ENERGY THAT MAKES A DIFFERENCE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENERGY THAT MAKES A DIFFERENCE"

Transcrição

1

2 ENERGY THAT MAKES A DIFFERENCE TRANSFORMAR, MELHORAR, FAZER O MUNDO AVANÇAR É AÍ QUE COLOCAMOS TODA A NOSSA ENERGIA. UMA ENERGIA CONSTRUÍDA EM 14 PAÍSES, FEITA DE PROXIMIDADE, DE COMPROMISSO, DE ENVOLVIMENTO E DE RESPONSABILIDADE. MAS, ACIMA DE TUDO, UMA ENERGIA CAPAZ DE FAZER A DIFERENÇA.

3 ÍNDICE A EDP MENSAGEM DO PRESIDENTE APRESENTAÇÃO RECONHECIMENTO ÂMBITO DO RELATO ABORDAGEM ESTRATÉGICA ENQUADRAMENTO DO NEGÓCIO AGENDA ESTRATÉGICA OBJECTIVOS E METAS GESTÃO DO RISCO DESEMPENHO SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA ACTIVIDADES ÉTICA INOVAÇÃO AMBIENTE STAKEHOLDERS INDICADORES COMPLEMENTARES GOVERNO DA SOCIEDADE 117 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 227 ANEXOS 373

4 UMA ENERGIA QUE TRANSFORMA A ECONOMIA Aposta no aumento do aproveitamento hidroeléctrico, promovendo a autonomia energética do país.

5 ENERGY THAT MAKES A DIFFERENCE 05 MENSAGEM DO PRESIDENTE Senhor(a) Accionista, O sector da energia eléctrica é hoje um dos arquitectos essenciais de um futuro melhor, mais sustentável, criador de maior igualdade, de mais oportunidades e de um indispensável equilíbrio intergeracional. A EDP assume este papel por inteiro. Em 2014 a EDP manteve a sua posição de referência no panorama nacional e internacional, aliando capacidade de antecipação e de execução. Num ano de a ser impactado por diversos desequilíbrios e factores não controláveis, mantendo sobre o sector uma percepção de instabilidade, a palavra-chave foi superação. UM CONTEXTO DESAFIANTE Tal como esperado, em 2014 mantiveram-se alguns dos desequilíbrios que têm afectado negativamente o contexto do sector ao longo dos últimos anos. Por efeito de uma continuada incerteza macroeconómica que se caracteriza por um crescimento económico nulo, apesar de uma melhoria na percepção do risco soberano dos países da periferia, o consumo de electricidade manteve-se inal- num cenário em que os preços continuam a ser pressionados negativamente, devido ao excesso de capacidade. de risco caso a situação macroeconómica de, por exemplo, Portugal e Espanha, não evolua favoravelmente. ANTÓNIO MEXIA Presidente do Conselho de Administração Executivo Este foi o ano em que pela primeira vez se contabilizou o impacto total das medidas regulatórias já tomadas em Portugal e Espanha, dois mercados chave para o Grupo EDP, medidas essas com uma componente discriminatória para um sector que se encontra do lado da solução e que contribui significativamente para a economia. Importa foi, como se esperava, menor do que nos últimos anos eléctrico Português.

6 RELATÓRIO E CONTAS ENERGY THAT MAKES A DIFFERENCE Adicionalmente, a actividade do Grupo EDP foi condicionada por uma situação de seca no Brasil, uma das mais graves de sempre e cujos impactos são ainda incertos. A possibilidade, considerável, de ser necessário a decretação de um racionamento teria graves impactos, sobretudo na rentabilidade da operação neste ano. No entanto, é importante reconhecer que se têm realizado acções que ajudam a mitigar os efeitos desta conjuntura. No entanto, acreditamos que o ano de 2014 marca uma viragem, positiva, na visão que as autoridades europeias têm sobre o sector eléctrico. Defendemos que o desenho de mercado deve ter como primeira prioridade que são de natureza capital-intensiva e de longo prazo. Este é um tema cada vez mais central nas discussões a nível Europeu. No mesmo sentido, as energias limpas, uma aposta já enraizada na estratégia de negócio da Europeu sobre o futuro do sector, nomeadamente o seu modelo de governo, bem como na preparação da Convenção de Paris, que irá debater as alterações climatéricas e os compromissos exigidos a cada país. O ano de 2014 marcou também um novo momento no movimento de transformação tecnológica que afecta o sector eléctrico. Enquanto a energia eólica se assume como a fonte mais barata de produção de energia, mesmo tendo em consideração a queda do preço do petróleo, novas tecnologias se tornam cada vez mais competitivas, tais como o solar fotovoltaico, o que tem impacto ao nível da geração solar centralizada. Adicionalmente, o comporta- nidades na geração descentralizada. Num contexto em que o negócio do sector eléctrico se torna cada vez mais dinâmico e menos estático, com impacto de novas tecnologias, como a análise de dados, a alterar as fronteiras do negócio, é crítico que a EDP se mantenha na linha da frente da discussão e da investigação, fomentando um espírito de inovação contínua. EXIGINDO ESTRATÉGIA E CAPACIDADE DE EXECUÇÃO Considerando os já mencionados desafios que o sector enfrenta, o Conselho de Administração Executivo definiu três prioridades claras para o ano de 2014: (i) A redução da dívida líquida consolidada do Grupo, - Importa salientar que o sucesso da estratégia desenhada, nomeadamente a política de cobertura da neces- foram positivamente reconhecidos pelas agências de rating Investment Grade no mercado de crédito internacional, um marco importante face ao contexto macroeco- tadas por uma elevada produção hídrica, boa gestão de operações nos mercados energéticos, transferência relação à actividade Comercial liberalizada em Portugal, mantemos o ímpeto inovador e competitivo, demonstrando capacidade para desenvolver propostas de qualidade que vão de encontro às expectativas dos nossos a proposta de valor da EDP. -

7 ENERGY THAT MAKES A DIFFERENCE 07 positivamente para o resultado operacional bruto do Grupo, com um aumento do seu resultado operacional concerne aos activos regulatórios, deve destacar-se a acção sobre os factores por nós controlados, nomeadamente a antecipação em 4 meses da entrada em funcionamento da central hídrica de Jari, que só por si permitiu um impacto positivo de 210 milhões de Reais, ao nível da receita. Importa também salientar os resultados positivos que o foco em eficiência, consistente e transversal a toda a organização, tem produzido. Antecipámos o objectivo do projecto Opex III (130 milhões de Euros) em um de serviço na Distribuição e a conclusão das barragens incluídas no Plano Nacional Hídrico. Em relação à dívida e Espanha. No entanto, é importante ressalvar o impacto negativo resultante da valorização do USD (cerca de 400 milhões de Euros). O ano de 2014 marcou também a conquista de novas plataformas de crescimento. A atribuição, em França, de offshore ao consórcio onde participa a EDP Renováveis, assim como a entrada assinaláveis. No mesmo sentido, o lançamento da Hydro Global, uma parceria com a China Three Gorges, que tem como objectivo capturar o potencial hídrico em mercados emergentes, com foco na América do Sul, África e Sudoeste Asiático é uma nova e importante plataforma de crescimento que marca um passo em frente no desenvolvimento da parceria estratégica entre as duas empresas. No âmbito desta parceria é importante Asia, operações que capacitam a EDP para concorrer em novos mercados em procura de novas oportunidades de crescimento. Acreditamos no valor destas oportunidades e na capacidade de as executarmos com sucesso, de valor como até aqui. PARA ASSEGURAR UM PAPEL DE LIDERANÇA A performance da acção EDP em 2014 é, mais uma vez, diferenciadora face às suas congéneres, entregando Nesse sentido, defendemos uma política de distribuição de resultados estável, e iremos propor em Assembleia respeito ao dividend yield. Com o objectivo de manter o perfil distintivo da EDP entre as utilities Europeias, apresentámos em Maio de anos, e procura um balanceamento entre crescimento e a solidez do seu balanço, mantendo o risco controlado e o retorno atractivo. Mantemos também o foco na inovação, no contributo para o desenvolvimento sustentável e na acção social, suportados por uma atitude corporativa consistente e de excelência, com uma visão clara sobre o nosso papel e da forma como podemos impactar a sociedade. Esta visão é enquadrada nos Princípios de Desenvolvimento Sustentável da EDP e nos compromissos que assumimos perante entidades externas, nomeadamente, com a adesão ao Global Compact, uma iniciativa das Nações Unidas. fortes, aprendizagem contínua e entrega sistemática de resultados, estamos certos de que continuaremos a desenhar o nosso caminho de sucesso e liderança.

8 RELATÓRIO E CONTAS ENERGY THAT MAKES A DIFFERENCE cultura e da inovação social. Como exemplo, temos iniciativas como o EDP Solidária, que recebeu cerca de 1000 candidaturas e investiu mais de 1 milhão de Euros em projectos de inovação social e a realização de mais Pelo facto de termos uma visão única e demonstrarmos consistentemente capacidade para a executar, fomos mais uma vez considerados número 1 a nível mundial do sector de Utilities do Índice Dow Jones de Sustentabilidade, que reconhece a EDP como referência em domínios essenciais e tão diversos como a excelência na gestão de risco, a gestão dos stakeholders, o desenvolvimento sustentado do nosso capital humano, ou a biodiversidade. radores condições de trabalho únicas. Esta mudança vem no contexto das decisões semelhantes tomadas no nidades onde estamos inseridos. Em conjunto com o Centro de Artes, cuja inauguração está prevista para Com o envolvimento, atitude positiva, respeito e dedicação de todos os colaboradores do Grupo, acreditamos na nossa capacidade de execução e que iremos alcançar o sucesso que pretendemos. Aproveitamos também a oportunidade para agradecer a contribuição dos restantes órgãos sociais da empresa, com destaque para o Conselho Geral e de Supervisão, pelo desafio, apoio e confiança prestados a toda a equipa, assim como a todos aqueles que se relacionam com a nossa empresa, nomeadamente, aos accionistas, clientes, credores, fornecedores, entidades governamentais e reguladores. ANTÓNIO MEXIA Presidente do Conselho de Administração Executivo

9 PRESENTE EM 14 PAÍSES E CONTA COM 9,7 MILHÕES DE CLIENTES DE ELECTRICIDADE A EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. é uma sociedade emitente de acções que se encontram admitidas à negociação no mercado regulamentado da NYSE Euronext Lisbon (denominado Eurolist by NYSE Euronext Lisbon). A EDP está estabelecida em Portugal, organizada sob as leis de Portugal e registada no Registo Comercial de Lisboa, sob o n.º A sede social está situada na Praça Marquês de Pombal, n.º 12, Lisboa, Portugal. A EDP foi inicialmente constituída como uma empresa pública, em 1976, nos termos do Decreto-Lei nº 502/76, de 30 de Junho, como resultado da nacionalização e fusão das principais empresas portuguesas do sector da electricidade em Portugal continental. Posteriormente, foi transformada numa sociedade de responsabilidade limitada (sociedade anónima) nos termos do Decreto-Lei nº 7/91, de 8 de Janeiro, e do Decreto-Lei nº 78-A/97, de 7 de Abril. A EDP é uma utility verticalmente integrada. É o maior produtor, distribuidor e comercializador de electricidade em Portugal, a terceira maior empresa de produção de electricidade na Península Ibérica e um dos maiores distribuidores de gás na Península Ibérica. A EDP é também um dos maiores operadores mundiais de energia eólica, com parques eólicos na Península Ibérica, Estados Unidos da América, Canadá, Brasil, França, Bélgica, Itália, Polónia e Roménia e está a desenvolver projectos eólicos no Reino Unido e México. Adicionalmente, a EDP produz energia solar fotovoltaica em Portugal, Roménia e Estados Unidos da América. No Brasil, a EDP é o quarto maior operador privado na produção de energia eléctrica, tem 2 concessões para a distribuição de electricidade e é o terceiro maior comercializador privado no mercado liberalizado. A EDP tem hoje uma presença relevante no panorama energético mundial, estando presente em 14 países, contando com cerca de 9,7 milhões de clientes de energia eléctrica, 1,3 milhões de clientes de gás e aproximadamente 12 mil colaboradores em todo o mundo. Em 31 de Dezembro de 2014, a EDP detinha uma capacidade instalada de cerca de 22,5GW, tendo produzido durante 2014 mais de 60,2TWh, dos quais cerca de 71% com origem em energias renováveis.

10 NO MUNDO PORTUGAL FRANÇA % COLABORADORES CLIENTES DE ELECTRICIDADE CLIENTES DE GÁS CAPACIDADE INSTALADA (MW) PRODUÇÃO LÍQUIDA (GWh) PRODUÇÃO A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS 1 ELECTRICIDADE DISTRIBUÍDA (GWh) GÁS DISTRIBUÍDO (GWh) CAPACIDADE EM CONSTRUÇÃO (MW) % COLABORADORES CAPACIDADE INSTALADA (MW) PRODUÇÃO LÍQUIDA (GWH) PRODUÇÃO A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS 1 BÉLGICA ESPANHA % COLABORADORES CAPACIDADE INSTALADA (MW) PRODUÇÃO LÍQUIDA (GWh) PRODUÇÃO A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS % COLABORADORES CLIENTES DE ELECTRICIDADE CLIENTES DE GÁS CAPACIDADE INSTALADA (MW) PRODUÇÃO LÍQUIDA (GWh) PRODUÇÃO A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS 1 ELECTRICIDADE DISTRIBUÍDA (GWh) GÁS DISTRIBUÍDO (GWh) % ITÁLIA COLABORADORES CAPACIDADE INSTALADA (MW) PRODUÇÃO LÍQUIDA (GWh) PRODUÇÃO A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS 1

11 BRASIL % COLABORADORES CLIENTES DE ELECTRICIDADE CAPACIDADE INSTALADA (MW) CAPACIDADE INSTALADA MEP 2 (MW) PRODUÇÃO LÍQUIDA (GWh) PRODUÇÃO A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS 1 ELECTRICIDADE DISTRIBUÍDA (GWh) CAPACIDADE EM CONSTRUÇÃO (MW) CAPACIDADE EM CONSTRUÇÃO MEP 2 (MW) POLÓNIA MÉXICO % % COLABORADORES CAPACIDADE INSTALADA (MW) PRODUÇÃO LÍQUIDA (GWh) PRODUÇÃO A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS 1 ROMÉNIA COLABORADORES CAPACIDADE INSTALADA (MW) PRODUÇÃO LÍQUIDA (GWh) PRODUÇÃO A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS % 299 COLABORADOR EUA COLABORADORES CAPACIDADE INSTALADA (MW) PRODUÇÃO LÍQUIDA (GWh) PRODUÇÃO A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS 1 CAPACIDADE EM CONSTRUÇÃO (MW) 37 REINO UNIDO COLABORADORES CHINA E ANGOLA ESCRITÓRIOS % CANADÁ COLABORADORES CAPACIDADE INSTALADA (MW) PRODUÇÃO LÍQUIDA (GWh) PRODUÇÃO A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS 1 1 Inclui hídrica, eólica e solar. 2 Consolidada de acordo com o método de equivalência patrimonial.

12 RELATÓRIO E CONTAS ENERGY THAT MAKES A DIFFERENCE A EDP EM NÚMEROS RESULTADOS OPERACIONAIS BRUTOS RESULTADO LÍQUIDO 1 27% 28% 28% 28% 0,31 0,28 0,28 0, Resultados Operacionais Brutos (M ) OPEX / Margem Bruta 4 Resultado Líquido (M ) Resultado Líquido por Acção ( ) NET INVESTMENTS 2 DÍVIDA LÍQUIDA 3 47% 56% 69% 66% 4,1 4,3 4,0 4, Net Investments (M ) Net Investments em Renováveis (%) Dívida Líquida (M ) Dívida Líquida Ajustada / ROB (x) NOTA: Os números de 2013 foram re-apresentados devido à aplicação das IFRS 10 e 11 a partir de Jan Resultado Líquido atribuível a accionistas. 2 Inclui Investimento Operacional, Investimentos Financeiros e Desinvestimentos Financeiros ( Asset rotation ). 3 Inclui Dívida Financeira, Caixa e Equivalentes, Activos Financeiros de Curto Prazo ao justo valor, Derivados de Cobertura Fair Value Hedge e de Net Investment e Depósitos colaterais associados à Dívida Financeira. 4 (Fornecimentos e Serviços Externos + Custos com o Pessoal e Benefícios aos Empregados Custos de Reestruturação)/ (Margem Bruta + Proveitos Relativos a Parcerias Institucionais)

13 ENERGY THAT MAKES A DIFFERENCE 13

14 RELATÓRIO E CONTAS ENERGY THAT MAKES A DIFFERENCE

15

16

17 VISÃO, VALORES E COMPROMISSOS VISÃO Uma empresa global de energia, líder em criação de valor, inovação e sustentabilidade. VALORES INICIATIVA Manifestada através dos comportamentos e atitudes das nossas pessoas. CONFIANÇA Dos Accionistas, Fornecedores e demais StakeHolders. EXCELÊNCIA Na forma como executamos. SUSTENTABILIDADE Visando a melhoria da qualidadde de vida das gerações actuais e futuras. INOVAÇÃO Com o intuito de criar valor nas várias áreas em que actuamos. COMPROMISSOS SUSTENTABILIDADE Assumimos as responsabilidades sociais e ambientais que resultam da nossa actuação, contribuindo para o desenvolvimento das regiões onde estamos presentes. Reduzimos, de forma sustentável, com efeito de estufa da energia que produzimos. Promovemos activamente PESSOAS valorizando o trabalho em equipa. Promovemos o desenvolvimento Acreditamos que o equilíbrio entre mental para sermos bem sucedidos. RESULTADOS Cumprimos com os compromissos que assumimos perante os nossos accionistas. de antecipação e execução. o que fazemos. CLIENTES Colocamo-nos no lugar dos nossos Clientes sempre que tomamos uma decisão. Ouvimos os nossos Clientes e respondemos de uma forma simples e transparente. Surpreendemos os nossos Clientes, antecipando as suas necessidades.

18 RELATÓRIO E CONTAS ENERGY THAT MAKES A DIFFERENCE A estrutura de governo da EDP, assente no, é composta pela,., e A separação das funções de gestão e de supervisão materializa-se na existência de um Conselho de Administração Executivo, o qual está encarregue da gestão dos negócios sociais, e de um Conselho Geral e de Supervisão, órgão máximo responsável por aquela última função. O modelo dualista de Governo da Sociedade em vigor na EDP tem permitido uma separação eficaz do exercício da supervisão e da função de gestão da EDP na prossecução dos objectivos e interesses da mesma, dos seus accionistas, colaboradores e restantes stakeholders, contribuindo, desta forma, para alcançar o grau de necessário ao seu adequado funcionamento e optimização. Além disso, o modelo adoptado tem-se revelado adequado à estrutura accionista da sociedade, ao permitir uma supervisão por parte dos accionistas de referência através da sua intervenção no Conselho Geral e de Supervisão. Na Assembleia Geral realizada em 20 de Fevereiro de 2012, os accionistas elegeram os membros do Conselho Geral e de Supervisão e do Conselho de Administração Executivo para um mandato de 3 anos, referente ao triénio 2012/2014. O Revisor Oficial de Contas e respectivo suplente e os membros dos restantes corpos sociais, designadamente da Mesa da Assembleia Geral, da Comissão de Vencimentos da Assembleia Geral e do Conselho de Ambiente e Sustentabilidade foram eleitos na Assembleia Geral Anual realizada em 17 de Abril de 2012 igualmente para um mandato de 3 anos, referente ao triénio de 2012/2014.

19 ENERGY THAT MAKES A DIFFERENCE 19

20 RELATÓRIO E CONTAS ENERGY THAT MAKES A DIFFERENCE Rui Eduardo Ferreira Rodrigues Pena, Rui Pedro Costa Melo Medeiros, Maria Teresa Isabel Pereira, KPMG & Associados, SROC, S.A., representada por Vítor Manuel da Cunha Ribeirinho, ROC, Susana de Macedo Melim de Abreu Lopes, ROC, Eduardo de Almeida Catroga, Dingming Zhang (em representação da China Three Gorges Corporation) Guojun Lu (em representação da China International Water & Electric Corp.) Ya Yang (em representação da China Three Gorges New Energy Co. Ltd.) Shengliang Wu (em representação da CWEI (Europe), S.A.) Felipe Fernández Fernández (em representação da Cajastur Inversiones, S.A.) Luis Filipe da Conceição Pereira (em representação da José de Mello Energia, S.A.) Mohamed Ali Ismaeil Ali Al Fahim (em representação da Senfora SARL) Harkat Abderezak (em representação da Sonatrach) Alberto João Coraceiro de Castro António Sarmento Gomes Mota Maria Celeste Ferreira Lopes Cardona Fernando Masaveu Herrero Ilídio da Costa Leite de Pinho Jorge Avelino Braga de Macedo Manuel Fernando de Macedo Alves Monteiro Paulo Jorge de Assunção Rodrigues Teixeira Pinto Vasco Joaquim Rocha Vieira Vítor Fernando da Conceição Gonçalves Rui Eduardo Ferreira Rodrigues Pena Augusto Carlos Serra Ventura Mateus Nuno Manuel da Silva Amado António Luís Guerra Nunes Mexia, Nuno Maria Pestana de Almeida Alves João Manuel Manso Neto António Manuel Barreto Pita de Abreu António Fernando Melo Martins da Costa João Marques da Cruz Miguel Stilwell de Andrade

21

22 RELATÓRIO E CONTAS ENERGY THAT MAKES A DIFFERENCE A EDP é líder mundial de Sustentabilidade nas Utilities Desde 2007, a EDP é considerada membro do Sustainability Yearbook da RobecoSAM, e desde 2009 é integrada na categoria Gold Class, como um dos líderes mundiais. É ainda destacada como líder da Indústria das utilities eléctricas. EDP é uma das marcas mais valiosas do Mundo A EDP valorizou a avaliação da sua marca, que subiu dos 2,04 mil milhões de euros para os 2,26 mil milhões de euros. Esta subida levou a Brand Finance a atribuir a nota de AA+ à marca EDP, ocupando o 476º lugar no ranking. António Mexia é o melhor CEO no sector das Utilities O presidente da EDP foi distinguido pelo Thomson Reuters Extel Europe 2014 como o melhor CEO europeu do sector das utilities e o 15º melhor director executivo de uma empresa europeia. Também Nuno Alves, Administrador do Grupo EDP, foi considerado o melhor director financeiro de Portugal e fecha o Top 25 de administradores financeiros a nível europeu. EDP integra os Índices de Sustentabilidade Euronext Vigeo World 120, Europe 120, Eurozone 120 A EDP é, novamente, reconhecida como uma das melhores empresas a nível mundial, em matéria de Sustentabilidade. Cada um destes índices distingue 120 empresas cotadas em bolsa, pelo seu desempenho ambiental, social e no âmbito do governo da sociedade. EDP volta a ser a melhor utility mundial nos índices Dow Jones Sustainability A EDP foi reconhecida como a melhor empresa europeia e mundial no grupo de indústria das Utilities: Electricidade, Água e Gás, pelo 2º ano consecutivo, nos índices Dow Jones Sustainability. No processo de avaliação da ROBECOSAM foram analisadas mais de empresas e menos de 20% conseguiram fazer parte do índice. A avaliação considera o impacto/risco que a empresa pode ter com base em 25 critérios, nas áreas ambiental, social, económica e do governo da sociedade. EDP distinguida nos Prémios Meios & Publicidade com cinco distinções na 2ª edição dos Prémios Comunicação O Ethisphere Institute reconheceu a EDP como uma das 7 empresas mais éticas do mundo no sector eléctrico. O Grupo integra pelo terceiro ano consecutivo o ranking das World s Most Ethical Companies. IR Magazine Europe Awards 2014 A EDP ficou na 10ª posição da IR Magazine no EuroTop 100, tendo sido destacada nas categorias Best Investor Relations by a CEO (large capital), Best Sustainable Practice, Best Overall Investor Relations - Southern Europe, Regional Awards Southern Europe e Best in Sector Utilities. Na área da Comunicação Interna, a EDP foi galardoada com Prata, com a edpon intranet e a edpon tv, e com Bronze, com a edpon revista. O Programa Conciliar recebeu Bronze na categoria de Responsabilidade Social. Já a Agência Grand Union recebeu o prémio Prata na categoria de Site Digital com o re:dy, da EDP. Os Prémios de Comunicação, atribuídos pela revista Meios & Publicidade, visam distinguir os trabalhos, empresas e agências que mais se destacaram no decorrer do último ano. edpon intranet é a melhor da Europa A edpon intranet foi a vencedora dos European Excellence Awards 2014 na categoria Corporate Media, Intranet. Os European Excellence Awards reconhecem anualmente as melhores práticas de Relações Públicas e Comunicação, na Europa.

23 ENERGY THAT MAKES A DIFFERENCE 23 EDP mantém-se no FTSE4Good Index Series A EDP mantém-se constituinte da série de índices FTSE4Good desde As empresas foram avaliadas de acordo com uma nova metodologia que assenta num conjunto de cerca de 350 indicadores agrupados em 14 temas distribuídos por três pilares (ambiental, social e governação). EDP vence 3 categorias do Grande Prémio APCE 2013 Foram atribuídos à EDP 3 primeiros lugares, nas categorias intranet (edpon intranet), melhor Relatório e Contas (Relatório e Contas 2012) e melhor edição especial (edp life 2012, relatório das actividades de comunicação no Grupo). Estes prémios têm por missão distinguir a excelência na estratégia da comunicação organizacional. EDP é constituinte da Ethibel Desde 2001, a EDP tem o estatuto de empresa Ethibel Excellence Investment Register, por demonstrar um desempenho superior à média do seu sector, em termos de Corporate Social Responsability (CSR). A EDP está incluída na Ethibel Index Excellence Europe. António Mexia é o melhor CEO na relação com investidores em 2013 O presidente do CAE da EDP foi distinguido pelos Investor Relations & Governance Awards. A EDP venceu ainda na categoria de Melhor Relatório e Contas no sector não financeiro. Os Investor Relations & Governance Awards vão na sua 27ª edição e são prémios atribuídos pela Deloitte que distinguem as melhores práticas desenvolvidas na relação com os investidores. EDP considerada pela Storebrand com a qualificação TOP 100 A EDP está classificada para os fundos de investimento Storebrand Trippel Smart e SPP Global Top 100, assim como investimento atractivo para outras carteiras. EDP tem estatuto Prime, pela OEKOM A OEKOM, analista financeiro ESG, providencia informação sustentável a empresas de serviços financeiros que gerem um total de 600 mil milhões de euros. EDP é constituinte dos Índices ECPI ECPI é analista e fornecedor de serviços financeiros que escrutina empresas com base em informação pública para constituir 86 indicadores Environmental Social and Governance (ESG).

24 RELATÓRIO E CONTAS ENERGY THAT MAKES A DIFFERENCE EDP Comercial recebe Prémio Gatewit Procurement Awards A EDP Comercial, através do segmento Estado e PMEs, foi uma das empresas vencedoras da primeira edição do Procurement Awards. O prémio distinguiu as empresas fornecedoras que aplicam as melhores práticas na contratação pública electrónica, no âmbito da utilização da plataforma Compras Públicas. EDP conquista quatro Prémios Meios & Publicidade A EDP foi distinguida com Prémios Prata na categoria Ambiente e Energia, com as campanhas institucionais A maior energia é a sua e A energia que nos une, e ainda com a campanha do serviço Funciona. A empresa alcançou também a Prata, no segmento empresarial, com as brochuras de soluções de eficiência energética para Pequenas e Médias Empresas. Projecto PERFILA premiado na primeira edição dos EnerTIC Awards A Plataforma de empresas TIC para a melhoria da eficiência energética EnerTIC distinguiu o projecto liderado pela Red Eléctrica de España, no qual a EDP Espanha participa, como a melhor iniciativa de 2013 na categoria SmartGrids (redes inteligentes). EDP Distribuição ganha prémio Most Effective Recovery of the Year O reconhecimento é atribuído pelo BCI - Business Continuity Institute, pela forma eficaz como a empresa trabalhou na recuperação da rede e na reposição de serviço aos clientes que ficaram privados do abastecimento de energia eléctrica em consequência da Tempestade Gong, que afectou o território de Portugal continental entre 19 e 23 de Janeiro de O galardão visa premiar os profissionais e organizações sedeadas na Europa que se destacam no âmbito das respectivas áreas de actividade, que se tenham evidenciado na Continuidade do Negócio. EDP fica em 1º lugar no sector da Indústria e Energia no Prémio Excelência no Trabalho O Prémio Excelência no Trabalho, atribuído pela Heidrick & Struggles, é um estudo de clima organizacional e desenvolvimento do capital humano através do qual se analisa o estado de arte das práticas de recursos humanos em Portugal e se premeiam as entidades que mais investem e apostam nesta área. EDP Espanha premiada pela FM Global A seguradora FM Global reconheceu a central de ciclo combinado de Soto Ribera com o prémio Highly Protected Risk, pelas melhorias que têm vindo a ser levadas a cabo no sistema de prevenção de riscos. EDP Espanha distinguida com o melhor centro de atendimento ao cliente A Asociación Española de Expertos en la Relación con los Clientes distinguiu a EDP com o prémio CRC Ouro enquanto empresa com o melhor Centro de Relación con el Cliente (CRC) quer no sector da Energía, quer como Centro com mais de 1,2 milhões de chamadas por ano. Os prémios CRC Ouro são atribuídos após uma série de auditorias externas realizadas pela consultora IZO. EDP Espanha reconhecida pela Red Española de Pacto Mundial de Naciones Unidas O Pacto Mundial de Naciones Unidas tem a colaboração activa da EDP Espanha desde 2004 e consiste na integração, por parte das empresas, de um compromisso com 10 princípios básicos e universais: Todas as acções desenvolvidas são reflectidas em Relatórios de Progresso anuais.

25 ENERGY THAT MAKES A DIFFERENCE 25 EDP Renováveis na Polónia distinguida como Best place to work A EDP Renováveis foi reconhecida na categoria empresas com menos de 50 colaboradores pelo Great Place to Work, pelo segundo ano consecutivo. O Project Finance para o Parque Eólico de Pawlowo, desenvolvido pela EDP Renováveis na Polónia, reconhecido pelo EMEA Finance A EDP Renováveis foi distinguida pela revista EMEA Finance pela estruturação financeira do projecto firmado com o Banco Europeu para Reconstrução e Desenvolvimento para o projecto de parque eólico de Pawlowo. A EDP Renováveis foi, ainda, reconhecida pela revista EMEA Finance na mesma categoria "Best Sustainability Deal" para o financiamento de projectos relacionados com os parques eólicos de Cernavoda e Pestera na Roménia e para o projecto de energia eólica na cidade polaca de Margonin. João Manso Neto nomeado 3º melhor CEO em Espanha pelo inquérito da Thomson Reuters João Manso Neto está entre os melhores CEO em Espanha, de acordo com o inquérito da Thomson Reuters a membros da comunidade de investidores. O CFO da EDP Renováveis, Rui Teixeira, foi também distinguido. EDP Renováveis seleccionada pelo Forum Ethibel a incluir o Ethibel PIONEER e EXCELLENCE Investment Registers A distinção decorre por ser considerada uma empresa líder no seu sector em termos de responsabilidade social corporativa. EDP Brasil reconhecida pelo ranking Campeãs de Inovação da Revista Amanhã A EDP foi considerada uma das 50 empresas mais inovadoras do Sul do país com base no Parque Eólico Cenaeel, em Santa Catarina. No sector da energia, a EDP destacou-se como líder das empresas eléctricas, e foi a primeira na área da inovação. São convidadas a participar na pesquisa as 500 maiores empresas do Sul, listadas no ranking Grandes & Líderes, elaborado pela revista Amanhã e pela PricewaterhouseCoopers. EDP Brasil premiada pelo respeito ao cliente A EDP recebeu o reconhecimento Ouro na categoria Respeito ao Cliente do Prémio Smart Contact Centre 2014 com EDP solidificando as bases em prol da Excelência e do Respeito ao Cliente. O projecto vencedor destacou a transição física do call centre das distribuidoras do Grupo EDP, assim como os resultados da gestão dos indicadores e dos serviços de atendimento ao cliente. EDP Brasil premiada com o Troféu Transparência pela Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (ANEFAC) A EDP recebeu o Troféu Transparência na categoria Empresas de Capital Aberto receita líquida de até 5 mil milhões de reais. A ANEFAC reconhece há 18 anos as empresas que apresentam as demonstrações financeiras mais transparentes do Brasil, divulgando os resultados à comunidade e aos stakeholders. EDP Brasil reconhecida como Top Employer Pela terceira vez consecutiva, a EDP foi eleita uma das empresas com as melhores práticas de gestão de pessoas, de acordo com a Top Employers Institute. EDP Brasil mantém-se no Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) Pelo nono ano consecutivo, a EDP integra a carteira do ISE. Mantido pela BM&FBovespa, o índice é uma ferramenta de avaliação de performance entre as companhias de capital aberto no que diz respeito às práticas sociais, ambientais, económicas e de governança corporativa.

A EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. é uma sociedade emitente de acções que se encontram admitidas à negociação no mercado regulamentado da NYSE Euronext Lisbon (denominado Eurolist by NYSE Euronext Lisbon).

Leia mais

Informação Privilegiada DELIBERAÇÕES DA ASSEMBLEIA GERAL ANUAL

Informação Privilegiada DELIBERAÇÕES DA ASSEMBLEIA GERAL ANUAL DELIBERAÇÕES DA ASSEMBLEIA GERAL ANUAL Reuters: EDP.LS Bloomberg: EDP PL Lisboa, 22 de Abril de 2015: A EDP Energias de Portugal, S.A. ( EDP ) vem informar os accionistas e o mercado em geral de que, na

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

Sonae Sierra registou Resultado Líquido de 1,3 milhões no primeiro semestre

Sonae Sierra registou Resultado Líquido de 1,3 milhões no primeiro semestre Maia, 31 de Julho de 2008 Desempenho afectado por desvalorização dos activos ditada pelo mercado Sonae Sierra registou Resultado Líquido de 1,3 milhões no primeiro semestre Rendas cresceram 4,5% numa base

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 Abrandamento da atividade económica mundial ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1.1. Evolução da conjuntura internacional A atividade económica mundial manteve o abrandamento

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES Crescimento de volume de negócios: + 5.1% a valores e taxas

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas 30 11 2012 As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas Teodora Cardoso 1ª Conferência da Central de Balanços Porto, 13 Dezembro 2010 O Banco de Portugal e as Estatísticas O Banco de

Leia mais

O EBITDA no 4T13 foi de 9,6 M, o que corresponde a uma margem EBITDA de 7 %

O EBITDA no 4T13 foi de 9,6 M, o que corresponde a uma margem EBITDA de 7 % DESTAQUES página 3 O total de Proveitos Operacionais foi de 592,9 M, a registar uma subida de 15 % quando comparado com o ano anterior, a refletir um crescimento significativo no volume de negócio das

Leia mais

Espírito Santo Investment Bank Overview FIT FOR A NEW ERA

Espírito Santo Investment Bank Overview FIT FOR A NEW ERA Espírito Santo Investment Bank Overview FIT FOR A NEW ERA December 2011 Espírito Santo Investment Bank Somos: A unidade de Banca de Investimento do Grupo Banco Espírito Santo O Banco de Investimento de

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

Energia e Ambiente: duas faces da mesma moeda

Energia e Ambiente: duas faces da mesma moeda Seminário A Política Ambiental no Sector Energético Português Coimbra, 3 de Julho 2008 Energia e Ambiente: duas faces da mesma moeda Guilherme Machado Conteúdo 1. Energia e Ambiente: Duas faces da mesma

Leia mais

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt 30 27 Evolução do Preço CO2 Jan 06 - Fev 07 Spot Price Powernext Carbon Jan de 2006 a Fev 2007 Spot CO2 (30/01/07) Preço Δ Mensal 2,30-64.50% 2007 2,35-64,4% 2008 15.30-16,16% Futuro Dez 2009 2010 15.85

Leia mais

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS 1. REGIME DA RESERVA FINANCEIRA A Lei n. o 8/2011 estabelece o regime jurídico da reserva financeira

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Mudanças recentes na situação socioeconómica portuguesa A evolução recente da economia portuguesa têm-se caracterizado por um

Leia mais

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada Angola Setembro 2009 No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada I.- Evolução recente das reservas cambiais 1. O dado mais relevante a assinalar na evolução da conjuntura económica e financeira

Leia mais

07/01/2009 OJE Economia contrai 0,8% este ano e terá entrado em recessão em 2008 A crise financeira e a recessão mundial vão provocar este ano uma contracção de 0,8% na economia nacional, penalizada pela

Leia mais

A ENERGIA SOLAR NA UNIVERSIDADE DE ÉVORA

A ENERGIA SOLAR NA UNIVERSIDADE DE ÉVORA O PANORAMA MUNDIAL DA ENERGIA WORLD ENERGY OUTLOOK 2011 IEA SOLAR ENERGY PERSPECTIVES 2011 IEA O PROGRAMA DA UNIVERSIDADE DE ÉVORA PARA AS ENERGIAS RENOVÁVEIS INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ENSINO MESTRADO

Leia mais

Apresentação da nova Equipa de Gestão. Lisboa, 4 Dezembro 2007

Apresentação da nova Equipa de Gestão. Lisboa, 4 Dezembro 2007 Apresentação da nova Equipa de Gestão Lisboa, 4 Dezembro 2007 Agenda 1. Enquadramento 2. Proposta de nova Equipa de Gestão 3. Outra informação relevante 4. Conclusão 2 Millennium bcp: 1985 2007 Da criação

Leia mais

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Cenário de referência O estudo WETO apresenta um cenário de referência que descreve a futura situação energética

Leia mais

Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética

Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética Carlos Firme 07 de Julho de 2010 Índice 1. A Biomassa no Contexto das Energias Renováveis 2. A Emergência de um novo tipo de investidor 3. Os Economics

Leia mais

Estratégias Empresariais - EDP João Manso Neto EDP Membro do Conselho de Administração Executivo Lisboa, 29 de Maio de 2008

Estratégias Empresariais - EDP João Manso Neto EDP Membro do Conselho de Administração Executivo Lisboa, 29 de Maio de 2008 Estratégias Empresariais - EDP João Manso Neto EDP Membro do Conselho de Administração Executivo Lisboa, 29 de Maio de 2008 0 Índice I Introdução II Internacionalização III Estratégia em Portugal 1 I Introdução

Leia mais

Reestruturação da Sonae Indústria prosseguiu como planeado durante o exercício de 2000

Reestruturação da Sonae Indústria prosseguiu como planeado durante o exercício de 2000 Informação à Imprensa 8 de Março de 2001 Reestruturação da Sonae Indústria prosseguiu como planeado durante o exercício de 2000 As vendas da Sonae Indústria no exercício de 2000 ascenderam a Euro 1 294

Leia mais

relatório e contas 2013 1º trimestre

relatório e contas 2013 1º trimestre relatório e contas 2013 1º trimestre índice a edp 04 edp no mundo 05 visão, valores e compromissos 06 reconhecimento 07 objectivos e metas 08 indicadores chave demonstrações financeiras 16 evolução dos

Leia mais

A APREN. A APREN é associada das seguintes entidades:

A APREN. A APREN é associada das seguintes entidades: 1. QUEM SOMOS 2 A APREN A APREN - Associação Portuguesa de Energias Renováveis, é uma associação sem fins lucrativos, constituída em Outubro de 1988, com a missão de coordenação, representação e defesa

Leia mais

Conferência IDEFF: As privatizações não se discutem?

Conferência IDEFF: As privatizações não se discutem? Conferência IDEFF: As privatizações não se discutem? III Painel Portugal após as privatizações: Que futuro? Carlos Rodrigues Presidente do Conselho de Administração Banco BiG 06 de Dezembro de 2012 Índice

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

Evolução da Economia Internacional

Evolução da Economia Internacional 1 Evolução da Economia Internacional Este capitulo descreve sumariamente a evolução dos principais blocos económicos mundiais em 2014, assim como das economias dos parceiros económicos mais importantes

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

1. THE GROUP TODAY INDEX 1. O GRUPO HOJE 2. VISÃO ESTRATÉGICA

1. THE GROUP TODAY INDEX 1. O GRUPO HOJE 2. VISÃO ESTRATÉGICA 1 INDEX 1. O GRUPO HOJE 2. VISÃO ESTRATÉGICA 3. PRIORIDADES ESTRATÉGICAS 3.1 Concretizar o Potencial da Biedronka 3.2 Assegurar o Crescimento de Longo Prazo 1. THE GROUP TODAY 4. EXPLORAR TODO O POTENCIAL

Leia mais

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 25.6.2009 SEC(2009) 815 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO que acompanha a COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Demonstração

Leia mais

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica 27 de Janeiro, 2010 13ª edição Anual do CEO Survey da PricewaterhouseCoopers em Davos Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica Cerca de 40% dos CEOs prevê aumentar o número de colaboradores

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

Operador global centrado na sustentabilidade

Operador global centrado na sustentabilidade Operador global centrado na sustentabilidade Francisco Nunes, Administrador PT Portugal Lisboa, 8 maio 2012 CONFIDENCIAL A utilização deste documento, para quaisquer fins, sem autorização expressa da Portugal

Leia mais

Angola Boletim Económico - Junho 2009

Angola Boletim Económico - Junho 2009 Angola Boletim Económico - Junho 2009 Angola retira pé do acelerador na economia Tem sido notícia nas últimas semanas em Portugal uma mudança de clima em relação à economia angolana: de um ambiente de

Leia mais

COMUNICADO ASSUNTO: MEDIDAS DE AFROUXAMENTO MONETÁRIO

COMUNICADO ASSUNTO: MEDIDAS DE AFROUXAMENTO MONETÁRIO COMUNICADO ASSUNTO: MEDIDAS DE AFROUXAMENTO MONETÁRIO 1. A economia cabo-verdiana é fortemente influenciada pela dinâmica da economia internacional, mormente da Zona Euro. 2. Neste contexto, a persistente

Leia mais

Prospecto Informativo Invest Sectores Essenciais Junho 2015

Prospecto Informativo Invest Sectores Essenciais Junho 2015 Prospecto Informativo Invest Sectores Essenciais Junho 2015 Junho de 2015 Designação: Invest Sectores Essenciais Junho 2015 Classificação: Caracterização do Depósito: Produto financeiro complexo Depósito

Leia mais

1. ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS

1. ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS 1. ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS 1.1. CONTEXTO MACROECONÓMICO INTERNACIONAL O enquadramento internacional em 13 foi marcado por uma recuperação gradual da atividade, com um crescimento mais expressivo

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

II.1.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS

II.1.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS Angola Capítulo II II.1.1. Síntese 25 revelou-se como um ano de referência no comportamento da economia angolana: o produto interno bruto registou um crescimento real superior a 2% (um dos mais elevados

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS ANUAIS 2014. 19 de Março de 2015

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS ANUAIS 2014. 19 de Março de 2015 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS ANUAIS 19 de Março de 2015 1 Destaques No ano de, o Resultado líquido atingiu 112,8M, menos 7,0% do que em igual período de (-8,5M ), tendo sido penalizado pela contribuição

Leia mais

Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010

Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010 Economia Angolana Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010 I. Nota Prévia Nesta edição do Boletim Económico do BAIE foi decidido inserir, para além da habitual informação e comentário sobre a evolução

Leia mais

SUSTENTABILIDADE COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO - Sector Eléctrico -

SUSTENTABILIDADE COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO - Sector Eléctrico - SUSTENTABILIDADE COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO - Sector Eléctrico - APE Energia e Ambiente metas e políticas Maio 2004 António Neves de Carvalho EDP Electricidade de Portugal, S.A. Gabinete de Ambiente

Leia mais

RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ASSUNTO PÁGINA EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA EM STP 1. ENQUADRAMENTO

Leia mais

Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico

Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico 2º Trimestre de 2015 Recuperação sustentada do crescimento 1. Conjuntura Sectorial Nota: Os índices que se seguem resultam da média aritmética das

Leia mais

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA EDP PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA O Grupo EDP Energias de Portugal centra as suas actividades na produção, distribuição e comercialização de energia eléctrica,

Leia mais

Resultados 1T11. 4 de Maio de 2011. www.edprenovaveis.com

Resultados 1T11. 4 de Maio de 2011. www.edprenovaveis.com Resultados 1T11 4 de Maio de 2011 www.edprenovaveis.com Agenda I Destaques do 1T11 II Performance Operacional e Financeira do 1T11 III Perspectivas e Conclusão Destaques do 1T11 Elevada performance operacional

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

Os riscos do DUETO, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem.

Os riscos do DUETO, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem. Advertências ao Investidor Os riscos do, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem. Risco de perda total ou parcial do capital investido

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS ENGENHARIA EM MOVIMENTO

CICLO DE CONFERÊNCIAS ENGENHARIA EM MOVIMENTO CICLO DE CONFERÊNCIAS ENGENHARIA EM MOVIMENTO Estratégia para o Crescimento Verde A ELETRICIDADE RENOVÁVEL EM PORTUGAL António Sá da Costa 22 de Janeiro de 2015 ÍNDICE 1. A ENERGIA EM PORTUGAL 2. CONTRIBUIÇÃO

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Janeiro de 2009 Resultados para Portugal I. Apreciação Geral De acordo com os resultados do inquérito realizado em Janeiro de 2009, os cinco grupos bancários

Leia mais

CAIXAGEST SELECÇÃO ORIENTE 2008

CAIXAGEST SELECÇÃO ORIENTE 2008 CAIXAGEST SELECÇÃO ORIENTE 2008 Fundo Especial de Investimento Fechado RELATÓRIO & CONTAS 1º Semestre 2008 ÍNDICE AMBIENTE MACRO ECONÓMICO E MERCADOS FINANCEIROS 2 A EVOLUÇÃO DO MERCADO DE FIM EM PORTUGAL

Leia mais

edp edp Resultados do 1S2007 26 de Julho de 2007 sinta a nossa energia

edp edp Resultados do 1S2007 26 de Julho de 2007 sinta a nossa energia sinta a nossa energia Resultados do 1S2007 26 de Julho de 2007 0 1S07: Principais Acontecimentos Crescimento de EBITDA: +27% com base em crescimento orgânico Turnaround das actividades em mercado: enfoque

Leia mais

Portugal Forte crescimento no início do ano

Portugal Forte crescimento no início do ano 8 Abr ANÁLISE ECONÓMICA Portugal Forte crescimento no início do ano Miguel Jiménez / Agustín García / Diego Torres / Massimo Trento Nos primeiros meses do ano, a retoma do consumo privado teria impulsionado

Leia mais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais IMF Survey PERSPECTIVAS ECONÓMICAS REGIONAIS África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais Por Jesus Gonzalez-Garcia e Juan Treviño Departamento da África, FMI 24 de Abril de 2014

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 As projeções para a economia portuguesa em 2015-2017 apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte de projeção. Após um crescimento

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas)

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas) COMUNICADO 9M 2015 (Contas não auditadas) 30 novembro 2015 1 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial e as

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO MAPFRE GARANTIA 011 FI

PROSPECTO SIMPLIFICADO MAPFRE GARANTIA 011 FI PROSPECTO SIMPLIFICADO MAPFRE GARANTIA 011 FI Contrato de Seguro Ligado a Fundos de Investimento Produto Financeiro Complexo - Instrumento de Captação de Aforro Estruturado Período de Comercialização 26-10-2010

Leia mais

Panorama Econômico Abril de 2014

Panorama Econômico Abril de 2014 1 Panorama Econômico Abril de 2014 Alerta Esta publicação faz referência a análises/avaliações de profissionais da equipe de economistas do Banco do Brasil, não refletindo necessariamente o posicionamento

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

CONFERÊNCIA. Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA. Lisboa, 7 de Julho de 2010

CONFERÊNCIA. Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA. Lisboa, 7 de Julho de 2010 CONFERÊNCIA Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA Lisboa, 7 de Julho de 2010 Luís Sousa Santos lsantos@besinv.pt Financiamento de Centrais de Biomassa

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 30 de Junho de 2005 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

A Comissão de Auditoria e Controlo tem entre outras as seguintes competências:

A Comissão de Auditoria e Controlo tem entre outras as seguintes competências: RELATÓRIO DAS ACTIVIDADES DA COMISSÃO DE AUDITORIA E CONTROLO DESENVOLVIDAS NO EXERCÍCIO DE 2011 I Introdução O âmbito de actuação da Comissão de Auditoria e Controlo da EDP Renováveis, SA, como Comissão

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Prospecto Informativo - ATLANTICO Cabaz Energia Série II

Prospecto Informativo - ATLANTICO Cabaz Energia Série II Designação Classificação Caracterização do Produto ATLANTICO Cabaz Energia Série II Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Depósito não mobilizável antecipadamente, pelo prazo de 1 ano (360 dias),

Leia mais

Eficiência e Inovação no sector da energia. Jorge Cruz Morais

Eficiência e Inovação no sector da energia. Jorge Cruz Morais Eficiência e Inovação no sector da energia Jorge Cruz Morais Paradigma do século XX Energia abundante Energia barata factores da alteração Preço dos combustíveis fósseis Aumento da Procura Emissões de

Leia mais

E S T U D O L O C A L O p o r t u n i d a d e s p a r a a s T I C n o N o v o C o n t e x t o E c o n ó m i c o e S o c i a l e m P o r t u g a l

E S T U D O L O C A L O p o r t u n i d a d e s p a r a a s T I C n o N o v o C o n t e x t o E c o n ó m i c o e S o c i a l e m P o r t u g a l E S T U D O L O C A L O p o r t u n i d a d e s p a r a a s T I C n o N o v o C o n t e x t o E c o n ó m i c o e S o c i a l e m P o r t u g a l Novembro de 2011 S U M Á R I O E X E C U T I V O IDC Portugal:

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL

ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4. O PAPEL DE PORTUGAL NAS ENERGIAS RENOVÁVEIS 2 1. QUEM SOMOS 3 A APREN A APREN - Associação

Leia mais

RC2013 : EDP NEVERENDING ENERGY GOVERNO DA SOCIEDADE

RC2013 : EDP NEVERENDING ENERGY GOVERNO DA SOCIEDADE 91 GOVERNO DA SOCIEDADE 2013 92 03 Governo da Sociedade PARTE I INFORMAÇÃO SOBRE ESTRUTURA ACCIONISTA, ORGANIZAÇÃO E GOVERNO DA SOCIEDADE A. ESTRUTURA ACCIONISTA I. Estrutura de capital 95 II. Participações

Leia mais

C O N T A B I L I D A D E

C O N T A B I L I D A D E Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos ISCSP (UTL), Lisboa C O N T A B I L I D A D E Pedro V Matos ISEG-UTL 1 Análise Financeira e Contabilidade 2 1 Função Financeira O que é a Função Financeira? Consiste

Leia mais

COMUNICADO. Bank Millennium na Polónia apresenta Resultados de 2005

COMUNICADO. Bank Millennium na Polónia apresenta Resultados de 2005 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D. João I, 28, Porto Mat. CRC do Porto: 40.043 NIPC: 501.525.882 Capital Social Registado: 3.588.331.338 Euros COMUNICADO Bank Millennium na

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016

MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016 PROJECTO CONJUNTO DE INTERNACIONALIZAÇÃO MÉXICO 2015-2016 MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016 INSCRIÇÕES ATÉ 15 DE JANEIRO 2016 Promotor: Co-financiamento: Monitorização: Foto: Miguel Moreira

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 13.2.2007 SEC(2007) 190 final Recomendação de PARECER DO CONSELHO em conformidade com o n.º 3 do artigo 9º do Regulamento (CE) n.º 1466/97 do Conselho, de 7

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014

Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014 Maia - Portugal, 5 de Março de 2015 Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014 Resultado Direto atinge 52,7 milhões EBIT de 106,1 milhões Resultado Indireto atinge 43,6 milhões Dois

Leia mais

8, 9 e 10 NOVEMBRO 2011 LISBOA. Novos Mercados Encontro de Sectores INSCREVA-SE JÁ. Especial: MERCADOS INTERNACIONAIS. www.expoenergia2011.about.

8, 9 e 10 NOVEMBRO 2011 LISBOA. Novos Mercados Encontro de Sectores INSCREVA-SE JÁ. Especial: MERCADOS INTERNACIONAIS. www.expoenergia2011.about. 8, 9 e 10 NOVEMBRO 2011 LISBOA Centro de Congressos Univ. Católica Novos Mercados Encontro de Sectores Especial: MERCADOS INTERNACIONAIS ORGANIZAÇÃO PARCEIRO PATROCÍNIO INSCREVA-SE JÁ www.expoenergia2011.about.pt

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

Previsões macroeconómicas subjacentes ao Programa de Estabilidade 2016-2020. Parecer do Conselho das Finanças Públicas

Previsões macroeconómicas subjacentes ao Programa de Estabilidade 2016-2020. Parecer do Conselho das Finanças Públicas Previsões macroeconómicas subjacentes ao Programa de Estabilidade 2016-2020 Parecer do Conselho das Finanças Públicas 20 de abril de 2016 O Conselho das Finanças Públicas é um órgão independente, criado

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE CRIAÇÃO DE EMPREGO NUM NOVO CONTEXTO ECONÓMICO 27-28 demarço de 2014, Maputo, Moçambique A conferência de dois dias dedicada ao tema Diálogo Nacional Sobre

Leia mais

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS A economia mundial, em 2011, ficou marcada pela crise da dívida soberana de países da zona euro, pela desalavancagem do setor bancário devido a maiores exigências

Leia mais

Portugal Telecom. Zeinal Bava CFO do Grupo Portugal Telecom. Governo das Sociedades e a Transparência das Empresas Cotadas

Portugal Telecom. Zeinal Bava CFO do Grupo Portugal Telecom. Governo das Sociedades e a Transparência das Empresas Cotadas Portugal Telecom Governo das Sociedades e a Transparência das Empresas Cotadas Zeinal Bava CFO do Grupo Portugal Telecom Lisboa, 12 de Dezembro de 2002 Estrutura do Grupo PT Comunicações PT Móveis PT Prime

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais