UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA CONTROLE DE CUSTOS EM HOTELARIA Por: RENATO SILVA DE JESUS Orientador Prof. ALEKSANDRA SLIWOWSKA Rio de Janeiro

2 2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA CONTROLE DE CUSTOS EM HOTELARIA Apresentação de monografia à AVM Faculdade Integrada como requisito parcial para obtenção do grau de especialista em Gestão Empresarial. Por: RENATO SILVA DE JESUS. 2

3 3 AGRADECIMENTOS Aos amigos, parentes e professores, que me dão forças pra continuar batalhando pela minha família e pela vida. 3

4 4 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho ao meu pai, Lourival Silva de Jesus; mãe, Francisca Albino Silva de Jesus; esposa, Fabíola Nunes de Jesus; filhos, Rafael Nunes de Jesus e Yasmin Nunes da conceição. 4

5 5 RESUMO O estudo é sobre controle de custos na rede hoteleira da orla de Copacabana na cidade do Rio de Janeiro, nos dias de hoje. Atualmente trabalho como assistente de custos e vejo que os hotéis se tiverem um bom conhecimento de como controlar os custos poderão repassar para seus hospedes preços mais acessíveis, trazendo cada vez mais turistas e ajudando a economia e o desenvolvimento da cidade, com isso trazendo muitas melhorias para a cidade. A intenção da pesquisa é atrair mais turistas para cidade do Rio de Janeiro,e reverter uma parte da receita arrecadada com o turismo para adaptações na cidade para cadeirantes,reconstrução das calçadas, e tudo que possa melhorar a vida de quem mora no Rio de Janeiro. 5

6 6 METODOLOGIA A pesquisa foi realiza através de consultas na internet, livros e estudos de campo feito no meu ambiente de trabalho. Começando com os dados da hotelaria no Brasil retirado da internet no site do Ministério do turismo. Depois contando um pouco da historia do hotel onde trabalho. Onde foram colhidas várias informações que vieram á contribuir muito com a pesquisa. Trabalho como assistente de custos e tenho uma convivência diária com o tema pesquisado. Pesquisei todas as atribuições e divisões que deve haver para se obter um bom controle de custos. Sempre conversando com pessoas ligadas a área de contabilidade, Gerentes de departamentos e pessoas ligadas ao custo do hotel onde trabalho. E escrevi a monografia duas ou três vezes na semana. 6

7 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO I -Turismo e hospedagem no Brasil CAPÍTULO II - A origem da rede CAPÍTULO III Divisão e atribuições do setor de custo CONCLUSÃO ANEXO I ANEXO I I BIBLIOGRAFIA CONSULTADA WEBGRAFIA CONSULTADA ÍNDICE ÍNDICE DE FIGURAS ÍNDICE DE ANEXOS

8 8 Introdução Os números apresentados pela Associação Brasileira de hotéis (ABIH), mostram que a indústria hoteleira Gera uma receita bruta de aproximadamente US$ 2 bilhões anuais e mantém cerca de um milhão de empregados diretos e indiretos. O Rio de Janeiro há varias redes de hotéis que juntas trazem grandes benefícios para economia da cidade e aumentam cada vez mais a empregabilidade da cidade fazendo com que haja mais cursos, faculdades e especializações na área hoteleira. As redes hoteleiras se mantiverem o controle de custos com maior eficiência, unificando as informações em só um sistema operacional. Reduzindo erros de contabilidade por ter sistemas complexos. O sistema de custo dos hotéis ainda se encontra em um formato complicado. Não tendo eficiência no contato com a contabilidade, setor de compras, e sistemas operacionais de dados. Toda a rede hoteleira poderá repassar para seus hospedes menores preços de alimentos, bebidas, serviços e tarifas. Fazendo com que o Rio de Janeiro seja um roteiro turístico mais acessível, com isso aumentando mais o turismo. Com a copa do mundo de futebol e as olimpíadas tendem a crescer mais o turismo e o desenvolvimento da cidade. (ABIH-2011) 8

9 9 CAPÍTULO I TURISMO E HOSPEDAGEM NO BRASIL. 1.1-Estatísticas e indicadores. O estudo aponta para a consolidação do turismo como produto de consumo do brasileiro. Estima que os desembarques domésticos saltem dos 56 milhões, registrados em 2009, para 73 milhões, em Projeta também a geração de 2 milhões de empregos formais e informais de 2010 a A entrada de divisas internacionais deverá crescer 55%, no mesmo período, subindo de R$ 6,3 bilhões para R$ 8,9 bilhões no ano de realização da Copa no Brasil. (Ministério do turismo-2011) Desembarques Internacionais de Passageiros jan. a out a 2011 Figura -01 (Ministério do turismo-2011) O turismo no Brasil continua crescendo, vendo estes dados do ministério do turismo. Com esse crescimento a tendência é o crescimento de empregos diretos e indiretos,sendo que ainda não temos muita mão de obra 9

10 10 especializada para acompanhar esse crescimento no turismo.a maioria dos hotéis e pousadas ainda só contam com a cordialidade que o brasileiro tem por natureza Desembarques Domésticos. Desembarque nacional de Passageiros jan. a out a 2011 Figura -02 (Ministério do turismo-2011) O ministério do turismo estima que, até o final do ano, os desembarques domésticos somarão 79 milhões. Será o melhor resultado de todos os tempos, considerando, que em 2010, atingiu-se o recorde com a movimentação de 68,2 milhões de passageiros Receita Cambial Gastos de Turistas no Brasil (US$ milhões) jan. a out a

11 11 O turista está gastando cada vez mais no Brasil. Com o aumento do turismo a tendência é mexer cada vez mais com a economia do Brasil,fortalecendo o comercio. Figura 03 (Ministério do turismo-2011) 1.2-Indústria hoteleira. O Brasil possui, de acordo com dados atualizados em 31 de janeiro de 2011, a partir da base de informações do cadastur (*), meios de hospedagem legalmente registrados no país o que corresponde a uma oferta total de UHs (Unidades Habitacionais) e leitos. A Associação Brasileira da Indústria de Hotéis ABIH Nacional, que possui representação nos 26 estados da federação e no Distrito Federal, apresenta, a seguir, um panorama setorial, com destaque para a distribuição dos meios de hospedagem por porte, definido com base na quantidade de UHs; na localização dos empreendimentos (Capital e Interior) e, também, por Região (Norte, Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e Sul). (ABIH-2011) Os gráficos a seguir indicam também a quantidade de leitos em cada um dos estratos analisados. (ABIH-2011) 11

12 12 Figura 04-Tabulação dos dados: ABIH NACIONAL/ ,2% dos meios de hospedagem no país possuem até 50 Uhs, representando 32,9% da oferta nacional de Uhs e 36,8% de leitos. A maior concentração de UHs (43,4%) é observada entre os empreendimentos hoteleiros de maior porte (com mais de 101 UHs). No estrato intermediário a oferta de leitos corresponde a 24,4% do total. Neste cenário, ganha relevo o pioneiro projeto desenvolvido por iniciativa da ABIH Nacional denominado Pequenos Notáveis executados pelo Instituto Brasileiro de Hospedagem IBH em parceria com o SEBRAE Nacional. (ABIH-2011) 12

13 13 Figura 05-Tabulação dos dados: ABIH NACIONAL/2011 Mais da metade a oferta de Uhs nas capitais dos estados brasileiros está concentrada (62,9%) nos meios de hospedagem de grande porte (com mais de 101 Uhs). Inversamente, os meios de hospedagem de menor porte (com até 50 UHs) respondem por apenas 14,2% da oferta, apesar de representarem 45,5% dos empreendimentos sediados nas capitais. (ABIH-2011) 13

14 14 Figura 06-Tabulação dos dados: ABIH NACIONAL/2011 Nas cidades do interior, predominam absolutos (80,5%) os meios de hospedagem de pequeno porte (com até 50 UHs); seguidos dos empreendimentos hoteleiros de porte médio (12,6%). Os meios de hospedagem de grande porte (com mais de 101 Uhs) representam apenas 6,9% do total da oferta no país. 14

15 15 Figura 07-Tabulação dos dados: ABIH NACIONAL/2011 Em âmbito nacional, empreendimentos (39,5%) possuem UHs adaptadas para atender a demanda por acessibilidade. No entanto, isso representa a oferta de UHs, ou apenas 3% do total de UHs no país com a capacidade para acolher portadores de necessidades especiais. (ABIH-2011) 15

16 16 Figura 08-Tabulação dos dados: ABIH NACIONAL/2011 O gráfico acima revela a distribuição dos meios de hospedagem, em seus diferentes estratos, nas cinco macros regiões do País. (ABIH 2011). (*) O CADASTUR é o Sistema de Cadastro de pessoas físicas e jurídicas que atuam no setor do turismo. Executado pelo Ministério do Turismo, em parceria com os Órgãos Oficiais de Turismo nos 26 Estados do Brasil e no Distrito Federal, permite o acesso a diferentes dados sobre os Prestadores de Serviços Turísticos cadastrados. (ABIH 2011). 1.3-As categorias dos meios de hospedagem Hotel-Estabelecimento com serviço de recepção, alojamento temporário, com ou sem alimentação, ofertados em unidades individuais e de uso exclusivo do hóspede, mediante cobrança de diária. Para o tipo hotel, o SBClass estabelece as categorias de uma estrela (mínimo) a cinco estrelas (máximo). 16

17 17 O hotel de categoria uma estrela deve atender a requisitos mínimos de infraestrutura, serviços e sustentabilidade. Para cada estrela adicional, o hotel deve atender a uma série de requisitos adicionais que diferenciam as categorias entre si. Por meio da comparação entre a infra-estrutura e serviços oferecidos, assim como das ações de sustentabilidade executadas pelo meio de hospedagem, o consumidor poderá fazer uma melhor escolha. (Ministério do turismo-2011) Resort-Hotel com infra-estrutura de lazer e entretenimento que disponha de serviços de estética, atividades físicas, recreação e convívio com a natureza no próprio empreendimento. Para o tipo RESORT, o SBClass estabelece as categorias de quatro estrelas (mínimo) a cinco estrelas (máximo). O RESORT de categoria quatro estrelas deve atender a requisitos mínimos de infra-estrutura, serviços e sustentabilidade. Para a categoria cinco estrelas, o RESORT deve atender a uma série de requisitos adicionais que diferenciam as categorias entre si. Por meio da comparação entre a infra-estrutura e serviços oferecidos, assim como das ações de sustentabilidade executadas pelo meio de hospedagem, o consumidor poderá fazer uma melhor escolha. (Ministério do turismo-2011) Hotel fazenda-localizado em ambiente rural, dotado de exploração agropecuária, que ofereça entretenimento e vivência do campo. Para que o tipo hotel fazenda, o SBClass estabelece as categorias de uma estrela (mínimo) a cinco estrelas (máximo). O hotel fazenda de categoria uma estrela deve atender a requisitos mínimos de infraestrutura, serviços e sustentabilidade. Para cada estrela adicional, o hotel fazenda deve atender a uma série de requisitos adicionais que diferenciam as categorias entre si. Por meio da comparação entre a infra-estrutura e serviços oferecidos, assim como das ações de sustentabilidade executadas pelo meio de hospedagem, o consumidor poderá fazer uma melhor escolha. (Ministério do turismo-2011). 17

18 Cama & café - Hospedagem em residência com no máximo três unidades habitacionais para uso turístico, com serviços de café da manhã e limpeza, na qual o possuidor do estabelecimento resida. Para o tipo cama & café, o SBClass estabelece as categorias de uma estrela (mínimo) a quatro estrelas (máximo). A cama & café de categoria uma estrela deve atender a requisitos mínimos de infra-estrutura, serviços e sustentabilidade. Para cada estrela adicional, a cama & café deve atender a uma série de requisitos adicionais que diferenciam as categorias entre si. Por meio da comparação entre a infra-estrutura e serviços oferecidos, assim como das ações de sustentabilidade executadas pelo meio de hospedagem, o consumidor poderá fazer uma melhor escolha. (Ministério do turismo-2011) Hotel histórico - Instalado em edificação preservada em sua forma original ou restaurada, ou ainda que tenha sido palco de fatos históricoculturais de importância reconhecida. Entende-se como fatos histórico-culturais aqueles tidos como relevantes pela memória popular, independentemente de quando ocorreram, podendo o reconhecimento ser formal por parte do Estado brasileiro, ou informal, com base no conhecimento popular ou em estudos Acadêmicos. Para o tipo hotel histórico, o SBClass estabelece as categorias de três estrelas (mínimo) a cinco estrelas (máximo). O hotel histórico de categoria três estrelas deve atender a requisitos mínimos de infra-estrutura, serviços e sustentabilidade. Para cada estrela adicional, o hotel histórico deve atender a uma série de requisitos adicionais que diferenciam as categorias entre si. Por meio da comparação entre a infraestrutura e serviços oferecidos, assim como das ações de sustentabilidade executadas pelo meio de hospedagem, o consumidor poderá fazer uma melhor escolha. (Ministério do turismo-2011). 18

19 Pousada-Empreendimento de característica horizontal, composto de no máximo 30 unidades habitacionais e 90 leitos, com serviços de recepção, alimentação e alojamento temporário, podendo ser em um prédio único com até três pavimentos, ou contar com chalés ou bangalôs. Para o tipo pousada, o SBClass estabelece as categorias de uma estrela (mínimo) a cinco estrelas (máximo). A pousada de categoria uma estrela deve atender a requisitos mínimos de infra-estrutura, serviços e sustentabilidade. Para cada estrela adicional, a pousada deve atender a uma série de requisitos adicionais que diferenciam as categorias entre si. Por meio da comparação entre a infra-estrutura e serviços oferecidos, assim como das ações de sustentabilidade executadas pelo meio de hospedagem o consumidor poderá fazer uma melhor escolha. (Ministério do turismo-2011) Flat/apart-hotel - Constituído por unidades habitacionais que disponham de dormitório, banheiro, sala e cozinha equipada, em edifício com administração e comercialização integradas, que possua serviço de recepção, limpeza e arrumação. Para o tipo flat/apart-hotel, o SBClass estabelece as categorias de três estrelas (mínimo) a cinco estrelas (máximo). O flat/apart-hotel de categoria três estrelas deve atender a requisitos mínimos de infra-estrutura, serviços e sustentabilidade. Para cada estrela adicional, o flat/apart-hotel deve atender a uma série de requisitos adicionais que diferenciam as categorias entre si. Por meio da comparação entre a infraestrutura e serviços oferecidos, assim como das ações de sustentabilidade executadas pelo meio de hospedagem, o consumidor poderá fazer uma melhor escolha. (Ministério do turismo-2011). 19

20 20 CAPÍTULO I I A ORIGEM DA REDE 2.1-Nasce à rede Golden Tulip A rede Golden Tulip foi fundada no início dos anos 60, quando os primeiros hotéis Golden Tulip abriram suas portas na Holanda. Desde então, a rede evoluiu e se expandiu por todo o mundo, sempre acompanhando as mudanças das necessidades e expectativas de nossos clientes. Hoje, a rede opera três marcas bem conhecidas, Tulip Inn, Golden Tulip e Royal Tulip, com mais de 200 hotéis em 40 países. Cada empreendimento combina o compromisso da rede com os altos padrões internacionais e a personalidade única de cada região. (www.goldentulip.com) 2.2-A origem dos meios de hospedagem Na Grécia antiga, quando da realização dos primeiros jogos olímpicos, não existiam ainda hospedagem e o número de pessoas que sempre afluía aos jogos era muito grande. Segundo uma lenda da época, todos estes forasteiros eram muito bem recebidos e instalados, pois, diz a lenda, que Zeus (Deus máximo dos gregos) comparecia a todos os jogos e, de cada vez, sem se identificar, hospedava-se em uma casa diferente. Criavase então a tradição de bem receber entre os gregos, principalmente porque, qualquer um dos visitantes poderia ser Zeus. Os primeiros meios de hospedagem não tinham características de atividade comercial, a seguir surgiram os albergues que se destinavam a proporcionar alimentação, bebida e, às vezes, repouso aos viajantes em geral. Durante o Império Romano esses albergues se desenvolveram bastante, com o nome de tabernas, acompanhando todo o incremento do comercio e do lazer na época.( )

21 A história da contabilidade de custos A contabilidade de custos nasceu da contabilidade financeira, quando da necessidade de avaliar estoques na indústria, mais especificamente com inicio da revolução industrial. Anteriormente a esse período, os produtos eram fabricados por artesãos que, não constituíam pessoas jurídicas e pouco se preocupavam com o cálculo de custos. A contabilidade nessa época tinha sua explicação maior no segmento comercial, sendo utilizada na para apuração do resultado do exercício. Porém como incremento da indústria surge à necessidade do calculo de custos para formação de estoque. Os comerciantes para apurar o resultado do exercício somavam as receitas e subtraíram delas os custos da mercadoria vendida, gerando o lucro bruto. Do lucro bruto eram deduzidas as demais despesas e, assim, encontravam o lucro o prejuízo do período. Esse sistema de apuração ainda hoje é utilizado pela contabilidade. Na atividade comercial o custo da mercadoria vendida era fácil de ser identificado, uma vez que sua composição resulta do valor pago pela mercadoria, mais tributos não compensáveis, mais fretes pagos e seguros. No caso de haver variação de estoques, aplica-se a fórmula envolvendo, estoque inicial, compras e estoque final para se encontrar o CMV. CVM= ESTOQUE INICIAL+COMPRAS ESTOQUE FINAL No segmento industrial, a mesma a sistemática de custo dos produtos não poderia ser utilizada, uma vez que o fabricante compra materiais e os transforma, paga mão-de-obra para elaborá-los e ainda consumo uma infinidade de outros custos (energia, água, etc.) para enfim gerar o bem para a venda. 21

22 22 Nessa situação, na qual vários insumos são consumidos para elaboração de um novo produto, não é simples o calculo de custos a ser implementado. Essa dificuldade ou necessidade fez surgir à contabilidade de custo, inicialmente com a necessidade de mensurar os estoques produzidos e determinar o resultado do exercício. A partir da revolução industrial a contabilidade de custo muito evoluiu, passando a gerar informações, não só para o controle, mas também para o planejamento e tomada de decisão. A contabilidade de custo aparece pela primeira vez com técnica independente e sistemática, nos Estados Unidos, envolvendo a produção industrial, sobre tudo estudando os problemas de mão-de-obra e repercussões no custo industrial. Mas tarde, passou a preocupar-se com, de modo menos empírico com os custos de material consumido (direto) nas operações, buscando a visão global do processo produtivo, instante em que são discutidos os maiores entraves da contabilidade de custos, os chamados custos indiretos de fabricação (CIF). Também denominados de despesas indiretas de fabricação, para despesas gerais, custos indiretos e ou ainda de overhead. Os CIF vêm historicamente sendo os grandes vilões da contabilidade de custo, por serem de difícil alocação. Hoje, dentro da contabilidade de custos, existem critérios e técnicas que solucionam de modo bastante adequado os problemas relacionados a esse aspecto. O sistema de custo busca identificar os gastos com produção (custos totais), para que com base nestes dados possam ser realizadas classificações, análises, avaliações, controles e planejamentos, conseqüentemente, transformar-se num importante instrumento de gestão como primaria e básica para tomada de decisão. É importante ressaltar que a contabilidade de custo não se aplica somente às indústrias sendo que é possível calcular custos comerciais, de serviços, agrícolas, etc. Porém a ênfase maior é dada à atividade industrial, uma vez que é nesse segmento seu maior campo de atuação. (www.portaldecontabilidade.com.br)

23 23 Capítulo III DIVISÃO E ATRIBUIÇÕES DO SETOR DE CUSTO. 3.1-Divisão do centro de custo. Em um hotel podemos dividir o centro de custos assim: Por produto: Fazer um estudo do custo isolado apenas do produto ou do serviço. Por setor: Fazer o custo por setor de produção e serviços. Por estoque: Fazer o balanço todo fim de mês e apurar o lucro e o custo da empresa. 3.2-Implantação do sistema de custo As empresas estão optando pelo sistema ABC. Que trata custos indiretos como custos diretos. Uma das etapas mais importantes para a implantação de um sistema de custos é a adequação do sistema adotados ao centro de custos. Embora possam ser caracterizadas como centro de custos as unidades funcionais do hotel, podem ser adotados diversos critérios para a estruturação dos centros de custos, tendo em vista os seguintes objetivos de ordem prática (Luiz Carlos Zanella, 1993): 23

24 A figura mostra as etapas principais. ANÁLISE DO AMBIENTE/ ESTRUTURA ANÁLISE DA ESTRUTURA ADMINISTRATIVA DEFINIÇÃO RESPONSABILIDADE ADEQUAÇÃO AO PLANO DE CONTAS Figura 09-Análise do ambiente é o processo de identificação de oportunidade, ameaças, forças e fraquezas que afetam a empresa no cumprimento da sua missão. Plano de Contas (ou Elenco de Contas) é o conjunto de contas, previamente estabelecido, que norteia os trabalhos contábeis de registro de fatos e atos inerentes à entidade, além de servir de parâmetro para a elaboração das demonstrações contábeis. O sistema administrativo é composto de várias funções administrativas das que mais podemos destacar quatro funções principais: Função produção, função financeira, função marketing, função recursos humanos. (www.portaldecontabilidade.com.br)

25 Analisar todo ambiente e estrutura Para se ter uma melhor compreensão dos fatos ocorridos em todo o processo do hotel. Ver quais são as necessidades do hotel para aplicação dos centros de custos.elaborar um plano de contas para conexão com a contabilidade.analisar como isso deve ser amarrado de forma eficiente. Os centros de custos que mais geram receitas devem ser analisados com mais freqüência. Fazendo com que cresça cada vez mais a receita com custos menores Reciclagem. O hotel também pode se beneficiar com a reciclagem de vidros, papeis papelão, óleo, plástico podendo ser trocado por sabão, detergente, etc.ou vendidos, e com o dinheiro da venda dos materiais para reciclagem, fazer compra de brindes para festa dos funcionários de final de ano, economizando um bom dinheiro Armazenamento de água. Fazer um sistema de armazenamento de água da chuva para economizar na conta de água Luz solar Colocar placas de captação de raios solares diminuindo a conta de luz. São investimentos que inicialmente podem sair caros, mais a longo prazo compensarão. 25

26 Setores do hotel Os hotéis são constituídos de setores que devem possuir centros de custos, onde consta uma conta onde são baixados os seus gastos, e possuem um valor de quanto pode ser gasto por mês. Com este modelo podemos controlar quanto cada setor esta gastando por mês Setores de um hotel: Controladoria, Recepção, Governança, Manutenção, Alimentos e bebidas (A&B), Almoxarifado, Lavanderia, Vendas, Eventos, Compras e Contabilidade. 3.5-Eventos Calcular tudo que será gasto com o evento e comparar com o preço a ser cobrado para obter a porcentagem de lucro. Depois do evento contar o que sobrou e fazer o custo do evento. 3.6-Almoxarifado Sempre manter um bom relacionamento com setor de compras, evitando compras desnecessárias. O almoxarifado do hotel não precisa ter estoques grandes, temos que saber quanto se gasta para que os produtos não fiquem muito tempo em estoque e podendo passar da validade, com isso ocorrendo o desperdiço. 26

27 Lavanderia Pode ser no hotel ou terceirizado, sendo cobrado à parte do hospede. 3.8-Pontos de vendas Restaurantes, Bares, Boates e Coffee shop O controle de custo dos pontos de vendas são feitos por produtos. As bebidas destiladas são controladas por doses, tais como: gim, licor, whisky, vermute e conhaque. 3.9-Inventários Através dos inventários que são feitos nos estoque com as contagens físicas uma vez no mês tiramos um raio x do que esta sendo gasto a mais ou a menos no hotel. Podemos trabalhar em cima de cada produto especificamente. Com essas informações passamos para gerencia e obter melhores tomadas de decisões. Nos imobilizados (Bens da empresa) é feita à contagem através de placas de patrimônio com suas numerações. Em alguns hotéis, custos é um segmento dentro da controladoria; em outros é um departamento independente e distinto Atribuições Analisa todo o procedimento de compra de mercadorias. 27

28 Preço do produto Qualidade Procedimento e prazo de entrega Razoes para escolha do fornecedor Taxa de devolução Previsão de compra Analisa as razões para compra e confere os pedidos aos fornecedores Analisa as características de cada produto Qualidade Rendimento Peso Tamanho Durabilidade Aceitação por parte do funcionário/hospede Fiscaliza a circulação de mercadoria no hotel Entrada Estocagem Operação Venda Controla estoque de segurança de mercadoria Controla a taxa de estoque máxima de mercadoria. 28

29 Analisa a despesa em armazenamento de cada produto Prateleiras Frigoríficos Desperdício Consumo Vida útil Cuidados necessários Deterioração Particularidades Faz inventários para controle total de cada mercadoria que entra no hotel Mapas kardex Ficha de controle por produto Controla, diretamente, a compra dos produtos mais perecíveis Frutas Leite Pão Outros (de acordo com a política de ação de cada hotel) Calcula o custo de todos os serviços do hotel Analisa o custo de cada serviço e seu preço de venda. Não podendo esquecer Preços dos insumos. 29

30 Perda no processo de armazenamento Perda na produção Custo de mão-de-obra Custos diversos da operação (luz, gás) Margem de erro (entre 5% e 10%) Pagamento do ICM Custo do processo de armazenamento Custo de aquisição (despesas administrativas, transportes, etc.) Percentual de lucro Preços daquele serviço no mercado Políticas de preços do hotel Previsão de consumo Amortização do capital Amortização das instalações Fazer o inventario físico mensal do almoxarifado Analisar relatórios dos chefes departamentais com suas sindicâncias Controlar, diretamente a cambuza. De posse de todas essas informações, faz-se o cálculo do preço real de venda para cada serviço/produto da empresa hoteleira. (Básico de hotelaria Eduardo Jenner Farah de Araújo, Leila Serra de Menezes). (Folha Carioca Editora, RJ, 1988). 30

31 31 CONCLUSÃO O Brasil é um dos destinos mais procurados no mundo. O Rio de janeiro sendo a vitrine do Brasil, atrai muitos turistas que trazem consigo mais cultura, emprego,alegria e ajuda na economia do país.o turismo no Brasil movimenta milhões de reais por ano.com trabalho eficiente,com um custo reduzido podemos estruturar cada vez mais a cadeia hoteleira,com construções de mais hotéis, suprindo a necessidade de vários eventos grandes que teremos nos próximos anos.eventos como: a copa do mundo e as olimpíadas.se esse evento obtiver sucesso nos setores de transporte,segurança pública,bares,restaurantes e hotéis, têm mais chances do turismo aumentar nos seguintes anos após esses eventos.trazidos por um bom serviço e o calor humano, que faz parte da cultura do brasileiro. Sabendo utilizar o sistema de controle de custos de forma eficiente, reduzir,reutilizar e reciclando, podemos repassar para os hospedes preços melhores,no restaurante, no serviço de minibar,lavanderia e nas diárias dos hotéis. Fidelizar o hospede e aumentar o turismo no Brasil, pode trazer vários benefícios para população. 31

32 32 Anexo 1 Hospedagem do RJ é a mais cara do mundo na categoria quatro estrelas Hotelaria Qui, 22 de Setembro de h50min. Os dois destinos mais caros do mundo para se hospedar na categoria quatro estrelas são brasileiros. De acordo com o índice HPI (sigla para Índice de Preços de Hotéis em inglês) do site de hospedagem Hoteis.com, que analisou os preços cobrados no primeiro semestre de 2011 em comparação ao mesmo período no ano passado, o Rio de Janeiro é a cidade campeã no ranking das mais caras da categoria, com diária média de R$ 523. O destino também é o mais custoso no Brasil em todas as classes de estrelas e o 9º mais caro na escala internacional, com turistas pagando, em média, R$ 328 por quarto. Em segundo lugar na lista dos hotéis com quatro estrelas mais caros do mundo está São Paulo, que registrou o preço médio de R$ 501 no período. A cidade também é a segunda mais cara para se hospedar no país nas demais categorias, com diária média de R$ 281 por noite. Já em comparação com destinos internacionais, São Paulo ficou na 21ª posição. O terceiro destino mais caro no mesmo ranking é Nova York, com turistas pagando R$ 495, em média, para desfrutarem de um quarto de hotel quatro estrelas. Já Xangai foi a mais barata na categoria, com quartos por valor médio de R$ 167. (www.jornal de turismo.com. br) 32

33 33 Anexo 2 Gestão de Custos na Hotelaria Publicado na Associação Brasileira da Indústria de Hotéis <http://www.abih.com.br> em 23 de maio de Autores: ORION AUGUSTO PLATT e CID BONIFÁCIO*. Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH), a indústria hoteleira no Brasil gera uma receita bruta de aproximadamente US$ 2 bilhões anuais e mantém cerca de um milhão de empregos diretos e indiretos. Tal fato demonstra a importância econômica do setor e a confiança dos empreendedores, além da necessidade de ferramentas gerenciais de planejamento e controle voltadas às necessidades da hotelaria. No entanto, uma observação dos pequenos e médios hotéis, aponta uma carência de informações gerenciais que vão desde a formação de custos até a própria rentabilidade do empreendimento. Ora, como é possível gerenciar sem medir estes e outros aspectos? O perfil do hoteleiro das pequenas e médias empresas não contempla ainda atributos ligados ao empreendedorismo sério, onde uma significativa etapa é priorizada para seu sucesso: o Planejamento Estratégico - conceito tão amplamente divulgado, mas pouco incorporado no dia-a-dia dessas empresas. A partir dele, são focadas as relações entre investimento, oportunidades de mercado, o diferencial do produto e o lucro projetado/desejado. Nele firmam-se as bases da sustentabilidade do negócio hoteleiro. Quando um hotel lucra, todos ganham: colaboradores, governo, sociedade e proprietários. São gerados e mantidos empregos, diante das estatísticas conhecidas de elevada mortalidade de novos negócios. No entanto, quando há prejuízo, ou o lucro é inferior ao desejado, são necessárias mudanças. Fazendo-se uma analogia com a cirurgia, não se pode cortar qualquer custo, sob o risco de se cortar músculos e ossos, ao invés de tecido doente e gordura. Muitas vezes pode ser tentador cortar os gastos com controle e propaganda, enquanto na verdade se aumenta o risco de agravar a situação. O lucro corresponde à diferença entre receitas e custos. Deste modo, temos de um lado a racionalização de custos como fator chave para a otimização do lucro e, de outro, a ampliação da base de clientes conquistados e preços cobrados. Sob a ótica dos custos, os hotéis apresentam características típicas que os diferenciam de outras empresas. Estudos apontam que aproximadamente 70% dos custos dos hotéis brasileiros são classificados como fixos. Custos fixos são aqueles que se mantém independentemente da taxa de ocupação, tais como a depreciação, seguros e salários administrativos. Os restantes 30% são os chamados custos variáveis, ou seja, os que são proporcionais ao número de hóspedes atendidos ou 33

Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem (SBClass) MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL

Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem (SBClass) MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem (SBClass) MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL Este manual tem por finalidade padronizar o uso da Marca de Classificação dos Meios de Hospedagem por estabelecimentos

Leia mais

COMO ABRIR UM HOTEL/POUSADA

COMO ABRIR UM HOTEL/POUSADA COMO ABRIR UM HOTEL/POUSADA Viviane Santos Salazar 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 O mercado Crescimento da demanda por hospedagem Copa do Mundo Olimpíadas Qual a representatividade

Leia mais

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA RELAÇÕES ENTRE A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O SETOR DE HOSPITALIDADE: um estudo de caso aplicável ao curso Técnico de Hospedagem Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco Autores: ANNARA

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC 1 INTRODUÇÃO Alice Mecabô 1 ; Bruna Medeiro 2 ; Marco Aurelio Dias 3 O turismo é uma atividade que hoje é considerada um dos meios econômicos que

Leia mais

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO MINISTÉRIO DO TURISMO Ministro do Turismo Pedro Novais Lima Secretário Executivo Frederico Silva da Costa Secretário Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo Colbert Martins da Silva Filho Secretária

Leia mais

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach MINISTÉRIO DO TURISMO Ministro do Turismo Luiz Eduardo Barretto Filho Secretaria Executiva Secretaria Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Diretor

Leia mais

Perfil do Curso. O Mercado de Trabalho

Perfil do Curso. O Mercado de Trabalho Perfil do Curso É o gerenciamento dos recursos humanos, materiais e financeiros de uma organização. O administrador é o profissional responsável pelo planejamento das estratégias e pelo gerenciamento do

Leia mais

Direcional Engenharia S.A.

Direcional Engenharia S.A. 1 Direcional Engenharia S.A. Relatório da Administração Exercício encerrado em 31 / 12 / 2007 Para a Direcional Engenharia S.A., o ano de 2007 foi marcado por recordes e fortes mudanças: registramos marcas

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO

ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO Dos cursos mais procurados pelos estudantes, o de Administração é um dos mais novos. Enquanto Medicina e Direito formam profissionais desde o século 19, foi apenas em 1946 que

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz COMPETÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS CONHECER A ELABORAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES UM PLANO DE NEGÓCIOS.

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014/2015 1- JUSTIFICATIVA O setor de eventos vem passando por uma grande reformulação. Dos eventos corporativos, hoje mais bem estruturados e com foco específico,

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

04 Os números da empresa

04 Os números da empresa 04 Os números da empresa Além de conhecer o mercado e situar-se nele, o empreendedor tem de saber com clareza o que ocorre com os números de sua empresa. Neste capítulo conheça os principais conceitos,

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque. Darlyne de Aquino Silva

Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque. Darlyne de Aquino Silva Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque Darlyne de Aquino Silva Instituto Federal de Educação Ciência e tecnologia de São Paulo. São Roque, SP 2011

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

www.redeadm.com.br Fortaleza-CE

www.redeadm.com.br Fortaleza-CE www.redeadm.com.br Fortaleza-CE 03 Conhecendo a RAH. Seu hotel, flat ou condomínio em ótimas mãos. Com a RAH Rede Administradora Hoteleira, você tem à sua disposição uma empresa que garante a melhor administração

Leia mais

Escolha os melhores caminhos para sua empresa

Escolha os melhores caminhos para sua empresa Escolha os melhores caminhos para sua empresa O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

MEDICAMENTOS GENÉRICOS

MEDICAMENTOS GENÉRICOS MEDICAMENTO GENÉRICO Uma importante conquista para a saúde pública no Brasil 15 anos 15 anos , 15 ANOS DE BENEFÍCIOS PARA A SOCIEDADE BRASILEIRA. Ao completar 15 anos de existência no país, os medicamentos

Leia mais

O primeiro guia online de anúncios de Guarulhos a se tornar franquia nacional

O primeiro guia online de anúncios de Guarulhos a se tornar franquia nacional O primeiro guia online de anúncios de Guarulhos a se tornar franquia nacional O guia online Vitrine de Guarulhos é um dos produtos do Grupo Vitrine X3, lançado no dia 11/11/11 com o objetivo de promover

Leia mais

Turismo de (bons) negócios. 26 KPMG Business Magazine

Turismo de (bons) negócios. 26 KPMG Business Magazine Turismo de (bons) negócios 26 KPMG Business Magazine Segmento ganha impulso com eventos internacionais e aumento da demanda interna Eventos mobilizaram mais de R$ 20,6 bilhões em 2011 A contagem regressiva

Leia mais

Guia de Recursos e Funcionalidades

Guia de Recursos e Funcionalidades Guia de Recursos e Funcionalidades Sobre o Treasy O Treasy é uma solução completa para Planejamento e Controladoria, com o melhor custo x benefício do mercado. Confira alguns dos recursos disponíveis para

Leia mais

Pesquisa IBOPE Ambiental. Setembro de 2011

Pesquisa IBOPE Ambiental. Setembro de 2011 Pesquisa IBOPE Ambiental Setembro de 2011 Com quem falamos? Metodologia & Amostra Pesquisa quantitativa, com aplicação de questionário estruturado através de entrevistas telefônicas. Objetivo geral Identificar

Leia mais

XXXII Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica

XXXII Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica XXXII Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica Mesa-Redonda: Responsabilidade Social Empresarial 23-24 de Novembro de 2006 Mário Páscoa (Wyeth/ Painel Febrafarma) E-mail: pascoam@hotmail.com

Leia mais

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach MINISTÉRIO DO TURISMO Ministro do Turismo Luiz Eduardo Barretto Filho Secretaria Executiva Secretaria Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Diretor

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO CONTEÚDO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - CONCEITO DE PREÇO NOS SERVIÇOS - FATORES DETERMINANTES DOS PREÇOS - ESTRATÉGIAS E ASPECTOS IMPORTANTES PARA

Leia mais

ESTUDO IBPT Frete marítimo e seu impacto na arrecadação tributária e na inflação

ESTUDO IBPT Frete marítimo e seu impacto na arrecadação tributária e na inflação Junho 2013 ESTUDO IBPT AUMENTO DO FRETE MARÍTIMO NA IMPORTAÇÃO TEM REFLEXOS NA ARRECADAÇÃO TRIBUTÁRIA E NA INFLAÇÃO Frete marítimo na importação teve aumento de 82,11% em Dólar no período de janeiro de

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

Manual do Usuário. Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem Usuário Meio de Hospedagem

Manual do Usuário. Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem Usuário Meio de Hospedagem Manual do Usuário Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem Usuário Meio de Hospedagem Julho de 2011 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. Siglas... 3 3. Descrição do Sistema... 3 4. Como utilizar

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas Comentários gerais Pesquisa Anual de Comércio - PAC investiga a estrutura produtiva do A segmento empresarial do comércio brasileiro, sendo os resultados referentes a 2012 divulgados neste volume. A pesquisa

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Estamos presentes em 20 estados

Estamos presentes em 20 estados http://goo.gl/7kuwo O IDEBRASIL é voltado para compartilhar conhecimento de gestão com o empreendedor do pequeno e micro negócio, de forma prática, objetiva e simplificada. A filosofia de capacitação é

Leia mais

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1 1.0 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1 1.2 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Qual o objetivo das empresas para a administração financeira? Maximizar valor de mercado da empresa; Aumentar a riqueza dos acionistas.

Leia mais

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio Plano de Negócios Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa Modelo de Planejamento prévio Fraiburgo, 2015 Plano de Negócios Um plano de negócios é uma descrição do negócio

Leia mais

INCORTEL INCORPORAÇÃO E HOTELARIA

INCORTEL INCORPORAÇÃO E HOTELARIA INCORTEL INCORPORAÇÃO E HOTELARIA EXPERTISE EM INCORPORAÇÃO HOTELEIRA 28 anos de experiência no segmento de incorporação Conceito diferenciado agregado aos seus produtos de alto padrão Parceria com o grupo

Leia mais

Empresário Empreendedor

Empresário Empreendedor Empresas x Tributação Empresário Empreendedor Carga Tributária Obrigações acessórias Receita Federal Receita Estadual Previdência Social Receita Municipal Situação Tributária do Negócio Para o Empresário

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 042, DE 11 DE MAIO DE 2011 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 297ª Reunião Ordinária, realizada em 11 de maio de 2011, e considerando

Leia mais

Objetivos 29/09/2010 BIBLIOGRAFIA. Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos BALANÇO DE TAMANHO COMUM

Objetivos 29/09/2010 BIBLIOGRAFIA. Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos BALANÇO DE TAMANHO COMUM Objetivos Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho A EMPRESA NO MODELO DO BALANÇO PATRIMONIAL: análise das demonstrações financeiras Compreender a importância da padronização

Leia mais

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio Gestão de Custos TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO Métodos de Custeio TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO Formas de Custeio TEORIA DA INFORMAÇÃO MODELOS DE INFORMAÇÃO Sistemas de acumulação A

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

HOTELARIA DE CURITIBA: UM GOL DE PLACA NA COPA 2014

HOTELARIA DE CURITIBA: UM GOL DE PLACA NA COPA 2014 HOTELARIA DE CURITIBA: UM GOL DE PLACA NA COPA 2014 INDUSTRIA HOTELEIRA EM CURITIBA Curitiba e região possui atualmente 18 mil leitos, de acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH).

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE "SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO" Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS

PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE "SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO" Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS Maio/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio 1.2 Empreendedores

Leia mais

MBA em Gestão de Tecnologia da Informação. Governança de TI - Aula 2. Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com

MBA em Gestão de Tecnologia da Informação. Governança de TI - Aula 2. Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Governança de TI - Aula 2 Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com Projetos Altos investimentos em TI - importante que tenhamos processos eficazes para

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1

ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1 ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1 Jéssica Schreiber Boniati 2, Eusélia Pavéglio Vieira 3. 1 Trabalho de conclusão de curso apresentado ao curso

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ (A) Teresina; (B) Cajueiro da Praia; (C) Luis Correia; (D) Parnaíba; (E) Ilha Grande Rota das Emoções: Jericoacoara (CE) - Delta (PI) - Lençóis Maranhenses (MA) Figura

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA- UNESP Prof. Msc. Francisco Nascimento Curso de Turismo 5º Semestre Disciplina Meios de Hospedagem.

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA- UNESP Prof. Msc. Francisco Nascimento Curso de Turismo 5º Semestre Disciplina Meios de Hospedagem. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA- UNESP Prof. Msc. Francisco Nascimento Curso de Turismo 5º Semestre Disciplina Meios de Hospedagem 1º Semestre 2013 O Cadastur Registro Hotel, Hotel histórico, hotel de lazer/resort,

Leia mais

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA MARCIO REIS - R.A MICHELE CRISTINE RODRIGUES DE OLIVEIRA R.A 1039074 RENATA COSTA DA SILVA SIMIÃO R.A 1039444 Ciências Contábeis CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA Orientador: Prof.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ALUNO: RONNY COSTA DA SILVA MATRÍCULA: 06010001201 E- MAIL: ALUNO: DENNIS WILLIAM CARDOSO FERREIRA MATRÍCULA: 06010007301 E- MAIL: denniswilliamx@hotmail.com 2º SEM/2009 Página

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

Administrando Estoques e Processos Adequadamente

Administrando Estoques e Processos Adequadamente Administrando Estoques e Processos Adequadamente Estoque é Dinheiro Planeje e Controle seus Estoques Rev - 1105 Engº JULIO TADEU ALENCAR e-mail: jtalencar@sebraesp.com.br 1 Serviço de Apoio às Micro e

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIO. EMPRESA (inserir logo) SET/14

PLANO DE NEGÓCIO. EMPRESA (inserir logo) SET/14 PLANO DE NEGÓCIO EMPRESA (inserir logo) SET/14 Índice 1 INTRODUÇÃO-Sumário Executivo 04 1.1 Identificação da Empresa 04 1.1.1 Histórico da empresa 04 1.1.2 Definição do modelo de negócio 05 1.1.3 Constituição

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais 1. Conceito - é a atividade de transformação (processo) de matéria-prima em utilidades necessárias ao consumidor. * Nenhuma organização sobrevive, a menos que produza alguma

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

PDV: DE OLHO NA RENTABILIDADE

PDV: DE OLHO NA RENTABILIDADE PDV: DE OLHO NA RENTABILIDADE Muitas vezes o desconhecimento sobre políticas de estoque, finanças e parcerias comerciais é a principal explicação das dificuldades que muitas empresas têm em progredir ou

Leia mais

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS 1 2 sem/11 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alcides T. Lanzana 2 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Introdução Valuation Métodos de atribuição de valor à empresa 3 USOS DO VALUATION Compra e Venda Fusões e Incorporações

Leia mais

BOLETIM DO TURISMO PARNANGUARA 2/2012

BOLETIM DO TURISMO PARNANGUARA 2/2012 OBSERVATÓRIO DO TURISMO DA CIDADE DE PARANAGUÁ BOLETIM DO TURISMO PARNANGUARA 2/2012 TAXA DE OCUPAÇÃO HOTELEIRA PERFIL DOS HÓSPEDES EM MEIOS DE HÓPEDAGEM CENTRAIS DE INFORMAÇÕES TURÍSTICAS ESTAÇÃO FERROVIÁRIA

Leia mais

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas?

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas? Metas e Objetivos Muito se confunde a respeito destes dois conceitos quando se faz um planejamento estratégico do negócio. A diferença entre Meta e Objetivo, no entanto, é bastante clara como será apresentada

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

O MARKETING, A RESPONSABILIDADE SOCIAL E O LIXO. Cláudia Nabarro Munhoz 1. A questão do lixo é cada vez mais premente e mostra-se como um

O MARKETING, A RESPONSABILIDADE SOCIAL E O LIXO. Cláudia Nabarro Munhoz 1. A questão do lixo é cada vez mais premente e mostra-se como um O MARKETING, A RESPONSABILIDADE SOCIAL E O LIXO Cláudia Nabarro Munhoz 1 A questão do lixo é cada vez mais premente e mostra-se como um problema de cada cidadão e algo que pede decisões e ações diárias,

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br NO CAMPO: UMA FAMÍLIA DE SOLUÇÕES EDUCACIONAIS PARA PRODUTORES RURAIS. TODA MINHA FAMÍLIA VIVE DA PRODUÇÃO RURAL. E MAIS DE CINCO MILHÕES

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É?

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É? NE- CACT O Núcleo de Empreendedorismo da UNISC existe para estimular atitudes empreendedoras e promover ações de incentivo ao empreendedorismo e ao surgimento de empreendimentos de sucesso, principalmente,

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

Finance Training - Treinamento Gerencial e Consultoria Empresarial

Finance Training - Treinamento Gerencial e Consultoria Empresarial Página 1 de 5. 05/09/2011 ORÇAMENTO BASE ZERO uma ferramenta gerencial para redução de custos e otimização de resultados, distribuição de dividendos e nível de retorno dos investimentos Prof. Ricardo Ferro

Leia mais

Análise e Avaliação Financeira de Investimentos

Análise e Avaliação Financeira de Investimentos 1 Análise e Avaliação Financeira de Investimentos O objetivo desse tópico é apresentar uma das metodologias de análise e avaliação financeira de investimentos. A análise de investimentos depende do ramo

Leia mais

Empresa. Cliente. Ramo de Atividade. Logomarca. Localização

Empresa. Cliente. Ramo de Atividade. Logomarca. Localização Empresa Cliente Razão Social: Barraco Resto Bar LTDA. Fantasia: (Barraco) Ramo de Atividade Comércio de Bebidas e Petiscaria Logomarca Localização Avenida das Esmeraldas 609 Marília/SP Cidade de Marília

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu Coordenação Acadêmica: Prof. José Carlos Abreu, Dr. 1 OBJETIVO: Objetivos Gerais: Atualizar e aprofundar

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento

Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento Julho de 2011 1 Debate sobre desoneração da folha de pagamento deve ser feito com cautela e tendo como ponto de partida a compensação vinculada (principal

Leia mais

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO No Modelo de Plano de Negócio, disponível no seu ambiente do Concurso você terá um passo a passo para elaborar o seu Plano, bem como todo o conteúdo necessário

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Frequently Asked Questions Perguntas & Respostas

Frequently Asked Questions Perguntas & Respostas Frequently Asked Questions Perguntas & Respostas FAQ (frequently asked questions) Perguntas e Respostas 1 Quando surgiu a UNS? A UNS Idiomas iniciou suas atividades na cidade de São Paulo, onde está localizada

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio.

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Plano de negócios estruturado ajuda na hora de conseguir financiamento. Veja dicas de especialistas e saiba itens que precisam constar

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

Profissionais Portugueses no Brasil. Empresas Familiares

Profissionais Portugueses no Brasil. Empresas Familiares Profissionais Portugueses no Brasil Empresas Familiares Tópicos Abordados As Gerações e o Mercado de Trabalho Empresas Familiares no Brasil Cenário Brasileiro e Estatísticas de Emprego no Brasil Características

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Questionário de entrevista com o Franqueador

Questionário de entrevista com o Franqueador Questionário de entrevista com o Franqueador O objetivo deste questionário é ajudar o empreendedor a elucidar questões sobre o Franqueador, seus planos de crescimento e as diretrizes para uma parceria

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais