UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ O DANO MORAL NO UNIVERSO FINANCEIRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ O DANO MORAL NO UNIVERSO FINANCEIRO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ O DANO MORAL NO UNIVERSO FINANCEIRO Curitiba, 2012

2 Claus Dantas da Silva O DANO MORAL NO UNIVERSO FINANCEIRO Trabalho de Conclusão de Curso, apresentado ao Curso de Direito da Faculdade de Ciências Jurídicas da Universidade Tuiuti do Paraná como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Direito. Orientador: Dr Geraldo Doni Junior CURITIBA 2012

3 TERMO DE APROVAÇÃO Claus Dantas da Silva O DANO MORAL NO UNIVERSO FINANCEIRO Esta Monografia foi julgada e aprovada para a obtenção do título de Bacharel em Direito no curso de Ciências Jurídicas da Universidade Tuiuti do Paraná - UTP. Curitiba, Coordenador do Núcleo de Monografia Dr Eduardo O. Leite Universidade Tuiuti do Paraná - UTP Orientador: Prof. Dr Geraldo Doni Junior Universidade Tuiuti do Paraná UTP Prof. Dr. Prof. Dr.

4 RESUMO O objetivo deste trabalho é mostrar um estudo do dano moral no universo financeiro, demonstrando o dano moral historicamente até a atualidade; pesquisando como o poder judiciário vem reconhecendo o dano moral; e se as vítimas estão sendo indenizadas, conforme prevê a norma legal. Por muito tempo o instituto do dano moral, sofreu oposição por certa parte da doutrina e jurisprudência, que consideravam não ser possível compensar a dor moral com dinheiro. Das controvérsias quanto ao dever de indenizar geravam discursões imensas. O dano moral tem passado por inúmeras fases no mundo e atualmente o tema atinge sua maturidade e afirma sua relevância, principalmente depois de sua consagração definitiva na legislação vigente no Brasil, inclusive no texto constitucional. Para melhor entendermos o tema, apresentaremos nas páginas seguintes, uma análise da reparação do dano moral, sua evolução histórica, sua natureza e fundamentos, pressupostos e forma de indenização, em especial no universo relativo às demandas propostas em face do conglomerado financeiro. Palavras-chaves: Dano moral, indenização, responsabilidade

5 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...5 CAPÍTULO I -- A EVOLUÇÃO DO DANO MORAL ASPECTOS HISTÓRICOS DO DANO MORAL NOÇÃO DE DANO MORAL O DANO MORAL E A INDENIZAÇÃO...14 CAPITULO II RESPONSABILIDADE CIVIL NO DANO MORAL RESPONSABILIDADE CIVIL RESPONSABILIDADE CONTRATUAL E EXTRACONTRATUAL NO UNIVERSO FINANCEIRO...23 CAPITULO III O DANO MORAL NO ABALO DE CRÉDITO DEPÓSITOS BANCÁRIOS CHEQUE FALSIFICADO E RECUSA DE PAGAMENTO CARTÃO DE CRÉDITO NEGATIVAÇÃO INDEVIDA PROTESTOS INDEVIDOS DE TÍTULOS...42 CAPÍTULO IV A INDENIZAÇÃO NO DANO MORAL A REPARAÇÃO DO DANO MORAL O VALOR INDENIZATÓRIO...47 CONCLUSÃO...50 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 52

6 5 INTRODUÇÃO O objeto do presente trabalho é apresentar a evolução do dano moral no tempo, mostrando como era a condenação do dano moral no passado e atualmente, a moralização do quantum indenizatório, passando por questões sociológicas, jurídicas e as demais matérias pertinentes a este tema. Será abordado no contexto o Dano Moral Universo Financeiro, que está associado à evolução do homem, tanto no aspecto econômico como no social. O trabalho também versa sobre a temática da responsabilidade civil pelo dano moral frente ao abalo de crédito. Temos por objetivo analisar o dever de indenizar, derivado de lesões ao patrimônio material, causado pelo abalo de crédito, principalmente as ocorridas em sede de relações de consumo estabelecidas com as instituições financeiras. Este estudo visa analisar a responsabilidade civil e fazer um apanhado sobre a evolução do dano moral, bem como estabelecer a possibilidade de sua incidência sobre o indivíduo e a forma de sua quantificação. Será estabelecida uma relação com o abalo de crédito, da mesma forma que vamos estabelecer e situar o enquadramento das instituições financeiras dentro das relações consumeristas e a objetividade da responsabilidade daí decorrente. Através deste trabalho, tentaremos demonstrar que houve uma evolução no conceito e formas de indenização por danos morais, pois é possível afirmar, que antigamente o dano moral não era plenamente aceito em nossos tribunais, mas com o passar do tempo pudemos ver um delineamento da evolução do pensamento, no sentido de melhorar o dano moral e aprimorá-los quanto a sua reparação.

7 6 A noção do dano começou a ser ampliada na medida em que as relações sociais tornaram-se mais complexas. Os direitos à vida, à personalidade e à privacidade começaram a ser objeto de preocupação dos nossos doutrinadores e juristas. Neste contexto, nos deparamos com a noção de que para surgir o dano moral e suas implicações decorrentes da responsabilidade civil, devem estar presentes seus requisitos, quais sejam: a ação ou omissão do agente, o nexo de causalidade entre este e o dano, a culpa do ofensor e finalmente o efetivo prejuízo. Na avaliação do dano moral, para a fixação do quantum o magistrado deverá estabelecer uma reparação equitativa, baseada na culpa do agente, na extensão e gravidade do prejuízo causado e na capacidade econômica das partes, vez que a reparação do dano moral tem dupla finalidade: a de satisfazer a vítima e a de punir o ofensor desestimulando à prática de novos danos. Veremos, portanto, através deste tema, a evolução do conceito de dano moral, seus requisitos e métodos de ressarcimento, de tal forma que o pagamento traga ao ofendido a paz social pela compensação do dano e pela desestimulação do ofensor a repetir sua conduta. Para melhor entendermos o tema apresentaremos, a seguir, uma análise da reparação do dano moral, sua evolução histórica, sua natureza e fundamentos. O método utilizado no presente trabalho será dedutivo, baseado na construção doutrinária e legislativa, sendo analisada a referência na relação jurídica da evolução do dano moral no universo financeiro, suas restrições e direitos, visando dar um panorama geral de sua extensão, com intuito de demonstrar através deste estudo a importância que deve ser atribuída ao dano moral.

8 7 O procedimento específico será o da pesquisa bibliográfica sobre o tema, através de artigos jurídicos, doutrinas, revistas jurídicas, jurisprudências e legislativo constitucional, bem como compará-lo frente às leis que lhe forem relevantes. Vamos analisar nas legislações e na doutrina, as definições, os fundamentos, os direitos e os deveres acerca do respectivo tema, verificar a profundidade da importância do dano moral, tanto no panorama financeiro, como em relação ao mundo social, é o escopo deste trabalho. O estudo ora apresentado, abordará o dano moral por seus atos danosos e a consequente responsabilidade da administração pública em indenizar o prejuízo na tentativa de minimizar os efeitos do dano. Para tanto, a análise do aspecto histórico-evolutivo no universo jurídico e a problemática em se estabelecer um quantum indenizatório pelo prejuízo originado do ato danoso, bem como as características reparatórias da indenização, são informadores do tema que aqui predominam.

9 8 CAPÍTULO I A EVOLUÇÃO DO DANO MORAL 1.1 ASPECTOS HISTÓRICOS DO DANO MORAL Antes de adentrarmos neste assunto, precisamos esclarecer de onde surgiu o dano moral. Todo ato é produto de uma causa, ou algo praticado por alguém, como consequência, ou como consequências, produz um resultado. Quando este resultado causado é negativo, ou seja, um prejuízo, temos um dano. E o que é um dano? Com simplicidade podemos dizer que dano é um resultado que causa ao lesado uma diminuição de seu bem, ou propriedade, ou um prejuízo uma perda. A partir do momento que o homem passou a viver em sociedade, deixou seu estado selvagem e perdeu sua liberdade. O homem primitivo tinha liberdade irrestrita, fazia o que queria e a qualquer momento, não havia responsabilidades, ou qualquer legislação que restringisse sua liberdade, em benefício coletivo. Se causasse lesão a outro ser, não havia ressarcimento, pois tudo era questão de sobrevivência. A partir do momento em que o homem primitivo começou a perceber que a vida em grupo era mais benéfica, passou a se construir a sociedade, e ele foi se associando as pessoas que tinham o mesmo objetivo, quando então, a vida passou a ganhar um novo caminho. Em primeiro lugar, o homem perdeu o que tinha de sobra, que era sua liberdade. Ela passou a ter limites, que lhe eram desconhecidos e sua liberdade passou a ir até o limite da liberdade do seu próximo, e teve que passar a respeitar essa limitação.

10 Em segundo lugar, surgiu a consciência de que, se uma pessoa causasse um dano a outra pessoa, ou grupo, este dano não podia ficar sem ser reparado tinha que ser feito o ressarcimento, para que não provocasse a fúria da pessoa, ou do grupo. Para entendermos o dano moral, vamos lembrar algumas leis antigas. O código de Ur-Nammu 1, é considerado o texto jurídico mais antigo que se tem notícia. Em comparação ao código de Hamurabi é três séculos mais antigo mesmo sendo encontrado depois. Os povos primitivos para reparar os danos causados, não se baseavam das leis, valia o direito de vindita (direito de vingança), e era adotado o princípio do olho por olho, dente por dente. O Código de Hamurabi, um dos mais antigos códigos jurídicos de toda humanidade (cerca de 1694 a.c.), já previa que algumas responsabilidades civil por dano moral poderiam ser indenizados pecuniariamente, a quem foi prejudicado. Partindo do princípio olho por olho e dente por dente extraído da lei de Talião, rogando o direito de vingança para restituir, o dano causado, ou seja, uma punição que equiparasse ao crime, mas em alguns casos era imposta a pena econômica como forma de satisfazer a vítima com uma compensação em pagamentos de ciclos de prata. Surgia aí as penas pecuniárias para os casos onde havia o dano moral, e somente quando estas penas eram frustradas era aplicado a pena de talião. 2 O código de Manu, tem origem hindu, é a legislação mais antiga da India, escrito em sânscrito, entre 1300 e 800 a.c., contém 12 livros onde se previa uma reparação pecuniária em caso de dano, que era arbitrada pelo legislador, em relação ao prejuízo extra patrimonial "O Código de Ur-Nammu (...) foi descoberto somente em 1952, pelo assiriólogo e professor da Universidade da Pensilvânia, Samuel Noah Kromer. Nesse Código elaborado no mais remoto dos tempos da civilização humana é possível identificar em seu conteúdo dispositivos diversos que adotavam o princípio da reparabilidade dos atualmente chamados danos morais". SILVA, Américo Luís Martins da, O dano moral e a sua reparação civil. São Paulo: RT, 1999, p Disponível em: <http://www.boletimjuridico.com.br/doutrina/texto.asp?id=950>. Acesso:25/06/ Disponível em: <http://www.boletimjuridico.com.br/doutrina/texto.asp?id=950>. Acesso:25/06/2010 9

11 10 No Direito Romano, a reparação pecuniária do dano era muito valiosa, pois todo ato que havia uma lesão ao patrimônio e/ou a honra implicava em uma reparação. Nesta época o quantum indenizatório envolvia delitos públicos e privados, sendo que quando uma ofensa envolvia os delitos públicos, a punição era mais severa, assim qualquer romano que fosse injuriado, através de uma ação pretoriana poderiam buscar uma indenização em dinheiro por que sofreu injúria, sendo fixado pelo juiz, que decidia se o pedido era justo e equitativo. 4 Já o Direito Canônico que numa definição mais completa, é um conjunto de normas jurídicas, de origem divina ou humana, reconhecidas ou promulgadas pela autoridade competente da Igreja Católica, que determinavam a organização e atuação da própria Igreja e de seus fiéis, em relação aos fins que lhes são próprios. Por força da religião católica o Direito Canônico influenciou o território brasileiro e as Ordenações Filipinas, estabelecendo sanções de ordem espiritual e material para certas condutas, que foram elaboradas conforme os dogmas da igreja católica. Considerado o Direito da Igreja, através de uma gama de normas que regiam, e determinavam direitos e deveres, ritos e formas a serem seguidas, com a finalidade de que a igreja crescesse organizada buscando a salvação de todas as almas. 5 As fontes do Direito Canônico são divinas, vindos da revelação e vontade de Cristo que fundou a Igreja, e também da criação humana com inspiração do Espírito Santo, e ainda dos ordenamentos jurídicos considerados profanos, chamados de direito natural. Ao contrário do que se pensa o Direito Canônico não era dirigido apenas para o clero, mas também para todos os fiéis, que deveriam conhecer a legislação da Igreja que amavam e respeitavam, para seguirem corretamente dentro de seus direitos e deveres de cristãos. 4 - MARKY, Thomas. - Curso Elementar de Direito Romano. 8ª ed. São Paulo: Saraiva, 1995, p LLANO CIFUENTES, Rafael Curso de Direito Canônico, São Paulo, Saraiva, 1971, p. 10

12 No período do Brasil colônia o sistema jurídico que vigorou era o mesmo que existia em Portugal, ou seja, Ordenações Reais, que eram compostas pelas 11 Ordenações Afonsinas (1446) Ordenações Manuelinas (1521), e depois a com a união das Ordenações Manuelinas e as leis extravagantes surgiu as Ordenações Filipinas, devido ao domínio castelhano criadas durante o reinado de Filipe I, em 1595 mas só entrando em vigor em 1603 no governo de Filipe II. As penas nas Ordenações Filipinas eram muitos severas como por exemplo, a perda e o confisco de bens, o banimento, os açoites mortes violentas (esquartejamento) e morte por forca, mas havia aqueles que gozavam de privilégios como os fidalgos, cavaleiros, doutores em leis, juízes e vereadores, que não poderiam ser submetidos a estas leis. Vale destacar que com as previsões das Ordenações Filipinas, o Código Criminal de 1830, estabeleceu que as indenizações fossem completas, mas sem a reparação do dano moral, este dispositivo foi reformado nas consolidação das Leis Civis, mas precisamente no artigo 800, passando a definir como dano o mal que resultar à uma pessoa ou ao seus bens, e no artigo 801, este dano seria avaliado pelos árbitros sob toda sua extensão. A partir de 1890, o Código Penal Brasileiro, assegurou. No seu art. 276, um pagamento por dano moral sofridos contra a honra da mulher, sendo os demais casos regulados pelo Direito Civil. Ainda após a vigência do Código Civil de 1916, não havia nenhum comando para disciplinar a reparação do dano moral, em algumas hipóteses se referia ao ressarcimento do dano. No artigo 159 do referido código, o texto dizia que: aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência, ou imprudência, violar o direito, ou causar prejuízo a outrem, fica obrigado a reparar o dano. A seguir, será abordado o dano moral, sua conceitualização, doutrina e como ele é tratado na legislações e suas jurisprudências.

13 NOÇÃO DE DANO MORAL O significado da palavra dano no dicionário quer dizer: Ação ou efeito de danificar. Inutilização, estrago de coisa alheia. Mal ou prejuízo causado a alguém. Direito Dano emergente, prejuízo efetivo, real, provado. Dano infecto, prejuízo possível, eventual, iminente. Segundo Clayton Reis: A noção de dano envolve a ideia de prejuízo, depreciação, deterioração, perda de alguma coisa no sentido etmológico. Segundo a definição do romano Paulus, é o prejuízo causado, em virtude de ato de outrem, que vem causar diminuição patrimonial. (CLAYTON REIS, 1999, 222) Desde os tempos antigos o dano é considerado como um prejuízo que foi causado por outrem que infringiu a norma legal, causando a perda ou a deterioração ao patrimônio de uma pessoa que foi lesionada. A palavra dano abrange todo prejuízo sofrido por uma pessoa, sendo uma lesão ao direito, produzindo um imediato reflexo no patrimônio material ou imaterial, trazendo ao ofendido uma sensação de perda. O instituto do dano moral, sofreu por muito tempo, a oposição de algumas partes da doutrina, pois havia um entendimento que não caberia a compensação pecuniária. Mirna Cianci, em seu livro O valor da Reparação Moral cita que: CLAYTON REIS, sob a lição de LESLIE TOMASELLO HART, menciona que mais de um autor se opôs à indenização do dano moral (especialmente no terreno contratual) sustentando que essa reparação teria caráter de pena, porque haveria enriquecimento do credor e empobrecimento do devedor. Esse mesmo autor destaca a obra de VON TUHR, segundo o qual a satisfação a que aludimos não tem caráter de pena para o culpado, ainda que se traduza em uma situação igual a multa, Sua finalidade não é de acarretar perda ao culpado, senão a de possibilitar um lucro caso de prejuízo ao patrimônio ao lesionado. (CIANCI, 2005, pg 275) Hoje o dano moral passou a se reconhecido em todas as partes do mundo, seja em lares mais humildes, até nos mais ricos, sejam em empresas pequenas ou

14 13 grandes, portanto o estudo do dano moral passou a ser mais cuidadoso, pois para achar a sua essência, seria preciso avaliar com muito cuidado como chegar ao alívio do ser, da alma, ou o que representa para quem sofreu a lesão, a reparação do dano. Quanto as lesões que são passíveis de indenizações, hoje não mais existem dúvidas quanto a obrigação de reparação de todo e qualquer dano sofrido, seja ela de natureza patrimonial ou moral, é o que diz o ilustre professor Wilson Melo da Silva, em sua brilhante monografia, destacada pelo escritor RODRIGO MENDES DELGADO, que em sua obra Valor do Dano Moral assim se expressa: A objeção tem aparência de seriedade. De fato, nos danos morais, o juiz tem, pela frente danos não facilmente constatáveis, a olho nu, em toda sua extensão. O campo dos danos morais é o interior de cada indivíduo. No recesso de sua alma é onde as dores se aninham. Só ele, que se sente, conhece, em toda enormidade, aquilo que o aflige. E como nos ensinou LANGE, a dor se revela de maneira exterior, o seu hombre triste, contudo, pode não aparentar, com exatidão, toda extensão do que sofre. Em sucessão à crise aguda, é comum sobreviver a crise crônica de uma dor muda, não raro indefinida.(silva, 1983:375). (RODRIGO DELGADO, 2003, pg20) Tempos depois, após muitos erros e injustiças os meios jurídicos, concordaram com a existência do dano moral. Assim resumindo em uma singela visão, podemos definir o dano moral como: todas as lesões que sofre um indivíduo no seu patrimônio, sua psique ou em seu estado de ânimo, trazendo tristeza, reprovação social, angústia, enfim máculas em toda a sua honra. A seguir vamos discorrer um pouco sobre o dano moral e a indenização, demonstrando alguns aspectos que levam o magistrado a concluir o valor indenizatório, no abalo de crédito.

15 O DANO MORAL E A INDENIZAÇÃO Atualmente no Código Civil, bem como no Código de Defesa do Consumidor podemos afirmar com certeza que existe a proteção moral, e estes são instrumentos importantes para garantia da moral como um direito. Valorizando, assim, um princípio em que o consumidor é vulnerável, em relação a um fornecedor. Não é necessário o indivíduo provar um dano que sofreu, a ofensa moral já está assegurado de acordo com os preceitos legais e constitucionais, e podemos dizer que a proteção a moral foi um passo avançado da modernidade jurídica. Vemos que cresceu muito a procura de consumidores junto aos PROCON'S, órgãos de grande credibilidade junto aos consumidores na resolução junto aos fornecedores dos seus problemas, só esta procura o consumidor já teria direito a uma indenização por dano moral, pois teve sua boa-fé abalada, e como não podemos dimensionar o dano moral, justificaria o ressarcimento através de um valor pecuniário por ter sido ofendido em seu direito. Um dos maiores problemas é a definição do quantum indenizatório. Se levarmos em consideração o nível financeiro e social do indivíduo que sofreu o dano, isto não implica dizer que quem é rico ou famoso, está em um patamar acima das pessoas comuns. Pois senão vejamos: se um indivíduo tem um salário de R$ 500,00 não lhe dá o direito de um ressarcimento de R$ ,00, ou se ganha R$ 5.000,00, não quer dizer que o valor a ser ressarcido é de R$ ,00. Vale lembrar o que disse o grande filósofo Aristóteles a muitos anos atrás: Desigualdade aos desiguais, na medida de suas desigualdades. Sempre se deve observar as características de um ofensor com as do ofendido. Tem que haver um equilíbrio na decisão judicial para que não seja o ofensor agredido, mas também o valor não deve ser insignificante, para que o ofensor não volte a ser reincidente.

16 15 O que observamos é que os magistrados em seus julgados, tem se preocupado em não gerar o enriquecimento ilícito. Houve a criação de alguns pensadores do Direito sobre a indústria do dano moral, muito embora não podemos generalizar, pois nada mais justo, aqueles que sofreram um dano se socorrer da justiça para conseguir ser ressarcido, e que não sejam feridos na boa-fé dos que foram moralmente ofendidos. A arte de julgar é muito difícil, pois qual o valor suficiente para que alguém seja condenado, por ferir os direitos fundamentais?. É um constrangimento muito grande, quando alguém tenta realizar um pagamento de uma conta em um restaurante, no seu cartão de crédito após almoço com a família, e descobre que seu cartão encontra-se bloqueado ou cancelado, ou estando em um supermercado depois de selecionar todos os produtos, ao tentar efetuar o pagamento com seu cheque, é negado na frente de várias pessoas, ou, ainda ao tentar sair de uma loja, é revistado por seguranças indevidamente, acreditando que furtou algo da loja. Como podemos ver, nas relações de consumo, são várias situações, em que o cidadão pode sofrer algum tipo de constrangimento, e podemos afirmar que um magistrado tem uma árdua tarefa, tendo que entender todos os motivos que envolveram um dano e sendo obrigado a julgar com sabedoria e justiça, para que não haja uma desproporcional penalização ao ofensor, e para que seja uma condenação proporcional, em que o ofensor não se torne reincidente, gerando assim uma sentença punitiva pedagógica. Não se deve existir a atribuição de um preço para a dor, ou fazer da honra um objeto de permuta, o que tem que ser observado sempre é a reparação do dano, que uma pessoa acabou de sofrer no seu patrimônio moral.

17 16 Antes da Carta Magna de 1988, havia muitas controvérsias entre os tribunais com respeito a reparação do dano moral. Os juízes das instâncias, recusavam as reclamações com relação a reparação do dano moral, pois entendiam que a dor não tem preço. Com a Constituição Federal de 1988, veio a sanar as dúvidas com referência a reparação do dano moral, alcançando status constitucional, ao ser incluído no seu artigo 5.º, V e X, a garantia aos direitos individuais In verbis : Artigo 5.º, Constituição Federal, 1988: Todos são iguais perante a lei, sem distinçâo de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no país a inviolabilidade do direito vida, liberdade, igualdade, segurança e propriedade, nos termos seguintes (...) V assegurado o direito de resposta, proporcional ao agravo, além de indenização por dano material, moral ou imagem; (...) X são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação. No artigo acima podemos verificar que os constituintes, ao elaborarem as leis, procuraram distinguir expressamente às indenizações, sem haver impedimento de cumularem os direitos aos danos morais, materiais e a imagem e ressaltando ainda o exercício no direito de resposta. É o que vemos também na sumula 37, do Superior Tribunal de Justiça. Vejamos: São cumuláveis as indenizações por dano material e dano moral oriundos do mesmo fato. Com a vinda do Código de Defesa do consumidor houve uma abertura maior para o cidadão com referência as indenizações por danos extrapatrimoniais, destacando o artigo 6.º, VI e VII, pois independentemente da responsabilidade sendo ela objetiva ou subjetiva, o cidadão terá direito a indenização por danos morais.

18 17 Segundo Maria Helena Diniz o dano moral é definido como sendo uma lesão de interesses não patrimoniais de pessoa física ou jurídica provocada por atos lesivos. Ainda a mesma autora citando Zanoni: O dano Moral não é a dor, a angústia, o desgosto, a aflição espiritual, a humilhação, o complexo que sofre a vítima do evento danoso, pois estes estados de espírito constituem o conteúdo, ou melhor, a conseqüência do dano. A dor que experimentam os pais pela morte violenta do filho, o padecimento ou complexo de quem suporta um dano estético, a humilhação de quem foi publicamente injuriado são estados de espíritos e contingentes em cada caso, pois cada pessoa sente a seu modo. O Direito não repara qualquer padecimento, dor ou aflição, mas aqueles que forem decorrentes da privação de um bem jurídico sobre o qual a vítima teria interesse juridicamente. (DINIZ, MARIA, 2006, pg 89) A dor ou humilhação varia de pessoa a pessoa, de caso em caso, pois cada um sente de modo diferente. O que se tem que esclarecer é que a moral tem a proteção constitucional há uns 20 anos, como uma garantia fundamental. É claro que outros institutos jurídicos já garantiam antigamente esta proteção, como por exemplo, as Ordenações Manuelinas, de A moral, é um direito assegurado, apesar de ter uma características própria em cada ser humano, mas é impossível se quantificar um dano, que alguém sofreu em sua moral, mas a simples ofensa ao seu direito já justificaria a indenização. Não é imoral a fixação de um valor em dinheiro, para que se amenize a dor de quem sofreu um dano. Nos tempos antigos, para que um dano fosse ressarcido e principalmente a moral de uma pessoa que teve sua honra e dignidade afetada, era a vingança privada, conhecida como vindita. A morte era considerada a limpeza da honra, havendo ainda a possibilidade que a pena poderia ser transferida da pessoa para o ofensor, podendo atingir os membros da família.

19 18 II A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DANO MORAL 2.1 A RESPONSABILIDADE CIVIL A responsabilidade civil é a obrigação da reparação do dano que uma pessoa causou a outra, é derivada de uma agressão, de um descumprimento da lei. Afirma RUI STOCO que: "a noção de responsabilidade pode ser haurida da própria origem da palavra, que vem do latim respondere, responder a alguma coisa, ou seja, a necessidade que existe de responsabilizar alguém por seus atos danosos. Essa idéia de responsabilidade pelos atos praticados uma exigência natural imposta ao homem, surgindo, pois, como algo impregnado na natureza humana, para o bem de toda a sociedade. (RUI STOCCO, 2007, pg 118) DIAS, diz: Um dos grandes cultores da responsabilidade civil, JOSE DE AGUIAR Toda a manifestação humana traz em si o problema da responsabilidade civil. (JOSE DIAS, v. 1. p. 1) Havia o pensamento antigamente que era permitido ressarcir a vítima que sofreu algum ato ilícito. No código Civil de 1916, o instituto da responsabilidade civil, foi tratado somente com alguns dispositivos, talvez porque na época em que foi elaborado, era pouco difundido. No art. 159, limitou-se a estabelecer que : Aquele que, por ato ou omissão voluntária, negligência, ou imprudência, violar direito, ou causar prejuízo a outrem, fica obrigado a reparar o dano. Houve uma evolução com a entrada do novo Código Civil Brasileiro, a responsabilidade civil ganhou muita importância na atualidade, por trazer, o objetivo de restauração do equilíbrio moral e também o patrimonial, redistribuindo a riqueza conforme a justiça regula. Em toda e qualquer atividade que o homem

20 19 realiza, surge a responsabilidade pelos atos que pratica pode ser uma simples atividade de consciência (responsabilidade moral), ou atuando frente ao Estado (responsabilidade política). Carlos Roberto Gonçalves alerta que: No novo Código Civil Brasileiro, foram dedicados mais dispositivos, tais como na Parte Geral, nos arts. 186,187,e 188, onde se estabelece a regra do dano moral e suas responsabilidade e algumas excludentes. Já a Parte Especial. Em seu art.389, dedicou a responsabilidade contratual, dois capítulos, um a obrigação de indenizar e outro sob o título Da Responsabilidade Civil. (GONÇALVES, ROBERTO, 2006, p 2.6) Com o novo código civil houve um grande avanço em relação a ética nacional, com referência à objetivação da responsabilidade, destacando o parágrafo único no art. 927, onde se estabelece a responsabilidade objetiva pelos danos derivados de uma atividade de risco. No art. 186 do Código Civil de 2002, foi inserido a garantia da reparação do dano exclusivamente moral, apesar de atualmente a jurisprudência brasileira, não contestar a reparabilidade do dano moral. Diante da expansão que o dano moral vem experimentando, podemos verificar, que o dano patrimonial em demandas judiciais, era mais frequente, do que o dano extrapatrimonial, hoje podemos afirmar com certeza que houve uma inversão neste sentido. Conceituando este instituto, MARIA HELENA DINIZ, 15 assevera que: Pode-se-á definir a responsabilidade civil como a aplicação de medidas que obriguem alguém a reparar o dano moral ou patrimonial causado a terceiros em razão de ato próprio imputado, de pessoa por quem ele responde, ou de fato de coisa ou animal sob sua guarda (responsabilidade subjetiva), ou, ainda, de simples imposição legal (responsabilidade objetiva). (DINIZ, MARIA, 2006, v. 7, pg 34.) A importância da distinção entre Responsabilidade Moral e Responsabilidade Jurídica, deve ser apresentada. A responsabilidade surge quando há uma violação

21 das normas morais e jurídicas, não havendo separação entre elas, sendo ligadas uma a outra, não podendo a norma jurídica estar em desacordo com a norma moral. É claro que o campo moral é muito mais vasto que o do direito, e a estes só interessam os fatos que venham a prejudicar a paz social, em caso de prejuízo causado, pois se não há prejuízo, não se pode falar em responsabilidade jurídica. A responsabilidade moral de um indivíduo, tem que ter princípios e padrões de conduta em relação a um grupo ou coletividade. Diferente da norma jurídica onde existe, a responsabilidade de obediência ao Estado, a norma moral é a responsabilidade para com o próximo; esta responsabilidade expressa pela sua consciência, que aprova ou censura a sua conduta boa ou má. Entretanto estas afirmações podem estar sem fundamento, pois a norma jurídica tem que estar ligada a norma moral. Com referência a responsabilidade jurídica, segundo Cretella Jr.: 20 A responsabilidade jurídica nada mais é do que a própria figura da responsabilidade, in genere, transportada para o campo do Direito, situação originada por ação ou omissão de sujeito de direito público ou privado que, contrariando norma objetiva obriga o infrator a responder com sua pessoa ou bens. (CRETELLA JUNIOR, 1980 pg 7,8) Segundo Pablo Gagliano e Rodolfo Filho, A diferença mais relevante reside na ausência de coercitividade institucionalizada na norma moral, não havendo a utilização da força organizada para existir o cumprimento, uma vez que este é o monopólio do Estado. (GAGLIANO, STOLZE, 2003, pg 3) Podemos chegar a conclusão que a responsabilidade moral tem seus princípios na consciência humana, enquanto que a responsabilidade jurídica pousa na lei. Por isso, enquanto a responsabilidade moral, a sua sanção está no íntimo do indivíduo, a responsabilidade jurídica encontra a sanção nas leis.

A inserção injusta causa às pessoas / consumidores danos de ordem moral e em algumas vezes patrimonial, que, reconhecida gera o direito à reparação.

A inserção injusta causa às pessoas / consumidores danos de ordem moral e em algumas vezes patrimonial, que, reconhecida gera o direito à reparação. 1.1 - Introdução Infelizmente o ajuizamento de ações de indenização por danos materiais e principalmente morais em face de empresas por inclusão indevida do nome de seus clientes em órgãos de proteção

Leia mais

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil 7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil Tópicos Especiais em Direito Civil Introdução A Responsabilidade Civil surge em face de um descumprimento obrigacional pela desobediência de uma regra estabelecida

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS Atividade de intermediação de negócios imobiliários relativos à compra e venda e locação Moira de Toledo Alkessuani Mercado Imobiliário Importância

Leia mais

OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior

OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. RESPONSABILIDADE CIVIL É A OBRIGAÇÃO QUE INCUMBE A ALGUÉM DE

Leia mais

O Dano Moral no Direito do Trabalho

O Dano Moral no Direito do Trabalho 1 O Dano Moral no Direito do Trabalho 1 - O Dano moral no Direito do Trabalho 1.1 Introdução 1.2 Objetivo 1.3 - O Dano moral nas relações de trabalho 1.4 - A competência para julgamento 1.5 - Fundamentação

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO Atualizado até 13/10/2015 RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO NOÇÕES INTRODUTÓRIAS Quando se fala em responsabilidade, quer-se dizer que alguém deverá

Leia mais

Débora Cristina Tortorello Barusco. Bacharel, Empresária, nascida aos 04 de Outubro de 1962, cidade de Bebedouro, São Paulo.

Débora Cristina Tortorello Barusco. Bacharel, Empresária, nascida aos 04 de Outubro de 1962, cidade de Bebedouro, São Paulo. 1 2 Débora Cristina Tortorello Barusco. Bacharel, Empresária, nascida aos 04 de Outubro de 1962, cidade de Bebedouro, São Paulo. Ao meu marido João, por tudo que construímos ao longo da nossa vida, através

Leia mais

O fornecimento de senhas e caracteres de acesso à terceiros, causa negativa em indenização

O fornecimento de senhas e caracteres de acesso à terceiros, causa negativa em indenização O fornecimento de senhas e caracteres de acesso à terceiros, causa negativa em indenização Contribuição de Dr. Rodrigo Vieira 17 de dezembro de 2008 Advocacia Bueno e Costanze O fornecimento de senhas

Leia mais

E M E N T A A C Ó R D Ã O

E M E N T A A C Ó R D Ã O 856367 Órgão Fl. : 1ª Turma Recursal dos Juizados Especiais do Distrito Federal Classe : ACJ Apelação Cível no Juizado Especial Nº Processo : 2014 03 1 017486-9 Apelante : ADRIANA LOPES DE OLIVEIRA Apelado

Leia mais

Breves Considerações sobre o Superendividamento

Breves Considerações sobre o Superendividamento 116 Breves Considerações sobre o Superendividamento Luiz Eduardo de Castro Neves 1 O empréstimo de valores é realizado com a cobrança de juros, de forma a permitir uma remuneração pelo valor emprestado.

Leia mais

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado Conceito Responsabilidade Civil do Estado é a obrigação que ele tem de reparar os danos causados a terceiros em face de comportamento imputável aos seus agentes. chama-se também de responsabilidade extracontratual

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Dos Produtos e Serviços Gratuitos e a Aplicação do CDC Sumário: 1. Considerações Iniciais; 2. Do Consumidor; 3. Do Fornecedor; 4. Dos Serviços Gratuitos; 5. Conclusão; 6. Bibliografia

Leia mais

Conflitos entre o Processo Penal E o Processo Administrativo sob O ponto de vista do médico. Dr. Eduardo Luiz Bin Conselheiro do CREMESP

Conflitos entre o Processo Penal E o Processo Administrativo sob O ponto de vista do médico. Dr. Eduardo Luiz Bin Conselheiro do CREMESP Conflitos entre o Processo Penal E o Processo Administrativo sob O ponto de vista do médico Dr. Eduardo Luiz Bin Conselheiro do CREMESP PRÁTICA MÉDICA A prática médica se baseia na relação médicopaciente,

Leia mais

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais Para Reflexão Ao indivíduo é dado agir, em sentido amplo, da forma como melhor lhe indicar o próprio discernimento, em juízo de vontade que extrapola

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 5.423, DE 2009 Acrescenta dispositivo à Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, estabelecendo

Leia mais

DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS)

DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS) DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS) Toda lesão de direito deve ser reparada. A lesão pode decorrer de ato ou omissão de uma pessoa física ou jurídica. Quando o autor da lesão

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 26ª CÂMARA CÍVEL/CONSUMIDOR Proc. nº 0008489-07.2014.8.19.0042 APELAÇÃO CÍVEL CONSUMIDOR

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 26ª CÂMARA CÍVEL/CONSUMIDOR Proc. nº 0008489-07.2014.8.19.0042 APELAÇÃO CÍVEL CONSUMIDOR RECURSO...: APELANTE (S)...: APELADO (S)...: JUÍZO DE ORIGEM.: JDS. DES. RELATOR: APELAÇÃO CÍVEL CONSUMIDOR BRUNO MACEDO BASTOS. BANCO SANTANDER BRASILO S/A. 3ª VARA CÍVEL DE PETRÓPOLIS. RICARDO ALBERTO

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DO PERSONAL TRAINER DOUTOR PAQUITO RESUMO

A RESPONSABILIDADE DO PERSONAL TRAINER DOUTOR PAQUITO RESUMO A RESPONSABILIDADE DO PERSONAL TRAINER DOUTOR PAQUITO RESUMO O presente artigo traz a concepção da responsabilidade civil aplicada ao personal trainer, um estudo que merece atenção tanto do profissional

Leia mais

O Dano Moral por Uso Indevido da Imagem do Empregado. O direito à imagem é um dos direitos de personalidade alçados a nível constitucional.

O Dano Moral por Uso Indevido da Imagem do Empregado. O direito à imagem é um dos direitos de personalidade alçados a nível constitucional. 1 O Dano Moral por Uso Indevido da Imagem do Empregado. O direito à imagem é um dos direitos de personalidade alçados a nível constitucional. Art. 5. Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer

Leia mais

DANOS MATERIAIS. A indenização material cabível vem prescrita no Art. 950 do CC/2002 e seu parágrafo único:

DANOS MATERIAIS. A indenização material cabível vem prescrita no Art. 950 do CC/2002 e seu parágrafo único: DOENÇA OCUPACIONAL - ARTS. 20 E 118, DA LEI 8.213/91 INDENIZAÇÃO POR DANOS MATERIAIS E MORAIS NOVA COMPETÊNCIA DO ART. 114, DA CF QUANTIFICAÇÃO DO DANO MATERIAL E MORAL Competência da Justiça do Trabalho.

Leia mais

DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA

DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA A responsabilidade civil tem como objetivo a reparação do dano causado ao paciente que

Leia mais

357 VIGÉSIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL/CONSUMIDOR APELAÇÃO CÍVEL PROCESSO Nº 0005263-56.2012.8.19. ANA MARIA PEREIRA DE OLIVEIRA

357 VIGÉSIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL/CONSUMIDOR APELAÇÃO CÍVEL PROCESSO Nº 0005263-56.2012.8.19. ANA MARIA PEREIRA DE OLIVEIRA VIGÉSIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL/CONSUMIDOR APELAÇÃO CÍVEL APELANTE: BANCO DO BRASIL S/A APELANTE: CLAUDIO FELIPE CUSTODIO LESSA APELADO: OS MESMOS RELATOR: DES. ANA MARIA PEREIRA DE OLIVEIRA Relação de consumo.

Leia mais

JULGAMENTO DE RECURSO ADMINISTRATIVO MÚLTIPLO. Trata-se de recurso interposto pela Instituição Bancária HSBC

JULGAMENTO DE RECURSO ADMINISTRATIVO MÚLTIPLO. Trata-se de recurso interposto pela Instituição Bancária HSBC JULGAMENTO DE RECURSO ADMINISTRATIVO Processo Administrativo nº.: 0113-000.545-7 Autuada / Recorrente: HSBC BANK BRASIL S/A- BANCO MÚLTIPLO CNPJ: 01.701.201/0744-68 Trata-se de recurso interposto pela

Leia mais

Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho. M. J. Sealy

Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho. M. J. Sealy Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho O Conceito de Acidente de Trabalho (de acordo com a Lei 8.213/91 Art. 19) Acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço

Leia mais

TARIFAS BANCÁRIAS. Para abrir uma conta, os bancos exigem um depósito inicial, que varia conforme a instituição.

TARIFAS BANCÁRIAS. Para abrir uma conta, os bancos exigem um depósito inicial, que varia conforme a instituição. TARIFAS BANCÁRIAS A utilização de bancos é praticamente indispensável aos cidadãos. Contas e impostos, salários e seguros-desemprego são exemplos de transferência de dinheiro normalmente intermediada por

Leia mais

Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão American Express Business

Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão American Express Business Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão American Express Business IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO Este Sumário apresenta um resumo das principais informações que a Empresa Associada e o

Leia mais

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS ALESSANDRO CABRAL E SILVA COELHO - alessandrocoelho@jcbranco.adv.br JOSÉ CARLOS BRANCO JUNIOR - jcbrancoj@jcbranco.adv.br Palavras-chave: crime único Resumo O presente

Leia mais

Responsabilidade Civil Engenheiros e Arquitetos E&O e D&O

Responsabilidade Civil Engenheiros e Arquitetos E&O e D&O Responsabilidade Civil Engenheiros e Arquitetos E&O e D&O AsBEA Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura Encontro Regional AsBEA 2010 Nada a perder, algo a ganhar... Algo a ganhar, pouco a

Leia mais

O O CONFLITO ENTRE O PODER DE DIREÇÃO DA EMPRESA E A INTIMIDADE/PRIVACIDADE DO EMPREGADO NO AMBIENTE DE TRABALHO. Adriana Calvo

O O CONFLITO ENTRE O PODER DE DIREÇÃO DA EMPRESA E A INTIMIDADE/PRIVACIDADE DO EMPREGADO NO AMBIENTE DE TRABALHO. Adriana Calvo O O CONFLITO ENTRE O PODER DE DIREÇÃO DA EMPRESA E A INTIMIDADE/PRIVACIDADE DO EMPREGADO NO AMBIENTE DE TRABALHO Adriana Calvo Professora de Direito do Trabalho do Curso Preparatório para carreiras públicas

Leia mais

ROJETO DE LEI Nº, de 2015. (Do Sr. Deputado Marcos Rotta)

ROJETO DE LEI Nº, de 2015. (Do Sr. Deputado Marcos Rotta) ROJETO DE LEI Nº, de 2015 (Do Sr. Deputado Marcos Rotta) Dispõe sobre segurança, danos materiais, furtos e indenizações, correspondentes a veículos nos estacionamento de estabelecimentos comerciais, shoppings

Leia mais

Sentença. 1. Relatório. Relatório dispensado (artigo 38 da Lei 9.099/95). 2. Fundamentação

Sentença. 1. Relatório. Relatório dispensado (artigo 38 da Lei 9.099/95). 2. Fundamentação Processo : 2013.01.1.151018-6 Classe : Procedimento do Juizado Especial Cível Assunto : Contratos de Consumo Requerente : CELSO VIEIRA DA ROCHA JUNIOR Requerido : EMPRESA EBAZAR Sentença 1. Relatório Relatório

Leia mais

www.baviniferreira.com.br

www.baviniferreira.com.br www.baviniferreira.com.br 1. Aspecto Legal e a Responsabilidade Civil O que é a Responsabilidade Civil? A responsabilidade civil nada mais é senão o dever de reparar o dano. Em princípio, surge a responsabilidade

Leia mais

ÍNDICE SISTEMÁTICO. Nota à Segunda Edição... Apresentação à Terceira Edição... Apresentação...

ÍNDICE SISTEMÁTICO. Nota à Segunda Edição... Apresentação à Terceira Edição... Apresentação... Nota à Segunda Edição... Apresentação à Terceira Edição... Apresentação... XVII XIX XXI Introdução Evolução da Responsabilidade Civil... 1 1. Fatores da evolução... 2 2. Fases da evolução... 4 2.1. A flexibilização

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA O presente conjunto de Condições Gerais de Venda da GLUAL HIDRÁULICA se aplica a todas as entregas e a todos os serviços. ARTIGO 1. INFORMAÇÕES GERAIS ARTIGO 2. - OFERTAS E PEDIDOS ARTIGO 3. ESTUDOS, PLANTAS

Leia mais

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades Administrador Administrador é a pessoa a quem se comete a direção ou gerência de qualquer negócio ou serviço, seja de caráter público ou privado,

Leia mais

Este estudo foi elaborado pelo DEJUR - Departamento Jurídico do CREA-PR

Este estudo foi elaborado pelo DEJUR - Departamento Jurídico do CREA-PR MÓDULO 01 AULA 03 RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL Temos a satisfação de apresentar o módulo de RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL em nosso Programa de Excelência em Projetos. Nele será possível entender as obrigações

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 1 Suponha se que Maria estivesse conduzindo o seu veículo quando sofreu um acidente de trânsito causado por um ônibus da concessionária do serviço público

Leia mais

RESPONSABILIDADE MÉDICA EMPRESARIAL E DA EQUIPE CIRÚRGICA POR ERRO ANESTÉSICO

RESPONSABILIDADE MÉDICA EMPRESARIAL E DA EQUIPE CIRÚRGICA POR ERRO ANESTÉSICO RESPONSABILIDADE MÉDICA EMPRESARIAL E DA EQUIPE CIRÚRGICA POR ERRO ANESTÉSICO TOMÁS LIMA DE CARVALHO Em julgamento proferido no dia 22 de setembro de 2009, a Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça

Leia mais

Responsabilidade Civil de Provedores

Responsabilidade Civil de Provedores Responsabilidade Civil de Provedores Impactos do Marco Civil da Internet (Lei Nº 12.965, de 23 abril de 2014) Fabio Ferreira Kujawski Modalidades de Provedores Provedores de backbone Entidades que transportam

Leia mais

Cheque Aulas 22 a 24

Cheque Aulas 22 a 24 Cheque Aulas 22 a 24 1. NORMATIZAÇÃO: Lei 7.357/85 que absorveu as regras contidas na Lei Uniforme sobre Cheques. Resoluções do Banco Central do Brasil, tomadas por deliberação do Conselho Monetário Nacional,

Leia mais

PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA

PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Apelação Cível nº 0059871-12.2007.8.19.0001 Apelante: JONETES TERESINHA BOARETTO Apelado: GRANDE HOTEL CANADÁ LTDA. Relator: DES. CUSTÓDIO TOSTES DECISÃO MONOCRÁTICA

Leia mais

Contrato de Prestação de Serviços. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Contrato de Prestação de Serviços. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Contrato de Prestação de Serviços Contrato de Prestação de Serviços Visão Geral dos Contratos: Formação dos Contratos;e Inadimplemento Contratual. Formação dos Contratos Validade do Negócio Jurídico: Agente

Leia mais

DA RELAÇÃO SEGURO/ROUBO DE CARGA NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO

DA RELAÇÃO SEGURO/ROUBO DE CARGA NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DA RELAÇÃO SEGURO/ROUBO DE CARGA NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO 1. Até a década de 70 não eram reconhecidos os crimes contra o patrimônio como risco a ser efetivamente protegido no transporte rodoviário de cargas,

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 Disciplina: Direito Civil II Departamento II: Direito Privado Docente Responsável: Prof. Dr. Clineu Ferreira Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 2º Ano Objetivos:

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DE SHOPPING CENTER EM CASO DE SUICÍDIO

RESPONSABILIDADE CIVIL DE SHOPPING CENTER EM CASO DE SUICÍDIO RESPONSABILIDADE CIVIL DE SHOPPING CENTER EM CASO DE SUICÍDIO ROBERVAL CASEMIRO BELINATI Desembargador do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Membro da 2ª Turma Criminal Professor

Leia mais

REGRAS PADRÃO DA FEDERAÇÃO INTERNACIONAL DE TRANSITÁRIOS (FIATA) PARA SERVIÇOS DE AGENTE TRANSITÁRIO PARTE I -DISPOSIÇÕES GERAIS

REGRAS PADRÃO DA FEDERAÇÃO INTERNACIONAL DE TRANSITÁRIOS (FIATA) PARA SERVIÇOS DE AGENTE TRANSITÁRIO PARTE I -DISPOSIÇÕES GERAIS REGRAS PADRÃO DA FEDERAÇÃO INTERNACIONAL DE TRANSITÁRIOS (FIATA) PARA SERVIÇOS DE AGENTE TRANSITÁRIO PARTE I -DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Aplicabilidade 1.1. As regras presentes entram em vigor quando incorporadas

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO.

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO. COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO. PROJETO DE LEI N o 5.678, DE 2013. Acrescenta parágrafo ao art. 477 da Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-lei nº 5.452, de

Leia mais

VISTOS, relatados e discutidos estes autos, em que são partes as acima identificadas: RELATÓRIO

VISTOS, relatados e discutidos estes autos, em que são partes as acima identificadas: RELATÓRIO ESTADO DA PARAÍBA 21 PODER JUDICIÁRIO 1 Apelação Cível n. 888.2002.014.833-4/001 Relator: Des. Luiz Silvio Ramalho Júnior Apelante: GM Factoring Sociedade de Fomento Comercial Ltda Advogada: Maria Irinea

Leia mais

REGRAS PADRÃO FIATA PARA SERVIÇOS DE AGENTE TRANSITÁRIO

REGRAS PADRÃO FIATA PARA SERVIÇOS DE AGENTE TRANSITÁRIO REGRAS PADRÃO FIATA PARA SERVIÇOS DE AGENTE TRANSITÁRIO PARTE I - DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Pertinência 1.1. As presentes regras passam a vigorar quando incluídas em contrato, o que se dá por escrito, verbalmente

Leia mais

Monster. Concursos ABUSO DE AUTORIDADE

Monster. Concursos ABUSO DE AUTORIDADE Monster Concursos ABUSO DE AUTORIDADE AULÃO PM-MG 06/03/2015 ABUSO DE AUTORIDADE LEI Nº 4.898, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1965. #AULÃO #AQUIÉMONSTER Olá Monster Guerreiro, seja bem-vindo ao nosso Aulão, como

Leia mais

A R E R S E PONS N A S B A ILID I A D D A E D E C I C VIL N O N

A R E R S E PONS N A S B A ILID I A D D A E D E C I C VIL N O N A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO DE FAMÍLIA 06.09.2014 Dimas Messias de Carvalho Mestre em Direito Constitucional Promotor de Justiça aposentado/mg Professor na UNIFENAS e UNILAVRAS Advogado Membro

Leia mais

O julgamento teve a participação dos Desembargadores MELLO PINTO (Presidente), EDUARDO SÁ PINTO SANDEVILLE E CELSO PIMENTEL.

O julgamento teve a participação dos Desembargadores MELLO PINTO (Presidente), EDUARDO SÁ PINTO SANDEVILLE E CELSO PIMENTEL. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N ACÓRDÃO *03405073* Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação n 9173897-09.2006.8.26.0000,

Leia mais

Liberty International Underwriters Specialty Casualty

Liberty International Underwriters Specialty Casualty Liberty International Underwriters Specialty Casualty RESPONSABILIDADE DE ADMINISTRADORES D&O Liberty Mutual Insurance Company (LMIC) Proprietary and Confidential Fundada no ano de 1912 em Boston, EUA

Leia mais

A RESPONSABILIDADE CIVIL NA APRESENTATAÇÃO ANTECIPADA DO CHEQUE PÓS-DATADO

A RESPONSABILIDADE CIVIL NA APRESENTATAÇÃO ANTECIPADA DO CHEQUE PÓS-DATADO A RESPONSABILIDADE CIVIL NA APRESENTATAÇÃO ANTECIPADA DO CHEQUE PÓS-DATADO GONÇALVES, L. R. S. Resumo: O cheque é um título de crédito de ordem de pagamento à vista regido pela Lei nº 7.357/1985, porém

Leia mais

Sumário Executivo 7 1 430

Sumário Executivo 7 1 430 43017 Sumário Executivo SUMÁRIO EXECUTIVO CARTÃO DE CRÉDITO BANDEIRA VISA INTERNACIONAL: Este documento contém as informações essenciais e resumidas relacionadas ao seu cartão extraídas das Condições Gerais

Leia mais

Processo nº 0024.12.301.686-7 Ação de Indenização Autor: Émerson Gil Tremea e outros Réu : Educadora Itapoã Ltda

Processo nº 0024.12.301.686-7 Ação de Indenização Autor: Émerson Gil Tremea e outros Réu : Educadora Itapoã Ltda 1 Processo nº 0024.12.301.686-7 Ação de Indenização Autor: Émerson Gil Tremea e outros Réu : Educadora Itapoã Ltda Vistos, etc. Ementa: Escola particular. Aluno reprovado em teste de seleção, por insuficiência

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2014.1

PLANO DE ENSINO 2014.1 FUNDAÇÃO EDSON QUEIROZ UNIVERSIDADE DE FORTALEZA CENTRO DE CIENCIAS JURIDICAS PLANO DE ENSINO 2014.1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Disciplina/Módulo: Responsabilidade Civil Código/Turma: J774-81 Pré-requisito:J557

Leia mais

Aula 5 Pressupostos da responsabilidade civil (Culpa).

Aula 5 Pressupostos da responsabilidade civil (Culpa). Aula 5 Pressupostos da responsabilidade civil (Culpa). Pressupostos da responsabilidade civil subjetiva: 1) Ato ilícito; 2) Culpa; 3) Nexo causal; 4) Dano. Como já analisado, ato ilícito é a conduta voluntária

Leia mais

Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido

Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido BANCO DO BRASIL S.A. Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido Conceito e Características do Cartão de Crédito O cartão de crédito Private Label Híbrido, de uso doméstico

Leia mais

Aula 1 Responsabilidade Civil. Bibliografia recomendada:

Aula 1 Responsabilidade Civil. Bibliografia recomendada: Aula 1 Responsabilidade Civil. Bibliografia recomendada: GONÇALVES, Carlos Roberto. Responsabilidade civil. 11 ed. São Paulo: Saraiva, 2009. CAVALIERI FILHO, Sérgio. Programa de responsabilidade civil.

Leia mais

REGIMENTO DO SCPC. Rua XV de Novembro, 621 Fone: (41) 3320-2929 80020-310 Curitiba PR www.acpr.com.br

REGIMENTO DO SCPC. Rua XV de Novembro, 621 Fone: (41) 3320-2929 80020-310 Curitiba PR www.acpr.com.br REGIMENTO DO SCPC Rua XV de Novembro, 621 Fone: (41) 3320-2929 80020-310 Curitiba PR www.acpr.com.br REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PROTEÇÃO PROTEÇÃO AO AO CRÉDITO CRÉDITO

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A RESPONSABILIDADE RESPONSABILIDADE TÉCNICA OU ÉTICO-PROFISSIONAL RESPONSABILIDADE CIVIL

CONSIDERAÇÕES SOBRE A RESPONSABILIDADE RESPONSABILIDADE TÉCNICA OU ÉTICO-PROFISSIONAL RESPONSABILIDADE CIVIL CONSIDERAÇÕES SOBRE A RESPONSABILIDADE A vida em sociedade somente é possível através dos relacionamentos entre as pessoas. Seja do ponto de vista pessoal ou profissional, todos os atos praticados implicam

Leia mais

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro APELAÇÃO CÍVEL Nº 0460569-74.2012.8.19.0001 APELANTE: ALINE ALMEIDA PERES APELADO: INSTITUTO BRASILEIRO DE MEDICINA DE REABILITAÇÃO LTDA RELATOR: DES. FERNANDO ANTONIO DE ALMEIDA APELAÇÃO CÍVEL DIREITO

Leia mais

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados São Paulo, 17 de maio de 2012 I. Apresentação II. Legislação Federal Básica III. Responsabilidade Ambiental

Leia mais

RESPONSABILIDADE DOS ATORES POLÍTICOS E PRIVADOS

RESPONSABILIDADE DOS ATORES POLÍTICOS E PRIVADOS SEGURANÇA DE BARRAGENS DE REJEITOS RESPONSABILIDADE DOS ATORES POLÍTICOS E PRIVADOS SIMEXMIN OURO PRETO 18.05.2016 SERGIO JACQUES DE MORAES ADVOGADO DAS PESSOAS DAS PESSOAS NATURAIS A vida é vivida por

Leia mais

Dano Moral no Direito do Consumidor. HÉCTOR VALVERDE SANTANA hvs jur@ho tm ail.c o m

Dano Moral no Direito do Consumidor. HÉCTOR VALVERDE SANTANA hvs jur@ho tm ail.c o m Dano Moral no Direito do Consumidor HÉCTOR VALVERDE SANTANA hvs jur@ho tm ail.c o m RELAÇÃO JURÍDICA DE CONSUMO Consumidor padrão ou standard : art. 2º, caput Consumidor por equiparação: arts. 2º, parágrafo

Leia mais

CONTRATO PARA UTILIZAÇÃO DE CARTÃO CLUBE DEMAIS ALIMENTAÇÃO, QUE ENTRE SI CELEBRAM: SUPERMERCADOS DB LTDA E,

CONTRATO PARA UTILIZAÇÃO DE CARTÃO CLUBE DEMAIS ALIMENTAÇÃO, QUE ENTRE SI CELEBRAM: SUPERMERCADOS DB LTDA E, CONTRATO PARA UTILIZAÇÃO DE CARTÃO CLUBE DEMAIS ALIMENTAÇÃO, QUE ENTRE SI CELEBRAM: SUPERMERCADOS DB LTDA E, NAS MODALIDAES PAT- PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO DOS TRABALHADORES E/OU PRÊMIO - PREMIAÇÃO E INCENTIVO

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 91 Registro: 2014.0000560120 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 4008523-94.2013.8.26.0577, da Comarca de São José dos Campos, em que é apelante ULYSSES PINTO NOGUEIRA,

Leia mais

A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil nos 10 Anos do Código Civil na Construção da Doutrina e Jurisprudência

A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil nos 10 Anos do Código Civil na Construção da Doutrina e Jurisprudência 222 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 13 10 Anos do Código Civil - Aplicação, Acertos, Desacertos e Novos Rumos Volume 2 A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DO EMPREGADOR EM ACIDENTE DE TRABALHO

RESPONSABILIDADE CIVIL DO EMPREGADOR EM ACIDENTE DE TRABALHO RESPONSABILIDADE CIVIL DO EMPREGADOR EM ACIDENTE DE TRABALHO Rafael Bratfich GOULART 1 Cleber Affonso ANGELUCI 2 RESUMO: O presente trabalho pretende buscar a melhor teoria de responsabilidade civil a

Leia mais

CORRETOR DE IMÓVEIS REGULAMENTAÇÃO, CONTRATO E RESPONSABILIDADE.

CORRETOR DE IMÓVEIS REGULAMENTAÇÃO, CONTRATO E RESPONSABILIDADE. CORRETOR DE IMÓVEIS REGULAMENTAÇÃO, CONTRATO E RESPONSABILIDADE. Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total CONTRATOS REGULAMENTAÇÃO DOS CORRETORES E DO CONTRATO DE CORRETAGEM DO CORRETOR

Leia mais

PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA 2010/2

PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA 2010/2 ESCREVA AQUI SEU NÚMERO DE INSCRIÇÃO: INSTRUÇÕES 1. Só abra o caderno de prova quando autorizado. Ao fazê-lo, verifique se a seqüência de páginas está correta. Se encontrar alguma falha, chame um fiscal

Leia mais

. Desembargador José Di Lorenzo Serpa. Costa).

. Desembargador José Di Lorenzo Serpa. Costa). ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNALDE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL N. 098.2008.000211-01001. Relator. Desembargador José Di Lorenzo Serpa. Apelante Banco do Brasil S/A (Adv.:

Leia mais

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos $ 5(63216$%,/,'$'( &,9,/ '2 3529('25 '( $&(662,17(51(7 Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos A Internet se caracteriza

Leia mais

O PROTESTO CAMBIAL INDEVIDO DOS BOLETOS BANCÁRIOS

O PROTESTO CAMBIAL INDEVIDO DOS BOLETOS BANCÁRIOS O PROTESTO CAMBIAL INDEVIDO DOS BOLETOS BANCÁRIOS Tatiana Corrêa Teixeira Acadêmica de Direito Centro Universitário Newton Paiva Resumo: O presente artigo tem a função de demonstrar os abusos cometidos

Leia mais

Honorários advocatícios

Honorários advocatícios Honorários advocatícios Os honorários advocatícios são balizados pelo Código de Processo Civil brasileiro (Lei de n. 5.869/73) em seu artigo 20, que assim dispõe: Art. 20. A sentença condenará o vencido

Leia mais

ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE

ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE AULA 04 INTRODUÇÃO AO EXERCÍCIO PROFISSIONAL DOCENTE: ROSEMARI VIEIRA BRAGANÇA ARQUITETO E URBANISTA RESPONSABILIDADES E OBRIGAÇÕES ÉTICA RESPONSABILIDADE TÉCNICA RESPONSABILIDADE

Leia mais

SENTENÇA. Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro

SENTENÇA. Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro fls. 375 SENTENÇA Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro Requerente: Luiz Eduardo Possagnolo Requerido: Gafisa Spe-127

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS INTEGRANTES DAS AUDITORIAS INTERNAS DAS ENTIDADES VINCULADAS AO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

ASSOCIAÇÃO DOS INTEGRANTES DAS AUDITORIAS INTERNAS DAS ENTIDADES VINCULADAS AO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ASSOCIAÇÃO DOS INTEGRANTES DAS AUDITORIAS INTERNAS DAS ENTIDADES VINCULADAS AO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ROTEIRO DE VERIFICAÇÃO TOMADA DE CONTAS ESPECIAL GT - 8 O QUE É De acordo com o art. 3º da Instrução

Leia mais

DOS FATOS JURÍDICOS. FATO JURÍDICO = é todo acontecimento da vida relevante para o direito, mesmo que seja fato ilícito.

DOS FATOS JURÍDICOS. FATO JURÍDICO = é todo acontecimento da vida relevante para o direito, mesmo que seja fato ilícito. DOS FATOS JURÍDICOS CICLO VITAL: O direito nasce, desenvolve-se e extingue-se. Essas fases ou os chamados momentos decorrem de fatos, denominados de fatos jurídicos, exatamente por produzirem efeitos jurídicos.

Leia mais

O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR

O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR OSMAR LOPES JUNIOR O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR Introdução Não é preciso dizer o quanto a internet

Leia mais

PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009)

PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009) PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009) Consulta nº 159.756/08 Assuntos: - Filmagem em interior de UTI. - Legalidade de contratação de médicos plantonistas como pessoa jurídica.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO Acórdão 10ª Turma INDENIZAÇÃO. DANO MORAL. ATRASO NA ENTREGA DAS GUIAS DO FGTS E SEGURO- DESEMPREGO. A demora injustificada na entrega das guias do FGTS e do Seguro- Desemprego, feita ultrapassado o decêndio

Leia mais

ESPECÍFICOS * Estudar a teoria geral da responsabilidade civil e das relações de consumo perante o ordenamento jurídico brasileiro;

ESPECÍFICOS * Estudar a teoria geral da responsabilidade civil e das relações de consumo perante o ordenamento jurídico brasileiro; 1. IDENTIFICAÇÃO PERÍODO: 9 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO CIVIL VII NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 Responsabilidade Civil. Introdução.

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE MINAS GERAIS PODER JUDICIÁRIO BELO HORIZONTE 10ª TURMA RECURSAL DE BELO HORIZONTE

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE MINAS GERAIS PODER JUDICIÁRIO BELO HORIZONTE 10ª TURMA RECURSAL DE BELO HORIZONTE TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE MINAS GERAIS PODER JUDICIÁRIO BELO HORIZONTE 10ª TURMA RECURSAL DE BELO HORIZONTE RUAPADRE ROLIM, 424, EDIFÍCIO ANEXO 1º ANDAR, SANTA EFIGÊNIA, BELO HORIZONTE - MG, FONE: (31)3289-9416

Leia mais

SANÇÕES ADMINISTRATIVAS E RESCISÕES CONTRATUAIS

SANÇÕES ADMINISTRATIVAS E RESCISÕES CONTRATUAIS (41) 3087-6666 www.licidata.com.br SANÇÕES ADMINISTRATIVAS E RESCISÕES CONTRATUAIS PENALIDADES, PROCEDIMENTOS E ASPECTOS POLÊMICOS 11 e 12 de Dezembro de 2014 - Vitória - ES Apresentação: As hipóteses

Leia mais

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator RECURSO INOMINADO Nº 2006.3281-7/0, DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE FAZENDA RIO GRANDE RECORRENTE...: EDITORA ABRIL S/A RECORRIDO...: RAFAELA GHELLERE DAL FORNO RELATOR...: J. S. FAGUNDES CUNHA

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE CUSTÓDIA DE ATIVOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE CUSTÓDIA DE ATIVOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE CUSTÓDIA DE ATIVOS A COMPANHIA BRASILEIRA DE LIQUIDAÇÃO E CUSTÓDIA, pessoa jurídica com sede na Rua XV de Novembro, n.º 275, em São Paulo, SP, inscrita no CNPJ/MF sob

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO ACÓRDÃO Registro: 2011.0000299990 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 9000322-04.2010.8.26.0037, da Comarca de Araraquara, em que é apelante/apelado DORIVAL CAVICHIONI JUNIOR (JUSTIÇA

Leia mais

AULA 01. Direito Civil, vol.4, Silvio Rodrigues, editora Saraiva.

AULA 01. Direito Civil, vol.4, Silvio Rodrigues, editora Saraiva. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Responsabilidade Civil / Aula 01 Professora: Andréa Amim Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 01 CONTEÚDO DA AULA: Bibliografia. Estrutura da Responsabilidade

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS APLICÁVEIS AO EMPRÉSTIMO CONSIGNADO DESTINADO À RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

CONDIÇÕES GERAIS APLICÁVEIS AO EMPRÉSTIMO CONSIGNADO DESTINADO À RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS O BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A., com sede na Avenida Presidente Juscelino Kubitschek, 2041 e 2235, Bloco A, Vila Olímpia, São Paulo/SP, CEP 04543-011, CNPJ/MF sob n.º 90.400.888/0001-42, disponibiliza

Leia mais

FUTURAINVEST DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. CARTILHA DO CONSUMIDOR

FUTURAINVEST DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. CARTILHA DO CONSUMIDOR FUTURAINVEST DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. CARTILHA DO CONSUMIDOR 1 Sumário 1 - A origem do Código de Defesa do Consumidor...3 2 - Código de Defesa do Consumidor... 3 3 - Direitos

Leia mais

REGULAMENTO. Presenteador: É a pessoa física ou jurídica que adquire o VALE-VIAGEM CVC, mediante a compra direta de cargas de valores.

REGULAMENTO. Presenteador: É a pessoa física ou jurídica que adquire o VALE-VIAGEM CVC, mediante a compra direta de cargas de valores. REGULAMENTO A CVC BRASIL OPERADORA E AGÊNCIA DE VIAGENS S.A., o Presenteador e o Presenteado do VALE-VIAGEM CVC, a primeira, na qualidade de prestadora de serviços de turismo, e o segundo, aderindo às

Leia mais

29 a 30 de maio de 2008 RESPONSABILIDADE CIVIL E RELAÇÕES TRABALHISTAS. Fraiburgo Santa Catarina

29 a 30 de maio de 2008 RESPONSABILIDADE CIVIL E RELAÇÕES TRABALHISTAS. Fraiburgo Santa Catarina 29 a 30 de maio de 2008 RESPONSABILIDADE CIVIL E RELAÇÕES TRABALHISTAS Fraiburgo Santa Catarina A responsabilidade civil é a aplicação de medidas que obriguem uma pessoa a reparar o dano moral ou patrimonial

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL Agravo Inominado na Apelação Cível nº. 0335220-03.2008.8.19.0001 Agravante: GOLDEN CROSS ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL DE SAÚDE LTDA Agravado: JORGE MEDEIROS FREITAS

Leia mais

QUANTO AO SEU VÍNCULO

QUANTO AO SEU VÍNCULO OBRIGAÇÕES QUANTO AO SEU VÍNCULO GUSTAVO GUSMÃO OBRIGAÇÕES QUANTO AO SEU VÍNCULO 1. INTRODUÇÃO Dentre as diferentes modalidades das obrigações, encontramos as obrigações atinentes ao vínculo que liga seus

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 Dispõe sobre instauração e organização de processo de tomada de contas especial e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso do

Leia mais

Órgão Classe N. Processo Apelante(s) Apelado(s) Relator Juiz

Órgão Classe N. Processo Apelante(s) Apelado(s) Relator Juiz Órgão : 2ª Turma Recursal dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais Classe : ACJ Apelação Cível no Juizado Especial N. Processo : 2008.01.1.145714-7 Apelante(s) : DORIS MAGDA TAVARES GUERRA Apelado(s)

Leia mais

DUPLICATA XII. 1. Origem:

DUPLICATA XII. 1. Origem: DUPLICATA XII 1. Origem: - A duplicata constitui um título de crédito que tem origem no Direito brasileiro, e mais especificamente no Código Comercial de 1850, o qual determinava aos comerciantes atacadistas

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL Índice CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL 3 5 6 7 INTRODUÇÃO ABRANGÊNCIA PRINCÍPIOS RELACIONAMENTOS CONSELHO DE ÉTICA SANÇÕES DISPOSIÇÕES FINAIS INTRODUÇÃO Considerando que a paz,

Leia mais