Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""

Transcrição

1 Aula 08 Início Normalização contabilística Dentro setorial do país já há segmentação Se pensarmos nas num ambiente empresarial distribuído geograficamente é fácil perceber a necessidade da comparabilidade e a salvaguarda dos padrões de qualidade da informação financeira prestada pelas empresas Normalização contabilística Vantagens na normalização contabilística: Permite a comparabilidade e a produção de séries estatísticas para análise económica Regras bem definidas no processo de revelação patrimonial Facilidade acrescida no ensino da contabilidade Padrões de qualidade superior na produção da informação financeira para utilização pela gestão Tributação assente em procedimentos normalizados 1

2 Normalização contabilística Problemas: quanto maior for o âmbito da aplicação da normalização contabilística, mais abstratas as normas estabelecidas terão de ser. Normalização contabilística IASB - International Accounting Standards Board. organismo responsável pelo processo de normalização contabilística a nível internacional As normas emitidas pelo IASB são as Normas Internacionais de Contabilidade Normalização contabilística CNC - Comissão de Normalização Contabilística. organismo responsável pelo processo de normalização contabilística a nível nacional As principais normas emitidas pela CNC são as seguintes: Sistema de Normalização Contabilística (SNC) Normalização contabilística para microentidades (NCM) Normalização contabilística para entidades do sector não lucrativo (NCESNL) 2

3 Normas Internacionais de Contabilidade (NIC) incluem as seguintes normas e respetivas interpretações: IAS International Accounting Standards (Normas emitidas antes de 2001). SIC Standings Interpretations Committee (Interpretações das IAS). IFRS International Financial Reporting Standards (Normas emitidas depois de 2001). IFRIC International Financial Reporting Interpretations Committee (Interpretações das IFRS). Sistema de Normalização Contabilística (SNC) Inclui: Estrutura concetual Bases para a apresentação das demonstrações financeiras Modelos de Demonstrações Financeiras Código de Contas NCRFs NCRF-PE Normas Interpretativas Normalização contabilística para microentidades A NCM é composta pelos seguintes instrumentos: Bases para a apresentação de demonstrações financeiras das microentidades Modelos de demonstrações financeiras para microentidades Código de contas para microentidades Norma contabilística para microentidades Normas interpretativas para microentidades 3

4 Norm. Contab. para entidades do setor não lucrativo A NCESNL é composta pelos seguintes instrumentos: Bases para a apresentação de demonstrações financeiras aplicáveis às ESNL Modelos de demonstrações financeiras aplicáveis às ESNL Código de Contas específico para as ESNL Norma contabilística e de relato financeiro para ESNL Normas interpretativas para ESNL Estrutura concetual (EC) Documento autónomo que estabelece um conjunto de conceitos contabilísticos, características da informação e pressupostos subjacentes às demonstrações financeiras. Segue de perto a estrutura conceptual para a preparação e apresentação das demonstrações financeiras do IASB. Não é uma norma contabilística e de relato financeiro (NCRF) e no caso de conflito entre a EC e as NCRF, prevalecem os requisitos das NCRF. A estrutura conceptual do SNC constitui uma base de referência do NCM. Bases para a apresentação de demonstrações financeiras Onde se enunciam as regras sobre o que constitui e os requisitos globais a que deverá obedecer um conjunto completo de demonstrações financeiras. O objetivo é assegurar a comparabilidade quer com as demonstrações financeiras de períodos anteriores da mesma entidade, quer com as demonstrações financeiras de outras entidades. 4

5 Demonstrações Financeiras Características qualitativas (SNC-EC): Compreensibilidade (parágrafo 25) Relevância (parágrafos 26 a 28) Materialidade (parágrafos 29 e 30) Fiabilidade (parágrafos 31 a 38) Representação fidedigna (parágrafos 33 e 34) Substância sobre a forma (parágrafo 35) Neutralidade (parágrafo 36) Prudência (parágrafo 37) Plenitude (parágrafo 38) Comparabilidade (parágrafos 39 a 42) Constrangimentos à informação relevante e fiável (parágrafos 43 a 45) Imagem verdadeira e apropriada/apresentação apropriada (parágrafo 46) Demonstrações Financeiras Balanço Demonstração de resultados Por naturezas Por funções Demonstração das alterações no capital próprio Demonstração de fluxos de caixa Anexo Objetivos Posição Financeira Balanço Desempenho Dem. Resultados Alterações posição financeira Notas às DF Dem. Fluxos Caixa e Dem. Alterações no CP Anexo 5

6 Balanço Basicamente um balanço é um mapa contabilístico muito parecido ao inventário No entanto, oinventário não revela qual o valor do património O balanço torna-o visível e descreve a sua composição A principal finalidade do balanço é apresentar a expressão monetária dos ativos, passivos e capital próprio num dado momento (posição financeira). Balanço A principal finalidade do balanço é apresentar a expressão monetária dos ativos, passivos e capital próprio num dado momento (posição financeira). No balanço os ativos e os passivos aparecem separados em: Correntes Não correntes (ver parágrafos 10 a 24 da NCRF 1) Balanço ATIVO Aplicação de fundos CAPITAL PRÓPRIO PASSIVO Origem de fundos 6

7 Balanço NCRF 1 ( 10 a 24) ATIVO Não corrente Corrente CAPITAL PRÓPRIO PASSIVO Não corrente Corrente Demonstração de Resultados RENDIMENTOS GASTOS RESULTADO LIQUÍDO DO PERÍODO Demonstração de Resultados A principal finalidade da demostração de resultados é mostrar a expressão monetária dos rendimentos, gastos e resultado da entidade num dado período (desempenho). A informação pode ser apresentada de acordo com dois tipos de análise: Por naturezas (obrigatória) Por funções (opcional, mas não substitui a anterior) 7

8 Demonstração de Resultados Proporciona informação quanto às diferentes fases de formação do resultado líquido do período, identificando métricas geralmente usadas na análise financeira: Resultado antes de depreciações, gastos de financiamento e impostos Resultado operacional ou resultado antes de gastos de financiamento e impostos - Resultado antes de impostos Dem. Alt. no Capital Próprio A principal finalidade desta demonstração é a apresentação das modificações ocorridas na expressão monetária e na composição do capital próprio e das suas várias rubricas, em cada período. Dem. Alt. no Capital Próprio As alterações ocorridas são divididas em três grupos: As que resultam de operações com detentores de capital As que derivam do resultado líquido do período As que resultam de outras alterações no capital próprio 8

9 Dem. Alt. no Capital Próprio Introduz o conceito de resultado integral que resulta da agregação direta: do resultado líquido do período das variações ocorridas em capitais próprios não diretamente relacionadas com os detentores de capital, agindo enquanto tal Dem. de Fluxos de Caixa Atividades operacionais Recebimentos + Pagamentos Atividades de investimento Pagamentos Recebimentos + Atividades de financiamento Recebimentos + Pagamentos Caixa e equivalentes no início do período Caixa e equivalentes no início do período Dem. de Fluxos de Caixa NCRF 2 Dem. de fluxos de caixa Atividades operacionais Atividades de investimento Atividades de financiamento Caixa Equivalentes de caixa Fluxos de caixa Obrigatoriedade do método direto 9

10 Anexo As principais finalidades do anexo são: divulgar as bases de preparação e as políticas contabilísticas adotadas divulgar outras informações exigidas pelas NCRF divulgar informação adicional considerada relevante. Anexo O anexo está dividido em notas numeradas sequencialmente. As primeiras 4 notas terão obrigatoriamente o seguinte conteúdo: 1. Identificação da entidade 2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 3. Principais políticas contabilísticas 4. Fluxos de caixa (modelo geral) ou Políticas contabilísticas, alterações nas estimativas contabilísticas e erros (modelo reduzido) DF Gerais PE ME Demonstrações SNC SNC PE SNC ME Balanço Sim Sim Sim Demonstração de Resultados por natureza Sim Sim Sim Demonstração de Resultados por funções Opcional Opcional Opcional Demonstração de Fluxos de Caixa Demonstração de alterações no capital próprio Sim Opcional Opcional Sim Opcional Opcional Anexo Sim Sim modelo reduzido Sim modelo + reduzido 10

Sistema de Normalização Contabilística

Sistema de Normalização Contabilística 1 Sistema de Normalização Contabilística A MUDANÇA PARA UM NOVO AMBIENTE CONTABILISTICO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO 2009 2 Sistema de Normalização Contabilística APRESENTAÇÃO do SNC ESTRUTURA CONCEPTUAL

Leia mais

A INFORMAÇÃO CONTABILÍSTICA EVOLUÇÃO DA ESTRUTURA CONCEPTUAL PARA RELATO FINANCEIRO IASB

A INFORMAÇÃO CONTABILÍSTICA EVOLUÇÃO DA ESTRUTURA CONCEPTUAL PARA RELATO FINANCEIRO IASB A INFORMAÇÃO CONTABILÍSTICA EVOLUÇÃO DA ESTRUTURA CONCEPTUAL PARA RELATO FINANCEIRO IASB Período 2010/2016 Leopoldo de Assunção Alves setembro/2015 Informação Contabilística A Contabilidade Financeira

Leia mais

XPLICADO SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA SNC EXPLICADO. João Rodrigues

XPLICADO SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA SNC EXPLICADO. João Rodrigues João Rodrigues SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA SNC EXPLICADO XPLICADO Diplomas legais Conteúdo e movimentação de todas as contas Explicações e comentários sobre cada norma Tratamento a nível do

Leia mais

Pretende-se com o programa apresentado obter os seguintes resultados:

Pretende-se com o programa apresentado obter os seguintes resultados: CONTABILIDADE FINANCEIRA II [12001] GERAL Regime: Semestre: OBJETIVOS Tendo em conta que os alunos deste curso poderão, num futuro próximo, exercer a função de Contabilista Certificado nas empresas do

Leia mais

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto. Ano 2011/2012

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto. Ano 2011/2012 Gestão do Desporto Ano 2011/2012 CONTABILIDADE GERAL Objectivos da disciplina Programa Metodologia / Método de estudo Avaliação Bibliografia Contactos PROGRAMA 1. Introdução 2. Breve Análise da Normalização

Leia mais

Pretende-se que os estudantes adquiram os seguintes conhecimentos e competências:

Pretende-se que os estudantes adquiram os seguintes conhecimentos e competências: NOÇÕES DE CONTABILIDADE E RELATO FINANCEIRO [5453112] GERAL Regime: Semestre: OBJETIVOS Com esta unidade curricular pretende-se fornecer os conhecimentos necessários acerca de alguns conceitos básicos

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) 19.12.2015 L 333/97 REGULAMENTO (UE) 2015/2406 DA COMISSÃO de 18 de dezembro de 2015 que altera o Regulamento (CE) n. o 1126/2008, que adota determinadas normas internacionais de contabilidade nos termos

Leia mais

Texto de Apoio Exercícios Resolvidos Exercícios Propostos. Ana Fialho António Guerreiro

Texto de Apoio Exercícios Resolvidos Exercícios Propostos. Ana Fialho António Guerreiro Exercícios Resolvidos Exercícios Propostos Ana Fialho António Guerreiro Escola de Ciências Sociais Departamento de Gestão 2015/2016 Índice Nota Prévia 1. Introdução 1.1. A Empresa e a Contabilidade 1.2.

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) 23.12.2015 L 336/49 REGULAMENTO (UE) 2015/2441 DA COMISSÃO de 18 de dezembro de 2015 que altera o Regulamento (CE) n. o 1126/2008, que adota determinadas normas internacionais de contabilidade nos termos

Leia mais

FUNDAÇÃO CASCAIS. Relatório de Contas. de Nº Contribuinte: Av. Clotilde, Lj 18- A Estoril

FUNDAÇÃO CASCAIS. Relatório de Contas. de Nº Contribuinte: Av. Clotilde, Lj 18- A Estoril FUNDAÇÃO CASCAIS Relatório de Contas de 2015 Nº Contribuinte: 503040843 Av. Clotilde, Lj 18- A 2765-266 Estoril FUNDAÇÃO CASCAIS Nº Contribuinte: 503040843 Av. Clotilde, Lj 18- A Estoril 2765-266 Estoril

Leia mais

CONTAS INDIVIDUAIS 2015

CONTAS INDIVIDUAIS 2015 CONTAS INDIVIDUAIS 2015 Conteúdo BALANÇO INDIVIDUAL (ESNL) EM 31.12.2015 E 31.12.2014... 3 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL DOS RESULTADOS (ESNL) PERÍODOS FINDOS EM 31.12.2015 E 31.12.2014... 4 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL

Leia mais

A aplicação da Normalização Contabilística para as Microentidades - NCM

A aplicação da Normalização Contabilística para as Microentidades - NCM Normalização Contabilística: Presente e Futuro - CNC A aplicação da Normalização Contabilística para as Microentidades - NCM Carlos Martins Lisboa, 15 de Dezembro de 2011 ÍNDICE Enquadramento e alguns

Leia mais

ÍNDICE SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA 1 DECRETO LEI N. 158/2009, DE 13 DE JULHO. Inclui a Declaração de Retificação n.

ÍNDICE SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA 1 DECRETO LEI N. 158/2009, DE 13 DE JULHO. Inclui a Declaração de Retificação n. ÍNDICE SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA 1 DECRETO LEI N. 158/2009, DE 13 DE JULHO (Aprova o SNC) Inclui a Declaração de Retificação n. 67 B/2009, de 11 de setembro, as alterações resultantes da Lei

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2016 =========

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2016 ========= FUNDAÇÃO PADRE LUIS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2016 ========= BALANÇO EM 31/12/2016 BALANÇO EM 31/12/2016 Rubricas Activo NOTAS DATAS 31-12-2016 31-12-2015 Activo não corrente Activos fixos

Leia mais

Sumário do Pronunciamento Conceitual Básico Estrutura Conceitual para a Elaboração e Apresentação das Demonstrações Contábeis

Sumário do Pronunciamento Conceitual Básico Estrutura Conceitual para a Elaboração e Apresentação das Demonstrações Contábeis Sumário do Pronunciamento Conceitual Básico Estrutura Conceitual para a Elaboração e Apresentação das Demonstrações Contábeis Observação: Este sumário, que não faz parte do Pronunciamento, está sendo apresentado

Leia mais

OS PRINCÍPIOS CONTÁBEIS EM VIGOR NO BRASIL

OS PRINCÍPIOS CONTÁBEIS EM VIGOR NO BRASIL OS PRINCÍPIOS CONTÁBEIS EM VIGOR NO BRASIL Pronunciamento Técnico CPC OO Estrutura Conceitual para Elaboração e Divulgação do Relatório Contábil Financeiro Estrutura Conceitual para Elaboração e Divulgação

Leia mais

- FUTURA NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA NACIONAL -

- FUTURA NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA NACIONAL - XIII JORNADAS DE CONTABILIDADE E FISCALIDADE DA APOTEC - LISBOA / CULTURGEST / 1 DE MARÇO DE 2007 - - FUTURA NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA NACIONAL - 1 TENDÊNCIAS INTERNACIONAIS... E NÓS SEC IOSCO PORTUGAL

Leia mais

APESPE-RH-Assoc.Port.das Emp.do Sector Priv.de Emp.e dos Rec.Humanos ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 ÍNDICE

APESPE-RH-Assoc.Port.das Emp.do Sector Priv.de Emp.e dos Rec.Humanos ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 ÍNDICE (Montantes expressos em euros) ÍNDICE Páginas 1. Nota introdutória 2 2. Referencial contabilístico de preparação nas demonstrações financeiras 2 3. Principais políticas contabilísticas 2 4. Políticas contabilísticas,

Leia mais

Contabilidade Geral Carga horária: 52 horas

Contabilidade Geral Carga horária: 52 horas Contabilidade Geral Carga horária: 52 horas PROGRAMA 1. Fundamentos da Contabilidade Financeira (1 hora: Sandra Alves) 1.1. A Contabilidade Financeira 1.1.1. Conceito e divisões da Contabilidade 1.1.2.

Leia mais

Analisar e implementar as disposições das normas específicas sobre a preparação e a elaboração de demonstrações financeiras consolidadas;

Analisar e implementar as disposições das normas específicas sobre a preparação e a elaboração de demonstrações financeiras consolidadas; CONTABILIDADE DE GRUPOS ECONÓMICOS [9393121] GERAL Regime: Semestre: OBJETIVOS Compreender e problematizar noções e pressupostos associados ao processo de elaboração e de apresentação de demonstrações

Leia mais

FUNDAÇÃO MARIA DIAS FERREIRA

FUNDAÇÃO MARIA DIAS FERREIRA Período 2014 31 de Dezembro de 2014 Índice Demonstrações financeiras para o período findo em 31 de Dezembro de 2014 Balanços em 31 de Dezembro de 2014 e 2013. 4 Demonstrações dos Resultados em 31 de Dezembro

Leia mais

MANUAL DE CONTABILIDADE PARA JURISTAS ÍNDICE

MANUAL DE CONTABILIDADE PARA JURISTAS ÍNDICE MANUAL DE CONTABILIDADE PARA JURISTAS ÍNDICE CAPÍTULO I. DEFINIÇÕES E DIVISÕES DA CONTABILIDADE 1 DEFINIÇÕES DE CONTABILIDADE 2 DIVISÕES DA CONTABILIDADE CAPÍTULO II. ANÁLISE DOS PRINCIPAIS CONCEITOS CONTABILÍSTICOS

Leia mais

Agenda Evolução de mapas legais Obrigado A Estrutura Conceptual PRESSUPOSTOS PRINCÍPIOS CONSTRANGIMENTOS CONCEITOS DE RECONHECIMENTO E MENSURAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DA CONTABILIDADE CARACTERÍSTICAS QUALITATIVAS

Leia mais

Contabilidade Geral Carga horária: 52 horas

Contabilidade Geral Carga horária: 52 horas Contabilidade Geral Carga horária: 52 horas PROGRAMA 1. Fundamentos da Contabilidade Financeira (1 hora: Sandra Alves) 1.1. A Contabilidade Financeira 1.1.1. Conceito e divisões da Contabilidade 1.1.2.

Leia mais

RELATO FINANCEIRO DOS FUNDOS DE PENSÕES

RELATO FINANCEIRO DOS FUNDOS DE PENSÕES NORMA REGULAMENTAR N.º 7/2010-R, DE 4 DE JUNHO RELATO FINANCEIRO DOS FUNDOS DE PENSÕES Nos termos do n.º 3 do artigo 64.º do Decreto-Lei n.º 12/2006, de 20 de Janeiro, compete ao Instituto de Seguros de

Leia mais

Índice 1 Identificação da Entidade 2 Referencial Contabilístico de Preparação das Demostrações Financeiras 3 Principais Politicas Contabilísticas 4 Políticas contabilísticas, alterações nas estimativas

Leia mais

ADOÇÃO DAS NORMAS INTERNACIONAIS PELA PRIMEIRA VEZ

ADOÇÃO DAS NORMAS INTERNACIONAIS PELA PRIMEIRA VEZ ADOÇÃO DAS NORMAS INTERNACIONAIS PELA PRIMEIRA VEZ 2 ANDRÉ CARVALHO 7149162 MARCELO DIAS JUNIOR 8599692 3 OBJETIVO Compreender como adotar e implementar pela primeira vez as normas internacionais de contabilidade

Leia mais

Anexo às Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2015

Anexo às Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2015 Anexo às Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2015 NOTA INTRODUTÓRIA NOTA 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE A ASSOCIAÇÃO FILHOS DO CORAÇÃO é uma IPSS constituída a 05-06-2012, com sede em Rua Almeida

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA. Luís Miguel Neves

CONTABILIDADE FINANCEIRA. Luís Miguel Neves Luís Miguel Neves 1 É um Agrupamento humano hierarquizado DEFINIÇÃO DE EMPRESA Quem mobiliza meios humanos, materiais e financeiros Para extrair, transformar, transportar, e distribuir produtos ou prestar

Leia mais

1 Apresentação 1.1 O novo modelo de normalização contabilística, que agora é criado, sucede ao Plano Oficial de. Disposições transitórias

1 Apresentação 1.1 O novo modelo de normalização contabilística, que agora é criado, sucede ao Plano Oficial de. Disposições transitórias Artigo 12.º Disposições transitórias Para efeitos do apuramento dos limites previstos no artigo 9.º do Decreto -Lei n.º 158/2009, de 13 de julho, alterado pela Lei n.º 20/2010, de 23 de agosto, pelo Decreto

Leia mais

I. Demonstração Condensada da Posição Financeira Consolidada

I. Demonstração Condensada da Posição Financeira Consolidada 1 Índice Demonstração Condensada da Posição Financeira Consolidada... 3 Demonstração Condensada dos Resultados Consolidados... 4 Demonstração Condensada do Rendimento Integral... 4 Demonstração Condensada

Leia mais

Informação Financeira Consolidada Intercalar 3ºTrimestre

Informação Financeira Consolidada Intercalar 3ºTrimestre 2012 Informação Financeira Consolidada Intercalar 3ºTrimestre Elementos mínimos previstos na IAS 34 de acordo com o Artigo 10º do Regulamento da CMVM nº5/2008 Glintt Global Intelligent Technologies, S.A.

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 =========

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= ASSOCIAÇÃO DE JUDO DO DISTRITO DO PORTO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= ASSOCIAÇÃO DE JUDO DO DISTRITO DO PORTO BALANÇO EM 31/12/2015 Rubricas NOTAS DATAS 31-12-2015 31-12-2014 Activo

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 07/2016 de 08 de Agosto

INSTRUTIVO N.º 07/2016 de 08 de Agosto INSTRUTIVO N.º 07/2016 de 08 de Agosto ASSUNTO:MÉTODO DA TAXA DE JURO EFECTIVA NO RECONHECIMENTO DE RENDIMENTOS E GASTOS DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS Havendo necessidade de se estabelecer um conjunto de

Leia mais

INSTRUTIVO N.º xx/20xx de xx de xxxx

INSTRUTIVO N.º xx/20xx de xx de xxxx INSTRUTIVO N.º xx/20xx de xx de xxxx ASSUNTO: MÉTODO DA TAXA DE JURO EFECTIVA NO RECONHECIMENTO DE RENDIMENTOS E GASTOS DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS Havendo a necessidade de estabelecer um conjunto de procedimentos

Leia mais

SNC AP. Desafio da Mudança. António Monteiro Presidente

SNC AP. Desafio da Mudança. António Monteiro Presidente SNC AP Desafio da Mudança António Monteiro Presidente V Congresso dos TOC - Lisboa 17 de Setembro de 2015 1 Síntese As Contas Públicas enquanto elemento determinante do grau de confiança na gestão dos

Leia mais

L 90/78 Jornal Oficial da União Europeia

L 90/78 Jornal Oficial da União Europeia L 90/78 Jornal Oficial da União Europeia 28.3.2013 REGULAMENTO (UE) N. o 301/2013 DA COMISSÃO de 27 de março de 2013 que altera o Regulamento (CE) n. o 1126/2008 que adota certas normas internacionais

Leia mais

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES (1/7) Introdução. Âmbito da Revisão. Conclusão. Aos accionistas do BIM Banco Internacional de Moçambique, S.

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES (1/7) Introdução. Âmbito da Revisão. Conclusão. Aos accionistas do BIM Banco Internacional de Moçambique, S. RELATÓRIO E CONTAS INTERCALAR 1.º SEMESTRE DE 2016 O BIM - Internacional de Moçambique, S.A., com o intuito de manter informados os senhores Clientes e o público em geral da evolução da sua actividade,

Leia mais

Desafios da reforma da contabilidade pública

Desafios da reforma da contabilidade pública Introdução e contexto Entidade Contabilística Estado: Criação e projeto em curso Implementação do SNC-AP: Estratégia e concretização Sistema Central de Contabilidade e Contas Públicas (S3CP) Nova informação

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) 14.6.2014 L 175/9 REGULAMENTO (UE) N. o 634/2014 DA COMISSÃO de 13 de junho de 2014 que altera o Regulamento (CE) n. o 1126/2008, que adota certas normas internacionais de contabilidade nos termos do Regulamento

Leia mais

SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA 2. BASES PARA A APRESENTAÇÃO DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA 2. BASES PARA A APRESENTAÇÃO DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA Índice 1. APRESENTAÇÃO 2. BASES PARA A APRESENTAÇÃO DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 2.1. ÂMBITO, FINALIDADE E COMPONENTES 2.2. CONTINUIDADE 2.3. REGIME DE ACRÉSCIMO

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 =========

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= FUNDAÇÃO PADRE LUIS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= BALANÇO EM 31/12/2015 BALANÇO EM 31/12/2015 Rubricas Ativo NOTAS DATAS 31-12-2015 31-12-2014 Ativo não corrente Ativos fixos tangíveis

Leia mais

Anexo 2016 ASSOCIAÇÃO GRÃO VASCO. Alameda Luís de Camões Escola Básica Grão Vasco Viseu Viseu NIPC:

Anexo 2016 ASSOCIAÇÃO GRÃO VASCO. Alameda Luís de Camões Escola Básica Grão Vasco Viseu Viseu NIPC: Anexo 2016 ASSOCIAÇÃO GRÃO VASCO Alameda Luís de Camões Escola Básica Grão Vasco Viseu 3500-149 Viseu NIPC: 513 711 694 CAE Principal 94991 Associação culturais e recreativas Viseu, 28 de março de 2017

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Contabilidade Sectorial e Consolidação de Contas

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Contabilidade Sectorial e Consolidação de Contas INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do Conselho Pedagógico 30/3/2016 Aprovação do Conselho Técnico-Científico 20/4/2016 Ficha de Unidade

Leia mais

Alterações ao SNC Breve Síntese

Alterações ao SNC Breve Síntese Alterações ao SNC 2016 - Breve Síntese A publicação do Decreto-Lei n.º 98/2015 transpõe para o ordenamento jurídico interno a Directiva Europeia de Contabilidade, que em conjunto com a publicação das Portarias

Leia mais

Painel 1 A perspectiva da CNC O SNC em 2010

Painel 1 A perspectiva da CNC O SNC em 2010 Painel 1 A perspectiva da CNC O SNC em 2010 Centro de Congressos de Lisboa 14 de Dezembro de 2010 Actividade da CNC em 2010 Organização interna Constituição de Grupos de trabalho Elaboração e aprovação

Leia mais

Dissertação - Implicações da adequação da Contabilidade pública brasileira às normas internacionais de contabilidade

Dissertação - Implicações da adequação da Contabilidade pública brasileira às normas internacionais de contabilidade Acadêmica : Nara Cristina Elias Dissertação - Implicações da adequação da Contabilidade pública brasileira às normas internacionais de contabilidade A Contabilidade, na qualidade de metodologia especialmente

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Período 2016

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Período 2016 Período 2016 L, SA 31 de Dezembro de 2016 Índice Demonstrações financeiras individuais para o período findo em Balanço Individual em. 5 Demonstração Individual dos Resultados em.. 6 Demonstração Individual

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Prestação de Contas

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Prestação de Contas INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do Conselho Pedagógico / / Aprovação do Conselho Técnico-Científico / / Ficha de Unidade Curricular

Leia mais

As IFRS (1) são adoptadas por algumas

As IFRS (1) são adoptadas por algumas Contas individuais, consolidadas e separadas: das IFRS para o SNC P o r A n t ó n i o G e r v á s i o L é r i a s Este artigo tenta caracterizar os vários tipos de contas no normativo das IFRS, passando

Leia mais

TOTAL DO ACTIVO , ,68

TOTAL DO ACTIVO , ,68 FUNDAÇÃO CASA MUSEU MÁRIO BOTAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS CONTAS 31 DE DEZEMBRO DE 2015 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS BALLANÇO:: PARA OS PERÍODOS FFI INDOS EM 31 DE DEZZEMBRO DE 2015 ACTIVO NÃO

Leia mais

TEORIA DA CONTABILIDADE QUESTIONÁRIO 6

TEORIA DA CONTABILIDADE QUESTIONÁRIO 6 QUESTIONÁRIO 6 (Questões Exame de Suficiência 1 2013) 2. Relacione os grupos do Ativo descritos, na primeira coluna, com as suas respectivas propriedades, na segunda coluna, e, em seguida, assinale a opção

Leia mais

Conteúdo. CONTAS INDIVIDUAIS 2016 (Montantes expressos em euros)

Conteúdo. CONTAS INDIVIDUAIS 2016 (Montantes expressos em euros) Contas individuais 2016 Conteúdo BALANÇO INDIVIDUAL (ESNL) EM 31.12.2016 E 31.12.2016... 4 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL DOS RESULTADOS (ESNL) PERÍODOS FINDOS EM 31.12.2016 E 31.12.2015... 5 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL

Leia mais

Teoria da Contabilidade I

Teoria da Contabilidade I Teoria da Contabilidade I IV. A introdução ao novo Sistema de Normalização Contabilística Teoria Teoria da Contabilidade e A A normalização Contabilística A A necessidade de uma Estrutura Conceptual?!

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE NATAÇÃO DA MADEIRA

ASSOCIAÇÃO DE NATAÇÃO DA MADEIRA 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE: 1.1 Designação da entidade: Associação de Natação da Madeira; 1.2 Sede: Complexo de Natação Desportiva do Funchal, 9050-021 Funchal; 1.3 NIPC: 511205350; 1.4 Natureza da atividade:

Leia mais

Conteúdo e datas da formação

Conteúdo e datas da formação Conteúdo e datas da formação Módulo I A importância da Prestação de Contas nas ESNL O processo de Prestação de Contas nas ESNL Módulo II Referencial contabilístico vigente para as ESNL A Prestação de Contas

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2013

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2013 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 213 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Fundação Comendador Joaquim de Sá Couto 1.2 Sede: Rua do Hospital, 7 4535 São

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 =========

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ESCLEROSE MÚLTIPLA DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= BALANÇO EM 31/12/2015 BALANÇO EM 31/12/2015 Rubricas NOTAS DATAS Activo 31-12-2015 31-12-2014 Activo não

Leia mais

Contabilidade e Fiscalidade :

Contabilidade e Fiscalidade : : caminho e efeitos das alterações António Demétrio Gervásio Lérias A tributação das empresas incide fundamentalmente sobre o seu rendimento real (art. 104.º, 2, CRP) O lucro tributável das pessoas coletivas

Leia mais

Conteúdo. CONTAS INDIVIDUAIS 2015 (Montantes expressos em euros)

Conteúdo. CONTAS INDIVIDUAIS 2015 (Montantes expressos em euros) ASSOCIAÇÃO PARA O ESTUDO E INTEGRAÇÃO PSICOSSOCIAL CONTAS INDIVIDUAIS 2015 Conteúdo BALANÇO INDIVIDUAL (ESNL) EM 31.12.2015 E 31.12.2014... 4 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL DOS RESULTADOS (ESNL) PERÍODOS FINDOS

Leia mais

A ESTRUTURA CONCEPTUAL DA CONTABILIDADE E DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (DO POC AO SNC)

A ESTRUTURA CONCEPTUAL DA CONTABILIDADE E DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (DO POC AO SNC) A ESTRUTURA CONCEPTUAL DA CONTABILIDADE E DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (DO POC AO SNC) JOAQUIM CUNHA GUIMARÃES jfcguimaraes@jmmsroc.pt www.jmmsroc.pt CAPÍTULO I A Estrutura Conceptual da Contabilidade

Leia mais

CLUBE GOLFE BENFICA. Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2016 Montantes expressos em euros CLUBE GOLFE BENFICA. Demonstrações Financeiras

CLUBE GOLFE BENFICA. Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2016 Montantes expressos em euros CLUBE GOLFE BENFICA. Demonstrações Financeiras CLUBE GOLFE BENFICA 1 Índice das Balanços em 31 de Dezembro 2016 e 2015 3 Demonstração dos Resultados dos exercícios findos em 31 Dezembro 2016 e 2015 4 Demonstração de Resultados 31 de Dezembro 2016 versus

Leia mais

PLANO DE AULA DISCIPLINA: CONTABILIDADE I (CÓD. ENEC60001) PERÍODO: 2º PERÍODO

PLANO DE AULA DISCIPLINA: CONTABILIDADE I (CÓD. ENEC60001) PERÍODO: 2º PERÍODO PLANO DE AULA DISCIPLINA: CONTABILIDADE I (CÓD. ENEC60001) PERÍODO: 2º PERÍODO TOTAL DE SEMANAS: 20 SEMANAS TOTAL DE ENCONTROS: 40 AULAS Aulas Conteúdos/ Matéria Tipo de aula Textos, filmes e outros materiais

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE 1 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE 2 OBJETIVOS Entender as principais alterações contábeis referentes ao processo de convergência das normas brasileiras de contabilidade para as normas internacionais

Leia mais

Melhorias da Estrutura Conceitual

Melhorias da Estrutura Conceitual International Financial Reporting Standards Melhorias da Estrutura Conceitual Mary Barth, Professora de Contabilidade, Stanford University e ex-membro do IASB Bob Garnett, ex-chairman, IFRS Interpretations

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Prestação de Contas

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Prestação de Contas INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do Conselho Pedagógico 30/3/2016 Aprovação do Conselho Técnico-Científico 20/4/2016 Ficha de Unidade

Leia mais

Contabilidade Financeira I. Capítulo 1

Contabilidade Financeira I. Capítulo 1 Contabilidade Financeira I 2014/2015 LG, LFC, LE, LGIL, LGM, LGRH Capítulo 1 Resoluções dos Casos Contabilidade Financeira I, Ano Letivo 2014/2015 Página 1 de 22 Resolução dos casos (*) Caso 1.01 Caso

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas IPSAS 3 POLÍTICAS CONTABILÍSTICAS, ALTERAÇÕES EM ESTIMATIVAS CONTABILÍSTICAS E ERROS

Manual do Revisor Oficial de Contas IPSAS 3 POLÍTICAS CONTABILÍSTICAS, ALTERAÇÕES EM ESTIMATIVAS CONTABILÍSTICAS E ERROS IPSAS 3 POLÍTICAS CONTABILÍSTICAS, ALTERAÇÕES EM ESTIMATIVAS CONTABILÍSTICAS E ERROS Reconhecimento Esta Norma Internacional de Contabilidade do Sector Público é principalmente extraída da Norma Internacional

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DA BE WATER, S.A CONTRATO DE CONCESSÃO DE MAFRA

RELATÓRIO DE GESTÃO DA BE WATER, S.A CONTRATO DE CONCESSÃO DE MAFRA RELATÓRIO DE GESTÃO DA BE WATER, S.A CONTRATO DE CONCESSÃO DE MAFRA A Be Water, S.A. - Águas de Mafra, anteriormente designada por Compagnie Générale des Eaux (Portugal), S. A., vem apresentar o seu relatório

Leia mais

O SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA (SNC) ÍNDICE NOTAS PRÉVIAS. Joaquim Fernando da Cunha Guimarães.

O SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA (SNC) ÍNDICE NOTAS PRÉVIAS. Joaquim Fernando da Cunha Guimarães. O SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA (SNC) Joaquim Fernando da Cunha Guimarães Revisor Oficial de Contas n.º 790 Docente do Ensino Superior Técnico Oficial de Contas n.º 2586 Membro de Júri de Exames

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE ATALAIA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE ATALAIA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2015 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação ÍNDICE 2 - Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 2.1 Referencial

Leia mais

SEBENTA CONTABILIDADE FINANCEIRA I

SEBENTA CONTABILIDADE FINANCEIRA I UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ECONOMIA SEBENTA DE CONTABILIDADE FINANCEIRA I LICENCIATURA EM GESTÃO 1º ANO / 1º SEMESTRE PAULO MÊDA ANO

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Contabilidade Financeira I

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Contabilidade Financeira I INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do Conselho Pedagógico 28/10/2015 Aprovação do Conselho Técnico-Científico 16/12/2015 Ficha de

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/2009

Contabilidade Financeira II 2008/2009 Contabilidade Financeira II 2008/2009 Apresentação Apresentação Docentes Programa Bibliografia Avaliação Trabalho de Grupo Site da Cadeira - Contabilidade Financeira II 2008/2009 1º Semestre 2 1 Docentes

Leia mais

RELATÓRIOS E PARECERES

RELATÓRIOS E PARECERES 2015 RELATÓRIOS E PARECERES :: RELATÓRIO & CONTAS 2015 PÁG. 02 :: RELATÓRIO & CONTAS 2015 PÁG. 03 :: RELATÓRIO & CONTAS 2015 PÁG. 04 1. Constituição e actividade O Banco Terra, S.A. ( Banco ) é uma sociedade

Leia mais

O DL 35/2005 Alterações ao Plano Oficial de Contabilidade

O DL 35/2005 Alterações ao Plano Oficial de Contabilidade O DL 35/2005 Alterações ao Plano Oficial de Contabilidade Introdução O DL 35/2005, de 17 de Fevereiro, transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 2003/51/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho,

Leia mais

Portanto, nesta apresentação não se vai abordar um assunto ou conhecimento novos.

Portanto, nesta apresentação não se vai abordar um assunto ou conhecimento novos. O objectivo deste painel é criar um ambiente cordial de troca de Impressões entre os prelectores e a plateia sobre as Demonstrações Financeiras preparadas de acordo com as disposições do Plano Geral de

Leia mais

Fundação Montepio Geral

Fundação Montepio Geral 1 Identificação da entidade A Fundação Montepio Geral (adiante designada por Fundação ) é uma instituição particular de solidariedade social e de utilidade pública, sem fins lucrativos, constituída a 4

Leia mais

Portaria n.º 104/2011, de 14 de Março

Portaria n.º 104/2011, de 14 de Março Portaria n.º 104/2011, de 14 de Março O DecretoLei n.º 36A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para microentidades, prevendo a publicação, mediante portaria do membro do

Leia mais

NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE PARA AS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE PARA AS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE PARA AS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Antônio Carlos Palácios Vice Presidente Técnico CRCRS O tema no contexto da CONVERGÊNCIA das Normas Contábeis A CRONOLOGIA DA CONVERGÊNCIA

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/2009

Contabilidade Financeira II 2008/2009 Contabilidade Financeira II 2008/2009 Enquadramento Contabilístico Enquadramento contabilístico Enquadramento geral Principais organismos Sites Lista das IAS/IFRS Principais alterações Estrutura conceptual

Leia mais

Ficha da Unidade Curricular

Ficha da Unidade Curricular ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE FELGUEIRAS CURSO Licenciatura em Ciências Empresariais U.C. Contabilidade I Ficha da Unidade Curricular Horas presenciais / Ano 70 Ano Lectivo 2010 / 2011 Horas

Leia mais

MESTRADO EM GESTÃO DE EMPRESAS 2007/2008

MESTRADO EM GESTÃO DE EMPRESAS 2007/2008 TRABALHO 1 Enunciado (PARTE 1) Só uma alínea do grupo está correcta, inteiramente correcta, ou mais correcta. Refira qual e apresente nota justificativa sumária no anexo para resolução. 1 Em Portugal,

Leia mais

ORA newsletter. Nº 51 ABRIL/2011 (circulação limitada) Assuntos LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL MARÇO DE 2011

ORA newsletter. Nº 51 ABRIL/2011 (circulação limitada) Assuntos LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL MARÇO DE 2011 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Março de 2011 1 Novo Regime de Normalização Contabilística para Microentidades e para Entidades do Sector Não Lucrativo 2 Revisores e Auditores 6 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL MARÇO

Leia mais

Restoque Comércio e Confecções de Roupas S.A. Balanço Patrimonial Consolidado em 31 de dezembro de 2014 Em milhares de reais

Restoque Comércio e Confecções de Roupas S.A. Balanço Patrimonial Consolidado em 31 de dezembro de 2014 Em milhares de reais Restoque Comércio e Confecções de Roupas S.A. Balanço Patrimonial Consolidado em 31 de dezembro de 2014 Em milhares de reais Ativo Passivo e Patrimônio Líquido Circulante R$ Circulante R$ Caixa e equivalentes

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 (Montantes expressos em euros) 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da Entidade CASFIG Coordenação de Âmbito Social

Leia mais

O SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA PARA AS ADMINISTRAÇÕES PÚBLICAS

O SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA PARA AS ADMINISTRAÇÕES PÚBLICAS O SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA PARA AS ADMINISTRAÇÕES PÚBLICAS Gabinete de Finanças Públicas / Secção de Formação Foi publicado no dia 11 de setembro o Decreto-lei nº 192/2015, que aprova a implementação

Leia mais

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2014

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2014 Centro Paroquial e Social de Calheiros RUBRICAS BALANÇO INDIVIDUAL Dezembro 2014 NOTAS Montantes expressos em EURO PERÍODOS 2014 2013 ACTIVO Activo não corrente: Activos fixos tangíveis... 279.778,88 285.103,71

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS

CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS Carlos António Rosa Lopes Economista Revisor Oficial de Contas CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS De acordo com o SNC e Normas Internacionais de Contabilidade (IAS/IFRS) Teoria e Casos Práticos Consolidação de balanços

Leia mais

MANUAL DECLARAÇÃO IES NO TOCONLINE

MANUAL DECLARAÇÃO IES NO TOCONLINE MANUAL DECLARAÇÃO IES NO TOCONLINE ÍNDICE 1. Enquadramento e instruções gerais; 2. Apresentação do interface; 3. Configuração e preenchimento dos anexos; 4. Validações a partir dos Mapas de Conferência

Leia mais

CONTABILIDADE (NíVEIS 1,2 E 3) Curso Geral de Contabilidade

CONTABILIDADE (NíVEIS 1,2 E 3) Curso Geral de Contabilidade CONTABILIDADE (NíVEIS 1,2 E 3) Curso Geral de Contabilidade Duração: 8 dias Tipologia: Curso Presencial Para quem?: Colaboradores dos Departamentos de Contabilidade, Financeiro e Controlo de Gestão. Secretárias

Leia mais

Informação Financeira Intercalar 1º Trimestre

Informação Financeira Intercalar 1º Trimestre Informação Financeira Intercalar 1º Trimestre 2016 1 Índice Demonstração Condensada da Posição Financeira Consolidada... 3 Demonstração Condensada dos Resultados Consolidados... 4 Demonstração Condensada

Leia mais

Apresentação do. Novo Sistema de Normalização Contabilística. 23 de Abril de Intervenção do Ministro de Estado e das Finanças

Apresentação do. Novo Sistema de Normalização Contabilística. 23 de Abril de Intervenção do Ministro de Estado e das Finanças Apresentação do Novo Sistema de Normalização Contabilística 23 de Abril de 2009 Intervenção do Ministro de Estado e das Finanças Fernando Teixeira dos Santos Senhor Secretário de Estado, Senhor Presidente

Leia mais

O Impacto da Contabilidade e Fiscalidade na Agricultura NCRF 17 CRISTINA PENA SILVA AGRICULTURA. Seminário CAP / OTOC - Santarém, 8 de Junho de 2011

O Impacto da Contabilidade e Fiscalidade na Agricultura NCRF 17 CRISTINA PENA SILVA AGRICULTURA. Seminário CAP / OTOC - Santarém, 8 de Junho de 2011 O Impacto da Contabilidade e Fiscalidade na Agricultura NCRF 17 CRISTINA PENA SILVA AGRICULTURA NCRF - AGRICULTURA Estrutura das explorações agrícolas Normalização contabilística NCRF 17 Agricultura Normalização

Leia mais

Desafios profissionais: Os profissionais e o SNC. Lúcia Lima Rodrigues

Desafios profissionais: Os profissionais e o SNC. Lúcia Lima Rodrigues Desafios profissionais: Os profissionais e o SNC Lúcia Lima Rodrigues Introdução Breve caracterização do sistema contabilístico português: o SNC Os profissionais e o SNC Desafios/Oportunidades da adopção

Leia mais

DSAJAL/ 2/2017. novembro DAAL

DSAJAL/ 2/2017. novembro DAAL Nota Informativa 2/2017 novembro DSAJAL/ DAAL SNC-AP Autarquias Locais Regime de Transição Regime Geral 1. INTRODUÇÃO Durante o ano de 2017, todas as entidades públicas devem assegurar as condições e tomar

Leia mais

PT Jornal Oficial da União Europeia

PT Jornal Oficial da União Europeia 13.10.2003 PT Jornal Oficial da União Europeia L 261/279 IAS 34 NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 34 Relato Financeiro Intercalar Esta Norma Internacional de Contabilidade foi aprovada pelo Conselho

Leia mais

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira Introdução à Contabilidade 2014/2015 Financeira 2 Sumário 1. O papel da contabilidade nas organizações. 2. A contabilidade externa vs a contabilidade interna. 3. Os diversos utilizadores da contabilidade.

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras (Com a respectiva Declaração dos Auditores) Março de 2014 Este relatório contém 18 páginas ABCD KPMG & Associados - Sociedade de Revisores Oficiais de Contas, S.A. Edifício Monumental

Leia mais

EXAME COLÉGIO DE ESPECIALIDADE DE CONTABILIDADE PÚBLICA. I (8 valores) Questão 1 O POCP não enuncia o princípio da substância sobre a forma. Porquê?

EXAME COLÉGIO DE ESPECIALIDADE DE CONTABILIDADE PÚBLICA. I (8 valores) Questão 1 O POCP não enuncia o princípio da substância sobre a forma. Porquê? EXAME COLÉGIO DE ESPECIALIDADE DE CONTABILIDADE PÚBLICA I (8 valores) Questão 1 O POCP não enuncia o princípio da substância sobre a forma. Porquê? Questão 2 O POCP prevê a conta 25221 Período complementar.

Leia mais