Guião para avaliação da Empresa/Empresário/Projecto

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Guião para avaliação da Empresa/Empresário/Projecto"

Transcrição

1 Guião para avaliação da Empresa/Empresário/Projecto INVESTIMENTOS A BORDO E SELECTIVIDADE I - CARACTERIZAÇÃO DA ACTIVIDADE DA EMPRESA/EMPRESÁRIO a) 1.1. Breve resumo da actividade da Empresa/Empresário: - Evolução histórica; -Descrição das actividades principais, licenças e experiência, tendo em vista a apreciação da sua capacidade profissional para o exercício da actividade da pesca; - Mercados; - Evolução económico-financeira Descrição dos recursos existentes: - Instalações; - Embarcações que pertencem ao promotor; - Recursos humanos e seus níveis de qualificação; - Outros que, eventualmente, tenham interesse. II - CARACTERIZAÇÃO TÉCNICA DO PROJECTO a) 2.1. Justificação da necessidade de execução do projecto; 2.2. Descrição técnica do projecto; 2.3. Um breve relatório descritivo contendo, nomeadamente a apreciação do beneficiário sobre a situação geral da frota do porto a que se refere o projecto; 2.4. Descrição de actividade de pesca (capturas, zonas, etc.) da embarcação a modernizar Vantagens esperadas pela realização do investimento previsto pelo projecto, nomeadamente em relação: - À economia local; - Aos recursos da pesca; - À rendibilidade da empresa/empresário; - Às necessidades do mercado; - Às condições de trabalho e de segurança. III AVALIAÇÃO ECONÓMICO- FINANCEIRA DA EMPRESA - DADOS HISTÓRICOS - ÚLTIMOS 3 ANOS b) 3. Determinar e comentar os seguintes indicadores: 3.1. Indicadores da situação Financeira da Empresa - Autonomia financeira = Capital Próprio/Activo Total x 100; - Cobertura do Imobilizado = Capitais Permanentes/Imobilizado Líquido; - Liquidez Geral = Capital Circulante/Exigível de Curto Prazo Fundo de Maneio - FM = Capital Circulante Exigível de Curto Prazo; - FM = Capitais Permanentes Imobilizado Líquido Indicadores da situação Económica - Rendibilidade Operacional das Vendas = Resultados Operacionais/Vendas x 100; - Rendibilidade Líquida das Vendas = Resultados Líquidos/Vendas x Indicadores da situação Económico Financeira - Rendibilidade dos Capitais Próprios = Resultados Líquidos/Capitais Próprios x Indicadores de Funcionamento/Actividade - Rotação do Activo = Vendas / Activo; - Prazo Médio de Recebimentos = Clientes/Vendas x 365 dias; - Prazo Médio de Pagamentos = Fornecedores/Compras x 365 dias.

2 IV ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÓMICO FINANCEIRA PREVISIONAL DO PROJECTO c) 4.1. Demonstração dos Resultados Previsionais a 5 anos: Demonstração do Efeito do Projecto Documentos Básicos: Plano Global do Investimento; Orçamento Previsional das Vendas; Determinação dos Principais Custos da Conta de Exploração da Embarcação; Amortizações Fiscais do Investimento; Despesas com o Pessoal ( no caso de criação de postos de trabalho); Investimento em Fundo de Maneio Necessário de Exploração; Mapa da Variação dos Fundos Circulantes; Mapa de Origem e Aplicação de Fundos; Orçamento de Tesouraria; Encargos Financeiros de Financiamento Cash-flow Liquido do Projecto. V AVALIAÇÃO DO PROJECTO* d) 5.1. Para avaliação dos projectos foram seleccionados os critérios seguintes: - VAL; - TIR; * A taxa de actualização será igual à Taxa de Refinanciamento do Banco Central Europeu (REFI) nos termos do anexo III da Portaria n.º 186/2008, de 24 de Outubro, republicada pela portaria n.º 114/2009 de 4 de setembro VI BALANÇO PREVISIONAL GERAL DA EMPRESA C/PROJECTO ( A 5 ANOS) e) 6.1. Indicadores seleccionados: - Indicadores da situação financeira da empresa referidos nos pontos 3.1. VII DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS PREVISIONAL DA EMPRESA C/ PROJECTO (5 ANOS) e) 7.1. Indicadores seleccionados: - Indicadores da situação económica e económico-financeira da empresa referidos nos pontos 3.3. e 3.4. VIII CONCLUSÃO 8.1. Em relação à Empresa/Empresário; 8.2. Em relação ao Projecto.

3 NOTAS ESPECÍFICAS: a) e b) Aplica-se a todos os projectos de investimento de montante superior a euros. c) Quanto ao Estudo de Viabilidade Económico-Financeira Previsional do Projecto haverá que considerar os seguintes casos: c.1) Projectos de investimento de montante até euros, não é necessária a apresentação de quaisquer documentos referidos neste capítulo; c.2) Projectos de investimento cujo montante é superior a euros e inferior a euros. Aplica-se a todas as Empresas/Empresários com ou sem contabilidade organizada. É obrigatório o preenchimento dos mapas referidos nos pontos: 4.1. a e a c.3) Projectos de investimento cujo montante é superior a euros. Aplica-se a todas as Empresas/Empresários com ou sem contabilidade organizada e é obrigatório a apresentação dos documentos referidos nos pontos 4.1. a d) Aplica-se a todos os projectos de investimento de montante superior a euros. e) Aplica-se a todos os projectos de investimento de montante superior a euros. NOTAS GERAIS Os modelos da Demonstração de Resultados e dos Balanços estão de acordo com o Plano Oficial de Contabilidade. - Os mapas referidos no ponto IV deverão ser apresentados de acordo com as regras contabilísticas em vigor (juntam-se, em anexo, os modelos indicativos). - O mapa de amortizações encontra-se em anexo e deverá respeitar as taxas de amortização e vida útil referidas na tabela I anexa ao Decreto Regulamentar nº 2/90. Os pressupostos que serviram de base aos cálculos apresentados devem ser justificados através de folhas anexas. Os cálculos serão efectuados a preços constantes.

4 4.1. DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS POR NATUREZAS RENDIMENTOS E GASTOS NOTAS UNIDADE MONETÁRIA (1) Exercícios - 10 anos N N+9 Vendas e serviços prestados + + Subsídios à exploração + + Ganhos / perdas imputados de subsidiárias, associadas e empreendimentos conjuntos + / - + / - Variação nos inventários da produção + / - + / - Trabalhos para a própria entidade + + Custo das mercadorias vendidas e das matérias consumidas - - Fornecimento e serviços externos - - Gastos com o pessoal - - Imparidade de inventários (perdas/reversões) - / + - / + Imparidades de dívida a receber (perdas/reversões) - / + - / + Provisões (aumentos/reduções) - / + - / + Imparidades de investimentos não depreciáveis / amortizações (perdas/reversões) - / + - / + Aumentos / reduções de justo valor + / - + / - Outros rendimentos e ganhos + + Outros gastos e perdas - - Resultado antes de depreciações, gastos de financiamento e impostos = = Gastos / reversões de depreciação e de amortização - / + - / + Imparidade de investimentos depreciáveis / amortizações (perdas/reversões) - / + - / + Resultado operacional (antes de gastos de financiamento e impostos) = = Juros e rendimentos similares obtidos + + Juros e gastos similares suportados - - Resultado antes de impostos = = Imposto sobre o rendimento do período - / + - / + Resultado líquido do período = = Resultado das actividades descontinuadas (líquido de impostos) incluido no resultado líquido do período Resultado líquido do período atribuível a: (2) Detentores do capital da empresa-mãe Interesses minoritários Resultado por ação básico = = (1) - O euro, admitindo-se, em função da dimensão e exigências de relato, a possibilidade de expressão das quantias em milhares de euros (2) - Esta informação apenas será fornecida no caso de contas consolidadas

5 DEMONSTRAÇÃO DO EFEITO DO PROJECTO EUROS MÉDIA DOS ÚLTIMOS DOIS ANOS DE ACTIVIDADE DA EMBARCAÇÃO (A) 3º ANO DE ACTIVIDADE PREVISIONAL (ANO CRUZEIRO) (B) EFEITO DO PROJECTO (B-A) Vendas. Quantidades Kg. Valor Custos. FSE *. Pessoal. Amortizações **. Outros * De acordo com o ponto ** Em relação às amortizações só deverão ser consideradas as referentes ao projecto. NOTA: - O efeito do projecto é dado pela diferença entre (B) e (A). É esta variação que será levada à Demonstração de Resultados Previsionais.

6 PLANO GLOBAL DO INVESTIMENTO ANOS / MONTANTE RUBRICAS DE INVESTIMENTO IMOBILIZAÇÕES CORPÓREAS Euros Terrenos e Recursos Naturais Edifícios e Outras Construções - Instalações - Obras de Adaptação Equipamento Básico Equipamentos de Transporte Ferramentas e Utensílios Equipamento Administrativo - Mobiliário e equipamento social obrigatório - Equipamento administrativo e social não obrigatório Taras e Vasilhame Outras Imobilizações Corpóreas TOTAL (1) IMOBILIZAÇÕES INCORPÓREAS / CUSTOS DIFERIDOS TOTAL (2) TOTAL INVESTIMENTO (1+2) Investimento Fundo de Maneio Nec. Exploração Juros durante a realização do investimento TOTAL GLOBAL

7 ORÇAMENTO PREVISIONAL DAS VENDAS Euros Designação das Espécies Mercado de Destino 1º ano 2º ano 3º ano 4º ano 5º ano... Nacional QT. Valor QT. Valor QT. Valor QT. Valor QT. Valor QT. Valor Total (1) Comunitário Total (2) Extra Comunitário Total (3) TOTAL GERAL

8 DETERMINAÇÃO DOS PRINCIPAIS CUSTOS DA CONTA DE EXPLORAÇÃO DA EMBARCAÇÃO 1 VENDAS PREVÊ-SE QUE A EMBARCAÇÃO REALIZE ANUALMENTE VIAGENS DE DIAS, DISTRIBUIDOS DA SEGUINTE FORMA: DESLOCAÇÕES AO PESQUEIRO: HORAS TEMPO DE PESCA: HORAS DESLOCAÇÃO AO PORTO: HORAS TEMPO NO PORTO: HORAS ESPÉCIES QUANTIDADE P/ VIAGEM (Kg) CAPTURA ANUAL (Kg) PREÇO P/KG (EUROS) VOLUME DE VENDAS ANUAL (EUROS) TOTAL 2 DESPESAS COMUNS 2.1 CARBURANTES E LUBRIFICANTES POTÊNCIA DO MOTOR PRINCIPAL: POTÊNCIA DO MOTOR AUXILIAR: CONSUMO DE COMBUSTÍVEIS POR VIAGEM: A) MOTOR PRINCIPAL - VIAGEM HP X (LITROS/HP X HORA) X (HORAS) X (DIAS) X %(*)= - PESCA HP X (LITROS/HP X HORA) X (HORAS) X (DIAS) X %(*)= - MOTOR AUXILIAR HP X (LITROS/HP X HORA) X (HORAS) X (DIAS) X %(*)= O PREÇO DO COMBUSTÍVEL É DE: VIAGEM ANUAL CONSUMO QUANT. (L) VALOR (EUROS) QUANT. (L) VALOR (EUROS) COMBUSTÍVEIS LUBRIFICANTES (**) (*) Capacidade utilizada do motor (**) O custo dos lubrificantes representam % do custo dos combustíveis

9 2.2 GELO, ISCO E VÍVERES VIAGEM ANUAL CONSUMO QUANT. (KG) VALOR (EUROS) QUANT. (KG) VALOR (EUROS) GELO ISCO TOTAL GELO: /KG ISCO: /KG VÍVERES: (PESSOAS) X (VIAGENS) X (DIAS) X (PREÇO) = 2.3 OUTROS T TAXA DE VENDAGEM CORRESPONDENTE A % ENCARGOS SOCIAIS: (***) ( *** ) Nesta rubrica deverão ser considerados os montantes que o armador desconta para a segurança social, que representa % do volume de vendas e % para a Mútua dos Armadores (o seguro de tripulação), o que totaliza % sobre as vendas. 3 SISTEMA DE REMUNERAÇÃO O SISTEMA DE REMUNERAÇÃO QUANDO É POR PARTES, DEVERÁ SER CALCULADO APÓS A RETIRADA DAS DESPESAS COMUNS. - PARTE DA TRIPULAÇÃO ( %): - PARTE DO ARMADOR ( %): 4 SEGUROS E MANUTENÇÃO O SEGURO DA EMBARCAÇÃO REPRESENTA UM ENCARGO ANUAL: VISTORIAS E REPARAÇÃO ANUAL: SUBSTITUIÇÃO DE ARTES:

10 AMORTIZAÇÕES FISCAIS DO INVESTIMENTO RUBRICAS DE INVESTIMENTO Código de acordo com as Tabelas Anexas I e II ao Dec. Regulamentar Nº 2/90 TAXAS Nº Anos Vida Útil Esperada Montante... Valor Residual a) IMOBILIZAÇôES INCORPÓREAS (gastos gerais e Imprevistos do projecto) IMOBILIZAÇÕES CORPÓREAS Terrenos e Recursos Naturais.. Edifícios e Outras Construções - Edifícios Fabris - Edifícios comerciais - Edifícios administrativos - Edifícios sociais - Instalações fixas (de água, energia eléctrica, telefónicas, etc.) - Muros,silos,arruamentos, vias-férreas internas,cais e docas, etc. Equipamento Básico (máquinas,instalações e outros bens com os quais se realiza a actividade da empresa) Equipamentos Transporte - Camiões pesados - Empilhadores - Guindastes - Rebocadores etc. Ferramentas e Utensílios (Ferramentas e utensílios da empresa que tenham duração superior a 1 ano) Equipamento Administrativo (Inclui o equipamento social e o mobiliário diverso) tais como: - Mobiliário de escritório - Computadores, focopiadoras e calculadoras - Mobiliário da fábrica - Mobiliário do sector administrativo - Mobiliário do estabelecimento comercial - Equipamento do refeitório/creche etc. Taras e Vasilhame Outras Imobilizações Corpóreas

11 DESPESAS COM O PESSOAL ANOS/MONTANTES Euros Designação Remunerações Segurança Social Seguros Obrigatórios (acidentes de trabalho) Subsídios de Refeição Outros Encargos Facultativos TOTAL NOTA: Este mapa só é obrigatório quando se criam novos postos de trabalho. Indicar o nº de empregados, categorias e vencimento mensal.

12 INVESTIMENTO EM FUNDO DE MANEIO NECESSÁRIO DE EXPLORAÇÃO ANOS / MONTANTES Euros Rubricas Reserva de segurança de tesouraria + Existências + Crédito a clientes + Crédito ao Estado - Crédito de fornecedores - Crédito ao Estado (impostos e s. social) Outros TOTAL PRESSUPOSTOS A TER EM CONSIDERAÇÃO: Taxa de Juro * Prazo Médio de Recebimentos Prazo Médio de Pagamento FSE Prazo Médio de Pagamento MP e SUBS. Stock Médio de M. Primas e Subsidiárias Stock Médio de Prod. Acabados e em Curso Prazo Médio de Pagamento ao Estado: em meses em meses em meses em meses em meses em meses - IVA em meses - IRC em meses - IRS em meses - Segurança Social em meses Reserva de Segurança de Tesouraria * Outros em meses em meses ( * ) Indicar também estes pressupostos

13 MAPA DE VARIAÇÃO DOS FUNDOS CIRCULANTES ANOS/MONTANTES Euros Rubricas do activo circulante e do passivo curto prazo ORIGENS. Diminuição de existências - Matérias primas, subs. e de consumo - Produtos acabados e em curso de fabrico. Diminuição de dívidas de terceiro a curto prazo - Clientes - Estado e outros entes públicos - Outras dívidas de terceiros. Aumentos de dívidas a terceiros a curto prazo - Bancos e outras inst. financeiras - Fornecedores - Estado e outros entes públicos - Outras dívidas a terceiros. Diminuição de disponibilidades - Caixa e depósitos bancários. Acréscimos e diferimentos - Acréscimos de custos - Proveitos diferidos Aumento de fundos circulantes (aplicações > origens) TOTAL APLICAÇÕES. Aumentos de existências - Matérias primas, subs. e de consumo - Produtos acabados e em curso de fabrico. Aumentos de dívidas de terceiros a curto prazo - Clientes - Estado e outros entes públicos - Outras dívidas de terceiros. Diminuição das dívidas a terceiros a curto prazo - Bancos e outras inst. financeiras - Fornecedores - Estado e outros entes públicos - Outras dívidas a terceiros. Aumento de disponibilidades - Caixa e depósitos bancários. Acréscimos e diferimentos - Acréscimos de custos - Custos diferidos Redução de fundos circulantes (origens > aplicações) TOTAL

14 MAPA DE ORIGEM E APLICAÇÃO DE FUNDOS ANOS/MONTANTES Euros Rubricas ORIGENS. Internas - Resultados líquidos do exercício - Amortizações - Variação de provisões. Externas - Aumentos dos capitais próprios: - Aumento de capital e de prestações suplementares - Aumento de reservas. Movimentos financeiros de médio e longo prazo - Diminuição das dívidas de terceiros médio/longo prazo - Aumento de dívidas a terceiros a médio/longo prazo - Aumento de dívidas a instituições de crédito - Aumento das dívidas a sócios - Aumento de outras dívidas a terceiros. Diminuição de imobilizações (valor contabilístico líquido): - Diminuições de imobilizações incorpóreas - Diminuições de imobilizações corpóreas - Diminuições de imobilizações financeiras. Diminuição de fundos circulantes (1) TOTAL DAS ORIGENS APLICAÇÕES. Distribuições: - Por aplicação de resultados - Por aplicação de reservas. Diminuições dos capitais próprios: - Diminuições de capital e prestações suplementares. Movimentos financeiros de médio e longo prazo - Aumento das dívidas de terceiros a médio/longo prazo - Diminuição de dívidas a terceiros a médio/longo prazo - Diminuição de dívidas a instituições de crédito - Diminuição das dívidas a sócios - Diminuição de outras dívidas a terceiros. Aumentos de Imobilizações - Aquisição de Imobilizações incorpóreas - Aquisição de Imobilizações corpóreas - Aquisição de Imobilizações financeiras. Aumentos de fundos circulantes (1) TOTAL DAS APLICAÇÕES (1) Estes valores vão-se buscar ao mapa da variação dos fundos circulantes.

15 ORÇAMENTO DE TESOURARIA RUBRICAS ANOS/MONTANTES Euros A - ACTIVIDADES OPERACIONAIS 1 - RECEBIMENTOS DE EXPLORAÇÃO 2 - PAGAMENTOS DE EXPLORAÇÃO 3 - FLUXOS TESOURARIA DAS ACTIVIDADES OPERACIONAIS (1-2) B - ACTIVIDADES DE INVESTIMENTO 4 - RECEBIMENTOS PROVENIENTES DE: - Investimentos financeiros - Imobilizações - Subsídios:. A fundo perdido. Reembolsáveis - Outros 5 - PAGAMENTOS RESPEITANTES A: - Investimentos financeiros - Imobilizações - Outros 6 - FLUXOS DE TESOURARIA DAS ACTIVIDADES DE INVESTIMENTO (4-5) C - ACTIVIDADES DE FINANCIAMENTO 7 - RECEBIMENTOS PROVENIENTES DE: - Empréstimos obtidos - Aumentos de capital, prest.suplem.,prémios de emissão - Vendas de acções (quotas) próprias - Juros e proveitos similares 8 - PAGAMENTOS RESPEITANTES A: - Empréstimos obtidos - Amortizações de contratos de locação financeira - Encargos financeiros - Outros 9 - FLUXOS DE TESOURARIA DAS ACTIVIDADES DE FINANCIAMENTO (7-8) 10 - VARIAÇÃO DE TESOURARIA (3+6+9) 11 - DISPONIBILIDADES NO INÍCIO DO PERÍODO 12 - DISPONIBILIDADES NO FINAL DO PERÍODO (10+11)

16 ENCARGOS FINANCEIROS DE FINANCIAMENTO/SUBSÍDIO REEMBOLSÁVEL EMPRÉSTIMO BANCÁRIO Rubricas Capital em dívida Amortização Enc. Financeiros Enc. Financeiros anuais Serviço da dívida Euros 1º Ano 2º ano 3º Ano 4º Ano 5º Ano... 1º Semes. 2º Semes. 1º Semes. 2º Semes. 1º Semes. 2º Semes. 1º Semes. 2º Semes. 1º Semes. 2º Semes. 1º Semes. 2º Semes. Montante Rubricas Período de utilização Período de carência Período de reembolso Pagamentos Taxa de Juro PRESSUPOSTOS Empréstimo Bancário

17 CASH-FLOW LÍQUIDO DO PROJECTO Rubricas ANOS/MONTANTES Euros ) Cash-flow de investimento: - Ativo não corrente - Necessidades de fundo de maneio 2) Cash-flow de exploração: - EBITDA - IMP. S/ LUCROS - Valor residual:. do ativo fixo tangível. do fundo maneio 3) Cash-flow líquido 4) Taxa de actualização: 5) Cash-flow actualizado à taxa de: 6) VAL: 7) TIR: 1) Cash-flow de investimento é composto por: a) Investimento em Imobilizado Corpóreo; b) Investimento em Imobilizado Incorpóreo; c) Investimento em Fundo Maneio Necessário de Exploração. Nota: Para efeitos de determinação do VAL (valor actual líquido) só se pode considerar os investimentos técnicos, ou seja, os referidos nas alíneas anteriores a), b) e c). Os juros intercalares só serão considerados investimentos, no plano global do investimento e na óptica empresarial. 2) O Cash-Flow de Exploração anual do projecto, comporta os Resultados da Demonstração de Resultados Previsionais antes dos Juros, Impostos e Amortizações do Investimento (RAJIAR) menos Impostos sobre Lucros. O Valor Residual do Investimento será igual ao valor contabilístico (valor de aquisição do bem) - valor acumulado das amortizações. 4) Taxa de Refinanciamento do Banco Central Europeu (REFI) em vigor no 1º dia útil do trimestre civil correspondente à apresentação ou reformulação da candidatura. 6) A partir do cash-flow líquido actualizado determina-se o Valor Actual Líquido (VAL) 7) A partir do cálculo do VAL determina-se a TIR Nota: Estes são os pressupostos da determinação do "Cash-Flow Líquido do Projecto" e deverão ser utilizados por todos os promotores que têm que apresentar este mapa para a determinação da TIR (Taxa Interna de Rendibilidade).

18 VI - BALANÇO PREVISIONAL GERAL DA EMPRESA C/PROJETO RUBRICAS NOTAS Exercícios - 5 anos - N N+4 UNIDADE MONETÁRIA (1) ATIVO Ativo não corrente Ativo fixos tangíveis Propriedades de investimento Goodwill Ativos intangíveis Ativos biológicos Participações financeiras - método da equivalência patrimonial Participações financeiras - ouros métodos Acionistas / sócios Outros ativos financeiros Ativos por impostos diferidos Ativo corrente Inventários Ativos biológicos Clientes Adiantamentos a fornecedores Estado e outros entes públicos Acionistas / sócios Outras contas a receber Diferimentos Ativos financeiros detidos para negociação Outros ativos financeiros Ativos não correntes detidos para venda Caixa e depósitos bancários Total do activo CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO Capital próprio Capital realizado Ações (quotas) próprias Outros instrumentos de capital próprio Prémios de emissão Reservas legais Outras reservas Resultados transitados Ajustamentos em ativos financeiros Excedentes de revalorização Outras variações no capital próprio Resultado líquido do período Interesses minoritários Total do capital próprio Passivo Passivo não corrente Provisões Financiamentos obtidos Responsabilidades por benefícios pós-emprego Passivos por impostos diferidos Outras contas a pagar Passivo corrente Fornecedores Adiantamentos de clientes Estado e outros entes públicos Financiamentos obtidos Outras contas a pagar Diferimentos Passivos financeiros detidos para negociação Outros passivos financeiros Passivos não correntes detidos para venda Total do passivo Total do capital próprio e do passivo (1) - O euro, admitindo-se, em função da dimensão e exigências de relato, a possibilidade de expressão das quantias em milhares de euros

19 VII - DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS PREVISIONAIS DA EMPRESA C/PROJECTO (A 5 ANOS) RENDIMENTOS E GASTOS NOTAS UNIDADE MONETÁRIA (1) Exercícios - 5 anos N N+4 Vendas e serviços prestados + + Subsídios à exploração + + Ganhos / perdas imputados de subsidiárias, associadas e empreendimentos conjuntos + / - + / - Variação nos inventários da produção + / - + / - Trabalhos para a própria entidade + + Custo das mercadorias vendidas e das matérias consumidas - - Fornecimento e serviços externos - - Gastos com o pessoal - - Imparidade de inventários (perdas/reversões) - / + - / + Imparidades de dívida a receber (perdas/reversões) - / + - / + Provisões (aumentos/reduções) - / + - / + Imparidades de investimentos não depreciáveis / amortizações (perdas/reversões) - / + - / + Aumentos / reduções de justo valor + / - + / - Outros rendimentos e ganhos + + Outros gastos e perdas - - Resultado antes de depreciações, gastos de financiamento e impostos = = Gastos / reversões de depreciação e de amortização - / + - / + Imparidade de investimentos depreciáveis / amortizações (perdas/reversões) - / + - / + Resultado operacional (antes de gastos de financiamento e impostos) = = Juros e rendimentos similares obtidos + + Juros e gastos similares suportados - - Resultado antes de impostos = = Imposto sobre o rendimento do período - / + - / + Resultado líquido do período = = Resultado das actividades descontinuadas (líquido de impostos) incluido no resultado líquido do período Resultado líquido do período atribuível a: (2) Detentores do capital da empresa-mãe Interesses minoritários Resultado por ação básico = = (1) - O euro, admitindo-se, em função da dimensão e exigências de relato, a possibilidade de expressão das quantias em milhares de euros (2) - Esta informação apenas será fornecida no caso de contas consolidadas

1.ª Frequência de Contabilidade Financeira Ano letivo

1.ª Frequência de Contabilidade Financeira Ano letivo 1.ª Frequência de Contabilidade Financeira Ano letivo 2015-2016 UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Gestão e Economia Data: 2015-10-29 Licenciatura em

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço BALANÇO DOS EXERCÍCIOS 2014 E 2013 ACTIVO Notas Activo Bruto Amortizações / Provisões Activo Líquido Activo Líquido IMOBILIZADO: Imobilizações incorpóreas: Despesas de instalação

Leia mais

erasa Relatório de Execução Orçamental

erasa Relatório de Execução Orçamental erasa Relatório de Execução Orçamental 2011 Índice 1. Sumário Executivo... 3 2. Análise da Execução Orçamental... 3 2.1 Execução da Receita por Rubricas... 4 2.2 Execução da Despesa por Rubricas... 6 3.

Leia mais

Regras de utilização. Principais regras de utilização:

Regras de utilização. Principais regras de utilização: Regras de utilização Para a melhor utilização do presente modelo o empreendedor deverá dominar conceitos básicos de análise económica e financeira ou, não sendo esse o caso, deve explorar as potencialidades

Leia mais

B A L A N Ç O. Segurajuda - Corretores de Seguros, Lda Data:

B A L A N Ç O. Segurajuda - Corretores de Seguros, Lda Data: B A L A N Ç O Activo Não Corrente RUBRICAS NOTAS 31-Dez-2011 31 Dez 2010 Activos fixos tangíveis... 26.116,39 36.524,44 Activos intangíveis... 17.500,00 17.500,00 Activo Corrente Estado e outros entes

Leia mais

Anexo III. Taxonomia M - SNC Microentidades. (a que se refere o artigo 4.º da presente portaria)

Anexo III. Taxonomia M - SNC Microentidades. (a que se refere o artigo 4.º da presente portaria) Anexo III Taxonomia M - SNC (a que se refere o artigo 4.º da presente portaria) 1 11 Caixa 2 12 Depósitos à ordem 3 13 Outros depósitos bancários 4 14 Outros 5 211 Clientes - Clientes c/c 6 212 Clientes

Leia mais

RELATÓRIO DE CONTAS DE 2010

RELATÓRIO DE CONTAS DE 2010 Resumo Antes de discriminar em pormenor as várias rubricas deste mapa, saliente-se a diferença positiva entre os valores activos e passivos, como se pode constatar dos valores abaixo discriminados: ACTIVO

Leia mais

Demonstração dos Resultados por Naturezas

Demonstração dos Resultados por Naturezas Demonstração dos Resultados por Naturezas Período findo em 31 de Dezembro de 2015 PERÍODOS RENDIMENTOS E GASTOS NOTAS 2015 2014 Variância Vendas e serviços prestados 951.735,35 940.108,95 1,24% Subsídios,

Leia mais

Relatório intercalar 1º semestre de 2016 Demonstrações financeiras individuais não auditadas a 30 de junho de 2016

Relatório intercalar 1º semestre de 2016 Demonstrações financeiras individuais não auditadas a 30 de junho de 2016 2 "Efficiency is doing the thing right. Effectiveness is doing the right thing." Peter Drucker Eficiência é fazer uma coisa bem. Eficácia é fazer a coisa certa. Peter Drucker 3 4 Entidade N.º de ações

Leia mais

GUIÃO PARA AVALIAÇÃO DA EMPRESA/EMPRESÁRIO/PROJECTO PORTOS DE PESCA, LOCAIS DE DESEMBARQUE E DE ABRIGO

GUIÃO PARA AVALIAÇÃO DA EMPRESA/EMPRESÁRIO/PROJECTO PORTOS DE PESCA, LOCAIS DE DESEMBARQUE E DE ABRIGO GUIÃO PARA AVALIAÇÃO DA EMPRESA/EMPRESÁRIO/PROJECTO PORTOS DE PESCA, LOCAIS DE DESEMBARQUE E DE ABRIGO I - CARACTERIZAÇÃO DA ACTIVIDADE DA EMPRESA/EMPRESÁRIO a) 1.1. Breve resumo da actividade da Empresa/Empresário

Leia mais

FUNDAÇÃO CASCAIS. Relatório de Contas. de Nº Contribuinte: Av. Clotilde, Lj 18- A Estoril

FUNDAÇÃO CASCAIS. Relatório de Contas. de Nº Contribuinte: Av. Clotilde, Lj 18- A Estoril FUNDAÇÃO CASCAIS Relatório de Contas de 2015 Nº Contribuinte: 503040843 Av. Clotilde, Lj 18- A 2765-266 Estoril FUNDAÇÃO CASCAIS Nº Contribuinte: 503040843 Av. Clotilde, Lj 18- A Estoril 2765-266 Estoril

Leia mais

INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL. ( Art. 42º da Lei Nº.50/2012 de 31 de Agosto )

INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL. ( Art. 42º da Lei Nº.50/2012 de 31 de Agosto ) INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL ( Art. 42º da Lei Nº.50/2012 de 31 de Agosto ) 2 0 14 ORÇAMENTO PREVISIONAL EXERCICIO DE 2014 Senhores Acionistas Excelentíssima Câmara Municipal de Olhão Nos termos

Leia mais

Comprovativo de Entrega da Declaração IES/DA Via Internet - Informação Vigente. Cód. Validação: GONDOMAR ERNESTO JESUINO MARTINS AUGUSTO

Comprovativo de Entrega da Declaração IES/DA Via Internet - Informação Vigente. Cód. Validação: GONDOMAR ERNESTO JESUINO MARTINS AUGUSTO IES Informação Empresarial Simplificada DECLARAÇÃO ANUAL Ano Identificação da Declaração Data de Receção Comprovativo de Entrega da Declaração IES/DA Via Internet - Informação Vigente 0 468-I0060-8 0-06-

Leia mais

Instrumentos de Gestão Previsional

Instrumentos de Gestão Previsional Instrumentos de Gestão Previsional ANO 2011 Relatório 1. Introdução Dando cumprimento ao artigo 40º da Lei 53 F/2006 de 29 de Dezembro, a Empresa Municipal, TEGEC Trancoso Eventos vem apresentar os Instrumentos

Leia mais

CURPI COMISSÃO UNITÁRIA DE REFORMADOS PENSIONISTAS E IDOSOS DE SÃO JOÃO DA TALHA

CURPI COMISSÃO UNITÁRIA DE REFORMADOS PENSIONISTAS E IDOSOS DE SÃO JOÃO DA TALHA CURPI COMISSÃO UNITÁRIA DE REFORMADOS PENSIONISTAS E IDOSOS DE SÃO JOÃO DA TALHA Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2015 Balanço CURPI SÃO JOÃO DA TALHA BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 RUBRICAS

Leia mais

Análise Financeira II. Exercícios de Aplicação

Análise Financeira II. Exercícios de Aplicação Análise Financeira II Exercícios de Aplicação EXERCÍCIO DE APLICAÇÃO Nº 1 A Empresa A apresenta a 31 de Dezembro de 2004 o seguinte Balanço Histórico: Activo Activo Bruto Amort/ Provis. Activo Líquido

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Programa de Incentivos 2017

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Programa de Incentivos 2017 FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Programa de Incentivos 2017 A preencher pelo serviço de atividades económicas, apoio ao empreendedorismo e turismo IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Data de Receção / Número do Processo

Leia mais

C N 2 - CÓDIGO DE CONTAS

C N 2 - CÓDIGO DE CONTAS o m i s s ã o 1 MEIOS FINANEIROS LÍQUIDOS * 11 aixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Instrumentos financeiros * 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente desfavoráveis

Leia mais

MESTRADO EM GESTÃO DE EMPRESAS 2007/2008

MESTRADO EM GESTÃO DE EMPRESAS 2007/2008 TRABALHO 1 Enunciado (PARTE 1) Só uma alínea do grupo está correcta, inteiramente correcta, ou mais correcta. Refira qual e apresente nota justificativa sumária no anexo para resolução. 1 Em Portugal,

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS Portaria 218/2015, de 23 de Julho (Em vigor desde 1 de janeiro de 2016)

CÓDIGO DE CONTAS Portaria 218/2015, de 23 de Julho (Em vigor desde 1 de janeiro de 2016) CÓDIGO DE CONTAS Portaria 218/2015, de 23 de Julho (Em vigor desde 1 de janeiro de 2016) Para: MICROENTIDADES Conta Descrição 11 CAIXA 111 Caixa 12 DEPÓSITOS Á ORDEM 1201 Banco A 13 OUTROS DEPÓSITOS BANCÁRIOS

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2008 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2008 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2008 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS (Portaria n.º 218/2015, de 23 de julho 1 )

CÓDIGO DE CONTAS (Portaria n.º 218/2015, de 23 de julho 1 ) CÓDIGO DE CONTAS (Portaria n.º 218/2015, de 23 de julho 1 ) 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS * 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros * 14 Outros 141

Leia mais

Contabilidade e Gestão Financeira

Contabilidade e Gestão Financeira Contabilidade e Gestão Financeira Contabilidade Demonstrações Financeiras MESG - Mestrado Engenharia de Serviços e Gestão FEUP 2010 Rui Padrão Funções Património Passivo Eq. Fund. Factos patr. Inventário

Leia mais

Imobilizaçoes corpóreas: Edificios e outras construções

Imobilizaçoes corpóreas: Edificios e outras construções DESIGNAÇÕES EXERCÍCIOS 1º SEM 01 1º SEM 00 AMORTIZAÇÕES ACT.BRUTO ACT.LÍQUIDO ACT.LÍQUIDO E PROVISÕES IMOBILIZADO ACTIVO Imobilizações incorporeas: Despesas de instalação 384 261 180 982 203 279 32 821

Leia mais

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS COMPROVATIVO DE ENTREGA DA CONTA DE GERÊNCIA Ano: 2016 Identificação da Declaração: Data da recepção: 19/06/2017 1. Identificação da Instituição Nome: UNIÃO DISTRITAL DE VISEU DAS INSTITUIÇÕES PARTICULARES

Leia mais

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS COMPROVATIVO DE ENTREGA DA CONTA DE GERÊNCIA Ano: 2014 Identificação da Declaração: Data da recepção: 29/06/2015 1. Identificação da Instituição Nome: CENTRO DE APOIO SOCIAL DO NADADOURO Morada: R DA AVÉ

Leia mais

Associação Social e Cultural Paradense - NIF:

Associação Social e Cultural Paradense - NIF: Conta Saldo 11. Caixa 12. Depósitos à Ordem 13. Outros Depósitos Bancários Total Da Classe 1 687,51 D 19.428,20 D 200.000,00 D 220.115,71 D 21. Clientes 22. Fornecedores 23. Pessoal 24. Estado e Outros

Leia mais

APARTAMENTOS TURISTICOS DE AMORIM & SANTOS LDA

APARTAMENTOS TURISTICOS DE AMORIM & SANTOS LDA CARATERIZAÇÃO DA EMPRESA Nome: Setor de Atividade Económica (CAE Rev.3): Classe de Dimensão: Localização da Sede (Distrito): Natureza Jurídica: Maturidade: 55118 - Apartamentos turísticos com restaurante

Leia mais

BALANÇO (em 31 de Dezembro de 2015)

BALANÇO (em 31 de Dezembro de 2015) RUBRICAS BALANÇO (em 31 de Dezembro de 2015) NOTAS Demonstrações Financeiras Montantes expressos em EURO PERÍODOS 2015 2014 ACTIVO Activo não corrente: Activos fixos tangíveis... 4 236.628,46 246.515,69

Leia mais

IDN - Incubadora de Empresas de Idanha-a-Nova

IDN - Incubadora de Empresas de Idanha-a-Nova IDN - Incubadora de Empresas de Idanha-a-Nova Formulário de Candidatura N.º de Processo Data de Entrada Denominação Social Pessoa a contactar Nome: Função: Telefone Fax Ass: IDENTIFICAÇÃO DO PROMOTOR/EMPRESA

Leia mais

PEÇAS FINAIS DE APRESENTAÇÃO DE CONTAS

PEÇAS FINAIS DE APRESENTAÇÃO DE CONTAS ENTREGUE PEÇAS FINAIS DE APRESENTAÇÃO DE CONTAS NÚCLEO DE ORÇAMENTO DAS ANO DE 2015 E CONTAS DE IPSS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DENOMINAÇÃO: CENTRO DE BEM ESTAR SOCIAL DE SEIXAS

Leia mais

Demonstrações Financeiras Individuais Exercício 2015

Demonstrações Financeiras Individuais Exercício 2015 Exercício 2015 Monteiro & Guimarães, Lda Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 4 Demonstração dos Resultados Individuais em 5 Anexo 1. Nota introdutória...

Leia mais

Relatório de Execução Orçamental

Relatório de Execução Orçamental Erasa Relatório de Execução Orçamental 1º Semestre 2012 Índice 1. Sumário Executivo... 3 2. Execução da Receita por Rubricas... 4 3. Execução da Despesa por Rubricas... 5 4. Anexos... 7 4.1 Balanço 30

Leia mais

08 BALANÇO & CONTAS. em 31 Dezembro 2008

08 BALANÇO & CONTAS. em 31 Dezembro 2008 08 BALANÇO & CONTAS em 31 Dezembro 2008 BALANÇO CÓDIGO DAS CONTAS ACTIVO Activo Bruto 2008 Amortizações e Ajustamentos Activo Líquido 2007 Activo Líquido IMOBILIZADO Imobilizações incorpóreas: 431 Despesas

Leia mais

Aditamento às contas individuais. Informação aos accionistas

Aditamento às contas individuais. Informação aos accionistas BA Fábrica de Vidros BARBOSA & ALMEIDA, SA Sociedade com o Capital Aberto ao Investimento do Público Sede: Av. Vasco da Gama, 8001 - Aldeia Nova - Avintes - Vila Nova de Gaia Matriculada na Conservatória

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS (Decreto-Lei nº74/98, de 27 de Março) EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS (Decreto-Lei nº74/98, de 27 de Março) EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS (Decreto-Lei nº74/98, de 27 de Março) EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 ENTIDADE: ART - Associação Regional de Turismo dos Açores SEDE: Angra do Heroísmo N.º DE

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO 1º SEMESTRE DE 2014

RELATÓRIO DE DESEMPENHO 1º SEMESTRE DE 2014 Relatório de Desempenho Controlo de Gestão Junho de 2014. Conteúdo 1. SUMÁRIO EXECUTIVO... 3 Principais Indicadores... 3 2. DESEMPENHO ECONÓMICO... 4 Comparação com o planeado... 4 Evolução face ao ano

Leia mais

RELATÓRIO DE CONTAS 2014

RELATÓRIO DE CONTAS 2014 RELATÓRIO DE CONTAS 2014 CENTRO SOCIAL PADRE JOSÉ COELHO Agência Fontes de Júlio dos Santos Fontes Lda. @ geral@agenciafontes.pt tel. 227 441 281 FICHA TÉCNICA Proprietário CENTRO SOCIAL PADRE JOSÉ COELHO

Leia mais

BANCO COMERCIAL DO ATLÂNTICO, S.A. BALANÇOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E (Montantes expressos em milhares de Escudos de Cabo Verde)

BANCO COMERCIAL DO ATLÂNTICO, S.A. BALANÇOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E (Montantes expressos em milhares de Escudos de Cabo Verde) BALANÇOS Activo Imparidade Activo Activo Notas bruto e amortizações líquido líquido PASSIVO E CAPITAL PRÓPRIO Notas Caixa e disponibilidades em bancos centrais 3 9.726.629-9.726.629 5.862.769 Recursos

Leia mais

EXAME COLÉGIO DE ESPECIALIDADE DE CONTABILIDADE PÚBLICA

EXAME COLÉGIO DE ESPECIALIDADE DE CONTABILIDADE PÚBLICA EXAME COLÉGIO DE ESPECIALIDADE DE CONTABILIDADE PÚBLICA Nota: A prova é constituída por três partes Parte 1: Cotação: 8 valores (4* 2 valores por questão) Questão 1 Desenvolva o tema: Formas de registo

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 =========

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ESCLEROSE MÚLTIPLA DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= BALANÇO EM 31/12/2015 BALANÇO EM 31/12/2015 Rubricas NOTAS DATAS Activo 31-12-2015 31-12-2014 Activo não

Leia mais

Contabilidade Financeira II

Contabilidade Financeira II Contabilidade Financeira II Gestão; Finanças e Contabilidade 2011/2012 Exame - 2ª época 11/junho/2012 Informações e Sugestões 1. A resolução da prova terá início após a leitura do enunciado e o esclarecimento

Leia mais

8.2. Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados

8.2. Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados 8.2. Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excepcionais devidamente fundamentados e sem prejuízo do legalmente estabelecido,

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTAL E PATRIMONIAL DO POCAL, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 54-A/99, DE 22 DE FEVEREIRO

CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTAL E PATRIMONIAL DO POCAL, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 54-A/99, DE 22 DE FEVEREIRO Classe 0 Contas do controlo orçamental e de ordem* 01 Orçamento Exercício corrente* 02 Despesas 021 Dotações iniciais* 022 Modificações orçamentais* 0221 Transferências de dotações 02211 Reforços* 02212

Leia mais

Portaria n.º 104/2011, de 14 de Março

Portaria n.º 104/2011, de 14 de Março Portaria n.º 104/2011, de 14 de Março O DecretoLei n.º 36A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para microentidades, prevendo a publicação, mediante portaria do membro do

Leia mais

CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS ANO 2016 SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE SANTAR

CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS ANO 2016 SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE SANTAR CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS ANO 2016 SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE SANTAR CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS 1.º Orçamento anual Revisão Orçamental

Leia mais

NISS PARECER DO CONSELHO FISCAL. DATA DECISÃO Favorável RESPOSTAS SOCIAIS COMPARTICIPADAS COM ACORDO COOPERAÇÃO N.º MÉDIO UTENTES

NISS PARECER DO CONSELHO FISCAL. DATA DECISÃO Favorável RESPOSTAS SOCIAIS COMPARTICIPADAS COM ACORDO COOPERAÇÃO N.º MÉDIO UTENTES DGCF IDENTIFICAÇÃO IPSS DESIGNAÇÃO Lar Luísa Canavarro NIPC 502050411 NISS 20004445167 MORADA DA SEDE Rua de S. Brás, nº 293, 4000-495 Porto DADOS ORÇAMENTO ANO ECONÓMICO 2017 VERSÃO Inicial PARECER DO

Leia mais

Centro Social Paroquial de São Nicolau

Centro Social Paroquial de São Nicolau Centro Social Paroquial de São Nicolau Anexo às Demonstrações Financeiras de 2015 1. Caracterização da entidade O Centro Social Paroquial de São Nicolau foi constituído em 1993 e tem a sua sede social

Leia mais

Relatório e Contas. Referente. Ao exercício económico De

Relatório e Contas. Referente. Ao exercício económico De Relatório e Contas Referente Ao exercício económico De 2015 1 1 Demonstração Resultados 2 - Demonstração Resultados por Valências 3 Balanço 4 Demonstração Fluxos Caixa 5 Anexo ao Balanço 2 DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

Formulário de Candidatura

Formulário de Candidatura Formulário de Candidatura Finicia do Concelho de Vila Nova de Cerveira (a preencher pela XXX) N.º de Processo: Data de Entrada : (a preencher pela entidade receptora) Entidade Receptora : Local e data

Leia mais

Fundação Gaspar e Manuel Cardoso I.P.S.S. Instituição Particular de Solidariedade Social Sem Fins Lucrativos

Fundação Gaspar e Manuel Cardoso I.P.S.S. Instituição Particular de Solidariedade Social Sem Fins Lucrativos INDICE INDICE... 1 1 IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO... 3 2 REFERENCIAL CONTABILISTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS... 4 2.1 Demonstrações Financeiras... 4 3 PRINCIPAIS POLÍTICAS DE CONTABILIZAÇÃO...

Leia mais

1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 121 Banco On-Line 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141

1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 121 Banco On-Line 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 121 Banco On-Line 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/2009

Contabilidade Financeira II 2008/2009 Contabilidade Financeira II 2008/2009 Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras (IAS 1) Conjunto de D.F. Balanço - Contabilidade Financeira II 2008/ 2009 1º Semestre 2 1 Demonstrações Financeiras

Leia mais

Documentos de Prestação de Contas

Documentos de Prestação de Contas Documentos de Prestação de Contas Balanço (5 Pocal) Demonstração de Resultados (6 Pocal) Controlo Orçamental Despesa (7.3.1 Pocal) Controlo Orçamental Receita (7.3.2 Pocal) Execução Anual do Plano Plurianual

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 ACTIVO 2012 2011 PASSIVO E FUNDOS PRÓPRIOS 2012 2011 DISPONIBILIDADES 142,881,801 121,846,458 DEPÓSITOS APLICAÇÕES DE LIQUIDEZ Depósitos à ordem 355,298,564

Leia mais

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2016

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2016 ANEXO Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 216 1 - Identificação de entidade: 1.1- Designação da entidade: GATO - Grupo de Ajuda a Toxicodependentes

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014 Em cumprimento da alínea a) do art. 4º do Aviso nº15/07 de 12 de Setembro do Banco Nacional de Angola e após analise e aprovação do Conselho de Administração do BFA Banco de Fomento Angola, procedemos

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2016 =========

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2016 ========= FUNDAÇÃO PADRE LUIS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2016 ========= BALANÇO EM 31/12/2016 BALANÇO EM 31/12/2016 Rubricas Activo NOTAS DATAS 31-12-2016 31-12-2015 Activo não corrente Activos fixos

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 DEPÓSITOS ,801. Depósitos à ordem. Depósitos a prazo OPERAÇÕES CAMBIAIS

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 DEPÓSITOS ,801. Depósitos à ordem. Depósitos a prazo OPERAÇÕES CAMBIAIS BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE E ACTIVO DISPONIBILIDADES 144 564 297 142.881,801 APLICAÇÕES DE LIQUIDEZ Operações no Mercado Monetário Interfinanceiro Operações de compra de títulos de terceiros

Leia mais

Conteúdo. CONTAS INDIVIDUAIS 2015 (Montantes expressos em euros)

Conteúdo. CONTAS INDIVIDUAIS 2015 (Montantes expressos em euros) ASSOCIAÇÃO PARA O ESTUDO E INTEGRAÇÃO PSICOSSOCIAL CONTAS INDIVIDUAIS 2015 Conteúdo BALANÇO INDIVIDUAL (ESNL) EM 31.12.2015 E 31.12.2014... 4 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL DOS RESULTADOS (ESNL) PERÍODOS FINDOS

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 =========

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= ASSOCIAÇÃO DE JUDO DO DISTRITO DO PORTO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= ASSOCIAÇÃO DE JUDO DO DISTRITO DO PORTO BALANÇO EM 31/12/2015 Rubricas NOTAS DATAS 31-12-2015 31-12-2014 Activo

Leia mais

O R D E M D O S A D V O G A D O S

O R D E M D O S A D V O G A D O S Códigos das contas A CE POC Custos e perdas O R D E M D O S A D V O G A D O S 2.a) CMVMC 672,00 1.302,00 2.b) 62 Fornecim.e servicos externos... 178.739,79 178.053,76 3 Custos com o pessoal: 179.411,79

Leia mais

BALANÇO DO ANO DE 2014

BALANÇO DO ANO DE 2014 BALANÇO DO ANO DE 214 ACTIVO--------------------------------------------1.739.223 Activo não corrente ------------------------------ 1.447.599 Activos fixos tangíveis Activos fixos tangíveis é o termo

Leia mais

Banco Comercial Português

Banco Comercial Português Ativo Ativo Bruto 2017 Imparidades e amortizações 2016 Caixa e disponibilidades em bancos centrais 2,144,795-2,144,795 2,618,275 Disponibilidades em outras instituições de crédito 1,113,371-1,113,371 421,850

Leia mais

TOTAL DO ACTIVO , ,68

TOTAL DO ACTIVO , ,68 FUNDAÇÃO CASA MUSEU MÁRIO BOTAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS CONTAS 31 DE DEZEMBRO DE 2015 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS BALLANÇO:: PARA OS PERÍODOS FFI INDOS EM 31 DE DEZZEMBRO DE 2015 ACTIVO NÃO

Leia mais

PARTE PRÁTICA (13 valores)

PARTE PRÁTICA (13 valores) PARTE PRÁTICA (13 valores) 1 - A empresa Mãe, SA, detém 80% do Capital da empresa Filha, SA, participação esta que foi adquirida, em N, por 340.000 Euros. Em 31 de Dezembro de N, as empresas do Grupo apresentavam

Leia mais

Nível de Risco de Crédito Risco de Crédito Reduzido. Limite de Crédito ,40. Incidentes Regista incidentes comerciais. Risco Alto.

Nível de Risco de Crédito Risco de Crédito Reduzido. Limite de Crédito ,40. Incidentes Regista incidentes comerciais. Risco Alto. Identificação Nome SOCIEDADE EXEMPLO LDA Núm Contribuinte 555000555 Morada Rua Barbosa Pereira, n.º 56-2.º Esq Código Postal 2800-000 ALMADA Concelho SETUBAL Distrito SETUBAL País PORTUGAL Telefone 214251111

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 =========

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= FUNDAÇÃO PADRE LUIS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= BALANÇO EM 31/12/2015 BALANÇO EM 31/12/2015 Rubricas Ativo NOTAS DATAS 31-12-2015 31-12-2014 Ativo não corrente Ativos fixos tangíveis

Leia mais

DEG-IST Cadeira de Gestão. Capítulo 5 - Informação financeira. Exercícios das aulas práticas

DEG-IST Cadeira de Gestão. Capítulo 5 - Informação financeira. Exercícios das aulas práticas 1 DEG-IST Cadeira de Gestão Capítulo 5 - Informação financeira Exercícios das aulas práticas 1. Uma empresa comercial de produtos de informática iniciou a sua actividade em Janeiro de 2007, mês em que

Leia mais

Índice PPU CD Controlador de Gestão Introdução

Índice PPU CD Controlador de Gestão Introdução Índice PPU CD 1. Introdução 1.1. Contabilidade 1.1.1. Importância da Contabilidade 1.1.2. Plano de Negócios e Orçamento 1.1.3. Contabilidade de Gestão ou Analítica 1.1.4. Os Preparadores da Informação

Leia mais

RAMALHO'S - CORRETORES DE SEGUROS LDA

RAMALHO'S - CORRETORES DE SEGUROS LDA RAMALHO'S - CORRETORES DE SEGUROS LDA RAMALHO'S - CORRETORES DE SEGUROS LDA Avenida do Estádio, 213 a 219, 4405-625 Gulpilhares - Vila Nova de Gaia NIPC 502 449 900 * CS 70.000 2 INDICE RELATÓRIO DE GESTÃO...3

Leia mais

MANUAL DE CONTABILIDADE PARA JURISTAS ÍNDICE

MANUAL DE CONTABILIDADE PARA JURISTAS ÍNDICE MANUAL DE CONTABILIDADE PARA JURISTAS ÍNDICE CAPÍTULO I. DEFINIÇÕES E DIVISÕES DA CONTABILIDADE 1 DEFINIÇÕES DE CONTABILIDADE 2 DIVISÕES DA CONTABILIDADE CAPÍTULO II. ANÁLISE DOS PRINCIPAIS CONCEITOS CONTABILÍSTICOS

Leia mais

Aos Nossos Associados e Associadas

Aos Nossos Associados e Associadas Relatório de Atividades & Contas Aos Nossos Associados e Associadas Destaques Estratégicos A CONCEITOS DO MUNDO Associação para a Promoção dos Direitos Humanos e Desenvolvimento Sustentável, é uma associação

Leia mais

3. BASES DE APRESENTAÇÃO E PRINCIPAIS CRITÉRIOS VALORIMÉTRICOS

3. BASES DE APRESENTAÇÃO E PRINCIPAIS CRITÉRIOS VALORIMÉTRICOS NOTA INTRODUTÓRIA A Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Ermesinde (Instituição de Utilidade Pública), também denominada Bombeiros Voluntários de Ermesinde tem como objectivo principal manter

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DAS CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2009

INTERPRETAÇÃO DAS CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2009 INTERPRETAÇÃO DAS CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2009 Nota Introdutória: A Plataforma, durante o exercício de 2009, manteve em curso o projecto de formação desenvolvido em colaboração com a Fundação Calouste Gulbenkian

Leia mais

Matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Angra do Heroísmo

Matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Angra do Heroísmo DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 2015 ART Associação Regional de Turismo Contribuinte n.º 510 648 630 Sede Social: Rua da Palha, 32 Fundo Social: 375.000 Euros Matriculada na Conservatória do Registo Comercial

Leia mais

Relatório Balanço e Demonstração de Resultados: SOCIEDADE EXEMPLO, LDA

Relatório Balanço e Demonstração de Resultados: SOCIEDADE EXEMPLO, LDA Data: Relatório Balanço e Demonstração de Resultados SOCIEDADE EXEMPLO, LDA Nº Contribuinte: 123456789 Nº DUNS : 453390494 Resumo executivo Identificação Razão Social Denominação Comercial Outras Denominações

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE LUDOTECAS DO PORTO Rua Alcaide Faria (Antiga Escola de Aldoar) * Porto VERSÃO PARECER DO CONSELHO FISCAL

ASSOCIAÇÃO DE LUDOTECAS DO PORTO Rua Alcaide Faria (Antiga Escola de Aldoar) * Porto VERSÃO PARECER DO CONSELHO FISCAL DGCF IDENTIFICAÇÃO IPSS DESIGNAÇÃO NIPC MORADA DA SEDE ASSOCIAÇÃO DE LUDOTECAS DO PORTO 501893326 NISS 20004479611 Rua Alcaide Faria (Antiga Escola de Aldoar) * 4100-354 Porto DADOS ORÇAMENTO ANO ECONÓMICO

Leia mais

Aos Nossos Associados e Associadas

Aos Nossos Associados e Associadas Relatório de Atividades & Contas 2016 Nota Introdutória 2016 foi um ano para reflexão e reorganização da associação. Candidatámos diversos projetos, planeámos outros e nos destaques gostaríamos de notar:

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 (Montantes expressos em euros) 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da Entidade CASFIG Coordenação de Âmbito Social

Leia mais

Conteúdo. CONTAS INDIVIDUAIS 2016 (Montantes expressos em euros)

Conteúdo. CONTAS INDIVIDUAIS 2016 (Montantes expressos em euros) Contas individuais 2016 Conteúdo BALANÇO INDIVIDUAL (ESNL) EM 31.12.2016 E 31.12.2016... 4 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL DOS RESULTADOS (ESNL) PERÍODOS FINDOS EM 31.12.2016 E 31.12.2015... 5 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL

Leia mais

E DESINVESTIMENTOS ASSOCIAÇÃO DE ESTUDOS DO ALTO TEJO RUA DE SANTANA PARECER: DESPACHO: / /

E DESINVESTIMENTOS ASSOCIAÇÃO DE ESTUDOS DO ALTO TEJO RUA DE SANTANA PARECER: DESPACHO: / / ENTREGUE NO CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL ANO: Instituto Português da Juventude E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS 1º ORÇAMENTO x DE E DESINVESTIMENTOS REVISTO Nº NOME: ASSOCIAÇÃO DE ESTUDOS DO ALTO TEJO RESERVADO

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Exercício de 2016 FUNDO ESCOLAR DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA TOMÁS DE BORBA

RELATÓRIO DE ANÁLISE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Exercício de 2016 FUNDO ESCOLAR DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA TOMÁS DE BORBA RELATÓRIO DE ANÁLISE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Exercício de 2016 FUNDO ESCOLAR DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA TOMÁS DE BORBA FUNDO ESCOLAR DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA TOMÁS DE BORBA

Leia mais

Contabilidade Financeira I

Contabilidade Financeira I Informações gerais de Contabilidade Financeira I Ano letivo 2017/2018 Curso de Gestão Docentes: Francisco Antunes (TP1) Paulo Mêda (TP2 e TP3) 2017/2018 INFORMAÇÕES GERAIS DA UNIDADE CURRICULAR Licenciatura:

Leia mais

Contas de 2015 Centro Social e Paroquial de Perosinho

Contas de 2015 Centro Social e Paroquial de Perosinho Contas de 2015 Centro Social e Paroquial de Perosinho Balanço Centro Social e Paroquial de Perosinho Centro Social e Paroquial de Perosinho Balanço Período findo em 31 de Dezembro de 2015 Rendimentos e

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Montantes expressos em Euros)

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Montantes expressos em Euros) NOTA INTRODUTÓRIA Federação Portuguesa de Desporto para Pessoas com Deficiência, tem por objecto promover o desporto em todas as áreas de deficiência, tem a sua sede na Rua Presidente Samora Machel, Lote

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2015

RELATÓRIO DE GESTÃO 2015 RELATÓRIO DE GESTÃO 2015 ÍNDICE 1. Nota Introdutória... 3 2. Relatório... 4 3. Receitas... 4 4. Receitas Próprias... 6 5. Transferências... 6 6. Despesas... 8 7. Encargos de Funcionamento... 9 8. Rácios

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Exercício de 2015 FUNDO ESCOLAR DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA TOMÁS DE BORBA

RELATÓRIO DE ANÁLISE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Exercício de 2015 FUNDO ESCOLAR DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA TOMÁS DE BORBA RELATÓRIO DE ANÁLISE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Exercício de 2015 FUNDO ESCOLAR DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA TOMÁS DE BORBA FUNDO ESCOLAR DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA TOMÁS DE BORBA

Leia mais

BANCO MOÇAMBICANO DE APOIO AOS INVESTIMENTOS, S.A. RELATÓRIO E CONTAS INTERCALAR DE Relatório e Contas Intercalar de 2017

BANCO MOÇAMBICANO DE APOIO AOS INVESTIMENTOS, S.A. RELATÓRIO E CONTAS INTERCALAR DE Relatório e Contas Intercalar de 2017 Relatório e Contas Intercalar de 2017 30 de Junho de 2017 Principais Indicadores Indicadores 30 de Junho de 2017 30 de Junho de 2016 Financeiros (Balanço) Activo Total 1.508.989 1.891.672 Créditos à Clientes(Liquido)

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2013

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2013 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 213 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Fundação Comendador Joaquim de Sá Couto 1.2 Sede: Rua do Hospital, 7 4535 São

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Exame 1.ª época de Contabilidade Financeira 2.º semestre 2008/09 Data: 3 de Junho de 2009 Início: 8h30m Duração: 2h00m Cotação e tempo esperado de resolução:

Leia mais

Caixa Geral de Depósitos, SA

Caixa Geral de Depósitos, SA 164 Relatório e Contas 2011 CGD 1.13. Demonstrações Financeiras Individuais e Consolidadas Balanços Individuais (*) 31.12.2011 Pro forma 31.12.2010 Pro forma 01.01.2010 ATIVO Notas (a) Ativo bruto Provisões,

Leia mais

Comprovativo de Entrega da Declaração IES/DA Via Internet - Informação Vigente. Cód. Validação: LISBOA

Comprovativo de Entrega da Declaração IES/DA Via Internet - Informação Vigente. Cód. Validação: LISBOA IES Informação Empresarial Simplificada DECLARAÇÃO ANUAL Ano Identificação da Declaração Data de Receção Comprovativo de Entrega da Declaração IES/DA Via Internet - Informação Vigente 0 6-I000-0-06-07

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE NATAÇÃO DA MADEIRA

ASSOCIAÇÃO DE NATAÇÃO DA MADEIRA 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE: 1.1 Designação da entidade: Associação de Natação da Madeira; 1.2 Sede: Complexo de Natação Desportiva do Funchal, 9050-021 Funchal; 1.3 NIPC: 511205350; 1.4 Natureza da atividade:

Leia mais

CONTABILIDADE (NíVEIS 1,2 E 3) Curso Geral de Contabilidade

CONTABILIDADE (NíVEIS 1,2 E 3) Curso Geral de Contabilidade CONTABILIDADE (NíVEIS 1,2 E 3) Curso Geral de Contabilidade Duração: 8 dias Tipologia: Curso Presencial Para quem?: Colaboradores dos Departamentos de Contabilidade, Financeiro e Controlo de Gestão. Secretárias

Leia mais

Contabilidade Financeira aos Sabados

Contabilidade Financeira aos Sabados Contabilidade Financeira aos Sabados 1 Com: 2 Técnico de Conta nº 3211 3 Modulo I Contabilidade Geral História e Noção O Património A Conta Demostrações Financeiras 4 Aula nº 3 A CONTA 5 Sumário: A Conta

Leia mais

FUNDAÇÃO GRAMAXO RELATÓRIO E CONTAS. As Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2016

FUNDAÇÃO GRAMAXO RELATÓRIO E CONTAS. As Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2016 FUNDAÇÃO GRAMAXO RELATÓRIO E CONTAS As Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2016 Índice: Índice... 2 1.Enquadramento... 3 1.1.Apreciação Geral... 3 2.Atividades Realizadas... 3 2.1Conclusão da

Leia mais

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2014

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2014 Centro Paroquial e Social de Calheiros RUBRICAS BALANÇO INDIVIDUAL Dezembro 2014 NOTAS Montantes expressos em EURO PERÍODOS 2014 2013 ACTIVO Activo não corrente: Activos fixos tangíveis... 279.778,88 285.103,71

Leia mais

CONVOCATÓRIA. Informações do Provedor; Apreciação e votação do Relatório de Actividades e Contas do exercício do ano anterior.

CONVOCATÓRIA. Informações do Provedor; Apreciação e votação do Relatório de Actividades e Contas do exercício do ano anterior. Amândio de Sousa Rodrigues Norberto Presidente da Mesa da Assembleia Geral Da Santa Casa da Misericórdia de Castro Marim CONVOCATÓRIA Em cumprimento do artigo 31º do Compromisso desta Santa Casa, convoco

Leia mais

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE NOVEMBRO DE 2009 (Em R$ Mil)

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE NOVEMBRO DE 2009 (Em R$ Mil) CNPJ 47.902.648/0001-17 CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE NOVEMBRO DE 2009 ATIVO PASSIVO CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e Bancos 207 Fornecedores 34.860 Aplicações Financeiras 4.887 Provisão Férias e Encargos

Leia mais