Rede de Cooperação Acadêmica para a Formação em Gestão Internacional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rede de Cooperação Acadêmica para a Formação em Gestão Internacional"

Transcrição

1 Rede de Cooperação Acadêmica para a Formação em Gestão Internacional COORDENADOR GERAL: Universidade Federal da Bahia Núcleo de Pós Graduação em Administração (NPGA) Carlos Roberto Sanchez Milani Coordenador UFBA: Elsa S. Kraychete Equipe UFBA: André Nascimento dos Santos Andréa Ventura Antônio Costa Cristina Almeida de Freitas Jorge Câmara José Célio Silveira Andrade Kristian Brito Pasini Luana Farias Milena Mendonça Tacilla da Costa e Sá Siqueira Santos INSTITUIÇÃO ASSOCIADA: Universidade Federal de Alagoas Coordenador: Júlio Gomes da Silva Neto Equipe: Luciana Peixoto Santa Rita João Martins Tude INSTITUIÇÃO ASSOCIADA: Universidad de Colima Coordenadora: María Gabriela Gildo de La Cruz Equipe: Maria Elena Romero INSTITUIÇÃO ASSOCIADA: Universidad Complutense de Madrid Coordenador: Bruno Ayllón Pino Equipe:

2 Rosa de la Fuente Fernández Enara Echart Muñoz INSTITUIÇÃO ASSOCIADA: Universidad Nacional de Cordoba Coordenadora: Dora Estela Celton Equipe: Corina ECHAVARRÍA Horacio Javier Etchichury Susana Ethel Roitman INSTITUIÇÃO ASSOCIADA: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Coordenador: Carlos Schmidt Arturi Equipe: Alexander Arciniegas Carreño A importância do estudo, pesquisa e formação em gestão internacional tem crescido significativamente no Brasil. Entretanto, estudos recentes realizados por consultores da CAPES/MEC revelam a pouca atenção dada nos programas e currículos brasileiros à gestão internacional e às organizações internacionais pelas Escolas de Administração Diante deste cenário, busca-se, por meio deste projeto, formar uma rede interdisciplinar de formação e pesquisa em gestão internacional. A formação desta rede prevê o desenvolvimento das seguintes ações: desenvolver a disciplina de Relações Internacionais nas graduações em administração das universidades parceiras; dar continuidade ao Curso de Especialização em Relações Internacionais ofertado pelo NPGA-UFBA, envolvendo os parceiros da rede; promover, bienalmente, a Semana de Relações Internacionais ; desenvolver seminários temáticos e pontuais de pesquisa graças à participação dos membros desta rede, tanto em Salvador (UFBA) quanto em Maceió (UFAL), assegurando a difusão dos conhecimentos no Nordeste do Brasil; integrar os resultados das pesquisas desenvolvidas no âmbito das disciplinas de pós-graduação do NPGA/UFBA, da FFCH/UFBA e da UFRGS/Mestrado em Relações Internacionais; dar manutenção ao Portal LABMUNDO (www.labmundo.org), visando a disponibilizar as informações disponíveis sobre esta área do conhecimento e a capacitar e qualificar profissionais oriundos de organizações do setor público, das empresas e das organizações da sociedade civil; orientar, ao longo de quatro anos, doze mestres e seis doutores nas linhas de pesquisa apresentadas neste projeto.

3 Vale ressaltar que esta rede trabalhará com duas principais linhas de pesquisa e ensino: Linha 1: Globalização e novos atores do sistema-mundo contemporâneo; Linha 2: Organizações internacionais e governança mundial. A Rede de Formação em Gestão Internacional inicialmente será composta pelas seguintes universidades: Universidade Federal da Bahia, Universidade Federal de Alagoas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Universidad Complutense de Madrid, Universidad Nacional de Córdoba e Universidad de Colima. Entretanto, outras universidades já manifestaram interesse em se agregar a esta rede, como: a Universidad Nacional de Educación a Distancia (Espanha), Universidade Nova de Lisboa (Portugal), University of Cambridge (Reino Unido), London Metropolitan University (Reino Unido), Helsingin Yliopisto (Finlândia), Osterreichische Lateinamerika Institut (Áustria), Universidad de Guadalajara (México), Universidad de La Habana (Cuba), Universidad de Costa Rica (Costa Rica), Universidad de La República (Uruguai) e Universidad Piloto de Colombia (Colômbia). JUSTIFICATIVA A importância do estudo, pesquisa e formação em gestão internacional tem crescido significativamente no Brasil. Isso ocorre em função de vários fatores: o avanço da globalização da economia e a expansão comercial nos anos 1990; o desenvolvimento das novas tecnologias de informação e de seu principal vetor de comunicação a Internet; a maior proximidade entre indivíduos e organizações propiciada pelo acesso freqüente a informações sobre eventos internacionais graças à redução drástica dos custos de comunicação e transporte; o aumento do interesse dos cidadãos e da opinião pública por temas mundiais relativos ao meio ambiente, aos conflitos regionais, ao protecionismo comercial; as estratégias de internacionalização das redes, movimentos, ONGs e empresas; a crescente integração pela política externa brasileira de componentes culturais, comerciais, sociais e econômicos; a importância dada por entidades subnacionais a uma atuação internacional dinâmica e articulada, demonstrada, por exemplo, pela criação de secretarias de cooperação internacional em inúmeras capitais dos estados da federação brasileira, inclusive em Salvador. Apesar da relevância que adquire o fenômeno da globalização nos dias atuais e da natureza estratégica de uma inserção internacional coerente por parte dos atores institucionais e das organizações nacionais e regionais, estudos recentes realizados por consultores da CAPES/MEC revelam a pouca atenção dada nos programas e currículos brasileiros à gestão internacional e às organizações internacionais pelas Escolas de Administração.

4 No campo da Administração, a concepção de Gestão Internacional tem sido associada normalmente a negócios internacionais, excluindo, portanto a gestão internacional praticada por redes e movimentos transnacionais, redes de cidades, mecanismo de internacionalização de entidades subnacionais (províncias, estados federados e municípios) e própria renovação do multilateralismo, praticado por organizações internacionais, por exemplo, no campo da governança ambiental global. Logo, é necessária a ampliação deste campo conceitual na área da administração. Além disso, sabe-se que os estudos sobre relações internacionais e gestão internacional estão concentrados no eixo sul-sudeste do Brasil. Com isso, as poucas pesquisas nesse campo científico e os olhares sobre as problemáticas internacionais ainda são marcados pela disparidade regional, fazendo com que o pensamento científico sobre a gestão internacional, a política mundial, os estudos sobre os impactos positivos e negativos da globalização no desenvolvimento das regiões e as análises estratégicas acerca da inserção das organizações contemporâneas nos processos de globalização estejam concentrados no sul e sudeste do país. O Nordeste e a Bahia em particular encontram-se, por conseqüência, excluídos dessa tendência contemporânea considerada central pelos principais formuladores de política externa e de estratégias de internacionalização. Essa disparidade pode parecer paradoxal, haja vista o grau de internacionalização da economia das demais regiões do Brasil e de sua integração com a globalização econômica. Além da economia, também a sociedade brasileira como um todo vem abrindo-se cada vez mais ao campo das relações internacionais, sobretudo no que diz respeito às dimensões culturais, turísticas, histórico-patrimoniais e comerciais de sua estratégia de desenvolvimento. OBJETIVOS Objetivo geral Formar uma rede interdisciplinar de formação e pesquisa em gestão internacional. Considera-se que um dos requisitos fundamentais para atender aos desafios múltiplos e complexos da globalização é justamente a qualificação de profissionais que atuam na área internacional em organizações envolvidas com esses processos, particularmente seus gestores, analistas de conjuntura e gerentes de projetos internacionais (no setor público, nas empresas e nas organizações da sociedade civil). Não menos relevante é a qualificação na área de gestão internacional, em particular, e das Relações Internacionais, em geral, de alunos e professores interessados por este campo interdisciplinar de pesquisa e ensino. Assim, fomentar atividades de

5 pesquisa e ensino sobre temas relacionados a gestão internacional constitui-se no objetivo central deste projeto. Para tanto, este projeto propõe a constituição de parcerias em rede com universidades nacionais e estrangeiras, com a finalidade de ampliar o debate e promover pesquisas em torno de duas linhas de pesquisa desenvolvidas via projetos, atividades docentes de graduação e pós-graduação stricto e lato sensu, publicações e orientação de monografias, dissertações e teses quais sejam: 1)globalização e novos atores do sistema-mundo contemporâneo; 2) organizações internacionais e governança mundial. De um ponto de vista mais abrangente, buscar compreender o sistema-mundo contemporâneo, analisar a configuração da política mundial e as estratégias de transnacionalização dos atores políticos, operadores econômicos e movimentos sociais, a partir das grandes transformações sociais, históricas, econômicas, políticas e culturais que marcam a Terceira Revolução Industrial entre os anos 1970 e o final do século XX, constitui-se no eixo estruturante do conjunto de pesquisas desenvolvidas por esta rede proposta. Essas transformações são caracterizadas, inter alia, pelos seguintes aspectos: a consolidação dos processos de globalização econômica e suas distintas dimensões (comerciais, financeiras, tecnológicas, políticas, culturais, sociais) que acentuam as tensões entre integração e fragmentação, interdependência e autonomia, inclusão e exclusão; o domínio do global e do transnacional sobre o nacional como lócus de poder, de decisão e de regulação dos conflitos e de definição das estratégias de desenvolvimento; a expansão da lógica privada e empresarial em detrimento dos interesses públicos e dos bens coletivos; a mudança das concepções sobre o território e seu planejamento, haja vista os rebatimentos regionais e locais da globalização em termos de desenvolvimento, sobretudo em países periféricos e semi-periféricos da ordem mundial; a transformação do Estado-nação e a redefinição da política evoluindo de uma dinâmica de atores exclusivos e monolíticos para uma perspectiva multi-atorial das relações internacionais; o fim de Guerra Fria e colapso da URSS, com seus impactos significativos na constituição de uma nova hegemonia global. Por meio de suas pesquisas e atividades de ensino, esta rede visa, assim, a qualificar profissionais atuantes na área internacional em organizações do setor público, nas empresas e nas organizações da sociedade civil, bem como a capacitar discentes e docentes das universidades e faculdades, inclusive encetando jovens estudantes na iniciação científica no campo das relações internacionais e integrando-os ao circuito mais amplo de pesquisadores com os quais esta rede está integrada. Objetivos específicos

6 1) Compreender a dinâmica da globalização em suas múltiplas dimensões (financeira, tecnológica, comercial) e o deslocamento entre economia financeira e economia real, buscando descrever as conseqüências desse fenômeno nos âmbitos político, social, econômico e cultural; 2) Estabelecer uma cartografia analítica e uma tipologia das principais organizações e atores da globalização, estudando traços marcantes dessas organizações, seus objetivos e propostas, por meio de documentos institucionais e publicações acadêmicas, bem como pela realização de entrevistas com algumas de suas lideranças e representantes mais importantes; 3) Integrar a análise das estratégias de transnacionalização das redes, movimentos sociais e organizações no re-ordenamento do papel dos atores e da percepção das relações internacionais, a partir das três últimas décadas, com ênfase na compreensão da complexidade do processo de globalização e da nova ordem mundial desde o fim da guerra fria; 4) Compreender o papel das organizações internacionais e das agências de cooperação na constituição de sistemas de governança mundial e regional, na definição de modelos de desenvolvimento econômico e social, na evolução dos processos de integração regional e na negociação de regimes de governança ambiental e de regimes de propriedade intelectual; 5) Contribuir para o fortalecimento dos cursos de Mestrado e Doutorado em Administração do NPGA-UFBA, integrando os resultados das pesquisas desenvolvidas pela rede às disciplinas ofertadas; 6) Estimular a criação, o fortalecimento e a ampliação de áreas de concentração em Gestão Internacional em programas de pós-graduação, stricto sensu, de Administração, existentes no País; 7) Ampliar a produção científica sobre questões relacionadas à Gestão Internacional, resignificando o próprio sentido deste campo analítico; 8) Apoiar a formação de recursos humanos em nível de pós-graduação stricto sensu capacitados para atuar no ensino de gestão internacional na graduação e pós-graduação. 9) Fomentar a formação de novos pesquisadores na área de gestão e relações internacionais, por meio de bolsas pós-doutoramento, de iniciação científica e de trabalhos monográficos e dissertações nos programas de pós-graduação em que atuam os professores pesquisadores desta rede;

7 10) Assegurar ampla difusão dos resultados das pesquisas desenvolvidas, por meio do portal ÁREAS TEMÁTICAS, LINHAS DE PESQUISA E ENSINO Esta rede trabalhará com duas principais linhas de pesquisa e ensino, como apresentadas a seguir: Linha 1: Globalização e novos atores do sistema-mundo contemporâneo Esta linha de pesquisa integra a análise das estratégias de transnacionalização das redes, movimentos sociais e organizações no re-ordenamento do papel dos atores e da percepção das relações internacionais, a partir das três últimas décadas, com ênfase na compreensão da complexidade do processo de globalização e da nova ordem mundial desde o fim da guerra fria (e suas conseqüências), a unificação européia e afirmação hegemônica dos EUA. Interessa conhecer quatro desdobramentos desta temática, a saber: a) Estratégias de cooperação e conflito na análise da ordem econômica mundial contemporânea, cartografia analítica dos atores da globalização e os instrumentos da ação coletiva e dos movimentos sociais transnacionais; b) O ideal de justiça global na formação da política alternativa que move a transnacionalização das organizações da sociedade civil, sua relação com o Estado e as instituições globais, por meio dos movimentos sociais; c) Os novos sentidos das tensões entre o público e o privado na configuração da gestão e das organizações contemporâneas e a redefinição dos papéis e das capacitações dos atores sociais; d) O poder e a função da comunicação e as novas tecnologias da informação (NTIs) na ação dos indivíduos nas organizações e a reestruturação das atividades materiais e simbólicas na sociedade contemporânea. Linha 2: Organizações internacionais e governança mundial Esta linha de pesquisa visa a compreender o papel das organizações internacionais na constituição de regimes e sistemas de governança mundial, desmistificando os discursos sobre a boa governança através da análise de quatro campos temáticos que emergiram na agenda mundial de negociações: a) governança global e espaços regionais de integração; b) meio ambiente como problema internacional e governança ambiental global; c) regime global de propriedade intelectual nos campos da biotecnologia e na gestão dos conhecimentos tradicionais; d) organizações internacionais e agências de cooperação internacional para o desenvolvimento. AÇÕES PREVISTAS

8 A formação desta rede prevê o desenvolvimento das seguintes ações: 1) Dar continuidade ao desenvolvimento da disciplina de Relações Internacionais na graduação da UFBA, disciplina oferecida na modalidade opcional aos cursos de Administração e outros das ciências sociais (aplicados ou não), ampliando esta oferta para outros cursos de graduação das universidades parceiras, fazendo uso, inclusive, de ferramentas de ensino a distância. 2) Dar continuidade ao Curso de Especialização em Relações Internacionais ofertado pelo NPGA- UFBA, envolvendo os parceiros da rede, com o objetivo geral de formar profissionais de nível superior capazes de analisar, relacionar e multiplicar conhecimentos e práticas relativos à área de gestão internacional, em particular, e das relações Internacionais, no geral, no âmbito de seus respectivos campos profissionais, e com os seguintes objetivos específicos: contribuir para a reciclagem e formação continuada de funcionários públicos e professores interessados pela área de Relações Internacionais; estimular a reflexão e a análise substantiva sobre temas da agenda mundial por gerentes, gestores e diretores de organizações privadas e do Terceiro Setor responsáveis por projetos comerciais, negociações internacionais, projetos culturais e projetos de desenvolvimento; proporcionar a estudantes recém graduados o desenvolvimento de capacidades analíticas aplicadas à dimensão internacional da gestão, da política e da economia. 3) Promover, bienalmente, a Semana Baiana de Relações Internacionais, com o obetivo geral de colocar em diálogo as distintas concepções (clássicas e contemporâneas, modernas, críticas e pós-modernas) acerca da fronteira nas relações internacionais, evidenciando a evolução dos discursos teóricos e das estratégias dos atores que vêm contribuindo para a transformação dos significados de identidade, território, nação, regulação e solidariedade na política mundial contemporânea, e com os seguintes objetivos específicos: promover debates de alto nível teórico e com a participação de pesquisadores nacionais e internacionais acerca das transformações contemporâneas das relações internacionais, contribuindo, assim, para a renovação das agendas locais de pesquisa e o contato direto de pesquisadores da região com concepções reconhecidas e visões inovadoras no campo das Relações Internacionais, tanto de âmbito nacional quanto internacional; fomentar o desenvolvimento e consolidação de redes entre grupos de pesquisas regionais que trabalham no campo da Gestão Internacional, em particular, e das Relações Internacionais, no geral; despertar o interesse do meio acadêmico local e regional, e do público de uma forma geral, para a importância estratégica das Relações Internacionais na atualidade, em particular no que diz respeito às diferentes formas e expressões da fronteira (fronteira nacional, fronteira econômica, fronteira de gênero, de cultura, ambiental) na política e gestão mundial contemporânea.

9 4) Desenvolver seminários temáticos e pontuais de pesquisa graças à participação dos membros desta rede tanto em Salvador (UFBA) quanto em Maceió (UFAL), assegurando a difusão dos conhecimentos no Nordeste do Brasil. 5) Integrar os resultados das pesquisas desenvolvidas no âmbito das disciplinas de pós-graduação do NPGA/UFBA (nova disciplina: Globalização, Governança e Organizações Internacionais), da FFCH/UFBA (nova disciplina: Contestação Política e Globalização na Ordem Social Contemporânea), e da UFRGS/Mestrado em Relações Internacionais. 6) Manutenção do Portal LABMUNDO (www.labmundo.org), visando a disponibilizar as informações disponíveis sobre esta área do conhecimento e a capacitar e qualificar profissionais oriundos de organizações do setor público, das empresas e das organizações da sociedade civil. 7) Orientar, ao longo de quatro anos, doze mestres e seis doutores nas linhas de pequisa apresentadas neste projeto. RESULTADOS ESPERADOS / IMPACTOS PREVISTOS 1) Desenvolvimento da rede por meio de seminários abertos debatendo temas de relevância internacional e desenvolvimento das linhas de pesquisa por meio de projetos e publicações (pelo menos 5 artigos avulsos publicados e uma coletânea); 2) Desenvolvimento e consolidação da área de Gestão Internacional na graduação e pósgraduação, integrando pesquisadores, professores e estudantes por meio de palestras, oficinas, oferta de disciplinas e orientações; 3) Desenvolvimento de duas conferências internacionais integrando professores, pesquisadores e estudantes em debates sobre temas da atualidade internacional; 5) Difusão dos resultados das pesquisas por meio de um portal e do Boletim trimestral de análise da conjuntura internacional; 6) Desenvolvimento das disciplinas de pós-graduação no âmbito do NPGA/UFBA (nova disciplina: Globalização, Governança e Organizações Internacionais), da FFCH/UFBA (nova disciplina: Contestação Política e Globalização na Ordem Social Contemporânea), e da UFRGS/Mestrado em Relações Internacionais;

10 7) Formação, ao longo de quatro anos, de pelos menos doze mestres e seis doutores nas área temáticas apresentadas; 8) Formação, ao longo de quatro anos, de 500 alunos de graduação em gestão internacional, em particular, e relações internacionais, em geral; 9) Formação, ao longo de quatro anos de 60 especialistas em relações internacionais. 10) Publicação de, ao longo dos quatro anos, pelo menos quarenta artigos sobre a temática Gestão Internacional, por todos os pesquisadores envolvidos.

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Ana Carolina Rosso de Oliveira Bacharel em Relações Internacionais pela Faculdades Anglo-Americano, Foz do Iguaçu/PR Resumo:

Leia mais

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Brasília, 25 de novembro de 2009 1 POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO,

Leia mais

Resumo do Projeto de Elaboração de Indicadores de Integração de TICs na Educação para os países da região Iberoamericana

Resumo do Projeto de Elaboração de Indicadores de Integração de TICs na Educação para os países da região Iberoamericana Resumo do Projeto de Elaboração de Indicadores de Integração de TICs na Educação para os países da região Iberoamericana O IDIE - Instituto para o Desenvolvimento e Inovação Educativa, especializado em

Leia mais

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A indissociabilidade entre ensino/produção/difusão do conhecimento

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

SÚMULA DA 53ª REUNIÃO DA CÂMARA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO, REALIZADA EM 09.11.2006 INÍCIO: 08:30 hs. - ENCERRAMENTO: 12:00 hs.

SÚMULA DA 53ª REUNIÃO DA CÂMARA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO, REALIZADA EM 09.11.2006 INÍCIO: 08:30 hs. - ENCERRAMENTO: 12:00 hs. SÚMULA DA 53ª REUNIÃO DA CÂMARA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO, REALIZADA EM 09.11.2006 INÍCIO: 08:30 hs. - ENCERRAMENTO: 12:00 hs. CÂMARA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO: 01 - Processo nº 25/2006 Unidade Universitária:

Leia mais

DECLARAÇÃO DE BRASÍLIA

DECLARAÇÃO DE BRASÍLIA DECLARAÇÃO DE BRASÍLIA Os Governadores e Governadoras, Intendentas e Intendentes, Prefeitas e Prefeitos do MERCOSUL reunidos no dia 16 de julho de 2015, na cidade de Brasília DF, por meio do Foro Consultivo

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

Catálogo do Curso de Especialização em Educação Ambiental com Ênfase em Espaços Educadores Sustentáveis

Catálogo do Curso de Especialização em Educação Ambiental com Ênfase em Espaços Educadores Sustentáveis Catálogo do Curso de Especialização em Educação Ambiental com Ênfase em Espaços Educadores Sustentáveis 1. Dados Gerais 1. Área Temática: Educação Ambiental 2. Nome do curso: Educação Ambiental com Ênfase

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS ESTUDOS REGIONAIS, TEMAS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS E TÓPICOS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS 2 /2015 TURNO MANHÃ

EMENTAS DAS DISCIPLINAS ESTUDOS REGIONAIS, TEMAS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS E TÓPICOS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS 2 /2015 TURNO MANHÃ EMENTAS DAS DISCIPLINAS ESTUDOS REGIONAIS, TEMAS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS E TÓPICOS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS 2 /2015 TURNO MANHÃ Temas em Relações Internacionais I 4º Período Turno Manhã Título da

Leia mais

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Existe a compreensão evidente por parte das lideranças empresariais, agentes de mercado e outros formadores de opinião do setor privado

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Círculo de Cultura: Eixo 1 - A educação que emancipa frente às injustiças, desigualdades e vulnerabilidades. EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Cezar Luiz De Mari

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E URBANO ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM PROCESSOS URBANOS E REGIONAIS DO DESENVOLVIMENTO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E URBANO ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM PROCESSOS URBANOS E REGIONAIS DO DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E URBANO Áreas de Concentração / Linhas de Pesquisa ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM PROCESSOS URBANOS E REGIONAIS DO DESENVOLVIMENTO As transformações em curso

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS São Paulo Presença nacional, reconhecimento mundial. Conheça a Fundação Dom Cabral Uma das melhores escolas de negócios do mundo, pelo ranking de educação executiva

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

SANTOS, B. S. Os processos da globalização In SANTOS, B. S. (org) (2001), Globalização Fatalidade ou utopia, Porto, Edições Afrontamento, pp.

SANTOS, B. S. Os processos da globalização In SANTOS, B. S. (org) (2001), Globalização Fatalidade ou utopia, Porto, Edições Afrontamento, pp. SANTOS, B. S. Os processos da globalização In SANTOS, B. S. (org) (2001), Globalização Fatalidade ou utopia, Porto, Edições Afrontamento, pp. 31-50 2º Ano ASE Sociologia do Desenvolvimento e da Mudança

Leia mais

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 -

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - O Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação é um curso da área de informática e tem seu desenho curricular estruturado por competências

Leia mais

Esforços Regionais e Redes: no Caminho da Qualidade na Gestão Acadêmica

Esforços Regionais e Redes: no Caminho da Qualidade na Gestão Acadêmica 1ª Conferência do FORGES Universidade de Lisboa e Universidade de Coimbra Portugal 14 a 16 de Novembro de 2011 Esforços Regionais e Redes: no Caminho da Qualidade na Gestão Acadêmica Pesquisadoras: Maria

Leia mais

Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária

Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária Paulo Gabriel Soledade Nacif, Murilo Silva de Camargo Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

O DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: NO CONTEXTO REAL DO TRABALHO

O DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: NO CONTEXTO REAL DO TRABALHO O DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: NO CONTEXTO REAL DO TRABALHO Marcia Akemi Yamada 1 Soraia Kfouri Salerno 2 Resumo Uma das premissas do trabalho docente na Instituição do Ensino Superior (IES) é a produção

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

Resenha Internet e Participação Política no Brasil

Resenha Internet e Participação Política no Brasil Resenha Internet e Participação Política no Brasil (Orgs. MAIA, Rousiley Celi Moreira; GOMES, Wilson; MARQUES, Paulo Jamil Almeida. Porto Alegre: Ed. Sulina, 2011.) Átila Andrade de CARVALHO 1 A democracia

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

REGIMENTO DA GERÊNCIA DE PROJETOS E RESPONSABILIDADE SOCIAL

REGIMENTO DA GERÊNCIA DE PROJETOS E RESPONSABILIDADE SOCIAL APROVADO Alterações aprovadas na 21ª reunião do Conselho Superior realizada em 30/12/2009. REGIMENTO DA GERÊNCIA DE PROJETOS E RESPONSABILIDADE SOCIAL Art. 1º - O presente Regimento institucionaliza e

Leia mais

Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática

Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática Anais do VIII ENEM Mesa Redonda 1 Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática Tânia Maria Mendonça Campos - tania@pucsp.br A Pós-Graduação é a Unidade Universitária responsável pela formação de recurso

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

JUVENTUDE E PARTICIPAÇÃO: ANÁLISE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DIRIGIDAS AOS JOVENS NA CIDADE DE NITERÓI BASTOS, CARRANO, GT:

JUVENTUDE E PARTICIPAÇÃO: ANÁLISE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DIRIGIDAS AOS JOVENS NA CIDADE DE NITERÓI BASTOS, CARRANO, GT: JUVENTUDE E PARTICIPAÇÃO: ANÁLISE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DIRIGIDAS AOS JOVENS NA CIDADE DE NITERÓI BASTOS, Priscila da Cunha UFF CARRANO, Paulo Cesar Rodrigues UFF GT: Movimentos Sociais e Educação

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

A ÁREA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E O PAPEL DAS IES COMUNITÁRIAS NO SISTEMA NACIONAL DE PG

A ÁREA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E O PAPEL DAS IES COMUNITÁRIAS NO SISTEMA NACIONAL DE PG A ÁREA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E O PAPEL DAS IES COMUNITÁRIAS NO SISTEMA NACIONAL DE PG Jorge Audy (audy@pucrs.br) Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação da PUCRS Este texto procura abordar dois temas

Leia mais

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração Cursos de Administração: qualidade necessária XIV Fórum Internacional de Administração Rio de Janeiro, 18 de maio de 2015 ENSINAR, APRENDER, AVALIAR... TRAJETÓRIA DA AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO SUPERIOR CAPES avaliação

Leia mais

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História 1. Apoio institucional. Clara manifestação de apoio por parte da IES proponente, expressa tanto no provimento da infraestrutura necessária,

Leia mais

Cooperação internacional e pósgraduação. VIII Congresso Brasileiro de Epidemiologia XVIII IEA Congress of Epidemiology Porto Alegre 2008

Cooperação internacional e pósgraduação. VIII Congresso Brasileiro de Epidemiologia XVIII IEA Congress of Epidemiology Porto Alegre 2008 Cooperação internacional e pósgraduação VIII Congresso Brasileiro de Epidemiologia XVIII IEA Congress of Epidemiology Porto Alegre 2008 Papel da educação superior Fundamental para o desenvolvimento econômico

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

Plan International e IIDAC com recursos do Fundo União Europeia

Plan International e IIDAC com recursos do Fundo União Europeia INSTITUTO INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO DA CIDADANIA TERMO DE REFERÊNCIA No. 012/2015 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR PRODUTO 1. PROJETO Pontes para o Futuro 2. RECURSOS

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944

Leia mais

VII ENCONTRO ENSINO EM ENGENHARIA

VII ENCONTRO ENSINO EM ENGENHARIA VII ENCONTRO ENSINO EM ENGENHARIA PROGRAMA COOPERATIVO UMA REFLEXÃO SOBRE O PERFIL DO ENGENHEIRO INDUSTRIAL DO CEFET-RJ. José dos Santos Bastos Lilian Martins da Motta Dias Leydervan de Souza Xavier Jorge

Leia mais

DECRETO Nº. III - criação de estrutura de financiamento pública e transparente para a extensão universitária;

DECRETO Nº. III - criação de estrutura de financiamento pública e transparente para a extensão universitária; DECRETO Nº. Institui o Plano Nacional de Extensão Universitária PNExt Art. 1º Fica instituído o Plano Nacional de Extensão Universitária PNExt constante deste Decreto, com o objetivo de promover a política

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROGRAMA (MESTRADO) NOTA 3

CARACTERÍSTICAS DE UM PROGRAMA (MESTRADO) NOTA 3 CAPES - ÁREA DE ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA ÁREA 46 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA PROGRAMAS ACADÊMICOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CARACTERÍSTICAS DE UM PROGRAMA (MESTRADO) NOTA 3 Para obter nota

Leia mais

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1. ISCTE Instituto Universitário de Lisboa

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1. ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrados ENSINO PÚBLICO 1. ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrado em Ciência Política O mestrado em Ciência Política tem a duração de dois anos, correspondentes à obtenção 120 créditos ECTS,

Leia mais

Produção e publicação científica no curso de Relações Públicas da UNEB 1

Produção e publicação científica no curso de Relações Públicas da UNEB 1 Produção e publicação científica no curso de Relações Públicas da UNEB 1 Adalberto GÓES 2 Bruna CALASANS 3 Camila OLIVEIRA 4 Franciele VIANA 5 Francyele FRAGA 6 Nara ESPIÑEIRA 7 Resumo O presente trabalho

Leia mais

DIMENSÕES INTEGRADORAS DO ENSINO E PESQUISA DE ÉTICA PROFISSIONAL EM BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO NO BRASIL:

DIMENSÕES INTEGRADORAS DO ENSINO E PESQUISA DE ÉTICA PROFISSIONAL EM BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO NO BRASIL: DIMENSÕES INTEGRADORAS DO ENSINO E PESQUISA DE ÉTICA PROFISSIONAL EM BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO NO BRASIL: um olhar a partir da UFSC e da UNESP-Marília FRANCISCO DAS CHAGAS DE SOUZA (em estágio

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

PROVA GEOGRAFIA 1 o TRIMESTRE DE 2010

PROVA GEOGRAFIA 1 o TRIMESTRE DE 2010 PROVA GEOGRAFIA 1 o TRIMESTRE DE 2010 PROF. FERNANDO NOME N o 8 o ANO A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta azul ou preta.

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E RELAÇÕES GOVERNAMENTAIS

PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E RELAÇÕES GOVERNAMENTAIS PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E RELAÇÕES GOVERNAMENTAIS Parceria: Ingresso Agosto 2015 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba Pós-Graduação em Política e Relações Governamentais O programa objetiva

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

Linha 1: Estado, Território e Dinâmicas Sócio-ambientais na Amazônia. Linha 2: Produção Discursiva e Dinâmicas Sócio-Territoriais na Amazônia

Linha 1: Estado, Território e Dinâmicas Sócio-ambientais na Amazônia. Linha 2: Produção Discursiva e Dinâmicas Sócio-Territoriais na Amazônia Áreas de Concentração e Linhas de Pesquisa Dinâmicas Territoriais e Sociedade na Amazônia Linhas de Pesquisa: Linha 1: Estado, Território e Dinâmicas Sócio-ambientais na Amazônia Investiga a região amazônica

Leia mais

Coordenação: João Henrique Lara do Amaral Cynthya Almeida Coradi Relatoria: Stela Maris Aguiar Lemos

Coordenação: João Henrique Lara do Amaral Cynthya Almeida Coradi Relatoria: Stela Maris Aguiar Lemos RELATÓRIO OFICINA FNEPAS ESTADUAL MINAS GERAIS INTEGRALIDADE E QUALIDADE NA FORMAÇÃO E NAS PRÁTICAS EM SAÚDE: Integrando Formação, Serviços, Gestores e Usuários Local: COBEM Uberlândia Data: 22 de outubro

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

GOVERNO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Cultura Plano Estadual de Cultura

GOVERNO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Cultura Plano Estadual de Cultura GOVERNO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Cultura INTRODUÇÃO A Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro (SEC) está coordenando a elaboração do Plano Estadual de Cultura, a partir do diálogo

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

RESOLUÇÃO CUNI Nº XXXX

RESOLUÇÃO CUNI Nº XXXX RESOLUÇÃO CUNI Nº XXXX Aprova o Projeto Acadêmico CECANE/UFOP. O Conselho Universitário da Universidade Federal de Ouro Preto, em sua xxxx reunião ordinária, realizada em xxx de xxx de 2011, no uso de

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

INDICADORES DE QUALIDADE DA EDUCAÇÃO SUPERIOR revisando as medidas de qualidade da ES

INDICADORES DE QUALIDADE DA EDUCAÇÃO SUPERIOR revisando as medidas de qualidade da ES III ENCONTRO do CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR INDICADORES DE QUALIDADE DA EDUCAÇÃO SUPERIOR revisando as medidas de qualidade da ES Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES Foz do Iguaçu Novembro

Leia mais

Pós-Graduação. Mercados Internacionais e Diplomacia Económica. 1ª Edição

Pós-Graduação. Mercados Internacionais e Diplomacia Económica. 1ª Edição Pós-Graduação Mercados Internacionais e Diplomacia Económica 1ª Edição 2011/2012 Mercados Internacionais e Diplomacia Económica Coordenação Científica Prof. Doutor Joaquim Ramos Silva Prof. Doutor Manuel

Leia mais

PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL

PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL SILVA, Régis Henrique dos Reis - NUPEFI/CEPAE/UFG SILVA, Sarah Maria de Freitas Machado - ESEFEGO/UEG

Leia mais

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR Metas PNE - Meta 12 Elevar a taxa bruta de matrícula na Educação Superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por cento) da população

Leia mais

Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP

Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP Prof.ª Dra. Vera Mariza Regino Casério e-mail: veracaserio@bauru.sp.gov.br Prof.ª Esp. Fernanda Carneiro Bechara Fantin e-mail: fernandafantin@bauru.sp.gov.br

Leia mais

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE Marcia Vasconcelos - OIT Reunión de Especialistas Género, Probreza, Raza,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO SANDUÍCHE E PÓS-DOUTORAL NO ENSINO DA PÓS-GRADUAÇÃO

A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO SANDUÍCHE E PÓS-DOUTORAL NO ENSINO DA PÓS-GRADUAÇÃO A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO SANDUÍCHE E PÓS-DOUTORAL NO ENSINO DA PÓS-GRADUAÇÃO Isabela Almeida Pordeus Novembro 2009 A Pós-Graduação em Odontologia Evolução dos Programas: Odontologia Evolução do Programas

Leia mais

GT CINEMA UFBA 15 de junho de 2007 15h às 18h

GT CINEMA UFBA 15 de junho de 2007 15h às 18h GT CINEMA UFBA 15 de junho de 2007 15h às 18h Umbelino Brasil (Facom/UFBa) Apresentação da Comissão Cinema UFBa: RICARDO BORDINI, Escola de Música LUIZ MARFUZ, Escola de Teatro ADRIANA BITTENCOURT, Escola

Leia mais

Nossa inserção na Graduação se dá por meio da Unidade Curricular Educação e Comunicação na Prática Médica.

Nossa inserção na Graduação se dá por meio da Unidade Curricular Educação e Comunicação na Prática Médica. Ao longo desses 15 anos o CEDESS congrega atividades de ensino, pesquisa e extensão, nos níveis de graduação e pós-graduação lato e stricto sensu e tem por objeto de estudo o binômio Educação e Saúde.

Leia mais

Educação e Mão de Obra para o Crescimento

Educação e Mão de Obra para o Crescimento Fórum Estadão Brasil Competitivo: Educação e Mão de Obra para o Crescimento Maria Alice Setubal Presidente dos Conselhos do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária Cenpece

Leia mais

Política Nacional de Educação Ambiental

Política Nacional de Educação Ambiental Política Nacional de Educação Ambiental Diretoria de Educação Ambiental Secretaria Executiva Coordenação da PNEA Ministério do Meio Ambiente Órgão Gestor da PNEA Ministério da Educação Diretoria de Educação

Leia mais

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO OBJETIVO Incrementar a economia digital do Estado de Alagoas e seus benefícios para a economia local, através de ações para qualificação, aumento de competitividade e integração das empresas e organizações

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS/UEMG

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS/UEMG PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS/UEMG Maio de 2015 SUMÁRIO I - INTRODUÇÃO...2 II - CONCEPÇÃO EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA...3 III - CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES

Leia mais

A EDUCAÇÃO NO AMBIENTE CORPORATIVO À LUZ DA PRODUÇÃO DISCENTE NAS ÁREAS DA EDUCAÇÃO E DA ADMINISTRAÇÃO ENTRE 1990 2014.

A EDUCAÇÃO NO AMBIENTE CORPORATIVO À LUZ DA PRODUÇÃO DISCENTE NAS ÁREAS DA EDUCAÇÃO E DA ADMINISTRAÇÃO ENTRE 1990 2014. A EDUCAÇÃO NO AMBIENTE CORPORATIVO À LUZ DA PRODUÇÃO DISCENTE NAS ÁREAS DA EDUCAÇÃO E DA ADMINISTRAÇÃO ENTRE 1990 2014. Resumo Fabiana Rodrigues Pereira Vidal 1 - UNISANTOS Grupo de Trabalho - Educação,

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

III conferir, de acordo com o regime didático-científico do Programa, os graus de Doutor e Mestre Acadêmico;

III conferir, de acordo com o regime didático-científico do Programa, os graus de Doutor e Mestre Acadêmico; 1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS-GRADUADOS EM SERVIÇO SOCIAL 1. Objetivos do Programa Artigo 1º - São objetivos do Programa: I formar pessoal nível de Mestrado Acadêmico, Doutorado e Pós-Doutorado,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

MBA EXECUTIVO EM FINANÇAS

MBA EXECUTIVO EM FINANÇAS MBA EXECUTIVO EM FINANÇAS Apresentação FIPECAFI A Faculdade FIPECAFI é mantida pela Fundação Instituto de Pesquisa Contábeis, Atuariais e Financeiras, criada em 1974. Seus projetos modificaram o cenário

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais