As Mamães do Mercado Santa Rita

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "As Mamães do Mercado Santa Rita"

Transcrição

1 As Mamães do Mercado Santa Rita Jeuda 102 Experiência positiva resultado de um sistema de poupança-crédito realizado pelas vendedoras do Mercado de Santa Rita em Cotonou (BÉNIN) 1

2 * Preâmbulo * Da alfabetização... à poupança - crédito - formação * As 12 pioneiras do mercado - Realização do sistema de crédito * Condições de atribuição de um crédito * Reembolso - Interesses (Juros) * Controlo - Poupança - Parte social - Onde guardaremos o nosso dinheiro? * Como satisfazer todas os pedidos do crédito? - Qual acompanhamento? * 32 Lições retidas pelos participantes na sessão * Anexos As opiniões exprimidas nesta série engaja somente os seus actores e não reflecte necessariamente aos organismos concernentes por esta publicação. Livre reprodução para uso pedagógico e científico com indicação clara da fonte e do endereço, assim como o envio de cópias à Enda. A tiragem deste número beneficiou do apoio de CARITAS DEUTSCHLAND e BMZ para a sua produção e sua realização técnica. 2

3 P R E Â M B U L O De 5 à 16 de Maio de 1997, uma sessão de Formação/Coordenação das crianças e jovens trabalhadoras como dos responsáveis das estruturas de apoio no seio do Programa Comum Regional realizou-se em Cotonou. Dois representantes das Mães do Mercado Santa Rita foram convidadas à dividir sua experiência em matéria de crédito e de gestão. O texto que se segue é uma descrição de uma intervenção registrada na altura desta sessão. Os últimos capítulos intitulados Qual acompanhamento? e 32 lições retidas para os participantes na sessão constituem os sistemas de debates entre os participantes à esta reunião. 3

4 O processo de apoio e acompanhamento desta experiência em matéria de Crédito e de Gestão foi levado à cabo pelo projecto Crianças em situação difícil (C.S.D) do Arcebispo de cotonou desde (...) Quando quotizas, sabes que sofrestes antes de dar o dinheiro. Se te derem dinheiro, não saberás o que fazer com o mesmo : pois, é preciso quotizar 4

5 A) DA ALFABETIZAÇÃO... À POUPANÇA/CRÉDITO Em 1993, uma animadora sensibilizou-nos para realizarmos um programa educacional alternativo no mercado. Nós, mulheres do mercado St. Rita preferimos a Poupança/Crédito envés das aulas de alfabetização, pois a nossa preocupação não era tão de sermos alfabetizados mas sim de nos ajudar à resolver o nossos problemas económicos. B) FORMAÇÃO Com a animadora e uma pessoa capacitada a mesma diplomada da ENA (Escola Nacional de Administração), pensamos melhor e discutimos em Língua Nacional sobre a realização de um sistema de crédito. A animadora segui uma formação em poupança/crédito com colegas de um grupo feminino rural e propôs-nos de formar um grupo sem esperar pelo financiamento do exterior. Recebemos uma formação de mais ou menos cercadas 2 semanas dada por esta animadora para saber como gerir o nosso dinheiro, utilizar os cartões, os registros, as fichas, calcular os interesses etc... C) AS 12 PIONEIRAS DO MERCADO No mercado, somos 12 mulheres a fazermo-nos perguntas : Vendemos no mercado, mais o porquê das nossas bancadas estarem pouco fornecidas?. Concertamo-nos para encontrarmos uma solução. Decidimos quotizar todas as tardes 200 Fcfa (ou seja ¼ de USD) por pessoa durante o mês. Hoje, no meio destas 12 mulheres há uma Presidente, a Tesoureira, a Gerente, o Comité de Crédito e os Fiscais. O Comité de Direcção muda todos os três anos. Após 16 meses de trabalho, obtivemos um doação de Fcfa (ou seja 850 USD) do Serviço Diocesano do Desenvolvimento e de Acção Caritativa (SDDAC) de Cotonou. D) IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITO Dissemos que poderíamos repartir estas somas por quatro pessoas para que as bancadas estejam um pouco melhor fornecidas. Foi o que fizemos. Ao fim de todas as tardes, levantávamos 200 Fcfa (ou seja ¼ de USD) por cada, o que rendeu-nos muito. Cada uma de nós obteve mais ou menos Fcfa ( ou seja quase 10 USD). Todos os fim de tarde por volta das 15 horas, todas nós quotizávamos 200 Fcaf (ou seja ¼ USD). Recebemos dinheiro para compra de mercadorias para as nossas bancadas. As outras 5

6 vendedoras no mercado começaram à questionar-se o porquê do nosso enriquecimento e das nossas bancadas estarem sempre mais recheadas do que as delas?. Começamos a quotizar 200 Fcfa (ou seja ¼ USD). Baseamo-nos no princípio de que se uma mulher quisesse 200 Fcfa (ou seja ¼ USD) daria 200 Fcfa (ou seja ¼ USD) e assim sucessivamente para quem quisesse 300 Fcfa (1/2 USD) daria 300 Fcfa (ou seja ½ USD). Tratamos de fazer cartões e carimbos para o efeito. Quando uma mulher dá hoje 200 Fcfa (ou seja ¼ USD), assinala-se a data do dia da entrega neste caso hoje e carimba-se o cartão. Em três meses, atingimos sessenta mulheres do mercado, depois o número foi aumentando até 100 em Por uma quotização de 500 Fcfa/dia (ou seja quase 1 USD), uma mulher obtêm um crédito de Fcfa ( ou seja quase 100 USD). Por um crédito de 300 Fcfa (ou seja ½ USD), o crédito é de Fcfa (ou seja 50 USD), por 200 Fcfa (ou seja ¼ USD) o crédito é de Fcfa (ou seja mais ou menos 30 USD). Hoje em dia o máximo do crédito acordado é de Fcfa (ou seja quase 100 USD). O dinheiro é confiado à uma Tesoureira todos os fim de tardes. Abrimos uma conta na Caixa Local do banco de Crédito Agrícola e Mútua (CLCAM). Todas as semanas, ai depositamos as somas recolhidas. Muita gente pergunta-nos o porquê do nosso não levantamento de crédito na CLCAM. As respondemos que temos algo parecido como o CLCAM no nosso mercado e as melhores mulheres do mercado o aderem. E) CONDIÇÕES DE ATRIBUIÇÃO DE UM CRÉDITO Só o Comité de Direcção e o Comité de crédito são habilitados ao acordo de um crédito. A Presidente e a Tesoureira não podem intervir. Para poder aceder ao crédito, as mulheres devem obrigatoriamente ser casadas, vendedoras do mercado St. Rita e comprar um cartão de membro à 300 Fcfa (ou seja ½ USD). Além disso, não devem contrair dividas ao acaso. As jovens não podem beneficiar do crédito pois elas podem fazer mau uso do mesmo. Antes que uma mulher peça um crédito, ela deve conhecer os estatutos, depois vai ter com a Presidente que por sua vez à põem em contacto com o Comité de Crédito. Antes de outorgarem um crédito, este Comité submete-lhe à um inquérito. Durante um mês, ela é posta à prova para saber se ela é capaz de dar a sua parte da quotização diária rapidamente -100 ou 200 Fcfa - (ou seja 1/6 ou ¼ USD), a colecta do dinheiro faz-se todos fim de tardes. Se durante este mês, esta mulher nos disser um dia que ela não pode pagar o crédito por não ter nada vendido então não a oferecemos o crédito pois pensamos que ela não poderá continuar. Só damos um crédito às mulheres que quotizam regularmente. Antes de obter um crédito, prevenimos a mulher que o reembolso é obrigatório e que o seu marido suportará as despesas no caso em que ela não chegue à reembolsar. Neste caso, remetemos uma ficha à esta mulher que ela deve preencher com o seu marido. Ele deverá obrigatoriamente pagar se a sua mulher não poder. Os homens não são admitidos pois sabe-se que por seus afazeres exigiriam grandes quantias de créditos ( Fcfa por exemplo ou seja 1650 USD) para investir algures, ao passo 6

7 que nós mulheres, nos contentámos com ou Fcfa (ou seja 100 à 200 USD) que investimos no mercado. Conhecemos todas as mulheres no mercado, razão pela qual só damos crédito as mulheres que vendem no mercado e não algures. Uma mulher que tenha tido um crédito connosco e que, depois tenha problemas, não pode reembolsar (ex : luto, etc...). Não ajudaremos com o dinheiro da Caixa mais quotizamos entre nós para ajudá-la. Uma mulher não pode ter um segundo crédito enquanto ela ainda não tenha acabado de reembolsar o primeiro (juros incluindo). F) O REEMBOLSO O reembolso faseado sobre 4 meses é diário, á razão de 200 Fcfa (ou seja ¼ USD) por um crédito de Fcfa (ou seja mais ou menos 30 USD). Começa no dia da entrega ou obtenção do mesmo ou no dia seguinte. Este prazo pode ser reposto até 6 meses. Também está previsto uma tolerância de um mês, pois dissemos que quando uma mulher obtêm um crédito, é preciso que ela compre antes a mercadoria que ela vai vender Antes de começar reembolso. Mais a maioria delas preferem continuar a quotizar porque elas pensam que quanto mais rápido reembolsarem, mas ela terão a possibilidade de obter um novo crédito. As mulheres que não reembolsam no prazo determinado não terão mais direito ao crédito. Hoje somos numerosas. Muitas mulheres querem unir-se à nos, infelizmente já não é possível pois num mês, temos muitos pedidos e pouco dinheiro em caixa. G) INTERESSES (Juros) Os Interesses são adicionados as somas emprestadas : Fcfa ( ou seja mais ou menos 30 USD) produzem um interesse de Fcfa (ou seja 2 USD); Fcfa (ou seja quase 100 USD) produzem um interesse de Fcfa (ou seja 5 USD). Durante os quatro meses, mais uma tolerância de um mês, a divida é restituída. Mesmo no caso onde o reembolso ultrapassa 5 meses, o interesse não aumenta. H) O CONTROLO Os fiscais verificam que o dinheiro é bem empregue á fins comerciais pois as mulheres não devem ser abandonadas entre elas. Temos também algumas mulheres que jogam o papel de policia e que nos controlam. Elas vêm sem nos prevenir para verem como trabalhamos. Elas também controlam os cadernos de gestão. 7

8 I) A POUPANÇA Uma mulher que queira retirar a sua poupança ou uma parte dela, a recupera rapidamente sem cumprir muitas formalidades porque é o seu dinheiro. É suficiente que ela advirta a gerente e no mesmo dia ela deverá ser atendida. No caso em que não haja dinheiro suficiente na caixa que se encontra no mercado para a sua satisfação, a gerente vai a CLCAM para retirar uma quantia sobre a soma ai depositada. J) A PARTE SOCIAL A parte social é como uma acção nas grandes empresas. O número de partes sociais representa o número de acções que temos no grupo. Como uma parte do beneficio será dividida entre os membros do grupo à um dado momento, a repartição se fará tendo em conta o número de partes que temos. Uma parte social custa Fcfa (ou seja mais ou menos 3 USD). No momento, não podemos determinar o interesse equivalente à uma parte social. K) ONDE GUARDARMOS O NOSSO DINHEIRO? Hoje (Maio de 1997), temos Fcfa (ou seja USD) na nossa conta. Não deixámos o nosso dinheiro em casa, nem com a nossa tesoureira (ela poderia nos dizer que perdeu a chaves, que precisou do mesmo etc...). Podemos deixar alguma quantia na caixa, mas o essencial do dinheiro é depositado na CLCAM. L) COMO SATISFAZER TODOS PEDIDOS DO CRÉDITO? Temos muitos pedidos de crédito mas não podemos satisfazer todos pois não temos tanto dinheiro em caixa. Também, caso haja uma certa quantia na caixa nós privilegiamos : - À ordem de chegada do pedido; - À que melhor quotiza; - À quem participa as reuniões; - Às que não causam problemas quando têm um crédito; - Às têm uma ma boa conduta no grupo. M) QUAL É O ACOMPANHAMENTO Durante 6 meses, a animadora organizou várias sessões e discussões utilizando o material de animação do GRAAP. A sua intenção era de alfabetizar as mães ; mais foi em vão pois ela tinham como preocupações a resolução dos seus problemas económicos. A animadora então sugeriu-as de reflectirem no que se podia fazer. Fabrizio Terenzio (Coordenador Enda TM Juventude Acção) de passagem em Cotonou em 1994, dividiu a experiência das esmagadoras (pizadoras) de Dakar. Proposta das mulheres : Crédito. A animadora segui uma formação em poupança - crédito ao lado das suas colegas de um grupo feminino rural. De seguida, ela sugeriu de se formar um grupo sem esperar por um financiamento exterior. 8

9 Discussão da animadora com as suas colegas; envio de uma pessoa capacitada a mesma diplomada da ENA ; discussão em Língua local com as mulheres. Inicio de quotizações : a animadora era responsável da caixa e ocupava-se das coberturas. Formação do Comité de Direcção pela mulheres. A animadora deixou a sua função de responsável de caixa ao Comité mas voltaria em casos problemáticos. Após um ano, ajuda na redacção de um projecto. A animadora deslocou-se com os responsáveis do grupo ao SDDAC (Serviço Diocesano do Desenvolvimento e Acção Caritativa). Defesa da animadora à favor do grupo das mães ao lado do SDDAC. Financiamento pontual de Fcfa (ou seja 850 USD) doados pelo SDDAC. No mesmo ano abertura de uma conta. Utensílios contabilisticos implementados : recomendação da animadora sobre as questões ligadas a organização e a gestão caso haja problemas. Alguma discussões sobre : educação sócio-sanitária, protecção jurídica,... A animadora consagra-se de hoje em diante no acompanhamento das pequenas meninas trabalhadoras do mercado. Ela não tem, mais função na Poupança-Crédito, mas fica disponível ao lado das mães. 9

10 N) 32 LIÇÕES RETIDAS PELOS PARTICIPANTES NA SESSÃO Uma boa compreensão e uma boa organização. O reembolso é obrigatório. Damos crédito as mulheres que estão no mesmo mercado. A decisão de acordo do crédito é tomada pelo Comité de Crédito. A parte social dá direito ao poder de decisão. Uma boa formação é necessário. Se sofres para ter dinheiro, então saberás como o empregar. A poupança não dá automaticamente direito à um empréstimo. Falar educadamente para lhe ser feito o reembolso, se gritas, perdes. O crédito é cedido a alguém que exerce bem as suas funções. O crédito é cedido a alguém que não tenha dividas algures. A caixa é controlada por fiscais que não avisam quando vêm. Posta à prova : poupança diária durante um mês. A confiança não exclui as garantias. Antes de pedir um crédito, é preciso conhecer bem os estatutos. Para ajudar alguém, não utilizamos o dinheiro da poupança da caixa mas sim quotizamos. Após cada reunião, o Comité de Direcção quotiza 25 Fcfa (ou seja menos de ½ USD) por cada membro e a assembleia geral recebe 10 Fcfa ( ou seja quase nada) por membro para os gastos. Após a desvalorização do Franco cfa (em 1994), as mulheres que trabalham têm mais chances em relação às que nada fazem. Quando damos um crédito, vemos que o dinheiro está sendo bem utilizado para actividades no mercado e não por outras coisas sem sentido. Não damos créditos as meninas, nem aos Homens. Não se pode investir num domínio que não se conhece. A nossa experiência foi levada por outros mercados. A nossa experiência funciona desde quatro (4) anos agora ( ). O crédito mínimo acordado é de Fcfa (ou seja mais de 3 USD), o máximo é de Fcfa (ou seja quase 100 USD). O interesse mínimo é de 24%, o máximo é de 36%. O reembolso de um empréstimo faz-se no mínimo sobre quatro (4) meses e o máximo é de seis (6) meses. No inicio, foi difícil mobilizar o dinheiro. No inicio, tínhamos um sistema de gestão com cartões como as kixikilas, um ano depois utilizamos utensílios contabilisticos modernos. Recebemos uma doação de Fcfa (ou seja 850 USD) após 16 meses de trabalho. Se te dão algo sem dificuldade, porquê querer pagar. No inicio em 1993, éramos doze (12) membros, hoje somos cem (100). Não podemos ter mais novos membros. Um pedido de reconhecimento oficial está em curso. 10

11 O) ANEXOS Para uma boa gestão do sistema de Poupança/Crédito, o acompanhamento da poupança, dos empréstimos e dos reembolsos faz-se utilizando fichas e seus livretes A : Ficha de pedido de crédito B : Contrato de crédito C : Ficha individual de poupança (verso) D : Ficha individual de crédito (recto) E : Livrete de poupança F : Livrete de reembolso G : Ficha do reembolso real do crédito H : Ficha dos empréstimo e dos reembolsos 11

12 A : Ficha de pedido de crédito Ficha de pedido de crédito Nº A/ Identificação : 1) Beneficiário : Nome : Domicilio : Aldeia ou Bairro : Actividade : 2) Um Garante : 1º : Nome, Domicilio : Aldeia ou Bairro : 2º : Nome e Domicilio : Aldeia ou Bairro : B/ Crédito : 1) Montante do crédito solicitado : 2) Montante da poupança disponível : 3) Actividades à realizar com o crédito : C/ Reembolso : 1) Prazo do reembolso : 2) Periodicidade do reembolso : D/ Diversos : 1) Créditos já obtidos : Número Montante total 2) Crédito já obtido : Montante Data do fim do reembolso 3) Data da solicitação : Assinatura do solicitante 4) Assinatura do 1º Garante : 2º Garante: E/ A Gerente : Apreciação do Gerente sobre os reembolsos anteriores do solicitante : F/ Comité de crédito : 1) Decisão do Comité: 2) Montante do crédito acordado : 3) Data : Assinatura de um membro do Comité : 12

13 B : Contrato de crédito Contrato de Crédito Nº Entre : O Grupo de Poupança de Crédito Representado por : Sr./Sr.ª : Qualidade : e Sr./Sr.ª : Denominada beneficiário, Foi concordado o que se segue : Artigo 1º : Após a solicitação do crédito nº datado em e de seguida a decisão do Comité do crédito datado em um crédito de um montante de : Foi acordado ao Sr./Sr.ª : No dia, Artigo 2º : Este crédito só deve ser utilizado para as actividades descritas sobre a solicitação do mesmo. Em caso de má utilização do crédito, o CA (Conselho de Administração) ou a AG (Assembleia Geral) tomará todas as decisões convenientes contra o beneficiário. Artigo 3º : O crédito será reembolsado seguindo o plano de reembolso junto, aceite e assinado pelo beneficiário. Em caso de não cumprimento notório do mesmo, o CA ou AG tomará todas as medidas necessárias contra o beneficiário. No momento em que o beneficiário é declarado insolúvel, a AG utilizará todas as vozes e meios autorizados para recobrir o montante restante da divida. O beneficiário será de seguida excluído do grupo. Artigo 4º : O montante do crédito, assunto do presente contrato, é desbloqueado desde a assinatura do contrato pelas duas partes. O presente contrato tem como validade desde assinatura e caduca na data do fim do reembolso do crédito. Feito em dois exemplares em aos Assinaturas Pelo Grupo : O beneficiário 13

14 C : Ficha individual de poupança (Verso) Associação AMOR e TRABALHO Nome e Apelido Grupo de poupança e crédito Nº. Sede : C/ 1341 C St. Rita Profissão B.P Tl. Lugar COTONOU R. Bénin Domicilio Data do 1º deposito Montante pedido Ficha individual de poupança E : Livrete de poupança Livrete de Poupança Nome e Apelido : Data e local de Nascimento : Domicilio : Actividade Económica : Data da adesão : Parte Social : Nº Montante Nº do livrete de poupança : Data Movimento Sald o Poupança Saída Ge 14

15 F : Livrete de reembolso Livrete de Reembolso Nome e Apelido : Data e local de Nascimento : Domicilio : Actividade económica : Data de obtenção do Crédito : Montante do Crédito : Data Data Nº de Ordem : Reembolso Saldo Ao Assinatu Novembro curso do saldo ra Assinatura Observação poupança crédito Gerente Solicitant. Capital Juros total G : Ficha de reembolso Reembolso Real do crédito Nome do Beneficiário : Data do crédito : Montante do crédito ( capital e interesse Data Capital Interesse Total Saldo Assi.Gerente Observação 15

NãO Há crédito sem poupança

NãO Há crédito sem poupança NãO Há crédito sem poupança JEUDA 103 ASSOCIAÇÃO ECLA, OUAHIGOUYA - Burkina Faso Agrupamento do Interesse Económico (AIE) Soutoura Os Coxoeurs (cobradores) da Patte de Oie, Dakar - Senegal África realizou-se

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONCHIQUE Preâmbulo Considerando que a participação solidária em acções de voluntariado, definido como conjunto de acções de interesse

Leia mais

EDITAL N.º 42/2010. ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço:

EDITAL N.º 42/2010. ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço: EDITAL N.º 42/2010 ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço: Faz público, nos termos da alínea v), do n.º 1, do art. 68.º da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, com

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE CAMINHA

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE CAMINHA REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE CAMINHA PREÂMBULO O Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, no art. 21, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado

Leia mais

UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union.

UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union. AFRICAN UNION UNION AFRICAINE PRIMEIRO PROJECTO DO CONVITE PARA A APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS SOBRE O TEMA: EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Ao abrigo das Decisões da Conferência da União Africana Assembly/AU/Dec.277(XVI)

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS PREÂMBULO Na sequência da transposição para o ordenamento jurídico nacional da Directiva n.º 2006/43/CE, do Parlamento Europeu e do

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA CA DESTINO

REGULAMENTO DO PROGRAMA CA DESTINO REGULAMENTO DO PROGRAMA CA DESTINO A Caixa Central Caixa Central de Crédito Agrícola Mútuo, C.R.L., contribuinte nº 501464301, com sede na Rua Castilho, nº233, 1099-004 LISBOA, através da Direcção de Marketing

Leia mais

Nome do animador: B / INFORMAÇÕES ECONOMICAS. Fontes de rendimento da família: o beneficiário, o conjunto, os filhos, o apoio da família, etc.

Nome do animador: B / INFORMAÇÕES ECONOMICAS. Fontes de rendimento da família: o beneficiário, o conjunto, os filhos, o apoio da família, etc. SEGUNDA ENTREVISTA VISITA EM CASA E/OU NO LOCAL DE TRABALHO Objectivo : Conhecer em detlahes a situação familiar economica e social do beneficiario, a actividade economica jà implementada e fornecer uma

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER Preâmbulo A Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro, regulamentada pelo Decreto Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, define as bases do enquadramento

Leia mais

É criado um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior que se rege pelo disposto no presente diploma.

É criado um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior que se rege pelo disposto no presente diploma. Decreto-Lei N.º 512/99 De 24 de Novembro Cria um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior A Lei n.º 113/97, de 16 de Setembro - Lei de Bases do Financiamento do Ensino Superior Público

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO Para efectuar o projecto a que se propõe elaborar deve ler o Regulamento de Programa de Apoio Financeiro ao abrigo da Portaria n.º 1418/2007, de 30 de Outubro, bem como o aviso de abertura do concurso.

Leia mais

Sistemas e Serviços Informáticos

Sistemas e Serviços Informáticos (Capítulo ou anexo do Regulamento Interno da Escola) Sistemas e Serviços Informáticos Artigo 1.º Princípios orientadores 1. A utilização extensiva dos recursos proporcionados pelas Tecnologias da Informação

Leia mais

Os valores mobiliários que fazem parte de uma mesma emissão conferem aos seus titulares os mesmos direitos e deveres.

Os valores mobiliários que fazem parte de uma mesma emissão conferem aos seus titulares os mesmos direitos e deveres. VALORES MOBILIÁRIOS O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades, em grande quantidade, que representam direitos e deveres, podendo ser comprados

Leia mais

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Fundos de Pensões. Edição Instituto de Seguros de Portugal

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Fundos de Pensões. Edição Instituto de Seguros de Portugal Ficha Técnica Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões Título Fundos de Pensões Edição Instituto de Seguros de Portugal Coordenação editorial Direcção de Comunicação e Relações com os Consumidores

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA. Preâmbulo

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA. Preâmbulo REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA Preâmbulo O voluntariado é definido como um conjunto de acções e interesses sociais e comunitários, realizadas de forma desinteressada no âmbito

Leia mais

Caritas Diocesana de Portalegre Castelo Branco

Caritas Diocesana de Portalegre Castelo Branco géneros alimentares recebidos do Banco Alimentar Contra a Fome - Delegação de Portalegre, com o qual existe protocolo. Artigo 12º (Afixação de documentos) É da responsabilidade d@ Coordenador/a da Loja:

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE FORMAÇÃO DA APEI - ASSOCIAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE FORMAÇÃO DA APEI - ASSOCIAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE FORMAÇÃO DA APEI - ASSOCIAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA CAPITULO I DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, PRÍNCIPIOS GERAIS, DURAÇÃO E FINS DO CENTRO DE FORMAÇÃO ARTIGO

Leia mais

Nota: na sequência do cadastramento você será convidado a responder uma pesquisa, visando à melhoria do Sistema de Transporte.

Nota: na sequência do cadastramento você será convidado a responder uma pesquisa, visando à melhoria do Sistema de Transporte. 1. O que é Bilhete Único Mensal? O Bilhete Único Mensal é o cartão que permite ao seu titular, com um único pagamento do valor definido para o mês, o uso do transporte coletivo durante 31 dias a contar

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CARTÃO DE CRÉDITO

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CARTÃO DE CRÉDITO ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CARTÃO DE CRÉDITO Índice O que é o cartão de crédito? Ficha de Informação Normalizada (FIN) Modalidades de reembolso Custo do crédito Taxas máximas Livre revogação Contrato

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONDIM DE BASTO. Preâmbulo

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONDIM DE BASTO. Preâmbulo REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONDIM DE BASTO Preâmbulo O Decreto-Lei nº 389/99, de 30 de Setembro, no artigo 21º, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção

Leia mais

DEPARTAMENTO ADMINISTRATIVO

DEPARTAMENTO ADMINISTRATIVO DEPARTAMENTO ADMINISTRATIVO Segurança social Informação e preenchimento de impressos Inscrição de Empresas / Beneficiários Requerimento de Certidões / Benefícios Guias de pagamento e Folhas de Remuneração

Leia mais

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Sines

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Sines Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Sines Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, no art. 21º, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado (CNPV) competências

Leia mais

Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social - Direção Geral da Segurança Social.

Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social - Direção Geral da Segurança Social. I - NOTA PRÉVIA INFORMATIVA AO ASSOCIADO BENEFICIÁRIO / POTENCIAL BENEFICIÁRIO O Montepio Geral - Associação Mutualista (MGAM) informa que o beneficio associativo de se encontra regulado pelo Regulamento

Leia mais

RESOLUÇÃO SOBRE O CONTEÚDO DE TRABALHO NAS ORGANIZAÇÕES DE BASE DO PARTIDO

RESOLUÇÃO SOBRE O CONTEÚDO DE TRABALHO NAS ORGANIZAÇÕES DE BASE DO PARTIDO RESOLUÇÃO SOBRE O CONTEÚDO DE TRABALHO NAS ORGANIZAÇÕES DE BASE DO PARTIDO 1 FICHA TÉCNICA Regulamento Geral de Organização e Funcionamento das Estruturas do MPLA Edição: COMITÉ CENTRAL DO MPLA Ano de

Leia mais

WWOOF - ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DE OPORTUNIDADES MUNDIAIS EM AGRICULTURA BIOLÓGICA

WWOOF - ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DE OPORTUNIDADES MUNDIAIS EM AGRICULTURA BIOLÓGICA WWOOF - ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DE OPORTUNIDADES MUNDIAIS EM AGRICULTURA BIOLÓGICA O presente Regulamento Interno destina-se a explicitar os princípios de funcionamento da Associação WWOOF. CAPITULO

Leia mais

Linha de Crédito PME Investe II

Linha de Crédito PME Investe II Linha de Crédito PME Investe II Condições e procedimentos I - CONDIÇÕES GERAIS DA LINHA DE CRÉDITO 1. Beneficiários: PME, tal como definido na Recomendação 2003/361CE da Comissão Europeia, certificadas

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Meios de Movimentação Conta Negócio Clientes Empresa e Empresários em Nome Individual. Depósito à Ordem remunerado, que possibilita o acesso a um limite de crédito

Leia mais

Regulamento Interno De Funcionamento Do Banco Local De Voluntariado De Alvaiázere

Regulamento Interno De Funcionamento Do Banco Local De Voluntariado De Alvaiázere Regulamento Interno De Funcionamento Do Banco Local De Voluntariado De Alvaiázere Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 389/99 de 30 de Setembro, no art. 21º, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado

Leia mais

NOVOS DEVERES DE INFORMAÇÃO NO ÂMBITO DA PUBLICIDADE AO CRÉDITO

NOVOS DEVERES DE INFORMAÇÃO NO ÂMBITO DA PUBLICIDADE AO CRÉDITO TMT N.º 1/2009 MAR/ABRIL 2009 NOVOS DEVERES DE INFORMAÇÃO NO ÂMBITO DA PUBLICIDADE AO CRÉDITO A informação divulgada pelas Instituições de Crédito relativamente aos produtos que estas oferecem tem sido

Leia mais

Tendo em conta objectivos de sistematização dos relatórios de controlo interno, em base individual e consolidada;

Tendo em conta objectivos de sistematização dos relatórios de controlo interno, em base individual e consolidada; Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 3/2006 Considerando que todas as instituições de crédito e sociedades financeiras, bem como os grupos financeiros, devem possuir um sistema de controlo interno adaptado

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA Aprovado por deliberação da Assembleia Municipal de 19 de Abril de 2011. Publicado pelo Edital n.º 73/2011. Em vigor desde 27

Leia mais

Programa EDP SOLIDÁRIA

Programa EDP SOLIDÁRIA Programa EDP SOLIDÁRIA REGULAMENTO I. Do Programa EDP SOLIDÁRIA 1. A Fundação EDP, no âmbito das suas actividades nas áreas da solidariedade e inovação social, promove uma iniciativa anual o Programa EDP

Leia mais

Proposta de Decreto Legislativo Regional

Proposta de Decreto Legislativo Regional Proposta de Decreto Legislativo Regional Regulamenta na Região Autónoma dos Açores, os aspectos relativos à realização, em escolas da rede pública, do estágio pedagógico das licenciaturas em ensino e dos

Leia mais

Abertura de cliente - Empresas Caixa Económica de Cabo Verde

Abertura de cliente - Empresas Caixa Económica de Cabo Verde AMC.FM.001.00 2011.10.17 1/2 Abertura de cliente - Empresas Caia Económica de Cabo Verde Agência Nº de cliente Empresa titular Tomei (ámos) conhecimento das condicões de depósito em vigor na Caia Económica

Leia mais

Ordem de Serviço Nº 03/CA/2011 Presidente do Conselho de Administração

Ordem de Serviço Nº 03/CA/2011 Presidente do Conselho de Administração Ordem de Serviço Nº 03/CA/2011 Presidente do Conselho de Administração ASSUNTO: ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO DE CRÉDITO O Conselho de Administração da Cooperativa de Poupança e Crédito, SCRL, no âmbito das

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Meios de Movimentação Moeda Conta Super Jovem Clientes Particulares, com idade entre os 18 e os 30 anos (inclusive). Depósito à Ordem. Esta conta pode ser movimentada

Leia mais

PACTO SOCIAL DO MONTE DESENVOLVIMENTO ALENTEJO CENTRAL, A.C.E. CAPTULO PRIMEIRO DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO PRIMEIRO. (Denominação)

PACTO SOCIAL DO MONTE DESENVOLVIMENTO ALENTEJO CENTRAL, A.C.E. CAPTULO PRIMEIRO DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO PRIMEIRO. (Denominação) PACTO SOCIAL DO MONTE DESENVOLVIMENTO ALENTEJO CENTRAL, A.C.E. CAPTULO PRIMEIRO DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO PRIMEIRO (Denominação) O Agrupamento adopta a denominação de Monte - Desenvolvimento Alentejo Central,

Leia mais

ESTATUTOS ASSEMBLEIA MOVIMENTO CÍVICO NÃO PARTIDÁRIO

ESTATUTOS ASSEMBLEIA MOVIMENTO CÍVICO NÃO PARTIDÁRIO ESTATUTOS ASSEMBLEIA MOVIMENTO CÍVICO NÃO PARTIDÁRIO Capítulo I Artigo 1º (Denominação, natureza e fins) Assembleia Movimento Cívico Não Partidário (abreviadamente designado "Assembleia"), é um movimento

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS A APOIO FINANCEIRO. Tendo em conta os princípios constantes do Programa do XVII Governo Constitucional

AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS A APOIO FINANCEIRO. Tendo em conta os princípios constantes do Programa do XVII Governo Constitucional AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS A APOIO FINANCEIRO Tendo em conta os princípios constantes do Programa do XVII Governo Constitucional em matéria de política de saúde, foi definido, pelo Decreto Lei n.º

Leia mais

Guia Prático do Usuário

Guia Prático do Usuário Guia Prático do Usuário 3. O que esse Manual aborda Esse manual é um guia prático de utilização do sistema, ele aborda noções gerais sobre gerenciamento de sua empresa além de ter informações detalhando

Leia mais

TRIBUNAL ARBITRAL DO DESPORTO REGULAMENTO DE MEDIAÇÃO

TRIBUNAL ARBITRAL DO DESPORTO REGULAMENTO DE MEDIAÇÃO TRIBUNAL ARBITRAL DO DESPORTO REGULAMENTO DE MEDIAÇÃO REGULAMENTO DE MEDIAÇÃO INDICE ARTIGO 1.º - Norma habilitante ARTIGO 2.º - Natureza da mediação ARTIGO 3.º - Convenção de mediação ARTIGO 4.º - Âmbito

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais Regulamento Municipal do Banco Local de Voluntariado de Lagoa As bases do enquadramento jurídico do voluntariado, bem como, os princípios que enquadram o trabalho de voluntário constam na Lei n.º 71/98,

Leia mais

Regulamento de Funcionamento do Grupo de Voluntariado

Regulamento de Funcionamento do Grupo de Voluntariado LAHUC LIGA DOS AMIGOS DOS HOSPITAIS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA LAHUC Gabinete de Serviço Social O MELHOR DA VIDA TODOS OS DIAS Regulamento de Funcionamento do Grupo de Voluntariado Preâmbulo O Voluntariado

Leia mais

# Confiança Planeamento e Gestão de Investimentos. segurança do seu património. Para isso contamos com o nosso trabalho, no

# Confiança Planeamento e Gestão de Investimentos. segurança do seu património. Para isso contamos com o nosso trabalho, no Caritas Dioces ana de Coim bra Condições válidas para Caritas Diocesana de Coimbra Oferta de Cooperação Barclays at Work Saiba mais em www.barclays.pt/compromissopremier # Confiança Planeamento e Gestão

Leia mais

O valor da educação Um aprendizado para a vida. Relatório do Brasil

O valor da educação Um aprendizado para a vida. Relatório do Brasil O valor da educação Um aprendizado para a vida Relatório do Brasil A pesquisa O valor da educação é uma pesquisa do consumidor independente sobre tendências globais de educação realizada para o HSBC. O

Leia mais

Manual do Cooperado COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS COLABORADORES DO GRUPO SAINT-GOBAIN A MELHOR SOLUÇÃO PARA OS SEUS PROBLEMAS

Manual do Cooperado COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS COLABORADORES DO GRUPO SAINT-GOBAIN A MELHOR SOLUÇÃO PARA OS SEUS PROBLEMAS C re d i C o o p e r a t i v a de Ec o n om i a e C rédi t o Mút u o d o s C o l a b o r a d o re s d o G r u p o S a i n t- G o b a i n Ave n id a S a n t a M a r i n a, 443 Ág u a Br a n c a - São Pau

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PROFESSORES DE FILOSOFIA. Capitulo I DA ASSOCIAÇÃO. Artigo 1º

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PROFESSORES DE FILOSOFIA. Capitulo I DA ASSOCIAÇÃO. Artigo 1º ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PROFESSORES DE FILOSOFIA Capitulo I DA ASSOCIAÇÃO Artigo 1º 1- A Associação de Professores de Filosofia é uma associação portuguesa de professores ligados ao ensino da Filosofia,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 27/2012 de 7 de Março de 2012

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 27/2012 de 7 de Março de 2012 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 27/2012 de 7 de Março de 2012 Considerando a persistente instabilidade dos mercados financeiros nacionais e internacionais e as dificuldades

Leia mais

Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015

Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015 Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015 Versão Linguagem Fácil Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015 Versão Linguagem Fácil Página 1 de 60 Plano de Acção

Leia mais

Apoio à Preparação de Voluntários de Leitura Um projeto de cidadania Missão Potenciar o desenvolvimento de uma rede nacional de volutariado na área da promoção da leitura. Objectivos centrais Apoiar iniciativas;

Leia mais

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO CVGARANTE SOCIEDADE DE GARANTIA MÚTUA PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO 14 de Outubro de 2010 O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às empresas,

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO A Carta Europeia do Desporto do Conselho da Europa é uma declaração de intenção aceite pelos Ministros europeus responsáveis pelo Desporto. A Carta Europeia do Desporto

Leia mais

Regulamento do Colégio de Especialidade de Gestão, Direcção e Fiscalização

Regulamento do Colégio de Especialidade de Gestão, Direcção e Fiscalização Regulamento do Colégio de Especialidade de Gestão, Direcção e Fiscalização de Obras ÍNDICE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto Artigo 2.º Princípios Artigo 3.º Finalidades Artigo 4.º Atribuições

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS ÀS COLECTIVIDADES DE CARÁCTER RECREATIVO, CULTURAL, RELIGIOSO E SOCIAL DO CONCELHO DE NORDESTE PREÂMBULO

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS ÀS COLECTIVIDADES DE CARÁCTER RECREATIVO, CULTURAL, RELIGIOSO E SOCIAL DO CONCELHO DE NORDESTE PREÂMBULO REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS ÀS COLECTIVIDADES DE CARÁCTER RECREATIVO, CULTURAL, RELIGIOSO E SOCIAL DO CONCELHO DE NORDESTE PREÂMBULO Na sociedade cada vez mais se estabelecem parcerias e recorre-se

Leia mais

Regulamento do Cartão Jovem Municipal

Regulamento do Cartão Jovem Municipal Regulamento do Cartão Jovem Municipal O Cartão Jovem Municipal é um documento emitido pela Câmara Municipal de S. João da Madeira, capaz de conceder benefícios na utilização de bens e serviços públicos

Leia mais

Guia do Processo de Tratamento do Activo Fixo do Equipamento Subsidiado

Guia do Processo de Tratamento do Activo Fixo do Equipamento Subsidiado Guia do Processo de Tratamento do Activo Fixo do Equipamento Subsidiado Instituto de Acção Social Novembro de 2010 Objectivo Elabora-se o presente Guia de acordo com a situação real dos diversos equipamentos

Leia mais

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Preâmbulo Os membros do Conselho da Europa signatários da presente Convenção, Considerando que o objectivo do Conselho da Europa é alcançar uma maior unidade

Leia mais

GLOSSÁRIO. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários 39

GLOSSÁRIO. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários 39 GLOSSÁRIO Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. Assembleia geral: órgão das sociedades anónimas em que

Leia mais

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS DA ASSOCIAÇÃO MUTUALISTA TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS DA ASSOCIAÇÃO MUTUALISTA TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS DA ASSOCIAÇÃO MUTUALISTA TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA CAPÍTULO I Dos associados Secção I Das condições gerais de inscrição Artigo 1º (Inscrição) 1 - Poderão ser inscritos neste Regulamento

Leia mais

Esta Assembleia Geral confia nos trabalhos do Conselho Fiscal, nomeadamente no resultado das diligências por este tomadas, e suas condutas.

Esta Assembleia Geral confia nos trabalhos do Conselho Fiscal, nomeadamente no resultado das diligências por este tomadas, e suas condutas. ATA NÚMERO TRÊS Ao vigésimo sétimo dia do mês de Maio de dois mil e quinze, pelas dez horas realizou-se, nos termos do artigo 25 dos estatutos da AEFEUP, a Assembleia Geral Extraordinária número dois na

Leia mais

AUDITORIA GERAL DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS 2. VALORES MOBILIÁRIOS

AUDITORIA GERAL DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS 2. VALORES MOBILIÁRIOS AUDITORIA GERAL DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS 2. VALORES MOBILIÁRIOS Banco de Cabo Verde O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades,

Leia mais

Faturamento. Lista de Tickets

Faturamento. Lista de Tickets Faturamento A gestão do seu Faturamento no sistema FLOWww divide-se em várias funcionalidades para que você possa organizar-se melhor e ter tudo a mão em um único click. Lista de Tickets A lista de tickets

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE GUIMARÃES

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE GUIMARÃES REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE GUIMARÃES (aprovado por deliberação de Câmara de 16 de junho de 2011 em conformidade com as orientações do Conselho Nacional para

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA ADJUDICAÇÃO DO DIREITO DE EXPLORAÇÃO DO. BAR da. Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Alcabideche.

CONCURSO PÚBLICO PARA ADJUDICAÇÃO DO DIREITO DE EXPLORAÇÃO DO. BAR da. Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Alcabideche. CONCURSO PÚBLICO PARA ADJUDICAÇÃO DO DIREITO DE EXPLORAÇÃO DO BAR da Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Alcabideche Anúncio Programa de Concurso Caderno de Encargos A Direcção da Associação

Leia mais

Cruz Vermelha Portuguesa

Cruz Vermelha Portuguesa FÓRUM NACIONAL ÁLCOOL E SAÚDE FORMULÁRIO DE SUBMISSÃO TÍTULO DO CAMPO Data de submissão 14 de Março 2014 NOME DA ORGANIZAÇÃO AUTORA DO COMPROMISSO Cruz Vermelha Portuguesa TÍTULO DO COMPROMISSO PREVENIR

Leia mais

DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS CAPACIDADE PROFISSIONAL PARA A ACTIVIDADE DE TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS

DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS CAPACIDADE PROFISSIONAL PARA A ACTIVIDADE DE TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS CAPACIDADE PROFISSIONAL PARA A ACTIVIDADE DE TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA AS ENTIDADES FORMADORAS ÍNDICE OBJECTIVOS

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO EM INSTITUIÇÃO DE ACOLHIMENTO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO EM INSTITUIÇÃO DE ACOLHIMENTO REGULAMENTO DE ESTÁGIO EM INSTITUIÇÃO DE ACOLHIMENTO LICENCIATURA EM SERVIÇO SOCIAL 2015 1 PREÂMBULO A Licenciatura em Serviço Social da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (adiante designada por

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à Ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à Ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Meios de Movimentação Conta Completa Clientes Particulares, maiores de 18 anos, que sejam trabalhadores por conta de outrem e que aceitem domiciliar ou transferir,

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO A ACTIVIDADES DE INTERESSE MUNICIPAL PREÂMBULO

REGULAMENTO DE APOIO A ACTIVIDADES DE INTERESSE MUNICIPAL PREÂMBULO REGULAMENTO DE APOIO A ACTIVIDADES DE INTERESSE MUNICIPAL PREÂMBULO Atendendo a que a atribuição de apoios a entidades ou instituições que contribuam para o desenvolvimento do concelho de S. Pedro do Sul

Leia mais

EDITAL PARA A SELEÇÃO DE AÇÕES VOLUNTÁRIAS DO PROGRAMA VOLUNTÁRIOS VALE

EDITAL PARA A SELEÇÃO DE AÇÕES VOLUNTÁRIAS DO PROGRAMA VOLUNTÁRIOS VALE EDITAL PARA A SELEÇÃO DE AÇÕES VOLUNTÁRIAS DO PROGRAMA VOLUNTÁRIOS VALE A VALE S.A., no cumprimento de sua missão de transformar recursos naturais em prosperidade e desenvolvimento sustentável, tem implementado

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 Versão Preliminar Este relatório tem por objectivo da conta do que de mais relevante foi realizado no cumprimento

Leia mais

REGULAMENTO DO CARTÃO BOM+ Funcionalidade Pré-Pago

REGULAMENTO DO CARTÃO BOM+ Funcionalidade Pré-Pago REGULAMENTO DO CARTÃO BOM+ Funcionalidade Pré-Pago O BOM+ é um cartão pré-pago que oferece aos seus clientes as funcionalidades de pagamento de compras em toda a rede MasterCard e também pagamento de tarifas

Leia mais

disponibiliza a LEI DO VOLUNTARIADO

disponibiliza a LEI DO VOLUNTARIADO A disponibiliza a LEI DO VOLUNTARIADO Lei n.º 71/98 de 3 de Novembro de 1998 Bases do enquadramento jurídico do voluntariado A Assembleia da República decreta, nos termos do artigo 161.º, alínea c), do

Leia mais

KEY Centro de Formação, Lda. Regulamento de Funcionamento da Formação

KEY Centro de Formação, Lda. Regulamento de Funcionamento da Formação Regulamento de Funcionamento da Formação KEY Centro de Formação, Lda. Regulamento de Funcionamento da Formação Página 2 de 12 ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO... 3 2. REQUISITOS DE ACESSO E FORMAS DE INSCRIÇÃO...

Leia mais

MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA. Loja Social de Paredes de Coura. Regulamento

MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA. Loja Social de Paredes de Coura. Regulamento MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA Loja Social de Paredes de Coura Regulamento Preâmbulo A pobreza e a exclusão social têm fortes efeitos no desenvolvimento da comunidade local e implicam o empobrecimento de

Leia mais

orçamento no seu Faça obras pelos bancos que podem ajudar na tarefa. Saiba o que existe, para que serve e como pode utilizar.

orçamento no seu Faça obras pelos bancos que podem ajudar na tarefa. Saiba o que existe, para que serve e como pode utilizar. Faça obras no seu orçamento Se quer planear as suas poupanças, há ferramentas disponibilizadas pelos bancos que podem ajudar na tarefa. Saiba o que existe, para que serve e como pode utilizar. Faça obras

Leia mais

INFORMAÇÕES JURÍDICAS. 1.Serviços mínimos bancários

INFORMAÇÕES JURÍDICAS. 1.Serviços mínimos bancários INFORMAÇÕES JURÍDICAS 1.Serviços mínimos bancários Desde o passado dia 23 de Maio que qualquer consumidor pode ter acesso aos serviços mínimos bancários, com custos reduzidos, e não somente aqueles que

Leia mais

PROJECTO. Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro

PROJECTO. Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro PROJECTO NORMA REGULAMENTAR N.º X/2007-R, de Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro A Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro, regulamentou o Decreto-Lei

Leia mais

ANGOLA LEGISLAÇÃO CAMBIAL

ANGOLA LEGISLAÇÃO CAMBIAL ANGOLA LEGISLAÇÃO CAMBIAL 1 ANGOLA Processo de investimento em Angola Desenvolvimento da actividade Obriga a que se tenha presente a política cambial angolana Regulamentada por um conjunto de leis e regulamentos

Leia mais

Parte I: As modalidades de aplicação e de acompanhamento do Código voluntário;

Parte I: As modalidades de aplicação e de acompanhamento do Código voluntário; ACORDO EUROPEU SOBRE UM CÓDIGO DE CONDUTA VOLUNTÁRIO SOBRE AS INFORMAÇÕES A PRESTAR ANTES DA CELEBRAÇÃO DE CONTRATOS DE EMPRÉSTIMO À HABITAÇÃO ( ACORDO ) O presente Acordo foi negociado e adoptado pelas

Leia mais

ÍNDICE DO REGULAMENTO DO CONCURSO HOTSPOT DESIGN

ÍNDICE DO REGULAMENTO DO CONCURSO HOTSPOT DESIGN ÍNDICE DO REGULAMENTO DO CONCURSO HOTSPOT DESIGN 0- Enquadramento/Objectivos 1- Tema do Concurso 2- Cronograma 3- Elegibilidade 4- Fases de Candidatura 5- Descrição detalhada da Fases 1 e 2 6- Submissão

Leia mais

Ficha de Inscrição. Ação. *Nacionalidade País de Origem: NIF* *Morada *Código Postal - *Telefone Telemóvel Fax. E-mail Nível de Escolaridade.

Ficha de Inscrição. Ação. *Nacionalidade País de Origem: NIF* *Morada *Código Postal - *Telefone Telemóvel Fax. E-mail Nível de Escolaridade. Ficha de Inscrição Ação *Nome completo *Sexo Masculino Feminino *Naturalidade Distrito: Concelho: *Nacionalidade País de Origem: NIF* *BI CC N.º *Data Validade BI / CC / / *Data de Nascimento / / *Morada

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE S.PEDRO DE BAIRRO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO RESPOSTA SOCIAL LAR DE INFÂNCIA E JUVENTUDE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR DE INFÂNCIA E JUVENTUDE CAPÍTULO

Leia mais

Regulamento Interno PREÂMBULO

Regulamento Interno PREÂMBULO Regulamento Interno PREÂMBULO O Município de Beja enquanto promotor local de políticas de protecção social, desempenha um papel preponderante na elaboração de estratégias de desenvolvimento social e na

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADE E DE CONTAS REFERENTE AO 1º ANO DO STCC (SETEMBRO 2014/2015)

RELATÓRIO DE ACTIVIDADE E DE CONTAS REFERENTE AO 1º ANO DO STCC (SETEMBRO 2014/2015) RELATÓRIO DE ACTIVIDADE E DE CONTAS REFERENTE AO 1º ANO DO STCC (SETEMBRO 2014/2015) Introdução O documento em apreço procura traduzir a complexa actividade realizada, bem como alguns sucessos, as dificuldades

Leia mais

CAPÍTULO I DA FUNDAÇÃO

CAPÍTULO I DA FUNDAÇÃO ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO ABEL E JOÃO DE LACERDA CAPÍTULO I DA FUNDAÇÃO - ARTIGO 1º - Natureza Jurídica A FUNDAÇÃO ABEL E JOÃO DE LACERDA é uma instituição particular de utilidade pública geral dotada de personalidade

Leia mais

REGULAMENTO ABRIL/2011

REGULAMENTO ABRIL/2011 REGULAMENTO ABRIL/2011 Regulamento dos Voluntários com Asas Í NDICE Pág. 1. Constituição 2 2. Grupo Dinamizador GD 2.1. Missão.. 2 2.2. Obrigações e Atribuições.. 2 2.3. Funcionamento. 3 3. Membros dos

Leia mais

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos.

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. GLOSSÁRIO Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. Assembleia geral: órgão das sociedades anónimas em que

Leia mais

Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000

Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000 Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000 Considerando fundamental, para alcançar o desenvolvimento sustentável, o estabelecimento de uma relação equilibrada

Leia mais

Registo do utilizador no Portal IFAP. - Manual do Utilizador -

Registo do utilizador no Portal IFAP. - Manual do Utilizador - Registo do utilizador no Portal IFAP - Manual do Utilizador - Registo do beneficiário no Portal IFAP Manual do Utilizador 1. Introdução... 2 2. Pressupostos... 2 3. Informação necessária para o registo

Leia mais

ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º DENOMINAÇÃO, NATUREZA E SEDE 1. A Associação para o Desenvolvimento da Medicina Tropical, adiante designada por ADMT é uma associação cientifica e tecnológica,

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO ÍNDICE Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Trancoso... 1 Preâmbulo... 1 CAPÍTULO I... 2 Parte Geral... 2 Artigo 1º... 2 Lei Habilitante

Leia mais

Regulamento de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Viana do Alentejo

Regulamento de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Viana do Alentejo Regulamento de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Viana do Alentejo Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, no art.º 21.º, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado

Leia mais

NORMAS PARA A CONCESSÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ACTIVIDADES DE INTERESSE PÚBLICO MUNICIPAL. Artigo 1º Objecto e âmbito de aplicação

NORMAS PARA A CONCESSÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ACTIVIDADES DE INTERESSE PÚBLICO MUNICIPAL. Artigo 1º Objecto e âmbito de aplicação NORMAS PARA A CONCESSÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ACTIVIDADES DE INTERESSE PÚBLICO MUNICIPAL Artigo 1º Objecto e âmbito de aplicação O presente conjunto de normas disciplina e regulamenta a concessão de apoio

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO. Artigo 1º. (Natureza) Artigo 2º. (Objectivos)

CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO. Artigo 1º. (Natureza) Artigo 2º. (Objectivos) CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO Artigo 1º (Natureza) O Conselho Municipal de Desenvolvimento Económico e Social (CMDES) é um órgão de reflexão e consulta no domínio

Leia mais

Artigo Quarto Após deliberação favorável de Assembleia Geral poderá a Associação, observados os requisitos

Artigo Quarto Após deliberação favorável de Assembleia Geral poderá a Associação, observados os requisitos Estatutos da Associação De Professores de Expressão e Comunicação Visual (Versão atualizada conforme as alterações efetuadas em Assembleia Geral no dia 14 de junho de 2013) Da Associação Artigo Primeiro

Leia mais

GUIA LUXEMBURGUÊS DA MOBILIDADE BANCÁRIA

GUIA LUXEMBURGUÊS DA MOBILIDADE BANCÁRIA GUIA LUXEMBURGUÊS DA MOBILIDADE BANCÁRIA I. Objectivo do guia O presente guia explica-lhe as diligências a efectuar em caso de alteração da sua conta corrente no Luxemburgo. Descreve os serviços oferecidos

Leia mais

Regulamento do Projecto Empreender Social

Regulamento do Projecto Empreender Social Regulamento do Projecto Empreender Social Preâmbulo O Centro Social Paroquial de Pinhal Novo, adiante designado CSPPN, é uma Instituição Particular de Solidariedade Social criada por iniciativa da Fábrica

Leia mais