Dados Financeiros. Uma gestão clara e rigorosa é fonte de transparência e respeito pelos nossos negócios

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dados Financeiros. Uma gestão clara e rigorosa é fonte de transparência e respeito pelos nossos negócios"

Transcrição

1 Dados Financeiros Uma gestão clara e rigorosa é fonte de transparência e respeito pelos nossos negócios

2 Dados Financeiros

3 44 s Convocatória Índice SIEMENS, S.A. Sede: Rua Irmãos Siemens, nº1 e 1-A / Amadora Capital Social: ,00 EUR Matriculada na Conservatória do Registo Comercial da Amadora sob o nº 6520 Pessoa Colectiva nº Assembleia geral CONVOCATÓRIA Relatório do Conselho 45 de Administração São convocados os senhores accionistas da Sociedade para reunirem em Assembleia Geral, no dia 18 de Dezembro de 2003, pelas 12,00 horas, na sede da Sociedade, com a seguinte ORDEM DO DIA: 1) Deliberar sobre o relatório de gestão e as contas da sociedade referentes ao exercício de a e sobre a proposta de aplicação de resultados, bem como proceder à apreciação geral da administração e fiscalização da sociedade; Balanço da Siemens, S.A. 53 Demonstração dos Resultados 55 do Exercício da Siemens, S.A. Anexo ao Balanço e 57 à Demonstração dos Resultados da Siemens, S.A. Produtos e Soluções 66 2) Deliberar sobre o relatório consolidado de gestão e das contas consolidadas e do respectivo relatório do Fiscal Único, relativos ao exercício de a ; Grupo Siemens em Síntese 68 3) Eleição dos membros do Conselho de Administração e da Comissão para a fixação dos honorários dos corpos gerentes; 4) Autorizar o Conselho de Administração a comprar, vender ou trespassar bens imóveis, a comprar e vender participações de sociedades já existentes e a participar na constituição de novas sociedades. 5) Tratar de qualquer outro assunto de interesse para a sociedade. Amadora, 30 de Outubro de 2003 O PRESIDENTE DA MESA DA ASSEMBLEIA GERAL Paulo Manuel Lage David Ennes

4 Relatório do Conselho de Administração 45 Actividade Global do Grupo 2003 não foi o ano da retoma económica. Para explicar a recessão, o Governo aponta, a nível interno, o aprofundamento da correcção de alguns desequilíbrios macroeconómicos. A nível externo, o Executivo refere as incertezas geopolíticas que se geraram com a intervenção militar no Iraque. De facto, o abrandamento da conjuntura económica europeia não permitiu um maior fôlego no desenvolvimento económico do nosso país. Conjuntamente com as medidas de controlo do défice orçamental, Portugal não teve espaço para uma evolução económica mais favorável. O desenvolvimento do mercado eléctrico e electrónico em Portugal continuou, ao longo deste ano comercial, a ser afectado pela conjuntura da economia mundial. No entanto, as empresas mantiveram-se estáveis quanto às expectativas que detinham para este ano, previsto por todos como um ano difícil. A este atraso, junta-se a conjuntura económica portuguesa, que se tem debatido com a necessidade de cumprir o Pacto de Estabilidade da zona Euro. Apesar deste cenário adverso, as empresas participadas do Grupo Siemens conseguiram reforçar a sua presença no mercado nacional e internacional, registando um aumento nos seus negócios locais nas vendas e exportações, que, ao ultrapassarem o respeitável montante de 975 milhões EUR, representam 59% da facturação total do Grupo em Portugal, isto é, milhões EUR. Este importante contributo, com a presença na maior parte dos grandes projectos de infra-estruturas nacionais, baseou-se em soluções inovadoras e em parcerias estratégicas, evidenciadas por todas as áreas de negócio da Siemens. Ao todo, estamos presentes em vários campos fundamentais para o desenvolvimento e modernização do país. A capacidade da Siemens em actuar globalmente é uma das suas mais-valias. Um projecto pode ser totalmente integrado por várias áreas que, com o seu know-how, oferecem ao cliente final as soluções mais inovadoras e completas do mercado, como o projecto para o Euro O Laboratório de Redes Ópticas centro mundial de excelência nesta área, representa a captação de valor para o país, marcando o futuro do desenvolvimento desta área, podendo já ser considerado um cluster de negócio. Para esta consolidação, foi vital o reconhecimento obtido junto de parceiros, clientes e sociedade envolvente, perante o papel de actuação da Siemens em prol de um crescimento sustentado para o país. A nossa área de ICN conseguiu posicionar-se como um dos mais importantes centros de desenvolvimento a nível europeu de hardware e software para tecnologia óptica. Na área de tecnologia móvel, a Siemens detém um Centro Mundial de Investigação e Desenvolvimento de software para as rede GPRS e UMTS, projecto em que temos participado desde o início em Portugal, consolidando, paralelamente, a posição cimeira no mercado de telefones sem fios e a segunda posição no mercado dos telemóveis. A Siemens Business Services está a ser parceira na "revolução digital" da Administração Pública, representando um avanço na oferta de soluções completas de e-business. Na área da Automação Industrial, o A&D Mall merece destaque de case-study. É o único centro comercial on-line português para este tipo específico de mercado, que tem registado um nível elevado de satisfação, quer da parte de clientes, quer em termos de produtividade e rentabilidade, sendo que 60% das encomendas da área já são efectuadas on-line. Quanto à segurança, a I&S é, neste momento, quem assegura a integração de tecnologia EDS Explosive Detection System para o Aeroporto de Lisboa, bem como em vários edifícios públicos. A área Industrial Services vive, sobretudo, das parcerias que tem sabido manter com sucesso, na área da prestação de serviços e manu-tenção. Exemplos disso são a TAP, o CCB ou a Portucel. Já na área da energia (Power), o grande destaque deste ano é o adiantamento nas entregas dos Grupos de Produção da Central Termoeléctrica do Ribatejo. A Transportation Systems está a participar multidisciplinarmente no arranque das obras do Metro Sul do Tejo e cumpriu, como esperado, a entrega de 34 unidades CP 2000 à Unidade de Suburbanos do Porto. A Medical Solutions forneceu o primeiro PET (Tomógrafo por Emissão por Positrões) existente em Portugal ao IPO. Entretanto, em parceria com vários hospitais, realizou projectos de consultadoria e instalação de vários sistemas de informação clínica, assim como equipamentos de tecnologia médica. A presença da Siemens Building Technologies tem-se sentido em todas as grandes áreas comerciais, como o VianaShopping, o Almada Fórum, a ampliação do CascaiShopping, entre outros. Continuámos a aperfeiçoar todos os nossos processos e critérios definidos pelo EFQM, tendo sido galardoados com o primeiro lugar do Prémio top+ Regions Award. O processo de gestão corporativa rumo à Excelência foi evidenciado pelo presidente da

5 46 Relatório e Contas 2003 Relatório do Conselho de Administração Siemens, AG, que elogiou os esforços que a equipa portuguesa tem reunido para merecer esta distinção. É através do sucesso do nosso variado portefólio de negócios e da Excelência da nossa gestão que temos vindo a consolidar a nossa acção pró-activa em Portugal. Com soluções inovadoras, profissionais e transversais. Encomendas (*) O volume total de encomendas recebidas pelas empresas do Grupo Siemens bem como das suas participadas, em Portugal, neste exercício, atingiu o montante de 1.656,7 milhões EUR, o qual corresponde a um decréscimo de 10,3% em comparação com o ano anterior. Este decréscimo, influenciado também pelos importantes contratos adjudicados no ano transacto, é bastante elucidativo da contracção do mercado nacional, uma vez que as fábricas de semicondutores Infineon, S.A. e de condensadores Epcos, S.A., cujas produções se destinam à exportação, registaram, em relação ao período anterior, um aumento de 15,9%. Vendas (*) O valor das vendas totais das empresas do Grupo Siemens bem como das suas participadas, em Portugal, atingiu o montante de 1.666,1 milhões EUR, significando um incremento de 5,3% em relação ao ano transacto, o que, pelos motivos atrás apontados, só foi conseguido em virtude da fábrica de semicondutores Infineon, S.A. ter registado um aumento de 15,7%. Investimentos (*) Os investimentos em imobilizado, realizados pelo Grupo neste ano, atingiram 121,7 milhões EUR, praticamente triplicando o investimento em relação ao ano transacto, tendo a actividade fabril dado o contributo principal para este facto. Neste exercício, a Siemens, S.A. adquiriu a totalidade das quotas da Siemens Building Technologies, Engenharia de Segurança e Automação, Lda. Esta sociedade será fusionada na Siemens, S.A., com efeitos a partir de 1 de Outubro de Encomendas e Vendas da Siemens, S.A. O volume de encomendas recebidas pela Siemens, S.A. neste exercício atingiu o valor de 610,9 milhões EUR. A significativa diminuição de 35,4% em comparação com o ano transacto é justificada, não só pela contracção do mercado nacional, mas também pelos importantes contratos adjudicados naquele ano. Neste ano, o valor das vendas totalizam 618,2 milhões EUR, representando um decréscimo de 8,2% relativamente ao exercício anterior. Ambos os valores incluem negócio de comissão. Resultado Líquido da Siemens, S.A. O resultado líquido da Siemens, S.A. apresenta este ano o valor de milhões EUR, valor este semelhante ao do ano anterior se excluirmos os rendimentos de participação de capital obtidos naquele exercício. Cash-flow da Siemens, S.A. O cash-flow atingiu o montante de 46,487 milhões EUR, cor- -respondendo a 9,3% da facturação do negócio próprio, sendo esta percentagem semelhante à do ano anterior. Estrutura do Balanço da Siemens, S.A. A soma do balanço da Siemens, S.A. cifra-se em 402,9 milhões EUR, representando as imobilizações, com 56,1 milhões EUR, 28% do capital próprio e 14% do activo líquido. As dívidas de terceiros a curto prazo e as disponibilidades correspondem a 76% do total do Balanço. Os capitais próprios atingem neste exercício 203,5 milhões EUR, correspondendo a 51% da soma do Balanço, contra os 44% obtidos no ano anterior. (*) O Grupo Siemens reúne, para efeitos deste relatório, os valores somados das empresas participadas pela Siemens em Portugal, independentemente da percentagem dessa participação. Exportações (*) As exportações das empresas e participadas do Grupo Siemens em Portugal, neste exercício, mantiveram a tendência de crescimento dos anos anteriores, atingindo 975,6 milhões EUR, ao qual corresponde um incremento de 13% em comparação com o ano anterior, representando 58,5% da facturação total do Grupo.

6 Relatório do Conselho de Administração 47 Actividade Comercial Perante a nítida retracção dos investimentos em infra- -estruturas no sector das comunicações, o Operating Group Information and Communications Networks (ICN) apostou, ao longo de 2003, na conquista de novas oportunidades de negócio através da sofisticação da sua oferta, o que logrou alcançar com a continuidade da política de investimento no aumento de competências humanas e técnicas, estratégia já lançada em anos anteriores. Assegurando um desempenho de destaque no segmento dos negócios empresariais, nomeadamente graças às soluções Hipath, o ICN distinguiu-se ainda, de forma muito particular, pela forte participação na concepção e fornecimento dos sistemas de comunicações de seis dos dez estádios de futebol que servirão de palco aos jogos do Euro Quanto às redes de comunicações públicas, este OG assumiu uma posição destacada na disseminação da banda larga, principalmente graças às soluções baseadas em tecnologia xdsl e IP disponibilizadas à Portugal Telecom e à ONI. Este grupo operativo também desempenhou um papel de relevo na expansão das redes de transmissão da Vodafone e da ONI. Fruto do investimento no incremento das competências dos seus recursos humanos e na criação de sofisticadas infra-estruturas de última geração, a Siemens ICN afirmou-se como fornecedor privilegiado de tecnologia de ponta, tanto a nível nacional como internacional. Para além da disponibilização de soluções técnicas avançadas a clientes como a TMN ou a Vodafone, este grupo operacional posicionou-se, em estreita colaboração com as universidades portuguesas, como o mais importante centro de desenvolvimento a nível europeu de hardware e software para tecnologia óptica. Para o Operating Group Information and Communications Mobile (ICM), os cortes no investimento assumidos pelos operadores nas infra-estruturas mantiveram a tendência do ano anterior, tendo-se ainda verificado o atraso no arranque do projecto UMTS. Perante esta retracção no investimento, a ICM reforçou a aposta estratégica na área dos serviços, o que lhe permitiu adquirir uma crescente competência na constituição de parcerias com os clientes e na oferta de contratos de outsourcing cada vez mais atractivos. No campo das parcerias refira-se, a título de exemplo, a estabelecida com a Vodafone na implementação das redes Microwaves (MW). Quanto ao mercado dos telefones sem fios e dos móveis, a Siemens consolidou a sua posição de liderança relativamente ao primeiro produto e o segundo lugar no ranking de vendas de telemóveis, com uma quota de mercado de cerca de 30%. Na área das aplicações outra aposta incluída na estratégia desenvolvida por este grupo operacional refiram-se o projecto de videostreaming para a Vodafone e a concepção da interface de utilizador skin para o Portal I9 da TMN. No que se refere à área das infra-estruturas, merecem destaque o projecto de renovação da rede Core da TMN e também o roll-out da rede UMTS. Finalmente, saliente-se a escolha que recaiu sobre este grupo operacional para a constituição de um Centro Mundial de Investigação e Desenvolvimento de software para as redes UMTS e GPRS, o que implicou a formação de uma equipa de cerca de 200 engenheiros envolvidos no desenho, concepção e implementação de aplicações para as redes móveis a nível mundial. Apesar da reconhecida situação de debilidade do mercado ao longo de 2003, com a procura de soluções e serviços na área das Tecnologias da Informação a conhecer uma quebra muito acentuada, o Operating Group Siemens Business Services (SBS) logrou um desempenho positivo, traduzido numa rentabilidade crescente e na melhoria do nível de satisfação dos clientes e dos próprios colaboradores, isto para além da conquista de vários, novos e importantes projectos. Na área da Administração Pública, merece especial referência o projecto garantido em concurso público que tem por objectivo assegurar, na Direcção Geral de Informática e Apoio aos Serviços Tributários e Aduaneiros (DGITA) e na Direcção Geral das Alfândegas e Impostos Especiais sobre o Consumo (DGAIEC), a migração para nova tecnologia dos actuais sistemas aduaneiros de importação e o desenvolvimento de novos sistemas de informação para a exportação e para a selecção automática de declarações a serem sujeitas a vários tipos de verificações pela Alfândega. Também a Universidade Católica Portuguesa confiou à Siemens o fornecimento e implementação de um sistema de gestão documental, arquivo electrónico e workflow para automatização dos processos administrativos da Universidade. O sistema começou a ser implementado na Reitoria e prevê-se que seja expandido num futuro breve a todas as Faculdades e Pólos existentes no país. No sector empresarial, assistiu-se ao fornecimento de serviços adicionais e à aceitação do projecto Nave dos CTT, à continuação do projecto dos concessionários da Mercedes Benz Portugal, ao fornecimento de uma nova solução de gestão de rede para o operador de telecomunicações móveis Optimus e à melhoria dos contratos de outsourcing em vigor com vários clientes. Dentro do próprio Grupo Siemens, a SBS manteve a sua posição privilegiada como prestador de serviços, tendo participado em diversos projectos estruturantes para a empresa, tanto em Portugal como no estrangeiro. Dada a incerteza reinante quanto à evolução da conjuntura económica, torna-se difícil traçar perspectivas sobre a evolução do negócio das Tecnologias da Informação para No entanto, alguns projectos já anunciados pelo Governo e o desenvolvimento da área de serviços em regime de outsourcing poderão trazer alguma movimentação a este mercado. O projecto mais significativo desenvolvido pelo Operating Group Power em 2003 foi, sem dúvida, a conclusão e entrega do primeiro Grupo de Produção da Central Termoeléctrica do Ribatejo, tarefa de grande envergadura e complexidade que foi ultimada com um avanço superior a um mês sobre o prazo estabelecido. Para 2004, está prevista a conclusão do segundo Grupo de Produção da mesma central, aguardando-se pela confirmação da encomenda do terceiro Grupo. Ainda na área de fornecimento de equipamentos, refiram-se os grupos reversíveis para a Central Hidroeléctrica da Venda Nova, que permitirão reaproveitar a água da barragem com evidentes benefícios de ordem ambiental.

7 48 Relatório e Contas 2003 Relatório do Conselho de Administração Como contributos para a modernização do sector eléctrico nacional, refiram-se, a título de exemplo, as subestações móveis fabricadas em exclusivo pela Siemens para a EDP, ou as soluções para sistemas de comando e controlo de subestações da Rede Eléctrica Nacional (REN). Na área de serviços, que vai ganhando uma importância crescente também em volume de negócios (quase 50% do total), merecem destaque os contratos de manutenção assinados com a Central da Tapada do Outeiro e com a EPAL, neste último caso abrangendo a gestão de todo o parque de equipamento de distribuição de energia eléctrica para a rede de abastecimento de água à região da Grande Lisboa. Também a renovação do posto de transformação da Fundação Calouste Gulbenkian foi realizada neste período, a par de outros serviços desta área de actividade, como a transferência e transporte de equipamentos da Rede Eléctrica Nacional entre diferentes instalações. Para continuar a crescer e a conquistar novos negócios, agora que se aproxima o MIBEL e as oportunidades que certamente serão desencadeadas ao nível do reforço e modernização das infra-estruturas de produção e transporte de energia eléctrica, o OG Power propõe-se aprofundar os programas de eficiência, combatendo desta forma a diminuição das margens de negócio e os efeitos de uma concorrência cada vez mais aguerrida. Com o objectivo de manter os níveis de satisfação dos colaboradores elevados e incrementar a sua produtividade, as acções de formação e de comunicação interna irão prosseguir, dando assim continuidade ao trabalho realizado em 2003, nomeadamente através do jogo electrónico Strategy Trivial. O Operating Group Industrial Solutions (I&S) desenvolveu, ao longo de 2003, múltiplos projectos nas suas principais áreas de actividade, centrando as suas plataformas tecnológicas, soluções inovadoras e serviços de qualidade nos segmentos de mercado Indústria, Infra-estruturas e Logística. No segmento da Segurança Electrónica, nomeadamente nos sectores Aeroportuário e Terciário, participamos em diversos projectos com elevados requisitos operacionais. Com efeito, vimos reconhecida a qualidade superior das nossas soluções tecnológicas, estando a fornecer os principais aeroportos nacionais e edifícios públicos com sofisticados equipamentos e sistemas integrados de detecção de metais, droga e explosivos, nomeadamente para as alfândegas, a ANA, os CTT e a rede de estabelecimentos prisionais centrais e regionais. Reforçámos a nossa competência em sistemas logísticos Aeroportuários, em particular na Operação e Manutenção de sistemas de tratamento de bagagens, através da participação em projectos de consultadoria internacional em aeroportos nos Emirados Árabes Unidos, Espanha, Malásia, Singapura e Suíça. No segmento industrial, consolidamos a presença da nossa plataforma tecnológica de automação, através dos projectos realizados na nova fábrica de sumos da Compal, em Almeirim, e no complexo fabril da Cimpor, em Alhandra. As soluções chave-na-mão de Distribuição Logística Industrial mereceram destaque, nomeadamente no arranque da montagem do maior armazém automático do país, integrado no futuro complexo fabril de produção de leite da Lactogal, em Modivas. Na área das infra-estruturas, a I&S reforçou a sua liderança de mercado no segmento dos equipamentos culturais, concluindo a intervenção no Teatro Carlos Alberto, no Porto, e a remodelação dos sistemas de áudio e vídeo no grande auditório da Caixa Geral de Depósitos, em Lisboa. A excelente aceitação das nossas soluções técnicas, aliada à elevada qualidade dos equipamentos propostos, mereceram a confiança na adjudicação dos sistemas cénicos para os Teatros Municipais de Bragança e de Vila Real. O sector hospitalar público honrou-nos com diversas encomendas para a execução de instalações eléctricas gerais, das quais salientamos os Hospitais Pulido Valente, São Francisco Xavier e Santa Maria, em Lisboa. A nossa equipa de engenharia e montagem da Região Norte realizou duas grandes obras, o novo Estádio do Dragão do FCP, e a remodelação integral do Estádio D. Afonso Henriques, em Guimarães, utilizando soluções inovadoras com elevada integração tecnológica. Finalmente, no sector de Construção Naval, fomos seleccionados pelos Estaleiros Navais de Viana de Castelo, para o projecto e fornecimento da instalação eléctrica a integrar nos futuros navios de patrulha oceânica da Marinha Portuguesa, abrindo boas perspectivas neste campo. A I&S viu renovada a sua certificação de Qualidade ISO 9001: 2000 pela APCER. O Operating Group Industrial Services prosseguiu, em 2003, a sua estratégia de afirmação no mercado através da oferta de produtos inovadores e com valor acrescentado, contributos diferenciadores capazes de introduzir uma nova visão da importância dos serviços de manutenção na performance global das empresas. Apesar de uma boa parte do mercado nacional privilegiar ainda o preço em detrimento da qualidade nas opções de compra, a aposta deste grupo operativo em soluções inovadoras e integradas de serviços de assistência e manutenção tem merecido um acolhimento crescente, reflectido, aliás, no aumento da carteira de novos clientes e na solidificação do relacionamento com clientes mais antigos sinal evidente do seu elevado nível de satisfação. Assim, da actividade desenvolvida em 2003, há a salientar a renovação do contrato com a TAP, alcançada em processo de consulta ao mercado, o que diz bem da qualidade do trabalho desenvolvido na manutenção da generalidade dos serviços da empresa no Aeroporto da Portela, em Lisboa. Significativa, também, foi a duplicação do valor e do âmbito do contrato com a Portucel, uma relação exemplar em que o cliente se assume como parceiro e tem os custos de manutenção subordinados à produtividade. Ainda em termos de renovação de contratos, referência para o mantido com o Centro Cultural de Belém, onde o Industrial Services tem a seu cargo a manutenção geral das instalações. Quanto a novos contratos, merece destaque, entre outros, o firmado com as Oficinas Gerais de Material Aeronáutico (OGMA).

8 Relatório do Conselho de Administração 49 Para além da posição relevante conseguida nas obras de construção ou remodelação dos estádios de futebol do Euro 2004, com fornecimento de soluções e equipamentos que representaram um elevado volume de negócios, o Operating Group Automation & Drives envolveu-se, durante o ano de 2003, num significativo número de importantes projectos industriais, alguns dos quais, pelo seu carácter inovador entre nós, potenciadores da nossa entrada em novas áreas. É o caso do fornecimento global do sistema eléctrico de accionamento e controlo para quatro pórticos do Terminal de Contentores do Porto de Leixões, um trabalho que coloca a Siemens em excelente posição para aprofundar, no futuro, a sua intervenção na importante área portuária. Sem a pretensão de sermos exaustivos, refiram-se os projectos desenvolvidos para as fábricas da Cimpor na Tunísia e em Marrocos, num processo de internacionalização que se pretende ver fortalecido, ou a conclusão dos projectos de modernização e automação das centrais térmicas dos Açores (Pico e Faial), trabalho realizado em parceria com uma empresa nacional, a STET (Grupo Caterpillar), no respeito, aliás, pela nossa linha estratégica de actuação. A par do esforço desenvolvido para o incremento da nossa plataforma de e-business, denominada A&D Mall, com os resultados a merecerem elogiosas referências por parte do board do A&D, este grupo operacional viveu um dos seus momentos mais altos de 2003 entre 27 e 31 de Maio, com a presença do Exider na Gare do Oriente, em Lisboa, durante a realização da ENDIEL. Terá sido, aliás, para os milhares de portugueses que visitaram o Exider um comboio com 14 vagões e 280 metros de comprimento com exposições temáticas reveladoras da visão da Siemens sobre o futuro uma oportunidade privilegiada para ficarem com uma ideia aproximada da imensidão de coisas que a Siemens é capaz de realizar. Por isso mesmo, se a presença do Exider em Portugal foi um acontecimento inesquecível para o OG Automation & Drives, constituiu também um elemento de vital importância para a Siemens Portugal, já que todas as áreas estão representadas nesta exposição itinerante. Para além da sua participação pluridisciplinar no arranque das obras do Metro do Sul do Tejo, o Operating Group Transportation Systems prosseguiu, ao longo de 2003, um conjunto de projectos nas suas diferentes áreas de actuação, sempre movido pelo objectivo estratégico de incorporar uma crescente mais-valia nacional nos produtos, soluções e serviços disponibilizados. Na área do material circulante, o Operating Group Transportation Systems continuou a cumprir o programa de fornecimento das 34 unidades CP 2000 destinadas ao serviço da Unidade de Suburbanos do Porto, mantendo-se em permanente acompanhamento e estudo as possibilidades referentes à futura Rede de Alta Velocidade e a outras encomendas em perspectiva, como é caso das Locomotivas para o transporte de mercadorias da CP. No campo das infra-estruturas (Electrification), referência para a continuação dos trabalhos de construção das novas subestações de tracção de Luzianes e Tunes, uma encomenda da REFER que beneficiou de tecnologia inovadora capaz de reduzir custos futuros de manutenção e a própria área de implantação, com benefícios evidentes também ao nível dos custos com expropriações de terrenos. Numa parceria com a Efacec, também fornecemos ao Metro de Lisboa quadros de corrente contínua para as novas subestações. Constituindo a área de sinalização uma forte aposta deste grupo operacional, importa salientar o trabalho de concepção e instalação de cortadores de eixo desenvolvido para a Linha de Cascais, até porque esta solução incorporou uma tecnologia totalmente inovadora com resultados excelentes em termos da maximização da segurança ferroviária. Finalmente, foram lançadas sementes com vista ao crescimento do sector de serviços de manutenção integrada de equipamentos e instalações ferroviárias, uma área de negócios que se espera em expansão e para a qual a Siemens está especialmente preparada para desenvolver um trabalho de excelência. Procurando adaptar cada vez melhor a sua oferta às necessidades de desenvolvimento dos serviços de saúde públicos e privados, o Operating Group Medical Solutions continuou a apostar, em 2003, na disponibilização de soluções inovadoras e globais (equipamentos, gestão de informação, formação profissional, etc.) que permitam aos operadores prestar serviços de grande qualidade a custos controlados. Com um volume de negócios em que 65% se refere ao fornecimento de equipamentos e 35% diz respeito à prestação de serviços, este grupo operativo assume-se como um incontornável parceiro no processo de empresarialização dos hospitais portugueses, tendo, ao longo do último ano, participado na concepção e montagem de múltiplas soluções em diferentes áreas. Para além da conclusão do processo de informatização integral do Serviço de Urgência do Hospital de Santa Maria, um projecto de grande dimensão e relevância, importa também realçar a elaboração do Plano Director Estratégico do mesmo Hospital de Santa Maria, um trabalho inédito mesmo a nível internacional e cuja metodologia inovadora pode ser replicada noutras unidades de Saúde em qualquer parte do Mundo. Sempre com recurso aos equipamentos e tecnologias de última geração, de registar as intervenções feitas no Hospital da Força Aérea de Lisboa ao nível da digitalização do serviço de imagem e a montagem do novo serviço hemodinâmica no laboratório do Hospital Distrital de Faro, uma solução que incluiu a adaptação das instalações e o fornecimento de equipamentos de logística e de arquivo de imagem. A Medical Solutions participou ainda na montagem do bloco central de cirurgia do Hospital de S. João e no novo bloco cirúrgico, recobro e unidade de cuidados intensivos do Hospital Pulido Valente e colaborou na concepção do projecto de informatização das instalações do novo Hospital de Santiago do Cacém, com especial destaque para os sistemas de informação de imagem médica (PACS) e de suporte à decisão clínica nas áreas de cuidados críticos (PICIS). Ainda no sector dos meios auxiliares de diagnóstico de ponta, referência para o Positron Emition Thomography (PET) instalado no IPO de Lisboa; para a nova geração de equipamentos de Raios X - o Robot Aristos (radiografia sem chapa que flui numa rede de informação) montado no Hospital da Força Aérea; e para a TAC de elevada performance fornecida à clínica do Dr. João Carlos Costa, em Viana do Castelo, que permite efectuar 38 cortes por segundo e realizar estudos anatómicos cardíacos com recurso a detectores múltiplos.

9 50 Relatório e Contas 2003 Relatório do Conselho de Administração Graças a um forte empenhamento por parte de todos os colaboradores, foi possível ao Operating Group Siemens Building Technologies ultrapassar as dificuldades colocadas pelo agravamento da crise do mercado, com particular incidência no sector da construção civil, e manter o crescimento do seu volume de negócios dentro dos objectivos predeterminados. Também a aposta determinada na área de Serviços, cujo crescimento se cifrou nos 27% relativamente ao ano anterior, contribuiu para o bom desempenho da SBT, que manteve a sua posição de liderança em todos os principais segmentos da sua área de negócio: segurança, prevenção de incêndios e automação de edifícios. Entre os múltiplos projectos que o OG SBT esteve envolvido ao longo do ano, refira-se a forte presença em sete dos dez novos estádios de futebol que acolherão os jogos do Euro 2004, a participação nos projectos da Central Termoeléctrica do Ribatejo e de quatro túneis rodoviários situados em diferentes pontos do país (Gardunha-2, Mato Forte, Barracão e Ramela), nestes últimos através do fornecimento de uma solução inovadora de prevenção de incêndios que inclui a aplicação de cabos sensíveis ao fogo. Também no sector dos centros comerciais, o OG SBT reforçou a sua posição de liderança, estando presente no VianaShopping, MadeiraShopping, Parque Atlântico (Açores) e na ampliação do CascaiShopping. A sua ligação à Sonae Imobiliária foi aprofundada no seguimento do primeiro fornecimento da divisão BAU de uma solução integrada de building automation para o VianaShopping. Ainda neste sector, refiram-se as contribuições nos projectos do Almada Fórum, Jumbo de Alverca, BelouraShopping e W Shopping - Santarém. Merecedora de realce foi ainda a actividade desenvolvida pela SBT no mercado angolano, onde conquistou já uma posição de liderança com presença em edifícios da Administração Pública, hotéis e instalações de clientes sedeados em Portugal. Relativamente ao futuro, a SBT pretende continuar a investir na Qualidade a todos os níveis, aliás na senda da revalidação pela norma ISO 9001:2000 alcançada em 2003 para as divisões FIS e SES e na obtenção da certificação para a divisão BAU. Procurando tirar partido das sinergias que a integração plena na Siemens, S.A. lhe facultará, a SBT propõe-se, para 2004, reforçar a sua posição de liderança através da fidelização dos clientes e de um maior aproveitamento das novas tecnologias de comunicação. Em 2003, a Bosch and Siemens Household (BSH) Electrodomésticos aprofundou a estratégia de fortalecimento da sua presença no segmento dos Electrodomésticos Integráveis, tendo assegurado o crescimento sustentado da marca graças à excelente aceitação que a nova séria de frigoríficos e combinados (Unicombi) mereceu do mercado. Mesmo tendo em conta a forte retracção verificada no mercado de electrodomésticos, superior à do ano transacto, o que provocou uma quebra de 13% no mercado de sell-in, a verdade é que a BSH conseguiu aumentar a sua quota de mercado, que pela primeira vez atingiu os dois dígitos e viu progredir todas as suas marcas presentes nos diferentes canais de venda. Líder incontestado de produtos inovadores na área dos Pequenos Electrodomésticos, a BSH continuou a introduzir no mercado produtos de elevada qualidade e baseados em novos conceitos, é o caso dos aspiradores dual filtration e das máquinas de café topo de gama, o que lhe permitiu um crescimento de dois dígitos no segmento de Consumer Products. A Osram continuou a aumentar o seu volume de vendas em Portugal durante o ano de 2003 na ordem dos 5%, o que lhe permitiu reforçar a sua posição no mercado de iluminação. Para além do trabalho de concepção e montagem dos sistemas de iluminação de seis dos dez estádios de futebol, onde se jogará o Euro 2004, a Osram beneficiou de algumas vantagens competitivas que lhe permitiram ultrapassar os nefastos efeitos da crise económica no sector da construção civil, um importante cliente do mercado de iluminação. Entre essas vantagens conta-se a excelente capacidade de resposta da empresa na satisfação das encomendas dos seus clientes, o que é feito em apenas 24 horas a partir do centro de distribuição ibérico localizado em Madrid. Como forma de tornear os efeitos da diminuição da procura por parte de novos projectos, a Osram apostou forte nos canais de venda do mercado de substituição e do consumidor final. Aproximadamente 70% das lâmpadas comercializadas destinam- -se à reposição em sistemas já existentes. Neste quadro, importa salientar o facto de a Osram ter conseguido um contrato de presença exclusiva dos seus produtos nas grandes superfícies comerciais da rede Makro, tendo também assegurado a comercialização dos seus aparelhos de iluminação nos hipermercados Continente da Sonae Distribuição. A Osram consolidou ainda o investimento feito em parceria com a Infineon no desenvolvimento da inovadora tecnologia LED s, tendo adquirido os 100% do negócio. Esta tecnologia tem um potencial de rendimento teórico (quantidade de luz por watt) muito superior a qualquer fonte de luz artificial conhecida até hoje, superando até as lâmpadas de vapor de sódio de baixa pressão. A Fujitsu Siemens Computers prosseguiu, em 2003, o esforço de concretização da sua estratégia em duas áreas fundamentais a Mobilidade e a Computação Crítica Empresarial com resultados positivos ao nível do crescimento da área de negócio de Enterprise Products, incluindo os serviços profissionais. De facto, a área empresarial constitui a grande aposta para o crescimento do volume de negócios, tendo já sido possível detectar alguns sintomas de retoma neste segmento ao longo dos últimos meses do ano. Entre os mais importantes projectos desenvolvidos pela empresa, salientam-se o fornecimento ao Ministério da Justiça de servidores para os tribunais: o projecto Campus Virtual, realizado pela UMIC Unidade de Missão para a Inovação e Conhecimento que tem como objectivo a instalação de redes sem fios nas Universidades; e o Projecto Venus, onde integrámos no portefólio de equipamentos e soluções a fornecer vários produtos Siemens, graças à cooperação estabelecida com os grupos operativos SBS e MED. Facto relevante registado neste exercício de 2003 foi ainda a homologação à Fujitsu Siemens Computers pela PT para aquisição de estações de trabalho, o que, sem dúvida, constitui uma mais-valia para o desenvolvimento de negócios futuros.

10 Relatório do Conselho de Administração 51 Actividade Fabril A Fábrica de Transformadores do Sabugo vive um acelerado processo de modernização tecnológica e de reestruturação em termos de gestão, o que lhe permitiu em 2003 aumentar os índices de produtividade e melhorar a qualidade dos produtos. Graças a esta excelente performance, foi possível enfrentar a crise do mercado com acréscimo do volume de negócios, especialmente no sector dos transformadores de potência, que chegou a conhecer um salto na produção de 35% em apenas cinco meses, para se fixar num aumento médio de 20% relativamente a Ainda no sector dos transformadores de potência, o objectivo para 2004 é continuar a crescer à média de 25% a 30% e de aumentar o volume das exportações de 60% para 80%, sendo que os mercados de destino continuarão a ser preferencialmente o europeu, com particular destaque para Espanha e Alemanha, e o do Norte de África. Quanto ao sector dos transformadores de distribuição, os efeitos da crise fizeram-se sentir de forma muito clara nos primeiros meses de 2003, não tendo sido possível recuperar totalmente na segunda metade do ano, apesar de alguns sinais positivos. De facto, se nos últimos meses a melhoria foi notória em termos de volume, já o mesmo não se poderá dizer relativamente aos preços, muito afectados pela crise e pela extrema competitividade existente nesta área. Daí que o futuro exija uma grande especialização dos produtos em função da localização geográfica dos mercados, o que implicará também uma redefinição da gama de potência dos transformadores de distribuição. Graças à introdução de novas tecnologias, equipamentos e métodos de gestão, a Fábrica de Quadros Eléctricos de Corroios logrou operar uma transformação profunda na sua produção em 2003, substituindo as antigas celas 8BK20/30, cujo fabrico foi transferido para a Siemens Turquia, pelas inovadoras celas NXAir, produtos que se podem classificar de topo de gama. Com 2300 celas NXAir produzidas em 2003, o que corresponde a um aumento de produtividade significativo relativamente ao ano anterior, esta unidade fabril exportou a quase totalidade da sua produção para o mercado europeu, com especial incidência para a Alemanha (indústria automóvel), Itália (centrais eléctricas) e países escandinavos (indústria do papel). Tirando partido do investimento realizado em recursos técnicos e humanos, a Fábrica de Corroios está hoje em condições de aumentar significativamente a sua capacidade produtiva, o que implica o estudo e conquista de novos mercados. Com este objectivo, o departamento de vendas tem estabelecido contactos com potenciais clientes noutras latitudes, merecendo especial realce o bom acolhimento que os produtos da gama NXAir estão a despertar em países como o Kuwait, Dubai ou Arábia Saudita. Embora a situação de instabilidade económica não aconselhe a produzir grandes vaticínios para 2004, importa dizer que a Fábrica de Quadros Eléctricos de Corroios está em condições de corresponder a um desejável aumento da procura. Resultados da Siemens, S.A. O valor da facturação de negócio próprio registou o montante de 499,4 milhões EUR, o que corresponde a um decréscimo de 16,4% em relação ao ano anterior. O resultado do exercício, antes do imposto sobre o rendimento, apresenta o montante de ,15 EUR, tendo sido efectuadas todas as amortizações e provisões que a Administração entendeu necessárias para cobertura de riscos previsíveis. Depois da dedução do valor para o imposto sobre o rendimento, colocamos à disposição da Assembleia Geral ,15 EUR para o que propomos a seguinte distribuição:.gratificações a colaboradores por aplicação de resultados: ,07 EUR.Resultados transitados: ,08 EUR Não existem dívidas em mora ao sector público estatal, incluindo Segurança Social. As contas foram objecto de auditoria pela firma internacional de auditores independentes KPMG, que emitiu parecer sem reservas. Evolução Previsível De acordo com as previsões do Banco Central Europeu, 2004 será um ano de recuperação da economia mundial. Bruxelas estima que a economia portuguesa cresça 1% no próximo ano. A retoma deverá registar um fortalecimento gradual no decurso de 2004, mas a mesma comporta graus de incerteza que não devem ser ignorados. A nível externo, a recuperação da actividade económica mundial deverá prosseguir, o que resultará num provável aumento da procura de exportações. O desempenho esperado para as exportações é justificado pelo maior ritmo de crescimento da procura externa relevante para o mercado português, sendo, contudo, parcialmente compensado pela forte aceleração das importações. A nível interno, as empresas continuam a desenvolver esforços de ajustamento, no sentido de melhorarem a produtividade e a rendibilidade. A informação qualitativa disponibilizada pelo INE, em Setembro, confirma os sinais de recuperação da produção nos principais ramos de actividade, assim como a inversão da tendência negativa da confiança empresarial. O surgimento de associações em 2003 como a COTEC Associação Empresarial para a Inovação da qual somos fundadores, demonstra a vontade congregada de um conjunto de empresas em impulsionar o nosso país nomeadamente a Inovação. É prova de que estamos empenhados em viabilizar projectos, cujo principal objectivo é acrescentar valor real a Portugal. Acreditamos num futuro positivo para Portugal.

11 52 Relatório e Contas 2003 Relatório do Conselho de Administração Considerações Finais As transferências do Grupo Siemens (*) para o Estado, no período de 1 de Outubro de 2002 a 30 de Setembro de 2003, ascenderam ao montante de 46,4 milhões EUR em impostos e de 25,8 milhões EUR para a Segurança Social, tendo as nossas vendas gerado 104,2 milhões EUR de IVA, o que perfaz um total de 176,4 milhões EUR para os cofres do Estado. A todos os colaboradores de todas as Unidades e Serviços internos e externos que contribuíram para o desenvolvimento da Empresa agradecemos a dedicação e o entusiasmo que demonstraram ao longo do ano. (*) O Grupo Siemens reúne, para efeitos deste relatório, os valores somados das empresas participadas pela Siemens em Portugal, independentemente da percentagem dessa participação. Amadora, 5 de Novembro de 2003 SIEMENS, S.A. O Conselho de Administração: Klaus Wucherer, Presidente Carlos Manuel de Melo Ribeiro, Administrador-Delegado Carlos Manuel Pequito de Almeida Sampaio Luís Miguel Couceiro Pizarro Beleza Manuel Joaquim Lopes Moura Mário Emanuel Herrmann Pais de Sousa Volker Erich Müller

12 Balanço da Siemens, S.A. 53 Balanço da Siemens, S.A. (valores em EUR) Activo Activo Amortizações Activo Bruto Provisões Líquido Imobilizado: Imobilizações corpóreas: Terrenos e recursos naturais , , ,41 Edifícios e outras construções , , , ,94 Equipamento básico , , , ,19 Equipamento de transporte , , , ,78 Ferramentas e utensílios , , , ,94 Ferramentas e utensílios , , , ,93 Outras imobilizações corpóreas , ,10 0,00 0,00 Imobilizações em curso , , , , , , ,78 Investimentos financeiros: Partes de capital em empresas do grupo , ,86 0,00 Títulos e outras aplicações financeiras , , , , , , , ,00 Circulante: Existências: Matérias-primas, subsidiárias e de consumo , , , ,32 Produtos e trabalhos em curso , , ,59 Produtos acabados e intermédios , , ,68 Mercadorias , , , ,09 Adiantamentos p/conta de compras , , , , , , ,93 Dívidas de terceiros a curto prazo: Clientes c/c , , , ,30 Clientes de cobrança duvidosa , , , ,00 Empresas do grupo , , ,70 Outros devedores , , , , , , , ,91 Depósitos bancários e caixa: Depósitos bancários , , ,54 Caixa , , , , , ,21 Acréscimos e diferimentos: Custos diferidos , , ,24 Total de amortizações ,81 Total de provisões ,14 Total do activo , , , ,07 O Técnico Oficial de Contas Mário Peiroteu Martins Baptista

13 54 Relatório e Contas 2003 Balanço da Siemens, S.A. Balanço da Siemens, S.A. (valores em EUR) Capital Próprio e Passivo Capital próprio: Capital , ,00 Prémios de emissão de acções , ,38 Reservas de reavaliação , ,86 Reservas: Reservas legais , ,00 Resultados transitados , ,00 Subtotal , ,24 Resultado líquido do exercício , ,56 Dividendos antecipados 0, ,33 Total do Capital Próprio , ,47 Passivo: Provisões p/ riscos e encargos: Outras provisões p/ riscos e encargos , ,40 Dívidas a terceiros a curto prazo: Dívidas a instituições de crédito 0, ,41 Fornecedores c/c , ,99 Fornecedores c/ facturas em recepção e conferência , ,73 Empresas do grupo , ,00 Fornecedores de imobilizado c/c , ,16 Adiantamentos de clientes , ,67 Estado e outros entes públicos , ,78 Outros credores , , , ,34 Acréscimos e diferimentos: Acréscimos de custos , ,76 Proveitos diferidos , , , ,86 Total do Passivo , ,60 Total do Capital Próprio e do Passivo , ,07 O Conselho de Administração

14 Demonstração dos Resultados do Exercício da Siemens, S.A. 55 Demonstração dos Resultados do Exercício de 01/10/02 a 30/09/2003 (valores em EUR) Custos e Perdas a a Custo das mercadorias vendidas e matérias consumidas Mercadorias , ,13 Matérias , , , ,68 Fornecimentos e serviços externos , ,04 Custos com o pessoal Remunerações , ,08 Encargos sociais Pensões , ,46 Outros , , , ,86 Amortizações do imobilizado corpóreo e incorpóreo , ,25 Provisões , , , ,33 Impostos , ,35 Outros custos e perdas operacionais , , , ,75 (A) , ,66 Juros e custos similares Relativos a empresas do grupo , ,02 Outros , , , ,08 (C) , ,74 Custos e perdas extraordinários , ,80 (E) , ,54 Imposto sobre o rendimento , ,00 (G) , ,54 Resultado líquido do exercício , , , ,10 Resumo Resultados operacionais (B-A) , ,21 Resultados financeiros (D-B)-(C-A) , ,92 Resultados correntes (D-C) , ,13 Resultados antes de impostos (F-E) , ,56 Resultado líquido do exercício (F-G) , ,56 O Técnico Oficial de Contas Mário Peiroteu Martins Baptista

15 56 Relatório e Contas 2003 Demonstração dos Resultados do Exercício da Siemens, S.A. Demonstração dos Resultados do Exercício de 01/10/02 a 30/09/2003 (valores em EUR) Proveitos e Ganhos a a Vendas Mercadorias , ,42 Produtos , ,20 Prestações de serviços , , , ,31 Variação da produção , ,62 Trabalhos para a própria empresa , ,74 Proveitos suplementares , ,52 Subsídios à exploração , ,92 (B) , ,87 Rendimentos de participações de capital 0, ,16 Rendimentos de outras aplicações financeiras Outros , ,92 Outros juros e proveitos similares Relativos a empresas do grupo , ,09 Outros , , , ,00 (D) , ,87 Proveitos e ganhos extraordinários , ,23 (F) , ,10 O Conselho de Administração

16 Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados da Siemens, S.A. 57 Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados da Siemens, S.A. Exercício de 1 de Outubro de 2002 a 30 de Setembro de A Siemens, S.A. é uma sociedade anónima de direito português que tem como principal objecto o fabrico, desenvolvimento, reparação, aquisição e venda de produtos, pertencentes especialmente às áreas das telecomunicações, electrotecnia e electrónica. De harmonia com a autorização superiormente concedida, o ano social da sociedade é o correspondente ao período de 1 de Outubro a 30 de Setembro. As demonstrações financeiras foram elaboradas em concordância com o princípio contabilístico do custo histórico, com excepção do imobilizado, o qual se encontra influenciado pelas reavaliações legalmente autorizadas e de acordo com os princípios contabilísticos geralmente aceites em Portugal. 2. O aumento na rubrica do Balanço Investimentos financeiros, refere-se à aquisição da totalidade das quotas da sociedade Siemens Building Technologies, Engenharia de Segurança e Automação, Lda. No exercício foi utilizado o método da equivalência patrimonial. Esta empresa será fusionada na Siemens, S.A., mediante transferência global do seu património, com efeitos a partir de 1 de Outubro de Os critérios valorimétricos adoptados foram os estabelecidos no Capítulo 5 do Plano Oficial de Contabilidade: a) Dívidas de e a terceiros Os valores activos e passivos em moeda estrangeira são apresentados em EUR às taxas de câmbios em vigor à data do Balanço. As diferenças de câmbio realizadas e não realizadas estão consideradas no resultado do exercício. b) Existências As existências de mercadorias e de matérias-primas, subsidiárias e de consumo são valorizadas ao custo médio de aquisição, o qual inclui os gastos suportados para colocação no local de armazenagem. Os produtos e trabalhos em curso estão valorizados ao custo directo, composto por materiais, mão-de-obra e despesas. Os produtos acabados e intermédios estão valorizados ao custo de produção. c) Imobilizações Todas as imobilizações são registadas ao custo de aquisição ou fabricação, acrescido dos gastos de instalação e reavaliadas ao abrigo dos diversos diplomas legais. Os bens de desgaste rápido e as reparações que não aumentam a vida útil dos bens são considerados como custo no exercício em que ocorrem. As reintegrações são calculadas sobre o custo ou o valor reavaliado, sendo utilizado o método das quotas constantes. As taxas aplicadas são as autorizadas pelas autoridades fiscais e encontram-se dentro dos limites previstos para a vida útil estimada dos bens. Nas Partes de capital em empresas do grupo foi utilizado o método da equivalência patrimonial e os Títulos e outras aplicações financeiras estão valorizados ao custo de aquisição. d) Provisões A empresa reconhece os proveitos relativos a vendas de produtos quando os mesmos são entregues e facturados aos clientes. Para além da provisão para custos com garantia, apurada de acordo com critérios baseados na experiência técnica, a empresa mantém em proveitos diferidos 5% do total da facturação emitida relativa às obras de carácter plurianual, para as quais ainda não existe documento de recepção assinado pelo cliente, nos termos do artigo 10º da circular nº 5/90 da D.G.C.I. As provisões para depreciação de existências e para cobrança duvidosa são consideradas suficientes para cobrir no futuro os eventuais prejuízos que poderão ocorrer da desvalorização e obsolescência técnica das mesmas, bem como possíveis perdas de créditos a receber. As outras provisões para riscos e encargos são constituídas para cobrir prováveis custos futuros. 4. As cotações utilizadas para conversão da moeda estrangeira em EUR foram as fixadas oficialmente à data do Balanço.

17 58 Relatório e Contas 2003 Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados da Siemens, S.A. 6. Impostos: 1. Reconciliação do imposto do exercício e do imposto corrente: (valores em milhares de EUR) Total Operações na D.R. Reavaliação I. Imposto do exercício II. Gastos (proveitos) de impostos do exercício reconhecidos neste exercício e anteriormente reconhecidos como impostos diferidos provenientes de: 2. Impostos diferidos p/ reversão de diferenças temporárias Imposto diferido relativo à realização da reserva de reavaliação de imobilizações III. Gastos (proveitos) de impostos não reconhecidos anteriormente como impostos diferidos 5. Impostos diferidos com origem em diferenças temporárias IV. Imposto diferido V. Imposto corrente Decomposição dos Activos e Passivos por impostos diferidos por tipo de diferença à data do Balanço: (valores em milhares de EUR) Descrição Total Operações na D.R. Reavaliação Diferenças temporárias que originam Activos por impostos diferidos Proveitos não aceites fiscalmente Total I Diferenças temporárias que originam Passivos por impostos diferidos Reavaliação de activos imobilizados Diferimento de tributação de mais-valias Total II Valores reflectidos no balanço Activos por impostos diferidos Passivos por impostos diferidos O número médio de pessoas ao serviço da empresa no exercício foi de empregados e 533 assalariados.

18 Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados da Siemens, S.A Movimento das contas de imobilizado: ACTIVO BRUTO (valores em EUR) Rubricas Saldo inicial Aumentos Alienações Transferências/ Saldo final Abates Imobilizações Incorpóreas Despesas de instalação Imobilizações Corpóreas Terrenos e recursos naturais Edifícios e outras construções Equipamento básico Equipamento de transporte Ferramentas e utensílios Equipamento administrativo Outras imobilizações corpóreas Imobilizações em curso Investimentos Financeiros Partes de capital em empresas do grupo Títulos e outras aplicações financeiras AMORTIZAÇÕES E PROVISÕES (valores em EUR) Rubricas Saldo inicial Reforço Regularizações Saldo final Imobilizações Incorpóreas Despesas de instalação Imobilizações Corpóreas Terrenos e recursos naturais Edifícios e outras construções Equipamento básico Equipamento de transporte Ferramentas e utensílios Equipamento administrativo Outras imobilizaçoes corpóreas Investimentos Financeiros Títulos e outras aplicações financeiras Não foram capitalizados quaisquer custos financeiros nas imobilizações. 12. As imobilizações corpóreas foram reavaliadas ao abrigo dos Decretos-Lei nºs 430/78, 219/82, 399-G/84, 118-B/86, 111/88, 49/91, 264/92 e 31/98.

19 60 Relatório e Contas 2003 Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados da Siemens, S.A. 13. Descrição das reavaliações: (valores em EUR) Rubricas Custos históricos Reavaliações Valores contabilísticos reavaliados Imobilizações Corpóreas Terrenos e recursos naturais Edifícios e outras construções Equipamento básico Equipamento de transporte Ferramentas e utensílios Equipamento administrativo Investimentos Financeiros Investimentos em imóveis Relativamente às imobilizações corpóreas e em curso: a) O valor global das imobilizações da actividade industrial é de EUR e da actividade comercial de EUR; b) Não existem quaisquer custos financeiros capitalizados. 16. Empresas do grupo: A empresa é detida a 100% pela Siemens International Holding B.V., com sede em Haia, Holanda. 22. O valor das existências em trânsito era de EUR. 23. Valor global das dívidas de cobrança duvidosa incluídas nas rubricas de Balanço: Clientes. Créditos em contencioso EUR. Créditos em mora EUR 24. O valor dos empréstimos concedidos ao Conselho de Administração era de EUR, já deduzido dos reembolsos de EUR, sendo aplicada a taxa de juro de 2% idêntica para todos os colaboradores da empresa. 25. O valor das dívidas activas respeitantes ao pessoal é de EUR. 28. Não existem dívidas em mora incluídas na conta Estado e outros entes públicos. 31. A empresa tem constituída uma apólice de seguro relativo a um plano de pensões de reforma, cuja situação à data de balanço é:. Responsabilidade por serviços passados: EUR. Responsabilidade financiada em EUR O valor da responsabilidade por serviços passados foi calculado pela elaboração de um estudo actuarial, efectuado por uma entidade externa à Siemens, à data de referência do Balanço. 32. Responsabilidades da empresa por garantias prestadas: a) Garantias bancárias prestadas a clientes: EUR b) Fianças alfandegárias: EUR

20 Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados da Siemens, S.A Movimento de provisões: (valores em EUR) Contas Saldo inicial Aumentos Reduções Saldo final Provisões para cobranças duvidosas Clientes c/c e títulos a receber Clientes de cobrança duvidosa Outros devedores Provisões para riscos e encargos Outros Provisão para depreciação de existências Matérias-primas, subsidiárias e de consumo Produtos e trabalhos em curso Produtos acabados e intermédios Mercadorias Provisão para investimentos financeiros Outras aplicações financeiras O capital social é representado por de acções nominativas de 5 EUR cada. 37. A Siemens International Holding, B.V. possui a totalidade do capital social. 39. Reserva de reavaliação: Valor original: Movimento por apuramento de impostos diferidos anos anteriores: Movimento por apuramento de impostos diferidos ano corrente: Saldo no termo do exercício: EUR EUR EUR EUR 40. Movimento do exercício das rubricas de capitais próprios constantes do Balanço: (valores em EUR) Saldo inicial Aumento Diminuição Saldo final Capital Prémios de emissão de acções Reservas legais Reservas de reavaliação Resultados transitados Resultados líquidos Dividendos antecipados Custo das mercadorias vendidas e das matérias consumidas: Mercadorias (valores em EUR) Matérias Primas, Subsidiárias e de Consumo Existência inicial Compras Regularização de existências Existências finais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS A Penafiel Verde, E.M. é uma empresa municipal, com sede em Penafiel, constituída em Maio de 2006 e que tem como actividades principais a gestão e exploração

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Código das contas POCMS Imobilizado ACTIVO Exercícios AB AP AL AL Bens de domínio público: 451 Terrenos e Recursos naturais 452 Edifícios 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CONTAS ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PARAQUEDISMO RUA DA UNIDADE, 9 7000-719

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Designação da Entidade: CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2006 8.2.1 Não se aplica. 8.2.2 Os conteúdos das contas

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 1. Indicação e justificação das disposições do POC que, em casos excepcionais, tenham sido derrogadas e dos respectivos efeitos nas demonstrações financeiras,

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31 00 - Introdução a) Objecto social e identificação da Empresa HABECE Cooperativa de Habitação e Construção de Cedofeita, Crl., tem por objecto a construção ou a sua promoção e a aquisição de fogos para

Leia mais

Acompanhamento e Avaliação dos Hospitais SA em 2003 / 2004

Acompanhamento e Avaliação dos Hospitais SA em 2003 / 2004 Acompanhamento e Avaliação dos Hospitais SA em 2003 / 2004 A Empresarialização dos Hospitais 28.06.2005 Índice 1. Introdução 2. Situação Económica e Financeira em 2003 e 2004 Rede SA 3. Produção Hospitalar

Leia mais

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A.

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A. Balanço Em 31 de Dezembro de 2006 ACTIVO Notas Caixa e disponibilidades no Banco Central 5 204 460 2 547 Disponibilidades sobre instituições de crédito 6 2 847 256 35 474 Créditos sobre clientes 7 75 154

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado:

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado: PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 Imobilizado: ACTIVO AB AA AL AL Imobilizações incorpóreas: Despesas de Instalação... 770,64 770,64 Despesas de investigação e de desenvolvimento... Propriedade industrial

Leia mais

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Nota Introdutória A Manuel Rodrigues Gouveia, S.A. ( MRG ou Empresa ) tem sede em Seia, foi constituída em 1977 e tem como actividade principal a Construção Civil

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação;

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação; 14.5 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS I - Informações relativas às empresas incluídas na consolidação e a outras 1. Relativamente às empresas incluídas na consolidação a)

Leia mais

Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados

Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Introdução EXERCÍCIO DE 2009 A Empresa «ANTONIO MARQUES, CORRETOR DE SEGUROS EIRL» tem sede na Rua António José Baptista, n.º 16 2.º Dto., em Setúbal, foi

Leia mais

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ASSOCIAÇÃO POPULAR DE PAÇO DE ARCOS Rua Carlos Bonvalot, Nº 4 Paço de Arcos Contribuinte nº 501 238 840 NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE:

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Polis Litoral Ria Aveiro das ACTIVO BALANÇO ANALÍTICO Dezembro 09 Dezembro 08 ACTIVO BRUTO AMORT. E AJUST. ACTIVO LIQUIDO ACTIVO LIQUIDO IMOBILIZADO Imobilizações Incorpóreas

Leia mais

ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO

ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Imobilizado ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Capital Próprio Imobilizações Incorpóreas 0,00 Capital 49.879,79 49.879,79 0,00 Imobilizações

Leia mais

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS NOTA INTRODUTÓRIA A Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiro (Lei das Finanças Locais), dispõe no seu Artigo 46.º o seguinte: «1 - Sem prejuízo dos documentos

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 30 de Junho de 2005 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição:

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição: 8.2 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados As demonstrações financeiras relativas ao exercício de 2012, foram preparadas de acordo com os princípios contabilístico fundamentais previstos no POCAL

Leia mais

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas 1- INTRODUÇÃO A lei das Finanças Locais (Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiros) veio determinar a obrigatoriedade da consolidação de contas para os Municípios que detenham serviços municipalizados e/ou a totalidade

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I Aprova o Código de Contas para Microentidades O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria

Leia mais

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19.1. INFORMAÇÕES RELATIVAS ÀS ENTIDADES INCLUÍDAS NA CONSOLIDAÇÃO a) O perímetro de consolidação do Município de Pombal integra as seguintes entidades:

Leia mais

RELATÓRIO FIM DE ATIVIDADE e CONTAS 2015

RELATÓRIO FIM DE ATIVIDADE e CONTAS 2015 Relatório de gestão do ano de 2015 1 RELATÓRIO FIM DE ATIVIDADE e CONTAS 2015 Relatório Fim de Atividade e Contas 2015 ÍNDICE Pág. 1. Introdução 3 2. Recursos Humanos 5 3. Análise Económica e Financeira

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS relativo às contas individuais do exercício de dois mil e quatro, do Conselho Geral da Ordem dos Advogados, pessoa colectiva de direito público nº 500 965

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. Exercício 2010

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. Exercício 2010 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Exercício 2010 NOTA INTRODUTÓRIA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO é uma instituição de utilidade pública, sem fins lucrativos, com sede em Lisboa na Rua Luís Derouet

Leia mais

Instrumentos de Gestão Previsional

Instrumentos de Gestão Previsional Instrumentos de Gestão Previsional Ano 2012 Relatório 1.Introdução Dando cumprimento ao artigo 40º da Lei 53-F/2006 de 29 de Dezembro, a Empresa Municipal, TEGEC Trancoso Eventos, EEM, vem apresentar os

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8.2 - NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excecionais, devidamente fundamentados e sem

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria do membro

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I)

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) Ano de 2007 CC ÂÂMM AARR AA MM UU NN I IICC IIPP I AALL DD EE GG OONN DD OOMM AARR R EE LL AA TT ÓÓ RR II IOO EE C OO NN TT AA SS / 22

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2011 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados 1. Relativo às contas individuais do exercício de dois mil e sete, do Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados, pessoa colectiva de direito público

Leia mais

NEXPONOR. 30/06/2014 Relatório de gestão 1º semestre 2014

NEXPONOR. 30/06/2014 Relatório de gestão 1º semestre 2014 NEXPONOR 30/06/2014 Relatório de gestão 1º semestre 2014 A NEXPONOR Sociedade Especial de Investimento Imobiliário de Capital Fixo SICAFI, S.A. foi constituída em Maio de 2013 centrando-se a sua atividade

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais de 55,8 milhões EBITDA de 3,1 milhões Margem EBITDA de 5,6% EBIT de 0,54 milhões Resultado Líquido negativo

Leia mais

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009 Folha de cálculo para Plano de Negócios 7 de Novembro 2009 9 de Novembro de 2009 Modelo 9 de Novembro de 2009 2 Objectivos ferramenta Disponibilizar uma ferramenta que possibilite a um empreendedor efectuar

Leia mais

AB AP AL AL 2013 2013 2013 2012

AB AP AL AL 2013 2013 2013 2012 Balanço - Activo Dados atuais 23.04.2014 13:48:11 Organismo: 1012 ADSE Página: 1 Exercício:2013 Emissão:23.04.2014 13:48:17 Balanço - Activo Activo Imobilizado Bens de domínio público: 451 Terrenos e recursos

Leia mais

Interhotel Sociedade Internacional de Hotéis, S.A.

Interhotel Sociedade Internacional de Hotéis, S.A. Interhotel Sociedade Internacional de Hotéis, S.A. Sociedade Aberta Rua Misericórdia, 12 a 20, Piso 3, Esc. 7 1200-273 Lisboa Capital Social: 34.719.990,86 Euros Registada na Conservatória do Registo Comercial

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2010 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 2.1 Referencial

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 31 de Dezembro de 2006 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

PROJECTO DE FUSÃO. Marinha Grande, 24 de Abril de 2007

PROJECTO DE FUSÃO. Marinha Grande, 24 de Abril de 2007 Este documento, apresentado como Modelo de Projecto de Fusão, resulta de um caso (processo de fusão) real. Na conjuntura actual, em que as entidades empresariais cada vez mais encaram processos de reorganização

Leia mais

Existências. Provisões para cobrança duvidosa

Existências. Provisões para cobrança duvidosa 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA As demonstrações financeiras anexas foram preparadas com base nos livros e registos contabilísticos da ESHTE mantidos em conformidade com

Leia mais

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2010 2011 RECEITA Crescimento da Receita Total 19,8 3,7 Receitas Correntes / Receita Total 61 67,2 Crescimento das

Leia mais

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA 31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA A demonstração de fluxos de caixa é um mapa de fluxos que releva a entradas e as saídas de caixa, durante um exercício. A Demonstração de fluxos de caixa é estruturada

Leia mais

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira 18 de Maio de 2011 1 Modelo de análise económico-financeira 2 Modelo de análise económico-financeira

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA Exame Época Normal 04 de Julho de 0 Duração: H 00M Deve identificar-se nesta folha de prova, indicando o nome completo, número de matrícula e turma em que se encontra inscrito(a). As opções de resposta

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Portaria n.º 1011/2009 de 9 de Setembro O Decreto -Lei n.º 158/2009, de 13 de Julho,

Leia mais

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte:

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: 3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO CONSIDERAÇÕES GERAIS Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: Tomar como referência o código de contas constante do POC e proceder apenas às alterações

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2012 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Nota introdutória As demonstrações financeiras relativas ao exercício, foram preparadas de acordo com os princípios contabilísticos geralmente aceites previstos

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS CONTABILIDADE GERAL I III - CADERNO DE EXERCÍCIOS Terceiros e Antecipações Exercício 17 A empresa

Leia mais

PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO

PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO Título do projecto: Nome do responsável: Contacto telefónico Email: 1.1. Descrição sumária da Ideia de Negócio e suas características inovadoras (Descreva

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.063 NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Proveitos Operacionais de 60,8 milhões de euros (+ 8,1%) EBITDA de 5,6 milhões de euros (+ 11,1%) Margem EBITDA 9,2% (vs. 8,9%) Resultado

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 NOTA INTRODUTÓRIA A RUMO 2020, E.M. é uma empresa pública de âmbito municipal constituída em 16 de Outubro de 2006. Tem a sua

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS Introdução Os Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa são uma associação de direito privado, sem fins lucrativos, constituída por escritura pública

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 2ª Frequência. Responda a cada grupo em folha separada

CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 2ª Frequência. Responda a cada grupo em folha separada CONTABILIDADE FINANCEIRA II Equipa Docente: Data: 8 de Janeiro de 2008 Cristina Neto de Carvalho Duração: 2 horas Sofia Pereira 2ª Frequência Responda a cada grupo em folha separada A Ibersol tem como

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2009 RECEITA Crescimento da Receita Total -18,8 19,8 Receitas Correntes / Receitas Totais 76,1 61 Crescimento das Receitas Correntes

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014 NOTA 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE: 1.1. Designação da entidade INSTITUTO PROFISSIONAL DO TERÇO 1.2. Sede PRAÇA MARQUÊS DO POMBAL, 103 4000 391 PORTO 1.3. NIPC 500836256 1.4. - Natureza da actividade CAE

Leia mais

Anexo às Demonstrações Financeiras - ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Prefabricação em Betão ANEXO

Anexo às Demonstrações Financeiras - ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Prefabricação em Betão ANEXO ANEXO IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE Designação ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Morada Rua Dona Filipa de Vilhena, Nº 9-2.º Direito Código postal 1000-134 Localidade LISBOA DADOS DA ENTIDADE

Leia mais

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 ANEXO Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1 - Identificação de entidade: 1.1- Designação da entidade: GATO - Grupo de Ajuda a Toxicodependentes

Leia mais

RELATÓRIO INSTRUMENTOS PREVISIONAIS VARZIM

RELATÓRIO INSTRUMENTOS PREVISIONAIS VARZIM 2012 RELATÓRIO INSTRUMENTOS PREVISIONAIS VARZIM LAZEREEM 1 - Introdução 2 - Análise dos Documentos Previsionais 2.1 - Plano Plurianual de Investimentos 2.2 - Orçamento Anual de Exploração 2.3 - Demonstração

Leia mais

1 - Identificação da entidade

1 - Identificação da entidade ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2014 ATAS Apartamentos Turísticos Amorim Santos, Lda 1 - Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade: Apartamentos Turísticos Amorim

Leia mais

Resultados 1ºTrimestre 2009

Resultados 1ºTrimestre 2009 Informação Privilegiada Resultados 1ºTrimestre 2009 Estabilidade de Resultados Operacionais As contas apresentadas são não auditadas, consolidadas e reportadas em International Financial Reporting Standards

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEFIR ANGOLA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEFIR ANGOLA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2012 1 - Actividade 1.1 Breve descrição das actividades da empresa ÍNDICE 2 - Bases de preparação das demonstrações financeiras e derrogações 2.1 Bases de apresentação

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2013 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

MAPAS FISCAIS DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANALÍTICA EXERCICIOS 2009 2008. Custos e perdas

MAPAS FISCAIS DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANALÍTICA EXERCICIOS 2009 2008. Custos e perdas MAPAS FISCAIS DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANALÍTICA Contas POC Descricao Custos e perdas EXERCICIOS 2009 2008 Custo mercadorias vendidas mater.consu 611+612 Mercadorias 62,08 31,56 616a619 Materias 62,08

Leia mais

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Senhores Accionistas, De acordo com o disposto na Lei e nos Estatutos, vem o Conselho de Administração apresentar o seu Relatório de Gestão, o Balanço e Contas, bem

Leia mais

RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL

RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL 2015 RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL EM 1 - Introdução 2 - Análise dos Documentos Previsionais 2.1 - Plano Plurianual de Investimentos 2.2 - Orçamento Anual de Exploração 2.3. Demonstração

Leia mais

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal.

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Montantes expressos em euros) 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da Entidade Casfig Coordenação de âmbito social

Leia mais

R E L A T Ó R I O E C O N T A D E G E R Ê N C I A 2 0 0 8

R E L A T Ó R I O E C O N T A D E G E R Ê N C I A 2 0 0 8 R E L A T Ó R I O E C O N T A D E G E R Ê N C I A 2 0 0 8 índice Índice (numeração conforme a indicação no POCAL) índice... 2 5 - Balanço... 3 6 Demonstração de Resultados... 9 7 Mapas de Execução Orçamental...

Leia mais

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas Nome: Nº do BI/ Passaporte Duração: 2 horas Leia atentamente as questões. Depois, coloque no quadradinho que fica na parte superior direito de cada questão, a alínea correspondente à melhor resposta. Se

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014

DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014 DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014 VIZELA Câmara Municipal VIZELA INDÍCE MENSAGEM DO PRESIDENTE 1 BALANÇO (PONTO 5 DO POCAL) - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Leia mais

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D. João I, 28, Porto Mat. CRC do Porto: 40.043 NIPC: 501.525.882 Capital Social Registado: 3.257.400.827 Euros COMUNICADO Resultados Consolidados

Leia mais

CARES - Companhia de Seguros, S.A.

CARES - Companhia de Seguros, S.A. CARES - Companhia de Seguros, S.A. Relatório e Contas 2007 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas CARES 2007 Índice 2 Índice 3 4 8 14 49 58 Órgãos Sociais Relatório do Conselho de Administração

Leia mais

O Activo Imobilizado e aumentos patrimoniais contabilizados no exercício de 2012 foram valorizados ao custo de aquisição ou produção.

O Activo Imobilizado e aumentos patrimoniais contabilizados no exercício de 2012 foram valorizados ao custo de aquisição ou produção. 8 ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8.2 - NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS (Mapa n.º 13 do Tribunal de Contas Código Pocal 8.2) 82.1 Indicação e justificação de disposições do POCAL derrogadas

Leia mais

Estatísticas de Seguros

Estatísticas de Seguros Estatísticas de Seguros 2009 Autoridade de Supervisão da Actividade Seguradora e de Fundos de Pensões Autorité de Contrôle des Assurances et des Fonds de Pensions du Portugal Portuguese Insurance and Pension

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas

UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas C O M P I L A Ç Ã O D E M A T E R I A I S Conteúdo programático Código das contas Meios Financeiros Líquidos Contas a receber e a pagar

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/2009

Contabilidade Financeira II 2008/2009 Contabilidade Financeira II 2008/2009 Capital Próprio CAPITAL PRÓPRIO Conceitos Gerais Aplicação de resultados Valor nominal, contabilístico e de mercado Demonstração das Alterações do C.P. Aumentos de

Leia mais

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA IES DECLARAÇÃO ANUAL IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA (ENTIDADES RESIDENTES QUE EXERCEM, A TÍTULO PRINCIPAL, ACTIVIDADE COMERCIAL, INDUSTRIAL OU AGRÍCOLA E ENTIDADES NÃO RESIDENTES COM ESTABELECIMENTO

Leia mais

Ministério da Saúde IGIF Instituto de Gestão Informática e Financeira da Saúde

Ministério da Saúde IGIF Instituto de Gestão Informática e Financeira da Saúde Ministério da Saúde IGIF Instituto de Gestão Informática e Financeira da Saúde ! " # $ % & '(# ) * + (, -& -*.- & - (+ * - ) /////////////////////////////////////////////////////////////////////// 01.")

Leia mais

SONAE REFORÇA VENDAS E INTERNACIONALIZAÇÃO

SONAE REFORÇA VENDAS E INTERNACIONALIZAÇÃO Maia, 11 de março de 2015 Reforço de posições de liderança em Portugal, internacionalização e compromisso com famílias em 2014 SONAE REFORÇA VENDAS E INTERNACIONALIZAÇÃO 1. PRINCIPAIS DESTAQUES DE 2014:

Leia mais