Modelagem de Processos de Software. Pato Branco, , Paraná, Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Modelagem de Processos de Software. Pato Branco, 85501-970, Paraná, Brasil"

Transcrição

1 Modelagem de Processos de Software André L. STOROLLI 1, Gislaine I. ZANOLLA 2, José E. GUIDINI 3, Beatriz T. BORSOI 4 1,2,3,4 Coordenação de Informática, grupo de pesquisa GETIC, Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pato Branco, , Paraná, Brasil RESUMO Processos de software adequadamente definidos auxiliam a prever os resultados no desenvolvimento de software, verificar se esses resultados estão sendo obtidos e estimar prazos e recursos necessários para os projetos de software. Normas e modelos de qualidade determinam o que s que atendam a esses requisitos devem atender. Contudo, normalmente, esses modelos e normas não definem como os s devem ser definidos. Esse artigo tem o objetivo de apresentar uma forma de definir de s de software independentemente de padrão ou modelo de qualidade adotado. Palavras-Chave: s de software, fábrica de software. 1. INTRODUÇÃO Usar s adequadamente definidos para desenvolver sistemas de software tem sido colocado como uma forma de alcançar os requisitos do usuário e que os sistemas sejam desenvolvidos de acordo com o planejamento e o orçamento [1]. Um adequadamente definido permite acompanhar os resultados obtidos ao longo do ciclo de vida do software, prever resultados, estimar projetos e prover melhoria e qualidade. Conhecer os s significa conhecer como os produtos são planejados e produzidos [2]. Um de software bem definido precisa considerar diversas particularidades relacionadas à organização que desenvolve software e ao próprio sistema desenvolvido. Dentre essas particularidades destacam-se a adequação às tecnologias envolvidas, ao de software, ao domínio da aplicação, ao grau de maturidade (ou capacitação) e as características da equipe, da organização e do projeto [3]. Essa quantidade e diversidade de variáveis leva ao entendimento que para cada projeto de desenvolvimento de software é necessário que s com características específicas sejam definidos. Embora cada projeto de software tenha características específicas é possível estabelecer um conjunto de s básicos que sejam utilizados na definição de s de software de uma organização ou de uma área de interesse. Esses s constituem os chamados s padrão de desenvolvimento de software. Processos para projetos específicos são definidos a partir da instanciação do de software padrão da organização [4]. Na instanciação, os s são adaptados de acordo com as características particulares da organização, da equipe e do projeto de software. Esses s instanciados são denominados s de projeto [2] ou projetos de software baseados em s. Como forma de auxiliar na definição de s padrão e de especializá-los, este trabalho tem o objetivo de propor um método para definir representações, modelos, de s. Esses modelos são definidos tendo como base a orientação a objetos. O uso de objeto traz a facilidade de encapsular os dados e operações realizadas com esses dados, fazendo do e dos seus componentes unidades encapsuladas. A herança e o polimorfismo, por exemplo, facilitam a especialização de um padrão. A comunicação por meio de mensagens possibilita a interação entre os objetos que representam o e os seus componentes, mesmo que eles tenham operações polimórficas e pertençam a organizações distintas. Assim, o uso da orientação a objetos para o tratamento de s contribui para definir s padrão e para especializá-los. Este texto está organizado em seções. A seção 2 apresenta o referencial teórico sobre de software que fundamenta a proposta deste trabalho. Na seção 3 está o método proposto. A seção 4 contém uma mostra do uso do método proposto na Seção 3. Por fim, está a conclusão. 2. PROCESSO DE SOFTWARE No desenvolvimento de software estão envolvidos aspectos técnicos e de negócio. Por exemplo, a manutenção de software envolve as atividades de manutenção que são técnicas e o contrato com o cliente que abrange aspectos de negócio. Para atender tanto a aspectos técnicos como de negócio, o conceito de definido e utilizado neste trabalho é baseado nas referências: [5] e [6] para s de maneira geral; [7], [8], [9], [10] e [11] para s de software; e [12] para s de negócio. Os conceitos de que constam nessas referências podem ser sumarizados em como um conjunto de atividades ordenadas, que transformam entradas em saídas. Tendo como base essas referências, esse conceito de e que o desenvolvimento de software é baseado na realização de s, neste trabalho, de software é conceituado como um conjunto de atividades organizadas de maneira a alcançar objetivos relacionados ao ciclo de vida de software. As atividades são realizadas por atores que com o auxílio de recursos produzem e transformam artefatos de software. Os s de software são representados por meio de modelos. Esses modelos representam abstrações definidas de acordo com objetivos e interesses dos envolvidos nos s. Os seguintes autores propõem modelos de s, por vezes denominados visões: [13], [14], [15], [16] e [17]. Curtis, Kellner e Over [13] referem-se às visões como perspectivas e as categorizam em: funcional, organizacional, comportamental e informacional. A funcional contém os componentes do que estão sendo realizados e os fluxos de produtos que são relevantes para esses componentes. A

2 organizacional representa onde e por quem na organização os componentes do são realizados. A comportamental representa o tempo em que os componentes do são realizados. A informacional contém informações para a representação dos produtos produzidos ou manipulados pelos componentes do. Tendo em vista a inserção da tecnologia nos negócios, as perspectivas indicadas por [13] podem ser complementadas ou agregadas, abrangendo aspectos como: recursos, tecnologias e negócio. List e Korherr [14] indicam que as perspectivas de Curtis, Kellner e Over [13] não capturam informações importantes do contexto do de negócio, como os objetivos e os s de s. Assim, eles criaram uma perspectiva de contexto que serve de base para as outras perspectivas. Holt [15] tendo como base as perspectivas de [13] propõe um meta-modelo de composto por sete visões interrelacionadas: a) requisitos, com os objetivos gerais do ; b) estrutura, com a estrutura dos conceitos e a terminologia utilizada; c) conteúdo, contendo as atividades e os artefatos; d) interessados, identificando-os dentro da organização e apresentando-os em hierarquia; e) comportamento, com a ordem das atividades, o fluxo da informação e as responsabilidades; f) informação que inclui os artefatos e os seus relacionamentos; g) de instância do. Chen et al. [16] estabelecem as visões de um em função dos seus componentes. Essas visões são: atividades que representam o progresso do, produtos com estados e recursos humanos que apresenta as atividades atribuídas aos atores do projeto. As visões de atividades e de produtos representam aspectos dinâmicos do e a visão de recursos humanos com aspectos estáticos desses recursos. Os s são constituídos por componentes. Para auxiliar na definição desses componentes, neste trabalho foram utilizadas as referências: [10], [11], [12], [17], [18], [19], [20] e [21]. Considerando os componentes do como conceitos, [10] estabelecem a atividade, o artefato e o recurso como os conceitos básicos dos modelos de s. A atividade e o artefato possuem um auto-relacionamento denominado contém, indicando que podem ser compostos. O artefato é uma especialização do recurso. Há um relacionamento usa entre a atividade e o recurso e um relacionamento produz entre a atividade e o artefato. Os autores [12], [17], [18], [19], [20] e [21] definem os componentes de um tendo de negócio como referência. Dentre os componentes indicados por esses autores são comuns: atividade, recurso e produto. Aversano e Cânfora [19] fazem um complemento incluindo os serviços e a lógica de negócio como componentes do. A lógica de negócio se refere às regras que coordenam as atividades, ordenam os serviços e definem o fluxo de controle durante a execução do. De maneira mais abstrata, Bhuta, Boehm e Meyers [20] se referem a um componente de como um grupo de atividades e/ou outros componentes relacionados por dependências lógicas, que quando executados provêm valor ao projeto. Referindo-se especificamente a s de software, Bertollo e Falbo [11] citam atividades, artefatos, procedimentos e recursos como partes do. As atividades possuem estrutura e organização, ou seja, relacionamentos. Os artefatos representam insumos e produtos. Os procedimentos representam os métodos, as técnicas, as normas, os roteiros e os padrões. Os recursos são do humano, hardware ou software. 3. DEFINIÇÃO, REPRESENTAÇÃO E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Um, assim como um sistema de software, possui um ciclo de vida. Ele precisa ser definido gerando modelos e esses modelos são executados obtendo-se os resultados definidos para o. Neste trabalho, as atividades abrangidas pelo ciclo de vida de software incluem a definição de objetivos, requisitos, estrutura e comportamento do e dos seus componentes, a definição e a representação de modelos de s e a execução, manual e/ou automatizada, desses modelos. Os modelos de precisam ser representados e é necessário definir os elementos para representá-los. Para atender a esses requisitos definiu-se um método para modelar s. A Figura 1 apresenta o modelo conceitual desse método. Essa figura expressa que o método é utilizado para definir modelos de s e ele é composto por etapas e os seus resultados são estruturados por meio de conceitos. Esses conceitos são representados por meio de linguagens de modelagem e são definidos a partir do objeto. Modelo de Método para modelar s define Etapas Conceitos notacionais Linguagens de modelagem modelos modelos estruturados por representados por definidos a partir do Figura 1 - Modelo conceitual do método Objeto O Objeto é definido em [22]. Em resumo ele se refere à representação do e dos seus componentes como objetos. A Figura 3, utilizando notação de diagrama de classes da UML, contém a representação estrutural do objeto. artefato papel recurso política Processo.. ação da atividade(papel, recurso, política) : artefato Figura 2 - Representação conceitual do objeto Fonte: Borsoi e Becerra [22] Com auxílio da representação da Figura 2, conceitua-se, neste trabalho, o objeto como o definido por identidade, atributos e comportamento. Identidade individualiza cada objeto. Atributos definem as suas características e representam os seus dados relacionados. Comportamento representa as operações do objeto com os seus dados e as ações resultantes dos relacionamentos entre objetos. A designação objeto representa a identificação essencial para representar s como objetos. Essa identificação se refere tanto ao como aos componentes que estão vinculados a um. Esses componentes são as

3 atividades, os atores, os recursos, os artefatos e as políticas a que o e os seus componentes estão sujeitos. Os Conceitos notacionais são os elementos conceituais utilizados por uma linguagem de modelagem para representar modelos de s. Esses conceitos definem quais são os elementos a serem representados e a linguagem de modelagem define como eles são sintática e semanticamente representados. Foram definidas três categorias de conceitos notacionais. Elas estão representadas nas Figuras 3 a 5, utilizando notação de diagrama de classes da UML [23]. As classes dessas figuras representam os elementos notacionais e os relacionamentos representam as associações entre esses elementos. Na Figura 3 estão os conceitos notacionais para a representação da estrutura do objeto, que são objeto com atributos e operações e relacionamentos entre objetos. Objeto atributo operação() relacionados por relacionamentos Figura 3 Conceitos para representar o objeto Os atributos definem as propriedades do objeto e representam abstrações dos s de dados possíveis às suas instâncias. As operações são abstrações das ações do objeto. O elemento notacional para representar a estrutura do objeto é uma classe com atributos e operações. As classes estão relacionadas entre si. Diagramas de classes e de objetos da UML [23] podem ser utilizados para representar modelos compostos por esses conceitos A Figura 4 contém os conceitos notacionais utilizados para representar os modelos que definem o comportamento do objeto em termos de estados. Esses conceitos são: estado, transição entre estados, ação e evento. Estado resulta na alteração de Ação relaciona Transição entre estados ativa Evento Figura 4 - Conceitos para representar estados do objeto Modelos de estados contêm o ciclo de vida do objeto como estados e transições entre estados. Os estados estão relacionados entre si por meio de transições que ocorrem a partir de eventos. A mudança de estados resulta em ações realizadas pelos objetos. Diagramas de estados da UML [23] podem ser utilizados para representar os modelos de estados dos objetos. A Figura 5 contém os conceitos notacionais para representar o comportamento do objeto em termos de relacionamento entre atividades por meio de fluxo de seqüência e a comunicação entre atividades, entre s e entre atividade e por meio de fluxo de mensagem. Os modelos de fluxo de seqüência e de mensagem podem ser representados por diagramas BPMN [24] ou diagramas de atividades e de seqüência da UML [23]. Papel Atividade Evento definido por inicia/finaliza por Fluxo entre atividades Fluxo seqüência definem regras Política para entre atividades Relacionamento Fluxo mensagem Figura 5 - Conceitos para representar fluxos de seqüência e de mensagem Os conceitos para representar o fluxo entre atividades são: fluxo de seqüência e de mensagem, relacionamento, atividade, papel, política e evento. Um fluxo entre atividades é composto por atividades relacionadas. Política representa condições que controlam as conexões dos fluxos entre atividades que são realizados por papéis (que são instanciados por atores humanos, máquinas e software) e iniciados e finalizados por eventos. Os relacionamentos conectam as atividades definindo os fluxos. As linguagens de modelagem são utilizadas para representar os resultados das etapas do método. As representações obtidas com essas linguagens obedecem aos critérios sintáticos e semânticos dos conceitos notacionais. Esses conceitos compõem o vocabulário básico para representar a arquitetura de. A UML [23] e a BPMN [24] são exemplos de linguagens que podem ser utilizadas para modelar s. A UML possui os seus próprios conceitos, um vocabulário, os elementos para composição de modelos, diagramas para representar os modelos, relacionamentos para compor os modelos e regras para uso dos conceitos e representação dos modelos. BPMN é uma notação utilizada para representar s, centrada no seqüenciamento de execução das suas atividades. As etapas representam as seqüências de atividades para obter os modelos de. Essas atividades são agrupadas em modelagem conceitual e execução de s. Na fase de modelagem de s, os s são definidos e representados. Na fase de execução de s, as atividades que compõem os s são utilizadas para realizar um projeto de software. A modelagem de s de software é freqüentemente associada à sua execução. Na fase de execução, devem ser consideradas as questões de coordenação de múltiplos usuários e a interação dos mesmos com as ferramentas utilizadas para realizar as atividades. Para isso, é necessário que se obtenha um modelo de executável (ou instanciado), ou seja, um modelo que descreva o em um nível de detalhe que permita a execução manual ou automatizada das suas atividades de forma inequívoca. A modelagem de s abrange a abstração do que será representado em termos de e a representação dessa abstração em modelos. Esses modelos são representações utilizadas para criar e gerenciar as instâncias de, que representam um em uso. A Figura 6, em notação BPMN [24], apresenta as atividades propostas para a fase de modelagem de s. Neste trabalho, a qualidade é considerada sistêmica ao desenvolvimento de software e está vinculada aos s de software e a orientação a objetos é utilizada para definir os modelos desses s. Assim, normas e modelos de qualidade e conceitos da orientação a objetos são utilizados na realização de todas as atividades da fase de modelagem de s.

4 Figura 6 - Atividades da fase de modelagem de s A seguir a das atividades da Figura 6: - Elicitar os requisitos do - inicialmente, o domínio e o contexto para o são definidos. Por meio de abstrações, de acordo com objetivos e interesses, a partir do domínio e contexto são identificados os atributos, o comportamento e os relacionamentos do, os seus componentes, as ações das atividades, os papéis e os recursos necessários para realizálas, as políticas aplicadas ao, aos seus componentes e relacionamentos. Os requisitos incluem a qualidade requerida e esperada para os s e os produtos, as restrições tecnológicas, financeiras e de pessoal e a cultura organizacional. - Realizar análise dos requisitos do - a partir dos requisitos, os objetos que representam o e os seus componentes, os estados do e dos seus componentes são definidos e organizados de acordo com classificação, generalização, agregação e associação da orientação a objetos. Utilizando a orientação a objetos, os requisitos do definem atributos; comportamento e operações são deduzidos a partir das ações realizadas pelas atividades, do seqüenciamento dessas atividades em s e pelos estados a que o e os seus componentes podem assumir. - Definir e representar os modelos de - modelos de são definidos e modelados de acordo com o método na Figura 1. Para utilizar esse método é necessário: a) definir as características básicas que os modelos de s devem ter para atender seus objetivos; b) definir a estrutura básica que caracteriza cada modelo, considerando os requisitos e as operações dos s e dos seus componentes e as políticas que eles estão sujeitos; c) estabelecer o nível de abstração e o grau de detalhamento de cada modelo; d) determinar os componentes de cada e os relacionamentos necessários para compor cada modelo; e) definir as atividades contidas em cada, as suas ações e os seus resultados; f) determinar a seqüência para realização das atividades de cada e as principais informações trocadas entre os s; g) definir os atores que realizam as atividades, a sua hierarquia, as habilidades, as responsabilidades e as restrições dos seus papéis; i) definir os recursos e os procedimentos necessários para realizar cada atividade; g) estabelecer os requisitos e as políticas para os s e os seus componentes. - Especializar modelo de - um modelo de é especializado de acordo com requisitos específicos para um projeto de software, com as características da equipe de desenvolvimento, políticas da organização e outros. A seta circular representada nessa atividade na Figura 6 indica que um modelo de pode passar por diversas especializações. Na execução de um de software, os modelos de s são utilizados para realizar projetos de software. Neste trabalho, executar um consiste em instanciar esse por meio de um projeto de software e realizar esse projeto. Projeto de software pode abranger desde todo o ciclo de vida de software até atividades específicas como implementação de componentes de software e realização de testes. A Figura 7, em BPMN [24], contém as atividades dessa fase. Preparar a atividades manuais instância do para execução atividades automatizadas Preparar ferramentas computacionais Executar o procedimentos políticas Figura 7 - Atividades da fase de execução de s A seguir a das atividades da Figura 7: Gerenciar, monitorar, coletar dados e avaliar o dados de controle e métricas - Preparar a instância do para execução nessa atividade o é instanciado por meio de um projeto de software. Para isso são determinados os requisitos necessários para executar o, incluindo definir os recursos, o orçamento, os prazos, os papéis, os procedimentos, os padrões de documentos e a especificação das ferramentas computacionais a serem utilizadas. Esta atividade inclui alocar recursos e pessoas, definir o planejamento e o cronograma do projeto e atribuir as atividades aos atores. - Preparar as ferramentas computacionais as ferramentas para automatizar e gerenciar a execução das atividades são instaladas e configuradas, incluindo mediadores para prover compatibilidade entre as ferramentas. - Executar o - o projeto de software que instanciou os s é realizado. Um modelo de instanciado ou executável possui características específicas de um projeto de software. Esse modelo orienta a realização das atividades do projeto. A instanciação de um projeto deve considerar: a criticidade em termos de segurança e de desempenho, o grau de distribuição dos s, os modelos e as normas de qualidade utilizadas, o orçamento, as limitações de recursos, as habilidades dos participantes e o nível de automação dos s. Na execução do, as atividades são realizadas por atores humanos ou sistemas automatizados. - Gerenciar, monitorar e coletar dados e avaliar o nessa atividade é realizado o acompanhamento do. Durante a execução do atuam os controles definidos de acordo com as políticas e avaliados de acordo com as métricas estabelecidas. Essa atividade está relacionada com a execução do, isto é representado, na Figura 7, pelas setas que as interligam e significa que elas são realizadas simultaneamente, gerando resultados para realimentar uma a outra. 4. DEFININDO MODELOS DE PROCESSOS Para utilizar o método proposto na Seção 3 é necessário definir o contexto e o domínio dos s. Isso auxilia a determinar quais os s, o que esses s contêm e os modelos necessários para representá-los. Para o exposto nesta seção, o contexto e domínio são os s de desenvolvimento de software de uma fábrica de software de pequeno porte e o uso da ABNT ISO/IEC [7] como modelo de qualidade. Assim, os modelos de estão relacionados à estrutura, ao comportamento e a organização dos objetos e aos relacionamentos entre objetos. Os componentes de um são os seus elementos, ou itens, fundamentais que o compõem. Neste trabalho, os componentes do são denominados essenciais e complementares. Os componentes essenciais de um são os que respondem às questões definidas como fundamentais para um e que compõem a sua conceitualização. Essas questões fundamentais e seus respectivos componentes essenciais são:

5 a) Como e quando é feito são as atividades que compõem o e o seu seqüenciamento que indica a ordem que as atividades devem ser realizadas. b) O que é feito são os artefatos produzidos, modificados e utilizados pelas atividades. c) Quem faz são os atores que representam pessoas, sistemas de software e equipamentos que realizam as atividades. d) Com o que é feito são os recursos utilizados pelos atores para produzir e alterar artefatos. Os componentes complementares possuem atuação vinculada ao e aos seus componentes, aos seus relacionamentos e comportamento. Para este trabalho foram definidos os seguintes componentes complementares: a) Políticas - abrangem aspectos de qualidade, regras e outros critérios que restringem a realização das atividades, a atuação dos atores, o uso dos recursos e a produção dos artefatos. b) Métricas - visam determinar referências para padrões de qualidade e a aplicação de políticas. c) Controles possibilitam a coleta de dados e a verificação da aplicação das políticas e das métricas. Foram definidas três categorias de modelos de tendo como critério as características dos modelos que as compõem: a) Estrutural - representam a estrutura do e dos seus componentes. Os objetos são classes com atributos e podem ter operações. b) Comportamental - representam o comportamento dos objetos por meio de estados e da interação entre atividades. O comportamento são os estados e a comunicação por meio de troca de mensagens entre os objetos. Projeto responsável paradigma observações possui Calendário horas dia data Recurso proprietário Processo objetivo requisitos data inicio prevista data inicio realizada data fim prevista data fim realizada utiliza realizada por Ator habilidades Atividade meta pré-condição pós-condição habilidades artefato (entrada) artefato (saída) pré-atividade pós-atividade produz Artefato versão proprietário Figura 9 Modelo estrutural do de software Tarefa Descrição De acordo com a Figura 9, um projeto de software, independentemente de abranger todo o ciclo de vida de software ou apenas fases ou atividades específicas, agrega um conjunto de s. Um é composto por atividades e estas por tarefas que são as unidades atômicas de trabalho. Um projeto possui um calendário de execução. Às atividades estão vinculados atores que utilizam de recursos para realizá-las e produzir artefatos. A Figura 10 em notação BPMN [24] é um exemplo de modelo da categoria comportamental. Essa figura apresenta a seqüência de atividades do de desenvolvimento de software. Essas atividades estão em um nível bastante elevado de abstração. Os artefatos produzidos são indicados pelo ícone que representa uma folha com o canto superior direito dobrado. c) Organizacional - representam os s e os atores no contexto e no domínio de uma organização que desenvolve software. É a organização em termos de distribuição e categorização dos s de acordo com a estrutura organizacional e a hierarquização dos papéis. As Figuras 8 e 9 representam modelos da categoria estrutural. A Figura 8 utilizando UML [23] apresenta o modelo estrutural dos componentes complementares. Eles se aplicam ao objeto (o e os seus componentes) e aos relacionamentos (incluindo comportamento e estado) entre eles. Metrica Descrição Tipo Período de medição Forma obtenção Valor medido Objeto medido definida de acordo com Política Descricao Tipo Objeto Processo aplicado definido de acordo com Controle Política Métrica Figura 10 Seqüência de atividades desenvolvimento As setas cheias que interligam as atividades na Figura 10 indicam a seqüência que elas devem ser realizadas. O circulo com borda delgada indica o inicio do e o círculo com borda espessa indica o fim do. A ocorrência de eventos pode determinar o início e o fim de um. A Figura 11 utilizando UML [23] representa um exemplo de modelo da categoria organizacional. Esse modelo representa a organização hierárquica dos papéis. Nessa figura os papéis estão organizados por funcionalidades. Um papel é instanciado por atores. Equipe Gerência Geral Equipe Gerência de Projeto Nível estratégico Nível gerencial Figura 8 Modelo estrutural dos componentes complementares A Figura 8 utilizando UML [23] apresenta o modelo estrutural do projeto, do e dos componentes do. Equipe Lógica de Negócios Equipe Banco de Dados Figura 11 Hierarquia dos papéis Equipe Interface Humano- Computador Nível operacional

6 Foram utilizados os níveis estratégico, gerencial e operacional para hierarquizar os papéis. Esses níveis são definidos de acordo com a necessidade e o de informação acessado e manipulado pelos atores que realizam esses papéis. 5. CONCLUSÃO Esse trabalho apresenta um método que auxilia a definir modelos de s. Esse método também facilita o uso de modelos de qualidade visto que eles são baseados na existência de s. É importante ressaltar que somente ter s de software, mesmo que sejam definidos de acordo com os mais rigorosos e consistentes modelos de qualidade, não garante a definição de sistemas de software que atendam os requisitos do usuário, incluindo prazos e custos. Contudo, um adequadamente definido permite prever o resultado final a ser obtido, estabelecer pontos de verificação durante o desenvolvimento, repetir um, melhorar sucessivamente um e adaptá-lo às especificidades de cada projeto de software a ser desenvolvido, incrementado ou melhorado. Os modelos de também podem ser utilizados como padrão pela organização que os especializa de acordo com suas necessidades. Esses modelos podem ser automatizados por sistemas de workflow, por exemplo. 6. REFERÊNCIAS [1] A. Fuggetta, Software process: a roadmap, The Future of Software Engineering (ICSE 2000), ACM Press, 2000, pp [2] S.T. Fiorini, Arquitetura para reutilização de s de software, tese (doutorado em Informática) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, orientador Julio Cesar Sampaio do Prado Leite, [3] A.R.C. Rocha, J.C., Maldonado, K.C. Weber, Qualidade de Software, São Paulo: Prentice Hall, [4] A.R.C. Rocha, et al., Definição de s em ambientes de desenvolvimento de software orientados a organização, Simpósio Brasileiro de Qualidade de Software (SBQS 2004), Vol. 1, 2004, pp [5] A. Lazovik, M. Aiello, M. Papazoglou, Associating assertions with business processes and monitoring their execution, II International Conference on Service Oriented Computing, 2004, pp [6] A. Lindsay, D. Downs, K. Lunn, Business processes - attempts to find a definition, Information and Software Technology, Vol. 45, pp , Management Conference (IEMC '02), IEEE International, Vol. 1, 2002, pp [11] G. Bertollo, R.A. Falbo, Apoio automatizado à definição de s em níveis, II Simpósio Brasileiro de Qualidade de Software, 2003, pp [12] D.A. Taylor, Engenharia de negócios com tecnologia de objetos, Rio de Janeiro: Axcel Books, [13] B. Curtis, et al., Process Modelling. Communications of the ACM, New York, Vol. 35, Num. 9, 1992, pp [14] B. List, B. Korherr, An evaluation of conceptual business process modeling languages, 2006 ACM symposium on Applied computing, 2006, pp [15] J. Holt, No views in bad news - process modelling within a framework, IEE Seminar on Process Modelling Using UML, 2006, pp [16] M. Chen, et al., Enacting a software development process, Third IEEE International Conference on Engineering of Complex Computer Systems (ICECCS '97), 1997, pp [17] W.A. Barnett, et al., An architecture for the virtual enterprise, 1994 IEEE International Conference on Systems, Man, and Cybernetics, 1994, Vol. 1, pp [18] A. Caetano, et al., A role-based framework for business process modeling, 38 th Hawaii International Conference on System Sciences, 2005, pp [19] L. Aversano, G. Canfora, Introducing e-services in business process models, 14 th international conference on Software engineering and knowledge engineering, Vol. 27, ACM Press, 2002, pp [20] J. Bhuta, B. Boehm, S. Meyers, Process elements: components of software process architectures, Software Process Workshop (SPW 2005), LNCS 3840, 2005, pp [21] S. De Cesare, A. Serrano, Collaborative modeling using UML and business process simulation, 39 th IEEE Hawaii International Conference on System Sciences, 2006, pp [22] B.T. Borsoi, J.L.R. Becerra, Definition and modeling of process using object orientation, ACM SIGSOFT Software Engineering Notes, Vol. 33, Num. 3, 2008, pp 1-5. [23] G. Booch, J. Rumbaugh, I. Jacobson, UML Guia do usuário, 13ª reimpressão, Rio de Janeiro: Elsevier, [24] S.A. White, Business process management notation, version 1.0, OMG, [7] ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR ISO/IEC 12207: tecnologia de informação - s de ciclo de vida de software, Rio de Janeiro: ABNT, [8] C.G.V. Wangenheim, et al., Experiences on establishing software processes in small companies, Information and Software Technology, Vol. 48, Num. 9, 2006, pp [9] R.S. Pressman, Engenharia de software, 5ª ed. Rio Janeiro: McGraw-Hill, [10] M. Lepasaar, T. Makinen, Integrating software process assessment models using a process meta model, Engineering

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - MÓDULO 3 - MODELAGEM DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS COM UML 1. INTRODUÇÃO A partir de 1980, diversos métodos de desenvolvimento de sistemas surgiram para apoiar o paradigma orientado a objetos com uma

Leia mais

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil Elicitação de Requisitos a partir de Modelos de Processos de Negócio e Modelos Organizacionais: Uma pesquisa para definição de técnicas baseadas em heurísticas Marcos A. B. de Oliveira 1, Sérgio R. C.

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio Professor: Clarindo Isaías Pereira

Leia mais

A história de UML e seus diagramas

A história de UML e seus diagramas A história de UML e seus diagramas Thânia Clair de Souza Vargas Departamento de Informática e Estatística Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Florianópolis, SC Brazil thania@inf.ufsc.br Abstract.

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

Modelagem OO com UML. Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza

Modelagem OO com UML. Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza Modelagem OO com UML Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza Departamento de Informática Centro Tecnológico Universidade Federal do Espírito Santo Modelos Maneira

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Itana M. S. Gimenes 1 itana@din.uem.br Fabrício R. Lazilha 2 fabricio@cesumar.br Edson A. O. Junior

Leia mais

Especificação de Uma Abordagem para Desenvolvimento Distribuído de Software Utilizando SPEM

Especificação de Uma Abordagem para Desenvolvimento Distribuído de Software Utilizando SPEM Especificação de Uma Abordagem para Desenvolvimento Distribuído de Software Utilizando SPEM Gislaine Camila Lapasini Leal, Elisa Hatsue Moriya Huzita Tania Fatima Calvi Tait e César Alberto da Silva Universidade

Leia mais

MC302A Modelagem de Sistemas com UML. Prof. Fernando Vanini vanini@ic.unicamp.br

MC302A Modelagem de Sistemas com UML. Prof. Fernando Vanini vanini@ic.unicamp.br MC302A Modelagem de Sistemas com UML Prof. Fernando Vanini vanini@ic.unicamp.br Modelamento de Sistemas e Orientação a Objetos O paradigma de Orientação a Objetos oferece um conjunto de características

Leia mais

Documentação de um Produto de Software

Documentação de um Produto de Software Documentação de um Produto de Software Versão 3.0 Autora: Profª Ana Paula Gonçalves Serra Revisor: Prof. Fernando Giorno 2005 ÍNDICE DETALHADO PREFÁCIO... 4 1. INTRODUÇÃO AO DOCUMENTO... 6 1.1. TEMA...

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS DE SOFTWARE PARA SISTEMA EMBARCADO

18º Congresso de Iniciação Científica UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS DE SOFTWARE PARA SISTEMA EMBARCADO 18º Congresso de Iniciação Científica UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS DE SOFTWARE PARA SISTEMA EMBARCADO Autor(es) MARINA CALÇA Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS

Leia mais

UML: Unified Modeling Language. Graduação em Informática 2008 Profa. Itana Gimenes

UML: Unified Modeling Language. Graduação em Informática 2008 Profa. Itana Gimenes UML: Unified Modeling Language Graduação em Informática 2008 Profa. Itana Gimenes Unified Modelling Language (UML) Não é uma linguagem de programação. Linguagem de modelagem visual utilizada para especificar,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

Modelagem de Arquiteturas Organizacionais de TI Orientadas a Serviços

Modelagem de Arquiteturas Organizacionais de TI Orientadas a Serviços Modelagem de Arquiteturas Organizacionais de TI Orientadas a Serviços João Paulo A. Almeida Núcleo de Estudos em Modelagem Conceitual e Ontologias (NEMO) Departamento de Informática Universidade Federal

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS RESUMO Este artigo apresenta a especificação de um sistema gerenciador de workflow, o ExPSEE, de acordo com a abordagem de desenvolvimento baseado

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

Modelagem do Processo de Gerenciamento da Configuração de Software para um Ambiente Integrado

Modelagem do Processo de Gerenciamento da Configuração de Software para um Ambiente Integrado Modelagem do Processo de Gerenciamento da Configuração de Software para um Ambiente Integrado Martha A. D. Abdala Centro Técnico Aeroespacial (CTA) martha@iae.cta.br Resumo Os processos utilizados na engenharia

Leia mais

Representando Características Autonômicas nos Processos de Negócio

Representando Características Autonômicas nos Processos de Negócio Representando Características Autonômicas nos Processos de Negócio Karolyne Oliveira, Tarcísio Pereira, Emanuel Santos, Jaelson Castro Universidade Federal de Pernambuco UFPE, Recife, PE 50 740-560, Brazil

Leia mais

Uma proposta de um processo prático para apoiar o reuso de software

Uma proposta de um processo prático para apoiar o reuso de software Uma proposta de um processo prático para apoiar o reuso de software Rosangela Kronig (UNIP) rkronig.mes.engprod@unip.br Ivanir Costa (UNIP) icosta@unip.br Mauro Spínola (UNIP) mspinola@unip.br Resumo A

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC CURSO: Bacharelado em Ciência da Computação DISCIPLINA: ANPS Análise e Projeto de Sistemas AULA NÚMERO: 3 DATA: PROFESSOR: Murakami Sumário 1 APRESENTAÇÃO...1 2 DESENVOLVIMENTO...1 2.1 Revisão...1 2.1.1

Leia mais

ERACE-TOOL - UMA FERRAMENTA BASEADA EM CENÁRIOS PARA À ENGENHARIA DE REQUISITOS

ERACE-TOOL - UMA FERRAMENTA BASEADA EM CENÁRIOS PARA À ENGENHARIA DE REQUISITOS ERACE-TOOL - UMA FERRAMENTA BASEADA EM CENÁRIOS PARA À ENGENHARIA DE REQUISITOS João Caldas Júnior FIL- Fundação Paulista de Educação e Tecnologia Paulo C. Masiero ICMC - Universidade de São Paulo masiero@icmsc.sc.usp.br

Leia mais

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER Objetivo dessa aula é descrever as características e a simbologia dos diagramas UML e MER na modelagem de sistemas de informação de uma forma a permitir a comunicação entre técnicos e gestores. Modelagem

Leia mais

CURSO: Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas SÉRIE: 3º Semestre TURNO: Noturno DISCIPLINA: ANÁLISE DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS

CURSO: Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas SÉRIE: 3º Semestre TURNO: Noturno DISCIPLINA: ANÁLISE DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS CURSO: Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas SÉRIE: 3º Semestre TURNO: Noturno DISCIPLINA: ANÁLISE DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS CARGA HORÁRIA: 60 horas I - Ementa Modelagem de Processos

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

Um processo para construção de software mais transparente

Um processo para construção de software mais transparente Um processo para construção de software mais transparente Eduardo Almentero 1, and Julio Cesar Sampaio do Prado Leite 1 1 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC - Rio, Brasil {ealmentero,

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

Engenharia de Software I: Análise e Projeto de Software Usando UML

Engenharia de Software I: Análise e Projeto de Software Usando UML Engenharia de Software I: Análise e Projeto de Software Usando UML Capítulo 1 Processo de Desenvolvimento de Software Metodologia de Desenvolvimento de Software Uma metodologia é um conjunto de métodos,

Leia mais

Processos de Software

Processos de Software Processos de Software Prof. Sandro Bezerra (srbo@ufpa.br) Adaptado a partir de slides produzidos pelo Prof. Dr. Alexandre Vasconcelos 1/27 Processo Ação regular e contínua (ou sucessão de ações) realizada

Leia mais

Uma Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas de Informações em Empresas de Pequeno e Médio Porte

Uma Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas de Informações em Empresas de Pequeno e Médio Porte Uma Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas de Informações em Empresas de Pequeno e Médio Porte Autoria: Denis Silveira, Eber Schmitz Resumo: Este artigo apresenta uma Metodologia Rápida de Desenvolvimento

Leia mais

Especificação de Sistemas de Tempo-Real utilizando Orientação a Objetos

Especificação de Sistemas de Tempo-Real utilizando Orientação a Objetos Especificação de Sistemas de Tempo-Real utilizando Orientação a Objetos Marco Aurélio Wehrmeister mawehrmeister@inf.ufrgs.br Roteiro Introdução Orientação a Objetos UML Real-Time UML Estudo de Caso: Automação

Leia mais

Table 1. Dados do trabalho

Table 1. Dados do trabalho Título: Desenvolvimento de geradores de aplicação configuráveis por linguagens de padrões Aluno: Edison Kicho Shimabukuro Junior Orientador: Prof. Dr. Paulo Cesar Masiero Co-Orientadora: Prof a. Dr. Rosana

Leia mais

Introduçãoa Engenhariade. Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA

Introduçãoa Engenhariade. Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA Introduçãoa Engenhariade Software Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA O que é Software? O que é software? São programas de computadores, em suas diversas formas, e a documentação associada. Um programa

Leia mais

modelagem do negócio (processos e objetos do negócio) modelagem de requisitos alocados ao software modelagem da solução de software

modelagem do negócio (processos e objetos do negócio) modelagem de requisitos alocados ao software modelagem da solução de software POO com UML Java Uso da linguagem UML(Unified Modeling Language) A UML, ou Linguagem de Modelagem Unificada, é a junção das três mais conceituadas linguagens de modelagem orientados a objectos (Booch de

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. UML-Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. UML-Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE UML-Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução a linguagem UML

Leia mais

Algumas propriedades dos objetos:

Algumas propriedades dos objetos: Orientação a Objetos Vivemos num mundo de objetos. Esses objetos existem na natureza, nas entidades feitas pelo homem, nos negócios e nos produtos que usamos. Eles podem ser categorizados, descritos, organizados,

Leia mais

UML Unified Modeling Language

UML Unified Modeling Language UML Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada A linguagem UML UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada É uma linguagem para especificação, É uma linguagem para

Leia mais

A Linguagem de Modelagem Unificada (UML)

A Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Aécio Costa A Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Percebeu-se a necessidade de um padrão para a modelagem de sistemas, que fosse aceito e utilizado amplamente. Surge a UML (Unified Modeling Language)

Leia mais

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo?

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo? O que é a UML? Introdução a UML Linguagem Gráfica de Modelagem para: Visualizar Especificar Construir Documentar Comunicar Artefatos de sistemas complexos Linguagem: vocabulário + regras de combinação

Leia mais

Um Processo de Engenharia de Domínio com foco no Projeto Arquitetural Baseado em Componentes

Um Processo de Engenharia de Domínio com foco no Projeto Arquitetural Baseado em Componentes Um Processo de Engenharia de Domínio com foco no Projeto Arquitetural Baseado em Componentes Ana Paula Blois 1, 2, Karin Becker 2, Cláudia Werner 1 1 COPPE/UFRJ, Universidade Federal do Rio de Janeiro,

Leia mais

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas.

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas. UTILIZAÇÃO DA UML NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE DE VENDAS E ESTOQUE GILBERTO FRANCISCO PACHECO DOS SANTOS Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas JACKSON LUIZ ARROSTI Discente

Leia mais

CASE Orientada a Objetos com Múltiplas Visões e Implementação Automática de Sistemas - MVCASE

CASE Orientada a Objetos com Múltiplas Visões e Implementação Automática de Sistemas - MVCASE CASE Orientada a Objetos com Múltiplas Visões e Implementação Automática de Sistemas - MVCASE Tathiana da Silva Barrére Antonio Francisco do Prado Vitor César Bonafe E-mail: (tathiana,prado,bonafe)@dc.ufscar.br

Leia mais

Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software

Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software Ricardo Terra 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Campus da Pampulha 31.270-010

Leia mais

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani Modelagem de Processos Prof.: Fernando Ascani Modelagem da arquitetura de negócios Arquitetura Definições Aurélio: Informática: Estrutura e organização lógica de funcionamento de um sistema computacional.

Leia mais

Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr.

Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr. Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr. Novatec Sumário Agradecimentos... 17 Sobre o autor... 18 Prefácio... 19 Capítulo 1 Desenvolvimento de software para o valor de negócios... 20 1.1 Qualidade

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Análise dos Requisitos de Software Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução Tipos de requisitos Atividades Princípios da

Leia mais

Wilson Moraes Góes. Novatec

Wilson Moraes Góes. Novatec Wilson Moraes Góes Novatec Copyright 2014 Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer processo,

Leia mais

Unified Modeling Language UML - Notações

Unified Modeling Language UML - Notações Unified Modeling Language UML - Notações Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva elvio@fmr.edu.br UML Ponto de Vista É gerada com propósito geral de uma linguagem de modelagem visual usada para especificar,

Leia mais

Proposta de uma ferramenta para instanciação de processos de software que permite o gerenciamento de projetos de desenvolvimento distribuído

Proposta de uma ferramenta para instanciação de processos de software que permite o gerenciamento de projetos de desenvolvimento distribuído Proposta de uma ferramenta para instanciação de processos de software que permite o gerenciamento de projetos de desenvolvimento distribuído Ana Paula Chaves, Jocimara Segantini Ferranti, Alexadre L Erário,

Leia mais

1. Introdução 2. Desenvolvimento de Softwares orientado a objetos 3. UML A unificação dos métodos para a criação de um novo padrão 4. Uso da UML 5.

1. Introdução 2. Desenvolvimento de Softwares orientado a objetos 3. UML A unificação dos métodos para a criação de um novo padrão 4. Uso da UML 5. 1. Introdução 2. Desenvolvimento de Softwares orientado a objetos 3. UML A unificação dos métodos para a criação de um novo padrão 4. Uso da UML 5. Fases do Desenvolvimento de um Sistema em UML 1. Análise

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Engenharia de Software I Informática 2009 Profa. Dra. Itana Gimenes RUP: Artefatos de projeto Modelo de Projeto: Use-Case Realization-projeto

Leia mais

Processo de Software

Processo de Software Processo de Software Uma importante contribuição da área de pesquisa de processo de software tem sido a conscientização de que o desenvolvimento de software é um processo complexo. Pesquisadores e profissionais

Leia mais

Definição de Processos de Workflow

Definição de Processos de Workflow Definição de Processos de Tiago Telecken Universidade Federal do Rio Grande do Sul telecken@inf.ufrgs.br Resumo Este artigo apresenta uma introdução a tecnologia de workflow informando noções básicas sobre

Leia mais

Unified Modeling Language

Unified Modeling Language Unified Modeling Language Modelagem de Negócios e de Sistemas com Casos de Uso Denize Terra Pimenta dpimenta@gmail.com www.analisetotal.com.br Índice 2 1 Objetivos Esta palestra é uma introdução à modelagem

Leia mais

Modelos de Sistema. 2007 by Pearson Education. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 8 Slide 1.

Modelos de Sistema. 2007 by Pearson Education. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 8 Slide 1. Modelos de Sistema Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 8 Slide 1 Objetivos Explicar por que o contexto de um sistema deve ser modelado como parte do processo de RE Descrever

Leia mais

Uma Arquitetura de Processos para ISO 9001:2000 e SW- CMM Nível 3

Uma Arquitetura de Processos para ISO 9001:2000 e SW- CMM Nível 3 Uma Arquitetura de Processos para ISO 9001:2000 e SW- CMM Nível 3 Carlo Giovano Pires, Fabiana Marinho, Gabriela Telles, Márcia Sampaio Instituto Atlântico, Rua Chico Lemos, 946, 60822-780, Fortaleza -

Leia mais

Questões de Concursos Públicos sobre Orientação a Objetos e UML

Questões de Concursos Públicos sobre Orientação a Objetos e UML Análise Orientada a Objetos Professora Lucélia Oliveira Questões de Concursos Públicos sobre Orientação a Objetos e UML 1. (BNDES) Analise as seguintes afirmações relativas à Programação Orientada a Objetos:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de Software AULA NÚMERO: 10 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir os conceitos de coesão e acoplamento. DESENVOLVIMENTO Projetar

Leia mais

Casos de Uso O que é. Casos de Uso. Objetivos de um Caso de Uso. Atores. Atores e Casos de Uso. Diagramas de Caso de Uso

Casos de Uso O que é. Casos de Uso. Objetivos de um Caso de Uso. Atores. Atores e Casos de Uso. Diagramas de Caso de Uso Casos de Uso O que é Casos de Uso Descrições narrativas de processos do domínio da aplicação Documentam a seqüência de eventos de um ator (um agente externo) usando o sistema para completar, do início

Leia mais

MODELAGEM DE PROCESSOS

MODELAGEM DE PROCESSOS MODELAGEM DE PROCESSOS a a a PRODUZIDO POR CARLOS PORTELA csp3@cin.ufpe.br AGENDA Definição Objetivos e Vantagens Linguagens de Modelagem BPMN SPEM Ferramentas Considerações Finais Referências 2 DEFINIÇÃO:

Leia mais

Desenvolvimento de software orientado a características e dirigido por modelos

Desenvolvimento de software orientado a características e dirigido por modelos Desenvolvimento de software orientado a características e dirigido por modelos Universidade Federal de Uberlândia Rodrigo Reis Pereira Prof. Dr. Marcelo Almeida Maia Agenda Motivação Introdução Modelagem

Leia mais

Proposta de Trabalho de Conclusão de Curso

Proposta de Trabalho de Conclusão de Curso UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA INE5638 INTRODUÇÃO A PROJETOS PROFº RENATO CISLAGHI Proposta de Trabalho de Conclusão de Curso SUPORTE

Leia mais

UML - Unified Modeling Language

UML - Unified Modeling Language UML - Unified Modeling Language Casos de Uso Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 24 de abril

Leia mais

Bibliografia. Desenvolvimento Orientado a Objetos. Introdução. Bibliografia. O que você vê?

Bibliografia. Desenvolvimento Orientado a Objetos. Introdução. Bibliografia. O que você vê? Bibliografia Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof.: Edson dos Santos Cordeiro LARMAN, Graig. Utilizando UML e padrões. Porto Alegre: Bookman, 2000. STAA, Arndt von. Programação modular. Rio de Janeiro:

Leia mais

Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br BPMN

Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br BPMN Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br BPMN Benefícios da modelagem Em uma organização orientada a processos, modelos de processos são o principal meio para medir o desempenho

Leia mais

Uma proposta para identificação de elementos de complexidade de projetos de software orientados a objetos

Uma proposta para identificação de elementos de complexidade de projetos de software orientados a objetos Uma proposta para identificação de elementos de complexidade de projetos de software orientados a objetos Jésus Franco Bueno 1, Beatriz Terezinha Borsoi 2, Augusto Takahiro Kiramoto 3, Reginaldo Arakaki

Leia mais

INTRODUÇÃO A MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN 1 FÁBIO RODRIGUES CRUZ 2 2.1 CONCEITO DE MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN

INTRODUÇÃO A MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN 1 FÁBIO RODRIGUES CRUZ 2 2.1 CONCEITO DE MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN INTRODUÇÃO A MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN 1 FÁBIO RODRIGUES CRUZ 2 1 INTRODUÇÃO A Business Process Modeling Notation (BPMN), ou Notação de Modelagem de Processos de Negócio, é um conjunto de

Leia mais

UML 2. Guia Prático. Gilleanes T.A. Guedes. Novatec. Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2

UML 2. Guia Prático. Gilleanes T.A. Guedes. Novatec. Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2 UML 2 Guia Prático Gilleanes T.A. Guedes Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2 Novatec capítulo 1 Introdução à UML A UML (Unified Modeling Language ou Linguagem de Modelagem

Leia mais

Maratona CBOK Brasília, 23 de outubro de 2012

Maratona CBOK Brasília, 23 de outubro de 2012 Maratona CBOK Brasília, 23 de outubro de 2012 BPM CBOK Guia para o Gerenciamento de Processos de Negócios Corpo Comum de Conhecimento Modelagem de Processos de Negócios Modelagem de processos Análise de

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA UML PARA ESPECIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE TEMPO REAL

UTILIZAÇÃO DA UML PARA ESPECIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE TEMPO REAL UTILIZAÇÃO DA UML PARA ESPECIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE TEMPO REAL Airton Zancanaro Evandro de Souza Fabrício Jailson Barth Universidade Regional de Blumenau FURB Rua Antônio da Veiga, 140 Caixa Postal 1507

Leia mais

Em Busca de uma Arquitetura de Referência para Frameworks de Aplicação Dirigidos por Modelos para Sistemas de Informação

Em Busca de uma Arquitetura de Referência para Frameworks de Aplicação Dirigidos por Modelos para Sistemas de Informação Em Busca de uma Arquitetura de Referência para Frameworks de Aplicação Dirigidos por Modelos para Sistemas de Informação Valdemar Vicente GRACIANO NETO 1 ; Juliano Lopes DE OLIVEIRA 1 1 Instituto de Informática

Leia mais

Programa do Módulo 2. Fundações do Modelo Objeto

Programa do Módulo 2. Fundações do Modelo Objeto 2.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) Processo Unificado (RUP) Fundações do Modelo Objeto 2.2 Programação Orientada a Objetos: é um método de

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO DE PESQUISA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO DE PESQUISA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO DE PESQUISA IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA AUTOMATIZAR O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM C#.NET

Leia mais

Uma Abordagem usando PU

Uma Abordagem usando PU Uma Abordagem usando PU Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Baseada em: Rational Software Corpotation G. Booch, Ivar Jacobson,

Leia mais

Modelos de processos de desenvolvimento de software

Modelos de processos de desenvolvimento de software Definição Um modelo de processo de software é uma representação abstrata de um processo. Os modelos de processo podem ser desenvolvidos a partir de várias perspectivas e podem mostrar as atividades envolvidas

Leia mais

BPMN. Business Process Modeling Notation. Leandro C. López Agosto - 2015

BPMN. Business Process Modeling Notation. Leandro C. López Agosto - 2015 BPMN Business Process Modeling Notation Leandro C. López Agosto - 2015 Objetivos Conceitos Boas práticas de modelagem Elementos do BPMN Tipos de processos Apresentar os conceitos e elementos da notação

Leia mais

BPMN - Business Process Modeling and Notation

BPMN - Business Process Modeling and Notation BPMN - Business Process Modeling and Notation AGENDA Notação Conceito Visão Geral da Notação BPMN Notação BPMN no Escritório de Processos NOTAÇÃO - CONCEITO Segundo o dicionário: Ação de indicar, de representar

Leia mais

A Experiência na Definição de um Processo Padrão Baseado no Processo Unificado

A Experiência na Definição de um Processo Padrão Baseado no Processo Unificado A Experiência na Definição de um Processo Padrão Baseado no Processo Unificado RICARDO DE ALMEIDA FALBO Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória ES falbo@inf.ufes.br Abstract

Leia mais

Tutorial de BPMN. Visão Geral. Escopo. Elementos

Tutorial de BPMN. Visão Geral. Escopo. Elementos Tutorial de BPMN Visão Geral É um padrão para modelagem de processos de negócio que fornece uma notação gráfica para especificação de processos de negócio em um DPN (Diagrama de Processo de Negócios).

Leia mais

Engenharia de Softwares e Sistema IF682 (2012.1) Bruno Medeiros(bmo@cin.ufpe.br)

Engenharia de Softwares e Sistema IF682 (2012.1) Bruno Medeiros(bmo@cin.ufpe.br) Engenharia de Softwares e Sistema IF682 (2012.1) Bruno Medeiros(bmo@cin.ufpe.br) Algumas definições Engenharia de Software conjunto de tecnologias e práticas usadas para construir software de qualidade

Leia mais

SysGCoS: Gerenciador de Controle de Ordem de Serviço

SysGCoS: Gerenciador de Controle de Ordem de Serviço SysGCoS: Gerenciador de Controle de Ordem de Serviço Adriano Alves da Silva 1, José Flávio Gomes Barros 2, Henrique Rocha Fontenele e Jean Carlo Galvão Mourão 3 1 Bacharel em Sistemas de Informação - Faculdade

Leia mais

UML Linguagem de Modelagem Unificada

UML Linguagem de Modelagem Unificada Modelagem de Sistemas UML Linguagem de Modelagem Unificada Prof. Mauro Lopes 1-25 Objetivos Nesta aula iremos apresentar os elementos conceituais da Linguagem de Modelagem Unificada (UML). Boa aula a todos.

Leia mais

Modelagem Flexível para Processos de Negócio. Resultados de um Estudo Experimental

Modelagem Flexível para Processos de Negócio. Resultados de um Estudo Experimental Modelagem Flexível para Processos de Negócio Resultados de um Estudo Experimental Fabiane Albino Aluna Mestrado Prof. Ricardo Massa Orientador Cenário Atual Modelagem de Processos de Negócio de maneira

Leia mais

Avaliação de Modelos i* com o Processo AIRDoc-i*

Avaliação de Modelos i* com o Processo AIRDoc-i* Avaliação de Modelos i* com o Processo AIRDoc-i* Cleice Souza 1, Cláudia Souza 1, Fernanda Alencar 2, Jaelson Castro 1, Paulo Cavalcanti 1, Monique Soares 1, Gabriela Guedes 1, Eduardo Figueiredo 3 1 Centro

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01 LEVANTAMENTO, MODELAGEM

Leia mais

Desenvolvimento Baseado em Componentes e o Processo UML Components

Desenvolvimento Baseado em Componentes e o Processo UML Components Desenvolvimento Baseado em Componentes e o Processo UML Components Cecília Mary Fischer Rubira Patrick Henrique da Silva Brito Instituto de Computação (IC) Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) INF064

Leia mais

Introdução a UML. Hélder Antero Amaral Nunes haanunes@gmail.com

Introdução a UML. Hélder Antero Amaral Nunes haanunes@gmail.com Introdução a UML Hélder Antero Amaral Nunes haanunes@gmail.com Introdução a UML UML (Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada) é uma linguagem-padrão para a elaboração da estrutura de

Leia mais

Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com. Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br

Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com. Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br Objetivos Contextualização Conceitos Boas práticas de modelagem Elementos do BPMN Tipos

Leia mais

Usando Modelos Para Apoiar a Especificação e Verificação de Requisitos de Ubiquidade

Usando Modelos Para Apoiar a Especificação e Verificação de Requisitos de Ubiquidade Usando Modelos Para Apoiar a Especificação e Verificação de Requisitos de Ubiquidade Leonardo Mota, Jobson Massollar, Guilherme Horta Travassos Federal University of Rio de Janeiro/COPPE/PESC Caixa Postal

Leia mais

ESTENDENDO O DIAGRAMA DE ATIVIDADES PARA SUPORTAR A MODELAGEM DE WORKFLOW

ESTENDENDO O DIAGRAMA DE ATIVIDADES PARA SUPORTAR A MODELAGEM DE WORKFLOW A pesquisa Operacional e os Recursos Renováveis 4 a 7 de novembro de 2003, Natal-RN ESTENDENDO O DIAGRAMA DE ATIVIDADES PARA SUPORTAR A MODELAGEM DE WORKFLOW Ingrid Gesser Instituto de Matemática UFRJ/NCE,

Leia mais

ANÁLISE E PROJETO ORIENTADO A OBJETOS. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

ANÁLISE E PROJETO ORIENTADO A OBJETOS. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com ANÁLISE E PROJETO ORIENTADO A OBJETOS Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Análise Descrição do problema a ser implementado Descrição dos objetos e classes que fazem parte do problema, Descrição

Leia mais

2. Modelagem de Processo de Negócio

2. Modelagem de Processo de Negócio 18 2. Modelagem de Processo de Negócio Este capítulo apresenta um estudo sobre modelagem de processo de negócio. Este estudo exibirá a definição de modelagem de processo de negócio e seus propósitos, bem

Leia mais

Sistema de Apoio ao Ensino de Modelagem de Software Uma extensão para o editor de programação BlueJ

Sistema de Apoio ao Ensino de Modelagem de Software Uma extensão para o editor de programação BlueJ IV Encontro de Pesquisa PUCSP/TIDD 2011 Sistema de Apoio ao Ensino de Modelagem de Software. Uma extensão para o editor de programação BlueJ Autor: Luciano Gaspar - E-mail: tigaspar@hotmail.com Orientador:

Leia mais

Se observarmos nos diferentes livros. Planejamento de Testes a partir de Casos de Uso

Se observarmos nos diferentes livros. Planejamento de Testes a partir de Casos de Uso Planejamento de Testes a partir de Casos de Uso Arilo Cláudio Dias Neto ariloclaudio@gmail.com É Bacharel em Ciência da Computação formado na Universidade Federal do Amazonas, Mestre em Engenharia de Sistemas

Leia mais

Certificação ISO 9001:2000 a Experiência da SoftExport

Certificação ISO 9001:2000 a Experiência da SoftExport Certificação ISO 9001:2000 a Experiência da SoftExport Raimundo Sales Neto e Azevedo 1, 2, Ana Cristina M.Matos 2, Marum Simão Filho 1, Flávio Lenz César 1, Arnaldo Dias Belchior 2 sales.mia@unifor.br,

Leia mais

guia prático 2a Edição Gilleanes T.A. Guedes Novatec

guia prático 2a Edição Gilleanes T.A. Guedes Novatec guia prático 2a Edição Gilleanes T.A. Guedes Novatec Copyright 2007, 2014 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta

Leia mais

BPMN Business Process Modeling Notation

BPMN Business Process Modeling Notation BPMN Business Process Modeling Notation Business Process Modeling Notation Página 1 Objetivo O objetivo deste curso é apresentar os elementos da notação de modelagem de processos de negócio BPMN 1.1 (Business

Leia mais

Silvio Yochio Yamaguti

Silvio Yochio Yamaguti Silvio Yochio Yamaguti ORIENTAÇÃO A OBJETOS NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS: CONCEITOS E CARACTERÍSTICAS Monografia final do curso de Engenharia de Sistemas, Pós- Graduação Lato Sensu, da Escola Superior

Leia mais

EXPSEE: UM AMBIENTE EXPERIMENTAL DE ENGENHARIA DE SOFTWARE ORIENTADO A PROCESSOS

EXPSEE: UM AMBIENTE EXPERIMENTAL DE ENGENHARIA DE SOFTWARE ORIENTADO A PROCESSOS EXPSEE: UM AMBIENTE EXPERIMENTAL DE ENGENHARIA DE SOFTWARE ORIENTADO A PROCESSOS Edson Alves de Oliveira Junior (1) Igor Fábio Steinmacher (2) eaojunio@bol.com.br ifsteinm@din.uem.br Edna Tomie Takano

Leia mais