Prof. Adriano Maranhão COMPILADORES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prof. Adriano Maranhão COMPILADORES"

Transcrição

1 Prof. Adriano Maranhão COMPILADORES

2 LINGUAGENS: INTERPRETADAS X COMPILADAS Resumo: Linguagem compilada: Se o método utilizado traduz todo o texto do programa, para só depois executar o programa, então diz-se que o programa foi compilado e que o mecanismo utilizado para a tradução é um compilador. A versão compilada do programa é armazenada, de forma que o programa pode ser executado um número indefinido de vezes sem que seja necessária nova compilação, o que compensa o tempo gasto na compilação. Isso acontece com linguagens como Pascal e C.

3 LINGUAGENS: INTERPRETADAS X COMPILADAS Linguagem Interpretada: Se o texto do programa é traduzido à medida que vai sendo executado, como em JavaScript, Python ou Perl, num processo de tradução de trechos seguidos de sua execução imediata, então diz-se que o programa foi interpretado e que o mecanismo utilizado para a tradução é um interpretador. Programas interpretados são geralmente mais lentos do que os compilados, mas são também geralmente mais flexíveis, já que podem interagir com o ambiente mais facilmente.

4 Linguagem Interpretada Linguagem Compilada

5 VANTAGENS DA DIVISÃO EM ANÁLISE LÉXICA E SINTÁTICA: Projeto mais simples. Diminui a complexidade do analisador sintático que não precisa mais lidar com estruturas foras de seu escopo como tratamento de caracteres vazios. Melhorar a eficiência do compilador. Técnicas de otimização específicas para o analisador léxico. Melhor portabilidade. Particularidades da linguagem fonte podem ser tratadas diretamente pelo analisador léxico.

6 CENÁRIO Programa fonte Analisador léxico Envia token Analisador sintático Solicita novo token Tabela de símbolos

7 ANÁLISE LÉXICA Análise léxica é o processo de analisar a entrada de linhas de caracteres e produzir uma seqüência de símbolos chamado "símbolos léxicos", ou somente "símbolos" (tokens), que podem ser manipulados mais facilmente por um leitor de saída.

8 TOKENS Os tokens constituem classes de símbolos tais como palavras reservadas, delimitadores, identificadores, etc, e podem ser representados, internamente, através do próprio símbolo (como no caso dos delimitadores e das palavras reservadas) ou por um par ordenado, no qual o primeiro elemento indica a classe do símbolo, e o segundo, um índice para uma área onde o próprio símbolo foi armazenado (por exemplo, um identificador e sua entrada numa tabela de identifidadores).

9 TABELA DE SÍMBOLOS É uma estrutura de dados gerada pelo compilador com o objetivo de armazenar informações sobre os nomes (identificadores de variáveis, de parâmetros, de funções, de procedimentos, etc) definidos no programa fonte. Essa tabela associa atributos (tipo, escopo, limites no caso de vetores e número de parâmetros no caso de funções) aos nomes que foram definidos pelo programador. A construção dessa tabela, em geral, se dá durante a análise léxica, quando os identificadores são reconhecidos.

10 ACESSO A TABELA DE SÍMBOLOS Listas lineares - é o mecanismo mais simples, mas seu desempenho é pobre quando o número de consultas é elevado. Árvores binárias Tabelas hash - têm melhor desempenho, mas exigem mais memória e esforço de programação.

11 EXEMPLO X := Y + 10 ID Cod_Atrib ID Cod_Sum Num X := Y + 10

12 OBSERVAÇÃO Para desempenhar a análise léxica, o compilador deve ter conhecimento de quais são os tokens válidos da linguagem, assim como suas palavras chaves e regras para formação de identificadores. Por exemplo, a declaração Exemplo: int 1var;

13 ESPECIFICAÇÃO DOS TOKENS Cadeias e Linguagens Operações em Linguagens Expressões Regulares

14 CADEIAS E LINGUAGENS Alfabeto ou classe de caracteres: qualquer conjunto finito de símbolos. Alfabeto binário {0,1} EBCDIC e ASCII Cadeia, sentença ou palavra: nome dada a uma seqüência finita de símbolos retiradas de uma alfabeto Ex: banana, O comprimento de um palavra, denotado por s, corresponde ao número de símbolos requeridos para sua construção Linguagem: denota qualquer conjunto de cadeias sobre algum alfabeto fixo Ǿ, { }, conjunto de todos os programas Pascal e sentenças sintaticamente corretas do português

15 OPERAÇÕES EM LINGUAGENS Prefixo: cadeia obtida pela remoção de zero ou mais símbolos no fim da cadeia. Ex: ban é um prefixo de banana. Sufixo: cadeia obtida pela remoção de zero ou mais símbolos no inicio da cadeia. Ex: nana é um sufixo de banana. Subcadeia: cadeia obtida pela remoção de um prefixo e de um sufixo. Ex: nan. Subseqüência: cadeia formada pela remoção de símbolos, não necessariamente contíguos. Ex: baaa é uma subseqüência de banana. União: qualquer cadeia pertencente a um dos dois conjuntos. L U M = { s s está em L ou s está em M} sendo L e M linguagens duas qualquer.

16 OPERAÇÕES EM LINGUAGENS Concatenação: LM = {st s está em L e t está em M} Fechamento Kleene (L*): zero ou mais concatenações de L. Fechamento positivo (L + ): uma ou mais concatenações de L.

17 OPERAÇÕES EM LINGUAGENS - EXEMPLOS L U D LD Conjunto de cadeias formadas por uma letra seguida por um dígito. Ex: a1 L 4 Conjunto de cadeias formadas por 4 letras. Ex: abcd L* Conjunto de letras e dígitos. Conjunto de cadeias formadas por zero ou mais letras. Ex: a, ab, bb, bbc,... L (L U D)* Conjunto de todas as cadeias de letras e dígitos que comecem com uma letra D + Conjunto de todas as cadeias de um ou mais dígitos

18 EXPRESSÕES REGULARES Notação especial para definição de cadeias de uma linguagem Identificador Pascall letra (letra dígito)* Caractere é igual a ou * significa zero ou mais instâncias A justaposição de letras significa concatenação destas Ex: a b (a b)(a b) {a,b} {aa, ab, ba, bb} a* {ε, a, aa, aaa,...} (a b)* Se duas expressões regulares denotam a mesma linguagem, dizemos que são equivalentes e representamos r=s. Ex: (a b) = (b a)

19 EXPRESSÕES REGULARES Definições regulares Expressões regulares podem ser nomeadas e estes nomes podem ser utilizados para definição de novas expressões Ex: letra : A B... Z a b... z digito : id : letra(letra digito)*

20

21

22 RECONHECIMENTO DE TOKENS if if then then else else relop < <= = <> > >= id letra (letra dígito)* num dígito + (.dígito + )?(E(+ -)?dígito + )? delim branco tabulação avanço de linha ws delim +

Linguagens Formais. Aula 01 - Conceitos Básicos. Prof. Othon Batista Mestre em Informática

Linguagens Formais. Aula 01 - Conceitos Básicos. Prof. Othon Batista Mestre em Informática Linguagens Formais Aula 01 - Conceitos Básicos Prof. Othon Batista Mestre em Informática Sumário Introdução à Linguagem Alfabeto Cadeias de Símbolos, Palavras Tamanho de Palavra Prefixo, Sufixo ou Subpalavra

Leia mais

Introdução à Programação

Introdução à Programação Introdução à Programação Linguagens de Programação: sintaxe e semântica de linguagens de programação e conceitos de linguagens interpretadas e compiladas Engenharia da Computação Professor: Críston Pereira

Leia mais

Compiladores I Prof. Ricardo Santos (cap 3 Análise Léxica: Introdução, Revisão LFA)

Compiladores I Prof. Ricardo Santos (cap 3 Análise Léxica: Introdução, Revisão LFA) Compiladores I Prof. Ricardo Santos (cap 3 Análise Léxica: Introdução, Revisão LFA) Análise Léxica A primeira fase da compilação Recebe os caracteres de entrada do programa e os converte em um fluxo de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Prof.ª Danielle Casillo

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Prof.ª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TEORIA DA COMPUTAÇÃO Aula 02 Introdução à Teoria da Computação Prof.ª Danielle Casillo Linguagem: é uma forma precisa de expressar

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos P. Blauth Menezes

Linguagens Formais e Autômatos P. Blauth Menezes Linguagens Formais e Autômatos P. Blauth Menezes blauth@inf.ufrgs.br Departamento de Informática Teórica Instituto de Informática / UFRGS Matemática Discreta para Ciência da Computação - P. Blauth Menezes

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos

Linguagens Formais e Autômatos Linguagens Formais e Autômatos Prof. Yandre Maldonado - 1 Prof. Yandre Maldonado e Gomes da Costa Introdução Problema: definir um conjunto de cadeias de símbolos; Prof. Yandre Maldonado - 2 Exemplo: conjunto

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos 02/2015. LFA Aula 02. introdução 28/09/2015. Celso Olivete Júnior.

Linguagens Formais e Autômatos 02/2015. LFA Aula 02. introdução 28/09/2015. Celso Olivete Júnior. LFA Aula 02 Linguagens regulares - introdução 28/09/2015 Celso Olivete Júnior olivete@fct.unesp.br 1 Na aula passada... Visão geral Linguagens regulares expressões regulares autômatos finitos gramáticas

Leia mais

Introdução à Programação Aula 03. Prof. Max Santana Rolemberg Farias Colegiado de Engenharia de Computação

Introdução à Programação Aula 03. Prof. Max Santana Rolemberg Farias Colegiado de Engenharia de Computação Aula 03 Prof. Max Santana Rolemberg Farias max.santana@univasf.edu.br Colegiado de Engenharia de Computação Linguagens de Programação A primeira linguagem de programação foi criada por Ada Lovelace. Amiga

Leia mais

Compiladores. Conceitos Básicos

Compiladores. Conceitos Básicos Compiladores Conceitos Básicos Processadores de Linguagem De forma simples, um compilador é um programa que recebe como entrada um programa em uma linguagem de programação a linguagem fonte e o traduz

Leia mais

Linguagens de Programação Aula 3

Linguagens de Programação Aula 3 Aula 3 Celso Olivete Júnior olivete@fct.unesp.br Na aula passada... Classificação das LPs (nível, geração e paradigma) Paradigmas Imperativo, OO, funcional, lógico e concorrente 2/33 Na aula de hoje...

Leia mais

Apostila 01 Fundamentação da Teoria da Computação e Linguagens Formais

Apostila 01 Fundamentação da Teoria da Computação e Linguagens Formais Cursos: Bacharelado em Ciência da Computação e Bacharelado em Sistemas de Informação Disciplinas: (1493A) Teoria da Computação e Linguagens Formais, (4623A) Teoria da Computação e Linguagens Formais e

Leia mais

Universidade de Santa Cruz do Sul UNISC Departamento de informática COMPILADORES. Análise léxica. Parte 01. Geovane Griesang

Universidade de Santa Cruz do Sul UNISC Departamento de informática COMPILADORES. Análise léxica. Parte 01. Geovane Griesang Universidade de Santa Cruz do Sul UNISC Departamento de informática COMPILADORES Análise léxica Parte 01 geovanegriesang@unisc.br Compilador Compilador... é um programa de computador que lê um programa

Leia mais

Tratamento dos Erros de Sintaxe. Adriano Maranhão

Tratamento dos Erros de Sintaxe. Adriano Maranhão Tratamento dos Erros de Sintaxe Adriano Maranhão Introdução Se um compilador tivesse que processar somente programas corretos, seu projeto e sua implementação seriam grandemente simplificados. Mas os programadores

Leia mais

Construção de Compiladores

Construção de Compiladores Construção de Compiladores Parte 1 Introdução Linguagens e Gramáticas F.A. Vanini IC Unicamp Klais Soluções Motivação Porque compiladores? São ferramentas fundamentais no processo de desenvolvimento de

Leia mais

Teoria da Computação. Unidade 1 Conceitos Básicos. Referência Teoria da Computação (Divério, 2000)

Teoria da Computação. Unidade 1 Conceitos Básicos. Referência Teoria da Computação (Divério, 2000) Unidade 1 Conceitos Básicos Referência (Divério, 2000) Conceitos Básicos Linguagem Conceito fundamental Forma precisa de expressar problemas Permite um desenvolvimento formal adequado ao estudo da computabilidade

Leia mais

Análise Léxica. O papel do analisador léxico

Análise Léxica. O papel do analisador léxico Análise Léxica Compiladores 1 A varredura, ou análise léxica, é a fase de um compilador que lê o programafonte como um arquivo de caracteres e o separa em marcas. Essas marcas são como palavras em uma

Leia mais

Analisador Léxico parte II

Analisador Léxico parte II Analisador Léxico parte II Compiladores Mariella Berger Sumário Definições Regulares Gerador de Analisador Léxico Flex Exemplos As fases de um Compilador Análise Léxica Análise Sintática ANÁLISE Análise

Leia mais

Compiladores. Introdução à Compiladores

Compiladores. Introdução à Compiladores Compiladores Introdução à Compiladores Cristiano Lehrer, M.Sc. Introdução (1/2) O meio mais eficaz de comunicação entre pessoas é a linguagem (língua ou idioma). Na programação de computadores, uma linguagem

Leia mais

Compiladores. Análise lexical. Plano da aula. Motivação para análise lexical. Vocabulário básico. Estrutura de um compilador

Compiladores. Análise lexical. Plano da aula. Motivação para análise lexical. Vocabulário básico. Estrutura de um compilador Estrutura de um compilador programa fonte Compiladores Análise lexical () Expressões Regulares analisador léxico analisador sintático analisador semântico análise gerador de código intermediário otimizador

Leia mais

Conceitos Básicos. Vocabulário Cadeias Linguagens Expressões Regulares Problema X Linguagem

Conceitos Básicos. Vocabulário Cadeias Linguagens Expressões Regulares Problema X Linguagem Conceitos Básicos Vocabulário Cadeias Linguagens Expressões Regulares Problema X Linguagem Alfabeto ou Vocabulário: Conjunto finito não vazio de símbolos. Símbolo é um elemento qualquer de um alfabeto.

Leia mais

Tokens, Padroes e Lexemas

Tokens, Padroes e Lexemas O Papel do Analisador Lexico A analise lexica e a primeira fase de um compilador e tem por objetivo fazer a leitura do programa fonte, caracter a caracter, e traduzi-lo para uma sequencia de símbolos lexicos

Leia mais

Papel do analisador léxico: ler o arquivo fonte em busca de unidades significativas (os tokens) instanciadas por lexemas ou átomos.

Papel do analisador léxico: ler o arquivo fonte em busca de unidades significativas (os tokens) instanciadas por lexemas ou átomos. Análise Léxica Análise Léxica Papel do analisador léxico: ler o arquivo fonte em busca de unidades significativas (os tokens) instanciadas por lexemas ou átomos. Também denominado de scanner, porque varre

Leia mais

a * Expressões Regulares (ER) AF e ER Equivalências entre AFD, AFND, AF-, ER

a * Expressões Regulares (ER) AF e ER Equivalências entre AFD, AFND, AF-, ER a * Expressões Regulares (ER) AF e ER Equivalências entre AFD, AFND, AF-, ER 1 Expressões Regulares (ER) Uma ER sobre um alfabeto é definida como: a) é uma ER e denota a linguagem vazia b) é uma ER e denota

Leia mais

Compiladores I Prof. Ricardo Santos (cap 1)

Compiladores I Prof. Ricardo Santos (cap 1) Compiladores I Prof. Ricardo Santos (cap 1) Compiladores Linguagens de programação são notações que permitem descrever como programas devem executar em uma máquina Mas, antes do programa executar, deve

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos. Conceitos Básicos Prof. Anderson Belgamo

Linguagens Formais e Autômatos. Conceitos Básicos Prof. Anderson Belgamo Linguagens Formais e Autômatos Conceitos Básicos Prof. Anderson Belgamo Introdução Teoria das Linguagens Formais Originariamente desenvolvida na década de 1950. Objetivo inicial: desenvolver teorias relacionadas

Leia mais

LINGUAGENS FORMAIS Definições. Desenvolveram-se na História em função da necessidade dos grupos humanos que as empregavam

LINGUAGENS FORMAIS Definições. Desenvolveram-se na História em função da necessidade dos grupos humanos que as empregavam Linguagens Naturais LINGUAGENS FORMAIS Definições Desenvolveram-se na História em função da necessidade dos grupos humanos que as empregavam São muito ricas, mas também ambíguas e imprecisas. Ex.: João

Leia mais

Conceitos Básicos. Vocabulário Cadeias Linguagens Problema

Conceitos Básicos. Vocabulário Cadeias Linguagens Problema Conceitos Básicos Vocabulário Cadeias Linguagens Problema Alfabeto ou Vocabulário: Conjunto finito não vazio de símbolos. Símbolo é um elemento qualquer de um alfabeto. Ex: {A,B,C,.Z} alfabeto latino (maiúsculas)

Leia mais

Definições Exemplos de gramáticas

Definições Exemplos de gramáticas Definições Exemplos de gramáticas 1 Gramáticas Conceito introduzido pela lingüística Objetivo de ensinar o inglês pelo computador e conseguir um tradutor de línguas Fracasso da tradução por volta dos anos

Leia mais

Conversões de Linguagens: Tradução, Montagem, Compilação, Ligação e Interpretação

Conversões de Linguagens: Tradução, Montagem, Compilação, Ligação e Interpretação Conversões de Linguagens: Tradução, Montagem, Compilação, Ligação e Interpretação Para executar uma tarefa qualquer, um computador precisa receber instruções precisas sobre o que fazer. Uma seqüência adequada

Leia mais

Algoritmos. Prof. Jonatas Bastos Site:

Algoritmos. Prof. Jonatas Bastos   Site: Algoritmos Prof. Jonatas Bastos Email: jonatasfbastos@gmail.com Site: http://jonatasfbastos.wordpress.com/ 1 Dúvidas! p p p Como os computadores entendem os algoritmo? Os computadores não entendem os passos

Leia mais

Linguagens Regulares. Prof. Daniel Oliveira

Linguagens Regulares. Prof. Daniel Oliveira Linguagens Regulares Prof. Daniel Oliveira Linguagens Regulares Linguagens Regulares ou Tipo 3 Hierarquia de Chomsky Linguagens Regulares Aborda-se os seguintes formalismos: Autômatos Finitos Expressões

Leia mais

PROGRAMAÇÃO I. Introdução

PROGRAMAÇÃO I. Introdução PROGRAMAÇÃO I Introdução Introdução 2 Princípios da Solução de Problemas Problema 1 Fase de Resolução do Problema Solução na forma de Algoritmo Solução como um programa de computador 2 Fase de Implementação

Leia mais

Aula 23: Noções de Compilação, Montagem, Link-edição, e Interpretação

Aula 23: Noções de Compilação, Montagem, Link-edição, e Interpretação Aula 23: Noções de Compilação, Montagem, Link-edição, e Interpretação Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) Compilação, Montagem, Link-edição,

Leia mais

Fundamentos de Programação. Linguagem C++ aula II - Variáveis e constantes. Prof.: Bruno Gomes

Fundamentos de Programação. Linguagem C++ aula II - Variáveis e constantes. Prof.: Bruno Gomes Fundamentos de Programação Linguagem C++ aula II - Variáveis e constantes Prof.: Bruno Gomes 1 Variáveis Representa uma porção da memória que pode ser utilizada pelo programa para armazenar informações

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos 02/2016. LFA Aula 01 24/10/2016. Celso Olivete Júnior.

Linguagens Formais e Autômatos 02/2016. LFA Aula 01 24/10/2016. Celso Olivete Júnior. LFA Aula 01 Apresentação 24/10/2016 Celso Olivete Júnior olivete@fct.unesp.br 1 Professor Celso Olivete Júnior Bacharelado em Ciência da Computação (Unoeste-2002) Mestrado e Doutorado em Engenharia Elétrica

Leia mais

Análise Sintática. Fabiano Baldo

Análise Sintática. Fabiano Baldo Compiladores Análise Sintática Fabiano Baldo Gramáticas Livre de Contexto (GLC) É utilizada na especificação formal lda sintaxe de uma linguagem de programação. É um conjunto de produções ou regras gramaticais

Leia mais

Conteúdo. Introdução a compiladores Tradução x Interpretação Processo de Compilação

Conteúdo. Introdução a compiladores Tradução x Interpretação Processo de Compilação Compiladores Conteúdo Introdução a compiladores Tradução x Interpretação Processo de Compilação Quando se inventou o computador criou se uma máquina a mais, quando se criou o compilador criou se uma nova

Leia mais

Como construir um compilador utilizando ferramentas Java

Como construir um compilador utilizando ferramentas Java Como construir um compilador utilizando ferramentas Java p. 1/2 Como construir um compilador utilizando ferramentas Java Aula 1 - Introdução Prof. Márcio Delamaro delamaro@icmc.usp.br Como construir um

Leia mais

Capítulo 1: Alfabetos, cadeias, linguagens

Capítulo 1: Alfabetos, cadeias, linguagens Capítulo 1: Alfabetos, cadeias, linguagens Símbolos e alfabetos. Um alfabeto é, para os nossos fins, um conjunto finito não vazio cujos elementos são chamados de símbolos. Dessa maneira, os conceitos de

Leia mais

Seqüências de Caracteres

Seqüências de Caracteres Seqüências de Caracteres Strings Material da Prof. Ana Eliza Definição Uma STRING é uma seqüência de caracteres. Exemplos Maria José Número 10 5% de R$ 20,00 Introdução a Programação II - Prof. Márcio

Leia mais

1 Expressões Regulares e Linguagens

1 Expressões Regulares e Linguagens 1 1 Expressões Regulares e Linguagens Linguagem de Programação o Pesquisa em Textos o Componentes de Compiladores Intimamente Relacionadas com AFNDs São capazes de definir todas e somente as linguagens

Leia mais

Construção de Compiladores. Capítulo 1. Introdução. José Romildo Malaquias. Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2014.

Construção de Compiladores. Capítulo 1. Introdução. José Romildo Malaquias. Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2014. Construção de Compiladores Capítulo 1 Introdução José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2014.2 1/22 1 Linguagens de programação 2 Compilação 2/22 Tópicos 1

Leia mais

Projeto de Compiladores

Projeto de Compiladores Projeto de Compiladores FIR Faculdade Integrada do Recife João Ferreira 26 e 27 de fevereiro de 2007 Agenda da Aula Revisão Linguagem de Programação Tradutores Compilador As Fases de Um Compilador Linguagem

Leia mais

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 20/2015 CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO II Campus Rio Pomba

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 20/2015 CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO II Campus Rio Pomba Questão 01 No processo de construção de compiladores, é essencial compreender e manipular as expressões regulares e suas equivalências. Dentro desse contexto, seja o alfabeto = {a, b, c, d, e} e a seguinte

Leia mais

Autômatos e Linguagens

Autômatos e Linguagens Autômatos e Linguagens Eduardo Ferreira dos Santos Ciência da Computação Centro Universitário de Brasília UniCEUB Agosto, 2016 1 / 41 Sumário 1 Compiladores 2 Linguagens de programação 3 Ciência dos compiladores

Leia mais

Compiladores Aula 2. Celso Olivete Júnior.

Compiladores Aula 2. Celso Olivete Júnior. Aula 2 Celso Olivete Júnior olivete@fct.unesp.br Relembrando... Métodos de implementação 1. Compilação: Tradução do programa fonte Linguagem máquina Tradução lenta, execução rápida 2 Relembrando... Métodos

Leia mais

Algoritmos e Técnicas de Programação Introdução Givanaldo Rocha de Souza

Algoritmos e Técnicas de Programação Introdução Givanaldo Rocha de Souza Algoritmos e Técnicas de Programação Introdução Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha Conceitos Lógica de Programação técnica de encadear pensamentos

Leia mais

Computação L2. Linguagem C++ Observação: Material Baseado na Disciplina Computação Eletrônica.

Computação L2. Linguagem C++ Observação: Material Baseado na Disciplina Computação Eletrônica. Computação L2 Linguagem C++ ovsj@cin.ufpe.br Observação: Material Baseado na Disciplina Computação Eletrônica. Alfabeto São os símbolos ( caracteres ) permitidos na linguagem: Letras (maiúsculas e minúsculas);

Leia mais

Compiladores - Gramáticas

Compiladores - Gramáticas Compiladores - Gramáticas Fabio Mascarenhas - 2013.1 http://www.dcc.ufrj.br/~fabiom/comp Análise Sintática A análise sintática agrupa os tokens em uma árvore sintática de acordo com a estrutura do programa

Leia mais

Análise Sintática. Eduardo Ferreira dos Santos. Outubro, Ciência da Computação Centro Universitário de Brasília UniCEUB 1 / 18

Análise Sintática. Eduardo Ferreira dos Santos. Outubro, Ciência da Computação Centro Universitário de Brasília UniCEUB 1 / 18 Análise Sintática Eduardo Ferreira dos Santos Ciência da Computação Centro Universitário de Brasília UniCEUB Outubro, 2016 1 / 18 Sumário 1 Introdução 2 Derivações 2 / 18 1 Introdução 2 Derivações 3 /

Leia mais

Expressões Regulares e Gramáticas Regulares

Expressões Regulares e Gramáticas Regulares Universidade Católica de Pelotas Escola de informática 053212 Linguagens Formais e Autômatos TEXTO 2 Expressões Regulares e Gramáticas Regulares Prof. Luiz A M Palazzo Março de 2007 Definição de Expressão

Leia mais

As fases de um compilador

As fases de um compilador As fases de um compilador Compilando um programa simples estrutura de um compilador formas de organização de um compilador processo de execução de uma linguagem de alto-nível Compilando um programa simples

Leia mais

As fases de um compilador

As fases de um compilador As fases de um compilador Paradigmas de LP Métodos de Implementação de LP Compilando um programa simples estrutura de um compilador formas de organização de um compilador processo de execução de uma linguagem

Leia mais

INE5622 INTRODUÇÃO A COMPILADORES

INE5622 INTRODUÇÃO A COMPILADORES INE5622 INTRODUÇÃO A COMPILADORES PLANO DE ENSINO Objetivo geral Conhecer o processo de especificação e implementação de linguagens de programação, a partir do estudo dos conceitos, modelos, técnicas e

Leia mais

Compiladores - Autômatos

Compiladores - Autômatos Compiladores - Autômatos Fabio Mascarenhas 2015.1 http://www.dcc.ufrj.br/~fabiom/comp Especificação x Implementação Usamos expressões regulares para dar a especificação léxica da linguagem Mas como podemos

Leia mais

CAP. VI ANÁLISE SEMÂNTICA

CAP. VI ANÁLISE SEMÂNTICA CAP. VI ANÁLISE SEMÂNTICA VI.1 Introdução Semântica SIGNIFICADO, SENTIDO LÓGICO, COERÊNCIA,... Diferença entre SINTAXE e SEMÂNTICA Sintaxe : descreve as estruturas de uma linguagem; Semântica : descreve

Leia mais

SEMÂNTICA. Rogério Rocha. rode = program simples = var x : int := 3 in x := x + 5 end.

SEMÂNTICA. Rogério Rocha. rode = program simples = var x : int := 3 in x := x + 5 end. SEMÂNTICA program simples = var x : int := 3 in x := x + 5 end. rode =? Rogério Rocha Roteiro Introdução Sintaxe Semântica Dinâmica (Métodos formais) Operacional Axiomática Denotacional Estática Conclusão

Leia mais

O que é uma variável?

O que é uma variável? Escopo, Ligação e Ambiente de Execução mleal@inf.puc-rio.br 1 O que é uma variável? Uma variável pode ser definida como uma tupla r nome é um string usado para

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO COMPILADOR PARA A LINGUAGEM SIMPLE

DESENVOLVIMENTO DO COMPILADOR PARA A LINGUAGEM SIMPLE DESENVOLVIMENTO DO COMPILADOR PARA A LINGUAGEM SIMPLE Jeferson MENEGAZZO 1, Fernando SCHULZ 2, Munyque MITTELMANN 3, Fábio ALEXANDRINI 4. 1 Aluno 5ª fase do Curso de Ciência da Computação do Instituto

Leia mais

Curso: Ciência da Computação Turma: 6ª Série. Teoria da Computação. Aula 3. Autômatos Finitos

Curso: Ciência da Computação Turma: 6ª Série. Teoria da Computação. Aula 3. Autômatos Finitos Curso: Ciência da Computação Turma: 6ª Série Aula 3 Autômatos Finitos Alfabeto Alfabeto Conjunto finito de símbolos; Normalmente descrito por ; Exemplos: ={a, b} ={1, 2, 3} ={00, 11} Ø Alfabeto romano

Leia mais

FACULDADE BATISTA MINEIRA - CST Banco de Dados Estruturas de Dados - Variáveis

FACULDADE BATISTA MINEIRA - CST Banco de Dados Estruturas de Dados - Variáveis Variável, na Matemática, é um termo utilizado em substituição de outro, normalmente, desconhecido. É utilizado para representar um número ou um conjunto. No contexto da programação de computadores, uma

Leia mais

Análise sintática. Análise sintática. Top-down ou descendente. Com retrocesso: por tentativa e erro. Preditiva: para gramáticas LL(1) 09/04/2012

Análise sintática. Análise sintática. Top-down ou descendente. Com retrocesso: por tentativa e erro. Preditiva: para gramáticas LL(1) 09/04/2012 Análise sintática Função, interação com o compilador Análise descendente e ascendente Especificação e reconhecimento de cadeias de tokens válidas Implementação Tratamento de erros Prof. Thiago A. S. Pardo

Leia mais

Conceitos de Linguagens de Programação

Conceitos de Linguagens de Programação Conceitos de Linguagens de Programação Aula 04 Sintaxe e Semântica Edirlei Soares de Lima Sintaxe e Semântica A descrição de uma linguagem de programação envolve dois aspectos principais:

Leia mais

Introdução. Tradutores de Linguagens de Programação

Introdução. Tradutores de Linguagens de Programação Introdução Compiladores 1 Linguagens de programação são notações para se descrever computações para pessoas e para máquinas. Todo software executado em todos os computadores foi escrito em alguma linguagem

Leia mais

Implementação do Analisador Léxico

Implementação do Analisador Léxico Implementação do Analisador Léxico Ricardo Mendes do Nascimento Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI) Santo Ângelo RS Brasil rnascom@urisan.tche.br Resumo. Este artigo tem

Leia mais

Lembrando análise semântica. Compiladores. Implementação de esquemas de tradução L-atribuídos. Exemplo de implementação top-down (1)

Lembrando análise semântica. Compiladores. Implementação de esquemas de tradução L-atribuídos. Exemplo de implementação top-down (1) Lembrando análise semântica Compiladores Geração de código intermediário (1) Parser Bottom-up: squema S-atribuído sem problema Apenas atributos sintetizados squema L-atribuído: ok, mas deve-se usar variáveis

Leia mais

Compiladores Ciência e Tecnologia da Computação Engenharia Informática e de Computadores

Compiladores Ciência e Tecnologia da Computação Engenharia Informática e de Computadores Compiladores Ciência e Tecnologia da Computação Engenharia Informática e de Computadores Análise Semântica Universidade dos Açores Departamento de Matemática www.uac.pt/~hguerra Análise semântica 3ª etapa

Leia mais

CP Compiladores I Prof. Msc. Carlos de Salles

CP Compiladores I Prof. Msc. Carlos de Salles CP 5017.9 Prof. Msc. Carlos de Salles 1 - EMENTA O Processo de Compilação. Deteção e Recuperação de Erros. Introdução à geração de Código Intermediário. Geração de Código de Máquina. Otimização. Uma visão

Leia mais

Compiladores Aula 12. Celso Olivete Júnior.

Compiladores Aula 12. Celso Olivete Júnior. Aula 12 Celso Olivete Júnior olivete@fct.unesp.br Na aula de hoje Análise léxica Tabela de símbolos Análise sintática Análise semântica Geração de código intermediário Manipulação de erros Tabela de palavras

Leia mais

Operações Fechadas sobre LR s Aplicações

Operações Fechadas sobre LR s Aplicações a n Operações Fechadas sobre LR s Aplicações (H&U, 969),(H&U, 979), (H;M;U, 200) e (Menezes, 2002) (Sipser,997) Operações que preservam a propriedade de ser uma LR Existem muitas operações que, quando

Leia mais

Capítulo 1. Aspectos Preliminares

Capítulo 1. Aspectos Preliminares Capítulo 1 Aspectos Preliminares Tópicos do Capítulo 1 Razões para estudar conceitos de linguagens de programação Domínios de programação Critérios de avaliação de linguagens Influências no projeto de

Leia mais

Ferramentas Programação. UDESC - Prof. Juliano Maia 1

Ferramentas Programação. UDESC - Prof. Juliano Maia 1 Ferramentas Programação UDESC - Prof. Juliano Maia 1 Índice Seção 1 Linguagens de Programação Seção 2 Interpretador Seção 3 Compilador / Linkeditor Seção 4 Ambientes de Desenvolvimento UDESC - Prof. Juliano

Leia mais

Algoritmos e Programação

Algoritmos e Programação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Produção / Elétrica Parte 04 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

Análise Semântica: Verificação de Tipos

Análise Semântica: Verificação de Tipos Análise Semântica: Verificação de Tipos Introdução Verifica se as construções sintaticamente corretas possuem significado lógico dentro da linguagem Verifica a consistência da declaração e uso dos identificadores

Leia mais

Matemática Discreta para Ciência da Computação

Matemática Discreta para Ciência da Computação Matemática Discreta para Ciência da Computação P. Blauth Menezes blauth@inf.ufrgs.br Departamento de Informática Teórica Instituto de Informática / UFRGS Matemática Discreta para Ciência da Computação

Leia mais

Teoria da Computação. Unidade 3 Máquinas Universais. Referência Teoria da Computação (Divério, 2000)

Teoria da Computação. Unidade 3 Máquinas Universais. Referência Teoria da Computação (Divério, 2000) Teoria da Computação Referência Teoria da Computação (Divério, 2000) 1 L={(0,1)*00} de forma que você pode usar uma Máquina de Turing que não altera os símbolos da fita e sempre move a direita. MT_(0,1)*00=({0,1},{q

Leia mais

Introdução a Ciência da Computação

Introdução a Ciência da Computação Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Santa Helena Introdução a Ciência da Computação Bacharelado em Ciência da Computação Professor : Agnaldo da Costa 1 Camadas do Usuário

Leia mais

Construção de Compiladores Aula 5 - Variáveis

Construção de Compiladores Aula 5 - Variáveis Construção de Compiladores Aula 5 - Variáveis Bruno Müller Junior Departamento de Informática UFPR 26 de Agosto de 2014 1 Declaração de Variáveis Escopo das Variáveis Exemplo de Programa Esquema Instruções

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos

Linguagens Formais e Autômatos Linguagens Formais e Autômatos (notas da primeira aula 1 Definições básicas 1.1 Conjuntos Definição 1. Um conjunto é uma coleção de objetos, denominados elementos. Notação 1. Para indicar que um elemento

Leia mais

Algoritmos e Programação

Algoritmos e Programação ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

Leia mais

Linguagens Regulares, Operações Regulares

Linguagens Regulares, Operações Regulares Linguagens Regulares, Operações Regulares 1 Definição de Linguagem Regular Relembre a definição de linguagem regular: DEF: A linguagem aceita por um AF M é o conjunto de todos os strings que são aceitos

Leia mais

Anhanguera Educacional S.A. Centro Universitário Ibero-Americano

Anhanguera Educacional S.A. Centro Universitário Ibero-Americano O C++ foi inicialmente desenvolvido por Bjarne Stroustrup durante a década de 1980 com o objetivo de melhorar a linguagem de programação C, mantendo a compatibilidade com esta linguagem. Exemplos de Aplicações

Leia mais

ALGORITMOS 3ª Aula. 3. Introdução Tipos de dados, variáveis e operadores Tipos de dados

ALGORITMOS 3ª Aula. 3. Introdução Tipos de dados, variáveis e operadores Tipos de dados 3. Introdução Segundo alguns especialistas, qualquer programa de computador pode ser escrito utilizando apenas três estruturas básicas: Seqüência, Condição e Repetição. Isto significa que, na construção

Leia mais

CONCEITOS DE ALGORITMOS

CONCEITOS DE ALGORITMOS CONCEITOS DE ALGORITMOS Fundamentos da Programação de Computadores - 3ª Ed. 2012 Editora Prentice Hall ISBN 9788564574168 Ana Fernanda Gomes Ascênsio Edilene Aparecida Veneruchi de Campos Algoritmos são

Leia mais

LINGUAGENS FORMAIS E AUTÔMATOS

LINGUAGENS FORMAIS E AUTÔMATOS LINGUAGENS FORMAIS E AUTÔMATOS O objetivo deste curso é formalizar a idéia de linguagem e definir os tipos de sintaxe e semântica. Para cada sintaxe, analisamos autômatos, ue são abstrações de algoritmos.

Leia mais

Projeto de Compiladores. FIR Faculdade Integrada do Recife João Ferreira joaoferreira@fir.br 5 e 6 de março de 2007

Projeto de Compiladores. FIR Faculdade Integrada do Recife João Ferreira joaoferreira@fir.br 5 e 6 de março de 2007 Projeto de Compiladores FIR Faculdade Integrada do Recife João Ferreira joaoferreira@fir.br 5 e 6 de março de 2007 Agenda da Aula Resposta exercício da aula passada Revisão As Fases de Um Compilador Analisador

Leia mais

Teoria das Linguagens. Linguagens Formais e Autómatos (Linguagens)

Teoria das Linguagens. Linguagens Formais e Autómatos (Linguagens) Teoria das Lic. em Ciências da Computação Formais e Autómatos () Carla Mendes Dep. Matemática e Aplicações Universidade do Minho 2010/2011 Teoria das - LCC - 2010/2011 Dep. Matemática e Aplicações - Univ.

Leia mais

2 Teoria da Informação

2 Teoria da Informação 2 Teoria da Informação Neste capítulo apresentamos alguns conceitos básicos sobre Teoria da Informação que utilizaremos durante este trabalho. 2.1 Alfabeto, texto, letras e caracteres Um alfabeto Σ = (σ

Leia mais

Plano da aula. Compiladores. Os erros típicos são sintáticos. Análise Sintática. Usando Gramáticas. Os erros típicos são sintáticos

Plano da aula. Compiladores. Os erros típicos são sintáticos. Análise Sintática. Usando Gramáticas. Os erros típicos são sintáticos Plano da aula Compiladores Análise sintática (1) Revisão: Gramáticas Livres de Contexto 1 Introdução: porque a análise sintática? Noções sobre Gramáticas Livres de Contexto: Definição Propriedades Derivações

Leia mais

Análise semântica (continuação)

Análise semântica (continuação) Análise semântica (continuação) Função, interação com o compilador Tabela de símbolos Análise semântica Prof. Thiago A. S. Pardo 1 Estrutura geral de um compilador programa-fonte analisador léxico Tabela

Leia mais

Apresentação. !! Familiarização com os métodos de construção de compiladores de linguagens e com as técnicas de compilação mais habituais.

Apresentação. !! Familiarização com os métodos de construção de compiladores de linguagens e com as técnicas de compilação mais habituais. Apresentação Universidade dos Açores Departamento de Matemática www.uac.pt/~hguerra/!! Aquisição de conceitos sobre a definição de linguagens de programação.!! Familiarização com os métodos de construção

Leia mais

Linguagens de Programação Conceitos e Técnicas. Amarrações

Linguagens de Programação Conceitos e Técnicas. Amarrações Linguagens de Programação Conceitos e Técnicas Amarrações Conceituação Amarração (ou binding) é uma associação entre entidades de programação, tais como entre uma variável e seu valor ou entre um identificador

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Prof.ª Danielle Casillo

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Prof.ª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Prof.ª Danielle Casillo Nome: Teoria da Computação Créditos: 4 60 horas Período: 2010.2 Horário: segundas e quintas das 20:40 às 22:20

Leia mais

Algoritmo e Programação Matemática

Algoritmo e Programação Matemática Algoritmo e Programação Matemática Fundamentos de Algoritmos Parte 1 Renato Dourado Maia Instituto de Ciências Agrárias Universidade Federal de Minas Gerais Dados A funcionalidade principal de um computador

Leia mais

Hashing: conceitos. Hashing

Hashing: conceitos. Hashing Hashing: conceitos hashing é uma técnica conhecida como espalhamento, mapeamento ou randomização que tenta distribuir dados em posições aleatórias de uma tabela (array) associa cada objeto (de um determinado

Leia mais

Operações Regulares e Expressões Regulares

Operações Regulares e Expressões Regulares Operações Regulares e Expressões Regulares AFNs. Operações Regulares. Esquematicamente. O circulo vermelho representa o estado inicial q 0, a porção verde representa o conjunto de estados de aceitação

Leia mais

Compiladores Analisador Sintático. Prof. Antonio Felicio Netto Ciência da Computação

Compiladores Analisador Sintático. Prof. Antonio Felicio Netto Ciência da Computação Compiladores Analisador Sintático Prof. Antonio Felicio Netto antonio.felicio@anhanguera.com Ciência da Computação 1 Análise Sintática - A Análise Sintática constitui a segunda fase de um tradutor de uma

Leia mais

Descrição da Linguagem Pascal Jr.

Descrição da Linguagem Pascal Jr. Descrição da Linguagem Pascal Jr. Características gerais PascalJr possui convenções de tipos igual a linguagem Pascal PascalJr suporta definições de funções Com passagem de parâmetros por valor e por referência

Leia mais

QUESTÃO 1 (0,6 ponto) Classifique os processadores de linguagens com relação aos tipos das linguagens-fonte e objeto.

QUESTÃO 1 (0,6 ponto) Classifique os processadores de linguagens com relação aos tipos das linguagens-fonte e objeto. COMPILADORES Prof. Marcus Ramos Prova 1 07 de março de 2012 QUESTÃO 1 (0,6 ponto) Classifique os processadores de linguagens com relação aos tipos das linguagens-fonte e objeto. Tanto a linguagem-fonte

Leia mais