C) ANATEL c/e ~iecommica,ões

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "C) ANATEL c/e ~iecommica,ões"

Transcrição

1 Agência Nacional C) ANATEL c/e ~iecommica,ões Interessado: TELEMAR NORTE LESTE SIA,OI SIA,TELEFONICA BRASIL SIA I Assunto: PEDIDOS DE ANULAÇÃO EM FACE DA RESOLUÇÃO No E DO ATO No Outros dados: Uovimentações -7 Seq. Sigla I Código Data Seq, PVSTR O1 1 Sigla Código As movimentações deverão ser comunicadas ao protocolo.

2

3 ~AGENCIA 3 2;- NACIONAL DE TELECOMUNI~ACOES ANATEL - EU02 - RIO DE JANEIRO Ao Exmo. Sr. João Batista Rezende Presidente do Conselho Diretor Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL Assunto: Referências: Data: Pedido de Anulacão da Resolucão n." e do Ato n." Processos n.o e n.o O58OI2OlO Consulta Pública n.o 50. de TELEMAR NORTE LESTE S.A., Concessionária do Serviço Telefônico Fixo Comutado - STFC na Região I do Plano Geral de Outorgas, inscrita no CNPJIMF sob o n.o e 01 S.A., nova denominação social da BRASIL TELECOM S.A., Concessionária do Serviço Telefônico Fixo Comutado - STFC na Região II do Plano Geral de Outorgas (Procuração - Anexo I), inscrita no CNPJIMF sob o n." , ora denominadas conjuntamente apenas Oi e representadas por seus procuradores (Anexo 1 - Procuração), com base no art. 66' do Regimento Interno da Anatel, tempestivamente, apresentam PEDIDO DE ANULAÇÃO DE ATO ADMINISTRATIVO NORMATIVO COM PEDIDO DE EFEITO SUSPENSIVO em razão de vício identificado em itens da Resolução n." 590, de , que aprovou o novo Regulamento de Exploração Industrial de Linha Dedicada (EILD), bem como em face do Ato n." 2.716, de , que estabeleceu os valores de referência de EILD Padrão para Grupo detentor de PMS na oferta de EILD, pelos motivos que passa a expor. ' Todos os grifos neste documento são da Oi. i Regimento Interno da Anatel - Titulo IV - Dos Procedimentos Administrativos - Capitulo VI - Dos Atos Administrativos - Seção VI1 - Da Anulação "Art. 66. O procedimento de anulação de ato administrativo poderá ser iniciado de oflcio, nos casos indicados no art. 55, ou mediante provocação de interessados." o1 Riia Huiiiberlo de Campos, 4 /' (1 ' mdar, Leblon CEP RIO de Jaii~ tjj Diretoria de Assuntos Regulalorios Tel.: (21) Pagina 1 de 8

4

5 FATOS E DIREITO Sobre a nulidade de itens da Resolução n." 590, que aprovou o Regulamento de EILD 1. O novo Regulamento de EILD definiu, no inciso I de seu artiso 19", que a EILD Padrão, ofertada obrigatoriamente pelas Entidades Fornecedoras pertencentes a Grupo detentor de PMS, deve observar critério relativo a distância entre os enderecos de orisem e destino do centro de fios mais ~róximo, nos casos em que o fornecimento ocorrer por tecnologias que utilizem par metálico Antes de mais nada, necessário considerar que o fornecimento de EILD Padrão, de fato, é a própria disponibilização da infraestrutura disponível nas redes da entidade fornecedora. Entendimento diverso caracteriza, na prática, a criação de obrigações de investimento para a prestadora com PMS A forma que a Anatel caracterizou a EILD Padrão, estabelecendo o critério de distância geográfica de cinco quilômetros, pode levar a um erro indesejável, uma vez que não há qualquer contribuição ou justificativa técnica apresentada para tal alteração. 2. No curso do processo, ou seja, após a submissão da proposta do regulamento a Consulta Pública, o GT-EILD propôs a alteração do critério estabelecido no texto da Consulta Pública n." 50 - de dois quilômetros para cinco quilômetros na distância entre os endereços de origem e destino da EILD e os respectivos centros de fios, conforme descrito a seguir. Resolução n." 590 Art. 19. A Entidade Fornecedora pertencente a Grupo detentor de PMS na oferta de EILD deve oferecer EILD Padrão nos seguintes casos: I - Quando os endereços de origem e destino informados pela Entidade Solicitante estiverem a no máximo cinco auilômetros do centro de fios mais ~róximo, nos casos em que o fornecimento ocorrer por tecnologias que utilizem par metálico; Consulta Pública n." 50 Art. 19. A Entidade Fornecedora pertencente a Grupo detentor de PMS na oferta de EILD deve oferecer EILD Padrão nos seguintes casos: L) II - Quando os endereços de origem e destino da Entidade Solicitante estiverem a no máximo 2 (dois) auilômetros do centro de fios mais próximo, nos casos em que o fornecimento ocorrer por tecnologias que utilizem par metálico; 2.1. Apesar de existência de contribuições nesse sentido, ao texto apresentado na Consulta Pública, não foi apresentada pelos autores dessas contribuições (Embratel e Telcomp) ou pela própria Anatel, qualquer justificativa técnica consistente para a alteração realizada. o1 Rua Huiiiberlo de Campos, 42'. (i" andar, Leblon CEP: Rio de Jaiii i, o HJ Diretoria de Assuntos Regulatórios Tel.: (21) Pagina 2 de 8

6

7 2.2. A própria Procuradoria Federal da Agência, em seu Parecer juntado aos autos, alertou para o fato de que as razões para essa alteração não se encontravam devidamente motivadas, ao que o GT-EILD respondeu, no âmbito do Informe n.o de que "O GT-EILD optou pela alteração da distância dos endereços de origem e destino da Entidade Solicitante do centro de fios mais próximo de 2 para 5 km por entender que as tecnologias disponíveis para transmissão de dados em par metálico naquelas velocidades que caracterizam a EILD Padrão permitem maior alcance dos meios físicos utilizados, corroborando as contribuições apresentadas" Entretanto, necessário ressaltar que não existe no mercado nenhuma tecnologia que permita a prestação do serviço em velocidades altas com grandes distâncias, fato este comprovado pela realidade das empresas que demonstra ocorrer exponencial atenuação do sinal em função da combinação "velocidade demandada x distância envolvida até a estação do solicitante", conforme demonstrado na tabela a seguir O estabelecimento da distância entre endereços de origem e destino da EILD e respectivos centros de fios em patamares superiores ao verificado na prática se mostra inadequado e desarrazoado até mesmo quando a própria Agência, ao definir metas de qualidade para a banda larga fixa - aprovadas pela Resolução n.o 574, de , deixa claro que, para a prestação de serviços com qualidade, especialmente em velocidades mais altas, deve ser realizado o encurtamento da rede de cobre, levando o centro de fios para mais perto dos clientes Ademais, a Agência deixou de avaliar que a Oi têm uma extensa malha de rede legada de cobre construída e utilizada para a prestação do STFC, único serviço prestado no regime público e, como tal, único serviço objeto de metas de universalização. Considerando sua capacidade ocupada e disponibilidade, que decorre de um planejamento técnico de recursos e facilidades para uso próprio, especialmente para garantir cumprimento das obrigações regulamentares que requerem necessariamente a manutenção de cima reserva técnica, dado um determinado horizonte de tempo, a definição deste novo critério (distância de cinco quilômetros) combinado com as obrigações de prazo de atendimento, implica diretamente na necessidade de realização de investimentos adicionais por parte da Concessionária que não serão suportados pela prestação do serviço em sua modalidade exploração industrial. o1 Rua Huinberto de Canipos, 42'1 11" andar, Leblon CEP Rio de Jaiic I t I lij Diretoria de Assunlos Regulalórios Tel.: (21) Página 3 de 8

8

9 2.6. Faz sentido a obrigação regulatória de ofertar rede quando há disponibilidade na mesma, mas a regulamentação, de forma alguma, deve exigir que uma operadora construa rede tão somente para atender a demanda de outra operadora2. Este não é o espírito da Norma e objetivo percorrido pela Agência Frise-se, ainda, que o fornecimento de EILD é prestado em regime privado, não existindo obrigações de universalização ou de expansão das redes. 3. Finalmente, resta considerar que o novo regulamento estabeleceu condições comerciais inéditas e em níveis não praticáveis e totalmente dissonantes dos contratos firmados entre empresas privadas, como é o caso dos contratos de EILD, tais como o ressarcimento em triplo no caso de interrupções ( 4O do art. 6O), estabelecimento de compensações por lucro cessante (art O, inciso I) e da multa por cancelamento igual a 10 vezes o valor da parcela de instalação (art. 30 3O, inciso H) O estabelecimento de créditos por interrupção a serem concedidos a entidade solicitante em valor correspondente a três vezes aquele cobrado pela disponibilização da EILD no mesmo período, sequer está previsto no Código de Defesa do Consumidor, que estabelece regra de devolução em dobro somente em caso de cobrança e pagamento indevido, regra esta seguida tanto pelo Regulamento do STFC (Resolução n. 426), quanto no do SMP (Resolução n. 477) Tais determinações impostas pela Agência se apresentam como verdadeiras cláusulas penais contratuais que superam, de forma exagerada, o próprio valor da obrigação principal. Ademais, o estabelecimento de tais cláusulas deveria ser objeto de negociação e estabelecimento pelas partes, uma vez que elas possuem caráter eminentemente econômico e contratual Ao incluir tais obrigações excessivas, inéditas e não praticadas no mercado, ao invés de promover a diminuição de barreiras a entrada de novos prestadores de serviço, evitar onerosidade excessiva, ou até mesmo, recusa da prestação do serviço, que são de fato os objetivos esperados pela regulação, a Agência acaba por ferir a própria LGT, no que diz respeito ao princípio de intervenção mínima no domínio privado estabelecida no seu art Esse racional está em perfeita sintonia com a Exposição de Motivos que objetivou. claramente, evitar a du~licidade de construção de infraestrutura de redes e não onerar uma empresa para financiamento da rede e do serviço de outra. "atendimento: os operadores devem continuar expandindo sua rede de maneira a prestar serviço, dentro de prazos razoáveis, a quem os requlsitar e estiver disposto a pagar tarifas comerciais que cubram os custos de capital e operacionais" A Exposição de Motivos (página 24) ainda previu como regra básica a possibilidade de acesso dos concorrentes as redes abertas em condições adequadas. Acesso a uma rede já existente e com capacidade. '(...) A interconexão livre, e a possibilidade dos novos operadores adquirirem, dos antigos operadores dominantes, ace~so a suas redes nos pontos em que realmente tiverem necessidade. reduzirão os Investimentos em infra-estruturas duplicadas (...)" Salienta-se que para fins de acesso a redes por interconexão. a Exposição de Motivos também previu como regra básica a possibilidade de acesso dos concorrentes em termos de capacidade de rede. 'O provimento da interconexão das redes será realizado em termos não discriminatórios e de modo a não onerar desnecessariamente o solicitante. As condições serão objeto de livre negociação entre os interessados, observadas as regras que a Agência tixar. Isso significa que os operadores deverão prover, a seus clientes (em termos de capacidade de rede), acesso exatamente ás partes da rede que eles desejarem, de forma a reduzir ao mínimo as necessidades de construção de intra-estnituras paralelas." o1 Rua Huinberto de Campos. 40'1 0'',iiidar, Leblon CEP, Rio de Jarv I ítj Diretoria de Assuntos Regulatórios Tel.: (21) Pagina 4 de 8

10

11 Sobre a nulidade do Ato n." que aprovou os valores de referência de EILD 4. Em foram publicados no Diário Oficial da União os Valores de Referência de EILD Padrão para Grupo detentor de PMS na oferta de EILD, discriminados no Ato n." Entretanto, após obter cópias e vistas dos autos, foi possível tomar conhecimento da metodologia adotada pela Agência, tendo a Oi identificado inconsistências nos cálculos % aue preiudicam o resultado final obtido pela Aqência para determinacão dos valores de referência. 5. Para a obtenção dos valores de referência, no ano de 2010, a Anatel requisitou das prestadoras detentoras de PMS, incluindo a Oi, informações sobre seus contratos de EILD. Tais informações totalizaram dados de contratos, sendo específicos da Oi. Esses contratos foram divididos em duas categorias: contratos celebrados entre empresas do mesmo Grupo - "lntra Grupo" e contratos celebrados entre empresas de Grupos diferentes - "Fora do Grupo" Conforme extraído das análises realizadas pela Agência, especialmente aquelas constantes do Informe n." 1.O , a maioria das prestadoras informou os valores praticados nos contratos de EILD em valores brutos, enquanto a Embratel informou os preços Iíquidos A fim de equalizar a situação apresentada por cada uma das empresas, a Anatel transformou os preços Iíquidos dos contratos da Embratel em brutos, aplicando um incremento de 4O,l5%, que considera uma alíquota de ICMS de 25% e a incidência de PIS e COFINS de 3,65% Entretanto, este procedimento está incorreto, pois não retrata a realidade para as empresas inseridas no Anexo do Convênio ICMS n. 126, de , com a redação dado pelos Convênios ICMS n. 1 17, de , n. 152, de , e n. 128, de , todos do Conselho Nacional de '~olítica Fazendária (CONFAZ), as quais não se aplica o ICMS sobre os valores de EILD Tal procedimento foi, inclusive, objeto de considerações dessa Agência, em Memorando encaminhado pela Conselheira Emília Ribeiro a área técnica da Anatel (Mem ) que, em seu item 1.2 alerta para o fato de que deveria ser verificado se os valores brutos efetivamente compreendiam a incidência do ICMS. Mesmo diante deste alerta, o Convênio ICMS no 126 não foi observado. 6. Após o ajuste realizado para os valores apresentados pela Embratel, a Anatel elaborou duas tabelas utilizando os preços médios brutos praticados, uma para as empresas do mesmo Grupo (Intra Grupo) e outra para empresas'.de Grupos diferentes (Fora do Grupo) Assim como fez com os preços dos contratos da Embratel, a Anatel aplicou um incremento de 40,15% nos valores da Tabela de Referência até então vigente, que foi publicado segundo o Ato , de , sem considerar, também nesta oportunidade, o Convênio ICMS no 126. o1 Rua Hciinberlo de Campos, 4;''~ 0" aiidar, Leblon CEP Rio de Jaiic 11 i I I+:J Diretoria de Assuntos Regulalórios Tel.: (21) Pagina 5 de 8

12

13 6.2. A partir das tabelas obtidas, uma com os preços médios Intra Grupo, a segunda com os preços médios Fora do Grupo e, finalmente a Tabela de Referência até então vigente, ressalte-se, todas obtidas com valores brutos incorretos, a Anatel gerou uma nova tabela de valores de referência resultante da seleção dos valores mínimos entre as referidas tabelas Ao verificar que a tabela obtida apresentava alguns preços médios não estritamente crescentes em relação ao degrau ou a taxa de transmissão, a Anatel ajustou os dados utilizando funções logarítmicas para a dimensão degrau e funções exponenciais para a dimensão velocidade. Após tais ajustes, os novos valores foram limitados pelos valores constantes na Tabela de Referência vigente. 7. Neste contexto, com o objetivo de demonstrar que a aplicação da alíquota de 25% de ICMS indiscriminadamente ocasiona uma distorção relevante nos valores finais da nova Tabela de Referência de EILD Padrão, a Oi identificou os itens cujos valores médios foram baseados nos contratos apresentados pela Oi e que, pela metodologia aplicada pela Anatel, seriam os valores minimos quando comparadas as demais tabelas, todas com valores brutos Para transformar os preços selecionados em valores líquidos de impostos, deve-se considerar se a empresa contratante da EILD é isenta do ICMS, conforme Convênio ICMS no Se for isenta, somente é aplicável a alíquota de PIS e COFINS de 3,65%. Caso contrário, aplica-se, além do PIS e COFINS, o ICMS conforme a alíquota da Unidade da Federação (e.g. MG: 25%, PE: 28% e MT: 30%). Como a Anatel adotou um ICMS de 25% para todos os casos, a tabela a seguir mostra as diferenças entre os valores líquidos: Velocidade D4 D5 D8 Preço i'vltldio com Impostos (BRUTO) RS 2.5#,65 Preço Med o ~rn-i ImpOSiOS (L~QU~DO] Metodologia adotada pela Anatel R$ 1.815,61 Valor correta R$ 2.451,77 Preço Medao com Inipostos (BRUTO) R$ 3.321,65 R$ 3.L16,JT Preço hrledto sem Impostos (L~QU~DO} Metoddogta adotada peqa Anatel R$ 2.370,02 R$ 2.223,56 Valor correto R$ 2.982,97 R$ 3.002,66 Difeiei7p (%) 25,9% 350% ' Observando a página 10 do Informe destacamos os preços para a velocidade de 768 Kbps, nos degraus D4 (R$ ) e D8 (R$ ) e a velocidade de 384 Kbps no degrau D5 (R$ ). Tais preços sáo os minimos. o que pode ser confirmado na página 7 do Informe o1 Rua Huinberlo de Campos " andar, Leblon CEP Rio de Jaiii 11,I li,l Direloria de Assuntos Regulatórios Tel.: (21) Pagina 6 de 8

14

15 7.3. Considerando somente os preços acima exemplificados, verifica-se uma perda de quase 26% para a velocidade de 768 Kbps no degrau D4 e de 35% para velocidades de 384 e 768 Kbps, para os degraus D5 e D8, respectivamente. 8. Pelo racional aqui exposto, a Oi entende que, para corrigir efeito de não ter sido considerado o Convênio ICMS no 126 sobre a formação do preço final da EILD, assim como a aplicação indevida e irreal de uma mesma alíquota de ICMS, quando existem valores distintos para cada Unidade da Federação, a Anatel deve efetuar seus cálculos considerando exclusivamente os valores líquidos de tributos. 9. Ademais, não obstante os vícios materiais acima descritos, deve ser considerado que o Ato n." padece de vícios procedimentais que comprometem a sua validade, pois seu conteúdo não foi submetido previamente ao procedimento de Consulta Pública ferindo expressamente as regras do devido processo legal A participação dos particulares na atuação administrativa em audiências e consultas públicas possibilita que as decisões exaradgs pelo órgão regulador estejam conforme as especificidades do caso, o que concretiza os princípios da publicidade e da eficiência e evita a existência de erros materiais, como a aqui relatada Ao suprimir a etapa de Consulta Pública, a Anatel impediu que um tema de grande repercussão no setor fosse debatido e, por conseguinte, que os regulados exercessem seu direito de ampla defesa e contraditório, questionando ou ratificando o mérito da decisão Nesse sentido, caso o procedimento tivesse sido submetido a contribuição pública, os dados utilizados pela Anatel não teriam sido analisados de forma incorreta, eis que não foram prestadas com o devido detalhamento necessário, uma vez que haveria a oportunidade de as empresas apresentarem contribuiçóes que certamente, levaria a realização de ajustes. 10. Por todo o exposto, resta claro, portanto, que o Ato n." está eivado de vícios formais, decorrentes de erros fáticos e procedimentais que afastaram e prejudicam o resultado de fato esperado por essa Agência, devendo esta proceder a sua consequente suspensão e, consequentemente, revisão. CONCLUSÃO E PEDIDOS 11. Por todo o exposto, resta claro, portanto, que os atos normativos obieto da presente manifestacão estão eivados de vícios formais. decorrentes de erros fáticos e procedimentais aue ~reiudicam o resultado de fato esperado Dor essa Aaência, devendo esta proceder a sua consequente suspensão e, consequentemente, revisão. o1 Rua Huinberlo de Campos. 42'g 0" andar, Leblon CEP: Rio de Jaiicvii~i KJ Diretoria de Assuntos Regulatórios Tel.: (21) Página 7 de 8

16

17 12. No que diz respeito ao Novo Regulamento de EILD, aprovado pela Resolução n. 590, especialmente seu inciso I de seu artigo 19, trouxe alteração realizada após a submissão à Consulta Pública e sem a apresentação de qualquer estudo ou justificativa técnica que subsidiasse tal alteração e, ainda, em total descompasso com a realidade prática das empresas concessionárias. 13. A definição deste novo critério (distância de cinco quilometros), combinado com as obrigações de prazo de atendimento, implica diretamente na necessidade de realização de investimentos adicionais por parte da Concessionária, não sendo esta a caracterização adequada para o fornecimento da EILD Padrão. 14. Quanto a determinação de novos Valores de Referência de EILD Padrão para Grupo detentor de PMS na oferta de EILD, discriminados no Ato n."2.716, existem inconsistências nos cálculos que prejudicam o resultado final obtido pela Agência para determinação dos valores de referência, uma vez que não retrata a realidade para as empresas inseridas no Anexo do Convênio ICMS n. 126, de (CONFAZ), as quais não se aplica o ICMS sobre os valores de EILD. 15. No que diz respeito a necessidade de concessão de efeito suspensivo, é importante esclarecer que, caso as obrigações constantes na Resolução não sejam imediatamente suspensas e revistas, importarão em despesas para a Concessionária, além de afetarem diretamente os contratos já estabelecidos com diversas outras empresas, para o provimento de EILD. 16. Ademais, ao fixar os valores de referência para EILD Padrão na oferta por Grupos detentores de PMS, com preços aproximadamente 17% (dezessete por cento) menores do que os preços que vigoravam desde 2005, o Ato n." trará impacto para todo o setor de telecomunicações, o que torna ainda mais inadmissível sua aprovação sem prévia manifestação dos interessados, que serão diretamente afetados por tal medida. 17. Diante do exposto, a Oi requer a concessão do Efeito Sus~ensivo, bem como o recebimento do presente Pedido de Anulação, com a conseqüente revisão parcial da Resolucão n." 590 de que aprovou o novo Regulamento de Exploração Industrial de Linha Dedicada (EILD), bem como do Ato n." 2.716, de , que estabeleceu os valores de referência de EILD Padrão para Grupo detentor de PMS na oferta de EILD. Nestes Termos, Pede Deferimento. A - - Simone Vieira Cupello.., Gerência de Processos Janain Dini da Gama Gerente de rocessos ANATEL IP 01 Rua Huinberlo de Campos. 42'1 1;'' CEP Rio de Jaii, IIO mdar, Leblon fij Diretoria de Assunlos Regulatórios Tel.: (21) Pagina 8 de 8

18

19 . I I., j )L ri.:,. I ".. L. +? - Fernanda de Freitas Leitão Rua do ouvidor.' 89 - Centro - No de janeiro - RI CEP Tel.: (2 I) Av. das Américas. 500 BI. I 1 -'Li Barra da Tijuca - CEP 22640; Tel.: (2 1) ; 6 1 w,cartorio 15.com.br I I i I ' ' i Livro no 2874 P R O C U R A Ç Á O, bastante que faz, na Fls no. 001' forma abaixo:... A-- Ato no,001 Aos 22 (vinte e dois), dias do mês de março do ano de 2012 (dois mil e doze), nesta Cidade do Rio de Jageiro, Capital do Estado do Rio dè Janeiro no,cartório do 15" Oficio de Notas, na Rua' dp Ouvidor n." 89, perante mim, FLAVLA.JOCmM RIBEIRO CALAZANS BARONI, Tabeliã Substihita, matricula da corregedoria Geral da Justiça no , compareceu como OUTORGANTE: TELEMAR NORTE LESTE S/A, companhia aberta, com sede na cidade do Rio de Janeiro, RJ, na rua General Polidoro, 99, inscrita'no CNPJ sob o no , neste ato devidamente representada na foha de seus atos, constitutivos, por' seu Diretor Presidente,. FRAN~ISCÓ TOSTA VALIM FJLHO, brásileiro, casado, administrador de empresas, inscrito no CPFIMF sob o n , portador da carteira de identidade n , expedida pela SSP/RS e por seu Diretor, ALEX WALDEMAR ZORNIG, brasileiro, separado judicialmente, administrador, portador da carteira de identidade no ,ex~edida pela SSPISP em 06/01/1995, inscrito no CPFIMF sob o no ,.,ambos com endereço 'comercial. nesta Ci'dade, na Rua Humberto de Campss, no 425, 8" andar, Leblon. Identificados conforme os document0.s apresentados c~ijas xerocópjas ficam arquivadas nesta Serventia e pela forma solene do presente instrumento público nomeia e constitui se& bastantes procuradores: Joãò de Deus Pinheiro. de Macêdo, brasileirg casado, Diretor de Planejamento Executivo -.matrícula 16283, portador da carteira de identidade n." expedida pela SSP~A, e inscrito no CPFfMF sob o n." ; André Muller Borges, brasileiro, casado,, Diretor de Reguiamentação e Estratégia - matrícula , portador da identidade n." , expedido pela SSOSP, e inscrito.no CPF/MF sob o ny ; Adriana da Cunha Costa, brasileira, Easada, Diretora de Assuntos Regulatórios -, matrícula , portadora da identidade n." 'ernitida pela OABIRJ, e'inscrita no CPF/MF e Sob o n." ; Carlos ~lberto Macedo Cidade, brasileiro, casado, Diretor de Politica Regulatória - matrícula , portador da carteira de identidade n." 16800,-expedida pela OABIDF, e inscrito no CPFIMF sob o n." 323: ; Pedi'õ ~ enri~ue de Abreu Silva, brasileiro, casado,' Diretor de Planejamento Regi!latório - mat;icula 16458, portador da carteira de idmtidade n." expedida $ela SSPIBA, e inscrito no CPF/MF sob o n." ; Carlos Augusto Machado de Almeida Brandão, brasileiro, casado,.diretor de Estratégia - matricula , ~ortador da carteira de identidade no expedida'~ela SSP/MG, e inscrito no CPFíMF sob ò no ;Ana Beatriz Rios pires, brasileira, solteira, Especialista Regulamentação - matrícula , portadora da carteira de identidade no eXpedia pelo DICiRJ, e inscrita 116 CPFIMF sob 'o no ; André ' Ferreira. Perelra, brasileiro, solteiro, Especialista Regulamentacão - matricula , portador da carteira de.identidade n." expedida pela,oab/rj, e inbrito no CPF/MF sob o n." ; Andressa Aquino Barcelos Fernanùes, brasileira, solteira, Consultora Regulamentação - matricula , ~ortadora'da carteira identidade n." 130,967 expedida pela OAB-RJ, e inscriia no CPFNF sob o n." ; Carolina Silvia ' Alves Nogueira, brasileira, solteira, Analista de Regulamentação I - matricula , portadora da carteira de identidade no expedida pelo DETRANIRJ, e inscrita no' CPFWF sob O n.? ;Fabio Silva de'~arros, brasileiro, solteiro, Especialista Regulamentação - matrícula 97641, portador da carteira de identidade n." ,expedida pela MM-RJ, e inscrito no CPFíMF sob o np ;~eliG TeQer, brasileiro, solteiro, Assistente Administrativo I1 - matricula , pqrtadoi,da carteira de identidade no IFP/RJ,, inscrito no CPFIMF sob O n." ;Fernanda Rômiilo de Magalhães, biaiileira, casada, Analista de,regulamentação 11 - matrícula , portadora da carteira de identidade h." 'expedida pela OABIRJ, e inscrita no CPF/MF sob n." ; Filipe'~&ses ~antas Borges, brasileiro, solteiro, Especialista Regblamentação - matrícula , portador da carteira de identidade n." expedida pela OABIRJ, e inscrito no CPF/MF.sob o n." ; Gabriela Schiavo Ribeiro, brasileira,. solteira, Analista de ~egulamenta~ão miti.icu1à' , portadora da carteira de identidade n.", expedida pela OAB-RJ, e inscrita no CPF/MF sob o na ;.JanaínaDinizda.Gama, brasileira, casada, Gerente ~rocessos Anatil CADE - matricula 23265, portadora da carteira de identidade n." expedida pela OABIMG, e inscrita no CPFIMF sob o n." ; Marcello Fortunato Louzaùa, brasileiro, casado, Especialista ~e~ularnenta~ãò - matrícula 3'05614, portador da carteira de identidade np expedida pela OAB-RJ; e inscrito -no CPFIMF sob o n."' 021, ;Marcos Fonseca Pelizer, brasileiro, casado, Representante ~ns'titucional - matrícula , portador da carteira de identidade li." expedida pela9ablsp;e inscrito no CPFIMF sob o n." ;Maririna Mevedo Moraes, brasileilaa, solteira, Analista de Regulamentação, 111 -, matrícula portadora da carteira de identidade n." expedida pela OABIRJ, e inscrita no CPFIMF sob o n." ; ~iliane Marins Diniz, brasileira, separada

20 judicialmente, Consultora Regulamentação - matrícula , portadora da caifeira de identidade n." ex~edlda pela OABIDF, e inscrita no CPFIMF Sob o n." ; Lucas Gqmes Fefnandes, biasileiro, solteiro; assistente administrativo I1 - matrícula , portador da carteiya de identidade n." expedida pela DIC-RJ, e inscrito no CPFíMF sob o n." ; Lucimara de Paula Fraccho Gua-bafino, brasileira, solteira, Analista de Regulamentação I - matrícula , portadora da carteira de identidade no , expedida pelo DETRAN/RJ,e inscrita no CPFIMF sob o n." ; Patricia Ribeiro ~oriira, brasileira, solteira, Analista de Regulamentação I1 : matiícula , 'portadora da carteira de identidade n." expedida pelo IFP-RJ, e inscrita no CPFIMF sob o n." ; Raquel Magalhães Ribeiro, brasileira, casada, Analista de Regulamentação matrícula 70376, portadora da carteira de identidade n." expedida pelo IFPIRJ, e inscrita no CPFIMF sob o n." ;Renata Tumba costa, brasileira, solteira, ~ònsuítora de Regulamentação - matrícula , portadora da carteira de identidade i." expedida pela SSP-DF, e inscrija no CPFIMF sob o n." ; Simone/ Vieira Cupello, brasileira, solteira, Especialista Regulamentação - matrícula , portadoia da carfeira de identidade na expedida pela OABIRJ, e inscrita no CPF/MF sob O n." ; Sulamita Ribeiro Alves, brasileira, divorciada, Analista de Regulamentação - matricula , portadora da carteira de identidade n." expedida pela 'oab/rj; e inscrita no CPFíMF sob on." ; Aline de Oliveira Castanheira Rodrigues, brasjleira, solteira, Analista de Regulamentação matrícula , portadoia da carteira de identidade n." expedida pela CREA-RJ, e inscrita ho CPF/MF sob o n." r76;bruno Cezar Ferreira Miranda Reis, brasileiro, casado, Consultor Regulamentação - matrícula , portador da carteira de identidade n." expedida pelo CREA~J, e inscfito no CPFIMF sob o n." ; Bianca 'Azevedo da Fonseca, brasileira, casada, Assistente,Administrativo I1 - matrícula , podadora da carteira de identidade n." expedida pelo DetranIRJ, e inscrita no C P F sob ~ o n.' ; ~cluardo Souza da Silva, brasileiro, casado, Especialista Regulamentação - matrícula , portador da carteira de identidade n." 1.l expedida pelo SSPDF, 'e.inscrito no CPFíMF sob o n." ; Evllyn Vianna Capao,.brasileira, casada, Gerente Controle Obrigações'- matrícula 78876, portadora da carteira de identidade n." expedida pelo IFP-RJ, e inscrita no CPFMF sob O n." g '10;~atiana Peuker Sardon, brisileiia, casada, Especialista Regulamentação - matrícula 2P9207, portadora da carteira de identidade n: expedida pela DIC-RJ, e inscrita no CPF/MF sob o n." ;' Flley Lima Gomes, brasileiro, solteiro, Analista Regulamentação I - matrícula , portador da cadeira de identidade no expedida bela OABIRJ, e inscrito no CPFIMF sob o no '577-64; Alex Brucker Mota, brasileiro, casado, Especialista Regulamefitação- matricula , portador da carteira de.identidade n." expedida pelo' IFPIRJ, e inscrito no CPFIh4F sob o n." ; Aline Cordeiro Mourão, brasileka, solteira, - Analista de Regulamentação I 7'mafrícula ,- portadora.da'carteira de identidade expedida pela OABICE, e inscrita no CPFIMF sob o ;Eduardo Castelo Branco. Vercosa Massa, brasileiro, so1teiro;~s~ecialist~ Regulamentação - matrícula , portador da carteira de identidade n." expedida pelo IFP/RJ, e inscrito no CPFIMF sob o n." O!XLl ;- Jorge Luiz da Silva correia, brasileiro, casado, Gerente ~onsultoria Regulatória -.. matrícula portador da carteira de identidade n." 27270D expedida pelo C&A-RJ, e inscrito no CPFIMF sob o n." ; José Carlos Picolo, brasileiro, casado, Consultor Regulamentação - matrícula 58525, portador da carteira de identidade n." '54 expedida.pelo CREA-RJ, e inscrito no CPFIMF sob o n." ; Luiz Antonio Senna Catarcione, brasileiro, casado, Consultor Regulamentação I1 - matrícula , portador da carteira de identidade n." expedida' pelo FP-RJ, e inscrito no CPFIMF sob o n." : Leandro Pinto Vilela,. brasileiro, casado, -Gerente de Estratégia Regulatória - matrícula , ~ortador da'cakeira de identiddde OABIRJ, e inscrito no CPFNF sob o n." ;Luiz Eduardo Gonçalves Tiecher, brasileiro, solteiro, Consultor de Regulamentação - matrícula , portador da carteira de identidade h." expedida pelo IDIC-RJ, e inscrito no CPFIMF sob O n.o ; Marcos Henrique Czank, \?rasileiro, solteiro, Gerente Planejamento Estratégico - matrícula , portador da carteira de identidade n expedida pelo. SSPISP, e inscrito * no CPFIMF sob O n." ; Rubem Jorge Dias, brasileiro, casado, Consultor ' Regulamentação - matrícula 20221, portador da carteira de identidade n." expedida pelo IFPIRJ, e inscrito no CPF/MF.sob o n." ; Valdir Figueira Gonçalves Ferreira,.. brasileiro, casado, Consultor Regulamentação - inatrícula eletricista, portador da carteira de ' Y identidade n." expedida pelo SSPISC, e inscrito iio CPF/MF.sob: o, n." ; ~ils'on de ~icântara Machado silva, brasileiro; casado, Analista d\e ~e~ulamentação I1 - matrícula,305170, portador da carteira de identidade n?" expedida pela OAB-RJ, e inscrito no CPFIMF

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. Do reajuste tarifário das chamadas telefônicas do STFC envolvendo acessos do SMP e

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. Do reajuste tarifário das chamadas telefônicas do STFC envolvendo acessos do SMP e Do reajuste tarifário das chamadas telefônicas do STFC envolvendo acessos do SMP e SME à luz do Regulamento anexo à Resolução nº 576/2011 da Anatel Luciana Chaves Freire Félix Procuradora Federal em Brasília-DF

Leia mais

Contrato de Adesão CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC)

Contrato de Adesão CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC) Contrato de Adesão CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC) O texto deste Contrato foi submetido à aprovação da Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL, estando sujeito a

Leia mais

Consulta Pública nº 26/2014 Revisão dos Contratos de Concessão do STFC

Consulta Pública nº 26/2014 Revisão dos Contratos de Concessão do STFC Consulta Pública nº 26/2014 Revisão dos Contratos de Concessão do STFC 26 de setembro de 2014 Audiência Pública Superintendência de Planejamento e Regulamentação (SPR) Sumário Temas e Análise das Alternativas

Leia mais

CAPÍTULO I OBJETO E ÁREA DE PRESTAÇÃO

CAPÍTULO I OBJETO E ÁREA DE PRESTAÇÃO TERMO DE AUTORIZAÇÃO Nº 33/2015/ORLE/SOR ANATEL TERMO DE AUTORIZAÇÃO PARA EXPLORAÇÃO DO SERVIÇO DE ACESSO CONDICIONADO, QUE ENTRE SI CELEBRAM A AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL E OXMAN TECNOLOGIA

Leia mais

CAPÍTULO I OBJETO E ÁREA DE PRESTAÇÃO

CAPÍTULO I OBJETO E ÁREA DE PRESTAÇÃO TERMO DE AUTORIZAÇÃO Nº 94/2014/ORLE/SOR ANATEL TERMO DE AUTORIZAÇÃO PARA EXPLORAÇÃO DO SERVIÇO DE ACESSO CONDICIONADO, QUE ENTRE SI CELEBRAM A AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL E TELECOMUNICACOES

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 057/2009

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 057/2009 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 057/2009 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 490, DE 24 DE JANEIRO DE 2008 REGULAMENTO DE CONSELHO DE USUÁRIOS DO STFC CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Este Regulamento estabelece as regras básicas para implantação,

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0162/2006

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0162/2006 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0162/2006 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

CLÁUSULA SEGUNDA - DA VINCULAÇÃO AO EDITAL

CLÁUSULA SEGUNDA - DA VINCULAÇÃO AO EDITAL PROCESSO Nº 01550.000345/2009-46. PREGÃO Nº 26/2009. ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 1/2010. A FUNDAÇÃO CASA DE RUI BARBOSA, pessoa jurídica de direito público vinculada a Ministério da Cultura, com sede

Leia mais

SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO RIO DE JANEIRO SEBRAE/RJ. CONCORRÊNCIA No 01/03 EDITAL DE CREDENCIAMENTO

SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO RIO DE JANEIRO SEBRAE/RJ. CONCORRÊNCIA No 01/03 EDITAL DE CREDENCIAMENTO 1 SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SEBRAE/RJ 1. DA CONVOCAÇÃO: CONCORRÊNCIA No 01/03 EDITAL DE CREDENCIAMENTO SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO

Leia mais

MUNICÍPIO DE MAUÉS TERRA DO GUARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE MAUÉS TERMO DE CONTRATO DE FORNECIMENTO DE SUPRIMENTOS DE INFORMÁTICA Nº 045A/ 2014.

MUNICÍPIO DE MAUÉS TERRA DO GUARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE MAUÉS TERMO DE CONTRATO DE FORNECIMENTO DE SUPRIMENTOS DE INFORMÁTICA Nº 045A/ 2014. TERMO DE CONTRATO DE FORNECIMENTO DE SUPRIMENTOS DE INFORMÁTICA Nº 045A/ 2014. TERMO DE CONTRATO DE FORNECIMENTO DE SUPRIMENTOS DE INFORMÁTICA, celebrado entre o MUNICÍPIO DE MAUÉS, por intermédio da PREFEITURA

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0082/2007

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0082/2007 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0082/2007 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0135/2007

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0135/2007 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0135/2007 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0115/2006

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0115/2006 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0115/2006 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

APÓLICE/ENDOSSO DE SEGURO GARANTIA

APÓLICE/ENDOSSO DE SEGURO GARANTIA APÓLICE/ENDOSSO DE SEGURO GARANTIA Apólice: 024612013000107750002827 Processo SUSEP : 15414.004045/2010-49 Endosso: 0000000 Número de Controle Interno: 7202Ě CONDIÇÕES PARTICULARES A Austral Seguradora

Leia mais

PEDIDO DE ANULAÇAO com pedido de efeito suspensivo

PEDIDO DE ANULAÇAO com pedido de efeito suspensivo vivo AO ILUSTR~SSIMO SENHOR PRESIDENTE DO CONSELHO DIRETOR DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇOES - ANATEL, JOAO BATISTA DE REZENDE. TELEFONICA BRASIL SIA ("TELEFONICA"), atual denominação de TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS DA CEG 1.º PARTES a) CEG: COMPANHIA DISTRIBUIDORA DE

Leia mais

CONVITE Nº 003/2012 - CRA/RN

CONVITE Nº 003/2012 - CRA/RN CONVITE Nº 003/2012 - CRA/RN Prezados senhores, A COMISSÃO ESPECIAL DE LICITAÇÕES DO CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO CRA/RN em conformidade com a Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, torna público,

Leia mais

RESOLUÇÃO 942 / 99. Assunto: Aprovação das "NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA", e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94.

RESOLUÇÃO 942 / 99. Assunto: Aprovação das NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA, e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94. RESOLUÇÃO 942 / 99 Assunto: Aprovação das "NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA", e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94. Referência: INFORMAÇÃO PADRONIZADA SD/CCE - 01 /99, de

Leia mais

Interessados: Interessado: Ministério das Comunicações, Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL

Interessados: Interessado: Ministério das Comunicações, Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL Tribunal de Contas da União Número do documento: DC-0483-30/01-P Identidade do documento: Decisão 483/2001 - Plenário Ementa: Acompanhamento. ANATEL. Licitação. Outorga de direito de concessão para a exploração

Leia mais

CAIXA DE PREVIDÊNCIA DOS FUNCIONÁRIOS DO SISTEMA BANERJ PREVI-BANERJ EM LIQUIDAÇÃO EXTRAJUDICIAL EDITAL DE CONCORRÊNCIA PARA VENDA DE BENS IMÓVEIS

CAIXA DE PREVIDÊNCIA DOS FUNCIONÁRIOS DO SISTEMA BANERJ PREVI-BANERJ EM LIQUIDAÇÃO EXTRAJUDICIAL EDITAL DE CONCORRÊNCIA PARA VENDA DE BENS IMÓVEIS CAIXA DE PREVIDÊNCIA DOS FUNCIONÁRIOS DO SISTEMA BANERJ PREVI-BANERJ EM LIQUIDAÇÃO EXTRAJUDICIAL EDITAL DE CONCORRÊNCIA PARA VENDA DE BENS IMÓVEIS O Liquidante da CAIXA DE PREVIDÊNCIA DOS FUNCIONÁRIOS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 Define os parâmetros nacionais para a inscrição das entidades e organizações de assistência social, bem como dos serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais

Leia mais

CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO E O INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE PASSO FUNDO - SOLIDARIEDADE - IDPF

CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO E O INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE PASSO FUNDO - SOLIDARIEDADE - IDPF CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO E O INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE PASSO FUNDO - SOLIDARIEDADE - IDPF 032/2014 - PGM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO, pessoa jurídica

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 05, de 28 de janeiro de 2015 D.O.U de 29/01/2015

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 05, de 28 de janeiro de 2015 D.O.U de 29/01/2015 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 05, de 28 de janeiro de 2015 D.O.U de 29/01/2015 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000 ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000 REGULAMENTO PARA ARRECADAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO DAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARA O FUNDO DE UNIVERSALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

BRASIL INSURANCE PARTICIPAÇÕES E ADMINISTRAÇÃO S.A. CNPJ/MF: 11.721.921/0001-60 NIRE: 33.3.0029291-8 Companhia Aberta

BRASIL INSURANCE PARTICIPAÇÕES E ADMINISTRAÇÃO S.A. CNPJ/MF: 11.721.921/0001-60 NIRE: 33.3.0029291-8 Companhia Aberta Companhia Aberta ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 12 DE MAIO DE 2011 1. Data, Hora e Local: Às 10:00 horas do dia 12 de maio de 2011, na sede social da Companhia, na Cidade e Estado

Leia mais

MINISTÉRIO DA CULTURA FUNDAÇÃO NACIONAL DE ARTES FUNARTE COMISSÃO DE COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA HABILITAÇÃO Nº. 01/2014

MINISTÉRIO DA CULTURA FUNDAÇÃO NACIONAL DE ARTES FUNARTE COMISSÃO DE COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA HABILITAÇÃO Nº. 01/2014 A Fundação Nacional de Artes FUNARTE realizará, das 9 horas do dia 23 de janeiro de 2014 às 16 horas do dia 28 de janeiro de 2014, procedimento de HABILITAÇÃO das associações e cooperativas de catadores

Leia mais

ESCLARECIMENTOS. Edital 0742/2008-08 Processo 50608.000170/2008-99. Em resposta a pedido de esclarecimentos segue abaixo na respectiva ordem :

ESCLARECIMENTOS. Edital 0742/2008-08 Processo 50608.000170/2008-99. Em resposta a pedido de esclarecimentos segue abaixo na respectiva ordem : ESCLARECIMENTOS Edital 0742/2008-08 Processo 50608.000170/2008-99 Em resposta a pedido de esclarecimentos segue abaixo na respectiva ordem : 1) Da Habilitação: Entendemos que as empresas participantes

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA CONSULTORIA TRIBUTÁRIA CONSULTA TRIBUTÁRIA ELETRÔNICA

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA CONSULTORIA TRIBUTÁRIA CONSULTA TRIBUTÁRIA ELETRÔNICA GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA CONSULTORIA TRIBUTÁRIA CONSULTA TRIBUTÁRIA ELETRÔNICA Orientações Versão 1.3 Dez/2014 1. O que é a consulta

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0216/2007

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0216/2007 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0216/2007 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

TERMO DE ADESÃO AO OI GESTOR MÓVEL

TERMO DE ADESÃO AO OI GESTOR MÓVEL TERMO DE ADESÃO AO OI GESTOR MÓVEL TNL PCS S.A., sociedade anônima, autorizatária para a exploração do Serviço Móvel Pessoal (SMP), com sede na Cidade do Rio de Janeiro, Estado do Rio de Janeiro, na Rua

Leia mais

Telecomunicações de São Paulo S/A

Telecomunicações de São Paulo S/A INSTRUMENTO PARTICULAR DE CESSÃO DE USO DA RELAÇÃO DE ASSINANTES No. M O D E L O A Telecomunicações de São Paulo S/A - TELESP, sociedade constituída sob as leis brasileiras, com sede na Capital do Estado

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 315, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 315, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 315, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 Altera as Resoluções Normativas - RN nº 85, de 7 de dezembro de 2004, que dispõe sobre

Leia mais

Regulamento Sobre a Contratação de Serviços e Aquisição de Equipamentos ou Materiais pelas Prestadoras de Serviços de Telecomunicações

Regulamento Sobre a Contratação de Serviços e Aquisição de Equipamentos ou Materiais pelas Prestadoras de Serviços de Telecomunicações AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ASSESSORIA TÉCNICA CONSULTA PÚBLICA Nº 118, DE 13 DE ABRIL DE 1999 Regulamento Sobre a Contratação de Serviços e Aquisição de Equipamentos ou Materiais pelas Prestadoras

Leia mais

CONTRATO DE ADESÃO AO PLANO ALTERNATIVO PLANO SUPER LIGAÇÃO 15 TARIFA ÚNICA TODO DIA TODA HORA

CONTRATO DE ADESÃO AO PLANO ALTERNATIVO PLANO SUPER LIGAÇÃO 15 TARIFA ÚNICA TODO DIA TODA HORA CONTRATO DE ADESÃO AO PLANO ALTERNATIVO PLANO SUPER LIGAÇÃO 15 TARIFA ÚNICA TODO DIA TODA HORA Por este instrumento, em que são partes: de um lado a TELEFÔNICA BRASIL S.A., concessionária do Serviço Telefônico

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 301, DE 7 DE AGOSTO DE 2012

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 301, DE 7 DE AGOSTO DE 2012 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 301, DE 7 DE AGOSTO DE 2012 Altera a Resolução Normativa - RN nº 48, de 19 de setembro de 2003, que dispõe sobre o

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO CFC N.º 1.166/09 Dispõe sobre o Registro Cadastral das Organizações Contábeis. regimentais, O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e RESOLVE: CAPÍTULO I

Leia mais

REGULAMENTO DA OFERTA TIM CASA FIXO BRASIL + MÓVEL TIM BRASIL (1/9/2015 a 20/12/2015)

REGULAMENTO DA OFERTA TIM CASA FIXO BRASIL + MÓVEL TIM BRASIL (1/9/2015 a 20/12/2015) REGULAMENTO DA OFERTA TIM CASA FIXO BRASIL + MÓVEL TIM BRASIL (1/9/2015 a 20/12/2015) Empresa Participante: INTELIG TELECOMUNICAÇÕES LTDA., com sede na Rua Fonseca Teles, nº 18, A30, bloco B, Térreo, São

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 03/2014

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 03/2014 EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 03/2014 O Município de Vale do Sol, RS, através do Prefeito Municipal. Sr. Clécio Halmenschlager, comunica aos interessados que está procedendo ao CREDENCIAMENTO de pessoas

Leia mais

Edição Número 214 de 06/11/2012. Ministério da Educação Gabinete do Ministro PORTARIA NORMATIVA Nº 21, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2012

Edição Número 214 de 06/11/2012. Ministério da Educação Gabinete do Ministro PORTARIA NORMATIVA Nº 21, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2012 Edição Número 214 de 06/11/2012 Ministério da Educação Gabinete do Ministro PORTARIA NORMATIVA Nº 21, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2012 Dispõe sobre o Sistema de Seleção Unificada - Sisu. O MINISTRO DE ESTADO DA

Leia mais

LEI Nº 8.977, DE 6 DE JANEIRO DE 1995

LEI Nº 8.977, DE 6 DE JANEIRO DE 1995 LEI Nº 8.977, DE 6 DE JANEIRO DE 1995 Dispõe sobre o Serviço de TV a Cabo e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO

Leia mais

PROVIMENTO Nº 116 DE 14 DE JULHO DE 1997

PROVIMENTO Nº 116 DE 14 DE JULHO DE 1997 CORREGEDORIA-GERAL PROVIMENTO Nº 116 DE 14 DE JULHO DE 1997 O Excelentíssimo Doutor ALBERTO NOGUEIRA, Vice-Presidente e Corregedor - Geral do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, no uso de suas atribuições

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO NA MODALIDADE LOCAL PLANOS DE SERVIÇO CLARO FIXO.

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO NA MODALIDADE LOCAL PLANOS DE SERVIÇO CLARO FIXO. CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO NA MODALIDADE LOCAL PLANOS DE SERVIÇO CLARO FIXO. Objeto O objeto do presente Contrato é a prestação, pela EMBRATEL, do Serviço Telefônico Fixo

Leia mais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL PORTARIA CONJUNTA Nº 900, DE 19 DE JULHO DE 2002. Disciplina o pagamento ou parcelamento de débitos de que trata o art. 11 da Medida Provisória nº 38, de 14 de maio de 2002.

Leia mais

Compra e recebimento de Crédito de ICMS para pagamento de conta de Energia Elétrica

Compra e recebimento de Crédito de ICMS para pagamento de conta de Energia Elétrica Compra e recebimento de Crédito de ICMS para pagamento de conta de Energia Elétrica Engº Francisco Antônio Ramos de Oliveira Gerente de Negócios faro@cpfl.com.br 14 9148 5978 São Paulo, 16 de junho de

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇO nº 001/2009

ATA DE REGISTRO DE PREÇO nº 001/2009 ATA DE REGISTRO DE PREÇO nº 001/2009 OBJETO: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA OS SERVIÇOS DE CONFECÇÃO DE CARIMBOS, CONFORME PROCESSO LICITATÓRIO Nº 2008.0701.000825, PREGÃO PRESENCIAL Nº052/2008. Aos 02 dias

Leia mais

NORMA SOBRE REGISTRO DE INTENÇÃO DE DOAÇÃO A INSTITUIÇÃO DE UTILIDADE PÚBLICA, UTILIZANDO SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES

NORMA SOBRE REGISTRO DE INTENÇÃO DE DOAÇÃO A INSTITUIÇÃO DE UTILIDADE PÚBLICA, UTILIZANDO SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES NORMA SOBRE REGISTRO DE INTENÇÃO DE DOAÇÃO A INSTITUIÇÃO DE UTILIDADE PÚBLICA, UTILIZANDO SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES 1 - DO OBJETIVO 1.1. Esta Norma tem por objetivo estabelecer condições para prestação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BURI ESTADO DE SÃO PAULO

PREFEITURA MUNICIPAL DE BURI ESTADO DE SÃO PAULO TERMO Nº 040/2016 R$ 25.095,00 TERMO DE CONTRATO QUE FAZEM ENTRE SI A PREFEITURA MUNICIPAL DE BURI E A EMPRESA MARIA GABRIELA FERREIRA SANTOS ME. A PREFEITURA MUNICIPAL DE BURI, com sede à Rua Coronel

Leia mais

Prefeitura Municipal de Paulínia

Prefeitura Municipal de Paulínia CONTRATO SOB Nº 020/2016, DE AQUISIÇÃO DE MATERIAIS ODONTOLÓGICOS, QUE ENTRE SI CELEBRAM A MUNICIPALIDADE DE PAULÍNIA E A EMPRESA PORTAL LTDA. Protocolado nº 13.970/2015. CONTRATANTE: MUNICIPALIDADE DE

Leia mais

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação.

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação. Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER Referência: 7400.011101/201-6 Assunto: Restrição de acesso: Ementa: Órgão ou entidade recorrido (a): Recorrente: Recurso contra decisão denegatória

Leia mais

ANEXO VII MODELOS DE DECLARAÇÕES

ANEXO VII MODELOS DE DECLARAÇÕES ANEXO VII MODELOS DE DECLARAÇÕES SUMÁRIO I - MODELO DE SOLICITAÇÃO DE ESCLARECIMENTOS... 3 II - TERMOS E CONDIÇÕES MÍNIMOS DO SEGURO-GARANTIA PARA GARANTIA DE PROPOSTA... 4 III - MODELO DE FIANÇA-BANCÁRIA

Leia mais

DESCRITIVO DO PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO Nº 124a

DESCRITIVO DO PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO Nº 124a DESCRITIVO DO PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO Nº 124a A. Empresa: Oi (Telemar Norte Leste S.A.) B. Nome do Plano: Plano Alternativo de Serviço n.º 124A Oi Fixo Controle C. Identificação para a Anatel: Plano

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TELEFONIA FIXA COMUTADA

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TELEFONIA FIXA COMUTADA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TELEFONIA FIXA COMUTADA Pelo presente instrumento particular de contrato de prestação de serviços, de um lado, OTS OPTION TELECOM SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES LTDA.,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 043/2010-CPJ

RESOLUÇÃO Nº 043/2010-CPJ RESOLUÇÃO Nº 043/2010-CPJ O COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO, no uso de suas atribuições legais, tendo em vista o disposto no artigo 29-A da Lei nº 8.229, de 07 de dezembro de

Leia mais

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE Elaborado em: 22/09/2010 Autora: Walleska Vila Nova Maranhão

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO PROCURADORIA GERAL CONVÊNIO Nº 105/PGM/2011 - PROCESSO Nº 06.3467-00/2011

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO PROCURADORIA GERAL CONVÊNIO Nº 105/PGM/2011 - PROCESSO Nº 06.3467-00/2011 CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE PORTO VELHO, POR INTERMÉDIO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA - SEMFAZ, DE UM LADO, E DO OUTRO O BANCO DO BRASIL S.A., PARA OS FINS QUE ESPECIFICAM. Aos vinte

Leia mais

Assinatura: RELATÓRIO

Assinatura: RELATÓRIO Gerência/Diretoria: NUCLEO-RJ/SEGER Protocolo nº: 33902.566210/2012-01 Data: 23/11/2012 Hora: 14:33:25 Diretoria de Fiscalização Assinatura: Processo n.º: 33902.113433/2010-08 Demanda/Protocolo: 963822/959019

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 309, DE 18 DE MARÇO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 309, DE 18 DE MARÇO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 309, DE 18 DE MARÇO DE 2014. Regulamenta a aplicação da Convenção da Cidade do Cabo e seu Protocolo Relativo a Questões Específicas ao Equipamento Aeronáutico. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO CFC N.º 1.390/12 Dispõe sobre o Registro Cadastral das Organizações Contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE: CAPÍTULO I

Leia mais

AMPLA ENERGIA E SERVIÇOS S.A. CNPJ nº 33.050.071/0001-58 NIRE nº 3330005494-4 Companhia Aberta

AMPLA ENERGIA E SERVIÇOS S.A. CNPJ nº 33.050.071/0001-58 NIRE nº 3330005494-4 Companhia Aberta AMPLA ENERGIA E SERVIÇOS S.A. CNPJ nº 33.050.071/0001-58 NIRE nº 3330005494-4 Companhia Aberta Ata da Reunião do Conselho de Administração, realizada em 27 de março de 2013. 1. Data, hora e local: No dia

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 470/93 - Plenário - Ata 53/93 Processo nº TC 014.861/93-3 Entidade: Ministério da Justiça Relator: Ministra Élvia L. Castello Branco Redator da Decisão

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE DIREITO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO E DEFESA ECONÔMICA. Protocolado: 08012.000515/2003-33.

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE DIREITO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO E DEFESA ECONÔMICA. Protocolado: 08012.000515/2003-33. MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE DIREITO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO E DEFESA ECONÔMICA Protocolado: 08012.000515/2003-33. Natureza: Averiguação Preliminar. Representante: Alexandre Soares Coelho.

Leia mais

MUNICÍPIO DE CÓRREGO DO BOM JESUS ADMINISTRAÇÃO 2013 2016

MUNICÍPIO DE CÓRREGO DO BOM JESUS ADMINISTRAÇÃO 2013 2016 CONTRATO Nº 038/2014 MUNICÍPIO DE CÓRREGO DO BOM JESUS O MUNICÍPIO DE CÓRREGO DO BOM JESUS, Estado de Minas Gerais, pessoa jurídica de direito público, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 18.677.633/0001-02,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO N o 615, DE 6 NOVEMBRO DE 2002 (*) Vide alterações e inclusões no final do texto. Aprova o modelo do Contrato de Prestação de Serviço Público de Energia

Leia mais

1. Alterar os itens 1.3, 1.3.1, 1.5 e 1.5.1 e acrescentar item 1.3.2 da Cláusula Primeira do Contrato, com a seguinte redação:

1. Alterar os itens 1.3, 1.3.1, 1.5 e 1.5.1 e acrescentar item 1.3.2 da Cláusula Primeira do Contrato, com a seguinte redação: PRIMEIRO ADITIVO AO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS E FORNECIMENTO DE INFRA-ESTRUTURA DE ACESSO A SERVIÇOS INTERNET DE BANDA ESTREITA DIAL PROVIDER Pelo presente instrumento particular, de um lado, na

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.371/11 Dispõe sobre o Registro das Entidades Empresariais de Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE: CAPÍTULO

Leia mais

CONVITE Nº 11/2010. DATA E HORÁRIO PARA RECEBIMENTO E ABERTURA DOS ENVELOPES Dia 13 / 05 / 2010 às 15 horas

CONVITE Nº 11/2010. DATA E HORÁRIO PARA RECEBIMENTO E ABERTURA DOS ENVELOPES Dia 13 / 05 / 2010 às 15 horas CONVITE Nº 11/2010 DATA E HORÁRIO PARA RECEBIMENTO E ABERTURA DOS ENVELOPES Dia 13 / 05 / 2010 às 15 horas 01. DISPOSIÇÕES INICIAIS 1.1 O Senac Departamento Nacional torna público que, na Seção de Material,

Leia mais

CONTRATO DE PERMANÊNCIA E REGULAMENTO DA PROMOÇÃO BANDA LARGA SEM FIXO DA OI REGIÕES DE BAIXA DENSIDADE ADESÃO DE 01/01/2016 a 31/01/2016

CONTRATO DE PERMANÊNCIA E REGULAMENTO DA PROMOÇÃO BANDA LARGA SEM FIXO DA OI REGIÕES DE BAIXA DENSIDADE ADESÃO DE 01/01/2016 a 31/01/2016 Via Oi CONTRATO DE PERMANÊNCIA E REGULAMENTO DA PROMOÇÃO BANDA LARGA SEM FIXO DA OI REGIÕES DE BAIXA DENSIDADE ADESÃO DE 01/01/2016 a 31/01/2016 DADOS DO CLIENTE TITULAR DO PLANO: Nome Completo:........................._.....

Leia mais

Comunicado Cetip n 007/2015 16 de janeiro de 2015

Comunicado Cetip n 007/2015 16 de janeiro de 2015 Comunicado Cetip n 007/2015 16 de janeiro de 2015 Assunto: Leilão de Alienação de Direitos Sobre Créditos Acumulados de ICMS Módulo de Negociação por Leilão Cetip Net Plataforma Eletrônica. O diretor-presidente

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA MG CNPJ/MF 17.281.106/0001 03 Rua Mar de Espanha, 453 / Sto. Antônio Belo Horizonte (MG)

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA MG CNPJ/MF 17.281.106/0001 03 Rua Mar de Espanha, 453 / Sto. Antônio Belo Horizonte (MG) COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA MG CNPJ/MF 17.281.106/0001 03 Rua Mar de Espanha, 453 / Sto. Antônio Belo Horizonte (MG) NORMAS DE CREDENCIAMENTO PARA INSTITUIÇÕES BANCÁRIAS 1. DA FINALIDADE

Leia mais

IMPUGNAÇÃO AO EDITAL

IMPUGNAÇÃO AO EDITAL IMPUGNAÇÃO AO EDITAL Pregão Eletrônico nº 0154/2013-21 Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes (DNIT) Superintendência Regional no Estado de Sergipe. Impugnante: Vivo S/A A (o) Sr.(a) Pregoeiro

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. Acresce o 7 ao artigo 9º da Instrução Normativa nº 003, de 23 de setembro de 2009, que estabelece

Leia mais

ANEXO II MODELOS DAS DECLARAÇÕES E DOS COMPROMISSOS PREVISTOS NO EDITAL

ANEXO II MODELOS DAS DECLARAÇÕES E DOS COMPROMISSOS PREVISTOS NO EDITAL MODELOS DAS DECLARAÇÕES E DOS COMPROMISSOS PREVISTOS NO EDITAL MODELOS DAS DECLARAÇÕES E DOS COMPROMISSOS PREVISTOS NOS EDITAL MODELO 01 CARTA DE CREDENCIAMENTO * Em caso de consórcio, este deverá credenciar

Leia mais

O SECRETÁRIO DE ESTADO DE FINANÇAS E O COORDENADOR-GERAL DA RECEITA ESTADUAL, no uso de suas atribuições legais e

O SECRETÁRIO DE ESTADO DE FINANÇAS E O COORDENADOR-GERAL DA RECEITA ESTADUAL, no uso de suas atribuições legais e RESOLUÇÃO CONJUNTA N. 004 /2013/GAB/SEFIN/CRE Porto Velho, 09 de dezembro de 2013 Publicada no DOE n.2364, de 18.12.13 Disciplina a homologação, a apropriação e o aproveitamento de crédito fiscal do ICMS

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 017/2009

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 017/2009 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 017/2009 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº SP2005/173 TERMO DE COMPROMISSO

PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº SP2005/173 TERMO DE COMPROMISSO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº SP2005/173 TERMO DE COMPROMISSO A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS, doravante denominada simplesmente CVM, neste ato representada por seu Presidente, Marcelo Fernandez

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES E TERMINAIS

ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES E TERMINAIS ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES E TERMINAIS RESOLUÇÃO N o 03/06 Aprova Manual de Instrução para Inscrição de Créditos do DETER, em Dívida Ativa.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA MPA N 06, DE 19 DE MAIO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA MPA N 06, DE 19 DE MAIO DE 2011 ALTERADA PELA IN MPA Nº 16/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA MPA N 06, DE 19 DE MAIO DE 2011 Dispõe sobre o Registro e a Licença de Aquicultor, para o Registro Geral da Atividade Pesqueira - RGP. A MINISTRA DE

Leia mais

I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) PRODUTO(S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL

I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) PRODUTO(S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL Nº DA CÉDULA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) (S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL RENAVAN CHASSI PLACA NOTA FISCAL (CASO VEÍCULO

Leia mais

CONTRATO PARA REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES NOS MERCADOS ADMINISTRADOS POR BOLSA DE VALORES E/OU POR ENTIDADE DO MERCADO DE BALCÃO ORGANIZADO

CONTRATO PARA REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES NOS MERCADOS ADMINISTRADOS POR BOLSA DE VALORES E/OU POR ENTIDADE DO MERCADO DE BALCÃO ORGANIZADO CONTRATO PARA REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES NOS MERCADOS ADMINISTRADOS POR BOLSA DE VALORES E/OU POR ENTIDADE DO MERCADO DE BALCÃO ORGANIZADO NOVA FUTURA DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA,

Leia mais

REGULAMENTO PROMOÇÃO VIVO FIXO ILIMITADO LOCAL

REGULAMENTO PROMOÇÃO VIVO FIXO ILIMITADO LOCAL REGULAMENTO PROMOÇÃO VIVO FIXO ILIMITADO LOCAL Válido para os Estados de RS, ES, MG, GO, PR, SC, BA, PE, CE, RN, PI, AP, MA, PA, DF, MS, RR e AM, AC, MT, RJ, RO e TO. Antes de participar da Promoção, o

Leia mais

Resolução nº 194 RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004.

Resolução nº 194 RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. APROVA A NORMA PARA A HOMOLOGAÇÃO DE ACORDO OPERACIONAL ENTRE EMPRESAS BRASILEIRAS E ESTRANGEIRAS DE NAVEGAÇÃO PARA TROCA DE ESPAÇOS NO TRANSPORTE MARÍTIMO

Leia mais

Resolução nº 260 RESOLUÇÃO Nº 260-ANTAQ, DE 27 DE JULHO DE 2004.

Resolução nº 260 RESOLUÇÃO Nº 260-ANTAQ, DE 27 DE JULHO DE 2004. RESOLUÇÃO Nº 260-ANTAQ, DE 27 DE JULHO DE 2004. APROVA A NORMA PARA A CONCESSÃO DE BENEFÍCIO AOS IDOSOS NO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO INTERESTADUAL DE PASSAGEIROS. O DIRETOR-GERAL DA AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES

Leia mais

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação.

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação. Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER Referência: 538500002320116 Assunto: Restrição de acesso: Ementa: Órgão ou entidade recorrido (a): Recurso contra decisão denegatória ao pedido

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS COM PARTICIPAÇÃO FINANCEIRA DO CLIENTE,

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS COM PARTICIPAÇÃO FINANCEIRA DO CLIENTE, CONTRATO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS, COM PARTICIPAÇÃO FINANCEIRA DO CLIENTE, QUE ENTRE SI CELEBRAM, LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S/A, DE UM LADO, E XXXXXXXXX, DE OUTRO LADO. LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE

Leia mais

I- PREÂMBULO. 2.- LOCAL E DATA: Assinado nesta cidade de Araçariguama, no Gabinete do Prefeito Municipal, aos 15 dias do mês de julho de 2013.

I- PREÂMBULO. 2.- LOCAL E DATA: Assinado nesta cidade de Araçariguama, no Gabinete do Prefeito Municipal, aos 15 dias do mês de julho de 2013. CONTRATO Nº. 10/2013 PREGÃO PRESENCIAL Nº. 16/2013 PROCESSO Nº. 28/2013 OBJETO: Prestação de serviço de conectividade IP dedicado à rede Internet mundial, a ser instalado/disponibilizado através do meio

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 098/2006-CAD/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 098/2006-CAD/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 098/2006-CAD/UNICENTRO Celebra Termo de Convênio firmado entre a UNICENTRO e o Banco UNIBANCO. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO: Faço saber que o Conselho de Administração,

Leia mais

Telecomunicações de São Paulo S/A

Telecomunicações de São Paulo S/A INSTRUMENTO PARTICULAR DE LICENÇA ONEROSA DE USO DA RELAÇÃO DE ASSINANTES No. Telecomunicações de São Paulo S/A - TELESP, com sede na Capital do Estado de São Paulo, na Rua Martiniano de Carvalho, n.º

Leia mais

MARCOPOLO S.A. C.N.P.J nr. 88.611.835/0001-29 NIRE Nº. 43 3 0000723 5 Companhia Aberta ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

MARCOPOLO S.A. C.N.P.J nr. 88.611.835/0001-29 NIRE Nº. 43 3 0000723 5 Companhia Aberta ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Reunião: Política de Negociação de Valores Mobiliários (Portuguese only) MARCOPOLO S.A. C.N.P.J nr. 88.611.835/0001-29 NIRE Nº. 43 3 0000723 5 Companhia Aberta ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

INFORMAÇÕES AOS FORNECEDORES SEJA NOSSO FORNECEDOR REGULAMENTO PARA EMISSÃO DO CRC COCEL (parte integrante do site www.cocel.com.

INFORMAÇÕES AOS FORNECEDORES SEJA NOSSO FORNECEDOR REGULAMENTO PARA EMISSÃO DO CRC COCEL (parte integrante do site www.cocel.com. 1/7 INFORMAÇÕES AOS FORNECEDORES SEJA NOSSO FORNECEDOR REGULAMENTO PARA EMISSÃO DO CRC COCEL (parte integrante do site www.cocel.com.br) INFORMAÇÕES I. O interessado na inscrição no Cadastro de Fornecedores

Leia mais

Pregão Eletrônico nº 04/2013-CGTI/DPF Processo administrativo nº 08206.000881/2012-14 JULGAMENTO DE RECURSO

Pregão Eletrônico nº 04/2013-CGTI/DPF Processo administrativo nº 08206.000881/2012-14 JULGAMENTO DE RECURSO Pregão Eletrônico nº 04/2013-CGTI/DPF Processo administrativo nº 08206.000881/2012-14 JULGAMENTO DE RECURSO Trata-se do Pregão Eletrônico para Formação de Registro de Preços para futura contratação de

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO CDURP COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO CDURP COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO ANEXO 2 MODELOS DE CARTAS E DECLARAÇÕES Modelo de Pedido de Esclarecimentos Ref.: Concorrência Pública nº [ ]/2011 Pedido de Esclarecimentos, [qualificação], por seu(s) representante(s) legal(is), apresenta

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 28/2003

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 28/2003 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 28/2003 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

PLANO BÁSICO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO DE TELEFONIA FIXA COMUTADA NA MODALIDADE LONGA DISTÂNCIA INTERNACIONAL

PLANO BÁSICO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO DE TELEFONIA FIXA COMUTADA NA MODALIDADE LONGA DISTÂNCIA INTERNACIONAL PLANO BÁSICO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO DE TELEFONIA FIXA COMUTADA NA MODALIDADE LONGA DISTÂNCIA INTERNACIONAL TIM CELULAR S.A., com sede na Cidade de São Paulo SP, à Av. Giovani Gronchi, 7143 - Vila Andrade,

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS n 037. Processo n 35 /2016 Pregão 13/2016

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS n 037. Processo n 35 /2016 Pregão 13/2016 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS n 037 Processo n 35 /2016 Pregão 13/2016 Aos dezessete dias do mês de março do ano de 2.016, o MUNICÍPIO DE RIO NEGRO-PR, neste ato representado pelo seu PREFEITO MUNICIPAL, MILTON

Leia mais

COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO CNPJ/MF nº 47.508.411/0001-56

COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO CNPJ/MF nº 47.508.411/0001-56 COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO CNPJ/MF nº 47.508.411/0001-56 ATA DE REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO, REALIZADA EM 28 DE FEVEREIRO 2003 Aos vinte e oito dias do mês de fevereiro

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 003, de 13 de Abril de 2012. (Publicado no DODF, Nº 78 de 19 de abril de 2012).

RESOLUÇÃO Nº 003, de 13 de Abril de 2012. (Publicado no DODF, Nº 78 de 19 de abril de 2012). RESOLUÇÃO Nº 003, de 13 de Abril de 2012. Disciplina os procedimentos a serem observados nos processos administrativos instaurados pelo prestador de serviços públicos de abastecimento de água e de esgotamento

Leia mais

CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Ministério da Saúde ANS Resolução Normativa RN Nº. 279, de 24.11.2011: Dispõe sobre a regulamentação dos artigos 30 e 31 da Lei nº 9.656, de 3 de junho de 1998, e revoga as Resoluções do CONSU Nº. 20 e

Leia mais

PROCURADORIA GERAL DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO

PROCURADORIA GERAL DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO Referência: Concorrência nº 01/2012 Fase: Resultado da análise das propostas técnicas Sr. Secretário de Administração, RBM PROPAGANDA E COMUNICAÇÃO LTDA empresa devidamente estabelecida na CLN 309, Bloco

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS CONSELHO MUNICIPAL DE TRIBUTOS RELATÓRIO

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS CONSELHO MUNICIPAL DE TRIBUTOS RELATÓRIO DECISÃO PARADIGMÁTICA NÚMERO 1.000.013 Folha 1 / 10 RELATÓRIO Trata-se de Recurso Ordinário tempestivamente interposto em face do despacho de 1ª instância administrativa, que indeferiu a impugnação do

Leia mais