Procuradoria Geral do Município

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Procuradoria Geral do Município"

Transcrição

1 LEI Nº 2.336, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2010 Cria o Conselho Municipal da Cidade de Petrolina CONCIDADE/Petrolina, o Fundo Municipal de Habitação de Interesse Social FMHIS, e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PETROLINA, Estado de Pernambuco, na desincumbência de suas atribuições legais, faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DO CONSELHO MUNICIPAL DA CIDADE CONCIDADE/PETROLINA Art. 1º. Fica instituído o Conselho Municipal da Cidade de Petrolina CONCIDADE/Petrolina, órgão colegiado, de natureza normativa, deliberativa, consultiva e fiscalizadora, integrante da estrutura do órgão Gestor da Política Municipal de Desenvolvimento Urbano Sustentável. Art. 2º. O CONCIDADE/Petrolina tem por finalidade estudar e propor as diretrizes para a formulação e implementação da Política Municipal de Desenvolvimento Urbano Sustentável, bem como monitorar, acompanhar e avaliar a sua execução, conforme dispõe a Lei Federal nº , de 10 de julho de Art. 3º. São atribuições do CONCIDADE/Petrolina: I Propor e deliberar programas, instrumentos e prioridades da Política Municipal de Desenvolvimento Urbano Sustentável; II Acompanhar, deliberar, monitorar e avaliar a implementação da Política Municipal de Desenvolvimento Urbano Sustentável, em especial os programas relativos à política de gestão do solo urbano, de habitação, de saneamento ambiental, de acessibilidade, de mobilidade e de transporte urbano, e recomendar as providencias necessárias ao cumprimento de seus objetivos; III Propor a edição de normas gerais de direito urbanístico e manifestar-se sobre propostas de alteração da legislação pertinente; IV Propor e emitir orientações e recomendações sobre a aplicação do Plano Diretor Participativo de Petrolina e o Estatuto das Cidades e dos demais atos normativos relacionados ao desenvolvimento urbano sustentável; 1

2 V Promover, em parceria com organismos governamentais e não-governamentais, nacionais e internacionais, a identificação de sistemas de indicadores, no sentido de estabelecer metas e procedimentos para monitorar a aplicação das atividades relacionadas com o desenvolvimento urbano sustentável; VI Estimular ações que visem a propiciar a geração, apropriação e utilização de conhecimentos científicos, tecnológicos, gerenciais e organizativos pelas populações das áreas urbanas; VII Promover a realização de estudos, debates e pesquisas sobre a aplicação e os resultados estratégicos alcançados pelos programas e projetos desenvolvidos pelo Município nas áreas da Política de Desenvolvimento Urbano Sustentável; VIII Estimular a ampliação e o aperfeiçoamento dos mecanismos de participação e controle social, por intermédio da rede municipal, visando a fortalecer o desenvolvimento urbano sustentável; IX Deliberar e propor diretrizes e critérios para a distribuição setorial do Orçamento Anual e do Plano Plurianual do Governo Municipal no que concerne às políticas de desenvolvimento urbano sustentável; X Deliberar e propor a criação de mecanismos de articulação entre os programas e os recursos federais, estaduais e municipais que tenham impacto sobre o desenvolvimento urbano sustentável; XI Deliberar a criação de instrumentos institucionais e financeiros para dar suporte aos planos, programas e projetos para o desenvolvimento urbano sustentável; XII Promover, quando necessário, a realização de seminários ou encontros sobre temas de sua agenda, bem como estudos sobre a definição de convênios na área de desenvolvimento urbano sustentável e da propriedade urbana, a serem firmados com organismos nacionais e internacionais públicos e privados; XIII Deliberar e promover a integração da política urbana com as políticas sócioeconômicas e ambientais do Governo Municipal e suas respectivas instâncias colegiadas; XIV Eleger os membros para o Conselho Gestor do Fundo Municipal de Habitação de Interesse Social, nos termos dispostos na Lei Federal nº /2005; XV Dar publicidade e divulgar seus trabalhos e decisões; 2

3 XVI Convocar e organizar a Conferência Municipal da Cidade ; XVII Aprovar seu regimento interno; XVIII Garantir a representatividade de órgãos, entidades e movimentos populares relacionadas às áreas de habitação, saneamento ambiental, trânsito, transporte, mobilidade, acessibilidade e controle urbano; XIX - Estabelecer normas e diretrizes que norteiem a política municipal de habitação, saneamento ambiental, solo urbano e do trânsito, transporte e mobilidade urbana; XX Definir critérios de prioridade para atendimento da demanda habitacional; XXI Analisar e deliberar sobre planos, programas, projetos e atividades relacionadas à política municipal de habitação, saneamento ambiental, solo urbano e do trânsito, transporte e mobilidade urbana; XXII Analisar e promover critérios de avaliação para o desempenho anual dos órgãos que compõem o Sistema Municipal de Habitação; XXIII - Promover audiências públicas e conferências para apresentar e debater os programas, planos e projetos habitacionais relevantes para o município. Art. 4º. Para o cumprimento de suas atribuições, o órgão Gestor da Política Municipal de Desenvolvimento Urbano Sustentável deverá garantir destaque de recursos financeiros, materiais e humanos para o pleno funcionamento do CONCIDADE/Petrolina, bem como assegurar a participação de conselheiros em cursos de capacitação, seminários, conferências e eventos de políticas de desenvolvimento urbano sustentável, assegurando dotação orçamentária e disponibilizando os recursos ao CONCIDADE/Petrolina, para tal fim. Art. 5º. O CONCIDADE/Petrolina será composto pelos seguintes membros, organizados por segmentos: I Poder Executivo Municipal: a) 01 (um) representante do órgão gestor da Política Municipal de Desenvolvimento Urbano Sustentável; b) 01 (um) representante do órgão gestor Ambiental; c) 01 (um) representante do órgão gestor da Política Municipal de Controle Urbano; d) 01 (um) representante do órgão gestor da Política Municipal de Trânsito, Transporte e Mobilidade Urbana; e) 01 (um) representante do órgão gestor municipal de Finanças; 3

4 f) 01 (um) representante do órgão gestor da Política Municipal de Desenvolvimento Rural; g) 01 (um) representante do órgão gestor da Política Municipal de Habitação; h) 01 (um) representante do órgão gestor da Política Municipal de Acessibilidade. II Poder Legislativo Municipal: a) 01 (um) representante do Poder Legislativo Municipal. III Poder Público Federal: a) 01 (um) representante da Caixa Econômica Federal; IV Sociedade Civil: a) 02 (dois) representantes de entidades empresariais vinculadas à área de desenvolvimento urbano; b) 03 (três) representantes de entidades de trabalhadores; c) 02 (dois) representantes de entidades profissionais, acadêmicas e de pesquisa; d) 02 (dois) representantes de organização não-governamental; e) 06 representantes de associações, conselhos comunitários e movimentos populares. 1º. Os membros titulares e seus respectivos suplentes de que tratam os incisos I e II deste artigo serão designados por ato do Executivo Municipal, após indicação do titular do Órgão ou Entidade a que estejam vinculados. 2º. Os membros titulares e seus respectivos suplentes indicados nos incisos III e IV deste artigo, serão designados por ato do executivo, após eleição da Conferência Municipal das Cidades, respeitada a representação estabelecida para os diversos segmentos, observado o critério de rodízio entre as entidades. 3º. O mandato dos membros do CONCIDADE/Petrolina será de 01 (um) ano, podendo ser renovado, uma única vez, por igual período. Art. 6º. O CONCIDADE/Petrolina tem a sua estrutura básica composta por: I Plenária; II Presidência; III Secretaria Executiva; IV Comitês Técnicos. 4

5 Art. 7º. O CONCIDADE/Petrolina contará com o assessoramento de Comitês Técnicos, compostos por 06 (seis) membros, com a finalidade de auxiliá-lo nas seguintes políticas setoriais: I Habitação; II Saneamento Ambiental; III Trânsito, Transporte e Mobilidade Urbana; IV Planejamento Territorial Urbano. 1º. Na composição dos Comitês Técnicos, deverá ser observada a representação dos diversos segmentos indicados no art. 5º desta Lei. 2º. Os Comitês Técnicos de Habitação, Saneamento Ambiental, Trânsito, Transporte e Mobilidade Urbana e Planejamento Territorial Urbano terão as suas atribuições definidas no Regimento Interno do CONCIDADE/Petrolina. Art. 8º. O exercício das funções de membro do CONCIDADE/Petrolina e dos Comitês Técnicos não será remunerado, porém, será considerado como serviço público relevante. CAPÍTULO II DO FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOLCIAL - FMHIS Art. 9º. Fica criado o Fundo Municipal de Habitação de Interesse Social FMHIS, de natureza contábil, com o objetivo de centralizar e gerenciar recursos orçamentários para os programas destinados a implementar políticas habitacionais de interesse social, gerir o CONCIDADE/Petrolina e demais ações relacionadas ao desenvolvimento urbano sustentável do Município, conforme os instrumentos previstos no Plano Municipal de Habitação e Interesse Social, Plano Diretor Participativo de Petrolina e na Lei Federal nº /01. Art. 10. O FMHIS é constituído por: I dotações do Orçamento Geral do Município, classificadas na função de habitação; II outros fundos ou programas que vierem a ser incorporados ao FMHIS; III recursos provenientes de empréstimos externos e internos para programas de habitação; 5

6 IV contribuições e doações de pessoas físicas ou jurídicas, entidades e organismos de cooperação nacionais e internacionais; V receitas operacionais e patrimoniais de operações realizadas com recursos do FMHIS; e VI outros recursos que lhe vierem a ser destinados. Art. 11. O FMHIS será gerido por um Conselho Gestor. Art. 12. O Conselho Gestor do Fundo Municipal de Habitação de Interesse Social é órgão de caráter deliberativo, eleito pelo CONCIDADE/Petrolina, conforme termos dispostos na Lei Federal nº /2005, e será composto pelos seguintes membros: I 01 (um) representante do órgão Gestor da Política Municipal de Desenvolvimento Urbano Sustentável; II - 01 (um) representante do órgão gestor da Política Municipal de Habitação; III 01 (um) representante do órgão gestor municipal de Finanças; IV 01 (um) representante de entidades empresariais; V 01 (um) representante das organizações não-governamentais; VI 01 (um) representante de entidades profissionais, acadêmicas e de pesquisa; VII 02 (dois) representantes de associações, conselhos comunitários e movimentos populares, e/ou representante de entidade de trabalhadores. 1º. A presidência do Conselho Gestor do FMHIS será exercida pelo órgão gestor da Política Municipal de Habitação. 2º. O presidente do Conselho Gestor do FMHIS exercerá o voto de qualidade. 3º. Competirá ao presidente do Conselho Gestor do FMHIS proporcionar ao Fundo os meios necessários ao exercício de sua competência. Art. 13. As aplicações dos recursos do FMHIS serão destinadas a ações vinculadas aos programas para implementar políticas habitacionais de interesse social, gerir o CONCIDADE/Petrolina e demais ações relacionadas ao desenvolvimento urbano sustentável do município, que contemplem: 6

7 I aquisição, construção, conclusão, melhoria, reforma, locação social e arrendamento de unidades habitacionais em área urbanas e rurais; II aquisição de áreas para fins habitacionais de interesse social; III urbanização, produção de equipamentos comunitários, regularização fundiária e urbanística de áreas caracterizadas de interesse social; IV implantação de saneamento ambiental, infra-estrutura e equipamentos urbanos, complementares aos programas habitacionais de interesse sociais; V recuperação ou produção de imóveis em áreas favelizadas, encortiçadas ou deterioradas, centrais ou periféricas, para fins habitacionais de interesse social; VI outros programas, ações e intervenções conforme as regras previstas nesta Lei. Art. 14. Ao Conselho Gestor do FMHIS compete: I estabelecer diretrizes e fixar critérios para a priorização de linhas de ação, alocação de recursos do FMHIS e atendimento dos beneficiários dos programas habitacionais, observado o disposto nesta Lei, plano diretor participativo e o plano municipal de habitação; II aprovar propostas ao orçamento, planos de aplicação e metas anuais e plurianuais dos recursos do FMHIS; III fixar critérios para a priorização de linhas de ações; IV dirimir dúvidas quanto à aplicação das normas regulamentares, aplicáveis ao FMHIS, nas matérias de sua competência; V aprovar seu regimento interno. 1º. As diretrizes e critérios previstos no inciso I deste artigo deverão observar ainda as normas emanadas do Conselho Gestor do Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social, de que trata a Lei Federal nº , de 16 de junho de 2005, nos casos em que o FMHIS vier a receber recursos federais, aplicando-se a mesma regra quando se tratar de recursos estaduais. 2º. O Conselho Gestor do FMHIS promoverá ampla publicidade das formas e critérios de acesso aos programas, das modalidades de acesso à moradia, das metas anuais de atendimento habitacional, dos recursos previstos e aplicados, 7

8 identificados pelas fontes de origem, das áreas objeto de intervenção, dos números e valores dos benefícios e dos financiamentos e subsídios concedidos, de modo a permitir o acompanhamento e fiscalização pela sociedade. Art. 15. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. Art. 16. Revogam-se as disposições em contrário, em especial a lei nº 1.069/01, que criou o Conselho Municipal de Habitação Popular e Interesse Social. Gabinete do Prefeito, 27 de dezembro de JULIO EMILIO LOSSIO DE MACEDO Prefeito 8

9 ATO DE SANÇÃO Nº 532/10 O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PETROLINA, desincumbindo-se de suas atribuições legais e com arrimo no art. 60, inciso V, da Lei Orgânica do Município, e considerando o atendimento do regular procedimento legislativo à espécie aplicado. I) - RESOLVE: SANCIONAR e PROMULGAR a Lei que Cria o Conselho Municipal da Cidade de Petrolina CONCIDADE/Petrolina, o Fundo Municipal de Habitação de Interesse Social FMHIS, e dá outras providências. Tombada sob nº 2.336, de 27 de dezembro de Publique-se, nos termos e na forma da lei. Gabinete do Prefeito, em 27 de dezembro de JULIO EMILIO LOSSIO DE MACEDO Prefeito 9

Lei do Estado de Pernambuco nº , de

Lei do Estado de Pernambuco nº , de Lei do Estado de Pernambuco nº 13.490, de 01.07.2008 Cria o Conselho Estadual das Cidades do Estado de Pernambuco ConCidades-PE, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO: Faço saber

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 696, DE 4 DE JUNHO DE 2012.

LEI COMPLEMENTAR Nº 696, DE 4 DE JUNHO DE 2012. LEI COMPLEMENTAR Nº 696, DE 4 DE JUNHO DE 2012. Cria o Fundo Municipal dos Direitos A- nimais (FMDA) e institui seu Conselho Gestor. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

Capítulo I DO PROGRAMA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

Capítulo I DO PROGRAMA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI Nº 2.598 DE 21 DE MAIO DE 2015. Dispõe sobre o Programa Municipal de Habitação de Interesse Social PMHIS, cria o Fundo Municipal e Habitação de Interesse Social FMHIS, revoga a Lei Municipal n 2.235,

Leia mais

Sistema Nacional de Habitação de Interesse Social - Brasil

Sistema Nacional de Habitação de Interesse Social - Brasil Sistema Nacional de Habitação de Interesse Social - Brasil Lei 11.124/2005 Evaniza Rodrigues Maio de 2006 Déficit habitacional e de habitabilidade 7,2 milhões de famílias necessitam de uma moradia 82%

Leia mais

DECRETO Nº 5.796, DE 6 DE JUNHO DE 2006.

DECRETO Nº 5.796, DE 6 DE JUNHO DE 2006. DECRETO Nº 5.796, DE 6 DE JUNHO DE 2006. Regulamenta a Lei n o 11.124, de 16 de junho de 2005, que dispõe sobre o Sistema Nacional de Habitação de Interesse Social - SNHIS, cria o Fundo Nacional de Habitação

Leia mais

Art. 2º O Conselho Estadual de Cultura tem por competências: II - acompanhar e fiscalizar a execução do Plano Estadual de Cultura;

Art. 2º O Conselho Estadual de Cultura tem por competências: II - acompanhar e fiscalizar a execução do Plano Estadual de Cultura; DECRETO Nº 24.720 DE 3 DE NOVEMBRO DE 2008 Dispõe sobre a composição e o funcionamento do Conselho Estadual de Cultura - CONSEC, de que trata a Lei nº 8.319, de 12 de dezembro de 2005, e dá outras providências.

Leia mais

LEI Nº , DE 5 DE MARÇO DE 2012.

LEI Nº , DE 5 DE MARÇO DE 2012. LEI Nº 11.226, DE 5 DE MARÇO DE 2012. Institui o Plano Municipal do Livro e da Leitura (PMLL) no Município de Porto Alegre, cria o Conselho Municipal do Livro e da Leitura (CMLL) e dá outras providências.

Leia mais

Página 2 de 5 VIII. Criar mecanismos que permitam interromper o ciclo de produção da informalidade. Art.8º São diretrizes da Política Municipal de Hab

Página 2 de 5 VIII. Criar mecanismos que permitam interromper o ciclo de produção da informalidade. Art.8º São diretrizes da Política Municipal de Hab Página 1 de 5 Lei Ordinária nº 2293/2014 de 29/05/2014 Ementa Súmula: Dispõe sobre a Política Municipal de Habitação de Guarapuava, cria o Fundo Municipal de Habitação de Interesse Social - FMHIS e Institui

Leia mais

DECRETO Nº , DE 13 DE MARÇO DE

DECRETO Nº , DE 13 DE MARÇO DE DECRETO Nº 22.787, DE 13 DE MARÇO DE 2002 1 Dispõe sobre a regulamentação do Conselho de Recursos Hídricos do Distrito Federal e dá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, no uso das atribuições

Leia mais

Cria o Conselho Municipal de Habitação de Interesse Social e dá outras providências.

Cria o Conselho Municipal de Habitação de Interesse Social e dá outras providências. Fone: (77)3621- PROJETO DE LEI Nº 05/2010, DE 26 DE MARÇO DE 2010. Cria o Conselho Municipal de Habitação de Interesse Social e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE COTEGIPE, ESTADO DA BAHIA,

Leia mais

DECRETO - Nº , DE 07 DE MAIO DE 2014.

DECRETO - Nº , DE 07 DE MAIO DE 2014. DECRETO - Nº. 2.901, DE 07 DE MAIO DE 2014. Institui a Comissão Municipal de Emprego, no âmbito do Sistema Público de Emprego, e dá providências correlatas. PE. OSWALDO ALFREDO PINTO, Prefeito Municipal

Leia mais

ESTADO DO ESPIRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACRUZ PROJETO DE LEI Nº. XXXX

ESTADO DO ESPIRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACRUZ PROJETO DE LEI Nº. XXXX ESTADO DO ESPIRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACRUZ PROJETO DE LEI Nº. XXXX DISPÕE SOBRE O PLANO MUNICIPAL DE APOIO E INCENTIVO À CIÊNCIA E TECNOLOGIA NO MUNICÍPIO DE ARACRUZ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

Minuta do projeto de lei de criação do Conselho Municipal da Habitação de Londrina e de instituição do Fundo Municipal da Habitação de Londrina.

Minuta do projeto de lei de criação do Conselho Municipal da Habitação de Londrina e de instituição do Fundo Municipal da Habitação de Londrina. : -L Minuta do projeto de lei de criação do Conselho Municipal da Habitação de Londrina e de instituição do Fundo Municipal da. CAPÍTULO I- DO CONSELHO MUNICIPAL DA HABITAÇÃO, DOS PRINCÍPIOS, DOS OBJETIVOS,

Leia mais

Estado do Rio Grande do Norte PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES Gabinete do Prefeito

Estado do Rio Grande do Norte PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES Gabinete do Prefeito Lei nº 345, de 21 de agosto de 2013. Nesta data, 21 de agosto de 2013, SANCIONO a presente Lei. Francisco das Chagas de Oliveira Silva PREFEITO MUNICIPAL Institui o Conselho Municipal de Desenvolvimento

Leia mais

CURSO: TECNICAS LEGISLATIVAS

CURSO: TECNICAS LEGISLATIVAS CURSO: TECNICAS LEGISLATIVAS FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Fica criado o Fundo Municipal de Assistência Social (FMAS), instrumento de gestão orçamentária e financeira do município, que tem por

Leia mais

LEI MUNICIPAL N 013/97. SÚMULA: Dispõe sobre a Instituição do Conselho Municipal de Saúde e dá outras providencias.

LEI MUNICIPAL N 013/97. SÚMULA: Dispõe sobre a Instituição do Conselho Municipal de Saúde e dá outras providencias. LEI MUNICIPAL N 013/97 SÚMULA: Dispõe sobre a Instituição do Conselho Municipal de Saúde e dá outras providencias. A Câmara Municipal de Carlinda, no uso de suas atribuições legais aprovou e eu, Geraldo

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE RIBAS DO RIO PARDO, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que o Plenário Aprovou a seguinte Lei.

O PREFEITO MUNICIPAL DE RIBAS DO RIO PARDO, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que o Plenário Aprovou a seguinte Lei. LEI MUNICIPAL Nº. 932/2010 Dispõe sobre o Sistema Municipal de Habitação de Interesse Social, institui a Coordenadoria Municipal de Habitação de Interesse Social e dá outras providencias. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

I 02 (dois) representantes do Poder Público Municipal, sendo:

I 02 (dois) representantes do Poder Público Municipal, sendo: LEI MUNICIPAL Nº 1.022, DE 03 DE MAIO DE 2016. Dispõe sobre o Conselho Municipal da Cidade do Município de Tabaporã /MT e dá outras providências. Art. 1º O Conselho Municipal da Cidade de Tabaporã/MT é

Leia mais

Regimento Interno do Campus Bento Gonçalves do IFRS

Regimento Interno do Campus Bento Gonçalves do IFRS Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Bento Gonçalves Regimento Interno do Campus Bento

Leia mais

Lei Municipal N.º 968/2005, de 02 de dezembro de 2005

Lei Municipal N.º 968/2005, de 02 de dezembro de 2005 Lei Municipal N.º 968/2005, de 02 de dezembro de 2005 Leis Municipais - Leis Municipais 2005 LEI MUNICIPAL N.º 968/2005, DE 02 DE DEZEMBRO DE 2005. "Dispõe sobre a reestruturação do Conselho Municipal

Leia mais

Estado de Alagoas Prefeitura Municipal de São Miguel dos Campos Gabinete do Prefeito

Estado de Alagoas Prefeitura Municipal de São Miguel dos Campos Gabinete do Prefeito Projeto de Lei nº, de de de 2016. Institui o Fórum Municipal de Educação de São Miguel dos Campos e adota outras providências. O Prefeito do Município de São Miguel dos Campos, Estado de Alagoas, no uso

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI. Conselho Universitário - CONSU

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI. Conselho Universitário - CONSU MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI Conselho Universitário - CONSU RESOLUÇÃO N.º XXX CONSU, DE XXX DE XXX DE 2014. RESOLVE: Estabelece o Regimento Interno e

Leia mais

LEI Nº 4.917, DE 27 DE AGOSTO DE Projeto de Lei de autoria do Prefeito Municipal

LEI Nº 4.917, DE 27 DE AGOSTO DE Projeto de Lei de autoria do Prefeito Municipal Projeto de Lei de autoria do Prefeito Municipal Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Proteção e Bem-Estar Animal COMPBEA e a criação do Fundo Municipal de Proteção e Bem- Estar Animal FUBEM

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Nobres CNPJ: / LEI MUNICIPAL Nº 1.282/2013 DE 21 DE OUTUBRO DE 2013.

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Nobres CNPJ: / LEI MUNICIPAL Nº 1.282/2013 DE 21 DE OUTUBRO DE 2013. LEI MUNICIPAL Nº 1.282/2013 DE 21 DE OUTUBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE A ATUALIZAÇÃO ESTRUTURAL E ADMINISTRATIVA DO CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DE NOBRES CMAS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Sr. SEBASTIÃO

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 481, DE 03 DE JANEIRO DE 2013.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 481, DE 03 DE JANEIRO DE 2013. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 481, DE 03 DE JANEIRO DE 2013. Altera a Lei Estadual nº 6.908, de 1º de julho de 1996, que Dispõe sobre a Política Estadual de Recursos Hídricos, institui o Sistema

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS TÍTULO I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DO CENTRO CAPÍTULO I DO CENTRO E DE SEUS OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS TÍTULO I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DO CENTRO CAPÍTULO I DO CENTRO E DE SEUS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS TÍTULO I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DO CENTRO CAPÍTULO I DO CENTRO E DE SEUS OBJETIVOS Art. 1º O Centro de Processamento de Dados, Órgão Suplementar

Leia mais

LEI Nº /2013 CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL

LEI Nº /2013 CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL LEI Nº. 1.282/2013 Ementa: Institui o Plano Plurianual do Município de Ouricuri para o período de 2014 a 2017. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE OURICURI/PE, no uso de suas atribuições legais, faz saber que A

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 2.845/2001

LEI MUNICIPAL Nº 2.845/2001 LEI MUNICIPAL Nº 2.845/2001 Cria o Conselho Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável. DÉLCIO HUGENTOBLER, Prefeito Municipal de Taquara, Estado do Rio Grande do Sul, FAZ SABER, que a Câmara

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS RESOLUÇÃO N o 14/2013, DE 02 DE JULHO DE 2013 Reedita, com alterações, a Resolução n o 03/2006, de 29 de junho de 2006, que aprovou o Regimento do Centro de Microscopia da UFMG. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Dispõe sobre a criação do Comitê Gestor da Internet no Brasil - CGI.br, sobre o modelo de governança da Internet no Brasil, e dá outras providências.

Dispõe sobre a criação do Comitê Gestor da Internet no Brasil - CGI.br, sobre o modelo de governança da Internet no Brasil, e dá outras providências. Decreto Nº 4.829, de 3 de setembro de 2003 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Dispõe sobre a criação do Comitê Gestor da Internet no Brasil - CGI.br, sobre o modelo de

Leia mais

II -Propor objetivos e metas para a Política Estadual de Meio Ambiente;

II -Propor objetivos e metas para a Política Estadual de Meio Ambiente; DECRETO N 40.744 DE 25 DE ABRIL DE 2007. Dispõe sobre a organização, competência e funcionamento do Conselho Estadual de Meio Ambiente - CONEMA. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas

Leia mais

Art. 2º São competências do Conselho Municipal de Esporte e Lazer:

Art. 2º São competências do Conselho Municipal de Esporte e Lazer: REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER CAPÍTULO I DO CONSELHO E SUAS ATRIBUIÇÕES Art. 1º O Conselho Municipal de Esporte e Lazer de Carlos Barbosa é um órgão colegiado de caráter, consultivo,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Valente-BA. A Prefeitura Municipal de Valente, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

Prefeitura Municipal de Valente-BA. A Prefeitura Municipal de Valente, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. ANO. 2013 DIÁRIO DO MUNICÍPIO DE VALENTE - BAHIA 1 A Prefeitura Municipal de Valente, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. LEI N.º 598, DE. Valente - Bahia Gestor: Ismael

Leia mais

DECRETO Nº 032 DE 28 DE AGOSTO DE Institui a Comissão Municipal de Emprego no âmbito do Sistema Público de Emprego e dá providências correlatas.

DECRETO Nº 032 DE 28 DE AGOSTO DE Institui a Comissão Municipal de Emprego no âmbito do Sistema Público de Emprego e dá providências correlatas. DECRETO Nº 032 DE 28 DE AGOSTO DE 2015. Institui a Comissão Municipal de Emprego no âmbito do Sistema Público de Emprego e dá providências correlatas. JOSÉ CARLOS SILVA PINTO, Prefeito do Município de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 084/2015 CONSU/IFAC.

RESOLUÇÃO Nº 084/2015 CONSU/IFAC. RESOLUÇÃO Nº 084/2015 CONSU/IFAC. Dispõe sobre o Regulamento das Atribuições da Coordenação Técnico Pedagógica COTEP do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre IFAC. O PRESIDENTE SUBSTITUTO

Leia mais

DECRETO Nº , DE 4 DE DEZEMBRO DE 2014.

DECRETO Nº , DE 4 DE DEZEMBRO DE 2014. DECRETO Nº 18.861, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2014. Cria a Câmara Intersecretarial de Segurança Alimentar e Nutricional (CAISAN), no âmbito do Sistema Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável

Leia mais

DECISÃO Nº 265/2009 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno do Instituto de Informática, como segue:

DECISÃO Nº 265/2009 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno do Instituto de Informática, como segue: CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 265/2009 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessão de 17/7/2009, tendo em vista o constante no processo nº 23078.004276/99-63, de acordo com o Parecer nº 213/2009 da

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009.

RESOLUÇÃO Nº CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI CONSU RESOLUÇÃO Nº. 16 - CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009. Aprova o Regimento interno da Diretoria de Relações Internacionais

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 20, DE 04 DE ABRIL DE

LEI COMPLEMENTAR Nº 20, DE 04 DE ABRIL DE LEI COMPLEMENTAR Nº 20, DE 04 DE ABRIL DE 2002-06-07 DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DE ALAGOAS FAPEAL, INSTITUÍDA PELA LEI COMPLEMENTAR Nº 05, DE 27 DE SETEMBRO

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.415, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1568 *Revogada pela Lei nº 2.735, de 4/07/2013. Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno do Poder Executivo Estadual, e adota outras

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS UFT REGIMENTO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS UFT REGIMENTO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS UFT REGIMENTO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE Palmas TO Junho 2004 ÍNDICE TÍTULO 1 Introdução... 03 Capítulo I Da Composição...

Leia mais

Conselho Municipal de Meio Ambiente CONSEMAC Câmara Setorial Permanente de Educação Ambiental CSPEA Parecer 03/2013 Março 2013

Conselho Municipal de Meio Ambiente CONSEMAC Câmara Setorial Permanente de Educação Ambiental CSPEA Parecer 03/2013 Março 2013 Conselho Municipal de Meio Ambiente CONSEMAC Câmara Setorial Permanente de Educação Ambiental CSPEA Parecer 03/2013 Março 2013 I. OBJETO Regulamentação da Lei n o 4.791 de 02/04/2008, que dispõe sobre

Leia mais

1. Caracterização da ABTP 2. Importância o CAP 3. Considerações Finais

1. Caracterização da ABTP 2. Importância o CAP 3. Considerações Finais 1. Caracterização da ABTP 2. Importância o CAP 3. Considerações Finais Defender a estabilidade dos marcos regulatórios e dos contratos para gerar segurança jurídica. Incentivar a convivência construtiva

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 118, DE 22 DE OUTUBRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 118, DE 22 DE OUTUBRO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 118, DE 22 DE OUTUBRO DE 2015 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 68ª Reunião Ordinária, realizada no dia 22 de outubro de 2015, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011

LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011 LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre o Fundo Municipal de Meio Ambiente do Município de Paranatinga. CAPÍTULO I Do Fundo Municipal de Meio Ambiente Art. 1º Fica instituído o Fundo Municipal de

Leia mais

LEI Nº0154/97 CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

LEI Nº0154/97 CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº0154/97 CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Santa Bárbara do Leste, por seus representantes aprovou e eu, Prefeito Municipal sanciono a seguinte Lei:

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA DE ESPIGÃO DO OESTE Procuradoria Geral do Município LEI Nº 1.532/2011

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA DE ESPIGÃO DO OESTE Procuradoria Geral do Município LEI Nº 1.532/2011 LEI Nº 1.532/2011 Dispõe sobre a autonomia financeira das unidades escolares urbanas e rurais da rede pública municipal de Ensino, orienta sua implantação, e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 5 01/09/2016 09:30 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO N o 3.017, DE 6 DE ABRIL DE 1999. Aprova o Regimento do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Aripuanã

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Aripuanã LEI Nº. 885/2010. SÚMULA: AUTORIZA O PODER EXECUTIVO MUNICIPAL A CRIAR O CONSELHO MUNICIPAL DE CULTURA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. CARLOS ROBERTO TORREMOCHA, Prefeito do Município de Aripuanã, Estado de

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS EI Nº 1421/2011 DATA: 15 de fevereiro de 2011 SÚMULA: Cria o Conselho Gestor do Telecentro Comunitário do Município de Sinop/MT e dá outras providências. JUAREZ COSTA, PREFEITO MUNICIPAL DE SINOP, ESTADO

Leia mais

DIRETORIA DE ENSINO, PEQUISA E EXTENSÃO MARÍLIA Sumário. Capitulo I- Da Organização... 03

DIRETORIA DE ENSINO, PEQUISA E EXTENSÃO MARÍLIA Sumário. Capitulo I- Da Organização... 03 DIRETORIA DE ENSINO, PEQUISA E EXTENSÃO MARÍLIA 2014 Sumário Capitulo I- Da Organização... 03 Capitulo II Das Reuniões da Diretoria de Ensino, Pesquisa e Extensão... 06 Capitulo III Das Disposições Transitórias...

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988

CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 Art. 207. As universidades gozam de autonomia didático-científica, administrativa e de gestão financeira e patrimonial, e obedecerão ao princípio de indissociabilidade entre

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JARAGUÁ DO SUL SECRETARIA DA HABITAÇÃO E REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA CONSELHO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE JARAGUÁ DO SUL SECRETARIA DA HABITAÇÃO E REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA CONSELHO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE JARAGUÁ DO SUL SECRETARIA DA HABITAÇÃO E REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA CONSELHO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO LEIS DO CMH LEI Nº 4372/2006 Jaraguá do Sul, 08 de agosto de 2006. (Revogada pela

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 768, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2017.

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 768, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2017. MEDIDA PROVISÓRIA Nº 768, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2017. Cria a Secretaria-Geral da Presidência da República e o Ministério dos Direitos Humanos, altera a Lei n o 10.683, de 28 de maio de 2003, que dispõe

Leia mais

Altera o Estatuto do Distrito Estadual de Fernando de Noronha, aprovado pelo Decreto nº , de 12 de março de 2003, e dá outras providências.

Altera o Estatuto do Distrito Estadual de Fernando de Noronha, aprovado pelo Decreto nº , de 12 de março de 2003, e dá outras providências. DECRETO Nº 26.266, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2003. Altera o Estatuto do Distrito Estadual de Fernando de Noronha, aprovado pelo Decreto nº 25.297, de 12 de março de 2003, e dá outras providências. O GOVERNADOR

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 327/2014 DE 23 DE JUNHO DE 2014

LEI MUNICIPAL Nº 327/2014 DE 23 DE JUNHO DE 2014 LEI MUNICIPAL Nº 327/2014 DE 23 DE JUNHO DE 2014 Cria o Conselho de Desenvolvimento Rural Sustentável do Município de Lagoa do Tocantins e dá outras providências A Prefeita Municipal MINERVA DICLÉIA VIEIRA

Leia mais

MANUAL ORIENTADOR DA REVISÃO DAS PRIORIDADES DO PLANO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS PARA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MANUAL ORIENTADOR DA REVISÃO DAS PRIORIDADES DO PLANO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS PARA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS MANUAL ORIENTADOR DA REVISÃO DAS PRIORIDADES DO PLANO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS PARA 2016-2020 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Institui o Estatuto da Metrópole, altera a Lei nº 10.257, de 10 de julho de 2001, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Esta Lei, denominada

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, considerando

Leia mais

DAS COORDENAÇÃO DE EIXO_TECNOLÓGICO

DAS COORDENAÇÃO DE EIXO_TECNOLÓGICO DAS COORDENAÇÃO DE EIXO_TECNOLÓGICO TÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES Art. 1 - À coordenação de eixo-tecnológico compete: I - Convocar e presidir as reuniões do Colegiado de Curso; II - Submeter à Coordenação

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 411/2015 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

PROJETO DE LEI Nº 411/2015 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS PROJETO DE LEI Nº 411/2015 Aprova o PLHIS Plano Local de Habitação de Interesse Social do Município de Jaboticabal e dá outras providências. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. Fica aprovado e instituído

Leia mais

REGIMENTO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I FINALIDADE E COMPETÊNCIA

REGIMENTO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I FINALIDADE E COMPETÊNCIA REGIMENTO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I FINALIDADE E COMPETÊNCIA Art. 1º - A Secretaria de Relações Institucionais SERIN, criada pela Lei nº 10.549, de 28 de dezembro de 2006, tem

Leia mais

Programa EaD em REDE

Programa EaD em REDE Programa EaD em REDE Regulamento Interno Regulamenta o Programa EaD em Rede da Associação Brasileira de Reitores das Universidades Estaduais e Municipais - ABRUEM. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art.

Leia mais

DECRETO Nº 4.751, DE 17 DE JUNHO DE 2003.

DECRETO Nº 4.751, DE 17 DE JUNHO DE 2003. DECRETO Nº 4.751, DE 17 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre o Fundo PIS-PASEP, criado pela Lei Complementar nº 26, de 11 de setembro de 1975, sob a denominação de PIS-PASEP, e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

LEI N.º DE 04 DE JUNHO DE 2004 * O GOVERNADOR DO ESTADO DE SERGIPE, Faço saber que a Assembléia Legislativa do estado aprovou e que sanciono a

LEI N.º DE 04 DE JUNHO DE 2004 * O GOVERNADOR DO ESTADO DE SERGIPE, Faço saber que a Assembléia Legislativa do estado aprovou e que sanciono a LEI N.º 5.360 DE 04 DE JUNHO DE 2004 * Dispõe sobre o Fundo de Defesa do Meio Ambiente de Sergipe FUNDEMA/SE, dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SERGIPE, seguinte Lei: Faço saber que a Assembléia

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 707 DE 03 DE ABRIL DE 2014 L E I

LEI MUNICIPAL Nº 707 DE 03 DE ABRIL DE 2014 L E I LEI MUNICIPAL Nº 707 DE 03 DE ABRIL DE 2014 ALTERA A LEI 699, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2013 E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE PRESIDENTE FIGUEIREDO, no uso de suas atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

a) Autorização de funcionamento das escolas da rede municipal;

a) Autorização de funcionamento das escolas da rede municipal; LEI MUNICIPAL Nº 018/2010. Altera a Lei Municipal Nº 017/97, de 21 de novembro de 1997, que Cria o Conselho Municipal de Educação CME, e dá outras providências. A PREFEITA DE BARRA DA ESTIVA, ESTADO DA

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO. TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO. TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades Art. 1º - O Colegiado de Curso é órgão normativo, deliberativo,

Leia mais

DECRETO Nº , DE 18 DE JULHO DE 2001.

DECRETO Nº , DE 18 DE JULHO DE 2001. DECRETO Nº. 3.872, DE 18 DE JULHO DE 2001. Dispõe sobre o Comitê Gestor da Infra-Estrutura de Chaves Públicas Brasileira - CG ICP-Brasil, sua Secretaria-Executiva, sua Comissão Técnica Executiva e dá outras

Leia mais

MINUTA DO PROJETO DE LEI QUE CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE TRANSPARÊNCIA E CONTROLE SOCIAL

MINUTA DO PROJETO DE LEI QUE CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE TRANSPARÊNCIA E CONTROLE SOCIAL MINUTA DO PROJETO DE LEI QUE CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE TRANSPARÊNCIA E CONTROLE SOCIAL PROJETO DE LEI Nº... Cria o Conselho Municipal de Transparência e Controle Social de São Paulo, estabelecendo suas

Leia mais

ADVERTÊNCIA. Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União. Ministério da Saúde Gabinete do Ministro

ADVERTÊNCIA. Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União. Ministério da Saúde Gabinete do Ministro ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.311, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014 Altera a Portaria nº 2.866/GM/MS, de 2 de

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE CACHOEIRINHA SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE CACHOEIRINHA SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO LEI N o 3.065, DE 09 DE SETEMBRO DE 2009. Redefine o Fundo Municipal de Geração de Trabalho e Renda de Cachoeirinha (FUMGER) e revoga a Lei n o 2.359, de 22 de dezembro de 2004. O PREFEITO MUNICIPAL DE

Leia mais

DECRETO Nº DE 14 DE JUNHO DE 2016 D E C R E T A PALÁCIO DO GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA, EM 14 DE JUNHO DE 2016.

DECRETO Nº DE 14 DE JUNHO DE 2016 D E C R E T A PALÁCIO DO GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA, EM 14 DE JUNHO DE 2016. DECRETO Nº 16.786 DE 14 DE JUNHO DE 2016 Aprova o Regimento da Secretaria de Desenvolvimento Urbano - SEDUR. O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA, no uso da atribuição que lhe confere o inciso XIX do art. 105

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 444, DE 17 DE OUTUBRO DE 2014

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 444, DE 17 DE OUTUBRO DE 2014 PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 444, DE 17 DE OUTUBRO DE 2014 Aprova o Regimento Interno da Comissão Gestora do Sistema Integrado de Comércio Exterior - SISCOMEX, criada pelo Decreto nº 660, de 25 de setembro

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ATRICON Nº XX/2013

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ATRICON Nº XX/2013 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ATRICON Nº XX/2013 Altera o Estatuto da Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil, visando, entre outras providências, a ampliação da sua fonte de financiamento Resumo:

Leia mais

L E I. Este documento foi assinado digitalmente por AC SERASA SRF ICP-BRASIL.

L E I. Este documento foi assinado digitalmente por AC SERASA SRF ICP-BRASIL. ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE UMARIZAL CNPJ N 08.348.963/0001-92 - Av. Gavião, 19 Centro Tel.: (84)3397-2229/2202 Fax: (84)3397-2218 - CEP.:59.865-000 UMARIZAL-RN GABINETE DO PREFEITO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM JUIZ DE FORA, JULHO DE 2014 REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

Leia mais

Decreto Nº 353 DE 04/07/2016

Decreto Nº 353 DE 04/07/2016 Decreto Nº 353 DE 04/07/2016 Publicado no DOE em 5 jul 2016 Institui o Comitê Gestor da Rede para a Simplificação do Registro e da Legalização de Empresas e Negócios do Estado de Minas Gerais - REDESIM-MG.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 17/2016. aprovar o Regimento da Câmara de Pesquisa e Pós-Graduação para os Campi UFV- Florestal e Rio Paranaíba.

RESOLUÇÃO Nº 17/2016. aprovar o Regimento da Câmara de Pesquisa e Pós-Graduação para os Campi UFV- Florestal e Rio Paranaíba. RESOLUÇÃO Nº 17/2016 O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, órgão máximo de deliberação no plano didático-científico da Universidade Federal de Viçosa, no uso de suas atribuições legais, considerando

Leia mais

Plano Metropolitano de Habitação. Plano Metropolitano de Habitação de Interesse Social da Região Metropolitana de Campinas

Plano Metropolitano de Habitação. Plano Metropolitano de Habitação de Interesse Social da Região Metropolitana de Campinas Plano Metropolitano de Habitação de Interesse Social da Região Metropolitana de Campinas Apresentado pelo representante do Ministério das Cidades Histórico Aprovado pelo Conselho de Desenvolvimento

Leia mais

PORTARIA MPA/MMA Nº 7, DE 1º DE SETEMBRO DE 2015.

PORTARIA MPA/MMA Nº 7, DE 1º DE SETEMBRO DE 2015. PORTARIA MPA/MMA Nº 7, DE 1º DE SETEMBRO DE 2015. Cria o Comitê Permanente de Gestão e do Uso Sustentável dos Recursos Pelágicos CPG Pelágicos Sudeste e Sul. OS MINISTROS DE ESTADO DA PESCA E AQUICULTURA

Leia mais

O GT de Conflitos Fundiários Urbanos do Conselho das Cidades apresenta para uma primeira discussão pública a seguinte proposta:

O GT de Conflitos Fundiários Urbanos do Conselho das Cidades apresenta para uma primeira discussão pública a seguinte proposta: DOCUMENTO DE REFERÊNCIA DA POLÍTICA NACIONAL DE PREVENÇÃO E MEDIAÇÃO DE CONFLITOS FUNDIÁRIOS URBANOS Esta proposta preliminar é resultado de um esforço coletivo do Grupo de Trabalho de Conflitos Fundiários

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 937 de 18 de Outubro de 2013

LEI MUNICIPAL Nº 937 de 18 de Outubro de 2013 LEI MUNICIPAL Nº 937 de 18 de Outubro de 2013 Dispõe sobre a criação do Sistema Municipal de Prevenção ao uso e ao tratamento de Álcool e outras drogas, e do Conselho Municipal de Políticas Sobre Álcool

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FPES

REGIMENTO INTERNO DO FPES REGIMENTO INTERNO DO FPES CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º O Fórum Paulista de Economia Solidária, doravante denominada FPES, é um espaço de articulação, mobilização, debate, desenvolvimento

Leia mais

Lei n o de 28/12/1990

Lei n o de 28/12/1990 Lei n o 8.142 de 28/12/1990 Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Gabinete do Reitor GR Sistema de Arquivo SIARQ/UFRJ Divisão de Gestão Documental e da Informação DGDI

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Gabinete do Reitor GR Sistema de Arquivo SIARQ/UFRJ Divisão de Gestão Documental e da Informação DGDI PORTARIA Nº, de 30 de setembro de 2014. Institui e normatiza o Fórum Permanente UFRJ Acessível e Inclusiva. O Reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro, no uso das atribuições conferidas pelo Decreto

Leia mais

Profa. Dra. Gioconda Santos e Souza Martínez Presidenta do Conselho Universitário/UFRR

Profa. Dra. Gioconda Santos e Souza Martínez Presidenta do Conselho Universitário/UFRR Resolução nº 010/2015-CUni MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CONSELHO UNIVERSITÁRIO Av. Capitão Ena Garcez nº 2413, Bairro Aeroporto, CEP: 69.310-000 - Boa Vista/RR Fone (095)3621-3108

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE BARRA MANSA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE: LEI Nº 2406, de 18 de setembro de 1991 I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

A CÂMARA MUNICIPAL DE BARRA MANSA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE: LEI Nº 2406, de 18 de setembro de 1991 I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES A CÂMARA MUNICIPAL DE BARRA MANSA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE: LEI Nº 2406, de 18 de setembro de 1991 Dispõe sobre a Política Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

Prefeitura Municipal de Rio Claro Estado de São Paulo

Prefeitura Municipal de Rio Claro Estado de São Paulo LEI N 4006 De 15 de dezembro de 2009 (Reorganiza o CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÂO DE RIO CLARO COMERC, criado pelo artigo 261 da Lei Orgânica do Município e dá outras providências) Artigo 1º - O Conselho

Leia mais

CAPÍTULO I CAPÍTULO II CAPÍTULO III

CAPÍTULO I CAPÍTULO II CAPÍTULO III CONSELHO MUNICIPAL DA CIDADE DE BARREIRAS RESOLUÇÃO Nº 001 DE 13 DE JANEIRO DE 2016. Aprova o Regimento Interno do Conselho Municipal da Cidade de Barreiras-Bahia. O CONSELHO MUNICIPAL DA CIDADE DE BARREIRAS,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 75/99 - CEPE R E S O L V E: CAPÍTULO I. Das Finalidades CAPÍTULO II. Da Natureza Jurídica e Objetivos

RESOLUÇÃO Nº 75/99 - CEPE R E S O L V E: CAPÍTULO I. Das Finalidades CAPÍTULO II. Da Natureza Jurídica e Objetivos RESOLUÇÃO Nº 75/99 - CEPE Estabelece normas para a constituição e funcionamento dos Comitês Central e Setoriais de Ética em Pesquisa Envolvendo Seres Humanos da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO

Leia mais

DECRET0 Nº 2.207, DE 22 DE ABRIL DE 2008

DECRET0 Nº 2.207, DE 22 DE ABRIL DE 2008 DECRET0 Nº 2.207, DE 22 DE ABRIL DE 2008 Dispõe sobre a Estrutura Regimental da Secretaria Municipal de Esporte e Lazer. Publicado no Jornal Correio Paranaense Em, 24.04.2008 O Prefeito Municipal de São

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 101, DE 04 DE JULHO DE 2014.

PROJETO DE LEI Nº 101, DE 04 DE JULHO DE 2014. Extingue a unidade Departamento dos Conselhos Municipais compreendida na estrutura do órgão Gabinete do Prefeito; cria a unidade Coordenação dos Conselhos Municipais no órgão Gabinete do Prefeito; altera

Leia mais

O SUS LEGAL A partir das leis que ainda não foram cumpridas e que determinam a estrutura e funcionamento do SUS: Propostas do ministério da saúde

O SUS LEGAL A partir das leis que ainda não foram cumpridas e que determinam a estrutura e funcionamento do SUS: Propostas do ministério da saúde O SUS LEGAL A partir das leis que ainda não foram cumpridas e que determinam a estrutura e funcionamento do SUS: Propostas do ministério da saúde Brasília, 25/01/2017 Lei 141 Art. 30. Os planos plurianuais,

Leia mais

Sistema Nacional de Cultura

Sistema Nacional de Cultura Sistema Nacional de Cultura O Sistema Nacional de Cultura (SNC) é um instrumento de gestão compartilhada de políticas públicas de cultura entre os entes federados e a sociedade civil. Seu principal objetivo

Leia mais

MINUTA EM CONSTRUÇÃO

MINUTA EM CONSTRUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR UNIVERSITÁRIO MINUTA EM CONSTRUÇÃO RESOLUÇÃO POLÍTICA DE AÇÕES AFIRMATIVAS E PROMOÇÃO DA IGUALDADE ÉTNICO-RACIAL Institui a Política de Ações Afirmativas

Leia mais

Associação Educativa Evangélica FACULDADE RAÍZES Plantando Conhecimento para a Vida

Associação Educativa Evangélica FACULDADE RAÍZES Plantando Conhecimento para a Vida REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CAPÍTULO I DAS CONSIDRAÇÕES PRELIMINARES Art.1º O presente Regulamento disciplina as atribuições e o funcionamento do Núcleo Docente Estruturante (NDE) do Curso

Leia mais

DELIBERAÇÃO CBHSF Nº 88, de 10 de dezembro de 2015

DELIBERAÇÃO CBHSF Nº 88, de 10 de dezembro de 2015 DELIBERAÇÃO CBHSF Nº 88, de 10 de dezembro de 2015 Aprova o Plano de Aplicação Plurianual - PAP dos recursos da cobrança pelo uso de recursos hídricos na bacia hidrográfica do rio São Francisco, referente

Leia mais

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE)

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE) Identidade Organizacional - Acesso à informação - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos R O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) é uma autarquia

Leia mais

PORTARIA Nº 2.164, 30 de Setembro de Aprova o Regimento Interno da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos.

PORTARIA Nº 2.164, 30 de Setembro de Aprova o Regimento Interno da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos. PORTARIA Nº 2.164, 30 de Setembro de 2011 Aprova o Regimento Interno da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos. O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições que lhes

Leia mais