CONSIDERAÇÕES SOBRE EPIDEMIOLOGIA COMPONENTES DA CADEIA EPIDEMIOLÓGICA: CONCEITOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSIDERAÇÕES SOBRE EPIDEMIOLOGIA COMPONENTES DA CADEIA EPIDEMIOLÓGICA: CONCEITOS"

Transcrição

1 15 Disciplina: HIGIENE ZOOTÉCNICA Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública FMVZ-UNESP-Botucatu CONSIDERAÇÕES SOBRE EPIDEMIOLOGIA COMPONENTES DA CADEIA EPIDEMIOLÓGICA: CONCEITOS Epidemiologia, segundo sua formação etimológica, significa: Epi = sobre, Demos = povo, população (humana, animal ou vegetal), e Logos = estudo. Seria, portanto o estudo sobre populações. Entretanto, ela deve ser entendida como a ciência, que estuda a ocorrência de doenças em populações, suas causas determinantes, medidas profiláticas para o seu controle, e até sua erradicação. John Snow, considerado o pai da epidemiologia, por ocasião de uma epidemia de cólera em Londres, em 1849, concluiu que havia relação entre a doença e o consumo de água contaminada por fezes de pessoas doentes. Alguns anos após, seus estudos foram confirmados em laboratório pelo isolamento e identificação da bactéria Vibrio cholerae, nas fezes de doentes de cólera. Se as pessoas envolvidas na criação preocuparem-se apenas com o animal doente, deixando de lado o restante do rebanho, não poderão avaliar o perigo que um único animal doente, poderá representar para todo o rebanho, principalmente considerando-se as enfermidades transmissíveis. Sem os conhecimentos básicos dos princípios epidemiológicos, o profissional não poderá ter idéia do perigo relativo que um caso particular possa representar para o restante do rebanho. É preciso considerar o meio no qual ocorre a enfermidade, o risco de que surjam novos casos, e as possibilidades de controlar os fatores que contribuem para a ocorrência desta. Deste modo o profissional poderá nortear sua prática assistencial com uma visão mais ampla dos problemas de sanidade animal,

2 16 lembrando-se que o técnico deverá ter em mente que ele está trabalhando com populações animais, e não com um único animal. Para entender melhor como as ações de saneamento podem interferir na prevenção de doenças infecciosas, torna-se necessário o detalhamento de aspectos relacionados à ecologia destas. CORTÊS (1993), revendo o conceito de cadeia epidemiológica e de seus componentes, caracterizou os mecanismos de propagação das doenças. A identificação destes mecanismos que se relacionam com o processo de propagação da doença, torna possível a adoção de medidas sanitárias, capazes de prevenir e impedir a sua disseminação. Segundo este autor, as seguintes questões poderiam ser formuladas e respondidas: 1. Quem hospeda e elimina o agente? Fonte de infecção (FI). 2. Como o agente deixa o hospedeiro? Via de eliminação (VE). 3. Que recurso o agente utiliza para alcançar um novo hospedeiro? Via de transmissão (VT). 4. Como o agente se hospeda no novo hospedeiro? Porta de entrada (PE). 5. Quem pode adquirir a doença? Susceptível. Se estes conceitos forem colocados seqüencialmente tem-se, a caracterização da cadeia epidemiológica, que nada mais é que uma série de eventos, necessários para que uma doença ocorra em um indivíduo ou em um rebanho, ou como o conjunto de componentes do meio ou do animal, que favorecem a disseminação. FI VE VT PE Susceptível Se estes elos da cadeia forem combatidos conjuntamente, é possível o controle de enfermidades que ocorrem nas populações animais, especialmente as

3 17 transmissíveis. O saneamento procura atuar em todos os elos desta cadeia, principalmente na via de transmissão e fontes de infecção. Pode-se então citar alguns dos objetivos da epidemiologia: estudar o meio no qual se desenvolve a doença, os mecanismos de transmissão, o risco de que surjam novos casos e as medidas preventivas, necessárias para se controlar os fatores que contribuem para o desenvolvimento das doenças. Conclui-se que a epidemiologia é o fulcro da saúde animal e da saúde pública, representando o lastro principal, para avaliação das medidas de prevenção, fornecendo orientação para o diagnóstico de doenças, sejam elas transmissíveis ou não. GLOSSÁRIO DE TERMOS UTILIZADOS NA INVESTIGAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA Agente etiológico: é o causador ou responsável pela doença. Este pode ser: bactéria, vírus, fungo, protozoário, rickéttsia, chlamydia, ectoparasito e endoparasito. Infecção: é a penetração e desenvolvimento, ou multiplicação de um agente infeccioso no homem ou animal. Infestação: é o alojamento, desenvolvimento e reprodução de artrópodes na superfície do corpo. Pode-se dizer também que uma área ou local está infestado de artrópodes e roedores. Fonte de Infecção: é o animal vertebrado que alberga o agente etiológico e o elimina para o meio exterior. Reservatório: é um animal ou local que mantém um agente infeccioso na natureza. O solo, por exemplo, pode ser reservatório, como elemento abiótico, mantendo agentes infecciosos, ocasionando as doenças denominadas de origem telúrica, como as saprozoonoses, e entre elas estão a listeriose e histoplasmose.

4 18 Caso: é o animal infectado ou doente, como exemplo tem-se um caso de aborto por Listeria monocytogenes, ou um caso de manqueira, que é doença, causada pelo Clostridium chauvoei. O caso refere-se, portanto, à fonte de infecção. Foco: Trata-se de um ou mais animais doentes, numa área ou concentração pequena. Exemplo de um foco de febre aftosa, que acomete vários animais, de uma determinada propriedade rural. Normalmente o foco é identificado como rebanho afetado. Surto epidêmico: Neste caso, trata-se de vários animais doentes em regiões diferentes. Como exemplo ainda, um surto de febre aftosa que atinge várias propriedades podendo ser de diferentes regiões. O termo surto epidêmico é utilizado como sinônimo de epidemia ou epizootia, com a finalidade de evitar alarme, que o termo epidemia, pode causar especialmente na população humana. O surto na realidade é o grupo de focos originários de uma mesma fonte de infecção, em espaço e tempo determinados, por transmissão direta ou indireta por focos sucessivos. Enfermidade: é a etapa da doença ou agravo em nível orgânico, que se caracteriza pela presença de sintomatologia. Enfermidade exótica: é aquela que não existe no país ou região estudada. Como exemplo pode-se citar a peste bovina que ingressou no continente americano, e já foi erradicada na década de Comunicantes: são os indivíduos ou animais, que tiveram contato com animais infectados ou doentes, bem como com locais contaminados, sem que se conheça o seu estado sanitário.

5 19 Susceptibilidade: qualidade do hospedeiro em relação à infecção ou invasão de seu organismo pelo parasito. É utilizado, para designar a característica do organismo susceptível à ação do fator determinante. Susceptível: organismo ou população que apresenta susceptibilidade à ação de determinado fator. Pensando em agente infeccioso, seria o indivíduo que não possui resistência a determinado agente patogênico, podendo contrair a doença. Vetor: são animais, geralmente artrópodes, que transmitem o agente infeccioso ao hospedeiro susceptível. Vetor biológico: é o hospedeiro onde o parasita desenvolve parte do seu ciclo evolutivo, possibilitando a transmissão para novo hospedeiro. Caracteriza-se pelo caráter de obrigatoriedade para sua sobrevivência ou aumento da densidade populacional do parasito. Pode-se dizer que os microrganismos desenvolvem obrigatoriamente neste vetor fase do ciclo, antes de serem disseminados no ambiente, ou transportados para novo hospedeiro. Pode-se exemplificar, o caso da Anaplasmose, onde o principal transmissor é o carrapato Boophilus microplus considerado então, como vetor biológico e transmissor do agente, que é o Anaplasma marginale. Vetor mecânico: é o organismo que pode se contaminar com formas infectantes do parasito, transportando-os mecanicamente para determinado hospedeiro. Neste caso o vetor participa apenas como carreador de agentes infecciosos, sendo que estes não sofrem qualquer modificação no interior do seu organismo. Podem ser exemplos, as moscas hematófagas como Stomoxys calcitrans e os tabanídeos, que pode vetoriar agentes após sugar animal portador da rickéttsia Anaplasma marginale, que ficam em sua tromba, infectando então animal susceptível, se a seguir sugarem o seu sangue.

6 20 Veículo: é qualquer elemento que transporte determinado agente infeccioso. Este veículo pode ser animado, definindo-se como qualquer ser vivo que possa transportar passivamente o agente infeccioso. Os veículos inanimados são os elementos capazes de transportar o agente infeccioso. Neste último incluem-se a água, alimentos e objetos contaminados como as agulhas, seringas, panos, arreios, escovas, entre outros. Fômites: para esta definição pode-se utilizar o próprio conceito de veículo inanimado, pois são os objetos inanimados, contaminados que podem transportar agentes infecciosos para os animais ou homem, como baldes, toalhas, seringas, entre outros. Portador: são os animais ou pessoas que havendo ou não manifestado os sinais clínicos de determinada enfermidade continuam eliminando o agente por algum tempo. Pode ser portador são, o animal que já teve ou poderá vir a ter sintomatologia clinicamente detectável; portador em incubação é aquele que está infectado, mas não mostra alterações; e portador convalescente, que é aquele que embora tenha apresentado cura clínica, ainda pode eliminar o agente infeccioso. RELAÇÃO DA EPIDEMIOLOGIA COM OUTRAS ÁREAS A epidemiologia considera como sua unidade de interesse, portanto, o indivíduo, um grupo de indivíduos, seja de uma população constituída de pessoas, ou de animais; incluindo-se os sadios, doentes e mortos. Na investigação epidemiológica, são utilizadas ciências e disciplinas consideradas correlatas, ou de apoio, tais como: a bioestatística, para medir as situações na fase de observação e posteriormente em nível de avaliação; a clínica, como ponto de partida para o diagnóstico individual da enfermidade, a partir do qual se estabelecerá a orientação a se tomar; a patologia, a microbiologia, a parasitologia, a imunologia, a toxicologia, entre outras. Estas

7 21 fornecem à epidemiologia o diagnóstico da situação. As ciências do comportamento humano, como a sociologia, antropologia, psicologia, a economia e a ecologia, entre outras, assumem também papéis de grande importância. Mostrando a relação da epidemiologia com outras áreas do conhecimento FORATTINI (1992), argumenta sobre alguns dos princípios que regem a unificação da epidemiologia e da sua indissociabilidade da ecologia. Enfatiza ainda que a sociedade nada mais é do que o fenômeno ecológico, cujos fundamentos devem ser procurados na própria característica da vida. Os componentes físicos e biológicos do ambiente onde vivem o homem e também os animais, somam-se aos da sociedade que se estabelecem, na determinação do seu estado de saúde e da qualidade de vida. De acordo com os conhecimentos atuais, ecologia e ambiente são termos usados quando o tema se refere ao bemestar e à sobrevivência. A ecologia deve compreender o estudo de todos fatores físicos e biológicos, e da sua interação no meio em que vivem os organismos. O ambiente inclui desde a energia solar até o substrato representado pelo sol e os organismos que sobre ele vivem. SAÚDE E DOENÇA A saúde e doença são idéias relativas e convencionais, e representam estados absolutamente opostos. O limite entre o estado de saúde e doença é difícil de ser estabelecido. O indivíduo pode se manter entre eles, durante toda sua vida. A saúde é um estado de relativo equilíbrio da forma e da função do organismo, resultante de seu sucesso em ajustar-se às forças que tendem a perturbá-lo. Não se trata de uma aceitação passiva, dessas, por parte do organismo, mas de sua resposta ativa, para o seu reajustamento. A Organização Mundial da Saúde define como saúde: o estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não apenas a ausência de doença. É evidente a falta da precisão, em especial no que se refere ao significado da expressão completo bem-estar. Este pode variar de acordo, com o indivíduo, tempo e espaço. Do ponto de vista médico, o que é bom para um não é

8 22 obrigatoriamente para outro, e nem a presença de bem-estar significa a ausência de doença (FORATTINI, 1992). A doença por sua vez, pode ser definida como um desajustamento ou falha nos mecanismos de adaptação do organismo, ou ainda, como a ausência de reação aos estímulos que ele está exposto. O processo conduz a uma perturbação da estrutura ou da função de um órgão, de um sistema ou de todo o organismo, interferindo em suas funções vitais. Pode significar ainda o conjunto combinado de sintomas, manifestação associada à determinada desordem estrutural e/ou funcional, ou então caracterizar fenômeno decorrente da ação de um ou mais agentes específicos. Sob o ponto de vista etiológico, as doenças podem ser classificadas em: infecciosas e não infecciosas. Segundo a Organização Mundial da Saúde (1973), doença infecciosa do homem ou dos animais, é aquela resultante de uma infecção. Entende-se por infecção a penetração, desenvolvimento, multiplicação ou replicação de um agente infeccioso, incluindo-se os helmintos; no organismo do homem ou de animais. Estas podem ser aguda, subaguda e crônica. As crônicas são aquelas que se desenvolvem em longo prazo; e as subagudas e agudas são de curta duração. Deve-se levar em consideração ainda, as doenças nutricionais e metabólicas, as parasitárias de forma geral, as tóxicas e ainda aquelas hereditárias, e outras que se devem a malformações, desenvolvidas durante os períodos embrionário e fetal, mas não herdáveis, sendo denominadas de doenças congênitas. Com os avanços alcançados em biologia, microbiologia, entre outras áreas do conhecimento, estabeleceu-se o conceito ecológico de doença. Do ponto de vista ecológico, denomina-se biocenose a coabitação e interferência dos seres vivos em determinada área física, incluindo os microrganismos que determinam o ecossistema, com a inclusão de fatores em interação e associações ambientais, como o solo, água, clima e a presença do homem, considerando-se, portanto, o conjunto constituído pela comunidade e o ambiente onde se vive (FORATTINI,

9 ). O equilíbrio que vem a se estabelecer entre as diversas espécies animais e/ou vegetais em uma determinada região, caracteriza o fenômeno ecológico denominado clímax, que nada mais é do que a etapa do processo de sucessão ecológica, representadas pelo equilíbrio e estabilidade atingidas pela comunidade. Um desequilíbrio ou conseqüência deste provocam um jogo de influências mútuas entre diversas variáveis ecológicas, que poderão resultar no estabelecimento do estado de doença. É importante, entretanto, considerar que a doença não é determinada única e exclusivamente pela presença de um agente infeccioso, mas sim pela interação entre o agente, hospedeiro e meio ambiente, que pode ser representada graficamente por um triângulo eqüilátero, onde a ocorrência de qualquer modificação em um lado, necessariamente implicará na modificação dos demais. Nenhum dos fatores poderá atuar de maneira isolada, ocorrendo, portanto, uma interação constante e dinâmica entre eles (MARTINS, 1975). Agente fatores variáveis Hospedeiro fatores variáveis EQUILÍBRIO SAÚDE Variação do Equilíbrio Físico Biológico Econômico Social Ambiente Variação do Equilíbrio Fonte: Dias (1984) Os agentes causais podem ser biológicos, químicos e físicos. Os hospedeiros apresentam variáveis que se relacionam com o estado fisiológico, nutricional, defesas orgânicas, espécie, idade, sexo e raça. O meio ambiente apresenta fatores que influenciam e estão relacionados com o clima, água, solo, topografia, presença de insetos, densidade populacional e manejo. Estes três elementos fundamentais que constituem o processo epidêmico, bem como suas variáveis, se relacionam com qualquer tipo de doença, quando se

10 24 estuda este fenômeno em populações. É importante considerá-los em conjunto, para se estabelecer os níveis em que deverão ser adotadas as medidas objetivando-se o controle e erradicação de determinada doença que esteja ocorrendo em dada população animal. CARACTERÍSTICAS DO AGENTE Descreve-se a seguir as principais características dos agentes biológicos, e em particular os de caráter infecto-contagiosos. Os conhecimentos das características são fundamentais, para se compreender suas inter-relações com o desenvolvimento da infecção, pois são elas que contribuem para que o agente infeccioso possa persistir em determinado sistema ecológico. a) Infecciosidade: é a característica do agente de penetrar, alojar e multiplicar-se no organismo do hospedeiro, ou seja, a sua capacidade de causar infecção. Esta característica é fundamental, na previsão da propagação de dada doença. São considerados de alta infecciosidade o vírus da febre aftosa para os animais, e o vírus da raiva para os animais e o homem. Considera-se de baixa infecciosidade o vírus da febre aftosa para o homem. b) Patogenicidade: é a capacidade do agente, em produzir lesões específicas no organismo hospedeiro. Agentes dotados de alta patogenicidade determinam incidência maior da doença na população. Ela é traduzida, portanto, pela frequência de casos clínicos no rebanho. São considerados de alta patogenicidade os agentes da raiva, aftosa, anemia infecciosa eqüina, e manqueira; e de baixa patogenicidade os da brucelose e tricomonose nos machos. c) Virulência: caracteriza-se pela capacidade do agente de produzir lesões de maior ou menor gravidade, determinando o grau de severidade da infecção. Ela se traduz pela intensidade da ação do agente no hospedeiro. São de alta

11 25 virulência os agentes da raiva, tétano, entre outros; e de baixa virulência, o agente da brucelose. d) Variabilidade: é a capacidade de mudanças de características genéticas do agente, originando mutantes, como ocorre com o vírus da febre aftosa. e) Antigenicidade: conhecida também como imunogenicidade. É a capacidade do agente etiológico em induzir no hospedeiro a formação de anticorpos, produzindo desta maneira imunidade, ou seja, resposta imunológica. São considerados de alta antigenicidade o vírus do sarampo, varíola e cinomose e de baixa antigenicidade os agentes da febre aftosa e salmonelose. f) Resistência: é a característica que o agente apresenta em resistir ao meio ambiente em condições naturais, e aos produtos químicos como os antisépticos e desinfetantes, por determinados períodos de tempo, na ausência de parasitismo. São altamente resistentes no ambiente as bactérias dos gêneros Clostridium spp e Bacillus spp, que causam doenças conhecidas como de origem telúrica. CARACTERÍSTICAS DO HOSPEDEIRO Em um sentido amplo, o hospedeiro pode ser considerado como todo e qualquer ser vivo que albergue um agente em seu organismo, ou ainda o organismo que propicia alimento ou abrigo a organismo de outra espécie. São conhecidos três tipos de hospedeiros: Hospedeiro definitivo: é aquele onde o parasito atinge a maturidade, reproduzindo-se sexuadamente. Hospedeiro intermediário: é o hospedeiro, no qual o parasito desenvolve suas formas imaturas ou, para alguns, se reproduz assexuadamente. Os fatores relativos ao hospedeiro, dentro do sistema ecológico, se relacionam às suas características, como a espécie, raça, sexo, estado fisiológico,

12 26 entre outros, e aquelas que dependem do agente e do meio ambiente, como a densidade populacional, manejo e susceptibilidade. a) Espécie: a susceptibilidade de uma espécie animal a um determinado agente etiológico, de maneira geral, é determinada por suas próprias características genéticas. Sendo assim, exemplificando: os eqüídeos são os únicos susceptíveis à anemia infecciosa eqüina, as aves à doença de Newcastle, os animais biungulados à febre aftosa e os canídeos, os únicos susceptíveis a cinomose. b) Raça: algumas raças de animais são mais susceptíveis que outras, frente a um mesmo agente etiológico, isto também se deve às características genéticas da própria raça. Como exemplo, podemos citar as raças zebuínas que se mostram mais resistentes à piroplasmose (tristeza parasitária), em relação a outras, principalmente as raças leiteiras. c) Sexo: observa-se que ocorre um distinto comportamento de ambos os sexos para um mesmo agente etiológico, isto se deve às características anatômicas, o que permitirá ou não o desenvolvimento de uma infecção. A brucelose afeta mais comumente as fêmeas do que os machos. d) Idade: existem doenças que incidem mais em animais jovens, enquanto outras em adultos. Para a maioria das doenças infecto-contagiosas, a susceptibilidade do hospedeiro está em função da idade. A salmonelose, em bovinos, ocorre geralmente entre o 3 o e 12 o mês de vida do animal, podendo ocorrer também, entretanto, com menor frequência, na primeira semana de vida. As diarréias por rotavírus são mais freqüentes em animais neonatos, ou seja, recémnascidos, bem como nas primeiras semanas de vida. A brucelose é uma doença de animais púberes (sexualmente maduros), sendo autolimitante em animais jovens, e a manqueira, conhecida também como carbúnculo

13 27 sintomático, em bovinos, acomete mais freqüentemente animais jovens, até os dois anos de idade. e) Estado fisiológico: pode influenciar na susceptibilidade dos animais. As deficiências nutricionais, fadiga, estresse e gestação, podem diminuir a resistência dos animais, tornando-os mais predispostos às enfermidades. f) Densidade populacional ou lotação: está intimamente relacionada ao manejo. A densidade dos animais em uma determinada área constitui um dos fatores principais para o desenvolvimento e propagação das doenças. A superlotação com excesso de animais/área determinam em grande parte maior risco de contaminação entre os animais, pelas maiores chances de contato efetivo entre os hospedeiros. g) Resistência dos animais: define-se como o conjunto de defesa específica e inespecíficas que o animal possui. A resistência natural ou inespecíficas é aquela em que o organismo independe do estímulo específico, e que, portanto, existe previamente ao contato com o agente. Essa ocorre por características anatômicas e fisiológicas do animal. Não depende de reações teciduais ou de anticorpos. Por exemplo, a galinha é refratária ao carbúnculo, e os urubus ao botulismo. A resistência específica designa a resistência do organismo contra determinado agente específico. Ela pode ser passiva quando resultante da transferência de anticorpos produzidos em outro organismo, ou ativa quando for elaborada pelo próprio organismo. Estes dois casos referem-se à imunidade que pode ser ativa e passiva. É denominada imunidade passiva quando o organismo hospedeiro recebe os anticorpos já elaborados passivamente. Pode ser natural (congênita) como no caso do colostro, transuterino e gema de ovos, nas aves; e artificial (soroterapia) para os anti-soros específicos, como soro antiofídico e antitetânico.

14 28 A imunidade ativa é aquela que ocorre quando o organismo hospedeiro participa ativamente na formação dos anticorpos. Pode ser natural (pós-infecção), pelo contato com determinado antígeno e desenvolvimento de infecção ou doença havendo a formação de anticorpos específicos, e artificial (vacinação), pela utilização de vacinas, que da mesma forma eliciará imunidade, pela sensibilização do organismo, frente à ação antigênica. CARACTERÍSTICAS DO AMBIENTE O meio ambiente pode favorecer a evolução ou declínio de uma determinada doença na população animal. Consideram-se três fatores ou elementos do meio ambiente, que são, os fatores físicos, biológicos e sócioeconômicos. Tanto o ambiente físico como o biológico, e em particular o sócioeconômico, possuem características críticas para o desenvolvimento epidêmico de algumas doenças. Estes fatores encontram-se em permanente intercâmbio, de forma dinâmica, sendo seus efeitos sobre o agente e/ou sobre o hospedeiro, variáveis a cada instante. Dentre os fatores físicos relevantes, do meio ambiente, e que devem ser considerados, estão: a) Temperatura: nas épocas frias do ano, a incidência de enfermidades do sistema respiratório dos animais é maior; pois a instalação, e propagação das doenças são facilitadas pela baixa temperatura, e pela aglomeração dos animais. Por outro lado, no verão, com temperatura mais alta, observa-se uma ocorrência maior de afecções gastroentéricas, normalmente traduzidas por diarréias. b) Calor e umidade: favorecem a manutenção e propagação de doenças, cujos agentes etiológicos necessitem de tais condições para sua proliferação e sobrevivência. A incidência de helmintos é maior nos animais criados em terrenos alagadiços, com umidade excessiva. A ocorrência de doenças

15 29 veiculadas por vetores, como a anaplasmose e babesiose, transmitidas pelos carrapatos é maior nas épocas quentes do ano, como na primavera e verão, em função das condições favoráveis ao desenvolvimento dos carrapatos. c) Topografia: a topografia do solo poderá predispor ao acúmulo de água estagnada tornando-o úmido, mantendo o local adequado, para o desenvolvimento de ovos e larvas de helmintos, ou de outros agentes causadores de doenças. d) Composição do solo: os solos deficientes em elementos minerais podem influenciar a qualidade das gramíneas ou leguminosas cultivadas nestes locais, tornando-as deficientes em seus elementos minerais, podendo causar nos animais as chamadas doenças carenciais e metabólicas, como: o raquitismo, osteomalácia, marasmo enzoótico, entre outras. Com relação aos fatores biológicos destacam-se: a) Artrópodes: encontrando condições adequadas para a sua multiplicação e desenvolvimento no meio ambiente, serão maiores as possibilidades de transmissão de doenças aos animais, como a babesiose, anaplasmose, e encefalites. b) Roedores: a existência de ambientes propícios e não higiênicos, com abrigo e alimentos à disposição, favorecem a proliferação de ratos, aumentando as possibilidades de transmissão de doenças veiculadas por estes animais, tais como: a leptospirose e salmonelose. c) Reservatórios: quanto maior o número de reservatórios no meio ambiente, maior a probabilidade de propagação de determinadas doenças, como é o caso da raiva rural, raiva urbana, doença de Aujeszky, sendo os principais reservatórios para estas doenças, o morcego, cão e suíno, respectivamente.

16 30 d) Animais susceptíveis: existindo um maior número de hospedeiros susceptíveis no local, serão maiores as chances de propagação de doenças. e) Hospedeiros intermediários: da mesma forma que para os animais susceptíveis, quanto maior o número de hospedeiros intermediários numa região, maior a possibilidade de disseminação de doenças. É o caso da cisticercose nos suínos, e da hidatidose nos ovinos. Os fatores sócio-econômicos do ambiente apresentam grande importância no estudo epidemiológico, pois mesmo usando os métodos disponíveis mais sofisticados, de prevenção de doenças, se as pessoas envolvidas, por exemplo, em determinado programa de controle, não os entendem, os métodos ou técnicas utilizadas estarão prejudicados. Portanto, no controle e prevenção de doenças, a educação sanitária, é um fator importante a ser considerado. O grau de participação da comunidade nas campanhas sanitárias é fator decisivo no êxito das mesmas. Na implantação de um programa de saúde animal, é importante que se considere: - O nível cultural e econômico do criador ou da comunidade. - As condições higiênico-sanitárias da propriedade. - O tamanho e distribuição das propriedades. - O manejo e tipo de sistema de produção. - O nível de tecnificação agropecuária. COMPONENTES DA CADEIA EPIDEMIOLÓGICA Fontes de infecção: Pode-se considerar como fonte de infecção os animais vertebrados nos quais o agente etiológico se aloja, sobrevive e se multiplica, sendo posteriormente, eliminado para o meio ambiente, transmitindo-o para outro

17 31 hospedeiro. Existem dois elementos fundamentais, que funcionam como fontes de infecção: os animais doentes e portadores. 1. Doentes: são os animais que apresentam sintomas de alguma doença, atribuídos aos efeitos do agente etiológico que albergam em seu organismo. Podem ser, doentes típicos, aqueles que apresentam os sintomas característicos da doença, conhecido ainda por sintoma patognomônico, sendo assim, facilmente reconhecidos. Os doentes atípicos são os animais que apresentam sintomatologia diferente daquela que realmente caracteriza a doença, dificultam o diagnóstico, podendo postergar a adoção de medidas de controle. 2. Animais portadores: são os animais que não apresentam sintomas da doença, mas albergam, e eliminam o agente etiológico no ambiente. São conhecidos: o portador sadio, que são os animais de maior importância epidemiológica, pois além de serem de difícil diagnóstico, circulam livremente pelo rebanho; o portador em incubação, que não apresentam sintomas, mas já eliminam o agente etiológico no ambiente. Estes apresentarão os sintomas após o final do período de incubação, o que caracteriza o período de estado da doença. O tempo de incubação será maior ou menor, dependendo da doença. Na raiva, por exemplo, o cão, pode eliminar o vírus pela saliva de 5 a 13 dias antes do aparecimento dos sintomas (NILSSON, 1969, 1970, FEDAKU et al., 1982). Os portadores convalescentes são animais que já apresentaram sintomas, com cura clínica, entretanto, podem ainda eliminar o agente etiológico. Isto ocorre, por exemplo, na leptospirose e salmonelose. Vias de eliminação: é o conjunto de vias no animal, pelas quais, o agente etiológico é eliminado para o meio ambiente. Este pode ser eliminado por diferentes vias, entretanto, de acordo com a doença, uma delas poderá ser a mais importante. Um agente que produza lesões entéricas terá geralmente, as fezes como a via mais importante de eliminação do agente. Em caso de doença, que produza lesões no sistema respiratório, as excreções oro-nasais, serão as

18 32 principais vias de eliminação. Este fenômeno de especificidade de eliminação é de grande importância no estudo epidemiológico, na medida em que fornece indicação, dos mecanismos de transmissão da doença. A seguir, exemplo de algumas doenças com as principais vias de eliminação de seus agentes. Na tuberculose, garrotilho, raiva e febre aftosa são as secreções oro-nasais; na brucelose, as descargas vaginais e placenta; na leptospirose, principalmente a urina; nas micoses, sarnas e ectima contagioso, as descamações cutâneas; nas verminoses, coccidiose, salmonelose e colibacilose, as fezes; nas mastites, o leite; na anemia infecciosa eqüina e leucose, o sangue. Vias de transmissão: são os mecanismos pelos quais a doença chega da fonte de infecção ao susceptível. Esta pode ocorrer sob forma vertical, de geração a geração, sendo considerada ainda como congênita, e sob a forma horizontal, que ocorre de animal a animal, pelo contato direto ou indireto por meio de insetos, fômites, entre outros. Pode-se dizer ainda que a transmissão ocorre pelo contágio, transmissão aerógena, pelo solo, água, alimentos, vetores, fômites, e por veículos animados. Diz-se que a transmissão é direta quando ocorre o contato entre a fonte de infecção e o animal susceptível, sem a interferência de veículos. Esta pode ser direta imediata, quando há o contato físico entre a fonte de infecção, e o animal. É o caso da mordedura, ou o ato de lamber, na raiva, e a cópula, na tricomonose e brucelose. Pode ser ainda direta mediata, quando não há o contato físico, entre a fonte de infecção e o animal, e como exemplo, estão as doenças respiratórias, transmitidas pelos aerossóis. É considerada indireta quando a transferência do agente se dá por meio de veículos, ocorrendo intervalos maiores, entre a eliminação, e penetração do agente. A água é o principal veículo de transmissão de agentes infecciosos causadores de doenças entéricas. Os alimentos e a água, quando contaminados, constituem-se em importantes veículos de transmissão de doenças. O solo pode veicular agente infeccioso como no caso do tétano, botulismo e verminoses. É indireta ainda quando há a participação de vetores e fômites.

19 33 Portas de entrada: são consideradas como as vias, pelas quais o agente infeccioso, consegue penetrar no organismo animal. As principais portas de entrada, são: a via respiratória, digestiva, conjuntival, galactófora, onfaloflébica, cutânea e genito-urinária. BIBLIOGRAFIA BIER, O., MOTA, I., DA SILVA, W.D., VAZ, N.M. Imunologia básica e aplicada. 3 a. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p. CAMPBELL, J.M., SCAPING, J.G., ROBERTS, R.S. The concept of disease. Brit. med. J., v.2, p , CORREA, W.M., CORREA, C.N.M. Enfermidades infecciosas dos mamíferos domésticos. 2. ed. Rio de Janeiro: MEDSI, p. CÔRTÊS, J.A. Epidemiologia: Conceitos e princípios fundamentais. São Paulo: Varela, p. DIAS, J.C.A. Epidemiologia geral. In: GUERREIRO, M.G. et al. Bacteriologia especial: com interesse em saúde animal e saúde pública. Porto Alegre: Sulina, cap. 7, p , p. FORATTINI, O.P. Epidemiologia geral. São Paulo: Artes Médicas, 1980, 259p. FORATTINI, O.P. Ecologia, epidemiologia e sociedade. São Paulo: Artes Médicas, Editora da Universidade de São Paulo-EDUSP, p. HALLIWELL, R.E.W., GORMAN, N.T. Veterinary clinical immunology.1 a Philadelphia. W. B. Saunders Company, p. ed.

20 34 LESER, W., BARBOSA, V., BARUZZI, R., RIBEIRO M., FRANCO, L. Elementos de epidemiologia geral. Rio de Janeiro: Atheneu, Cap. 7, p , p. MARTINS, F.A. Aspectos epidemiológicos do combate à febre aftosa. Ministério da Agricultura, 1975, 68p. ROUQUAYROL, M. Z. Epidemiologia e saúde. 3 a ed., Rio de Janeiro: MEDSI, p. SCHWABE, C.W. Veterinary medicine and human health. Baltimore: William & Wilkins C., 1969.

MEDIDAS GERAIS DE PROFILAXIA

MEDIDAS GERAIS DE PROFILAXIA 35 Disciplina: HIGIENE ZOOTÉCNICA Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública FMVZ-UNESP-Botucatu e-mail: domingues@fmvz.unesp.br MEDIDAS GERAIS DE PROFILAXIA São

Leia mais

Estrutura epidemiológica dos problemas de saúde: o agente, o hospedeiro e o ambiente

Estrutura epidemiológica dos problemas de saúde: o agente, o hospedeiro e o ambiente Estrutura epidemiológica dos problemas de saúde: o agente, o hospedeiro e o ambiente IESC/UFRJ Mestrado em Saúde Coletiva Especialização em Saúde Coletiva Modalidade Residência Professores: Pauline Lorena

Leia mais

PREFEITURA DE MAFRA ESTADO DE SANTA CATARINA EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO N. 001/2013

PREFEITURA DE MAFRA ESTADO DE SANTA CATARINA EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO N. 001/2013 PREFEITURA DE MAFRA ESTADO DE SANTA CATARINA EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO N. 001/2013 PROVA: CONHECIMENTOS GERAIS E ESPECÍFICOS FORMAÇÃO EM NÍVEL DE ENSINO FUNDAMENTAL CARGO AGENTE DE COMBATE A

Leia mais

HIGIENE ZOOTÉCNICA. Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública FMVZ UNESP - Botucatu 1.

HIGIENE ZOOTÉCNICA. Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública FMVZ UNESP - Botucatu 1. HIGIENE ZOOTÉCNICA Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública FMVZ UNESP - Botucatu 1 Tortuga A HIGIENE NO PROCESSO DE PRODUÇÃO ANIMAL Genética Alimentação Produção

Leia mais

Para entender bem a doença é preciso entender suas fontes de infecção e suas principais vias de transmissão.

Para entender bem a doença é preciso entender suas fontes de infecção e suas principais vias de transmissão. DIAGNÓSTICO SANITÁRIO DO REBANHO: MAIS VANTAGENS COM A MESMA AMOSTRA. A Associação Paranaense de Criadores de Bovinos da Raça Holandesa (APCBRH) apresenta a todos os associados, produtores e indústrias

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC COORDENAÇÃO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO - CAV ESTUDO EDUCATIVO EPIDEMIOLÓGICO DA DOENÇA DE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC COORDENAÇÃO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO - CAV ESTUDO EDUCATIVO EPIDEMIOLÓGICO DA DOENÇA DE UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS AGROVETERINÁRIAS - CAV COORDENAÇÃO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO - CAV ESTUDO EDUCATIVO EPIDEMIOLÓGICO DA DOENÇA DE AUJESZKY EM SANTA CATARINA

Leia mais

Multicausalidade das doenças Conceitos básicos

Multicausalidade das doenças Conceitos básicos Biologia 1ª série Multicausalidade das doenças Conceitos básicos Profª Reisila Mendes Saúde é o estado de completo bem-estar físico, mental e social e não apenas a ausência de doença. Homeostase Equilíbrio

Leia mais

Como controlar a mastite por Prototheca spp.?

Como controlar a mastite por Prototheca spp.? novembro 2013 QUALIDADE DO LEITE marcos veiga dos santos Professor Associado Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP www.marcosveiga.net O diagnóstico da mastite causada por Prototheca spp.

Leia mais

Ecologia da Febre Maculosa

Ecologia da Febre Maculosa Ecologia da Febre Maculosa Depois dos mosquitos, carrapatos hematófagos estão em segundo lugar como fonte de trasmissão de patógenos aos seres humanos, mas estão em primeiro lugar como fonte de transmissão

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINA UNIDADE PRÉ-REQUISITO CH SEMANAL CH SEMESTRAL TEO PRA TEO PRA 1. Administração Rural EA Economia Rural 2 1 32 16 48

Leia mais

A brucelose, também conhecida como febre ondulante, febre do Mediterrâneo

A brucelose, também conhecida como febre ondulante, febre do Mediterrâneo O que é? A brucelose, também conhecida como febre ondulante, febre do Mediterrâneo ou febre de Malta, é uma zoonose causada por microrganismos do gênero Brucella sendo que a infecção é quase sempre transmitida

Leia mais

Comunicado Técnico 15

Comunicado Técnico 15 Comunicado Técnico 15 ISSN 2177-854X Agosto. 2011 Uberaba - MG Cuidados sanitários para a estação de monta Responsáveis: Dra. Raquel Abdallah da Rocha Oliveira E-mail: rrabdallah@hotmail.com Pós-doutora

Leia mais

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária INDICAÇÕES BIOEASY Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária 1- ANIGEN RAPID CPV AG TEST BIOEASY PARVOVIROSE Vendas de Filhotes:

Leia mais

Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus.

Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus. SAÚDE AMBIENTAL DOENÇAS CAUSADAS PELA FALTA DE SANEAMENTO BÁSICO HEPATITE A Doença causada por vírus. Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus. Falta de higiene,

Leia mais

[PARVOVIROSE CANINA]

[PARVOVIROSE CANINA] [PARVOVIROSE CANINA] 2 Parvovirose Canina A Parvovirose é uma doença infecto-contagiosa causada por um vírus da família Parvoviridae. Acomete mais comumente animais jovens, geralmente com menos de 1 ano

Leia mais

USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei :

USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei : USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei : Nos últimos anos, a ocorrência de bactérias resistentes aos principais compostos antibióticos tem aumentado, havendo inclusive

Leia mais

CARTILHA CUIDE DO SEU REBANHO. Contra a BRUCELOSE ou TUBERCULOSE. Campanha regional. Promoção

CARTILHA CUIDE DO SEU REBANHO. Contra a BRUCELOSE ou TUBERCULOSE. Campanha regional. Promoção CARTILHA CUIDE DO SEU REBANHO Contra a BRUCELOSE ou TUBERCULOSE Campanha regional Promoção INTRODUÇÃO A Tuberculose que é causada pelo Mycobacteium bovis e a Brucelose causada pela brucella abortus, atacam

Leia mais

Disciplina: Doenças Infecciosas Curso: Medicina Veterinária Professor: M. A. Moura Data: 19/08/2009 Conceitos Gerais

Disciplina: Doenças Infecciosas Curso: Medicina Veterinária Professor: M. A. Moura Data: 19/08/2009 Conceitos Gerais Disciplina: Doenças Infecciosas Curso: Medicina Veterinária Professor: M. A. Moura Data: 19/08/2009 Conceitos Gerais PATOLOGIA Estudo científico da doença pathos = sofrimento logos = ciência Etiologia,

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 3 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

CONTROLE SANITÁRIO DE ENDO E ECTOPARASITAS

CONTROLE SANITÁRIO DE ENDO E ECTOPARASITAS CONTROLE SANITÁRIO DE ENDO E ECTOPARASITAS Henrique Coelho Médico Veterinário MOSCA DOS CHIFRES CICLO DA Cocchliomyia hominivorax - Só realiza postura nas bordas de ferimento de animais de sangue quente

Leia mais

Conceitos Básicos de Higiene e Saúde Animal

Conceitos Básicos de Higiene e Saúde Animal Instituto Politécnico de Viana do Castelo Escola Superior Agrária de Ponte Lima Concurso Especial de Acesso Maiores de 23 Anos Seminário 23 de Maio de 2008. Conceitos Básicos de Higiene e Saúde Animal

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA INFECÇÃO As infecções são doenças que envolvem bactérias, fungos, vírus ou protozoários e sua proliferação pode ser vista quando o paciente tem os sintomas,

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA MERCOSUL. (REVOGAÇÃO DAS RESOLUÇÕES GMC Nº 53/99 e 06/00)

GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA MERCOSUL. (REVOGAÇÃO DAS RESOLUÇÕES GMC Nº 53/99 e 06/00) MERCOSUL/GMC/RES. Nº 33/05 GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA MERCOSUL (REVOGAÇÃO DAS RESOLUÇÕES GMC Nº 53/99 e 06/00) TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [VERMINOSES]

www.drapriscilaalves.com.br [VERMINOSES] [VERMINOSES] 2 Os cães e gatos podem albergar uma grande variedade de vermes (helmintos) que causam danos como perda de peso, crescimento tardio, predisposição a outras doenças, menor absorção e digestão

Leia mais

CADEIA EPIDEMIOLÓGICA

CADEIA EPIDEMIOLÓGICA 1 CADEIA EPIDEMIOLÓGICA A enfermidade é conseqüência de uma complexa rede de relações entre os diversos componentes do agente, do hospedeiro suscetível e do ambiente em que se encontram. Para que ocorra

Leia mais

1º Seminário de Pecuária Integrada: Rumo às Boas Práticas Agropecuárias

1º Seminário de Pecuária Integrada: Rumo às Boas Práticas Agropecuárias 1º Seminário de Pecuária Integrada: Rumo às Boas Práticas Agropecuárias Dr. Luciano Bastos Lopes Pesquisador Embrapa Agrossilvipastoril Epidemiologia e Doenças Infecciosas Controle Sanitário em Bovinos

Leia mais

FLUXOGRAMA DO CURSO DE BACHARELADO EM MEDICINA VETERINÁRIA 2011.2

FLUXOGRAMA DO CURSO DE BACHARELADO EM MEDICINA VETERINÁRIA 2011.2 FLUXOGRAMA DO CURSO DE BACHARELADO EM MEDICINA VETERINÁRIA 2011.2 1 SEMESTRE DISCIPLINA TEORICA PRÁTICA C/H CR 1. Ecologia e Manejo Ambiental 60-60 04 2. Informática Básica 30-30 02 3. Sociologia Rural

Leia mais

EXIGÊNCIAS SANITÁRIAS PARA O INGRESSO DE ANIMAIS EM EVENTOS PECUÁRIOS NO ESTADO DA BAHIA ATUALIZADO EM 15/07/2014

EXIGÊNCIAS SANITÁRIAS PARA O INGRESSO DE ANIMAIS EM EVENTOS PECUÁRIOS NO ESTADO DA BAHIA ATUALIZADO EM 15/07/2014 EXIGÊNCIAS SANITÁRIAS PARA O INGRESSO DE ANIMAIS EM EVENTOS PECUÁRIOS NO ESTADO DA BAHIA ATUALIZADO EM 15/07/2014 De acordo com a portaria do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento n.º 162/94,

Leia mais

O MANEJO SANITÁRIO E SUA IMPORTÂNCIA NO NOVO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO DA PRODUÇÃO DE PECUÁRIA DE CORTE

O MANEJO SANITÁRIO E SUA IMPORTÂNCIA NO NOVO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO DA PRODUÇÃO DE PECUÁRIA DE CORTE O MANEJO SANITÁRIO E SUA IMPORTÂNCIA NO NOVO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO DA PRODUÇÃO DE PECUÁRIA DE CORTE Guilherme Augusto Vieira, MV, MSc gavet@uol.com.br 1 Danilo Gusmão de Quadros, Eng.Agro,DSc - uneb_neppa@yahoo.com.br

Leia mais

Doença de Chagas. 4) Número de Aulas: as atividades serão desenvolvidas em três etapas, divididas em aulas a critério do professor.

Doença de Chagas. 4) Número de Aulas: as atividades serão desenvolvidas em três etapas, divididas em aulas a critério do professor. Doença de Chagas Introdução Em 1909 o pesquisador do Instituto Osvaldo Cruz, Carlos Chagas, descobriu uma doença infecciosa no interior de Minas Gerais. Segundo seus estudos, era causada pelo protozoário

Leia mais

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana IV CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE DO LEITE Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana Perigo (hazard): agente biológico, químico ou físico, ou propriedade do alimento

Leia mais

Área de concentração: CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS

Área de concentração: CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS Área de concentração: CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS 1. Terapêutica Clínica Geral: a. Equilíbrio ácido-básico e hidro-eletrolítico. b. Fluidoterapia. c. Terapêutica hematológica (transfusões). d. Utilização

Leia mais

PATOGENIA DAS INFECÇÕES VIRAIS

PATOGENIA DAS INFECÇÕES VIRAIS PATOGENIA DAS INFECÇÕES VIRAIS Profª Maria Luzia da Rosa e Silva Viroses em humanos Patogenicidade: capacidade de infectar o hospedeiro e causar doença infecção viral (1) injúria nos órgãos (2) manifestações

Leia mais

Boletim Epidemiológico UHE Santo Antônio do Jari

Boletim Epidemiológico UHE Santo Antônio do Jari Editorial Índice - Editorial - Doença Leishmaniose - Gráfico de Notificações - Doença Malária Este é o segundo número do ano de, com veiculação semestral, referente aos meses de janeiro a junho, contendo

Leia mais

Vanguard HTLP 5/CV-L Vacina contra Cinomose, Adenovírus Tipo 2, Coronavírus, Parainfluenza, Parvovirose e Leptospirose Canina

Vanguard HTLP 5/CV-L Vacina contra Cinomose, Adenovírus Tipo 2, Coronavírus, Parainfluenza, Parvovirose e Leptospirose Canina Uso Veterinário Usar exclusivamente em cães Indicações: É indicado para vacinação de cães de 6 semanas de idade ou mais velhos como prevenção da cinomose canina, da hepatite infecciosa canina (causada

Leia mais

Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais

Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais Prof. Cláudio Galuppo Diniz Prof. Cláudio 1 Qualquer tipo de infecção adquirida

Leia mais

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia.

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. a) Estudo de saúde da população humana e o inter relacionamento com a saúde animal; b) Estudo de saúde em grupos de pacientes hospitalizados;

Leia mais

Bacharelado em Medicina Veterinária

Bacharelado em Medicina Veterinária Bacharelado em Medicina Veterinária INFORMAÇÕES Duração do Curso: 05 anos (10 semestres) Horário: Manhã Número de Vagas: 100 anuais Coordenador: Profº Dr. Carlos Tadeu Bandeira de Lavor O CURSO O Curso

Leia mais

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms)

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms) Toxicovigilância Glossário Agente Tóxico (Toxicante): é qualquer substância, ou seus metabólitos, capaz de produzir um efeito tóxico (nocivo, danoso) num organismo vivo, ocasionando desde alterações bioquímicas,

Leia mais

2º CICLO MÓDULO IV OBJETIVOS DO CICLO

2º CICLO MÓDULO IV OBJETIVOS DO CICLO CURSO DE MEDICINA O currículo do Curso de Medicina da UCG será desenvolvido a partir de dois grandes eixos:?eixo teórico-prático integrado Eixo do desenvolvimento pessoal No eixo teórico-prático integrado,

Leia mais

Matéria: Biologia Assunto: qualidade de vida Prof. Enrico Blota

Matéria: Biologia Assunto: qualidade de vida Prof. Enrico Blota Matéria: Biologia Assunto: qualidade de vida Prof. Enrico Blota Biologia Qualidade de vida Imunidade Imunologia é o ramo que estuda as formas de combate a agentes invasores patogênicos, bem como substâncias

Leia mais

INDÚSTRIA DE PRODUTOS HOMEOPÁTICOS ANIMAL LTDA. AV. JINROKU KUBOTA, 482 CEP 87.033-170 MARINGÁ PR. FARMACÊUTICA RESPONSÁVEL: HOMEOPATIA ANIMAL

INDÚSTRIA DE PRODUTOS HOMEOPÁTICOS ANIMAL LTDA. AV. JINROKU KUBOTA, 482 CEP 87.033-170 MARINGÁ PR. FARMACÊUTICA RESPONSÁVEL: HOMEOPATIA ANIMAL INDÚSTRIA DE PRODUTOS HOMEOPÁTICOS ANIMAL LTDA. AV. JINROKU KUBOTA, 482 CEP 87.033-170 MARINGÁ PR. FARMACÊUTICA RESPONSÁVEL: HOMEOPATIA VETERINÁRIA A homeopatia é uma terapia cada vez mais aceita e difundida

Leia mais

Profª. Valéria de Sá Jayme Disciplina: Cuidados básicos com cães e gatos GOIÂNIA 2012

Profª. Valéria de Sá Jayme Disciplina: Cuidados básicos com cães e gatos GOIÂNIA 2012 CUIDADOS BÁSICOS COM CÃES E GATOS Profª. Valéria de Sá Jayme Disciplina: Cuidados básicos com cães e gatos GOIÂNIA 2012 INTRODUÇÃO Relação animais seres humanos positiva ou negativa Formas de convivência:

Leia mais

Bactérias e Doenças Associadas

Bactérias e Doenças Associadas Bactérias e Doenças Associadas Disenteria Bacilar Agente Etiológico: Bactérias do gênero Shigella Forma de transmissão: Água e alimentos contaminados com as fezes dos doentes. Sintomas: Infecção intestinal,

Leia mais

ANEMIA INFECCIOSA EQUINA

ANEMIA INFECCIOSA EQUINA ANEMIA INFECCIOSA EQUINA SOUZA, Anderson Oliveira SALVATTI, José Reinaldo Jr. Acadêmico da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça FAMED/ ACEG PICCININ, Adriana Docente da Faculdade de Medicina

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/pecuaria/aftosa.htm

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/pecuaria/aftosa.htm Página 1 de 5 Pecuária Febre Aftosa Nome Febre Aftosa Produto Informação Tecnológica Data Novembro - 2000 Preço - Linha Pecuária Resenha Informações sobre a doença Fernando Cruz Laender Med Vet Autor(es)

Leia mais

Problematização. Processo

Problematização. Processo Determinantes socioambientais em saúde bucal e estratégias de Promoção da Saúde 1 Problematização Serviços de saúde [e sua expressão humana, ou seja, os profissionais de saúde] não são potentes o suficiente

Leia mais

VÍRUS. Fonte: http://rounielo.blogspot.com.br/2011/05/parte-30-foto-em-3-d-do-virus-da-aids.html

VÍRUS. Fonte: http://rounielo.blogspot.com.br/2011/05/parte-30-foto-em-3-d-do-virus-da-aids.html VÍRUS Fonte: http://rounielo.blogspot.com.br/2011/05/parte-30-foto-em-3-d-do-virus-da-aids.html RESUMO -Os vírus não pertencem a nenhum reino específico, são estudados como um caso à parte. -Os vírus são

Leia mais

HIGIENE E PROFILAXIA ANIMAL

HIGIENE E PROFILAXIA ANIMAL Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Veterinária/ Curso de Zootecnia Dept de Veterinária Preventiva INTRODUÇÃO A DISCIPLINA DE HIGIENE E PROFILAXIA ANIMAL Prof. Fernando Bandeira Março de 2016

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 042 de 07/04/2009

RESOLUÇÃO Nº 042 de 07/04/2009 RESOLUÇÃO Nº 042 de 07/04/2009 O SECRETÁRIO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe conferem o art. 45, XIV, da Lei nº 8.485 de 03 de junho de 1.987; art.

Leia mais

MEDICINA VETERINÁRIA

MEDICINA VETERINÁRIA MEDICINA VETERINÁRIA 1. TURNO: Integral GRAU ACADÊMICO: Médico Veterinário PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos Máximo = 8 anos 2. PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Para a boa formação

Leia mais

Imunidade aos microorganismos

Imunidade aos microorganismos Imunidade aos microorganismos Características da resposta do sistema imune a diferentes microorganismos e mecanismos de escape Eventos durante a infecção: entrada do MO, invasão e colonização dos tecidos

Leia mais

UFPI - CT - DRHGA SANEAMENTO SANEAMENTO SAÚDE PÚBLICA SANEAMENTO SAÚDE PÚBLICA. Definição

UFPI - CT - DRHGA SANEAMENTO SANEAMENTO SAÚDE PÚBLICA SANEAMENTO SAÚDE PÚBLICA. Definição UFPI CT DRHGA DISCIPLINA: Saneamento II Carga horária: horas 6 créditos Horário: Seguas, quartas e sextas 6: 8: horas Local: Sala 55 Professores: Carlos Ernao da Silva email: carlosernao@gmail.com 88 Página:

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico Secretaria Municipal de Saúde de Janaúba - MG Edição Julho/ 2015 Volume 04 Sistema Único de Saúde TUBERCULOSE VIGILÂNCIA Notifica-se, apenas o caso confirmado de tuberculose (critério clinico-epidemiológico

Leia mais

ELEMENTOS DE MICROBIOLOGIA Perigos Microbiológicos

ELEMENTOS DE MICROBIOLOGIA Perigos Microbiológicos ELEMENTOS DE MICROBIOLOGIA Perigos Microbiológicos Rosa Helena Luchese, PhD Departamento de Tecnologia de Alimentos Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro E-mail: rhluche@ufrrj.br CONTAMINANTES DOS

Leia mais

Boletim eletrônico. Anemia Infecciosa Equina. Ano1-Nº2 30 de Dezembro de 2010. IDAF/DDSIA/SEAR (Dados de janeiro a outubro de 2010) INTRODUÇÃO

Boletim eletrônico. Anemia Infecciosa Equina. Ano1-Nº2 30 de Dezembro de 2010. IDAF/DDSIA/SEAR (Dados de janeiro a outubro de 2010) INTRODUÇÃO Boletim eletrônico Epidemiológico Anemia Infecciosa Equina Ano-Nº 3 de Dezembro de. IDAF/DDSIA/SEAR (Dados de janeiro a outubro de ) EDITORIAL O boletim epidemiológico eletrônico é uma iniciativa do Departamento

Leia mais

6) (ANÁPOLIS) Dois seres vivos pertencentes à mesma ordem são necessariamente:

6) (ANÁPOLIS) Dois seres vivos pertencentes à mesma ordem são necessariamente: Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Mário Neto Série: 1 Ano Disciplina: Biologia 1) Com que finalidade se classificam os seres vivos? 2) Considere os seguintes

Leia mais

Hipotermia em Cabritos e Cordeiros Recém-nascidos

Hipotermia em Cabritos e Cordeiros Recém-nascidos Hipotermia em Cabritos e Cordeiros Recém-nascidos Define-se como hipotermia (hipo: diminuição e termia: temperatura), a redução significativa da temperatura corporal ao nível mais baixo da média normal,

Leia mais

BRUCELOSE E TUBERCULOSE BOVINA E BUBALINA Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal (PNCEBT)

BRUCELOSE E TUBERCULOSE BOVINA E BUBALINA Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal (PNCEBT) BRUCELOSE E TUBERCULOSE BOVINA E BUBALINA Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal (PNCEBT) Prof. Dr. Ernst E. Müller Departamento de Medicina Veterinária Preventiva

Leia mais

LAUDO 012/2013 SAE C.S. SANTA MARTA. SMS LAUDO PERICIAL DE INSALUBRIDADE/ PERICULOSIDADE N 012/2013 1

LAUDO 012/2013 SAE C.S. SANTA MARTA. SMS LAUDO PERICIAL DE INSALUBRIDADE/ PERICULOSIDADE N 012/2013 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE - SMS GERÊNCIA DE SAÚDE DO SERVIDOR MUNICIPAL - GSSM EQUIPE DE PERÍCIA TÉCNICA - EPT LAUDO 012/2013 SAE C.S. SANTA MARTA. SMS LAUDO PERICIAL

Leia mais

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC)

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC) DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC) 1 Quando é que se deve suspeitar de leishmaniose visceral num cão? Sempre que o cão apresentar o conjunto de sintomas da doença, ou seja, emagrecimento,

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA MERCOSUL

GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. Nº 53/99 GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Resoluções Nº 91/93 e 16/96 do Grupo Mercado

Leia mais

RESUMO. Palavras chave: Epidemiologia. Influenza. Biossegurança. Saúde.

RESUMO. Palavras chave: Epidemiologia. Influenza. Biossegurança. Saúde. ENFRENTAMENTO DA CRISE DA GRIPE H1N1 PELA SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE DE CURITIBA EM 2009 1 Elaine Grácia de Quadros Nascimento. Enfermeira CCAA, SMS/Curitiba-PR. e- mail: elainegqn08@yahoo.com.br ;

Leia mais

Pré-imunização e Tratamento de Tristeza Parasitária em Bovinos Leiteiros

Pré-imunização e Tratamento de Tristeza Parasitária em Bovinos Leiteiros Pré-imunização e Tratamento de Tristeza Parasitária em Bovinos Leiteiros Laboratório de Imunovirologia Molecular DBG UFV Prof. Sérgio Oliveira de Paula Tristeza Parasitária Bovina (TPB) Enfermidade hemoparasita

Leia mais

BATERIA DE EXERCÍCIOS Nº 02 7º ANO

BATERIA DE EXERCÍCIOS Nº 02 7º ANO Professor: CRISTINO RÊGO Disciplina: CIÊNCIAS Assunto: BIODIVERSIDADE, CLASSIFICAÇÃO E VÍRUS Belém /PA BATERIA DE EXERCÍCIOS Nº 02 7º ANO 1 - Entre as doenças abaixo, assinale a alternativa que contem

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 003/2014. Prefeitura Municipal de Bom Despacho AGENTE DE CONTROLE DE ENDEMIAS

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 003/2014. Prefeitura Municipal de Bom Despacho AGENTE DE CONTROLE DE ENDEMIAS 1 - Acerca das doenças de interesse em saúde pública, estão corretas as afirmativas, EXCETO: (A) Dengue é transmitida, geralmente, pela picada do mosquito Aedes Aegypti que inocula na pessoa o vírus da

Leia mais

INTRODUÇÃO A EPIDEMIOLOGIA

INTRODUÇÃO A EPIDEMIOLOGIA Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Saúde Coletiva INTRODUÇÃO A EPIDEMIOLOGIA Profª Ma. Andressa Menegaz e Profª Ma. Ana Cássia Lira de Amorim O que é EPIDEMIOLOGIA?

Leia mais

Introdução à Parasitologia

Introdução à Parasitologia Parasitologia Médica CBS06625 Carlos Eugênio Silva Aulas teóricas e práticas* Verificações Nota, conceito e aprovação Referências bibliográficas Representação Discente Todas as informações relativas à

Leia mais

PARTE I As principais zoonoses transmitidas pelo cão e gato

PARTE I As principais zoonoses transmitidas pelo cão e gato PARTE I As principais zoonoses transmitidas pelo cão e gato RAIVA A Raiva foi reconhecida por volta dos anos 2300 A. C. É uma doença muito grave e fatal, causada pelo vírus: Lyssavirus, que afecta todos

Leia mais

Verdades e mentiras sobre a Toxoplasmose

Verdades e mentiras sobre a Toxoplasmose Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Verdades e mentiras sobre a Toxoplasmose Muito se tem falado sobre a Toxoplasmose e seus perigos,

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

DISCIPLINA. Anatomia Descritiva Animais Domésticos I 40 40 80 Citologia 30 10 40

DISCIPLINA. Anatomia Descritiva Animais Domésticos I 40 40 80 Citologia 30 10 40 1º ANO 1º SEMESTRE Anatomia Descritiva Animais Domésticos I Citologia Bioquímica I Conservação dos Recursos Naturais Genética Animal Básica Microbiologia Veterinária I Bioestatística aplicada a Medicina

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

FLÚVIA AMORIM ENFERMEIRA- CERTIFICADA EM EPIDEMIOLOGIA PELA JOHNS HOPKINS BLOOMBERG UNIVERSITY AND SCHOOL PUBLIC HEALTH-EUA MESTRE EM EPIDEMIOLOGIA

FLÚVIA AMORIM ENFERMEIRA- CERTIFICADA EM EPIDEMIOLOGIA PELA JOHNS HOPKINS BLOOMBERG UNIVERSITY AND SCHOOL PUBLIC HEALTH-EUA MESTRE EM EPIDEMIOLOGIA Doenças de Notificação Compulsória FLÚVIA AMORIM ENFERMEIRA- CERTIFICADA EM EPIDEMIOLOGIA PELA JOHNS HOPKINS BLOOMBERG UNIVERSITY AND SCHOOL PUBLIC HEALTH-EUA MESTRE EM EPIDEMIOLOGIA PELA UFG. DIRETORA

Leia mais

Gripe A (H1N1) de origem suína

Gripe A (H1N1) de origem suína Gripe A (H1N1) de origem suína A gripe é caracterizada como uma doença infecciosa com alto potencial de contagio causado pelo vírus Influenza. Este vírus apresenta três tipos, sendo eles o A, B e C. Observam-se

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA INSTITUTO FEDERAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS - Campus Zona Leste

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA INSTITUTO FEDERAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS - Campus Zona Leste INSTITUTO FEDERAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS - Campus Zona Leste CICLO DE FUNDAMENTAÇÃO 1º. Semestre Semestre 442 h/ semanal 26 h EIXO TEMÁTICO Eixo DISCIPLINAS disciplinas Tipo INTRODUÇÃO A ATIVIDADE

Leia mais

1. Programa Sanitário

1. Programa Sanitário Com metodologia baseada nos princípios da Medicina Veterinária Preventiva, este plano de trabalho foi estruturado para a implantação do Monitoramento Sanitário para Tilapicultura. 1. Programa Sanitário

Leia mais

PALESTRA SOBRE SITUAÇÃO ATUAL DA FEBRE MACULOSA BRASILEIRA

PALESTRA SOBRE SITUAÇÃO ATUAL DA FEBRE MACULOSA BRASILEIRA PALESTRA SOBRE SITUAÇÃO ATUAL DA FEBRE MACULOSA BRASILEIRA NICOLAU MAUÉS SERRA-FREIRE BMV, MSc., PhD., Chefe do Laboratório de Ixodides Diretor do Curso de Medicina Veterinária - Universidade Estácio de

Leia mais

DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO

DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO Presentemente, a infeçãovih/sida não tem cura e a prevenção é a única medida eficaz. A infeçãovih/sida tem uma história relativamente recente, mas já dramática

Leia mais

Sistema Nacional de Vigilância Ambiental em Saúde. Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde

Sistema Nacional de Vigilância Ambiental em Saúde. Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde Sistema Nacional de Vigilância Ambiental em Saúde Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde 1 FLUXO DA VIGILÂNCIA SISTEMAS SETORIAIS RELACIONADOS COM SAÚDE E AMBIENTE (Saúde, Educação, Des. Urbano,

Leia mais

OBJETIVOS DA PARASITOLOGIA

OBJETIVOS DA PARASITOLOGIA OBJETIVOS DA PARASITOLOGIA ESTUDAR A MORFOLOGIA E A BIOLOGIA DOS PARASITOS COMO FUNDAMENTO PARA CONHECER PATOGENIA, DIAGNÓSTICO, TRATAMENTO E CONTROLE (PROFILAXIA) DAS DOENÇAS CAUSADAS POR ELES Profa.

Leia mais

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à :

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à : RISCO BIOLÓGICO Risco Biológico A ocorrência do evento danoso está ligado à : 1) Existência ou não de medidas preventivas Níveis de Biossegurança. 2) Existência ou não de medidas preventivas que garantam

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica UFRGS ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica 1. (Ufrgs 2014) Considere as seguintes afirmações sobre conceitos utilizados em ecologia. I. Nicho ecológico é a posição biológica ou funcional que um ecossistema

Leia mais

Mal estar, febre de início súbito, cefaléia, dores musculares e, em casos graves, alterações hepáticas, renais e vasculares.

Mal estar, febre de início súbito, cefaléia, dores musculares e, em casos graves, alterações hepáticas, renais e vasculares. LEPTOSPIROSE Nomes populares Doença de Weil, Icterícia Infecciosa Agente causador Bactérias patogênicas do gênero Leptospira Espécies acometidas Roedores sinantrópicos (principal reservatório natural).

Leia mais

Informe Epidemiológico EBOLA Atualizado em 26-09-2014, às 10h

Informe Epidemiológico EBOLA Atualizado em 26-09-2014, às 10h Informe Epidemiológico EBOLA Atualizado em 26-09-2014, às 10h Em 08 de agosto de 2014 a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou o surto pela Doença do Vírus Ebola no Oeste da África, uma Emergência

Leia mais

Sanidade de Equinos e seus Prejuízos: Pitiose, Anemia Infecciosa Eqüina e Tripanossomíase. Raquel S. Juliano

Sanidade de Equinos e seus Prejuízos: Pitiose, Anemia Infecciosa Eqüina e Tripanossomíase. Raquel S. Juliano Sanidade de Equinos e seus Prejuízos: Pitiose, Anemia Infecciosa Eqüina e Tripanossomíase Raquel S. Juliano Fonte: IBGE / PPM (2008) MT 307.900 MS 357.675 60% Pantanal 84.588 Fonte: IBGE (2005) Eqüinos

Leia mais

Apresentação Mobilização no combate à dengue

Apresentação Mobilização no combate à dengue Apresentação Mobilização no combate à dengue Atualmente, a dengue é considerada um dos principais problemas de saúde pública do mundo. Com a temporada de chuvas, os riscos de surtos da doença ficam ainda

Leia mais

Gabarito Caderno de atividades Biologia - Diversidade da Vida Volume 1-2013

Gabarito Caderno de atividades Biologia - Diversidade da Vida Volume 1-2013 Gabarito Caderno de atividades Biologia - Diversidade da Vida Volume 1-2013 1. A origem da vida na Terra 1) A 2) B 3) E 4) E 5) C 6) C 7) C 8) C 9) D 10) C 11) A 12) C 13) C 14) B 15) D 2. A evolução biológica

Leia mais

Natureza - OBRIGATÓRIA PRÁTICA 54 TEÓRICA 36. Natureza - OBRIGATÓRIA PRÁTICA 36. Natureza - OBRIGATÓRIA PRÁTICA 18. Natureza - OBRIGATÓRIA TEÓRICA 36

Natureza - OBRIGATÓRIA PRÁTICA 54 TEÓRICA 36. Natureza - OBRIGATÓRIA PRÁTICA 36. Natureza - OBRIGATÓRIA PRÁTICA 18. Natureza - OBRIGATÓRIA TEÓRICA 36 1 de 6 Nível:BACHARELADO 01 VET101 - Anatomia Veterinária I - Ativa VET102 - Biologia Celular - Ativa desde: VET103 - Bioquímica e Biofísica - Ativa VET104 - Técnica Hospitalar - Ativa desde: VET105 -

Leia mais

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : MEDICINA VETERINÁRIA. CRÉDITOS Obrigatórios: 249 Optativos: 12.

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : MEDICINA VETERINÁRIA. CRÉDITOS Obrigatórios: 249 Optativos: 12. Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Pró-reitoria de Graduação - DAARG DRA - Divisão de Registros Acadêmicos Sistema de Controle Acadêmico Grade Curricular 30/01/2014-13:10:25 Curso : MEDICINA

Leia mais

LOPPIANO ENGENHARIA LTDA. Rua dos Andradas, 107 - Centro 13300-170 - Itu SP Fone: (11) 4022-7415 DENGUE

LOPPIANO ENGENHARIA LTDA. Rua dos Andradas, 107 - Centro 13300-170 - Itu SP Fone: (11) 4022-7415 DENGUE DENGUE A palavra dengue tem origem espanhola e quer dizer "melindre", "manha". O nome faz referência ao estado de moleza e prostração em que fica a pessoa contaminada pelo arbovírus (abreviatura do inglês

Leia mais

BIOLOGIA. c) Triatoma infestans. d) Taenia solium.

BIOLOGIA. c) Triatoma infestans. d) Taenia solium. BIOLOGIA Prof. Fred & Marchezi 1. (Unesp 2013) Em determinada região do nosso país, o sistema de saúde verificou um crescente número de mortes por problemas cardíacos, sobretudo em pessoas na faixa etária

Leia mais

Código Sanitário para Animais Terrestres - 2008 Versão em português baseada na versão original em inglês de 2007 - Versão não oficial (OIE)

Código Sanitário para Animais Terrestres - 2008 Versão em português baseada na versão original em inglês de 2007 - Versão não oficial (OIE) OUTRAS DOENÇAS CAPÍTULO 2.10.1 Zoonoses Transmissíveis por Primatas não Humanos Artigo 2.10.1.1. Introdução Há cerca de 180 espécies diferentes de primatas não humanos pertencentes a duas subordens divididas

Leia mais

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite HEPATITE A hepatite é uma inflamação do fígado provocada na maioria das vezes por um vírus. Diferentes tipos de vírus podem provocar hepatite aguda, que se

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Serviços de Saúde e a Segurança a dos Trabalhadores

Gerenciamento de Riscos em Serviços de Saúde e a Segurança a dos Trabalhadores Gestão em Saúde e Segurança a no Trabalho em Serviços de Saúde Gerenciamento de Riscos em Serviços de Saúde e a Segurança a dos Trabalhadores 2007 As invenções do homem, em busca do bem estar e de melhores

Leia mais

Mecanismos de Emergência de Patógenos. Rafael Brandão Varella Prof. Adjunto de Virologia Departamento de Microbiologia e Parasitologia UFF

Mecanismos de Emergência de Patógenos. Rafael Brandão Varella Prof. Adjunto de Virologia Departamento de Microbiologia e Parasitologia UFF Mecanismos de Emergência de Patógenos Rafael Brandão Varella Prof. Adjunto de Virologia Departamento de Microbiologia e Parasitologia UFF Conceitos do emergência e reemergência de patógenos; tipos, origens

Leia mais

24/03/2014. Instalação Ideal. Tipos de instalações. Quando as instalações são adequadas:

24/03/2014. Instalação Ideal. Tipos de instalações. Quando as instalações são adequadas: Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Profa. Valdirene Zabot Características e higiene geral das instalações utilizadas na produção animal

Leia mais

Streptococcus sp. Boletim Técnico

Streptococcus sp. Boletim Técnico Boletim Técnico S Streptococcus sp. C A Estreptococose é uma doença causada por bactérias gram positivas do gênero Streptococcus sp. e S. agalactiae. Esta é considerada a enfermidade de maior impacto econômico

Leia mais