As Mineralizações da Faixa Piritosa e sua Importância Económica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "As Mineralizações da Faixa Piritosa e sua Importância Económica"

Transcrição

1 II ENCONTRO DE PROFESSORES DE GEOCIÊNCIAS DO ALENTEJO E ALGARVE GEOLOGIA, MINERALIZAÇÕES E BIODIVERSIDADE NA FAIXA PIRITOSA CINE-TEATRO MARQUES DUQUE, MÉRTOLA As Mineralizações da Faixa Piritosa e sua Importância Económica Jorge M.R.S. Relvas 1, Raul C.G.S. Jorge 1, Álvaro M.M. Pinto 1, João X. Matos 2, Carlos J. Rosa 1, Fernando J.A.S. Barriga 1 CREMINER - Centro de Recursos Minerais, Mineralogia e Cristalografia; 1 Departamento de Geologia, Faculdade de Ciências, Universidade de Lisboa; 2 INETI, Departamento de Geologia Económica, Rua Frei Amador Arrais 3, Ap.104, Beja, Portugal A abundância, dimensão e densidade de ocorrência dos depósitos de sulfuretos maciços da Faixa Piritosa Ibérica fazem desta a maior e uma das mais interessantes províncias metalogenéticas do mundo no que se refere a esta tipologia de jazigos (Large and Blundell, 2000), representando um caso de invulgar sucesso relativamente à reunião, no espaço e no tempo, de condições excepcionalmente favoráveis para a formação e preservação deste tipo de minérios (Barriga, 1990; Oliveira et al., 2006). Os cerca de Km 2 que ocupa aproximadamente a FPI, hospedam mais de milhões de toneladas métricas (Mt) de sulfuretos maciços e fissurais, distribuídos por mais de 88 depósitos conhecidos (Fig. 1; Leistel et al., 1998; Carvalho et al., 1999; Tornos et al., 2002). Esta elevadíssima densidade espacial (cerca de a t por Ha de CVS aflorante; Tornos, 2006), torna-se ainda mais impressionante quando tomados em consideração quer o gigantismo de muitos destes jazigos (a FPI contém 22% da totalidade mundial dos depósitos de sulfuretos maciços com mais de 32 Mt, Laznicka, 1999), quer o conhecimento hoje existente de que a sua formação ocorreu num curto intervalo de tempo geológico, no final dos tempos Devónicos, provavelmente ao longo de não mais que seis milhões de anos, entre o Estruniano (Fameniano terminal), para os depósitos do sector sul, e o final do Tournaisiano, para as mineralizações na área de Rio Tinto (Oliveira et al., 2006 e referências citadas). No seu conjunto, os minérios da FPI contém um volume de metais verdadeiramente extraordinário que denuncia a elevada produtividade da actividade hidrotermal mineralizante nesta bacia durante aquela breve janela de tempo. A enorme eficácia destes sistemas hidrotermais relativamente aos mecanismos de lixiviação/extracção e transporte de metais, sua deposição e conservação foi, contudo, também responsável por favorecer elevadas razões ferro/metais-base, logo teores relativamente baixos, na maioria dos depósitos. Os jazigos característicos da FPI possuem assim elevadas tonelagens mas são, em geral, fortemente piríticos, com concentrações apenas localmente significativas de esfalerite, calcopirite e galena. O depósito-médio da FPI possui 30.1 Mt de sulfuretos maciços com 0.85% Cu, 1.13% Zn, 0.53% Pb, 38.5 g/t Ag e 0.8% Au (Tornos et al., 2005). Não obstante, em alguns depósitos (e.g., Neves Corvo, Águas Tenidas; Las Cruces; Rio Tinto), os teores em Cu, Zn, Au e, no caso de Neves Corvo, Sn, são muito superiores à média observada na província, deixando antever a existência de variáveis sin e/ ou pós-metalogenéticas que puderam condicionar fortemente a valorização económica de algumas mineralizações em particular. A maioria dos depósitos típicos da FPI inclui concentrações ( clusters ) de duas a seis massas de sulfuretos maciços e respectivos stockworks. Apesar da morfologia primária das massas ser predominantemente lenticular, muitas delas encontram-se fortemente tectonizadas, o que lhes altera as Relvas, J. M. R. S., et al. As Mineralizações da Faixa Piritosa e sua Importância Económica 1

2 relações geométricas originais e, frequentemente, as desmembra em corpos de menor dimensão, de difícil ou mesmo impossível reconstituição. Os padrões de alteração hidrotermal a muro das mineralizações são muito variados na sua morfologia: estratóide em alguns casos (e.g., Tharsis; Tornos et al., 1998), a coniforme em outros (e.g., Rio Tinto; Garcia Palomero, 1980; Aljustrel; Barriga and Fyfe, 1988; Relvas, 1991; Valverde; Toscano et al., 1993), passando por distintas situações intermédias (e.g., Neves Corvo; Relvas et al., 2006a). São, contudo, relativamente homogéneos quanto às paragéneses secundárias e zonalidade observadas. De uma forma geral, as zonas de stockwork caracterizam-se por núcleos fortemente cloríticos ((±pyrophillite ± donbasite) e/ou enriquecidos em sílica, envolvidos por zonas de alteração sericítica extensas que, para a periferia, se enriquecem na sua componente paragonítica (e.g., Relvas, 1991; Barriga and Relvas, 1993; Sanchez-España et al., 2000; Relvas et al., 2006a). Com algumas excepções, as assinaturas mineralógicas, geoquímicas e isotópicas do padrão de alteração associado às mineralizações da FPI denunciam condições de ph moderadamente ácido, temperaturas de interacção muito variáveis ( ºC) e associações mineralógicas típicas de ambientes de baixa sulfidização (e.g., Carvalho, 1974; Barriga, 1983; Relvas, 2000). Os depósitos de sulfuretos maciços da FPI exibem também considerável diversidade no que respeita às rochas que directamente os hospedam e aos estilos de mineralização que se lhes associam. No sector sul, alguns jazigos praticamente não exibem rochas vulcânicas a muro (e.g., Tharsis, Lousal) ou, pelo menos, a sucessão que os hospeda compreende abundantes sedimentos, normalmente xistos argilosos com maior ou menor componente carbonosa (e.g., Sotiel-Migollas, Valverde, Las Cruces, Aznallcollar- Los Frailes), enquanto, mais a norte, os depósitos são encaixados predominantemente por rochas vulcânicas félsicas (e.g., Aljustrel, La Zarza, Concepción-San Platon, Rio Tinto, Lomero-Poyatos, San Miguel). Os modelos deposicionais propostos para os vários depósitos caracterizam-se assim por significativa diversidade associada aos diferentes ambientes que presidiram à metalogénese: (1) precipitação em brine pools (e.g., Tornos et al., 1998; Solomon et al., 2002); (2) substituição de sedimentos argilosos e carbonosos na sub-superfície (e.g., Almodóvar et al., 1998); (3) substituição na sub-superfície de rochas vulcânicas félsicas coerentes e, em particular, de rochas félsicas vulcaniclásticas, em horizontes da sucessão encaixante caracterizados por vincados contrastes primários de permeabilidade (e.g., Barriga e Fyfe, 1988; Relvas, 1991); e (4) estilos da mineralização correspondentes a ambientes transicionais entre dois ou mais dos termos extremos acima descritos (e.g., Neves Corvo; Relvas, 2000; Relvas et al., 2006a). O magmatismo ácido na FPI caracteriza-se pela instalação relativamente superficial de magmas sobre-aquecidos e pouco fraccionados, denunciando um regime de elevado fluxo térmico e fusão crustal em condições de baixa pressão que requer um ambiente extensional de adelgaçamento crustal (Munhá, 1983; Mitjavila et al., 1997; ver também Silva et al., 1990; Oliveira, 1990; Quesada, 1998; Tornos et al., 2002). Tal ambiente geotectónico terá permitido (1) elevados gradientes geotérmicos regionais, favoráveis à circulação hidrotermal numa bacia ensiálica de primeira ordem, fortemente segmentada em semi-grabbens e compartimentada a várias escalas; (2) a lixiviação de metais e a geração em profundidade de reservatórios de fluidos basinais altamente salinos (com elevada capacidade de transporte metalífero); (3) intensa actividade tectónica sin-vulcânica que favoreceu um regime de circulação hidrotermal em profundidade compatível com as condições de baixa permeabilidade primária da sequência vulcano-siliciclástica da bacia; e (4) a extracção de fluidos profundos e a focalização dos canais de descarga dos sistemas convectivos mais superficiais. A instabilidade tectónica associada à actividade vulcânica, justifica igualmente os frequentes escorregamentos gravíticos documentados quer nos pacotes sedimentares e vulcaniclásticos, quer nos próprios sulfuretos maciços em alguns depósitos da FPI (e.g., Tharsis, Lousal, Neves Corvo; Silva et al., 1990; Tornos et al., 1998; Relvas, 2000). Relvas, J. M. R. S., et al. As Mineralizações da Faixa Piritosa e sua Importância Económica 2

3 A participação maioritária de água do mar no balanço de fluidos dos sistemas hidrotermais da FPI foi desde há muito estabelecida (Barriga e Kerrich, 1984; Munhá et al., 1986). Significativas contribuições metalíferas de filiação magmática na generalidade dos depósitos da FPI foram propostas por Halsall and Sawkins (1989) e, mais recentemente, por Solomon e Quesada (2003), mas a natureza relativamente superficial do magmatismo félsico da FPI e o seu quimismo sub-saturado em água (Munhá, 1983; Mitjavila et al., 1997) tornam pouco provável que exsoluções significativas de fluidos aquosos de filiação magmática tenham tido lugar a partir dos magmas secos que alimentaram o vulcanismo félsico típico da FPI. Também, as razões metalíferas dos minérios típicos da FPI se correlacionam bastante bem com as correspondentes razões nas sequências metasedimentares de muro, sugerindo fortemente uma derivação dos metais por processos de lixiviação (Barriga e Fyfe, 1998; Tornos e Spiro, 1999; Relvas, 2000; Relvas et al., 2006a; 2006b; Jorge et al., 2007). A elevada salinidade dos fluidos aprisionados em inclusões fluidas consideradas primárias nos stockworks de vários depósitos (e.g., Almodóvar et al., 1998; Sánchez-España et al., 2003), a muito pesada assinatura isotópica do oxigénio frequentemente registada pelas associações minerais de alteração hidrotermal, e os dados isotópicos de chumbo (Marcoux, 1998; Relvas et al., 2001; Jorge et al., 2007), de neodímio (Relvas et al., 2001), de estrôncio (Tornos e Spiro, 1999; Relvas et al., 2001) e de ósmio (Mathur et al., 2001; Munhá et al., 2005) sugerem que, excepto para alguns minérios de Neves Corvo, poderá ter existido um reservatório metalífero relativamente homogéneo para a maioria dos depósitos da FPI. Estes parecem assim ter resultado de diferentes extracções metalíferas a partir de reservatórios crustais relativamente homogéneos em toda a província. Os fluidos envolvidos poderão incluir designadamente os resultantes de desidratação metamórfica da sequência filítica-siliciclástica subjacente ao CVS, águas conatas e/ou água do mar modificada com longos tempos de residência nestes metasedimentos (GFQ), ( IPB-ore fluid ; Relvas, 2000). Estas circunstâncias poderão explicar a homogeneidade das razões metalíferas e das assinaturas dos isótopos radiogénicos na generalidade dos minérios da FPI, bem como as assinaturas pesadas dos isótopos estáveis e as elevadas salinidades dos fluidos envolvidos, sem requerer a intervenção de águas com qualquer outra derivação, numa aproximação clara a um modelo metalogenético híbrido entre o que caracteriza os jazigos de sulfuretos maciços vulcanogénicos (VHMS) e o geralmente aceite para os seus congéneres exalativo-sedimentares (SEDEX) (Velasco et al., 1998; Saez et al., 1999; Relvas, 2000; Relvas et al., 2002). Uma questão sempre recorrente nos modelos que interpretam a génese de mineralizações de sulfuretos maciços, reside na solubilidade inversa dos metais e do enxofre no espectro de condições geoquímicas típicas destes sistemas. Como Tornos (2006) enfatiza, nos fluidos mineralizantes da FPI, o conteúdo total em metais deverá ter excedido largamente o conteúdo em enxofre, uma vez que a elevada concentração em Fe das rochas encaixantes, em particular dos xistos argilosos, controla a solubilidade do H2S no fluido (3-40 ppm), permitindo o transporte de conteúdos metálicos relativamente altos, mesmo quando em condições de temperatura e acidez não muito elevadas. Como é desde há muito sabido, os baixos valores de mσs no fluido que transporta os metais impedem a precipitação dos sulfuretos até que um processo de mistura com um outro fluido rico em enxofre tenha lugar, no fundo do mar ou na sua sub-superfície. Na prática, é a saturação em enxofre dos fluidos metalíferos que governa a geoquímica de precipitação dos minérios de sulfuretos maciços. Os dados isotópicos de enxofre têm revelado duas fontes principais para o enxofre reduzido dos sulfuretos maciços da FPI: (1) lixiviação de enxofre da sequência de muro dos depósitos e termo-redução abiogénica, em profundidade, do conteúdo em sulfato da água do mar; e/ou (2) redução bacteriogénica do enxofre marinho no fundo do mar (Velasco et al., 1998). O primeiro mecanismo terá sido preponderante nos depósitos formados por substituição na sub-superfície de rochas vulcânicas e vulcaniclásticas félsicas, onde o processo de mistura deverá ter sido favorecido pela geração de aquíferos hidrotermais relativamente superficiais, provavelmente associados a contrastes de permeabilidade (e.g., Aljustrel, parte dos minérios de Neves Corvo, outros depósitos do sector norte da Relvas, J. M. R. S., et al. As Mineralizações da Faixa Piritosa e sua Importância Económica 3

4 FPI, Barriga and Fyfe, 1988; Relvas, 2000; Relvas et al., 2006a). Em sequências dominadas por xistos argilosos, por seu turno, poderá ter preponderado a redução dos sulfatos marinhos por arqueobactérias e, nesse caso, os processos de mistura com fluidos mineralizantes poderão ter tido lugar de duas formas: (i) ou no seio da vasa argilosa que ocupava o topo da sequência, substituindo-a por sulfuretos (e.g., Aznalcollar, Almodóvar et al., 1998; parte dos minérios de Neves Corvo, Relvas et al., 2006a); (ii) ou por exalação directa no fundo do mar, no seio de bacias euxínicas confinadas, sempre que se tiverem reunido condições de flutuabilidade inversa de fluidos mineralizantes particularmente salinos (reverse buoyancy; brine-pools; e.g., Tharsis; Tornos et al., 1998; Solomon et al., 2002; Tornos, 2006). O jazigo de Neves Corvo reveste-se de características geoquímicas de excepção quer no seio da FPI, onde se insere, quer no conjunto dos seus depósitos congéneres (Relvas, 2000; Oliveira et al., 2004; Relvas et al., 2006a; 2006b). O jazigo contém abundantes quantidades e elevadíssimos teores de estanho (mais de toneladas de estanho metálico e teores que ascendem a mais de 60% Sn) e a geoquímica dos seus minérios contrasta com a dos depósitos típicos da FPI, designadamente no que se refere, por exemplo, aos teores em cobre e às razões cobre/zinco características da província (ver Carvalho e Ferreira, 1994; Relvas et al., 2006a). Os dados isotópicos de chumbo (Marcoux, 1998; Relvas et al., 2001; Jorge et al., 2007), neodímio (Relvas et al., 2001) e ósmio (Munhá et al., 2005) disponíveis para Neves Corvo indicam que o regime de fornecimento dos metais neste depósito se afasta significativamente das fontes de metais relativamente homogéneas que tipificam a sua província metalogenética. Estes resultados, aliados a evidências indirectas várias, como sejam a geoquímica oligoelementar das cassiterites (e.g., Serranti et al., 1997; Relvas, 2000); dados de inclusões de vidro magmático (Tornos et al., 2004); as características da alteração hidrotermal e balanços de massa dos metais; ou os constrangimentos impostos pela geoquímica do estanho (Relvas et al., 2006a; 2006b), indicam que, para além das componentes de fluido e metais que se associam aos processos e reservatórios próprios dos sistemas hidrotermais característicos da FPI, os minérios de Neves Corvo incluem certamente outras contribuições metálicas relacionadas com fontes profundas, designadamente de natureza magmático-hidrotermal ou metamórfica. Possíveis contribuições, magmáticas ou outras, de fluidos e metais, externas aos sistemas característicos da FPI, em Neves Corvo e, eventualmente, em outros depósitos particulares na FPI (e.g., Halsall e Sawkins, 1989; Solomon e Quesada, 2003; Sanchez-España et al., 2003), poderão relacionar-se com corpos graníticos mais profundos, independentes dos magmas típicos desta província, e/ou com a lixiviação/extracção de metais a partir de reservatórios desconhecidos em profundidade (Relvas et al., 2001; 2006a; Munhá et al., 2005; Jorge et al., 2007). As circunstâncias particulares descritas, aliadas à possibilidade, já verificada em vários depósitos clássicos da FPI, de se potenciar a exequibilidade económica da sua exploração, focalizando esforços em concentrações localizadas de metais geradas por processos de enriquecimento tectono-metamórfico ou supergénico, ou de se incluírem entre os objectivos considerados de interesse económico, os metais preciosos ou outros possuidores de interesse estratégico (e.g., In, Ge, Co, Ga), tem permitido perspectivar novos perfis de viabilização económica para a indústria extractiva nesta província. É sabido que são muito reduzidas as taxas de auto-suprimento da UE relativamente à esmagadora maioria dos metais que consome, facto que deixa o velho continente numa situação de enorme dependência nesta matéria. Não obstante, em parte devido aos recursos explorados na FPI, a Europa produz uma parte significativa do zinco (8,5%), do cobre (5%) e, em menor escala, do estanho de que necessita guage=en&guilanguage=en Relvas, J. M. R. S., et al. As Mineralizações da Faixa Piritosa e sua Importância Económica 4

5 A FPI é fonte de cerca de 65% do cobre, 69% do estanho e quase 30% do zinco produzidos na União Europeia (Luís Costa, 1998, comunic. oral). O actual perfil favorável do preço dos metais, aliado a uma maior consciência dos políticos europeus sobre a vulnerabilidade da UE no que respeita à sustentabilidade da sua indústria transformadora face ao fornecimento das matérias-primas metálicas, estão entre as razões pelas quais as actividades de prospecção na Faixa Piritosa Ibérica estão hoje, de novo, a recrudescer, assumindo, como outrora, uma elevada taxa de cobertura em toda a sua extensão. A descoberta de um segundo Neves Corvo constitui, claro está, o principal objectivo estratégico para as empresas de prospecção que laboram na FPI. Todavia, as suas estratégias de prospecção e pesquisa vivem hoje novos paradigmas já que é dado por garantido que novas descobertas implicarão prospectar alvos mais profundos e em contextos geológicos mais complexos, impondo, por vezes, renovados olhares sobre realidades há muito estabelecidas (Oliveira et al., 2006). Referências Bibliográficas Almodóvar, G.R., Saez, R., Pons, J.M., Maestre, A., Toscano, M, Pascual, E., Geology and genesis of the Aznalcollar massive sulphide deposits, Iberian Pyrite Belt Spain. Mineralium Deposita, 33, Barriga, F.J.A.S., Hydrotermal metamorphism and ore génesis at Aljustrel, Portugal. PhD Thesis, University Western Ontario, London, Barriga, F.J.A.S., Metallogenesis in the Iberian Pyrite Belt, In: Dallmeyer, R.D., Martinez García, E., (Eds.,), Pre- Mesozoic geology of Iberia, Barriga, F.J.A.S., Kerrich, R., Extreme 18O-enriched volcanics and 18O-evolved marine water, Aljustrel, Iberian Pyrite Belt: transition from high to low Rayleigh number convective regimes. Geochimica Cosmochimica Acta, 48, Barriga, F.J.A.S., Fyfe, W.S., Giant pyritic base-metal deposits: the example of Feitais, Aljustrel, Portugal). Chemical Geology, 69, Barriga FJAS, Relvas, JMRS, Hydrothermal Alteration as an Exploration Criterion in the IPB: Facts, Problems, and Future. I Simpósio de Sulfuretos Polimetálicos da Faixa Piritosa Ibérica (Évora, Outubro 1993), API- MINERAL - Associação Portuguesa da Indústria Mineral. Barriga, F.J.A.S., Fyfe, W.S., Multi-phase water-rhyolite interaction and ore fluid generation at Aljustrel, Portugal: Mineralium Deposita, 33, Carvalho, D, Lineament patterns and hypogene mineralization in Portugal: Symposio, IAGOD, Problems of ore deposition, Varna, v. 2: Carvalho, D, Barriga, FJAS, Munhá, J, Bimodal-siliciclastic systems The case of the Iberian Pyrite Belt, in Volcanic-associated massive sulfide deposits: Processes and examples in modern and ancient settings, Barrie, CT, Hannington, MD (eds), Reviews in Economic Geology, Vol. 8, Society of Economic Geologists, inc.: Carvalho, P., Ferreira, A., Geologia de Neves-Corvo: estado actual do conhecimento: Associação Portuguesa da Indústria Mineral (APIMINERAL), Simpósio de Sulfuretos Polimetálicos da Faixa Piritosa Ibérica, Évora, Portugal, Outubro, 1993, Portugal Mineral, 33, 1-5; 36, 7-8. Garcia Palomero, F, 1980, Caracteres geológicos y relaciones morfológicas y genéticas de los yacimientos del anticlinal de Rio Tinto, Instituto Estudos Onubenses Padre Marchena, Disputacion Provincia Huelva, 1264 p. Halsall, C, Sawkins, F, Magmatic-hydrothermal origin for fluids involved in the generation of massive sulphide deposits at Rio Tinto, Spain, in Miles,L (ed.), Water-rock interaction: International Association of Geochemistry and Cosmochemistry and Alberta Research Council, Edmonton: Relvas, J. M. R. S., et al. As Mineralizações da Faixa Piritosa e sua Importância Económica 5

6 Jorge, RCGS, Pinto, AMM, Tassinari, CCG, Relvas, JMRS, Munhá, J, VHMS metal sources in the Iberian Pyrite Belt: new insights from Pb isotope data. Proceedings of the 9th Biennial SGA Meeting, Dublin (Ireland). Large, R.R., Blundell, D.L. (Eds.,), Database on Global VMS districts. CODES-GEODE, Laznicka, P., Quantitative relationships among giant deposits of metals. Economic Geology 94, Leistel, JM, Marcoux, E, Thiéblemond, D, Quesada, C, Sánchez, A, Almodóvar, GR, Pascual, E, and Sáez, R, The volcanic-hosted massive sulphide deposits of the Iberian Pyrite Belt. Mineralium Deposita, v. 33:2-30. Marcoux, E, Lead isotope systematics of the giant massive sulphide deposits in the Iberian Pyrite Belt. Mineralium Deposita, v. 33, p Mathur, R., Ruiz, J., Tornos, F., Age and sources of the ore at Tharsis and Rio Tinto, Iberian Pyrite belt, from Re- Os isotopes. Mineralium Deposita, 34, Mitjavila, J., Marti, J., Soriano, C., Magmatic evolution and tectonic setting of the Iberian Pyrite Belt volcanism. Journal Petrology, 38-6, Munhá, J, Hercynian magmatism in the Iberian pyrite belt, in Lemos de Sousa, MJ and Oliveira, JT (eds.), The Carboniferous in Portugal: Memórias dos Serviços Geológicos de Portugal, 29: Munhá, J, and Kerrich, R, Sea water-basalt interaction in spilites from the Iberian pyrite belt. Contributions to Mineralogy and Petrology, 75: Munhá, J, Barriga, FJAS, and Kerrich, R, High 18O ore-forming fluids in volcanic-hosted base metal massive sulfide deposits: geologic, 18O/16O, and D/H evidence from the Iberian pyrite belt, Crandon, Wiscosin, and Blue Hill, Maine. Economic Geology, 81: Munhá J, Relvas JMRS, Barriga FJAS, Conceição P, Jorge RCGS, Mathur R, Ruiz J, Tassinari CCG, Os Isotopes Systematics in the Iberian Pyrite Belt, in Mao J, Bierlein FP (eds.), Mineral Deposit Research: Meeting the Global Change, Springer-Verlag: Oliveira, J.T., Stratigraphy and syn-sedimentary tectonism in the South Portuguese Zone. In: Dallmeyer R.D., Martinez Garcia E., (Eds.,), Pre-Mesozoic Geology of Iberia, Oliveira, J.T., Pereira, Z., Carvalho, P., Pacheco N., Korn, D., Stratigraphy of the tectonically imbricated lithological succession of the Neves Corvo mine area, Iberian Pyrite Belt, Portugal. Mineralium Deposita, 39, Oliveira JT, Relvas JMRS, Pereira Z, Matos JX, Rosa C, Rosa D, Munhá J, Jorge R, Pinto A, O Complexo vulcano-sedimentar da Faixa Piritosa: estratigrafia, vulcanismo, mineralizações associadas e evolução tectonoestratigráfica no contexto da zona Sul-Portuguesa, in Dias R, Araújo A, Terrinha P, e Kulberg JC (eds.), Geologia de Portugal no contexto da Ibéria, Universidade de Évora, Portugal: Quesada, C., A reappraisal of the structure of the Spanish segment of the Iberian Pyrite Belt. Mineralium Deposita, 33, Relvas, J.M.R.S., 1991, Estudo Geológico e Metalogenético da Área de Gavião, Baixo Alentejo: Unpublished MSc. thesis, Portugal, University of Lisbon, Relvas, JMRS, Geology and metallogenesis at the Neves Corvo deposit, Portugal. Tese de Doutoramento, Univ. Lisboa, 319 p. Relvas, J.M.R.S., Tassinari, C.C.G., Munhá, J., Barriga, F.J.A.S., Multiple sources for ore forming fluids in the Neves Corvo VHMS deposit of the Iberian Pyrite Belt, Portugal. Strontium, Neodymium and Lead isotope evidence. Mineralium Deposita, 36-5, Relvas JMSR, FJAS Barriga, AMM Pinto, A Ferreira, N Pacheco, P Noiva, G Barriga, R Baptista, D Carvalho, V Oliveira, J Munhá, RW Hutchinson, The Neves Corvo deposit, Iberian Pyrite Belt, Portugal: impacts and future, 25 years after the discovery. Society of Economic Geologists Special Publication 9: Relvas, J. M. R. S., et al. As Mineralizações da Faixa Piritosa e sua Importância Económica 6

7 Relvas JMRS, Barriga, FJAS, Ferreira, A, Noiva, PC, Pacheco, N, Barriga, G, 2006a. Hydrothermal alteration and mineralization in the Neves-Corvo volcanic-hosted massive sulfide deposit, Portugal: I. Geology, Mineralogy, and Geochemistry. Economic Geology 101-4: Relvas JMRS, Barriga FJAS, and Longstaffe F, 2006b. Hydrothermal alteration and mineralization in the Neves-Corvo volcanic-hosted massive sulfide deposit, Portugal: II. Oxygen, Hydrogen and Carbon Isotopes. Economic Geology 101-4: Saez, R., Pascual, E., Toscano, M., Almodovar, G.R., The Iberian type of volcano-sedimentary massive sulphide deposits. Mineralium Deposita, 5-6, Sánchez España, F.J., Velasco, F., Boyce, A.J. Fallick, A.E., Source and evolution of ore-forming hydrothermal fluids in the northern Iberian Pyrite Belt massive sulphide deposits, SW Spain. evidence from fluid inclusions and stable isotopes. Mineralium Deposita, 38-5, Serranti, S., Ferrini, V., and Masi, U., 1997, Micro-PIXE analysis of trace elements in ore minerals from the Neves- Corvo deposit (Portugal): preliminary report: Neves Corvo Field Conference Abstracts, Society of Economic Geologists, Lisbon, p Silva, JB, Oliveira, JT, and Ribeiro, A, Structural outline of the South Portuguese Zone, in Dallmeyer, RD, and Martinez Garcia (eds.), Pre-Mesozoic geology of Iberia: Berlin, Springer-Verlag: Solomon, M., Tornos, F., Gaspar, O.C., Explanation for many of the unusual features of the massive sulfide deposits of the Iberian Pyrite Belt. Geology, 30-1, Solomon, M., Quesada, C., Zn-Pb-Cu massive sulfide deposits: brine-pool types occur in collisional orogens, black smoker types occur in backarc and/or arc basins: Geology, 31, Tornos F, Environment of formation and styles of volcanogenic massive sulfides: The Iberian Pyrite Belt. Ore Geology Reviews, 28: Tornos, F., González Clavijo, E., Spiro, B.F., The Filon Norte orebody (Tharsis, Iberian Pyrite Belt): a proximal low-temperature shale-hosted massive sulphide in a thin-skinned tectonic belt. Mineralium Deposita, 33, Tornos, F. Spiro, B.F., The genesis of shale-hosted massive sulphides in the Iberian Pyrite Belt. In: Stanley C., et al. (Eds.,), Mineral deposits: Processes to Processing, Tornos, F., Casquet, C., Relvas, J., Barriga, F., Saez, R., The relationship between ore deposits and oblique tectonics: the SW Iberian Variscan Belt. In: Blundell, D.R., Neubauer, F., von Quadt, A., (Eds.,), The timing and location of major ore deposits in an evolving orogen. Geological Society London Special Publication, 206, Tornos, F, Simonov, V, Kovyazin, S, Melt inclusions in quartz from subvolcanic sills of the Iberian Pyrite Belt: implications for magma evolution and hydrothermal alteration. Boletin Sociedad Española de Mineralogía, 26: Tornos, F, Casquet, C, Relvas, JMRS, Transpressional tectonics, lower crust decoupling and intrusion of deep mafic sills: a model for the unusual metallogenesis of SW Iberia. Ore Geology Reviews, 27: Toscano, M., Ruiz de Almodo var, G., Pascual, E., Sa ez, R., 1993.Hydrothermal alteration related to the Masa Valverde massive sulphide deposit, Iberian Pyrite Belt, Spain. In: Fenoll Hach-Ali, P., Torres, J., Gervilla, F. (Eds.), Current Research in Geology Applied to Ore Deposits, pp Velasco, F, Sanchez España, FJ, Boyce, A, Fallick, AE, Saez, R, Almodovar, GR, A new sulphur isotopic study of some Iberian Pyrite Belt deposits: evidence of a textural control on some sulphur isotope compositions. Mineralium Deposita, 34-1, Relvas, J. M. R. S., et al. As Mineralizações da Faixa Piritosa e sua Importância Económica 7

8 Figura 1 Mapa geológico da Faixa Piritosa Ibérica com implantação da localização de muitos dos principais depósitos de sulfuretos maciços aí conhecidos, quer em Portugal, quer em Espanha (elipses). As três principais unidades litoestratigráficas da FPI Grupo Filito-Quartzítico (+ Grupo do Pulo do Lobo), Complexo Vulcano-Sedimentar e Grupo do Flysch do Baixo-Alentejo encontram-se representadas pelas cores castanha, violeta e azul claro, respectivamente. Adaptado de Matos, J.X., Relvas, J. M. R. S., et al. As Mineralizações da Faixa Piritosa e sua Importância Económica 8

Jorge M.R.S. Relvas. (Última actualização: Fevereiro 2013) Artigos inseridos em publicações científicas periódicas (peer reviewed)

Jorge M.R.S. Relvas. (Última actualização: Fevereiro 2013) Artigos inseridos em publicações científicas periódicas (peer reviewed) Jorge M.R.S. Relvas (Última actualização: Fevereiro 2013) Publicações Artigos inseridos em publicações científicas periódicas (peer reviewed) Rosa, CJP, Mcphie, J, Relvas JMRS, 2013. Distinguishing peperite

Leia mais

Geologia, Mineralizações e Biodiversidade na Faixa Piritosa. Resumo. Palinoestratigrafia da Faixa Piritosa, Zona Sul Portuguesa

Geologia, Mineralizações e Biodiversidade na Faixa Piritosa. Resumo. Palinoestratigrafia da Faixa Piritosa, Zona Sul Portuguesa II Encontro de Professores de Geociências do Alentejo e Algarve Geologia, Mineralizações e Biodiversidade na Faixa Piritosa Cine Teatro de Mértola, 12 de Outubro de 2007 Resumo Palinoestratigrafia da Faixa

Leia mais

2. O PASSADO DA INDÚSTRIA MINEIRA EM PORTUGAL

2. O PASSADO DA INDÚSTRIA MINEIRA EM PORTUGAL In press nas Actas do Colóquio A Indústria Mineira: Passado e Futuro. Auditório da Reitoria da Universidade de Coimbra, 12 a 14 de Março, 2007 PASSADO, PRESENTE E FUTURO DA INDÚSTRIA EXTRACTIVA EM PORTUGAL

Leia mais

Recursos. A caminho de um uso sustentável. Ano Internacional do Planeta Terra. Departamento de Geologia da FCUL CeGUL, CREMINER LA/ISR LATTEX LA/IDL

Recursos. A caminho de um uso sustentável. Ano Internacional do Planeta Terra. Departamento de Geologia da FCUL CeGUL, CREMINER LA/ISR LATTEX LA/IDL Departamento de Geologia da FCUL CeGUL, CREMINER LA/ISR LATTEX LA/IDL Recursos Departamento de GEOLOGIA A caminho de um uso sustentável Foto de João Paulo Correia Ano Internacional do Planeta Terra Conferência

Leia mais

Recursos Minerais de Portugal

Recursos Minerais de Portugal VI Encontro de Professores de Geociências da Associação para a Defesa e Divulgação do Património Geológico do Alentejo e Algarve - DPGA Moura, 2 de Março de 2012 Recursos Minerais de Portugal - Importância

Leia mais

Conceitos e Classificações de Jazigos Minerais. Morfologias. Estruturas internas. Texturas. Preenchimento. Substituição.

Conceitos e Classificações de Jazigos Minerais. Morfologias. Estruturas internas. Texturas. Preenchimento. Substituição. RG2010 Conceitos e Classificações de Jazigos Minerais Morfologias. Estruturas internas. Texturas. Preenchimento. Substituição. Explorabilidade. Métodos de exploração. Tratamento mineralúrgico. Qual a importância

Leia mais

Geologia, património geológico-mineiro e biodiversidade na região compreendida entre Mina de São Domingos e Pomarão.

Geologia, património geológico-mineiro e biodiversidade na região compreendida entre Mina de São Domingos e Pomarão. Geologia, património geológico-mineiro e biodiversidade na região compreendida entre Mina de São Domingos e Pomarão. INTRODUÇÃO À GEOLOGIA REGIONAL João Xavier Matos 1 e José Tomás Oliveira 2 A região

Leia mais

III Fórum Açoriano Franklin D Roosevelt Horta, Faial, Abril 2012

III Fórum Açoriano Franklin D Roosevelt Horta, Faial, Abril 2012 III Fórum Açoriano Franklin D Roosevelt Horta, Faial, Abril 2012 Ciência e Recursos Naturais Debaixo do Mar Profundo por Fernando J.A.S. Barriga* LARSyS (Lab Associado) e CREMINER, Faculdade de Ciências

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO GEOLÓGICA-GEOTÉCNICA DA CORTA DA MINA DE S. DOMINGOS, FAIXA PIRITOSA IBÉRICA

CARACTERIZAÇÃO GEOLÓGICA-GEOTÉCNICA DA CORTA DA MINA DE S. DOMINGOS, FAIXA PIRITOSA IBÉRICA Matos, J.X.; Soares, S.; Claudino, C. (2006) Caracterização Geológica-geotécnica da corta da mina de S. Domingos, FPI. X Cong. Nac. Geotécnica, Soc. Port. Geotecnia, Un. Nova, V. 3, pp. 741-752. CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

Perguntas de Gere 1- Comente a trilogia Recursos Tecnologia Mercado. Porque razão a sociedade actual pode ser acusada de regalista, em matéria de recursos? 2- Traduza em diagrama, as implicações do factor

Leia mais

Geologia. Teste Intermédio de Geologia. Versão 1. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 03.03.2009

Geologia. Teste Intermédio de Geologia. Versão 1. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 03.03.2009 Teste Intermédio de Geologia Versão 1 Teste Intermédio Geologia Versão 1 Duração do Teste: 90 minutos 03.03.2009 11.º ou 12.º Anos de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Na sua folha de

Leia mais

3 MINERALIZAÇÕES AURÍFERAS NO GREENSTONE BELT RIO DAS VELHAS

3 MINERALIZAÇÕES AURÍFERAS NO GREENSTONE BELT RIO DAS VELHAS 3 MINERALIZAÇÕES AURÍFERAS NO GREENSTONE BELT RIO DAS VELHAS Depósito de ouro orogênico (Groves et al. 1998) é o termo utilizado para definir depósitos de ouro associados a orógenos, ou seja, a zonas de

Leia mais

Descobre a Mina no Museu. - A Geologia -

Descobre a Mina no Museu. - A Geologia - Descobre a Mina no Museu - A Geologia - Há cerca de 280 milhões de anos (durante a Era Paleozóica, no período Pérmico), um magma ascendeu no interior da crosta e cristalizou dando origem a um granito.

Leia mais

Calado, C., C. Almeida (1993) Geoquímica do flúor em águas minerais da zona Centro- Ibérica

Calado, C., C. Almeida (1993) Geoquímica do flúor em águas minerais da zona Centro- Ibérica Calado, C., C. Almeida (1993) Geoquímica do flúor em águas minerais da zona Centro- Ibérica IX Semana de Geoquímica de Língua Portuguesa e II Congresso de Geoquímica dos Países de Língua Portuguesa, Memórias

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOLOGIA

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOLOGIA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOLOGIA I N S T IT U T O D E G E O C I Ê N C I A S - U N IV E R S I D A D E FE D E R A L D A BA H IA CAMPUS ONDINA - SALVADOR (BA) - CEP 40210-340 TEL: (71) 3203 8534 - FAX:

Leia mais

AULA 11a: MINERALIZAÇÃO PLACAS BORDAS TRANSFORMANTES

AULA 11a: MINERALIZAÇÃO PLACAS BORDAS TRANSFORMANTES GEOTECTÔNICA TECTÔNICA GLOBAL Prof. Eduardo Salamuni AULA 11a: MINERALIZAÇÃO ASSOCIADA A BORDAS DE PLACAS BORDAS DIVERGENTES E TRANSFORMANTES MINERALIZAÇÕES E TECTÔNICA DE PLACAS INTRODUÇÃO A Tectônica

Leia mais

Câmara Municipal de Valongo Geologia no Verão. Helena Couto. Departamento de Geologia Faculdade de Ciências da Universidade do Porto

Câmara Municipal de Valongo Geologia no Verão. Helena Couto. Departamento de Geologia Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Câmara Municipal de Valongo Geologia no Verão Helena Couto Departamento de Geologia Faculdade de Ciências da Universidade do Porto 2002 Introdução O Parque Paleozóico de Valongo, criado em 1998, é o resultado

Leia mais

Exploração. Programa de Exploração AngloGold Ashanti Brasil

Exploração. Programa de Exploração AngloGold Ashanti Brasil Exploração 2012 Programa de Exploração AngloGold Ashanti Brasil AngloGold Ashanti AngloGold Ashanti 2011 Produção mundial - 4.33 MOz Brasil 428KOz produzidas $6.6 bilhões de faturamento 61.242 empregados

Leia mais

Conferência Europeia de Minerais. Declaração sobre Matérias-Primas de Madrid em 2010. Nota de Imprensa

Conferência Europeia de Minerais. Declaração sobre Matérias-Primas de Madrid em 2010. Nota de Imprensa Conferência Europeia de Minerais Declaração sobre Matérias-Primas de Madrid em 2010 Nota de Imprensa Os minerais proporcionam-nos tudo o que nós apreciamos na sociedade em que vivemos, trabalhamos, relaxamos

Leia mais

Jazigos Marinhos Tipo Placer

Jazigos Marinhos Tipo Placer Jazigos Marinhos Tipo Placer Placer Define-se como um depósito mineral de superfície, formado através da concentração das partículas minerais libertadas da rocha alterada O processo de concentração da-se

Leia mais

A GEOTERMIA E SUA IMPORTÂNCIA NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

A GEOTERMIA E SUA IMPORTÂNCIA NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO A GEOTERMIA E SUA IMPORTÂNCIA NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO O que é a geotermia? A terra não só é capaz de produzir energia de maneira passiva a partir de materiais fósseis acumulados ao longo de milhões

Leia mais

A NOVA LEGISLAÇÃO PARA RESÍDUOS RESULTANTES DA ACTIVIDADE EXTRACTIVA

A NOVA LEGISLAÇÃO PARA RESÍDUOS RESULTANTES DA ACTIVIDADE EXTRACTIVA A NOVA LEGISLAÇÃO PARA RESÍDUOS RESULTANTES DA ACTIVIDADE EXTRACTIVA João M. L. Meira Geólogo Mário J. N. Bastos Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO A exploração de minas e pedreiras, bem como a actividade

Leia mais

Projeto Lagoas Costeiras

Projeto Lagoas Costeiras Projeto Lagoas Costeiras Curso de formação para multiplicadores Módulos 1 e 2: Ecologia da Restinga Águas Subterrâneas Formação da Água Subterrânea: Ciclo de água Ciclo de água e volumes distribuídos nas

Leia mais

M. J. Batista 1*, P. Represas 1, J. X. Matos 1, C. Inverno 1

M. J. Batista 1*, P. Represas 1, J. X. Matos 1, C. Inverno 1 Versão online: http://www.lneg.pt/iedt/unidades/16/paginas/26/30/185 Comunicações Geológicas (2014) 101, Especial II, 747-752 IX CNG/2º CoGePLiP, Porto 2014 ISSN: 0873-948X; e-issn: 1647-581X 3D predictive

Leia mais

Armazenamento de CO 2 Tipos de reservatórios e selecção de locais. Júlio Carneiro Centro de Geofísica de Évora

Armazenamento de CO 2 Tipos de reservatórios e selecção de locais. Júlio Carneiro Centro de Geofísica de Évora Armazenamento de CO 2 Tipos de reservatórios e selecção de locais Júlio Carneiro Centro de Geofísica de Évora Injecção de CO 2-40 anos de prática?! Injecção de CO 2 efectuada desde 1972 como tecnologia

Leia mais

Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899

Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899 Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899 Estrutura geológica é a base do território. Corresponde à sua composição rochosa. Já o relevo é a forma apresentada pelo território ao nossos olhos: montanhas

Leia mais

INTRODUÇÃO AO MINÉRIO DE FERRO DE MONCORVO

INTRODUÇÃO AO MINÉRIO DE FERRO DE MONCORVO INTRODUÇÃO AO MINÉRIO DE FERRO DE MONCORVO Manuel Lemos de Sousa INTRODUÇÃO 1. A importância que, ao longo do tempo, tem tido o Jazigo de Ferro de Moncorvo justifica, só por si, a abundante e importante

Leia mais

Capítulo 4 - ROCHAS CLASSIFICAÇÃO DAS ROCHAS QUANTO À QUANTIDADE DE TIPOS DE MINERAL

Capítulo 4 - ROCHAS CLASSIFICAÇÃO DAS ROCHAS QUANTO À QUANTIDADE DE TIPOS DE MINERAL Capítulo 4 - ROCHAS DEFINIÇÕES MINERAL: Toda substancia inorgânica natural, de composição química estrutura definidas. Quando adquire formas geométricas próprias, que correspondam à sua estrutura atômica,

Leia mais

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Objetivos: Entender a distribuição da água no Planeta. Reconhecer

Leia mais

Os Recursos Minerais na nossa vida

Os Recursos Minerais na nossa vida Os Recursos Minerais na nossa vida Min. Volfrâmio Expl. Argilas Gesso Cobre nativo Calcário Granito Ouro Expl. Areias Min. Chumbo Min. Urânio Realizado por INETI, Área de Geologia Económica (Daniel Oliveira,

Leia mais

Elsevier R&D Solutions. CONHECIMENTO GEOLÓGICO ESSENCIAL Centenas de milhares de mapas científicos compilados de publicações geológicas confiáveis

Elsevier R&D Solutions. CONHECIMENTO GEOLÓGICO ESSENCIAL Centenas de milhares de mapas científicos compilados de publicações geológicas confiáveis Elsevier R&D Solutions Uma solução de geociências que capacita pesquisadores e instituições acadêmicas a fim de fortalecer a pesquisa, apoiar as metas de publicação e formar os estudantes. CONHECIMENTO

Leia mais

CAPÍTULO 2 ELEMENTOS SOBRE A TERRA E A CROSTA TERRESTRE

CAPÍTULO 2 ELEMENTOS SOBRE A TERRA E A CROSTA TERRESTRE Definição CAPÍTULO 2 ELEMENTOS SOBRE A TERRA E A CROSTA TERRESTRE A Terra Esferóide achatado nos Pólos e dilatado no Equador. Diâmetro Polar: 12.712 Km. Diâmetro Equatorial: 12.756 Km. Maior elevação:

Leia mais

A Geologia no litoral do Alentejo

A Geologia no litoral do Alentejo A Geologia no litoral do Alentejo Manuel Francisco Pereira (Prof. Auxiliar da Universidade de Évora) Carlos Ribeiro (Prof. Auxiliar da Universidade de Évora) Cristina Gama (Prof.ª Auxiliar da Universidade

Leia mais

Geologia Estrutural: INTRODUÇÃO 1

Geologia Estrutural: INTRODUÇÃO 1 Geologia Estrutural: INTRODUÇÃO 1 GEOLOGIA ESTRUTURAL A geologia estrutural é uma das disciplinas com maior importância na geologia, devido seu vasto campo de aplicações, como na geotecnia, risco ambiental,

Leia mais

III ENCONTRO DE PROFESSORES DE GEOCIÊNCIAS DO ALENTEJO E ALGARVE

III ENCONTRO DE PROFESSORES DE GEOCIÊNCIAS DO ALENTEJO E ALGARVE III ENCONTRO DE PROFESSORES DE GEOCIÊNCIAS DO ALENTEJO E ALGARVE 1- Introdução Delminda Moura Universidade do Algarve e DPGA Zonas costeiras ou litorais, são zonas de interface entre as zonas continentais

Leia mais

Principais texturas e rochas metamórficas Os fenómenos metamórficos provocam modificações na textura das rochas iniciais. A textura depende da dimensão dos cristais, forma e arranjo dos diferentes minerais,

Leia mais

F. Raquel R. F. Sousa

F. Raquel R. F. Sousa F. Raquel R. F. Sousa Geologia Aplicada e do Ambiente Geologia Hidrologia Hidrogeologia SIG Arcgis 9.3 10 Morada Data de nascimento Telemóvel E-mail Skype Rua Filipe da Mata, nº 26, 1º direito, 1600 071

Leia mais

A taxa de alimentação das usinas de beneficiamento são diretamente proporcionais à dureza e à qualidade do minério è Estudo dos Materiais Duros;

A taxa de alimentação das usinas de beneficiamento são diretamente proporcionais à dureza e à qualidade do minério è Estudo dos Materiais Duros; SUMÁRIO INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA LOCALIZAÇÃO GEOLOGIA REGIONAL GEOLOGIA LOCAL METODOLOGIA ANÁLISE EXPLORATÓRIA DOS DADOS MAPAS COLETA DE DADOS RESULTADOS CONCLUSÕES PRÓXIMOS PASSOS INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 7º ANO-

PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 7º ANO- PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 7º ANO- Tema / Capítulos Competências/Objectivos Estratégias / Actividades Recursos/Materiais Avaliação Aulas previstas (45 min) Articulação Tema I TERRA NO ESPAÇO Capítulo

Leia mais

Teste diagnóstico de Geologia (10.º ano)

Teste diagnóstico de Geologia (10.º ano) Teste diagnóstico de Geologia (10.º ano) 10.º Ano Objetivos Averiguar os conhecimentos prévios dos alunos acerca de alguns dos temas de Geociências que irão ser tratados ao longo do ensino secundário,

Leia mais

São partículas que atravessam o filtro, mas não são dissolvidas

São partículas que atravessam o filtro, mas não são dissolvidas O que existe na água do mar? 1. materiais sólidos ou particulados 2. colóides 3. materiais dissolvidos 1. materiais sólidos ou particulados A definição de particulado é operacional. Todo material com >

Leia mais

Depósitos de enriquecimento supergênico

Depósitos de enriquecimento supergênico Depósitos de enriquecimento supergênico Depósitos de enriquecimento supergênico Os depósitos de enriquecimento supergênico ocorrem em sub-superfície na altura e abaixo do lençol freático. Pode haver uma

Leia mais

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. Ciências Naturais 7º Ano. Ano Lectivo: 2010/2011

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. Ciências Naturais 7º Ano. Ano Lectivo: 2010/2011 PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR Ciências Naturais 7º Ano Ano Lectivo: 2010/2011 Competências Temas/Unidades Conteúdos _ Conhecer a constituição do Universo e do Sistema Solar _ Conhecer as características

Leia mais

Paleozóico? Helena Couto*, *** & Alexandre Lourenço**,***

Paleozóico? Helena Couto*, *** & Alexandre Lourenço**,*** Departamento de Geologia Paleozóico? Helena Couto*, *** & Alexandre Lourenço**,*** *Professora Associada do Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto **Reitoria da Universidade

Leia mais

Aplicação de teores em trítio e de carbono-14 como método de diagnóstico e análise de sistemas subterrâneos

Aplicação de teores em trítio e de carbono-14 como método de diagnóstico e análise de sistemas subterrâneos Aplicação de teores em trítio e de carbono-14 como método de diagnóstico e análise de sistemas subterrâneos Paula M. Carreira 1, Dina Nunes 1, Pedro Valério 1, Maria Fátima Araújo 1, José M. Marques 2,

Leia mais

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE Desenvolvimentos da READE no Brasil e em Portugal Seminário da READE, Universidade de Évora 15 de Junho de 2011 1- READE em Dezembro de 2010 (BH) TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

I: PRAIA DE PORTO DE MÓS

I: PRAIA DE PORTO DE MÓS Índice: Atenção...2 O porquê do roteiro...3 Material necessário...3 Descrição geral da geologia da Bacia Algarvia...4 PARTE I: PRAIA DE PORTO DE MÓS...8 Localização geográfica do local da saída de campo...9

Leia mais

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. Ciências Naturais 7.º Ano

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. Ciências Naturais 7.º Ano PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR Ciências Naturais 7.º Ano UNIDADES DIDÁTICAS CONTEÚDOS METAS DE APRENDIZAGEM 1º Período TERRA NO ESPAÇO Terra Um planeta com vida Condições da Terra que permitem a existência

Leia mais

PORTUGAL SECÇÃO PORTUGUESA DAS UNIÕES INTERNACIONAIS ASTRONÓMICA E GEODÉSICA E GEOFÍSICA (SPUIAGG)

PORTUGAL SECÇÃO PORTUGUESA DAS UNIÕES INTERNACIONAIS ASTRONÓMICA E GEODÉSICA E GEOFÍSICA (SPUIAGG) PORTUGAL SECÇÃO PORTUGUESA DAS UNIÕES INTERNACIONAIS ASTRONÓMICA E GEODÉSICA E GEOFÍSICA (SPUIAGG) INTERNATIONAL ASSOCIATION OF VOLCANOLOGY AND CHEMISTRY OF THE EARTH S INTERIOR IAVCEI NATIONAL REPORT

Leia mais

Idades U-Pb de zircões detríticos do Grupo do Flysch do Baixo Alentejo, Zona Sul Portuguesa

Idades U-Pb de zircões detríticos do Grupo do Flysch do Baixo Alentejo, Zona Sul Portuguesa Versão online: http://www.lneg.pt/iedt/unidades/16/paginas/26/30/185 Comunicações Geológicas (2014) 101, Especial I, 301-305 IX CNG/2º CoGePLiP, Porto 2014 ISSN: 0873-948X; e-issn: 1647-581X Idades U-Pb

Leia mais

Estudos de inclusões fluidas no depósito aurífero orogênico de Príncipe, Faixa Brasília setentrional, Brasil

Estudos de inclusões fluidas no depósito aurífero orogênico de Príncipe, Faixa Brasília setentrional, Brasil Versão online: http://www.lneg.pt/iedt/unidades/16/paginas/26/30/185 Comunicações Geológicas (2014) 101, Especial II, 765-769 IX CNG/2º CoGePLiP, Porto 2014 ISSN: 0873-948X; e-issn: 1647-581X Estudos de

Leia mais

IV Simpósio de Vulcanismo e Ambientes Associados Foz do Iguaçu, PR 08 a 11/04/2008.

IV Simpósio de Vulcanismo e Ambientes Associados Foz do Iguaçu, PR 08 a 11/04/2008. IV Simpósio de Vulcanismo e Ambientes Associados Foz do Iguaçu, PR 08 a 11/04/2008. POTENCIALIDADE PARA MINERALIZAÇÕES DE NI-CU E EGP NA REGIÃO SUDOESTE DO ESTADO DO PARANÁ Maisa Bastos Abram 1, Francisco

Leia mais

CONSIDERAÇÕES QUANTO AO POTENCIAL MINERAL DA REGIÃO DO ARROIO DO TANQUE, VALE DO RIBEIRA (ADRIANÓPOLIS, PR)

CONSIDERAÇÕES QUANTO AO POTENCIAL MINERAL DA REGIÃO DO ARROIO DO TANQUE, VALE DO RIBEIRA (ADRIANÓPOLIS, PR) 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CONSIDERAÇÕES QUANTO AO POTENCIAL MINERAL DA REGIÃO DO ARROIO DO TANQUE, VALE DO RIBEIRA (ADRIANÓPOLIS, PR) Luanna Chmyz 1, José Carlos Ribeiro 2, Daniela

Leia mais

JAZIGO DE NEVES CORVO ALTERAÇÃO HIDROTERMAL E METALOGÉNESE. (Texto de Jorge M.R.S. Relvas)

JAZIGO DE NEVES CORVO ALTERAÇÃO HIDROTERMAL E METALOGÉNESE. (Texto de Jorge M.R.S. Relvas) JAZIGO DE NEVES CORVO ALTERAÇÃO HIDROTERMAL E METALOGÉNESE (Texto de Jorge M.R.S. Relvas) Sob um ponto de vista geoquímico, o jazigo de Neves Corvo constitui um objecto geológico verdadeiramente único,

Leia mais

CURRICULUM VITAE BRUNO MANUEL MARTINS. Dados Biográficos e Formação Académica

CURRICULUM VITAE BRUNO MANUEL MARTINS. Dados Biográficos e Formação Académica CURRICULUM VITAE BRUNO MANUEL MARTINS Dados Biográficos e Formação Académica Nasceu em 1978 no Porto. Em 5 de Junho de 2000 licenciou-se em Geografia pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto em

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

Prof. Claudio Gerheim Porto Dep. Geologia,UFRJ / Divisão de Geoquímica, CPRM

Prof. Claudio Gerheim Porto Dep. Geologia,UFRJ / Divisão de Geoquímica, CPRM Exploração Geoquímica para Ouro e Metais Base nos Terrenos Lateríticos do Brasil Central: estudos de caso dos depósitos de Chapada (Cu-Au) e Palmeirópolis (Cu-Pb-Zn) Prof. Claudio Gerheim Porto Dep. Geologia,UFRJ

Leia mais

Paleofluidos e mineralizações associadas às fases tardias da Orogenia Hercínica

Paleofluidos e mineralizações associadas às fases tardias da Orogenia Hercínica Alexandre Afonso Marques Magalhães Almeida Lourenço Paleofluidos e mineralizações associadas às fases tardias da Orogenia Hercínica FACULDADE DE CIÊNCIAS UNIVERSIDADE DO PORTO Departamento de Geologia

Leia mais

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE COALBED METHANE (GÁS NATURAL) DAS CAMADAS DE CARVÃO DA FORMAÇÃO RIO BONITO, MARACAJÁ, SC, BACIA DO PARANÁ.

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE COALBED METHANE (GÁS NATURAL) DAS CAMADAS DE CARVÃO DA FORMAÇÃO RIO BONITO, MARACAJÁ, SC, BACIA DO PARANÁ. AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE COALBED METHANE (GÁS NATURAL) DAS CAMADAS DE CARVÃO DA FORMAÇÃO RIO BONITO, MARACAJÁ, SC, BACIA DO PARANÁ. Priscila Lourenzi, Janaina Lewandowski, Gustavo Simão, Wolfgang Kalkreuth.

Leia mais

Actividade de Química 12º ano

Actividade de Química 12º ano Actividade de Química 12º ano AL 1.3- Corrosão e Protecção dos metais O laboratório é um local de trabalho onde a segurança é fundamental na manipulação de materiais e equipamentos, devendo por isso adoptar-se

Leia mais

Geologia da Bacia do Paraná. Antonio Liccardo

Geologia da Bacia do Paraná. Antonio Liccardo Geologia da Bacia do Paraná Antonio Liccardo A Bacia do Paraná Localização das bacias fanerozóicas no Brasil Bacia sedimentar Região recebe aporte de material por estar abaixo do nível regional, acumulando

Leia mais

Materiais / Materiais I

Materiais / Materiais I Materiais / Materiais I Guia para o Trabalho Laboratorial n.º 4 CORROSÃO GALVÂNICA E PROTECÇÃO 1. Introdução A corrosão de um material corresponde à sua destruição ou deterioração por ataque químico em

Leia mais

ANÁLISE TECTONO-ESTRATIGRÁFICA DA SUCESSÃO EO-PERMIANA DA BACIA DO PARANÁ APLICADA AO MAPEAMENTO DE POTENCIAIS CORPOS RESERVATÓRIOS

ANÁLISE TECTONO-ESTRATIGRÁFICA DA SUCESSÃO EO-PERMIANA DA BACIA DO PARANÁ APLICADA AO MAPEAMENTO DE POTENCIAIS CORPOS RESERVATÓRIOS 4 o PDPETRO, Campinas, SP 1.1.0100 1 ANÁLISE TECTONO-ESTRATIGRÁFICA DA SUCESSÃO EO-PERMIANA DA BACIA DO PARANÁ APLICADA AO MAPEAMENTO DE POTENCIAIS CORPOS RESERVATÓRIOS Júnia Casagrande 1 (UFRGS ANP PRH12),

Leia mais

PROPOSTA DE HIERARQUIZAÇÃO PARA O REGISTRO SEDIMENTAR DA PLANÍCIE COSTEIRA DO RIO GRANDE DO SUL

PROPOSTA DE HIERARQUIZAÇÃO PARA O REGISTRO SEDIMENTAR DA PLANÍCIE COSTEIRA DO RIO GRANDE DO SUL PROPOSTA DE HIERARQUIZAÇÃO PARA O REGISTRO SEDIMENTAR DA PLANÍCIE COSTEIRA DO RIO GRANDE DO SUL Maria Luiza Correa da Camara Rosa 1,2 ; Eduardo Guimarães Barboza 2 ; Luiz José Tomazelli 2 ; Sérgio Rebello

Leia mais

III - Geologia da região centro leste brasileira: O Cráton São Francisco

III - Geologia da região centro leste brasileira: O Cráton São Francisco III - Geologia da região centro leste brasileira: O Cráton São Francisco Principais crátons delimitados no território brasileiro e sua expressão no relevo. Notar que sobre os grandes crátons estão as grandes

Leia mais

Explora. Ano Internacional de Cooperação pela Água

Explora. Ano Internacional de Cooperação pela Água 1 Físico-Química Explora Duarte Nuno Januário Eliana do Carmo Correia Carlos Brás Público-alvo Alunos de Físico-Química de 8.º ano, podendo ser aplicado a alunos de outros anos de escolaridade do ensino

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL SUBTERRÂNEA

GESTÃO AMBIENTAL SUBTERRÂNEA GESTÃO AMBIENTAL SUBTERRÂNEA Vidal Félix Navarro Torres, Eng.º, MSc., PhD IST Universidade Técnica de Lisboa RESUMO O presente trabalho aborda a gestão ambiental subterrânea enquadrada no conceito do ambiente

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE TIPOLOGIAS DE MINÉRIOS DE MANGANÊS DA REGIÃO DE CARAJÁS

CARACTERIZAÇÃO DE TIPOLOGIAS DE MINÉRIOS DE MANGANÊS DA REGIÃO DE CARAJÁS CARACTERIZAÇÃO DE TIPOLOGIAS DE MINÉRIOS DE MANGANÊS DA REGIÃO DE CARAJÁS É. L. Reis 1, G. L. de Faria 1, F. G. da S. Araújo 1, J. A. S. Tenório 1,2, N. Janotti Jr 3 1 Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

Exploração geológica e prospecção em superfície

Exploração geológica e prospecção em superfície Exploração geológica e prospecção em superfície Métodos geoquímicos Métodos geofísicos A prospecção geológica ainda é necessária? Métodos computacionais Sensoriamento remoto Produção x Exploração? Uma

Leia mais

- Principal agente das mudanças de estado: Tectônica Global.

- Principal agente das mudanças de estado: Tectônica Global. Classificação de bacias sedimentares: mecanismos de subsidência e contexto tectônico - Bacias sedimentares: áreas da superfície terrestre que sofrem ou sofreram subsidência continuada. - Subsidência resposta

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA DE SUCATAS

LOGÍSTICA REVERSA DE SUCATAS E S C O L A P O L I T É C N I C A DA U N I V E R S I D A D E DE S ÃO P A U L O - D E P A R T A M E N T O DE E N G E N H A R I A M E T A L Ú R G I C A E DE M A T E R I A I S - - L A B O R A T Ó R I O DE

Leia mais

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3.1. Localização O aproveitamento Hidrelétrico de Itumbiara, com potência instalada de 2080 MW, situa-se no rio Paranaíba, na divisa dos estados de Minas Gerais e Goiás,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» MINERAÇÃO E PETRÓLEO E GÁS «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» MINERAÇÃO E PETRÓLEO E GÁS « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» MINERAÇÃO E PETRÓLEO E GÁS «21. As rochas selantes devem mostrar propriedades como impermeabilidade e plasticidade para manter sua condição de selante mesmo após ser submetida

Leia mais

A IBÉRIA, OS ATLÂNTICOS E OS MEDITERRÂNEOS

A IBÉRIA, OS ATLÂNTICOS E OS MEDITERRÂNEOS Finisterra, XLIII, 85, 2008, pp. 77-81 A IBÉRIA, OS ATLÂNTICOS E OS MEDITERRÂNEOS HOMENAGEM A ORLANDO RIBEIRO* ANTÓNIO RIBEIRO 1 Orlando Ribeiro, meu pai, foi um geógrafo de dimensão internacional; a sua

Leia mais

Revisão de geologia e Pedogênese

Revisão de geologia e Pedogênese Revisão de geologia e Pedogênese Ricardo Gonçalves de Castro 1 Minerais Mineral é um sólido homogêneo, com composição química definida, podendo variar dentro de intervalos restritos, formados por processos

Leia mais

ALGUMAS CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA E DO PERCURSO DO RIO PINHÃO RESUMO

ALGUMAS CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA E DO PERCURSO DO RIO PINHÃO RESUMO ALGUMAS CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA E DO PERCURSO DO RIO PINHÃO Ana Maria ALENCOÃO 1 ; Martim R. PORTUGAL FERREIRA 2 RESUMO Na região de Trás-os-Montes e Alto Douro (NE de Portugal)

Leia mais

Ø As actividades humanas dependem da água para a agricultura, indústria, produção de energia, saúde, desporto e entretenimento.

Ø As actividades humanas dependem da água para a agricultura, indústria, produção de energia, saúde, desporto e entretenimento. Ø As actividades humanas dependem da água para a agricultura, indústria, produção de energia, saúde, desporto e entretenimento. Ä A água é indispensável ao Homem, a sua falta ou o seu excesso, pode ser-lhe

Leia mais

Ruy Lacourt Rodrigues et al.

Ruy Lacourt Rodrigues et al. Ruy Lacourt Rodrigues et al. Mineração Definição e plano de produção de um depósito típico de níquel laterítico aproveitado através de rota de lixiviação ácida sob pressão (Definition and production plan

Leia mais

DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS. Nuno ALTE DA VEIGA 1

DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS. Nuno ALTE DA VEIGA 1 DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS Nuno ALTE DA VEIGA 1 RESUMO Em regiões de soco cristalino pequenas manchas de depósitos de aluvião existentes localmente

Leia mais

O Centro de Estudos Geológicos e Mineiros do Alentejo

O Centro de Estudos Geológicos e Mineiros do Alentejo O Centro de Estudos Geológicos e Mineiros do Alentejo João Xavier Matos, José Piçarra joao.matos@lneg.pt, jose.picarra@lneg.pt CEGMA, Aljustrel 2013 Projecto Arquitectura Carlos Ganhão Feira Internacional

Leia mais

SEMINÁRIO RECURSOS ENERGÉTICOS DO BRASIL: PETRÓLEO, GÁS, URÂNIO E CARVÃO Rio de Janeiro 30 de setembro de 2004 - Clube de Engenharia

SEMINÁRIO RECURSOS ENERGÉTICOS DO BRASIL: PETRÓLEO, GÁS, URÂNIO E CARVÃO Rio de Janeiro 30 de setembro de 2004 - Clube de Engenharia Urânio: Alguns Aspectos relacionados com as Pesquisas, Produção, Demanda e Mercado de Urânio no Brasil e no Mundo SEMINÁRIO RECURSOS ENERGÉTICOS DO BRASIL: PETRÓLEO, GÁS, URÂNIO E CARVÃO Rio de Janeiro

Leia mais

10ºC Fevereiro 2008 Teste A Página 1

10ºC Fevereiro 2008 Teste A Página 1 ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. JOÃO DA TALHA FICHA DE AVALIAÇÃO SUMATIVA Biologia/Geologia ano1 NOME Nº TURMA CLASSIFICAÇÃO PROFESSORA I Yellowstone foi classificado como Parque Nacional, pelo governo americano,

Leia mais

Balanço de Volume, Sal e Calor nos Oceanos (Princípios de Conservação)

Balanço de Volume, Sal e Calor nos Oceanos (Princípios de Conservação) Balanço de Volume, Sal e Calor nos Oceanos (Princípios de Conservação) Conservação de Volume O princípio de conservação de volume ou Equação de Continuidade deriva do facto de a compressibilidade da água

Leia mais

SIG DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA DO BRASIL

SIG DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA DO BRASIL Serviço Geológico do Brasil SIG DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA DO BRASIL Autoria: Luiz Fernando Costa Bomfim José Domingos Alves de Jesus junho/2006 OBJETIVOS DESENVOLVER UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS

Leia mais

Prospecção em aterros de resíduos - Condicionalismos -

Prospecção em aterros de resíduos - Condicionalismos - MINERAÇÃO DE ATERROS EM PORTUGAL OPORTUNIDADE OU FICÇÃO CIENTÍFICA? Prospecção em aterros de resíduos - Condicionalismos - M.G.Brito 1 ; A.P. Silva 1 ; R. Araújo 2 1 GeoBioTec, FCT Universidade Nova Lisboa

Leia mais

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Cenário de referência O estudo WETO apresenta um cenário de referência que descreve a futura situação energética

Leia mais

I - DOS REQUISITOS II DAS INSCRIÇÕES

I - DOS REQUISITOS II DAS INSCRIÇÕES SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE - UFCG CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS- CTRN EDITAL Nº26, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 O Diretor do Centro de Tecnologia e Recursos Naturais

Leia mais

USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I

USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I AGRICULTURA, E RECURSOS FLORESTAIS DISCRIMINAÇÃO DE TIPOS DE VEGETAÇÃO Tipos de colheita Tipos de madeiras DETERMINAÇÃO DA VARIAÇÃO DE APTIDÃO E BIOMASSA DETERMINAÇÃO

Leia mais

ANÁLISE DE ESTRUTURAS PRIMÁRIAS EM DEPÓSITOS GERADOS EM LABORATÓRIO E SUA RELAÇÃO COM A DINÂMICA DAS CORRENTES TURBIDÍTICAS DE BAIXA DENSIDADE.

ANÁLISE DE ESTRUTURAS PRIMÁRIAS EM DEPÓSITOS GERADOS EM LABORATÓRIO E SUA RELAÇÃO COM A DINÂMICA DAS CORRENTES TURBIDÍTICAS DE BAIXA DENSIDADE. Copyright 2005, Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás - IBP Este Trabalho Técnico Científico foi preparado para apresentação no 3 Congresso Brasileiro de P&D em Petróleo e Gás, a ser realizado no período

Leia mais

EVOLUÇÃO GEOLÓGICA DO TERRITÓRIO NACIONAL

EVOLUÇÃO GEOLÓGICA DO TERRITÓRIO NACIONAL EVOLUÇÃO GEOLÓGICA DO TERRITÓRIO NACIONAL O Brasil apresenta, em seu território, um dos mais completos registros da evolução geológica do planeta Terra, com expressivos testemunhos geológicos das primeiras

Leia mais

A macroporosidade representa o somatório da porosidade primária e da porosidade

A macroporosidade representa o somatório da porosidade primária e da porosidade 108 5. 3. MACROPOROSIDADE A macroporosidade representa o somatório da porosidade primária e da porosidade secundária, ou seja, a porosidade total da amostra, desconsiderando a porosidade não observável

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DAS ROCHAS E O CICLO DAS ROCHAS

CLASSIFICAÇÃO DAS ROCHAS E O CICLO DAS ROCHAS CLASSIFICAÇÃO DAS ROCHAS E O CICLO DAS ROCHAS O que são rochas? São produtos consolidados, resultantes da união natural de minerais. Diferente dos sedimentos, como por exemplo a areia da praia (um conjunto

Leia mais

Vulcanologia. - É o Ramo das Ciências da Terra que estuda a formação, a distribuição e a classificação dos fenómenos vulcânicos.

Vulcanologia. - É o Ramo das Ciências da Terra que estuda a formação, a distribuição e a classificação dos fenómenos vulcânicos. Vulcanologia - É o Ramo das Ciências da Terra que estuda a formação, a distribuição e a classificação dos fenómenos vulcânicos. Vulcanismo Primário (activo) Vulcanismo Central Vulcanismo Fissural Secundário

Leia mais

CONCEITO DE GEOQUÍMICA

CONCEITO DE GEOQUÍMICA UNIVERSIDADE FEDEREAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA GEOQUÍMICA GC 012 CONCEITO DE GEOQUÍMICA Profa. Dra. Eleonora Maria Gouvea Vasconcellos Introdução distribuição dos elementos químicos controlada

Leia mais

AULA 10c: BORDAS DE PROCESSOS ÍGNEOS

AULA 10c: BORDAS DE PROCESSOS ÍGNEOS GEOTECTÔNICA TECTÔNICA GLOBAL Prof. Eduardo Salamuni AULA 10c: BORDAS DE PLACAS CONVERGENTES PROCESSOS ÍGNEOS MAGMATISMO EM BORDAS CONVERGENTES Em zonas de convergência a construção de arcos de ilhas e

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6)

SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6) SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6) Figura A6.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Viana do Alentejo-Alvito (A6) 92 Identificação Unidade Hidrogeológica:

Leia mais

DOCENTES: Prof. Ana Barbosa

DOCENTES: Prof. Ana Barbosa DOCENTES: TEÓRICA 10 DOCENTES: Prof. Helena Galvão Prof. David Montagnes (responsável componente University teórico) of Liverpool, U.K. Prof. Ana Barbosa (componente prático) Profª Helena Galvão F.C.M.A.,

Leia mais

A TEMPERATURA NUM CONTEXTO EDUCACIONAL

A TEMPERATURA NUM CONTEXTO EDUCACIONAL A TEMPERATURA NUM CONTEXTO EDUCACIONAL Mário Talaia e Marta Andreia Silva Departamento de Física, Universidade de Aveiro, 3810-193, Aveiro, Portugal Contacto: mart@fis.ua.pt RESUMO O presente artigo surge

Leia mais

ARC Ratings confirma a notação "A-1" à Somincor RATING DE EMITENTE RATING DE EMISSÕES

ARC Ratings confirma a notação A-1 à Somincor RATING DE EMITENTE RATING DE EMISSÕES ARC Ratings confirma a notação "A-1" à Somincor EMITENTES RATING DE EMITENTE Somincor Sociedade Mineira de Neves-Corvo, S.A. A-1 Curto Prazo DATA DAS NOTAÇÕES RATING DE EMISSÕES 7 de Setembro de 2015 A-1

Leia mais

É caracterizado por ter uma baixa densidade, uma grande quantidade de água, carga eléctrica negativa e uma grande capacidade de permuta de iões.

É caracterizado por ter uma baixa densidade, uma grande quantidade de água, carga eléctrica negativa e uma grande capacidade de permuta de iões. Os solos Definição: O solo é um recurso renovável que facilmente se pode perder por mau uso ou gestão deficiente. O solo forma-se a partir da alterabilidade (meteorização química e/ou física) das rochas

Leia mais