PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS"

Transcrição

1 PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Fortaleza-CE

2 SUMÁRIO 1 INFORMAÇÕES INSTITUCIONAIS Do Curso Da Mantenedora Da Mantida Atos Legais de Constituição Histórico A Missão Institucional Objetivos Metas Valores ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA Projeto Pedagógico do Curso Contexto Educacional O Projeto do Curso Objetivos do Curso Perfil Profissional do Egresso Conhecimentos e Competências Habilidades Atribuições no Mercado de Trabalho O Campo de Atuação Organização Curricular Coerência do Currículo com os objetivos do curso Coerência do Currículo com o Perfil do Egresso Perfil do Ingressante Coerência do Currículo face às Diretrizes Curriculares Nacionais Adequação da Metodologia de Ensino a Concepção e execução do Currículo Inter-relação das disciplinas na concepção e execução do currículo Estrutura curricular e dimensionamento da carga horária por período letivo Coerência dos recursos materiais específicos do curso Estratégias de flexibilização curricular Unidades Curriculares e Bases Tecnológicas

3 2.4 Sistema de Avaliação Ensino-Aprendizagem Critérios para aprovação Segunda chamada Pedido de revisão de prova Coerência do Sistema de Avaliação Sistema de Auto-Avaliação do Curso Administração Acadêmica: Coordenação do Curso Atuação do coordenador Formação do Coordenador Experiência do Coordenador (acadêmica e profissional) Efetiva dedicação à administração e à condução do curso Articulação da gestão do curso com a gestão institucional Implementação das políticas institucionais constantes no PDI e no PPI,no âmbito do curso Colegiado do Curso Articulação do PPC com o Projeto Pedagógico Institucional - PPI e PDI CORPO DISCENTE Atenção aos discentes Iniciação Científica e Monitoria Apoio à Promoção de Eventos Internos Apoio à Participação em Eventos Externos Mecanismos de Nivelamento Atividades acadêmicas articuladas à formação: prática profissional e/ou estágio Participação em atividades internas Participação em atividades simuladas Abrangência das Atividades e Áreas de Formação Mecanismos Efetivos de Acompanhamento do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) Meios de divulgação de trabalhos realizados Atividades Acadêmicas Articuladas à Formação: Atividades Complementares Incentivo à Realização de Atividades fora da IES Atenção e Orientação de Alunos (NAD) CORPO DOCENTE Formação Acadêmica e Profissional Relação Nominal do Corpo Docente Titulação

4 4.3 Experiência Profissional Tempo de exercício no magistério superior Tempo de exercício profissional fora do magistério na área de formação Docentes com formação adequada às disciplinas que ministram Docentes com formação pedagógica Regime de Trabalho INSTALAÇÕES FÍSICAS Espaço físico do curso Relação de Equipamentos Áudio Visuais Pessoal Técnico e Administrativo Biblioteca: adequação do acervo a proposta do curso Espaço Físico Instalações do Acervo Instalações para Estudos Individuais Instalações para estudos em grupo Instalações para Administração da Biblioteca Acervo Política de Aquisição, Expansão e Atualização Serviços Horário de funcionamento Filiação Institucional a Entidade de Natureza Científica Apoio na Elaboração de Trabalhos Acadêmicos Pessoal Técnico-Administrativo Sistema de acesso dos alunos à distância aos recursos bibliográficos Instalações especiais e laboratórios específicos Tipos de ambientes/laboratórios de acordo com a proposta do curso Quantidade de ambientes/laboratórios de acordo com a proposta do curso Espaço físico Equipamentos (tipos, quantidade, e condições de uso) Condições de conservação das instalações Materiais Normas e Procedimentos de Segurança Equipamentos de Segurança

5 5.5.9 Atividades de ensino Serviços prestados Orientação de alunos AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

6 1 INFORMAÇÕES INSTITUCIONAIS 1.1 Do Curso 1.2 Da Mantenedora Denominação do curso Relações Internacionais Habilitação Modalidade Endereço de Oferta de curso Bacharelado Av. Dom Luís, 300, Piso L3, Shoping Avenida Bairro Aldeota. Turno de Funcionamento Matutino Vespertino Noturno Totais Nº de Vargas Anuais oferecidas 200 Duração do Curso Tempo do Curso Tempo Máximo de Integralização 8 semestres 14 semestres Mantenedora CIA EDUCACIONAL RANCHO ALEGRE CNPJ / Endereço Avenida Dom Luís, nº 300 Conjunto de salas 339 Bairro Aldeota Telefone (85) Dirigente Principal Nome José Newton Lopes De Freitas CPF Endereço Avenida Dom Luís, nº 300 Conjunto de salas 339 Bairro Aldeota Telefone (85) Da Mantida Nome Francisco Sérgio de Vasconcelos Bezerra CPF

7 Endereço Avenida Dom Luis, nº 300 Conjunto 313 e 315 Bairro Aldeota Telefone (85) sergio.faculdadeoboe.edu.br Nome CPF Endereço Bairro Telefone Dirigente Principal Nome Francisco Sérgio de Vasconcelos Bezerra CPF Endereço Avenida Dom Luis, nº 300 Conjunto 313 e 315 Bairro Aldeota Telefone (85) sergio.faculdadeoboe.edu.br 1.4 Atos Legais de Constituição Documento/ Nº: 354 1º Fevereiro de 2005 Data do documento: 3 de Fevereiro de Histórico A Sociedade de Ensino Superior Lecrisce Sociedade Simples Ltda. - (absorvida pela Cia. Educacional Rancho Alegre) foi credenciada como mantenedora da Faculdade Oboé II (antiga Faculdade Stella Maris) em 1º de fevereiro de Ao apresentar o PDI naquele ano, propôs implantar uma instituição a ministrar um ensino com elevada qualidade, ampla efetividade e, acima de tudo, comprometida com a comunidade. Seu foco de atuação foi atender à 7

8 Região Metropolitana de Fortaleza, de forma a contribuir para o desenvolvimento socioeconômico do Estado do Ceará. Cumprindo suas metas ao longo de sua atuação, a Faculdade Oboé II iniciou suas atividades ministrando os cursos de Administração, Ciências Contábeis e Relações Internacionais, e assim permanece até o ano de A instituição vem alcançando o objetivo de ser um espaço educacional de referência na cidade de Fortaleza, cumprindo o compromisso institucional de promover a melhoria da educação na região, mediante a oferta de um ensino superior em diferentes áreas do conhecimento, integrado às atividades de pesquisa e de extensão. Para alcançar esse desiderato, ampliou sua estrutura física e de pessoal, adaptou-se às novas tecnologias administrativas e comprovou que educação e sociedade são inseparáveis, porquanto ambas definem seu rumo e complementam sua missão. Em 2011, foi feita a transferência de mantença para a Cia. Educacional Rancho Alegre, passando a mantida a ser denominada Faculdade Oboé II, conforme Portaria nº 248, de 6/7/2011, publicada no DOU de 7/7/2011, sempre com o propósito de atender de forma eficiente e eficaz a comunidade na qual está inserida, de acordo com o que estabelece o seu Regimento. Para complementar sua proposta educacional, a instituição aditou o seu PDI que passa agora a adotar um novo modelo no qual é considerado o surgimento de novas demandas no cenário local. É importante que haja uma preocupação permanente na adequação de objetivos e na alteração de rumos, de forma a atender com competência as demandas apresentadas pela sociedade Missão Institucional A faculdade tem como missão produzir e difundir o conhecimento em todas as áreas, contribuindo para o exercício pleno da cidadania, mediante uma formação humanista, crítica e reflexiva. A faculdade cumpre sua missão com o preparo de profissionais competentes e atualizados, capazes de atender às necessidades do mercado e satisfazer às demandas da sociedade. 8

9 No cumprimento de sua missão institucional, a faculdade tem como valores: -em relação a parcerias: agir de forma justa, ética e transparente nos relacionamentos com todos os seus parceiros; -no que tange à auto-sustentabilidade: pautar ações focadas em resultados que propiciem a sua sustentabilidade; -quanto à inovação: buscar contínuas inovações que permitam a boa qualidade e a eficiência de seus serviços; -no que diz respeito à melhoria contínua: estimular ações que levem a qualificar suas atividades e obter melhores resultados; -concernente à ousadia: assumir riscos que propiciem uma liderança contínua na área educacional; - relativo à contribuição para o crescimento da sociedade e da comunidade em seu entorno: oferecer ações que possibilitem a elevação do padrão de vida da sociedade e uma participação mais efetiva daqueles que vivem em seu entorno Objetivos Os objetivos a seguir especificados deverão orientar a atuação da Faculdade no período 2009/2013, conforme descritos no PDI: - empreender um processo educativo que contribua para a formação de profissionais competentes e atualizados, capazes de atender às necessidades do mercado e satisfazer às demandas da sociedade. - desenvolver a política de pesquisa e de extensão, direcionando as ações para o avanço do conhecimento e resolução de problemas e demandas da comunidade na qual está inserida; - envolver-se com a comunidade por meio de atividades de ensino, pesquisa e extensão, de modo a difundir conhecimentos e, em contrapartida, retroalimentar-se para criar novos conhecimentos e manter-se sintonizada com a realidade concreta do mercado e da sociedade; - manter corpo docente e técnico-administrativo qualificado para a realização de atividades institucionais; - praticar a auto-avaliação de todas as atividades, de modo a verificar a existência de desvios de seu projeto original e redirecionar seus procedimentos, objetivando atingir os objetivos e cumprir as metas, preservando o padrão ideal de qualidade. 9

10 1.5.3 Metas As metas são delineadas a partir dos objetivos traçados, concretizando as ideias em situações reais. Assim, é mister executar todo o Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) em primeira instância e o seu Projeto Pedagógico Institucional (PPI), colocando em prática o regimento estabelecido, os projetos pedagógicos dos cursos e seus desdobramentos, os programas institucionais propostos que integram o desenvolvimento do curso, através do planejamento e da gestão institucional que direcionam as políticas e linhas de ação a serem implantadas e desenvolvidas de forma eficaz e eficiente para realização de todo este projeto Valores Os valores que pautam o direcionamento da Faculdade são os elencados abaixo: competência profissional espírito crítico atenção seletiva argumentação sólida sensibilidade 2. ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA De acordo com as normas regimentais, do seu PDI e do projeto pedagógico constante no seu PPI, a Faculdade mantém articuladas a Coordenação de Curso e os núcleos de pesquisa e extensão, coordenação de projetos integradores, bibliotecas e laboratórios de forma que se possa atingir toda a comunidade acadêmica e realizar os projetos internos do curso. A organização didático-pedagógica do curso, em consonância com as políticas da Faculdade, procura contemplar a concepção de formação profissional expressa nos mais renomados curso de 10

11 Relações Internacionais do Brasil e do mundo. O objetivo do curso de graduação é formar um profissional ético para atuar de forma plena e inovadora na sociedade, com uma atuação crítica sobre os processos de transformação da sociedade e das organizações. Isto se reflete na organização didático-pedagógica do curso, através da atuação da coordenação com o colegiado do curso e sua interação com as demais instâncias da Faculdade para o cumprimento de suas políticas de ensino, pesquisa e extensão traçadas. O curso de Relações Internacionais da Faculdade Oboé II, o primeiro do estado do Ceará, foi implantado na cidade de Fortaleza situada estado do Ceará em com a denominação de Faculdade Stella Maris. O objetivo da implantação do curso foi atender as necessidades de formação de profissionais da área internacional com postura gerencial, empreendedora e executiva fundamentada em uma formação técnica e humanística, com ampla visão social tornando os aptos a serem competitivos em um mercado de trabalho com possibilidades diversas aindas inexploradas. O processo de implantação do curso sofreu influencias positivas do processo de desenvolvimento do estado do Ceará e da internacionalização que o estado vem passando nos últimos vinte e cinco anos. O Curso de Relações Internacionais Bacharelado da Faculdade Stella Maris, na modalidade presencial, foi autorizado pelo processo nº / , Registros SAPIEnS nº O presente curso foi autorizado com 200 vagas anuais, 100 vagas diurno e 100 vagas noturno. Apesar das 200 vagas ofertadas no primeiro vestibular, o curso em foco somente preencheu ----, no turno noturno deixando de partida um lastro de -----vagas ociosas. No segundo vestibular, o curso ofertou mais 200 vagas e preencheu apenas ----vagas perfazendo um número de alunos matriculados em 31 de dezembro de de -----alunos. A Instituição prosseguiu realizando vestibular para o referido curso. 11

12 2.1 Projeto Pedagógico do Curso Contexto Educacional Segundo o Instituto de Pesquisa do Ceará (IPECE), o Estado do Ceará no ano 2000 possuía habitantes. O indicador referente ao percentual da população com mais de oito anos de estudo estima o percentual da população que possui o ensino fundamental. Os municípios que obtiveram o melhor desempenho para o ano 2000 foram Fortaleza (42,98%), Crato (32,81%), Maracanaú (29,57%), Caucaia (28,71%) e Juazeiro do Norte (26,04%). Quanto ao indicador referente ao percentual da população que possui mais de 15 anos de estudo, este é utilizado para estimar o percentual da população que possui o ensino superior. Novamente Fortaleza (5,33%) obteve o maior índice segundo os dados do censo demográfico do IBGE do ano 2000, seguido dos municípios de Crato (4,3%), Sobral (3,23%), Barbalha (2,07%) e Limoeiro do Norte (2,05%). Considerando somente Fortaleza que é detentora dos melhores índices, a diferença entre estes dois indicadores que corresponde a 37,65% da população, representa uma medida aproximada da dimensão da demanda reprimida por cursos superiores na capital cearense. No Estado do Ceará, o percentual da população com ensino superior no ano 2000 correspondeu a 1,70% ou pessoas. A taxa bruta de freqüência ao ensino superior no Estado aumentou 126,14% durante os anos de 1991 e 2000, saindo de 5,70% no ano de 1991 para 12,89% no ano 2000, indicando assim um maior acesso a educação de nível superior para a população cearense. No ano de 2005, de acordo com dados da Secretaria de Educação Básica do Ceará, o número de estabelecimentos do ensino fundamental chegou a Em relação ao ensino médio, este valor foi igual a 797 estabelecimentos, sendo 6 federais, 526 estaduais, 4 municipais e 261 particulares. A matricula inicial no ensino fundamental alcançou um número igual a , sendo de o número de matriculas iniciais no ensino médio. A Educação Infantil possui matrículas (68,2% na rede pública); enquanto que o Ensino Fundamental compreende matrículas (88,6% na rede pública). Já o Ensino Médio apresenta uma redução neste número para matrículas (88,1% na rede pública - todos em 2005). Quanto ao ensino superior alunos estão matriculados (53,0% na rede pública 2004). 12

13 2.1.2 Projeto do Curso O presente projeto foi elaborado de acordo com o Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) e o Projeto Pedagógico Institucional (PPI), o que resultou na definição de um curso voltado para a formação do profissional de administração. O projeto do curso tem como base a educação continuada e possui flexibilidade e tem caráter dinâmico, se mantendo sempre antenado com a dinâmica da realidade, e adaptado à realidade local. A Faculdade Oboé II, com base nas novas diretrizes curriculares, e ligada á constante evolução do mercado de trabalho local e nacional e ao desenvolvimento tecnológico, procurou desenvolver um curso abrangente, sem perder a característica da regionalidade. Neste contexto, a concepção do curso é repensada em um contínuo processo que, aliado às participações externas, como entidades públicas e privadas e o setor produtivo, possibilitam ao projeto realizado pelo curso propiciar uma adequada formação do aluno para atuação no mercado de trabalho. O Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Relações Internacionais da Faculdade Oboé II é resultado da combinação e cooperação conjunta do corpo acadêmico, meio-social e bases legais, possibilitando formar profissionais capacitados a gerir eficazmente organizações públicas e privadas, visando contribuir na construção de uma sociedade mais humana, a fim de buscar o equilíbrio entre o desenvolvimento econômico e a qualidade de vida Concepção A Faculdade Oboé II em sua fase de implantação se modernizou em função das exigências da própria sociedade. As mudanças ocorreram no sentido de oferecer aos futuros profissionais ampla visão de conhecimento, para atuarem num campo que proporcione diversas oportunidades no mercado de trabalho. Em um contexto de mudanças econômicas e sociais extremamente dinâmicas e favoráveis ao profissional da Relações Internacionais, pois, a importância estratégica da Internacionalista relacionase diretamente com a própria evolução do seu estudo sistematizado. Mais do que nunca as empresas e os órgãos públicos estão se voltando para a seara internacional. O Bacharel em Relações Internacionais está sendo capacitado para realizar o planejamento estratégico de atuação das empresas e dos governos, ampliação da presença do estado em outros países, ganho de novos mercados, consolidação de parcerias com outras cidades e países, desenvolvimento da Organizações Internacionais, dentre outros. 13

14 O curso de Relações Internacionais deverá está atento à sua vocação regional, mas, embora priorize formar profissionais para atuar na região metropolitana de Fortaleza onde está situado, fazendo-o de forma competente, pretende prepará-los também para horizontes mais amplos, como a região nordeste, o Brasil, a América Latina e o Mundo. O curso está atento ao atendimento das exigências de um mercado francamente desenvolvimentista, tornando indispensável à atuação do Internacionalista para orientação da empresa e/ou do governo. Voltado para uma economia moderna, o curso tem feição inovadora, que permite a formação de profissionais capazes de orientar, de forma segura, os passos de empresas, organizações e governo de todos os tamanhos. O pressuposto básico do Curso consiste na compreensão sistêmica do mundo dos negócios e da globalização. A Faculdade Oboé II cujo diferencial situa-se, prioritariamente na formação ética dos indivíduos, preocupa-se em formar alunos pensadores, indagadores, criativos, capazes de extrair conclusões e engendrarem alternativas para as tarefas que lhes são pertinentes, dentro de uma cultura humanística, de acordo com os padrões da verdadeira cidadania, e de uma consistente capacitação técnico-científica inerente à área. Assim, o curso procura formar profissionais com visão totalmente nova e ampla, vislumbrando a totalidade da empresa e de todo o seu ambiente. O egresso foi motivado para a criatividade, sendo capaz de antecipar mudanças, de aperfeiçoar os sistemas informativos e operacionais, estando ligado diuturnamente ao desenvolvimento tecnológico. O curso procura implementá-lo ainda com uma visão crítica e de grande capacidade de análise. Afinal, sem saber analisar as informações, nos dias de hoje, é impossível tomar decisões acertadas. A partir dessa concepção teórico - prática, a Oboé II se propos a habilitar profissionais atuantes, inquisitivos e pesquisadores, com conhecimento amplo e integrado da área contábil, tendo sensibilidade social e que utilizem seu conhecimento para resolver problemas da sociedade onde estão inseridos. Na conjuntura atual, o sistema de ensino e os currículos acadêmicos têm de se adaptar às mudanças, preparando profissionais flexíveis e capazes de enfrentar o novo perfil do mercado de trabalho com pespectivas globais. Exige-se hoje que as pessoas tenham empregabilidade, pois a cada momento contemplam a perspectiva de procurar um novo emprego. Isto exige um profissional eclético, ético, reflexivo e pesquisador, capaz de enfrentar as mudanças e de fazer o "marketing" dos próprios talentos e serviços. Os graduandos desenvolveram projetos de pesquisa interdisciplinares e participaram de discussões envolvendo temas de interesse. 14

15 Cenário empresarial do Ceará O Estado do Ceará tem uma vocação dominantemente industrial e de serviços, notadamente o turismo e a indústria têxtil, que colocam o Estado na posição de segundo mais importante pólo têxtil do País. Mediante o cenário macroeconômico brasileiro favorável, em 2006, de acordo com o Instituto de Pesquisas Econômicas do Ceará (IPECE), a economia cearense registrou um crescimento de 4,84%, de acordo com o Gráfico 1, superior às taxas brasileira e nordestina. Gráfico 1 Evolução do PIB Brasil, Nordeste e Ceará 1996 a Fonte: IPECE Os indicadores econômicos, em geral, são promissores, uma vez que apresentam taxas de crescimento acima da média da Região do Nordeste e do Brasil. O Brasil apresentou uma taxa de crescimento do PIB, em 2006, da ordem de 2,7%, enquanto o Ceará, no mesmo período, obteve uma taxa de 4,8%. Quando a SUDENE, no final da década de 80, perdeu sua importância como fomentadora do desenvolvimento econômico nordestino, o governo do Ceará deu seqüência a uma política estimuladora de investimentos privados para a instalação de indústrias e outros tipos de empresas no Estado. Essa visão política de interiorizar o desenvolvimento tem sido a tônica dominante das ações governamentais para diminuir o movimento migratório para a Região Metropolitana de Fortaleza, que conta, hoje, com cerca de 30% da população do Estado e, portanto, suporta todos os problemas característicos das grandes cidades. Dentre os estados brasileiros, o Ceará tem se distinguido, nos últimos anos, pela reestruturação de suas finanças públicas, pelo incremento dos investimentos, pela mudança no regime de intervenção na economia e por tendências de crescimento econômico persistente, em especial nas áreas 15

16 urbanas e nos setores industrial e de serviços. A política de atração de investimentos industriais, nos últimos anos, foi responsável pela implantação de, entre os meses de abril/2002 a maio/2003, 40 novas empresas, sendo 25 delas na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), e a criação de novos postos de trabalho diretos no mesmo período, em vários municípios. De maio/2003 a dezembro/2005 foram atraídas mais 122 empresas para o Ceará, sendo 64 delas na RMF, e foram criados empregos diretos, sendo na RMF. No ano de 2005, a Junta Comercial do Ceará registrou a constituição de novas empresas, das quais eram MPE s, por cotas de responsabilidade limitada, 45 sociedades anônimas e 38 cooperativas. Esses dados corroboram com a crescente preocupação da população cearense em adquirir conhecimentos especializados no sentido de ocuparem vagas de trabalho que exijam mais qualificação, que buscam profissionais dinâmicos, flexíveis e preparados para o futuro. Outro aspecto importante a ser ressaltado na história econômica do Ceará é a construção do Complexo Portuário do Pecém, localizado no Município de São Gonçalo do Amarante, a cerca de 60 km de Fortaleza. Em 1995 foram elaborados os projetos básicos de engenharia e em 1996 foi iniciada a construção do Terminal Portuário do Pecém. A implantação do Complexo Industrial e Portuário do Pecém tem o objetivo de fortalecer e dar sustentabilidade ao crescimento do parque industrial do Ceará e do Nordeste, possibilitando a promoção de atividades industriais integradas. Dotado da infra-estrutura necessária para garantir condições de sustentabilidade a um parque industrial metal-mecânico e petroquímico, especialmente um terminal portuário moderno, em condições de propiciar operações portuárias eficientes, com tarifas competitivas, acessos rodoviários e ferroviários livres e independentes de confinamentos provocados por centros urbanos. O Complexo Industrial do Pecém tem como indústrias-âncoras duas Usinas Termelétricas, abastecidas com gás natural fornecido pela Petrobrás, além da Usina Siderúrgica do Ceará (USC), com capacidade de produção de ton de chapas de aço por ano. A partir da implantação dessas empresas, dezenas de outras empresas de diversos segmentos se instalaram próximo ao referido porto. Outro atrativo do Complexo Portuário do Pecém é a localização estratégica, por conta da proximidade geográfica dos Estados Unidos e Europa. Recentemente, em junho de 2008, o Plenário do Senado aprovou o Projeto de Lei de Conversão (PLV), proveniente da Medida Provisória 418/08, que regulamenta a isenção de impostos para empresas autorizadas a operar em Zonas de Processamento de Exportação (ZPEs). Embora a produção das ZPEs seja basicamente destinada à exportação, o PLV permite que as empresas instaladas nessas zonas vendam internamente até 20% de sua produção, arcando, nesse caso, com o pagamento de todos os impostos que são isentos nos produtos exportados. Espera-se que essas Zonas de Processamento de 16

17 Exportação venham impulsionar o desenvolvimento regional, melhorando as condições da região Nordeste. A ZPE do Ceará se instalará próximo ao Porto do Pecém e acredita-se que itens como computação, máquinas e equipamentos, metal-mecânica, produtos têxteis e empresas internacionais de trainner, terão prioridade para se instalarem na futura localização da Zona de Processamento de Exportação, a ZPE Ceará S/A. Mais um empreendimento que trará mais oportunidades de trabalho à população cearense que possui capacitação. O Ceará vem buscando basear seu crescimento econômico nos seus principais ativos que são as condições naturais favoráveis ao turismo e à agricultura irrigada, um governo com reputação de responsabilidade fiscal e administração eficaz e uma localização estratégica, quanto aos mercados da Europa e América do Norte. Há uma forte tendência de melhoria nas relações comerciais com o exterior em função da intensificação do processo de globalização. De acordo com dados da Secretaria de Comércio Exterior (SECEX), no ano de 2004 o Ceará exportou quase o dobro de produtos industrializados em relação aos produtos básicos. Isso demonstra a vocação do Estado para a exportação e para a industrialização. Os calçados lideram a pauta dos produtos exportados. O turismo, por sua vez, a partir de 1995, recebeu tratamento especial do governo, de vez que é fator gerador de impostos sobre a base física estadual e com efeitos multiplicadores na economia, contribuindo para o aumento das oportunidades de trabalho e geração de renda. A estimativa do SINE/CE é que cerca de 80% da força de trabalho potencial é representada pela população urbana. Pode-se perceber daí que há uma demanda crescente por trabalho nas zonas urbanas, em decorrência desse comportamento de centralização urbana da população em idade ativa. No período de o número de empregos formais gerados no Estado do Ceará foi de Dentre os empregos gerados, em 2006 as atividades que mais geraram empregos foram à indústria, o comércio e o serviço. Apesar de esforços do governo para atrair grandes empreendimentos para o Estado, 90% das empresas instaladas, no Ceará, são de pequeno e médio porte e dominantemente familiares. O povo cearense, ao longo dos anos, tem demonstrado uma vocação empreendedora bastante arrojada, seja por falta de opção de emprego ou de educação formal, no passado, ou mesmo pela vontade de liberdade ou ganhos financeiros. É muito comum deparar-se com muitos jovens administrando seus próprios negócios ou os negócios da família. Essa grande estrutura de empresas familiares é ainda administrada de forma incipiente, e sem nenhuma técnica de administração empresarial. É comum encontrar deficiência de conhecimentos específicos de planejamento, organização, finanças, custos e métodos. O SEBRAE observou que a maioria dessas empresas sequer sabe o que é 17

18 um Programa de Qualidade Total e que os empresários, de forma geral, estão contaminados de preconceitos com relação aos jovens administradores, quando afirmam que eles são teóricos, têm medo de tomar decisões, não possuem motivação, não são responsáveis, etc Cultura empresarial cearense Um dos traços que ainda persistem na grande parte das empresas cearenses é o caráter personalizado da administração central com o qual os empregados mantêm fortes relações de dependência. Outro fator diz respeito à característica básica da empresa familiar, onde a própria estrutura de direção leva a vínculos diferenciados entre as gerações, uma vez que a primeira mantém laços de trabalho e, a segunda, vínculos de capital, não havendo regras de funcionamento em termos de gestão dos negócios. Via de regra, os cargos estratégicos são ocupados por parentes e familiares diretos, independentemente de sua competência para o cargo. Outro aspecto é a dependência profissional e financeira das empresas, gerando profissionais com baixa competência e insatisfeitos, pois muitos deles não desenvolvem opções para a realização pessoal fora e dentro da empresa. Faltam ações voltadas para um ambiente maior, quanto ao grau de profissionalização, nos processos de tomada de decisões. Muitos gestores estavam acostumados a cobrir os prejuízos de natureza operacional com os lucros financeiros, daí a grande falha que poderá ser coberta através da profissionalização da gestão. Observa-se, também, que a mão-de-obra está desvinculada dos objetivos da empresa, em função de práticas gerenciais e de treinamento técnico, profissional e comportamental inadequados. O treinamento do trabalhador não é visto como investimento. Esse crédito deve-se, também, a muitas instituições de ensino que não preparam adequadamente os profissionais para a realidade do mercado. Num mercado que, sequer, se adaptou à absorção da mão-de-obra tradicionalmente formada pelas instituições de ensino, é de se esperar que surjam sérias resistências ao recrutamento de profissionais habilitados, de acordo com a nova realidade competitiva, onde as habilidades básicas e específicas de gestão participativa entram como fatores de sucesso. A característica da Região Nordeste de abundância de mão-de-obra despreparada colaborou, em muito, para a criação de uma cultura empresarial distorcida da realidade e, hoje, esse fato veio à tona com o processo de globalização. As oportunidades para a implantação de uma Faculdade de qualidade são grandes. A expansão do Ensino Superior está e continuará favorável em todo o Brasil por mais alguns anos. Em Fortaleza e em algumas regiões do Norte e Nordeste o mercado de ensino superior só agora começou a ser expandido e a tendência será de surgimento de novos cursos. 18

19 Este novo empreendimento está voltado para uma demanda reprimida, situada fundamentalmente em famílias de renda média, trabalhadores assalariados dos setores industrial, comercial e de serviços. No caso específico, Fortaleza está extremamente favorável, em função da localização estratégica da Faculdade Oboé II próxima dos escritórios e lojas com concentração grande de pessoas com desejo de se qualificar Objetivos do Curso O objetivo principal do curso de Relações Internacionais da Faculdade Oboé é desenvolver conhecimentos, habilidades, atitudes e valores nos diversos ramos do conhecimento da área cuidando para que estejam em conformidade com a ética profissional e a responsabilidade social, priorizando o desenvolvimento da capacidade de fazer julgamentos e envolvimento com o interesse público. Dentro desse contexto, visa transmitir não somente conhecimentos técnicos, habilidades e atitudes necessárias para uma prática profissional bem sucedida, mas, novas ferramentas e visões que propiciem profunda compreensão dos conceitos e políticas da profissão sob a ótica da responsabilidade social Objetivo Geral O objetivo do Curso de Relações Internacionais da Faculdade Oboé II é preparar futuros profissionais para uma profissão em expansão, dinâmica, complexa e em processo constante de mudança, para isso almeja desenvolver conhecimentos, habilidades, atitudes e valores nos diversos ramos da área de relações internacionais cuidando para que estejam em conformidade com a ética profissional, e a cultura nacional, priorizando o desenvolvimento da capacidade de fazer julgamentos e envolvimento com o interesse público Objetivos Específicos Formar diplomados na área de Relações Internacionais aptos para a inserção profissional e para a participação no desenvolvimento da sociedade brasileira. Estimular a criação cultural e o desenvolvimento do espírito científico e do pensamento reflexivo. 19

20 Suscitar o desejo permanente de aperfeiçoamento pessoal e profissional, estimulando a visão ética nos problemas do mundo atual, e em particular, nos âmbitos nacionais e regionais. 2.2 Perfil Profissional do Egresso Conhecimentos e competências Perfil Geral = profissionais dotados de competências e habilidades, que viabilizem aos agentes econômicos o pleno cumprimento de sua responsabilidade de prestar contas da gestão perante a sociedade ( accountability ). Perfis Específicos = profissional que exerce com ética e proficiência as atribuições que lhes são prescritas através de legislação específica. Os egressos do Curso de Graduação em Relações Internacionais da Faculdade Oboé II destacar-se-ão pelas seguintes características: Criatividade ser capaz de resolver originalmente situações novas e inesperadas; Ética - manter comportamento ético em todas as relações humanas; Consciência social - perceber o valor e o lugar do coletivo em relação ao individual; Versatilidade - usar conhecimentos básicos e saber transitar por novos conhecimentos; Empreendedorismo - implementar ações ou negócios com espírito de liderança, iniciativa e responsabilidade; Visão humanística - respeitar as mais diversas manifestações individuais e culturais do ser humano Habilidades Em linhas gerais, se forma profissionais dotados de competências e habilidades visando atender principalmente à demanda regional (sem desprezar a demanda nacional e internacional), com capacidade de exercer com ética, justiça e responsabilidade as atribuições e prerrogativas compatíveis à profissão. O egresso do Curso de Relações Internacionais está apto a: utilizar adequadamente a terminologia e a linguagem das Relações Internacionais; demonstrar visão sistêmica e interdisciplinar; 20

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 69/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em, Bacharelado, do Centro

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Atividades Complementares Sistemas de Informação 1. Introdução Nos cursos de graduação, além das atividades de aprendizagem articuladas pelas disciplinas que compõem a matriz curricular, deverão ser inseridas

Leia mais

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são:

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são: 1) Formas de participação do Corpo Discente: O Colegiado do Curso é um órgão consultivo, deliberativo e normativo, onde é possível a participação do corpo discente nas decisões que competem a exposição

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

GRADUAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

GRADUAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS GRADUAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DIPLOMA CONFERIDO: BACHAREL NÚMERO DE VAGAS: 100 VAGAS ANUAIS NÚMERO DE ALUNOS POR TURMA: 50 alunos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

Bacharelado em Serviço Social

Bacharelado em Serviço Social Informações gerais: Bacharelado em Serviço Social Duração do curso: 04 anos (08 semestres) Horário: Vespertino e Noturno Número de vagas: 300 vagas anuais Coordenador do Curso: Profª Ms. Eniziê Paiva Weyne

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: RELAÇÕES INTERNACIONAIS Missão A principal missão do Curso de Relações Internacionais é formar, a partir de pesquisa e desenvolvimento pedagógico próprios, mediante

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Elétrica tem por missão a graduação de Engenheiros Eletricistas com sólida formação técnica que

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: TURISMO ( bacharelado) Missão Formar profissionais humanistas, críticos, reflexivos, capacitados para planejar, empreender e gerir empresas turísticas, adaptando-se ao

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Carga Horária Total exigida no curso: 200 LONDRINA/PR 2014 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO

Leia mais

Relações Internacionais

Relações Internacionais Curso de Graduação Bacharelado em Relações Internacionais O curso de Relações Internacionais está enquadrado no campo da ciência Humana e social, onde estuda-se em profundidade as políticas Internacionais

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO

GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO Missão do Curso Formar profissionais de nível superior, com atuação na área de Tecnologia em Gestão Financeira, a partir da articulação das teorias que fundamentam

Leia mais

FACULDADE PASCHOAL DANTAS

FACULDADE PASCHOAL DANTAS FACULDADE PASCHOAL DANTAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ÊNFASE GESTÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO - SP NOVEMBRO DE 2008 ÍNDICE 1. Visão e Missão da FPD...3 2. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Construção coletiva a partir das experiências, coordenada pelo Colegiado do Curso de Graduação (art. 34 do Regimento Geral

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURRÍCULO NOVO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURRÍCULO NOVO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURRÍCULO NOVO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR Toda reforma implica um processo de readaptação da estrutura acadêmica vigente, composta principalmente

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018 CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MADEIREIRA 1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA UNIDADE 2014/2018 APRESENTAÇÃO O Curso de Engenharia Industrial Madeireira da UFPR foi criado

Leia mais

Respeito ao meio ambiente, colocando o conhecimento científico adquirido a serviço da sociedade e permitindo o desenvolvimento sustentável.

Respeito ao meio ambiente, colocando o conhecimento científico adquirido a serviço da sociedade e permitindo o desenvolvimento sustentável. Coordenação do Curso de Engenharia Química da UFPR (CCEQ) Planejamento Estratégico 2012-2017 Apresentação: O curso de Engenharia Química da UFPR foi criado em 1954 pelo Decreto-Lei nº 6.489, assim completará

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior. ASSUNTO: Instrumentos de avaliação para credenciamento

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância - Dresead Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA GESTÃO EMPRESARIAL FATEC JUNDIAÍ 2009

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA GESTÃO EMPRESARIAL FATEC JUNDIAÍ 2009 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA GESTÃO EMPRESARIAL FATEC JUNDIAÍ 2009 Apresentação: O curso de Especialização em Sistemas de Informação para Gestão Empresarial será oferecido em nível

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

PROJETO DE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Gestão e Relações Internacionais

PROJETO DE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Gestão e Relações Internacionais PROJETO DE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Gestão e Relações Internacionais IDENTIFICAÇÃO DO CURSO Curso de Especialização em Gestão e Relações Internacionais Área de Conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1.1 Denominação Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1.2 Total de Vagas Anuais 80 vagas anuais 1.3 Regime Acadêmico de Oferta Seriado

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 36 / 2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Graduação em Línguas Estrangeiras

Leia mais

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS.

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. DIPLOMA CONFERIDO: TECNÓLOGO DE

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ 2008 CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. Respeitada a legislação vigente, as normas específicas aplicáveis a cada curso e, em

Leia mais

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBERABA MG INSTITUTO EDUCACIONAL GUILHERME DORÇA PRESIDENTE: LUIZ HUMBERTO DORÇA FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS DIRETOR

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com.

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com. A pós-graduação é fundamental para manter-se bem colocado no mercado de trabalho e para aperfeiçoar competências profissionais. Além de enriquecer o currículo, este tipo de especialização ajuda a melhorar

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro Educação a Distância Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. A única diferença é a sala de aula que fica em suas

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido)

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido) FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM ES Curso de Administração reconhecido pelo Decreto Federal nº 78.951, publicado no D.O.U. de 16-12-1976 Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica Pró-Reitoria de Ensino do IFG Gilda Guimarães Dulcinéia de Castro Santana Goiânia_ 2012/1 1- PARÂMETROS LEGAIS LEI Nº 11.892, DE 29 DE

Leia mais

ESCRITÓRIO MODELO DA FACULDADE DO GUARUJÁ.

ESCRITÓRIO MODELO DA FACULDADE DO GUARUJÁ. ESCRITÓRIO MODELO DA FACULDADE DO GUARUJÁ. Prof. Marat Guedes Barreiros Agosto/2013 Introdução É notória nos dias de hoje a dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego nas empresas

Leia mais

Administração. Curso de Graduação Bacharelado em

Administração. Curso de Graduação Bacharelado em Curso de Graduação Bacharelado em Administração O curso de Administração está enquadrado como uma ciência social aplicada. Estuda-se em profundidade técnicas e instrumentos analíticos, além de simulações

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 Curso Superior em Tecnologia em Design de Moda Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 OBJETIVOS DO CURSO OBJETIVO GERAL

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 OBJETIVOS DO CURSO OBJETIVO GERAL SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: DIREITO MISSÃO DO CURSO Desenvolver um ensino que propicie sólida formação ao aluno, constante aprimoramento docente e atualização curricular periódica.

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação 1. Apresentação As atividades complementares são consideradas parte integrante do Currículo do Curso de Bacharelado em Ciência da

Leia mais

PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Política Pedagógica Institucional Faculdade Eniac Ver. 02 (2010 / 2011) APRESENTAÇÃO

PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Política Pedagógica Institucional Faculdade Eniac Ver. 02 (2010 / 2011) APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O presente documento tem por finalidade apresentar o PPI que é o Projeto Pedagógico Institucional do ENIAC, conjunto das melhores práticas pedagógicas, tecnológicas, administrativas e de gestão

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS FATEC JUNDIAÍ 2009

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS FATEC JUNDIAÍ 2009 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS FATEC JUNDIAÍ 2009 Apresentação: O curso de Especialização em Gestão Estratégica de Negócios será oferecido em nível de pós-graduação, pela Faculdade

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento ético

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

INFORMAÇÕES DO PPC Perfil do Egresso

INFORMAÇÕES DO PPC Perfil do Egresso INFORMAÇÕES DO PPC Perfil do Egresso O Curso Superior de Tecnologia em Secretariado visa formar profissionais com competência técnica, comunicação interpessoal, postura ética, visão holística, espírito

Leia mais

Manual do Candidato PROCESSO SELETIVO DE INVERNO 2013 CURSOS:

Manual do Candidato PROCESSO SELETIVO DE INVERNO 2013 CURSOS: Manual do Candidato PROCESSO SELETIVO DE INVERNO 2013 CURSOS: Bacharelado em Sistemas de Informação (Reconhecido pela Portaria MEC nº 315 D.O.U. 31/12/2012) Bacharelado em Administração de Empresas (Reconhecido

Leia mais

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Letras e Linguística PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

MANUAL DA MUDANÇA DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE DIREITO (2007 2011)

MANUAL DA MUDANÇA DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE DIREITO (2007 2011) MANUAL DA MUDANÇA DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE DIREITO (2007 2011) Aplicável a partir de 2013/1 1 SUMÁRIO 1 Apresentação... 3 2 Quais os critérios para que a Instituição de Ensino Superior altere a

Leia mais

CURSOS ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS

CURSOS ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES ANO 2007 CURSOS ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS INTRODUÇÃO: Tendo como objetivo propiciar ao aluno um conjunto de oportunidades que se refletirão, de forma direta

Leia mais

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007.

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. SIC 56/07 Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. 1. DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO, PELO INEP, DOS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PARA O CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR E SEUS PÓLOS DE APOIO

Leia mais

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA Vera Alice Cardoso SILVA 1 A origem: motivações e fatores indutores O Curso de Gestão Pública

Leia mais

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida CETEC EDUCACIONAL S.A Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 1 SUMÁRIO

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos

ADMINISTRAÇÃO. 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos ADMINISTRAÇÃO 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Administração PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos Máximo = 8 anos 2. HISTÓRICO DO CURSO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO. Parte 1 (solicitante)

Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 90/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Relações Públicas, Bacharelado,

Leia mais

REGULAMENTO MES MECANISMOS DE ESTUDOS SISTÊMICOS Universidade Ibirapuera Aprovado pela Res. CONSUN nº 10/07, de 19.09.07 REGULAMENTO MES - MECANISMOS DE ESTUDOS SISTÊMICOS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais