sociedade por cotas limitadas, devendo constar obrigatoriamente na sua denominação social a palavra leasing. 97. (BNDES/Técnico Administrativo/Cesgranrio/2008) De acordo com a Lei no 4.595/64, NÃO integra o Sistema Financeiro Nacional a(o) (A) Secretaria do Tesouro Nacional. (B) Conselho Monetário Nacional. (C) Banco Central do Brasil. (D) Banco do Brasil S.A. (E) Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social. Grancursos Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Prof. Cid Roberto Página 15/30

16 98. (BNDES/Técnico Administrativo/Cesgranrio/2008) De acordo com a Lei no 4.595/64, as instituições financeiras nacionais somente poderão funcionar no Brasil mediante prévia autorização de(o) (A) Lei específica. (B) Decreto Legislativo. (C) Senado Federal. (D) Banco Central do Brasil. (E) Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social. 99. (BNDES/Técnico Administrativo/Cesgranrio/2008) A teor do disposto na Lei no 5.662/71, o capital social do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social é dividido (A) entre os órgãos integrantes do Sistema Financeiro Nacional. (B) entre o Banco Central do Brasil e o Conselho Monetário Nacional. (C) em quotas de responsabilidade limitada. (D) em ações pertencentes à União. (E) em quinhões atribuídos a sua presidência e diretoria (BNDES/Técnico Administrativo/Cesgranrio/2008) O Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social tem por objetivo apoiar programas, projetos, obras e serviços que se relacionam com o desenvolvimento econômico e social, sendo o principal instrumento de execução da política de investimento do (A) Congresso Nacional. (B) Governo Federal. (C) Governo Estadual. (D) Governo Municipal. (E) Conselho Nacional de Assistência Social. São títulos de renda fixa, emitidos por bancos comerciais, múltiplos, de investimento ou de desenvolvimento. O público-alvo dos CDBs são tanto pessoas físicas como as jurídicas. Podem ser pré ou pós-fixados. pré-fixado o investidor sabe, no momento da aplicação, quanto irá receber no vencimento, pós-fixado o rendimento é composto por uma taxa de juros definida no momento da aplicação e ainda é atrelado a algum índice. O prazo mínimo varia de 1 dia a 12 meses, dependendo do tipo de remuneração contratada. A principal diferença entre os dois títulos é que o CDB, sendo um título, pode ser negociado por meio de transferência. O RDB é inegociável e intransferível. Ambos podem ser resgatados antes do prazo contratado, desde que decorrido o prazo mínimo de aplicação. Antes do prazo mínimo não são abonados rendimentos. Esses investimentos podem ter a incidência de quatro alíquotas distintas de Imposto de Renda na Fonte sobre os seus rendimentos, conforme o prazo da aplicação: Alíquota Prazo da Aplicação 22,5% até 180 dias 20,0% entre 181 dias e 360 dias 17,5% entre 361 dias e 720 dias 15,0% 721 dias ou mais 3. Produtos e Serviços Bancários 3.1 Operações Passivas Depósitos à Vista (conta corrente) A captação de depósitos à vista, livremente movimentáveis, é atividade típica e própria dos bancos comerciais, o que os configura como instituições financeiras monetárias. É a chamada captação a custo zero. A conta corrente é o produto básico de relacionamento entre o banco e o cliente, através dela são movimentados os recursos do cliente via depósito, cheques, ordens de pagamento, créditos de salários e benefícios e débitos de contas agendadas (luz, telefone, fatura de cartão de crédito, tv a cabo, internet e etc.). A conta corrente pode ser pode ser pessoal ou conjunta. A conjunta pode ser: simples (exige a assinatura de, no mínimo, dois participantes) ou solidária (exige a assinatura apenas de um participante). Depósitos em cheque em conta corrente só são liberados após a compensação dos cheques Depósitos à Prazo (CDB e RDB) O CDB é um título de crédito (físico ou escritural) e o RDB um recibo que ao serem emitidos geram a obrigação das instituições emissoras pagar ao aplicador, ao final do prazo contratado, o capital inicial mais a remuneração prevista (BB/FCC/2006-SP) São instituições que podem captar depósitos a prazo junto ao público: (A) sociedades corretoras de títulos e valores mobiliários. (B) bancos de investimento. (C) sociedades de arrendamento mercantil. (D) sociedades de crédito, financiamento e investimento. (E) sociedades de crédito imobiliário (BB/FCC/2006-DF) Um cliente tem interesse em aplicar recursos por 30 dias em CDB e quer que a sua rentabilidade acompanhe a evolução diária da taxa de juros. Nesse caso, o indexador mais indicado para a operação é (A) o CDI. (B) o IPCA. (C) a TBF. (D) uma taxa pré-fixada. (E) o IGP-M (BB/FCC/2006-MT/MS/TO) Um investidor que no dia 1º de março de 2006 tenha feito uma aplicação em CDB pré-fixado com vencimento em 730 dias terá seus rendimentos sujeitos à alíquota de Imposto de Renda de (A) 10,0% (B) 15,0% (C) 17,5% (D) 20,0% (E) 22,5% 104. (BB/FCC/2006-SP) Um investidor que, no dia 1º de março de 2006, tenha feito uma aplicação em CDB pósfixado, com vencimento em 180 dias, terá seus rendimentos sujeitos à alíquota de Imposto de Renda de (A) 22,5% (B) 20,0% (C) 17,5% Grancursos Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Prof. Cid Roberto Página 16/30

17 (D) 15,0% (E) 10,0% (Caixa/Cesgranrio/2008-I) O certificado de depósito bancário (CDB) é o título de renda fixa emitido por instituições financeiras, com a finalidade de captação de recursos para carregá-los em outras carteiras de investimento, visando ao ganho financeiro e/ou ganho de intermediação. Considerando as características do CDB analise as afirmações a seguir. Julgue os itens a seguir: 105. quando a perspectiva é de queda da taxa de juros, a modalidade de CDB mais indicada para aplicação é a prefixada o CDB não pode ser negociado antes do seu vencimento, devendo o cliente esperar o final do contrato para sacar o dinheiro no CDB prefixado, no momento da aplicação, o investidor já conhece o percentual de valorização nominal de seu investimento as taxas de rentabilidade do CDB são determinadas pelos próprios Bancos, de acordo com o CDI Cadernetas de Poupança É a aplicação mais simples e tradicional, onde se podem aplicar pequenas somas e ter liquidez, apesar da perda de rentabilidade para saques fora da data de aniversário da aplicação. Remunera o depositante mensalmente pela taxa de juros de 0,5% a.m. aplicada sobre os valores atualizados pela TR. Por ser remunerada com taxa pós-fixada, sua rentabilidade só é conhecida na data de aniversário da aplicação (sempre no mesmo dia do mês do depósito). Podem depositar pessoas físicas e jurídicas. Os rendimentos obtidos por Pessoas físicas e jurídicas não-tributadas não pagam imposto de renda. Pessoas jurídicas tributadas com base no lucro real pagam. A abertura da poupança e os depósitos podem ser feitos em qualquer dia do mês, sendo que as contas abertas e os depósitos realizados nos dias 29, 30 e 31 começam a contar rendimento a partir do dia primeiro do mês seguinte. As modalidades são: tradicional e rural ou caderneta verde. A caderneta de poupança tradicional é um produto exclusivo das instituições que compõem o Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE), a saber: Sociedades de Crédito Imobiliário, carteiras imobiliárias dos bancos múltiplos, associações de poupança e empréstimo, e as caixas econômicas. Os recursos captados em caderneta de poupança tradicional devem ser aplicados no financiamento imobiliário. A caderneta de poupança rural é um produto exclusivo do Banco do Amazônia, do Banco do Nordeste, do Banco do Brasil e dos Bancos Cooperativos. Os recursos captados pela caderneta de poupança rural devem ser aplicados para atendimento do crédito rural (Caixa/Cesgranrio/2008-II) Caderneta de poupança é a aplicação mais simples e tradicional, sendo uma das poucas em que se podem aplicar pequenas somas e em que se pode ter liquidez, apesar da perda de rentabilidade para saques fora da data de aniversário da aplicação. A caderneta de poupança de pessoas físicas é remunerada (A) diariamente, pela taxa SELIC. (B) mensalmente, pela taxa SELIC. (C) diariamente, com uma taxa de 6% ao ano, mais a TR da data de aniversário. (D) mensalmente, com uma taxa de 0,5% ao mês, mais a TR da data de aniversário. (E) trimestralmente, com uma taxa de 0,4% ao mês, mais o CDI (BB/FCC/2006-DF) No caso de investimentos feitos por pessoas físicas em cadernetas de poupança é correto afirmar que seus rendimentos são creditados (A) mensalmente, conforme a data de aniversário da aplicação, estando sujeitos ao recolhimento de Imposto de Renda à alíquota de 20%. (B) trimestralmente, conforme a data de aniversário da aplicação, estando sujeitos ao recolhimento de Imposto de Renda à alíquota de 20%. (C) trimestralmente, conforme a data de aniversário da aplicação, e são isentos de tributação. (D) a cada 30 dias, estando sujeitos ao recolhimento de Imposto de Renda à alíquota de 20%. (E) mensalmente, conforme a data de aniversário da aplicação, e são isentos de tributação (BB/FCC/2006-MT/MS/TO) A Caderneta de Poupança é um instrumento de captação dos bancos cujos recursos devem ser majoritariamente direcionados para a realização de operações de (A) crédito consignado. (B) cheque especial. (C) crédito rural. (D) financiamento imobiliário. (E) microcrédito (BB/FCC/2006-SP) Com relação à Caderneta de Poupança, é correto afirmar: (A) Trata-se de um investimento garantido em sua totalidade pelo governo. (B) Trata-se de um investimento disponível apenas para pessoas físicas. (C) Não há incidência de Imposto de Renda na Fonte sobre os rendimentos auferidos por investidores Pessoa Física. (D) Os recursos passam a render a partir do dia 1º do mês seguinte à data do depósito. (E) Os rendimentos são creditados a cada 30 dias. 3.2 Operações Ativas Financiamento de Capital Fixo São os recursos liberados pelas instituições financeiras com a destinação específica de financiar a aquisição dos bens fixos das empresas. Grancursos Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Prof. Cid Roberto Página 17/30

18 Como bens fixos, devemos entender aqueles classificados no ativo imobilizado das empresas. São os veículos, as instalações, os móveis e utensílios, a infra-estrutura da empresa, o maquinário, os computadores, as instalações complementares ou seja, tudo aquilo que é necessário para que a empresa possa exercer sua atividade produtiva. São operações de longo prazo e com juros mais em conta para viabilizar o desenvolvimento da empresa e até de uma região. Desta forma, as fontes (funding) destas operações têm origem nas entidades e instituições governamentais. Destaca-se o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) como o grande financiador das empresas no longo prazo Financiamento de Capital de Giro No financiamento há destinação específica prevista no contrato dos recursos que são disponibilizados e nos empréstimos os recursos podem ser utilizados pelo tomador onde quiser. Desta forma, não é correto afirmar que existe financiamento de capital de giro e sim empréstimo para capital de giro. Todavia, como é dessa maneira que o edital do concurso trata o assunto, iremos usar a expressão financiamento de capital de giro. O capital de giro é o conjunto de valores necessários para a empresa fazer seus negócios acontecerem (girar), está diretamente relacionado com o circulante da empresa. Tem a ver com os recebimentos e os pagamentos da empresa. A necessidade de capital de giro acontece quando a empresa tem algum compromisso a pagar e só terá os recursos necessários dali a alguns dias. Estes compromissos podem ser impostos, aluguéis, folha de pagamento, fornecedores e etc. O financiamento de capital de giro visa atender essa necessidade de capital da empresa. Firma-se um contrato específico de abertura de crédito rotativo, onde é estabelecido o prazo, taxa, valor e garantias Crédito Direto ao Consumidor (CDC) É a operação realizada pelas financeiras para que seus clientes adquiram bens e serviços. Sua maior utilização é para a aquisição de veículos e eletrodomésticos. O bem financiado serve como garantia da operação, ficando alienado à financeira, ou seja, o cliente transfere à financeira a propriedade do bem adquirido com o dinheiro emprestado até o pagamento total da dívida. O prazo do CDC varia de financeira para financeira Atualmente, os contratos têm sido firmados com a incidência somente de juros pré-fixados Crédito Rotativo O contrato de abertura de crédito rotativo é a linha de crédito aberta com determinado limite para que o cliente utilize conforme sua necessidade. É rotativo exatamente por ter mobilidade, o cliente utiliza o quanto necessita, quando quiser, pelo período que precisar, restituindo ao banco assim que puder. Como está pré-estabelecido não há data certa para o uso do crédito nem para devolver (a data-limite é a data de vencimento do contrato) Cheque Especial Destina-se praticamente às pessoas físicas. É um limite de crédito pré-estabelecido, vinculado à conta corrente do cliente, utilizado de forma automática pela emissão de cheques quando não há saldo disponível. Conforme a conta corrente vai recebendo créditos, os recursos vão sendo transferidos para cobrir o saldo devedor utilizado. Encargos: taxas - pré ou pós-fixadas (CDI ou TR + juros mensais) incidente sobre os valores utilizados e respectivo prazo, IOF - incidente sobre os prazos e valores utilizados, taxa de abertura de crédito (TAC) - cobrada pela instituição para cada contrato Contas Garantidas São contas de empréstimo separadas mas vinculadas às contas correntes, com limite de crédito de utilização rotativa destinado a suprir eventuais necessidades de capital de giro. Geralmente são movimentadas diretamente pelos cheques emitidos pelos clientes, quando não há saldo disponível na conta corrente. São rotativas por que um limite é pré-definido para o cliente utilizar quando necessário e conforme a conta corrente vai recebendo créditos os recursos vão sendo transferidos à conta garantida até cobrir o saldo devedor. Destinam-se às pessoas jurídicas. São garantidas por que o cliente tem um limite de uso garantido previamente e também porque para a abertura da conta o cliente oferece garantias que podem ser: nota promissória com aval dos sócios ou terceiros que possam apresentar algum bem, caução de títulos de crédito (duplicatas ou cheques prédatados), e/ou alienação fiduciária/hipoteca. As contas garantidas podem ser: rotativas a liberação do recurso e a amortização são feitas mediante autorização do cliente, ou automáticas - as liberações na conta do cliente são automáticas, porém, as amortizações são feitas por solicitação ou autorização da empresa. Os juros desta operação são calculados diariamente sobre o saldo devedor e cobrados, normalmente, no primeiro dia útil do mês seguinte ao da movimentação. encargos: taxas - pré ou pós-fixadas (CDI ou TR + juros mensais) incidente sobre os valores utilizados e respectivo prazo, IOF - incidente sobre os prazos e valores utilizados, taxa de abertura de crédito (TAC) - cobrada pela instituição para cada contrato. Grancursos Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Prof. Cid Roberto Página 18/30

19 3.2.7 Descontos de Títulos São os adiantamentos de recursos que os bancos fazem aos clientes, sobre valores de duplicatas de cobrança ou notas promissórias, para antecipar o fluxo de caixa do cliente. O cliente garante o recebimento de recursos que, teoricamente, só teria disponíveis no futuro. Geralmente, o desconto é feito sobre títulos com prazo máximo de 60 dias e prazo médio de 30 dias. O banco tem o direito de regresso, ou seja, no vencimento, caso o título não seja pago pelo sacado, o cedente assume a responsabilidade do pagamento, inclusive de multas e/ou juros de mora por atraso. Descontos também podem ser feitos sobre os recibos de venda com cartões de crédito e os cheques pré-datados (no caso de cheques pré-datados, esses documentos ficam em caução como garantia do empréstimo). a pessoas físicas quanto jurídicas. (B) O primeiro é um tipo de investimento destinado tanto a pessoas físicas quanto jurídicas, e o segundo um tipo de empréstimo destinado somente a pessoas físicas. (C) Ambos são tipos de empréstimo, destinados tanto a pessoas físicas quanto a pessoas jurídicas. (D) Ambos são tipos de empréstimo, sendo o primeiro destinado a pessoas jurídicas e o segundo a pessoas físicas. (E) O primeiro é um tipo de investimento destinado a pessoas jurídicas, e o segundo é um tipo de empréstimo destinado a pessoas físicas e jurídicas Vendor Finance Compradora Hot Money É o empréstimo de curtíssimo prazo, normalmente por um dia, sendo, no máximo, por 29 dias. A formação de taxa para o hot money é definida pela taxa do CDI do dia da operação acrescido dos custos do PIS (0,75%) e do Cofins (2,00%) sobre o faturamento da operação. Por ser uma operação de curto prazo o hot money tem a vantagem de permitir uma rápida mudança de posição no caso de uma variação brusca nas taxas de juros para baixo. O Comunicado Bacen 7.569, de , na alínea IX, diz que para efeito de distinção entre as operações de "hot money" e de capital de giro deve-se classificar como na segunda modalidade aquelas contratadas com prazo igual ou superior a 30 dias. Sendo assim, hot money tem prazo de até 29 dias. Com prazo igual ou superior a 30 dias é operação de capital de giro (Caixa/Cesgranrio/2008-II) A operação bancária de empréstimo a curtíssimo prazo, geralmente de um dia e no máximo de dez dias, que visa a atender às necessidades imediatas de caixa de seus clientes, e tem como referencial a taxa CDI acrescida de um spread e impostos é o (A) mobile banking. (B) hot money. (C) factoring. (D) certificado de depósito bancário. (E) crédito rotativo (BB/FCC/2006-DF) O hot-money é uma modalidade de empréstimo que tem a finalidade de (A) financiar as vendas a prazo das empresas. (B) refinanciar dívidas já existentes de pessoas físicas. (C) financiar a aquisição de bens e serviços por pessoas físicas. (D) atender às necessidades imediatas de caixa das empresas. (E) financiar a aquisição de bens de capital por parte das empresas (BB/FCC/2006-SP) No que diz respeito ao Hot Money e ao Cheque Especial, é correto afirmar: (A) Ambos são tipos de empréstimo, sendo o primeiro destinado a pessoas jurídicas e o segundo destinado tanto Compradora É uma operação de financiamento de vendas com base na cessão de crédito, permitindo que uma empresa venda seu produto a prazo e receba o pagamento à vista. Envolve transações de compra e venda entre pessoas jurídicas. Supõe que a empresa compradora seja cliente tradicional da vendedora, pois será a vendedora quem assumirá o risco do negócio, como intermediadora. A empresa vendedora transfere o crédito decorrente da venda ao banco que em troca de uma taxa de intermediação paga à vista ao próprio vendedor e financia o comprador. Como a venda não é financiada diretamente pela empresa vendedora, a base de cálculo para a cobrança de tributos, comissões e royalties, torna-se menor. Reduz também a carga de IPI, ICM, PIS e Cofins que incide sobre o preço da Nota Fiscal da empresa vendedora. Se a própria vendedora financiasse a venda, iria embutir no preço os custos financeiros, aumentando mais ainda os impostos a pagar. Com o vendor é possível vender por um preço mais competitivo, além do que ao receber a vista tem imediato reforço no seu caixa. O cliente comprador beneficia-se com taxas menores que as do mercado para o financiamento isolado de uma empresa, pois estará obtendo uma taxa que leva em conta o risco do vendedor. Em resumo, é uma modalidade de financiamento de vendas na qual quem contrata o crédito é o vendedor do bem, mas quem paga o crédito é o comprador. A operação é formalizada com a assinatura de um contrato, com direito de regresso entre o banco e a empresa vendedora (fornecedora) e um contrato de abertura de crédito entre as partes: Grancursos Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Prof. Cid Roberto Página 19/30

20 empresa vendedora, banco, e empresa compradora (BB/FCC/2006-MT/MS/TO) A empresa XYZ possui um bom conceito de crédito junto ao seu banco e opera com clientes que dificilmente atrasam seus pagamentos, mas, devido a investimentos realizados recentemente visando o aumento da produção, atualmente não dispõe de recursos próprios para financiar suas vendas. A operação por meio da qual o banco poderá viabilizar as vendas a prazo da empresa XYZ recebe a denominação de (A) warrants. (B) vendor finance. (C) factoring. (D) crédito direto ao consumidor. (E) leasing Compror Finance total recebido a título de contraprestação mais o VRG, será suficiente para que a arrendadora recupere o valor gasto na aquisição e tenha a rentabilidade financeira esperada na operação representada pela taxa pactuada; e operacional não funciona como uma operação financeira, o total recebido a título de contraprestação mais a quantia que for apurada ao final do contrato com a venda do bem, deverá ser suficiente para que a arrendadora recupere o valor gasto na aquisição e tenha a rentabilidade financeira esperada no negócio. prazo mínimo diferenças entre o leasing: financeiro 2 anos para bens com vida útil de até 5 anos 3 anos para bens com vida útil acima de 5 anos operacional 3 meses prazo máximo manutenção do bem arrendado não há a cargo do arrendatário 75% da vida útil do bem arrendado pode ser a cargo do arrendador ou do arrendatário VRG obrigatório não é permitido opção de compra pelo valor do VRG pelo valor de mercado EMPRESA ARRENDADORA É a operação inversa do vendor É uma operação de financiamento de compras com base na cessão de crédito, permitindo que uma empresa compre o seu produto a prazo e o vendedor receba o pagamento à vista. Ocorre quando pequenas indústrias, fabricantes de componentes, vendem para grandes montadoras, indústrias de veículos e eletrodomésticos. Nesse caso, em vez de o vendedor (indústria) ser o fiador do contrato, o próprio comprador é que funciona como tal. É um instrumento de crédito que dilata o prazo de pagamento de compra sem envolver o vendedor (fornecedor). O título a pagar funciona como um lastro para o banco financiar o cliente que irá lhe pagar em data futura précombinada, acrescido de juros e IOF. Como no vendor, este produto exige um contrato-mãe definindo as condições básicas da operação, que será efetivada quando do envio ao banco dos contratos-filhos, com as planilhas dos dados dos pagamentos que serão financiados Leasing (tipos, funcionamento, bens) O princípio básico que fundamenta a operação de leasing é que o fato gerador de rendimentos para uma empresa é a utilização e não a propriedade de um bem. No Brasil, o leasing é chamado de arrendamento mercantil. Há dois tipos de leasing: financeiro - funciona como uma operação financeira, o FORNECEDOR Funcionamento (1) Escolhe o bem, negocia preço e condições (2) Assinam o contrato de leasing (3) Autoriza o faturamento e a entrega do bem (4) Fatura e entrega o bem (5) Recebe a Nota Fiscal e o documento emitido pelo arrendatário comunicando o recebimento do bem (6) Paga o valor do bem expresso na Nota Fiscal (7) Paga as contraprestações Bens arrendáveis: podem ser arrendados bens móveis ou imóveis, novos ou usados, de fabricação nacional ou estrangeira. Havendo dúvida quanto à possibilidade de um bem ser objeto de arrendamento, aplique a seguinte regra básica: todo bem classificável no ativo imobilizado da pessoa jurídica pode ser objeto de arrendamento. Vantagens para o arrendatário: financiamento total do bem, liberação do capital de giro da empresa, longo prazo da operação, ARRENDATÁRIO dedução dos valores das contraprestações pagos como despesa operacional. 1 4 Grancursos Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Prof. Cid Roberto Página 20/30

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. Bancos Comerciais. Bancos Comerciais. prof.bancario@gmail.com

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. Bancos Comerciais. Bancos Comerciais. prof.bancario@gmail.com Concurso 2011 Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com Mercado Financeiro Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) 5ª aula Início da aula Instituições Operadoras Livro Como esticar seu dinheiro Ricardo

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Índice Pg. Sistema Financeiro Nacional... 02 Dinâmica do Mercado... 05 Mercado Bancário... 09 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro

Leia mais

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas.

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. BRB 2011 Cespe Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. A respeito da estrutura do Sistema Financeiro Nacional (SFN),julgue os itens a seguir. 1. Ao Conselho Monetário

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012 Prof. Cid Roberto Concurso 2012 Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7 Conselho Monetário Nacional É constituído pelo

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS. Prof. Rodrigo O. Barbati

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS. Prof. Rodrigo O. Barbati CONHECIMENTOS BANCÁRIOS Prof. Rodrigo O. Barbati AULA 01 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional Subsistema normativo Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional (SFN) pode ser entendido

Leia mais

Exercício para fixação

Exercício para fixação Exercício para fixação Quando o Banco Central deseja baratear os empréstimos e possibilitar maior desenvolvimento empresarial, ele irá adotar uma Política Monetária Expansiva, valendo-se de medidas como

Leia mais

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional 1 O Sistema Financeiro Nacional Foi constituído com base nas leis: 4595 de 31-12-64 Estrutura o Sistema Financeiro Nacional 4728 de 14-7- 65 Lei do Mercado de Capitais O Sistema

Leia mais

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade III Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Lembrando da aula anterior Conceitos e Funções da Moeda Política Monetária Política Fiscal Política Cambial

Leia mais

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 IF sob a forma de empresa pública, criada nos termos do Decreto-Lei n o 759, de 12 de agosto de 1969, vinculada ao Ministério da Fazenda.

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 Obs.: Para aprofundar os conhecimentos no Sistema Financeiro Nacional, consultar o livro: ASSAF NETO, Alexandre.

Leia mais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais Relações Internacionais Finanças Internacionais Prof. Dr. Eduardo Senra Coutinho Tópico 1: Sistema Financeiro Nacional ASSAF NETO, A. Mercado financeiro. 8ª. Ed. São Paulo: Atlas, 2008. Capítulo 3 (até

Leia mais

valores Sociedades de capitalização Entidades fechadas de previdência complementar (fundos de pensão)

valores Sociedades de capitalização Entidades fechadas de previdência complementar (fundos de pensão) CONHECIMENTOS BANCÁRIOS PROFESSOR RODRIGO O. BARBATI 1 ESTRUTURA DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composto de um conjunto de instituições

Leia mais

Sistema Financeiro Nacional I

Sistema Financeiro Nacional I Conceitos gerais Sistema Financeiro Nacional (SFN) é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilitam a transferência de recursos dos ofertantes finais (poupadores) para os tomadores

Leia mais

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro 1 2 O que é o Mercado de Capitais A importância do Mercado de Capitais para a Economia A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro O que é Conselho Monetário Nacional (CNM) O que é Banco Central (BC)

Leia mais

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. Banco Central do Brasil. prof.bancario@gmail.com. 56, 57, 58, 59, 60 e 61

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. Banco Central do Brasil. prof.bancario@gmail.com. 56, 57, 58, 59, 60 e 61 Concurso 2011 Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) Banco Central do Brasil Fazer os exercícios 56, 57, 58, 59, 60 e 61 2ª aula Início da aula Exercício 56

Leia mais

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar:

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar: EDITAL 2012 1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: Conselho Monetário Nacional; Banco Central do Brasil; Comissão de Valores Mobiliários; Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional; bancos

Leia mais

Banco Central Bacen Conhecimentos Bancários

Banco Central Bacen Conhecimentos Bancários Banco Central Bacen Conhecimentos Bancários BANCO CENTRAL DO BRASIL O Banco Central do Brasil, criado pela Lei 4.595, de 31.12.1964, é uma autarquia federal, vinculada ao Ministério da Fazenda, que tem

Leia mais

3.1 - Estrutura do SFN

3.1 - Estrutura do SFN 1 3. Sistema Financeiro Nacional 3.1 Estrutura do SFN 3.2 Subsistema normativo 3.3 Subsistema de intermediação 3.4 Títulos públicos negociados no MF 3.5 Principais papéis privados negociados no MF 3/4/2012

Leia mais

CAIXA. Caixa Econômica Federal TÉCNICO BANCÁRIO. Errata 001 de 30 de março de 2012

CAIXA. Caixa Econômica Federal TÉCNICO BANCÁRIO. Errata 001 de 30 de março de 2012 Edição 4ª 7 8 9 8 4 8 1 9 2 4 5 6 3 CAIXA Caixa Econômica Federal TÉCNICO BANCÁRIO Errata 001 de 30 de março de 2012 Conhecimentos bancários com atualizações e complementos que ocorreram nas páginas citadas.

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES. Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES. Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA JUROS PAGOS PELOS TOMADORES - REMUNERAÇÃO PAGA AOS POUPADORES SPREAD

Leia mais

Sistema Financeiro Nacional-Aula 22.10.14 22/10/2014. Ciências Contábeis. Sistema Financeiro Nacional. Sistema Financeiro Nacional. Prof.

Sistema Financeiro Nacional-Aula 22.10.14 22/10/2014. Ciências Contábeis. Sistema Financeiro Nacional. Sistema Financeiro Nacional. Prof. -Aula 22.10.14 22/10/2014 UNIVERSIDADE COMUNITARIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Ciências Contábeis Conceitos e Estrutura Professor : Johnny Luiz Grando Johnny@unochapeco.edu.br Surgimento e Finalidade: Cronograma

Leia mais

Como funciona o Sistema Financeiro Nacional. José Reynaldo de Almeida Furlani Junho de 2013

Como funciona o Sistema Financeiro Nacional. José Reynaldo de Almeida Furlani Junho de 2013 José Reynaldo de Almeida Furlani Junho de 2013 Segmentação do Mercado MERCADO MONETÁRIO MERCADO DE CRÉDITO MERCADO FINANCEIRO MERCADO DE CAPITAIS MERCADO CAMBIAL Conceito de Sistema Financeiro Conjunto

Leia mais

AULA 03. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional. Subsistema Operativo II

AULA 03. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional. Subsistema Operativo II AULA 03 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional Subsistema Operativo II BNDES No subsistema operativo, existem instituições que não captam depósitos à vista, como o BNDES. O Banco Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur

Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur 1 - Sobre as atribuições do Banco Central do Brasil, é incorreto afirmar: a) Exerce o controle de crédito b) Estimula a formação de poupança e a sua aplicação

Leia mais

Sistema Financeiro Nacional 3. Sistema Financeiro Nacional 3.1 Conceito 3.2 Subsistema de Supervisão 3.3 Subsistema Operativo 6/7/2006 2 3.1 - Conceito de Sistema Financeiro Conjunto de instituições financeiras

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 3: O ambiente operacional do administrador financeiro e da própria empresa Qualquer que seja o tipo de empreendimento empresa industrial, comercial, prestadora de serviços

Leia mais

Capítulo 1 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional-SFN

Capítulo 1 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional-SFN Capítulo 1 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional-SFN Introdução Neste capítulo iremos compilar os normativos que tratam sobre o Sistema Financeiro Nacional-SFN, desde a sua criação até a data presente

Leia mais

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1 41. (CAIXA/2010) Compete à Comissão de Valores Mobiliários CVM disciplinar as seguintes matérias: I. registro de companhias abertas. II. execução da política monetária. III. registro e fiscalização de

Leia mais

Evolução do SFN. 1. Primeiro Período: 1808-1914 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS. 3. Terceiro Período: 1945-1965. 2. Segundo Período: 1914-1945

Evolução do SFN. 1. Primeiro Período: 1808-1914 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS. 3. Terceiro Período: 1945-1965. 2. Segundo Período: 1914-1945 Evolução do SFN MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Profa. Dra. Andréa Paula Segatto-Mendes apsm@ufpr.br 1. Primeiro Período: 1808-1914 Abertura dos portos - acordos comerciais diretos Criação do Banco do

Leia mais

Professora Elaine Barros Exercícios de Provas Anteriores Conhecimentos Bancários Item 5 SFN. 16. Junto ao CMN funcionam comissões consultivas de

Professora Elaine Barros Exercícios de Provas Anteriores Conhecimentos Bancários Item 5 SFN. 16. Junto ao CMN funcionam comissões consultivas de Professora Elaine Barros Exercícios de Provas Anteriores Conhecimentos Bancários Item 5 SFN 16. Junto ao CMN funcionam comissões consultivas de A seguros privados. B crédito rural e de endividamento público.

Leia mais

AULA 02. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional. Subsistema Operativo I

AULA 02. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional. Subsistema Operativo I AULA 02 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional Subsistema Operativo I Subsistema Operativo No Sistema Financeiro Nacional, o subsistema operativo trata da intermediação, do suporte operacional e da administração.

Leia mais

Introdução: Mercado Financeiro

Introdução: Mercado Financeiro Introdução: Mercado Financeiro Prof. Nilton TÓPICOS Sistema Financeiro Nacional Ativos Financeiros Mercado de Ações 1 Sistema Financeiro Brasileiro Intervém e distribui recursos no mercado Advindos de

Leia mais

S B U SI S ST S E T M

S B U SI S ST S E T M 2.1 - Estrutura do SFN Análise de Mercado Financeiro Cap. II Sistema Financeiro Nacional Conjunto de instituições financeiras e instrumentos financeiros que visam transferir recursos dos agentes econômicos

Leia mais

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383 Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10 www.eadempresarial.net.br SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL Uma conceituação bastante abrangente de sistema financeiro poderia ser a de um conjunto de

Leia mais

CURSO INDICADORES ECONÔMICOS. Sistema financeiro e Finanças públicas

CURSO INDICADORES ECONÔMICOS. Sistema financeiro e Finanças públicas Sistema financeiro e Finanças públicas Vamos imaginar um mundo sem finanças... Como seria o mercado imobiliário? A Construção? A Venda? No mundo sem Finanças grande parte dos bens estaria estocada. Na

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL 2012

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL 2012 1 APRESENTAÇÃO DO CURSO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS PARA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL EM EXERÍCIOS Léo França Porto 2 CONHECIMENTOS BANCÁRIOS REVISÃO EM EXERCÍCIOS CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

www.concursovirtual.com.br

www.concursovirtual.com.br História da Caixa Professor Carlos Arthur 1. A Caixa Econômica Federal (CAIXA), criada em 1861, está regulada pelo Decreto-Lei n.º 759/1969, como empresa pública vinculada ao Ministério da Fazenda. A instituição

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

Administração Financeira II

Administração Financeira II Administração Financeira II Sistema Financeiro Nacional Professor: Roberto César SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O Sistema Financeiro Nacional pode ser definido como o conjunto de instituições e orgãos que

Leia mais

Conhecimentos Bancários

Conhecimentos Bancários Conhecimentos Bancários 419 Conhecimentos Bancários Rogério F. Pizza Apresentação: Caro candidato, é com muita satisfação que discorri sobre o tema conhecimentos bancários. Procurei agregar nesse material

Leia mais

Conhecimentos bancários Profº Rodrigo Ocampo Barbati

Conhecimentos bancários Profº Rodrigo Ocampo Barbati Conhecimentos bancários Profº Rodrigo Ocampo Barbati 1) O Conselho Monetário Nacional (CMN), que foi instituído pela Lei 4.595, de 31 de dezembro de 1964, é o órgão responsável por expedir diretrizes gerais

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL SFN. Instituições Financeiras Captadoras de Depósitos à Vista. Bolsas de Mercadorias e Futuros

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL SFN. Instituições Financeiras Captadoras de Depósitos à Vista. Bolsas de Mercadorias e Futuros SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL SFN SUBSISTEMA NORMATIVO SUBSISTEMA OPERATIVO OU DE INTERMEDIAÇÃO Órgãos Normativos Entidades Supervisoras Operadores CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL (CMN) Banco Central do Brasil

Leia mais

4/2/2011 DIRETRIZES DA POLÍTICA MONETÁRIA TAXA BÁSICA DE JUROS 08 MEMBROS 08 REUNIÕES RELATÓRIO DA INFLAÇÃO ATAS DO COPOM TAXA SELIC

4/2/2011 DIRETRIZES DA POLÍTICA MONETÁRIA TAXA BÁSICA DE JUROS 08 MEMBROS 08 REUNIÕES RELATÓRIO DA INFLAÇÃO ATAS DO COPOM TAXA SELIC CMN ORGAO MAXIMO DELIBERATIVO MINISTÉRIO DA FAZENDA, MINISTERIO DO PLANEJAMENTO, BACEN COMOC RESOLUÇÕES COPOM DIRETRIZES DA POLÍTICA MONETÁRIA TAXA BÁSICA DE JUROS 08 MEMBROS 08 REUNIÕES RELATÓRIO DA INFLAÇÃO

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL BRUNI BRUNI BRUNI BRUNI. Sistema Financeiro Nacional

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL BRUNI BRUNI BRUNI BRUNI. Sistema Financeiro Nacional Capítulo Sistema Financeiro Nacional Bibliografia básica Todo o conteúdo dos slides deve ser acompanhado com o livro Mercados Financeiros, publicado pela Editora Atlas. Objetivos do capítulo Distinguir

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO

A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO INDICE O Sistema Financeiro Nacional - SFN Instituições de Crédito Cooperativas de Crédito Diferenças entre Bancos e Cooperativas de Crédito O

Leia mais

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012 Prof. Cid Roberto Concurso 2012 Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7 São realizadas por bancos de investimentos e demais

Leia mais

Conhecimentos Bancários

Conhecimentos Bancários Conhecimentos Bancários Índice Estrutura do Sistema Financeiro Nacional... Conselho Monetário Nacional... COPOM Comitê de Política Monetária... Banco Central do Brasil... Comissão de Valores Mobiliários...

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 (De autoria do Senador Pedro Simon)

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 (De autoria do Senador Pedro Simon) 1 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 (De autoria do Senador Pedro Simon) O CONGRESSO NACIONAL decreta: Altera o parágrafo único do art. 81 da Lei nº 9.069, de 29 de junho de 1995, que dispõe sobre o

Leia mais

Módulo 11 Corretora de Seguros

Módulo 11 Corretora de Seguros Módulo 11 Corretora de Seguros São pessoas físicas ou jurídicas, que se dedicam a angariar e promover contratos entre as Sociedades Seguradoras e seus clientes. A habilitação e o registro do corretor se

Leia mais

atividade a prática de operações de arrendamento As sociedades de arrendamento mercantil são

atividade a prática de operações de arrendamento As sociedades de arrendamento mercantil são Arrendamento mercantil ou leasing é uma operação em que o proprietário de um bem cede a terceiro o uso desse bem por prazo determinado, recebendo em troca uma contraprestação. No que concerne ao leasing,

Leia mais

PREPARATÓRIO PARA CARREIRAS BANCÁRIAS SIMULADO 02 Sistema Financeiro Nacional Professor: Tiago Zanolla

PREPARATÓRIO PARA CARREIRAS BANCÁRIAS SIMULADO 02 Sistema Financeiro Nacional Professor: Tiago Zanolla 1. (BB/FCC/2013) O tem como entidades supervisoras: (A) FEBRABAN e Superintendência Nacional de Previdência Complementar. (B) Receita Federal do Brasil e Resseguradores. (C) Comissão de Valores Mobiliários

Leia mais

BB- 2011. (E) controlar e liquidar financeiramente as operações de compra e venda de títulos públicos e manter sua custódia física e escritural.

BB- 2011. (E) controlar e liquidar financeiramente as operações de compra e venda de títulos públicos e manter sua custódia física e escritural. controlar e liquidar financeiramente as operações de compra e venda de títulos públicos e manter sua custódia física e escritural. 4. (FCC/BB/10) A operação de antecipação de um recebimento, ou seja,venda

Leia mais

Prova CEF 2014. Caderno BANCO

Prova CEF 2014. Caderno BANCO PROF CLAUDIO ZORZO Prova CEF 2014 Caderno BANCO Na minha visão existe possibilidade de recurso nas questões 67 e 119. Contudo, entenda que é minha percepção, quem tiver alguma outra interpretação pode

Leia mais

Mirae Asset Securities (Brasil) C.T.V.M. Ltda www.miraeasset.com.br

Mirae Asset Securities (Brasil) C.T.V.M. Ltda www.miraeasset.com.br ENTIDADES AUTORREGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é uma companhia de capital brasileiro formada, em 2008, a partir da integração das operações da Bolsa de Valores

Leia mais

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com Concurso 2011 Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com Bolsa de Valores As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) 8ª aula Início da

Leia mais

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 Solange Honorato Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 E Solange Honorato Facilitadora Certificação Profissional ANBIMA - CPA-10 Destina-se aos profissionais que desempenham

Leia mais

BB+Bacen SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL SFN

BB+Bacen SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL SFN SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL SFN A Lei n 4.595, de 31 de dezembro de 1964, considera Instituições Financeiras (IFs) como pessoas jurídicas públicas ou privadas que fazem coleta, intermediação ou aplicação

Leia mais

Unidade 1 O Sistema Financeiro Nacional: Composição, Funcionamento e Regulação

Unidade 1 O Sistema Financeiro Nacional: Composição, Funcionamento e Regulação Sumário Unidade 1 O Sistema Financeiro Nacional: Composição, Funcionamento e Regulação Capítulo 1 Sistema Financeiro Nacional 1.2. A Intermediação Financeira 1.3. Estrutura Atual do Sistema Financeiro

Leia mais

GUIA DE FUNCIONAMENTO DO MERCADO V1. 04_2012

GUIA DE FUNCIONAMENTO DO MERCADO V1. 04_2012 GUIA DE FUNCIONAMENTO DO MERCADO V1. 04_2012 O objetivo deste material é prestar ao investidor uma formação básica de conceitos e informações que possam auxiliá-lo na tomada de decisões antes da realização

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 5: Sociedades de crédito ao microempreendedor As sociedades de crédito ao microempreendedor, criadas pela Lei 10.194, de 14 de fevereiro de 2001, são entidades que têm por

Leia mais

Parágrafo 2º As operações de crédito contratadas a taxas prefixadas passam a ser informadas, a partir de 01.07.95

Parágrafo 2º As operações de crédito contratadas a taxas prefixadas passam a ser informadas, a partir de 01.07.95 CIRCULAR Nº 2568/95 Altera a classificação de fatores de risco de operações ativas, bem como os procedimentos para contabilização de operações de cessão de crédito e de receitas e despesas a apropriar.

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - SFN. César de Oliveira Frade

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - SFN. César de Oliveira Frade SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - SFN César de Oliveira Frade Sistema Financeiro Nacional conjunto de agentes que se dedicam ao trabalho de propiciar condições para a manutenção de um fluxo de recursos entre

Leia mais

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público Karina Jaques, professora de Conhecimentos Bancários do site QConcursos.com 1. (CESGRANRIO/2012/CEF/Técnico Bancário) Para estabelecer um relacionamento bancário, as pessoas devem comprovar o seu domicílio.

Leia mais

ESTRUTURA S.F.N. COMPOSIÇÃO DO CMN: CMN 17/6/2011

ESTRUTURA S.F.N. COMPOSIÇÃO DO CMN: CMN 17/6/2011 CONCURSO BB 2011 ESTRUTURA S.F.N. CONHECIMENTOS BANCÁRIOS professorcanda@rcdconcursos.com.br 1 2 CMN CMN compete: - estabelecer as diretrizes gerais das políticas monetária, cambial e creditícia. - regular

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1 Sandra Figueiredo 1. Aspectos econômicos e jurídicos das instituições financeiras O Aparecimento das instituições financeiras foi motivado pelas relações

Leia mais

AULA 03 3. MAIS QUESTÕES COMENTADAS... 25 4. RESUMO DE AULA... 30 5. QUESTÕES APRESENTADAS EM AULA... 32 BIBLIOGRAFIA... 36

AULA 03 3. MAIS QUESTÕES COMENTADAS... 25 4. RESUMO DE AULA... 30 5. QUESTÕES APRESENTADAS EM AULA... 32 BIBLIOGRAFIA... 36 AULA 03 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS... 2 2. SUBSISTEMA OPERATIVO... 2 2.1. INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS CAPTADORAS DE DEPÓSITOS À VISTA.... 4 2.1.1. Bancos comerciais;... 6 2.1.2. Bancos múltiplos;... 6 2.1.3.

Leia mais

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários;

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários; O QUE É A CVM? A CVM - Comissão de Valores Mobiliários é uma entidade autárquica em regime especial, vinculada ao Ministério da Fazenda, com personalidade jurídica e patrimônio próprios, dotada de autoridade

Leia mais

TESTES DE CONHECIMENTOS BANCÁRIOS

TESTES DE CONHECIMENTOS BANCÁRIOS Conhecimentos bancários TESTES DE CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. (Cesgranrio Técnico Bancário CEF 2008) O Sistema Financeiro Nacional (SFN), conhecido também como Sistema Financeiro Brasileiro, compreende

Leia mais

SUPER CURSO DE CONHECIMENTOS BANCÁRIOS E SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL SIMULADO 01 - BACEN e CMN Professor: Tiago Zanolla

SUPER CURSO DE CONHECIMENTOS BANCÁRIOS E SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL SIMULADO 01 - BACEN e CMN Professor: Tiago Zanolla SIMULADO Conhecimentos Bancários e SFN QUESTÃO 01 (INÉDITA TZ 2013) Considerando o Sistema Financeiro Nacional, assinale a única alternativa que traz a correta correlação de itens: 1. Funding 2. Spread

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. Dispõe sobre os critérios para a realização de investimentos pelas sociedades seguradoras, resseguradores locais,

Leia mais

Banco do Brasil BNDES. BNDESPAR Objetivo: promover a capitalização da empresa nacional por meio de participações acionárias BNDES 03/10/2015

Banco do Brasil BNDES. BNDESPAR Objetivo: promover a capitalização da empresa nacional por meio de participações acionárias BNDES 03/10/2015 ECONOMIA Micro e Macro Mercado Financeiro ADM Mercado de Crédito Econ. Edilson Aguiais Powerpoint Templates Material Disponível em: www.puc.aguiais.com.br Banco do Brasil Sociedade Anônima de capital misto,

Leia mais

1. (FGV/BESC/2004) É uma operação de crédito direto ao consumidor, com interveniência do vendedor, usado por lojas de bens de consumo duráveis ou não:

1. (FGV/BESC/2004) É uma operação de crédito direto ao consumidor, com interveniência do vendedor, usado por lojas de bens de consumo duráveis ou não: 1. (FGV/BESC/2004) É uma operação de crédito direto ao consumidor, com interveniência do vendedor, usado por lojas de bens de consumo duráveis ou não: (A) CDC; (B) CDCi; (C) CDI; (D) crédito pessoal; (E)

Leia mais

7. Mercado Financeiro

7. Mercado Financeiro 7. Mercado Financeiro 7. Mercado Financeiro Mercado Financeiro O processo onde os recursos excedentes da economia (poupança) são direcionados para o financiamento de empresas (tomadores de crédito). Investidor

Leia mais

Conhecimentos Bancários Turma Reta Final 04 I 05 I 06

Conhecimentos Bancários Turma Reta Final 04 I 05 I 06 BB Turma Reta Final 04 I 05 I 06 Teoria Data de impressão: 11/01/2011 ELABORAÇÃO E PRODUÇÃO: UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR/CURITIBA MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO

Leia mais

AULA 3. Disciplina: Mercado de Capitais Assunto: Introdução ao SFN. Contatos: E-mail: keillalopes@ig.com.br Blog: keillalopes.wordpress.

AULA 3. Disciplina: Mercado de Capitais Assunto: Introdução ao SFN. Contatos: E-mail: keillalopes@ig.com.br Blog: keillalopes.wordpress. AULA 3 Disciplina: Mercado de Capitais Assunto: Introdução ao SFN Contatos: E-mail: keillalopes@ig.com.br Blog: keillalopes.wordpress.com Objetivos da aula: SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL Histórico ; Composição;

Leia mais

Sistema Financeiro Nacional. Esperamos que, após o estudo do conteúdo desta aula, você seja capaz de:

Sistema Financeiro Nacional. Esperamos que, após o estudo do conteúdo desta aula, você seja capaz de: Sistema Financeiro Nacional A U L A 3 Meta da aula Apresentar a estrutura do Sistema Financeiro Nacional e as principais características das instituições que o compõem. objetivos 1 2 3 Esperamos que, após

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS PARA CONCURSOS

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS PARA CONCURSOS Jonas Barbosa Leite Filho CONHECIMENTOS BANCÁRIOS PARA CONCURSOS 4.ª edição IESDE Brasil S.A. Curitiba 2012 2010 IESDE Brasil S.A. É proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo, sem autorização

Leia mais

CONCURSO CAIXA 2014 NM AULA 03 LUCAS CAMPAGNOLO MARÇO 2014

CONCURSO CAIXA 2014 NM AULA 03 LUCAS CAMPAGNOLO MARÇO 2014 CONCURSO CAIXA 2014 NM AULA 03 LUCAS CAMPAGNOLO MARÇO 2014 EDITAL CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS I CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: 1 Abertura e movimentação de contas: documentos básicos. 2 Pessoa física e pessoa

Leia mais

Aula 00 Operações Bancárias

Aula 00 Operações Bancárias Olá pessoal, Primeiramente, irei fazer uma breve apresentação. Meu nome é César de Oliveira Frade, sou funcionário de carreira do Banco Central do Brasil BACEN aprovado no concurso de 1997. Sou formado

Leia mais

Sumário. Unidade I. cad_00.indd 15 08/12/2011 10:53:48

Sumário. Unidade I. cad_00.indd 15 08/12/2011 10:53:48 Sumário Unidade I O Sistema Financeiro Nacional: Composição, Funcionamento e Regulação Capítulo 1 Sistema Financeiro Nacional...3 1.1. Introdução...3 1.2. A Intermediação Financeira...4 1.3. Estrutura

Leia mais

Início. Prof. Cid Roberto. Concurso 2012. Concurso 2012. Concurso 2012. Concurso 2012. Concurso 2012. Concurso 2012

Início. Prof. Cid Roberto. Concurso 2012. Concurso 2012. Concurso 2012. Concurso 2012. Concurso 2012. Concurso 2012 Prof. Cid Roberto Concurso 2012 Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Quando será mesmo a prova? Domingo, 22.04.2012. Concurso 2012 Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7

Leia mais

CURSO DE CONHECIMENTOS BANCÁRIOS

CURSO DE CONHECIMENTOS BANCÁRIOS CURSO DE CONHECIMENTOS BANCÁRIOS AULA 01 CONCEITO E ESTRUTURA DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL (SFN) Conceito de SFN Conjunto de agentes que se dedicam ao trabalho de propiciar condições para a manutenção

Leia mais

Sistema Financeiro Nacional - SFN

Sistema Financeiro Nacional - SFN Sistema Financeiro Nacional - SFN Wilhelm Milward Meiners Ippuc/UniBrasil/Metápolis wilh@uol.com.br Sistema Financeiro Nacional 1 Estrutura do SFN 2 Subsistema normativo 3 Subsistema de intermediação 4

Leia mais

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015 2.05.01.01.05 Fundos Especiais de Domiciliados e Residentes no País 01012014 A 2.05.01.01 5 03 2.05.01.02 PATRIMÔNIO SOCIAL REALIZADO - DE RESIDENTE/DOMICILIADO NO EXTERIOR 01012014 S 2.05.01 4 03 2.05.01.02.01

Leia mais

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional MERCADO DE CAPITAIS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail.com O Sistema Financeiro Nacional As autoridades monetárias: O Conselho Monetário Nacional: o CMN acaba sendo o conselho

Leia mais

Factoring. Leasing. Capítulo 7

Factoring. Leasing. Capítulo 7 Sumário Capítulo 1 Fundamentos: Sistema Financeiro Nacional, Conselho Monetário Nacional, Banco Central e Moeda 1.1. Sistema Financeiro Nacional (SFN) 1.1.1. Legislação Básica 1.1.2. Subdivisões do SFN

Leia mais

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015 A.1.1.1.2. L100B - Financeiras 1.0.3.9.9.99.99 ATIVO GERAL 01012014 S 1 01 1.1.0.0.0.00.00 ATIVO 01012014 S 1.0.0.0.0.00.00 2 01 1.1.1.0.0.00.00 CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 01012014 S 1.1.0.0.0.00.00

Leia mais

PARTE. 1. AC- 1 Prof. Odair Ferreira AC- 2. Prof. Odair Ferreira AC- 4. AC- 3 Prof. Odair Ferreira. Prof. Odair Ferreira

PARTE. 1. AC- 1 Prof. Odair Ferreira AC- 2. Prof. Odair Ferreira AC- 4. AC- 3 Prof. Odair Ferreira. Prof. Odair Ferreira Risco e Mercado de Capitais Risco E Mercado De Capitais PARTE 1 AC- 1 AC- 2 l EMENTA: Estudar a gestão de risco no mercado de capitais, financeiro e de derivativos, por meio dos principais ativos negociados,

Leia mais

Bancário Conecimentos Bancários Apostila Fernandes Souza

Bancário Conecimentos Bancários Apostila Fernandes Souza Bancário Conecimentos Bancários Apostila Fernandes Souza 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. CONHECIMENTOS BANCÁRIOS Prof. Francisco Fernandes de Souza fernandesadvg@gmail.com

Leia mais

Valcedir Vicente Rosa. Sistema Financeiro Nacional

Valcedir Vicente Rosa. Sistema Financeiro Nacional 1 Sistema Financeiro Nacional Tópicos a serem abordados Visão geral do sistema financeiro nacional. Atuação dos participantes Mercado monetário e política monetária. Sistemas CETIP e SELIC Principais títulos

Leia mais

Técnico Bancário Banco do Brasil Conhecimentos Bancários Apostila Francisco Fernandes de Souza

Técnico Bancário Banco do Brasil Conhecimentos Bancários Apostila Francisco Fernandes de Souza Técnico Bancário Banco do Brasil Conhecimentos Bancários Apostila Francisco Fernandes de Souza 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. CONHECIMENTOS BANCÁRIOS Prof.

Leia mais

Produtos Bancários. Prof. Luiz Antonio de Carvalho

Produtos Bancários. Prof. Luiz Antonio de Carvalho Professor Luiz Antonio de Carvalho Produtos Bancários PRODUTOS E SERVIÇOS BANCÁRIOS A intermediação financeira é o principal produto de um banco, pois capta o dinheiro excedente e empresta a quem precisa.

Leia mais