Federação Nacional de Estudantes de Relações Internacionais. Conselho Nacional de Estudantes de Relações Internacionais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Federação Nacional de Estudantes de Relações Internacionais. Conselho Nacional de Estudantes de Relações Internacionais"

Transcrição

1 Federação Nacional de Estudantes de Relações Internacionais Conselho Nacional de Estudantes de Relações Internacionais Conselho Institucional de Estudantes de Relações Internacionais da Universidade Federal de Santa Catarina. ATA DA TRIGÉSIMA NONA REUNIÃO DO CONSELHO NACIONAL DE ESTUDANTES DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Ao dia dezenove de março de dois mil e onze, às onze horas e dez minutos, no auditório do Centro Sócio-Econômico da Universidade Federal de Santa Catarina, Campus Trindade, na cidade de Florianópolis, Santa Catarina, iniciou-se a trigésima nona reunião do Conselho Nacional de Estudantes de Relações Internacionais (CONERI), contando com a presidente de mesa Camila Fernanda Batalha, com George Walmsley, presidente da Secretaria Geral da Federação Nacional dos Estudantes de Relações Internacionais (FENERI) no auxílio do desenvolvimento das atividades e com Leandro Wolpert dos Santos como relator. Depois de aberta a reunião pela presidente de mesa, o secretário geral deu boas vindas a todos representantes dos Centros Institucionais de Estudantes de Relações internacionais (CIERI's) presentes, dando procedimento, em seguida, à contagem e verificação dos mesmos. Eram eles: Centro Institucional de Estudantes de Relações Internacionais da Universidade Federal de Santa Catarina (CIERI UFSC), Centro Institucional de Estudantes de Relações Internacionais da Fundação Armando Álvares Penteado (CIERI FAAP), Centro Institucional de Estudantes de Relações Internacionais da Fundação Integrada do Recife (CIERI FIR), Centro Institucional de Estudantes de Relações Internacionais da Universidade Federal do Rio de Janeiro (CIERI UFRJ), Centro Institucional de Estudantes de Relações Internacionais das Faculdades de Campinas (CIERI FACAMP), Centro Institucional de Estudantes de Relações Internacionais das Faculdades Integradas Rio Branco (CIERI Rio Branco), Centro Institucional de Estudantes de Relações Internacionais da Universidade Federal de Santa Maria (CIERI UFSM), Centro Institucional de Estudantes de Relações Internacionais da Universidade Federal de Fluminense (CIERI UFF), Centro Institucional de Estudantes de Relações Internacionais da Universidade do Sul de Santa Catarina (CIERI UNISUL), Centro Institucional de Estudantes de Relações Internacionais do Centro Universitário de Curitiba (CIERI UNICURITIBA), Centro Institucional de Estudantes de Relações Internacionais da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (CIERI UFRGS) e Centro Institucional de Estudantes de Relações Internacionais das Faculdades Metropolitanas (CIERI FMU). Depois de apresentados os pontos de pauta da reunião, foi concedida a palavra aos membros da plenária para possíveis observações e/ou pedidos de alteração na ordem dos assuntos contemplados pela pauta. Assim sendo, o CIERI da FAAP solicitou inversão do quarto ponto de pauta (Acompanhamento do ENERI) para o primeiro da ordem, apresentando como justificativa a futura ausência de seu representante na reunião em virtude de complicações de transporte. A plenária deferiu o pedido por unanimidade. Em seguida, o CIERI da FACAMP realizou algumas observações a respeito da explanação do segundo ponto de pauta, qual seja Situação Administrativa, no qual estaria inserida a

2 apresentação da reforma estatutária. Feitas todas as observações e solicitações, então, o CIERI da FAAP principiou a explanação sobre o XVII Encontro Nacional dos Estudantes de Relações Internacionais (ENERI). Primeiramente se comentou a programação do evento no decorrer dos dias 18, 19, 20 e 21 de maio de O CIERI da FACAMP, endossado pelo CIERI da UNISUL, questionou se haveria ou não reembolso para pessoas abaixo de 18 anos que já adquiriram os ingressos que contam com festas. O Secretário Geral George aproveitou a oportunidade para dizer que a fiscalização do evento deve ser bem rígida no que tange a entrada de menores nas festas do evento, com o intuito de resguardar a imagem da FAAP. O CIERI da FAAP reafirmou a colocação do Secretário Geral e prometeu verificar como proceder em casos específicos como o suscitado pelo CIERI da FACAMP. O CIERI da UNISUL também indagou sobre a possibilidade de venda de convites na hora de realização do evento. O CIERI da FAAP afirmou extraoficialmente, que sim, venderá ingressos nesse período, porém, com preços equivalentes ao das inscrições feitas no terceiro lote, ou seja, com o valor acrescido. Entretanto, o CIERI da FAAP demonstrou dúvidas de como operacionalizar a venda de tais ingressos no início do evento, de forma a impedir que indivíduos descontextualizados tumultuem e cabe por atrapalhar o bom desenrolar do evento. O CIERI da Rio Branco sugeriu, pois, que tal venda fosse feita no período de credenciamento do público. O Secretário Geral ponderou que tal procedimento revela-se complicado. O CIERI da FAAP decidiu pensar e planejar melhor sobre o assunto. Depois de discutida essa questão, o CIERI da Rio Branco perguntou se haveria a possibilidade de se inscrever no evento para participar única e exclusivamente das festas. O CIERI da FAAP salientou que as regras estabelecidas pela FENERI que concernem ao ENERI não permitem tal prática e que ele, portanto, não pretende permiti-la igualmente, por temer perder o controle da organização do evento se o fizer. O CIERI da FACAMP recomendou que questões específicas pudessem ser analisadas pelo CIERI anfitrião do ENERI a fim de se averiguar a possibilidade ou não de inscrições apenas para festas. O CIERI da FAAP aceitou a sugestão, mas com a ressalva de que tais situações restringissem-se apenas aos membros dos CIERI's. O CIERI da FAAP disse também que haverá a possibilidade de flexibilização nos preços dos ingressos caso se perceba, previamente, probabilidade de prejuízos. O CIERI da Rio Branco ainda perguntou se o local onde as palestras ocorrerão será próximo do local onde as festas se darão. O CIERI da FAAP respondeu que o tempo de viagem entre os locais é de 15 min, com carro, e que não se responsabilizará pelo transporte, ficando por conta de cada CIERI o mesmo. O segundo item explicitado sobre o ENERI foram as formas de pagamento. Nesse tocante, a FAAP admitiu que vem enfrentando muitas dificuldades e que o processo de confirmação de inscrição no evento encontra-se deveras moroso. Em vista das reclamações de alguns CIERI's da plenária, o CIERI da FAAP pediu desculpas e garantiu que vem procurando soluções com o objetivo precípuo de diminuir o prazo de pagamento do boleto e aumentar o tempo de confirmação de inscrição. Em seguida, discutiu-se a alocação de estandes no evento. O CIERI da FAAP esclareceu que estes encontrar-se-ão no Centro de Convenções da FAAP, o qual possui espaço para oito estandes. Tais estandes estão destinados à propaganda de patrocinadores do evento, da FUNAG, da ONU, da FENERI, da ONG Caminho de Abraão e dos CIERI's que tiverem interesse. O CIERI da FACAMP demonstrou interesse por um estande. O próximo assunto tratado relativo ao ENERI 2011 foi o transporte. O CIERI da FAAP pontuou que não irá se responsabilizar pelo serviço de transporte. Sugeriu aos demais CIERI's a companhia comercial VOETUR para os serviços de vôos e hospedagem. No entanto, admitiu que tal companhia não oferece muitas vantagens. O CIERI da UNICURITIBA discordou quanto a isso. A

3 plenária trocou informações sobre a hospedagem já conseguida de cada CIERI. Em seguida, o CIERI da FACAMP perguntou da existência de camarote no evento, ao passo que o CIERI da FAAP respondeu que nada havia definido. O CIERI da FIR sugeriu oferecer camarote para o pessoal que participa do CONERI. O CIERI da UNICURITIBA pediu por informações a respeito de alojamento na UNB. O CIERI da FAAP não sabia ao certo, no entanto, as informações que possuía eram negativas a respeito de tal alojamento. O CIERI da FAAP ainda indicou outra rede de hotéis para os CIERI's que ainda não reservaram sua hospedagem, em haver, a BITTAL. Em relação à divulgação do ENERI, o CIERI da FAAP afirmou que, já que até o momento presente computaram-se 900 inscrições das quais somente cerca de 350 a 400 foram pagas, a publicação do evento deve ser ampliada e, para isso, disse contar com a ajuda dos CIERI's presentes. De pronto, os CIERI's da FACAMP, da UNISUL, da ESPM e da UFSC ofereceram sua colaboração, seja com a divulgação de material gráfico, seja na confecção do vídeo de promoção do evento, ficando acordado que a FAAP manteria seu vídeo oficial do evento e a ESPM conferiria um caráter mais informal a este com o aprimoramento dum vídeo que já produzira inclusive muito elogiado pelos membros da plenária. O CIERI da UNISUL frisou a importância da divulgação feita pelas diversas redes sociais, nomeadamente o Facebook e o Twitter. A FENERI, sob a figura de seu Presidente, igualmente ofereceu auxílio para a divulgação do evento. O CIERI da FAAP mostrou a intenção de organizar reuniões em São Paulo (capital) com os CIERI's que lá poderem comparecer com o fito de melhor preparar a divulgação do evento. Em seguida, mostrou-se aberto a críticas e sugestões gerais sobre a organização do evento. Aproveitando a oportunidade, o CIERI da ESPM queixou-se do curto período de duração dos lotes de venda de ingressos, considerando-se que para muitas universidades a volta às aulas foi bem recente. O CIERI da FAAP, então, propôs-se a discutir sobre políticas de incentivo para a partição dos CIERI's, aventurando a idéia de se conceder gratuitamente dois pacotes integrais para cada CIERI, e para os demais integrantes dos mesmos o pacote acadêmico. O Secretário Geral da FENERI contou a tradição do ENERI e ressaltou a importância das cortesias no evento, que, contudo, não está protocolado em espécie alguma de estatuto ou guia do ENERI. Disse o Secretário Geral que já está encaminhando algo parecido. Afirmou também que uma política de cortesia de um ingresso grátis para cada cinco membros dum CIERI inscritos demonstra-se inviável. O CIERI da FIR apontou que os privilégios deveriam ser concedidos conforme a participação dos membros do CIERI na realização do ENERI, levando-se em conta o número de CIERI's que de alguma forma colaboraram na preparação do evento e o número de membros de cada um desses CIERI's. O Secretário Geral da FENERI defendeu a idéia de que as cortesias devem ser concedidas apenas aos CIERI's regulamentados corretamente segundo os critérios da Federação. De igual modo, o CIERI da FMU pontuou a questão da regularização dos CIERI's. O CIERI da FAAP, por sua vez, concordou em oferecer cortesias aos CIERI's comprometidos com as atividades do CONERI. O CIERI da UFSC questionou se haveria reembolso para membros de CIERI's que realizaram sua inscrição e que eventualmente fossem contemplados pela política da cortesia. O Secretário Geral da FENERI lembrou que o CIERI da PUC-SP, quando organizador do ENERI de 2007, concedeu, ainda que de maneira desarticulada, o reembolso. Porém, afirmou que fica a cargo do CIERI da FAAP decidir como lidar com essa questão. O CIERI da FAAP disse que, no momento, não pode dar uma resposta exata de como procederá em relação a esse tocante. Com dúvidas em relação à política de cortesias e de reembolso, o CIERI de Rio Branco perguntou, então, como seus membros devem proceder. O CIERI da FAAP respondeu que aqueles que ainda não se inscreveram para o evento devem entrar em contato por e-

4 mail para se chegar a um denominador comum. O CIERI da FACAMP solicitou o estabelecimento, em conjunto, duma data para a organização definitiva da política de concessão de privilégios. O CIERI da FAAP concordou e indicou o dia 29 de março para tanto, sendo aceito unanimemente pela plenária. Fechando o debate sobre a política de incentivo aos CIERI's, o Secretário Geral da FENERI insistiu para que o CIERI da FAAP batalhasse para garanti-la. O último tópico discutido sobre o andamento do ENERI 2011 foi a questão do Patrocínio. O CIERI da FAAP reconheceu apresentar dificuldades nesse sentido, informando que se têm, por enquanto, como patrocinadores, apenas o Bradesco e o Governo do Estado. Mudando um pouco a temática, o CIERI da FACAMP criticou o prazo de envio de trabalhos acadêmicos a serem apresentados no evento, por este ser muito curto, e demandou por seu alongamento para 10 de abril. O CIERI da FAAP aceitou a crítica e prometeu adotar procedimentos para flexibilizar o prazo anteriormente estipulado. O primeiro ponto de pauta foi encerrado com as intervenções do Secretário Geral da FENERI e do CIERI da FAAP sobre as dificuldades gerais da organização do ENERI, a reputação do evento, e com agradecimentos de ambas as partes. Ás treze horas e cinqüenta minutos a plenária solicitou um intervalo para a paralisação da reunião, a qual foi retomada às catorze horas e trinta minutos, contando com a presença dos CIERI's da UFSC, da FIR, da UFRJ, da FACAMP, de Rio Branco, da UFSM, da ESPM, da UFF, da UNISUL, da UNICURITIBA, e da FMU. O CIERI da UFRGS compareceu à reunião às quinze horas. Depois de feita a verificação dos CIERI's presentes, deu-se início à discussão do segundo ponto de pauta, qual seja a Situação Administrativa da FENERI, explanandose, primeiramente, sobre a reforma estatutária e regimental elaborada pelos CIERI's da UFSC e da FACAMP. Em suma, foi sugerida a alteração dos seguintes dispositivos do estatuto da FENERI: Título I, Capítulo I, art. 9 ; Título II, Capítulo I, art. 10 ; Título III, Capítulo II, art. 6, Parágrafo 4 ; Título III, Capítulo III, Seção I, art. 21, Inciso IV; Título III, Capítulo III, Seção III, art. 24, incisos III e IV; Título III, Capítulo V, Seção I, Parágrafo 3 ; Título III, Capítulo V, Seção I, art. 46, Inciso III, Parágrafo Único; Título III, Capítulo V, Seção I, art. 47 ; Título III, Capítulo VI, art. 48 Parágrafos 1, 2 e 3 ; Título III, Capítulo VI, art. 49, Incisos III, IV e V; Título III, Capítulo I, artigos, 58 e 59; Título: VI, Capítulo II, artigos. 67 e 68 Parágrafos 1. Em relação ao segundo dispositivo supracitado, debateu-se sobre a questão da legitimidade dos CIERI's, com o CIERI da FACAMP propondo a confecção dum Censo que pudesse apurar quais CIERI's se encontram em situação regular. O Secretário Geral da FENERI destacou a necessidade de fiscalização, pelo Conselho Fiscal da entidade, da regulamentação dos CIERI's. Quanto à reforma do Parágrafo 4 do art. 6, do Capítulo II, do Título III, o Secretário Geral mostrou-se desfavorável. Para ele, o necessário é definir padrões para a realização das reuniões extraordinárias do CONERI. No que tange à reformulação do terceiro dispositivo elencado acima, Pedro, membro voluntário da FENERI, atentou para que possíveis mudanças não dificultassem a participação dos CIERI's na Federação, a qual precisa crescer consolidar-se e tornar-se mais acolhedora. O CIERI da UNISUL salientou a dificuldade enfrentada por CIERI's sem muitos recursos para entrar na FENERI. O CIERI da FIR, por seu turno, aproveitou a oportunidade para refletir sobre a diferença existente entre os processos de regulamentação e a filiação dum CIERI à Federação. O CIERI da UFRGS chamou atenção também à possibilidade de favorecimento, dentro da FENERI, a cursos que já estão firmados, com a alteração do dispositivo ora em apreço. Quanto à punição dos CIERI's que não tenham uma participação efetiva no CONERI (comparecimento em três encontros seguidos), Pedro sugeriu que, como medida de punição, fosse intentada a retirada de outros direitos que o direito a voto e à palavra nas reuniões do CONERI. No

5 que toca a alteração do Parágrafo Único, Inciso III, art. 46, Seção I, Capítulo V, Título III, o CIERI da UFRGS ponderou novamente o cuidado que se deve ter para não afastar a massa dos estudantes de relações internacionais compositores da FENERI do âmbito deliberativo e institucional da entidade. Pedro demonstrou-se favorável à possibilidade dos CIERI's votarem, ao invés dos estudantes, quando das Assembléias Gerais realizadas no ENERI, com o fito de tornar mais prático e operacional a tomada de decisão da Federação. O CIERI da FMU alertou para o excesso de poder concedido aos CIERI's com a modificação do estatuto. O Secretário Geral da FENERI intimou os CIERI's a se sentirem como a própria Federação e procurar, assim, maior aproximação com os estudantes. O CIERI da UFSC apontou a necessidade de trazer mais informações para os estudantes de relações internacionais sobre a FENERI e suas instâncias com a finalidade de mudar sua concepção sobre a entidade e, assim sendo, conseguir maior participação dos mesmos na Assembléia Geral. O CIERI da FACAMP, por sua vez, propôs alterar a programação da Assembléia para se chegar a esse fim. Ademais, defendeu a votação por CIERI na Assembléia Geral, além de se tomar medidas para melhorar a participação dos estudantes duma forma geral O CIERI da UNISUL frisou o interesse das Universidades pelo FENERI. O CIERI da UFRGS compartilhou um pouco de sua experiência com as Assembléias Gerais de seu curso. O Secretário Geral recordou a importância dos CIERI's na repassagem de informações aos estudantes de que são representantes. Em relação ao regimento interno da FENERI, foram indicadas as seguintes reformas: Título I, artigos. 1 2 e 3 ; Título III, Capítulo I, art. 3 e o Parágrafo Único do art. 4. Depois de explanadas as possíveis alterações do regimento, o Secretário Geral da Federação argumentou que naquele momento não seria interessante discutir sobre reformas no regimento uma vez que não se tinha conhecimento de como ficaria o Estatuto depois de todas as modificações feitas. O CIERI da UFSC contra argumentou dizendo que não foram observadas grandes mudanças no Estatuto que viessem a prejudicar a reforma do Regimento. Decidiu-se, por fim, que a discussão sobre ambas as reformas seria concluída quando da próxima reunião do CONERI, onde estas seriam ou não aprovadas. Cada CIERI ficou de receber s com todas as modificações estatutárias e regimentais propostas durante a reunião. Das dezesseis horas e trinta e cinco minutos às dezessete horas e seis minutos foi proposto pela mesa e aceito pela plenária um intervalo de descanso. Com o retorno das atividades no horário combinado, deu-se início à segunda parte do segundo ponto de pauta, constituída pelos trabalhos do Conselho Fiscal. Tais trabalhos, de acordo com o CIERI da UFSC, foram bem difíceis de realizar, em virtude da falta de documentos necessários e essenciais, contando, assim, com um relatório de apenas duas páginas. No relatório, consta que a situação fiscal da FENERI é ativa, porém irregular, com uma sede há 10 anos não alterada. Além disso, a FENERI possui duas contas bancárias. A mais antiga encontra-se bloqueada, depois de três mil reais terem sido desviados de suas reservas. Quanto a este desvio ilícito, o Secretário Geral da Federação observou que a instituição não detém estrutura logística, financeira e de recursos humanos para reaver a quantia extraviada. Inúmeras são as dificuldades para tanto, dentre elas a falta de provas. Mediante ao exposto, o CIERI da UNISUL perguntou se o processo judicial encetado anteriormente para recuperar o dinheiro, garantir a seriedade da entidade e punir o responsável pelo ato fora interrompido, tendo uma resposta afirmativa por parte da Secretaria Geral. O CIERI da FACAMP ressaltou a importância da honra da FENERI. O CIERI de Rio Branco sugeriu que, caso não haja previsão de prejuízos, deve-se retomar o processo judicial. Pedro, porém, lembrou que tal procedimento implica sim prejuízos. O CIERI da UFSC abordou ainda mais duas irregularidades, em haver: duas multas de atraso de declaração do IR; não declaração ao Imposto de Renda

6 (à receita) como Organização isenta. Um debate intenso foi travado entre os membros da plenária e a Secretaria Geral a respeito da situação administrativa da entidade, chegando-se à conclusão de que não é claro o fluxo de recursos da FENERI. O Secretário Geral garantiu mediadas já estão sendo tomadas para sanar toda a problemática, a exemplo da criação de instrumentos para melhorar a gestão e implementar a segurança, e de mudanças estruturais. Para auxiliar a reforma estrutural da entidade, o CIERI da FACAMP se comprometeu a resgatar documentos financeiros da gestão da FACAMP da Secretaria Geral da FENERI. O CIERI da UFSC sugeriu a utilização da ferramenta Dropbox para a digitalização e controle do fluxo de documentos da Federação (Secretaria Geral). O Secretário Geral rejeitou o uso do Dropbox, por este ser complicado, mas disse que lançará, em breve, o portal da FENERI, ao que todos com credencial do CIERI terão acesso. O CIERI da UFRJ revelou-se incomodado em como lidar com o passado da FENERI e limpar seu nome. O Secretário Geral disse não saber, que tudo deve ser discutido com calma, sem deixar de reparar nos avanços que a entidade vem conseguindo. O CIERI de Rio Branco destacou ser a responsabilidade das gestões da Secretaria Geral fundamental. Nesse sentido, o papel do Conselho Fiscal na transição duma gestão a outra é crucial. O CIERI da UFSC exigiu uma administração correta por parte da Secretaria Geral, a qual deve sim corrigir as irregularidades do passado e não permitir que os problemas da entidade sejam obscurecidos pelas conquistas alcançadas. O CIERI da UFF reconheceu a necessidade de ajuda profissional em termos jurídicos para solucionar a problemática. O Secretário Geral ponderou que a Federação não tem recursos para contratar os serviços de consultoria jurídica, entretanto, que os membros formados em Direito da entidade irão auxiliar nesse aspecto. O CIERI da FACAMP demandou mais seriedade com a administração da Secretaria Geral, enaltecendo a figura do Conselho Fiscal. O Secretário Geral tornou a falar que a Federação não tem condições estruturais para solucionar toda a questão administrativa, oferecendo fazer tudo que estiver ao seu alcance para garantir que os mesmos erros não aconteçam futuramente. Ademais, disse não admitir ser criticado e pressionado por todas as falhas do passado da FENERI. O CIERI da UFSC enfatizou estar à espera da regulamentação da situação. O CIERI da UFRJ questionou se não seria interessante criar uma nova FENERI, idéia negada pela Secretaria Geral e pelo CIERI da FACAMP que, inclusive, se propôs a se reunir com os membros da antiga gestão da FAAP da Secretaria Geral com o objetivo de coletar todos os documentos referentes á Secretaria geral da Federação. O Secretário Geral aceitou a ajuda da FACAMP, e não reconheceu que a reputação da entidade esteja em jogo mediante a desregulamentação administrativa. Sugeriu como encaminhamento a formação duma comissão composta por CIERI's para cuidar dessa questão. O CIERI de Rio Branco sugeriu a criação dum termo de responsabilidade a ser assinado, ao assumir a Secretaria Geral, pelas gestões vencedoras, no qual se comprometam avançar na solução da problemática. A Secretaria Geral acolheu o conselho e acordou com os demais membros da plenária o seguinte encaminhamento: o Conselho Fiscal será responsável por solucionar a questão mandando uma carta, a ser concluída até o dia vinte e cinco de março de 2011, para membros das gestões anteriores (da Secretaria Geral) solicitando o envio de qualquer tipo de documentações, explicações e informações referentes à administração da entidade. Com esse encaminhamento, os trabalhos do dia foram encerrados às dezoito horas e quarenta minutos. Dando continuidade aos trabalhos da XXXIX edição do Conselho Nacional de Estudantes de Relações Internacionais aos vinte de março de dois mil e onze as onze horas e onze minutos. Iniciou-se com a verificação de quorum. Assim sendo, confirmou-se a presença dos seguintes CIERI's: CIERI FACAMP, CIERI FMU, CIERI ESPM-SP,

7 CIERI UNICURITIBA, CIERI UNISUL, CIERI UFF, CIERI UFSM, CIERI ESPM, CIERI URGS, CIERI UFRJ, CIERI RIO BRANCO, CIERI FIR e CIERI UFSC. Prosseguindo a relação à pauta, foi retomado o item Situação administrativa da FENERI, em que o Presidente da Secretaria Geral da FENERI, George Walmsley, reiterou a posição da secretaria geral no sentido de reestruturar a forma organizacional da Secretaria Geral e da FENERI. Apesar de manter as secretarias já existentes há outras gestões, a atuação de cada membro é mais ampla, definida com mais clareza em função de um novo plano de ação. Dentre as ações imediatas programadas para o início da presente gestão, figuram o levantamento da história da FENERI e o gerenciamento de portfólio a fim de consolidar a imagem e o conceito do trabalho executado pela maior entidade representativa de estudantes universitários de Relações Internacionais do Brasil, além disso, a criação de modelos para documentos diversos a serem emitidos pela FENERI, como cartas, convites, petições; também foi lançada uma planilha que demonstra detalhadamente a ação dos agentes da FENERI (Presidente, Secretarias, CIERI's, CONERI, Voluntários, ECT...) em determinadas atividades. Tal ferramenta foi recebida com muito entusiasmo por parte dos CIERI's presentes. O CIERI RIO BRANCO comentou que tal delineação de responsabilidades é favorável tanto na atuação como na cobrança por parte dos outros membros da FENERI. O CIERI FACAMP solicitou o arquivo da tabela e sugeriu que os outros CIERI's podem fazer uso de tal ferramenta em suas atividades internas, idéia que recebeu o apoio do presidente da Secretaria Geral. Ademais, George Walmsley falou sobre o Guia do ENERI, que deverá ser proposto no próximo CONERI pela Secretaria Geral. Outro assunto em pauta neste item da reunião é a implementação de novas regras aos novos CIERI's, para facilitar a adesão e atuação mais efetiva das entidades da base nas atividades da FENERI. O CIERI FACAMP questionou a nova forma de organização e teve como resposta da Secretaria Geral que tal organização trará uma maior atuação a aproveitamento de cada diretor a partir de já. Houve uma pausa para debate informal iniciada às 11h45, tendo a duração de exatos 10 minutos. O ponto seguinte da reunião tratou do novo site da FENERI, apresentado pelo ex-membro do CIERI ESPM-RS, Pedro Schirmer. George Walmsley comparou visualmente o site atual com o novo site, explicitando a diferença no tocante à acessibilidade e chamarizes de interesse. George também agradeceu, em nome da FENERI, o designer do site, Pedro Schirmer, voluntário oficial da FENERI, pela seriedade e tempo empregado na elaboração deste novo site. Pedro Schirmer disse que se trata de um projeto em andamento e que ainda não há todo o conteúdo aplicado ao design, o que depende da seleção de diretrizes para o site. Informou ainda que o site deva tornar-se uma ferramenta útil para reafirmar o contato entre os estudantes de Relações Internacionais do Brasil e a FENERI. Sobre o Fórum, a Secretaria Geral crê que manter o Fórum neste momento não seja o melhor momento em função de outras atividades que necessitam de uma maior atenção. Ainda a respeito da criação do site da FENERI, sugeriu-se a utilização de meios sociais de comunicação, tais quais, facebook, o Orkut e /ou o twitter. Pedro Schirmer ressaltou a importância da centralização do site da FENERI, destacando a importância de garantir informações corretas e atualizadas, além de garantir que as informações sejam repassadas de forma facilitada. O CIERI UFSM destacou o trabalho realizado no ERERI na região sul, onde os dados se mantiveram para o evento precedente. Pedro destacou a utilização de um F.A.Q. Esta ferramenta seria útil no repasse das informações, como a resolução de duvidas referente ao o ENERI, por exemplo. Pedro Schirmer, o voluntário FENERI, ao apresentar as ferramentas destacou a importância da utilização destas. Além da sua utilidade administrativa por parte da FENERI e sua importância acadêmica para aqueles que visam aumentar sua network. Ainda sobre o

8 site, Pedro Schirmer ressaltou a importância da utilização do uso de determinadas perguntas para que se tenha de maneira facilitada as informações a respeito dos seus usuários. Informou ainda que este novo site tenha uma flexibilidade maior no que tange a alteração e distribuição de informações que serão determinados através da secretaria geral da Federação Nacional de Estudantes de Relações Internacionais. A utilização do Facebook vinculada a pagina da FENERI faz com que o site tenha uma proximidade da comunidade acadêmica, além de criar enquetes, para que a FENERI tenha informações a respeito do gosto dos alunos de graduação em Relações Internacionais. Destacou a importância de um espaço dedicado a postagem de artigos e outros materiais acadêmicos que a FENERI achar o que deve ser compartilhado. Também destacou ferramentas como a que todos os usuários poderão ter a opção de impressão, de PDF ou de enviar por . O CIERI FACAMP elogiou o trabalho do Pedro, como voluntario e da Secretaria Geral por esta realização. O CIERI Rio Branco destacou a facilidade a agilidade de postagem e do acesso as informações. Destacou que o uso do site agora como portal, faria com que o site fosse constantemente alimentado. Pedro destacou que a facilidade em fazer modificações no site da FENERI e a facilidade da FENERI em proibir ou de permitir os CIERI`s fazerem suas atualizações em determinados lugares. Isso daria maior participação aos CIERI`s e também protegeria a FENERI de ter informações erradas e desnecessárias em seu site. A ferramenta mostrou-se fácil e prática de ser editada, o que segundo Pedro, e a grande novidade para o site da FENERI. A SG informou que a melhora e notável e destacou que encontrava dificuldades em fazer edições, que requeriam conhecimentos específicos em determinadas áreas das ciências da informação. Pedro informou que a FENERI teria maior controle sobre a página, uma vez que o site tem ferramentas que lhe permitem isso. Tais como o acompanhamento das informações referentes a postagens. Assim, identificando-se os horários e os responsáveis por determinadas edições. O CIERI Rio Branco informou que a possibilidade na edição do site concedido por parte da FENERI deve ter um controle rigoroso e restrito, informando que a moderação deve ser controlada. Pedro Schirmer informou que os criadores do site terão acesso irrestrito, a FENERI teria acesso irrestrito, mas que apenas os criadores teriam o poder de recuperar as informações postadas pelos outros colaboradores. Ainda sobre isso, informou que o CIERI`s terão um grau de moderação menor, para que não permita o uso descontrolado e desnecessário do site e das informações a ele vinculados. Pedro Schirmer destacou que o fórum devera ser o principal meio de troca de informação a respeito da FENERI que sua importância e bastante relevante. O CIERI UNISUL destacou a utilização de um e- mail vinculado a FENERI para o uso dos CIERI`s. A Secretaria Geral informou que poderá disponibilizar o uso destes s ainda nesta semana. Pedro informou o uso do Google analizer, uma ferramenta que poderá ser utilizada para mensurar os acessos dos usuários, ferramenta esta que poderá vir a ser importante. O CIERI UFRJ destacou a nova versão da pagina, informando que este novo site esta muito melhor do que a versão interior. Parabenizando assim, tanto a Secretaria Geral como o trabalho do voluntário da FENERI, o acadêmico Pedro Schirmer. O CIERI UFRJ questionou a utilização do groups do CONERI. A Secretaria Geral informou que reformulará o groups nos próximos dias. O CIERI Rio Branco destacou a utilização do Fórum, pois este seria um facilitador de contatos entre os membros do CIERI`s e até entre os alunos de Graduação em Relações Internacionais. Pedro Schirmer ressaltou que esta ferramenta também seria um facilitador em perpetuar o contato entre os CIERI`s e os alunos, principalmente, nos períodos de transição nos CIERI`s. Pedro Schirmer agradeceu o apoio da Secretaria Geral e destacou a importância e a evolução do produto. A Secretaria Geral informou que ficou satisfeita com o resultado e que será muito útil para

9 os interesses da FENERI. A Secretaria Geral concedeu um intervalo de 10 minutos para debate informal. Com inicio às 13h35min. O Retorno das atividades às 14h13min, a mesa desculpou-se pelos transtornos com os horários e assim iniciou-se o quarto ponto de pauta será os novos - projetos da FENERI. O CIERI ESPM-SP deixou firmado seu compromisso com a realização do vídeo unificado sobre o ENERI 2011 e informou que teria que se ausentar da reunião, pois necessitava ir embora. A mesa agradeceu a presença do CIERI ESPM-SP. Como questão de ordem, estabeleceu-se o teto para as 15h30min das reuniões, assim como sugerido pela mesa, para encerrar os debates da XXXIX edição do CONERI em Florianópolis. O CIERI FIR questionou a participação do CIERI UFSC, pela ausência de membros na plenária. O representante do CIERI UFSC, que esta redigindo esta ata, informou que o CIERI UFSC esta no uso de suas atribuições estatutárias e regimentais terá direito a voz e voto, entretanto, acha conveniente abster-se de todas as decisões tomadas nesta plenária, na data de hoje. No início da apresentação dos projetos da FENERI, o presidente da Secretaria Geral informou que as carteirinhas da FENERI terão seus custos maximizados, de 14 reais para a quantia de 16 reais. Entretanto, houve uma argumentação e manteve-se o preço por 14 reais. Informou ainda que a venda das carteirinhas referentes à gestão FAAP houve lucro, contrapondo a afirmação que estariam dando prejuízo. O CIERI FACAMP se disponibilizou a realização deste projeto, ressaltando a oportunidade de angariar fundas a instituição e ter uma forma de representação extremamente beneficia a FENERI O CIERI Rio Branco perguntou se houve por parte da Secretaria Geral, da contabilização das quantidades necessárias para a venda, sem que haja perdas e se a entrega seria garantida pela Secretaria Geral sem custos. Em resposta, fora afirmado que poderá fazer o envio através da FIR ou ainda através da STB (co-realizadora) do projeto de produção de carteirinhas. O CIERI UFRJ informou no CIERI UFRJ e UFF teriam expectativas de lucros baixas. O CIERI UFF corroborou a manifestação do CIERI UFRJ, afirmando que os alunos já possuem carteirinha para o mesmo fim. O que inviabilizaria a venda da FENERI. A Secretaria Geral argumentou que o projeto poderia dar realmente certo, caso houve uma reestruturação na forma na qual as carteirinhas ao ofertadas e vendidas. E ainda afirmou que pretende aplicar o Programa de Metas da FENERI, que pretende bonificar os CIERI's que venderem acima da expectativa da FENERI, além do repasse de dois reais aos CIERI's. A Secretaria Geral indicou que a carteirinha conta com uma serie de benefícios. Ressaltou ainda, que os candidatos a sede do próximo ENERI poderia já incluir no projeto um desconto para o evento para os alunos que portassem as carteirinhas da FENERI. O CIERI Rio Branco destacou que seria pertinente a venda das carteirinhas já no ENERI em Brasília, realizado pela FAAP. A Secretaria Geral informou que a documentação necessária para a realização das carteirinhas poderia ser quaisquer documentos que comprovassem vinculo do portador a sua instituição de ensino. Como carnes de mensalidade, ou atestados de matricula, freqüência e etc. Ainda no 4 ponto de pauta, a Secretaria Geral informou que fechou uma parceria com o site Watershed, o primeiro site brasileiro especializado em China e Índia, afirmando que esta parceria e bastante benéfica para o campo de Relações Internacionais no Brasil e para a FENERI. Pois a FENERI estará associada a grandes marcas em diversas marcas do mundo. A Secretaria Geral compromete-se enviar os maiores detalhes sobre esta parceria. A Secretaria Geral informou que investira fortemente nas mídias sócias. Colocando como item de primeira ordem, a criação do Facebook da FENERI. Dizendo que fará uma ampla divulgação do Facebook, do Twitter e do site da FENERI, a fim de promover e difundir informações diretamente da FENERI para os alunos de RI. O CIERI UFF questionou a utilização de duas logomarcas diferentes existentes no site antigo e no novo site da FENERI. A Secretaria

10 Geral informou que serão utilizadas as duas logomarcas da FENERI, sem descaracterizar a imagem da Federação. O CIERI UNISUL comprometeu-se a vetorizar as logomarcas da FENERI e repassar a Secretaria Geral o mais breve possível. O CIERI FACAMP pediu o espaço do CONERI para a apresentação do plano de ação conjunta entre Watershed e FENERI, com intermediação do CIERI FACAMP. O CIERI FACAMP informou que a formalização desta parceria será viabilizada através de um grande evento na cidade de São Paulo. Durante a apresentação do CIERI FACAMOP, destacou-se a sua realização na cidade de São Paulo e o publico alvo, primeiramente, sendo os acadêmicos da área de Relações Internacionais. A viabilização do evento seria através dos CIERI`s e da FENERI, utilizando as universidades que podem oferecer o conteúdo e corpo acadêmico, além de parcerias com empresas que podem fornecer serviços a preços reduzidos. Por fim, o CIERI FACAMP informou ser um projeto bastante pertinente e importante e que em breve o CIERI FACAMP procurara os outros CIERI`s para a celebração da parceria. Como penúltimo ponto de pauta, iniciou-se a apresentação dos candidatos para sede do XVII Encontro Nacional de Estudantes de Relações Internacionais, tendo-se como único candidato, o CIERI UFSC. Sendo a única candidata, questionou-se qual seria a posição da FENERI quanto a isso, já que se trata de um caso inusitado, apenas uma candidata ao ENERI. A Secretaria Geral informou que não aceitará outra candidatura que não seja na data de hoje, o que foi votado e aprovado por contraste, com abstenção do CIERI UFSC. O CIERI UFSC iniciou-se sua apresentação falando sobre o principal compromisso da instituição na possível realização do ENERI, que seria a redução de preços, sem a redução da qualidade. Também ressaltou que se pretendia realizar o ENERI nos moldes da atual organização, começando na quarta-feira, encerrando no sábado. Informou que realizaria três festas, sendo uma delas na quinta-feira, uma na sexta-feira e uma no domingo durante o dia. O CIERI UFSC enfatizou que realizará um evento de acordo com suas realidades, que não terá condições de realizar um evento megalomaníaco, porém, acredita que a Universidade Federal de Santa Catarina, e alta visibilidade que tem no cenário nacional e internacional, atrairão inúmeros parceiros e apoiadores. Entre os benefícios de ser sede, destacou principalmente o fator da infra-estruturar, afirmando que utilizarão o Centro de Convenções e Eventos da Universidade Federal de Santa Catarina que já recebeu inúmeros eventos internacionais e por se tratar de ser o maior anfiteatro do estado de Santa Catarina. O CIERI's presentes assim como a Secretaria Geral pontuaram uma série de sugestões ao CIERI UFSC e críticas ao modo como vem sendo realizados os ENERI's. O CIERI UFSC prometeu atender, no que for possível, as ponderações do Conselho e informou que pretende trazer a FENERI mais próxima do evento. Afirmou que o ENERI precisava ter a FENERI como co-organizadora. Sem mais, fora votada e homologada a candidatura do CIERI UFSC por contraste, tendo apenas como abstenção o próprio CIERI UFSC. Como último ponto de pauta, as Considerações Finais, cada CIERI's agradeceu a hospedagem do CIERI UFSC e agradeceu a presença de todos os CIERI's, ressaltando-se que fora um dos CONERI's com maior participação do CIERI's fora de São Paulo. Os CIERI's firmaram sem compromisso com a Federação Nacional de Estudantes de Relações Internacionais, desejaram boa sorte ao CIERI UFSC na apresentação da candidatura do CIERI UFSC no XVI ENERI em Brasília e comprometeram-se a estar presentes na XXXX edição do Conselho Nacional de Estudantes de Relações Internacionais a realizar-se na cidade de Brasília, durante a realização do ENERI pelo CIERI FAAP. Sem mais, foi encerrada a reunião, e nós, Felipe Kloppel Silva e Leandro Wolpert dos Santos, assistentes de mesa do XXXIX Conselho Nacional de Estudantes de Relações Internacionais da federação Nacional de Estudantes de Relações Internacionais, lavramos a presente ata que será assinada pelos

11 representes da Federação Nacional de Estudantes de Relações Internacionais e pelo Centro Institucional de Estudantes de Relações Internacionais da Universidade Federal de Santa Catarina presentes na Reunião do Conselho Nacional de Estudantes de Relações Internacionais. Felipe Kloppel Silva Presidente do CIERI UFSC George Walmsley Presidente da FENERI Camila Fernanda Batalha Presidente de mesa do XXXIX CONERI Leandro Wolpert dos Santos Assistente de Mesa do XXXIX CONERI

ATA DA XXXI REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO NACIONAL DOS ESTUDANTES DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS NA CIDADE DE RIBEIRÃO PRETO SP

ATA DA XXXI REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO NACIONAL DOS ESTUDANTES DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS NA CIDADE DE RIBEIRÃO PRETO SP ATA DA XXXI REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO NACIONAL DOS ESTUDANTES DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS NA CIDADE DE RIBEIRÃO PRETO SP Às nove horas e cinqüenta minutos do dia quinze de maio de dois mil e oito teve

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE TÍTULO I DA COMPOSIÇÃO E DAS COMPETÊNCIAS CAPÍTULO I - DA COMPOSIÇÃO Art. 1º O CONSEPE é o órgão colegiado superior que supervisiona e

Leia mais

ATA DA XXXII REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CONSELHO NACIONAL DOS ESTUDANTES DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS NA CIDADE DE RECIFE PE

ATA DA XXXII REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CONSELHO NACIONAL DOS ESTUDANTES DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS NA CIDADE DE RECIFE PE ATA DA XXXII REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CONSELHO NACIONAL DOS ESTUDANTES DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS NA CIDADE DE RECIFE PE Ao primeiro dia do mês de novembro do ano de dois mil e oito, às onze horas e dez

Leia mais

ATA DA VII REUNIÃO DE ATIVIDADES DO CONERI BELO HORIZONTE SETEMBRO/00

ATA DA VII REUNIÃO DE ATIVIDADES DO CONERI BELO HORIZONTE SETEMBRO/00 ATA DA VII REUNIÃO DE ATIVIDADES DO CONERI BELO HORIZONTE SETEMBRO/00 Dia I Às 15 horas, do dia 07 de setembro de 2000, deu-se início à VII Reunião de Atividades do Conselho Nacional de Estudantes de Relações

Leia mais

ATA DA XI REUNIÃO DO CONERI FLORIANÓPOLIS OUTUBRO/01

ATA DA XI REUNIÃO DO CONERI FLORIANÓPOLIS OUTUBRO/01 ATA DA XI REUNIÃO DO CONERI FLORIANÓPOLIS OUTUBRO/01 Ás onze horas e três minutos do dia vinte e um de outubro de dois mil e um, deu-se início a XI Reunião do CONERI (Conselho Nacional dos Estudantes de

Leia mais

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO LEI Nº 2.998/2007 REGULAMENTA O CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO URBANO - COPLAN, CRIADO NO ARTIGO 2º, DA LEI COMPLEMENTAR N.º 037/2006, DE 15 DE DEZEMBRO, QUE DISPOE SOBRE NORMAS DE

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 Altera o Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação (CPA) das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração das Faculdades

Leia mais

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC 1 Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC Capítulo I Da Natureza, Finalidade e Composição Art. 1 - O Conselho Fiscal é o

Leia mais

Apresentação. Caicó/RN 2010

Apresentação. Caicó/RN 2010 Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação da Faculdade Católica Santa Teresinha CPA/FCST (Aprovado pela Resolução 001/2010-DG/FCST, datado de 14/07/2010) Caicó/RN 2010 Apresentação O Regimento

Leia mais

BOLSA DE ESTUDOS FGC REGULAMENTO

BOLSA DE ESTUDOS FGC REGULAMENTO BOLSA DE ESTUDOS FGC REGULAMENTO Art. 1º - O Fundo Garantidor de Créditos FGC concederá, nos termos deste Regulamento, auxílio bolsa de estudos para os melhores projetos de monografia de conclusão de curso,

Leia mais

ATA DA IV REUNIÃO DE ATIVIDADES DO CONERI - CURITIBA SETEMBRO/99

ATA DA IV REUNIÃO DE ATIVIDADES DO CONERI - CURITIBA SETEMBRO/99 ATA DA IV REUNIÃO DE ATIVIDADES DO CONERI - CURITIBA SETEMBRO/99 1º Dia Aos quatro dias do mês de setembro de mil novecentos e noventa e nove, na cidade de Curitiba, estado do Paraná, iniciou-se a 4ª Reunião

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COLÉGIO DE PRESIDENTES DAS SUBSEÇÕES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E FINALIDADES

REGIMENTO INTERNO DO COLÉGIO DE PRESIDENTES DAS SUBSEÇÕES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E FINALIDADES 1 REGIMENTO INTERNO DO COLÉGIO DE PRESIDENTES DAS SUBSEÇÕES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E FINALIDADES Art. 1º O Colégio de Presidentes das Subseções é órgão de Consulta, Sugestões e de Recomendações ao Conselho

Leia mais

Federação Nacional dos Estudantes de Relações Internacionais. Conselho Nacional dos Estudantes de Relações Internacionais

Federação Nacional dos Estudantes de Relações Internacionais. Conselho Nacional dos Estudantes de Relações Internacionais Federação Nacional dos Estudantes de Relações Internacionais Conselho Nacional dos Estudantes de Relações Internacionais Conselho Institucional dos Estudantes de Relações Internacionais da Faculdade Estácio

Leia mais

Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores. Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos

Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores. Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos São Luís de Montes Belos, novembro de 2011 REGULAMENTO COLEGIADO DE CURSOS REGULAMENTO INTERNO

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL 2015 COMITÊ GESTOR DO PSAP DA DUKE ENERGY PARTICIPANTES ASSISTIDOS

REGULAMENTO ELEITORAL 2015 COMITÊ GESTOR DO PSAP DA DUKE ENERGY PARTICIPANTES ASSISTIDOS 1. FINALIDADE 1.1. O presente Regulamento tem por finalidade estabelecer normas e procedimentos para a eleição do Representante Suplente dos participantes Assistidos, do Plano de Suplementação e Aposentadorias,

Leia mais

SELEÇÃO PÚBLICA PETROBRAS CULTURAL MINAS GERAIS EDIÇÃO 2014 REGULAMENTO GERAL

SELEÇÃO PÚBLICA PETROBRAS CULTURAL MINAS GERAIS EDIÇÃO 2014 REGULAMENTO GERAL SELEÇÃO PÚBLICA PETROBRAS CULTURAL MINAS GERAIS EDIÇÃO 2014 REGULAMENTO GERAL 1. OBJETO Este regulamento estabelece as regras gerais da Seleção Pública Petrobras Cultural Minas Gerais Edição 2014. São

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Aprovado pelo Conselho Universitário em sessão realizada no dia 29 de março de 1983 Resolução No. 09/83.

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Aprovado pelo Conselho Universitário em sessão realizada no dia 29 de março de 1983 Resolução No. 09/83. REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO Aprovado pelo Conselho Universitário em sessão realizada no dia 29 de março de 1983 Resolução No. 09/83. REGIMENTO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA GERAL DA FPAS DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º (Objeto)

REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA GERAL DA FPAS DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º (Objeto) REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA GERAL DA FPAS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Objeto) O funcionamento da Assembleia Geral rege-se pelo disposto no presente Regulamento e pelas demais disposições dos Estatutos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM AGRONOMIA, MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - FUNEP, além das disposições constantes de seu Estatuto

Leia mais

Titulo do Case: Transforme a sociedade com a força do empreendedorismo social Categoria: Prática Interna Temática: Sociedade

Titulo do Case: Transforme a sociedade com a força do empreendedorismo social Categoria: Prática Interna Temática: Sociedade Titulo do Case: Transforme a sociedade com a força do empreendedorismo social Categoria: Prática Interna Temática: Sociedade Resumo: Quanto custa um projeto? As possíveis respostas são inúmeras. Os números

Leia mais

MANUAL PARA OS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO- TCC

MANUAL PARA OS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO- TCC MANUAL PARA OS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO- TCC 1) INTRODUÇÃO A ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, define o Trabalho de Conclusão de Curso - TCC como: Documento que representa o resultado

Leia mais

Professor Rodrigo Marques de Oliveira Presidente do Conselho Acadêmico do IFMG - Campus Governador Valadares

Professor Rodrigo Marques de Oliveira Presidente do Conselho Acadêmico do IFMG - Campus Governador Valadares SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS GOVERNADOR VALADARES - CONSELHO ACADÊMICO Av. Minas Gerais, 5.189 - Bairro Ouro

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O programa de Iniciação Científica da

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA CAPÍTULO I - DA APRESENTAÇÃO E DOS OBJETIVOS DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1 - A atividade de Iniciação Científica integra o processo de ensinoaprendizagem

Leia mais

Normas de regulamentação para a certificação de. atualização profissional de títulos de especialista e certificados de área de atuação.

Normas de regulamentação para a certificação de. atualização profissional de títulos de especialista e certificados de área de atuação. Normas de regulamentação para a certificação de atualização profissional de título de especialista e certificado de área de atuação Em decorrência do convênio celebrado entre a Associação Médica Brasileira

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL II REUNIÃO DO CONSELHO DAS AUTORIDADES CENTRAIS BRASILEIRAS RESOLUÇÃO N.º 02/ 2000 Dispõe sobre a Aprovação do Regimento Interno e dá outras providências O Presidente do Conselho das Autoridades Centrais

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP 205 ANEXO B Regulamento Interno do Colegiado do Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP 206 CAPÍTULO

Leia mais

PROGRAMA JOVENS TALENTOS PARA A CIÊNCIA (PJT CIC) DIRETRIZES

PROGRAMA JOVENS TALENTOS PARA A CIÊNCIA (PJT CIC) DIRETRIZES PROGRAMA JOVENS TALENTOS PARA A CIÊNCIA (PJT CIC) DIRETRIZES SOBRE O PROGRAMA Em 2012 a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico

Leia mais

CAPÍTULO I: DA NATUREZA E FINALIDADE

CAPÍTULO I: DA NATUREZA E FINALIDADE REGULAMENTO DOS NÚLCLEOS DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS (NEABIs) DO IFRS Aprovado pelo Conselho Superior do IFRS, conforme Resolução nº 021, de 25 de fevereiro de 2014. CAPÍTULO I: DA NATUREZA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA MARIA DA FEIRA

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA MARIA DA FEIRA REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA MARIA DA FEIRA O Decreto-Lei nº7/2003, de 15 de Janeiro, com as alterações introduzidas pela Lei nº 41/2003, de 22 de Agosto, retificada pela

Leia mais

Região Autónoma dos Açores ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE ALMAGREIRA MODELO DE REGIMENTO DE ASSEMBLEIA DE FREGUESIA CAPITULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA

Região Autónoma dos Açores ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE ALMAGREIRA MODELO DE REGIMENTO DE ASSEMBLEIA DE FREGUESIA CAPITULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA Região Autónoma dos Açores ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE ALMAGREIRA MODELO DE REGIMENTO DE ASSEMBLEIA DE FREGUESIA CAPITULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA Artigo 1 Natureza e âmbito do mandato 1. Os membros

Leia mais

RESUMO DA 3ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO SUPERIOR EM 22 DE MAIO DE 2013

RESUMO DA 3ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO SUPERIOR EM 22 DE MAIO DE 2013 RESUMO DA 3ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO SUPERIOR EM 22 DE MAIO DE 2013 1 Expediente Retorno e ciência do parecer jurídico da Procuradoria Federal sobre a nova composição do Conselho Superior A Reitora

Leia mais

Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE

Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE O Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE visa fortalecer a missão de desenvolver a nossa terra e nossa gente e contribuir para

Leia mais

XVI CONAPEF CONGRESSO NACIONAL DOS POLICIAIS FEDERAIS REGIMENTO INTERNO

XVI CONAPEF CONGRESSO NACIONAL DOS POLICIAIS FEDERAIS REGIMENTO INTERNO XVI CONAPEF CONGRESSO NACIONAL DOS POLICIAIS FEDERAIS REGIMENTO INTERNO O Presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais - FENAPEF, no uso das atribuições que lhe conferem os artigos 14 e 25,

Leia mais

Curso de Engenharia de Computação Regulamento dos Trabalhos de Conclusão de Curso

Curso de Engenharia de Computação Regulamento dos Trabalhos de Conclusão de Curso 1 Centro Universitário de Araraquara UNIARA Departamento de Ciências da Administração e Tecnologia Curso de Engenharia de Computação Regulamento dos Trabalhos de Conclusão de Curso Capítulo I Das disposições

Leia mais

ATA DA 4ª SESSÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS CAD, DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ UNESPAR.

ATA DA 4ª SESSÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS CAD, DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ UNESPAR. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 ATA DA 4ª SESSÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS CAD, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Câmara Municipal de Resende REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO

Câmara Municipal de Resende REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO Câmara Municipal de Resende REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO A Lei n.º 159/99, de 14 de setembro estabelece no seu artigo 19º, nº 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar

Leia mais

NÚCLEO DE JOVENS EMPREENDEDORES DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL DE SUZANO CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES

NÚCLEO DE JOVENS EMPREENDEDORES DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL DE SUZANO CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES 1 NÚCLEO DE JOVENS EMPREENDEDORES DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL DE SUZANO CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES Art. 1 o O Núcleo de Jovens Empreendedores da Associação Comercial e Empresarial de Suzano

Leia mais

Universidade CEUMA REITORIA Gerência de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Núcleo de Relações Internacionais

Universidade CEUMA REITORIA Gerência de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Núcleo de Relações Internacionais Universidade CEUMA REITORIA Gerência de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Núcleo de Relações Internacionais EDITAL Nº 13/GPG/2015 PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA DE BOLSAS DE EDUCAÇÃO SANTANDER UNIVERSIDADES

Leia mais

2º. Seção 2 - Das Inscrições Artigo 2º. Artigo 3º. Artigo 4º. Seção 3 Da Constituição da Comissão de Bolsas/Capes Artigo 5º. Artigo 6º.

2º. Seção 2 - Das Inscrições Artigo 2º. Artigo 3º. Artigo 4º. Seção 3 Da Constituição da Comissão de Bolsas/Capes Artigo 5º. Artigo 6º. EDITAL Nº. 47/2014 Processo Seletivo Discente Concessão de Benefícios do Prosup, Bolsas e Taxas Curso de Mestrado do No período de 6 a 20 de maio de 2014, estarão abertas as inscrições para o processo

Leia mais

Assembléia Geral - Reapresentação

Assembléia Geral - Reapresentação Dia: 03/02/2010 Horas: 20hs Local: Terminal Rita Maria Espaço Cultural Assembléia Geral - Reapresentação CONVIDADOS: Todos os integrantes do EA Assuntos: 1 RETROSPECTIVA DE 2009: a) - Pedido de desculpas

Leia mais

Do 6º. Congresso Estatutário dos Funcionários da USP

Do 6º. Congresso Estatutário dos Funcionários da USP REGIMENTO DO 6º CONGRESSO ESTATUTÁRIO DOS FUNCIONÁRIOS DA USP SINDICATO DOS TRABALHADORES DA USP DATA: 27, 28, 29 E 30 DE ABRIL DE 2015. LOCAIS: ABERTURA DIA 27, ÀS 18H00 E INSTALAÇÃO DA PLENÁRIA PARA

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

Regimento da Assembleia Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa

Regimento da Assembleia Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa Regimento da Assembleia Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Natureza A Assembleia Geral é o órgão deliberativo máximo do Fórum Académico

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO I V S E M I N Á R I O D E E X E C U Ç Ã O F I N A N C E I R A D E P R O J E T O S F I N A N C I A D O S C O M R E C U R S O S E X T E R N O S MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE

Leia mais

ATA DA REUNIÃO DE DIRETORIA EM 03.04.2014

ATA DA REUNIÃO DE DIRETORIA EM 03.04.2014 ATA DA REUNIÃO DE DIRETORIA EM 03.04.2014 Ao terceiro dia de abril do ano de dois mil e quatorze, às dez horas, reuniu-se, ordinariamente, a diretoria da AJUT Associação dos Servidores na Justiça do Trabalho

Leia mais

Estatuto Social do Centro Acadêmico do Curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Juiz de Fora

Estatuto Social do Centro Acadêmico do Curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Juiz de Fora Estatuto Social do da Universidade Federal de Juiz de Fora CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FORO E FINALIDADE Art. 1º O da Universidade Federal de Juiz de Fora, doravante denominado, é uma associação,

Leia mais

CARGOS E FUNÇÕES APEAM

CARGOS E FUNÇÕES APEAM CARGOS E FUNÇÕES APEAM 1. PRESIDÊNCIA A Presidência possui por finalidades a representação oficial e legal da associação, coordenação e integração da Diretoria Executiva, e o acompanhamento, avaliação,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE INOVAÇÃO DE FIBRIA CELULOSE S.A. CAPÍTULO I DO COMITÊ DE INOVAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE INOVAÇÃO DE FIBRIA CELULOSE S.A. CAPÍTULO I DO COMITÊ DE INOVAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE INOVAÇÃO DE FIBRIA CELULOSE S.A. CAPÍTULO I DO COMITÊ DE INOVAÇÃO 1. O Comitê de Inovação (o "Comitê") é um órgão colegiado de assessoramento e instrução, instituído pelo

Leia mais

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS - UNITINS Do Colegiado de Curso Art. 1º. O Colegiado de Curso é a instância básica dos cursos de graduação, responsável

Leia mais

Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno. apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br

Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno. apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br ÍNDICE SEÇÃO I - DOS SÓCIOS 1 SEÇÃO II - DA ASSEMBLÉIA GERAL 1 SEÇÃO III - DO CONSELHO

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 32/CUn, DE 27 DE AGOSTO DE 2013.

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 32/CUn, DE 27 DE AGOSTO DE 2013. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA ÓRGÃOS DELIBERATIVOS CENTRAIS CAMPUS UNIVERSITÁRIO TRINDADE CEP: 88040-900 FLORIANÓPOLIS SC TELEFONES: (48) 3721-9522 - 3721-4916 FAX: (48)

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SANTA CATARINA HOSPITAL INFANTIL JOANA DE GUSMÃO POLITICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO PNH

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SANTA CATARINA HOSPITAL INFANTIL JOANA DE GUSMÃO POLITICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO PNH MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SANTA CATARINA HOSPITAL INFANTIL JOANA DE GUSMÃO POLITICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO PNH GRUPO DE TRABALHO DE HUMANIZAÇÃO DO HOSPITAL INFANTIL JOANA DE

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA GERIATRIA E GERONTOLOGIA - LIG Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A LIGA DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE ESPORTES E SAÚDE - LIES Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A Liga Acadêmica de Esportes e Saúde é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob

Leia mais

Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre

Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul -

Leia mais

REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA

REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA O Desafio Criativos da Escola é um concurso promovido pelo Instituto Alana com sede na Rua Fradique Coutinho, 50, 11 o. andar, Bairro Pinheiros São Paulo/SP, CEP

Leia mais

Regimento de Assembleia de Freguesia Santa Margarida da Coutada CAPÍTULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA. Artigo 1 Natureza e âmbito do mandato

Regimento de Assembleia de Freguesia Santa Margarida da Coutada CAPÍTULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA. Artigo 1 Natureza e âmbito do mandato Regimento de Assembleia de Freguesia Santa Margarida da Coutada CAPÍTULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA Artigo 1 Natureza e âmbito do mandato 1. Os membros da Assembleia de Freguesia representam os habitantes

Leia mais

Regimento do Comitê de Tecnologia da Informação

Regimento do Comitê de Tecnologia da Informação Regimento do Comitê de Tecnologia da Informação Capítulo 1 Da Natureza e das Competências Art. 1º - O Comitê de Tecnologia da Informação (CTI) instituído pela portaria Nº 1319/GR, de 15 de Setembro de

Leia mais

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem?

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? SAIBA TUDO SOBRE O ENEM 2009 Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? Até 2008, o Enem era uma prova clássica com 63 questões interdisciplinares, sem articulação direta com os

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA NOTA JUSTIFICATIVA A Lei 159/99, de 14 de Setembro, estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os Conselhos locais de Educação. A Lei 169/99, de 18

Leia mais

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo Projeto Amplitude Plano de Ação 2015 P r o j e t o A m p l i t u d e R u a C a p i t ã o C a v a l c a n t i, 1 4 7 V i l a M a r i a n a S ã o P a u l o 11 4304-9906 w w w. p r o j e t o a m p l i t u

Leia mais

ABF ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRANCHISING REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE ÉTICA

ABF ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRANCHISING REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE ÉTICA ABF ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRANCHISING REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE ÉTICA Art. 1º. A Comissão de Ética, órgão nomeado pelo Conselho Diretor da ABF, é responsável pela

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES Art. 1º O Colegiado de Curso é órgão consultivo, normativo, de planejamento acadêmico e executivo, para os assuntos de política de

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Conceituação e Objetivos

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Conceituação e Objetivos 1 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Conceituação e Objetivos O Programa de Bolsas de Iniciação Científica da FIAR é um programa centrado na iniciação científica de novos talentos entre alunos

Leia mais

NORMAS PARA REALIZAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA.

NORMAS PARA REALIZAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA COORDENAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) NORMAS PARA REALIZAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO Art. 1º - O Conselho Municipal de Planejamento Urbano, criado pela Lei Complementar nº 510,

Leia mais

ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE FERREIRA (Paços de Ferreira)

ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE FERREIRA (Paços de Ferreira) Assembleia de Freguesia de Ferreira (Paços de Ferreira) PROJECTO DE REGIMENTO DA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE FERREIRA (Paços de Ferreira) Regimento da Assembleia de Freguesia De FERREIRA (Paços de Ferreira)

Leia mais

PROJETO SERVIÇOS E CIDADANIA EDITAL N 002/2014

PROJETO SERVIÇOS E CIDADANIA EDITAL N 002/2014 PROJETO SERVIÇOS E CIDADANIA EDITAL N 002/2014 Abertura de prazo para solicitação de serviços pelas entidades cadastradas no Projeto Serviços e Cidadania e sediadas em Curitiba e Região Metropolitana O

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE FRUTAL FAF TÍTULO I DO REGULAMENTO E DO ÓRGÃO

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE FRUTAL FAF TÍTULO I DO REGULAMENTO E DO ÓRGÃO REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE FRUTAL FAF TÍTULO I DO REGULAMENTO E DO ÓRGÃO Art. 1º Este Regulamento Interno disciplina as normas relativas ao funcionamento da Comissão Própria

Leia mais

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS - UNEAL

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS - UNEAL REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DA Este Regulamento e a Resolução do Conselho Superior da Uneal (CONSU/UNEAL) que o aprovou foram publicados na edição do Diário Oficial do Estado de 26 de

Leia mais

Diário Oficial da Cidade de São Paulo

Diário Oficial da Cidade de São Paulo Diário Oficial da Cidade de São Paulo Nº 163 DOM de 30/08/08 PORTARIA REPUBLICADA POR TER SAÍDO NA SECRETARIA ERRADA: SECRETARIA MUNICIPAL DE PARTICIPAÇÃO E PARCERIA nas páginas 07 e 08 do Diário Oficial

Leia mais

Regimento Interno da Associação Ambientalista Pimentão

Regimento Interno da Associação Ambientalista Pimentão Regimento Interno da Associação Ambientalista Pimentão página 1-4 Regimento Interno da Associação Ambientalista Pimentão CAPÍTULO I Da Regulamentação do Regimento Interno Art. 1º - O presente Regimento

Leia mais

Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil. Região do Rio Grande do Sul

Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil. Região do Rio Grande do Sul Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil Após um mais de ano de trabalho e experiências adquiridas a CRIC apresenta à diretoria regional as diretrizes que regem

Leia mais

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica INTRODUÇÃO O Grupo Telefônica, consciente de seu importante papel na construção de sociedades mais justas e igualitárias, possui um Programa de

Leia mais

REDE PETRO - BACIA DE CAMPOS REGIMENTO INTERNO

REDE PETRO - BACIA DE CAMPOS REGIMENTO INTERNO REDE PETRO - BACIA DE CAMPOS REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Art. 1º - A Organização Administrativa corresponde à estrutura da REDE PETRO-BC que tem como finalidade garantir

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E ADESÃO AO PROJETO SETORIAL LATITUDE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E ADESÃO AO PROJETO SETORIAL LATITUDE MANUAL DE PROCEDIMENTOS E ADESÃO AO PROJETO SETORIAL LATITUDE Pelo presente instrumento a Associação Brasileira de Arte Contemporânea - ABACT apresenta o Manual de Procedimentos e Adesão referente às regras

Leia mais

Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM.

Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM. Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM 1 Estatuto CASFAM CAPITULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E OBJETO CAPITULO I

Leia mais

Radar Stocche Forbes Janeiro 2016

Radar Stocche Forbes Janeiro 2016 Janeiro 2016 RADAR STOCCHE FORBES - SOCIETÁRIO Decisões do Colegiado da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) Termo de Compromisso Responsabilidade de Diretores A área técnica da CVM encaminhou, recentemente,

Leia mais

Ações de Adaptação de Comunidades e seus Ecossistemas aos Eventos Climáticos

Ações de Adaptação de Comunidades e seus Ecossistemas aos Eventos Climáticos PROCESSO SELETIVO 2011 Ações de Adaptação de Comunidades e seus Ecossistemas aos Eventos Climáticos REGULAMENTO Prezado Gestor, Criado em 2006, o Instituto HSBC Solidariedade é responsável por gerenciar

Leia mais

1. DA FORMA DE ASSOCIAÇÃO

1. DA FORMA DE ASSOCIAÇÃO Por este Termo de Associação, o(a) PROPONENTE qualificado(a) através do site: , manifesta sua vontade de adesão ao quadro social, ou de benefícios, do ESPORTE CLUBE ARACRUZ,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Er REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Art 1º O Fórum da Agenda 21 Local Regional de Rio Bonito formulará propostas de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sustentável local, através

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 339, DE 12 DE AGOSTO DE 2010

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 339, DE 12 DE AGOSTO DE 2010 INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 339, DE 12 DE AGOSTO DE 2010 Dispõe sobre a implantação e o funcionamento do Programa de Cooperação Internacional - PROCIN do Instituto de Pesquisa

Leia mais

O Dr. Pasquini informou que na última AGO, foi prestado contas do Congresso de Curitiba em 2009 que deu lucro a SBTMO e foi um sucesso científico.

O Dr. Pasquini informou que na última AGO, foi prestado contas do Congresso de Curitiba em 2009 que deu lucro a SBTMO e foi um sucesso científico. Ata Assembléia Geral Ordinária da Sociedade Brasileira de Transplante de Medula Óssea SBTMO, realizada no vinte e sete de agosto de dois mil e dez no XIV Congresso da SBTMO. No dia vinte sete de agosto

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO GESTOR DAS UNIDADES DE SAUDE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO GESTOR DAS UNIDADES DE SAUDE REGIMENTO INTERNO CONSELHO GESTOR DAS UNIDADES DE SAUDE SEÇÃO I Da Instituição: Art. 1º - O presente Regimento Interno, regula as atividades e as atribuições do Conselho Gestor na Unidade de Saúde, conforme

Leia mais

Estatuto Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional Estrela

Estatuto Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional Estrela Estatuto Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional Estrela Capítulo I Da denominação, da sede, fins e duração ART. 1º - O Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional

Leia mais

Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix

Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix I - Do Objeto e suas finalidades Art. 1º - O Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista

Leia mais

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL A DIRETORA DA ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS no exercício de suas atribuições legais, com fundamento no art. 65, inciso II da Lei

Leia mais

ETEC Prof. Horácio Augusto da ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ETEC HORÁCIO

ETEC Prof. Horácio Augusto da ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ETEC HORÁCIO Page 1 of 10 ETEC Prof. Horácio Augusto da Silveira ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ETEC HORÁCIO CÁPITULO I Da Denominação, Sede, Fins e Duração Art. 1º - O Grêmio Estudantil da Escola Técnica Estadual

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL PROGRAMA CAIXA DE APOIO AO ARTESANATO BRASILEIRO PATROCÍNIO 2013 REGULAMENTO

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL PROGRAMA CAIXA DE APOIO AO ARTESANATO BRASILEIRO PATROCÍNIO 2013 REGULAMENTO CAIXA ECONÔMICA FEDERAL PROGRAMA CAIXA DE APOIO AO ARTESANATO BRASILEIRO PATROCÍNIO 2013 REGULAMENTO 1. OBJETO 1.1 O presente regulamento tem por objeto a seleção para patrocínio de projetos a serem realizados

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO 1 REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TEORIA GERAL DO CRIME INSTITUTO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS CRIMINAIS IBCCRIM E INSTITUTO DE DIREITO PENAL ECONÓMICO E EUROPEU - IDPEE DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE

Leia mais

REGULAMENTO PRÊMIO FORTALECER

REGULAMENTO PRÊMIO FORTALECER REGULAMENTO PRÊMIO FORTALECER 1. O Prêmio 1.1. Apresentação O Prêmio Fortalecer é uma iniciativa da ThyssenKrupp CSA Siderúrgica do Atlântico (TKCSA), dentro do escopo do PROGRAMA FORTALECER. Este prêmio

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1.º - O Conselho Fiscal do Fundo de Aposentadoria e Pensão do Servidor- FAPS, criado

Leia mais

FACULDADE PATOS DE MINAS TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO INSTRUÇÕES PARA ORIENTADORES E ORIENTADOS

FACULDADE PATOS DE MINAS TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO INSTRUÇÕES PARA ORIENTADORES E ORIENTADOS INSTRUÇÕES PARA ORIENTADORES E ORIENTADOS Seguem abaixo informações fundamentais que devem orientar a realização do TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) que será feito individualmente e em forma MONOGRAFIA

Leia mais

Kit de Apoio à Gestão Pública 1

Kit de Apoio à Gestão Pública 1 Kit de Apoio à Gestão Pública 1 Índice CADERNO 3: Kit de Apoio à Gestão Pública 3.1. Orientações para a reunião de Apoio à Gestão Pública... 03 3.1.1. O tema do Ciclo 4... 03 3.1.2. Objetivo, ações básicas

Leia mais

CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes DO OBJETIVO A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL PROGRAMA CAIXA DE APOIO AO ARTESANATO BRASILEIRO PATROCÍNIO 2012 REGULAMENTO

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL PROGRAMA CAIXA DE APOIO AO ARTESANATO BRASILEIRO PATROCÍNIO 2012 REGULAMENTO CAIXA ECONÔMICA FEDERAL PROGRAMA CAIXA DE APOIO AO ARTESANATO BRASILEIRO PATROCÍNIO 2012 REGULAMENTO 1. OBJETO 1.1. A CAIXA receberá, de 16 de maio a 17 de junho de 2011 projetos a serem realizados ao

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES, PRESERVAÇÃO DE SIGILO E DE NEGOCIAÇÃO DA ALIANSCE SHOPPING CENTERS S.A.

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES, PRESERVAÇÃO DE SIGILO E DE NEGOCIAÇÃO DA ALIANSCE SHOPPING CENTERS S.A. POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES, PRESERVAÇÃO DE SIGILO E DE NEGOCIAÇÃO DA ALIANSCE SHOPPING CENTERS S.A. I - DEFINIÇÕES 1. As definições utilizadas na presente Política de Divulgação de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO Capítulo I da Finalidade Art. 1o. - Este Regimento Interno complementa e disciplina disposições do Estatuto da Associação Brasileira de Manutenção

Leia mais