A DOMÓTICA COMO INSTRUMENTO PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DOS PORTADORES DE DEFICIÊNCIA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A DOMÓTICA COMO INSTRUMENTO PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DOS PORTADORES DE DEFICIÊNCIA."

Transcrição

1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA. DIRETORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE ENSINO SUPERIOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL A DOMÓTICA COMO INSTRUMENTO PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DOS PORTADORES DE DEFICIÊNCIA. Victor Zago Gomes Ferreira João Pessoa, PB. 2010

2 Victor Zago Gomes Ferreira. A DOMÓTICA COMO INSTRUMENTO PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DOS PORTADORES DE DEFICIÊNCIA. Trabalho de conclusão de curso submetido à Coordenação do Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnológica da Paraíba, como parte dos requisitos para a obtenção do grau de Tecnólogo em Automação Industrial. Orientador: Prof. Antônio S. de Oliveira Jr, Dr. João Pessoa, PB II

3 A DOMÓTICA COMO INSTRUMENTO PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DOS PORTADORES DE DEFICIÊNCIA. TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Victor Zago Gomes Ferreira Trabalho aprovado em: 22 de Dezembro de Banca Examinadora: Prof. Antônio Soares De Oliveira Júnior, Dr., IFPB. Professor Orientador Prof. Otávio Seixas Gadelha, IFPB Membro Prof. Robério Paredes Moreira Filho, IFPB Membro João Pessoa, PB III

4 Dedicatória À minha mãe, que acreditou em mim quando nem mesmo eu acreditei, dispensando tempo precioso de seu descanso para me ajudar no desenvolvimento deste trabalho. IV

5 Agradecimentos À Deus, por tudo; Ao Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnológia da Paraíba; Ao orientador Prof. Dr. Antônio Soares De Oliveira Júnior pelo acompanhamento pontual e competente; Aos membros da banca pela orientação sincera e objetiva; Aos demais professores e colaboradores do Curso de Tecnologia em Automação Industrial do IFPB; A todos que de uma maneira ou outra contribuíram para a realização deste trabalho. V

6 RESUMO Com o objetivo de propor a aplicação da domótica como instrumento de facilitação da vida cotidiana de pessoas portadoras de paraplegia, o presente trabalho idealiza e descreve um sistema simplificado de automatização de uma residência adaptada às necessidades especiais do público alvo. Utilizando-se da integração e uso simultâneo da eletricidade, eletrônica, informática e telecomunicações, o sistema prevê o emprego de um Controle Universal, que por intermédio de um protocolo de comunicação é capaz de operar a iluminação, persianas, circuito interno de televisão, som, vídeo, controle de vazamento de agua e gás e controle de acesso da residência, por meio de comandos remotos disponíveis em uma Tela Home, sem a necessidade de locomoção do operador. Palavras chaves: Domótica, Paraplegia, Controle Universal. VI

7 ABSTRACT Aiming to propose the use of home automation as a tool for facilitating the daily life of people with paraplegic, this paper describes an idealized and simplified system for automating a residence adapted to the special needs of the target audience. Using integration and concurrent use of electricity, electronics, computers and telecommunications, the system contemplates the use of a Universal Control, which through a communication protocol is able to operate lighting, shutters, CCTV, sound, video, and leakage control and access water and gas control of the residence, through remote commands available in a Home Screen, without the need for travel operator. Keywords: Domotic, Paraplegic, Universal Control VII

8 LISTA DE FIGURAS Figura 1- Áreas da domótica... 5 Figura 2 - Planta Original... 8 Figura 3 - Planta com Espaços Revisados Figura 4 - Detalhe do banheiro - Cotas em acordo com NBR Figura 5 - Detalhamento do automatização Figura 6 - Representação da lógica de controle adotada Figura 7 - Regiões Mais Adotados Figura 8 - X-10 Princípio de Funcionamento Figura 9 - Sequenciamento de uma palavra X Figura 10 - X-10 Passos do Sequenciamento de Código e Função Figura 11 - CEBus - Comunicação entre Mídias Figura 12 - Esquema Demonstrativo da Conexão Figura 13 - L5 Remote Figura 14 - Controle Touch-Screen Figura 15- Tela Home Figura 16 Tela de Controle de Luz Figura 17 - Tela Controle de Persianas Figura 18 - Tela Controle de CFTV... 25

9 LISTA DE ABREVEAÇÕES E SIMBOLOS AC Alternate Current (Corrente Alternada) BACNET bps CEBUS CFTV Building Automation and Control NETworks Bits por segundo Protocolo de Comunicação baseado em infra vermelho Circuito Interno de Televisão DC Direct Current (Corrente Continua) EIB ETHERNET FIREWIRE Hz IBGE IRDA LCD kbps khz PROFIBUS RDSI TCP/IP TOKEN RING UPnP V European Installation Bus Tecnologia de interconexão para redes locais Interface serial para computadores pessoais Hertz Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica Infrared Data Association Personal digital assistants Kilobits Por segundo Kilohertz Process Field Bus Rede Digital Integrada de Serviços Conjunto de protocolos de comunicação entre computadores Protocolo de redes que opera na camada física da rede Universal Plug and Play Volts X-10 Protocolo de Comunicação

10 SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO E PROBLEMATIZAÇÃO OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos JUSTIFICATIVA... 3 CAPÍTULO 2 - DESENVOLVIMENTO ENTENDENDO A DOMÓTICA Princípios da Domótica História da Domótica... 6 CAPÍTULO 3 APLICAÇÃO AMBIENTE RESIDENCIAL ADAPTADO DETALHAMENTO DO SISTEMA Controle de Iluminação Controle das Persianas Controle de Circuito Interno de Televisão Controle de Som e video Controle e Monitoramento de Vazamentos Controle do Acesso Residência PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO Sistema X CEBUS UPnP - Universal Plug and Play EIB - European Instalation Bus SMART House - Casa Inteligente CONTROLE UNIVERSAL CAPÍTULO 4 OPERACIONALIZAÇÃO DO SISTEMA PROPOSTO INTERFACES DO CONTROLE CONTROLE DE LUZES CONTROLE DE PERSIANAS... 25

11 4.4 - CONTROLE DE CIRCUITO INTERNO DE TELEVISÃO CONTROLE DE SOM E VIDEO CAPÍTULO 5 - CONCLUSÕES REFERENCIAS BILIOGRÁFICAS... 28

12 1 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.1. CONTEXTUALIZAÇÃO E PROBLEMATIZAÇÃO A utilização de automação industrial permitiu a uniformidade, a padronização e a flexibilização da produção. Atualmente, a automação está sendo usada dentro do ambiente domestico para melhorar a qualidade de vida das pessoas. Os recursos tecnológicos disponíveis, ou em fase de desenvolvimento, abrem espaço para uma nova vertente de estudos e aplicações da automação para o nível dos edifícios e residências, apresentando-se desde as suas versões mais simplificadas como a automação residencial ou edifício inteligente, até as mais complexas como a domótica 1. O conceito de domótica, introduzido na França nos anos 1980, refere-se à integração de diversas tecnologias no ambiente doméstico mediante o uso simultâneo de eletricidade, eletrônica, informática e telecomunicações, buscando como resultado melhorar aspectos como segurança, conforto, flexibilidade de uso dos espaços, e, consequentemente, a qualidade de vida de seus moradores. Fechar a porta, acender a luz, abrir as persianas da sala, ligar e desligar o micro-ondas, o condicionador de ar, o DVD ou o aparelho de som, são apenas algumas facilidades que podem ser conseguidas com um simples toque de um botão que, programado, agrupa várias tarefas a serem realizadas em um mesmo ambiente automatizado. Chamusca (2006) explica que no mercado imobiliário, a domótica constitui-se num campo promissor e tem duas vertentes fundamentais: a do ponto de vista do cliente final que procura soluções urgentes para seus problemas e necessidades em casa, e a do ponto de vista das empresas imobiliárias que recorrem aos serviços da domótica para agregarem valor ao imóvel através de alguns recursos suficientes para atender às expectativas do cliente. Se a domótica tem representado a comodidade para as pessoas sem limitações motoras, fica fácil predizer a sua grande importância se for colocada a serviço da superação das possíveis limitações que um problema de ordem física pode ocasionar ao seu portador. 1 A automação residencial resume-se em resolver problemas de cunho meramente funcional, como abrir e fechar janelas e portas, controlar intensidade de luzes e utilizar sensores de presença para acionar dispositivos, limitando-se ao funcionamento e ao desenvolvimento da tecnologia, e sem uma maior análise do seu real impacto no espaço doméstico. Por edifício inteligente entende-se aquele que incorpora dispositivos de controle automático aos seus sistemas técnicos e administrativos e conjuga, de forma racional e econômica, os recursos técnicos e tecnológicos disponíveis de forma a proporcionar um meio ideal ao desenvolvimento da atividade humana. (REQUENA E PINHO, 2010).

13 2 A perspectiva das múltiplas inteligências e habilidades (GARDNER e HATCB, 1989), bem como o aumento do nível de consciência de que uma pessoa portadora de alguma deficiência pode ser eficiente no local de trabalho, nos estudos e no lazer, tem levado esses portadores a participarem cada vez mais de atividades antes consideradas inalcançáveis e a buscarem a sua autonomia, dignidade e respeito. Em países como a França, Suíça e Alemanha, dentre outros, é comum que pessoas que apresentem alguma limitação de ordem física, visual ou por idade, optem por levar uma vida autônoma e independente. Esta intenção é facilitada nesses países, pois as estruturas públicas como: calçadas, trens, ônibus, etc., já são devidamente projetadas para permitir a acessibilidade 2 desses cidadãos. Abrir uma porta, entrar em casa ou tomar um banho são simples atividades cotidianas para a maior parte das pessoas. Para a parcela da população portadora de necessidades físicas especiais, entretanto, elas podem se transformar em tormentos diários, caso não haja as condições ideais. Até há pouco tempo, a concepção de condição ideal poderia ser entendida como a acessibilidade por equipamentos pontuais de apoio como: rampas, barras, adaptações nos espaços físicos. Entretanto, conhecedores das evoluções tecnológicas da automação podem vislumbrar a enorme contribuição que a domótica pode oferecer a esse público específico, que de acordo com o IBGE (2000), no Brasil, somente os tetraplégicos e paraplégicos representam 14,5% da população, ou seja, 24 milhões de pessoas. Pelo exposto, considerando a carência de estudos que se voltem para esse tema e delimitando como clientela alvo os portadores de paraplegia 3, o presente estudo procurou responder ao seguinte questionamento central: como pode ser composto um sistema domótico que facilite a vida cotidiana de pessoas portadoras de paraplegia e que lhes possibilite melhor autonomia? Para responder a esse questionamento o presente trabalho procurou atender aos seguintes objetivos: 1.2 OBJETIVOS 2 Entende-se por acessibilidade como: possibilidade e condição de alcance, percepção e entendimento para a utilização com segurança e autonomia de edificações, espaço, mobiliário, equipamento urbano e elementos (associação Brasileira de normas técnicas ABNT NBR 9050). 3 Luz (2005) explica que o paraplégico, em termos simplórios, é o deficiente que perdeu a coordenação motora e sensibilidade das pernas, porém mantém o controle do tronco e movimento e força dos braços e mãos.

14 Objetivo Geral Propor a aplicação da domótica, através de um sistema simplificado, como instrumento de facilitação da vida cotidiana de pessoas portadoras de paraplegia Objetivos Específicos Identificar os instrumentos de domótica disponíveis no mercado, suas utilizações e complexidades. Refletir sobre a aplicação dos mesmos, como mecanismo de facilitação e apoio para a vida do público alvo. Elaborar um projeto que represente um ambiente domóticado voltado para os portadores de paraplegia. Descrever etapas e processos relacionados ao funcionamento, a função e aplicação do sistema domótico, através de um controle universal JUSTIFICATIVA A utilização de mecanismos de automação no ambiente residencial parece ser uma tendência inexorável e cada vez mais ampliada. Mesmo que alguns ainda não consigam assimilar essas novas tecnologias, ou ainda as vislumbrem como um luxo desnecessário, percebe-se um crescimento no mercado de sua utilização, principalmente por sua proposta de modernização, facilitação das tarefas domésticas, aumento de segurança, bem estar e, mesmo que pareça um paradoxo, a diminuição dos custos 4. Hoje, as pessoas procuram cada vez mais personalizar seus espaços e interagir com o mesmo. Sendo assim, o mercado tem aumentado gradativamente o lançamento e uso de novos dispositivos de automação nas residências, como uma das ferramentas que, além de personalizarem o ambiente, torna-os mais atrativos e confortáveis. Em meio à correria é muito bom contar com a ajuda dos recursos tecnológicos e ainda poder ter uma casa mais bonita e valorizada (MEDRADO, 2008) Apesar de ser reconhecido como um campo promissor, a bibliografia sobre o assunto é ainda escassa, e estudos sobre a aplicação específica da domótica para a facilitação da vida 4 Medrado (2008), em entrevista com Dannilo Camargo, arquiteto e diretor de estilo da THE HOUSE, concluiu que, mais do que seguir uma tendência, a automação reduz de forma significativa as despesas com energia elétrica, já que é possível utilizá-la de forma mais racional e muitas preocupações podem ser evitadas se programadas com antecedência.

15 4 dos portadores de deficiências são desconhecidos, deixando clara a necessidade da reflexão sobre uma nova configuração espacial da habitação para os portadores de paraplegia, que responda mais qualitativamente a seus modos de viver. Assim, o desenvolvimento de estudos nessa área pode ser caracterizado como essenciais, não só pela sua contribuição acadêmica, como também pela sua contribuição social, uma vez que a domótica poderá ser considerada uma grande ferramenta de inclusão social, pelo apoio tecnológico da autonomia de deficientes físicos e idosos, possibilitando melhoria da acessibilidade e prerrogativas antes não alcançadas.

16 5 CAPÍTULO 2 - DESENVOLVIMENTO 2.1 ENTENDENDO A DOMÓTICA Princípios da Domótica O termo domótica é um neologismo da junção do radical latim domus que significa residência e robótica (CHAMUSCA, 2006), como já foi dito é a junção de sistemas informáticos, mecânicos, arquitetônicos, eletrônicos e de telecomunicações, aplicados a melhorias da segurança, comunicações, gestão energética e conforto. Por vezes, costuma-se confundir automação residencial, automação predial e domótica. Apesar da semelhança a diferença entre elas situa-se no foco e sistematização, ou seja, a automação residencial é aplicada a uma só residência e automação predial aplicada a espaços comuns como condomínios e prédios. A automação residencial e predial constitui-se por um ou mais dispositivos atuando singularmente sem qualquer comunicação entre os mesmos, já a domótica descreve a integração entre todos os dispositivos fazendo com que eles atuem em conjunto para uma determinada função especificada no projeto. Estes sistemas domóticos abrangem segurança, comunicações, gestão energética e conforto para melhor suprir as necessidades de seus usuários, como é representado na Figura 1 e descrito a seguir. Figura 1- Áreas da domótica

17 6 Segurança Podendo abranger desde um alarme de intrusão simples, passando por alarmes de incêndio, de fuga de gás, de inundação até grandes sistemas de monitorados por computadores e circuito interno de TV. Comunicações São consideradas as comunicações internas com o exterior e visseversa, com o objetivo de fazer uma integração entre dispositivos internos e externos de forma mais eficiente e rápida, podendo ter acionamento remoto ou apenas avisos de crise, por comunicação com dispositivos móveis como celulares e PDA s (Personal digital assistants), com internet ou bluetooth. Gestão Energética Controle e racionamento energético, para o maior aproveitamento da mesma, melhor utilização de recursos climáticos, utilização de outras fontes de energia. Conforto Automação de funções domésticas de rotina, controle de iluminação, regulação automática de temperatura, descentralização de equipamentos e centralização de controle, áudio e vídeo, e controle a distância História da Domótica Segundo Camargo (2002) o termo automação pode se referir à utilização de equipamentos e sistemas automáticos, particularmente os sistemas de fabricação ou sistemas de processamento de dados, que exigem pouca ou nenhuma intervenção humana em suas operações normais. Nesse sentido o termo automação teria sido utilizado pela primeira vez em 1946, mas a origem desse conceito pode remontar aos anos 1880, segundo a mesma fonte. Atribui-se, talvez erroneamente, o surgimento da domótica aos anos setenta, quando surgiram os primeiros projetos de interligação de diversos sistemas residenciais, porém a história começa à cerca de um século atrás. No ano de 1887, William Penn Powers, um construtor nascido na fronteira de Wisconsin no ano de 1842, irritado com o barulho dos amortecedores do sistema de aquecimento, teve a idéia revolucionária de criar um dispositivo que controlaria a temperatura do ambiente através de regulador constituído por uma membrana cheia de liquido que responderia às mudanças de temperaturas controlando assim o fornecimento de energia elétrica para os aquecedores. Powers foi constantemente melhorando sua descoberta e dentro de algum tempo estava vendendo localmente seu dispositivo. Em 1891, seu negócio tinha prosperado tanto

18 7 que se mudou para Chicago e fundou a Power Regulator Company que se tornaria a empresa mundialmente famosa Siemens Building Technology. Com o nascimento da Indústria de reguladores, o mundo teve um vislumbre das futuras evoluções na área de automação predial e residencial. Nas primeiras décadas do século XX foram projetados prédios como o Empire State Building com o intuito de aplicar os melhores e mais tecnológicos dispositivos da época. Apenas 50 anos após, um grupo de engenheiros produziu o primeiro dispositivo prático para controlar vários edifícios, chamado de System 320. Esse dispositivo já usava o LCD (tela de cristal liquido) pela qual todos recebiam informações em tempo real. Por sua vez, em 1966, o engenheiro colaborador da Westinghouse Corporation, Jim Sutherland criou o primeiro dispositivo dedicado à automação domestica o Electronic Computing Home Operator ou ECHO IV. Esse dispositivo multifuncional implementava o controle de temperatura interna de cada quarto, fazia gestão da lista de compras, gestão do inventário de cada família, o controle de ciclo de energia e tempo e tinha funções de fazer anotações em um display. Em 1970, um grupo de engenheiros escoceses criou a empresa nomeada Pico Electronics, onde nasceria futuramente o protocolo X10, um dos padrões mais usados na domótica atual. Os dispositivos foram evoluindo com os anos e descobertas surgiram em todas as áreas do conhecimento. Porém, atualmente a evolução e aplicação da domótica ainda se encontram em um estágio embrionário, graças ao alto custo e a pouca disseminação dos benéficos que ela pode trazer.

19 8 CAPÍTULO 3 APLICAÇÃO 3.1 AMBIENTE RESIDENCIAL ADAPTADO Partindo de uma planta arquitetônica de um flat, composto de um quarto, uma cozinha, um banheiro e uma sacada (Figura 2), foram feitas algumas modificações organizacionais no programa Google Sketchup, observando os espaços hábeis à locomoção de um portador de paraplegia, conforme prevê norma NBR que podem ser observadas na figura 3 e no detalhe do banheiro mostrado na figura 4 e implementados alguns dispositivos como demonstrado na figura 5 Figura 2 - Planta Original Fonte: Retirada de 5 De acordo com a norma ABNT NBR 9050, o espaço necessário para manobrar uma cadeira de rodas é um circulo de um metro e cinqüenta centímetros de diâmetro.

20 9 Figura 3 - Planta com Espaços Revisados. Figura 4 - Detalhe do banheiro - Cotas em acordo com NBR 9050.

21 10 Figura 5 - Detalhamento do automatização Sabe-se que a de locomoção é a maior dificuldade encontrada pelos portadores de paraplegia, principalmente após o mesmo ter se deitado para o repouso, pois levantar-se novamente para acender ou apagar uma lâmpada, regular a luminosidade natural do quarto ou monitorar a porta de entrada, pode constituir-se em uma tarefa incômoda e lenta. Assim, essas atividades foram eleitas neste estudo como essenciais para enfrentar as dificuldades diárias do público alvo, propondo um sistema domótico que utilize aplicações de circuito interno de televisão (CFTV), persianas automatizadas, sistemas de alarme de vazamento, controle de luzes, som e vídeo, todos comandados por um controle universal, conforme é representado na Figura 6, cujo detalhamento é exposto a seguir. Controle Universa Luz Persianas CFTV Hifi Cozinha Banheir Sacada Quart Rotaciona Subi Descer Rotacionar DVD TV SOM Figura 6 - Representação da lógica de controle adotada

22 DETALHAMENTO DO SISTEMA Controle de Iluminação A forma mais simples de se controlar a iluminação é, logicamente, o toque no interruptor, acendendo as lâmpadas que se deseja. (BANZATO, 2002). Porém essa ação nem sempre é a mais fácil a todos. Até o ano de 1961 essa era a única forma de acendê-las, mas com a invenção do dimmer esse fato começa a ser mudado, através de um controle um pouco mais sofisticado regulando a quantidade de potência que chega à lâmpada. No início eram constituídos de grandes reostatos de pouca eficiência ligados em série com as lâmpadas, esses reostatos esquentavam muito podendo causar incêndios. Hoje com a evolução da tecnologia usam-se semicondutores que são bem menores, mais eficientes e confiáveis, podendo também ser ligados com módulos de controle dandolhes novas funções como: temporização, programação e integração com outros dispositivos. Num nível de maior sofisticação, os sistemas de iluminação podem ressaltar detalhes arquitetônicos de uma sala ou criar um clima especial para os presentes com os chamados cenários. Esses sistemas inteligentes também dão apoio à integração com sistema de som e vídeo, propiciando a iluminação correta para cada uso tais como assistir programas no telão, ouvir música, por exemplo. Ligando e desligando automaticamente, podem proteger uma casa de intrusos, fazendo-a parecer ocupada na ausência de seus proprietários. Essa programação pode ser feita de acordo com a estação do ano, as horas, a luminosidade mínima, o tipo de ambiente, a previsão de horas de ocupação, etc. No presente trabalho, entretanto, a utilização do controle de iluminação visa primeiramente facilitar o acionamento remoto das lâmpadas pelo usuário, sem a necessidade de deslocamento até os interruptores e não menos importante o controle da luminosidade prevendo o conforto com formação de cenas personalizadas obtido com a domótica. Como uma das vantagens cita-se a economia de eletricidade, pois a intensidade de luz é regulada conforme a necessidade e as lâmpadas não precisam ficar totalmente acesas como acontece normalmente, sendo que essa integração da iluminação em um sistema supervisório pode-se reduzir o consumo de energia de 30% a 50% (BOLZANI, 2004). Os sistemas mais simples de controle de iluminação são baseados em tecnologia X-10 e utilizam a própria rede elétrica já existente sem a necessidade de novo cabeamento. Os mais recentes não utilizam fio, os interruptores se comunicam com as lâmpadas por rádio

23 12 frequência ou pela internet e podem ser instalados e expandidos com mais facilidade (BANZATO, 2002). Diante disso, para o presente projeto, elegeu-se uma forma híbrida de controle de acionamento que será detalhado posteriormente Controle das Persianas Uma das formas de aumentar a independência funcional de um portador de paraplegia é a automatização de cortinas ou persianas. A tecnologia utilizada nessas persianas pode variar de soluções extremamente simples, empregando apenas um motor controlado, a sistemas muito complexos, compostos por timer e sensores para pré-programação, esses recursos para automatização de janelas, esquadrias, cortinas e persianas são facilmente empregáveis. O dimensionamento desses motores varia de acordo com o projeto e a utilidade que está sendo visada para o mesmo, podendo variar no tamanho, força, potência, velocidade, corrente, carga máxima, dentre outros fatores. O controle destas persianas podem ser integradas ao controle universal. Existe também a possibilidade de implantação de sensores de chuva, luminosidade e outros tipos de autocontroles pré-programáveis. Neste estudo, a utilização da motorização das persianas está aplicada tanto com sensores para automatização, como com o controle direto pelo controle universal Controle de Circuito Interno de Televisão O monitoramento da porta é um elemento essencial de segurança e facilmente utilizado por pessoas com suas capacidades físicas resguardadas, porém para os cadeirantes, condição comum dos paraplégicos, essa ação não é tão simples, o que reforça a necessidade de um mecanismo que lhes possibilite e facilite essa função. Para tanto, os sistemas CFTV, parecem ser os mais indicados. Os componentes básicos de um sistema de CFTV são as câmeras e monitores podendo integrar também motores para rotação para maior abrangência do campo de visão. Os modelos de câmeras podem variar muito, assim como seus preços, dependendo de suas aplicações. Vão desde dispositivos pequenos, para não serem percebidos, até os grandes equipamentos, de uso profissional. Salvo raras exceções, funcionam com baixa voltagem, normalmente 12 V DC, podendo ou não fazer gravação de sons.

24 13 Um tipo de câmera muito prática para uso externo é aquela dotada de um detector de movimento. Elas podem, inclusive, acionar a gravação de uma fita ou de um arquivo de computador quando alguém se aproximar. Este meio pode ser utilizado também para monitoramento interno de doentes, idosos e crianças. Outra função para o circuito interno de televisão é a substituição do olho mágico. Quanto aos monitores, existem vários tipos dedicados a essa função que suprem bem sua finalidade, no entanto, é cada vez mais recomendável fazer uma integração entre o CFTV e o sistema de vídeo de TV a cabo, satélite ou antena, possibilitando aos moradores ter a imagem gerada pelo CFTV em qualquer um dos televisores da casa, num canal designado para este fim. Para isso basta o uso correto de moduladores de sinal. Com o uso de modens e softwares adequados existe também a possibilidade de visualizar as imagens remotamente com velocidade próxima a cinco quadros por segundo (AURESIDE, 2000). Cabos coaxiais tipo RG6 são os mais usados para transmissão de imagem, bem como, deve-se providenciar cabos com alimentação de baixa voltagem para suprir corrente às câmeras. Pode-se usar também um sistema de transmissão sem fio. No presente trabalho, a utilização do CFTV está aplicada com a função de substituição do olho mágico, comunicando-se com o controle universal Controle de Som e video No mercado atual tem se usado o termo hi-fi como sinônimo de alta tecnologia, como redes sem fio, porém essa não é a forma mais correta de se usar o termo citado. A palavra hi-fi, não é nova. Ela remonta a década de 60, provinda dos Estados Unidos, que quer dizer alta fidelidade em inglês - high fidelity. Segundo o site HIFI CLUB, com o aprimoramento das mídias essa qualidade tem melhorado, todavia nem todo reprodutor de som e vídeo é hi-fi, sendo somente aqueles com a qualidade digitalmente aprimorada. Nos últimos anos tem se discutido muito sobre alta fidelidade com a evolução de televisores com tecnologia HD (High Definition) o home theaters personalizados a ambientes. Na domótica o termo som e video indica a união de sistemas de vídeo e áudio de alta qualidade. A sua integração no sistema pode além de torna-lo mais acessível, dispensndo numerosos controles remotos. Neste trabalho é proposto a integração de dispositivos de televisor HD, aparelhos de DVD e sistema de home theater para o som.

25 Controle e Monitoramento de Vazamentos São dispositivos de segurança indispensáveis para convivência no mundo atual, pois eles alertam e automaticamente resolvem os problemas de vazamento de gás, água, detectando fumaça e prevenindo incêndios, fechando as devidas válvulas. Para os portadores de deficiências que residem sozinhos, passam a ser essenciais, uma vez que, pela sua própria dificuldade de locomoção, a prevenção ou detecção precoce de ocorrência de vazamentos pode configurar-se em um fator de preservação da vida. O funcionamento desses sistemas se dá através de sensores dos mais diversos tipos e aplicações que detectam condições anormais em seu ambiente de atuação, emitindo alertas sonoros, luminosos e/ou de texto para um dispositivo móvel previamente configurado. Logo que o problema é detectado pelo sensor, automaticamente inicia-se uma rotina de resolução do problema, para que o mesmo cause o mínimo de danos possível. Para este projeto, a utilização deste mecanismo prevê, além do fechamento automático do vazamento, a emissão de um alerta através de alarme sonoro e mensagem de alerta no controle universal ou celular do usuário. Nesta proposta, a interface deste dispositivo com o controle universal, resume-se apenas ao seu uso como instrumento de informação de alarme Controle do Acesso Residência Em um sistema automatizado o morador da casa possui sua chave eletrônica que pode abrir todas as portas da residência sem a necessidade de carregar várias chaves comuns. Essas chaves não necessariamente são objetos físicos, podendo ser um reconhecimento de voz, facial ou de impressão digital, sendo assim, impossíveis de serem copiadas e extremamente seguras. Se integrada a outros serviços, a chave eletrônica pode ainda servir para desarmar o sistema de alarme e acionar uma cena pessoal de iluminação, acendendo parcialmente as luzes da sala, ligando a TV e/ou reproduzindo uma saudação por voz personalizada. Se alguém tentar desligá-lo ou danificá-lo, todo o sistema de alarmes pode ser acionado avisando o usuário ou empresa de segurança contratada. Todos os eventos são registrados e armazenados na central de controle de acessos e na central de segurança para melhor monitoramento. Devem ser previstos também alarmes associados a eventos como portas deixadas abertas inadvertidamente facilitando a intrusão de terceiros.

Prime IHC. Intelligent Home Control. Automação residencial com estilo, segurança e economia de energia.

Prime IHC. Intelligent Home Control. Automação residencial com estilo, segurança e economia de energia. Intelligent Home Control com estilo, segurança e economia de energia. Projetos inteligentes exigem um sistema de automação completo. Funcionamento do sistema. O funciona com entradas e saídas, controlando

Leia mais

Soluções permitem o monitoramento a distância das instalações da casa, visando redução de consumo e alto desempenho

Soluções permitem o monitoramento a distância das instalações da casa, visando redução de consumo e alto desempenho Casa do futuro Soluções permitem o monitoramento a distância das instalações da casa, visando redução de consumo e alto desempenho Por Heloisa Medeiros A rápida evolução de produtos e equipamentos eletrônicos

Leia mais

MY HOME INTRODUÇÃO TOUCH SCREEN. Comando de Automação

MY HOME INTRODUÇÃO TOUCH SCREEN. Comando de Automação TOUCH SCREEN Comando de Automação Central de Cenário 54 ÍNDICE DE SEÇÃO 56 A casa como você quer 62 As vantagens de 66 Dispositivos BUS 68 Integração das funções My Home 70 Vantagens da instalação BUS

Leia mais

Vídeo Porteiro, Casa Inteligente Alarme, CFTV, Signage, muita segurança e tranquilidade! INSTALADOR AUTORIZADO

Vídeo Porteiro, Casa Inteligente Alarme, CFTV, Signage, muita segurança e tranquilidade! INSTALADOR AUTORIZADO Vídeo Porteiro,, Casa Inteligente Alarme, CFTV, Signage, muita segurança e tranquilidade! INSTALADOR AUTORIZADO VOXI VOXI X10 Tenha o controle de seu bem estar em suas mãos! Com a vida agitada e estressante

Leia mais

Independentemente se a sua casa é Tipo 1 ou Tipo 10, ela pode ter um cérebro, as soluções da control4 são ideais para novas construções ou casas já

Independentemente se a sua casa é Tipo 1 ou Tipo 10, ela pode ter um cérebro, as soluções da control4 são ideais para novas construções ou casas já SMART HOME Independentemente se a sua casa é Tipo 1 ou Tipo 10, ela pode ter um cérebro, as soluções da control4 são ideais para novas construções ou casas já existentes. VIVER A VIDA, AUTOMATICAMENTE

Leia mais

Câmera CFTV Digital Sem Fio

Câmera CFTV Digital Sem Fio Câmera CFTV Digital Sem Fio Manual do Usuário Você acaba de adquirir um produto Leadership, testado e aprovado por diversos consumidores em todo Brasil. Neste manual estão contidas todas as informações

Leia mais

automação residencial module neocontrol

automação residencial module neocontrol automação residencial module neocontrol 2014 www.neocontrol.com.br A Neocontrol S/A, indústria brasileira, oferece produtos e soluções para o mercado de automação residencial e predial. Com mais de 215

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS II. Automação Predial

SISTEMAS PREDIAIS II. Automação Predial PCC-2466 SISTEMAS PREDIAIS II Automação Predial Serviços dos Edifícios HIDRÁULICOS Água Fria; Água Gelada; Água Quente; Sistemas de Aquecimento (solar etc.); Esgotos Sanitários; Águas Pluviais; Drenagem

Leia mais

Automação Residencial

Automação Residencial Automação Residencial F. A. Dias G. M. de Paula L. S. de Oliveira G.F. Vieira 1 CEFET-MG, Brasil Contexto Social e Profissional, 2009 Graduação em Engenharia Mecatrônica Motivação Questão fundamental O

Leia mais

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência O princípio de transmissão de dados de telemetria por rádio freqüência proporciona praticidade, agilidade,

Leia mais

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL Automação Residencial e Predial II AR007 SUMÁRIO I. Automação Residencial... 03 II. Funções do Sistema de Automação Residencial... 04 III. Algumas Respostas... 06 IV. Padrões de Comunicação

Leia mais

Manual do Usuário Android Neocontrol

Manual do Usuário Android Neocontrol Manual do Usuário Android Neocontrol Sumário 1.Licença e Direitos Autorais...3 2.Sobre o produto...4 3. Instalando, Atualizando e executando o Android Neocontrol em seu aparelho...5 3.1. Instalando o aplicativo...5

Leia mais

http://www.housepress.com.br/siteprysmian/pagina.asp?id=&ordem=6&edicao=43&p...

http://www.housepress.com.br/siteprysmian/pagina.asp?id=&ordem=6&edicao=43&p... Page 1 of 6 Com o desenvolvimento de tecnologias nacionais, integração de eq domésticos passa a ter maior número de projetos Nos dias atuais, a tecnologia está presente em praticamente todos o casas ou

Leia mais

Controladores Lógicos Programáveis (CLPs)

Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) A UU L AL A Uma empresa fabrica clipes em três tamanhos: grande, médio e pequeno. Seus clientes consomem os produtos dos três tamanhos, mas a empresa nunca conseguiu

Leia mais

PIXELFORCE Representações, Lda Telf: 252 428 094 fax: 252 428 094 WWW.PIXELFORCE.PT

PIXELFORCE Representações, Lda Telf: 252 428 094 fax: 252 428 094 WWW.PIXELFORCE.PT PIXELFORCE Representações, Lda Telf: 252 428 094 fax: 252 428 094 WWW.PIXELFORCE.PT O próximo alvo pode ser a sua casa, durma tranquilo. A paz da mente é o conforto da segurança A Série Conforto da PIXELFORCE

Leia mais

Comunicação Sem Fio (Somente em Determinados Modelos)

Comunicação Sem Fio (Somente em Determinados Modelos) Comunicação Sem Fio (Somente em Determinados Modelos) Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos.

Leia mais

TÍTULO: JANELA AUTOMATIZADA QUE OPERA A PARTIR DE DADOS METEOROLÓGICOS OBTIDOS POR SENSORES

TÍTULO: JANELA AUTOMATIZADA QUE OPERA A PARTIR DE DADOS METEOROLÓGICOS OBTIDOS POR SENSORES TÍTULO: JANELA AUTOMATIZADA QUE OPERA A PARTIR DE DADOS METEOROLÓGICOS OBTIDOS POR SENSORES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA

Leia mais

TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS

TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA

Leia mais

Conexão Sem Fio Guia do Usuário

Conexão Sem Fio Guia do Usuário Conexão Sem Fio Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos. Bluetooth é marca comercial dos respectivos

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Definição Cabeamento para uso integrado em comunicações de voz, dados e imagem preparado de maneira a atender diversos layouts de instalações, por um longo período de tempo, sem

Leia mais

incorporada ao Automação residencial Automação empreendimento www.neocontrol.com.br www.neocontrol.com.br

incorporada ao Automação residencial Automação empreendimento www.neocontrol.com.br www.neocontrol.com.br Automação residencial incorporada Automação para apartamentos incorporada ao empreendimento www.neocontrol.com.br www.neocontrol.com.br A Neocontrol S/A oferece a mais completa solução de automação para

Leia mais

Iluminação automatizada

Iluminação automatizada a u t o m a ç ã o Iluminação automatizada Da Redação Fotos de Caio Reisewitz Detalhes de uma instalação AUTOMATIZAR A ILUMINAÇÃO DE UMA RESIDÊNCIA, em alguns casos, esbarra no desalentador custo proibitivo.

Leia mais

Automação Residencial Mercado e soluções

Automação Residencial Mercado e soluções Automação Residencial Mercado e soluções Eng. Gabriel Peixoto G. U. e Silva Diretor - Presidente Neocontrol Desenvolvedora e fabricante de equipamentos para a o mercado de automação residencial. Possuímos

Leia mais

Congresso Neocontrol 2010

Congresso Neocontrol 2010 Congresso Neocontrol 2010 Posicionamento. Busca contínua de parcerias. Pioneirismo. Integradores. Construtoras. Relacionamento. Obras realizadas em 4 continentes. Busca contínua por inovações. A Neocontrol

Leia mais

BMS - BUILDING MANAGEMENT SYSTEM

BMS - BUILDING MANAGEMENT SYSTEM BMS - BUILDING MANAGEMENT SYSTEM ADKL.ZELLER 18 ANOS DE EXPERIÊNCIA; SOLUÇÕES EM ENGENHARIA ELÉTRICA E AUTOMAÇÃO DE A a Z; DESENVOLVEMOS TODAS AS ETAPAS DE UM PROJETO; DIVERSAS CERTIFICAÇÕES; LONGAS PARCERIAS

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof.

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof. Aula 04 Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware:

Leia mais

AUTOMAÇÃO DE AMBIENTES, INSTALAÇÃO

AUTOMAÇÃO DE AMBIENTES, INSTALAÇÃO Santo André, 14 de Outubro de 2013. À Via Varejo Casas Bahia Ponto Frio Ao Departamento Tecnologia da Informação A/C: Sr. Fernando Santino Pereira Tel.: (11) 4225-6705 Prezado Fernando, Pela presente temos

Leia mais

TÍTULO: ARCASE - AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL COM ANDROID E SISTEMAS EMBARCADOS

TÍTULO: ARCASE - AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL COM ANDROID E SISTEMAS EMBARCADOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ARCASE - AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL COM ANDROID E SISTEMAS EMBARCADOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA:

Leia mais

MANUAL GDS TOUCH. Versão: 1.0 Direitos reservados.

MANUAL GDS TOUCH. Versão: 1.0 Direitos reservados. MANUAL GDS TOUCH Versão: 1.0 Direitos reservados. GDS TOUCH PAINEL TOUCH-SCREEN CONTROLE RESIDENCIAL INTERATIVO O GDS Touch é um painel wireless touch-screen de controle residencial, com design totalmente

Leia mais

Manual de Instruções. Touchlight Smart

Manual de Instruções. Touchlight Smart Manual de Instruções Touchlight Smart Touchlight Smart é uma central de automação sem fio para controlar a casa pelo celular. Compatível com uma grande variedade de equipamentos, você pode controlar áudio,

Leia mais

APLICAÇÕES PARA CASAS INTELIGENTES EM AMBIENTES PERVASIVOS

APLICAÇÕES PARA CASAS INTELIGENTES EM AMBIENTES PERVASIVOS APLICAÇÕES PARA CASAS INTELIGENTES EM AMBIENTES PERVASIVOS RESUMO Alessandro Lumertz Garcia 1 Anderson Yanzer Cabral 2 Este artigo apresenta tipos de aplicações que podem existir nas casas inteligentes,

Leia mais

Sistema de domótica flexível. para eficiência energética, segurança e conforto

Sistema de domótica flexível. para eficiência energética, segurança e conforto Sistema de domótica flexível para eficiência energética, segurança e conforto AO RITMO DA SUA FAMÍLIA CONTROLO TOTAL DA SUA CASA 3 SAIR PARA O TRABALHO RAPIDAMENTE! Active o cenário Sair de casa. O sistema

Leia mais

Caso necessite de mais equipamentos ou em caso de dúvidas, favor enviar email para domingolegal@bistecnologia.com.br

Caso necessite de mais equipamentos ou em caso de dúvidas, favor enviar email para domingolegal@bistecnologia.com.br Instalar os equipamentos é tão fácil quanto afixar um quadro. Se você preferir, pode contratar os serviços de qualquer pessoa para afixar os equipamentos. A BIS já envia todos os equipamentos pré-configurados

Leia mais

Zigbee - quando aceso, indica que o Home Controller faz parte de uma rede de comunicação sem fio ZigBee ihouse.

Zigbee - quando aceso, indica que o Home Controller faz parte de uma rede de comunicação sem fio ZigBee ihouse. Conhecendo o Home Controller Módulo ihouse projetado para automatizar equipamentos de áudio e vídeo, através da integração entre eles tornando um sistema único de entretenimento. O objetivo principal do

Leia mais

MICRO TECLADO MEDIA CENTER (Cód. 1083)

MICRO TECLADO MEDIA CENTER (Cód. 1083) MICRO TECLADO MEDIA CENTER (Cód. 1083) MANUAL DE INSTRUÇÕES INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA Leia as instruções de segurança cuidadosamente e guarde esse manual para consultas futuras. DECLARAÇÃO DE DIREITOS AUTORAIS

Leia mais

Comunicação sem fio (somente para determinados modelos)

Comunicação sem fio (somente para determinados modelos) Comunicação sem fio (somente para determinados modelos) Guia do Usuário Copyright 2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft e Windows são marcas registradas da Microsoft Corporation nos

Leia mais

Security Shop MRS. Media Relay System. Manual do Usuário

Security Shop MRS. Media Relay System. Manual do Usuário Página 1 de 20 Security Shop MRS Media Relay System Manual do Usuário Página 2 de 20 Conteúdos: Conteúdos:... 2 Figuras:... 3 1. Introdução... 4 1.1 Âmbito do Documento... 4 1.2 Terminologia... 4 2. GERAL...

Leia mais

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação (do latim Automatus, que significa mover-se por si) ; Uso de máquinas para controlar e executar suas tarefas quase sem interferência humana, empregando

Leia mais

AUTOMAÇÃO PREDIAL INTRODUÇÃO

AUTOMAÇÃO PREDIAL INTRODUÇÃO AUTOMAÇÃO PREDIAL 1 INTRODUÇÃO A evolução da computação e dos sistemas digitais tem viabilizados aplicações, que se tornam presentes no cotidiano das pessoas, sendo hoje referenciais de conforto e praticidade

Leia mais

Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio

Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio 2 Access Professional Edition: a solução de controle de acesso ideal para empresas de pequeno e médio porte

Leia mais

Obtenha o controle da sua empresa. Tuxedo Touch Segurança empresarial e controlador de automação

Obtenha o controle da sua empresa. Tuxedo Touch Segurança empresarial e controlador de automação Tuxedo Touch Segurança empresarial e controlador de automação SEGURANÇA, AUTOMAÇÃO, VISUALIZAÇÃO / GRAVAÇÃO DE VÍDEOS E MUITO MAIS! Obtenha o controle da sua empresa Sua empresa conectada O Tuxedo Touch

Leia mais

Gabriel Peixoto G. U. e Silva Diretor Presidente. www.neocontrol.com.br

Gabriel Peixoto G. U. e Silva Diretor Presidente. www.neocontrol.com.br Gabriel Peixoto G. U. e Silva Diretor Presidente www.neocontrol.com.br A Neocontrol INDÚSTRIA BRASILEIRA 9 anos no mercado de automação residencial - indústria; 214 revendas brasileiras, 1 na Argentina,

Leia mais

Segurança a um toque. Confira neste catálogo, os produtos da linha digital Yale e seus benefícios.

Segurança a um toque. Confira neste catálogo, os produtos da linha digital Yale e seus benefícios. Segurança a um toque O grupo Assa Abloy, líder mundial em soluções para abertura de portas, trabalha constantemente para entregar produtos inovadores e de qualidade, com foco na segurança, conveniência

Leia mais

GUIA PARA A REABILITAÇÃO DOMÓTICA. comunicações, segurança e conforto. PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus

GUIA PARA A REABILITAÇÃO DOMÓTICA. comunicações, segurança e conforto. PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus GUIA PARA A REABILITAÇÃO DOMÓTICA comunicações, segurança e conforto PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus Autoria do Relatório Consultoria RedeRia - Innovation, S.A. Índice 0. Preâmbulo 5 1.

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais:

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais: Entrada e Saída Além do processador e da memória, um terceiro elemento fundamental de um sistema de computação é o conjunto de módulos de E/S. Cada módulo se conecta com o barramento do sistema ou com

Leia mais

Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio

Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio 2 Access Professional Edition: a solução de controle de acesso ideal para empresas de pequeno e médio porte

Leia mais

SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO)

SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO) SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO) Há vários tipos de sistemas de gravações digitais. Os mais baratos consistem de uma placa para captura de vídeo, que

Leia mais

Conforto, cuidados e consumo inteligente? As tecnologias integradas Legrand e Bticino podem proporcionar tudo isso em hotéis e hospitais

Conforto, cuidados e consumo inteligente? As tecnologias integradas Legrand e Bticino podem proporcionar tudo isso em hotéis e hospitais 1 Painel Automatizar Tecnologias para Automação Hospitalar e Hoteleira Conforto, cuidados e consumo inteligente? As tecnologias integradas Legrand e Bticino podem proporcionar tudo isso em hotéis e hospitais

Leia mais

Automação de Locais Distantes

Automação de Locais Distantes Automação de Locais Distantes Adaptação do texto Improving Automation at Remote Sites da GE Fanuc/ Water por Peter Sowmy e Márcia Campos, Gerentes de Contas da. Nova tecnologia reduz custos no tratamento

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES WINDOWS 8

CADERNO DE QUESTÕES WINDOWS 8 CADERNO DE QUESTÕES WINDOWS 8 1) No sistema operacional Microsoft Windows 8, uma forma rápida de acessar o botão liga/desliga é através do atalho: a) Windows + A. b) ALT + C. c) Windows + I. d) CTRL +

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

Manual de Utilização do Sistema GRServer Cam on-line (Gerenciamento de Câmeras On-line)

Manual de Utilização do Sistema GRServer Cam on-line (Gerenciamento de Câmeras On-line) Manual de Utilização do Sistema GRServer Cam on-line (Gerenciamento de Câmeras On-line) Criamos, desenvolvemos e aperfeiçoamos ferramentas que tragam a nossos parceiros e clientes grandes oportunidades

Leia mais

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações Capítulo 0 Introdução 1 Um pouco de história Século XVIII foi a época dos grandes sistemas mecânicos Revolução Industrial Século XIX foi a era das máquinas a vapor Século XX principais conquistas foram

Leia mais

Ambientes Inteligentes

Ambientes Inteligentes Ambientes Inteligentes APRESENTAÇÃO Com a grande inovação tecnológica e a evidente demanda por segurança e comodidade, o gerenciamento de todos os processos e máquinas que nos rodeia torna-se indispensável.

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS S.A.F.- DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E PATRIMÔNIO 1/5 ANEXO I

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS S.A.F.- DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E PATRIMÔNIO 1/5 ANEXO I S.A.F.- DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E PATRIMÔNIO 1/5 ANEXO I MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO CENTRAIS DE ALARMES O presente memorial tem por objetivo descrever as instalações do sistema de proteção

Leia mais

Diferentes modos para visualizar gravações no Software HMS Client

Diferentes modos para visualizar gravações no Software HMS Client Diferentes modos para visualizar gravações no Software HMS Client O Software HMS Client permite visualização de imagens de 3 maneiras diferentes: Imagens dos dispositivos (Mini Câmeras e NVRs) gravadas

Leia mais

Sem fios (somente em alguns modelos)

Sem fios (somente em alguns modelos) Sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador Copyright 2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft e Windows são marcas registadas da Microsoft Corporation nos EUA. Bluetooth

Leia mais

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano Informática Aplicada Aula 2 Windows Vista Professora: Cintia Caetano AMBIENTE WINDOWS O Microsoft Windows é um sistema operacional que possui aparência e apresentação aperfeiçoadas para que o trabalho

Leia mais

Sistema Modular Wireless

Sistema Modular Wireless Sistema Modular Wireless SEM PILHAS Enjoy a new lifestyle feeling! Bom dia! Este é o meu perfeito despertar! A iluminação entra suavemente no quarto, enquanto o dimmer temporizado aumenta gradualmente

Leia mais

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Engenharias Urbanismo e Arquitetura Curso de Engenharia Elétrica/Eletrônica JANELA SENSORIAL

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Engenharias Urbanismo e Arquitetura Curso de Engenharia Elétrica/Eletrônica JANELA SENSORIAL 1 Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Engenharias Urbanismo e Arquitetura Curso de Engenharia Elétrica/Eletrônica JANELA SENSORIAL BRUNO AUGUSTO CAETANO FERNANDO ALMEIDA SALGADO Relatório do Trabalho

Leia mais

CEFET/RJ UnED Petrópolis

CEFET/RJ UnED Petrópolis CEFET/RJ UnED Petrópolis Relatório de Estágio Supervisionado Empresa: CEFET/RJ UnED Petrópolis Curso: Técnico em Telecomunicações/TV Digital Estagiária: Dayana Kelly Turquetti de Moraes Telefones: (24)

Leia mais

Controle remoto HP Media (somente em determinados modelos) Guia do Usuário

Controle remoto HP Media (somente em determinados modelos) Guia do Usuário Controle remoto HP Media (somente em determinados modelos) Guia do Usuário Copyright 2008 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows e Windows Vista são marcas comerciais ou registradas da Microsoft

Leia mais

Guia do Usuário da Ferramenta de Instalação da Câmera Avigilon

Guia do Usuário da Ferramenta de Instalação da Câmera Avigilon Guia do Usuário da Ferramenta de Instalação da Câmera Avigilon Versão 4.10 PDF-CIT-D-Rev1_PT Copyright 2011 Avigilon. Todos os direitos reservados. As informações apresentadas estão sujeitas a modificação

Leia mais

Eng. José Roberto Muratori

Eng. José Roberto Muratori Eng. José Roberto Muratori OO tema foi escolhido devido a motivação de que cada vez mais percebe-se que os hábitos das pessoas estão em transformação. A alta exigência por conforto e segurança já não é

Leia mais

MOTORIZAÇÃO DE CORTINAS E PERSIANAS

MOTORIZAÇÃO DE CORTINAS E PERSIANAS MOTORIZAÇÃO DE CORTINAS E PERSIANAS INTRODUÇÃO Este catálogo oferece informações detalhadas sobre as soluções Somfy para automatização de cortinas e persianas em interiores. Estas soluções atendem às diversas

Leia mais

NAPNE / RENAPI. Software Educativo Smart Panda 1.0

NAPNE / RENAPI. Software Educativo Smart Panda 1.0 NAPNE / RENAPI Software Educativo Smart Panda 1.0 Julho de 2011 Sumário 1 Introdução... 3 2 Tela Inicial... 3 2.1 Tela de Abertura... 4 3 Como jogar... 5 4 Opções... 6 5 E como fazer para registrar este

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

SISTEMA DE RASTREIO ÓPTICO

SISTEMA DE RASTREIO ÓPTICO SISTEMA DE RASTREIO ÓPTICO 1 SISTEMA DE RASTREIO ÓPTICO VISÃO GERAL O Sistema de Rastreio Óptico, ou simplesmente SISROT, foi desenvolvido com o objetivo de rastrear foguetes nos primeiros instantes de

Leia mais

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Iniciando o Windows XP...2 Desligar o computador...3 Área de trabalho...3

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO FREQÜENCÍMETRO PARA CONTROLE REMOTO MODELO FC-650

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO FREQÜENCÍMETRO PARA CONTROLE REMOTO MODELO FC-650 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO FREQÜENCÍMETRO PARA CONTROLE REMOTO MODELO FC-650 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. REGRAS

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Rede É um conjunto de computadores chamados de estações de trabalho que compartilham recursos de hardware (HD,

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

Projeto solidário para o ensino de Informática Básica

Projeto solidário para o ensino de Informática Básica Projeto solidário para o ensino de Informática Básica Parte 2 Sistema Operacional MS-Windows XP Créditos de desenvolvimento deste material: Revisão: Prof. MSc. Wagner Siqueira Cavalcante Um Sistema Operacional

Leia mais

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL Automação e Controle AR026 SUMÁRIO I. Sistemas Supervisórios... 3 II. Automação... 4 III. Arquitetura de Redes Industriais... 5 IV. Comunicação entre Supervisório e CLP...7 V. O Protocolo

Leia mais

Manual de utilização GDS Touch PAINEL TOUCH-SCREEN CONTROLE RESIDENCIAL INTERATIVO. Versão: 1.0 Direitos reservados.

Manual de utilização GDS Touch PAINEL TOUCH-SCREEN CONTROLE RESIDENCIAL INTERATIVO. Versão: 1.0 Direitos reservados. Bem Vindo GDS TOUCH Manual de utilização GDS Touch PAINEL TOUCH-SCREEN CONTROLE RESIDENCIAL INTERATIVO O GDS Touch é um painel wireless touchscreen de controle residencial, com design totalmente 3D, interativo

Leia mais

Guia. PDA e SmartPhones. Windows Mobile, Pocket PC e CE.

Guia. PDA e SmartPhones. Windows Mobile, Pocket PC e CE. Guia PDA e SmartPhones Windows Mobile, Pocket PC e CE. Referência completa para o integrador do sistema Module. Aborda os recursos necessários para a itulização, instalação do software e importação das

Leia mais

1. DESCRIÇÃO DO SISTEMA 5 2. NEOCMODULE DIMMER 13 3. NEOCMODULE RELAY 15 4. NEOCMODULE AV 18 5. NEOCMODULE TASK 21 6.

1. DESCRIÇÃO DO SISTEMA 5 2. NEOCMODULE DIMMER 13 3. NEOCMODULE RELAY 15 4. NEOCMODULE AV 18 5. NEOCMODULE TASK 21 6. Índice 1. DESCRIÇÃO DO SISTEMA 5 1.1. DESCRIÇÃO GERAL 5 1.2. INTEGRAÇÃO DOS MÓDULOS 6 1.3. PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO 8 1.4. OPERAÇÃO 9 1.5. PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO 11 1.6. OPERAÇÃO 12 2. NEOCMODULE

Leia mais

Controlador Automatizador CAP-1

Controlador Automatizador CAP-1 Controlador Automatizador CAP-1 Guia de Referência 1 Sumá rio 1 Introdução... 3 2 Especificações Técnicas... 3 2.1 Itens Inclusos... 4 3 Controle Remoto... 4 3.1 Funcionalidades das Teclas... 4 4 Conexões...

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Índice. Mamut Gravador Telefônico Digital MGC Manual de Instalação Procedimento de Instalação do Gravador Digital Mamut. V 1.0

Índice. Mamut Gravador Telefônico Digital MGC Manual de Instalação Procedimento de Instalação do Gravador Digital Mamut. V 1.0 Procedimento de Instalação do Gravador Digital Mamut. V 1.0 Índice 1- Preparação da CPU para o funcionamento do Gravador Digital Mamut 1.1 - Preparação da CPU 1.2 - Instalação do Firebird 2 - Instalação

Leia mais

Sua casa, suas emoções

Sua casa, suas emoções Sua casa, suas emoções Portugal Taguspark - Núcleo Central - Gabinete 78 2740-122 Porto Salvo, Oeiras E: lisboa@kelius.com.br T: [+351] 214 261 372 Brasil Avenida Presidente Getúlio Vargas nº 2548, CEP

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Dispositivos Apontadores e Teclado Guia do Usuário

Dispositivos Apontadores e Teclado Guia do Usuário Dispositivos Apontadores e Teclado Guia do Usuário Copyright 2008 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos. As informações contidas

Leia mais

Introdução aos sistemas de cabeamento estruturado

Introdução aos sistemas de cabeamento estruturado Introdução aos sistemas de cabeamento estruturado Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Histórico No início da década de 80 os sistemas Mainframe dominavam o mercado. Surgem os conceitos de "Networking"

Leia mais

Computação Instrumental

Computação Instrumental Computação Instrumental Sistemas Operacionais Redes de Computadores Engenharia Ambiental 2º Semestre de 2013 1 Software Hardware O Sistema Operacional (SO) é um software que gerencia os recursos do computador,

Leia mais

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Sumário Apresentação... 2 Instalação do Aplicativo... 2 Localizando o aplicativo no smartphone... 5 Inserindo o link da aplicação... 6 Acessando o sistema...

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL

SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL Módulos para automação Características gerais - Processamento independente - Possui alerta sonoro e luminoso de falta de conexão - Não precisa ser configurado (Plug and

Leia mais

CAPÍTULO IV Sistema Operacional Microsoft Windows XP

CAPÍTULO IV Sistema Operacional Microsoft Windows XP CAPÍTULO IV Sistema Operacional Microsoft Windows XP Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais são programas que como o próprio nome diz tem a função de colocar o computador em operação. O sistema Operacional

Leia mais

HELP INTERATIVO: FERRAMENTA PARA FACILITAR A OPERAÇÃO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO PELOS COD S RAGONE, JC

HELP INTERATIVO: FERRAMENTA PARA FACILITAR A OPERAÇÃO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO PELOS COD S RAGONE, JC 06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE HELP INTERATIVO: FERRAMENTA PARA FACILITAR A OPERAÇÃO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO PELOS COD S RAGONE, JC CFLCL jragone@catleo.com.br Companhia Força e Luz Cataguazes-

Leia mais

Boletim Técnico Agosto / 2011

Boletim Técnico Agosto / 2011 Página 01/08 TÍTULO: INFORMATIVO DO NOVO CONTROLE REMOTO COM FIO PARA UNIDADES SPLITÃO 2 ESTÁGIOS SUMÁRIO Esta publicação visa informar o novo controle remoto com fio para as Unidades da Linha Splitão

Leia mais

Controles e funções. Painel frontal. Painel traseiro. Capítulo 2 >> Controles e funções. Botão OK Confirma a seleção.

Controles e funções. Painel frontal. Painel traseiro. Capítulo 2 >> Controles e funções. Botão OK Confirma a seleção. HDPV-C20CV Capítulo 2 >> Controles e funções Controles e funções Painel frontal 1 2 1 2 3 3 4 5 Botão Power ( ) Liga/desliga seu receptor. Botão MENU Exibe o menu. Sai do menu atual ou vai para o menu

Leia mais

4. Quais são os serviços que podem ser utilizados através desta Tecnologia? 6. O Adaptador PLC causa um aumento no consumo de Energia Elétrica?

4. Quais são os serviços que podem ser utilizados através desta Tecnologia? 6. O Adaptador PLC causa um aumento no consumo de Energia Elétrica? 1. O que significa PLC - PowerLine Communications? 2. Quais são as características técnicas do PLC? 3. Quais são as vantagens da Tecnologia PLC? 4. Quais são os serviços que podem ser utilizados através

Leia mais

Manual de Instalação, Configuração e Uso

Manual de Instalação, Configuração e Uso Manual de Instalação, Configuração e Uso KEYPAD MACRO Para controle de cenas ou canais de qualquer módulo da rede Scenario-net Índice 1. Manual de Utilização... 2 1.1. Apresentação e identificação das

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas......8 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 é um rastreador desenvolvido com os mais rígidos padrões de qualidade

Leia mais

BABÁ ELETRÔNICA MANUAL DE INSTRUÇÕES MONITOR DE ÁUDIO DIGITAL FPV - 700 IMAGEM MERAMENTE ILUSTRATIVA

BABÁ ELETRÔNICA MANUAL DE INSTRUÇÕES MONITOR DE ÁUDIO DIGITAL FPV - 700 IMAGEM MERAMENTE ILUSTRATIVA FPV - 700 BABÁ ELETRÔNICA MANUAL DE INSTRUÇÕES IMAGEM MERAMENTE ILUSTRATIVA MONITOR DE ÁUDIO DIGITAL ÍNDICE VISÃO GERAL DO EQUIPAMENTO... 04 PREPARANDO SUA BABÁ ELETRÔNICA... 05 CARREGANDO A BATERIA DO

Leia mais