Sofia, n.º 4 Carina, n.º 12 Diogo, n.º 15 Helena, n.º 18 Sandra, n.º 24 Tânia, n.º 25 Liliana, n.º 30 10º ano, turma SH1_ano lectivo 2004/2005

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sofia, n.º 4 Carina, n.º 12 Diogo, n.º 15 Helena, n.º 18 Sandra, n.º 24 Tânia, n.º 25 Liliana, n.º 30 10º ano, turma SH1_ano lectivo 2004/2005"

Transcrição

1 - Escola Secundária Martins Sarmento - - Matemática Aplicada às Ciências Sociais -

2 Sofia, n.º 4 Carina, n.º 12 Diogo, n.º 15 Helena, n.º 18 Sandra, n.º 24 Tânia, n.º 25 Liliana, n.º 30 10º ano, turma SH1_ano lectivo 2004/2005 2

3 Índice - Índice Introdução ao Crédito para Habitação Simulações Conclusão Bibliografia

4 Introdução ao Crédito para Habitação O crédito para habitação é um crédito hipotecário de médio e longo prazo concedido pelas instituições bancárias para aquisição, construção, recuperação ou ampliação de prédio ou fracção de prédio para habitação própria permanente, secundária ou para arrendamento, realização de obras de conservação ordinária, extraordinária ou de beneficiação, aquisição de terreno para construção de habitação própria permanente. Este crédito destinar-se a habitação própria permanente (Caso em que o imóvel objecto do financiamento se destine a residência própria permanente do agregado familiar), habitação própria secundária (Caso em que o imóvel objecto do financiamento se destine a habitação própria não permanente do agregado familiar, por exemplo habitação de férias ou outra finalidade) ou arrendamento. Abrange também transferências de crédito habitação. Intrinsecamente associados ao conceito de crédito à habitação, estão outros três: - Conta Poupança Habitação: produto semelhante a um depósito a prazo, com capitalização de juros renovável automaticamente e mobilizável apenas para: - aquisição, construção, recuperação, beneficiação ou ampliação de prédio ou fracções de prédio para habitação própria e permanente, ou para arrendamento; - realização de entregas a Cooperativas de Habitação e Construção, para aquisição de terrenos destinados a construção. - Contrato de Empréstimo para Habitação: contrato que regula o acordo estabelecido entre o banco e o seu cliente com a finalidade de financiamento para aquisição/construção de habitação. Neste contrato são especificadas, através de clausulado, as condições estabelecidas entre ambos os mutuários.

5 - Taxa de referência do crédito bonificado (TRCB) (Habitação): taxa fixada em Diário da República, que impõe um "tecto" à taxa do Banco para efeito do cálculo da bonificação a reclamar à DGT. Este "tecto" não afecta a taxa a aplicar ao cliente no Regime Deficiente. Para os outros regimes afecta, mas somente na componente bonificação que se deduz à taxa do banco para obter a taxa do cliente. Em termos de regimes apresentados pelas entidades bancárias, o comum a todas é o Regime Geral. A par deste existem muitos outros, sendo os exemplos que se seguem da Caixa Geral de Depósitos: - Transferências: para transferência de empréstimo para a Caixa, com redução da prestação mensal até 40% e isenção das despesas de contratação. Até 15 de Agosto; - Crédito T30: financia a compra de casa com pagamento de parte do capital apenas no final do contrato. Prazo até 45 anos. - Regime Geral: financia a casa para habitar, passar férias ou para arrendar, e a compra de garagem independente. Permite transferir o empréstimo de outro banco, não pagando comissões; - Crédito Jovem Habitação: para menores de 31 anos. Financia a casa para habitar, passar férias ou para arrendar, e a compra de garagem independente. Durante os 3 primeiros anos, permite efectuar apenas o pagamento de juros; - Troca de Habitação: soluções para financiar a compra da casa nova sem a liquidação imediata do empréstimo da casa actual; - Crédito a Emigrantes: financia a casa de titulares de contas-emigrante, com taxa de juro bonificada e benefícios fiscais. Permite transferir o empréstimo de outro banco não pagando comissões; - Crédito a Deficientes: crédito à habitação permanente, com redução significativa da taxa de juro; 5

6 - Crediobras: financia as obras de titulares de crédito à habitação na Caixa; - Crédito Casas Pré-Fabricadas: financia a aquisição e construção de casas pré-fabricadas para habitação própria permanente. Prazo até 25 anos. Permite transferir o empréstimo de outro banco não pagando comissões; - Intercalar para Sinal: para sinalizar a compra de casa. - Investimento Imobiliário: crédito para investir em habitação, lojas, escritórios, consultórios, armazéns e outros estabelecimentos comerciais ou industriais para arrendar ou para uso próprio. - Leasy: leasing imobiliário para financiar a compra ou construção de casa. Ainda utilizando o exemplo da Caixa Geral de Depósitos, a taxa de juro do novo empréstimo terá descontos se: - for cliente da CGD; - tiver um familiar directo nestas condições; - for comprar uma habitação financiada e hipotecada à CGD. Existem outros elementos presentes quando se escolhe um crédito à habitação. Seguir-se-á uma breve lista, referente à Caixa de Crédito Agrícola: - Montantes/Limites: - Mínimo: 2.500,00; - Máximo: não existe e poderá ir até 85% do valor da avaliação. No entanto, estabelecem-se como condições que o mesmo não pode exceder: - O valor da aquisição, caso este seja inferior ao da avaliação; - Ou um montante do qual a primeira prestação seja superior à taxa de esforço; - Prazo: - Mínimo: 13 meses - Máximo: 480 meses (40 anos) 6

7 - É de referir ainda que o prazo do empréstimo não poderá ultrapassar a data em que qualquer um dos Proponentes completar 70 anos de idade; - Taxa de Juro: Taxa variável, indexada à Euribor. - Seguros obrigatórios - Seguro de Vida (mutuários) com cláusula de credor privilegiado a favor da entidade financiadora. - Seguro de Habitação - cobertura mínima obrigatória de incêndio ou Multiriscos do imóvel hipotecado, com cláusula de credor privilegiado a favor da entidade financiadora. - Seguro de Construção, durante o período de construção do imóvel, com cláusula de credor privilegiado a favor da entidade financiadora. Deverá depois passar para Seguro de Habitação nas mesmas condições anteriormente descritas para o respectivo seguro. - Despesas e Comissões: os encargos com a formalização do empréstimo (escritura, imposto IMT, actos notariais e registos prediais) serão da responsabilidade do mutuário; As despesas e comissões inerentes à avaliação, abertura e movimentação, amortizações e liquidações antecipadas e outras decorrentes do processo, serão debitadas directamente na conta D.O do mutuário, de acordo com o preçário em vigor. - Fiscalidade: isenção do Imposto de Selo para os juros suportados pelo mutuário (excepto quando a finalidade seja arrendamento); Abatimento, em sede de IRS, dos juros e amortizações suportados pelo mutuário, com o máximo legalmente estabelecido. Benefícios fiscais Conta Poupança Habitação: no caso de aquisição de habitação própria permanente, são reduzidos em 50%, os encargos com actos 7

8 notariais e do registo predial, desde que o saldo da conta poupança-habitação seja mobilizado para os fins previstos no nº1 do artigo 5º do Decreto-Lei nº27/ Documentos necessários para a celebração da escritura relativa à compra de casa: - Identificação pessoal e fiscal dos vendedores e compradores e do respectivo imóvel; - Caderneta Predial, actualizada há menos de 1 ano, em que conste o valor patrimonial do imóvel ou, se o prédio estiver omisso, certidão da repartição de Finanças comprovativa do respectivo pedido de inscrição; - Certidão de teor de todos os registos em vigor com referência ao imóvel, emitida há menos de 6 meses na Conservatória do Registo Predial competente; - Licença de construção ou de utilização/habitação, excepto se o prédio tiver sido inscrito na matriz, antes de 13/08/1951; - Comprovativo do pagamento do IMT ou certidão de isenção. Seguir-se-á agora um glossário de termos associados ao crédito à habitação: - Agregado Familiar: conjunto de pessoas constituído pelos cônjuges ou por duas pessoas que vivam em condições análogas às dos cônjuges, nos termos do art.º. 2020º do Código Civil, e seus ascendentes e descendentes em 1º grau, incluindo enteados e adoptados, desde que com eles vivam em regime de comunhão de mesa e habitação, ou ainda por pessoa solteira, viúva, divorciada, ou separada judicialmente de pessoas e bens, seus ascendentes e descendentes do 1º grau, incluindo enteados e adoptados, desde que igualmente com ela vivam em regime de comunhão de mesa e habitação. 8

9 - Área de um fogo: é em cada piso ocupado pelo fogo, a área delimitada pelo contorno externo das paredes que separam o fogo dos espaços comuns do edifício, pelo contorno intermédio das paredes que separam o fogo do resto do edifício e pelo contorno externo das paredes exteriores do edifício; somando as áreas assim determinadas nos diferentes pisos ocupados pelo fogo, temos a área do fogo. - Área útil de um fogo: é a soma das áreas úteis de todos os compartimentos desse fogo, acrescida da área da superfície destinada ao tratamento de roupa situada numa dependência desse fogo. - Avaliação: determinação do valor do bem que vai ser dado de hipoteca. - Bonificação: apoio concedido pelo Estado para aquisição de habitação, através da comparticipação nos juros. - Caderneta Predial: documento que funciona como uma espécie de "bilhete de identidade" do imóvel. É emitido pela Repartição de Finanças e comprova a sua inscrição na matriz, identifica a sua localização, a composição, a área, o proprietário e o valor tributável. Sempre que seja necessário efectuar um registo na Conservatória do Registo Predial é solicitada a apresentação da caderneta predial actualizada pela Repartição de Finanças. - Certidão de Teor: documento emitido pela Conservatória do Registo Predial que certifica todos os registos efectuados em relação ao imóvel: localização, composição, proprietários, ónus, transmissões, etc. - Conservatória do Registo Predial: serviço público, dependente do Ministério da Justiça (Direcção Geral e Registos de Notariado), onde é registada a informação essencial relativa aos bens imóveis (urbanos e rústicos), designadamente a sua localização e confrontações, a sua composição e a identificação dos sucessivos proprietários. Existem em todos os concelhos do país, sendo várias nas grandes cidades. 9

10 - Contrato por Documento Particular: documento que regula a compra e venda de um imóvel destinado a habitação, através de um empréstimo concedido por uma instituição bancária autorizada. Esta modalidade substitui a escritura pública na compra com recurso a crédito, dispensando a intervenção do notário público. - Contrato de Empréstimo: contrato em que fica registado o acordo estabelecido entre o banco (mutuante) e o seu cliente (mutuário) relativo a um financiamento e onde se especificam todas as suas condições (montante, prazos, taxas de juro, etc.). Pode tomar a forma de escritura pública ou documento particular. - Contrato Promessa de Compra e Venda: acordo obrigacional entre quem promete vender e quem promete comprar. Deve conter todos os elementos de identificação das partes (nome, estado civil, naturalidade, n.º fiscal de contribuinte, residência) e ainda os respectivos cônjuges. Indica, também, o imóvel, o valor de compra acordado, o prazo para celebração de escritura, penalizações em caso de não cumprimento, entre outros aspectos. - Direito de Preferência: consiste na possibilidade de o titular de um direito real (por exemplo, proprietário ou arrendatário de determinado imóvel), fazer valer e impor o seu direito relativamente a outro indivíduo, que tenha constituído posteriormente outro direito, sobre a mesma coisa. Por exemplo: direito de preferência do arrendatário na venda a terceiro, do prédio ou fracção de que é arrendatário; direito de preferência do compartimento na venda ou dação em cumprimento a estranhos, da quota de outro co-proprietário. - Distrate: título de cancelamento de hipoteca emitido pelo Banco mutuante. - Doação: contrato pelo qual uma pessoa dispõe gratuitamente de uma coisa ou de um direito, ou assume uma obrigação, em beneficio de outro contraente, que a aceita. Para se verificar a doação é necessário o concurso de duas vontades, a do doador e a do aceitante donatário. A proposta de doação caduca, se não for aceite 10

11 em vida do doador. A doação de imóveis só é válida se for celebrada por escritura pública. - Doação com cláusula de reversão: o doador pode estipular como condição resolutiva da doação, a reversão da coisa doada, no caso de o doador sobreviver ao donatário ou a este e a todos os seus descendentes. Em caso da reversão, falecendo o donatário ou este e todos os seus descendentes, os seus doados regressam ao património do doador. - Doação com reserva: o doador pode estabelecer que a doação seja efectuada com reserva do usufruto dos bens doados, para si ou para terceiro. Em caso de doação de imóvel com reserva usufruto, a doação compreenderá apenas a nuapropriedade ou a raiz. O usufruto, reservado para doador ou para terceiro, abrange as coisas acrescidas e os direitos inerentes à coisa doada (frutos, rendimentos, direito de uso, etc.). - Escritura Pública: acto (contrato) pelo qual se transmite o bem de um proprietário para outro através de um documento escrito e assinado por ambas as partes perante o notário ou o seu representante. É prática corrente que, neste acto, o vendedor receba o valor em dívida através de cheque visado, transferência bancária ou dinheiro. De acordo com a lei, a compra e venda de imóveis está sempre sujeita a escritura pública. O contrato por documento particular constitui a única excepção. - Euribor (Euro Interbank Offer Rate): taxa interbancária (média das taxas da oferta de fundos praticada entre bancos), que resulta de um painel de 57 bancos de países da União Europeia e de terceiros países, escolhidos por serem particularmente activos no mercado do Euro. A Caixa Geral de Depósitos é, neste momento, o único Banco português a integrar aquele painel atendendo ao seu peso no mercado monetário nacional. A Euribor é calculada diariamente para os 11

12 diversos prazos padrão do mercado financeiro. A Euribor é a taxa de referência (indexante) utilizada no cálculo da taxa de juro dos empréstimos de habitação. - Fiador: pessoa que dá garantias pessoais ao pagamento de uma dívida de um terceiro sobre a forma de fiança. No caso de não pagamento por parte do devedor, é ao fiador que cabe pagar o empréstimo e os juros, a quem o concedeu. - Fiança: garantia pessoal em que uma terceira pessoa (fiador) se compromete perante o credor a pagar a prestação, caso o devedor (afiançado) não o faça na devida altura. - Fracção Autónoma: são as diversas partes em que o edifício foi dividido, através da propriedade horizontal (podem ser casas, garagens, lojas, etc.). - Fogo: todo o imóvel que, obedecendo aos requisitos legais exigidos, se destina a habitação segundo o condicionalismo expresso na lei. - Habitação Própria Permanente: aquela onde o mutuário, ou este e o seu agregado familiar, irão manter, estabilizado, o seu centro de vida familiar. - Garantia: hipoteca do imóvel que é objecto do empréstimo, ou em casos pontuais, como substituição da garantia hipotecária, a hipoteca de um outro imóvel ou penhor de títulos da Dívida Pública. - Hipoteca: garantia real que confere ao credor o direito de ser pago pelo valor do imóvel pertencente ao devedor, com preferência sobre os demais credores. Este tipo de garantia é usualmente exigido pelos bancos para os empréstimos de longo prazo, como é o caso dos empréstimos à habitação. - Imóvel: prédio rústico ou urbano, água, árvore, arbusto e frutos naturais enquanto estiverem ligados ao solo, os direitos inerentes a estas coisas e as partes integrantes dos prédios rústicos e urbanos que estejam ligadas materialmente com carácter de permanência - Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI): imposto municipal anual, que incide sobre o valor patrimonial tributário da habitação. A habitação própria permanente 12

13 pode ser isenta deste imposto por um período de 3 a 6 anos, consoante o seu valor patrimonial tributário devendo ser efectivamente afecta àquele fim no prazo de 6 meses após a escritura. Para este efeito, o proprietário deverá requerer essa isenção no Serviço de Finanças da área do imóvel, até ao termo dos 60 dias subsequentes àquele prazo. - Imposto s/ Transmissões Onerosas de Imóveis (IMT): imposto a pagar de uma só vez antes da escritura e incide sobre o maior dos seguintes valores: o constante do acto ou do contrato ou o valor patrimonial tributário. - Impugnação Pauliana: consiste na faculdade atribuída aos credores, de rescindir, por via judicial, determinados actos ou contratos celebrados pelos seus devedores, com o intuito de diminuir o seu património e, dessa forma, diminuir também a garantia patrimonial do crédito. - Indexação: mecanismo (convenção) que associa automaticamente a taxa de juro de um empréstimo a uma taxa de referência designada por indexante. - Inalienabilidade: impossibilidade de alienar o imóvel durante determinado período de tempo, em função de determinada imposição contratual ou legal. - Inscrição da matriz: acto obrigatório da entidade construtora, quando da conclusão da obra, e do comprador, após a escritura. Dá direito à emissão da caderneta predial. - Licença de Habilitação: documento emitido pela Câmara Municipal da área onde se situa o imóvel, que atesta a habitabilidade do mesmo, depois de verificado o cumprimento das condições legais exigíveis para a sua emissão. - Liquidação Antecipada: pagamento de um crédito antes do fim do prazo inicialmente acordado. Esta operação pode implicar o pagamento de uma taxa suplementar (penalização por liquidação antecipada). - Matriz Predial: registo efectuado na Repartição de Finanças onde consta, designadamente, a composição e a área do prédio, o seu valor tributável e a 13

14 identidade dos proprietários e usufrutuários, se os houver. Um prédio está "omisso" na matriz, se não existir o seu Artigo Matricial. - Mutuante: pessoa que empresta o capital e recebe o juro (credor). - Mutuário: pessoa que recebe o empréstimo e paga o juro (devedor). - Mútuo: contrato pelo qual uma das partes empresta à outra dinheiro, ficando a segunda obrigada a restituir outro tanto no mesmo género e qualidade. - Notário: entidade pública dependente do Ministério da Justiça (Direcção Geral e Registos de Notariado) que tem por missão realizar certos actos e contratos ou verificar as condições legais dos mesmos, nomeadamente a compra e venda de imóveis e a constituição de hipoteca, as quais estão sujeitas a escritura pública. - Obras de beneficiação: são aquelas que não estão tipificadas nas de conservação servem para melhorar ou beneficiar os imóveis ou fracções correspondentes. - Obras de conservação extraordinária: são aquelas ocasionadas por defeito de construção do prédio ou por caso fortuito ou de força maior, e, em geral, as que não sendo imputadas acções ou omissões ilícitas perpetradas pelo senhorio, ultrapassem, no ano em que se tornem necessárias, dois terços do rendimento líquido desse mesmo ano. - Obras de conservação ordinária: são aquelas que se referem à reparação e limpeza geral do prédio, ou obras impostas pela Administração Pública que visam conferir ao prédio as características apresentadas aquando da concessão da licença de utilização. Assim, são obras de conservação ordinária: a) A reparação e limpeza geral do prédio e sua dependências; b) As obras impostas pela Administração Pública, nos termos da lei geral ou local aplicável, e que visem conferir ao prédio as características apresentadas aquando da concessão da licença de utilização; 14

15 c) Em geral, as obras destinadas a manter o prédio nas condições requeridas pelo fim do contrato e existentes à data da sua celebração. - Ónus: qualquer encargo ou limitação que recai sobre a propriedade de um bem. Por exemplo, uma hipoteca, um usufruto ou uma servidão. - Outorgante: interveniente como interessado em escritura pública, contrato promessa, ou qualquer outro contrato. - Período de carência: período em que os clientes pagam prestações só de juros, findo o qual iniciam a amortização de capital (em prestações de capital e juros). - Prédio urbano: qualquer edifício incorporado no solo com os terrenos que lhe sirvam de logradouro. - Prestações constantes: prestações de capital e juros que se mantêm fixas durante um determinado prazo do empréstimo, considerando que não há alterações da taxa de juro durante esse prazo. - Procuração: documento reconhecido no notário, através do qual uma pessoa concede a outra poder para tratar de negócios em seu nome. Na procuração são definidas, exactamente, quais as funções a desempenhar pelo procurador. - Propriedade horizontal: é o acto pelo qual o edifício fica constituído numa pluralidade de personalidades jurídicas individualizadas, chamadas fracções autónomas. São também determinadas quais as partes comuns do edifício que ficam afectas ao conjunto. A constituição da propriedade horizontal deve ser feita através de escritura pública. - Regime geral de crédito: regime de crédito praticado pelas instituições financeiras com competência para este tipo de financiamento e em harmonia com a lei. Têm acesso a este regime todos os agregados familiares que afectem o produto dos empréstimos à aquisição, construção e realização de obras de conservação ordinária, extraordinária e de beneficiação em fogo ou em partes 15

16 comuns de edifício destinado à habitação permanente, secundária ou para arrendamento. - Registo de Aquisição: anotação na Conservatória do Registo Predial da aquisição de determinado imóvel e respectiva transmissão de propriedade. - Registo Definitivo: trata-se da conversão dos registos provisórios em definitivos (ver registos provisórios). - Registo Provisório: quando se recorre a um empréstimo bancário é exigida, antes de celebrar a escritura, a realização de dois registos provisórios: transmissão e hipoteca. Ambos são averbamentos no registo predial do imóvel - que se encontra na Conservatória do Registo Predial onde o imóvel está registado - e mencionam, respectivamente, uma transmissão de propriedade e o facto de passar a existir uma hipoteca do imóvel em favor do banco que concede o empréstimo. Estes registos têm a validade de seis meses, a contar da data da apresentação a registo, caducando se dentro desse prazo não for outorgada a escritura de compra e venda e de hipoteca e se, no mesmo prazo, não for requerida a conversão em definitivo dos registos. - Registo de Hipoteca: anotação na Conservatória do Registo Predial da constituição de uma hipoteca sobre um imóvel. Para obtenção de um empréstimo de habitação, efectua-se previamente um registo provisório de hipoteca que é convertido em definitivo após a assinatura do contrato de mútuo e hipoteca. O registo provisório, se entretanto não for convertido, caduca ao fim de seis meses. - Rendimento anual bruto do agregado familiar: é o rendimento auferido, pelo agregado familiar, sem dedução de quaisquer encargos, durante o ano civil anterior. - Re-hipoteca: designação pela qual é conhecida a transacção de refinanciamento por transferência do crédito à habitação, de uma instituição bancária para outra. 16

17 - Sinal: valor que o comprador entrega ao vendedor depois de tomar a decisão de compra. Constitui o início do pagamento da habitação e funciona como garantia do interesse do comprador. - Spread: margem aplicada pelo Banco sobre a taxa Euribor de referência (indexante). - TAE (Taxa Anual Efectiva): é uma taxa que traduz todos os custos associados a um empréstimo tais como despesas com avaliação, juros, seguros (vida e multiriscos) e outros encargos a pagar ao banco pelo cliente. - TAEG (Taxa Anual Efectiva Global de Encargos): distingue-se da TAE por incluir também os impostos associados a um empréstimo e por se referir apenas ao crédito ao consumo. - Taxa de esforço: relação (em percentagem) entre um duodécimo do rendimento anual bruto do agregado familiar e a prestação mensal de crédito. (Ex. para um rendimento anual de 6.000,00 Euros e uma prestação mensal de 250,00 Euros, a taxa de esforço é de 50%). - Taxa indexada: taxa de juro variável, composta por um indexante (taxa de referência) adicionado de um spread (margem). - Taxa de Referência: taxa de juro utilizada para indexar a taxa contratual de um empréstimo que passará assim a acompanhar, nas condições fixadas no contrato, as variações que a taxa de referência venha a sofrer, no futuro. - TRCB: taxa de referência para cálculo de bonificações. Esta taxa tem vigência semestral com início em 1 de Janeiro e 1 de Julho de cada ano. Para o apuramento da TRCB utiliza-se a taxa Euribor a 6 meses divulgada no primeiro dia útil do mês anterior ao início de cada semestre, acrescida de um diferencial de 1,5 pontos percentuais. A divulgação da TRCB é da responsabilidade da Direcção Geral do Tesouro. 17

18 - Transferência de crédito: finalidade de crédito à habitação destinada à transferência de um empréstimo (concedido ao abrigo do DL 349/98 de 11/11) de Banco para outro. - Utilização por tranches: entregas de capital efectuadas em parcelas nos casos de construção e de obras. As entregas são feitas mediante o andamento da construção ou obras e de acordo com as vistorias realizadas. - Usufruto: direito que o seu titular (usufrutuário) tem de usar um bem que não lhe pertence. A maior parte do usufruto é constituída vitaliciamente (durante a vida do usufrutuário). Por exemplo: um proprietário faz a doação de uma habitação a outra pessoa e reserva para si o direito a utilizá-la enquanto for vivo (direito de usufruto). A obtenção de um empréstimo com hipoteca sobre esta habitação só é possível com a autorização do usufrutuário. - Valor de Avaliação do imóvel: valor atribuído ao imóvel pelo perito contratado pelo Banco, pelo qual vai ser constituída a hipoteca. - Valor Patrimonial Tributário: valor atribuído à habitação ou imóvel e que se encontra inscrito na matriz predial urbana. É averbado na Caderneta Predial pelo Serviço de Finanças e serve de base para calcular o Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI). - Vistoria: inspecção feita pela Câmara Municipal, para verificar se o prédio urbano está conforme o projecto aprovado. Este termo é também utilizado para designar as inspecções que os peritos designados pelos bancos efectuam às obras por eles financiadas. Falta apenas referir as variáveis externas a ter em conta num processo de pedido de empréstimo a uma entidade bancária. Estas variáveis reportam-se não exclusivamente a empréstimos particulares, como é o do crédito para habitação, o crédito individual (ou pessoal) ou o cartão de crédito, mas também no referente a 18

19 empréstimos a pessoas colectivas, como são as empresas. Estas variáveis poderão ser: - as variações da taxa de juro (por exemplo, por influência da taxa de inflação); - as reduções no prazo de pagamento do empréstimo (por vontade do devedor); - amortizações adicionais (valores que o devedor entrega em determinada altura, para abater ao capital em dívida; - 19

20 Simulações Será importante, antes de apresentar as simulações elaboradas, dar uma breve noção de como funciona um simulador. Para tal explicar-se-ão os passos necessários para utilizar o da Caixa Geral de Depósitos. Este simulador permite calcular a prestação mensal de um crédito à habitação, os custos associados e obter a aprovação on-line do seu empréstimo. - Cálculo da prestação: Após introdução dos dados do financiamento, dever-se-á carregar no botão «Simular» e obter-se-á o valor da prestação mensal, o detalhe da simulação com todos os custos associados e o plano financeiro. Utilizando a opção «Imprimir», poder-se-ão imprimir as condições do empréstimo. Esta opção não estará disponível caso se seleccionar a opção «Outra taxa» ou se não tiver taxa de esforço. Caso se pretenda comparar os resultados das simulações efectuadas numa mesma sessão do simulador, dever-se-á entrar em «Guardar», após cada simulação, e depois em «Consultar». - Cálculo dos custos associados: Após simular, será possível conhecer os custos estimados até ao contrato e com o contrato na opção «Custos». - Obter a aprovação on-line: Caso se pretenda obter a aprovação on-line do empréstimo, dever-se-ão preencher os dados relativos aos proponentes e, de seguida, carregar no botão «Submeter a Aprovação». Caso o pedido seja aprovado, com base nos dados preenchidos, é emitida uma 20

21 carta de aprovação do empréstimo. Para prosseguir com o financiamento deverse-á dirigir a qualquer agência da Caixa com os documentos solicitados na carta. Se de acordo com os dados fornecidos não for possível efectuar a aprovação on-line do empréstimo, dever-se-á dirigir a qualquer agência da Caixa a fim do pedido ser analisado com base em informação adicional. Esta opção não estará disponível caso não se tenha seleccionado a opção «Outra taxa» ou se não se tiver taxa de esforço para a simulação que foi efectuada. - Cálculo da taxa de esforço: A taxa de esforço é a proporção do rendimento de um agregado familiar afecto ao pagamento de um empréstimo. Mede-se em percentagem. Em regra não deverá ultrapassar 50% do rendimento médio mensal do agregado familiar. Como cumprir com a taxa de esforço: - revendo os valores de rendimento introduzidos; - revendo o valor do montante pedido; - escolhendo um prazo de pagamento mais dilatado; - seleccionando uma das opções «Capital a transferir para o final do prazo» ou «Prazo de pagamento inicial só de juros» (caso se tenha até 30 anos). 21

22 22

23 23

24 24

25 25

26 26

27 27

28 Conclusão Após terem sido elaboradas as simulações, ambas no regime geral, indexadas à Euribor de 6 em 6 meses, com um prazo de pagamento pretendido de 240 meses (20 anos), poder-se-á concluir que o banco que apresenta a melhor proposta é do Barclays. Este banco apresenta a renda mais baixa, de 998,28, ao passo que a Caixa Geral de Depósitos apresenta uma renda de 1021,99. O Banco Espírito Santo apresenta a renda mais elevada, 1023,24. É de referir que nenhum destes valores contempla seguros. A taxa de juro nominal mais baixa é novamente a do Barclays, de 3%, em detrimento dos 3,270% e dos 3,275% da Caixa Geral de Depósitos e do Banco Espírito Santo respectivamente. A taxa anual efectiva mais baixa é também a do Barclays, sendo de 3,236%. Em última análise, poderemos concluir que, perante os dados introduzidos, a melhor proposta que nos é dada é a do Barclays. Contudo, e dada a limitação do tempo, ser-nos-á impossível fazer uma análise mais aprofundada dos dados obtidos nas simulações. Resta-nos apenas referir que todos os dados obtidos podem sofrer alterações a qualquer momento, a par das modificações inevitavelmente sofridas aquando da rectificação da Euribor, uma vez terem sido calculados para as taxas actualmente em vigor. Diversas variáveis podem provocar oscilações nas rendas futuras como é o caso das amortizações antecipadas, da variabilidade da taxa da Euribor, taxa essa associada a muitos outros factores como, por exemplo, o petróleo. Existem ainda certas variáveis designadas ocultas, como é o caso do seguro de vida, que podem provocar oscilações nas prestações, uma vez que variam consoante a idade, a saúde, da pessoa. 28

Informação Geral sobre o Crédito Habitação do «NOVO BANCO»

Informação Geral sobre o Crédito Habitação do «NOVO BANCO» Informação sobre o do «NOVO BANCO» Observações Preliminares O presente documento não constitui uma oferta juridicamente vinculativa. Os dados quantificados são fornecidos de boa fé e constituem uma descrição

Leia mais

Ficha de Informação Geral

Ficha de Informação Geral Objectivo da Ficha de Informação Geral Oferecer aos Clientes informação de carácter geral sobre o crédito à habitação, o mais transparente, sistemático e rigorosamente possível, antes da formalização de

Leia mais

Glossário de Crédito Habitação do NOVO BANCO

Glossário de Crédito Habitação do NOVO BANCO Glossário de Crédito Habitação do NOVO BANCO Tipo de Propriedade 1ª Habitação Residência habitual do agregado familiar (habitação própria permanente). 2ª Habitação Residência não habitual do agregado familiar

Leia mais

Ficha de Informação Geral

Ficha de Informação Geral Objectivo da Ficha de Informação Geral Oferecer aos Clientes informação de carácter geral sobre o crédito à habitação, o mais transparente, sistemática e rigorosamente possível, antes da formalização de

Leia mais

Preçário. Caixa Central de Crédito Agricola Mútuo e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo

Preçário. Caixa Central de Crédito Agricola Mútuo e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo Preçário CAIXA CENTRAL - CAIXA CENTRAL DE CRÉDITO AGRICOLA MÚTUO, CRL E CAIXAS DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO DO SISTEMA INTEGRADO DO CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO Caixa Central de Crédito Agricola Mútuo e Caixas

Leia mais

Lei n. o 64/2014 26-08-2014

Lei n. o 64/2014 26-08-2014 Lei n. o 64/2014 26-08-2014 Assunto: Aprova o regime de concessão de crédito bonificado à habitação a pessoa com deficiência e revoga os Decretos-Leis n. os 541/80, de 10 de novembro, e 98/86, de 17 de

Leia mais

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa.

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. GUIA COMPRA DE CASA Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. O BPI sintetizou algumas informações que o ajudarão a tomar a melhor decisão. 1 - Quais os custos a considerar na escolha

Leia mais

Ficha de Informação Geral

Ficha de Informação Geral Objectivo da Ficha de Informação Geral Oferecer aos Clientes informação de carácter geral sobre o crédito à habitação, o mais transparente, sistemático e rigorosamente possível, antes da formalização de

Leia mais

VAI PERMUTAR A SUA CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE!

VAI PERMUTAR A SUA CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! VAI PERMUTAR A SUA CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! As normas da compra e venda são aplicáveis aos outros contratos onerosos pelos quais se alienam bens ou se estabeleçam encargos sobre eles, na medida

Leia mais

Guia de Habitação. Tudo o que precisa saber antes de comprar casa

Guia de Habitação. Tudo o que precisa saber antes de comprar casa Guia de Habitação Tudo o que precisa saber antes de comprar casa Guia de Habitação do Grupo Imobiliário ABANCA Esta publicação é propriedade do Grupo Imobiliário ABANCA. É proibido a reprodução total ou

Leia mais

FOLHETO DE TAXAS DE JURO

FOLHETO DE TAXAS DE JURO FOLHETO DE TAXAS DE JURO Clientes Particulares Outros clientes 17 CONTAS DE DEPÓSITO 19 CONTAS DE DEPÓSITO 17.1. Depósitos à ordem 19.1. Depósitos à ordem 17.2. Depósitos a prazo 19.2. Depósitos a prazo

Leia mais

Decreto-Lei n.º 27/2001, de 3 de Fevereiro, Regula o novo regime das contas poupançahabitação

Decreto-Lei n.º 27/2001, de 3 de Fevereiro, Regula o novo regime das contas poupançahabitação 1/7 Decreto-Lei n.º 27/2001, de 3 de Fevereiro, Regula o novo regime das contas poupançahabitação JusNet 259/2001 Link para o texto original no Jornal Oficial (DR N.º 29, Série I-A, 3 Fevereiro 2001; Data

Leia mais

PORTUGAL - SISTEMA FISCAL SOBRE O PATRIMÓNIO IMOBILIÁRIO

PORTUGAL - SISTEMA FISCAL SOBRE O PATRIMÓNIO IMOBILIÁRIO PORTUGAL - SISTEMA FISCAL SOBRE O PATRIMÓNIO IMOBILIÁRIO 1 OS IMPOSTOS SOBRE O PATRIMÓNIO - IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS (IMI) - O IMI é um imposto que incide sobre o valor patrimonial tributário dos

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO GERAL DE CRÉDITO À HABITAÇÃO Versão 7/11 1Julho 2011

FICHA DE INFORMAÇÃO GERAL DE CRÉDITO À HABITAÇÃO Versão 7/11 1Julho 2011 Observações preliminares O presente documento não constitui uma oferta juridicamente vinculativa. Os dados quantificados são fornecidos de boa fé e constituem uma descrição exacta da oferta que o mutuante

Leia mais

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa.

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. GUIA COMPRA DE CASA Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. O BPI sintetizou algumas informações que o ajudarão a tomar a melhor decisão. 1 - Quais os custos a considerar na escolha

Leia mais

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do BANCO PRIMUS, SA, contém o Folheto de e Despesas (que incorpora

Leia mais

PREÇOS MAIS BARATOS E TRANSPARENTES NA COMPRA DE CASA

PREÇOS MAIS BARATOS E TRANSPARENTES NA COMPRA DE CASA PREÇOS MAIS BARATOS E TRANSPARENTES NA COMPRA DE CASA 31 de Julho de 2008 O Ministério da Justiça esclarece o seguinte: 1. Na generalidade das situações, os preços do registo predial diminuíram em comparação

Leia mais

Banif SA - Pag. 1 de 13

Banif SA - Pag. 1 de 13 FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA - CRÉDITO À HABITAÇÃO E DE CRÉDITO CONEXO PARTE I - CONDIÇÕES FINANCEIRAS DO CRÉDITO À HABITAÇÃO A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO E OBSERVAÇÕES 1. Identificação da Instituição

Leia mais

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do BANCO PRIMUS, SA, contém o Folheto de e Despesas (que incorpora

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO GERAL DE CRÉDITO À HABITAÇÃO Versão 5/15 1 julho 2015

FICHA DE INFORMAÇÃO GERAL DE CRÉDITO À HABITAÇÃO Versão 5/15 1 julho 2015 Observações preliminares. O presente documento não constitui uma oferta juridicamente vinculativa. Os dados quantificados são fornecidos de boa fé e constituem uma descrição exata da oferta que o mutuante

Leia mais

EMPRÉSTIMOS HABITAÇÃO. Temos uma solução à sua medida PRESTAÇÃO INDEXADA TAE 5,792% / TAN 4,926% Sujeito a decisão de crédito

EMPRÉSTIMOS HABITAÇÃO. Temos uma solução à sua medida PRESTAÇÃO INDEXADA TAE 5,792% / TAN 4,926% Sujeito a decisão de crédito EMPRÉSTIMOS HABITAÇÃO Temos uma solução à sua medida PRESTAÇÃO INDEXADA TAE 5,792% / TAN 4,926% Sujeito a decisão de crédito Conte com o nosso apoio e concretize os seus sonhos Seja qual for o seu projecto,

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à Ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à Ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Meios de Movimentação Conta Completa Clientes Particulares, maiores de 18 anos, que sejam trabalhadores por conta de outrem e que aceitem domiciliar ou transferir,

Leia mais

EMPRÉSTIMOS HABITAÇÃO. Temos uma solução à sua medida PRESTAÇÃO INDEXADA TAE 4,923% / TAN 4,235% Sujeito a decisão de crédito

EMPRÉSTIMOS HABITAÇÃO. Temos uma solução à sua medida PRESTAÇÃO INDEXADA TAE 4,923% / TAN 4,235% Sujeito a decisão de crédito EMPRÉSTIMOS HABITAÇÃO Temos uma solução à sua medida PRESTAÇÃO INDEXADA TAE 4,923% / TAN 4,235% Sujeito a decisão de crédito Conte com o nosso apoio e concretize os seus sonhos Seja qual for o seu projecto,

Leia mais

Preçário INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 11-09-2014

Preçário INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 11-09-2014 Preçário INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de Entrada em vigor: 11-09-2014 Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 03-08-2015 O Preçário

Leia mais

VAI COMPRAR CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE!

VAI COMPRAR CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! VAI COMPRAR CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! Compra e venda é o contrato pelo qual se transmite a propriedade de uma coisa ou outro direito, mediante um preço Art.º 874.º do Código Civil 1. Legislação

Leia mais

Crédito Habitação BPI - Ficha de Informação Geral

Crédito Habitação BPI - Ficha de Informação Geral Crédito Habitação BPI - Ficha de Informação Geral Mutuante Banco BPI, S.A. Sede: Rua Tenente Valadim, 284 4100-476 PORTO Sociedade Aberta, Capital Social 1.293.063.324,98, matriculada na CRCP sob o número

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 FISCAL E FINANÇAS LOCAIS NEWSLETTER RVR 2 Maio de 2007 ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 Sandra Cristina Pinto spinto@rvr.pt O Decreto Lei nº 238/2006 e a Lei nº 53-A/2006, publicados

Leia mais

A aquisição de qualquer imóvel pressupõe o pagamento de IMT, IMI e imposto de selo.

A aquisição de qualquer imóvel pressupõe o pagamento de IMT, IMI e imposto de selo. Impostos A aquisição de qualquer imóvel pressupõe o pagamento de IMT, IMI e imposto de selo. IMT (Imposto sobre Transmissões Onerosas de Imóveis) Imposto sobre as transmissões onerosas do direito de propriedade

Leia mais

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto de e Despesas: 01-set-2015 Data de Entrada em vigor do

Leia mais

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto de e Despesas: 20-abr-2015 Data de Entrada em vigor do

Leia mais

Comissões IVA. Acresce Imposto. Valor Com Imposto IS Cont. Mad. Aç. Cont. Mad. Aç. Comissões Iniciais -- -- 23% 22% 18% 24,60 24,40 23,60

Comissões IVA. Acresce Imposto. Valor Com Imposto IS Cont. Mad. Aç. Cont. Mad. Aç. Comissões Iniciais -- -- 23% 22% 18% 24,60 24,40 23,60 2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (CLIENTES PARTICULARES) - FOLHETO DE COMSÕES E DESPESAS Entrada em vigor: 17-agosto-2015 2.1. Crédito à Habitação e Contratos Conexos - Crédito Habitação para Residentes [2.1.20150922.18]

Leia mais

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do BANCO PRIMUS, SA, contém o Folheto de Comissões e Despesas

Leia mais

Simulação de Crédito Imobiliário

Simulação de Crédito Imobiliário Simulação de Crédito Imobiliário Data de Impressão: 03-07-2015 13:39 Número de Simulação: 14856576 Resumo Prestação Comissão de Processamento (mensal) (Acresce Imposto do Selo à Taxa em vigor) Vida Risco

Leia mais

SOLARH. Legislação aplicável: Definição e Objectivos:

SOLARH. Legislação aplicável: Definição e Objectivos: Legislação aplicável: Decreto-Lei n.o 39/2001 revoga o Decreto-Lei nº 7/99, de 8 de Janeiro. SOLARH Definição e Objectivos: O Apoio Financeiro Especial para Obras em Habitação Permanente (SOLARH), visa

Leia mais

GUIA HABITAÇÃO. Crédito Habitação

GUIA HABITAÇÃO. Crédito Habitação www.facebook.com/santandertotta.pt http://twitter.com/santandertotta Comprar Casa é uma das decisões mais importantes na vida, porque envolve um grande investimento. Por isso, tem que ser muito bem pensada.

Leia mais

VAI ARRENDAR CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE!

VAI ARRENDAR CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! VAI ARRENDAR CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! Locação é o contrato pelo qual uma das partes se obriga a proporcionar à outra o gozo temporário de uma coisa, mediante retribuição Art.º 1022.º do Código

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Meios de Movimentação Moeda Conta Super Jovem Clientes Particulares, com idade entre os 18 e os 30 anos (inclusive). Depósito à Ordem. Esta conta pode ser movimentada

Leia mais

Decreto-Lei n.º 349/98 de 11 de Novembro

Decreto-Lei n.º 349/98 de 11 de Novembro Decreto-Lei n.º 349/98 de 11 de Novembro O Decreto-Lei n.º 328-B/86, de 30 de Setembro, tem vindo a regular a concessão de crédito à aquisição, construção, beneficiação, recuperação ou ampliação de habitação

Leia mais

Código de Conduta Voluntário de Crédito Habitação

Código de Conduta Voluntário de Crédito Habitação Código de Conduta Voluntário de Crédito Habitação Indíce ACORDO EUROPEU SOBRE UM CÓDIGO DE CONDUTA VOLUNTÁRIO SOBRE AS INFORMAÇÕES A PRESTAR 3 ANTES DA CELEBRAÇÃO DE CONTRATOS DE EMPRÉSTIMO À HABITAÇÃO

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO À HABITAÇÃO

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO À HABITAÇÃO ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO À HABITAÇÃO Índice Finalidades do crédito à habitação Avaliação da capacidade financeira Ficha de Informação Normalizada (FIN) Prazo Modalidades de reembolso

Leia mais

No Site do Instituto de Registos e Notariado (www.irn.mj.pt) poderão obter se os Contactos dos Serviços de Registo Predial.

No Site do Instituto de Registos e Notariado (www.irn.mj.pt) poderão obter se os Contactos dos Serviços de Registo Predial. VAI PERMUTAR A SUA CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! As normas da compra e venda são aplicáveis aos outros contratos onerosos pelos quais se alienam bens ou se estabeleçam encargos sobre eles, na medida

Leia mais

Banco Popular - Simulador Crédito Habitação

Banco Popular - Simulador Crédito Habitação Página 1 de 16 Ficha de Informação Normalizada de Crédito à Habitação, de Crédito Conexo e de Outro Crédito Hipotecário PARTE I - CONDIÇÕES FINANCEIRAS DO CRÉDITO À HABITAÇÃO Imprimir A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Decreto-Lei n.º 349/98, de 11 de Novembro, Estabelece o regime jurídico de concessão de crédito à habitação própria

Decreto-Lei n.º 349/98, de 11 de Novembro, Estabelece o regime jurídico de concessão de crédito à habitação própria 1/34 Decreto-Lei n.º 349/98, de 11 de Novembro, Estabelece o regime jurídico de concessão de crédito à habitação própria JusNet 216/1998 Link para o texto original no Jornal Oficial (DR N.º 261, Série

Leia mais

Decreto n.º 63/99, de 2 de Novembro

Decreto n.º 63/99, de 2 de Novembro Decreto n.º 63/99, de 2 de Novembro Cria um instrumento financeiro denominado obrigações hipotecárias. B.O. n.º 40 - I Série Decreto n.º 63/99 de 2 de Novembro O presente diploma, dando sequência à reforma

Leia mais

Simulação de Crédito Imobiliário

Simulação de Crédito Imobiliário Simulação de Crédito Imobiliário Data de Impressão: 16-02-2015 19:47 Número de Simulação: 14616115 / x944719 Gestor de Projeto: MIGUEL VELEZ (211126702) Resumo Prestação inicial Prestação Comissão manutenção

Leia mais

Preçário UNION DE CREDITOS INMOBILIARIOS, S.A., EFC - SUCURSAL EM PORTUGAL

Preçário UNION DE CREDITOS INMOBILIARIOS, S.A., EFC - SUCURSAL EM PORTUGAL Preçário UNION DE CREDITOS INMOBILIARIOS, S.A., EFC - SUCURSAL EM INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO COM SEDE EM ESTADO-MEMBRO DA UNIÃO EUROPEIA Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO

Leia mais

FIN - FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA

FIN - FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA FIN - FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA PARTE I - CONDIÇÕES FINANCEIRAS DO CRÉDITO À HABITAÇÃO A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO E OBSERVAÇÕES 1. Identificação da Instituição Denominação Caixa Geral de Depósitos,

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA DE CONTRATOS DE CRÉDITO HABITAÇÃO PARTE I CONDIÇÕES FINANCEIRAS DO CRÉDITO HABITAÇÃO

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA DE CONTRATOS DE CRÉDITO HABITAÇÃO PARTE I CONDIÇÕES FINANCEIRAS DO CRÉDITO HABITAÇÃO FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA DE CONTRATOS DE CRÉDITO HABITAÇÃO PARTE I CONDIÇÕES FINANCEIRAS DO CRÉDITO HABITAÇÃO A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO E OBSERVAÇÕES 1. Identificação da Instituição Denominação

Leia mais

Simulação de Crédito Imobiliário

Simulação de Crédito Imobiliário Simulação de Crédito Imobiliário Data de Impressão: 16-02-2015 19:42 Número de Simulação: 14616115 / x944719 Gestor de Projeto: MIGUEL VELEZ (211126702) Resumo Prestação inicial Prestação Comissão manutenção

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA VOLUNTÁRIO / CRÉDITO HABITAÇÃO

CÓDIGO DE CONDUTA VOLUNTÁRIO / CRÉDITO HABITAÇÃO CÓDIGO DE CONDUTA VOLUNTÁRIO / CRÉDITO HABITAÇÃO O Grupo Banco Espírito Santo aderiu ao Código de Conduta Voluntário do Crédito, acordado entre Associações Europeias de Consumidores e Associações Europeias

Leia mais

Simulação de Crédito Habitação Santander Totta

Simulação de Crédito Habitação Santander Totta Página 1 de 14 Super Crédito Habitação Taxa Variável FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA DE CONTRATOS DE CRÉDITO À HABITAÇÃO (ao abrigo do Aviso do Banco de Portugal nº2/2010, de 16 de Abril, e da instrução

Leia mais

CASA PRONTA. Perguntas & Respostas

CASA PRONTA. Perguntas & Respostas CASA PRONTA Perguntas & Respostas 1. O que é o balcão Casa Pronta? O Casa Pronta é um balcão único onde é possível realizar todas as operações relativas à compra e venda de casa (prédios urbanos). Neste

Leia mais

Actualização dos limites das deduções à colecta fixados em valor variável entre 2.4% e 3.2%

Actualização dos limites das deduções à colecta fixados em valor variável entre 2.4% e 3.2% IRS Escalões de IRS Actualizados os escalões de IRS em 2.5%. Em regra, contribuintes de todos os escalões sofrerão reduções pouco significativas do IRS a pagar sobre os seus rendimentos. Excepção para

Leia mais

Regime Jurídico da Concessão de Crédito à Habitação

Regime Jurídico da Concessão de Crédito à Habitação Regime Jurídico da Concessão de Crédito à Habitação Aprovado pelo Decreto-Lei n o 349/98, de 11 de Dezembro. O presente diploma entrou em vigor no dia imediato ao da sua publicação. A presente versão,

Leia mais

CRÉDITO À HABITAÇÃO. Banco de Cabo Verde

CRÉDITO À HABITAÇÃO. Banco de Cabo Verde S DO BANCO DE CABO VERDE CRÉDITO À HABITAÇÃO Banco de Cabo Verde Banco de Cabo Verde Crédito à Habitação Banco de Cabo Verde Cidade da Praia 013 Ficha Técnica Título: Crédito à Habitação Autor: Banco de

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS FUNDOS ESPECIAIS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1 F U N D O S M I S T O S ASPECTOS FUNDAMENTAIS RE GIM E JURÍDICO O enquadramento jurídico dos Fundos de Investimento Imobiliário (FII)

Leia mais

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS. O que é. A que tipo de prédios se aplica

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS. O que é. A que tipo de prédios se aplica IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS O que é A que tipo de prédios se aplica Quem tem de pagar IMI Prédios isentos Reconhecimento Tipo de isenção Prédios classificados como monumentos nacionais ou património

Leia mais

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1 F U N D O S F E C H A D O S D E S U B S C R I Ç Ã O P Ú B L I C A ASPECTOS FUNDAMENTAIS RE GIM E JURÍDICO O enquadramento jurídico dos Fundos

Leia mais

Desformalização, eliminação e simplificação de actos

Desformalização, eliminação e simplificação de actos Desformalização, eliminação e simplificação de actos Em 5 de Julho de 2005, o Senhor Primeiro-Ministro apresentou o Programa de Investimentos em Infraestruturas Prioritárias. O projecto de Desmaterialização,

Leia mais

Perguntas & Respostas

Perguntas & Respostas Perguntas & Respostas 1. O que é a Casa Simples - Casa Segura? A Casa Segura consiste num atendimento personalizado e altamente qualificado, sem balcões, com boas instalações e adequada tecnologia de ponta,

Leia mais

FOLHETO DE TAXAS DE JURO

FOLHETO DE TAXAS DE JURO FOLHETO DE TAXAS DE JURO Clientes Particulares Outros clientes 17 CONTAS DE DEPÓSITO 19 CONTAS DE DEPÓSITO 17.1. Depósitos à Ordem 19.1. Depósitos à Ordem 17.2. Depósitos a Prazo 19.2. Depósitos a Prazo

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 217 9 de novembro de 2012 6481. 10 de abril, e 222/2009, de 11 de setembro, passa a ter a seguinte redação:

Diário da República, 1.ª série N.º 217 9 de novembro de 2012 6481. 10 de abril, e 222/2009, de 11 de setembro, passa a ter a seguinte redação: Diário da República, 1.ª série N.º 217 9 de novembro de 2012 6481 ainda decorrido o prazo para a oposição à execução relativa a créditos à habitação e créditos conexos garantidos por hipoteca, ou até à

Leia mais

Ficha de Informação Geral

Ficha de Informação Geral Objectivo da Ficha de Informação Geral Oferecer aos Clientes informação de carácter geral sobre o crédito à habitação, o mais transparente, sistemático e rigorosamente possível, antes da formalização de

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Meios de Movimentação Conta Negócio Clientes Empresa e Empresários em Nome Individual. Depósito à Ordem remunerado, que possibilita o acesso a um limite de crédito

Leia mais

Novas regras na habitação

Novas regras na habitação Novas regras na habitação PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 7 DE JANEIRO DE 2013 POR JM A lei n.º 59/2012, de novembro, cria salvaguardas para os mutuários de crédito à habitação e altera o decreto-lei

Leia mais

Preçário BANCO DO BRASIL AG - SUCURSAL EM PORTUGAL BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO DO BRASIL AG - SUCURSAL EM PORTUGAL BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO DO BRASIL AG - SUCURSAL EM PORTUGAL BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do Banco do Brasil AG Sucursal em Portugal,

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos simples, não à ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos simples, não à ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Prazo Mobilização Antecipada Poupança Habitação Geral Clientes Particulares com mais de 30 anos. Depósito constituído em regime especial. 12 meses Após o decurso

Leia mais

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto de e Despesas: 01-set-2015 Data de Entrada em vigor do

Leia mais

1. Legislação Aplicável

1. Legislação Aplicável VAI COMPRAR CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! Compra e venda é o contrato pelo qual se transmite a propriedade de uma coisa ou outro direito, mediante um preço Art.º 874.º do Código Civil 1. Legislação

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 595/XII/3.ª

PROJETO DE LEI N.º 595/XII/3.ª PROJETO DE LEI N.º 595/XII/3.ª REGULA A CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Exposição de Motivos O Decreto-Lei n.º 230/80, de 16 de julho, atribuiu o direito de aquisição ou construção

Leia mais

FOLHETO DE TAXAS DE JURO

FOLHETO DE TAXAS DE JURO FOLHETO DE TAXAS DE JURO Clientes Particulares Outros clientes 17 CONTAS DE DEPÓSITO 19 CONTAS DE DEPÓSITO 17.1. Depósitos à ordem 19.1. Depósitos à ordem 17.2. Depósitos a prazo 19.2. Depósitos a prazo

Leia mais

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Artigo 102.º Objecto É aprovado o regime especial aplicável aos fundos de investimento imobiliário para arrendamento

Leia mais

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO. Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 8 de Janeiro 2015

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO. Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 8 de Janeiro 2015 Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 8 de Janeiro 2015 O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento ao

Leia mais

Preçário FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 23-10-2013 FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 01-07-2014

Preçário FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 23-10-2013 FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 01-07-2014 Preçário FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de Entrada em vigor: 23-10-2013 FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 01-07-2014 O Preçário completo da Orey Financial, Instituição Financeira

Leia mais

Ordem de Serviço Nº 03/CA/2011 Presidente do Conselho de Administração

Ordem de Serviço Nº 03/CA/2011 Presidente do Conselho de Administração Ordem de Serviço Nº 03/CA/2011 Presidente do Conselho de Administração ASSUNTO: ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO DE CRÉDITO O Conselho de Administração da Cooperativa de Poupança e Crédito, SCRL, no âmbito das

Leia mais

Portaria nº 310/2008, de 23 de Abril

Portaria nº 310/2008, de 23 de Abril Portaria nº 310/2008, de 23 de Abril A generalidade dos empréstimos à habitação em regime bonificado foi contratada pelo prazo máximo de reembolso de 30 anos. A presente portaria tem como objecto alinhar

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CUSTO DO CRÉDITO

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CUSTO DO CRÉDITO ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CUSTO DO CRÉDITO Índice Componentes do custo do crédito Taxa de juro Comissões Despesas Seguros Medidas agregadas do custo do crédito: TAE e TAEG Taxas máximas no crédito

Leia mais

Lei nº 59/2012, de 9 de novembro

Lei nº 59/2012, de 9 de novembro Lei nº 59/2012, de 9 de novembro Cria salvaguardas para os mutuários de crédito à habitação e altera o Decreto-Lei nº 349/98, de 11 de novembro A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c)

Leia mais

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1 F U N D O S F E C H A D O S D E S U B S C R I Ç Ã O PA R T I C U L A R ASPECTOS FUNDAMENTAIS RE GIM E JURÍDICO O enquadramento jurídico

Leia mais

GOLDEN VISA. Autorização de Residência INFORMAÇÃO LEGAL I. AUTORIZAÇÃ O DE RESIDÊNCIA PARA INVESTIDORES ESTRANGEIROS

GOLDEN VISA. Autorização de Residência INFORMAÇÃO LEGAL I. AUTORIZAÇÃ O DE RESIDÊNCIA PARA INVESTIDORES ESTRANGEIROS INFORMAÇÃO LEGAL GOLDEN VISA I. AUTORIZAÇÃ O DE RESIDÊNCIA PARA INVESTIDORES ESTRANGEIROS As disposições legais em vigor admitem a possibilidade de cidadãos estrangeiros não residentes na União Europeia

Leia mais

É criado um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior que se rege pelo disposto no presente diploma.

É criado um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior que se rege pelo disposto no presente diploma. Decreto-Lei N.º 512/99 De 24 de Novembro Cria um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior A Lei n.º 113/97, de 16 de Setembro - Lei de Bases do Financiamento do Ensino Superior Público

Leia mais

2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) (ÍNDICE)

2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) (ÍNDICE) 2.1. Crédito à habitação e contratos conexos Crédito Habitação Para Aquisição, Construção, Obras e Aquisição de Terreno para Habitação Própria, Secundária ou Arrendamento, Crédito Sinal, Transferências;

Leia mais

Investimento Imobiliário em Angola Guia Prático

Investimento Imobiliário em Angola Guia Prático www.finaccount.com Investimento Imobiliário em Angola Guia Prático Prestação de Serviços de Consultoria Empresarial e Formação Aquisição de bens imóveis O processo de aquisição de bens imóveis em Angola

Leia mais

SUPERVISÃO Supervisão Comportamental

SUPERVISÃO Supervisão Comportamental Banco de Portugal EUROSISTEMA INSTRUÇÃO N.º 10/2010 Temas SUPERVISÃO Supervisão Comportamental Folha 1 ASSUNTO: Ficha de Informação Normalizada de Crédito à Habitação e de Crédito Conexo O Banco de Portugal

Leia mais

O artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 78/2006, de 4 de Abril, estabelece como estando abrangidos pelo SCE os seguintes edifícios:

O artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 78/2006, de 4 de Abril, estabelece como estando abrangidos pelo SCE os seguintes edifícios: Regime Jurídico da Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Departamento de Imobiliário 12 de Janeiro de 2009 O Decreto-Lei n.º 78/2006 de 4 de Abril aprovou o Sistema

Leia mais

Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010

Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010 Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010 A Instrução n.º 27/2003 consagrou no ordenamento jurídico nacional os procedimentos mais relevantes da Recomendação da Comissão n.º 2001/193/CE, de 1 de Março de 2001,

Leia mais

Preçário GE CONSUMER FINANCE, I.F.I.C., INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, SA. Instituição Financeira de Crédito

Preçário GE CONSUMER FINANCE, I.F.I.C., INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, SA. Instituição Financeira de Crédito Preçário GE CONSUMER FINANCE, I.F.I.C., INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, SA Instituição Financeira de Crédito Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de O Preçário completo da GE Consumer Finance,

Leia mais

Fidelity Poupança. Condições Gerais e Especiais

Fidelity Poupança. Condições Gerais e Especiais 1. DEFINIÇÕES 1.1. Para os efeitos do presente Contrato, entende-se por:» I.C.A.E.: Instrumento de Captação de Aforro Estruturado ;» Seguradora: ;» Tomador de Seguro: a Entidade que celebra o Contrato

Leia mais

PRÉVOIR PPR NOVA VERSÃO INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS ANEXO À PROPOSTA PRÉVOIR PPR

PRÉVOIR PPR NOVA VERSÃO INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS ANEXO À PROPOSTA PRÉVOIR PPR Este documento apresenta-se como um resumo das Condições Gerais e Especiais do seguro Prévoir PPR e não dispensa a consulta integral das mesmas. SEGURADOR FINALIDADE SEGMENTO-ALVO CONDIÇÕES DE SUBSCRIÇÃO

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à Ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à Ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Meios de Movimentação Conta Completa Clientes Particulares, maiores de 18 anos, que sejam trabalhadores por conta de outrem e que aceitem domiciliar ou transferir,

Leia mais

VAI PERMUTAR A SUA CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE!

VAI PERMUTAR A SUA CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! 1 VAI PERMUTAR A SUA CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! As normas da compra e venda são aplicáveis aos outros contratos onerosos pelos quais se alienam bens ou se estabeleçam encargos sobre eles, na medida

Leia mais

Preçário. Caixa Central de Crédito Agricola Mútuo e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo

Preçário. Caixa Central de Crédito Agricola Mútuo e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo Preçário CAIXA CENTRAL - CAIXA CENTRAL DE CRÉDITO AGRICOLA MÚTUO, CRL E CAIXAS DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO DO SISTEMA INTEGRADO DO CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO Caixa Central de Crédito Agricola Mútuo e Caixas

Leia mais

CIRCULAR Nº 1.278 Às Caixas Econômicas, Sociedades de Crédito Imobiliário e Associações de Poupança e Empréstimo

CIRCULAR Nº 1.278 Às Caixas Econômicas, Sociedades de Crédito Imobiliário e Associações de Poupança e Empréstimo 1 CIRCULAR Nº 1.278 Às Caixas Econômicas, Sociedades de Crédito Imobiliário e Associações de Poupança e Empréstimo Comunicamos que a Diretoria do Banco Central, tendo em vista o disposto no i- tem XXIII

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 2º, nº 1, a) 9º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 2º, nº 1, a) 9º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 2º, nº 1, a) 9º Fundos de investimento imobiliário. Renúncia à isenção nas operações de transmissão e locação de imóveis. Regime de autoliquidação de imposto

Leia mais

Golden Residence Permit Program BES IMÓVEIS AREA GESTÃO IMOBILIÁRIA

Golden Residence Permit Program BES IMÓVEIS AREA GESTÃO IMOBILIÁRIA Golden Residence Permit Program BES IMÓVEIS AREA GESTÃO IMOBILIÁRIA Em que consiste, razões para a existência do programa e benefício principal Quem pode beneficiar do programa Como beneficiar do programa

Leia mais