Tecnologias. Informação e Comunicação. competição, políticas e tendências. Organizadores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tecnologias. Informação e Comunicação. competição, políticas e tendências. Organizadores"

Transcrição

1 Tecnologias da Informação e Comunicação competição, políticas e tendências Organizadores Luis Claudio Kubota Rodrigo Abdalla Filgueiras de Sousa Marcio Wohlers de Almeida Fernanda De Negri

2

3 Governo Federal Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República Ministro Wellington Moreira Franco Fundação pública vinculada à Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, o Ipea fornece suporte técnico e institucional às ações governamentais possibilitando a formulação de inúmeras políticas públicas e programas de desenvolvimento brasileiro e disponibiliza, para a sociedade, pesquisas e estudos realizados por seus técnicos. Presidenta Interina Vanessa Petrelli Corrêa Diretor de Desenvolvimento Institucional Geová Parente Farias Diretora de Estudos e Relações Econômicas e Políticas Internacionais Luciana Acioly da Silva Diretor de Estudos e Políticas do Estado, das Instituições e da Democracia Alexandre de Ávila Gomide Diretor de Estudos e Políticas Macroeconômicas, Substituto Claudio Roberto Amitrano Diretor de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais Francisco de Assis Costa Diretor de Estudos e Políticas Setoriais de Inovação, Regulação e Infraestrutura Carlos Eduardo Fernandez da Silveira Diretor de Estudos e Políticas Sociais Jorge Abrahão de Castro Chefe de Gabinete Fabio de Sá e Silva Assessor-chefe de Imprensa e Comunicação, Substituto João Cláudio Garcia Rodrigues Lima Ouvidoria: URL:

4 Brasília, 2012

5 Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada ipea 2012 Tecnologias da informação e comunicação : competência, políticas e tendências / organizadores: Luis Claudio Kubota... [et al.]. Brasília : Ipea, p. : gráfs., tabs. Inclui bibliografia. ISBN Tecnologia da Informação. 2. Tecnologia das Comunicações. 3. Comunicações. 4. Telecomunicações. 5. Brasil. I. Kubota, Luis Claudio. II. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. CDD 384 As opiniões emitidas nesta publicação são de exclusiva e inteira responsabilidade dos autores, não exprimindo, necessariamente, o ponto de vista do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada ou da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República. É permitida a reprodução deste texto e dos dados nele contidos, desde que citada a fonte. Reproduções para fins comerciais são proibidas.

6 Sumário Apresentação... 7 Capítulo 1 Tecnologias da Informação e Comunicação: competição, políticas e tendências... 9 Luis Claudio Kubota Rodrigo Abdalla Filgueiras de Sousa CAPÍTULO 2 Dinâmica do Desenvolvimento de Novos Produtos e Aplicações em Telecomunicações Vinicius Licks Capítulo 3 O Futuro das Telecomunicações e uma Análise dos Desafios para a Inserção do Brasil numa Cadeia Global Robert Spadinger CAPÍTULO 4 Tendências Tecnológicas Mundiais em Telecomunicações e a Influência dos Processos de Normalização e Padronização Erasmus Couto Brazil de Miranda Luiz Alencar Reis da Silva Mello CapÍtulo 5 Capacitações Tecnológicas e Competitivas da Indústria de Equipamentos de Telecomunicações no Brasil Marina Szapiro CAPÍTULO 6 TV por Assinatura: reflexões sobre a apropriação de riqueza na cadeia de valor João Maria de Oliveira Carolina Teixeira Ribeiro Capitulo 7 Alerta Sobre Insegurança da Informação: cenário brasileiro e recomendações Samuel César da Cruz Júnior Capitulo 8 Capacitações Científicas em Telecomunicações Paulo A. Meyer M. Nascimento CAPÍTULO 9 Perfil e Dinâmica do Emprego em Telecomunicações no Brasil entre 1998 e Rodrigo Abdalla Filgueiras de Sousa Paulo A. Meyer M. Nascimento

7

8 Apresentação A importância das tecnologias de informação e comunicação (TICs) tem sido crescentemente reconhecida como fundamental para o desenvolvimento econômico e social dos países. No Brasil, a disseminação desta tecnologia tem sido amplamente expandida. Entretanto, algumas dificuldades ainda se colocam em vista da capacidade potencial de crescimento destes benefícios para o país. Examinamse neste livro alguns destes problemas, as circunstâncias que os produzem, e se fazem recomendações para suas soluções. É assim, por exemplo, que se verifica neste volume a análise do grau de eficácia dos instrumentos de política que têm sido adotados para a ampliação do mercado brasileiro, o qual vem observando forte expansão da demanda. No caso da infraestrutura de acesso à internet, há lacunas importantes no que se refere a localizações geográficas mais distantes dos centros, como áreas rurais, pequenas cidades e subúrbios dos grandes centros. Quanto aos conteúdos, está em aberto quais serão os impactos que os novos elementos legais e regulatórios, recentemente incorporados ao cenário nacional, causarão sobre as TICs no país. O Ipea vem contribuindo para a avaliação e a formulação de políticas públicas nessas três dimensões. Além de ter participado das discussões que resultaram no Programa Nacional de Banda Larga, o instituto esteve presente em debates sobre temas como inclusão digital, políticas industriais para o setor, TV por assinatura, TV digital, competição e regulação. Este livro pretende dar mais um passo nessa direção, procurando não apenas realizar uma análise da situação atual, mas também apontar tendências que afetarão o setor e terão reflexos em inúmeras outras atividades econômicas. Esta preocupação está expressa na organização deste volume, o qual inicia com uma análise histórica, seguida por uma visão prospectiva. A obra também trata de temas relacionados a equipamentos e conteúdos. Por fim, são examinadas questões atinentes à capacitação brasileira no setor, mais especificamente no campo científico e de pessoal qualificado. Vanessa Petrelli Corrêa Presidenta Interina do Ipea

9

10 Capítulo 1 TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: COMPETIÇÃO, POLÍTICAS E TENDÊNCIAS * INTRODUÇÃO Luis Claudio Kubota** Rodrigo Abdalla Filgueiras de Sousa** O acrônimo TICs reflete a convergência dos setores de tecnologias da informação e de telecomunicações. O fenômeno da digitalização fez com que as barreiras entre os setores caíssem. Atualmente, é impossível pensar as tecnologias da informação e comunicação (TICs) sem analisar também o setor de mídia e audiovisual, responsável por produzir os conteúdos que circulam pelas fibras óticas, pelos canais de radiofrequência e pela rede de computadores que formam a internet. O setor de TICs é um dos mais dinâmicos em termos de inovações tecnológicas em âmbito mundial. Em alguns de seus segmentos, como o de tablets, incluem-se ícones de consumo, como o ipad. Estima-se que o mercado de equipamentos de telecomunicações cresça de 133 bilhões em 2009 para 150 bilhões em 2013, segundo estimativas da firma de pesquisa de mercado Idate (COLCHESTER, 2010). Nas décadas de 1980 e 1990, houve profundas transformações no mercado brasileiro. A indústria de informática protegida pela antiga Política Nacional de Informática e o setor de telecomunicações cujas compras de equipamentos eram realizadas pelo antigo sistema da empresa Telecomunicações Brasileira S/A (Telebras) sofreram profundas modificações decorrentes da abertura de mercado e da privatização. A década de 1990 caracterizou-se por um forte ingresso de empresas estrangeiras que, em alguns casos, passaram a ter, no Brasil, plantas voltadas para a exportação especialmente no caso de aparelhos celulares. O setor apresenta características ambíguas no Brasil. Por um lado, possui indicadores de inovação e de esforço tecnológico mais elevados que a média do setor industrial. Por outro lado, o setor apresenta duas fraquezas estruturais que têm relação entre si. Em primeiro lugar, existe uma forte dependência da importação de componentes eletrônicos, que tem importância crescente no valor agregado * Os autores agradecem à equipe de pareceristas do livro: Danilo Coelho, Sergei Soares, Claudio Loural, Antonio Bordeaux, Donald Pianto, Gabriel Laender, Nathalia Souza, Aguinaldo Maciente, Rafael Pereira, Bruno Araújo, Carlos Baigorri, Mauro Oddo e Fabiano Pompermayer, além dos colegas Samuel Júnior, Paulo Nascimento e João Oliveira. ** Técnicos de Planejamento e Pesquisa da Diretoria de Estudos e Políticas Setoriais, de Inovação, Regulação e Infraestrutura (Diset) do Ipea.

11 10 Tecnologias da Informação e Comunicação dos produtos. Em segundo lugar, as firmas brasileiras em geral não participam da determinação dos novos padrões tecnológicos, que são feitos por meio de alianças entre grandes corporações internacionais em alguns casos com participação governamental. Existem diversas tendências tecnológicas e mercadológicas que permeiam o mundo das TICs: a mobilidade, a preocupação com a energia, a internet das coisas, o aumento da importância do software nas cadeias de valor, a segurança da informação. Estes e outros temas serão abordados ao longo deste livro. A convergência tecnológica leva empresas, antes em distintos setores econômicos, a serem competidoras entre si. Um exemplo é o setor da TV por assinatura, em que operadoras de TV a cabo passam a competir com prestadoras de telecomunicações. Complementar a este movimento, tem-se a estratégia de grupos como o América Móvil, que passam a atuar de modo integrado, oferecendo serviços de ligações de longa distância, telefonia celular, TV por assinatura e banda larga, auferindo ganhos por economias de escala e de escopo. Os impactos de alterações recentes na legislação de TV por assinatura são avaliados por João Oliveira e Carolina Ribeiro no capítulo 6. O objetivo deste capítulo introdutório é apresentar um panorama: i) do cenário internacional de equipamentos de rede, inclusive dos principais fornecedores líderes de equipamentos de rede de telecomunicações (seção 2); e ii) do cenário nacional (seção 3), incluindo análise da produção científica e da demanda por pessoal técnico-científico. Seguem as conclusões e referências. Por se tratar de uma visão estática, a evolução das empresas, bem como dos sistemas setoriais de inovação de seus respectivos países, encontra-se fora do escopo do capítulo e do livro. 1 ANÁLISE DO CONTEXTO INTERNACIONAL O investimento em pesquisa e desenvolvimento (P&D) realizado pelos grandes atores internacionais é extremamente significativo. Segundo dados da União Europeia, o setor de TICs é aquele que apresenta os maiores gastos em P&D no conjunto das economias estadunidense, japonesa e europeia, representando 25% dos gastos empresariais em P&D e empregando 32,4% dos pesquisadores, apesar de responder por apenas 4,8% do produto interno bruto (PIB) Turlea et al. (2010). Oito das 20 maiores empresas que investem em P&D no mundo atuam no setor, conforme ranking da Booz & Company (JARUZELSKI e DEHOFF, 2009). Os dados da tabela 1 permitem examinar as dez firmas de equipamentos de telecomunicações com maiores gastos em P&D, nos EUA, na União Europeia, e no Japão e resto do mundo. É possível observar que as líderes do setor apresentam investimentos bilionários em P&D. Trata-se de um setor no qual as empresas

12 Tecnologias da Informação e Comunicação 11 europeias ainda mantêm uma posição importante. No entanto, ressalta-se que esta lista não é exaustiva, pois exclui companhias com informações incompletas sobre investimento em P&D. Um caso relevante é a Huawei, cuja estimativa de gasto em P&D em 2007 ficou em torno de US$ 1,3 bilhão, o que a colocaria entre as primeiras desta classificação. TABELA 1 Dez firmas de equipamentos de telecomunicações com maiores gastos em P&D, nos EUA, na União Europeia, e no Japão e resto do mundo (2007) (Em milhões) Lugar no ranking Firma Gastos em P&D Sede EUA o Cisco Califórnia 2 o Motorola Illinois 3 o Qualcomm Califórnia 4 o Juniper Networks 426 Califórnia 5 o Corning 386 Nova Iorque 6 o Avaya 341 Nova Jérsei 7 o Tellabs 235 Illinois 8 o Harris 160 Flórida 9 o 3Com 141 Massachusetts 10 o UTStarcom 115 Califórnia União Europeia o Nokia Finlândia 2 o Alcatel-Lucent França 3 o Ericsson Suécia 4 o Italtel 103 Itália 5 o GN Store Nord 72 Dinamarca 6 o Spirent Communications 63 Reino Unido 7 o ADVA 42 Alemanha 8 o Wavecom 34 França 9 o Option 31 Bélgica 10 o Thrane & Thrane 29 Dinamarca Japão e resto do mundo o Nortel Networks Canadá 2 o ZTE 301 China 3 o RIM 246 Canadá 4 o OKI Electric 130 Japão 5 o ECI Telecom 75 Israel 6 o Aastra 38 Canadá 7 o Eltek 37 Noruega 8 o Alvarion 35 Israel 9 o Vtech 35 Hong Kong 10 o Tandberg 35 Noruega Fonte: Turlea et al. (2010).

13 12 Tecnologias da Informação e Comunicação Conforme pode ser observado no quadro 1, a Huawei, por exemplo, tem estoque de 17,7 mil patentes em 2010; a Alcatel-Lucent tem um estoque de 27,6 mil; e a Ericsson, de 25 mil (mais de 2 mil obtidas somente em 2009). Os gastos em P&D das maiores firmas são da ordem de bilhões de dólares, representando cerca de 13% das vendas no caso das empresas Ericsson, Cisco e Nokia Siemens Networks. Os indicadores das firmas brasileiras são pouco expressivos, quando comparados a estes dados. A Pesquisa de Inovação Tecnológica (PINTEC) mostra que, em 2008, havia pessoas graduadas e 374 não graduadas atuando em P&D no setor de equipamentos de comunicação no Brasil, incluindo empresas nacionais e multinacionais (INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA IBGE, 2010). Estes números são irrisórios quando comparados apenas com aqueles apresentados no quadro 1 para ZTE e Huawei em 2010: 28 mil e 51 mil pessoas atuando em P&D, respectivamente. Na verdade, estes contingentes equivalem, respectivamente, a 60% e 108% do total de empregados atuando em P&D em toda a indústria de transformação brasileira em O setor é caracterizado por uma dinâmica na qual a definição de padrões é fundamental. As empresas brasileiras participam apenas marginalmente deste processo, como exposto no capítulo 3. Em contraste, a Huawei é membro de 123 organizações de padronização. Na Alcatel-Lucent, mais de 500 funcionários participaram de órgãos internacionais de padronização durante 2009, em mais de 100 organizações padronizadoras, conforme pode ser verificado no quadro 1. As maiores empresas estrangeiras do setor são globais, sendo que algumas atuam em centenas de países. A Suécia, por exemplo, país de origem da Ericsson, não figura entre os dez principais mercados da empresa. Em função dos incentivos da nova Lei de Informática, 2 existe uma forte presença de firmas estrangeiras no Brasil. A Nokia ocupa mais de 10 mil pessoas no Brasil, um valor considerável quando comparado às 21 mil pessoas ocupadas no país sede, a Finlândia. 1. Estes dados da PINTEC consideram as firmas que realizaram inovação. É razoável supor que é reduzido o número de empresas que realizaram P&D e não inovaram. 2. Designação usual da Lei n o 8.248, de 23 de outubro de 1991.

14 Tecnologias da Informação e Comunicação 13 QUADRO 1 Firmas líderes em equipamentos de rede faturamento, lucro,. área de atuação, empregados (total e em P&D), P&D, patentes e participação. em órgãos de padronização (2010) Firma Faturamento Lucro Atuação Ericsson US$ 30 bilhões Alcatel-Lucent US$ 21 bilhões Nokia Siemens Networks Cisco 1 Lucro líquido de US$ 1,7 bilhões Prejuízo de US$ 387 milhões Total de empregados 180 países 90 mil 130 países 80 mil n.d. Empregados em P&D Mais de 20 mil (22% do total) Vendas líquidas Lucro operacional 160 países 132 mil 35,9 mil de 42,4 bilhões de 2 bilhões US$ 43 bilhões Lucro líquido de US$ 6,5 bilhões Huawei US$ 28 bilhões US$ 3,6 bilhões 95 países 25,9 mil n.d. Mais de 140 países 110 mil 51 mil P&D, patentes e participação em órgãos de padronização Investimento de 3,3 bilhões (15% da receita de vendas). Estoque de 27 mil patentes em dezembro de Estoque de patentes ativas em dezembro de P&D desenvolvido principalmente pela Bell Labs. Os pesquisadores já ganharam sete prêmios Nobel. Mais de 500 funcionários participaram de discussões em órgãos de padronização em Participação em mais de 100 organizações padronizadoras. Investimento de 5,9 bilhões (13,8% das vendas líquidas). Investimento de US$ 5,8 bilhões (13,5% das vendas líquidas). Investimento de US$ 2,5 bilhões. Estoque de 17,7 mil patentes concedidas, sendo 3 mil no exterior. Membro de 123 organizações de padronização, somando 18 mil propostas nestes órgãos. ZTE US$10,6 bilhões US$ 360 milhões n.d. 70 mil 27,9 mil 519 doutores e 22,5 mil mestres. Juniper US$ 4 bilhões US$ 190 milhões Mais de 100 países 8,7 mil 4 mil Investimento de US$ 920 milhões. 500 patentes obtidas ou pendentes. Elaboração dos autores a partir de Ericsson (2011), Alcatel-Lucent (2011a), Alcatel-Lucent (2011b), Nokia (2011), Cisco (2011), Huawei (2011), ZTE (2011) e Juniper (2011). Nota: 1 O período de referência é o ano fiscal findo em julho de Obs.: n.d. = informação não disponível. A busca por economias de escala norteou a fusão de grandes grupos econômicos, como a Alcatel-Lucent e Nokia-Siemens-Motorola. Segundo analistas de mercado, a escala é fundamental neste negócio. 3 Não obstante o porte destas empresas, seu desempenho financeiro não é muito animador. Isto se deve em parte à concorrência baseada em preço dos concorrentes chineses. 4 A Alcatel-Lucent, por exemplo, só obteve lucro em dois dos últimos oito trimestres (COLCHESTER, 2010). A Nokia-Siemens teve prejuízo operacional de 1,6 bilhão em 2009 (DAS e CHON, 2010). 3. Não podemos visualizar a Alcatel-Lucent dando lucro simplesmente porque ela ainda é formada por vários negócios pequenos sem muita escala, diz Richard Windsor, analista da Nomura (Colchester, 2010, p. B12). Comentário sobre a aquisição de divisão da Motorola pela Nokia Siemens: Isso também significa mais escala, e a escala comanda tudo nesse negócio: quanto mais escala você tem, mais lucro pode gerar, escreveu o analista Pierre Ferragu da Sanford C. Bernstein (Das e Chon, 2010). 4. A Alcatel-Lucent perdeu cerca de dois terços do valor de mercado de julho a meados de novembro de 2011 (Cimilluca, Lublin e Colchester, 2011).

15 14 Tecnologias da Informação e Comunicação A relação entre operadoras e fornecedores no mercado europeu é marcada por uma mistura de cooperação e competição (coopetition em inglês), por meio da qual as partes colaboram e competem ao mesmo tempo pelos resultados das inovações. A operadora norte-americana Verizon, por exemplo, criou o LTE Innovation Center em Massachusetts, um laboratório de m 2, no qual os fabricantes de eletrônicos podem testar novos produtos em uma rede 4G totalmente funcional. Alcatel-Lucent e Ericsson Wireless fizeram uma parceria com a Verizon e proporcionam apoio técnico para os fabricantes de aparelhos (THOMSON, 2010). A dinâmica do setor tem levado a uma concentração cada vez maior do valor adicionado e do emprego nas camadas superiores do modelo de Fransman (2007), que correspondem às plataformas tecnológicas, aos conteúdos e aos aplicativos voltados aos consumidores finais. Entre os segmentos mais promissores estão os serviços de computação e de software, em que os EUA são muito competitivos. Serviços de TICs responderam por mais de 75% do valor adicionado no setor em 2007 (TURLEA et al., 2010). Esse tipo de avaliação está em consonância com a opinião de executivos do setor, que argumentam estar atualmente a indústria de telecomunicações concentrada nas atividades de software e concepção. Portanto, o valor hoje vem do software e não do hardware. Os executivos defendem também que, no caso da manufatura, há a necessidade de se adensar a cadeia no que diz respeito aos componentes, e que o software dá resultado em curto prazo (POSSEBON, 2010). Além da queda dos investimentos em virtude da crise econômica, existe uma forte pressão por redução de custos no mercado de equipamentos de telecomunicações. Na visão de certos analistas de mercado, 5 existe uma competição baseada em preço, em virtude da busca de ganhos e/ou manutenção de participação de mercado, com a atuação mais agressiva de grupos como a ZTE e a Huawei. A escala do mercado doméstico favorece as empresas chinesas: a China possui mais de 800 milhões de usuários de celular. A France Telecom e a Deutsche Telecom fizeram um acordo para cortar custos de compras de equipamentos de rede e de aparelhos móveis, o que ilustra a pressão sobre os fornecedores de equipamentos (ABBOUD, 2011). 3 ANÁLISE DO CONTEXTO NACIONAL Uma das características do mercado brasileiro é que o mesmo é salvo exceções seguidor. Desenvolvimentos tecnológicos realizados inicialmente no exterior a exemplo do que ocorreu com a terceira geração de telefonia celular (3G) e do que está ocorrendo com a quarta geração (4G) são aplicados no Brasil pelas prestadoras de serviços, após passar por um filtro avaliando sua viabilidade econômico-financeira. 5. Como o analista Rod Hall, do J.P. Morgan.

16 Tecnologias da Informação e Comunicação 15 Neste contexto, existem óbvias dificuldades para que fornecedores nacionais se mantenham na fronteira tecnológica. Do ponto de vista mercadológico, a presença de grandes operadoras estrangeiras no Brasil, que geralmente utilizam práticas de compras globais (global sourcing), também dificulta a conquista de mercado por parte das firmas nacionais, no Brasil e no exterior. No Brasil, o setor de telecomunicações tem sido objeto de constante preocupação por parte dos sucessivos governos desde a década de 1960, o que tem se traduzido em uma série de políticas públicas com o propósito de melhor coordenar o setor. Assim, a partir desta perspectiva histórica, Vinicius Licks faz, no capítulo 2, uma contextualização do modelo de Fransman para o cenário brasileiro. Neste contexto, a primeira parte do trabalho tem uma seção inicial que apresenta as características fundamentais do modelo teórico, descrevendo os quatro grupos de atores (ou camadas), as relações entre os atores e as dimensões do relacionamento. Em seguida, o texto traz uma síntese dos fatores que condicionam a inovação no setor de TICs e o papel do Estado como indutor da competitividade da indústria. A evolução do sistema ao longo do tempo e os impactos da regulação e da política industrial também são brevemente mencionados. Na segunda parte do capítulo, o autor faz uma avaliação do histórico das telecomunicações no Brasil nas últimas seis décadas. A análise faz um recorte em quatro períodos distintos: a entrada do Estado na organização do setor; a estruturação da Telebras; a desregulamentação do setor e a privatização das operadoras estatais; e a nova dinâmica do setor, no processo conhecido como convergência. A seção final do artigo expõe uma discussão a respeito das políticas públicas aplicadas em cada um destes períodos e a necessidade de reformulação destas políticas para possibilitar a inserção do Brasil na nova dinâmica das telecomunicações. Com uma visão de cenários prospectivos, Robert Spadinger procura apresentar, no capítulo 3, as tendências no setor de telecomunicações não apenas sob a perspectiva tecnológica, mas também do ponto de vista mercadológico. Além disso, o autor elabora uma metodologia analítica sobre as características que definem o grau de evolução tecnológica do setor em diferentes mercados, classificando-os em emergentes, maduros e saturados. Entre as dificuldades das empresas brasileiras apontadas pelo autor, estão: i) menor porte e possível alijamento das redes de fornecimento internacionais das grandes operadoras; ii) ausência de fornecedores com portfólio de produtos e com serviços capazes de oferecer soluções fim a fim; iii) ausência de uma forte indústria brasileira de componentes eletrônicos; e iv) ausência de integração entre universidades e setor produtivo. Por fim, o texto traz considerações sobre a situação do Brasil no contexto discutido e faz recomendações para melhoria das políticas públicas.

17 16 Tecnologias da Informação e Comunicação A partir dessa contextualização inicial, os dois capítulos seguintes tratam mais especificamente de questões relacionadas à produção de equipamentos de telecomunicações. No capítulo 4, Erasmus Miranda e Luiz Mello expõem aspectos gerais do processo de normalização e explicam o funcionamento de um conjunto selecionado de organismos internacionais de padronização. Por fim, apresentam dados sobre o tipo e o grau da participação brasileira nestes organismos, que confirmam a baixa inserção do país neste contexto e efetuam estudos de caso que exemplificam o relacionamento entre os diversos tipos de entidades que atuam nestas atividades. No capítulo 5, Marina Szapiro analisa o desempenho das firmas brasileiras. Ela defende que as firmas são competitivas, visto que são capazes de vencer competidores multinacionais em determinadas concorrências para o fornecimento de equipamentos de operadoras brasileiras. Esta visão se opõe à síntese efetuada pelo Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD) referente à competitividade da maior parte das firmas nacionais, na qual consta que a indústria nacional, apesar da constante tentativa de se aproximar das tecnologias desenvolvidas nos países mais avançados, não consegue acompanhar de perto os padrões da fronteira tecnológica, ficando à margem das discussões globais definidoras das tecnologias e dos papéis de influência e liderança global (CPqD, 2011). Na sequência, os capítulos 6 e 7 avaliam temas atinentes aos conteúdos que trafegam nas redes de telecomunicações. No capítulo 6, João Oliveira e Carolina Ribeiro fazem uma análise exploratória do mercado de audiovisual no Brasil, com ênfase na TV por assinatura. Os autores avaliam os elos da cadeia produtiva do audiovisual a partir de dados da Pesquisa Anual de Serviços (PAS) do IBGE e da Ancine, referentes ao fomento à produção. Analisam-se ainda os impactos da nova Lei de Serviço de Acesso Condicionado n o de 2011 sobre estes elos. Os resultados indicam que o elo da produção não está se beneficiando dos incentivos concedidos, pois não consegue apropriar-se dos valores patrimoniais das obras. A expansão da internet traz consequências também para a questão da segurança da informação no Brasil. No capítulo 7, Samuel Junior aponta que o grande volume de produção, armazenamento e transferência de dados entre diferentes dispositivos e entre diversas redes resulta em aumento significativo das ameaças e das vulnerabilidades quanto à segurança da informação. Redes colaborativas têm ganhado força como fonte de disseminação de ferramentas de invasão. Com o aumento de atores no ciberespaço, este se tornou um ambiente favorável para a proliferação de criminosos cibernéticos. Assim, os mecanismos estruturantes de segurança da informação, especialmente nas estruturas estratégicas, bem como o comportamento dos usuários na rede, são aspectos relevantes para a garantia de níveis mínimos de segurança na rede.

18 Tecnologias da Informação e Comunicação 17 Os dois últimos capítulos tratam de questões relacionadas à capacitação científica e à influência da mão de obra na dinâmica do setor de telecomunicações. No que diz respeito à produção científica, o capítulo 8, de autoria de Paulo Meyer Nascimento, mostra que o desempenho brasileiro no setor fica muito aquém do que se verifica em outros países embora os indicadores de impacto baseados em número de citações tenham apresentado crescimento superior ao da maioria dos países nos últimos 20 anos. De toda forma, o Brasil não apresenta especialização científica na área. Ele ainda é um receptor de conhecimentos e o tamanho de sua produção é pouco relevante. No capítulo 9, Paulo Meyer Nascimento e Rodrigo Sousa analisam a estrutura de emprego no setor de telecomunicações, entendido de forma convergente tratando do segmento de indústria e de serviços. Os resultados apontam um crescimento da participação de mulheres em linha com o restante da economia, e uma expressiva participação de jovens e profissionais de nível superior em uma taxa bem mais elevada que o restante da economia. Em relação às ocupações classificadas como técnico-científicas, procurou-se efetuar uma avaliação sobre sua possível escassez no setor examinado. A partir de uma metodologia proposta neste trabalho, percebeu-se que este desequilíbrio não aconteceu no mercado de telecomunicações, tendo em vista que houve um declínio do salário médio do setor. 4 CONCLUSÕES O resultado dos estudos apresenta uma situação pouco favorável para o ecossistema de TICs no Brasil. Além de problemas de infraestrutura, tratadas em trabalhos anteriores do Ipea, o quadro retratado neste livro mostra que a produção científica é pouco expressiva. As empresas salvo raras exceções são pouco competitivas e têm participação muito reduzida na definição dos novos desenvolvimentos; o mercado é seguidor de tecnologias desenvolvidas no exterior; e as firmas industriais e de serviços não são fortes demandantes de pessoal técnico-científico. Esta situação aponta para a reformulação de políticas que ficaram ultrapassadas como a Lei de Informática. Nos últimos anos, o Ipea contribuiu com diversos estudos e análises sobre políticas públicas para o setor de TICs, e este livro tem por objetivo dar mais um passo nesta direção. O mundo vivencia o fenômeno da convergência tecnológica e é preciso que as políticas públicas contemplem esta dinâmica. Não obstante a importância de temas como a regulação, a infraestrutura e a indústria de equipamentos, é imprescindível ir além. É preciso contemplar também aquilo que vai dentro do tubo o conteúdo, a par de considerar temas como a relação de interdependência crescente entre agências como a Anatel e a Ancine, questões tratadas no capítulo 6.

19 18 Tecnologias da Informação e Comunicação REFERÊNCIAS ABBOUD, L. France Telecom e Deutsche Telecom fazem acordo para cortar custo. Reuters, 18 abr Disponível em: <http://br.reuters.com/article/id- BRSPE73H0JE >. Acesso em: 1 jul ALCATEL-LUCENT annual report on form 20-F. Paris: Alcatel-Lucent, 2011a. Disponível em: <http://goo.gl/hyqu2>. Acesso em: 14 abr annual report. Paris: Alcatel-Lucent, 2011b. Disponível em: <http://annual-report.alcatel-lucent.com/>. Acesso em: 29 jun CIMILLUCA, D.; LUBLIN, J. S; COLCHESTER, M. Alcatel-Lucent sofre pressão para trocar comando. Valor Online, 18 nov Acesso em: 18 nov CISCO. Cisco Systems Inc annual report. San Jose: Cisco, Disponível em: <http://www.cisco.com/assets/cdc_content_elements/docs/ annualreports/media/2011-ar.pdf>. Acesso em: 7 dez COLCHESTER, M. Alcatel muda mentalidade para tornar-se mais ágil. Valor Econômico, p. B12, 21 set CPqD CENTRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM TELECO- MUNICAÇÕES. Demandas, Ofertas, Gaps e Capacidade de P&D em Telecomunicações no Brasil. Campinas: CPqD, DAS, A.; CHON, G. Dúvidas ainda cercam Nokia Siemens. Valor Online, 22 jul ERICSSON. Ericsson annual report Stockholm: Ericsson Disponível em: <http://www.ericsson.com/res/investors/docs/2010/ericsson_ ar_2010_en.pdf>. Acesso em: 14 abr FRANSMAN, M. The new ICT ecosystem: implications for Europe. Edinburgh: Kokoro, HUAWEI. Huawei Technologies Co., Ltd annual report. Shenzhen: Huawei, Disponível em: <http://www.huawei.com/en/about-huawei/corporate-info/annual-report/annual-report-2010/index.htm>. Acesso em: 29 jun IBGE INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa de inovação tecnológica Rio de Janeiro: IBGE, JARUZELSKI, B.; DEHOFF, K. Profits down, spending stedy: the global innovation Strategy and Business, n. 57, Winter JUNIPER. Juniper Form 10-K. Sunnyvale: Junniper, Disponível em: <http://phx.corporate-ir.net/external.file?item=ugfyzw50suq9nde3mjq5f ENoaWxkSUQ9NDI5ODMyfFR5cGU9MQ==&t=1>. Acesso em: 14 abr

20 Tecnologias da Informação e Comunicação 19 NOKIA. Nokia in Espoo: Nokia, Disponível em: <http://www. nokia.com/nokia_com_1/about_nokia/financials/form20-f_10.pdf>. Acesso em: 14 abr POSSEBON, S. O nível de investimentos está baixo. Teletime, Disponível em: <http://i.teletime.com.br/arqs/outro/23841.pdf>. Acesso em: 10 nov THOMSON, A. De carros a cafeteiras, Verizon quer tudo conectado sem fio. Valor Econômico, p. B3, 23 set TURLEA, G. et al. The 2010 report on R&D in ICT in the European Union. Luxembourg: European Commission, ZTE. ZTE Corporation annual report Shenzhen: ZTE, Disponível em: <http://wwwen.zte.com.cn/en/about/investor_relations/circular/201103/ P pdf>. Acesso em: 29 jun BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR SADOWSKI, B. M. et al. Collaborative strategies in the event of technological discontinuities: the case of Nokia in the mobile telecommunication industry. Small Business Review, v. 21, p , 2003.

DIFERENÇAS DE ESCALA NO MERCADO DE

DIFERENÇAS DE ESCALA NO MERCADO DE Diferenças de escala no mercado de equipamentos de telecomunicações 25 DIFERENÇAS DE ESCALA NO MERCADO DE EQUIPAMENTOS DE TELECOMUNICAÇÕES * 1 INTRODUÇÃO O setor de tecnologias da informação e comunicação

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Desafios da Inovação no Brasil Rafael Lucchesi Rafael Lucchesi 25/05/2011 CNI e vários líderes empresariais fizeram um balanço crítico da agenda empresarial em

Leia mais

Horizons. O impacto financeiro da consumerização de TI As 10 principais percepções do Cisco IBSG Horizons Study. Introdução

Horizons. O impacto financeiro da consumerização de TI As 10 principais percepções do Cisco IBSG Horizons Study. Introdução O impacto financeiro da consumerização de TI As 10 principais percepções do Study Jeff Loucks/Richard Medcalf Lauren Buckalew/Fabio Faria O número de dispositivos de consumerização de TI nos seis países

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

1. Destaques. Índice: Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 11 de fevereiro de 2010.

1. Destaques. Índice: Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 11 de fevereiro de 2010. Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 11 de fevereiro de 2010. Embratel Participações S.A. ( Embrapar ) (BOVESPA: EBTP4, EBTP3) detém 99,2 porcento da Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. ( Embratel ), 100,0

Leia mais

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Thayne Garcia, Assessora-Chefe de Comércio e Investimentos (tgarcia@casacivil.rj.gov.br) Luciana Benamor, Assessora de Comércio e Investimentos

Leia mais

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao.

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao. QUEM É A HUAWEI A Huawei atua no Brasil, desde 1999, através de parcerias estabelecidas com as principais operadoras de telefonia móvel e fixa no país e é líder no mercado de banda larga fixa e móvel.

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

4 Mercado setor de telecomunicações

4 Mercado setor de telecomunicações 4 Mercado setor de telecomunicações Nesta sessão é apresentada uma pequena visão geral do mercado de telecomunicações no Brasil, com dados históricos dos acontecimentos mais relevantes a este trabalho,

Leia mais

Algar Telecom registra lucro de R$ 71 milhões em 2009

Algar Telecom registra lucro de R$ 71 milhões em 2009 Algar Telecom registra lucro de R$ 71 milhões em 2009 EBITDA atingiu a soma de R$ 391 milhões no ano passado São Paulo, 24 de março de 2010 A Algar Telecom, empresa de telecomunicações do Grupo Algar,

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regularórias n.º 14 COGCM/SEAE/MF

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regularórias n.º 14 COGCM/SEAE/MF MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Analítico sobre Regras Regularórias n.º 14 COGCM/SEAE/MF Brasília, 25 de agosto de 2008. Assunto: Contribuições à Consulta Pública da

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel Brasília/DF Maio/2013 15 anos de LGT Em 1997, na corrida pelo usuário, a

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi Controles Internos e Governança de TI Para Executivos e Auditores Charles Holland e Gianni Ricciardi Alguns Desafios da Gestão da TI Viabilizar a inovação em produtos e serviços do negócio, que contem

Leia mais

OS IMPACTOS DA ALCA E DO ACORDO COMERCIAL COM A UNIÃO EUROPÉIA - O CASO DA CADEIA TÊXTIL/CONFECÇÕES 1 Victor Prochnik 2

OS IMPACTOS DA ALCA E DO ACORDO COMERCIAL COM A UNIÃO EUROPÉIA - O CASO DA CADEIA TÊXTIL/CONFECÇÕES 1 Victor Prochnik 2 OS IMPACTOS DA ALCA E DO ACORDO COMERCIAL COM A UNIÃO EUROPÉIA - O CASO DA CADEIA TÊXTIL/CONFECÇÕES 1 Victor Prochnik 2 1. Apresentação Este artigo discute as oportunidades e riscos que se abrem para a

Leia mais

Keynote speech by Senator Walter Pinheiro

Keynote speech by Senator Walter Pinheiro II LATIN AMERICAN PUBLIC POLICY FORUM ON INTERNET, E- COMMERCE AND MOBILE TECHNOLOGIES Economic, Social and Cultural Impact on Latin America's Development Keynote speech by Senator Walter Pinheiro Discussion

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes.

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. A ECONOMIA GLOBAL Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. O século XX marcou o momento em que hábitos culturais, passaram a ser ditados pelas grandes

Leia mais

Meios Físicos de Comunicação

Meios Físicos de Comunicação Meios Físicos de Comunicação Aula 4 Cabeamento Estruturado Meios Físicos de Comunicação - Cabeamento Estruturado 1 Conteúdo Cabeamento Não Estruturado Normas Meios Físicos de Comunicação - Cabeamento Estruturado

Leia mais

Northern Telecom Ltd (Nortel). Isto devido ao seu atraso na substituição da tecnologia analógica pela digital.

Northern Telecom Ltd (Nortel). Isto devido ao seu atraso na substituição da tecnologia analógica pela digital. MOTOROLA A empresa alcançou um faturamento global da ordem de US$ $37.6 bilhões em 2000. É líder mundial em sistemas e serviços eletrônicos avançados. Atuando de maneira globalizada em 45 países, mais

Leia mais

HETEROGENEIDADE ESTRUTURAL NO SETOR DE SERVIÇOS BRASILEIRO

HETEROGENEIDADE ESTRUTURAL NO SETOR DE SERVIÇOS BRASILEIRO HETEROGENEIDADE ESTRUTURAL NO SETOR DE SERVIÇOS BRASILEIRO João Maria de Oliveira* 2 Alexandre Gervásio de Sousa* 1 INTRODUÇÃO O setor de serviços no Brasil ganhou importância nos últimos tempos. Sua taxa

Leia mais

Receita do Network PwC cresce 6% e atinge US$ 34 bilhões no ano fiscal encerrado em junho

Receita do Network PwC cresce 6% e atinge US$ 34 bilhões no ano fiscal encerrado em junho Press release Data Contato EMBARGO 00h01min (horário Brasília) Terça-feira, 7 de outubro de 2014 Márcia Avruch Tel: +55 11 3674 3760 Email: marcia.avruch@br.pwc.com Pages 4 Receita do Network PwC cresce

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES REDE DE COMPUTADORES Evolução histórica das redes de computadores Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Objetivos de Aprendizagem Ao final deste módulo você estará apto a conceituar

Leia mais

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira GE GRAFIA A ascensão dos subdesenvolvidos Geografia Professor Daniel Nogueira Os grupos econômicos são grupos de países com comportamento econômico específico. Geralmente economias com aspectos semelhantes.

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

Novos Negócios Farma

Novos Negócios Farma Novos Negócios Farma *Estudos Pré-Clínicos no Brasil: atual cenário e oportunidades *P&D de Novas Moléculas no Brasil *Parcerias ICTs & Empresas: barreiras e oportunidades *Oportunidades e desafios do

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 9 Telecomunicações e Rede Interconectando a Empresa Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob

Leia mais

Síntese. Perspectivas das Comunicações da OCDE : Edição 2003

Síntese. Perspectivas das Comunicações da OCDE : Edição 2003 Síntese Perspectivas das Comunicações da OCDE : Edição 2003 Overview OECD Communications Outlook : 2003 Edition As sínteses são excertos de publicações da OCDE, encontrando-se livremente disponíveis na

Leia mais

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES O modelo tradicional do setor elétrico estruturado através de monopólios naturais verticalizados foi a principal forma de provisionamento de energia elétrica no mundo

Leia mais

Brasileiro faz plano de banda larga dos EUA

Brasileiro faz plano de banda larga dos EUA Brasileiro faz plano de banda larga dos EUA 4 de outubro de 2009 O brasileiro Carlos Kirjner, nomeado pelo presidente Barack Obama para o cargo de conselheiro do diretor-geral da Comissão Federal de Comunicações

Leia mais

CONCLUSÃO das implicações estratégicas das redes e alianças de relacionamento mais significativas da Embratel enquanto empresa do grupo Telmex

CONCLUSÃO das implicações estratégicas das redes e alianças de relacionamento mais significativas da Embratel enquanto empresa do grupo Telmex 177 6 CONCLUSÃO A presente investigação das implicações estratégicas das redes e alianças de relacionamento mais significativas da Embratel enquanto empresa do grupo Telmex, atingiu seu objetivo de evidenciar

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 A Dinâmica dos espaços da Globalização. (9º ano) *Estudaremos a difusão do modo capitalista de produção, ou seja, do modo de produzir bens e

Leia mais

Ministério das Comunicações

Ministério das Comunicações Sumário 1. Perfil do país 2. Dados Setoriais 3. Programa Nacional de Banda Larga 4. Marco Civil da Internet Perfil do País 30,0% Taxa de analfabetismo (população com mais de 15 anos de idade) 20,0% 10,0%

Leia mais

Um sistema financeiro saudável, ético e eficiente é condição essencial para o desenvolvimento econômico, social e sustentável do País.

Um sistema financeiro saudável, ético e eficiente é condição essencial para o desenvolvimento econômico, social e sustentável do País. Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2013 Um sistema financeiro saudável, ético e eficiente é condição essencial para o desenvolvimento econômico, social e sustentável do País. OBJETIVOS A Pesquisa

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Janeiro 2011 Exclusivamente para empresas de médio porte Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Relatório para o Brasil Panorama global: Pesquisa com 2.112 líderes do mercado de

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

A importância das exportações de serviços e da internacionalização das empresas brasileiras

A importância das exportações de serviços e da internacionalização das empresas brasileiras A importância das exportações de serviços e da internacionalização das empresas brasileiras Guido Mantega Presidente - BNDES 25 o ENAEX- Novembro/2005 www.bndes.gov.br 1 Inserção do Brasil na Globalização

Leia mais

ABRANET Associação Brasileira de Provedores Internet

ABRANET Associação Brasileira de Provedores Internet ABRANET Associação Brasileira de Provedores Internet APRESENTAÇÃO PARA O SENADO FEDERAL COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO e INFORMÁTICA Audiência Pública sobre Conteúdo Audiovisual

Leia mais

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica Desafios para a Indústria Eletroeletrônica 95 O texto aponta as características das áreas da indústria eletroeletrônica no país e os desafios que este setor tem enfrentado ao longo das últimas décadas.

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação - Centro de Ciências Agrárias Departamento de Computação Os sistemas de informação empresariais na sua carreira Introdução à Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação COM06850-2015-II Prof.

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA CONJUNTA ANEEL / BNDES / FINEP DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO SETOR ELÉTRICO INOVA ENERGIA 01/2013 Modelo de Plano de Negócios Junho - 2013-1 - Introdução Este documento tem

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

A perspectiva de Operadoras Competitivas de Telecomunicações

A perspectiva de Operadoras Competitivas de Telecomunicações 24 de Março de 2011 As exigências de infraestrutura de TIC para a Copa do Mundo e Olimpíada no Brasil Desafios e Oportunidades na construção do IBC. A perspectiva de Operadoras Competitivas de Telecomunicações

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

Cisco Systems Incorporation

Cisco Systems Incorporation Cisco Systems Incorporation 1. Principais Características Matriz: Cisco Systems Inc. Localização: São José, Califórnia, Estados Unidos Ano de fundação: 1984 Internet: www.cisco.com Faturamento (2000):

Leia mais

Perspectivas para o setor de TI. BM&F Bovespa. 26 de junho de 2013 BRASSCOM

Perspectivas para o setor de TI. BM&F Bovespa. 26 de junho de 2013 BRASSCOM Perspectivas para o setor de TI BM&F Bovespa 26 de junho de 2013 BRASSCOM Associados BRASSCOM 1 Mercado Mundial de TI Crescimento Mercado TI BRASIL (2012/2011) 10,8% Crescimento Mercado TI Mundo (2012/2011)

Leia mais

TRANSPORTE AÉREO BRASILEIRO POR QUE AS EMPRESAS PERDEM DINHEIRO?

TRANSPORTE AÉREO BRASILEIRO POR QUE AS EMPRESAS PERDEM DINHEIRO? 1 TRANSPORTE AÉREO BRASILEIRO POR QUE AS EMPRESAS PERDEM DINHEIRO? I - INTRODUÇÃO O mercado aéreo brasileiro vem apresentando, em seu segmento doméstico, taxas de crescimento chinesas desde o início de

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO FUNDO COMUM PARA OS PRODUTOS BÁSICOS (FCPB) BUSCA CANDIDATURAS A APOIO PARA ATIVIDADES DE DESENVOLVIMENTO DOS PRODUTOS BÁSICOS Processo de

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

Levantamento da Base. Industrial de Defesa. Levantamento da Base. Industrial de Defesa (BID) Reunião Plenária do COMDEFESA

Levantamento da Base. Industrial de Defesa. Levantamento da Base. Industrial de Defesa (BID) Reunião Plenária do COMDEFESA Levantamento da Base Industrial de Defesa (BID) Levantamento da Base Reunião Plenária do COMDEFESA Industrial de Defesa São Paulo, 05 de março de 2012 (BID) Reunião Ordinária ABIMDE São Bernardo do Campo,

Leia mais

MANUAL DE INVESTIMENTOS

MANUAL DE INVESTIMENTOS IPEA - INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA MANUAL DE INVESTIMENTOS PROPOSTA DE COLETA E CADRASTRAMENTO DE INFORMAÇÕES SOBRE INTENÇÕES DE INVESTIMENTOS EMPRESARIAIS (Segunda Versão) Luciana Acioly

Leia mais

A disciplina jurídica da banda larga no Brasil à luz das experiências estadunidense e europeia.

A disciplina jurídica da banda larga no Brasil à luz das experiências estadunidense e europeia. A disciplina jurídica da banda larga no Brasil à luz das experiências estadunidense e europeia. Victor Epitácio Cravo Teixeira Mestrando em Direito Universidade de Brasília UnB Objetivo Analisar o tratamento

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Serviços em Nuvem: Oportunidade para Operadoras Parte III

Serviços em Nuvem: Oportunidade para Operadoras Parte III Serviços em Nuvem: Oportunidade para Operadoras Parte III Este artigo introduz os conceitos de computação em nuvem, Cloud Computing, e a insere no contexto de mercado de serviços ao apresenta-la como uma

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

Comentários gerais. consultoria em sistemas e processos em TI, que, com uma receita de R$ 5,6 bilhões, participou com 14,1% do total; e

Comentários gerais. consultoria em sistemas e processos em TI, que, com uma receita de R$ 5,6 bilhões, participou com 14,1% do total; e Comentários gerais Pesquisa de Serviços de Tecnologia da Informação - PSTI A investigou, em 2009, 1 799 empresas de TI com 20 ou mais Pessoas Ocupadas constantes do cadastro de empresas do IBGE e os produtos

Leia mais

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Fernando Veloso IBRE/FGV Book Launch of Surmounting the Middle Income Trap: The Main Issues for Brazil (IBRE/FGV e ILAS/CASS) Beijing, 6 de Maio

Leia mais

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Sendo uma organização que representa os interesses de fabricantes e fornecdores de produtos e sistemas para

Leia mais

Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia.

Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia. Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia. Bem-vindos à Conferência da ANACOM. Antes de mais gostaria de agradecer

Leia mais

VI Conferência Anpei: Inovação como Estratégia Competitiva

VI Conferência Anpei: Inovação como Estratégia Competitiva REVISTA DO BNDES, RIO DE JANEIRO, V. 13, N. 26, P. 303-308, DEZ. 2006 VI Conferência Anpei: Inovação como Estratégia Competitiva Data: 5 a 7 de junho de 2006 Local: Rio de Janeiro (RJ) Representante do

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA CONJUNTA BNDES/FINEP/MS DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO SETOR DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS E TECNOLOGIAS PARA A SAÚDE INOVA SAÚDE EQUIPAMENTOS MÉDICOS - 02/2013 Modelo de Plano

Leia mais

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO Ambiente de Inovação em Saúde EVENTO BRITCHAM LUIZ ARNALDO SZUTAN Diretor do Curso de Medicina Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo SOCIEDADES CONHECIMENTO

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO 05/IN01/DSIC/GSIPR 00 14/AGO/09 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações CRIAÇÃO DE EQUIPES DE TRATAMENTO E RESPOSTA A INCIDENTES

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF Brasília, 10 de agosto de 2012. Assunto: Contribuição à Consulta Pública nº

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Processadores de telecomunicações

Processadores de telecomunicações 1 Processadores de telecomunicações ƒ Modems (modulação/desmodulação) ƒ Converte sinais entre os formatos analógico e digital. ƒ Multiplexadores ƒ Permitem que um canal de comunicação transporte simultaneamente

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

ser alcançada através de diferentes tecnologias, sendo as principais listadas abaixo: DSL (Digital Subscriber Line) Transmissão de dados no mesmo

ser alcançada através de diferentes tecnologias, sendo as principais listadas abaixo: DSL (Digital Subscriber Line) Transmissão de dados no mesmo 1 Introdução Em 2009, o Brasil criou o Plano Nacional de Banda Larga, visando reverter o cenário de defasagem perante os principais países do mundo no setor de telecomunicações. Segundo Ministério das

Leia mais

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006.

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. DEFINE a Política de Informática do Estado do Amazonas. O PRESIDENTE DO COMITÊ ESTADUAL DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

O Panorama da TV Digital no Brasil. Leandro Miller Leonardo Jardim

O Panorama da TV Digital no Brasil. Leandro Miller Leonardo Jardim O Panorama da TV Digital no Brasil Leandro Miller Leonardo Jardim Tópicos Abordados TV Aberta no Brasil Vantagens da TV Digital Padrões de TV Digital Sistema Brasileiro de TV Digital Oportunidades na TV

Leia mais

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Companhia: Valor Econômico Funcionários:

Leia mais

Painel 2 Mecanismos de Estímulo para a Indústria de Telecomunicações

Painel 2 Mecanismos de Estímulo para a Indústria de Telecomunicações Painel 2 Mecanismos de Estímulo para a Indústria de Telecomunicações Segmento Redes de Telecomunicações Mario Baumgarten Retomada do Diálogo com a Indústria Duas décadas de foco no resgate do atendimento

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Propriedade Intelectual e seu impacto nos programas de pós-graduação XVI ENCEP Encontro Nacional de Coordenadores de Cursos de

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

A INDÚSTRIA BRASILEIRA E AS CADEIAS GLOBAIS DE VALOR

A INDÚSTRIA BRASILEIRA E AS CADEIAS GLOBAIS DE VALOR A INDÚSTRIA BRASILEIRA E AS CADEIAS GLOBAIS DE VALOR A INDÚSTRIA BRASILEIRA E AS CADEIAS GLOBAIS DE VALOR A INDÚSTRIA BRASILEIRA E AS CADEIAS GLOBAIS DE VALOR Prefácio As indústrias estão deixando de

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação. Parte 4 - Programas Prioritários em Informática

Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação. Parte 4 - Programas Prioritários em Informática Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação Parte 4 - Programas Prioritários em Informática Rede Nacional de Pesquisa Ministério da Ciência e Tecnologia Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação

Leia mais

O que são normas internacionais?

O que são normas internacionais? APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais