O DL 35/2005 Alterações ao Plano Oficial de Contabilidade

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O DL 35/2005 Alterações ao Plano Oficial de Contabilidade"

Transcrição

1 O DL 35/2005 Alterações ao Plano Oficial de Contabilidade Introdução O DL 35/2005, de 17 de Fevereiro, transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 2003/51/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 18 de Junho, que altera as Directivas n. os 78/660/CEE, 83/349/CEE, 86/635/CEE e 91/674/CEE, do Conselho, relativas às contas anuais e às contas consolidadas de certas formas de sociedades, bancos e outras instituições financeiras e empresas de seguros e visa, também, assegurar a coerência entre a legislação contabilística comunitária e as Normas Internacionais de Contabilidade (NIC), em vigor desde 1 de Maio de Como é referido no preâmbulo do diploma, a Directiva em epígrafe, designada por DIRECTIVA DA MODERNIZAÇÃO CONTABILÍSTICA, insere-se dentro da estratégia prevista no Regulamento (CE) n.º 1606/2002, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 19 de Julho, relativa à aplicação das NIC. Na sequência desse Regulamento da UE, a Comissão de Normalização Contabilística (CNC) elaborou em Janeiro de 2003 um documento intitulado PROJECTO DE LINHAS DE ORIENTAÇÃO DE UM NOVO MODELO DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA NACIONAL, disponível no site da CNC, no qual propõe a aplicação das NIC (inclui as próprias NIC, bem como as novas NIRF Normas Internacionais de Relato Financeiro e as respectivas Interpretações) às PME s e em que se prevê a sua adaptação à realidade dessas empresas, tendo em conta, nomeadamente, a sua reduzida dimensão (mais de 80% das empresas declaram um volume de negócios inferior a euros) e às menores necessidades de relato financeiro. Ou seja, enquanto que as entidades (grandes empresas) com valores mobiliários (v.g. acções, obrigações) admitidos à negociação num mercado regulamentado terão de obrigatoriamente adoptar as NIC no seu estado original ( NIC Originais ou NIC Puras ), as PME s deverão, se o Projecto da CNC for aprovado pelo Governo, adoptar as NIC com adaptações (algumas não serão mesmo aplicadas e outras serão reduzidas no seu conteúdo), i.e. teremos umas NIC Adaptadas às PME. No esquema seguinte resumimos os dois níveis de normalização previstos no Projecto da CNC, o qual estabelece uma estrutura conceptual comum e assente no normativo do IASB (International Accounting Standards Board). 1

2 Projecto de Normalização da CNC ESTRUTURA CONCEPTUAL DO IASB 1.º Nível 2.º Nível NIC/NIRF PURAS NIC/NIRF ADAPTADAS Empresas com títulos cotados em bolsa - Obrigatório Contas consolidadas - Facultativo - Contas das empresas filiais e associadas Restantes Empresas (99,...%) -Empresas sem títulos cotados -PME s - Micro-empresas Fonte: Elaboração própria Os dois anteriores Governos não se pronunciaram sobre o documento da CNC, pelo que esperamos que o actual o faça com a celeridade exigida. Entretanto, a CNC, em Fevereiro de 2004, definiu um plano de trabalho intitulado PLANO DE ACÇÃO DA CNC PARA O DESENVOLVIMENTO DO NOVO MODELO DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA, também disponível no seu site, que visa adiantar trabalho face à eventual aprovação daquele Projecto, no qual se prevê um conjunto de acções a empreender. Assim, está prevista a análise da estrutura conceptual do IASB e das NIC, a definição das NIC que serão adoptadas, bem como os respectivos ajustamentos e implicações a introduzir nas NIC e o estabelecimento das linhas gerais a que deve obedecer o formato e conteúdo dos modelos de demonstrações financeiras, das notas anexas e do código de contas. Sobre o âmbito de aplicação das NIC e a análise do referido documento da CNC elaborámos alguns artigos, dos quais destacamos o intitulado Um Novo Modelo de Normalização Contabilística Nacional, publicado na revista TOC n.º 38, de Maio de 2003, disponível para download no nosso site 2

3 Note-se, porém, que o DL 35/2005 não visa dar cumprimento ao Projecto da CNC mas apenas proceder à transposição da referida Directiva que é obrigatória face ao ordenamento jurídico comunitário. Mas, nesta breve reflexão, pretendemos destacar essencialmente as alterações de índole contabilística previstas no DL 35/2005, designadamente a relativa ao Plano Oficial de Contabilidade (POC) que se resumem em três capítulos que passamos a comentar (o diploma prevê também outras alterações legislativas, nomeadamente ao Código das Sociedades Comerciais e ao Código do Registo Comercial). 1. Consolidação das Contas O art.º 4.º do DL 35/2005 refere-se à alteração do DL 238/91, de 2 de Julho, que procedeu à transposição da 7.ª Directiva da UE (n.º 83/349/CEE) para o normativo contabilístico português, do qual se destacam as alterações do POC que deram lugar à inserção dos capítulos 13 Normas de Consolidação de Contas e 14 Demonstrações Financeiras Consolidadas. As mutações ora verificadas nos art. os 1.º, 3.º e 4.º do DL 238/91 dizem respeito a ligeiros aspectos no âmbito e nas condições de dispensa de consolidação, não havendo qualquer alteração aqueles dois capítulos do POC. 2. Provisões e Ajustamentos Contabilísticos O art.º 7.º do DL 35/2005 altera o DL 410/89, de 21 de Novembro, que aprovou o POC, de acordo com o anexo ao diploma. As alterações em causa referem-se essencialmente às mutações do conceito de provisões, ao novo conceito de ajustamentos de valores do activo e ao princípio contabilístico Da prudência. Em artigo anterior sob o título As Provisões e os Ajustamentos Contabilísticos, publicado no Guia do Contribuinte do Semanário Económico de Outubro de 2004, apresentámos as principais alterações em contenda, a maioria delas resultantes de questões de pormenor associadas a essas mudanças conceptuais, tendo sido alterados os capítulos 2, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12 e 14 do POC. A alteração substancial em termos das principais demonstrações financeiras, prende-se com o facto de, a partir de 1 de Janeiro de 2005, deixar de existir provisões no activo (contas 19 Provisões para aplicações de tesouraria, 28 Provisões para 3

4 cobranças duvidosas, 39 - Provisões para depreciação de existências e 49 Provisões para investimentos financeiros ), como se depreende do novo texto do item 2.9 Provisões, prescrevendo que as provisões não podem ter por objecto corrigir os valores dos elementos do activo. Assim, as provisões apenas passam a ser registadas no passivo, pois, nos termos daquele item 2.9, têm por objecto reconhecer as responsabilidades cuja natureza esteja claramente definida e que à data do balanço sejam de ocorrência provável ou certa, mas incertas quanto ao seu valor ou data de ocorrência, não podendo ultrapassar as respectivas necessidades. Ou seja, apenas se mantêm as provisões do passivo evidenciadas na conta 29 do POC (anteriormente designada de Provisões para riscos e encargos agora intitulada de Provisões ). Sublinhe-se, no entanto, que se mantém a possibilidade de relevar contabilisticamente as perdas potenciais subjacentes aos referidos activos (aplicações de tesouraria, créditos, existências e investimentos financeiros). Porém, passam a designar- -se de Ajustamentos de valores do activo, conforme item 2.12 que prevê: A estrita aplicação do princípio da prudência aos elementos do activo leva a que sejam reconhecidas as diferenças entre as quantias registadas a custo histórico e as quantias decorrentes da avaliação a preço de mercado, se inferior àquele.... Neste contexto, as empresas terão de alterar os seus planos de contas e programas informáticos para acolher essas alterações, bem como efectuar as respectivas reclassificações contabilísticas no balancete de abertura em 1 de Janeiro de Lateralmente à questão contabilística, voltamos a alertar para a necessidade de alteração do regime fiscal das provisões previsto nos art. os 34.º a 38.º do CIRC. 3. As Normas Internacionais de Contabilidade No preâmbulo do DL 35/2005 clarifica-se o âmbito da alteração em causa: Tendo em conta que as contas anuais e consolidadas das sociedades não abrangidas pelas NIC continuarão a basear-se no direito nacional resultante da transposição das directivas comunitárias, enquanto fonte primária dos requisitos contabilísticos a respeitar, é importante assegurar a igualdade das condições de concorrência relativamente às sociedades que apliquem as NIC. 4

5 Como já referimos, o DL 35/2005 não visa dar cumprimento ao referido Projecto da CNC mas apenas a transposição da citada Directiva da UE, face ao Regulamento (CE) n.º 1606/2002, o que é concretizado nos art. os 11.º a 15.º do diploma. No quadro seguinte resumimos os aspectos mais importantes da nossa interpretação desses articulados. Aplicação das NIC e do POC (Art. os 11.º, 12.º e 14.º do DL 35/2005) Entidades Entidades cujos valores estejam admitidos à negociação num mercado regulamentado da UE (art.º 11.º n.º 1) Contas Consolidadas Contas Individuais POC NIC POC NIC (Art.º 11.º, n.º 1) (Art.º 11.º, n.º 2) Para efeitos fiscais (Art.º 14.º) (Art.º 12.º, n.º 2) Entidades obrigadas a aplicar o POC não abrangidas pelo art.º 11.º, i.e., as entidades sem títulos cotados em bolsa que sejam obrigadas pelo POC à consolidação de contas (art.º 12.º n.º 1). * (Art.º 12.º, n.º 1) Para efeitos fiscais (Art.º 14.º) (Art.º 12.º, n.º 2) * As entidades referidas no Art.º 12.º n.º 1 não dispõem de um artigo de dispensa idêntico às entidades do art.º 11.º, pelo que entendemos que se poderá interpretar da mesma forma, i.e., a obrigatoriedade da elaboração consolidadas de acordo com o POC fica dispensada (i.e. facultativa) caso optem por elaborar as contas consolidadas de acordo com as NIC. 5

Servindo-nos da nossa motivação para

Servindo-nos da nossa motivação para 46 Contabilidade Em primeiro lugar, lembramos que este tema já foi abordado nos artigos a seguir elencados, todos disponíveis no nosso portal Infocontab, em www.infocontab.com.pt. A investigação sobre

Leia mais

O Futuro da Normalização Contabilística Nacional. O Sistema de Normalização Contabilística (SNC) CAPÍTULO I NOTAS PRÉVIAS.

O Futuro da Normalização Contabilística Nacional. O Sistema de Normalização Contabilística (SNC) CAPÍTULO I NOTAS PRÉVIAS. 30 anos de normalização contabilística em Portugal (1977/2007) - passado, presente e futuro O Futuro da Normalização Contabilística Nacional O Sistema de Normalização Contabilística (SNC) POR: JOAQUIM

Leia mais

A Certificação (Legal) das Contas

A Certificação (Legal) das Contas N.º de caracteres:9942 A Certificação (Legal) das Contas Por Joaquim Fernando da Cunha Guimarães Agosto de 2005 Revista de Contabilidade e Finanças da APPC A Certificação (Legal) das Contas, adiante designada

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS Nos termos do disposto no Artigo 242.º do Decreto-Lei n.º 94-B/98, de 17 de Abril, compete ao Instituto de Seguros de Portugal

Leia mais

Decreto-Lei nº 35/2005, de 17 de Fevereiro

Decreto-Lei nº 35/2005, de 17 de Fevereiro Diploma consolidado Decreto-Lei nº 35/2005, de 17 de Fevereiro O presente diploma transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva nº 2003/51/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 18 de Junho,

Leia mais

- FUTURA NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA NACIONAL -

- FUTURA NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA NACIONAL - XIII JORNADAS DE CONTABILIDADE E FISCALIDADE DA APOTEC - LISBOA / CULTURGEST / 1 DE MARÇO DE 2007 - - FUTURA NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA NACIONAL - 1 TENDÊNCIAS INTERNACIONAIS... E NÓS SEC IOSCO PORTUGAL

Leia mais

Decreto-Lei n. o 36-A/

Decreto-Lei n. o 36-A/ Decreto-Lei n. o 36-A/2011 09-03-2011 Diploma consolidado Assunto: Aprova os regimes da normalização contabilística para microentidades e para as entidades do sector não lucrativo e transpõe para o direito

Leia mais

ENTREVISTA AO BOLETIM CONTABILIDADE E EMPRESAS DO JORNAL VIDA ECONÓMICA. Joaquim Fernando da Cunha Guimarães Junho de 2006

ENTREVISTA AO BOLETIM CONTABILIDADE E EMPRESAS DO JORNAL VIDA ECONÓMICA. Joaquim Fernando da Cunha Guimarães Junho de 2006 ENTREVISTA AO BOLETIM CONTABILIDADE E EMPRESAS DO JORNAL VIDA ECONÓMICA Joaquim Fernando da Cunha Guimarães Junho de 2006 1- Com a entrada em vigor da oitava directiva, a OROC parece que vai ser esvaziada

Leia mais

a) consolidação de conceitos contabilísticos e de terminologias contabilísticas.

a) consolidação de conceitos contabilísticos e de terminologias contabilísticas. RELATO FINANCEIRO [12017] GERAL Regime: Semestre: OBJETIVOS Pretende-se, com esta unidade curricular, em complemento com os conhecimentos e as competências apreendidos em outras unidades curriculares,

Leia mais

Grupos económicos - Obrigatoriedade de elaborar demonstrações financeiras consolidadas a partir do exercício de 2016

Grupos económicos - Obrigatoriedade de elaborar demonstrações financeiras consolidadas a partir do exercício de 2016 Grupos económicos - Obrigatoriedade de elaborar demonstrações financeiras consolidadas a partir do exercício de 2016 O Decreto-Lei n.º 98/2015, de 2 de junho, com entrada em vigor a partir de 1 de janeiro

Leia mais

TRANSIÇÃO PARA OS IAS/ IFRS

TRANSIÇÃO PARA OS IAS/ IFRS TRANSIÇÃO PARA OS IAS/ IFRS 1 1. Introdução 2. Factores a realçar 3. Principais alterações derivadas da adopção dos 4. Impacto dos no Balanço de Abertura (1 de Janeiro de 2004) 5. Principais impactos em

Leia mais

As IFRS (1) são adoptadas por algumas

As IFRS (1) são adoptadas por algumas Contas individuais, consolidadas e separadas: das IFRS para o SNC P o r A n t ó n i o G e r v á s i o L é r i a s Este artigo tenta caracterizar os vários tipos de contas no normativo das IFRS, passando

Leia mais

XPLICADO SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA SNC EXPLICADO. João Rodrigues

XPLICADO SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA SNC EXPLICADO. João Rodrigues João Rodrigues SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA SNC EXPLICADO XPLICADO Diplomas legais Conteúdo e movimentação de todas as contas Explicações e comentários sobre cada norma Tratamento a nível do

Leia mais

As NIC/Novo POC em 2007(?) e a. Fiscalidade. Actualização em Contabilidade e. Fiscalidade CAPÍTULO I NOTAS PRÉVIAS

As NIC/Novo POC em 2007(?) e a. Fiscalidade. Actualização em Contabilidade e. Fiscalidade CAPÍTULO I NOTAS PRÉVIAS Actualização em Contabilidade e Fiscalidade As NIC/Novo POC em 2007(?) e a Fiscalidade ORGANIZÇÃO: Associação Industrial do Minho Joaquim Guimarães, Manuela Malheiro e Mário Guimarães, SROC Direcções de

Leia mais

A Nova Diretiva de Contabilidade

A Nova Diretiva de Contabilidade Eduardo Sá Silva A Nova Diretiva de Contabilidade Diretiva 2013/34/EU (A mudança previsível) ÍNDICE Índice... 5 Apresentação... 7 Parte 1 Conceitos introdutórios... 9 Parte 2 Princípios gerais do relato

Leia mais

Analisar e implementar as disposições das normas específicas sobre a preparação e a elaboração de demonstrações financeiras consolidadas;

Analisar e implementar as disposições das normas específicas sobre a preparação e a elaboração de demonstrações financeiras consolidadas; CONTABILIDADE DE GRUPOS ECONÓMICOS [9393121] GERAL Regime: Semestre: OBJETIVOS Compreender e problematizar noções e pressupostos associados ao processo de elaboração e de apresentação de demonstrações

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO PARA AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE (IAS/IFRS)

TRANSPOSIÇÃO PARA AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE (IAS/IFRS) Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. Sociedade Aberta Rua dos Remolares, nº 14, 1200-371 Lisboa Portugal Capital Social 5.000.000 NIPC 500 255 342 Matrícula de Registo Comercial de Lisboa nº 5489 FACTO

Leia mais

Alterações ao SNC Breve Síntese

Alterações ao SNC Breve Síntese Alterações ao SNC 2016 - Breve Síntese A publicação do Decreto-Lei n.º 98/2015 transpõe para o ordenamento jurídico interno a Directiva Europeia de Contabilidade, que em conjunto com a publicação das Portarias

Leia mais

CURSO BREVE. Impacto fiscal da adopção do Sistema de Normalização Contabilística

CURSO BREVE. Impacto fiscal da adopção do Sistema de Normalização Contabilística CURSO BREVE Impacto fiscal da adopção do Sistema de Normalização Contabilística JUSTIFICAÇÃO DO CURSO Na sequência do Projecto de linhas de orientação para um novo modelo de normalização contabilística,

Leia mais

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS 23.9.2016 L 257/1 II (Atos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO (UE) 2016/1703 DA COMISSÃO de 22 de setembro de 2016 que altera o Regulamento (CE) n. o 1126/2008, que adota determinadas normas internacionais

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) L 330/20 16.12.2015 REGULAMENTO (UE) 2015/2343 DA COMISSÃO de 15 de dezembro de 2015 que altera o Regulamento (CE) n. o 1126/2008, que adota determinadas normas internacionais de contabilidade nos termos

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 2, alínea g), do seu artigo 44. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 2, alínea g), do seu artigo 44. o, L 283/28 DIRECTIVA 2001/65/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 27 de Setembro de 2001 que altera as Directivas 78/660/CEE, 83/349/CEE e 86/635/CEE relativamente às regras de valorimetria aplicáveis

Leia mais

Publicado no Diário da República, I Série, nº 102, de 22 de Junho AVISO N.º 06/2016

Publicado no Diário da República, I Série, nº 102, de 22 de Junho AVISO N.º 06/2016 Publicado no Diário da República, I Série, nº 102, de 22 de Junho AVISO N.º 06/2016 ASSUNTO: ADOPÇÃO PLENA DAS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE/NORMAS INTERNACIONAIS DE RELATO FINANCEIRO Havendo

Leia mais

O Balanceamento entre Benefício e Custo no SNC

O Balanceamento entre Benefício e Custo no SNC O Balanceamento entre Benefício e Custo no SNC Joaquim Fernando da Cunha Guimarães Abril de 2010 Revista de Contabilidade & Finanças da APPC n.º 101, Abr/Jun de 2010, pp. 4-6 Revista Electrónica INFOCONTAB

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) 23.12.2015 L 336/49 REGULAMENTO (UE) 2015/2441 DA COMISSÃO de 18 de dezembro de 2015 que altera o Regulamento (CE) n. o 1126/2008, que adota determinadas normas internacionais de contabilidade nos termos

Leia mais

Desafios profissionais: Os profissionais e o SNC. Lúcia Lima Rodrigues

Desafios profissionais: Os profissionais e o SNC. Lúcia Lima Rodrigues Desafios profissionais: Os profissionais e o SNC Lúcia Lima Rodrigues Introdução Breve caracterização do sistema contabilístico português: o SNC Os profissionais e o SNC Desafios/Oportunidades da adopção

Leia mais

INFOCONTAB Luca Pacioli

INFOCONTAB Luca Pacioli 1 Nota Número Informativa 26, 29 INFOCONTAB de Dezembro de n.º26 2006 N OTA I NFORMATIVA INFOCONTAB Luca Pacioli Portal INFOCONTAB O Portal da Contabilidade em Portugal www.infocontab.com.pt jfcguimaraes@jmmsroc.pt

Leia mais

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS 19.9.2017 Jornal Oficial da União Europeia L 240/1 II (Atos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO (UE) 2017/1538 DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 25 de agosto de 2017 que altera o Regulamento (UE) 2015/534

Leia mais

Publicação dos Documentos de Prestação de Contas das Empresas de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 04/2005-R, de 28 de Fevereiro

Publicação dos Documentos de Prestação de Contas das Empresas de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 04/2005-R, de 28 de Fevereiro Não dispensa a consulta da Norma Regulamentar publicada em Diário da Republica NORMA REGULAMENTAR N.º 3/2008-R, DE 6 DE MARÇO Publicação dos Documentos de Prestação de Contas das Empresas de Seguros Alteração

Leia mais

Pretende-se que os estudantes adquiram os seguintes conhecimentos e competências:

Pretende-se que os estudantes adquiram os seguintes conhecimentos e competências: NOÇÕES DE CONTABILIDADE E RELATO FINANCEIRO [5453112] GERAL Regime: Semestre: OBJETIVOS Com esta unidade curricular pretende-se fornecer os conhecimentos necessários acerca de alguns conceitos básicos

Leia mais

A aplicação da Normalização Contabilística para as Microentidades - NCM

A aplicação da Normalização Contabilística para as Microentidades - NCM Normalização Contabilística: Presente e Futuro - CNC A aplicação da Normalização Contabilística para as Microentidades - NCM Carlos Martins Lisboa, 15 de Dezembro de 2011 ÍNDICE Enquadramento e alguns

Leia mais

SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA 2. BASES PARA A APRESENTAÇÃO DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA 2. BASES PARA A APRESENTAÇÃO DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA Índice 1. APRESENTAÇÃO 2. BASES PARA A APRESENTAÇÃO DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 2.1. ÂMBITO, FINALIDADE E COMPONENTES 2.2. CONTINUIDADE 2.3. REGIME DE ACRÉSCIMO

Leia mais

Apresentação do. Novo Sistema de Normalização Contabilística. 23 de Abril de Intervenção do Ministro de Estado e das Finanças

Apresentação do. Novo Sistema de Normalização Contabilística. 23 de Abril de Intervenção do Ministro de Estado e das Finanças Apresentação do Novo Sistema de Normalização Contabilística 23 de Abril de 2009 Intervenção do Ministro de Estado e das Finanças Fernando Teixeira dos Santos Senhor Secretário de Estado, Senhor Presidente

Leia mais

Ultrapassado o período de transição, importa continuar a promover a gradual adaptação ao regime, baseado em princípios, das NIC.

Ultrapassado o período de transição, importa continuar a promover a gradual adaptação ao regime, baseado em princípios, das NIC. Não dispensa a consulta da Norma Regulamentar publicada em Diário da República NORMA REGULAMENTAR N.º 22/2010-R, DE 16 DE DEZEMBRO PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS ALTERAÇÃO À NORMA REGULAMENTAR

Leia mais

A TRANSIÇÃO PARA AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE (NIC/IAS NIRF/IFRS / NCRF - NCRF-PE )

A TRANSIÇÃO PARA AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE (NIC/IAS NIRF/IFRS / NCRF - NCRF-PE ) A NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA, A FISCALIDADE E A INSPECÇÃO TRIBUTÁRIA Famalicão, 27 de Junho de 2007 A TRANSIÇÃO PARA AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE (NIC/IAS NIRF/IFRS / NCRF - NCRF-PE ) MÁRIO

Leia mais

Novas regras contabilísticas e seu impacto em sede de IRC baralhar e dar de novo

Novas regras contabilísticas e seu impacto em sede de IRC baralhar e dar de novo Novas regras contabilísticas e seu impacto em sede de IRC baralhar e dar de novo 26 de Maio de 2010 Introdução ao tema Novas regras contabilísticas SNC Sistema de Normalização Contabilística POC SNC Impacto

Leia mais

BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A.

BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A. BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A. BALANÇO INDIVIDUAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2001 E 2000 2001 ACTIVO Notas Activo Amortizações Activo 2000 Bruto e Provisões líquido 1. Caixa e disponibilidades

Leia mais

RELATÓRIOS E PARECERES

RELATÓRIOS E PARECERES 2015 RELATÓRIOS E PARECERES :: RELATÓRIO & CONTAS 2015 PÁG. 02 :: RELATÓRIO & CONTAS 2015 PÁG. 03 :: RELATÓRIO & CONTAS 2015 PÁG. 04 1. Constituição e actividade O Banco Terra, S.A. ( Banco ) é uma sociedade

Leia mais

NORMA REGULAMENTAR N.º 10/2016-R, DE 15 DE SETEMBRO PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS

NORMA REGULAMENTAR N.º 10/2016-R, DE 15 DE SETEMBRO PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS Não dispensa a consulta da Norma Regulamentar publicada em Diário da República NORMA REGULAMENTAR N.º 10/2016-R, DE 15 DE SETEMBRO PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS A Norma Regulamentar n.º 4/2007-R,

Leia mais

Boletim Oficial Suplemento BANCO DE PORTUGAL E U R O S I S T E M A

Boletim Oficial Suplemento BANCO DE PORTUGAL E U R O S I S T E M A BANCO DE PORTUGAL E U R O S I S T E M A Boletim Oficial 12 2017 2. Suplemento BOLETIM OFICIAL DO BANCO DE PORTUGAL Normas e informações 12 2017 2.º SUPLEMENTO 20 dezembro 2017 www.bportugal.pt Legislação

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS DL 659/2008 2008.11.14 A Lei 12-A/2008, de 27 de Fevereiro, que consagra os regimes de vinculação, de carreiras e remunerações dos trabalhadores que exercem funções públicas vem estabelecer novos e mais

Leia mais

A contabilidade em Cabo Verde. Adelino Fonseca Francisco Teixeira

A contabilidade em Cabo Verde. Adelino Fonseca Francisco Teixeira A contabilidade em Cabo Verde Adelino Fonseca Francisco Teixeira O País Cabo Verde é um pais insular situado no Oceano Atlântico, a cerca de 455 km da costa ocidental africana. Tem uma economia aberta

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) L 291/84 REGULAMENTO (UE) 2017/1989 DA COMISSÃO de 6 de novembro de 2017 que altera o Regulamento (CE) n. o 1126/2008, que adota determinadas normas internacionais de contabilidade nos termos do Regulamento

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 3 ADOPÇÃO PELA PRIMEIRA VEZ DAS NORMAS CONTABILISTICAS E DE RELATO FINANCEIRO (NCRF)

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 3 ADOPÇÃO PELA PRIMEIRA VEZ DAS NORMAS CONTABILISTICAS E DE RELATO FINANCEIRO (NCRF) NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 3 ADOPÇÃO PELA PRIMEIRA VEZ DAS NORMAS CONTABILISTICAS E DE RELATO FINANCEIRO (NCRF) Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional

Leia mais

ÍNDICE SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA 1 DECRETO LEI N. 158/2009, DE 13 DE JULHO. Inclui a Declaração de Retificação n.

ÍNDICE SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA 1 DECRETO LEI N. 158/2009, DE 13 DE JULHO. Inclui a Declaração de Retificação n. ÍNDICE SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA 1 DECRETO LEI N. 158/2009, DE 13 DE JULHO (Aprova o SNC) Inclui a Declaração de Retificação n. 67 B/2009, de 11 de setembro, as alterações resultantes da Lei

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) 14.6.2014 L 175/9 REGULAMENTO (UE) N. o 634/2014 DA COMISSÃO de 13 de junho de 2014 que altera o Regulamento (CE) n. o 1126/2008, que adota certas normas internacionais de contabilidade nos termos do Regulamento

Leia mais

CÓDIGO DOS VALORES MOBILIÁRIOS

CÓDIGO DOS VALORES MOBILIÁRIOS CÓDIGO DOS VALORES MOBILIÁRIOS REGULAMENTO DA CMVM E LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR Actualização N.º 1 Código dos Valores Mobiliários Regulamento da CMVM e Legislação Complementar 2 TÍTULO: AUTORES: CÓDIGO DOS

Leia mais

RESULTADOS DA CONSULTA PÚBLICA. Novo regime contabilístico aplicável às empresas de seguros sujeitas à supervisão do Instituto de Seguros de Portugal

RESULTADOS DA CONSULTA PÚBLICA. Novo regime contabilístico aplicável às empresas de seguros sujeitas à supervisão do Instituto de Seguros de Portugal RESULTADOS DA CONSULTA PÚBLICA N.º 3/2007 Novo regime contabilístico aplicável às empresas de seguros sujeitas à supervisão do Instituto de Seguros de Portugal O Instituto de Seguros de Portugal colocou

Leia mais

DOCUMENTO DE CONSULTA PÚBLICA N.º 3/2008. Anteprojecto de Decreto-Lei de transposição da Directiva do Resseguro

DOCUMENTO DE CONSULTA PÚBLICA N.º 3/2008. Anteprojecto de Decreto-Lei de transposição da Directiva do Resseguro DOCUMENTO DE CONSULTA PÚBLICA N.º 3/2008 Anteprojecto de Decreto-Lei de transposição da Directiva do Resseguro 23 de Junho de 2008 1. OBJECTO Pelo presente documento o Instituto de Seguros de Portugal

Leia mais

ORA newsletter. Nº 51 ABRIL/2011 (circulação limitada) Assuntos LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL MARÇO DE 2011

ORA newsletter. Nº 51 ABRIL/2011 (circulação limitada) Assuntos LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL MARÇO DE 2011 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Março de 2011 1 Novo Regime de Normalização Contabilística para Microentidades e para Entidades do Sector Não Lucrativo 2 Revisores e Auditores 6 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL MARÇO

Leia mais

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL EM INSTRUMENTOS FINANCEIROS DOS SENIOR MANAGING DIRECTORS (SMD s) DO BANCO ESPÍRITO SANTO DE INVESTIMENTO, S.A.

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL EM INSTRUMENTOS FINANCEIROS DOS SENIOR MANAGING DIRECTORS (SMD s) DO BANCO ESPÍRITO SANTO DE INVESTIMENTO, S.A. dos Colaboradores SMD S PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL EM INSTRUMENTOS FINANCEIROS DOS SENIOR MANAGING DIRECTORS (SMD s) DO BANCO ESPÍRITO SANTO DE INVESTIMENTO, S.A. Considerando que: 1. A dos colaboradores

Leia mais

PROPOSTA DE MEDIDAS DE ALTERAÇÃO DO DECRETO-LEI N.º 226-A/2007 DE 31 DE MAIO

PROPOSTA DE MEDIDAS DE ALTERAÇÃO DO DECRETO-LEI N.º 226-A/2007 DE 31 DE MAIO PROPOSTA DE MEDIDAS DE ALTERAÇÃO DO DECRETO-LEI N.º 226-A/2007 DE 31 DE MAIO PROPOSTA DE MEDIDAS DE ALTERAÇÃO DO DECRETO-LEI N.º 226- A/2007, DE 31 DE MAIO Água de Furos para Consumo Humano (Indústria

Leia mais

Teoria da Contabilidade I

Teoria da Contabilidade I Teoria da Contabilidade I IV. A introdução ao novo Sistema de Normalização Contabilística Teoria Teoria da Contabilidade e A A normalização Contabilística A A necessidade de uma Estrutura Conceptual?!

Leia mais

PREÇOS DE TRANSFERÊNCIA

PREÇOS DE TRANSFERÊNCIA PREÇOS DE TRANSFERÊNCIA Parte Geral Legislação Específica Convenções para Evitar a Dupla Tributação Convenção 90/436/CEE Acordos prévios sobre preços de transferência Conceito de Preços de Transferência

Leia mais

Pretende-se com o programa apresentado obter os seguintes resultados:

Pretende-se com o programa apresentado obter os seguintes resultados: CONTABILIDADE FINANCEIRA II [12001] GERAL Regime: Semestre: OBJETIVOS Tendo em conta que os alunos deste curso poderão, num futuro próximo, exercer a função de Contabilista Certificado nas empresas do

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) 26.3.2018 L 82/3 REGULAMENTO (UE) 2018/498 DA COMISSÃO de 22 de março de 2018 que altera o Regulamento (CE) n. o 1126/2008, que adota determinadas normas internacionais de contabilidade nos termos do Regulamento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE NA REGULAMENTAÇÃO PROFISSIONAL DOS TOC

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE NA REGULAMENTAÇÃO PROFISSIONAL DOS TOC A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE NA REGULAMENTAÇÃO PROFISSIONAL DOS TOC INTRODUÇÃO O ano de 1999 foi, indubitavelmente, um marco importante na consolidação da actividade dos TOC, através da publicação do

Leia mais

A Informação Empresarial Simplificada (IES)

A Informação Empresarial Simplificada (IES) A Informação Empresarial Simplificada (IES) - 2011 Os novos formulários da Informação Empresarial Simplificada (IES) / Declaração Anual de Informação Contabilística e Fiscal só agora ficaram disponíveis

Leia mais

A evolução da normalização contabilística e a sua contribuição para a transparência dos mercados

A evolução da normalização contabilística e a sua contribuição para a transparência dos mercados Os contributos da investigação e da normalização para a transparência dos mercados Lúcia Lima Rodrigues Professora Catedrática de Contabilidade UMinho CNC EFRAG Academic Panel Agenda Evolução da normalização

Leia mais

PRINCÍPIOS ORIENTADORES PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE PROJECTO EM SIMULAÇÃO EMPRESARIAL

PRINCÍPIOS ORIENTADORES PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE PROJECTO EM SIMULAÇÃO EMPRESARIAL INSTITUTO POLITÉCNICO DO CÁVADO E DO AVE ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO PRINCÍPIOS ORIENTADORES PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE PROJECTO EM SIMULAÇÃO EMPRESARIAL Domingos Martins Eva Miranda Kátia Lemos

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO SOBRE O SETOR BANCÁRIO

CONTRIBUIÇÃO SOBRE O SETOR BANCÁRIO CONTRIBUIÇÃO SOBRE O SETOR BANCÁRIO ESTE DOCUMENTO É INTERATIVO Regime aprovado pelo art.º 141.º da Lei n.º 55-A/2010, de 31 de dezembro (Em 2017, mantém-se em vigor OE 2017) Última atualização: Lei n.º

Leia mais

Aula 08 http://www.webx.ubi.pt/~fantunes Início Normalização contabilística Dentro setorial do país já há segmentação Se pensarmos nas num ambiente empresarial distribuído geograficamente é fácil perceber

Leia mais

INTERPRETAÇÃO TÉCNICA Nº

INTERPRETAÇÃO TÉCNICA Nº INTERPRETAÇÃO TÉNIA Nº 3 Assunto: DEMONSTRAÇÕES FINANEIRAS DO EXERÍIO DE 2005 - Apresentação das quantias relativas ao exercício anterior face às alterações ao PO introduzidas pelo Decreto-Lei nº 35/2005,

Leia mais

FACTORES QUE INFLUENCIAM A REGULAMENTAÇÃO CONTABILÍSTICA FINANCEIRO EM PORTUGAL

FACTORES QUE INFLUENCIAM A REGULAMENTAÇÃO CONTABILÍSTICA FINANCEIRO EM PORTUGAL FACTORES QUE INFLUENCIAM A REGULAMENTAÇÃO CONTABILÍSTICA FINANCEIRO EM PORTUGAL Objectivos E O RELATO Leonor Ferreira Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Descrever o ambiente em que as empresas

Leia mais

INSTRUTIVO N.º xx/20xx de xx de xxxx

INSTRUTIVO N.º xx/20xx de xx de xxxx INSTRUTIVO N.º xx/20xx de xx de xxxx ASSUNTO: TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS Havendo a necessidade de estabelecer um conjunto de procedimentos referentes ao reconhecimento e mensuração de títulos e valores

Leia mais

Consequências fiscais do desreconhecimento de créditos incobráveis

Consequências fiscais do desreconhecimento de créditos incobráveis Consequências fiscais do desreconhecimento de créditos incobráveis A Autoridade Tributária divulgou recentemente o despacho do SEAF XXI n.º 97/2016, de 2016-05-12 que procedeu à alteração do entendimento

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 111/IX

PROPOSTA DE LEI N.º 111/IX PROPOSTA DE LEI N.º 111/IX TRANSPÕE PARA A ORDEM JURÍDICA NACIONAL A DIRECTIVA 98/27/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO, DE 19 DE MAIO DE 1998, RELATIVA ÀS ACÇÕES INIBITÓRIAS EM MATÉRIA DE PROTECÇÃO

Leia mais

SONAECOM DIVULGA RESULTADOS CONSOLIDADOS AUDITADOS PARA 2002 DE ACORDO COM AS NORMAS CONTABILÍSTICAS INTERNACIONAIS (IAS).

SONAECOM DIVULGA RESULTADOS CONSOLIDADOS AUDITADOS PARA 2002 DE ACORDO COM AS NORMAS CONTABILÍSTICAS INTERNACIONAIS (IAS). SONAECOM DIVULGA RESULTADOS CONSOLIDADOS AUDITADOS PARA 2002 DE ACORDO COM AS NORMAS CONTABILÍSTICAS INTERNACIONAIS (IAS). Porto, Portugal, 21 Abril 2003 (Tradução para português do original em inglês)

Leia mais

O SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA (SNC) ÍNDICE NOTAS PRÉVIAS. Joaquim Fernando da Cunha Guimarães.

O SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA (SNC) ÍNDICE NOTAS PRÉVIAS. Joaquim Fernando da Cunha Guimarães. O SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA (SNC) Joaquim Fernando da Cunha Guimarães Revisor Oficial de Contas n.º 790 Docente do Ensino Superior Técnico Oficial de Contas n.º 2586 Membro de Júri de Exames

Leia mais

INFORMAÇÃO CONSOLIDADA. Exercício de (valores não auditados)

INFORMAÇÃO CONSOLIDADA. Exercício de (valores não auditados) Finibanco Holding INFORMAÇÃO CONSOLIDADA Exercício de 2005 (valores não auditados) Finibanco - Holding, SGPS S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua Júlio Dinis, 157 Porto Capital Social: EUR 100.000.000 Matriculado

Leia mais

Orientações de Gestão

Orientações de Gestão 2016 Orientações de Gestão Centro Hospitalar Póvoa de Varzim Vila do Conde, EPE Póvoa do Varzim, 25 de Fevereiro de 2016 Orientação de Gestão n.º 1/2016 PROCEDIMENTOS A ADOTAR NA VERIFICAÇÃO DO CUMPRIMENTO

Leia mais

Proposal for a COUNCIL IMPLEMENTING DECISION

Proposal for a COUNCIL IMPLEMENTING DECISION EUROPEAN COMMISSION Brussels, 7.2.2017 COM(2017) 61 final 2017/0018 (NLE) Proposal for a COUNCIL IMPLEMENTING DECISION que autoriza a República da Estónia a aplicar uma medida especial em derrogação ao

Leia mais

Relato Financeiro e Código das Sociedades Comerciais

Relato Financeiro e Código das Sociedades Comerciais Relato Financeiro e Código das Sociedades Comerciais -Principais artigos referentes a relato financeiro no âmbito do Código Comercial e do Código das Sociedades Comerciais - Responsabilidade pela prestação

Leia mais

CIRCULAR Nº 8/2010. Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas

CIRCULAR Nº 8/2010. Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Direcção de Serviços do IRC Contratos de construção Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Artigo 19.º (Redacção introduzida pelo Decreto-Lei n.º 159/2009, de 13 de Julho) Tendo sido

Leia mais

CURSO CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS

CURSO CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS CURSO CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 03 2. DESENVOLVIMENTO A. Proposta pedagógica B. Investimento C. Condições de participação 03 03 04 04 3. FICHA DE INSCRIÇÃO 05 02 Moneris Academy Consolidação

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia REGULAMENTOS

Jornal Oficial da União Europeia REGULAMENTOS 3.4.2018 L 87/3 REGULAMENTOS REGULAMENTO (UE) 2018/519 DA COMISSÃO de 28 de março de 2018 que altera o Regulamento (CE) n. o 1126/2008, que adota determinadas normas internacionais de contabilidade nos

Leia mais

Ministério d DL 472/

Ministério d DL 472/ DL 472/2013 2013.11.22 A necessidade de contenção da despesa pública no longo prazo com carater de definitividade obriga à redução da despesa no setor da segurança social, o que impõe a introdução de algumas

Leia mais

Recortes de imprensa. Novo Sistema de Normalização Contabilística e Ordem dos TOC

Recortes de imprensa. Novo Sistema de Normalização Contabilística e Ordem dos TOC Recortes de imprensa Novo Sistema de Normalização Contabilística e Ordem dos TOC ID: 24793160 24-04-2009 Tiragem: 64388 Âmbito: Informação Geral Pág: 7 Cores: Cor Área: 7,86 x 4,76 cm² Corte: 1 de 1 3

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 16 EXPLORAÇÃO E AVALIAÇÃO DE RECURSOS MINERAIS

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 16 EXPLORAÇÃO E AVALIAÇÃO DE RECURSOS MINERAIS NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 16 EXPLORAÇÃO E AVALIAÇÃO DE RECURSOS MINERAIS Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Relato Financeiro IFRS

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 5/2004 Warrants autónomos

Regulamento da CMVM n.º 5/2004 Warrants autónomos Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República Regulamento da CMVM n.º 5/2004 Warrants autónomos As recentes modificações legislativas introduzidas no regime dos warrants autónomos

Leia mais

DC6 - Eliminação dos Resultados não Realizados nas Transacções entre Empresas do Grupo (1) Directriz Contabilística n.º 6

DC6 - Eliminação dos Resultados não Realizados nas Transacções entre Empresas do Grupo (1) Directriz Contabilística n.º 6 DC6 - Eliminação dos Resultados não Realizados nas Transacções entre Empresas do Grupo (1) Directriz Contabilística n.º 6 Maio de 1992 1. A presente Directriz tem por finalidade tratar dos resultados não

Leia mais

REGULAMENTOS. (Atos não legislativos)

REGULAMENTOS. (Atos não legislativos) 10.3.2017 L 65/1 II (Atos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO DELEGADO (UE) 2017/389 DA COMISSÃO de 11 de novembro de 2016 que complementa o Regulamento (UE) n. o 909/2014 do Parlamento Europeu

Leia mais

Jornal Oficial nº L 225 de 12/08/1998 p

Jornal Oficial nº L 225 de 12/08/1998 p Directiva 98/59/CE do Conselho de 20 de Julho de 1998 relativa à aproximação das legislações dos Estados-membros respeitantes aos despedimentos colectivos Jornal Oficial nº L 225 de 12/08/1998 p. 0016-0021

Leia mais

Em conformidade com o Regulamento dos Leilões, cada Estado-Membro deverá designar um leiloeiro, responsável pela venda das licenças de emissão na

Em conformidade com o Regulamento dos Leilões, cada Estado-Membro deverá designar um leiloeiro, responsável pela venda das licenças de emissão na Relatório de aplicação da Portaria n.º 3-A/2014, de 7 de janeiro, e do Decreto-Lei n.º 195/2015, de 14 de setembro, relativo a receitas de leilões no âmbito do regime de Comércio Europeu de Licenças de

Leia mais

Proposta de DIRETIVA DO CONSELHO

Proposta de DIRETIVA DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 14.12.2015 COM(2015) 646 final 2015/0296 (CNS) Proposta de DIRETIVA DO CONSELHO que altera a Diretiva 2006/112/CE relativa ao sistema comum do imposto sobre o valor acrescentado

Leia mais

Instrução n. o 6/2013 BO n. o

Instrução n. o 6/2013 BO n. o Instrução n. o 6/2013 BO n. o 4 15-04-2013 Temas Fundo de Resolução Contribuições Índice Texto da Instrução Anexo I Contribuição inicial para o Fundo de Resolução Apuramento Anexo II Contribuição inicial

Leia mais

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 22.6.2011 COM(2011) 360 final 2011/0157 (NLE) Proposta de DECISÃO DO CONSELHO relativa à assinatura e à conclusão do acordo monetário entre a União Europeia e a República Francesa

Leia mais

REGIME DE SEGURANÇA SOCIAL DOS TRABALHADORES INDEPENDENTES DECRETO-LEI N.º 328/93, DE 25 DE SETEMBRO

REGIME DE SEGURANÇA SOCIAL DOS TRABALHADORES INDEPENDENTES DECRETO-LEI N.º 328/93, DE 25 DE SETEMBRO Legislação publicada: Despacho Normativo n.º 19/87, de 19 de Fevereiro: vai ser feita referência a este despacho no art. 6.º do D.L. 328/93; Decreto-Lei n.º 328/93, de 25 de Setembro: instituiu o regime

Leia mais

CMVM CONSULTA PÚBLICA NOVAS REGRAS SOBRE GOVERNO DAS SOCIEDADES COTADAS CONFERÊNCIA LISBOA 9 DE NOVEMBRO DE 2005

CMVM CONSULTA PÚBLICA NOVAS REGRAS SOBRE GOVERNO DAS SOCIEDADES COTADAS CONFERÊNCIA LISBOA 9 DE NOVEMBRO DE 2005 CONFERÊNCIA CONSULTA PÚBLICA NOVAS REGRAS SOBRE GOVERNO DAS SOCIEDADES COTADAS LISBOA 9 DE NOVEMBRO DE 2005 RESULTADOS DA CONSULTA PÚBLICA E NOVAS REGRAS SOBRE GOVERNO DAS SOCIEDADES COTADAS PAULO CÂMARA

Leia mais

DSAJAL/ 3/2017. novembro DAAL. As entidades de menor dimensão e risco orçamental podem beneficiar de um regime simplificado de contabilidade pública.

DSAJAL/ 3/2017. novembro DAAL. As entidades de menor dimensão e risco orçamental podem beneficiar de um regime simplificado de contabilidade pública. Nota Informativa 3/2017 novembro DSAJAL/ DAAL SNC-AP Autarquias Locais Regime Simplificado Pequenas Entidades 1. INTRODUÇÃO As entidades de menor dimensão e risco orçamental podem beneficiar de um regime

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 214 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Fundação Comendador Joaquim de Sá Couto 1.2 Sede: Rua do Hospital, 7 4535 São

Leia mais

Portaria n. o 121/

Portaria n. o 121/ Portaria n. o 121/2011 30-03-2011 Diploma consolidado Assunto: Regulamenta e estabelece as condições de aplicação da contribuição sobre o sector bancário A Lei n.º 55-A/2010, de 31 de dezembro, estabeleceu

Leia mais

REGULAMENTO (UE) 2015/534 DO BANCO CENTRAL EUROPEU

REGULAMENTO (UE) 2015/534 DO BANCO CENTRAL EUROPEU 31.3.2015 PT L 86/13 REGULAMENTO (UE) 2015/534 DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 17 de março de 2015 relativo ao reporte de informação financeira para fins de supervisão (BCE/2015/13) O CONSELHO DO BANCO CENTRAL

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Direcção-Geral dos Assuntos Comunitários SERVIÇO JURÍDICO G - ORDENAMENTO DO AMBIENTE E PROTECÇÃO DA NATUREZA

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Direcção-Geral dos Assuntos Comunitários SERVIÇO JURÍDICO G - ORDENAMENTO DO AMBIENTE E PROTECÇÃO DA NATUREZA G - ORDENAMENTO DO AMBIENTE E PROTECÇÃO DA NATUREZA I.G.1.379 L 0409 Directiva 79/409/CEE do Conselho, de 2 de Abril de 1979, relativa à conservação das aves selvagens. (JO L 103/1 de 25.04.1979) Decreto-Lei

Leia mais

O processo de implementação das IAS/IFRS na Banca em Angola

O processo de implementação das IAS/IFRS na Banca em Angola O processo de implementação das IAS/IFRS na Banca em Angola Apresentador: André Lopes 20 de Abril de 2017 Índice Enquadramento Processo de implementação das IAS/IFRS na Banca em Angola Necessidade de actualização

Leia mais

Processo de consulta pública da CMVM n.º 2/2017

Processo de consulta pública da CMVM n.º 2/2017 Processo de consulta pública da CMVM n.º 2/2017 Alteração do Regulamento da CMVM n.º 5/2008, relativo a deveres de informação 30 de maio de 2017 1. ENQUADRAMENTO E OBJETO DA CONSULTA O presente documento

Leia mais

NCRF 16 Exploração e avaliação de recursos minerais

NCRF 16 Exploração e avaliação de recursos minerais NCRF 16 Exploração e avaliação de recursos minerais Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Relato Financeiro IFRS 6 - Exploração e Avaliação de Recursos

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) 25.11.2015 L 307/11 REGULAMENTO (UE) 2015/2173 DA COMISSÃO de 24 de novembro de 2015 que altera o Regulamento (CE) n. o 1126/2008, que adota determinadas normas internacionais de contabilidade nos termos

Leia mais

Portucel Empresa Produtora de Pasta e Papel, S.A. Informação Intercalar 1º Trimestre de 2007 (não auditada)

Portucel Empresa Produtora de Pasta e Papel, S.A. Informação Intercalar 1º Trimestre de 2007 (não auditada) Portucel Empresa Produtora de Pasta e Papel, S.A. Sociedade Aberta Matriculada sob o nº. 05888/20001204 na Conservatória do Registo Comercial de Setúbal Capital Social: 767 500 000 N.I.P.C. 503 025 798

Leia mais

Projecto de Lei n.º 576/XIII/2.ª. Exposição de motivos

Projecto de Lei n.º 576/XIII/2.ª. Exposição de motivos Projecto de Lei n.º 576/XIII/2.ª Procede à alteração da Lei n.º 31/2009, de 03 de Julho, que aprova o regime jurídico que estabelece a qualificação profissional exigível aos técnicos responsáveis pela

Leia mais