Acórdão do Tribunal da Relação de Évora

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Acórdão do Tribunal da Relação de Évora"

Transcrição

1 Processo: Relator: Descritores: Acórdãos TRE 264/06.6GBPSR.E1 MARTINHO CARDOSO BURLA INFORMÁTICA TENTATIVA MEIO IDÓNEO Data do Acordão: Votação: UNANIMIDADE Texto Integral: S Meio Processual: RECURSO PENAL Decisão: PROVIDO Sumário: Acórdão do Tribunal da Relação de Évora 1. A burla informática, consiste sempre em um comportamento que constitui um artifício, engano ou erro consciente, não por modo de afectação directa em relação a uma pessoa (como na burla p. e p. pelo art.º 217.º), mas por intermediação da manipulação de um sistema de dados ou de tratamento informático, ou de equivalente utilização abusiva de dados. Mas, prescindindo do erro ou engano em relação a uma pessoa, prevê, no entanto, actos com conteúdo material e final idênticos: manipulação dos sistemas informáticos, ou utilização sem autorização ou abusiva determinando a produção dolosa de prejuízo patrimonial. O tipo pretendeu abranger a utilização indevida de máquinas automáticas de pagamento (ATM), incluindo os casos de manipulação ou utilização indevida no sentido de utilização sem a vontade do titular. 2. Não se pode concluir que o digitar aleatório de três códigos seja manifestamente inidóneo para a produção do resultado almejado de proceder ao levantamento de dinheiro com um cartão multibanco a que se acedeu ilicitamente e contra a vontade do legítimo titular e do qual não se tem o código. Decisão Texto Integral: 2. Digitar à sorte três códigos não é, por natureza, um meio inapto, de uma inidoneidade absoluta, para acertar no código do cartão multibanco. Digitar à sorte três códigos, sendo um meio em si mesmo idóneo ou apto, tornou-se inapto para produzir o resultado, por o agente não ter acertado na combinação correcta. I Acordam, em conferência, na 2.ª Secção Criminal do Tribunal da Relação de Évora: Nos presentes autos de Processo Comum com intervenção de tribunal singular acima identificados, do Tribunal Judicial de Ponte de Sôr, o arguido A foi, na parte que agora interessa ao recurso, condenado pela prática, em autoria material, de um crime de apropriação ilegítima em caso de acessão ou de coisa achada, p. e p. pelo art.º 209.º, n.º 2, do Código Penal, na pena de 90 dias de multa, à razão diária de 4,00, num total de 360,00, e absolvido da prática de um crime de burla informática e nas comunicações, na forma tentada, p. e p. pelos art.º 221.º, n.º 1, 22.º, n.º 1 e 2 al.ª c) e 23.º, do Código Penal. # Inconformado com o assim decidido, o M.º P.º interpôs o presente recurso, apresentando as seguintes conclusões: 1. O arguido foi absolvido da prática de um crime de burla informática e nas comunicações, na forma tentada, previsto e punido pelos artigos 221.º, n.º1, 22.º, n.º1 e 2, al. c) e 23.º, todos do Código Penal, com fundamento no facto de a mera posse e uso do cartão (sem o respectivo código) não se tratar de «acto idóneo, por inadequado e inepto, a produzir o resultado de obtenção de enriquecimento ilícito, sendo, por isso, a sua conduta reconduzível à noção de inidoneidade absoluta, porquanto um cartão multibanco desprovido dos dados de acesso é objecto sem aptidão à prática do crime». 2. Ao decidir dessa forma, a sentença recorrida violou os artigos 221.º e 22.º do CP, ao não integrar a conduta descrita nas alíneas e), f), h) e i) da matéria de facto provada nessas normas penais. 3. Os actos do arguido A foram idóneos a produzir o resultado típico previsto na norma do art.º

2 221.º do Código Penal. 4. Ainda que o arguido não tivesse sido informado do código, era possível ter acertado nos dígitos, nas três vezes que tentou. 5. A utilização do cartão numa caixa multibanco é um meio apto a concretizar a lesão do bem jurídico em questão. 6. Os actos do arguido foram idóneos a produzir o resultado típico. 7. Ainda que tal não se entenda, os actos de execução do arguido, segundo a experiência comum e salvo circunstâncias imprevisíveis, foram de natureza a fazer esperar que se lhes seguissem actos das espécies indicadas nas alíneas a) e b) do n.º 1 do art.º 22.º do CP. 8. Tendo sido dado como provada a factualidade indicada nas alíneas e), f), h) e i) da matéria de facto provada, a Mm.ª Juíza a quo deveria ter aplicado os artigos 221.º e 22.º do CP. 9. A sentença recorrida fez uma errada interpretação, conjugação e aplicação do disposto nos artigos 221.º e 22.º do CP. Nestes termos, deve ser concedido provimento ao presente recurso, devendo a sentença recorrida ser substituída por outra em que se condene o arguido A pela prática do crime de burla informática e nas comunicações, na forma tentada, por que foi absolvido, mantendo-se, quanto ao restante, o decidido na douta sentença ( ) # O arguido respondeu, concluindo da seguinte forma: 1. - Entende o Ministério Público que a decisão recorrida viola o disposto nos artigos 221. e 22. do Código Penal, porquanto os factos dados como provados e constantes das alíneas e), f), g), e h) da douta sentença consubstanciam, em si, a prática de um crime de burla informática, na forma tentada Que o facto de o arguido estar munido de um cartão multibanco que encontrou na rua, ter tentado utilizá-lo numa caixa multibanco, digitando códigos distintos, por três vezes, tentando deste modo acertar no código correcto que lhe permitisse o acesso à conta do ofendido, são actos idóneos a produzir o resultado típico do crime Sendo, assim, a actuação do arguido idónea a produzir o resultado típico do crime e bem assim adequada e apta, estando preenchidos os requisitos essenciais para aplicação do disposto no n e 22. do C. Penal, pelo que peticiona o provimento do recurso e que em consequência seja o arguido A condenado pela prática do crime de burla informática e nas comunicações, na forma tentada, mantendo-se, quanto ao restante o decidido na douta sentença Salvo melhor opinião, a sentença recorrida não merece qualquer censura, apresentando-se como correcta e criteriosa a interpretação e aplicação que fez dos factos e das normas, devendo manter-se nos precisos termos O presente recurso interposto pelo Ministério Público descuida a realidade inerente à utilização dos cartões multibanco, pois os mesmos só têm utilidade em conjugação com o conhecimento de um código de acesso É do senso comum que um cartão multibanco desprovido do respectivo código de acesso não tem qualquer utilidade O Tribunal a quo ao decidir que, pese embora o arguido se tenha dirigido a uma caixa Multibanco, e, aí chegado, tenha introduzido o cartão multibanco na referida caixa, digitado por três vezes códigos distintos com o intuito de aceder à conta do ofendido, tal acto não é idóneo, por inadequado e inepto, a produzir o resultado de obtenção de enriquecimento ilegítimo, sendo, por isso, a sua conduta reconduzível à noção de inidoneidade absoluta, porquanto o cartão multibanco desprovido dos dados de acesso é objecto sem aptidão à prática do crime, aplicou justamente o Direito e as normas do Direito Penal, tendo-se naturalmente

3 socorrido de regras de experiência comum. # Nesta Relação, o Ex.mo Procurador-Geral Adjunto emitiu parecer no sentido da procedência do recurso. Cumpriu-se o disposto no art.º 417.º, n.º 2, do Código de Processo Penal. Procedeu-se a exame preliminar. Colhidos os vistos e realizada a conferência, cumpre apreciar e decidir. II Na sentença recorrida e em termos de matéria de facto, consta o seguinte, na parte que agora interessa ao caso: -- Factos provados: a) No dia 12 de Agosto de 2006, em lugar não concretamente apurado da cidade de Ponte de Sôr, R perdeu a sua carteira que continha um cartão multibanco, um bilhete de identidade, um cartão de contribuinte, a carta de condução e cinco cheques com os números , , , e b) Nesse mesmo dia, R solicitou o cancelamento dos cheques à Caixa Geral de Depósitos de Ponte de Sôr. c) No mês de Agosto, em dia não concretamente determinado, na zona industrial de Ponte de Sôr, perto do edifício da empresa B, o arguido A encontrou os referidos cheques e cartão multibanco no chão. d) Acto contínuo, colocou o cartão de multibanco no bolso e atirou os cheques para o chão, junto à zona ribeirinha de Ponte de Sôr. e) Na posse desse cartão, dirigiu-se a uma caixa Multibanco pertencente ao Banco Popular, situada em Ponte de Sôr, e, aí chegado, introduziu o dito cartão na ranhura de tal caixa para o mesmo destinada. f) Em seguida, por três vezes, o arguido A digitou códigos distintos, a fim de conseguir aceder à conta do ofendido, com o intento de proceder ao levantamento de quantias monetárias aí existentes, o que não conseguiu, porque após a terceira tentativa, o cartão ficou retido na máquina de multibanco. g) O arguido A ao apoderar-se do cartão multibanco, sabia que não lhe pertencia, no entanto, apropriou-se ilegitimamente do mesmo, contra a vontade do seu proprietário. h) O arguido A bem sabia que ao introduzir o referido cartão do ofendido na caixa Multibanco e ao digitar três códigos distintos agia com o objectivo de aceder à conta do ofendido, de modo a poder levantar qualquer quantia que aí existisse, sem estar autorizado para o efeito pelo titular; # -- Factos não provados, na parte que agora interessa ao caso: i) Ao agir dessa forma, o arguido A pretendeu obter para si um aumento patrimonial a que sabia não ter direito, sabendo também que dessa forma poderia causar, necessária e correspondentemente, um empobrecimento do ofendido. j) O arguido A agiu de forma livre, voluntária e consciente, e contra a vontade do ofendido, que nisso não consentiu, bem sabendo que tais condutas lhe estavam vedadas e que eram criminalmente punidas por lei. # Fundamentação da convicção, na parte que agora interessa ao caso: Nos termos do disposto no artigo 374º n.º 2 do Código de Processo Penal, deve o Tribunal

4 indicar as provas que serviram para formar a sua convicção e bem ainda proceder ao exame crítico das mesmas. No caso sub judice a convicção do Tribunal sobre a factualidade considerada provada radicou na análise crítica e ponderada da prova produzida em audiência de discussão e julgamento, globalmente considerada e de acordo com as regras da experiência comum. O arguido A confessou os factos pelos quais vinha causado, de forma livre, integral e sem reservas, referindo que, em data que não recorda, encontrou junto à empresa B, na Zona Industrial, uma carteira no chão, tendo verificado que a mesma continha documentos, um livro de cheques e o cartão multibanco, tendo ficado com este último deixando o demais abandonado junto à Zona Ribeirinha - e decidido experimentar, numa caixa multibanco do Banco Popular, se conseguia levantar dinheiro, o que não conseguiu. Mais referiu que a data dos factos era consumidor de heroína e que se encontrava em ressaca, que se encontra em tratamento da dependência há 4 anos, no CRI de Abrantes, realizando terapia de substituição. Depôs sobre as suas condições pessoais, familiares e profissionais, de forma isenta, não tendo sido tais declarações infirmadas por qualquer outro meio de prova produzido, pelo que mereceram as mesmas credibilidade. ( ) R depôs de forma serena sobre os factos, referindo que no Verão de 2006, perdeu a sua carteira, que continha os seus documentos, um livro de cheques e o seu cartão multibanco; tendo sido informado horas depois que a carteira havia sido encontrada, sem os cheques e o cartão. ( ) Enunciados os meios de prova produzida, explicitada a razão de ciência dos depoimentos bem como os factos sobre que incidiram, importa cotejar os mesmos com os demais meios de prova apresentados e produzidos, mormente de natureza documental e pericial. No que concerne aos factos imputados ao arguido A verificamos que o mesmo produziu uma confissão integral e sem reservas relativamente aos mesmos, sendo relevante a análise da questão referente à imputação do crime de burla informática, na forma tentada, do ponto de vista da análise da dogmática jurídica - verificando-se não se encontrar alegado ou provado que o arguido teve acesso aos dados do cartão, mormente ao código pessoal de A factos que será alvo de análise em sede própria. ( ) Os factos dados como não provados decorrem da ausência de prova bastante no sentido da sua afirmação, nos termos já supra expostos. III De acordo com o disposto no art.º 412.º, n.º 1, do Código de Processo Penal, o objecto do recurso é definido pelas conclusões formuladas pelo recorrente na motivação e é por elas delimitado. Mas o tribunal ad quem deve oficiosamente certificar-se de que não existem os vícios mencionados no art.º 410.º, n.º 2, do Código de Processo Penal. "É oficioso, pelo tribunal de recurso, o conhecimento dos vícios indicados no art.º 410.º, n.º 2, do CPP, mesmo que o recurso se encontre limitado à matéria de direito (Ac. do Plenário das secções do STJ de , in D.R., I-A de ). O disposto neste art.º 410.º, n.º 2, do Código de Processo Penal, refere-se aos vícios da matéria de facto fixada na sentença, o que não se deve confundir com os vícios do processo de formação da convicção do tribunal no apuramento e fixação da matéria de facto fixada na sentença. É por isso que esses vícios têm de resultar da decisão recorrida na sua globalidade, por si só ou conjugada com as regras da experiência comum, sem possibilidade de recurso a quaisquer

5 elementos externos à sentença, ainda que constem do processo. E um deles é o do erro notório na apreciação da prova, a que se refere a al.ª c) do n.º 2 do aludido art.º 410.º. Há erro notório na apreciação da prova sempre que, para a generalidade das pessoas, seja evidente uma conclusão contrária à exposta pelo tribunal acórdão do Supremo Tribunal de Justiça de , Colectânea de Jurisprudência dos acórdãos do Supremo Tribunal de Justiça, 2.001, III-182. Ou, na palavra de Germano Marques da Silva, in Curso de Processo Penal, 3.º vol.-341, erro notório na apreciação da prova é o erro ostensivo, de tal modo evidente que não passa despercebido ao comum dos observadores, ou seja, quando o homem de formação média facilmente dele se dá conta (ao ler a sentença ou acórdão). Vem isto a propósito de o tribunal "a quo", depois de ter dado como provado que: k) No dia 12 de Agosto de 2006, em lugar não concretamente apurado da cidade de Ponte de Sôr, R perdeu a sua carteira que continha um cartão multibanco, um bilhete de identidade, um cartão de contribuinte, a carta de condução e cinco cheques com os números , 438--, , e l) Nesse mesmo dia, R solicitou o cancelamento dos cheques à Caixa Geral de Depósitos de Ponte de Sôr. m) No mês de Agosto, em dia não concretamente determinado, na zona industrial de Ponte de Sôr, perto do edifício da empresa B, o arguido A encontrou os referidos cheques e cartão multibanco no chão. n) Acto contínuo, colocou o cartão de multibanco no bolso e atirou os cheques para o chão, junto à zona ribeirinha de Ponte de Sôr. o) Na posse desse cartão, dirigiu-se a uma caixa Multibanco pertencente ao Banco Popular, situada em Ponte de Sôr, e, aí chegado, introduziu o dito cartão na ranhura de tal caixa para o mesmo destinada. p) Em seguida, por três vezes, o arguido A digitou códigos distintos, a fim de conseguir aceder à conta do ofendido, com o intento de proceder ao levantamento de quantias monetárias aí existentes, o que não conseguiu, porque após a terceira tentativa, o cartão ficou retido na máquina de multibanco. q) O arguido A ao apoderar-se do cartão multibanco, sabia que não lhe pertencia, no entanto, apropriou-se ilegitimamente do mesmo, contra a vontade do seu proprietário. r) O arguido A bem sabia que ao introduzir o referido cartão do ofendido na caixa Multibanco e ao digitar três códigos distintos agia com o objectivo de aceder à conta do ofendido, de modo a poder levantar qualquer quantia que aí existisse, sem estar autorizado para o efeito pelo titular; Ter dado como não provado que: s) Ao agir dessa forma, o arguido A pretendeu obter para si um aumento patrimonial a que sabia não ter direito, sabendo também que dessa forma poderia causar, necessária e correspondentemente, um empobrecimento do ofendido. t) O arguido A agiu de forma livre, voluntária e consciente, e contra a vontade do ofendido, que nisso não consentiu, bem sabendo que tais condutas lhe estavam vedadas e que eram criminalmente punidas por lei. É fácil constatar que, como se costuma dizer, não bate a bota com a perdigota. Tanto mais que a absolvição do arguido A no tocante ao crime tentado de burla informática e nas comunicações se deveu exclusivamente a uma determinada interpretação jurídico da conduta desenvolvida pelo agente a esse respeito e não do que em relação a ele se deu como não provado.

6 É por demais evidente, face aos factos dados como provados e à experiência da vida, que, quando foi à ATM, com o cartão multibanco que achara, tentar levantar dinheiro digitando ao calhas três códigos, o arguido Armando pretendeu obter para si um aumento patrimonial a que sabia não ter direito, sabendo também que dessa forma poderia causar, necessária e correspondentemente, um empobrecimento do ofendido. E também é evidente que agiu de forma livre, voluntária e consciente, e contra a vontade do ofendido, que nisso não consentiu, bem sabendo que tais condutas lhe estavam vedadas. Quanto ao pormenor de se sabia ou não que eram criminalmente punidas por lei, o cerne da questão nem passa por aí, uma vez que, como se sabe, o desconhecimento da lei não desobriga. Mas mais uma vez a experiência de vida inculca que sim, que sabia que eram criminalmente punidas por lei porque senão telefonava primeiro ao dono do cartão a perguntar-lhe o código Aqui chegados, e de acordo com o decidido no acórdão do Supremo Tribunal de Justiça de , publicado na Colectânea de Jurisprudência dos acórdãos do Supremo Tribunal de Justiça, 2.004, I-176, o Tribunal da Relação pode e deve proceder a modificação da matéria de facto sempre que tal seja necessário e constem do processo todos os elementos de prova que lhe serviram de base ou se tiver havido documentação da prova, só devendo determinar o reenvio do processo para novo julgamento quando tal se mostre estritamente inevitável. A renovação da prova só será de decretar quando não seja possível aferir-se da sua correcção a partir da prova já produzida. É, aliás, o que resulta do disposto no art.º 431.º al.ª a), do Código de Processo Penal. Ora no caso concreto dos autos, por a prova ter sido documentada, até constam do processo todos os elementos de prova que serviram de base à decisão recorrida. Pelo que procederá esta Relação à modificação da matéria de facto constante da sentença recorrida, por forma a que os factos descritos em s) e t) passem para o rol dos provados. Posto isto, a única questão posta ao desembargo desta Relação é a de saber se a conduta do agente que, contra a vontade do verdadeiro titular e sem conhecer o código respectivo, introduz um cartão de débito ou de crédito numa máquina ATM e tenta levantar dinheiro digitando por três vezes uma combinação de números que afinal não acerta no código do cartão e por isso acaba por não concretizar aqueles seus intentos, comete o crime de burla informática e nas comunicações, na forma tentada, p. e p. pelos art.º 221.º, n.º 1, 22.º, n.º 1 e 2 al.ª c) e 23.º, n.º 1 e 2 e 73.º, do Código Penal. O tribunal "a quo" fundamentou assim a sua decisão de inexistência deste ilícito (citando apenas as partes mais pertinentes a esta solução que optou): ( ) Ao arguido vem imputada a prática de um crime de burla informática, na forma tentada, pelo facto de, após se ter apropriado de cartão multibanco que encontrou, o ter introduzido na caixa multibanco, digitando três códigos diferentes por forma a tentar obter dinheiro, factos estes que foram dados como provados. Importa atender ao instituto da tentativa. Nos termos do artigo 22.º do Código Penal: Há tentativa quando o agente praticar actos de execução de um crime que decidiu cometer, sem que este chegue a consumar-se sendo actos de execução os que preencherem um elemento constitutivo de um tipo de crime; b) os que forem idóneos a produzir o resultado típico; ou c) os que, segundo as regras da experiência comum e salvo circunstâncias imprevisíveis, forem de natureza a fazer esperar que se lhes sigam actos das espécies indicadas nas alíneas anteriores. Quanto à punibilidade da tentativa, estatui o artigo 23.º do citado código: 1. Salvo disposição em contrário, a tentativa só é punível se ao crime consumado respectivo corresponder pena superior a 3 anos de prisão. 2. A tentativa é punível com a pena aplicável ao crime consumado, especialmente atenuada. (...). A consideração de um acto como de execução assume a mais das vezes dificuldade, atendendo a

7 que apenas estes configuram o instituto da tentativa, para efeitos de punibilidade, e já não os actos preparatórios (artigo 21.º do Código Penal). Assim, para que se verifique a prática de um crime de burla informática, na forma tentada, previsto e punido pelos supra citados preceitos torna-se necessária a convergência dos seguintes pressupostos: 1. Que o arguido resolva ou decida, com intenção de obter para si ou para terceiro enriquecimento ilegítimo ou causar a outra pessoa prejuízo patrimonial, utilizar dados sem autorização ou intervir de modo não autorizado no processamento, ou seja, no uso do cartão de multibanco usufruindo das suas modalidades; 2. Que tal crime que o agente decidiu perpetrar não chegue a consumar-se, por circunstâncias independentes da sua vontade; 3. Que o agente pratique actos de execução do crime. Daqui flui que importa analisar os actos de execução relativamente a cada tipo legal de crime. Para a existência de uma tentativa punível é necessário um desvalor de acção e um desvalor de resultado, sendo que este é dado pela exteriorização de actos que objectivamente se possam verificar orientados com idoneidade para violar o bem jurídico protegido. A este propósito esclarece o n.º 3 do artigo 23.º do Código Penal: A tentativa não é punível quando for manifesta a inaptidão do meio empregado pelo agente ou a inexistência de objecto essencial à consumação do crime. Ensina o Professor Cavaleiro Ferreira (in Lições de Direito Penal, Volume I, edição 1895, página 272) que o Código Penal distingue entre inidoneidade absoluta e inidoneidade relativa. Há inidoneidade absoluta do meio quando este é pela sua natureza inapto para produzir o resultado; há inidoneidade relativa se o meio em si mesmo idóneo ou apto se torna inapto pela maneira ou circunstâncias em que foi empregado. O Código Penal, nesta via, indica a inidoneidade absoluta qualificando-a como manifesta, enquanto a inidoneidade relativa - não manifesta já não afecta a inidoneidade dos actos de execução essenciais ao facto ilícito na tentativa..." Também Maia Gonçalves (in Código Penal Português Anotado, 16.ª edição, página 125 e 126) refere que "a inidoneidade do meio ou a carência do objecto, salvo nos casos em que são manifestas, não constituem obstáculo à existência da tentativa. O verdadeiro cerne da punibilidade da tentativa impossível reside na avaliação da perigosidade referida ao bem jurídico. É que, entende-se, dado o circunstancialismo que o agente actuou, o desvalor da acção merece ser punido. E merece-o porque denotou perigosidade em relação a um bem jurídico ainda que este assuma a forma de mera aparência". Importa verificar se o acto praticado pelo arguido se traduz num acto de execução do crime de burla informática, adiantando-se que entendemos em sentido negativo, apenas e só pela circunstância de o arguido dispor de um objecto (cartão e caixa multibanco) mas não dispor dos dados que permitiriam fazer uso desse objecto e prosseguir o seu intento de obtenção de enriquecimento ilegítimo à conta de outrem. O mesmo será dizer que entendemos que a conduta do arguido não preenche um dos elementos constitutivos do tipo legal de crime e determinantes, que é o do uso de dados sem autorização; bem como, concomitantemente, não se trata de acto idóneo, por inadequado e inepto, a produzir o resultado de obtenção de enriquecimento ilegítimo, sendo, por isso, a sua conduta reconduzível à noção de inidoneidade absoluta, porquanto um cartão multibanco desprovido dos dados de acesso é objecto sem aptidão à prática do crime. Pelo exposto, entendemos que o arguido não praticou o crime pelo qual vinha acusado, impondo-se a sua absolvição. Vejamos, pois.

8 Antes de mais, cumpre dizer que tanto o tribunal "a quo" como esta Relação bebem das mesmas fontes de inspiração jurisprudencial e doutrinal para a abordagem do presente caso; o resultado é que vai ser diferente. O crime de burla informática está previsto no art.º 221º, n.º 1 do Código Penal (diploma do qual serão todos os preceitos legais a seguir referidos sem menção de origem), com os seguintes elementos de tipicidade, intenção específica e resultado: «Quem, com intenção de obter para si ou para terceiro enriquecimento ilegítimo, causar a outra pessoa prejuízo patrimonial, interferindo no resultado de tratamento de dados ou mediante estruturação incorrecta de programa informático, utilização incorrecta ou incompleta de dados, utilização de dados sem autorização ou intervenção por qualquer outro modo não autorizada no processamento». No plano da tipicidade, como se vê da descrição especificada e concretizada, é um crime de execução vinculada, no sentido de que a lesão do património se produz através da intromissão nos sistemas e da utilização em certos termos de meios informáticos. E é um crime de resultado embora de resultado parcial ou cortado exigindo que seja produzido um prejuízo patrimonial de alguém. A tipicidade do meio de obtenção de enriquecimento ilegítimo (com o prejuízo patrimonial de alguém) consiste, como resulta da descrição do tipo, na interferência «no resultado de tratamento de dados ou mediante estruturação incorrecta de programa informático», na «utilização incorrecta ou incompleta de dados», em «utilização de dados sem autorização» ou na «intervenção por qualquer outro modo não autorizada no processamento». Dos vários modos vinculados de execução típica, importa, no caso, considerar a «utilização de dados sem autorização» e a «intervenção por qualquer outro modo não autorizada no processamento», uma vez que os restantes modos de execução descritos na norma não têm qualquer projecção aproximada perante os elementos factuais provados e a situação específica sub judice. A dimensão típica remete, pois, para a realização de actos e operações específicas de intromissão e interferência em programas ou utilização de dados nos quais está presente e aos quais está subjacente algum modo de engano, de fraude ou de artifício que tenha a finalidade, e através da qual se realiza a específica intenção, de obter enriquecimento ilegítimo, causando a outra pessoa prejuízo patrimonial. Há-de estar sempre presente um erro directo com finalidade determinada, um engano ou um artifício sobre dados ou aplicações informáticas interferência no resultado ou estruturação incorrecta de programa, utilização incorrecta ou incompleta de dados, utilização de dados sem autorização ou qualquer intervenção não autorizada de processamento. A burla informática, consiste sempre em um comportamento que constitui um artifício, engano ou erro consciente, não por modo de afectação directa em relação a uma pessoa (como na burla p. e p. pelo art.º 217º), mas por intermediação da manipulação de um sistema de dados ou de tratamento informático, ou de equivalente utilização abusiva de dados. Mas, prescindindo do erro ou engano em relação a uma pessoa, prevê, no entanto, actos com conteúdo material e final idênticos: manipulação dos sistemas informáticos, ou utilização sem autorização ou abusiva determinando a produção dolosa de prejuízo patrimonial. O tipo pretendeu abranger a utilização indevida de máquinas automáticas de pagamento (ATM), incluindo os casos de manipulação ou utilização indevida no sentido de utilização sem a vontade do titular. O bem jurídico protegido é essencialmente o património; o crime de burla informática configura um crime contra o património, por comparação e delimitação com os bens jurídicos protegidos em outras incriminações, referidas à tutela de valores de natureza patrimonial ou de protecção da própria funcionalidade dos sistemas informáticos (cf. Faria Costa e Helena Moniz, Algumas Reflexões Sobre a Criminalidade Informática em Portugal, in Boletim da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, Vol. LXXIII, 1997, p ; Almeida Costa, Comentário Conimbricense ao Código Penal, Tomo II, p. 328 e segs.). Nos termos do art.º 22., n.º 1, "há tentativa quando o agente praticar actos de execução de um

9 crime que decidiu cometer, sem que este chegue a consumar-se.", acrescentando o seu n.º 2 al.ª b) que "são actos de execução... os que forem idóneos a produzir o resultado típico", ou seja, os que, segundo um juízo de normalidade, do ponto de vista do agente, são adequados a produzir o resultado. O que, a um tempo, cria um perigo concreto para o bem jurídico protegido, in casu o património, e espelha uma vontade contrária ao dever ser jurídico penalmente relevante que, exteriorizando-se, não obstante a falta de resultado, provoca um sentimento de insegurança, perturbando a pax jurídica. Nos termos do art.º 23., n.º 3, a tentativa não é punível quando for manifesta a inaptidão do meio empregado pelo agente", ou seja, a tentativa não é punível quando o meio utilizado for de forma evidente e objectiva inadequado à produção do resultado, pois que, em tais casos nem em termos abstractos o bem jurídico protegido pela incriminação é posto em causa. De acordo com o acórdão do STJ de : "I- A inidoneidade do meio pode ser absoluta ou relativa. A primeira existe quando o meio for, por natureza, inapto para produzir o resultado. A segunda verifica-se quando, sendo o meio em si mesmo, idóneo ou apto, se torna inapto para produzir o resultado. II- Ao exigir-se, no n.º 3 do art. 23 do CP, que a inaptidão do meio seja manifesta, para que a tentativa não seja punível tem-se em vista a inidoneidade absoluta". No mesmo sentido, vide Ac. STJ de , SASTJ, n.º 40, pág. 47, e Ac. STJ de , SASTJ, n. 42, pág. 61. Assim sendo, a punibilidade da tentativa impossível depende da evidência ou não da impossibilidade do meio para produzir o resultado, sendo que a tal determinação preside um critério objectivo saber se do ponto de vista de um homem médio, colocado na posição dos intervenientes na acção em apreço (agente e vítima), a inadequação do meio era visível, ou seja, se segundo as regras da experiência, observando a conduta do agente e considerando as demais circunstâncias concretas, inclusive tendo em conta os especiais conhecimentos do agente, se poderia concluir, de forma evidente, pela impossibilidade do meio para produzir o resultado juízo de prognose póstuma ex ante. Como sublinha Maia Gonçalves, in Código Penal anotado, 16.ª ed., pág. 125/126, "... a inidoneidade do meio ou carência do objecto, salvo nos casos em que são manifestas, não constituem obstáculo à existência de tentativa". Mais acrescenta, acerca do disposto no art.º 23.º, n.º 3 (a tentativa não é punível quando for manifesta a inaptidão do meio empregado pelo agente ou a inexistência do objecto essencial à consumação do crime) que "a substituição de aparentes por manifesta, efectuada após discussão na comissão revisora, visou significar que a inidoneidade do meio ou a carência do objecto não devem ser aferidas através daquilo que o agente representa, mas sim através das regras da experiência comum ou da causalidade adequada, portanto objectivamente, segundo o critério da generalidade das pessoas". Sendo verdade que não se considera suficiente para fundamentar uma tentativa a mera intenção, mas é necessário que esta se exteriorize em actos que contenham já, eles próprios, um momento de ilicitude [1]. Actos executivos esses, subsumíveis às alíneas do n.º 2 do art.º 22., que preenchem os elementos constitutivos de uma infracção penal. No crime tentado, o agente desencadeia o processo objectivo causal, processo de execução, conducente ao resultado desviante, simplesmente este não se verifica por motivos alheios à sua vontade [2]. Na denominada tentativa impossível, através dos actos de execução praticados, o agente cria um perigo objectivo, embora aparente, que desencadeia ou pode desencadear alarme ou intranquilidade na comunidade e é isso que lhe confere dignidade punitiva. O resultado não sobrevém, seja porque o meio utilizado não é idóneo, seja porque há carência do objecto. A punição da tentativa impossível depende da inexistência do objecto essencial à consumação do crime ou da inaptidão do meio utilizado pelo agente serem manifestas, à data da prática do facto ilícito art.º 23, n.º 3.

10 O sistema penal prevê a punição da tentativa impossível quando, segundo um juízo ex ante, de prognose póstuma, existir um bem jurídico em perigo e o meio usado pelo agente for apto para o atingir, fazendo relevar o desvalor da acção em virtude do abalo causado na confiança da comunidade (Pinto de Albuquerque, Comentário do Código Penal, Universidade Católica Editora, 2008, em anotação ao art.º 22., pág. 113). Este conceito de "manifesto" é, então, sinónimo de claro, ostensivo, público ou evidente, não para o agente, mas para a generalidade das pessoas, posto que o primeiro tem que estar convencido da idoneidade do meio, sem o que não é possível imputar-lhe a intenção de cometer o crime; sendo assim, este juízo sobre a aptidão ou inaptidão do meio é um juízo objectivo. A inidoneidade do meio pode ser absoluta (aquele que por essência ou natureza nunca é capaz de produzir o resultado), ou relativa (se o meio normalmente eficaz deixou de operar pelas circunstâncias em que foi empregado), sendo certo que só o meio absolutamente inidóneo exclui a tentativa, configurando a tentativa inidónea ou impossível [3]. Retomando o caso dos autos e tendo bem presente que o Direito é a vida, uma compreensão que a tenha em conta obriga a que se perceba que não se pode concluir que o digitar aleatório de três códigos seja manifestamente inidóneo para a produção do resultado almejado de proceder ao levantamento de dinheiro com um cartão multibanco a que se acedeu ilicitamente e contra a vontade do legítimo titular e do qual não se tem o código. Na verdade, não se pode por exemplo dizer da pessoa que no Euromilhões aposta três chaves que essa tentativa de acertar no jackpot e passamos a parafrasear raciocínios da sentença recorrida acima transcritos não se trata de acto idóneo, por inadequado e inepto, a produzir o resultado de obtenção de enriquecimento ( ), sendo, por isso, a sua conduta reconduzível à noção de inidoneidade absoluta E porquê? Porque a experiência de vida ensina isso mesmo no exemplo apontado: embora remota ou muito difícil, o que se segue é quase todas as semanas acontece alguém com duas ou três tentativas ao calhas/leia-se apostas, e desprovido do conhecimento da chave de acesso ao dinheiro do prémio, aceder ao mesmo por afinal ter acertado na combinação correcta/leia-se vencedora. Assim e segundo um juízo de normalidade, do ponto de vista do arguido recorrido, A, digitar aleatoriamente um código de acesso ao cartão multibanco, operação que repetiu por três vezes, tantas quantas a ATM permite até reter o cartão, era o meio adequado de ele, que estava na posse do cartão ilicitamente e contra a vontade do legítimo dono e não conhecia o código, tentar produzir o resultado de proceder a um levantamento com aquele cartão, mas que, por não ter acertado, não logrou fazer. Ou seja, verificou-se o circunstancialismo descrito no art.º 22., n.º 1, de que "há tentativa quando o agente praticar actos de execução de um crime que decidiu cometer, sem que este chegue a consumar-se.", pois que, de acordo com o seu n.º 2 al.ª b), "são actos de execução... os que forem idóneos a produzir o resultado típico". Portanto, o meio utilizado não era de forma evidente e objectiva inadequado à produção do resultado, nem em termos abstractos o bem jurídico protegido pela incriminação não foi posto em causa, situação que, a verificar-se, afastaria efectivamente a punibilidade da tentativa, uma vez que, nos termos do art.º 23., n.º 3, a tentativa não é punível quando for manifesta a inaptidão do meio empregado pelo agente. Digitar à sorte três códigos não é, por natureza, um meio inapto, de uma inidoneidade absoluta, para acertar no código do cartão multibanco. Digitar à sorte três códigos, sendo um meio em si mesmo idóneo ou apto, tornou-se inapto para produzir o resultado, por o agente não ter acertado na combinação correcta. Ora ao exigir-se, no n.º 3 do art. 23., como condição de não punibilidade da tentativa, que a inaptidão do meio seja manifesta, para que a tentativa não seja punível tem-se em vista a inidoneidade absoluta. O que não foi o caso em apreço. Não se está, pois, perante um caso de tentativa não punível, a que alude o n.º 3 do art.º 23.. O arguido A cometeu mesmo o crime de burla informática e nas comunicações, na forma tentada, p. e p. pelos art.º 221.º, n.º 1, 22.º, n.º 1 e 2 al.ª c) e 23.º, n.º 1 e 2 e 73.º.

11 Mostrando-se preenchidos os elementos objectivos e subjectivos da prática pelo arguido A do crime de burla informática e nas comunicações, na forma tentada, p. e p. pelos art.º 221.º, n.º 1, 22.º, n.º 1 e 2 al.ª c) e 23.º, n.º 1 e 2 e 73.º, pelo qual vinha acusada, e assente a sua culpabilidade (art.º 368., do Código de Processo Penal), impõe-se proceder à determinação da espécie e da medida da pena concreta a aplicar, de harmonia com o disposto nos art.º 369. e segs. do Código de Processo Penal e 70. e segs do Código Penal uma vez que a matéria de facto assente como provada contém todos os elementos para tanto necessários. O aludido crime é punível com prisão até 2 anos ou multa até 240 dias. Na escolha e graduação, quer desta pena parcelar, quer da que resultar do seu cúmulo jurídico com a de 90 dias de multa, à razão diária de 4,00, num total de 360,00, por que foi condenado na sentença recorrida pela prática, em autoria material, de um crime de apropriação ilegítima em caso de acessão ou de coisa achada, p. e p. pelo art.º 209.º, n.º 2, do Código Penal, continuam a ter-se em conta os considerandos desenvolvidos pela 1.ª Instância acerca deste outro crime, cuja bondade não foi impugnada e temos por adequados e razoáveis. E que foram os seguintes (citados apenas na parte que agora interessa ao caso): Estamos, assim e desde logo, perante crimes puníveis alternativamente com pena de multa e com pena de prisão. Dentro da moldura penal correspondente determina-se a pena e o quantum de pena que, no respeito pelo princípio unilateral da culpa, satisfaça as exigências político-criminais de prevenção de futuros crimes, sem prejuízo de considerações de prevenção especial que não prejudiquem aqueles fins. Porque a lei prevê a aplicação em alternativa de uma pena de prisão ou de uma pena de multa, importa antes de mais, e nos termos do artigo 71º do Código Penal, escolher entre a aplicação de uma pena detentiva ou de uma pena não detentiva da liberdade, partindo desde logo da preferência que a lei consagra relativamente a esta última, sempre que se mostre suficiente para a realização do fins das penas. No que concerne ao arguido A, atento o teor do seu certificado de registo criminal, verificamos que o arguido foi condenado pela prática de dois crimes de natureza patrimonial, em pena de multa, mas cuja prática é posterior aos factos conhecidos nos presentes autos, razão pela qual não assume a relevância de antecedente criminal, em sentido estrito, sendo relevante na avaliação da conduta posterior ao crime. Assim, entendemos ainda ser a aplicação de pena de multa suficiente para promover a salvaguarda das existências de prevenção que a situação concreta convoca, a censura pela prática do tipo legal de crime, aceitando-se ao mesmo tempo que o juízo de censura intrínseco à sua aplicação irá prevenir a prática de actos de semelhante natureza. Pelo que, tudo visto e ponderado, valendo a tentativa do caso concreto o que vale, tem-se por justa e adequada a fixação da pena concreta ao arguido pela prática do aludido crime de burla informática e nas comunicações, na forma tentada, em 90 (noventa) dias de multa à razão diária de 4,00, num total de 360,00. As duas penas aplicadas ao arguido A, a aplicada na 1.ª Instância pela apropriação ilegítima em caso de acessão ou de coisa achada e a ora aplicada por esta Relação pela burla informática e nas comunicações, encontram-se numa relação de concurso entre si, impondo-se pois efectuar o necessário cúmulo, nos termos do disposto no art.º 77.º, n.º 1 e 2. Para a fixação da pena única, começa-se por encontrar a medida da pena do concurso, que tem como limite máximo a soma das penas de prisão e / ou de multa concretamente aplicadas aos vários crimes, não podendo ultrapassar 25 anos, tratando-se de pena de prisão, e 900 dias, tratando-se de pena de multa, e como limite mínimo a mais elevada das penas concretamente aplicadas aos vários crimes (art.º 77.º, n.º 2, do Código Penal) e sendo as penas parcelares umas de prisão e outras de multa, esta diferente natureza mantém-se na pena única (art.º 77.º, n.º 3, do Código Penal) acórdão do STJ de , CJ dos acórdãos do STJ, 1999, I-255.

12 No caso dos autos, a pena única a aplicar ao arguido A tem como limite máximo 180 dias de multa à taxa diária de 4, isto é, a multa de 720 e como limite mínimo 90 dias de multa à taxa diária de 4, isto é, a multa de 360. Assim, na escolha e graduação da pena única ter-se-á em conta ter o arguido A confessado os factos pelos quais vinha acusado, ser delinquente primário à data do seu cometimento, ter uma periclitante inserção social por só esporadicamente trabalhar e depender de terapia de substituição da heroína que consumia à data dos ilícitos, o lapso de tempo entretanto decorrido sobre os mesmos e tê-los cometido com dolo directo, pelo que, tudo visto e ponderado, se tem por justa e adequada a pena única de 120 (cento e vinte) dias de multa, à razão diária de 4 (quatro), isto é, a multa de 480 (quatrocentos e oitenta). IV Termos em que, concedendo provimento ao recurso, se decide: 1.º Ao abrigo do art.º 431.º al.ª a), do Código de Processo Penal, alterar a matéria de facto assente como provada e não provada por forma a que os factos descritos em s) e t) da sentença recorrida passem para o rol dos factos provados. 2.º Considerar o arguido A autor material e na forma tentada de um crime de burla informática e nas comunicações, p. e p. pelos art.º 221.º, n.º 1, 22.º, n.º 1 e 2 al.ª c) e 23.º, do Código Penal, pelo qual vai condenado na pena de 90 (noventa) dias de multa à razão diária de 4,00, num total de 360,00. 3.º Efectuar o cúmulo jurídico desta pena com a de 90 (noventa) dias de multa à razão diária de 4,00, num total de 360,00, aplicada na 1.ª Instância pelo crime de apropriação ilegítima em caso de acessão ou de coisa achada e condenar o arguido A na pena única de 120 (cento e vinte) dias de multa, à razão diária de 4 (quatro), isto é, a multa de 480 (quatrocentos e oitenta). 4.º Manter no mais a decisão recorrida. 5.º Não é devida tributação (art.º 522.º, do Código de Processo Penal). # Évora, (elaborado e revisto pelo relator, que escreve com a ortografia antiga) João Martinho de Sousa Cardoso (relator) Ana Barata Brito [1] Eduardo Correia aquando da discussão do art. 22 do Projecto Actas das Sessões da Comissão Revisora do Código Penal, Parte Geral, 1 Volume, Lisboa, 1965, págs. 170/171. [2] Marques da Silva, "Direito Penal Português", II, Editorial Verbo, 1998, págs. 237 e ss. [3] Cavaleiro de Ferreira, "Lições de Direito Penal", Parte Geral, 1, 4 edição, págs. 436 a 438; Simas Santos e Leal-Henriques, Código Penal Anotado, I Volume, 3ª ed., pág E acórdãos do Supremo Tribunal de , Proc. n 1030/97-3 ; de , Proc. n.º , e de , Proc. n.º

TRIBUNAL CRIMINAL DA COMARCA DE LISBOA 1º JUÍZO-2ª SECÇÃO

TRIBUNAL CRIMINAL DA COMARCA DE LISBOA 1º JUÍZO-2ª SECÇÃO 1 - RELATÓRIO Nos presentes autos de processo comum, com intervenção do Tribunal Singular, o Ministério Público deduziu acusação contra Maria Silva, nascida a 11 de Setembro de 1969, natural de Coimbra,

Leia mais

Processo n.º 13/2012 Data do acórdão: 2012-3-22

Processo n.º 13/2012 Data do acórdão: 2012-3-22 Processo n.º 13/2012 Data do acórdão: 2012-3-22 (Autos de recurso penal) Assuntos: abuso de confiança não descoberta do caso por ninguém situação exterior típica de crime continuado oportunidade favorável

Leia mais

Processo n.º 261/2010. Assuntos: Sumário : (Recurso Penal) Data: 15/Julho/2010. - Excesso de velocidade; radar; margem de erro

Processo n.º 261/2010. Assuntos: Sumário : (Recurso Penal) Data: 15/Julho/2010. - Excesso de velocidade; radar; margem de erro Processo n.º 261/2010 (Recurso Penal) Data: 15/Julho/2010 Assuntos: - Excesso de velocidade; radar; margem de erro Sumário : Se um juízo técnico científico nos indica que determinado aparelho de medição

Leia mais

ACORDAM NO TRIBUNAL DE SEGUNDA INSTÂNCIA DA R.A.E.M.: 1. Por sentença proferida nos Autos de Processo Comum Singular n

ACORDAM NO TRIBUNAL DE SEGUNDA INSTÂNCIA DA R.A.E.M.: 1. Por sentença proferida nos Autos de Processo Comum Singular n Processo nº 626/2007 (Autos de recurso penal) ACORDAM NO TRIBUNAL DE SEGUNDA INSTÂNCIA DA R.A.E.M.: Relatório 1. Por sentença proferida nos Autos de Processo Comum Singular n 034-04-2, decidiu-se condenar

Leia mais

Processo n.º 697/2010 Data do acórdão: 2010-12-02. Assunto: suspensão da execução da pena de prisão S U M Á R I O. O relator, Chan Kuong Seng

Processo n.º 697/2010 Data do acórdão: 2010-12-02. Assunto: suspensão da execução da pena de prisão S U M Á R I O. O relator, Chan Kuong Seng Processo n.º 697/2010 Data do acórdão: 2010-12-02 Assunto: suspensão da execução da pena de prisão S U M Á R I O Sendo o arguido recorrente um delinquente com antecedentes criminais e sem confissão integral

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0409/11 Data do Acordão: 11-05-2011 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO ISABEL MARQUES DA SILVA RECLAMAÇÃO PRESCRIÇÃO DO

Leia mais

Processo nº 194/2006 Data : 27 de Julho de 2006. Sumário

Processo nº 194/2006 Data : 27 de Julho de 2006. Sumário Processo nº 194/2006 Data : 27 de Julho de 2006 Assuntos: - Identificação do arguido - Identidade real - Prova vinculada - Reenvio não próprio - Revogação da sentença absolutória - Aplicação da pena -

Leia mais

Processo nº 866/2009( ) Data: 03.03.2011. Assuntos : Crime de burla e falsificação de documentos. Erro notório na apreciação da prova.

Processo nº 866/2009( ) Data: 03.03.2011. Assuntos : Crime de burla e falsificação de documentos. Erro notório na apreciação da prova. Processo nº 866/2009( ) Data: 03.03.2011 (Autos de recurso penal) Assuntos : Crime de burla e falsificação de documentos. Advertência quanto ao direito de não prestar depoimento. Erro notório na apreciação

Leia mais

Processo nº 523/2012 Data: 11.10.2012 SUMÁ RIO. cerca de 44,9 metros, e que a ofendida não a utilizou ao atravessar

Processo nº 523/2012 Data: 11.10.2012 SUMÁ RIO. cerca de 44,9 metros, e que a ofendida não a utilizou ao atravessar Processo nº 523/2012 Data: 11.10.2012 (Autos de recurso penal) Assuntos : Acidente de viação. Proporção de culpas. SUMÁ RIO 1. Provado estando que no local, havia uma passadeira para peões a cerca de 44,9

Leia mais

Principais questões jurídicas: SUMÁRIO

Principais questões jurídicas: SUMÁRIO Processo n.º 7 / 2010 Recurso de Decisão Jurisdicional em Matéria Administrativa Data da conferência: 18 de Junho de 2010 Recorrente: Secretário para a Segurança Recorrido: A Principais questões jurídicas:

Leia mais

5. A rescisão do contrato de trabalho sem prévia instauração de um processo disciplinar é considerado despedimento sem justa causa.

5. A rescisão do contrato de trabalho sem prévia instauração de um processo disciplinar é considerado despedimento sem justa causa. Proc. n 101/97 Prisão Abandono do posto de trabalho Processo disciplinar Nulidades secundárias Legitimidade Processo sumário Conciliação Sumário: 1. Apenas às partes ou seus mandatários é conferida legitimidade

Leia mais

Juízes: Song Man Lei (Relatora), Sam Hou Fai e Viriato Manuel Pinheiro de Lima

Juízes: Song Man Lei (Relatora), Sam Hou Fai e Viriato Manuel Pinheiro de Lima Processo n.º 8/2015 Recurso Penal Recorrente: A Recorrido: Ministério Público Data da conferência: 4 de Março de 2015 Juízes: Song Man Lei (Relatora), Sam Hou Fai e Viriato Manuel Pinheiro de Lima Assuntos:

Leia mais

DESPESAS CONFIDENCIAIS DESPESAS NÃO DOCUMENTADAS

DESPESAS CONFIDENCIAIS DESPESAS NÃO DOCUMENTADAS Acórdãos STA Processo: 0371/07 Data do Acordão: 17/10/2007 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: JORGE LINO Descritores: Sumário: Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo IRC DESPESAS CONFIDENCIAIS DESPESAS NÃO

Leia mais

Processo n.º 960/2010 Data do acórdão: 2011-7-7

Processo n.º 960/2010 Data do acórdão: 2011-7-7 Processo n.º 960/2010 Data do acórdão: 2011-7-7 (Autos de recurso penal) Assuntos: art. o 400. o, n. o 2, alínea a), do Código de Processo Penal insuficiência para a decisão da matéria de facto provada

Leia mais

Recurso extraordinário para fixação de jurisprudência. Juízes: Song Man Lei (Relatora), Sam Hou Fai e Viriato Manuel Pinheiro de Lima

Recurso extraordinário para fixação de jurisprudência. Juízes: Song Man Lei (Relatora), Sam Hou Fai e Viriato Manuel Pinheiro de Lima Processo n.º 78/2015 Recurso extraordinário para fixação de jurisprudência Recorrente: A Recorrido: Ministério Público Data da conferência: 13 de Janeiro de 2016 Juízes: Song Man Lei (Relatora), Sam Hou

Leia mais

Assunto: Acção social de responsabilidade contra administrador Acção social ut universi e Acção social ut singuli Artigo 248º do Código Comercial

Assunto: Acção social de responsabilidade contra administrador Acção social ut universi e Acção social ut singuli Artigo 248º do Código Comercial Processo nº 407/2013 (Autos de recurso civil) Data: 11/Setembro/2014 Assunto: Acção social de responsabilidade contra administrador Acção social ut universi e Acção social ut singuli Artigo 248º do Código

Leia mais

LIÇÃO VII. 26 de ABRIL DE 2007

LIÇÃO VII. 26 de ABRIL DE 2007 LIÇÃO VII 26 de ABRIL DE 2007 No dia 2 de Abril de 2003 ocorreu um acidente de viação entre os veículos automóveis conduzidos, respectivamente, por António e Berto, respectivamente, na EN1, perto de Cantanhede.

Leia mais

Acórdão nº. 9/2013 3ª Secção-PL I RELATÓRIO

Acórdão nº. 9/2013 3ª Secção-PL I RELATÓRIO Acórdão nº. 9/2013 3ª Secção-PL Processo n.º 2 ROM-SRM/2013 Processo de Multa n.º 8/2012-SRM Acordam os Juízes do Tribunal de Contas em Plenário da 3ª Secção I RELATÓRIO 1. Em 15 de novembro de 2012 foi

Leia mais

ACÓRDÃO Nº 1 /06-9JAN/ 1.ªS-PL RECURSO ORDINÁRIO N.ª 28/2005 (Processo n.º 1341/2005)

ACÓRDÃO Nº 1 /06-9JAN/ 1.ªS-PL RECURSO ORDINÁRIO N.ª 28/2005 (Processo n.º 1341/2005) ACÓRDÃO Nº 1 /06-9JAN/ 1.ªS-PL RECURSO ORDINÁRIO N.ª 28/2005 (Processo n.º 1341/2005) 1. RELATÓRIO 1.1. A Câmara Municipal de Oeiras, inconformada com o Acórdão n.º 157/2005, de 4 de Outubro, da 1.ª/SS,

Leia mais

OPOSIÇÃO À AQUISIÇÃO DA NACIONALIDADE PORTUGUESA ACÇÃO DE SIMPLES APRECIAÇÃO NEGATIVA ÓNUS DA PROVA

OPOSIÇÃO À AQUISIÇÃO DA NACIONALIDADE PORTUGUESA ACÇÃO DE SIMPLES APRECIAÇÃO NEGATIVA ÓNUS DA PROVA Acórdão do Tribunal Central Administrativo Sul Processo: 08684/12 Secção: CA-2ºJUÍZO Data do Acordão: 28-06-2012 Relator: Descritores: Sumário: TERESA DE SOUSA OPOSIÇÃO À AQUISIÇÃO DA NACIONALIDADE PORTUGUESA

Leia mais

(Tradução) Rejeição do recurso. Sumário ACORDAM NO TRIBUNAL DE SEGUNDA INSTÂ NCIA DA R.A.E.M.

(Tradução) Rejeição do recurso. Sumário ACORDAM NO TRIBUNAL DE SEGUNDA INSTÂ NCIA DA R.A.E.M. (Tradução) Rejeição do recurso Sumário O Tribunal de Segunda Instância deve rejeitar o recurso, quando este é manifestamente improcedente. Acórdão de 22 de Julho de 2004 Processo n.º 172/2004 Relator:

Leia mais

PARECER N.º 46/CITE/2007

PARECER N.º 46/CITE/2007 PARECER N.º 46/CITE/2007 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora grávida, nos termos do artigo 51.º do Código do Trabalho e da alínea a) do n.º 1 do artigo 98.º da Lei n.º 35/2004, de 29

Leia mais

Acordam na Secção Administrativa do TCA -Sul

Acordam na Secção Administrativa do TCA -Sul Acórdão do Tribunal Central Administrativo Sul Processo: 07539/11 Secção: CA - 2.º JUÍZO Data do Acordão: 06-10-2011 Relator: Descritores: Sumário: COELHO DA CUNHA LEI DA NACIONALIDADE. ARTIGOS 6º, 11º

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0210/12 Data do Acordão: 21-11-2012 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: PEDRO DELGADO Descritores: Sumário: RECLAMAÇÃO GRACIOSA IMPUGNAÇÃO TEMPESTIVIDADE NULIDADE DIREITO DE AUDIÇÃO Nº Convencional:

Leia mais

Germano Marques da Silva. Professor da Faculdade de Direito Universidade Católica Portuguesa

Germano Marques da Silva. Professor da Faculdade de Direito Universidade Católica Portuguesa Germano Marques da Silva Professor da Faculdade de Direito Universidade Católica Portuguesa UNIVERSIDADE CATÓLICA EDITORA LISBOA 2012 PREFÁCIO Publiquei em 1998 o Direito Penal Português, II, Teoria do

Leia mais

A inimputabilidade por alcoolismo crónico versus imputabilidade diminuída Crime continuado no âmbito da fraude fiscal

A inimputabilidade por alcoolismo crónico versus imputabilidade diminuída Crime continuado no âmbito da fraude fiscal Maria João Mimoso A inimputabilidade por alcoolismo crónico versus imputabilidade diminuída Crime continuado no âmbito da fraude fiscal PARECER JURÍDICO VERBO JURIDICO VERBO JURÍDICO Inimputabilidade por

Leia mais

SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS

SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS No Processo Penal Português está plasmado o princípio da suficiência daquele, o qual, nos termos do disposto no artigo 7.º, n.º 1, CPP, prevê

Leia mais

SENTENÇA N.º 51/2013-2ª SECÇÃO

SENTENÇA N.º 51/2013-2ª SECÇÃO Transitada em julgado Proc. n.º 70/2013 - PAM 2ª Secção SENTENÇA N.º 51/2013-2ª SECÇÃO I. Relatório 1 Nos presentes autos vai o presidente da Assembleia Distrital da Guarda, Júlio José Saraiva Sarmento,

Leia mais

Processo n.º 753/2014

Processo n.º 753/2014 Processo n.º 753/2014 (Recurso Laboral) Data : 5/Março/2015 ASSUNTOS: - Acidente de trabalho - Duplicação de indemnização SUMÁ RIO : Se a entidade patronal pagou uma indemnização pela morte de um seu trabalhador,

Leia mais

PARECER N.º 43/CITE/2010

PARECER N.º 43/CITE/2010 PARECER N.º 43/CITE/2010 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 e da alínea c) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro Despedimento de trabalhadora

Leia mais

ACORDAM NO TRIBUNAL DE SEGUNDA INSTÂ NCIA DA R.A.E.M.:

ACORDAM NO TRIBUNAL DE SEGUNDA INSTÂ NCIA DA R.A.E.M.: Processo nº 394/2010 (Autos de recurso penal) ACORDAM NO TRIBUNAL DE SEGUNDA INSTÂ NCIA DA R.A.E.M.: Relatório 1. Sob acusação pública respondeu, no T.J.B., A, com os sinais dos autos, vindo, a final,

Leia mais

Processo nº 80/2003 Data: 07.05.2003

Processo nº 80/2003 Data: 07.05.2003 Processo nº 80/2003 Data: 07.05.2003 Assuntos : Recurso judicial do despacho de recusa de registo de marca. Autorização do titular da firma que figura na marca. SUMÁRIO 1. A marca é um sinal que tem como

Leia mais

SEGuRO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL

SEGuRO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL J u r i s p r u d ê n c i a d o s C o n s e l h o s SEGuRO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL Parecer n.º 12/PP/2009-G Relator Dr. Marcelino Pires I. Introdução A Sra. Dra.... vem solicitar parecer

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 01043/07 Data do Acordão: 06-03-2008 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO MIRANDA DE PACHECO IRS AJUDAS DE CUSTO I As ajudas

Leia mais

Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Assunto: Poderes do Tribunal de Última Instância em matéria de facto. Matéria

Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Assunto: Poderes do Tribunal de Última Instância em matéria de facto. Matéria Processo n.º 26/2005. Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Recorrente: Secretário para a Segurança. Recorridos: A e B. Assunto: Poderes do Tribunal de Última Instância em matéria de facto.

Leia mais

DIREITO PENAL. PARTE ESPECIAL ESBOÇO DE PROGRAMA I INTRODUÇÃO. 1. Parte especial como conjunto de tipos de crime e como ordem de bens jurídicos.

DIREITO PENAL. PARTE ESPECIAL ESBOÇO DE PROGRAMA I INTRODUÇÃO. 1. Parte especial como conjunto de tipos de crime e como ordem de bens jurídicos. Teresa Quintela de Brito DIREITO PENAL. PARTE ESPECIAL ESBOÇO DE PROGRAMA I INTRODUÇÃO 1. Parte especial como conjunto de tipos de crime e como ordem de bens jurídicos. 2. Relações entre a parte geral

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo 1de 10 Acórdãos STA Processo: 0507/07 Data do Acordão: 14-11-2007 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: JORGE LINO Descritores: Sumário: Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo IVA IMPOSTO AUTOMÓVEL Nº Convencional:

Leia mais

Processo n.º 228/2006. Assuntos: SUMÁRIO: Data: 27/Julho/2006. - Direito de regresso

Processo n.º 228/2006. Assuntos: SUMÁRIO: Data: 27/Julho/2006. - Direito de regresso Processo n.º 228/2006 Data: 27/Julho/2006 Assuntos: - Direito de regresso SUMÁRIO: Não vindo provado o facto justificativo do direito de regresso, no caso, o abandono do sinistrado, o pedido não pode deixar

Leia mais

Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Assunto: Fixação de residência em Macau. Pedido de renovação da autorização de

Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Assunto: Fixação de residência em Macau. Pedido de renovação da autorização de Processo n.º 27/2011. Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Recorrente: A. Recorrido: Secretário para a Economia e Finanças. Assunto: Fixação de residência em Macau. Pedido de renovação da autorização

Leia mais

NOVO REGIME JURÍDICO DO CHEQUE SEM PROVISÃO TEXTO INTEGRAL ACTUALIZADO

NOVO REGIME JURÍDICO DO CHEQUE SEM PROVISÃO TEXTO INTEGRAL ACTUALIZADO NOVO REGIME JURÍDICO DO CHEQUE SEM PROVISÃO TEXTO INTEGRAL ACTUALIZADO Decorrente do Dec.-Lei 316/97, de 19 de Novembro. CAPÍTULO I Das restrições ao uso de cheque Artigo 1. Rescisão da convenção de cheque

Leia mais

Fórum Jurídico. Julho 2014 Contencioso INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/5

Fórum Jurídico. Julho 2014 Contencioso INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/5 Julho 2014 Contencioso A Livraria Almedina e o Instituto do Conhecimento da Abreu Advogados celebraram em 2012 um protocolo de colaboração para as áreas editorial e de formação. Esta cooperação visa a

Leia mais

Responsabilidade Criminal do Médico

Responsabilidade Criminal do Médico Responsabilidade Criminal do Médico Medicina Legal e Ciências Forenses Prof. Doutor Jorge Costa Santos 13 de Abril de 2010 Ana Duarte, Andreia Leite e Ricardo Macau Introdução Direito Médico Código Penal

Leia mais

Processo n.º 181/2001 Data do acórdão: 24/1/2002

Processo n.º 181/2001 Data do acórdão: 24/1/2002 Processo n.º 181/2001 Data do acórdão: 24/1/2002 (Recurso Civil) Assuntos: - Promessa de compra e venda de imóvel hipotecado - Execução específica - Ilegitimidade do credor hipotecário na acção - Prevalência

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0573/13 Data do Acordão: 30-04-2013 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: VALENTE TORRÃO Descritores: Sumário: COMPENSAÇÃO DE CRÉDITOS CPPT PEDIDO PRESTAÇÃO DE GARANTIA Nº Convencional: JSTA000P15671

Leia mais

S U M Á R I O. Processo n.º 96/2010 Data do acórdão: 2010-3-25. Assuntos:

S U M Á R I O. Processo n.º 96/2010 Data do acórdão: 2010-3-25. Assuntos: Processo n.º 96/2010 Data do acórdão: 2010-3-25 (Autos de recurso civil e laboral) Assuntos: intervenção provocada auxiliar na defesa art. o 272. o, n. o 1, do Código de Processo Civil art. o 274. o, n.

Leia mais

Processo n.º 509/2011 Data do acórdão: 2011-8-5

Processo n.º 509/2011 Data do acórdão: 2011-8-5 Processo n.º 509/2011 Data do acórdão: 2011-8-5 (Autos de recurso penal) Assuntos: decisão de aplicação de medidas de coacção art. o 100. o, n. o 7, do Código de Processo Penal notificação do despacho

Leia mais

Processo n.º 749/2007 Data do acórdão: 2010-4-15

Processo n.º 749/2007 Data do acórdão: 2010-4-15 Processo n.º 749/2007 Data do acórdão: 2010-4-15 Assuntos: acidente de viação homicídio por negligência cometido na condução dores sofridas pela filha pela morte da mãe fixação da indemnização pecuniária

Leia mais

PARECER N.º 41/CITE/2008

PARECER N.º 41/CITE/2008 PARECER N.º 41/CITE/2008 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 do artigo 51.º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto, conjugado com a alínea a) do n.º 1 do artigo 98.º

Leia mais

TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE ÉVORA

TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE ÉVORA PDF elaborado pela Datajuris TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE ÉVORA Processo nº 21/2011 Data: 29-10-2013 Em conferência, acordam os Juízes na Secção Criminal do Tribunal da Relação de Évora: I. Relatório 1. - Nos

Leia mais

Lei nº 5/99 LEI SOBRE PROCEDIMENTOS NO TRIBUNAL DE CONTAS. Preâmbulo

Lei nº 5/99 LEI SOBRE PROCEDIMENTOS NO TRIBUNAL DE CONTAS. Preâmbulo Lei nº 5/99 LEI SOBRE PROCEDIMENTOS NO TRIBUNAL DE CONTAS Preâmbulo Na sequência da adopção da Lei Orgânica do Tribunal de Contas, tem o presente diploma como escopo fundamental definir o processo atinente

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Página 1 de 15 Acórdãos STA Processo: 01500/14 Data do Acordão: 20-05-2015 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: ISABEL MARQUES DA SILVA Descritores: CONTRIBUIÇÕES DÍVIDA À SEGURANÇA SOCIAL PRESCRIÇÃO INTERRUPÇÃO

Leia mais

PARECER N.º 88/CITE/2010. Assunto: Subsídio de Natal Pagamento na sequência de licença de maternidade Emissão de Parecer Processo n.

PARECER N.º 88/CITE/2010. Assunto: Subsídio de Natal Pagamento na sequência de licença de maternidade Emissão de Parecer Processo n. PARECER N.º 88/CITE/2010 Assunto: Subsídio de Natal Pagamento na sequência de licença de maternidade Emissão de Parecer Processo n.º 396 DV/2008 I OBJECTO 1.1. A CITE recebeu em 28 de Julho de 2008, um

Leia mais

SUMÁRIO. Processo n.º 37 / 2010 Recurso penal Data da conferência: 21 de Julho de 2010 Recorrente: A

SUMÁRIO. Processo n.º 37 / 2010 Recurso penal Data da conferência: 21 de Julho de 2010 Recorrente: A Processo n.º 37 / 2010 Recurso penal Data da conferência: 21 de Julho de 2010 Recorrente: A Principais questões jurídicas: - Crime de contrafacção de moeda - Crime de passagem de moeda falsa - Medida da

Leia mais

PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1. TEORIA DA TIPICIDADE

PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1. TEORIA DA TIPICIDADE 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1.1 FUNÇÕES DO TIPO: a) Função garantidora : 1. TEORIA DA TIPICIDADE b) Função

Leia mais

Página Acórdão do Supremo Tribunal de Justiçae. Decisão Texto Integral: Acordam, no Supremo Tribunal de Justiça:

Página Acórdão do Supremo Tribunal de Justiçae. Decisão Texto Integral: Acordam, no Supremo Tribunal de Justiça: 1 de 12 Acórdãos STJ Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça Processo: 08B3604 Nº Convencional: JSTJ000 Relator: MARIA DOS PRAZERES PIZARRO BELEZA Descritores: EMPREITADA DEFEITOS PRÉDIO URBANO CADUCIDADE

Leia mais

Tribunal de Contas. Mantido pelo acórdão nº 24/06, de 04/04/06, proferido no recurso nº 18/06. Acórdão nº 35 /06 7.Fev 1ªS/SS. Proc.

Tribunal de Contas. Mantido pelo acórdão nº 24/06, de 04/04/06, proferido no recurso nº 18/06. Acórdão nº 35 /06 7.Fev 1ªS/SS. Proc. Mantido pelo acórdão nº 24/06, de 04/04/06, proferido no recurso nº 18/06 Acórdão nº 35 /06 7.Fev 1ªS/SS Proc. nº 2 970/05 1. A Direcção-Geral de Informática e Apoio aos Serviços Tributários e Aduaneiros

Leia mais

Processo nº 71-A/1990 Acórdão de: 22-06-2011

Processo nº 71-A/1990 Acórdão de: 22-06-2011 PDF elaborado pela Datajuris Processo nº 71-A/1990 Acórdão de: 22-06-2011 ACORDAM NO SUPREMO TRIBUNAL DE JUSTIÇA I. OBJECTO DO RECURSO E QUESTÃO A SOLUCIONAR. No Tribunal do Trabalho de V..., AA SEGUROS

Leia mais

Processo n.º 249/2010. Assuntos : Sumário : (Recurso Penal) Data: 16/Dezembro/2010

Processo n.º 249/2010. Assuntos : Sumário : (Recurso Penal) Data: 16/Dezembro/2010 Processo n.º 249/2010 (Recurso Penal) Data: 16/Dezembro/2010 Assuntos : - Provas; proibição de valoração - Nulidade da decisão e anulação do julgamento Sumário : 1.Não é permitida a valoração das declarações

Leia mais

CÓDIGO PENAL. Aprovado pelo Decreto-Lei nº 400/82, de 23 de Setembro. Republicado pela Lei nº 59/2007, de 4 de Setembro

CÓDIGO PENAL. Aprovado pelo Decreto-Lei nº 400/82, de 23 de Setembro. Republicado pela Lei nº 59/2007, de 4 de Setembro CÓDIGO PENAL Aprovado pelo Decreto-Lei nº 400/82, de 23 de Setembro Republicado pela Lei nº 59/2007, de 4 de Setembro Diário da República nº 170, Série I, Págs. 6181 a 6258 Não dispensa a consulta do Diário

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0291/08 Data do Acordão: 25-06-2008 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO BRANDÃO DE PINHO IRC LUCRO TRIBUTÁVEL PRINCÍPIO DA

Leia mais

PARECER N.º 1/CITE/2005

PARECER N.º 1/CITE/2005 PARECER N.º 1/CITE/2005 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora grávida, nos termos do n.º 1 do artigo 51.º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto, conjugado

Leia mais

PROGRAMA APRENDA DIREITO PENAL EM 3 MESES

PROGRAMA APRENDA DIREITO PENAL EM 3 MESES PROGRAMA APRENDA DIREITO PENAL EM 3 MESES Perguntas/Respostas alunos Módulo 2 Seguem abaixo as respostas aos questionamentos elaborados pelos alunos. Bons estudos! PERGUNTA 1 Aluna: Talita Késsia Andrade

Leia mais

PARECER N.º 77/CITE/2010

PARECER N.º 77/CITE/2010 PARECER N.º 77/CITE/2010 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora grávida por facto imputável à trabalhadora, nos termos do n.º 1 do artigo 63.º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei

Leia mais

Assuntos: Processo n.º 102/2005. (Recurso Penal) 10/Novembro/2005

Assuntos: Processo n.º 102/2005. (Recurso Penal) 10/Novembro/2005 Processo n.º 102/2005 (Recurso Penal) Data: 10/Novembro/2005 Assuntos: - suspensão de execução de pena; - coisa furtada/ satisfação de uma necessidade do agente; - toxicodependência/ programa de recuperação

Leia mais

Sanção ao serviço C. (Extracto da decisão do processo de investigação nº 24/2008)

Sanção ao serviço C. (Extracto da decisão do processo de investigação nº 24/2008) Sanção ao serviço C (Extracto da decisão do processo de investigação nº 24/2008) I. Facto Em Setembro de 2008, o reclamante (a seguir designado por A) apresentou a este Gabinete reclamação contra o serviço

Leia mais

Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações

Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações DGAJ/DSAJ/DF - 2013 Direção-Geral da Administração da Justiça CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações LEI N.º 20/2013, DE 21 DE FEVEREIRO Entram em

Leia mais

SUMÁRIO. - Ao abrigo do disposto no artigo 219º do Código. de Processo Civil, o pedido de apensação só pode ser

SUMÁRIO. - Ao abrigo do disposto no artigo 219º do Código. de Processo Civil, o pedido de apensação só pode ser Processo nº 646/2014 (Autos de recurso civil) Data: 14/Maio/2015 Assuntos: Apensação de acções SUMÁRIO - Ao abrigo do disposto no artigo 219º do Código de Processo Civil, o pedido de apensação só pode

Leia mais

PARECER N.º 9/CITE/2006

PARECER N.º 9/CITE/2006 PARECER N.º 9/CITE/2006 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora grávida, nos termos do n.º 1 do artigo 51.º do Código de Trabalho e da alínea a) do n.º 1 do artigo 98.º da Lei n.º 35/2004,

Leia mais

Falta de assento de nascimento de Autor em acção de acidente de viação

Falta de assento de nascimento de Autor em acção de acidente de viação TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE LISBOA Falta de assento de nascimento de Autor em acção de acidente de viação JURISPRUDÊNCIA Acórdão de 10-01-2013 Processo n.º 711/2002.L1 8.ª Secção Relatora: Juíza Desembargadora

Leia mais

Processo nº 425/2013 (Autos de Recurso Civil e Laboral) Data: 21 de Novembro de 2013

Processo nº 425/2013 (Autos de Recurso Civil e Laboral) Data: 21 de Novembro de 2013 Processo nº 425/2013 (Autos de Recurso Civil e Laboral) Data: 21 de Novembro de 2013 ASSUNTO: - Usucapião - Interrupção do prazo pela citação - Cessação da boa-fé - Excesso de condenação. SUMÁ RIO - Com

Leia mais

Assunto: Acção de divisão de coisa comum. Direito de preferência. Comproprietário.

Assunto: Acção de divisão de coisa comum. Direito de preferência. Comproprietário. Processo n.º 14/2012. Recurso jurisdicional em matéria cível. Recorrente: B. Recorrido: A. Assunto: Acção de divisão de coisa comum. Direito de preferência. Comproprietário. Coisa. Venda. Dação em cumprimento.

Leia mais

LEI DE COMBATE À CORRUPÇÃO. Lei n.º 06/2004 de 17 de Junho

LEI DE COMBATE À CORRUPÇÃO. Lei n.º 06/2004 de 17 de Junho LEI DE COMBATE À CORRUPÇÃO Lei n.º 06/2004 de 17 de Junho Lei nº 06/2004 de 17 de Junho Havendo necessidade de introduzir mecanismos complementares de combate à corrupção, nos termos do n.º 1 do artigo

Leia mais

I - Cabe ao réu/reconvinte fazer a prova dos factos constitutivos do. direito por si invocado na reconvenção (art. 335º, nº1, do C.C.).

I - Cabe ao réu/reconvinte fazer a prova dos factos constitutivos do. direito por si invocado na reconvenção (art. 335º, nº1, do C.C.). Proc. nº 446/2011 (Recurso Cível e Laboral) Relator: Cândido de Pinho Data do acórdão: 27 de Março de 2014 Descritores: -Reconvenção -Ó nus de prova SUMÁ RIO: I - Cabe ao réu/reconvinte fazer a prova dos

Leia mais

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados CONSULTA N.º 52/2008 Artigo 91º do Estatuto da Ordem dos Advogados QUESTÃO A Senhora Dra.... vem solicitar que o emita parecer sobre uma questão relacionada com o âmbito de aplicação do dever consagrado

Leia mais

PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE

PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE: R-1283/99 (A6) DATA: Assunto: Código dos Impostos

Leia mais

Processo n.º 809/2007

Processo n.º 809/2007 Processo n.º 809/2007 (Recurso Jurisdicional Administrativo) Data: 19/Junho/2008 ASSUNTOS: - Acção para reconhecimento de direito e determinação de prática de acto ou prestação devida e ainda para efectivação

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Crime que foi introduzido no ordenamento jurídico português pela Lei nº 23/2007, de 4 de Julho, nos seguintes termos:

DELIBERAÇÃO. Crime que foi introduzido no ordenamento jurídico português pela Lei nº 23/2007, de 4 de Julho, nos seguintes termos: Pº C.C. 24/2010 SJC-CT DELIBERAÇÃO Assunto: Emissão pelos Serviços Consulares de certificado de capacidade matrimonial havendo suspeita de destinar-se a casamento de conveniência Os competentes Serviços

Leia mais

Reforma do Regime dos Recursos em Processo Civil. (Decreto-Lei n.º 303/2007, de 24 de Agosto)

Reforma do Regime dos Recursos em Processo Civil. (Decreto-Lei n.º 303/2007, de 24 de Agosto) Reforma do Regime dos Recursos em Processo Civil (Decreto-Lei n.º 303/2007, de 24 de Agosto) Sumário Aplicação da lei no tempo e regime dos recursos em legislação extravagante Simplificação do regime de

Leia mais

Roteiro de Teses Defensivas OAB 2ª Fase Penal Vega Cursos Jurídicos

Roteiro de Teses Defensivas OAB 2ª Fase Penal Vega Cursos Jurídicos Roteiro de Teses Defensivas OAB 2ª Fase Penal Vega Cursos Jurídicos Prof. Sandro Caldeira Prezado(a) aluno(a), Na nossa primeira aula abordamos um roteiro de teses defensivas que iremos treinar durante

Leia mais

Forma do processo na acção de despejo; efeitos da revelia do réu em processo sumário.

Forma do processo na acção de despejo; efeitos da revelia do réu em processo sumário. Processo nº 11/03 Acção de despejo Forma do processo na acção de despejo; efeitos da revelia do réu em processo sumário. Sumário: 1. A acção de despejo, como meio para fazer cessar imediatamente o contrato

Leia mais

Exmo. Sr. Dr. Alfredo José de Sousa M.I.Provedor de Justiça. Lisboa, 23 de Fevereiro de 2010

Exmo. Sr. Dr. Alfredo José de Sousa M.I.Provedor de Justiça. Lisboa, 23 de Fevereiro de 2010 Exmo. Sr. Dr. Alfredo José de Sousa M.I.Provedor de Justiça Lisboa, 23 de Fevereiro de 2010 Assunto: Regulamento Nacional de Estágio Ordem dos Advogados Apresentamos a V.Exa. exposição anexa, respeitante

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro RELATÓRIO O Senhor DESEMBARGADOR FEDERAL MARCELO NAVARRO: Cuida-se de apelação criminal interposta pelo Ministério Público Federal contra sentença proferida pelo MM. Juízo da 37ª Vara de Pernambuco, na

Leia mais

CÓDIGO PENAL Lei 59/2007, de 4 de Setembro. LIVRO I Parte geral. TÍTULO I Da lei criminal. CAPÍTULO ÚNICO Princípios gerais

CÓDIGO PENAL Lei 59/2007, de 4 de Setembro. LIVRO I Parte geral. TÍTULO I Da lei criminal. CAPÍTULO ÚNICO Princípios gerais CÓDIGO PENAL Lei 59/2007, de 4 de Setembro 1 LIVRO I Parte geral TÍTULO I Da lei criminal CAPÍTULO ÚNICO Princípios gerais Artigo 1.º Princípio da legalidade 1 Só pode ser punido criminalmente o facto

Leia mais

Menos positivas e, em minha opinião, perigosas serão outras alterações introduzidas a esta medida de coacção.

Menos positivas e, em minha opinião, perigosas serão outras alterações introduzidas a esta medida de coacção. Igualdade de armas No passado mês de Setembro, quando fui investido nas funções de juiz de direito do Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa, no acto de tomada de posse, prestei o compromisso público

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0831/11 Data do Acordão: 16-11-2011 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: PEDRO DELGADO Descritores: Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo GRADUAÇÃO DE CRÉDITOS IRS IRC HIPOTECA PRIVILÉGIO

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0024.02.652231-8/001 Númeração 6522318- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) William Silvestrini null 11/01/2006 07/02/2006 FURTO - SINAIS DE TV A CABO

Leia mais

Acordam no Tribunal da Relação de Guimarães: Apelante: e Outras (RR.); Apelado: (AA.);

Acordam no Tribunal da Relação de Guimarães: Apelante: e Outras (RR.); Apelado: (AA.); Acordam no Tribunal da Relação de Guimarães: I Relatório; Apelante: e Outras (RR.); Apelado: (AA.); Nos presentes autos de acção de honorários, a co-ré e Outros vieram interpor recurso de apelação da sentença

Leia mais

ALGUMAS MEDIDAS DE PROTECÇÃO E ASSISTÊNCIA DAS VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA*

ALGUMAS MEDIDAS DE PROTECÇÃO E ASSISTÊNCIA DAS VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA* ALGUMAS MEDIDAS DE PROTECÇÃO E ASSISTÊNCIA DAS VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA* *O texto corresponde, no essencial, à conferência proferida no Porto, na Universidade Portucalense, no dia 23 de Fevereiro

Leia mais

Processo n.º 184/2013. Sentença. I - O processo

Processo n.º 184/2013. Sentença. I - O processo Processo n.º 184/2013 Demandante: A. Demandada: B. Sentença I - O processo 1. O Demandante solicitou a intervenção do Centro Nacional de Informação e Arbitragem de Conflitos de Consumo () no âmbito de

Leia mais

SEGUNDA SECÇÃO. CASO MOREIRA FERREIRA c. PORTUGAL. (Queixa n o 19808/08) ACÓRDÃO ESTRASBOURG0. 5 de Julho de 2011

SEGUNDA SECÇÃO. CASO MOREIRA FERREIRA c. PORTUGAL. (Queixa n o 19808/08) ACÓRDÃO ESTRASBOURG0. 5 de Julho de 2011 SEGUNDA SECÇÃO CASO MOREIRA FERREIRA c. PORTUGAL (Queixa n o 19808/08) ACÓRDÃO ESTRASBOURG0 5 de Julho de 2011. Este acórdão é definitivo nos termos do artigo 44º, nº. 2 da Convenção. Poderá sofrer acertos

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0891/09 Data do Acordão: 18-11-2009 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO VALENTE TORRÃO SISA AQUISIÇÃO DE PREDIO PARA REVENDA

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 01319/12 Data do Acordão: 13-03-2013 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: FERNANDA MAÇÃS Descritores: Sumário: IMPOSTO DE SELO USUCAPIÃO PRÉDIO RÚSTICO CONSTRUÇÃO JUSTIFICAÇÃO NOTARIAL Nº

Leia mais

Coordenação e Regência Professor Doutor Paulo de Sousa Mendes. Colaboração Mestres João Gouveia de Caires e Rui Soares Pereira

Coordenação e Regência Professor Doutor Paulo de Sousa Mendes. Colaboração Mestres João Gouveia de Caires e Rui Soares Pereira DIREITO PROCESSUAL PENAL 4.º ANO DIA Coordenação e Regência Professor Doutor Paulo de Sousa Mendes Colaboração Mestres João Gouveia de Caires e Rui Soares Pereira Exame escrito / Frequência 05 de Junho

Leia mais

1. O Tribunal não está vinculado à qualificação jurídica que as partes podem dar aos factos submetidos à apreciação jurisdicional.

1. O Tribunal não está vinculado à qualificação jurídica que as partes podem dar aos factos submetidos à apreciação jurisdicional. Processo n.º 257/2004 (Recurso cível) Data: 14/Dezembro/2004 ASSUNTOS: - Qualificação jurídica do contrato - Contrato em regime de draubaque - Insuficiência de factos alegados - Insuficiência de motivação

Leia mais

Deliberação. 1 Em especial, no âmbito dos P.ºs CP 83/2008 SJC-CT e R.P. 227/2009 SJC-CT.

Deliberação. 1 Em especial, no âmbito dos P.ºs CP 83/2008 SJC-CT e R.P. 227/2009 SJC-CT. P.º n.º R.P. 60/2010 SJC-CT Penhora. Cancelamento não oficioso. Eventual conexão com o registo de aquisição, conjuntamente requerido. Tributação emolumentar DELIBERAÇÃO 1 Os presentes autos respeitam à

Leia mais

Processo nº 90/2005 Data: 02.06.2005 (Recurso em matéria civil)

Processo nº 90/2005 Data: 02.06.2005 (Recurso em matéria civil) Processo nº 90/2005 Data: 02.06.2005 (Recurso em matéria civil) Assuntos : Acção especial de divisão de coisa comum. Direito de preferência. Recurso do despacho que não admite o seu exercício. Momento

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo. Acordam na Secção de Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo I-RELATÓRIO

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo. Acordam na Secção de Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo I-RELATÓRIO Acórdãos STA Processo: 0951/12 Data do Acordão: 30-01-2013 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: FERNANDA MAÇÃS Descritores: Sumário: Nº Convencional: JSTA000P15201 Nº do Documento: SA2201301300951 Data de Entrada:

Leia mais

Poder Judiciário Tribunal de Justiça da Paraíba Gabinete Des. Carlos Martins Beltrão Filho

Poder Judiciário Tribunal de Justiça da Paraíba Gabinete Des. Carlos Martins Beltrão Filho Poder Judiciário Tribunal de Justiça da Paraíba Gabinete Des. Carlos Martins Beltrão Filho ACÓRDÃO APELAÇÃO CRIMINAL No. 200.2008.032784-0/001 ia Vara Criminal da Comarca da Capital RELATOR: Marcos William

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Presidência da Seção de Direito Público

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Presidência da Seção de Direito Público Registro: 2011.0000045096 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0589042-57.2010.8.26.0000, da Comarca de Bragança Paulista, em que é apelante ANDRÉ BUENO DE CAMARGO sendo apelado

Leia mais