O MERCADO DE TRABALHO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS: OPORTUNIDADES E DESAFIOS RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O MERCADO DE TRABALHO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS: OPORTUNIDADES E DESAFIOS RESUMO"

Transcrição

1 O MERCADO DE TRABALHO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS: OPORTUNIDADES E DESAFIOS ZAGO, Vanessa Bernardi 1 SILVEIRA, José Renato Ferraz da 2 RESUMO Com o aumento das comunicações entre diferentes lugares do mundo e o crescimento das diversas questões mundiais meio ambiente, terrorismo, direitos humanos, crescente globalização tornou-se essencial à entrada de profissionais especializados, que possam lidar e analisar essas situações. Assim, encontramos os profissionais de Relações Internacionais (RI). Estes, em diferentes formações, são capazes de atuar em distintos âmbitos internacionais, podendo operar em áreas políticas, econômicas, acadêmicas, como também em organizações internacionais e instituições não governamentais. A partir disso, temos um mercado de trabalho para o profissional de RI em expansão, que apesar de ser emergente, mostra-se pouco conhecido. Por esse mercado ser ainda recente, encontramos a necessidade de um maior conhecimento sobre as principais áreas de trabalho para o profissional de Relações Internacionais, e um estudo mais concreto sobre as mesmas. Palavras-Chave: Profissionais de Relações Internacionais; mercado de trabalho; principais áreas de trabalho. ABSTRACT With increased communication among different parts of the world and the growth of the different of global issues the environment, terrorism, human rights, growing globalization the input of specialized professionals who can handle and analyze these situations has become essential. Thus we find the professionals of International Relations (IR). These specialists, in different formation, are able to act in different international contexts and can operate in areas 1 Acadêmica Universidade Federal de Santa Maria curso de Relações Internacionais. 2 Docente orientador Universidade Federal de Santa Maria curso de Relações Internacionais. 1

2 of politics, economics, academics and international organizations and non-governmental institutions too. From this, the labor market for the IR professional shows up in expansion. Despite being an emerging market, it is little known. For this market is still recent, we found the need for a greater understanding of the main areas of work for the International Relations professional, and a more concrete study of the same. Keywords: Professionals of International Relations; labor market; main working areas. 1 INTRODUÇÃO Desde o fim da Guerra Fria 3, o mundo passou por profundas mudanças, de ordem política e econômica. Com a ampliação das telecomunicações acarretadas ao avanço da tecnologia, aumentou-se a velocidade das relações econômicas trocas de mercadorias e as relações sociais trocas de informações. Assim, reconhecemos um mundo amplamente interligado e necessitando de profissionais especializados em atuar em diversos espaços que a globalização em expansão oferece. A partir disso, encontramos os profissionais de Relações Internacionais, que em diferentes formações buscam conhecimento em distintas áreas da esfera internacional. No Brasil, o ensino de Relações Internacionais (RI) em nível de graduação se estruturou nos anos 70, com a criação do primeiro curso de bacharelado em Relações Internacionais, na Universidade de Brasília, em 1974, e reconhecido pelo Ministério da Educação em A intenção era formar profissionais capazes de atuar na internacionalização em que o Brasil se encontrava. O Estado brasileiro, nos anos 70, passava por profundas contradições políticas e econômicas. Esse período foi marcado pela transformação na conjuntura econômica internacional, inicializada pelo choque do petróleo, em 1973, que fez o Brasil revisar metas de crescimento que caracterizava o denominado milagre brasileiro. Uma das soluções para evitar a desaceleração econômica foi focar na transformação de uma política externa mais 3 A Guerra Fria compreende-se no período entre o fim da Segunda Guerra Mundial (1945) e a extinção da União Soviética (1991). 2

3 criativa (LESSA, p. 34), isso significava que o Brasil precisava ampliar seus parceiros internacionais. Desse modo, aumentou-se a atenção para o comércio internacional, com mudança na pauta de exportações e diversificação na atração de investimentos estrangeiros. No âmbito interno, no entanto, iniciava-se uma fase de abertura lenta, gradual e segura (GEISEL 4, ). Essa disparidade gerou muitas contradições para os governos, porém, estas não eram suficientes para aliviar a repressão com que o regime militar da época conduzia na liberdade social, com destaque na área acadêmica. Em meio a isso, a Universidade de Brasília a instituição mais afetada pela vigilância do regime militar propôs a criação do primeiro curso de bacharelado em RI do Brasil. Logo após a criação do primeiro curso de RI, pode ser observado um impressionante crescimento na disponibilidade dos mesmos, em especial, nas duas últimas décadas. Esse forte crescimento acontece graças à alta procura dos cursos, especialmente, por jovens que gostariam de ingressar na carreira diplomática. As explicações para o aumento de interesse na área de RI podem ser creditadas à importância que o mundo globalizado, a formação dos megablocos e a informação instantânea, através da televisão aberta e a cabo, ou via internet, têm exercido sobre todos, rompendo distâncias e fronteiras, ligando países e continentes, com velocidades cada vez maiores, mostrando que os mesmos estão separados por apenas poucas horas de voo, e que fizemos parte de um mundo muito pequeno. (MIYAMOTO, 2003, p. 104). Entretanto, o diplomata Paulo Roberto de Almeida (2006, p. 4) refere-se a isso como: a procura é por uma espécie de ilusão dos jovens quanto ao charme e a oferta de empregos nessa área (...), ou porque o Brasil está mesmo deslumbrado com a globalização, ingressante tardio e incompleto que foi nos grandes circuitos da interdependência global. Entendemos, portanto, que está ocorrendo um crescimento na oferta de cursos para atender uma demanda pré-existente, e o mercado deverá ajustar a procura e a demanda em breve. Em relação ao ensino desses cursos, encontramos divergências entre as faculdades, pois cada uma encontra um foco de ensino. Mas, em geral, o profissional de RI tem sua 4 Ernesto Beckmann Geisel foi um político militar brasileiro, presidindo o Brasil entre os anos de 1974 e Geisel, durante seu governo, enfrentou o fim do chamado milagre brasileiro, com a redução do crescimento econômico e a alta da inflação. Para superar esse quadro desfavorável, agravado pela vitória expressiva da oposição nas eleições parlamentares de 1974, apresentou seu projeto de abertura política lenta, gradual e segura com vistas à reimplantação do sistema democrático no país. 3

4 formação caracterizada pelo ensino das variadas disciplinas, entre elas: Direito Internacional, Teoria Política, Política Internacional Contemporânea, Teoria das Relações Internacionais, Economia Política Internacional, História das Relações Internacionais. Ou seja, disciplinas direcionadas para os principais campos: Economia, Direito, História, Ciências Políticas, Ciências Sociais. Nesse aprendizado, o profissional visualiza questões mundiais, podendo estar voltado para funções econômicas ou para análises de dificuldade sociais ou, então, para questões políticas. Logo após a graduação, o recém-formado preocupa-se pela dificuldade de inserção ao mercado de trabalho. Como os cursos de Relações Internacionais são relativamente novos no Brasil, há pouca informação da parte dos empregadores acerca das habilidades dos profissionais formados em RI. Nesse contexto, considera-se importante a especialização dos recém-formados em pós-graduação, ou também a possibilidade de outro curso de graduação. Isso produz o diferencial nas habilidades do profissional, tornando mais fácil sua entrada ao mercado. Ao entrar no mercado de trabalho, o bacharel em Relações Internacionais, podendo ser chamado de Internacionalista uma expressão ainda não oficializada, porém, a melhor maneira até agora de nomear o profissional vem gradativamente conquistando espaço, e atuando, supostamente, em todas as áreas no qual sua competência for solicitada. Pode voltarse para área empresarial, atuando em empresas direcionadas para o comércio exterior, ou dirigir-se para o campo de pesquisa e academia. Ainda pode optar pela área que se encontram os concursos públicos, ou também pelas Organizações Não Governamentais (ONGs) e pelas Organizações Intergovernamentais, além de novas áreas que continuam sendo descobertas. Hoje, notamos uma crescente aderência desses profissionais no mercado, e este, por sua vez, encontra-se em ascensão. Segundo Antônio Carlos Lessa (2005, p. 47), Pode-se afirmar que o mercado tem bom tamanho, comporta múltiplas possibilidades para a organização criativa de carreiras e pode ser expandido. Assim, visualizamos um campo de trabalho em crescente forma. Com isso, torna-se importante entendermos como funciona o trabalho desses profissionais, pois essa profissão gera dúvidas sobre suas áreas de atuações, inclusive aos próprios estudantes de RI. E, apesar do mercado de trabalho ainda não existir formalmente 4

5 como as outras profissões, pode-se destacar algumas áreas de maior ascensão para o Internacionalista. Portanto, dividirei os principais campos de trabalho em: Área Pública, Área Privada, Academia, Terceiro Setor e Organizações Internacionais. O presente estudo ocupar-se-á no funcionamento dessas principais áreas em que o profissional de RI pode inserir-se, além da importância que se mostra em expansão sobre o quadro das Relações Internacionais no Brasil. 2 DESENVOLVIMENTO 2.1 Área Pública Dentro do contexto de área pública, encontramos os concursos que se demonstram como processos seletivos que permitem o acesso amplo e democrático a cargos públicos: A investidura em cargo ou emprego público depende de aprovação prévia em concurso público de provas ou de provas e títulos, de acordo com a natureza e a complexidade do cargo ou emprego, na forma prevista em lei, ressalvadas as nomeações para cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e exoneração. (Art. 37, inciso II, Constituição Federal). Assim, para todo emprego público considera-se necessários provas e títulos, dependendo de diferentes níveis de formação. Concursos focalizados no aprendizado de Relações Internacionais podem ser encontrados em alguns espaços, como nos governos estaduais e prefeituras municipais, porém ganha destaque a carreira diplomática, e com ela encontramos vários sonhos e expectativas de diversos recém-formados. Desse modo, é importante entender melhor como essa carreira funciona e como o profissional capacita-se para o trabalho de diplomata. Mas, primeiramente, considera-se necessário enfatizar a história da diplomacia. Esta registra que os primeiros diplomatas de carreira, aqueles formados especificamente para atuar na carreira diplomática, foram profissionais treinados pela Igreja Católica. Esses profissionais, 5

6 que atuavam como diplomatas, andavam pelo mundo, enviados em missão especial pelo Papa, representando os interesses da Igreja em todas as regiões da Europa. A carreira diplomática, na forma que temos hoje, surgiu na Itália no século XIII. No ano de 1446, a cidade de Milão enviou e estabeleceu permanentemente um diplomata na cidade de Florença, sua parceira comercial. Já a primeira missão internacional, em 1487, aconteceu quando a Espanha enviou um representante diplomático permanente para morar em Londres, capital da Inglaterra. No Brasil, a carreira diplomática encontra-se regulamentada pelo Instituto Rio Branco 5, chamado assim pela figura lendária do Embaixador brasileiro Barão do Rio Branco, codinome do diplomata José Maria da Silva Paranhos. O Barão do Rio Branco que foi importantíssimo na história do Brasil, por sua inteligência e conhecimento de várias línguas estrangeiras, tornou-se nosso principal diplomata, negociando diversos tratados com vários países Latinos no século XIX e ajudando a consolidar as fronteiras que temos hoje no Brasil. Atualmente, os candidatos ao serviço diplomático no Brasil que gostariam de ingressar na carreira devem participar de um concurso público em nível federal: o concurso de Admissão do Instituto Rio Branco (IRBR). Podemos levar em consideração que não há área específica de formação (profissional ou acadêmica) exigida para a diplomacia, mas o profissional formado em Relações Internacionais, por sua formação enquadrada nos moldes da diplomacia, contém grandes chances de conquistar um lugar no Instituto Rio Branco. No concurso do IRBR há quatro fases. Na primeira, encontra-se uma prova objetiva de caráter eliminatório e classificatório, no qual o concursando deve responder questões de Língua Portuguesa, História do Brasil e Mundial, Geografia, Política Internacional, Língua Inglesa, Noções de Economia e Noções de Direito, e Direito Internacional Público. Seguidamente, a próxima fase é uma prova escrita de Língua Portuguesa, de caráter eliminatório e classificatório. A terceira fase demonstra-se por outra prova escrita das disciplinas de História do Brasil, Geografia, Política Internacional, Língua inglesa, Noções de Economia e de Noções de Direito e Direito Internacional Público, também de caráter eliminatório e classificatório. Por fim, a última fase são provas escritas de Língua Espanhola e Língua Francesa, de caráter classificatório. 5 O Instituto Rio Branco foi fundado em 1945 e é responsável pela seleção e treinamento de diplomatas brasileiros, em processo contínuo de formação. 6

7 Aprovado no concurso, o profissional entra para a carreira diplomática como Terceiro- Secretário. Logo após, deve matricular-se no Curso de Formação do Instituto Rio Branco. Essa formação é um treinamento intenso e contínuo, pois o diplomata necessita ser capaz de lidar com questões internacionais, representando o Brasil em diversas reuniões de caráter econômico, cultural, político. Ou seja, precisa ter uma linguagem e conhecimento internacional aperfeiçoado para representar o país frente aos diversos temas que o mundo tem vivido: paz, segurança, meio ambiente, direitos humanos, fluxos migratórios, tráfico ilícitos; entre outros, igualmente, ou mais importantes. Os cargos seguintes na carreira são: Segundo-Secretário, Primeiro-Secretário, Conselheiro, Ministro de Segunda Classe e Ministro de Primeira Classe (embaixador). Assim, para a progressão na carreira encontramos o Curso de Aperfeiçoamento de Diplomatas (CAD). Esse curso é parte integrante do sistema de treinamento e qualificação na Carreira Diplomática, e seu objetivo principal é o aprendizado dos conhecimentos necessários ao desempenho de funções exercidas por Segundos e Primeiros Secretários. A posse do diploma do CAD é requisito para a progressão funcional de seu título de Primeiro-Secretário. Por seguinte, encontramos o Curso de Altos Estudos (CAE), mostrando-se também como parte integrante do treinamento na Carreira de Diplomata pelo Instituto Rio Branco, e seu objetivo é atualizar e aprofundar os conhecimentos necessários para exercer as funções de Ministros de Segunda e Primeira Classes. Com isso, é importante salientar que para entrar na carreira diplomática, o profissional deve conter uma carga ampla de conhecimentos, lidar com estratégias e acordos internacionais, de forma inteligente e astuta, além de saber trabalhar sob pressão. Ao longo de sua carreira, o funcionário a serviço da diplomacia necessariamente trabalha no Brasil (em Brasília e/ou nos escritórios de representação regional) e no exterior (em embaixadas, consulados e/ou missões junto a organizações internacionais), nas mais diversas áreas, no qual estão: comércio exterior, relações políticas e econômicas, cooperação internacional, divulgação cultural, assistência consular. Em Brasília, há três áreas de trabalho: a geográfica, a temática, e a administrativa. No primeiro caso, o profissional é responsável por acompanhar os acontecimentos políticos, 7

8 econômicos e sociais de grupos de países em determinada região, mantendo contato com as missões brasileiras nesses países e suas embaixadas no Brasil. No segundo, o diplomata fica atento às negociações e evoluções dos temas da agenda internacional, desempenha apoio aos consulados no exterior para a proteção dos cidadãos brasileiros e trabalha diretamente nas negociações de integração regional e comercial. Por último, na parte administrativa, trabalha com o Ministério e com os postos no exterior. É responsável por administrar as finanças, o pessoal, as licitações e seleções, a manutenção do patrimônio do Itamaraty, e por acompanhar a administração das missões brasileiras no exterior. Em relação às representações no exterior, o Itamaraty conta com 141 embaixadas, 61 consulados, 11 vice-consulados e 13 missões junto a organismos internacionais. Além dos diplomatas, existem no serviço exterior brasileiro mais dois tipos de funcionários: os assistentes de chancelaria e os oficiais de chancelaria. Os primeiros são servidores do serviço exterior, de nível médio, que prestam apoio administrativo aos servidores da carreira diplomática em Brasília e nas representações brasileiras no exterior. Os oficiais de chancelaria, de formação superior, prestam apoio técnico-administrativo às tarefas de caráter diplomático e consular em Brasília e nos postos de representação no exterior. Os acessos à carreira de assistente e oficial de chancelaria se dão exclusivamente por concurso público. Outros empregos públicos para Relações Internacionais, além da carreira diplomática, mostram-se em pequena quantidade. Mas, podemos citar alguns, dentre eles estão: Analista de Comércio Exterior (Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior), Analista de Finanças e Controle e Analista de Informações e Pesquisador (Agência Brasileira de inteligência). Essas carreiras se dão através de concursos públicos, com provas objetivas e discursivas, que exigem nível superior de graduação, diferentemente da diplomacia. O Tribunal de Contas da União, em 2007, disponibilizou concurso de Analista de Controle Externo para orientação em Relações Internacionais. As atribuições principais para este cargo eram habilitação para o desenvolvimento de atividades de planejamento, organização, supervisão, coordenação e execução, relativas ao apoio técnico e administrativo na área de Relações Internacionais. A partir disso, Antônio Carlos Lessa (2005, p. 48) nos relata que 8

9 Oportunidades de trabalho na área têm surgido nos últimos anos em decorrência da criação de assessorias e secretarias de assuntos internacionais nos governos estaduais e municipais (especialmente das capitais). Completando, o emprego nas áreas públicas possui grande atrativo para os profissionais recém-formados, tanto pela remuneração e estabilidade, quanto pelo fato de oferecerem a possibilidade de trabalhar no âmbito internacional. E, apesar de notarmos uma insuficiência em relação à quantidade de concursos públicos, essa área encontra-se em pequena expansão, e o crescimento torna-se proporcional à preocupação dos governos de melhor se prepararem para tratar a agenda internacional brasileira. 2.2 Área Privada O setor privado das Relações Internacionais evidencia-se como a área de maior número de egressos pelos recém-formados, como visualizamos abaixo, no gráfico 1. Os bacharéis em RI, muitas vezes, encontram-se perdidos após sua formação, e localizam no emprego privado uma maior oportunidade de inserir-se ao mercado de trabalho e começar a construir sua carreira profissional. Gráfico 1. Áreas de atuação dos egressos de RI 45% 8% 23% 24% Acadêmica Setor Público Setor Privado Terceiro Setor Fonte: Dados retirados do Boletim Meridiano 47. 9

10 O mercado de trabalho, infelizmente, ainda não se encontra totalmente estruturado para receber a oferta de Internacionalistas, mas entre as ofertas de emprego que o profissional encontra, no setor privado estão as maiores chances de trabalho. Mostra-se, assim, pela globalização em crescimento, no qual traz a necessidade de uma demanda de profissionais capacitados em lidar com negociações internacionais e capazes de compreender relações jurídicas, de costumes e comerciais entre os países. Empresas focadas em ampliar seu mercado externo procuram cada vez mais profissionais de Relações Internacionais para ajudá-las lidar com os trâmites das relações comerciais entre diferentes lugares. Isso graças à sua formação, pois o profissional de RI retém um conhecimento de diferentes disciplinas: Direito, Economia, Política; além do domínio de uma ou mais línguas. Podendo, assim, trabalhar nas diferentes formas de negócios internacionais. Juntamente com a formação, para os Internacionalistas que gostariam de ingressar nas empresas privadas e em seu comércio internacional, considera-se importante adquirir uma pós-graduação ou especialização no âmbito comercial, optando pela preferência de conhecimentos, como: Logística Internacional, Direito Internacional, Negócios Internacionais, entre outros. O trabalho básico do Internacionalista, na área privada, costuma ser o de assessoria e consultoria para empresas que querem exportar, ou para aquelas que já são exportadoras do seu produto. Assim, a empresa precisa de um profissional que, além de conhecer os processos da empresa e entender as práticas da importação e exportação, saiba analisar o mercado no qual o produto está ou será submetido e saber sobre as leis e a cultura desse lugar. Em processos de exportação e internacionalização que já estão consolidados, como das empresas multinacionais, o Internacionalista atua como Diplomata Corporativo, no qual tem a mesma função do Diplomata de Carreira, que se mostra em formular, promover e representar a política externa, só que da empresa. Além das empresas comerciais exportadoras e importadoras, as áreas mais conhecidas que o profissional de RI pode trabalhar demonstram-se em Câmaras de Comércio e nos Prestadores de Serviços: Operadores Logísticos, Freight Forwarder 6, Non Vessel Operator 6 Freight Forwarder Agente de Carga. 10

11 Common Carrier (NVOCC), Comissárias de Despachos Aduaneiros, Companhias Áreas e Marítimas e Transportadoras Internacionais. Para entendermos melhor, verifica-se a necessidade de uma básica análise dessas profissões. Portanto, em primeiro, encontramos as Câmaras de Comércio, onde o profissional auxilia nas resoluções que forem necessárias para o crescimento econômico e para prosperidade no ramo comercial, além da regulação de negócios, luta contra corrupção e combate ao crime comercial. Em relação aos Prestadores de Serviços, podemos dividi-los entre os principais. Primeiramente, temos os Operadores Logísticos, no qual a Associação Brasileira de Movimentação Logística (ABML, 1999, p. 2) nos dá como definição que Operador Logístico é a empresa prestadora de serviços, especializada em gerenciar e executar todas ou parte das atividades logísticas, nas várias fases da cadeia de abastecimento de seus clientes, agregando valor aos produtos dos mesmos. Para que uma empresa prestadora de serviços logísticos possa ser classificada como Operador Logístico, deverá prestar simultaneamente serviços nas três atividades básicas seguintes: a) Controle de estoque; b) Armazenagem; c) Gestão de transportes. Dessa forma, para um melhor empenho, o profissional além da sua formação em RI, deve especializar-se na área de logística, alcançando um futuro promissor neste campo de trabalho. Seguidamente, encontramos o Freight Forwarder (Agente de Carga) emprego de acesso mais fácil para um Internacionalista iniciante. Esse profissional trabalha com importação e exportação de cargas, e deve entender todos os recursos necessários para fazêlos, lidando com a intermediação de fretes internacionais com as mais diversas companhias marítimas e aéreas. O freight forwarder opera também no NVOCC, no qual se demonstra como transportador efetivo de mercadorias, assumindo todos os riscos inerentes à operação de transporte. 11

12 A figura do NVOCC (Non Vessel Operator Common Carrier) foi criada para suprir a necessidade de empresas que exportam cargas que, geralmente, não necessitam do espaço de um container inteiro para embarcar a mercadoria ao exterior. A função de um consolidador NVOCC é fretar os contêineres com armadores e unificar nesses equipamentos as cargas fracionadas para embarque marítimo e entregar até o destino final solicitado pelo exportador. Desta forma o valor do frete para quem exporta/importa se torna mais acessível, pois o frete é cobrado do cliente pela unidade de m3 ou tonelada utilizada. (OVERSEAS BRASIL). Ainda dentro dos Prestadores de Serviços, temos as Comissárias de Despachos Aduaneiros que são empresas com personalidade jurídica própria, no qual atendem o cliente interessado em importar ou exportar. Assim, essas empresas têm função principal de conhecer as legislações aduaneiras vigentes, além de saber todos os requisitos técnicos e econômicos do mercado. Preocupa-se com a origem e o destino da mercadoria, suas características e mostrase capaz de poder escolher o melhor meio de transporte pelo tipo de carga, de forma organizada, atendendo às necessidades de seu cliente em relação a prazos, preços e conformidade da mercadoria comercializada. Leoni Samuel Etcheverry é um exemplo de uma das mais antigas Comissárias de Despachos Aduaneiros, encontrando-se no mercado internacional desde Seus maiores pontos de atuação estão localizados no sul do Brasil, em especial no Rio Grande do Sul. Nessa empresa, desenvolvem-se práticas necessárias aos processos de Importação e Exportação, de acordo com aspectos mercadológicos, comerciais e tributários. Existem alguns principais serviços operacionais: regimes aduaneiros especiais, terceirização de área operacional, exportação e importação de máquinas e fábricas, RADAR, mudanças, extarifários para bens novos e usados, emissão de todos os documentos de importação/exportação, etc. Desse modo, se o profissional de Relações Internacionais quiser conquistar um lugar em uma Comissária, deve saber lidar com formalidades consulares, aduaneiras e assuntos alfandegários em geral, além de saber trabalhar com aspectos logísticos ou jurídicos, dependendo da sua especialização. O próximo operador logístico que observamos são as Companhias Aéreas e Marítimas. Nesse ramo, o profissional trabalha como Assistente de Importação ou Exportação das companhias, necessitando ter conhecimento básico dos procedimentos de transporte nacional 12

13 e internacional, saber sobre logística, e ter experiências com mais diversos tipos de documentações sobre embarques e desembarques. Por fim, não diferente dos outros processos, nas Transportadoras Internacionais, o profissional precisa ter conhecimento sobre logística e processos de Importação/Exportação dos produtos, além de entender sobre os procedimentos aduaneiros e alfandegários. Nesse contexto, nota-se que a área privada das RI está em maior ascensão graças à crescente inserção do Brasil ao comércio internacional. Nos últimos anos, empresas brasileiras têm cada vez mais se internacionalizado e contratado profissionais que saibam atuar com o mercado externo, como as multinacionais: Ambev, Danone, Embraer, Unilever e Vale, que estão oferecendo vagas à trainees que possam atuar no país ou no exterior. Podemos também enfatizar a importância do acesso a estágios em empresas durante a faculdade, acarretando, desse modo, conhecimentos na área e o benefício do currículo pessoal, além do real aprendizado que se adquire para ingressar ao mercado de maneira mais fácil no futuro. Novos empregos estão aparecendo, mesmo sendo pouco conhecidos, até mesmo para os próprios formados. Um exemplo disso encontra-se no trabalho em hotéis. Muitos destes estão optando pelo profissional Internacionalista, graças ao seu conhecimento em culturas de outros países, além da fluência do inglês ou de outras línguas, no qual o profissional de RI, na maioria das vezes, adquire ao longo da sua formação. Assim, o atendimento ao turista internacional é facilitado e melhorado, compreendendo-se em uma melhoria para o comércio em hotéis. O profissional tem atuado também na área de tradução, novamente facilitado pela capacidade de conhecer outros idiomas. E temos ainda casos mais raros de mulheres formadas no curso de RI direcionando-se para o emprego de aeromoça, exatamente pelo conhecimento de outras línguas e da cultura mundial. Através disso, entendemos que essa área contém muitos recursos para sua evolução. Pois, além do aumento dos empregos no campo privado, deparamo-nos com o crescimento de um mundo cada vez mais globalizado, no qual o Brasil se insere como um país promissor frente à economia mundial. Assim, com o passar dos anos, deverá o conhecimento do curso 13

14 de Relações Internacionais não só pelas empresas, mas pela população brasileira aumentar, abrindo novas chances de trabalho para o profissional. Assim, a angústia encontrase pelo futuro incerto, mas a esperança dá-se pelos dados. 2.3 Academia O setor acadêmico das Relações Internacionais apresenta grande importância para os futuros profissionais nessa área, porém, seus aspectos negativos mostram-se enfatizados. Isso porque o conhecimento sobre as RI encontra-se ainda muito recente, igualmente aos cursos. Graças à crescente visualização ao campo de Relações Internacionais, notamos uma oferta abrangente de cursos na área, pois muitos jovens identificam-na com suas ideias transformistas, além do desejo de ingressar em uma carreira internacional. Optam ainda pelas RI para conseguir acesso à diplomacia, ou também por certo modismo em torno das Relações Internacionais, como o diplomata Paulo Roberto de Almeida (2006, p. 4) referiu-se em relação à escolha dos jovens. Ao mesmo tempo, temos uma maior inserção do Brasil na globalização, dando maior impulso à oferta de cursos. Com isso, os mesmos de forma variada, foram fundando-se, e muitos deles, com pouca capacidade de ensino e estrutura. Se, de um lado, o cenário parece promissor para o bacharel em Relações Internacionais nesse novo quadro, em que o mercado precisará de profissionais com uma ampla gama de conhecimentos, por outro lado, o surto muito rápido de cursos também tem levantado alguns problemas. (MIYAMOTO, 2003, p. 105) Um dos grandes problemas dos cursos de Relações Internacionais no Brasil é encontrar professores capacitados para o exercício do cargo. Por isso, observamos, infelizmente, o preenchimento das vagas por pessoas sem formação específica. Assim, a formação qualificada dos futuros Internacionalistas encontra-se ameaçada pela grande demanda por profissionais especializados e pela pouca oferta dos mesmos. 14

15 O problema abrange-se também para a estrutura de ensino, uma vez que encontramos dentro de diversos cursos uma grade curricular que não está sólida para uma boa formação, dificultando, desse modo, a futura entrada do profissional ao mercado de trabalho. Para existir uma grade satisfatória nos cursos, são necessárias disciplinas específicas e auxiliares. Primeiramente, considera-se essencial uma disciplina de introdução das RI. Logo após, é necessário haver disciplinas que visem à análise da história das Relações Internacionais, suas teorias, e também a história da política externa das RI, além das disciplinas orientadas para análise nas instituições políticas e econômicas. A grade curricular necessita conter ainda disciplinas de suporte, que devem incluir matérias introdutórias de Ciência Política, Direito, Economia, Sociologia, Teoria Política Moderna e Contemporânea, além de Estatística e Métodos Quantitativos, Relações Econômicas Internacionais, Economia Brasileira e Direito Internacional. Sendo importantes, igualmente, cadeiras optativas, que atendam as necessidades das próprias instituições. Por fim, a monografia de fim de curso, nos moldes dos outros cursos, torna-se recomendada. Portanto, disciplinas apropriadas e professores específicos mestres e doutores em RI são os critérios básicos para uma formação mais qualificada nos cursos de Relações Internacionais. Além disso, foram estabelecidos novos critérios para autorização de novos cursos em RI pela Portaria de nº 641, de 13 de maio de 1997, da Secretaria de Educação Superior do Ministério da Educação. De acordo com a Portaria, para a criação de novos cursos, são essenciais alguns padrões mínimos de qualidade, dentre eles: a) Deve-se conter coordenador com formação específica em RI, além da obrigatoriedade de especialistas na área para ministrar as matérias específicas das Relações Internacionais; b) É necessário haver, para um curso de boa qualificação, 1/3 de professores com titulação de doutor; c) A grade curricular do curso deve ser satisfatória, tendo disciplinas específicas de RI, além das auxiliares, correlatas e optativas; d) Considera-se essencial uma biblioteca bem aparelhada, suprindo as disciplinas, como livros periódicos nacionais e estrangeiros. 15

16 O oposto ao quarto item, em relação às bibliotecas, mostra-se uma das preocupações que mais aparece nos cursos de RI. A carência de uma biblioteca de bom nível acarreta às faculdades de Relações Internacionais grandes empecilhos aos estudantes, pois os mesmos necessitam de uma ampla gama de conhecimentos, e muitos deles deveriam ser disponibilizados dentro da biblioteca. Esta, muitas vezes, não dispõe de acervo suficiente para atender às necessidades dos estudantes, comprometendo seu ensino e dificultando sua formação. De acordo com o novo Manual de avaliação do curso de Relações Internacionais (INEP, 2002), para que a que o item biblioteca seja considerado muito bom, a mesma deverá funcionar pelo menos 14 horas diárias, permanecer aberta aos sábados, apresentar possibilidade de reservas de livros pela internet, acesso a base de dados, ter em seu acervo quantidade de livros que atendem aos programas de disciplinas, que haja quantidade suficiente (na proporção de um exemplar por até dez alunos matriculados no curso para qualquer dos títulos selecionados pelo docente da disciplina) e que estejam atualizados, além de manter assinaturas de pelo menos 5 jornais e 5 revistas adequados à proposta pedagógica do curso. (MIYAMOTO, 2003, p. 109). Ao mesmo tempo, além da falta de uma boa biblioteca, observa-se que nem todos os cursos têm preenchido os outros requisitos sobre critérios de qualidade necessidade de professores doutores, coordenação com formação específica, grade curricular satisfatória de forma adequada. E, apesar disso, foram autorizadas a funcionar. Mas, então, por que tiveram autorização? Pelos mesmos critérios que definem a capacidade que qualquer instituição tem de melhorar o curso posteriormente pelo incentivo à contratação e reforço à titulação do corpo docente, investimentos na biblioteca, melhoria na infraestrutura etc(...) (MIYAMOTO 7, 2003, p. 107). Desse modo, os cursos se formam, com ou sem os critérios básicos de qualificação. Apesar de todos esses aspectos negativos que encontramos dentro da área acadêmica das RI, podemos também observar o crescimento de profissionais direcionando-se para cursos de mestrados e doutorados, com a intenção de atuar como professor ou pesquisador de Relações Internacionais. Com isso, haverá um crescimento na oferta de professores qualificados para atuar no campo de RI, diminuindo a dificuldade que muitos cursos 7 Miyamoto tem grande destaque em seu foco de análise sobre as dificuldades encontradas nos cursos de Relações Internacionais, pelo seu artigo O Ensino das Relações Internacionais no Brasil: Problemas e Perspectivas. 16

17 encontram para conseguirem professores preparados para o ensino direcionado das Relações Internacionais. Do mesmo modo, o ideal para aqueles que gostariam de ingressar no campo acadêmico é exatamente na aquisição de mestrado e doutorado, em diferentes formações; buscando, assim, uma ampla carga de conhecimentos e capacitando-se para a integração a uma faculdade, federal ou particular, para exercer o cargo de professor no curso de Relações Internacionais. Esse professor deve conter conhecimentos amplos sobre os acontecimentos da atualidade, além de repassar aos alunos a devida formação que deverá adquirir, seja na área humanística, técnica ou prática. Assim, o mercado de trabalho para professores de RI está aberto e necessitando de profissionais especializados em atuar nas mais diversas universidades do Brasil. A partir de professores capacitados para os cursos, teremos uma grande melhora na qualidade dos mesmos, aumentando o grau de qualificação dos futuros profissionais que se formarão. Com o grau de qualificação dos profissionais em expansão, encontramos melhoras para todas as áreas que o profissional se dirigirá, melhorando o comércio, melhorando a academia, melhorando o Brasil e suas relações internacionais. 2.4 Terceiro Setor: ONGs Contendo o menor número de egressos por profissionais de RI, o Terceiro Setor caracteriza-se por um campo constituído de instituições sem fins lucrativos, que promovem ações voltadas para o bem comum. A expressão instituições sem fins lucrativos não constitui um modelo de pessoa jurídica adotado pela legislação brasileira 8, mas seu uso decorre da tradução do termo Non Profit Institutions, utilizado em modelos de pesquisas e orientações internacionais sobre o Terceiro Setor que passaram a ser utilizados pelo Brasil. 8 O novo Código Civil brasileiro emprega a expressão fins não econômicos em substituição à expressão sem fins lucrativos utilizada em outras normas. Esta alteração ocorreu em função de uma mudança na estrutura do Código Civil em vigor em relação à do Código Civil de

18 Segundo o Handbook on Non Profit Institutions in the System of National Accounts (Manual sobre as Instituições Sem Fins Lucrativos no Sistema Nacional de Contas) 9, para que uma instituição seja definida sem fins lucrativos é necessário que a mesma reúna algumas características. Desse modo, essas instituições são pessoas jurídicas: a) Constituídas legalmente; b) Privadas; c) Não distribuem lucros para os seus administradores ou dirigentes, ou seja, de fins não lucrativos; d) Autoadministrativas; e) Voluntárias, podendo ser constituídas por qualquer pessoa. Portanto, o Terceiro Setor pode ser conceituado como aquele composto pelo conjunto de entidades que apresentem os critérios acima e que tenham como objetivo e finalidade o desenvolvimento de ações voltadas à produção do bem comum. No Brasil, as figuras jurídicas que apresentam as características de entidades sem fins lucrativos são as Associações e as Fundações privadas. Através disso, deparamo-nos com as Organizações Não Governamentais (ONGs), pois este termo tem sido usado para identificar as associações, fundações e instituições. ONG, traduzidas de Non governmental organizations (NGO), trata-se de uma expressão muito difundida no Brasil e utilizada, de uma forma geral, para identificar tanto associações como fundações sem fins lucrativos. Instituto, Instituição, por sua vez, é parte integrante do nome da associação ou fundação. Em geral é utilizado para identificar entidades dedicadas ao ensino e à pesquisa. (PORTAL TSO 10 ) Dentro do campo de Relações Internacionais, as ONGs apresentam destaque para o profissional Internacionalista que gostaria de ingressar nessa área provida de assuntos importantes, de finalidade pública. O profissional, ao optar por trabalhar em alguma ONG, poderá atuar em diversas áreas, tais como: meio ambiente, combate à pobreza, assistência social, saúde, educação, reciclagem, desenvolvimento sustentável, entre outras. 9 NOVA YORK, 2003, p Portal TSO Terceiro Setor Online Site com informações sobre as ONGs, com notícias sobre as mesmas, além de suas legislações, responsabilidades, estatísticas e limitações. Podendo ser encontrado no endereço eletrônico: http: 18

19 Essas organizações são como uma forma de suprimir as falhas do governo com relação à assistência e resolução dos problemas sociais, ambientais e até mesmo econômicos, podendo também auxilia-lo na resolução dessas questões, além disso, as mesmas têm a capacidade de despertar a cooperação da sociedade. No Brasil, podemos observar algumas principais ONGs separadas por categorias de Fundação e Associação. Mas, primeiramente, considera-se importante entender a diferença das mesmas. Portanto, temos por Fundação uma definição da advogada Érika Spalding nos explicando que Fundação pode ser definida como o patrimônio, personalizado pela ordem jurídica, destinado a uma finalidade estipulada pelo seu instituidor. Completando, nas palavras de Maria Helena Diniz, fundação é um patrimônio (propriedades, créditos ou dinheiro) colocados a serviço de um fim especial 11. Assim, compreendemos que a criação de uma fundação destina-se para um fim particular, e esta pode ser constituída pelo Poder Público, como também por liberalidades particulares, pessoas físicas ou jurídicas. Entretanto, em relação às associações, é observado a união de pessoas em busca de uma finalidade não econômica. Assim, não giram em torno de um patrimônio comum, mas sim em torno de ideias e esforços dos associados, e a fiscalização é feita pelos próprios associados. Dentro do Brasil, nas fundações, encontramos um exemplo importante: Fundação S.O.S Mata Atlântica. Trata-se uma ONG criada em 1986, com intuito de defender, como o nome diz, a Mata Atlântica e seus últimos remanescentes, preservando os patrimônios naturais e históricos, ainda com a missão de ajudar os animais silvestres, ao buscar um desenvolvimento sustentável. Nas associações, um exemplo encontra-se na Associação Pré-UFMG. A mesma foi criada em 2005 por estudantes da Universidade Federal de Minas Gerais preocupados com os jovens de baixa renda que não conseguiam ingressar em universidades públicas porque não tinham condições de pagar os custos elevados dos cursinhos pré-vestibulares. Assim, criaram 11 Maria Helena Diniz, Curso de Direito Civil Brasileiro, 1ºvol., pág

20 essa associação com objetivo de preparar os estudantes para a conquista de uma vaga na universidade. Com uma equipe dinâmica de professores experientes e atualizados, somados ao uso de um material didático objetivo e de fácil assimilação, temos conseguido resultados surpreendentes, com alta aprovação de nossos alunos em vários vestibulares e concursos em Minas Gerais. (ASSOCIAÇÃO PRÉ-UFMG, 2005) Podemos localizar também as ONGs internacionais, no qual se encontra um maior campo de trabalho para os Internacionalistas. Friends of the Earth International (Amigos da Terra Internacional) é um exemplo importante sobre uma ONG internacional, apresentando-se como Federação Internacional sem fins lucrativos, composta por 58 organizações ambientalistas não governamentais, presentes em 54 países, com sede em Amsterdã, e reconhecida pela Organização das Nações Unidas (ONU) desde Essa ONG vem realizando projetos e pressionando governos e organizações internacionais com objetivo de melhorar as políticas que se dizem respeito sobre o meio ambiente. Seus principais objetivos mostram-se na reparação de danos ao meio ambiente pela negligência humana e na preservação da densidade ecológica, além de promover o desenvolvimento sustentável e proteger o planeta do agravamento da degradação ambiental. No Brasil, Amigos da Terra está representada pelo Núcleo Amigos da Terra - Brasil, com sede em Porto Alegre e, desde 1989, por Amigos da Terra - Amazônia Brasileira, com sede em São Paulo. A partir disso, considera-se importante a entrada do profissional de Relações Internacionais em Organizações Não Governamentais pela sua ampla gama de conhecimentos e estudos sobre assuntos importantes tratados nas ONGs, como a economia, a política, o meio ambiente, a cultura dos países, além da sua facilidade de lidar com outros idiomas. Essa área de trabalho pode ser considerada a de menor rendimento salarial, porém mostra-se importantíssima graças ao seu trabalho para um bem comum. Assim, o profissional de RI que optar trabalhar em alguma ONG estará cooperando para um Brasil e para um mundo melhor. 20

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 69/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em, Bacharelado, do Centro

Leia mais

CURSO EXTENSIVO 2014**

CURSO EXTENSIVO 2014** Temos unidade em São Paulo e Campinas e nossas aulas são presenciais. *Lançamento de nosso curso on-line de exercícios com material exclusivo - última semana do mês de FEV/13. Índice de aprovação de 15

Leia mais

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca Orientação ao mercado de trabalho para Jovens 1ª parte APRESENTAÇÃO Muitos dos jovens que estão perto de terminar o segundo grau estão lidando neste momento com duas questões muito importantes: a formação

Leia mais

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Ana Carolina Rosso de Oliveira Bacharel em Relações Internacionais pela Faculdades Anglo-Americano, Foz do Iguaçu/PR Resumo:

Leia mais

PORQUE O PRIMEIRO EMPREGO É DIFÍCIL?

PORQUE O PRIMEIRO EMPREGO É DIFÍCIL? PORQUE O PRIMEIRO EMPREGO É DIFÍCIL? Em épocas de vestibular, cerca de 1,8 milhão de jovens vão escolher uma profissão e dar arrepios no mercado, ou ficarem arrepiados, dando assim o primeiro empurrão

Leia mais

BACHARELADO. Administração. Ciências Contábeis. Ciências Econômicas. Serviço Social. Ciências Sociais. Objetivos. Objetivos. Objetivos.

BACHARELADO. Administração. Ciências Contábeis. Ciências Econômicas. Serviço Social. Ciências Sociais. Objetivos. Objetivos. Objetivos. BACHARELADO Administração O curso de Administração tem como objetivo formar profissionais que poderão atuar como executivos, técnicos em funções administrativas e/ou empreendedores, com capacidade de alinhar

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO

ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO Dos cursos mais procurados pelos estudantes, o de Administração é um dos mais novos. Enquanto Medicina e Direito formam profissionais desde o século 19, foi apenas em 1946 que

Leia mais

As Relações Internacionais como Disciplina Acadêmica

As Relações Internacionais como Disciplina Acadêmica As Relações Internacionais como Disciplina Acadêmica Guilherme Gondin Ozias, 5º período No decorrer do dia, lendo o jornal ao acordar, acessando a internet ou assistindo televisão, nos deparamos com noticias

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001

DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001 DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001 Dispõe sobre a organização do ensino superior, a avaliação de cursos e instituições, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 128/2014- COU/UNICENTRO. DISPOSITIVOS DO PROJETO PEDAGÓGICO APROVADO POR ESTA RESOLUÇÃO, ESTÃO ALTERADOS PELA RESOLUÇÃO Nº 26/2009-COU/UNICENTRO.

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios Universidade Estácio de Sá Gestão e Negócios A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades em 1970, como

Leia mais

Vida Universitária Maio 2007 Ano XVII Nº 172

Vida Universitária Maio 2007 Ano XVII Nº 172 Mercado exige velocidade na atualização profissional Trabalhadores precisam estar capacitados para solucionar problemas, ser criativos e flexíveis e gostar da sua atividade A competição pela colocação

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO CET-FAESA

APRESENTAÇÃO DO CET-FAESA APRESENTAÇÃO DO CET-FAESA A FAESA, com atuação na área de ensino há mais de 40 anos, fundou em 2004 a Faculdade de Tecnologia FAESA, CET-FAESA, que há 10 anos oferece graduações Tecnológicas de forma pioneira

Leia mais

ACÓRDÃO Nº 06/2011 - CFA - Plenário

ACÓRDÃO Nº 06/2011 - CFA - Plenário ACÓRDÃO Nº 06/2011 - CFA - Plenário 1. PARECER TÉCNICO CETEF Nº 03/2011, de 20/07/2011. 2. EMENTA: Obrigatoriedade de registro das empresas prestadoras de serviços de Recrutamento e Seleção de Pessoal

Leia mais

[ OBJETIVOS ESPECÍFICOS

[ OBJETIVOS ESPECÍFICOS [ [ OBJETIVOS ESPECÍFICOS Promover formação geral e ampla com conhecimentos sobre economia nacional e internacional, sobre tradições, costumes e culturas dos diferentes países do mundo, legislação internacional

Leia mais

Perfil do Curso. O Mercado de Trabalho

Perfil do Curso. O Mercado de Trabalho Perfil do Curso É o gerenciamento dos recursos humanos, materiais e financeiros de uma organização. O administrador é o profissional responsável pelo planejamento das estratégias e pelo gerenciamento do

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Esperidião Amin Helou Filho 1 PROJETO DE LEI Nº 8.035, DE 2010. Ementa: Aprova o Plano Nacional de Educação para o decênio 2011-2020 e dá outras providências. 2 PROJETO DE LEI

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÃO OPORTUNIDADES PROFISSIONAIS GUIA DE ORIENTAÇÃO OPORTUNIDADES PROFISSIONAIS QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS ATRAVÉS DOS NOSSOS CURSOS

GUIA DE ORIENTAÇÃO OPORTUNIDADES PROFISSIONAIS GUIA DE ORIENTAÇÃO OPORTUNIDADES PROFISSIONAIS QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS ATRAVÉS DOS NOSSOS CURSOS GUIA DE ORIENTAÇÃO QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS ATRAVÉS DOS NOSSOS CURSOS 1 ÁREA DE COMÉRCIO EXTERIOR Advogados Advogados podem atuar na área de direito aduaneiro e poderão ser muito bem remunerados pelos

Leia mais

O papel do internacionalista frente ao comércio exterior brasileiro

O papel do internacionalista frente ao comércio exterior brasileiro O papel do internacionalista frente ao comércio exterior brasileiro Camila Nogueira 1 Camila Texeira Introdução Com o fim da guerra fria o mundo veio a passar por uma série de mudanças no sistema internacional,

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999.

DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999. DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999. Regulamenta a Lei 9.786, de 8 de fevereiro de 1999, que dispõe sobre o ensino no Exército Brasileiro e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Turismo, Hotelaria e Gastronomia

Universidade. Estácio de Sá. Turismo, Hotelaria e Gastronomia Universidade Estácio de Sá Turismo, Hotelaria e Gastronomia A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Humanas

Universidade. Estácio de Sá. Humanas Universidade Estácio de Sá Humanas A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades em 1970, como Faculdades

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS, BACHARELADO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

RH NA ÁREA. Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net. 1 Introdução

RH NA ÁREA. Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net. 1 Introdução RH NA ÁREA Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net Resumo: Considerando a necessidade de orientação das pessoas para o aproveitamento de vagas disponíveis

Leia mais

Relações Internacionais

Relações Internacionais Curso de Graduação Bacharelado em Relações Internacionais O curso de Relações Internacionais está enquadrado no campo da ciência Humana e social, onde estuda-se em profundidade as políticas Internacionais

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

(67È*,26(025*$1,=$d (6,17(51$&,21$,6. Ser estudante universitário ou recém graduado.

(67È*,26(025*$1,=$d (6,17(51$&,21$,6. Ser estudante universitário ou recém graduado. (67È*,26(025*$1,=$d (6,17(51$&,21$,6 ÈUHDGR &RQKHFLPHQWR 7HPSRGH GXUDomR 5HTXLVLWRV &DUDFWHUtVWLFDVGR(VWiJLR $,(6(& Várias. Normalmente, as vagas são para Administração, Marketing, Contabilidade, Relações

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 36 / 2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Graduação em Línguas Estrangeiras

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO DOU de 16/01/2014 (nº 11, Seção 1, pág. 26) Institui o Plano Nacional de

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto Acordo de Empréstimo BIRD - Nº 7841-BR PROJETO

Leia mais

Pré-Vestibular Social RELAÇÕES INTERNACIONAIS

Pré-Vestibular Social RELAÇÕES INTERNACIONAIS Pré-Vestibular Social Grupo SOA Suporte à Orientação Acadêmica RELAÇÕES INTERNACIONAIS Nos anos 1970 e 1980, quando o Facebook nem sonhava em existir, um jogo de tabuleiro chamado War era uma febre entre

Leia mais

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PROFESSORES PARA O QUADRO DE CORPO DOCENTE DO CENTRO UNIVERSITÁRIO HERMINIO DA SILVEIRA - IBMR

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PROFESSORES PARA O QUADRO DE CORPO DOCENTE DO CENTRO UNIVERSITÁRIO HERMINIO DA SILVEIRA - IBMR EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PROFESSORES PARA O QUADRO DE CORPO DOCENTE DO CENTRO UNIVERSITÁRIO HERMINIO DA SILVEIRA - IBMR A DIRETORA ACADÊMICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO HERMÍNIO

Leia mais

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PROFESSORES PARA O QUADRO DE CORPO DOCENTE DO CENTRO UNIVERSITÁRIO HERMINIO DA SILVEIRA - IBMR

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PROFESSORES PARA O QUADRO DE CORPO DOCENTE DO CENTRO UNIVERSITÁRIO HERMINIO DA SILVEIRA - IBMR EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PROFESSORES PARA O QUADRO DE CORPO DOCENTE DO CENTRO UNIVERSITÁRIO HERMINIO DA SILVEIRA - IBMR A DIRETORA ACADÊMICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO HERMÍNIO

Leia mais

Conteúdo. Community College Perguntas e Respostas Página 1

Conteúdo. Community College Perguntas e Respostas Página 1 Conteúdo A educação superior nos Estados Unidos... 2 O que é um Community College?... 2 O que é considerado uma instituição de educação superior?... 2 O que quer dizer ser credenciada regionalmente?...

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 3 DE AGOSTO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 3 DE AGOSTO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 3 DE AGOSTO DE 2010 (*) Fixa as Diretrizes Nacionais para os Planos de Carreira e Remuneração dos Funcionários

Leia mais

TRANSPORTADORA BRASILEIRA GASODUTO BOLÍVIA-BRASIL S.A

TRANSPORTADORA BRASILEIRA GASODUTO BOLÍVIA-BRASIL S.A TRANSPORTADORA BRASILEIRA GASODUTO BOLÍVIABRASIL S.A. TBG PROCESSO SELETIVO PÚBLICO PARA FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E NÍVEL MÉDIO Edital PSPGEPE01/2007 De 16/10/2007 A

Leia mais

2015 GC8 do Brasil Todos Direitos Reservados All Rights Reserved www.gc8.us. Expandindo Fronteiras

2015 GC8 do Brasil Todos Direitos Reservados All Rights Reserved www.gc8.us. Expandindo Fronteiras 2015 GC8 do Brasil Todos Direitos Reservados All Rights Reserved www.gc8.us Expandindo Fronteiras GC8 do Basil 1. Quem somos 2. Diferencial 3. Onde Atuamos 4. Internacionalização 5. O que fazemos 6. Entre

Leia mais

AEDB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AULA 1 GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS

AEDB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AULA 1 GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS AEDB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AULA 1 GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS * NEGÓCIOS INTERNACIONAIS: Definição: Por negócios internacionais entende-se todo negócio realizado além das fronteiras de um país.

Leia mais

Programa Consórcios em Educação Superior Brasil e Estados Unidos

Programa Consórcios em Educação Superior Brasil e Estados Unidos Programa Consórcios em Educação Superior Brasil e Estados Unidos CAPES/FIPSE Edital Nº 8/2010 CAPES A Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), por meio de sua Diretoria

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: RELAÇÕES INTERNACIONAIS Missão A principal missão do Curso de Relações Internacionais é formar, a partir de pesquisa e desenvolvimento pedagógico próprios, mediante

Leia mais

Comprometidos com o Futuro da Educação

Comprometidos com o Futuro da Educação Comprometidos com o Futuro da Educação Comprometidos com o Futuro da Educação Educação Assim se Constroem as Grandes Nações A educação é vital para criar uma cultura baseada na excelência. A demanda por

Leia mais

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior em parceria com o Ministério do Trabalho e Emprego (através do

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Texto compilado Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de

Leia mais

PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRINCÍPIOS SOCIOAMBIENTAIS

PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRINCÍPIOS SOCIOAMBIENTAIS A Copagaz A Copagaz, primeira empresa do Grupo Zahran, iniciou suas atividades em 1955 distribuindo uma tonelada de Gás Liquefeito de Petróleo - GLP por dia nos estados de São Paulo, Mato Grosso e Mato

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas

O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas 54ª Reunião Anual da SBPC Goiânia/GO Julho/2002 O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas João Ferreira de Oliveira (UFG) A universalização do acesso à educação superior constitui-se

Leia mais

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção 8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção e Contratação 8.1.5 Plano de Carreira e Regime de Trabalho

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Universidade Metodista de São Paulo Faculdade de Jornalismo e Relações Públicas Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Fábio França Maria Aparecida Ferrari Maio de 2006 1 Tradição

Leia mais

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG.

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG. RESOLUÇÃO Nº 023/2011, DE 28 DE ABRIL DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Administração LFE em Análise de Sistemas

Leia mais

PROPOSTA DE PARCERIA WIZARD E Aspuv

PROPOSTA DE PARCERIA WIZARD E Aspuv PROPOSTA DE PARCERIA WIZARD E Aspuv Viçosa Agosto 2015 APRESENTAÇÃO A Wizard Idiomas é a maior rede de franquias no segmento de ensino de idiomas do Brasil. Os dados são da Associação Brasileira de Franchising

Leia mais

CURSOS ON-LINE DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIA AULA DEMONSTRATIVA

CURSOS ON-LINE DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIA AULA DEMONSTRATIVA AULA DEMONSTRATIVA Olá pessoal. Com a publicação do edital para Auditor-Fiscal da Receita Federal, como é de costume, houve mudanças em algumas disciplinas, inclusão de novas, exclusão de outras. Uma das

Leia mais

Quem somos? ECID desenvolver sistemas de ensino qualificados e adaptados à realidade brasileira.

Quem somos? ECID desenvolver sistemas de ensino qualificados e adaptados à realidade brasileira. Introdução Nesta apresentação falaremos sobre como ser um Representante Educacional ECID e todas suas vantagens. Apresentaremos-lhe nossos produtos e formas de negócio para sua empresa. Leia atentamente

Leia mais

Mercado de Trabalho e Relações Internacionais no Brasil: um estudo exploratório

Mercado de Trabalho e Relações Internacionais no Brasil: um estudo exploratório 10 Mercado de Trabalho e Relações Internacionais no Brasil: um estudo exploratório Labor Market and International Relations in Brazil: an exploratory study Pedro Feliú Ribeiro* Mariana Kato** Gary Rainer***

Leia mais

REDEAGENTES - Proposta Metodológica -

REDEAGENTES - Proposta Metodológica - MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DO COMÉRCIO EXTERIOR REDEAGENTES - Proposta Metodológica - PREMISSAS

Leia mais

CURSOS TECNOLÓGICOS EM NÍVEL SUPERIOR: BREVES APONTAMENTOS

CURSOS TECNOLÓGICOS EM NÍVEL SUPERIOR: BREVES APONTAMENTOS CURSOS TECNOLÓGICOS EM NÍVEL SUPERIOR: BREVES APONTAMENTOS Alan do Nascimento RIBEIRO, Faculdade de Políticas Públicas Tancredo Neves Universidade do Estado de Minas Gerais Maria Amarante Pastor BARACHO,

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS DO MEIO AMBIENTE REGULAMENTO

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS DO MEIO AMBIENTE REGULAMENTO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS DO MEIO AMBIENTE REGULAMENTO TÍTULO I : DAS DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO II : DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Capítulo 1: Das atribuições

Leia mais

P R O G R A M A T R A I N E E 2 0 1 6

P R O G R A M A T R A I N E E 2 0 1 6 P R O G R A M A T R A I N E E 2 0 1 6 9ª Edição Introdução É com grande satisfação que o Grupo Protege inicia a 9ª edição do Programa Trainee, visando contratar, desenvolver e reter jovens com potencial

Leia mais

Comissão avalia qualidade de ensino da FABE

Comissão avalia qualidade de ensino da FABE CPA / PESQUISA Comissão avalia qualidade de ensino da FABE Avaliação positiva: A forma de abordagem dos objetivos gerais dos cursos também foi bem avaliada e a qualidade do corpo docente continua em alta.

Leia mais

Prefeitura Municipal de Sabará Rua Dom Pedro II, 200 CEP: 34505-000 Sabará MG Fones: (31) 3672-7672 - (31) 3674-2909

Prefeitura Municipal de Sabará Rua Dom Pedro II, 200 CEP: 34505-000 Sabará MG Fones: (31) 3672-7672 - (31) 3674-2909 PROJETO DE LEI Nº 023, de 05 de maio de 2015 Dispõe sobre o processo de ingresso à direção das Instituições de Ensino do Municipio, estabelece a estrutura de cargos e salários dos Diretores e Vice Diretores

Leia mais

MESTRADO EM NEGÓCIOS INTERNACIONAIS

MESTRADO EM NEGÓCIOS INTERNACIONAIS MESTRADO EM NEGÓCIOS INTERNACIONAIS INSCRIÇÕES: 2014 E 2015 UNIVERSIDADE COMPROMETIDA COM A QUALIDADE: UCES Universidad de Ciencias Empresariales y Sociales, elevados padrões e compromisso com a Excelência

Leia mais

Modelo de Questionário de Desligamento

Modelo de Questionário de Desligamento RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Planejamento Recrutamento Seleção Integração 1ª Etapa Surgimento de uma vaga - Dispensas do empregador (demissões); - Pedidos de demissão (saídas voluntárias demissionários); - Mortes;

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto TERMO DE REFERÊNCIA Nº. /2011 CAPA Projeto Agência:

Leia mais

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE DIREITO APRESENTAÇÃO: Padrões de Qualidade para os Cursos

Leia mais

Transferência de Cursos e Revalidação de Diplomas

Transferência de Cursos e Revalidação de Diplomas Transferência de Cursos e Revalidação de Diplomas BASE LEGAL A legislação básica sobre o sistema educacional brasileiro consiste na Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, também chamada de Lei Darcy

Leia mais

FACULDADE PASCHOAL DANTAS

FACULDADE PASCHOAL DANTAS FACULDADE PASCHOAL DANTAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ÊNFASE GESTÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO - SP NOVEMBRO DE 2008 ÍNDICE 1. Visão e Missão da FPD...3 2. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

EMPRESA JÚRIOR E O SEU PAPEL NA FORMAÇÃO DO NOVO PROFISSIONAL O CASO DA FLUXO CONSULTORIA.

EMPRESA JÚRIOR E O SEU PAPEL NA FORMAÇÃO DO NOVO PROFISSIONAL O CASO DA FLUXO CONSULTORIA. EMPRESA JÚRIOR E O SEU PAPEL NA FORMAÇÃO DO NOVO PROFISSIONAL O CASO DA FLUXO CONSULTORIA. Alessandro A. da Silveira fluxo@bol.com.br Universidade Federal do Rio de Janeiro, Departamento de Engenharia

Leia mais

O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL

O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL Historicamente, o ensino da administração no Brasil passou por dois momentos marcados pelos currículos mínimos aprovados em 1966 e 1993, culminando com a apresentação

Leia mais

ANEXO XI REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES DE TRABALHO NO SERVIÇO PÚBLICO CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE

ANEXO XI REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES DE TRABALHO NO SERVIÇO PÚBLICO CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE (Portaria GM-MP nº 220, de 25 de junho de 2014 ) ANEXO XI REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES DE TRABALHO NO SERVIÇO PÚBLICO CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º A Secretaria de Relações de

Leia mais

Mercado De Trabalho. Leticia Bechara Pedagoga e Coordenadora Trevisan Escola de Negócios

Mercado De Trabalho. Leticia Bechara Pedagoga e Coordenadora Trevisan Escola de Negócios Mercado De Trabalho Leticia Bechara Pedagoga e Coordenadora Trevisan Escola de Negócios Sucesso $$$ sonho habilidade satisfação Mercado de Trabalho Trabalho CLT Consolidação das Leis de Trabalho Previdência

Leia mais

Carta Aberta dos estudantes do ProUni ao Ministro de Estado da Educação

Carta Aberta dos estudantes do ProUni ao Ministro de Estado da Educação Carta Aberta dos estudantes do ProUni ao Ministro de Estado da Educação Senhor Ministro, Nós, estudantes bolsistas do ProUni, reunidos na cidade de São Paulo, dedicamos algumas palavras a Vossa Excelência,

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Luis Ricardo Silva Queiroz Presidente da ABEM presidencia@abemeducacaomusical.com.br

Leia mais

REGULAMENTO. I Prêmio do Empreendedorismo Universitário

REGULAMENTO. I Prêmio do Empreendedorismo Universitário REGULAMENTO I Prêmio do Empreendedorismo Universitário 1. INTRODUÇÃO 1.1. O presente regulamento visa orientar os interessados em participar da 1.ª edição do Prêmio do Empreendedorismo Universitário, iniciativa

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

EDITAL Nº 003/2012 TERMO DE REFERÊNCIA N 006 PROJETO PNUD BRA/05/021 PERFIL 006

EDITAL Nº 003/2012 TERMO DE REFERÊNCIA N 006 PROJETO PNUD BRA/05/021 PERFIL 006 1. FUNÇÃO DO PROJETO EDITAL Nº 003/2012 TERMO DE REFERÊNCIA N 006 PROJETO PNUD BRA/05/021 PERFIL 006 Assessoria técnica especializada em temas de voluntariado e políticas públicas de juventude. 2. ANTECEDENTES

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

RESOLUÇÃO CUNI Nº XXXX

RESOLUÇÃO CUNI Nº XXXX RESOLUÇÃO CUNI Nº XXXX Aprova o Projeto Acadêmico CECANE/UFOP. O Conselho Universitário da Universidade Federal de Ouro Preto, em sua xxxx reunião ordinária, realizada em xxx de xxx de 2011, no uso de

Leia mais

MESTRADO EM DIREITO EMPRESARIAL

MESTRADO EM DIREITO EMPRESARIAL MESTRADO EM DIREITO EMPRESARIAL INSCRIÇÕES: 2014 E 2015 UNIVERSIDADE COMPROMETIDA COM A QUALIDADE: UCES Universidad de Ciencias Empresariales y Sociales, elevados padrões e compromisso com a Excelência

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA RESUMO No mundo dos negócios, inovar significa: desenvolvimento e introdução de novidade. A empresa deve inovar em tecnologia para se tornar competitiva e aumentar seu lucro. As inovações

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

POR UMA POLÍTICA DE ENSINO DE (OUTRAS) LÍNGUAS

POR UMA POLÍTICA DE ENSINO DE (OUTRAS) LÍNGUAS Este artigo e seu apêndice Carta de Pelotas apareceram na Revista Trabalhos em Lingüística Aplicada. Campinas: Editora da Unicamp, vol. 37: 103-108, 2001. POR UMA POLÍTICA DE ENSINO DE (OUTRAS) LÍNGUAS

Leia mais

www.highskills.pt geral@highskills.pt PT: 00351 217 931 365 AO: 00244 94 112 60 90 MZ: 00258 821 099 522

www.highskills.pt geral@highskills.pt PT: 00351 217 931 365 AO: 00244 94 112 60 90 MZ: 00258 821 099 522 Apresentação... 3 Como Empresa... 3 A nossa Visão... 3 A nossa Missão - A SUA VALORIZAÇÃO, A NOSSA MISSÃO!... 3 Os nossos Valores... 3 Porquê fazer um Curso de Especialização?... 4 Formação Certificada...

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONCURSO PÚBLICO PARA A CARREIRA DE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONCURSO PÚBLICO PARA A CARREIRA DE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONCURSO PÚBLICO PARA A CARREIRA DE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO EDITAL N.º 51/2014 UNIFESSPA, DE 21 DE JULHO DE 2014 ANEXO I

Leia mais