Universidade Federal de São Carlos. Programa de Pós-Graduação em Educação. Sergio Marcus Nogueira Tavares

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Federal de São Carlos. Programa de Pós-Graduação em Educação. Sergio Marcus Nogueira Tavares"

Transcrição

1 Universidade Federal de São Carlos Programa de Pós-Graduação em Educação Sergio Marcus Nogueira Tavares AS UNIVERSIDADES CONFESSIONAIS BRASILEIRAS E AS REFORMAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR DA DÉCADA DE 1990 Tese de Doutorado São Carlos SP 2012

2 Sergio Marcus Nogueira Tavares AS UNIVERSIDADES CONFESSIONAIS BRASILEIRAS E AS REFORMAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR DA DÉCADA DE 1990 Tese apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Educação da Universidade Federal de São Carlos para a obtenção do título de Doutor em Educação. Orientadora: Profa. Dra. Sandra Aparecida Riscal São Carlos SP 2012

3 Ficha catalográfica elaborada pelo DePT da Biblioteca Comunitária/UFSCar T231uc Tavares, Sergio Marcus Nogueira. As universidades confessionais brasileiras e as reformas da educação superior da década de 1990 / Sergio Marcus Nogueira Tavares. -- São Carlos : UFSCar, f. Tese (Doutorado) -- Universidade Federal de São Carlos, Ensino superior. 2. Universidades e faculdades. 3. Reformas do estado. 4. Racionalidade. I. Título. CDD: 378 (20 a )

4

5 DEDICATÓRIA Dedico esta tese Aos meus queridos pais, Palmerinho Tavares (in memoriam) e Iracema Nogueira Tavares, exemplos de dignidade e honradez que me ensinaram os valores mais importantes da vida. À minha esposa Maria Marta dos Reis Tavares, companheira de todos os momentos de alegria, tristeza, desafios e celebrações e à minha querida filha, Débora Reis Tavares, que acompanharam meu empenho e suportaram minha ausência senão o afastamento necessário ao desenvolvimento dessa árdua pesquisa. A todos que dedicam parte relevante de suas vidas à atuação nas instituições confessionais brasileiras, nelas acreditando e buscando sua inovação e vida longa.

6 GRATIDÃO Ao Deus da vida, pelo conhecimento, inspiração, esperança e por permitir, a cada nascer do sol, ânimo novo na caminhada, mesmo quando tudo parece desfavorável. À minha orientadora, Profa. Dra. Sandra Aparecida Riscal, que me acompanhou de perto nessa trajetória e acreditou que a semente germinada poderia se transformar em árvore e colhida em fruto. À Comissão Julgadora, pelo trabalho realizado, o rigor, a análise e a crítica, que fazem o conhecimento prosperar e a ciência evoluir. À Universidade Metodista de Piracicaba UNIMEP e à Universidade Metodista de São Paulo UMESP que, em momentos diferentes, me propiciaram oportunidades de vivência numa universidade confessional. Ao Programa de Pós-Graduação em Educação PPGE da Universidade Federal de São Carlos, por ter acreditado nessa e em tantas outras pesquisas ao longo das últimas quatro décadas, acumulando sólida contribuição à pesquisa em educação no Brasil. Aos meus familiares e amigos que direta ou indiretamente me apoiaram nesse desafio tão grandioso. Aos mestrandos e doutorandos do PPGE, com quem dividimos participações, trabalho em conjunto e a possibilidade da livre troca de idéias, tão importante para se firmar convicção e fazer avançar o conhecimento. Aos colegas de trabalho das instituições da Rede Metodista de Educação, com quem partilho no dia a dia o desafio da construção de uma universidade confessional genuinamente brasileira.

7 RESUMO Este estudo tem por objetivo examinar as consequências das reformas na educação superior realizadas na década de 1990 na identidade e gestão das universidades confessionais e as transformações institucionais que vêm sofrendo nesse cenário. Foram levantados dados de quatro instituições de ensino superior que atuam no estado de São Paulo, sendo duas universidades confessionais com atuação histórica no setor e duas instituições de ensino superior do segmento particular empresarial, que surgiram e se expandiram após as referidas reformas. São utilizadas as categorias racionalidade substantiva e racionalidade formal de fins econômicos de Max Weber para a análise dos dados pesquisados das instituições, assim agrupados: concepção de universidade e do acadêmico, gestão, concepção econômico-financeira e relação com a sociedade. As universidades confessionais se tornam, após as reformas, uma alternativa em crise, cujo desafio passa a ser, de um lado, sobreviver sem se render à lógica do mercado e manter sua identidade sem disfarces e, por outro lado, serem reconhecidas como tal pelas políticas públicas, de modo a lhes assegurar condições para atuarem na busca de qualidade e relevância do ensino superior no Brasil. Palavras chave: Educação superior. Universidade Confessional. Reformas. Racionalidade.

8 ABSTRACT This study has as an objective to examine the consequences of higher education amendments and the institutional transformations it has been suffering in this scenery. It was collected data from four institutions that act in the state of São Paulo, from which two are confessional universities with a historical presence on this sector and the other two are from the business segment that came from the educational amendments and have expanded from it. It has been used the concepts of substantive rationality and formal rationality of economic ends from Max Weber in order to analyze the researched data from the universities, gathered as the following: the concept of university and the academic, management, the economic-financier concept and its relation with society. The confessional universities have became after the amendments, an alternative in crisis, in which the challenge is, from one side, to survive without surrender to the market s logic and keep its identity with no disguises, and on the other side, being acknowledged as such by public policies, in a way of assuring the conditions to act in the search of quality and relevance of Brazilian s superior education. Keywords: Higher education. Confessional University. Amendments. Rationality.

9 LISTA DE QUADROS 11 LISTA DE SIGLAS 12 INTRODUÇÃO Objeto de pesquisa Problema e justificativa Objetivos Procedimentos metodológicos Delimitação empírica Porque foram escolhidas as instituições de ensino superior pesquisadas Estrutura da Tese 25 CAPÍTULO I DA ÉTICA DOS VALORES AO MERCADO: ASPECTOS DA GÊNESE DA UNIVERSIDADE CONTEMPORÂNEA A Ética e a Universidade A ética e a racionalidade substantiva segundo Max Weber 28 a) A ciência como vocação 28 b) Liberdade acadêmica e autonomia universitária 31 c) Uma breve exposição da concepção de racionalidade 32 d) O tipo ideal A Gênese da Universidade Wolf e os modelos de Universidade 39 a) A universidade clássica 40 b) A universidade técnica 41 c) A universidade alemã e a francesa 42 d) A universidade no contexto da massificação O ensino superior no Brasil e as primeiras universidades 45

10 a) A gênese do ensino superior no Brasil e a formação da elite colonial 45 b) O processo de organização das universidades brasileiras e o papel do Estado A Universidade brasileira entre as décadas de 1960 e CAPÍTULO II AS UNIVERSIDADES CONFESSIONAIS E SUA TRANSFORMAÇÃO INSTITUCIONAL A PARTIR DAS REFORMAS DA DÉCADA DE As universidades católicas As universidades confessionais herdeiras da Reforma Protestante Marco legal das universidades confessionais A face comunitária das confessionais Autonomia universitária e confessionalidade A universidade brasileira na década de A crise do Estado de bem estar social e as reformas implantadas As reformas na educação superior: a expansão do setor privado na lógica do mercado Os principais instrumentos normativos das reformas A universidade privada após as reformas A universidade pública após as reformas 99 CAPÍTULO III INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PESQUISADAS: DADOS, ANÁLISE E RESULTADOS Apresentação das instituições pesquisadas 102 a) Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUC-SP b) Universidade Metodista de Piracicaba UNIMEP c) Universidade Paulista UNIP d) Anhanguera Educacional AE 3.2. Categorias de análise 107

11 3.3. Análise dos dados das instituições pesquisadas 108 CONSIDERAÇÕES FINAIS 155 REFERÊNCIAS 163 ANEXOS 174

12 LISTA DE QUADROS Quadro I Dados Gerais do Ensino Superior no Brasil: Matrículas, Vagas, Instituições, Professores Quadro II Dados Gerais do Ensino Superior no Estado de São Paulo: Matrículas, Vagas, Instituições, Professores Quadro III Dados do Ensino Superior: Docentes Quadro IV - Avaliações da CAPES: Pós-Graduação Stricto Sensu Quadro V Avaliações do INEP: IGC Graduação 2008/2009 Quadro VI Indicadores Econômico-Financeiros das Instituições Quadro VII Mensalidades Escolares das Instituições Pesquisadas Quadro VIII Visão, Missão, Objetivos e Finalidades

13 LISTA DE SIGLAS ABESC Associação Brasileira de Escolas Superiores Católicas ABMES Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior ABRUC Associação Brasileira das Universidades Comunitárias ABRUEM Associação Brasileira dos Reitores das Universidades Estaduais e Municipais ADUNIMEP Associação dos Docentes da Universidade Metodista de Piracicaba AE Anhanguera Educacional AESA Anhanguera Educacional Sociedade Anônima AFIEP Associação dos Funcionários do Instituto Educacional Piracicabano ANACEU Associação Nacional dos Centros Universitários ANDES Associação Nacional dos Docentes do Ensino Superior ANDIFES Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior ANEC - Associação Nacional de Educação Católica do Brasil ANUP Associação Nacional de Universidades Particulares APROPUC Associação dos Professores da PUC-SP ASSUPERO Associação Unificada Paulista de Ensino Renovado Objetivo CAGES Câmara de Gestão CAPES Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CEBAS Certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social CFE Conselho Federal da Educação CLT Consolidação das Leis do Trabalho CNPq Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico COGEAE Coordenadoria Geral de Especialização, Aperfeiçoamento e Extensão COMUNG Consórcio das Universidades Comunitárias Gaúchas CONFENEN Confederação Nacional dos Estabelecimentos de Ensino CONSAD Conselho de Administração CONSEPE Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSUN Conselho Universitário CPC Conceito Preliminar de Curso CREDUC Crédito Educativo

14 CRUB Conselho de Reitores das Universidades Brasileiras CTN Código Tributário Nacional CUCA Coral da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo CVM Comissão de Valores Mobiliários ENADE Exame Nacional de Desempenho de Estudantes ENC Exame Nacional de Cursos ENEM Exame Nacional do Ensino Médio FAP Fundo de Apoio à Pesquisa FAPESP - Fundação de Apoio à Pesquisa no Estado de São Paulo FIES Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior FUNDASP Fundação São Paulo IEEP Instituto de Ensino de Engenharia Paulista IEP Instituto Educacional Piracicabano IES Instituições de Ensino Superior IFES Instituições Federais de Ensino Superior IGC Índice Geral de Cursos INEP Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira IOP Instituto de Odontologia Paulista IPA Instituto Porto Alegre IPO Initial Public Offering ISCP Instituto Superior de Comunicação Publicitária IUP Instituto Unificado Paulista LDB Lei de Diretrizes e Bases da Educação MBA Master of Business Administration MEC Ministério da Educação MEC-USAID Ministério da Educação e Cultura e United States Agency for International Development (acordo entre instituições) NUPES Núcleo de Pesquisa sobre Ensino Superior da Universidade de São Paulo OCDE - Organisation for Economic Co-operation and Development PAC Setor de Atendimento Comunitário PIB Produto Interno Bruto PIBIC Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica PPGE Programa de Pós-Graduação em Educação PROUNI Programa Universidade para Todos

15 PUC-SP Pontifícia Universidade Católica de São Paulo SAEB Sistema Nacional da Educação Básica SBPC Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência SEMESP Sindicato das Entidades Mantenedoras de Estabelecimentos do Ensino Superior no Estado de São Paulo SESU Secretaria de Educação Superior SINPRO Sindicato dos Professores TUCA Teatro da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo UAB Universidade Aberta do Brasil UMESP Universidade Metodista de São Paulo UnB Universidade de Brasília UNE União Nacional dos Estudantes UNESP Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho UNIBAN Universidade Bandeirantes UNICAMP Universidade Estadual de Campinas UNIDERP Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal UNIP Universidade Paulista UNIMEP Universidade Metodista de Piracicaba USP Universidade de São Paulo

16 INTRODUÇÃO 1. Objeto de pesquisa O presente trabalho é o resultado da pesquisa de doutoramento realizada no Programa de Pós Graduação em Educação da Universidade Federal de São Carlos na área de Fundamentos da Educação, linha de pesquisa: Estado, Gestão e Políticas Educacionais. O objeto de estudo é a crise da universidade confessional brasileira a partir da década de 1990, no contexto das reformas da educação superior. Esta instituição universitária teve sua gênese na metade do século XX durante o processo de constituição da universidade brasileira. Parte-se do pressuposto que as universidades confessionais influenciaram e tiveram papel relevante na própria concepção da Universidade brasileira. As instituições religiosas, como a Igreja Católica, fizeram-se presentes no processo educacional brasileiro desde os seus primórdios, e sua influência se estendeu por toda evolução educacional brasileira, culminando com o surgimento e desenvolvimento de cursos superiores e a constituição de universidades. Isto se deu a partir da experiência católica, em maior escala, mas também através das instituições protestantes, oriundas do movimento da Reforma Protestante na Europa no século XVIII. 2. Problema e justificativa As universidades confessionais tiveram importante papel na implementação do ensino superior brasileiro e, em particular, na década de 1960, participação na expansão da pós-graduação nacional, com a implantação de programas de pósgraduação stricto sensu, institucionalização da pesquisa acadêmica e estímulos para a obtenção de graus acadêmicos. Com as reformas implementadas na educação superior na década de 1990, ocorreu forte expansão do segmento das universidades particulares, admitindo-se a categoria de instituições de ensino superior com fins lucrativos. As confessionais passaram a enfrentar um cenário concorrencial regido pelo gerenciamento de resultados, 15

17 cujas características fundamentais são a racionalidade econômica e a avaliação do sistema. Os princípios da racionalidade gerencial ou tecnoburocrática e econômica voltados ao desenvolvimento e modernização embasaram o projeto de reforma do ensino superior apontando para um modelo que permitisse a expansão do sistema universitário brasileiro via iniciativa privada, sob o regramento da economia de mercado. Estava implícita a tentativa de expansão do sistema de ensino superior sem a correspondente evolução de recursos públicos através das instituições federais, estaduais e municipais. Disso resultou um acentuado crescimento desse nível de ensino a partir da expansão das instituições mantidas pela iniciativa privada, no período , segundo dados do INEP (informações disponíveis no seu sítio, acessadas em 19/04 e 17/06/11), mesmo considerando que, no referido período, tal evolução não tenha tido comportamento homogêneo. O ambiente em que se concebe a reforma do ensino superior da década de 1990 é regido pela racionalização organizacional e pela busca de novos padrões de gestão. A administração pública passa a ser orientada por resultados, pela descentralização, flexibilização, competitividade e por um direcionamento estratégico. Neste sentido, as reformas realizadas na educação superior foram de natureza gerencial, fundamentadas na revisão das concepções de gestão, planejamento e avaliação, com vistas à expansão do ensino superior no Brasil. Em seus pressupostos encontra-se como eixo central a abertura da educação à iniciativa privada, no entendimento de que o Estado deve se desonerar do financiamento da necessária expansão do ensino superior brasileiro. Disto resulta que o cenário de expansão da universidade brasileira acomodou instituições públicas e particulares. Entre estas últimas, além das entidades com fins econômicos, com entrada mais recente no universo do ensino superior, encontramos as chamadas instituições confessionais, reconhecidas na atual Constituição Federal nos seguintes artigos: Artigo 209 O ensino é livre à iniciativa privada, atendidas as seguintes condições: I cumprimento das normas gerais da educação nacional; II autorização e avaliação de qualidade pelo Poder Público. O outro artigo é o: 16

18 Artigo 213 Os recursos públicos serão destinados às escolas públicas, podendo ser dirigidos a escolas comunitárias, confessionais ou filantrópicas, definidas em lei, que: I comprovem finalidade não lucrativa e apliquem seus excedentes financeiros em educação; II assegurem a destinação de seu patrimônio a outra escola comunitária, filantrópica ou confessional, ou ao Poder Público, no caso de encerramento de suas atividades. 1º - Os recursos de que trata este artigo poderão ser destinados a bolsas de estudo para o ensino fundamental e médio, na forma da lei, para os que demonstrarem insuficiência de recursos, quando houver falta de vagas e cursos regulares da rede pública na localidade da residência do educando, ficando o Poder Público obrigado a investir prioritariamente na expansão de sua rede na localidade. 2º - As atividades universitárias de pesquisa e extensão poderão receber apoio financeiro do Poder Público. Tais instituições situam-se legalmente como organizações de Direito Privado sem fins econômicos e, via de regra, filantrópicas, tipologia organizacional reconhecida pelo Estado brasileiro para as entidades de assistência social, portadoras do CEBAS, antes chamado certificado de entidade de fins filantrópicos ou, comumente, de certificado de filantropia. A expansão das instituições com fins econômicos é rápida e altera o cenário do campo do ensino superior brasileiro 1 : abertura e reconhecimento de instituições e 1 Um dos autores que define o conceito de campo é Pierre Bourdieu. Encontramos em LAHIRE (2002) interessante análise da contribuição desse autor em que se define campo como o universo social em que se diferenciam as atividades, as funções sociais e se refletem sobre aspectos da divisão social do trabalho. Dentre os elementos fundamentais da definição do campo, identificados por esse autor na obra de Bourdieu, destacamos alguns: a) um campo é um microcosmo incluído no macrocosmo constituído pelo espaço social (nacional) global; b) cada campo possui regras do jogo e desafios específicos, irredutíveis às regras do jogo ou aos desafios dos outros campos; c) um campo é um "sistema" ou um "espaço" estruturado de posições; d) esse espaço é um espaço de lutas entre os diferentes agentes que ocupam as diversas posições; e) as lutas dão-se em torno da apropriação de um capital específico do campo (o monopólio do capital específico legítimo) e/ou da redefinição daquele capital; f) o capital é desigualmente distribuído dentro do campo e existem, portanto, dominantes e dominados; g) a distribuição desigual do capital determina a estrutura do campo, que é, portanto, definida pelo estado de uma relação de força histórica entre as forças (agentes, instituições) em presença no campo; h) em luta uns contra os outros, os agentes de um campo têm pelo menos interesse em que o campo exista e, portanto, mantêm uma "cumplicidade objetiva" para além das lutas que os opõem; i) os interesses sociais são sempre específicos de cada campo e não se reduzem ao interesse de tipo econômico; j) a cada campo corresponde um habitus 17

19 novos campi; ampliação e mudança no portfólio de cursos, interiorização da oferta; surgimento de políticas de marketing voltadas a um ambiente marcado por competitividade; disputa de espaço via preços; programas de captação de alunos através de processos seletivos diferenciados e flexibilizados, dentre outras inovações nas práticas de gestão. As universidades confessionais que já atuavam no campo passaram a enfrentar, em muitos casos, crises financeiras, políticas e porque não dizer, de identidade de suas propostas. Sob a ameaça em suas bases de sustentação e dos princípios que nortearam sua trajetória, a discussão do seu modelo e identidade passou a ser uma questão relevante num campo em profundas transformações. Neste cenário, no ensino superior privado, passam a conviver a universidade confessional e a empresarial. Faz-se relevante discutir o papel das universidades confessionais e comunitárias e das instituições de ensino superior de caráter empresarial, procurando compreender o papel específico e fundamental das confessionais na constituição do campo e o que diferencia estas instituições das universidades meramente mercantis. Ainda: como este tipo de instituição estaria se moldando no novo cenário que se estabelece com as reformas, uma vez que, em sua trajetória, teria se caracterizado por apresentar um projeto de educação cujas práticas se aproximam mais às instituições públicas estatais do que àquelas que hoje dominam o setor privado. Esta reflexão assume caráter crucial se observarmos que as reformas impostas a partir da década de 1990 acabaram por dividir o campo em dois extremos o setor público estatal de natureza não lucrativa e o setor privado lucrativo ou não. Universidades públicas, que podem se dedicar prioritariamente a um projeto institucional de ensino, pesquisa e extensão, uma vez que são financiadas prioritariamente pelo fundo público 2 e instituições privadas, cuja manutenção deve ser (sistema de disposições incorporadas) próprio do campo (por exemplo o habitus da filologia ou o habitus do pugilismo). Apenas quem tiver incorporado o habitus próprio do campo tem condição de jogar o jogo e de acreditar na importância desse jogo; k) cada agente do campo é caracterizado por sua trajetória social, seu habitus e sua posição no campo; l) Um campo possui uma autonomia relativa: as lutas que nele ocorrem têm uma lógica interna, mas o seu resultado nas lutas (econômicas, sociais, políticas) externas ao campo pesa fortemente sobre a questão das relações de força internas. 2 Segundo Amaral (2003, p.59), o fundo público é constituído de impostos, contribuições e taxas cujos recursos, além de financiar as atividades da administração pública, são destinados à vertente social (educação, saúde, saneamento, habitação, assistência social, dentre outras ações decorrentes das políticas públicas). 18

20 alcançada exclusivamente por meio da captação de recursos no mercado, ficando expostas aos mecanismos da concorrência. Ainda que o cenário atual seja altamente mutante (as lutas travadas no campo pela sua hegemonia indicam um movimento não consolidado), esta concepção resultante da sua reorganização acabou por provocar uma crise nas instituições de caráter confessional e a manutenção destas universidades passou a representar um desafio às políticas públicas de ensino superior. Um dos aspectos fundamentais da relevância desta Tese é estabelecer espaço teórico de distinção das universidades confessionais, delimitando elementos específicos de identidade no segmento das universidades particulares e avaliando se, no contexto das reformas, apresentam distinções ou se caminham para a semelhança com as universidades empresariais. Compreender a política educacional e organizacional distinguindo esse dois tipos de instituições é de fundamental relevância para este estudo, porque, de uma forma geral, tende-se a subsumir a uma mesma categoria todas as chamadas universidades particulares. Igualmente parece importante caracterizar se, de fato, tais instituições estão comprometidas com a busca da excelência, o delineamento de estratégias e de direcionamentos para lhes assegurar vida longa ou permanência no campo com vigor, sem renunciar aos objetivos sociais que as tornaram referência ao longo de sua trajetória. Tal debate se faz oportuno diante dos recentes e intensos movimentos de mantenedoras particulares, regidos sob a lógica mercantil, no mercado acionário brasileiro, transformando a nobre tarefa educacional e formativa da juventude brasileira em papel no mercado de capitais. Seria este um caminho inevitável para o futuro do setor ou as confessionais podem sinalizar outras direções e possibilidades? Ao deparar-se com questões concretas do cotidiano 3 universitário, espera-se desvendar, ao menos em parte, os caminhos que as universidades confessionais vêm construindo e as práticas que lhes têm garantido o lugar que hoje ocupam no cenário universitário. Ampliar a bibliografia neste campo, sobretudo nos aspectos atinentes à sua gestão, parece ao pesquisador oportunidade privilegiada, senão singular, para tentar 3 Segundo HELLER (2000), a vida cotidiana é a vida de todo homem, que participa da cotidianidade em todos os aspectos de sua individualidade, personalidade, operando os seus sentidos, capacidades intelectuais, habilidades, paixões, sentimentos, idéias. Mesmo colocando todas as suas potencialidades em ação, segundo Heller, nem de longe isto se realiza em toda sua intensidade. 19

21 oferecer contribuição inovadora, dada a escassez de referências bibliográficas que dêem conta desta trajetória nos últimos anos. 3. Objetivos Esta Tese tem por objetivo geral examinar as consequências das reformas na educação superior realizadas na década de 1990 na identidade e gestão das universidades confessionais, as mudanças que essas instituições vêm sofrendo, os conflitos e crises vivenciados no período imediatamente posterior às reformas. Buscou-se no desenvolvimento da Tese, a par das questões que cercam a universidade confessional no Brasil, identificar e precisar qual foi o papel das instituições confessionais na constituição do campo e na própria definição da Universidade brasileira. Assim, como objetivo interligado ao principal, esta pesquisa procurou identificar os elementos de identidade intrínsecos ao projeto institucional dessas organizações, tais como visão, missão, objetivos e finalidades, que tem sido referências utilizadas para o seu desenvolvimento. Um dos principais aspectos deste estudo foi procurar compreender se, dentro do campo do ensino superior brasileiro e, especificamente após as reformas da década de 1990, as universidades confessionais constituem um modelo singular no universo da universidade brasileira, ou se, simplesmente, sob determinadas condições e características, realizam a missão universitária sem acrescentar elemento diferencial em meio aos demais atores pertencentes ao campo. Dito de outra forma, o que distingue as universidades confessionais das demais privadas e das públicas? O estudo das novas formas de gestão, às quais as universidades privadas foram induzidas pelas reformas da década de 1990, aponta para a concepção de gestão gerencial, de caráter técnico e pragmático. Pretendeu-se, neste estudo, compreender em que medida as dificuldades encontradas para a gestão das universidades confessionais não estariam enraizadas em um conflito de valores, entre uma concepção de universidade fundada em princípios éticos e humanistas e a exigência de inserção em um mercado onde prevalece o modelo de gestão gerencial. Neste sentido, as concepções de Weber, de racionalidade substantiva e racionalidade técnica, serviram de referencial e norteamento para este estudo. No plano interno dessas instituições, foi necessário averiguar como enfrentam os principais desafios de gestão, para o que devem ser comparadas com as 20

22 públicas estatais e as mercantis, de modo a se colher o que constitui seu jeito próprio de ser, decidir, fazer e responder às demandas da agenda da universidade brasileira nesse tempo em que são observadas. A partir do papel dessas instituições no cenário da educação superior, buscou-se caracterizar sua relevância social no campo acadêmico e a possibilidade ou não de sua gestão se constituir num modelo específico de governança. Apontar em que medida estas reformas impõem uma nova forma de racionalidade às instituições confessionais determinando uma crise institucional e um novo modelo. Conhecer essas instituições confessionais, sua concepção de universidade, seus traços históricos de atuação, sua relação com a sociedade, sua visão acadêmica, estrutura e modelo de governo, foi fundamental para aferir sua relevância no campo da educação superior. Caracterizar o lugar ocupado por este tipo de instituição e em que medida constitui-se num modelo diferenciado no cenário nacional foi algo enfrentado para elucidar se, de fato, trata-se de um tipo específico ou se pode ser comparado com as demais universidades particulares existentes no país. Qual teria sido o seu papel na constituição e na própria definição do modelo universitário brasileiro, bem como a sua contribuição na formação de quadros profissionais e lideranças acadêmicas para o país? O presente trabalho procurou examinar o estágio alcançado pela universidade brasileira no final da década de 1990 e início do século XXI, tempo referenciado para a análise do tema, suas condições legais de funcionamento, avanços, desafios, dilemas para o seu desenvolvimento e contribuição efetiva à sociedade neste momento histórico. Para isto, foram levantados dados importantes para os objetivos apontados, de duas universidades confessionais, tais como produção acadêmica, atuação da pósgraduação, qualidade dos cursos de graduação, sustentabilidade financeira, condições de trabalho, infraestrutura, funcionamento de colegiados e níveis de participação, autonomia universitária e relação entre unidade mantida e sua mantenedora, dentre outros aspectos de sua identidade e governo. Esses dados foram comparados com os de outras duas instituições de ensino superior de natureza empresarial. É importante que se procure compreender as implicações da identidade confessional nos seus projetos político, institucional e acadêmico. Para este estudo buscou-se avaliar a relação com os diversos agentes que com elas interagem, o nível de prestação de contas à sociedade e as estratégias 21

1 SUMÁRIO EXECUTIVO 2 A DISCUSSÃO SOBRE O PAPEL DA UNIVERSIDADE

1 SUMÁRIO EXECUTIVO 2 A DISCUSSÃO SOBRE O PAPEL DA UNIVERSIDADE 1 SUMÁRIO EXECUTIVO Este primeiro relatório de análise da reforma universitária, com base na reunião de 29 e 30 de março, ocorrida em Brasília, procura construir um mapa qualitativo dos argumentos levantados

Leia mais

DISCURSO PROFERIDO POR OCASIÃO DA SOLENIDADE DE POSSE NO CARGO DE PRESIDENTE DO CRUB. Benedito Guimarães Aguiar Neto

DISCURSO PROFERIDO POR OCASIÃO DA SOLENIDADE DE POSSE NO CARGO DE PRESIDENTE DO CRUB. Benedito Guimarães Aguiar Neto DISCURSO PROFERIDO POR OCASIÃO DA SOLENIDADE DE POSSE NO CARGO DE PRESIDENTE DO CRUB Brasília, 16 de setembro de 2015 Benedito Guimarães Aguiar Neto Não poderia iniciar as minhas palavras, nesta noite

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

III CONGRESSO DE EDUCAÇÃO CATÓLICA DA ANEC

III CONGRESSO DE EDUCAÇÃO CATÓLICA DA ANEC III CONGRESSO DE EDUCAÇÃO CATÓLICA DA ANEC GRUPOS DE TRABALHO EIXO 01 ENSINO RELIGIOSO, PASTORAL E RESPONSABILIDADE SOCIAL GT: ENSINO RELIGIOSO NA ESCOLA CATÓLICA Ementa: A identidade do ensino religioso

Leia mais

Leis Federais. LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências

Leis Federais. LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A indissociabilidade entre ensino/produção/difusão do conhecimento

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS CAMPUS MACEIÓ PROJETO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA. Maceió, 2013.

FACULDADE PITÁGORAS CAMPUS MACEIÓ PROJETO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA. Maceió, 2013. PROJETO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA Maceió, 2013. SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 1. HISTÓRICO DO GRUPO 2. DIREÇÃO 3. MISSÃO INSTITUCIONAL 4. VISÃO INSTITUCIONAL 5. FACULDADE PITÁGORAS 6. A COMISSÃO PRÓPRIA

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração Cursos de Administração: qualidade necessária XIV Fórum Internacional de Administração Rio de Janeiro, 18 de maio de 2015 ENSINAR, APRENDER, AVALIAR... TRAJETÓRIA DA AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO SUPERIOR CAPES avaliação

Leia mais

Avaliação da Educação Superior - um olhar sobre o SINAES O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR (SINAES)

Avaliação da Educação Superior - um olhar sobre o SINAES O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR (SINAES) Avaliação da Educação Superior - um olhar sobre o SINAES O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR (SINAES) Legislação Constituição Federal 1988 LDB Lei nº 9.394 de 1996 SINAES Lei nº 10.861

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO 1. A Pesquisa e a pós-graduação A pesquisa sistematizada na PUCPR proporcionou uma sinergia significativa com as atividades de ensino. Um resultado inicial

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

Entendendo a organização do sistema acadêmico brasileiro

Entendendo a organização do sistema acadêmico brasileiro Entendendo a organização do sistema acadêmico brasileiro Não é todo estudante que entende bem a organização do sistema educacional brasileiro e seus níveis de ensino. Nem todos sabem, por exemplo, a diferença

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000

ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000 ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000 Marta Luz Sisson de Castro PUCRS O Banco de Dados Produção do conhecimento na área de Administração da Educação: Periódicos Nacionais 1982-2000

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES - PARFOR EM UMA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA

A IMPLANTAÇÃO DO PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES - PARFOR EM UMA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA 1 A IMPLANTAÇÃO DO PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES - PARFOR EM UMA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA Ms. Rafael Ângelo Bunhi Pinto UNISO - Universidade de Sorocaba/São Paulo Programa de Pós-Graduação

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

O DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: NO CONTEXTO REAL DO TRABALHO

O DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: NO CONTEXTO REAL DO TRABALHO O DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: NO CONTEXTO REAL DO TRABALHO Marcia Akemi Yamada 1 Soraia Kfouri Salerno 2 Resumo Uma das premissas do trabalho docente na Instituição do Ensino Superior (IES) é a produção

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos.

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE, depois de uma trajetória de mais de uma década de permanente debate interno e sintonia com as entidades filiadas, se encontra

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES?

A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES? A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES? BARREIROS, Marat Guedes Especialização em Gestão Estratégica de Recursos Humanos Coordenador de Curso, Professor Faculdade do Guarujá GODOY, Valdir

Leia mais

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil 1 Carta-Compromisso pela Garantia do Direito à Educação de Qualidade Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil Para consagrar o Estado Democrático de Direito, implantado pela Constituição

Leia mais

Of. nº 025/04-GP/JCZ Erechim, 12 de agosto de 2004. Excelentíssimo Senhor Ministro:

Of. nº 025/04-GP/JCZ Erechim, 12 de agosto de 2004. Excelentíssimo Senhor Ministro: Of. nº 025/04-GP/JCZ Erechim, 12 de agosto de 2004. Excelentíssimo Senhor Ministro: Ao cumprimentá-lo cordialmente, vimos pelo presente, em nome do Consórcio das Universidades Comunitárias Gaúchas COMUNG,

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL Prof.ª Mônica Ferreira dos Santos José Augusto Guilhon de Albuquerque é sociólogo e professor da USP. No Serviço Social alguns autores já usaram seu referencial. Weisshaupt

Leia mais

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra:

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra: MBA Pós - Graduação QUEM SOMOS Para pessoas que têm como objetivo de vida atuar local e globalmente, ser empreendedoras, conectadas e bem posicionadas no mercado, proporcionamos uma formação de excelência,

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2

SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2 Regina Beatriz Bevilacqua Vieira 1 SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2 BRASIL/INEP. SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior:

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 TEXTO NUM. 2 INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 Max Weber, O indivíduo e a ação social: O alemão Max Weber (1864-1920), diferentemente de Durkheim, tem como preocupação central compreender o indivíduo e suas

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

Programação e Ações: Proposta para o período 2016-2020

Programação e Ações: Proposta para o período 2016-2020 Profa. Dra. Sissi Kawai Marcos Programação e Ações: Proposta para o período 2016-2020 Introdução Esta proposta de programação e ações para a Reitoria, mandato 2016-2020, procura respeitar o contexto atual

Leia mais

Sociologia Organizacional. Contextualização. Aula 4. Organização da Aula. Profa. Me. Anna Klamas

Sociologia Organizacional. Contextualização. Aula 4. Organização da Aula. Profa. Me. Anna Klamas Sociologia Organizacional Aula 4 Contextualização Profa. Me. Anna Klamas Organização da Aula A Sociologia de Max Weber e o tema da racionalidade A disciplina de sociologia deve contribuir com a percepção

Leia mais

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos RESUMO PDI PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL E PPC PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO, ENTRE O DITO E O FEITO ESTUDOS DE CASO MÚLTIPLOS / IES/ RS BRASIL 2007/2008. Autora

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

ASSOCIAÇÃO UNIVERSIDADE EM REDE

ASSOCIAÇÃO UNIVERSIDADE EM REDE Como Associação que abarca as instituições de educação superior públicas tendo como finalidade o desenvolvimento da educação a distância, a UniRede apresenta abaixo as considerações relativas aos três

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

EDUCAÇÃO SUPERIOR: AVANÇOS E PERSPECTIVAS

EDUCAÇÃO SUPERIOR: AVANÇOS E PERSPECTIVAS Ministério da Educação Secretaria de Educação Superior Diretoria de Políticas e Programas para a Graduação EDUCAÇÃO SUPERIOR: AVANÇOS E PERSPECTIVAS Brasil : ciclo virtuoso na educação Banco Mundial: Última

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

COMITÊ BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA ARTE CARTA ABERTA AO PRESIDENTE DA ANPUH E AOS COLEGAS HISTORIADORES

COMITÊ BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA ARTE CARTA ABERTA AO PRESIDENTE DA ANPUH E AOS COLEGAS HISTORIADORES CARTA ABERTA AO PRESIDENTE DA ANPUH E AOS COLEGAS HISTORIADORES História Prezado Prof. Benito Bisso Schmidt Presidente da Associação Nacional dos Professores Universitários de Tendo tomado conhecimento

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Início em 28 de setembro de 2015 Aulas as segundas e quartas, das 19h às 22h Valor do curso: R$ 21.600,00 À vista com desconto: R$ 20.520,00 Consultar planos de parcelamento.

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E R A L P A Í S R

Leia mais

Luiz Roberto Liza Curi. Sociólogo / Doutor em Economia. Conselheiro Conselho Nacional de Educação - CNE incolarum@hotmail.com

Luiz Roberto Liza Curi. Sociólogo / Doutor em Economia. Conselheiro Conselho Nacional de Educação - CNE incolarum@hotmail.com Luiz Roberto Liza Curi Sociólogo / Doutor em Economia Conselheiro Conselho Nacional de Educação - CNE incolarum@hotmail.com 1 Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 9394/96 Art. 8 A União, os Estados

Leia mais

INSAES Estratégia para fortalecimento do Estado Brasileiro no exercício de Regulação, Supervisão e Avaliação da Educação Superior (PL nº 4.

INSAES Estratégia para fortalecimento do Estado Brasileiro no exercício de Regulação, Supervisão e Avaliação da Educação Superior (PL nº 4. INSAES Estratégia para fortalecimento do Estado Brasileiro no exercício de Regulação, Supervisão e Avaliação da Educação Superior (PL nº 4.372/2012) Ministério Secretaria de Regulação e da Educação Supervisão

Leia mais

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento S. M. R. Alberto 38 Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento Solange Maria Rodrigues Alberto Pedagoga Responsável pelo

Leia mais

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES EDUCAÇÃO SUPERIOR BRASILEIRA ALGUNS INDICADORES¹ 2.314 IES 245 públicas (10,6%) e 2.069

Leia mais

O MBA CONTROLLER foi lançado em 1994 e é o mais tradicional MBA do mercado brasileiro

O MBA CONTROLLER foi lançado em 1994 e é o mais tradicional MBA do mercado brasileiro MBA Controller Ao cursar o MBA CONTROLLER FIPECAFI/ANEFAC, o aluno convive com pessoas de diferentes perfis entre os mais diversos segmentos de mercado e com a experiência profissional exigida para que

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA 04/2006 CRIAÇÃO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

INFORMAÇÃO TÉCNICA 04/2006 CRIAÇÃO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MINISTÉRIO DA DEFESA SECRETARIA DE ESTUDOS E DE COOPERAÇÃO DEPARTAMENTO DE COOPERAÇÃO INFORMAÇÃO TÉCNICA 04/2006 CRIAÇÃO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Informação preparada pelos Professores Daniela

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROGRAMAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: UMA PERSPECTIVA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROGRAMAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: UMA PERSPECTIVA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROGRAMAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: UMA PERSPECTIVA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS Luis Fernando Vitorino 1, Moacir José dos Santos 2, Monica Franchi Carniello

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EM MATO GROSSO DO SUL: A RELAÇÃO ENTRE O SISTEMA NACIONAL E O SISTEMA ESTADUAL

AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EM MATO GROSSO DO SUL: A RELAÇÃO ENTRE O SISTEMA NACIONAL E O SISTEMA ESTADUAL AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EM MATO GROSSO DO SUL: A RELAÇÃO ENTRE O SISTEMA NACIONAL E O SISTEMA ESTADUAL Resumo Marianne Pereira Souza - UFGD marianne-souza@hotmail.com Giselle Cristina Martins Real

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS Maria da Graça Ramos GEUIpesq/UFPel Resumo: No presente texto procura-se estabelecer as relações fundamentais entre a produção da ciência com a

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização.

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização. PROGRAMA DE TRABALHO PARA O QUADRIÊNIO 2015-2019 DOS CANDIDATOS À DIREÇÃO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO 1. Projeto: Aprimoramento da sistemática de gestão

Leia mais

PROGRAMAÇÃO FOCO FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DOCENTES COORD. PROFA. MS. MÁRCIA LIMA BORTOLETTO

PROGRAMAÇÃO FOCO FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DOCENTES COORD. PROFA. MS. MÁRCIA LIMA BORTOLETTO PROGRAMAÇÃO FOCO FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DOCENTES COORD. PROFA. MS. MÁRCIA LIMA BORTOLETTO LOCAL DOS ENCONTROS Campinas: POLICAMP Rua: Luiz Otávio, 1281 Parque Santa Cândida Campinas SP Fone: (19) 3756-2300

Leia mais

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 RESUMO Aila Catori Gurgel Rocha 1 Rosana de Sousa Pereira Lopes 2 O problema proposto

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Planejamento Estratégico Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Visão Oferecer ensino de excelência em nível de Graduação e Pós-Graduação; consolidar-se como pólo

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO 1. Projeto: Aprimoramento da sistemática de gestão

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIAS NA GESTÃO DA EAD: NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA(UFSM) E NA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL(UAB).

RELATO DE EXPERIÊNCIAS NA GESTÃO DA EAD: NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA(UFSM) E NA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL(UAB). RELATO DE EXPERIÊNCIAS NA GESTÃO DA EAD: NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA(UFSM) E NA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL(UAB). Profa. Dra. Maria Medianeira Padoin 1 RESUMO: Relato e análise de experiências

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

ENTENDENDO A CLASSIFICAÇÃO DAS IES NO BRASIL. Vanessa Edy Dagnoni Mondini Programa de Pós-Graduação em Administração/FURB

ENTENDENDO A CLASSIFICAÇÃO DAS IES NO BRASIL. Vanessa Edy Dagnoni Mondini Programa de Pós-Graduação em Administração/FURB ENTENDENDO A CLASSIFICAÇÃO DAS IES NO BRASIL Vanessa Edy Dagnoni Mondini Programa de Pós-Graduação em Administração/FURB Maria José Carvalho de Souza Domingues Programa de Pós-Graduação em Administração/FURB

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S

A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S INTRODUÇÃO Identidade: não é um propriedade das coisas, mas das

Leia mais

Ciências Sociais. Objetivos. Max Weber, Alemanha 1864-1920. Visão de mundo e pressupostos metodológicos Max Weber. Prof.

Ciências Sociais. Objetivos. Max Weber, Alemanha 1864-1920. Visão de mundo e pressupostos metodológicos Max Weber. Prof. Ciências Sociais Prof. Paulo Barrera Visão de mundo e pressupostos metodológicos Max Weber Objetivos a) Discutir conceitos básicos da sociologia weberiana, tais como ação social, racionalização, tipos

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

Poder e Dominação Segundo Max Weber. Dominação Legal, Dominação Tradicional, Dominação Carismática. Dominação Legal. Dominação Tradicional

Poder e Dominação Segundo Max Weber. Dominação Legal, Dominação Tradicional, Dominação Carismática. Dominação Legal. Dominação Tradicional Poder e Dominação Segundo Max Weber Poder significa toda oportunidade de impor sua própria vontade, no interior de uma relação social, até mesmo contra resistências, pouco importando em que repouse tal

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO 1. Projeto: Aprimoramento da sistemática de gestão

Leia mais

Presidência da República

Presidência da República Página 1 de 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.095, DE 24 DE ABRIL DE 2007. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação Escola Superior de Propaganda e Marketing UF: SP ASSUNTO: Recredenciamento da Escola Superior de Propaganda

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

Fundações Estatais e Contratos de Gestão: fortalecimento do Estado na área social e em particular para hospitais públicos -SUS

Fundações Estatais e Contratos de Gestão: fortalecimento do Estado na área social e em particular para hospitais públicos -SUS Fundações Estatais e Contratos de Gestão: fortalecimento do Estado na área social e em particular para hospitais públicos -SUS VI Fórum Brasileiro sobre Reforma do Estado Rio de Janeiro Pedro R. Barbosa

Leia mais

MBA GOVERNANÇA CORPORATIVA (Parceria IBGC)

MBA GOVERNANÇA CORPORATIVA (Parceria IBGC) MBA GOVERNANÇA CORPORATIVA (Parceria IBGC) Apresentação FIPECAFI A Faculdade FIPECAFI é mantida pela Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras, criada em 1974. Seus projetos modificaram

Leia mais

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio 1 IGREJA METODISTA PASTORAL IMED PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E PLANO DE AÇÃO BIÊNIO 2012-2013 Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais