SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO.3 2. O PAPEL DO GESTOR.8 3. CONTROLES FINANCEIROS MOVIMENTAÇÃO DE CAIXA E BANCOS CONTAS A RECEBER

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO.3 2. O PAPEL DO GESTOR.8 3. CONTROLES FINANCEIROS.10 4. MOVIMENTAÇÃO DE CAIXA E BANCOS.14 5. CONTAS A RECEBER.17 6.25 7.34 8."

Transcrição

1 1

2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO O PAPEL DO GESTOR CONTROLES FINANCEIROS MOVIMENTAÇÃO DE CAIXA E BANCOS CONTAS A RECEBER CONTAS A PAGAR CAPITAL DE GIRO - CONTAS DO ATIVO E DO PASSIVO CÁLCULO DO CAPITAL DICAS DE GERENCIAMENTO FLUXO DE CAIXA CONCEITO E PRINCIPAIS FUNÇÕES MONTAGEM DO FLUXO ANÁLISE ENCERRAMENTO GABARITO DAS ATIVIDADES

3 1. INTRODUÇÃO Olá! Você está iniciando agora a leitura do material Fluxo de Caixa. Aqui você verá a importância de controlar adequadamente as informações financeiras para realizar uma boa gestão do seu negócio. Se você tem, ou vai abrir um negócio, é importante conhecer bem o mercado e suas exigências. O que acha de examinar alguns fatores que impactam nos resultados da empresa? Imagem de pessoas disputando uma maratona Um dos fatores é a competitividade. A competitividade é inerente ao mercado. Essa palavra lembra competição: você sabe o que é uma competição? Competição é a interação entre um ou mais indivíduos da mesma espécie ou de espécies diferentes que disputam algo. É a rivalidade na obtenção de uma vantagem ou da própria sobrevivência. 3

4 Imagem de um shopping com vários andares e lojas Competir faz parte do negócio e, para viver nesta realidade é preciso estabelecer estratégias e avaliá-las constantemente de forma a manter seu potencial competitivo e sobreviver no mercado. Esse potencial pode ser desenvolvido: são vários os aspectos que geram diferenciais competitivos, como qualidade dos produtos e serviços, preços praticados, prazos de entrega, atendimento, entre outros. E você, já sabe qual é ou poderá ser seu diferencial competitivo? Imagem de um empresário olhando atentamente para o seu computador 4

5 A competitividade é um fator fundamental para a sobrevivência da empresa, em um mercado em constante mutação. Portanto, o gestor deve estar atento a fatores externos como políticas econômicas, serviços de apoio empresarial e entidades de classe. Fatores internos também devem ser considerados: planejamento, boa gestão, qualidade, controles financeiros e outros aspectos administrativos e operacionais do seu negócio. Imagem da porta de um empreendimento fechada 5

6 Outro fator que impacta no resultado da empresa são as falhas na administração dos recursos. Todos os dias, há possibilidade de se visualizar diversos empreendimentos fracassarem devido à falta de conhecimento e organização. Sem o preparo necessário, muitos empreendedores não controlam o dinheiro do caixa e acabam se endividando diante das contas a pagar. Imagem de uma empresária sorridente debruçada sobre os doces de sua pequena loja A partir de hoje, no entanto, você terá a oportunidade de seguir um novo caminho. Este material lhe proporcionará os conhecimentos necessários para se organizar financeiramente, e você será capaz de utilizar os controles financeiros para uma melhor gestão de sua empresa. 6

7 Não deixe de trilhar este caminho! O Sebrae-SP já está integrado às redes sociais da Internet. Estamos no Twitter, Facebook e Youtube. Se você já faz parte ou quer iniciar sua participação nas redes, durante a leitura deste material, terá uma ótima oportunidade! 7

8 2. O PAPEL DO GESTOR O foco principal deste material está no setor de Finanças. Mas é importante que você conheça os diversos setores em que uma empresa se divide. Os gestores precisam estar cientes de seu papel para conduzir eficazmente o seu empreendimento. É comum que, no início de uma atividade empresarial, o empreendedor assuma a responsabilidade pela gestão de todos os setores da empresa. Imagem do organograma que exemplifica a divisão de uma empresa, ao centro o gestor e em seus seguimentos estão representados os setores de produção, recursos humanos, finanças, administrativo e comercial Com o crescimento e desenvolvimento da empresa ao longo do tempo, certamente será necessário que você, empreendedor, delegue tarefas e 8

9 responsabilidades e compartilhe a gestão de alguns setores, buscando ampliar a produtividade. Um bom gestor deve ter consciência do seu papel. Olhe sempre para cima, busque voos mais altos, mas sem tirar os pés do chão. Imagem de um empresário com o olhar direcionado para o horizonte e com semblante de confiança O papel fundamental do gestor empresarial é atingir resultados e, para isso, ele deve planejar, organizar, liderar a equipe e monitorar os resultados das ações estabelecidas na fase de planejamento. O papel do gestor financeiro não é apenas pagar e receber. Sua atuação é de grande importância para a empresa, pois a organização financeira através de ferramentas apropriadas auxilia na tomada de decisões e aumentam a geração de caixa, proporcionando o lucro. 9

10 3. CONTROLES FINANCEIROS Para te apresentar as ferramentas financeiras que irão ajudar no sucesso do seu empreendimento, você irá acompanhar o exemplo da empresa Sol Fit que pertence ao ramo de moda praia. Verifique como esta empresa organiza seus controles financeiros durante uma semana. Será uma experiência interessante, afinal fazer o controle financeiro de uma empresa exige conhecimento! Se for isso que você está procurando, veio ao lugar certo. Examine as informações iniciais sobre o andamento financeiro da Sol Fit: O saldo da última semana da Sol Fit foi de R$3.000,00 e o saldo para investimento R$5.000,00. A empresa está em alta, mas a Sol Fit precisa manter as informações financeiras atualizadas e organizadas. Para fazer esta organização, você deverá controlar devidamente todas as movimentações do caixa. Conheça as movimentações financeiras básicas de uma empresa: movimentações financeiras básicas; compras à vista; 10

11 compras a prazo; vendas à vista; vendas a prazo; pagamento de colaboradores; pagamento de impostos; retiradas pessoais. Saiba como funciona o fluxo das informações apresentadas dentro da sua empresa. Imagem que representa o fluxo de informações financeiras: a compra gera estoque e possibilita a venda. As compras e as vendas podem ser feitas a prazo e à vista. Toda circulação do dinheiro que entra com as vendas e que sai com as compras é feita no caixa. As compras a prazo geram contas a pagar e as vendas a prazo geram contas a receber. O controle destas contas está ligado ao fluxo de caixa que diretamente está ligado às movimentações do caixa. 11

12 Atenção às observações: Quando uma compra é efetuada à vista, gera um movimento de saída de dinheiro no caixa da empresa. Se efetuada a prazo, o dinheiro não é retirado da empresa no momento da compra, mas registra-se no controle de contas a pagar. Se a venda é efetuada à vista, gera um movimento de entrada de dinheiro na empresa; se a prazo, representa um crédito futuro para a empresa, gerando um registro no controle de contas a receber. Informação importante: uma das sócias da Sol Fit promoveu um desfile da nova coleção. Foi um sucesso! As sócias acabam de receber uma encomenda de 300 peças. Devem controlar adequadamente estas movimentações financeiras para conseguir atender ao pedido. Para fazer a contabilidade da Sol Fit, são utilizados quatro controles principais: movimento de caixa e bancos, contas a receber, contas a pagar e fluxo de caixa. 12

13 ATIVIDADE 01 Antes de prosseguir, reflita sobre a questão proposta: com relação aos tipos de venda, qual a alternativa correta? a) A venda efetuada à vista gera um movimento de entrada de dinheiro na empresa. b) A venda efetuada a prazo gera um movimento de saída de dinheiro no caixa da empresa. Confira a sua resposta no gabarito que se encontra no final deste material. Informação importante: o cliente da Sol Fit está inseguro, pois recebeu uma cobrança indevida e decidiu reduzir a encomenda feita para 150 peças. 13

14 4. MOVIMENTAÇÃO DE CAIXA E BANCOS Não se esqueça de fazer todos os registros para manter o controle do saldo em sua empresa. Verifique o resumo do dia 01/10 da empresa Sol Fit: A Sol Fit acaba de finalizar o seu primeiro dia de trabalho. Verifique como ele foi movimentado: A empresa vendeu R$250,00 à vista logo pela manhã. Uma venda a prazo, via cartão de crédito, no valor de R$50,00 também foi contabilizada. No levantamento do estoque, foi identificada a falta de alguns tecidos, então a empresa efetuou uma compra a prazo no valor de R$2.500,00. A conta de telefone no valor de R$380,00 foi paga integralmente. Foi recebido o pagamento de uma duplicata no valor de R$3.000,00. Sua sócia está adorando sua estadia na empresa, e aproveitando para colocar as contas dela em dia, retirou R$350,00 para pagar o condomínio. O movimento de caixa e bancos permite a você um controle específico das finanças em um determinado momento. Ao registrar todas as entradas e saídas, é possível verificar a situação do saldo da empresa. 14

15 Todo o movimento deve ser registrado em um documento. Hoje existem vários modelos de impressos, vendidos em papelarias, e também softwares de gestão nos quais podem ser elaboradas estas planilhas. Agora, verifique como os lançamentos do dia primeiro de outubro aparecerão no movimento de caixa e bancos da Sol Fit. Você poderá comparar o resultado a seguir com o resumo do dia primeiro que conheceu anteriormente. Data Movimento de caixa e bancos Sol Fit Histórico Entrada (A) Saída (B) Saldo acumulado A-B = 01/10 Projeção de vendas à vista 250,00 250,00 01/10 01/10 01/10 01/10 Pagamento de fornecedores a prazo com duplicatas. Pagamento conta de telefone empresa Recebimento de venda a prazo com cartão de crédito. Recebimento de venda a prazo com duplicatas 2.500,00 (2.250,00) 380,00 (2.630,00) 50,00 (2.580,00) 3.000,00 420,00 01/10 Pagamento condomínio sócio 350,00 70,00 Totais do mês: Saldo do mês anterior: 3.000,00 Saldo atual: 15

16 Observe a ordem de organização dos itens. O exemplo apresentado não mostra o fechamento da movimentação, pois registra apenas os lançamentos do dia. Consta apenas o saldo do mês anterior no valor de R$3.000,00. A movimentação de caixa e bancos pode ser fechada semanalmente, mensalmente ou sempre que necessário. Os dados devem ser lançados respeitando a ordem de datas do período. O saldo acumulado deve sempre ser inserido ao final de cada registro. Para gerá-lo, basta considerar o saldo do lançamento anterior, somar a entrada e subtrair a saída. Quando gerado um saldo negativo, este deve ser representado entre parênteses. Exemplo: R$2.000,00 de entrada R$3.000,00 de saída = (R$1.000,00) saldo negativo Saiba mais: verifique o significado do termo a seguir: Duplicata: a duplicata mercantil, ou simplesmente duplicata, é uma espécie de título de crédito que é o instrumento de prova do contrato de compra e venda. 16

17 5. CONTAS A RECEBER A Sol Fit controla as vendas a prazo para não gerar um saldo negativo. Para criar suas próprias condições de vendas a prazo, é necessário exercer um controle rígido das contas a receber e a pagar, pois dependendo dessas condições, é necessário analisar a cobrança de juros e de tarifas bancárias. Esse controle pode ser realizado por meio de fichas simples que reúnam os dados necessários para cada caso a ser analisado. Agora, reflita um pouco sobre a concessão de crédito. Quando você solicita um crédito no banco ou em uma compra com seus fornecedores, várias análises são realizadas antes da concessão. Da mesma forma, você deve analisar a situação da empresa e do cliente antes de conceder o crédito. Confira algumas dicas: Imagem de um gerente bancário sentado em frente à sua mesa com semblante sério 17

18 O limite de crédito de uma empresa depende muito de sua conduta e de sua credibilidade no mercado. Imagem de uma empreendedora dando joia e feliz O limite de crédito para o cliente é calculado pela empresa de acordo com o histórico do cliente, da média de compras que ele faz e da perspectiva de pagamento. Essas são algumas questões entre outras a serem analisadas. Contas a receber Avalie as concessões de crédito, controle as movimentações financeiras e defina as políticas de cobrança para a Sol Fit. O controle pode ser facilitado pelo uso de fichas. Cada uma deve conter as informações necessárias para a identificação correta da movimentação. Não deixe de utilizar as fichas, elas serão de grande importância para a análise do contexto financeiro da empresa. Verifique o exemplo da Renata, uma empreendedora do ramo de informática. 18

19 Imagem de uma empreendedora, dona de uma loja de computação em uma sala com equipamentos, de braços cruzados e sorrindo Renata compreendeu o quanto é importante manter o controle financeiro de sua empresa e controla todas as suas movimentações. Conheça como ela organiza as contas a receber. Controle individual de clientes Cliente: Starinfo Ficha de controle individual de cliente Cód.: 0067 CNPJ: Inscrição Estadual: Data 02/02 Histórico Faturamento duplicata 002 Valor Faturamento R$2.000,00 Valor Recebimento Saldo Acumulado R$2.000,00 19

20 Descrição: Deve conter na primeira linha: nome completo do cliente e código interno do cliente. Na segunda linha: número do CNPJ e número do CCM (Cadastro de contribuinte mobiliário da Prefeitura Municipal), somente se necessário. A seguir da identificação, existem cinco colunas que devem ter as seguintes informações: Coluna um: data do evento, seja ela venda ou pagamento. Coluna dois: histórico - para anotar o número da nota fiscal ou duplicata da referida venda. Coluna três: valor faturamento - para anotar o valor da venda efetuada. Coluna quatro: valor recebimento - para anotar o valor pago pelo cliente referente à duplicata. Coluna cinco: saldo acumulado - para anotar o saldo das compras e respectivos pagamentos realizados pelo cliente. 20

21 Controle geral de duplicatas a receber Ficha de controle geral de duplicatas a receber Data Nº de duplicatas Valor Faturado Data de Vencimento Valor Líquido Saldo Acumulado (valor faturado valor líquido) 02/ R$2.000,00 02/03 R$2.000,00 03/ R$280,00 03/03 R$2.260,00 02/ R$2.000,00 R$2.000,00 03/ R$260,00 R$0,00 Descrição: Coluna um: data - anotar a data da venda. Coluna dois: número da duplicata - anotar o número da duplicata gerada pela venda realizada. Coluna três: valor faturado - anotar o valor a receber. Coluna quatro: data do vencimento - anotar o vencimento de cada título. Coluna cinco: valor liquidado - anotar o valor liquidado. Coluna seis: saldo acumulado - anotar a apuração do saldo de duplicatas a receber. Renata organiza as duplicatas de forma a priorizar os vencimentos e valores das vendas realizadas em um determinado período de tempo. 21

22 Saldo acumulado: Controle de cartão de crédito Data da operação Ficha de controle de cartão de crédito Valor da venda Taxa da Administradora do CCx% Valor a ser creditado Data do crédito 02/03 R$500,00 2,5% R$487,50 02/04 03/03 R$600,00 2,5% R$685,00 03/04 Total R$1.100,00 Total R$1.072,60 Descrição: Coluna um: data da operação - para anotar a data da venda. Coluna dois: valor da venda - para anotar o valor bruto da venda realizada. Coluna três: taxa da administradora do cartão - para anotar a taxa cobrada pela administradora do cartão de crédito sobre a venda. (Atualmente, essa taxa pode ser negociada junto aos bancos administradores de cartões de crédito). Coluna quatro: valor a ser creditado para anotar o valor líquido a ser creditado na conta bancária da empresa pela administradora. (valor bruto da venda menos a taxa da administradora é igual ao valor líquido a ser creditado pela administradora). Coluna cinco: data do crédito - para anotar a data em que o valor estará disponível na conta bancária da empresa. 22

23 Na última linha, são registrados os totais do valor da venda e do valor a serem creditados na conta bancária da empresa após a dedução da taxa da administradora. Ao realizar este controle, Renata consegue saber o valor real a ser creditado em sua conta referente às vendas com cartão de crédito. Controle de cheque pré-datado Data da venda Nº cheque 02/ Ficha de controle de cheque pré-datado Cliente Mariza Garcia Valor Data do depósito Data do depósito compensado R$450,00 02/04 04/04 Descrição: Coluna um: data da venda para anotar a data da venda. Coluna dois: número do cheque - para anotar o número do cheque utilizado pelo cliente, para pagamento. Coluna três: cliente - para anotar o nome do cliente. Coluna quatro: valor - para anotar o valor da venda realizada. Coluna cinco: data do depósito para anotar com atenção a data estipulada para o depósito para que o cheque não seja apresentado ao banco antes da data prevista. Caso isso aconteça, o cliente pode ficar inseguro e desconfiado ou até mesmo acionar judicialmente a empresa. Coluna seis: data do depósito compensado - após o depósito anotar a estimativa de quando o dinheiro estará disponível na conta, uma vez que há períodos variados para compensação de cheques estabelecidos pelo Banco Central do Brasil. 23

24 Renata faz um rígido controle dos cheques pré-datados e sempre que necessário abre uma nova coluna para acrescentar o telefone da pessoa ou empresa que emitiu o cheque. A organização da Renata garante à sua empresa facilidade na programação dos pagamentos e investimentos. Siga este exemplo e seja um bom empreendedor. 24

25 6. CONTAS A PAGAR O limite de crédito de uma empresa é a sua capacidade de endividamento junto a terceiros. Antes de assumir uma dívida, você deve estar ciente de todas as suas contas a pagar. Conheça quais são as principais contas de uma empresa: fornecedores; salários e encargos; despesas gerais que englobam: Ocupação: despesas referentes ao pagamento do aluguel, água, luz e IPTU. Comunicação: despesas referentes ao uso do telefone, correio e provedor de internet. Locomoção: despesas referentes a combustíveis, IPVA, licenciamento, seguro, manutenção de veículos, pedágio, entre outros. Financeiras: despesas referentes a taxas bancárias: manutenção de conta corrente, encargos e empréstimos. Para fazer o controle das contas a pagar, você também pode utilizar fichas. Ao organizar corretamente as informações, evitará o comprometimento dos recursos financeiros da empresa. 25

26 Uma dica importante: toda empresa, independente de seu tamanho, deve fazer rigorosamente os controles financeiros. Retome ao exemplo da Renata para que você possa ver com clareza como estes controles são planejados. Imagem da Renata, dona de uma loja de computação em uma sala com equipamentos, sorrindo Renata controla suas contas a pagar por meio das fichas. Verifique a seguir os exemplos para cada tipo de pagamento. Fornecedor Ficha de controle de Fornecedor Nome: Chiquinho Ltda. Documento Compra Pagamento Saldo Acumulativo (Valor de compra Valor de pagamento) Data Nº Valor Vencimento Valor Data R$ 04/02 23 R$890,00 04/03 R$890,00 04/03 0,00 26

27 Descrição: Primeira linha - nome completo do fornecedor; Coluna um: documento - esta coluna se subdivide em duas onde são registradas a data da compra e o número da nota fiscal ou duplicata da referida compra. Coluna dois: compra - esta coluna se subdivide em duas onde são registrados o valor da compra efetuada e o vencimento da duplicata referente à compra efetuada. Coluna três: pagamento - esta coluna se subdivide em duas onde são registrados o valor do pagamento e a data do pagamento da referida duplicata. Coluna quatro: saldo acumulativo - anotar o saldo total das compras somando as outras compras e deduzindo os pagamentos realizados pela empresa (valor da compra menos o valor do pagamento). Duplicatas a Pagar Data Nº das duplicatas Ficha de controle geral de Duplicatas a pagar Valor Vencimento Pagamento Saldo Acumulado 04/02 23 R$890,00 04/03 R$890,00 04/03 23 R$890,00 R$0,00 Descrição: Coluna um: data para anotar a data da compra. Coluna dois: número da duplicata - para anotar o número da duplicata da referida compra. 27

28 Coluna três: valor - para anotar o valor a pagar. Coluna quatro: vencimento - para anotar o vencimento de cada duplicata. Coluna cinco: pagamento - para anotar o valor do pagamento efetuado. Coluna seis: saldo acumulado - para anotar a apuração do saldo de duplicatas a pagar. Cheques Pré-datados Data da compra Ficha de controle de emissão de cheques pré-datados Nº cheque Favorecido Valor Data do depósito 04/ Chiquinho Ltda. R$560,00 04/04 Descrição: Coluna um: data da compra - anotar a data em que foi realizada a compra. Coluna dois: número do cheque - anotar o número do cheque utilizado para pagamento da referida compra. Coluna três: favorecido - anotar o nome a quem a empresa deve pagar pela compra realizada; Coluna quatro: valor - anotar o valor da compra realizada. Coluna cinco: data do depósito - anotar com clareza a data do depósito do referido cheque. 28

29 Comissões Ficha de controle de comissões Nome da vendedora: Simone Código: 123 Data Cliente Valor Valor da comissão Saldo acumulado a receber 02/02 Lojas AnRe R$2.000,00 R$100,00 R$100,00 03/02 Loja Paty&Mara ME Total R$260,00 R$13,00 R$113,00 R$113,00 Comissão: 5% Valor pago Descrição: Nome do vendedor da empresa ou representante, preferencialmente com os dados cadastrais completos (dados pessoais, códigos, nº de documentos). Coluna um: data - anotar a data da venda. Coluna dois: cliente - anotar o nome do cliente para o qual a venda pessoal foi realizada. Coluna três: valor - anotar o valor da venda pessoal realizada; Código da empresa. Coluna quatro: valor da comissão - anotar o valor da comissão devida por essa venda pessoal realizada. Coluna cinco: saldo acumulado a receber - anotar o valor a receber pela soma das vendas pessoais realizadas. Comissão: anotar a porcentagem da comissão. Coluna seis: valor pago - anotar o valor do pagamento efetuado pela empresa pelas vendas pessoais realizadas. 29

30 Cartões de Crédito Ficha de controle de cartões de crédito (utilizado para a compra de mercadorias) Valor da Data do pagamento Valor Pago compra Data da operação 03/03 R$260,00 03/04 04/03 R$320,00 04/04 Diferença do principal Total R$580,00 Descrição: Coluna um: data da operação - anotar a data da compra realizada pela empresa. Coluna dois: valor da compra - anotar o valor da compra realizada pela empresa. Coluna três: data do pagamento - anotar a data do pagamento a ser realizado pela empresa (lembre-se de consultar o vencimento da fatura mensal). Coluna quatro: valor pago - anotar o valor real pago pela empresa (lembre-se de anotar se o pagamento se refere ao valor mínimo ou total da fatura). Coluna cinco: diferença do principal - todas as diferenças decorrentes da opção de pagamento escolhida pela empresa devem ser registradas, pois geram encargos adicionais. Exemplo: se a empresa opta por pagar o valor mínimo da fatura do cartão, os acréscimos referentes aos encargos para a próxima fatura devem ser considerados. 30

31 Impostos Ficha de controle de impostos - ICMS Data Compra R$ Vendas R$ Saldo Valor Crédito Valor Débito Valor 31/02 R$890,00 R$160,20 R$2.260,00 R$406,80 R$246,60 O ICMS é um imposto compensável, por isso no modelo acima há uma coluna do valor de crédito quando a empresa compra e outra coluna do valor de débito quando a empresa vende uma mercadoria ou produto, sendo o valor do ICMS incluso, totalizando o valor da nota fiscal. Ficha de controle dos impostos Data Nº NF Valor Impostos Total Total Para o controle de impostos, somente será necessário constarem os valores que a empresa paga. As fichas de controle da Renata mostram uma gestão financeira organizada que trará benefícios a sua empresa, pois ela pode controlar os gastos, agendar os pagamentos e planejar investimentos. 31

32 Aproveite os exemplos da Renata e organize as contas a pagar de sua empresa. Imagem da Renata, dona de uma loja de computação em uma sala com equipamentos, sorrindo Você sabia que muitos empreendedores misturam as despesas da empresa com as despesas particulares dos sócios? Pagamentos de salários aos sócios e suas retiradas pessoais devem ser registradas como pró-labore. Verifique mais registros do dia da Sol Fit: Resumo do dia 02/10 Hoje a Sol Fit teve um bom dia: Nas movimentações bancárias, foi confirmado o recebimento de um cheque de R$200,00 e um depósito da operadora do cartão foi creditado no valor de R$200,00. As vendas à vista no balcão renderam um valor de R$300,00, e na compra de material para produção foi gasto um valor de R$300,00, pago em dinheiro. 32

33 ATIVIDADE 02 Hora de testar os seus conhecimentos. Analise a tabela de controle citado: Data da venda Controle de cheques pré-datados recebidos Valor Data do depósito Data do depósito compensado 02/03 R$450,00 02/04 04/04 03/03 R$500,00 03/04 05/04 03/03 R$600,00 03/04 05/04 Agora reflita: O controle está correto, pois apresenta todos os dados necessários para a identificação dos cheques e valores a receber. O controle está incorreto, pois a ficha não contém as informações necessárias para a identificação correta da movimentação. Confira a sua resposta no gabarito que se encontra no final deste material. 33

34 7. CAPITAL DE GIRO - CONTAS DO ATIVO E DO PASSIVO A empresa Sol Fit está sempre atenta à gestão dos negócios e gerencial com cautela seu capital de giro. Você sabe o que é o capital de giro? O próprio nome já dá uma ideia: giro, movimentação. O capital de giro é a verba que supre as movimentações financeiras de uma empresa por um curto período. Ao gerenciar o capital de giro de sua empresa, você pode direcionar os recursos para os locais adequados garantindo o pagamento das dívidas e futuros investimentos. Toda empresa possui direitos e obrigações financeiras. Imagem de um fluxograma com a seguinte descrição - Contas do ativo: prédios, veículos, estoques, caixa, contas a receber e juros de aplicações. Contas do passivo: investimentos dos sócios, contas a pagar e empréstimos e Circulante. 34

35 As contas do ativo representam os bens da empresa e os direitos que ela tem a receber dos clientes. As contas do passivo são as obrigações da empresa com os fornecedores, impostos, salários e as contas a pagar, em geral. Estas movimentações possuem um subgrupo chamado Circulante. É exatamente neste ponto que você deve focalizar para calcular o capital de giro. Ativo circulante: dinheiro em caixa e em bancos, estoques, contas a receber e juros de aplicações financeiras Circulante, movimentações a curto prazo Passivo Circulante: contas a pagar, impostos, salários e encargos. Para fins de contabilidade, todas as empresas apresentam (mensalmente ou somente no final do exercício) um balanço patrimonial de suas atividades. Nele, as empresas registram os saldos das contas do ativo e do passivo. Organize suas finanças! 35

36 ATIVIDADE 03 Hora de praticar! Aprenda a se organizar. Analise quais itens se referem ao Ativo Circulante e quais se referem ao Passivo Circulante. Fornecedor, Duplicatas a receber, Impostos, Salários e Encargos, Bancos, Caixas, Financiamento bancário, estoques. Ativo circulante Passivo Circulante Não deixe de conferir a sua resposta no gabarito. 36

37 8. CÁLCULO DO CAPITAL Conheça agora a fórmula do capital de giro. Capital de giro é igual ao ativo circulante menos o passivo circulante. O ativo circulante (AC) representa os bens e direitos a receber e o passivo circulante (PC), as dívidas e obrigações a pagar. Portanto, se subtrair o Passivo Circulante do Ativo Circulante, você terá sobra ou falta de capital. O ativo circulante representa as aplicações da empresa. Já o passivo circulante representa as fontes. Aplicações: Caixa/Bancos Duplicatas a Receber Estoques Fontes: Fornecedor Salários e encargos Impostos Financiamento bancário 37

38 As partes se complementam. Se mal administradas, podem gerar um saldo negativo e a necessidade de capital de giro. As fontes de recursos são aplicadas no ativo em bens e direitos. Conheça alguns exemplos para que você entenda mais claramente como funciona essa dinâmica. Imagem de uma fornecedora segurando uma caixa no estoque Fornecedor é uma conta a pagar a prazo que financia os estoques que já estão na empresa. Imagem de uma colaboradora trabalhando na máquina de costura 38

39 Os colaboradores realizam a produção, o que significa que eles geram resultados para a empresa. Sendo assim, os salários a pagar no início do próximo mês financiam o caixa/banco ou os devidos valores a receber. Imagem de uma caneta e uma calculadora sobre uma planilha Impostos que são pagos no mês seguinte às vendas se encontram no caixa/banco ou em duplicatas a receber. Financiamento bancário gera recurso no caixa/banco para investimento em bens que podem ser máquinas e equipamentos ou reposição de estoque. A semana da Sol Fit está sendo movimentada. Conheça os registros do dia 3 de outubro. A Sol Fit está no início do mês e, como bons empreendedores, os diretores da empresa honram os seus compromissos: Pagar os fornecedores R$1.000,00, o imposto do Simples Nacional R$1.200,00 e os salários dos colaboradores R$3.500,00. 39

40 As vendas à vista renderam R$400,00. O pagamento do pedágio na ponte foi de R$30,00. ATIVIDADE 04 Hora de testar seus conhecimentos! Imagem de uma caneta próxima a contas impressas de uma calculadora Calcule o capital de giro da Sol Fit a partir dos dados que serão informados a seguir. Fique atento ao passo a passo! Primeiro passo - Some o ativo circulante Caixa/banco: R$3.500,00 Duplicatas a Receber: R$7.000,00 Estoque: R$15.000,00 A soma destes três itens é igual a R$25.500,00 40

41 Segundo passo - Some o passivo circulante Fornecedores: R$4.000,00 Impostos a pagar: R$3.000,00 Empréstimo a pagar: R$1.500,00 Salários a pagar: R$5.000,00 Pró-Labore: R$2.500,00 Outras contas a pagar: R$2.500,00 A soma de todos estes seis itens é igual a R$18.500,00. Terceiro passo - Aplique a fórmula Ativo circulante - Passivo circulante = Capital de giro R$25.500,00 - R$18.500,00 = R$7.000,00 Quarto passo - Analise os resultados Sobre os cálculos que acabou de visualizar qual das afirmativas a seguir você diria que está correta. AC (R$25.500,00) PC (R$18.500,00) = CG (R$ 7.000,00) A) O ativo circulante é menor que o passivo circulante, mostrando que nem todas as obrigações serão pagas. Portanto, a empresa necessita de capital de giro nesse período, pois apresenta um saldo negativo. B) O ativo circulante é maior que o passivo circulante. Portanto, a empresa tem capital de giro positivo, ou seja, paga todas as suas obrigações e ainda sobram recursos. Não deixe de ir ao gabarito para conferir a resposta correta. 41

Apuração do lucro líquido no comércio Edição de bolso

Apuração do lucro líquido no comércio Edição de bolso 01 Apuração do lucro líquido no comércio Edição de bolso A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE-SP nas seguintes áreas: Organização Empresarial Finanças

Leia mais

Controles financeiros Edição de bolso

Controles financeiros Edição de bolso 03 Controles financeiros Edição de bolso A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE-SP nas seguintes áreas: Organização Empresarial Finanças Marketing

Leia mais

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO 04 APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE nas mais diversas áreas: organização empresarial, finanças, marketing,

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...4 2. DESAFIOS DA LIDERANÇA...10 3.TIPOS DE EQUIPES...25 4. A IMPORTÂNCIA DE FORTALECER RELAÇÕES EXTERNAS...

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...4 2. DESAFIOS DA LIDERANÇA...10 3.TIPOS DE EQUIPES...25 4. A IMPORTÂNCIA DE FORTALECER RELAÇÕES EXTERNAS... SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...4 2. DESAFIOS DA LIDERANÇA...10 3.TIPOS DE EQUIPES...25 4. A IMPORTÂNCIA DE FORTALECER RELAÇÕES EXTERNAS...29 5. FORTALECENDO RELAÇÕES INTERNAS E EXTERNAS...38 6. ENCERRAMENTO...46

Leia mais

Prezado empreendedor,

Prezado empreendedor, Prezado empreendedor, Caderno do Empreendedor Este é o Caderno do Empreendedor, criado para facilitar o dia-a-dia da sua empresa. Com ele você poderá controlar melhor suas despesas, saber quanto está vendendo

Leia mais

Controle Financeiro. 7 dicas poderosas para um controle financeiro eficaz. Emerson Machado Salvalagio. www.guiadomicroempreendedor.com.

Controle Financeiro. 7 dicas poderosas para um controle financeiro eficaz. Emerson Machado Salvalagio. www.guiadomicroempreendedor.com. Controle Financeiro 7 dicas poderosas para um controle financeiro eficaz Emerson Machado Salvalagio Quando abrimos uma empresa e montamos nosso próprio negócio ou quando nos formalizamos, após algum tempo

Leia mais

CONTROLES FINANCEIROS

CONTROLES FINANCEIROS 40 CONTROLES FINANCEIROS 1 A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE nas mais diversas áreas: organização empresarial, finanças, marketing, produção,

Leia mais

DIGA ADEUS AOS PROBLEMAS FINANCEIROS DE SUA EMPRESA.

DIGA ADEUS AOS PROBLEMAS FINANCEIROS DE SUA EMPRESA. DIGA ADEUS AOS PROBLEMAS FINANCEIROS DE SUA EMPRESA. Ter uma boa gestão financeira em seu negócio garante a saúde de sua empresa e a tranquilidade do empresário. Mantendo dinheiro em caixa, os compromissos

Leia mais

Viabilidade de Negócios. Serviço

Viabilidade de Negócios. Serviço Viabilidade de Negócios Serviço SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ANALISANDO A VIABILIDADE DO NEGÓCIO... 12 3. INVESTIMENTOS FIXOS... 17 4. GASTOS FIXOS MENSAIS... 23 5. CAPITAL DE GIRO INICIAL... 38 6. INVESTIMENTO

Leia mais

O caso da loja de confecção da dona Marieta da Modda

O caso da loja de confecção da dona Marieta da Modda GESTÃO FINANCEIRA Quando temos problemas de saúde procuramos um médico, sendo ele clínico geral ou especialista, conforme o caso. Normalmente, selecionamos um médico bastante conhecido e com boas referências

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

EI, VOCÊ AÍ! Passo a passo para as declarações de renda do MEI - Microempreendedor Individual 2014

EI, VOCÊ AÍ! Passo a passo para as declarações de renda do MEI - Microempreendedor Individual 2014 EI, VOCÊ AÍ! Regularize a situação da sua empresa com as dicas do Sebrae-SP e aproveite todos os benefícios da formalização. Passo a passo para as declarações de renda do MEI - Microempreendedor Individual

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

COMO ADMINISTR OS CUSTOS DE SUA EMPRESA

COMO ADMINISTR OS CUSTOS DE SUA EMPRESA 45 AR COMO ADMINISTR OS CUSTOS DE SUA EMPRESA 1 A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE nas mais diversas áreas: organização empresarial, finanças,

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS 1

INDICADORES FINANCEIROS 1 42 INDICADORES FINANCEIROS 1 A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE nas mais diversas áreas: organização empresarial, finanças, marketing, produção,

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Financeiro

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Financeiro Módulo Financeiro Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre todos os itens do Módulo Financeiro. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no todo ou em partes do material

Leia mais

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO O Sr. Fúlvio Oliveira, empresário de uma loja de confecções, está seriamente preocupado com seu negócio. As dívidas não param de crescer. Vamos entender sua situação.

Leia mais

EI, você aí! Passo a passo para as declarações de renda do Empreendedor Individual

EI, você aí! Passo a passo para as declarações de renda do Empreendedor Individual EI, você aí! Passo a passo para as declarações de renda do Empreendedor Individual SEBRAE-SP Conselho Deliberativo Presidente: Alencar Burti (ACSP) ACSP Associação Comercial de São Paulo ANPEI Associação

Leia mais

Vis o Geral. Edição o de de bolso

Vis o Geral. Edição o de de bolso Atendimento Gestão de Estoques ao Clinte Vis o Geral Edição o de de bolso 01 SEBRAE SP Conselho Deliberativo Presidente Alencar Burti (ACSP) ACSP Associação Comercial de São Paulo ANPEI Associação Nacional

Leia mais

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul Educação financeira. Esta é a palavra-chave para qualquer

Leia mais

Guia. Empreendedor FLUXO DE CAIXA/ CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA

Guia. Empreendedor FLUXO DE CAIXA/ CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA Guia Empreendedor do FLUXO DE CAIXA/ CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA INFORMAÇÕES FUNDAMENTAIS Neste fascículo, você vai aprender a planejar e controlar as entradas e saídas do caixa de sua empresa num determinado

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

EI, VOCÊ AÍ! Tributos, taxas e contribuições de responsabilidade do MEI - Microempreendedor Individual

EI, VOCÊ AÍ! Tributos, taxas e contribuições de responsabilidade do MEI - Microempreendedor Individual EI, VOCÊ AÍ! Regularize a situação da sua empresa com as dicas do Sebrae-SP e aproveite todos os benefícios da formalização. Tributos, taxas e contribuições de responsabilidade do MEI - Microempreendedor

Leia mais

EI, VOCÊ AÍ! Passo a passo para as declarações de renda do MEI - Microempreendedor Individual 2015

EI, VOCÊ AÍ! Passo a passo para as declarações de renda do MEI - Microempreendedor Individual 2015 EI, VOCÊ AÍ! Regularize a situação da sua empresa com as dicas do Sebrae-SP e aproveite todos os benefícios da formalização. Passo a passo para as declarações de renda do MEI - Microempreendedor Individual

Leia mais

Planejamento Financeiro

Planejamento Financeiro Planejamento Financeiro Geralmente quando um consultor é chamado a socorrer uma empresa, ele encontra, dentre outros, problemas estruturais, organizacionais, de recursos humanos. O problema mais comum

Leia mais

EI, você aí! Conheça os tributos, taxas e contribuições de responsabilidade do Empreendedor Individual

EI, você aí! Conheça os tributos, taxas e contribuições de responsabilidade do Empreendedor Individual EI, você aí! Conheça os tributos, taxas e contribuições de responsabilidade do Empreendedor Individual SEBRAE-SP Conselho Deliberativo Presidente: Alencar Burti (ACSP) ACSP Associação Comercial de São

Leia mais

Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul

Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul O segredo do sucesso da sua empresa é conhecer e entender o que entra e o que sai do caixa durante um dia, um mês ou um ano. 1 Fluxo de caixa: organize

Leia mais

Determinação do Capital de Giro

Determinação do Capital de Giro Determinação do Capital de Giro Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos básicos para determinação e gerenciamento do Capital de Giro da empresa. Classificar e analisar as fontes e aplicações

Leia mais

Viabilidade de Negócios. Indústria

Viabilidade de Negócios. Indústria Viabilidade de Negócios Indústria SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ANALISANDO A VIABILIDADE DO NEGÓCIO... 12 3. INVESTIMENTOS FIXOS... 17 4. GASTOS FIXOS MENSAIS... 23 5. CAPITAL DE GIRO INICIAL... 36 6.

Leia mais

Finanças. Contas a Pagar e a Receber

Finanças. Contas a Pagar e a Receber 2 Dicas de Finanças Finanças Você pode achar que falar de finanças é coisa para grandes empresas. Talvez este assunto nem tenha sido tratado com a devida importância mesmo em sua informalidade. Contudo,

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

08 Capital de giro e fluxo de caixa

08 Capital de giro e fluxo de caixa 08 Capital de giro e fluxo de caixa Qual o capital que sua empresa precisa para funcionar antes de receber o pagamento dos clientes? Como calcular os gastos, as entradas de dinheiro, e as variações de

Leia mais

se o tratamento foi adequado, ficaremos curados e felizes por termos solucionado a doença que estava nos prejudicando. No campo empresarial a

se o tratamento foi adequado, ficaremos curados e felizes por termos solucionado a doença que estava nos prejudicando. No campo empresarial a Gestão Financeira Quando temos problemas de saúde procuramos um médico, sendo ele clínico geral ou especialista, conforme o caso. Normalmente, selecionamos um médico bastante conhecido e com boas referências

Leia mais

PDV: DE OLHO NA RENTABILIDADE

PDV: DE OLHO NA RENTABILIDADE PDV: DE OLHO NA RENTABILIDADE Muitas vezes o desconhecimento sobre políticas de estoque, finanças e parcerias comerciais é a principal explicação das dificuldades que muitas empresas têm em progredir ou

Leia mais

Guia do Franqueado GESTÃO DO NEGÓCIO

Guia do Franqueado GESTÃO DO NEGÓCIO Por que a Contem1g existe? Para colaborar com a felicidade do maior número possível de pessoas. Esta é a nossa missão! 1 Guia do Franqueado GESTÃO DO NEGÓCIO Por que a Contem1g existe? Para colaborar com

Leia mais

Viabilidade de Negócios. Comércio

Viabilidade de Negócios. Comércio Viabilidade de Negócios Comércio SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ANALISANDO A VIABILIDADE DO NEGÓCIO... 12 3. INVESTIMENTOS FIXOS... 17 4. GASTOS FIXOS MENSAIS... 22 5. CAPITAL DE GIRO INICIAL... 35 6. INVESTIMENTO

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

Como conseguir acesso ao crédito junto às instituições financeiras para sua empresa crescer

Como conseguir acesso ao crédito junto às instituições financeiras para sua empresa crescer Como conseguir acesso ao crédito junto às instituições financeiras para sua empresa crescer SEBRAE-SP Conselho Deliberativo Presidente: Alencar Burti (ACSP) ACSP Associação Comercial de São Paulo ANPEI

Leia mais

Guia. Empreendedor GESTÃO FINANCEIRA

Guia. Empreendedor GESTÃO FINANCEIRA Guia Empreendedor do GESTÃO FINANCEIRA NOVES FORA PROBLEMAS Dispor de informações precisas e atualizadas é fundamental para uma correta tomada de decisões. Especialmente quando a questão envolve a área

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA. Versão 6.07

MANUAL DO SISTEMA. Versão 6.07 MANUAL DO SISTEMA Versão 6.07 Movimentações... 4 Movimentações de Caixa... 4 Entradas... 6 Recebimento em Dinheiro... 8 Recebimento em Cheque... 8 Troco... 15 Saídas... 17 Movimentações de Banco... 22

Leia mais

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS 1 2 sem/11 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alcides T. Lanzana 2 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Introdução Valuation Métodos de atribuição de valor à empresa 3 USOS DO VALUATION Compra e Venda Fusões e Incorporações

Leia mais

Fluxo de Caixa O dia-a-dia das finanças em sua empresa!

Fluxo de Caixa O dia-a-dia das finanças em sua empresa! Fluxo de Caixa O dia-a-dia das finanças em sua empresa! É muito frequente, no ambiente do SEBRAE-SP, o empresário chegar com muitas dúvidas sobre as finanças da sua empresa. E finanças, como sabemos, é

Leia mais

Gerenciando o Fluxo de Caixa com Eficiência

Gerenciando o Fluxo de Caixa com Eficiência Gerenciando o Fluxo de Caixa com Eficiência 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Custo financeiro alto CENÁRIO ATUAL Concorrência cada vez mais competitiva Consumidores que exigem maiores

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas?

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas? 22 capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO A Contabilidade é o instrumento que as empresas usam para controlar suas finanças e operações. E os demonstrativos contábeis balanço patrimonial e demonstração

Leia mais

5 dicas para fazer o planejamento de vendas da sua empresa

5 dicas para fazer o planejamento de vendas da sua empresa Publicação gratuita. Não pode ser vendida. Planejamento 01 5 dicas para fazer o planejamento de vendas da sua empresa Sebrae-SP Conselho Deliberativo Presidente: Alencar Burti (ACSP) ACSP Associação Comercial

Leia mais

Controles Financeiros - Básico-

Controles Financeiros - Básico- Controles Financeiros - Básico- Introdução Este material irá tratar de controles financeiros que sua empresa deve manter a fim de organizar todo o fluxo de informações que servirão de base para os relatórios.

Leia mais

Manual do Módulo Financeiro do Klavix

Manual do Módulo Financeiro do Klavix Introdução O Klavix Enterprise é primariamente um sistema contábil. Ao contrário de sistemas que controlam vendas e produtos e geram contabilidade, o Klavix usa a contabilidade como ferramenta de controle,

Leia mais

O que é Fluxo de Caixa?

O que é Fluxo de Caixa? O que é Fluxo de Caixa? O Fluxo de Caixa é um relatório gerencial que informa toda a movimentação de dinheiro (entradas e saídas), sempre considerando um período determinado, que pode ser um dia, uma semana

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA January, 99 1 CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Paulo César Leite de Carvalho 1. INTRODUÇÃO A administração financeira está estritamente ligada à Economia e Contabilidade, e pode ser vista

Leia mais

CUSTOS NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CUSTOS NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS 1 CUSTOS NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Temos observado que é muito comum encontrar empresários do segmento da prestação de serviços que apresentam dificuldades na Gestão dos Custos em suas empresas. Essas dificuldades

Leia mais

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Montando o fluxo de caixa pelo método indireto Situações especiais na montagem do fluxo de caixa Caso prático completo Como utilizar os quadros

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO MASTER VENDAS

MANUAL DE UTILIZAÇÃO MASTER VENDAS MANUAL DE UTILIZAÇÃO MASTER VENDAS 1. CONCEITO Master Vendas não é somente um sistema, e sim, um novo conceito de gestão para sua empresa. Foi desenvolvido por profissionais de informática juntamente com

Leia mais

versão 1.0 A Fórmula de 4 Passos Para Aumentar a Sua Produção e Receita

versão 1.0 A Fórmula de 4 Passos Para Aumentar a Sua Produção e Receita versão 1.0 A Fórmula de 4 Passos Para Aumentar a Sua Produção e Receita Sumário 1º Passo - Automatize Suas Atividades de Gestão... 5 Empresa do Grupo... 5 Banco... 5 Agência... 5 Conta Corrente... 5 Cliente...

Leia mais

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos 5 Plano Financeiro Investimento total Nessa etapa, você irá determinar o total de recursos a ser investido para que a empresa comece a funcionar. O investimento total é formado pelos: investimentos fixos;

Leia mais

Organizando e administrando o negócio

Organizando e administrando o negócio NEGÓCIO CERTO COMO CRIAR E ADMINISTRAR BEM SUA EMPRESA Organizando e administrando o negócio Manual Etapa 4/Parte 1 Boas vindas! Olá, caro empreendedor! É um prazer estar com você nesta etapa de sua viagem

Leia mais

Programa de Auto-Atendimento. Manual Etapa 4. Organizando e Administrando o Negócio

Programa de Auto-Atendimento. Manual Etapa 4. Organizando e Administrando o Negócio Programa de Auto-Atendimento Manual Etapa 4 Organizando e Administrando o Negócio Etapa 0 Acesso ao Programa. Etapa 1 Gerando Idéias de Negócio. Etapa 2 Verificando a Viabilidade do Negócio. Etapa 3 Formalizando

Leia mais

Seu cadastro na empresa! Para quem é esta oportunidade? O grande negócio! Administração Financeira Diretora Executiva Beth Filippelle Administração Financeira Você sabia? O mercado

Leia mais

Microempreendedor Individual: administração e vendas

Microempreendedor Individual: administração e vendas Publicação gratuita. Não pode ser vendida. Super dicas para o MEI Microempreendedor Individual: administração e vendas Sebrae-SP Conselho Deliberativo Presidente: Paulo Skaf (FIESP) ACSP - Associação Comercial

Leia mais

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade II CONTABILIDADE

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade II CONTABILIDADE Profa. Ma. Divane A. Silva Unidade II CONTABILIDADE Contabilidade A disciplina está dividida em quatro unidades. Unidade I 1. Contabilidade Unidade II 2. Balanços sucessivos com operações que envolvem

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

cartilha educação financeira

cartilha educação financeira cartilha educação financeira cartilha educação financeira A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FINANCEIRA A educação financeira é decisiva para o bem-estar presente e futuro das famílias, contudo, ela nem sempre

Leia mais

INDICE 1. CADASTRO DE CATEGORIAS...5 2. CADASTRO DE BANCO... 3. CONTAS A RECEBER... 3.1. LANÇAMENTO AUTOMÁTICO DE CONTAS A RECEBER...

INDICE 1. CADASTRO DE CATEGORIAS...5 2. CADASTRO DE BANCO... 3. CONTAS A RECEBER... 3.1. LANÇAMENTO AUTOMÁTICO DE CONTAS A RECEBER... 1 2 INDICE 1. CADASTRO DE CATEGORIAS...5 2. CADASTRO DE BANCO......6 3. CONTAS A RECEBER......6 3.1. LANÇAMENTO AUTOMÁTICO DE CONTAS A RECEBER...6 3.2. LANÇAMENTO MANUAL DE CONTAS A RECEBER...7 3.3. GERAÇÃO

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

04 Os números da empresa

04 Os números da empresa 04 Os números da empresa Além de conhecer o mercado e situar-se nele, o empreendedor tem de saber com clareza o que ocorre com os números de sua empresa. Neste capítulo conheça os principais conceitos,

Leia mais

Boletim de Serviços Financeiros

Boletim de Serviços Financeiros PRODUTOS DE INFORMAÇ ÃO E INTELIGÊNCIA D E MERC ADOS Boletim de Serviços Financeiros BOLETIM DO SERVIÇO B RASILEIRO DE APOIO À S MICRO E PEQUENAS E MPRESAS WWW.SEBRAE.COM.BR 0800 570 0800 PERÍODO: NOVEMBRO/2014

Leia mais

CUSTOS NO COMÉRCIO. Só de lembrar disso tudo, quase que o Sr. João teve um ataque. Respirou fundo e disse:

CUSTOS NO COMÉRCIO. Só de lembrar disso tudo, quase que o Sr. João teve um ataque. Respirou fundo e disse: 1 CUSTOS NO COMÉRCIO O Sr. João da Lojinha, um comerciante muito experiente, tem uma pequena loja de diversos artigos, localizada no centro comercial da sua cidade. Dia desses, preocupou-se com a situação

Leia mais

1 Administração de caixa

1 Administração de caixa 3 Administração Financeira Edison Kuster Nilson Danny Nogacz O que é realmente importante saber para uma boa administração financeira? Esta pergunta é comum entre os empresários, em especial aos pequenos

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO GONDOLA

MANUAL DO USUÁRIO GONDOLA NOÇÕES GERAIS MANUAL DO USUÁRIO GONDOLA Para melhor compreender o ambiente de trabalho do sistema GONDOLA, é necessário que sejam apresentadas algumas noções gerais, antes de se aprofundar em cada módulo

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0401 01 IDENTIFICAÇÃO Título: CONTABILIDADE E EFICIÊNCIA NA ADMINISTRAÇÃO DO NEGÓCIO Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: ACOMPANHAMENTO CONTÁBIL O QUE É : Este é

Leia mais

unioeste Universidade Estadual do Oeste do Paraná

unioeste Universidade Estadual do Oeste do Paraná unioeste Universidade Estadual do Oeste do Paraná Associação de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte do Oeste do Paraná Como Elaborar Controles Financeiros Apoio: A importância dos controles financeiros

Leia mais

Aula 1 Conteúdo Programático

Aula 1 Conteúdo Programático Planejamento Financeiro Aula Conteúdo Programático Profa. Claudia Abramczuk Aula : controles financeiros básicos Aula 2: principais demonstrativos financeiros Aula 3: ferramentas utilizadas para tomada

Leia mais

ESTUDO DE CASO MULTIGRAF LTDA (Controles Financeiros)

ESTUDO DE CASO MULTIGRAF LTDA (Controles Financeiros) UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

Planejamento Financeiro Pessoal

Planejamento Financeiro Pessoal Administração Profa Ms. Elaine Silvia Pasquini Planejamento Financeiro Pessoal e Empresarial Planejamento Financeiro Pessoal Inúmeras pesquisas revelam que profissionais desorganizados financeiramente

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

www.icert.com.br / www.gestortotal.com.br

www.icert.com.br / www.gestortotal.com.br Empreendedorismo Pequeno empreendedor: Saiba como começar sua empresa 1. Como financiar um negócio 2. O MEI Microempreendedor Individual 3. Benefícios em formalizar sua empresa 4. Local para se formalizar

Leia mais

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações Contabilidade: é objetivamente um sistema de informação e avaliação, destinado a prover seus usuários com demonstrações e análise de natureza econômica financeira. tratar as informações de natureza repetitiva

Leia mais

O BANCO DO DESENVOLVIMENTO PROVA DISCURSIVA PROFISSIONAL BÁSICO - CIÊNCIAS CONTÁBEIS LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

O BANCO DO DESENVOLVIMENTO PROVA DISCURSIVA PROFISSIONAL BÁSICO - CIÊNCIAS CONTÁBEIS LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 04 NOVEMBRO / 2009 O BANCO DO DESENVOLVIMENTO PROVA DISCURSIVA PROFISSIONAL BÁSICO - CIÊNCIAS CONTÁBEIS (2 a FASE) LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material:

Leia mais

Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações:

Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações: Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações: 1) Antecipação do pagamento de uma duplicata de $ 140.000 a um de seus fornecedores, com 2% de desconto. i 2) Efetuou os seguintes

Leia mais

www.editoraatlas.com.br

www.editoraatlas.com.br www.editoraatlas.com.br 6278curva.indd 1 04/04/2011 11:11:12 Equipe de Professores da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP Contabilidade Introdutória Manual do Professor Coordenação

Leia mais

Notas Explicativas das Demonstrações Financeiras

Notas Explicativas das Demonstrações Financeiras Notas Explicativas das Demonstrações Financeiras No ano de 2012 o Londrina Country Club atualizou o plano de contas de sua demonstração de resultado. O objetivo é atualizar a nomenclatura das contas permitindo

Leia mais

ANEFAC Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração e Contabilidade

ANEFAC Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração e Contabilidade PESQUISA DE UTILIZAÇÃO DO 13º SALÁRIO A Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração (ANEFAC) realizou durante o mês de outubro de a 15ª edição da Pesquisa de Utilização do 13º salário.

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

Contabilidade Básica Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br Conceito Conta Nome dado aos componentes patrimoniais (bens, direitos, obrigações e Patrimônio Líquido) e aos elementos de resultado

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 5 Balanço Patrimonial

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 5 Balanço Patrimonial 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Balanço Patrimonial Tópicos do Estudo Introdução Representação gráfica. Ativo. Passivo. Patrimônio Líquido. Outros acréscimos ao Patrimônio Líquido (PL) As obrigações

Leia mais

Seu maior bem é o seu nome. Cuide dele.

Seu maior bem é o seu nome. Cuide dele. Seu maior bem é o seu nome. Cuide dele. Saiba como limpar o nome. E mantê-lo limpo. Todos sabemos como é precioso o nosso nome e que dificuldades aparecem para todo mundo. Em muitos momentos da vida nos

Leia mais

Centro de Ciências Empresariais e Sociais Aplicadas CCESA. Bacharelado em Ciências Contábeis CONTABILIDADE GERAL. Profª. Cristiane Yoshimura

Centro de Ciências Empresariais e Sociais Aplicadas CCESA. Bacharelado em Ciências Contábeis CONTABILIDADE GERAL. Profª. Cristiane Yoshimura Centro de Ciências Empresariais e Sociais Aplicadas CCESA Bacharelado em Ciências Contábeis CONTABILIDADE GERAL Profª. Cristiane Yoshimura 2013 CONTABILIZAÇÃO DAS CONTAS PATRIMONIAIS DÉBITO E CRÉDITO RAZONETE

Leia mais

Fluxo de Caixa método direto e indireto

Fluxo de Caixa método direto e indireto Fluxo de Caixa método direto e indireto A empresa Claudio Zorzo S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000 Capital Social

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO Flávio Augusto da Silva Dias flavinhokaf@hotmail.com Julio Cesar Sgarbi Julio.uru@hotmail.com RESUMO Com a busca de melhores resultados e maximização dos lucros

Leia mais

GUIA RÁPIDO: FLUXO DE CAIXA. Conheça os 5 passos fundamentais para você controlar e planejar as suas finanças de forma rápida e confiável

GUIA RÁPIDO: FLUXO DE CAIXA. Conheça os 5 passos fundamentais para você controlar e planejar as suas finanças de forma rápida e confiável GUIA RÁPIDO: FLUXO DE CAIXA Conheça os 5 passos fundamentais para você controlar e planejar as suas finanças de forma rápida e confiável SUMÁRIO 1. Sobre o Guia Rápido 03 2. Passo 1 - Plano de Contas 04

Leia mais