APLICATIVO PARA EMPRESA DE HELP DESK BASEADO EM GESTÃO DO CONHECIMENTO UTILIZANDO A TÉCNICA DE MINERAÇÃO DE TEXTO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APLICATIVO PARA EMPRESA DE HELP DESK BASEADO EM GESTÃO DO CONHECIMENTO UTILIZANDO A TÉCNICA DE MINERAÇÃO DE TEXTO."

Transcrição

1 UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO BACHARELADO APLICATIVO PARA EMPRESA DE HELP DESK BASEADO EM GESTÃO DO CONHECIMENTO UTILIZANDO A TÉCNICA DE MINERAÇÃO DE TEXTO. KLAUBER SCHEFFLER FISCHER BLUMENAU /1-09

2 KLAUBER SCHEFFLER FISCHER APLICATIVO PARA EMPRESA DE HELP DESK BASEADO EM GESTÃO DO CONHECIMENTO UTILIZANDO A TÉCNICA DE MINERAÇÃO DE TEXTO. Trabalho de Conclusão de Curso submetido à Universidade Regional de Blumenau para a obtenção dos créditos na disciplina Trabalho de Conclusão de Curso II do curso de Sistemas de Informação Bacharelado. Prof. Oscar Dalfovo, Doutor - Orientador BLUMENAU /1-09

3 APLICATIVO PARA EMPRESA DE HELP DESK BASEADO EM GESTÃO DO CONHECIMENTO UTILIZANDO A TÉCNICA DE MINERAÇÃO DE TEXTO. Por KLAUBER SCHEFFLER FISCHER Trabalho aprovado para obtenção dos créditos na disciplina de Trabalho de Conclusão de Curso II, pela banca examinadora formada por: Presidente: Membro: Membro: Prof. Oscar Dalfovo, Doutor Orientador, FURB Prof. Roberto Heinzle, Doutor FURB Prof. Cláudio Ratke, Mestre FURB Blumenau, 10 de julho de 2012.

4 Dedico este trabalho aos meus pais, companheiros de curso, professores e amigos, especialmente aqueles que me ajudaram diretamente na realização deste.

5 AGRADECIMENTOS A Deus, pela sua compaixão e justiça. Aos meus pais, Ademar e Madalene, que mesmo longe, sempre estiveram presentes. Aos meus amigos, pelas fugas e companhias oferecidas nos momentos de estresse. Ao meu orientador, Oscar Dalfovo, por compartilhar seu conhecimento, ser um exemplo de profissional e docente, fonte de inspiração. A todos os professores do Departamento de Sistemas e Computação da Universidade Regional de Blumenau, em especial o mestre Wilson Pedro Carli.

6 Seja você quem for, seja qual for à posição social que você tenha na vida, a mais alta ou a mais baixa, tenha sempre como meta muita força, muita determinação e sempre faça tudo com muito amor e com muita fé em Deus, que um dia você chega lá. De alguma maneira você chega lá. Ayrton Senna

7 RESUMO Este trabalho tem como objetivo apresentar um aplicativo de apoio ao setor de suporte aos clientes de uma empresa. O aplicativo possibilita aos usuários a criação de um banco de dados com os erros conhecidos e suas soluções. Através de técnicas e regras, o aplicativo permite fazer a busca das soluções através da técnica text mining, apresentando os resultados de forma eficaz, facilitando a tomada de decisão do usuário. Para o desenvolvimento do sistema, utilizou-se a linguagem de programação Java, o ambiente integrado de desenvolvimento Eclipse, o framework para desenvolvimento de interface web Google web toolkit, o framework de apoio a linguística computacional LingPipe e o banco de dados Hibernate. A utilização do aplicativo resultou a possibilidade de gerenciar os erros conhecidos e suas soluções, tornando o processo de trabalho mais eficaz aos usuários e resultando na melhora do atendimento aos clientes. Palavras-chave: Aplicativo para help desk. Gestão do conhecimento. Text mining.

8 ABSTRACT This work aims to present an application to help the support sector of a company. The application enables users to create a database of known incidents and their solutions. Through techniques and rules, the application enables the search for solutions through text mining, presenting the results effectively, facilitating the decision of the users. For system development, was used Java programming language, the Eclipse IDE also the framework for developing web interface Google Web Tools, the LingPipe framework to support computational linguistics and the Hibernate database. Using the application resulted in the ability to manage incidents and their solutions, making the work process more effectively to the users and resulting in improved customer services. Key-words: Help desk application. Knowledge management. Text mining.

9 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Etapas recomendadas para aplicação da técnica de text mining Figura 2 - Passo-a-passo da aplicação da técnica de text mining de Wives Figura 3 - Consulta de similaridades Figura 4 - Cadastro de problemas Figura 5 Relatório de Selbach Figura 6 - Diagrama de casos de uso Figura 7 - Diagrama de classes Figura 8 Login Figura 9 Página Inicial Figura 10 Cadastro de usuários Figura 11 Cadastro de erro conhecido em branco Figura 12 Cadastro de erro conhecido preenchido Figura 13 - Buscar soluções Figura 14 Resultados da busca Figura 15 Atualizar soluções Figura 16 Relevância dos resultados Figura 17 Cadastrar erro conhecido Figura 18 Buscar erro conhecido Figura 19 Satisfação do resultado Figura 20 Percentual de relevância Figura 21 Atualizar os erros conhecidos Figura 22 Adequação do aplicativo Figura 23 Coexistência do aplicativo Figura 24 Usabilidade Figura 25 Tempo x Trabalho... 50

10 LISTA DE QUADROS Quadro 1 - Requisitos funcionais Quadro 2 - Requisitos não funcionais Quadro 3 Stopwords (palavras desnecessárias) Quadro 4 Stemmer (derivações) Quadro 5 Conceitos Quadro 6 Text mining Quadro 7 Percentual de relevância Quadro 8 Texto original Quadro 9 - Stopwords Quadro 10 - Radicalização Quadro 11 Conceituação... 43

11 LISTA DE SIGLAS CIOSP - Congresso Internacional de Odontologia de São Paulo CSS - Cascading Style Sheets DCT - Descoberta de Conhecimento a partir de Textos EA - Enterprise Architect GWT - Google Web Toolkit IDE - Integrated Development Environment IEC - International Electrotechnical Commission ISO - International Organization for Standardization ITIL - Information Technology Infrastructure Library JVM - Java Virtual Machine KDT - Knowledge Discovery from Text MU Manual do Usuário RBC - Raciocínio Baseado em Casos RF - Requisitos Funcionais RNF - Requisitos Não funcionais TCC - Trabalho de Conclusão de Curso

12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS DO TRABALHO ESTRUTURA DO TRABALHO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA HELP DESK GESTÃO DO CONHECIMENTO BASE DE CONHECIMENTO DESCOBERTA DE CONHECIMENTO EM TEXTO SISTEMA ATUAL TRABALHOS CORRELATOS DESENVOLVIMENTO LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES ESPECIFICAÇÃO Requisitos Principais Diagrama de casos de uso Diagrama de Classes IMPLEMENTAÇÃO Técnicas e ferramentas utilizadas Java Eclipse Hibernate Google Web Toolkit LingPipe Tesauro Operacionalidade do aplicativo Login Menus da página inicial Cadastro de usuários Cadastro de erros conhecidos Busca de soluções Detalhes das soluções cadastradas... 38

13 Percentual de relevância dos resultados Código fonte da aplicação RESULTADOS E DISCUSSÃO CONCLUSÕES EXTENSÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICE A Descrição dos Casos de Uso... 56

14 12 1 INTRODUÇÃO As empresas utilizam sistemas denominados help desk, pois este tipo de software tem a função de auxiliar as equipes de suporte a coordenar e solucionar os erros conhecidos que ocorrem com os usuários, assegurando que estes chamados não sejam perdidos, esquecidos ou negligenciados. Este tipo de sistema constitui um mecanismo computacional facilitador da informação (CAVALARI; COSTA, 2005), porém sem nenhuma gestão de conhecimento implícita. A gestão do conhecimento realiza a captação do conhecimento que envolve as rotinas e práticas dentro da organização, com o objetivo de criar métodos para que este conhecimento seja unido, expandido e transferido de forma a aumentar o capital intelectual organizacional (DALFOVO, 2004). Combinada com os sistemas help desk e gestão do conhecimento, a técnica de text mining (mineração de texto), conforme Furtado (2004, p1), "auxilia as ferramentas de descoberta de conhecimento a extraírem informações padrões contidas nos textos, seja uma única palavra ou um conjunto de palavras". Ainda de acordo com Furtado (2004), o text mining pode ser usado para formalizar e explorar o conhecimento tácito, proporcionando a descoberta de soluções e de novos conhecimentos. As ferramentas de text mining têm o propósito de facilitar o processo de recuperação de informação, minimizando as dificuldades enfrentadas e apresentando ao usuário algum tipo de conhecimento útil e novo, satisfazendo as necessidades de novas informações. Trazendo este panorama para a empresa HartSystem Informática, porém observa-se que a utilização de um sistema help desk, não é feita a gestão do conhecimento. Atualmente cada profissional de suporte da empresa resolve os erros conhecidos utilizando conhecimentos tácitos, adquiridos com a vivência, pois não existe uma base de dados de conhecimento única, que apresente todas as soluções conhecidas de forma clara, formatadas e adequadas para explicação. Os profissionais do suporte dependem de dados memorizados, sem padronização ou formatação, o que favorece as chances de esquecimento e erros. Visto isso, o trabalho disponibiliza na empresa HartSystem Informática um aplicativo help desk onde os usuários podem, além de cadastrar e atualizar as soluções conhecidas fazendo gestão do conhecimento, também pesquisá-las de forma ágil através da técnica text mining, fornecendo rapidamente aos clientes soluções preparadas e formatadas na forma ideal.

15 OBJETIVOS DO TRABALHO O objetivo geral do trabalho é o desenvolvimento de um aplicativo para empresa HartSystem Informática, no apoio ao setor de suporte ao cliente, aplicando gestão do conhecimento e a técnica de text mining (mineração de texto) para o cadastro e pesquisa de soluções conhecidas. Os objetivos específicos deste trabalho são: a) permitir aos profissionais de suporte o cadastramento de erros conhecidos, suas soluções e a atualização destes cadastros; b) utilizar a técnica de text mining para possibilitar ao profissional de suporte pesquisar as soluções dos erros conhecidos cadastrados; c) apresentar no retorno da busca o percentual de relevância da solução encontrada, auxiliando o profissional de suporte na tomada de decisão. 1.2 ESTRUTURA DO TRABALHO No primeiro capítulo tem-se a introdução ao tema principal deste trabalho com a apresentação da justificativa e dos objetivos. No segundo capítulo apresenta-se a fundamentação teórica pesquisada, sobre help desk gestão do conhecimento, base de dados de conhecimento e descoberta de conhecimento em texto. Também é citado o sistema atual e três trabalhos correlatos. No terceiro capítulo apresenta-se o desenvolvimento do aplicativo, iniciando-se com o levantamento de informações tendo na sequência especificação de requisitos, detalhes da implementação e resultados e discussão. No quarto capítulo têm-se as considerações finais, bem como as sugestões para trabalhos futuros.

16 14 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Este capítulo aborda os assuntos help desk, gestão do conhecimento, base de dados de conhecimento, descoberta de conhecimento em texto - text mining, sistema atual e trabalhos correlatos. 2.1 HELP DESK Os sistemas help desk têm a principal característica de ser um facilitador de informações ao usuário, não importando se esta facilidade é ou não de natureza técnica computacional. Um sistema help desk constitui um mecanismo facilitador de informação (MARTINS, 2000). O termo help desk surgiu com o aparecimento dos computadores pessoais nos anos 80, quando cresceu a necessidade de suporte aos novos usuários de computadores, entre eles gerentes, técnicos e secretárias. Assim, muitas empresas criaram os Centros de Informação para auxiliar no uso dos computadores pessoais. Os primeiros sistemas usados pelos Centros de Informação foram os sistemas gerenciadores de bancos de dados, com informações sobre os clientes de software e hardware. Com o advento dos sistemas especialistas, importantes funções de auxílio a clientes puderam ser desenvolvidas pelos Centros de Informação (KAMP, 1993 apud WILVERT, 2005, p. 16). Martins (2000) relata que enquanto nos anos 80 os usuários eram especialistas em informática, na década de 90 esse quadro se inverteu radicalmente. A população de usuários de computadores passou a ser composta por pessoas oriundas de áreas onde a informática não era fundamental e, por essa razão, estas pessoas possuíam praticamente nenhum conhecimento sobre o uso dos computadores. Essa mudança proporcionou a criação de um tipo de técnico de suporte capaz de atender a demanda deste novo público. Além disso, as empresas perceberam que era importante armazenar todos os dados decorrentes dos problemas ocorridos, assim como a maneira de solucioná-los. Desta forma, o usuário teria um atendimento mais rápido e personalizado e a empresa teria um controle maior sobre quais são os problemas mais comuns e as melhores formas de solucioná-los.

17 15 Statdlober (2006, p. 15) diz que a gestão do atendimento em um help desk procura oferecer uma metodologia para tratar e gerenciar diversas questões. O processo de atendimento a erros conhecidos possui inúmeros elementos que o compõem, mas os oito elementos principais que compõem o processo de atendimento são (STATDLOBER, 2006, p. 15): a) usuário final contatar a central de atendimento; b) central de atendimento realizar o atendimento em si; c) registrar no sistema e encaminhar para solução; d) qualificar o chamado e encaminhar para uma fila de atendimento; e) responsável pelo atendimento atuar na solução; f) gerente possuir acesso a todos os erros conhecidos registrados; g) solução aplicada ao chamado ficar disponível para futuros erros conhecidos e demais técnicos; h) comunicar o usuário final sobre eventos durante o atendimento ao chamado. Silva (2004, p. 15) afirma que uma ferramenta de help desk, sem dúvida proporciona um diferencial que além da documentação e sistematização, oferece possibilidade de análise dos processos e fluxo de informações. 2.2 GESTÃO DO CONHECIMENTO Atualmente vive-se em um cenário complexo onde fenômenos sociais e econômicos, de abrangência mundial, são responsáveis por constantes reestruturações no ambiente de negócios. A globalização impulsionada pela tecnologia da informação tornou-se uma realidade da qual não se pode escapar. É nesse contexto que a gestão do conhecimento se transforma em um valioso recurso estratégico para a vida das pessoas e das empresas. Sua aquisição e aplicação sempre representaram estímulo para as conquistas de inúmeras civilizações. No entanto, apenas "saber muito" sobre alguma coisa não proporciona maior poder de competição para uma organização (SILVA, 2001 apud DALFOVO, TAMBORLIN, 2010, p. 279). Conhecimento é a informação apropriada e interpretada pelo ser humano, possibilitando-o a ter novas ideias. Alguns dos fatores que influenciam nesses processos de busca do conhecimento são a rápida evolução da tecnologia, o acesso aos mercados globais e

18 16 como lidar e extrair dados e informações da inteligência competitiva nas organizações (DALFOVO, 2007). De acordo com Dalfovo (2004), a gestão do conhecimento pode ser utilizada pelas empresas, como vantagem competitiva. Isto causa uma reestruturação crescente no modo em que a organização administra o seu conhecimento e as suas informações. Conforme Figueiredo (2005) a gestão do conhecimento como estratégia competitiva nas organizações alavanca e multiplica o capital intelectual. Além disso, a gestão do conhecimento está a cada dia mais integrada na organização, pois possui gerenciamento, métodos e ferramentas imprescindíveis para que os executivos das empresas possam utilizá-las com agilidade e precisão, e ainda, se bem manejadas, a utilização do capital intelectual será o diferencial competitivo para o negócio. Nonaka e Takeuchi (1997) classificam o conhecimento em dois tipos: a) tácito, é um tipo de conhecimento muito difícil de ser expresso por meio de palavras e é adquirido com a experiência, de maneira prática utilizando-se da intuição e da subjetividade. Segundo os autores, o aprendizado mais poderoso vem da experiência direta e é aquele que se articula por meio da linguagem formal, com afirmações gramaticais, expressões matemáticas, especificações, manuais, etc.; envolve fatores intangíveis como, por exemplo, crenças pessoais, perspectivas, sistema de valor, intuições, emoções e habilidades individuais. Este processo pode ter inclusive sua interatividade prejudicada devido aos ruídos que na maioria das vezes existem em qualquer processo de comunicação; b) explícito, é um tipo de conhecimento que pode ser facilmente expresso em palavras ou números e pode ser prontamente transmitido formalmente e sistematicamente entre pessoas. Envolve o conhecimento de fatos. É objetivo, teórico, digital e articula por meio da linguagem formal, com afirmações gramaticais, expressões matemáticas, especificações, manuais, etc. Esse foi o modo dominante de conhecimento na tradição filosófica ocidental. Probst, Raub e Romhardt (2002), explicam que as empresas despendem tempo e dinheiro para solucionar certos problemas quando, muitas vezes, soluções já haviam sido encontradas no passado ou estão sendo encontradas por outras equipes. Neste sentido, esses e outros autores atribuem a importância à identificação da base de conhecimento existente, sendo abordando no item a seguir.

19 BASE DE CONHECIMENTO Figueiredo (2002) considera bases de conhecimento como containers de conhecimento e informação, concebidas para armazenar, compartilhar e disseminar conhecimentos específicos, resolvendo questões de volume de armazenamento, organização, recuperação e herança do conhecimento, mantendo e estimulando os níveis de colaboração e de compartilhamento de conhecimento e informações relevantes dentro da empresa. Ferreira, Loureiro e Martinez (2004), afirmam que a base de conhecimento é um ambiente de trabalho para o compartilhamento, recuperação e distribuição de conhecimento específico. Afirmam que uma base de conhecimento não possui modelo ou tecnologia específicos, a sua implementação depende das características e objetivos da empresa que irá utilizá-la. Volino e Kendrich (2000 apud WEHRMEISTER, 2008, p. 20), explicam que bases de conhecimento consideradas simples utilizam busca por palavras-chaves em perguntas e respostas pré-determinadas. Diante disso, podem-se imaginar diferentes situações pelas quais as organizações utilizam bases de conhecimentos: a) quando há necessidade de se resolver um problema e se tenta aplicar uma solução disponível para tal; b) quando se tem uma situação e se procura uma experiência anterior que possa ajudar ou dar pistas para que se possa melhor enfrentá-la; c) quando se está trazendo alguém que possa ajudar a resolver um problema. Probst, Raub e Romhardt (2002) salientam que, as mudanças que ocorrem regularmente na base de conhecimento, através de contribuições dos membros de uma organização, constituem a aprendizagem organizacional, a criação de estruturas coletivas de referência e o crescimento da competência da organização para agir e resolver problemas.

20 DESCOBERTA DE CONHECIMENTO EM TEXTO A Descoberta de Conhecimento a partir de Textos (DCT), em inglês Knowledge Discovery from Text (KDT), que neste trabalho será tratada como text mining (mineração de textos), consiste na aplicação de técnicas de análise de informações e de aprendizado de máquina em dados textuais (WIVES, 2004). A técnica busca extrair conhecimento útil ao usuário, recuperando informações e permitindo ao usuário procurar o conteúdo que lhe seja interessante dentro do conjunto de textos pré-selecionados, o que reduz o tempo de busca e proporciona um retorno de informação mais significativo. A área de text mining se refere ao processo de extrair padrões não triviais interessantes ou conhecimento a partir de documentos de texto não estruturado, podendo ser visto como uma extensão do data mining. (FURTADO, 2004, p. 30). Na Figura 1 são apresentadas as etapas recomendadas no desenvolvimento de um aplicativo utilizando text mining. Fonte: Corrêa (2003). Figura 1 - Etapas recomendadas para aplicação da técnica de text mining Visando recuperar informações relevantes, as técnicas de data mining surgiram para utilização em dados estruturados e as técnicas para text mining estão sendo desenvolvidas constantemente e aprimoradas para tratar dados não estruturados, representando uma área interessante (MILLER, 2005 apud FINK, 2010, p. 20).

21 19 A técnica de text mining vem solucionar grande parte dos problemas relacionados à busca, recuperação e análise de informações. A sobrecarga de informação é um dos maiores problemas enfrentados pelos usuários de sistemas atualmente (WIVES, 2004). Embora a mineração de texto possa trabalhar com qualquer tipo de informação, esta deve seguir alguns critérios (HOESCHL; BUENO; BORTOLON, 2002), quando da visualização pelo usuário: a) a informação recuperada deve ter valor para o operador do conhecimento. A mineração de textos deve fornecer novas visões sobre os textos para os operadores do conhecimento. Isto permite a adição de valores à base de conhecimento; b) o conteúdo deve ser baseado em texto. Para dados numéricos as tecnologias existentes estão mais bem desenvolvidas; c) o valor da mineração de textos é diretamente proporcional ao valor do dado que se está minerando. Quanto mais importante for o conhecimento contido na coleção de textos, mais valiosa será a mineração; d) o conteúdo deve estar explicitamente declarado no texto, tais como textos técnicos e científicos; e) a mineração de textos é mais valiosa quanto menos estruturado for o texto. Textos desorganizados, contendo acúmulo de informações são os mais indicados. De acordo com Wives (2004), existem diferentes tipos de métodos que podem ser utilizados para a mineração de textos. Entre eles estão o processamento de dados, a predição, a regressão, a classificação, o agrupamento ou clustering, a análise de associações e visualização, entre outros. Porém, qualquer um dos métodos de descoberta tradicional pode ser aplicado nos textos, principalmente se for utilizado o método de extração de informações, que identifica informações relevantes nos documentos e as coloca em um formato estruturado. Conforme apresentado na Figura 2, os passos que Wives (2004) utilizou na aplicação do método text mining para descoberta de conhecimento em texto.

22 20 Fonte: Wives (2004). Figura 2 - Passo-a-passo da aplicação da técnica de text mining de Wives 2.5 SISTEMA ATUAL A HartSystem Informática foi fundada em 23 de Novembro de Lançou o software odontológico ProDent no 16º Congresso Internacional de Odontologia de São Paulo (CIOSP), em Janeiro de Desde esta data, está se dedicando exclusivamente ao desenvolvimento e comercialização de licenças do software ProDent (HARTSYSTEM INFORMÁTICA LDTA, 2012). O software ProDent é um sistema para administração de clínicas e consultórios odontológicos. Oferece cadastro de clientes, agenda, odontograma, mala direta, contas a receber, contas a pagar e outros. Possui também módulos específicos: a) para clínicas de Radiologia;

23 21 b) para Operadoras de planos de convênios; c) para clínicas que emitem Nota Fiscal de Serviço Eletrônica. A empresa oferece aos clientes o suporte à distância para resolução de erros conhecidos, dúvidas, erros e sugestões. Atualmente o processo de atendimento inicia-se com a ligação ou atendimento do cliente pelo bate-papo online, onde o mesmo expõe sua situação ao profissional de suporte que lhe atender no momento. Se o profissional de suporte souber solucionar, dará continuidade ao atendimento, caso não saiba, este estará perguntando a solução a um profissional de suporte mais experiente na área. Frequentemente o profissional de suporte sabe que já respondeu sobre esta mesma dúvida a outro cliente, no entanto, muitas vezes não se recorda da solução conhecida. Diante desta situação o cliente muitas vezes terá que aguardar um longo tempo pela solução, pois o profissional de suporte irá procurar a solução e ocasionalmente ainda ligará ou enviará um contendo a resposta ao questionamento mais tarde. Cada contato feito pelo cliente é registrado num sistema interno próprio, onde se tenta descrever como foi solucionado o caso. Porém as soluções conhecidas não estão concentradas em uma base de dados de conhecimento geral, apenas individualmente em cada cadastro de cliente, o que torna a pesquisa por soluções conhecidas um processo demorado e pouco preciso. Como este processo acima é manual e não integrado, o conhecimento acaba sendo tácito e está armazenado apenas na memória de cada colaborador, que resolve as ocorrências com base nos casos já ocorridos anteriormente de acordo com suas lembranças. 2.6 TRABALHOS CORRELATOS Wilvert (2005) apresentou como Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) um sistema de apoio a help desk utilizando gestão do conhecimento e técnica de Reconhecimento Baseado em Casos (RBC) para área do suporte, com objetivo de automatizar a busca por soluções similares a novas ocorrências, conforme Figura 3. O diferencial do trabalho desenvolvido quanto ao sistema do trabalho de Wilvert é uma aplicação web utilizando a técnica text mining ao invés de RBC.

24 22 Fonte: Wilvert (2005). Figura 3 - Consulta de similaridades Fink (2010) implementou a técnica text mining para auxiliar o técnico do nível 1 de um service desk na classificação de erros conhecidos, em uma base de problemas (conhecimentos) já existente. Além da técnica de text mining, foi utilizado como modelo de referência o Information Technology Infrastructure Library (ITIL). Este trabalho também se identifica com a aplicação desenvolvida pela implementação de uma técnica text mining em ambiente web. Na Figura 4, o cadastro de problema e solução de Fink (2010).

25 23 Fonte: Fink (2010). Figura 4 - Cadastro de problemas Selbach (2010) desenvolveu um sistema web para auxílio em pesquisas e gerência de dados de entidades de saúde. Trata-se de um sistema que, a partir de dados de pacientes da entidade permite a criação e manutenção de pesquisas sobre esses dados. Além das pesquisas, existem relatórios específicos para auxiliar os gestores na tomada de decisão. É utilizado gestão do conhecimento, data warehouse e data mining. A técnica data mining é voltada para mineração de dados e números, ao contrário de text mining, voltando para textos estruturados. Na Figura 5, um exemplo de relatório de Selbach (2010).

26 24 Fonte: Selbach (2010). Figura 5 Relatório de Selbach Os trabalhos citados possuem objetivos comuns entre a aplicação desenvolvida, cuja finalidade é buscar de resultados relevantes e precisos de forma automatizada para os usuários.

27 25 3 DESENVOLVIMENTO Neste capítulo estão descritos a particularidades técnicas do aplicativo proposto tais como a descrição do mesmo e a apresentação dos requisitos funcionais e não funcionais, diagrama de casos de uso e suas descrições. Na seção de implementação tem-se as técnicas e ferramentas utilizadas, demonstra-se a operacionalidade do sistema através de telas e por fim a seção com os resultados e discussões. 3.1 LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES O aplicativo web auxilia os profissionais do setor de suporte a compartilhar os conhecimentos necessários para resolução dos erros conhecidos informados pelos clientes, permitindo o cadastro das soluções conhecidas, manipulação e pesquisa deste conhecimento. É importante oferecer aos profissionais de suporte uma melhor forma de gerenciar e transformar o conhecimento individual em um conhecimento coletivo. A consulta a partir da base de conhecimento é uma das funções principais do aplicativo desenvolvido. Entendido como repositório de conhecimento e de informações, este aplicativo armazena, compartilha e dissemina os conhecimentos dentro da organização. O primeiro passo é cadastrar uma base de conhecimentos onde são registrados os erros conhecidos já conhecidos pelo setor de suporte e a solução conhecida destes. As diversas situações levantadas pelos clientes e suas respectivas soluções são descritas através da reprodução das mensagens automáticas (tratamento de erros) do sistema ProDent ou em texto descritivo, utilizando o linguajar do cliente que é leigo e não utiliza os jargões da informática. As soluções dos erros conhecidos são registradas em seguida do erro conhecido, a partir do conhecimento dos profissionais de suporte e com base no manual do usuário existente. A partir da existência do banco de informações, o aplicativo web permite que sejam efetuadas buscas utilizando a técnica de text mining. De forma que o usuário do setor de suporte pergunta ao cliente qual a mensagem apresentada, a dificuldade encontrada ou sua dúvida, (erro conhecido), e digita desta forma para busca do aplicativo no banco. Partindo disto, o aplicativo apresenta as soluções já cadastradas, baseado no texto pesquisado.

28 26 Pelo fato de muitas mensagens e erros conhecidos possuírem discretas diferenças em seu texto (porém soluções distintas), é apresentando um percentual de relevância para as possíveis soluções encontradas, mediante o termo pesquisado pelo usuário, auxiliando o usuário a escolher a solução ideal. As etapas executadas no desenvolvimento do aplicativo são: a) cadastro dos dados: o text mining deve ser baseado no armazenamento de dados de forma estruturada; b) processamento e transformação: elimina da frase os dados que não são adequados informações, ou seja, artigos, preposições, plural das palavras, conforme Figura 2; c) mineração de texto: a atividade de descoberta do conhecimento é onde são processados os algoritmos da técnica de text mining; d) armazenamento: nesta etapa os dados deverão ser armazenados adequadamente para facilitar a busca; e) interpretação/avaliação: os resultados do processo de descoberta do conhecimento são apresentados de forma que o usuário possa entender e interpretar os resultados obtidos. 3.2 ESPECIFICAÇÃO Esta seção descreve os requisitos funcionais (RF) e não funcionais (RNF), bem como os diagramas de casos de uso e diagrama de classe, desenvolvidos para o aplicativo. A ferramenta Enterprise Architect (EA), em sua versão , foi utilizada na elaboração dos diagramas de casos de uso Requisitos Principais O Quadro 1 apresenta os requisitos funcionais previstos para o aplicativo e sua rastreabilidade, ou seja, vinculação com o(s) caso(s) de uso associado(s).

29 27 Requisitos Funcionais RF01: O aplicativo deve permitir o cadastramento de usuários (criação, alteração, exclusão). RF02: O aplicativo deve exigir login e senha para permitir o acesso à interface inicial. RF03: O aplicativo deve permitir ao profissional de suporte o cadastro dos erros conhecidos e sua(s) solução(s) (criação, alteração, exclusão). RF04: O aplicativo deve permitir ao profissional de suporte atribuir categorias aos erros conhecidos criados. RF05: O aplicativo deve permitir ao profissional de suporte pesquisar as soluções no banco de dados de erros conhecidos, utilizando a técnica de text mining. RF06: O aplicativo deve apresentar no resultado da pesquisa o grau de relevância do termo pesquisado. Quadro 1 - Requisitos funcionais Caso de Uso UC01 UC02 UC03 UC04 UC05 UC06 O Quadro 2 lista os requisitos não funcionais previstos para o aplicativo. Requisitos Não Funcionais RNF01: O aplicativo deve utilizar a conexão com o banco de dados Hibernate. RNF02: O aplicativo deve ser desenvolvido utilizando a linguagem Java. RNF03: O aplicativo deve ser compatível com as mais atuais versões de navegadores disponíveis no mercado, como o Internet Explorer 8 e Google Chrome 13. RNF04: O aplicativo deve conter visualização de tela 1024x768. RNF05: Os usuários poderão acessar o aplicativo utilizando qualquer sistema operacional. Quadro 2 - Requisitos não funcionais Diagrama de casos de uso Esta subseção apresenta os diagramas de caso de uso do aplicativo. Para melhor entendimento do projeto, o detalhamento dos principais casos de uso se encontra no Apêndice A. A Figura 6 apresenta os casos de usos relativos às operações realizadas no aplicativo.

30 28 Figura 6 - Diagrama de casos de uso Diagrama de Classes Na Figura 7 apresenta-se o diagrama de classes, contendo a especificação dos registros que serão armazenados no banco de dados, e o relacionamento entre as classes.

31 29 Figura 7 - Diagrama de classes A função de cada classe de entidade está descrita a seguir: a) Usuario: classe que armazena informações dos usuários do aplicativo; b) Grupo: armazena informações referentes à categoria dos erros conhecidos; c) Erro conhecido: classe que armazena as informações dos erros conhecidos cadastrados; d) Solução: armazena as informações referente a solução dos erros conhecidos. 3.3 IMPLEMENTAÇÃO Nesta seção são apresentadas as informações sobre as técnicas e ferramentas utilizadas para o desenvolvimento deste trabalho. Também são apresentadas as principais operacionalidades do aplicativo juntamente com algumas telas do mesmo.

Klauber Scheffler Fischer Orientador: Prof. Oscar Dalfovo, Dr.

Klauber Scheffler Fischer Orientador: Prof. Oscar Dalfovo, Dr. Klauber Scheffler Fischer Orientador: Prof. Oscar Dalfovo, Dr. Introdução Objetivos Fundamentação teórica Especificações do aplicativo Desenvolvimento do aplicativo Operacionalidade do aplicativo Resultados

Leia mais

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro introdução objetivos do trabalho fundamentação teórica desenvolvimento da ferramenta

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Channel. Visão Geral e Navegação. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9

Channel. Visão Geral e Navegação. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9 Channel Visão Geral e Navegação Tutorial Atualizado com a versão 3.9 Copyright 2009 por JExperts Tecnologia Ltda. todos direitos reservados. É proibida a reprodução deste manual sem autorização prévia

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS Élysson Mendes Rezende Bacharelando em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS 769 SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS Mateus Neves de Matos 1 ; João Carlos Nunes Bittencourt 2 ; DelmarBroglio Carvalho 3 1. Bolsista PIBIC FAPESB-UEFS, Graduando em Engenharia de

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Índice Apresentação... 3 Mensagens... 4 Tickets... 6 Cadastro de Tickets... 6 Acompanhamento de Tickets:...9 Entregas... 11 Storage...

Índice Apresentação... 3 Mensagens... 4 Tickets... 6 Cadastro de Tickets... 6 Acompanhamento de Tickets:...9 Entregas... 11 Storage... Índice Apresentação... 3 Mensagens... 4 Tickets... 6 Cadastro de Tickets... 6 Acompanhamento de Tickets:...9 Entregas... 11 Storage... 12 Apresentação O Pitstop foi desenvolvido pela Interact com o objetivo

Leia mais

Prefeitura de Belo Horizonte. Sistema de Controle de Protocolo

Prefeitura de Belo Horizonte. Sistema de Controle de Protocolo Prefeitura de Belo Horizonte Sistema de Controle de Protocolo Relatório apresentado para concorrer ao 2º Prêmio Inovar BH conforme Edital SMARH nº 001/2014 Belo Horizonte Julho de 2014 Resumo Sendo grande

Leia mais

Navegando no produto e utilizando esse material de apoio, você descobrirá os benefícios do IOB Online Regulatório, pois só ele é:

Navegando no produto e utilizando esse material de apoio, você descobrirá os benefícios do IOB Online Regulatório, pois só ele é: 1. CONCEITO Completo, prático e rápido. Diante do aumento da complexidade da tributação e do risco fiscal, pelos desafios de conhecimento e capacitação e pela velocidade para acompanhar mudanças na legislação,

Leia mais

Manual Do Usuário ClinicaBR

Manual Do Usuário ClinicaBR Manual Do Usuário ClinicaBR SUMÁRIO 1 Introdução... 01 2 ClinicaBR... 01 3 Como se cadastrar... 01 4 Versão experimental... 02 5 Requisitos mínimos p/ utilização... 03 6 Perfis de acesso... 03 6.1 Usuário

Leia mais

1 ACESSO AO PORTAL UNIVERSITÁRIO 3 3 PLANO DE ENSINO 6 4 AULAS 7 5 AVALIAÇÃO E EXERCÍCIO 9 6 ENQUETES 12 7 QUADRO DE AVISOS 14

1 ACESSO AO PORTAL UNIVERSITÁRIO 3 3 PLANO DE ENSINO 6 4 AULAS 7 5 AVALIAÇÃO E EXERCÍCIO 9 6 ENQUETES 12 7 QUADRO DE AVISOS 14 portal@up.com.br Apresentação Este manual contém informações básicas, e tem como objetivo mostrar a você, aluno, como utilizar as ferramentas do Portal Universitário e, portanto, não trata de todos os

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ÍNDICE INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ACESSO ÀS FERRAMENTAS 9 FUNÇÕES 12 MENSAGENS 14 CAMPOS OBRIGATÓRIOS

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Manual do Usuário Cyber Square

Manual do Usuário Cyber Square Manual do Usuário Cyber Square Criado dia 27 de março de 2015 as 12:14 Página 1 de 48 Bem-vindo ao Cyber Square Parabéns! Você está utilizando o Cyber Square, o mais avançado sistema para gerenciamento

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

SISTEMA PARA SERVICE DESK COM A UTILIZAÇÃO DAS MELHORES PRÁTICAS DO ITIL E APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE MINERAÇÃO DE TEXTO

SISTEMA PARA SERVICE DESK COM A UTILIZAÇÃO DAS MELHORES PRÁTICAS DO ITIL E APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE MINERAÇÃO DE TEXTO UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO BACHARELADO SISTEMA PARA SERVICE DESK COM A UTILIZAÇÃO DAS MELHORES PRÁTICAS DO ITIL E APLICAÇÃO DA

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA. Service Desk

Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA. Service Desk Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA Service Desk Sumário Apresentação O que é o Service Desk? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Fazendo Login no Sistema Tela inicial

Leia mais

Sistema de Chamados Protega

Sistema de Chamados Protega SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. REALIZANDO ACESSO AO SISTEMA DE CHAMADOS... 4 2.1 DETALHES DA PÁGINA INICIAL... 5 3. ABERTURA DE CHAMADO... 6 3.1 DESTACANDO CAMPOS DO FORMULÁRIO... 6 3.2 CAMPOS OBRIGATÓRIOS:...

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Information Technology Infrastructure Library ou Biblioteca de Infraestrutura da Tecnologia da Informação A TI de antes (ou simplesmente informática ),

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Cobit e ITIL. Cobit. Planejamento e organização; Aquisição e implementação; Entrega e suporte; Monitoração.

Cobit e ITIL. Cobit. Planejamento e organização; Aquisição e implementação; Entrega e suporte; Monitoração. Cobit e ITIL GOVERNANÇA, GP - RISCO, GP PROJETOS - PMP, SEGURANÇA DAIANA BUENO OUTUBRO 20, 2010 AT 8:00 3.496 visualizações Atualmente, as empresas estão com seus processos internos cada vez mais dependentes

Leia mais

PORTAL DE RELACIONAMENTO GROUP

PORTAL DE RELACIONAMENTO GROUP PORTAL DE RELACIONAMENTO GROUP MANUAL DO USUÁRIO Portal de Relacionamento - Manual do usuário... 1 SUMÁRIO 1. Informações gerais... 3 2. Sobre este documento... 3 3. Suporte técnico... 3 4. Visão Geral

Leia mais

MANUAL DO CLIENTE CONSTAT

MANUAL DO CLIENTE CONSTAT MANUAL DO CLIENTE CONSTAT 2013 Todos os direitos reservados à Constat. Distribuição ou repasse a terceiros não autorizados. Porto Alegre RS Av. Ceará, 1652 São João 90240-512 Fone (51) 3025.6699 www.constat.com.br

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais

MANUAL DE SUPORTE. Controle de Suporte. Este manual descreve as funcionalidades do controle de suporte.

MANUAL DE SUPORTE. Controle de Suporte. Este manual descreve as funcionalidades do controle de suporte. MANUAL DE SUPORTE Controle de Suporte Este manual descreve as funcionalidades do controle de suporte. SUMÁRIO Considerações Iniciais... 3 Acesso... 4 Controle de Suporte... 5 1. Solicitação de Atendimento...

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências da Computação e Estatística Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP André

Leia mais

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br MANUAL DO ALUNO Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA http://www.fgf.edu.br Sala Virtual TelEduc O TelEduc é um ambiente virtual desenvolvido Unicamp para apoiar professores

Leia mais

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE por Miguel Aguiar Barbosa Trabalho de curso II submetido como

Leia mais

SCP - Sistema de Controle de Processo

SCP - Sistema de Controle de Processo SCP - Sistema de Controle de Processo Módulo PTS Versão do produto: 1.0 Edição do documento: Julho de 2010 Série A. Normas e Manuais Técnicos MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria Executiva Departamento de Informática

Leia mais

Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb

Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Dezembro/2012 2 Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Sumário de Informações do Documento Título do Documento: Resumo:

Leia mais

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 SUMÁRIO 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 O que é Software?... 3 1.2 Situações Críticas no desenvolvimento

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DA TÉCNICA TEXT MINING APLICADO NO AMBIENTE DO EMPREENDEDOR. Acadêmico: Roger Erivan Gaulke Prof. Orientador: Dr.

IMPLEMENTAÇÃO DA TÉCNICA TEXT MINING APLICADO NO AMBIENTE DO EMPREENDEDOR. Acadêmico: Roger Erivan Gaulke Prof. Orientador: Dr. IMPLEMENTAÇÃO DA TÉCNICA TEXT MINING APLICADO NO AMBIENTE DO EMPREENDEDOR Acadêmico: Roger Erivan Gaulke Prof. Orientador: Dr. Oscar Dalfovo Roteiro da apresentação Introdução Objetivos do Trabalho Fundamentação

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Manual de Utilização Google Grupos Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução... 3 Página

Leia mais

Documento de Requisitos

Documento de Requisitos UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Documento de Requisitos Sistema Gerenciador de Atendimento de Chamados Técnicos Grupo: Luiz Augusto Zelaquett

Leia mais

COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD

COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD TUTORIAL MOODLE VERSÃO ALUNO Machado/MG 2013 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. EDITANDO O PERFIL... 5 2.1 Como editar o perfil?... 5 2.2 Como mudar a senha?... 5 2.3

Leia mais

CSF Designer Intuition SOLUÇÕES DE OUTPUT FIS

CSF Designer Intuition SOLUÇÕES DE OUTPUT FIS SOLUÇÕES DE OUTPUT FIS O CSF Designer Intuition TM da FIS ajuda organizações que lidam com o cliente a criar, de forma instantânea e interativa, documentos comerciais respeitando as regulações vigentes,

Leia mais

Curso Básico Sistema EMBI

Curso Básico Sistema EMBI Curso Básico Sistema EMBI Módulo Atendentes e Administradores Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste trabalho pode ser reproduzida em qualquer forma por qualquer meio gráfico, eletrônico ou

Leia mais

ÍNDICE. Sobre o SabeTelemarketing 03. Contato. Ícones comuns à várias telas de gerenciamento. Verificar registros 09. Tela de relatórios 09

ÍNDICE. Sobre o SabeTelemarketing 03. Contato. Ícones comuns à várias telas de gerenciamento. Verificar registros 09. Tela de relatórios 09 ÍNDICE Sobre o SabeTelemarketing 03 Ícones comuns à várias telas de gerenciamento Contato Verificar registros 09 Telas de cadastro e consultas 03 Menu Atalho Nova pessoa Incluir um novo cliente 06 Novo

Leia mais

Footprints Service Core. Manual de uso do sistema

Footprints Service Core. Manual de uso do sistema Footprints Service Core Manual de uso do sistema Sumário Acessando o sistema... 3 Visão geral... 4 Criação de chamados... 5 Acompanhamento de chamados... 7 Compartilhamento de chamados... 8 Notificações...

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA INTERCÂMBIOS ESTUDANTIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Tecnologia da Informação Aplicada a Gerenciamento de Acervo Documental Histórico

Tecnologia da Informação Aplicada a Gerenciamento de Acervo Documental Histórico Tecnologia da Informação Aplicada a Gerenciamento de Acervo Documental Histórico Kayo Delgado Medeiros de Almeida¹, Elon Gomes Vieira 2, Carlos Vitor de Alencar Carvalho 3, Magno Fonseca Borges 4, José

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE RESUMO Fazer um bom levantamento e especificação de requisitos é algo primordial para quem trabalha com desenvolvimento de sistemas. Esse levantamento

Leia mais

1998-2015 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados.

1998-2015 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados. Versão 8.1A-13 Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas Ltda. Nesse caso, somente a Domínio Sistemas

Leia mais

Manual para Utilização Site DVA Express. Versão 2.0 para Parceiros.

Manual para Utilização Site DVA Express. Versão 2.0 para Parceiros. Manual para Utilização Site DVA Express Versão 2.0 para Parceiros. Introdução O presente manual tem por finalidade instruir os parceiros e representantes na utilização do site para consultas, rastreabilidade

Leia mais

Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS

Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS Sumário Conceitos / Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Consultas... 5 3. Relatórios... 8 4. Conclusões... 11

Leia mais

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br Soluções em Software para Medicina Diagnóstica www.digitalmed.com.br NOTA DE AGRADECIMENTO Primeiramente, agradecemos pela sua receptividade em conhecer as nossas soluções, afinal, é sempre uma imensa

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

1. Escritório Virtual... 5. 1.1. Atualização do sistema...5. 1.2. Instalação e ativação do sistema de Conexão...5

1. Escritório Virtual... 5. 1.1. Atualização do sistema...5. 1.2. Instalação e ativação do sistema de Conexão...5 1 2 Índice 1. Escritório Virtual... 5 1.1. Atualização do sistema...5 1.2. Instalação e ativação do sistema de Conexão...5 1.3. Cadastro do Escritório...5 1.4. Logo Marca do Escritório...6...6 1.5. Cadastro

Leia mais

O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto Metodista Granbery: uma ferramenta de acompanhamento e relacionamento

O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto Metodista Granbery: uma ferramenta de acompanhamento e relacionamento Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Sistemas de Informação - N. 7, JUL/DEZ 2009 O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

Guia Rápido de Utilização. Ambiente Virtual de Aprendizagem. Perfil Aluno

Guia Rápido de Utilização. Ambiente Virtual de Aprendizagem. Perfil Aluno Guia Rápido de Utilização Ambiente Virtual de Aprendizagem Perfil Aluno 2015 APRESENTAÇÃO O Moodle é um Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) open source¹. Esta Plataforma tornouse popular e hoje é utilizada

Leia mais

Anderson Corrêa Carraro 1, Fernando Alves Rodrigues 2, Silvio Francisco dos Santos 3

Anderson Corrêa Carraro 1, Fernando Alves Rodrigues 2, Silvio Francisco dos Santos 3 DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA INFORMATIZADO PARA O CONTROLE DE PROCESSOS DA QUALIDADE NA DIRETORIA DE METROLOGIA CIENTÍFICA E INDUSTRIAL DIMCI/INMETRO. Anderson Corrêa Carraro 1, Fernando

Leia mais

Manual Laboratório. ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014

Manual Laboratório. ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014 2014 Manual Laboratório ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014 Sumário Acesso ao Sistema... 2 Menu Cadastros... 4 Cadastro de usuários... 4 Inclusão de Novo Usuário... 5 Alteração de usuários...

Leia mais

Política de Atendimento Técnico, Suporte e Assistência aos softwares SiplanControl-M

Política de Atendimento Técnico, Suporte e Assistência aos softwares SiplanControl-M Política de Atendimento Técnico, Suporte e Assistência aos softwares SiplanControl-M 1. Introdução a política 2. Quem está elegível para solicitar suporte? 3. Horário de atendimento 4. Que tempo de resposta

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof a.:lillian Alvares Fóruns óu s/ Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias

Leia mais

MANUAL DO SAHEC. Sistema de Agendamento de Horários para Elaboração de Cálculos

MANUAL DO SAHEC. Sistema de Agendamento de Horários para Elaboração de Cálculos MANUAL DO SAHEC Sistema de Agendamento de Horários para Elaboração de Cálculos VERSÃO 1.0 Outubro/2013 Manual do SAHEC Sindicato dos Médicos de São Paulo www.simesp.org.br Conteúdo 1. COMPATIBILIDADE COM

Leia mais

Sistema de Controle de Solicitação de Desenvolvimento

Sistema de Controle de Solicitação de Desenvolvimento Sistema de Controle de Solicitação de Desenvolvimento Introdução O presente documento descreverá de forma objetiva as principais operações para abertura e consulta de uma solicitação ao Setor de Desenvolvimento

Leia mais

Aplicação de uma FAQ Baseada em RBC para Suporte a Usuários de um Sistema Web

Aplicação de uma FAQ Baseada em RBC para Suporte a Usuários de um Sistema Web Aplicação de uma FAQ Baseada em RBC para Suporte a Usuários de um Sistema Web Richard Marthendal Guckert 1, Daniela Souza Moreira 2, Anita Maria da Rocha Fernandes 1, 2 1 Curso de Ciência da Computação

Leia mais

Manual Easy Chat Data de atualização: 20/12/2010 16:09 Versão atualizada do manual disponível na área de download do software.

Manual Easy Chat Data de atualização: 20/12/2010 16:09 Versão atualizada do manual disponível na área de download do software. 1 - Sumário 1 - Sumário... 2 2 O Easy Chat... 3 3 Conceitos... 3 3.1 Perfil... 3 3.2 Categoria... 4 3.3 Ícone Específico... 4 3.4 Janela Específica... 4 3.5 Ícone Geral... 4 3.6 Janela Geral... 4 4 Instalação...

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TÍTULO: Termo de Referência para contratação de ferramenta case de AD. GECOQ Gerência de Controle e Qualidade 1/9

TERMO DE REFERÊNCIA TÍTULO: Termo de Referência para contratação de ferramenta case de AD. GECOQ Gerência de Controle e Qualidade 1/9 TÍTULO: ASSUNTO: GESTOR: TERMO DE REFERÊNCIA Termo de Referência para contratação de ferramenta case de AD DITEC/GECOQ Gerência de Controle e Qualidade ELABORAÇÃO: PERÍODO: GECOQ Gerência de Controle e

Leia mais

EMISSÃO DE CERTIFICADOS ELETRÔNICOS NOS EVENTOS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS VIDEIRA

EMISSÃO DE CERTIFICADOS ELETRÔNICOS NOS EVENTOS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS VIDEIRA EMISSÃO DE CERTIFICADOS ELETRÔNICOS NOS EVENTOS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS VIDEIRA Jeferson Boesing 1 ; Tiago Heineck 2 ; Angela Maria Crotti da Rosa 3 ; Leila Lisiane Rossi 4 INTRODUÇÃO Alunos

Leia mais

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Cookies e Sessões. Prof. MSc. Hugo Souza

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Cookies e Sessões. Prof. MSc. Hugo Souza Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Cookies e Sessões Prof. MSc. Hugo Souza Se você precisar manter informações sobre seus usuários enquanto eles navegam pelo seu site, ou até quando eles saem

Leia mais

Smart Laudos 1.9. A Forma Inteligente de Criar seus Laudos Médicos. Manual do Usuário

Smart Laudos 1.9. A Forma Inteligente de Criar seus Laudos Médicos. Manual do Usuário Smart Laudos 1.9 A Forma Inteligente de Criar seus Laudos Médicos Manual do Usuário Conteúdo 1. O que é o Smart Laudos?... 3 2. Características... 3 3. Instalação... 3 4. Menu do Sistema... 4 5. Configurando

Leia mais

CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS

CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE MODERNIZAÇÃO E INFORMÁTICA CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS MANUAL

Leia mais

ALÉM DO BUG TRACKING : GERENCIANDO O SETOR DE SUPORTE COM O MANTISBT

ALÉM DO BUG TRACKING : GERENCIANDO O SETOR DE SUPORTE COM O MANTISBT ALÉM DO BUG TRACKING : GERENCIANDO O SETOR DE SUPORTE COM O MANTISBT Juliano Flores Prof. Lucas Plautz Prestes Centro Universitário Leonardo da Vinci - UNIASSELVI Gestão de Tecnologia da Informação (GTI034)

Leia mais

Clóvis Diego Schuldt. Orientador: Prof. Wilson Pedro Carli

Clóvis Diego Schuldt. Orientador: Prof. Wilson Pedro Carli SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE MUDANÇAS DE AMBIENTES CORPORATIVOS BASEADO NA BIBLIOTECA ITIL Clóvis Diego Schuldt Orientador: Prof. Wilson Pedro Carli Roteiro da Apresentação Introdução Objetivos Fundamentação

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1 MANUAL DO USUÁRIO Índice 1. Introdução... 3 2. Acesso ao Sistema... 4 2.1. Instalação... 4 2.1.1. Servidor - Computador Principal... 4 2.1.2. Estação - Computador na Rede... 6 2.1.3. Estação - Mapeamento

Leia mais

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning www.pwi.com.br 1 Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado,

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI Noções de sistemas de informação Turma: 01º semestre Prof. Esp. Marcos Morais

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Acadêmica: Aline Cordeiro Prof. Orientador: Dr. Oscar Dalfovo

Acadêmica: Aline Cordeiro Prof. Orientador: Dr. Oscar Dalfovo Sistema para Identificação de Pontos de Referência Imobiliário Acadêmica: Aline Cordeiro Prof. Orientador: Dr. Oscar Dalfovo Roteiro da apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Trabalhos

Leia mais

Padrões de Contagem de Pontos de Função

Padrões de Contagem de Pontos de Função Padrões de Contagem de Pontos de Função Contexto Versão: 1.0.0 Objetivo O propósito deste documento é apresentar os padrões estabelecidos para utilização da técnica de Análise de Pontos de Função no ambiente

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Sumário Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Fazendo Login no Sistema Tela inicial do Portal WEB Criando um

Leia mais

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE Um estudo sobre os aspectos de desenvolvimento e distribuição do SIE Fernando Pires Barbosa¹, Equipe Técnica do SIE¹ ¹Centro de Processamento de Dados, Universidade Federal de Santa Maria fernando.barbosa@cpd.ufsm.br

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Docentes Universidade Atlântica 1 Introdução O conceito do Moodle (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment) foi criado em 2001 por Martin Dougiamas, o conceito

Leia mais

FERRAMENTA PARA CRIAÇÃO DE BASES DE CONHECIMENTO NA FORMA DE ONTOLOGIA OWL A PARTIR DE DADOS NÃO ESTRUTURADOS

FERRAMENTA PARA CRIAÇÃO DE BASES DE CONHECIMENTO NA FORMA DE ONTOLOGIA OWL A PARTIR DE DADOS NÃO ESTRUTURADOS FERRAMENTA PARA CRIAÇÃO DE BASES DE CONHECIMENTO NA FORMA DE ONTOLOGIA OWL A PARTIR DE DADOS NÃO ESTRUTURADOS Aluno: Allan Renato Sabino Orientador: Roberto Heinzle Roteiro Introdução; Objetivos; Fundamentação

Leia mais

Proposta Loja Virtual. Schmitt Tricot

Proposta Loja Virtual. Schmitt Tricot Proposta Loja Virtual Schmitt Tricot Apresentação: Atualmente atuo no mercado de sites e lojas virtuais desde 2010, desenvolvendo novas ideias, trabalhando com agilidade, para sempre atender a todas as

Leia mais

Manual do Usuário GEFRE

Manual do Usuário GEFRE Manual do Usuário GEFRE Gestão de Frequência - Versão 1.2 Março, 2015 Página 1 de 84 Sumário Sumário... 2 Objetivo deste Manual do Usuário... 5 1. Instalação do GEFRE... 7 1.1. Configuração Mínima Recomendada...

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES Trabalho de Graduação Orientando: Vinicius Stein Dani vsdani@inf.ufsm.br Orientadora: Giliane

Leia mais

Manual do Sistema de Demandas da FUNDEPAG

Manual do Sistema de Demandas da FUNDEPAG 2015 Manual do Sistema de Demandas da FUNDEPAG Manual do Sistema de Demandas da FUNDEPAG Cliente Institucional e Atualizado em: 11 de setembro de 2015 Sumário 1. Conceito do software... 1 2. Abertura de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN José Agostinho Petry Filho 1 ; Rodrigo de Moraes 2 ; Silvio Regis da Silva Junior 3 ; Yuri Jean Fabris 4 ; Fernando Augusto

Leia mais

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Adriano Lima Belo Horizonte 2011 SUMÁRIO Apresentação... 3 Acesso ao Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA ESP-MG... 3 Programação do curso no AVA-ESPMG

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA Guia rápido A PLATAFORMA MOODLE Moodle (Modular Object Oriented Distance LEarning) é um Sistema para Gerenciamento de Cursos (SGC). Trata-se de um programa para computador

Leia mais