Guias e Manuais. Gestão de Benefícios. do Programa Bolsa Família VOLUME I. Programa Bolsa Família

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Guias e Manuais. Gestão de Benefícios. do Programa Bolsa Família VOLUME I. Programa Bolsa Família"

Transcrição

1 Guias e Manuais 2010 Gestão de Benefícios do Programa Bolsa Família VOLUME I Programa Bolsa Família

2 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Manual de Gestão de Benefícios Volume I Concessão e Administração de Benefícios e Revisão Cadastral das Famílias Beneficiárias do Programa Bolsa Família Brasília, novembro 2010

3 Sumário Apresentação...7 Parte I Concessão e Administração de Benefícios...9 capítulo i - O Programa Bolsa Família e a Gestão de Benefícios Programa Bolsa Família (PBF) A Gestão de Benefícios do Programa Bolsa Família Cadastro Único e a Gestão de Benefícios do PBF Conceitos importantes Composição dos benefícios do PBF Concessão, Cálculo e Prescrição do valor financeiro do BVCE Integração entre o PBF e o Peti...15 capítulo ii - Habilitação, Seleção e Concessão de benefícios A Habilitação de Beneficiários A Seleção e a concessão de benefícios...20 capítulo iii - Administração de Benefícios Atividades de Administração de Benefícios Aplicação e efeitos das atividades de administração de benefícios Inclusão de benefícios Liberação de benefícios Reavaliação de benefícios Bloqueio de benefícios Desbloqueio de benefícios Cancelamento de benefícios Reversão de cancelamento de benefícios Reinclusão de benefícios Suspensão e reversão de suspensão de benefícios Cancelamento e concessão/reversão de cancelamento do Benefício Básico Cancelamento e concessão/reversão de cancelamento de Benefício Variável Cancelamento e concessão/reversão de BVJ Divergências das famílias quanto à realização de atividades de gestão de benefícios Prazo do Agente Operador para repercussão de atividades de Gestão de Benefícios no relatório da folha de pagamento e no sistema bancário...38

4 capítulo iv - O Sistema de Gestão de Benefícios do Programa Bolsa Família e a sua operacionalização Sistema de Gestão de Benefícios A operacionalização do Sistema de Gestão de Benefícios A descentralização da Gestão de Benefícios do PBF Fluxograma da operacionalização da gestão de benefícios Operacionalização das atividades de Gestão de Benefícios nos municípios Operacionalização das atividades de Gestão de Benefícios por meio da repercussão de alteração cadastral A rotina de repercussão automática de alteração cadastral Fluxograma do processamento da repercussão de alteração cadastral no SGB A rotina de reavaliação no SGB Detalhamento das regras da repercussão de alteração cadastral Acompanhamento da execução de atividades de Gestão de Benefícios com o SGB Demais ações com base na Rotina de Repercussão Automática de Alterações Cadastrais Conversão de NIS Substituição de Responsável pela Unidade Familiar Mudança de município Procedimentos do Gestor Municipal do município de origem Procedimentos do Gestor Municipal do município de destino Procedimentos da família Procedimentos em caso de exclusão indevida do cadastro A execução de atividades de Gestão de Benefícios pela Senarc A utilização do Formulário-Padrão de Gestão de Benefícios Envio de ofícios à Senarc para processamento centralizado de atividades de gestão de benefícios Consultando o mês de revisão cadastral das famílias no Sibec Comunicando a revisão cadastral à família Procedimentos de Gestão do Cadastro Único na revisão cadastral Como a Revisão Cadastral altera a Gestão de Benefícios Concessão de benefícios a cadastros desatualizados Cancelamentos de todos os benefícios da família por causa de aumento de renda per capita familiar Cancelamento/desbloqueio de benefícios bloqueados por encerramento do prazo para revisão cadastral Cancelamento do Benefício Básico Canais de atendimento ao município...80 ANEXO...81 Lista de normas e instruções do Programa Bolsa Família, Programas Remanescentes e Cadastro Único Leis e Decretos...81 Portarias Ministeriais...82 Instruções Normativas e Operacionais...85 capítulo v - A organização da Gestão de Benefícios do Programa Bolsa Família A organização da Gestão de Benefícios Responsabilidades dos entes federados no que tange à Gestão de Benefícios Responsabilidade da União Responsabilidade dos Estados Responsabilidade dos Municípios...65 Parte Ii Revisão Cadastral das Famílias Beneficiárias do Bolsa Família...66 capítulo iv - A organização da Gestão de Benefícios do Programa Bolsa Família Apresentação O que é Revisão Cadastral Como as famílias são selecionadas para Revisão Cadastral Validade do Benefício Mês de Revisão Cadastral...70 capítulo vii - Operacionalização da Revisão Cadastral Entendendo os conceitos de Validade de Benefício e Mês de Revisão Cadastral Divulgação do Público da Revisão Cadastral Como obter a listagem de famílias na Central de Sistemas Como obter a listagem de famílias no Sibec...75

5 APRESENTAÇÃO Esta publicação do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) destina-se aos gestores do Programa Bolsa Família (PBF) nos municípios e estados e visa favorecer a compreensão da Gestão de Benefícios do PBF, suas finalidades e seus mecanismos. A gestão do PBF é pública, controlada socialmente, com participação comunitária e compartilhada entre o Governo Federal, os governos estaduais e municipais. O papel dos municípios na execução e no aprimoramento do PBF é de importância central. É por meio do poder municipal que as famílias pobres que precisam do benefício acessam o Programa. Por entender essa importância, o MDS, com o apoio de estados e municípios, vem criando os instrumentos, procedimentos e mecanismos para a execução descentralizada das atividades que integram a gestão dos benefícios do PBF. As instâncias de controle do PBF e os órgãos que compõem a Rede Pública de Fiscalização (Tribunal de Contas da União, Controladoria-Geral da União e Ministério Público Federal e Estadual) também podem ser beneficiados com a publicação deste manual, pois terão mais informações a sua disposição para o trabalho de acompanhamento e fiscalização do Bolsa Família em todas as esferas governamentais. Esta publicação foi elaborada pelo Departamento de Benefícios (Deben) da Senarc, a quem compete o esclarecimento de dúvidas e o acolhimento de sugestões, por meio do e- -mail A edição deste Manual estará disponível no sítio eletrônico do MDS (www.mds.gov.br). O Manual de Gestão de Benefícios está organizado da seguinte forma: Parte I Concessão e Administração de Benefícios Capítulo I Descreve o PBF e apresenta a gestão de benefícios; Capítulo II Explica sobre a habilitação, a seleção e a concessão de benefícios financeiros; Manual de Gestão de Benefícios - Volume I 9

6 Capítulo III Explica sobre a administração de benefícios do PBF; Capítulo IV Apresenta a operacionalização do Sistema de Gestão de Benefícios; e Capítulo V Detalha as principais atribuições do Governo Federal e dos governos estaduais e municipais, além das Instâncias de Controle Social e da rede pública de fiscalização, na gestão de benefícios. Parte II Revisão Cadastral das Famílias Beneficiárias do Bolsa Família Capítulo VI Introdução e definições da Revisão Cadastral; e Capítulo VII Operacionalização da Revisão Cadastral. Parte I Concessão e Administração de Benefícios CAPÍTULO I O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA E A GESTÃO DE BENEFÍCIOS 1 - O Programa Bolsa Família (PBF) O Programa Bolsa Família é um programa de transferência direta de renda às famílias pobres e extremamente pobres que vincula o recebimento do auxílio financeiro ao cumprimento de condicionalidades (compromissos) nas áreas de Educação e Saúde e de Assistência Social. Instituído pela Lei nº , de 9 de janeiro de 2004, e regulamentado pelo Decreto nº 5.209, de 17 de setembro de 2004, o Bolsa Família tem por objetivos: Promover o acesso à rede de serviços públicos, em especial, de saúde, de educação e de assistência social; Combater a fome e promover a segurança alimentar e nutricional; Estimular a emancipação sustentada das famílias que vivem em situação de pobreza e extrema pobreza; Combater a pobreza; e Promover a intersetorialidade, a complementaridade e a sinergia das ações sociais do Poder Público. O Bolsa Família unificou os atos e procedimentos de gestão de antigos programas de transferência de renda do Governo Federal, chamados Programas Remanescentes, a saber: Bolsa Escola ( Lei no , de 21 de abril de 2001); Bolsa Alimentação (MP no 2.206, de 6 de setembro de 2001); Auxílio-Gás, (Decreto no 4.102, de 24 de janeiro de 2002); e Cartão Alimentação, (Lei no , de 13 de junho de 2003). Não há impedimentos legais para que as famílias continuem a receber benefícios dos Programas Remanescentes enquanto não migrarem para o Bolsa Família. Igualmente, não existem impedimentos a que essas famílias sejam beneficiadas por programas financiados com recursos dos estados e municípios. 10 Manual de Gestão de Benefícios - Volume I Manual de Gestão de Benefícios - Volume I 11

7 Atualmente, o Programa Cartão Alimentação é o único Remanescente ainda vigente. As famílias que pertenciam aos Programas Bolsa Escola, Bolsa Alimentação e Auxílio-Gás e atendiam ao perfil para recebimento do benefício do Bolsa Família já foram migradas. O ingresso das famílias no PBF se dá por meio do Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal, um instrumento de coleta de informações que tem como objetivo identificar e qualificar todas as famílias pobres do país, entendidas como aquelas com renda mensal por pessoa de até meio salário mínimo. 2 - A Gestão de Benefícios do Programa Bolsa Família O PBF implementou alguns processos e atividades para garantir a transferência mensal de renda às famílias beneficiárias. A Gestão de Benefícios do PBF compreende todas as etapas necessárias à transferência continuada dos valores referentes aos benefícios previstos na Lei nº , de 2004, desde o ingresso da família até o seu desligamento do Programa, englobando ainda ações relativas ao pagamento de benefícios. Os principais processos que compõem a Gestão de Benefícios do PBF são os seguintes: Habilitação, Seleção e Concessão de benefícios Administração de benefícios pela Senarc e pelos municípios Pagamento dos benefícios Revisão Cadastral Os processos que compõem a Gestão de Benefícios do PBF serão explicados ao longo deste manual O Cadastro Único e a Gestão de Benefícios do PBF Os benefícios financeiros do PBF são concedidos com base em informações do Cadastro Único. Assim, se os municípios, no instante do cadastramento das famílias, dão especial atenção a informações como renda por pessoa, composição familiar e dados de identificação de pessoas (nome completo, data de nascimento, documentação pessoal), o processo de concessão de benefícios do PBF é positivamente beneficiado. Da mesma forma, a administração dos benefícios pelos municípios se utiliza de uma série de atualizações cadastrais efetuadas no Cadastro Único. Por exemplo, a modificação da renda familiar por pessoa de uma família beneficiária do PBF no Cadastro Único pode, no futuro, implicar o seu desligamento do Programa. Esse processo é conhecido como repercussão das alterações cadastrais e o seu funcionamento será detalhado no Capítulo IV deste manual, com a apresentação da operacionalização da administração dos benefícios pelos municípios Conceitos importantes Para melhor compreensão da Gestão de Benefícios do PBF é útil conhecer alguns conceitos importantes: Benefícios da Família: é o conjunto de todos os benefícios específicos transferidos à família por meio de seu respectivo Responsável pela Unidade Familiar (RF); Benefícios Específicos da Família: são os benefícios previstos no art. 2º da Lei nº , de 2004, concedidos na forma da Portaria GM/MDS nº 341, de 2008, a saber: a) Benefício Básico: vinculado às famílias extremamente pobres; b) Benefício Variável: vinculado a crianças e adolescentes de até 15 anos, gestantes e nutrizes; c) Benefício Variável Vinculado ao Adolescente (BVJ): vinculado a jovens de 16 e 17 anos; e d) Benefício Variável de Caráter Extraordinário (BVCE): destinado às famílias dos Programas Remanescentes Bolsa Escola, Bolsa Alimentação, Cartão Alimentação e Auxílio-Gás. Folha de pagamento: listas geradas mensalmente para pagamento dos valores apurados junto às famílias com benefícios concedidos; Parcelas de pagamento: é o valor financeiro a ser transferido mensalmente, calculado com base nos benefícios que a família possui no momento em que é realizado o processo de geração da folha de pagamento do PBF; Conta de pagamento de benefícios: são as modalidades de contas mantidas pela CAIXA ou Instituição Financeira contratada pelo Agente Operador para disponibilização de parcelas à família, tendo o Responsável pela Unidade Familiar como titular da conta, conforme disposto no art. 2º, 12 da Lei nº , de As contas de pagamento de benefícios podem assumir as seguintes modalidades: a) contas contábeis; b) contas-correntes de depósito à vista; e c) contas especiais de depósito à vista. Guia de pagamento bancária: é a guia individual para saque de benefícios exclusivamente em agências da CAIXA, em caso de perda, dano ou extravio do cartão magnético; Cartão magnético: é o principal meio de saque das parcelas de pagamento pela família. Calendário operacional do PBF: é o cronograma de ações, pactuado entre a CAIXA e a Senarc, visando à execução de processos operacionais direta ou indiretamente relacionados à geração da folha de pagamento e ao cumprimento do calendário de pagamento do Programa, nos termos da Portaria GM/MDS nº 532, de 3 de novembro de Manual de Gestão de Benefícios - Volume I Manual de Gestão de Benefícios - Volume I 13

8 2.3 Composição dos benefícios do PBF O PBF dispõe dos seguintes tipos de benefícios financeiros, definidos na Lei nº , de 2004: Benefício Básico no valor de R$ 68,00, concedido às famílias com renda mensal de até R$ 70,00 por pessoa; Benefício Variável no valor de R$ 22,00, concedido às famílias com renda mensal de até R$ 140,00 por pessoa, desde que tenham crianças e/ou adolescentes de 0 a 15 anos de idade, até o limite de três benefícios variáveis por família; Benefício Variável Vinculado ao Adolescente (BVJ) no valor de R$ 33,00, concedido a todas as famílias do PBF que tenham adolescentes de 16 e 17 anos de idade que estejam freqüentando a escola, até o limite de dois BVJ por família; e Benefício Variável de Caráter Extraordinário (BVCE) concedido às famílias dos Programas Remanescentes (Auxílio-Gás, Bolsa Escola, Bolsa Alimentação e Cartão Alimentação), que tiveram perdas financeiras com a migração para o PBF. O valor concedido é calculado caso a caso e tem prazo de prescrição, além do qual deixa de ser pago. Os benefícios básico e variável foram regulamentados pelo Decreto nº 5.209, de Os valores referenciais do PBF para a definição da renda que caracteriza famílias pobres e extremamente pobres, fundamento para concessão do benefício básico, também foram regulamentados pelo Decreto nº 5.209, de Os Quadros I, 2 e 3 exemplificam os valores que uma família pode receber da junção desses benefícios. A concessão de benefício variável de gestante ou nutriz de uma família, segundo o 1º, do art. 19 do Decreto nº 5.209, de 2004, será regulamentada posteriormente pela Senarc, com vistas à prestação continuada desse benefício variável. Conforme prevê o artigo 21 do Decreto nº 5.209, de 2004, a concessão do benefício é realizada em caráter temporário à família e não gera direitos na acepção legal da palavra. No entanto, o Governo Federal compromete-se com a transferência mensal de renda à família, respeitadas as regras de operação do Programa. Quadro 1 Composição dos Benefícios (Básico, Variável e BVJ) do PBF - Famílias sem adolescentes de 16 e 17 anos Composição familiar com membros de: Renda Mensal per capita 0 a 15 anos 16 e 17 anos Valor do benefício 1 membro Sem ocorrência R$ 22,00 De R$ 70,01 a R$ 140,00 2 membros Sem ocorrência R$ 44,00 3 ou + membros Sem ocorrência R$ 66,00 Sem ocorrência Sem ocorrência R$ 68,00 Até R$ 70,00 1 membro Sem ocorrência R$ 90,00 2 membros Sem ocorrência R$ 112,00 3 ou + membros Sem ocorrência R$ 134,00 Quadro 2 Composição dos Benefícios (Básico, Variável e BVJ) do PBF - Famílias com um adolescente de 16 ou 17 anos Composição familiar com membros de: Renda Mensal per capita 0 a 15 anos 16 e 17 anos Valor do benefício Sem ocorrência 1 membro R$ 33,00 De R$ 70,01 a R$ 140,00 1 membro 1 membro R$ 55,00 2 membros 1 membro R$ 77,00 3 ou + membros 1 membro R$ 99,00 Sem ocorrência 1 membro R$ 101,00 Até R$ 70,00 1 membro 1 membro R$ 123,00 2 membros 1 membro R$ 145,00 3 ou + membros 1 membro R$ 167,00 14 Manual de Gestão de Benefícios - Volume I Manual de Gestão de Benefícios - Volume I 15

9 Quadro 3 Composição dos Benefícios (Básico, Variável e BVJ) do PBF - Famílias com dois ou mais adolescentes de 16 e 17 anos Renda Mensal per capita De R$ 70,01 a R$ 140,00 Até R$ 70,00 Composição familiar com membros de: 0 a 15 anos 16 e 17 anos Valor do benefício Sem ocorrência 2 ou + membros R$ 66,00 1 membro 2 ou + membros R$ 88,00 2 membros 2 ou + membros R$ 110,00 3 ou + membros 2 ou + membros R$ 132,00 Sem ocorrência 2 ou + membros R$ 134,00 1 membro 2 ou + membros R$ 156,00 2 membros 2 ou + membros R$ 178,00 3 ou + membros 2 ou + membros R$ 200, Concessão, Cálculo e Prescrição do valor financeiro do BVCE O BVCE está previsto nos 8º e 9º, do art. 2º da Lei nº , de 2004, e foi regulamentado pela Portaria GM/MDS nº 737, de 15 de dezembro de Como o valor do BVCE é calculado caso a caso, a soma de todos os benefícios que são pagos às famílias é bem variada. É possível até mesmo que, em razão do BVCE, algumas famílias recebam um valor superior a R$ 200,00. Somente as famílias migradas de Programas Remanescentes e que recebiam mais do que passariam a receber no PBF podem ter o BVCE, para compensar as perdas que a migração para o PBF ocasionaria 1. No cálculo do valor do BVCE, são somados todos os benefícios pagos à família pelos Programas Remanescentes e o resultado desta soma é comparado com a soma dos Benefícios Básico+Variável do PBF. Em suma, o valor do BVCE é aquele que mantém a família recebendo o mesmo total que vinha recebendo dos Programas Remanescentes. Se o valor do BVCE resultar em centavos, o valor é arredondado para mais. Dessa forma, famílias diferentes podem ter valores de BVCE distintos, conforme a renda por pessoa, a composição familiar e os benefícios anteriores. 1 Famílias usuárias do Peti podem receber também o BVCE, desde que sejam simultaneamente beneficiárias do Bolsa Alimentação, do Auxílio-Gás ou do Cartão Alimentação (ver o item 3 deste capítulo). O BVCE tem caráter extraordinário. No momento da concessão dos benefícios do PBF é fixada uma data de prescrição para o BVCE, tendo por base os Programas Remanescentes de que a família participava antes de migrar para o PBF. Para famílias inscritas em mais de um Programa Remanescente, no cálculo da prescrição do BVCE, é escolhida a regra de prescrição mais favorável para a família. Assim, pode haver uma data de prescrição do BVCE distinta para cada família, a depender da aplicação das regras de prescrição. Depois de fixada uma prescrição para o BVCE, sua data final não é mais modificada, mesmo que venham a acontecer alterações na composição da família. O detalhamento do BVCE consta no Anexo III da Instrução Operacional nº 12, de 3 de fevereiro de Integração entre o PBF e o Peti O Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (Peti) é operacionalizado pela Secretaria Nacional de Assistência Social (SNAS), em parceria com estados, municípios e a sociedade civil, e tem por objetivo erradicar o trabalho infantil nas atividades perigosas, insalubres, penosas ou degradantes nas zonas urbana e rural. Com a edição da Portaria GM/MDS nº 666, de 28 de dezembro de 2005, o MDS regulamentou a integração entre o PBF e o Peti, visando aprimorar a gestão e ampliar a cobertura para todas as famílias que atendem aos critérios de elegibilidade de cada um desses programas, além de fortalecer o papel do Cadastro Único como ferramenta de planejamento e gestão dos programas sociais de transferência de renda. Atualmente, o controle da lista de beneficiários é realizado pelo Cadastro Único e o pagamento dos benefícios é efetuado pela CAIXA. A Portaria GM/MDS nº 666, de 2005, estabeleceu critérios para a migração de famílias do Peti para o PBF e novas regras para a entrada de novas famílias no Peti. A integração entre o PBF e o Peti respeitou as especificidades de cada programa. Como princípio, assumiu a coexistência dos programas depois da integração, diferentemente do que ocorre com os Programas Remanescentes. As vantagens comparativas entre o PBF e o Peti foram destacadas para que essas políticas públicas, atuando juntas e não em concorrência, favorecessem o alcance dos seus objetivos. Assim, as estratégias de integração traçadas, regulamentadas pela Portaria MDS nº 666, de 2005, foram as seguintes: A transferência de famílias do Peti para o PBF, quando possível, não implica redução no total dos benefícios pagos pelo Peti, hipótese em que a família deixa de ser incluída no PBF e permanece no Peti. Quando a família recebe do Peti e de algum Programa Remanescente (exceto Bolsa Escola), são considerados no cálculo do BVCE os valores financeiros pagos pelo Peti; As famílias em situação de trabalho infantil, que não sejam beneficiárias nem do Peti nem do PBF, passam a ser incluídas nesses programas, depois de cadastradas no Cadastro Único, tendo por base o critério de renda familiar por pessoa; 16 Manual de Gestão de Benefícios - Volume I Manual de Gestão de Benefícios - Volume I 17

10 As famílias beneficiárias do PBF que estejam em situação de trabalho infantil passam a cumprir as atividades socioeducativas e de convivência oferecidas pelo Peti nos municípios; e As famílias beneficiárias do Peti, ao serem incluídas no PBF, passam a cumprir adicionalmente apenas a condicionalidade de saúde, uma vez que a frequência escolar já era uma contrapartida familiar no Peti. Elas também devem cumprir as atividades socioeducativas e de convivência. As regras de concessão de benefícios para a integração podem ser mais bem compreendidas ao se observar que as famílias a serem incluídas no PBF estão inicialmente em duas situações diferentes: Famílias em situação de trabalho infantil sem nenhum benefício do PBF ou do Peti; e Famílias beneficiárias Peti. As figuras 1 e 2 mostram como funciona a integração entre o PBF e o Peti. A família que ainda não recebe benefícios nem do Peti nem do PBF poderá ser incluída em um desses programas, conforme as seguintes condições: a) Se a renda mensal familiar por pessoa for igual ou inferior a R$ 140,00 a família estará habilitada a entrar no PBF; e b) Se a renda mensal familiar por pessoa for superior a R$ 140,00 a família estará habilitada a entrar no Peti. Caso já receba benefícios do Peti, a família será incluída no PBF se atender às seguintes condições: a) Ter renda mensal familiar por pessoa igual ou inferior a R$ 140,00; e b) A transferência para o PBF não acarretar redução no montante dos benefícios recebidos por essa família, caso em que permanecerá no Peti. Se a família é usuária do Peti e, ao mesmo tempo, beneficiária de um dos Programas Remanescentes, ao ser migrada para o PBF, torna-se elegível ao Benefício Variável de Caráter Extraordinário. Haverá uma pequena diferença de cálculo: soma-se aos benefícios recebidos dos Programas Remanescentes o benefício que a família recebe do Peti. Figura 1 Integração entre o PBF e o Peti Famílias sem benefício e com ocorrência de trabalho infantil Figura 2 Integração entre o PBF e o Peti Famílias beneficiadas do Peti 18 Manual de Gestão de Benefícios - Volume I Manual de Gestão de Benefícios - Volume I 19

11 Quadro 04 Regras de habilitação para o Programa Bolsa Família CAPÍTULO II Habilitação, Seleção e Concessão de benefícios 1 A Habilitação de Beneficiários A Habilitação de famílias ao PBF é o processo que verifica se as famílias cadastradas no Cadastro Único atendem às regras de elegibilidade para o Programa e se há alguma restrição cadastral ou administrativa que impede a sua habilitação. Somente famílias habilitadas podem ser público para a seleção e concessão de benefícios. O Quadro 04 demonstra como são analisadas as regras de habilitação para cada tipo de benefício do PBF Básico, Variável e BVJ demonstrando os motivos de não habilitação aplicados para cada um: Grupo Inelegibilidade Motivo de Não habilitação Aplicação por tipo de benefício Básico Variável BVJ Renda per capita familiar superior a R$ 140,00 X X X Benefício do Peti maior do que benefício do PBF X X X Renda familiar per capita entre R$ 70,01 e R$ 140,00 X X Família que possui três Benefícios Variáveis X Possui benefício por outra família X X Idade superior ao limite permitido X X Sem acompanhamento de frequência escolar no último período de apuração X Família que possui dois Benefícios Variáveis para jovem X Multiplicidade Cadastral X X X Cadastro não atualizado (últimos 24 meses) X X X Restrição Cadastral Cadastro com Responsável pela Unidade Familiar com idade menor que 16 anos X X X Cadastro excluído do Cadastro Único X X X Informação de Escola inválida no Cadastro Único (Campo Inep); X Informação de Escola desatualizada no Cadastro Único há mais de 12 meses (Campo Inep). X Decisão judicial X X X Restrição Administrativa Auditoria/Fiscalização autorizada pelo MDS X X X 20 Manual de Gestão de Benefícios - Volume I Manual de Gestão de Benefícios - Volume I 21

12 2 - A Seleção e a concessão de benefícios A concessão de benefícios, atribuição exclusiva do MDS, é exercida pela Senarc, com base, nas estimativas de pobreza em cada município, no quantitativo de famílias habilitadas e selecionadas para uma determinada folha de pagamentos com base nas informações constantes do Cadastro Único, e na disponibilidade orçamentária. A Portaria MDS nº 341, de 7 de outubro de 2008, regulamenta a habilitação, a seleção e a concessão de benefícios do Bolsa Família. Em relação ao PBF, os valores referenciais para definição de pobreza e extrema pobreza foram inicialmente definidos na própria lei do Programa e atualizados pelo Decreto nº 6.917, de 30 de julho de Atualmente, a concessão de benefícios pelo PBF considera famílias pobres aquelas com até R$ 140,00 de renda mensal familiar por pessoa, e famílias extremamente pobres aquelas com até R$ 70,00 de renda mensal familiar por pessoa. A definição da estimativa de famílias pobres existentes no Brasil em cada município foi elaborada pelo MDS e pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Essa estimativa, atualizada em 2009, tem como referência informações da Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios/2006 (Pnad) e do Censo Populacional e está disponível no sítio do MDS. A cobertura do Bolsa Família e o planejamento de sua expansão são realizados segundo essa estimativa. A inclusão da família no PBF para a concessão de benefícios é feita exclusivamente entre as famílias cadastradas no Cadastro Único. No entanto, o cadastramento de uma família não resulta na imediata concessão do benefício pelo Bolsa Família: depende da situação no Cadastro Único, da disponibilidade de recursos do Governo Federal e do cronograma de expansão do Programa. Nem todas as famílias inscritas no Cadastro Único são incluídas no PBF. Como o Cadastro Único registra famílias com diferentes valores de renda por pessoa, apenas o subconjunto das famílias cadastradas com renda compatível para o PBF pode ser periodicamente habilitado à concessão de benefícios. Além da concessão de benefícios para famílias novas, desde sua criação, o PBF vem transferindo para o Programa as famílias incluídas nos Programas Remanescentes, com o objetivo de unificar procedimentos de gestão e execução dos programas de transferência de renda do Governo Federal, e, desde junho de 2006, vem integrando ao Programa as famílias atendidas pelo Peti. Cabe ressaltar que a concessão de benefícios pelo PBF é feita de maneira impessoal, por meio de um sistema informatizado, que concede benefícios de acordo com o cronograma de expansão do Programa. As famílias constantes do Cadastro Único em cada município são priorizadas segundo o critério da renda por pessoa, da menor para a maior renda. A Figura 3 a seguir, apresenta uma síntese da operação do Programa Bolsa Família; reúne os principais envolvidos na execução do Programa e demonstra a correlação entre o cadastramento e a concessão de benefícios. Figura 3 Fluxograma de operação do PBF 22 Manual de Gestão de Benefícios - Volume I Manual de Gestão de Benefícios - Volume I 23

13 iii. Suspensão; iv. Desbloqueio; v. Reversão de cancelamento; e vi. Reversão de suspensão e. Reinclusão de benefícios CAPÍTULO IIi Administração de Benefícios 1 - Atividades de Administração de Benefícios Depois de concedido um benefício financeiro a uma família, o governo federal passará a incluí-la nas folhas de pagamento todo mês. Existem, no entanto, algumas situações em que isso pode deixar de ocorrer e levar à descontinuidade temporária ou permanente da transferência de renda direta à família. Em outras situações, poderá ocorrer a necessidade de restabelecer o fluxo de pagamentos à família. As atividades de administração de benefícios são ações realizadas pelos municípios ou pela Senarc que podem interromper ou restabelecer o pagamento normal de benefícios à família. Cada atividade de administração de benefícios, ao ser realizada, leva à modificação da situação dos benefícios pagos às famílias, podendo repercutir ou não sobre parcelas de pagamento ainda não sacadas, conforme cada caso. As parcelas de pagamento futuras também podem sofrer alteração. Cancelar um cartão magnético ou bloquear sua senha individual não afeta a situação do benefício ou da parcela de pagamento, uma vez que o cartão é meramente um instrumento para saque. A gestão de benefícios do PBF foi regulamentada por meio da Portaria GM/MDS nº 555, de 2005, que permite a execução das diversas atividades de gestão de benefícios de forma descentralizada aos municípios. As atividades de administração de benefícios são: a. Inclusão de benefícios; b. Liberação de benefícios; c. Reavaliação de benefícios; e d. Atividades de gestão de benefícios para os benefícios Básico, Variável e Vinculado ao Adolescente - BVJ: i. Bloqueio; ii. Cancelamento; Por meio do Sistema de Gestão de Benefícios (Sibec) os gestores municipais, conselheiros do controle social do PBF e a Rede Pública de Fiscalização - que engloba TCU, CGU, MPF e MPEs - podem realizar consultas e emissão de relatórios de acompanhamento das famílias beneficiárias. Esse acompanhamento é fundamental para garantir que o benefício chegue às famílias que atendem aos critérios do Programa. No caso dos gestores municipais ainda é possível realizar inúmeras atividades de administração de benefícios, como bloqueio, desbloqueio e cancelamento de benefícios. 2 - Aplicação e efeitos das atividades de administração de benefícios O Quadro 5 apresenta os motivos e os efeitos de cada atividade de administração de benefícios. Elas podem ser realizadas pelo município ou pela Senarc. Os municípios não podem realizar as atividades da Senarc diretamente no Sistema de Gestão de Benefícios, porém a Senarc pode realizar as intervenções municipais. 24 Manual de Gestão de Benefícios - Volume I Manual de Gestão de Benefícios - Volume I 25

14 Quadro 5 Aplicação e efeitos das atividades de administração de benefícios Atividades de Gestão de Benefícios Inclusão Liberação Reavaliação Motivos 1) Ocorre logo após a concessão do benefício à família; 2) É necessário o cadastramento, pelo RF, de senha eletrônica individual do cartão magnético em estabelecimento credenciado da CAIXA ou de Instituição Financeira autorizada, dentro do prazo de seis meses, contados a partir da data em que o benefício for registrado como incluído no Sistema de Gestão de Benefícios; 3) É necessária a realização dos procedimentos cabíveis à revisão de elegibilidade, previstos no art. 21, do Decreto nº 5.209, de Atividade realizada automaticamente pela Senarc. Ocorre depois de confirmada a inclusão de benefícios pela família, conforme item anterior, em decorrência de atividades de reversão de benefícios, com resultado positivo, tratados posteriormente, e após transcorrido o prazo da suspensão de benefícios e do BVJ. Atividade realizada automaticamente pela Senarc. Ocorre depois de processadas as alterações cadastrais da família beneficiária do PBF, no âmbito do Cadastro Único, depois de realizadas as atividades de reversão de benefícios ou para compatibilização de informações entre o Cadastro Único e o Sistema de Gestão de Benefícios, a critério da Senarc. ATIVIDADES COM EFEITO EM TODOS OS BENEFÍCIOS DA FAMÍLIA Efeitos Registro do benefício na situação de incluído no Sistema de Gestão de Benefícios do PBF, com base nas informações constantes do Cadastro Único; Definição da modalidade de conta para saque de benefícios, conforme o disposto no 12, do art. 2º da Lei nº , de 2004; Emissão e expedição de cartão magnético pela CAIXA ou Instituição Financeira autorizada; Emissão e entrega de notificação da concessão à família, por meio do envio de correspondência ao endereço registrado no Cadastro Único, ou por outra sistemática eventualmente autorizada pela Senarc; Poderá haver, a critério da Senarc, a liberação de parcelas, mantendo-se o benefício na situação de incluído, até o cadastramento pelo RF de senha eletrônica individual do cartão magnético e realização de procedimentos necessários à revisão da elegibilidade; e Esgotado o prazo de seis meses para o cadastramento de senha eletrônica individual, o benefício poderá ser cancelado a critério da Senarc. Registro na situação de liberado no Sistema de Gestão de Benefícios do PBF; Disponibilização das parcelas de pagamento nos meses subsequentes, a partir do momento da geração das respectivas folhas de pagamento; e Poderá haver, a critério da Senarc e observado o calendário operacional, a liberação de parcelas de pagamento, ou fração, para correção de erro operacional no processamento da folha de pagamento já efetuada, limitada a retroação a doze parcelas, cumprimento de decisão judicial ou recurso administrativo deferido no âmbito da Senarc, limitada à geração de 12 parcelas. Liberação de benefícios caso as regras de elegibilidade do PBF sejam atendidas; e Cancelamento de benefícios, caso alguma regra de elegibilidade do PBF não seja atendida. Atividades de Gestão de Benefícios Bloqueio Motivos 1) Motivos municipais (executados diretamente no Sistema de Gestão de Benefícios): a. Trabalho infantil na família; b. Durante procedimento de averiguação de cadastramento, quando houver indícios de: i. renda per capita familiar superior ao limite de meio salário-mínimo, utilizado no âmbito do Cadastro Único; ii. não localização de crianças ou adolescentes nos estabelecimentos regulares de ensino; iii. não adequação às regras de definição de cadastro válido, citadas no inciso II, do art. 4º da Portaria GM/MDS nº 376, de 16 de outubro de 2008, e observadas as normas complementares editadas e publicadas pela Senarc; iv. não localização da família no endereço informado no Cadastro Único; e v. crianças ou adolescentes em situação de abrigamento, exceto na hipótese de o Conselho Tutelar ter atestado as condições para a reintegração da criança ou adolescente à família, conforme o art. 25, 7º da Portaria GM/MDS nº 376, de c. Durante procedimento de averiguação de acúmulo de benefícios do PBF com os do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (Peti); ou d. Por decisão judicial. 2) Motivos da Senarc (executados diretamente no Sistema de Gestão de Benefícios ou por aproveitamento de informações cadastrais): a. Em decorrência da não realização da revisão cadastral das famílias beneficiárias do PBF no prazo normativo; b. Omissão de informação ou prestação de informações falsas, apuradas em cruzamento do Cadastro Único com outras bases de dados, conforme disposto no art. 18 da Portaria GM/ MDS nº 376, de 2008; c. Em decorrência de procedimentos de fiscalização do MDS, conforme art. 35, inciso I do Decreto n 5.209, de 2004; ou d. Em cumprimento à Portaria GM/MDS nº 321, de 2008, que trata da gestão de condicionalidades do PBF: - Descumprimento de condicionalidades; ou - Ausência de informações sobre o acompanhamento de condicionalidades. Efeitos Impedimento da retirada das parcelas de pagamento ainda não sacadas pela família; Impedimento do saque das parcelas de pagamento dos meses subsequentes até o desbloqueio, se for o caso; Não acarreta o desligamento da família do PBF; Benefícios bloqueados há mais de seis meses serão automaticamente cancelados a partir da notificação do bloqueio, observado o calendário operacional do PBF, salvo disposição em contrário da Senarc; A família beneficiária do PBF, encontrada em situação de trabalho infantil, permanecerá com os benefícios bloqueados até a cessação do fato; Solucionada a questão que deu causa ao bloqueio, o benefício deverá ser desbloqueado ou cancelado; e O bloqueio de benefícios em razão de descumprimento de condicionalidades impede a retirada de parcelas a partir da data de efetivação do bloqueio, sem afetar as parcelas anteriormente geradas. Suspensão Atividade realizada exclusivamente pela Senarc, em cumprimento à Portaria GM/MDS nº 321, de 2008, nas seguintes situações: a. Descumprimento de condicionalidades; ou b. Ausência de informações sobre o acompanhamento de condicionalidades, na forma do art. 10 da Portaria GM/MDS nº 321, de Interrupção da disponibilização das parcelas de pagamento nos meses subsequentes, na forma do art. 4º, da Portaria GM/MDS nº 321, de 2008; A retomada automática da disponibilização das parcelas de pagamento, depois de encerrado o prazo determinado no art. 4º da Portaria GM/MDS nº 321, de 2008; Não acarreta o desligamento da família do PBF; e Encerrado o prazo citado no art. 4º da Portaria GM/MDS nº 321, de 2008, haverá a liberação automática do benefício. 26 Manual de Gestão de Benefícios - Volume I Manual de Gestão de Benefícios - Volume I 27

15 Atividades de Gestão de Benefícios Motivos Efeitos Atividades de Gestão de Benefícios Motivos Efeitos 1) Motivos municipais (executados diretamente no Sistema de Gestão de Benefícios): a. Desligamento voluntário da família, mediante declaração escrita do RF; ou b. Decisão judicial. Desbloqueio Atividade realizada pela Senarc ou pelos municípios. Ocorre em razão da elucidação ou finalização das situações que deram origem à ação de bloqueio. Liberação das parcelas anteriormente bloqueadas que ainda estejam dentro do prazo de validade fixado no art. 24 do Decreto nº 5.209, de 2004; e Liberação de benefícios, conforme item específico desse quadro. Cancelamento 2) Motivos da Senarc (executados diretamente no Sistema de Gestão de Benefícios ou por aproveitamento de informações cadastrais): a. Repercussão de alteração cadastral que implique inelegibilidade ao PBF, em especial nas seguintes situações: i. renda per capita familiar no Cadastro Único superior à estabelecida para o PBF, depois de encerrado o período de validade do benefício; ii. cadastro excluído da base nacional do Cadastro Único; ou iii. renda per capita familiar superior ao limite de meio salário-mínimo utilizado no âmbito do Cadastro Único. b. Não adequação às regras de definição de cadastro válido, citadas no inciso II, do art. 4º, da Portaria GM/MDS nº 376, de 2008, e observadas as normas complementares editadas e publicadas pela Senarc; c. Decurso do prazo de permanência do benefício na situação de bloqueado, aproveitando-se no registro, quando possível, o motivo que deu origem ao bloqueio; d. Acúmulo de benefícios do PBF com os do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (Peti); e. Em decorrência da não realização da revisão cadastral das famílias beneficiárias do PBF no prazo normativo; f. Omissão de informação ou prestação de informações falsas, apuradas em cruzamento do Cadastro Único com outras bases de dados, conforme disposto no art. 18 da Portaria GM/MDS nº 376, de 2008; g. Posse de beneficiário do PBF em cargo eletivo remunerado de qualquer das três esferas de governo; h. Em decorrência de procedimentos de fiscalização do MDS, conforme art. 35, inciso I do Decreto nº 5.209, de 2004; i. Em cumprimento à Portaria GM/MDS nº 321, de 2008, que trata da gestão de condicionalidades do PBF: - Descumprimento de condicionalidades; ou - Ausência de informações sobre o acompanhamento de condicionalidades, na forma do art. 10 da Portaria GM/MDS nº 321, de j. Reiterada ausência de saque de benefícios, em seis parcelas consecutivas, conforme o art. 24 do Decreto n 5.209, de 2004; l. Esgotamento do prazo estipulado pela Senarc para a ativação do cartão magnético nos estabelecimentos credenciados; m. Em decorrência de cancelamento de todos os benefícios variáveis, quando a família não possuir Benefícios Básico concedido; n. Em decorrência de cancelamento do Benefício Básico, quando a família não possuir benefícios variáveis concedidos; ou o. Em razão da prescrição do Benefício Variável de Caráter Extraordinário, quando a família não possuir Benefício Básico ou Variáveis concedidos, conforme o disposto no art. 2º, 4º, e no art. 5º, 3º, da Portaria GM/MDS nº 737, de 15 de dezembro de Cancelamento das parcelas de pagamento ainda não sacadas pela família; Interrupção da disponibilização das parcelas de pagamento nos meses subsequentes, na forma do art. 4º, da Portaria GM/MDS nº 321, de 2008; Desligamento da família do PBF; Cancelamento do respectivo cartão magnético em prazo a ser estipulado pela Senarc; e A família beneficiária do PBF, encontrada em situação de trabalho infantil, terá seus benefícios cancelados depois de esgotados os recursos para a cessação do fato. Reversão de Suspensão Reversão de Cancelamento Atividade realizada pela Senarc ou pelos municípios. Ocorre para retificação de erro operacional no processamento ou no envio das informações sobre condicionalidades do PBF pelos municípios, conforme o caso, aos Ministérios da Saúde, da Educação e à Secretaria Nacional de Assstência Social. Atividade realizada pela Senarc e pelos municípios. Ocorre para desfazer o cancelamento de benefícios que tenha ocorrido a menos de 120 dias, em razão de fato superveniente que implique a necessidade de retificação do cancelamento ocorrido anteriormente. A reversão de suspensão de benefícios terá os seguintes efeitos, se efetuada no período de até dois meses da data da suspensão, observado o calendário operacional do PBF: o Reavaliação de benefícios, conforme item específico desse quadro; e o Disponibilização das parcelas anteriormente suspensas, até a geração da próxima folha de pagamento, caso a reavaliação resulte em liberação de benefícios. Superado o prazo de até dois meses da data da suspensão, a reversão da suspensão de benefícios não será permitida, salvo mediante recurso administrativo nos termos da Portaria GM/MDS nº 321, de A reversão de cancelamento de benefícios terá os seguintes efeitos, se efetuada dentro do período de 120 dias: o Reavaliação de benefícios, conforme item específico desse quadro; o Retorno da família ao Programa e geração de parcelas a partir da próxima folha de pagamento, caso a reavaliação resulte em liberação de benefícios; e o Disponibilização das parcelas anteriormente canceladas, caso a reavaliação resulte em liberação de benefícios. Superado o prazo de até 120 dias o reingresso da família dependerá da atividade de reinclusão de benefícios; A reversão de cancelamento de benefícios em prazo superior a 120 dias caberá apenas à Senarc, e nas seguintes hipóteses: o Para correção de erro operacional na folha de pagamento já gerada, limitada a retroação a 12 parcelas, conforme informações cadastrais disponíveis no Sistema de Gestão de Benefícios à época da reversão de cancelamento; o Cumprimento de decisão judicial; ou o Cumprimento de decisão em sede de recurso administrativo deferido no âmbito da Senarc, limitada à geração de 12 parcelas. O decurso do prazo para reversão de cancelamento de benefícios implicará o cancelamento do respectivo cartão Bolsa Família, em prazo a ser estipulado pela Senarc. 28 Manual de Gestão de Benefícios - Volume I Manual de Gestão de Benefícios - Volume I 29

16 Atividades de Gestão de Benefícios Motivos Efeitos Atividades de Gestão de Benefícios Motivos Efeitos Reinclusão Bloqueio de BVJ Atividade realizada pela Senarc ou pelos municípios. Possibilita o reingresso à família no PBF depois de superado o prazo de reversão de cancelamento de benefícios. ATIVIDADES COM EFEITO EM BENEFÍCIOS ESPECÍFICOS DA FAMÍLIA 1) Motivos municipais: a. Por decisão judicial; e b. Durante procedimento de averiguação de cadastramento, quando houver indícios de não localização dos adolescentes nos estabelecimentos regulares de ensino. 2) Motivos da Senarc: a. Em decorrência de procedimentos de fiscalização do MDS, conforme art. 35, inciso I, do Decreto nº 5.209, de 2004; e b. Ausência de informações sobre o acompanhamento de condicionalidades, na forma do art. 10, da Portaria GM/ MDS nº 321, de Recondução do cadastro da família ao processo de habilitação, com aplicação das regras constantes da Portaria GM/MDS nº 341, de 2008, que pode resultar na habilitação ou na não habilitação do registro da família a novo ingresso no PBF; Subordinação do cadastro da família habilitada às regras de seleção e concessão constantes da Portaria GM/MDS nº 341, de 2008, em condições de igualdade com as demais famílias; A reinclusão de benefícios será executada automaticamente pela Senarc, sempre que possível, com aproveitamento das alterações cadastrais da família efetuadas no Cadastro Único pelos municípios; e Nos casos em que não for possível o aproveitamento automático das alterações cadastrais, observada norma regulamentar específica publicada pela Senarc, a reinclusão de benefícios se dará com o uso do Sistema de Gestão de Benefícios pelos municípios ou pela Senarc. Registro do respectivo BVJ na situação de bloqueado no Sistema de Gestão de Benefícios; Impedimento de retirada das respectivas parcelas de BVJ ainda não sacadas pela família; Impedimento do saque das parcelas de BVJ geradas nos meses subsequentes; Não implica, por si só, o desligamento do adolescente do PBF; Benefícios que tenham sido bloqueados há mais de seis meses serão automaticamente cancelados, a partir da notificação de bloqueio, observado o calendário operacional do PBF, salvo disposição em contrário da Senarc; e Solucionada a questão que deu causa ao bloqueio, o benefício deverá ser desbloqueado ou cancelado. Reversão de Suspensão de BVJ Atividade realizada pela Senarc ou pelos municípios. Ocorre para retificação de erro operacional no processamento ou no envio das informações sobre condicionalidades do PBF pelos municípios ao Ministério da Educação. Cancelamento de Benefício Básico, Variável e BVJ Atividades realizadas automaticamente pela Senarc, por meio do Sistema de Gestão de Benefícios, mediante análise das alterações cadastrais recentemente efetuadas pelos municípios no Cadastro Único. A reversão de suspensão de BVJ terá os seguintes efeitos, se efetuada no período de até dois meses da data da suspensão, observado o calendário operacional do PBF: o Reavaliação de benefícios, conforme item específico desse quadro; e o Disponibilização das parcelas do BVJ anteriormente suspensas, até a geração da próxima folha de pagamento, caso a reavaliação resulte em liberação de benefícios. Superado o prazo de até dois meses da data da suspensão, a reversão da suspensão de BVJ terá como efeito apenas a disponibilização das parcelas dos meses subsequentes. A análise das alterações cadastrais servirá para verificar as regras de elegibilidade do PBF constantes da Portaria GM/MDS nº 341, de 2008, gerando os seguintes efeitos: o Cancelamento de Benefício Básico, Variável ou BVJ, caso alguma regra de elegibilidade do PBF não seja atendida; e o Registro dos benefícios na respectiva situação no Sistema de Gestão de Benefícios. O cancelamento de Benefício Variável ou BVJ, realizado exclusivamente pela Senarc, por meio do Sistema de Gestão de Benefícios do PBF, ocorrerá sempre nos meses de janeiro, tendo como referência a data de 31 de dezembro do ano anterior, nos seguintes casos: o Para os adolescentes de 16 anos que não puderam ser migrados para o BVJ, em razão do preenchimento das duas vagas disponíveis para a família por outros adolescentes do domicílio; e o Para os adolescentes que tenham completado 18 anos e estiverem ligados ao BVJ. Encerrado o período de validade do benefício, ocorrerá o cancelamento do Benefício Básico, caso a renda per capita familiar no Cadastro Único permaneça superior à estabelecida para a concessão desse benefício. Desbloqueio de BVJ Suspensão de BVJ Atividade realizada pela Senarc ou pelos municípios. Ocorre em razão da elucidação ou finalização das situações que deram origem à ação de bloqueio. Atividade realizada exclusivamente pela Senarc. Ocorre no caso de descumprimento de condicionalidades por parte de respectivo adolescente da família. Liberação das parcelas anteriormente bloqueadas que ainda estejam dentro do prazo de validade fixado no art. 24, do Decreto nº 5.209, de 2004; e Liberação de benefícios, conforme item específico desse quadro. Registro do respectivo BVJ na situação suspenso no Sistema de Gestão de Benefícios; Interrupção da disponibilização das respectivas parcelas do BVJ nos meses subsequentes, na forma do art. 5º da Portaria GM/MDS nº 321, de 2008; Não implica o desligamento do adolescente do PBF; e Encerrado o prazo citado no art. 5º da Portaria GM/MDS nº 321, de 2008, haverá a liberação automática do BVJ. Reversão de Cancelamento de Benefício Básico, Variável ou BVJ Concessão de Benefício Básico, Variável ou BVJ Atividades realizadas automaticamente pela Senarc, por meio do Sistema de Gestão de Benefícios, mediante análise das alterações cadastrais recentemente efetuadas pelos municípios no Cadastro Único. Atividades realizadas automaticamente pela Senarc, por meio do Sistema de Concessão de Benefícios, mediante análise das alterações cadastrais recentemente efetuadas pelos municípios no Cadastro Único. A análise das alterações cadastrais servirá para verificar as regras de elegibilidade do PBF, constantes da Portaria GM/MDS nº 341, de 2008, gerando os seguintes efeitos: o Reversão de Benefícios Básico, Variável ou BVJ, conforme as regras de elegibilidade do PBF sejam atendidas; e o Registro dos benefícios na respectiva situação no Sistema de Gestão de Benefícios. A análise das alterações cadastrais servirá para verificar as regras de elegibilidade do PBF constantes da Portaria GM/MDS nº 341, de 2008, gerando os seguintes efeitos: o Concessão de Benefício Básico, Variável ou BVJ, conforme as regras de elegibilidade do PBF sejam atendidas; e o Registro dos benefícios na respectiva situação no Sistema de Gestão de Benefícios. 30 Manual de Gestão de Benefícios - Volume I Manual de Gestão de Benefícios - Volume I 31

17 2.1 - Inclusão de benefícios Como se observou no Quadro 5, a aplicação das atividades de administração de benefícios inicia-se logo após o processo de ingresso de famílias (habilitação, seleção e concessão), com a atividade de inclusão de benefícios. Essa atividade é de exclusividade da Senarc e tem por objetivo separar as famílias recém-ingressas no Programa das que já estão estabelecidas com continuidade de pagamentos, para possibilitar, tanto a Senarc quanto a gestão municipal, o direcionamento de ações específicas para essas famílias, como por exemplo: revalidação das informações cadastrais prestadas pela família na época do cadastramento; prestação de informação sobre as condicionalidades que devem ser cumpridas pelos beneficiários do Programa; ações específicas para entrega de cartões, quando for o caso, entre outras. Essa condição possui caráter transitório até que o Responsável pela Unidade Familiar cadastre a senha eletrônica individual do cartão magnético em estabelecimento credenciado pela CAIXA o que deve ser feito no prazo de seis meses e que sejam realizados os procedimentos relacionados à revisão de elegibilidade, quando necessário. A critério da Senarc e em caráter também transitório, parcelas de pagamentos podem ser liberadas para as famílias nessa fase, mesmo quando ainda não houve a liberação definitiva do benefício Liberação de benefícios Todo benefício que sai de uma situação de inclusão, bloqueio, suspensão ou passa por uma reversão de cancelamento em que houve sucesso, assume a situação de liberado no Sistema de Gestão de Benefícios, com os efeitos que a liberação produz. Com a liberação, os benefícios da família passam a ser pagos de maneira permanente, sujeitos apenas a novas situações de administração Reavaliação de benefícios Esta atividade ocorre cada vez em que há mudança na situação dos benefícios, automáticas ou não e confere, neste momento, se a família mantém as condições de elegibilidade que deram origem ao benefício, tais como: crianças entre 0 e 15 para manutenção do Benefício Variável; jovens em idade de 16 a 17 para manutenção do BVJ; multiplicidade cadastral e outras. Nesta ação, a família pode perder parte ou todos os benefícios caso não tenha mais as condições de elegibilidade para manutenção dos mesmos. 2.4 Bloqueio de benefícios O bloqueio de benefícios pelos Gestores Municipais depende da emissão de parecer técnico por profissionais da área de assistência social ou técnicos de fiscalização. Em todos os casos, é preciso formalizar a decisão de bloqueio e obter a autorização do responsável pela Gestão de Benefícios na Prefeitura. No próximo capítulo, será apresentado o Formulário-Padrão de Gestão de Benefícios, um instrumento útil e obrigatório para a formalização e arquivamento dos casos de bloqueio. Algumas prefeituras procuram abrir processos formais para a decisão de bloqueio. O importante é respeitar as regras de fundamentação do bloqueio em pareceres técnicos, formalizar as decisões e arquivar as informações. Os efeitos do bloqueio de benefícios são de fácil observação. Bloqueado um benefício, as parcelas de pagamento ainda não sacadas pela família são bloqueadas. As folhas de pagamento futuras passam a gerar as parcelas bloqueadas de pagamento dessa família. Depois de seis meses de parcelas bloqueadas, o benefício estará sujeito ao cancelamento. a) Bloqueio de benefícios para averiguação de cadastramento De acordo com a Portaria nº 555, cabe bloqueio para averiguação de cadastramento em casos como: (i) renda per capita familiar superior ao limite de meio salário-mínimo, utilizado no âmbito do Cadastro Único; (ii) não localização de crianças ou adolescentes nos estabelecimentos regulares de ensino, (iii) não adequação às regras de definição de cadastro válido, citadas no inciso II, do art. 4º, da Portaria GM/MDS nº 376, de 16 de outubro de 2008, (iv) não localização da família no endereço informado no Cadastro Único; e (v) crianças ou adolescentes em situação de abrigamento, exceto na hipótese de o Conselho Tutelar ter atestado as condições para a reintegração da criança ou adolescente à família, conforme o art. 25, 7º da Portaria GM/MDS nº 376, de A investigação dos motivos que levaram ao bloqueio do benefício deve continuar sendo aprofundada pelo Poder Público local, de modo a confirmar ou não a situação apontada nos indícios, garantido o amplo acompanhamento pelo controle social do PBF, assim como a participação da família, maior interessada em ver sua situação esclarecida e seu benefício desbloqueado. Pode ocorrer o bloqueio de benefício por renda per capita superior a meio salário-mínimo, pois com a introdução da revisão cadastral, admite-se o pagamento de benefícios a famílias com renda per capita superior ao limite do PBF, até o limite de renda utilizado no Cadastro Único (meio salário-mínimo). O bloqueio dos benefícios, por motivo de não adequação às regras de cadastro válido, é realizado exclusivamente pela Senarc, para os benefícios cujo cadastro não se enquadre nas especificações de cadastro válido descritas no art. 4º da Portaria GM/MDS nº 376, de É considerado cadastro válido todo domicílio que atenda às seguintes condições: i) possui todos os campos considerados obrigatórios para a validação, indicados no aplicativo de entrada de dados, preenchidos; 32 Manual de Gestão de Benefícios - Volume I Manual de Gestão de Benefícios - Volume I 33

18 ii) o Responsável pela Unidade Familiar (RF) tem idade mínima de 16 anos; iii) contém o registro de pelo menos um documento de identificação para todos os membros da família; iv) contém o registro do número de Cadastro de Pessoa Física (CPF) ou do Título de Eleitor para o Responsável pela Unidade Familiar, à exceção dos casos de cadastramento diferenciado, definido pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) no Capítulo IX da Portaria Portaria GM/MDS nº 376, de 2008; v) o CPF, quando informado para o Responsável e para todas as demais pessoas da família, deverá ter dígito verificador válido; e vi) ausência de pessoas em multiplicidade na base nacional. De acordo com o art. 2º, inciso I, da Lei nº , de 2004, família é a unidade nuclear, eventualmente ampliada por outros indivíduos que com ela possuam laços de parentesco ou de afinidade, que forme um grupo doméstico, vivendo sob o mesmo teto e que se mantenha pela contribuição de seus membros. Dessa forma, quando houver indícios de criança ou adolescente em situação de acolhimento institucional, o gestor municipal deverá bloquear o benefício do PBF da família. Após confirmado o fato, deverá atualizar os dados no Cadastro Único, excluindo a respectiva criança ou adolescente do referido cadastro, e desbloquear o benefício, desde que a família possua ainda o perfil estabelecido pelo PBF. Assim que a criança ou o adolescente retornar ao convívio familiar, o gestor municipal deverá incluí-la novamente no cadastro da família para que seja realizada a reavaliação do benefício. b) Bloqueio de benefícios para averiguação de acúmulo financeiro do Peti com PBF No caso de bloqueio por acúmulo de benefícios do Peti, deve ser considerado o disposto no artigo 10, da Portaria GM/MDS nº 666, de O pagamento simultâneo de benefícios do PBF e do Peti não é autorizado, cabendo a quem identificar o caso tomar as providências para que o benefício de menor valor seja cancelado. O Gestor Municipal deve analisar qual o benefício de menor valor e cancelá-lo imediatamente. Nesse exemplo, se o benefício a cancelar é o do PBF, o motivo aplicável é justamente o acúmulo de benefícios do Peti. O bloqueio do benefício de menor valor é cabível se houver indício de acúmulo de benefícios entre o Peti e o PBF, registrado formalmente com base em auditoria ou fiscalização. c) Bloqueio dos benefícios por descumprimento de condicionalidades O bloqueio dos benefícios por descumprimento de condicionalidades é feito exclusivamente pela Senarc, depois da apuração da frequência escolar e/ou da agenda de saúde pelos ministérios da Educação e da Saúde. Em ambos os casos, as informações utilizadas são aquelas lançadas pelas Secretarias Municipais de Educação e de Saúde nos sistemas informatizados mantidos pelos respectivos Ministérios. A Portaria GM/MDS nº 321, de 2008 regulamenta a gestão das condicionalidades, fixando, em seu artigo 10, as regras para bloqueio, suspensão e cancelamento de benefícios em caso de descumprimento de condicionalidades. d) Bloqueio por encerramento do prazo para Revisão Cadastral Além dos motivos já existentes para o bloqueio de benefícios, existe um motivo de bloqueio associado ao processo de Revisão Cadastral. A família tem prazo até 31 de outubro do ano que for selecionada para a revisão cadastral para atualizar suas informações cadastrais. Quando se encerra este prazo, o benefício é bloqueado por encerramento do prazo para revisão cadastral. Se, após o bloqueio, o cadastro da família for atualizado em tempo hábil (até 31 de dezembro do ano em que a família foi incluída na revisão cadastral), ocorre o desbloqueio automático do benefício, tão logo a atualização seja recebida pelo Sibec. 2.5 Desbloqueio de benefícios O desbloqueio pode ser feito pelo município, ainda que o bloqueio tenha sido realizado pela Senarc. Deve ocorrer sempre que os fatos que deram origem à aplicação do bloqueio tenham cessado ou sido esclarecidos. Essa averiguação deve ocorrer antes de decorridos seis meses do bloqueio dos benefícios, pois depois desse prazo, os benefícios são cancelados automaticamente. Com o desbloqueio, liberam-se todas as parcelas de pagamento ainda não sacadas pela família, observado o período de validade das parcelas. Assim, no máximo, a família conseguirá sacar as parcelas de pagamento depositadas nos últimos três meses. O benefício bloqueado pelo motivo encerramento do prazo para revisão cadastral é desbloqueado automaticamente quando a informação da atualização cadastral repercute no Sibec. O desbloqueio pelo módulo on-line não é permitido nesses casos. 2.6 Cancelamento de benefícios A Portaria GM/MDS nº 555, estabelece uma série de motivos para o cancelamento do benefício do Programa Bolsa Família, tais como: a) Desligamento voluntário da família; b) Decisão judicial; c) Repercussão de alteração cadastral que implique inelegibilidade ao PBF, em especial nas seguintes situações: 1) Renda per capita familiar no Cadastro Único superior à estabelecida para o PBF, depois de encerrado o período de validade do benefício; 2) cadastro excluído da base nacional do Cadastro Único; ou 3) renda per capita familiar superior ao limite de meio salário-mínimo utilizado no âmbito do Cadastro Único. 34 Manual de Gestão de Benefícios - Volume I Manual de Gestão de Benefícios - Volume I 35

19 d) Decurso de prazo de permanência do benefício na situação de bloqueado, na forma do art. 6º, 3º desta Portaria, aproveitando-se no registro, quando possível, o motivo que deu origem ao bloqueio; e) Não adequação às regras de definição de cadastro válido, citadas no inciso II, do art. 4º da Portaria GM/MDS nº 376, de 2008; f) Acúmulo de benefícios do PBF com os do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (Peti); g) Em decorrência da não realização da revisão cadastral das famílias beneficiárias do PBF no prazo normativo; h) Omissão de informação ou de prestação de informações falsas, apurados em cruzamento do Cadastro Único com outras bases de dados, conforme disposto no art. 18 da Portaria GM/MDS nº 376, de 2008; i) Posse de beneficiário do PBF em cargo eletivo remunerado de qualquer das três esferas de governo; j) Em decorrência de procedimentos de fiscalização do MDS, conforme art. 35, inciso I, do Decreto nº 5.209, de 2004; k) Em cumprimento à Portaria GM/MDS nº 321, de 2008, que trata da gestão de condicionalidades do PBF; l) Reiterada ausência de saque de benefícios, em seis parcelas consecutivas, conforme o art. 24 do Decreto n 5.209, de 2004; m) Esgotamento do prazo estipulado pela Senarc para a ativação do cartão magnético nos estabelecimentos credenciados; n) Em decorrência de cancelamento de todos os Benefícios Variáveis, quando a família não possuir Benefícios Básico concedido; o) Em decorrência de cancelamento do Benefício Básico, quando a família não possuir Benefícios Variáveis concedidos; ou p) Em razão da prescrição do Benefício Variável de Caráter Extraordinário, quando a família não possuir Benefícios Básico ou Variável concedidos, conforme o disposto no art. 2º, 4º, e no art. 5º, 3º, da Portaria GM/MDS nº 737, de 15 de dezembro de Muitos dos motivos estabelecidos para a execução da atividade de cancelamento de benefícios são idênticos aos motivos de bloqueio. Com isso, o Poder Público pode optar entre uma e outra atividade, segundo a existência de indícios ou fatos comprovados. Em geral, a existência de indícios leva ao bloqueio, enquanto a comprovação dos fatos leva ao cancelamento. Esse é o caso, por exemplo, do motivo de acúmulo de benefícios do PBF com os do Peti. Alguns motivos de bloqueio podem levar ao cancelamento de benefício por decurso do prazo na condição de bloqueado. Neste caso, sempre que possível, mantém-se o motivo que deu origem ao bloqueio. Por exemplo, a não localização da família no endereço indicado no Cadastro Único, depois de o benefício permanecer bloqueado por mais de seis meses, cabe cancelamento, que utilizará este mesmo motivo. A forma como cada cancelamento é comandado varia conforme o motivo. Muitos motivos de cancelamento ocorrem automaticamente por meio do aproveitamento de alterações cadastrais; alguns podem ser feitos pelo gestor municipal ou pela Senarc; e outros apenas pela Senarc. Quanto aos cancelamentos que aproveitam alterações cadastrais efetuadas pelos municípios nos cadastros das famílias, tem-se, por exemplo, a não adequação às regras de definição de cadastro válido em relação à multiplicidade de membros, que leva automaticamente ao cancelamento do benefício. Se o adolescente da família completou a idade limite para recebimento do BVJ, o benefício será cancelado em janeiro do ano seguinte. Esse conjunto de alterações que são automaticamente tratadas pelo Sibec é conhecido como repercussão de alterações cadastrais e será explicado posteriormente. É recomendável, conforme o caso, que o gestor municipal faça o bloqueio de benefícios antes que a alteração cadastral seja processada, para evitar que o benefício acabe sendo cancelado. Os cancelamentos de benefícios efetuados diretamente pelos municípios no Sibec devem ser registrados no Formulário-Padrão de Gestão de Benefícios, tendo por base parecer de profissionais da assistência social ou de técnicos de fiscalização, e outros registros considerados relevantes para a compreensão futura das causas do cancelamento. Com relação aos cancelamentos efetuados a partir de alterações cadastrais, os lançamentos e o arquivamento de informações condicionam-se à regulação do Cadastro Único, não sendo necessária a utilização do Formulário-Padrão de Gestão de Benefícios. Nessa última hipótese, a documentação pertinente deve ser arquivada segundo as regras do Cadastro Único. Como efeito do cancelamento de benefícios, tem-se o cancelamento das parcelas de pagamento ainda não sacadas. A família é desligada do Programa e deixa de constar das folhas de pagamento futuras. 2.7 Reversão de cancelamento de benefícios Conforme prevê o art. 11, da Portaria GM/MDS nº 555, de 2005, a atividade de reversão de cancelamento aplica-se a cancelamentos de benefícios que tenham ocorrido há menos de 120 dias, sendo realizada pela Senarc ou pelos municípios, em razão de fato superveniente que implique a necessidade de retificação ou correção do cancelamento ocorrido anteriormente. Por meio dessa atividade, os benefícios do PBF que estejam na condição de cancelado poderão voltar a ser pagos a uma determinada família, inclusive as parcelas de pagamento não sacadas durante o período em que o benefício estava cancelado. Realizada de acordo com o prazo previsto, a reversão de cancelamento terá os seguintes efeitos: 36 Manual de Gestão de Benefícios - Volume I Manual de Gestão de Benefícios - Volume I 37

20 a) Readmissão da família no Programa, depois da confirmação de que ela ainda preencha os requisitos para a concessão. Em caso positivo, o benefício será retirado da situação de cancelado; b) Disponibilização, na próxima folha de pagamento a ser gerada depois da data de reversão, das parcelas de pagamento anteriormente canceladas e, também, daquelas que não chegaram a ser geradas durante o período em que o benefício esteve na situação de cancelado; e c) Retomada da disponibilização normal de parcelas de pagamento nos meses posteriores à reversão. A reversão de cancelamento demandada pelo município passa ainda por uma reavaliação que verifica se a família ainda possui os requisitos de elegibilidade para retornar ao PBF. 2.8 Reinclusão de benefícios Após excedido o prazo para reversão de cancelamento de benefícios tratada no item anterior, a família apenas poderá retornar ao Programa pela atividade de reinclusão de benefícios. No entanto, diferentemente dos efeitos da reversão de cancelamento, a modalidade de reinclusão aqui proposta possibilita ao gestor municipal indicar, via sistema, se a família deve voltar a concorrer em situação de igualdade com as demais para o ingresso no PBF. Esta ação do município será realizada preferencialmente nos casos em que o motivo de cancelamento teve fato gerador que somente pode ser reanalisado in loco pelo gestor municipal. Sempre que possível as alterações efetuadas no cadastro de família suprirão a reanálise do município, possibilitando a recondução da família ao processo de habilitação e seleção ao PBF. Isto significa que a atividade de reinclusão não reconduz a família de imediato ao PBF, e esta situação depende de atendimento de todos os requisitos para ingresso no Programa, em especial do limite orçamentário-financeiro e de estimativa de cada município, conforme dispõe a Portaria GM/MDS nº 341, de Suspensão e reversão de suspensão de benefícios A suspensão de benefícios por descumprimento de condicionalidades é feita exclusivamente pela Senarc, depois da apuração da frequência escolar e/ou da agenda de saúde pelos Ministérios da Educação e da Saúde, seguindo as regras da Portaria GM/MDS nº 321, de O prazo de suspensão firmado nesta Portaria é de dois meses. Se um benefício é colocado na situação de suspenso, deixam de ser depositadas as parcelas de pagamento da família, durante o período de suspensão. Encerrada a suspensão, o benefício volta automaticamente à condição anterior. A reversão de suspensão pode ser feita pelo município, ainda que a suspensão tenha sido feita pela Senarc. Efetuada a suspensão de benefícios, em caso de reclamação da família, o Gestor Municipal deve proceder conforme as orientações de interposição de recursos da Portaria GM/MDS nº 321, de 2008 e, assim, realizar a reversão de suspensão. Efetuada a reversão de suspensão, as parcelas de pagamento serão depositadas à família, quando da geração da folha de pagamento seguinte Cancelamento e concessão/reversão de cancelamento do Benefício Básico O cancelamento do Benefício Básico ocorre com o aproveitamento das alterações cadastrais efetuadas pelos municípios no Cadastro Único, seguindo o Calendário Operacional. A elevação da renda por pessoa da família para valores entre R$ 70,01 e R$ 140,00 leva ao cancelamento do Benefício Básico, quando se encerra o período de validade do benefício, se a renda familiar ainda estiver acima do limite para a concessão deste benefício. A concessão/reversão de cancelamento do Benefício Básico ocorre também com o aproveitamento das alterações cadastrais efetuadas pelos municípios no Cadastro Único, seguindo o Calendário Operacional. A redução da renda por pessoa da família para valores abaixo de R$ 70,00 leva à concessão do Benefício Básico a essa família por ocasião da geração da folha de pagamento indicada no Calendário Operacional. Se essa família já teve um Benefício Básico, ocorrerá uma reversão de cancelamento, sem o pagamento de parcelas retroativas Cancelamento e concessão/reversão de cancelamento de Benefício Variável O cancelamento de Benefício Variável ocorre com o aproveitamento das alterações cadastrais efetuadas pelos municípios no Cadastro Único, seguindo o Calendário Operacional. Os motivos de cancelamento de Benefício Variável realizado pela Senarc, com aproveitamento das alterações cadastrais realizadas pelos municípios são: falecimento, criança ou adolescente não mais residente com a família e multiplicidade cadastral. Quando um adolescente completa 16 anos e as duas vagas do BVJ já estão preenchidas o benefício variável relativo a esse adolescente é cancelado exclusivamente pela Senarc. Entretanto, a inclusão de crianças e/ou adolescentes de até 15 anos no cadastro de uma família é também uma alteração cadastral tratada pelo Sibec. Nesses casos, haverá a concessão de novo Benefício Variável à família. Se já houve Benefício Variável para essa criança ou adolescente, ocorrerá uma reversão de cancelamento, sem o pagamento de parcelas retroativas. Para que a concessão de Benefício Variável aconteça é preciso que haja crianças ou adolescentes com idade igual ou inferior a 15 anos no mês da concessão. O cancelamento desse benefício, por idade superior ao permitido, ocorre sempre no mês de janeiro, desde que não haja mais vagas para concessão de BVJ naquela família. Caso não existam outros benefícios na família, o cancelamento de Benefícios Básico e/ou Variável leva ao seu desligamento do Programa. 38 Manual de Gestão de Benefícios - Volume I Manual de Gestão de Benefícios - Volume I 39

TEXTO ORIENTADOR PARA O CURSO DO SIBEC

TEXTO ORIENTADOR PARA O CURSO DO SIBEC 1 TETO ORIENTADOR PARA O CURSO DO SIBEC Antes de iniciar a capacitação presencial do SIBEC, é importante rever alguns pontos sobre a gestão do Programa Bolsa Família. Fique atento às informações que reunimos

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Gabinete do Ministro

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Gabinete do Ministro Edição Número 251 de 30/12/2005 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Gabinete do Ministro GABINETE DO MINISTRO PORTARIA N o 666, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2005 Disciplina a integração entre

Leia mais

Guias e Manuais. Orientações para a Fiscalização e Controle Social do Programa Bolsa Família. Programa Bolsa Família

Guias e Manuais. Orientações para a Fiscalização e Controle Social do Programa Bolsa Família. Programa Bolsa Família Guias e Manuais 2010 Orientações para a Fiscalização e Controle Social do Programa Bolsa Família Programa Bolsa Família Orientações para a fiscalização e Controle Social do Programa Bolsa Família Brasília

Leia mais

O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Presidência da República Controladoria-Geral da União O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA O Programa Bolsa Família foi instituído pelo Governo Federal, pela Lei nº 10.836, de 9 de janeiro

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 545/2009.

LEI MUNICIPAL Nº 545/2009. LEI MUNICIPAL Nº 545/2009. EMENTA: INSTITUI O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA, NA EMANCIPAÇÃO SUSTENTADA DAS FAMÍLIAS QUE VIVEM EM SITUAÇÃO DE EXTREMA POBREZA, CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA,

Leia mais

Guias e Manuais. Exercendo o. Controle Social. do Programa Bolsa Família. Programa Bolsa Família

Guias e Manuais. Exercendo o. Controle Social. do Programa Bolsa Família. Programa Bolsa Família Guias e Manuais 2010 Exercendo o Controle Social do Programa Bolsa Família Programa Bolsa Família Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) Exercendo o Controle Social do Programa Bolsa

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA MUNICÍPIO: ESTADO: DATA: / / PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA MUNICÍPIO: ESTADO: DATA: / / PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do

Leia mais

Guia de Atuação Das Instâncias de Controle Social do Programa Bolsa Família

Guia de Atuação Das Instâncias de Controle Social do Programa Bolsa Família Guia de Atuação Das Instâncias de Controle Social do Programa Bolsa Família Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) Brasília 2006 2006 Ministério

Leia mais

Histórico da transferência de renda com condicionalidades no Brasil

Histórico da transferência de renda com condicionalidades no Brasil Brasil População: 184 milhões habitantes Área: 8.514.215,3 km² República Federativa com 3 esferas de governo: Governo Federal, 26 estados, 1 Distrito Federal e 5.565 municípios População pobre: 11 milhões

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 6 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.013, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2009. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

PORTARIA GM/MDS Nº 551, DE 09 DE NOVEMBRO DE 2005

PORTARIA GM/MDS Nº 551, DE 09 DE NOVEMBRO DE 2005 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME PORTARIA GM/MDS Nº 551, DE 09 DE NOVEMBRO DE 2005 (Publicada no DOU nº 217, de 11 de novembro de 2005) Regulamenta a gestão das condicionalidades do

Leia mais

PORTARIA Nº 754, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010

PORTARIA Nº 754, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010 PORTARIA Nº 754, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010 Estabelece ações, normas, critérios e procedimentos para o apoio à gestão e execução descentralizadas do Programa Bolsa Família, no âmbito dos municípios, e dá

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL - PETI

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL - PETI - PETI Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do governo para que adotem medidas

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA PORTARIA No- 251, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2012

GABINETE DA MINISTRA PORTARIA No- 251, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2012 GABINETE DA MINISTRA PORTARIA No- 251, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2012 Regulamenta a gestão das condicionalidades do Programa Bolsa Família, revoga a portaria GM/MDS nº 321, de 29 de setembro de 2008, e dá outras

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARIBARA CEARÁ CADASTRO ÚNICO DE JAGUARIBARA

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARIBARA CEARÁ CADASTRO ÚNICO DE JAGUARIBARA Secretária Municipal de Assistência Social SMAS Karla Rejanne Queirós Guedes PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARIBARA CEARÁ CADASTRO ÚNICO DE JAGUARIBARA Equipe do Cadastro Único Adelina Maria Bezerra Peixoto

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Conversão da MPv nº 411-07 Presidência da Dispõe sobre o Programa Nacional de Inclusão de Jovens - Projovem, instituído pela Lei n o 11.129, de 30 de junho de 2005; altera a Lei n o 10.836, de 9 de janeiro

Leia mais

BOLSA FAMÍLIA TRANSFERÊNCIA DE RENDA E APOIO À FAMÍLIA NO ACESSO À SAÚDE, À EDUCAÇÃO E À ASSISTÊNCIA SOCIAL

BOLSA FAMÍLIA TRANSFERÊNCIA DE RENDA E APOIO À FAMÍLIA NO ACESSO À SAÚDE, À EDUCAÇÃO E À ASSISTÊNCIA SOCIAL BOLSA FAMÍLIA TRANSFERÊNCIA DE RENDA E APOIO À FAMÍLIA NO ACESSO À SAÚDE, À EDUCAÇÃO E À ASSISTÊNCIA SOCIAL 1 2 BOLSA FAMÍLIA TRANSFERÊNCIA DE RENDA E APOIO À FAMÍLIA NO ACESSO À SAÚDE, À EDUCAÇÃO E À

Leia mais

Sistema de Gestão de Benefícios - SGB

Sistema de Gestão de Benefícios - SGB MANUAL OPERACIIONAL Sistema de Gestão de Benefícios - SGB VERSÃO DO MANUAL V2.0 Secretaria Nacional de Renda e Cidadania - SENARC Departamento de Operação Coordenação-Geral de Benefícios - CGB Sistema

Leia mais

O Protocolo de Gestão Integrada e o Acompanhamento das Famílias PBF no Sicon. Encontro Regional do Congemas Região Nordeste

O Protocolo de Gestão Integrada e o Acompanhamento das Famílias PBF no Sicon. Encontro Regional do Congemas Região Nordeste O Protocolo de Gestão Integrada e o Acompanhamento das Famílias PBF no Sicon Encontro Regional do Congemas Região Nordeste Camaçari, 31 de outubro de 2012 Programa Bolsa Família Transferência de renda

Leia mais

Programa Bolsa Família Gestão das Condicionalidades SICON

Programa Bolsa Família Gestão das Condicionalidades SICON Programa Bolsa Família Gestão das Condicionalidades SICON CONDICIONALIDADES O QUE SÃO Compromissos assumidos pelo poder público (em especial) e pelas famílias beneficiárias nas áreas de Saúde e Educação.

Leia mais

PROGRAMA. Bolsa Família Guia do Gestor

PROGRAMA. Bolsa Família Guia do Gestor PROGRAMA Bolsa Família Guia do Gestor Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Brasília, 2006 2006 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate

Leia mais

BOLSA FAMÍLIA À FAMÍLIA NO ACESSO À SAÚDE, À EDUCAÇÃO E À ASSISTÊNCIA SOCIAL TRANSFERÊNCIA DE RENDA E APOIO

BOLSA FAMÍLIA À FAMÍLIA NO ACESSO À SAÚDE, À EDUCAÇÃO E À ASSISTÊNCIA SOCIAL TRANSFERÊNCIA DE RENDA E APOIO BOLSA FAMÍLIA TRANSFERÊNCIA DE RENDA E APOIO À FAMÍLIA NO ACESSO À SAÚDE, À EDUCAÇÃO E À ASSISTÊNCIA SOCIAL 1 2 BOLSA FAMÍLIA TRANSFERÊNCIA DE RENDA E APOIO À FAMÍLIA NO ACESSO À SAÚDE, À EDUCAÇÃO E À

Leia mais

Programa Bolsa Família e Cadastro Único para Programas Sociais. Guia Rápido. O que os municípios devem fazer nos primeiros 60 dias de gestão

Programa Bolsa Família e Cadastro Único para Programas Sociais. Guia Rápido. O que os municípios devem fazer nos primeiros 60 dias de gestão Programa Bolsa Família e Cadastro Único para Programas Sociais Guia Rápido O que os municípios devem fazer nos primeiros 60 dias de gestão Janeiro de 2013 Apresentação Enfrentar a pobreza e as desigualdades

Leia mais

Gestão de benefícios depende da correta elaboração de ofício e do preenchimento do FPGB

Gestão de benefícios depende da correta elaboração de ofício e do preenchimento do FPGB N 80 24 de maio de 2007 Gestão de benefícios depende da correta elaboração de ofício e do preenchimento do FPGB MDS orienta os municípios sobre a elaboração do documento e sobre o preenchimento do Formulário

Leia mais

Perguntas e Respostas mais Frequentes FAQ (Frequently Asked Questions) Acompanhamento da Frequência Escolar

Perguntas e Respostas mais Frequentes FAQ (Frequently Asked Questions) Acompanhamento da Frequência Escolar P0 Perguntas e Respostas mais Frequentes FAQ (Frequently Asked Questions) Acompanhamento da Frequência Escolar P1 ÍNDICE DE PERGUNTAS 1 P2 2 P3 3 P3 4 P4 5 P5 6 P6 7 P7 8 P8 09 P9 10 P9 11 p9 12 P11 13

Leia mais

Acompanhamento Familiar Programa Bolsa Família

Acompanhamento Familiar Programa Bolsa Família Acompanhamento Familiar Programa Bolsa Família 3 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Acompanhamento Familiar Programa Bolsa Família Brasília, 2009 2009 Ministério do Desenvolvimento

Leia mais

PORTARIA Nº 321, DE 29 DE SETEMBRO DE 2008

PORTARIA Nº 321, DE 29 DE SETEMBRO DE 2008 PORTARIA Nº 321, DE 29 DE SETEMBRO DE 2008 Regulamenta a gestão das condicionalidades do Programa Bolsa Família, revoga a Portaria/MDS nº 551, de 9 de novembro de 2005, e dá outras providências. O MINISTRO

Leia mais

Reeditada em, 03 de novembro de 2011.

Reeditada em, 03 de novembro de 2011. Instrução Operacional nº 44 SENARC/MDS Brasília, 29 de abril de 2011. Assunto: Orienta os municípios sobre os procedimentos para averiguação de famílias identificadas em processo de auditorias com indícios

Leia mais

Guias e Manuais. Atuação das Instâncias de. Controle Social. Programa Bolsa Família

Guias e Manuais. Atuação das Instâncias de. Controle Social. Programa Bolsa Família Guias e Manuais 2010 Atuação das Instâncias de Controle Social Programa Bolsa Família Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) Secretaria Nacional de Renda de Cidadania (Senarc) Guia

Leia mais

DECRETO Nº 5.209 DE 17 DE SETEMBRO DE 2004

DECRETO Nº 5.209 DE 17 DE SETEMBRO DE 2004 DECRETO Nº 5.209 DE 17 DE SETEMBRO DE 2004 Regulamenta a Lei nº 10.836, de 9 de janeiro de 2004, que cria o Programa Bolsa Família, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição

Leia mais

FAQ Perguntas mais frequentes

FAQ Perguntas mais frequentes FAQ Perguntas mais frequentes Dezembro de 2014 Sumário 1. O que é o Programa Renda Melhor?... 4 2. Qual o objetivo do Renda Melhor?... 4 3. Quem tem direito a participar do Renda Melhor?... 4 4. Quais

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.572, DE 28 DE SETEMBRO DE 2011. Regulamenta dispositivos da Medida Provisória n o 535, de 2 de junho de 2011, que tratam

Leia mais

Controladoria-Geral da União

Controladoria-Geral da União Controladoria-Geral da União Secretaria de Prevenção da Corrupção e Informações Estratégicas Programa Bolsa Família Orientações para acompanhamento das ações do Programa Bolsa Família Coleção Olho Vivo

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Instrução Operacional nº 31 SENARC/MDS Brasília, 17 de julho de 2009. Reeditada em 04 de janeiro de 2010. Assunto: Orienta quanto aos procedimentos necessários para regularização da situação das famílias

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL SEADES. Teotonio Brandão Vilela Filho GOVERNADOR DO ESTADO

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL SEADES. Teotonio Brandão Vilela Filho GOVERNADOR DO ESTADO ORIENTAÇÕES GERAIS GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL SEADES Teotonio Brandão Vilela Filho GOVERNADOR DO ESTADO Solange Bentes Jurema SECRETÁRIA DE

Leia mais

Programa Bolsa Família (PBF)

Programa Bolsa Família (PBF) FICHA DE PROGRAMA Área temática: Transferência de renda. 1. SUMÁRIO EXECUTIVO Programa Bolsa Família (PBF) DATA DE ATUALIZAÇÃO: 23/06/2015 O Programa Bolsa Família (PBF) é um programa de transferência

Leia mais

Cadastro Único e Programa Bolsa Família

Cadastro Único e Programa Bolsa Família Cadastro Único e Programa Bolsa Família Letícia Bartholo Secretária Adjunta Abril de 2014 A Secretaria A Secretaria Nacional de Renda de Cidadania (Senarc) é responsável pela gestão, em nível nacional,

Leia mais

O Programa Bolsa Família

O Programa Bolsa Família Painel sobre Programas de Garantia de Renda O Programa Bolsa Família Patrus Ananias de Sousa Ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome República Federativa do Brasil Comissão de Emprego e Política

Leia mais

PROGRAMA BOLSA FAMÌLIA. O que é

PROGRAMA BOLSA FAMÌLIA. O que é PROGRAMA BOLSA FAMÌLIA O que é É o maior e mais ambicioso programa de transferência de renda da história do Brasil. O Bolsa Família nasce para enfrentar o maior desafio da sociedade brasileira, que é o

Leia mais

Gestão de condicionalidades

Gestão de condicionalidades Gestão de condicionalidades Condicionalidades no contexto de políticas públicas universais As condicionalidades são compromissos da família e do poder público O acesso aos serviços de saúde e educação

Leia mais

A INTEGRAÇÃO ENTRE O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA E O PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL 1

A INTEGRAÇÃO ENTRE O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA E O PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL 1 TEXTO: A INTEGRAÇÃO ENTRE O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA E O PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL 1 BRASÍLIA, MARÇO DE 2006 1 Texto elaborado por Márcia Guedes Vieira, para Vanda Mendes Ribeiro Consultoria.

Leia mais

0,1,67e5,2'2'(6(192/9,0(17262&,$/(&20%$7( )20(

0,1,67e5,2'2'(6(192/9,0(17262&,$/(&20%$7( )20( 0,1,67e5,2'2'(6(192/9,0(17262&,$/(&20%$7( )20( 3257$5,$*00'61ƒ'('(0$,2'( Aprova os instrumentos necessários à formalização da adesão dos municípios ao Programa Bolsa Família, à designação dos gestores

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA GUIA DE NAVEGAÇÃO APLICATIVO CONTROLE DE ACESSO. Versão do Guia: 1.1

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA GUIA DE NAVEGAÇÃO APLICATIVO CONTROLE DE ACESSO. Versão do Guia: 1.1 SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA GUIA DE NAVEGAÇÃO APLICATIVO CONTROLE DE ACESSO Versão do Guia: 1.1 Brasília, DF Fevereiro de 2011 2011 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Leia mais

Controladoria-Geral da União

Controladoria-Geral da União Controladoria-Geral da União Secretaria de Prevenção da Corrupção e Informações Estratégicas Programa Bolsa Família Orientações para acompanhamento das ações do Programa Bolsa Família Coleção Olho Vivo

Leia mais

TEXTO 3 O SICON: PASSO A PASSO PARA VIABILIZAÇÃO DA SEGURANÇA DE RENDA DAS FAMÍLIAS EM DESCUMPRIMENTO DE CONDICIONALIDADES NO ÂMBITO DO SUAS 1.

TEXTO 3 O SICON: PASSO A PASSO PARA VIABILIZAÇÃO DA SEGURANÇA DE RENDA DAS FAMÍLIAS EM DESCUMPRIMENTO DE CONDICIONALIDADES NO ÂMBITO DO SUAS 1. TEXTO 3 O SICON: PASSO A PASSO PARA VIABILIZAÇÃO DA SEGURANÇA DE RENDA DAS FAMÍLIAS EM DESCUMPRIMENTO DE CONDICIONALIDADES NO ÂMBITO DO SUAS 1. Nosso estudo, até o momento, vem trazendo elementos essenciais

Leia mais

Avaliação da integração do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) ao Programa Bolsa-Família (PBF)

Avaliação da integração do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) ao Programa Bolsa-Família (PBF) Avaliação da integração do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) ao Programa Bolsa-Família (PBF) Por: Maria das Graças Rua 1 Este relatório descreve o novo modelo do Programa de Erradicação

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate á Fome Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Programa Bolsa Família

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate á Fome Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Programa Bolsa Família Ministério do Desenvolvimento Social e Combate á Fome Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Programa Bolsa Família ENAP, 1 de abril de 2005 Criação do Bolsa Família Medida Provisória nº 132 de 20 de

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SIGPBF

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SIGPBF SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SIGPBF APLICATIVO DE FORMULÁRIOS GUIA DE NAVEGAÇÃO PERFIL MUNICÍPIO Versão do Guia: 1.1 Brasília, DF Abril de 2011 2011 Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

A operacionalização da gestão de condicionalidades no Programa Bolsa Família (PBF) ocorre de forma:

A operacionalização da gestão de condicionalidades no Programa Bolsa Família (PBF) ocorre de forma: CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA ATORES RESPONSÁVEIS PELA GESTÃO A operacionalização da gestão de condicionalidades no Programa Bolsa Família (PBF) ocorre de forma:» Intersetorial: com os responsáveis

Leia mais

Guias e Manuais. Fiscalização. do ProgramaBolsa Família. Programa Bolsa Família

Guias e Manuais. Fiscalização. do ProgramaBolsa Família. Programa Bolsa Família Guias e Manuais 2010 Fiscalização do ProgramaBolsa Família Programa Bolsa Família Fiscalização do Programa Bolsa Família Brasília - df 2010 2010 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Permitida

Leia mais

Programa Bolsa Família no Município de Manaus

Programa Bolsa Família no Município de Manaus SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE GESTÃO EDUCACIONAL DEPARTAMENTO DE GESTÃO EDUCACIONAL DIVISÃO DE APOIO A GESTÃO ESCOLAR GERÊNCIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES E PROGRAMAS ESPECIAIS Programa

Leia mais

INTERVENÇÃO JUNTO AS FAMÍLIAS EM DESCUMPRIMENTO DAS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMILIA NO MUNICÍPIO DE CAUCAIA RESUMO

INTERVENÇÃO JUNTO AS FAMÍLIAS EM DESCUMPRIMENTO DAS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMILIA NO MUNICÍPIO DE CAUCAIA RESUMO INTERVENÇÃO JUNTO AS FAMÍLIAS EM DESCUMPRIMENTO DAS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMILIA NO MUNICÍPIO DE CAUCAIA Irismar de Souza Melo 1 Meline Souza da Silva Sales 2 Cristiane Lima de Oliveira

Leia mais

SECRETARIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL

SECRETARIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Resolução SEADS - 8, de 5-8-2005 Dispõe sobre as Normas Operacionais Básicas para o Projeto Ação Jovem e dá providências correlatas A Secretária Estadual de Assistência e Desenvolvimento Social, com fundamento

Leia mais

O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA

O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA Os expoentes do eixo de garantia de renda do Plano Brasil sem Miséria são o Programa Bolsa Família e o Benefício de Prestação Continuada (BPC), ambos

Leia mais

DESCUMPRIMENTO DAS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

DESCUMPRIMENTO DAS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA DESCUMPRIMENTO DAS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) é responsável por sistematizar os resultados do acompanhamento das condicionalidades

Leia mais

Manual do Usuário SISPETI. Sistema de Controle e Acompanhamento da Freqüência no Serviço Socioeducativo do PETI - SISPETI

Manual do Usuário SISPETI. Sistema de Controle e Acompanhamento da Freqüência no Serviço Socioeducativo do PETI - SISPETI Manual do Usuário SISPETI Sistema de Controle e Acompanhamento da Freqüência no Serviço Socioeducativo do PETI - SISPETI 2 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME- SECRETARIA NACIONAL DA

Leia mais

PROGRAMA RENDA MELHOR

PROGRAMA RENDA MELHOR PROGRAMA FAQ Perguntas e Respostas Mais Frequentes Emissão em 17/02/2014. Rio de Janeiro Fevereiro/14 www.prm.rj.gov.br Sumário 1. O que é o Programa Renda Melhor?... 4 2. Qual o objetivo do Renda Melhor?...

Leia mais

Gestão Municipal do Cadastro Único. Programa Bolsa Família

Gestão Municipal do Cadastro Único. Programa Bolsa Família Gestão Municipal do Cadastro Único e Programa Bolsa Família Gestora Olegna Andrea da Silva Entrevistadora e Operadora de Cadastro Ana Paula Gonçalves de Oliveira A porta de entrada para receber os bene?cios

Leia mais

Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família. Junho 2014

Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família. Junho 2014 Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família Junho 2014 Estratégia de Desenvolvimento no Brasil Estratégia de desenvolvimento no Brasil Crescimento econômico com inclusão social e

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Instrução Operacional Conjunta SENARC/SNAS/MDS nº 06 de 29 de outubro de 2010. Assunto: Estabelece instruções para a inserção, no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (Cadastro Único),

Leia mais

Especialização em Gestão Pública Programa Nacional de Formação em Administração Pública

Especialização em Gestão Pública Programa Nacional de Formação em Administração Pública Especialização em Gestão Pública Programa Nacional de Formação em Administração Pública MARCIA HACHICHO DOS SANTOS ALMEIDA O PODER PÚBLICO E A ERRADICAÇÃO DA MISÉRIA NA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROGRAMA BOLSA

Leia mais

Avaliação da integração do programa de erradicação do trabalho infantil (PETI) ao programa bolsa-família (PBF)

Avaliação da integração do programa de erradicação do trabalho infantil (PETI) ao programa bolsa-família (PBF) Avaliação da integração do programa de erradicação do trabalho infantil (PETI) ao programa bolsa-família (PBF) Realização: Apoio: FÓRUM NACIONAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL Avaliação

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME DOU de 27/08/2015 (nº 164, Seção 1, pág. 73) GABINETE DA MINISTRA PORTARIA Nº 81, DE 25 DE AGOSTO DE 2015 Altera as Portarias nº 754, de 20 de outubro

Leia mais

Texto 2. Conhecendo o Índice de Gestão Descentralizada do Programa Bolsa Família (IGD-PBF) e o seu gerenciamento

Texto 2. Conhecendo o Índice de Gestão Descentralizada do Programa Bolsa Família (IGD-PBF) e o seu gerenciamento Texto 2 Conhecendo o Índice de Gestão Descentralizada do Programa Bolsa Família (IGD-PBF) e o seu gerenciamento Após estudarmos sobre o contexto histórico em torno do repasse de recurso financeiro por

Leia mais

GESTÃO E OPERACIONALIZAÇÃO MUNICIPAL DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

GESTÃO E OPERACIONALIZAÇÃO MUNICIPAL DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA GESTÃO E OPERACIONALIZAÇÃO MUNICIPAL DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA 17 a 23 de setembro de 2013 PROGRAMAÇÃO Assistencia Social HORÁRIO ATIVIDADE 8h00 às 9h00 Credenciamento e Café de Boas Vindas 9h15 às 10h00

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE COLETA, INCLUSÃO, ATUALIZAÇÃO E REVALIDAÇÃO DOS DADOS CADASTRAIS

PROCEDIMENTOS DE COLETA, INCLUSÃO, ATUALIZAÇÃO E REVALIDAÇÃO DOS DADOS CADASTRAIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/SENARC/MDS, de 26 de Agosto de 2011. Estabelece as definições técnicas e os procedimentos operacionais necessários para a utilização da Versão 7 dos Formulários e do Sistema

Leia mais

Matupá: MPE investiga recebimento de Bolsa Família por sócios de empresas ocorrido no ano de 2012. PBF até o ano de 2010 nada

Matupá: MPE investiga recebimento de Bolsa Família por sócios de empresas ocorrido no ano de 2012. PBF até o ano de 2010 nada A Secretaria Municipal de Assistência Social em conformidade com a matéria divulgada nos sites e redes sociais assim citada: Matupá: MPE investiga recebimento de Bolsa Família por sócios de empresas vem

Leia mais

Estudo sobre Controle e Fiscalização do Programa Bolsa Família

Estudo sobre Controle e Fiscalização do Programa Bolsa Família Sumário Executivo Estudo sobre Controle e Fiscalização do Programa Bolsa Família Cristina Almeida Cunha Filgueiras Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação Ministério do Desenvolvimento Social e

Leia mais

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) Presidência da República Controladoria-Geral da União Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL (PETI) O PETI é um programa do Governo Federal que

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania 1) RECURSOS DO IGD-M PERGUNTA: Sobre os recursos do IGD-M referentes a dezembro de 2011, mas que só foram creditados na conta em janeiro de 2012, o gestor pode gastar esse recurso normalmente ou terá que

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 3.486/2005

LEI MUNICIPAL Nº 3.486/2005 LEI MUNICIPAL Nº 3.486/2005 Institui o COMITÊ DE CONTROLE SOCIAL DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF), e dá outras providências. CLÁUDIO KAISER, Prefeito Municipal de Taquara, Estado do Rio Grande do Sul, FAÇO

Leia mais

Município: JOÃO PESSOA / PB

Município: JOÃO PESSOA / PB O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público definido como prioritário foi o dos brasileiros que estavam em situação de

Leia mais

O Prefeito Municipal de Ribas do Rio Pardo, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a Seguinte Lei.

O Prefeito Municipal de Ribas do Rio Pardo, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a Seguinte Lei. LEI MUNICIPAL Nº. 945/2010 Institui o Programa Vida Melhor e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Ribas do Rio Pardo, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e

Leia mais

Guias e Manuais. Guia para Acompanhamento das Condicionalidades. do ProgramaBolsa Família. Programa Bolsa Família

Guias e Manuais. Guia para Acompanhamento das Condicionalidades. do ProgramaBolsa Família. Programa Bolsa Família Guias e Manuais 2010 Guia para Acompanhamento das Condicionalidades do ProgramaBolsa Família Programa Bolsa Família Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) Guia para Acompanhamento

Leia mais

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 133 ASSISTÊNCIA SOCIAL

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 133 ASSISTÊNCIA SOCIAL ASSISTÊNCIA SOCIAL Regulamento da Organização e do Custeio da Seguridade Social Decreto n o 2.173, de 5 de março de 1997 aprova o Regulamento da Organização e do Custeio da Seguridade Social. Decreto n

Leia mais

Diário Oficial Poder Executivo Estado de São Paulo - Seção I GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN

Diário Oficial Poder Executivo Estado de São Paulo - Seção I GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN Diário Oficial Poder Executivo Estado de São Paulo - Seção I GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN Volume 123 - Número 57 - São Paulo, quarta-feira, 27 de março de 2013 RESOLUÇÃO SEDS 005, DE 26 DE MARÇO DE 2013

Leia mais

Manual do Usuário SISPETI. Sistema de Controle e Acompanhamento da Freqüência no Serviço Socioeducativo do PETI - SISPETI

Manual do Usuário SISPETI. Sistema de Controle e Acompanhamento da Freqüência no Serviço Socioeducativo do PETI - SISPETI Manual do Usuário SISPETI Sistema de Controle e Acompanhamento da Freqüência no Serviço Socioeducativo do PETI - SISPETI 2 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME- SECRETARIA NACIONAL DA

Leia mais

TEXTO 2 A EFETIVAÇÃO DO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR: AS ATRIBUIÇÕES DA GESTÃO E DAS EQUIPES MUNICIPAIS. 1.

TEXTO 2 A EFETIVAÇÃO DO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR: AS ATRIBUIÇÕES DA GESTÃO E DAS EQUIPES MUNICIPAIS. 1. TEXTO 2 A EFETIVAÇÃO DO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR: AS ATRIBUIÇÕES DA GESTÃO E DAS EQUIPES MUNICIPAIS. 1. Com base no estudo do texto anterior, pode-se constatar que o Bolsa Família pode ser compreendido

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua LOAS benefício de prestação continuada (BPC), previsto pelo art. 203 da Constituição. garantia de um salário-mínimo mensal à pessoa com deficiência

Leia mais

Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais

Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais Informe nº 7 Informações sobre a transferência dos recursos às famílias beneficiárias O que é o Programa de Fomento? O Programa de Fomento surgiu a partir

Leia mais

II. Envio dos públicos (listagens) para acompanhamento aos parceiros da saúde e educação;

II. Envio dos públicos (listagens) para acompanhamento aos parceiros da saúde e educação; CONDICIONALIDADE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA COMO FUNCIONA? A gestão de condicionalidades compreende um conjunto de ações em diferentes períodos visando ao acompanhamento dos compromissos nas áreas de educação

Leia mais

I - DA CONTA ÚNICA DO TESOURO NACIONAL

I - DA CONTA ÚNICA DO TESOURO NACIONAL INSTRUÇÃO NORMATIVA n o 04, de 30 de agosto de 2004. Dispõe sobre a consolidação das instruções para movimentação e aplicação dos recursos financeiros da Conta Única do Tesouro Nacional, a abertura e manutenção

Leia mais

Uma Análise dos Determinantes da Focalização do Programa Bolsa Família

Uma Análise dos Determinantes da Focalização do Programa Bolsa Família Uma Análise dos Determinantes da Focalização do Programa Bolsa Família BRASÍLIA-DF Março, 2013 Introdução Motivação Revisão de Literatura Metodologia Resultados Considerações Finais 2 Introdução Transferência

Leia mais

Sicon. Manual do Usuário

Sicon. Manual do Usuário 1 Sistema de Condicionalidades Sicon Manual do Usuário Versão 4.5 Março de 2013 2 Sumário Sumário... 2 Apresentação... 4 1. Objetivos... 5 2. O Usuário do Sicon... 6 2.1. Quem pode ser Usuário do Sicon?...

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA SETEC

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA SETEC MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA SETEC EDITAL SETEC Nº 02, 30 DE MAIO DE 2014 SISTEMA DE SELEÇÃO UNIFICADA DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA - SISUTEC O Secretário

Leia mais

CADERNO DO IGD-M. Manual do Índice de Gestão Descentralizada Municipal do Programa Bolsa Família e do Cadastro Único

CADERNO DO IGD-M. Manual do Índice de Gestão Descentralizada Municipal do Programa Bolsa Família e do Cadastro Único CADERNO DO IGD-M Manual do Índice de Gestão Descentralizada Municipal do Programa Bolsa Família e do Cadastro Único BRASÍLIA - DF, Abril de 2014 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1.2 Novo modelo operacional do Sistema do Cadastro Único

1 INTRODUÇÃO. 1.2 Novo modelo operacional do Sistema do Cadastro Único Instrução Operacional nº 35 SENARC/MDS Brasília, 15 de abril de 2010. Assunto: Divulga as orientações necessárias para a solicitação de cadastramento de usuários municipais no novo sistema de Cadastro

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania 1) CONTRATAÇÃO DE PESSOAL PERGUNTA: Qual o período máximo do contrato, e se existe a possibilidade de contratação de instrutores para ministrar cursos de capacitação para beneficiários? RESPOSTA DO MEDIADOR:

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000 ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000 REGULAMENTO PARA ARRECADAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO DAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARA O FUNDO DE UNIVERSALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

Encontro Regional do Congemas Região Nordeste. Cadastro Único

Encontro Regional do Congemas Região Nordeste. Cadastro Único Encontro Regional do Congemas Região Nordeste Cadastro Único Camaçari/BA, 31 de outubro de 2012 I. Sistema de Cadastro Único - Versão 7 II. Guardião V7 Sistema de Monitoramento da disponibilidade e performance

Leia mais

O BRASIL SEM MISÉRIA NO SEU MUNICÍPIO Município: VITÓRIA DA CONQUISTA / BA O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público

Leia mais

EDITAL Nº 39 DE 25 DE AGOSTO DE 2015 AUXÍLIO MORADIA PARA O SEGUNDO SEMESTRE DE

EDITAL Nº 39 DE 25 DE AGOSTO DE 2015 AUXÍLIO MORADIA PARA O SEGUNDO SEMESTRE DE Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Erechim EDITAL Nº 39 DE 25 DE AGOSTO DE 2015 AUXÍLIO

Leia mais

REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 562-A, DE 2012 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 10 DE 2012

REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 562-A, DE 2012 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 10 DE 2012 REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 562-A, DE 2012 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 10 DE 2012 O CONGRESSO NACIONAL decreta: Dispõe sobre o apoio técnico ou financeiro da União no âmbito do Plano de Ações

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Secretaria Nacional de Assistência Social

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Secretaria Nacional de Assistência Social Instrução Operacional Conjunta Senarc/SNAS/MDS Nº 07 de 22 de novembro de 2010. Assunto: Orientações aos municípios e ao Distrito Federal para a inclusão de pessoas em situação de rua no Cadastro Único

Leia mais

1ª Mostra Nacional de Estudos sobre o Programa Bolsa Famíla. Nome do artigo: Controle e transparência na gestão do Programa Bolsa Família

1ª Mostra Nacional de Estudos sobre o Programa Bolsa Famíla. Nome do artigo: Controle e transparência na gestão do Programa Bolsa Família 1ª Mostra Nacional de Estudos sobre o Programa Bolsa Famíla Nome do artigo: Controle e transparência na gestão do Programa Bolsa Família Resumo: O artigo demonstra que, ao ser criado, o Bolsa Família inseriu-se

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE RECOMPENSAS CARTÃO SARAIVA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE RECOMPENSAS CARTÃO SARAIVA Este instrumento tem como objetivo regulamentar a participação dos portadores do Cartão Saraiva, doravante denominado CARTÃO, no Programa de Recompensas do CARTÃO, doravante denominado PROGRAMA, instituído

Leia mais

2005 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

2005 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome bolsa_familia-livro.pmd 1 13/10/2005, 16:10 bolsa_familia-livro.pmd 3 13/10/2005, 16:10 2005 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Permitida a reprodução, no todo ou em parte, sem alteração

Leia mais

quarta-feira, 29 de junho de 2011 Diário Oficial Poder Executivo - Seção I São Paulo, 121 (120) 5

quarta-feira, 29 de junho de 2011 Diário Oficial Poder Executivo - Seção I São Paulo, 121 (120) 5 quarta-feira, 29 de junho de 2011 Diário Oficial Poder Executivo - Seção I São Paulo, 121 (120) 5 Desenvolvimento Social GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução SEDS - 008, de 17-6-2011 Dispõe sobre a Norma Operacional

Leia mais