Data Warehouse ETL. Rodrigo Leite Durães.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Data Warehouse ETL. Rodrigo Leite Durães."

Transcrição

1 Data Warehouse ETL Rodrigo Leite Durães

2 Introdução Um dos desafios da implantação de um DW é a integração dos dados de fontes heterogêneas e complexas, padronizando informações, mantendo sua consistência. A maioria dos projetos gasta a maior parte do tempo e dos esforços nessa fase. O sucesso do DW depende, em grande parte, da eficiência e eficácia do processo de ETC. Nesse processo há necessidade de criar as rotinas de extração dos dados que podem ser desenvolvidas por programadores em qualquer linguagem de programação ou pode-se utilizar ferramentas específicas para isso.

3 Visão Geral Essas ferramentas proporciona mais produtividade e qualidade ao processo de integração. Para que a integração de dados seja bem sucedida, é preciso escolher uma ferramenta que ofereça funcionalidades capazes de atender os requisitos do processo de ETC. Assim, para escolher a ferramenta adequada, é necessário verificar suas principais características e recursos, fazendo um comparativo entre as opções disponíveis para identificar aquela que melhor atende às necessidades do processo de ETC. É um processo trabalhoso, complexo e detalhado, mesmo com o auxílio das ferramentas de ETC disponíveis hoje em dia.

4 ETC Primeiramente são definidas as fontes de dados e realizada a extração, que consiste em coletar os dados das diversas fontes em diferentes plataformas. O segundo passo consiste em limpar e transformar esses dados. Com isso são eliminadas as inconsistências e realizada a padronização dos dados para garantir que o DW possuirá informações válidas, úteis e significativas. Após garantir a consistência, pode-se carregar os dados no DW. Assim, para possibilitar maior produtividade, evitando atrasos e re-trabalho, o ideal é determinar o melhor caminho para o transporte dos dados fontes para o DW antes de iniciar a construção das rotinas de ETC. Para fazer a melhor escolha, deve-se priorizar os requisitos do processo de ETC e selecionar a ferramenta que fornece a maioria deles.

5 ETC Para isso, é necessário realizar o projeto ETL do DW, analisar os dados fontes, identificar os mapeamentos de dados, obter ou criar os dados externos, determinar a lógica de conversão dos dados e especificar as rotinas de ETC. Existem sistemas que são programados para detectar automaticamente a ocorrência de mudanças significativas nas fontes, tornando o processo de atualização mais transparente para o usuário. Alterar a aplicação que gerencia a fonte de informação a fim de enviar notificações de alteração para o DW. Detectar modificações através da comparação dos registros correntes da fonte com os registros carregados anteriormente. À medida que os dados das fontes aumentam, o número de comparações deve aumentar, o que pode inviabilizar o processo.

6 ETC Uma estratégia p/ não inviabilizar é utilizar, também, o limite de data. Analisar o arquivo de log do sistema procurando por modificações significativas. Antes de publicar os dados, é necessário avaliar a integridade da carga. Se a carga estiver correta os dados são disponibilizados para os usuários. Caso o processo de carga esteja incompleto ou haja dados violados toda a carga deve ser executada novamente.

7 ETC Há soluções com custo zero de aquisição pois vêm embutidas em um SGBD, como por exemplo o PL/SQL no Oracle e o DTS no SQL Server. Tais recursos podem ser utilizados para realizar o ETC, mas podem ser limitados exigindo uma maior codificação dos processos. Além disso, podem ser restritas, já que geralmente fornecem suporte apenas ao SGBD que acompanham, enquanto as ferramentas ETC completas podem fornecer suporte a diversos tipos de arquivos e SGBDs.

8 ETC As ferramentas ETC próprias, desenvolvidas utilizando alguma linguagem de programação, apesar de atender às necessidades, podem tornar o processo de manutenção dos procedimentos ETC muito complexo. Além disso, caso o processo de transformação e limpeza seja complexo, pode haver perda de performance com o uso de linguagens procedurais. Os produtos de mercado podem variar de ferramentas mais simples e baratas até ferramentas completas, robustas e mais caras. Essas ferramentas permitem maior produtividade na criação e manutenção do processo ETC, fornecem métodos de captura/integração de metadados, permitem documentação do projeto e dos processos, pode fornecer interface gráfica para o desenvolvedor permitindo edição, verificação de sintaxe, acesso aos SGBDs, além de proporcionar segurança e organização do projeto tipicamente a partir de um único ponto de acesso.

9 Tipos de ferramentas As ferramentas encontradas tipicamente podem ser instaladas no servidor ou no cliente. As ferramentas que executam no servidor permitem execução de tarefas concorrentes de mais de um desenvolvedor. Essas ferramentas são projetadas para coordenar e gerenciar a execução de diversas rotinas simultâneas, podendo também fazer uso de múltiplos processadores. As ferramentas instaladas no cliente são mais simples e assumem que as rotinas são executadas na mesma máquina em que são desenvolvidas. A concorrência entre múltiplas tarefas é limitada, se existir, é geralmente não é suportado o escalonamento de tarefas em máquinas com múltiplos processadores. Essas ferramentas são mais baratas porém possuem funcionalidade e escalabilidade limitados.

10 Critérios para escolha da ferramenta Arquitetura Geral Plataforma de execução do produto: pode restringir a capacidade de expansão sem adicionar mais servidores quando houver crescimento do volume de dados. Extração e Carga de Dados Suporte nativo aos principais SGBDs, bem como suporte a conexão ODBC para um vasto conjunto de bancos de dados. Integração de Dados Suporte a diversos formatos de dados, incluindo COBOL, ASCII, Excel e XML Nível de integração com aplicações de terceiros, incluindo sistemas de ERP

11 Critérios para escolha da ferramenta Limpeza e Transformação de Dados Transformação baseada em regras: possibilidade de especificar qual transformação será executada somente quando determinada condição ocorrer, sendo capaz de juntar diversas regras de maneiras diferentes. Administração Apresentar administração centralizada: é preciso ter um único lugar para visualizar o processo ETC inteiro, mesmo se as tarefas estiverem executando em diferentes plataformas de origem e destino e diferentes sistemas operacionais. Ambiente de Desenvolvimento Ambientes gráficos de interface com o usuário.

12 Critérios para escolha da ferramenta Concorrência e Segurança Número de possíveis usuários e desenvolvedores concorrentes Tratamento de Erros Recuperação de falhas: se ocorrer algum erro a ferramenta ETC é capaz de voltar o sistema a um estado consistente conhecido Gerenciamento de Metadados Repositório de metadados centralizado contendo no mínimo informações relativas a fontes de dados, destinos e transformações.

13 Critérios para escolha da ferramenta Performance Características que permitem processamento distribuído e particionado para obter uma performance melhor. Programação de Execução de Tarefas (Scheduling) Habilidade de programar a execução de sessões ETC em um determinado tempo ou evento. Continuidade Capacidade de suportar o nível de processamento em caso de crescimento de origens, destinos e volumes de dados. Facilidade de desenvolver e modificar tarefas e rotinas. Freqüência e complexidade das atualizações do produto. Capacidade de suporte para o crescimento da plataforma.

14 Critérios para escolha da ferramenta Custo O custo pode limitar as opções de aquisição de uma ferramenta ETC, já que os orçamentos dispõem de recursos limitados que nem sempre permitem a escolha da melhor ferramenta Conformidade Suporte aos tipos de origens de dados a serem utilizados, por exemplo, arquivos de mainframe. Disponibilidade do recurso de importação ou exportação de metadados com ferramentas específicas utilizadas no desenvolvimento do DW.

15 Processo de escolha da ferramenta A idéia é construir uma lista simples de seis ou sete ferramentas que atendam a maioria dos requisitos. Cada ferramenta deve ser avaliada o máximo possível, utilizando informações publicitárias. Deve-se entrar em contato com um vendedor para obter as informações necessárias. Obter referências de consumidores de cada vendedor, preferencialmente outra companhia com uma função semelhante a daquela onde será desenvolvido o projeto.

16 Processo de escolha da ferramenta Não existe uma única resposta certa na escolha da ferramenta. Por isso, ao escolher uma ferramenta, além de conhecer suas potencialidades, é necessário entender antecipadamente seus pontos fracos e estar preparado para atenuar suas conseqüências.

DESENHO DE CARGOS E TAREFAS

DESENHO DE CARGOS E TAREFAS Faculdade de Tecnologia SENAC GO Gestão de Pessoas Professor: Itair Pereira da Silva Grupo: Luís Miguel Nogueira de Resende, Valdivino de Carvalho, Rodrigo Neres Magalhães e Venicyus Venceslencio da Paz.

Leia mais

Introdução a Teste de Software

Introdução a Teste de Software Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software Introdução a Teste de Software Prof. Luthiano Venecian 1 Conceitos Teste de software

Leia mais

Descrição do Requisito

Descrição do Requisito ANEXO III 1 REQUISITOS TÉCNICOS A SOLUÇÃO deverá atender obrigatoriamente aos requisitos não funcionais e às características técnicas descritos nos itens deste Anexo. Os requisitos não funcionais e técnicos

Leia mais

Introdução. descrever os tipos de interfaces e linguagens oferecidas por um SGBD. mostrar o ambiente de programas dos SGBD s

Introdução. descrever os tipos de interfaces e linguagens oferecidas por um SGBD. mostrar o ambiente de programas dos SGBD s Introdução Contribuição do Capítulo 2: discutir modelos de dados definir conceitos de esquemas e instâncias descrever os tipos de interfaces e linguagens oferecidas por um SGBD mostrar o ambiente de programas

Leia mais

Banco de Dados. Perspectiva Histórica dos Bancos de Dados. Prof. Walteno Martins Parreira Jr

Banco de Dados. Perspectiva Histórica dos Bancos de Dados. Prof. Walteno Martins Parreira Jr Banco de Dados Perspectiva Histórica dos Bancos de Dados Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 Histórico Antes dos computadores, as informações eram

Leia mais

Componentes de SIs. Pessoas Organiz. Tecnologia

Componentes de SIs. Pessoas Organiz. Tecnologia Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 03 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

RUP RATIONAL UNIFIED PROCESS PRÁTICAS RECOMENDADAS. Prof. Fabiano Papaiz IFRN

RUP RATIONAL UNIFIED PROCESS PRÁTICAS RECOMENDADAS. Prof. Fabiano Papaiz IFRN RUP RATIONAL UNIFIED PROCESS PRÁTICAS RECOMENDADAS Prof. Fabiano Papaiz IFRN O RUP recomenda as seguintes práticas que devem ser utilizadas no desenvolvimento de um software: 1. Desenvolver de forma iterativa

Leia mais

DDL). O resultado da compilação dos parâmetros DDLs é

DDL). O resultado da compilação dos parâmetros DDLs é Banco Dados Aula 2 Linguagens de Banco de Dados e Tipos de Usuários 1. Linguagens de Banco de Dados Um sistema de banco de dados proporciona dois tipos de linguagens: uma específica para os esquemas do

Leia mais

AULA SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS

AULA SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS AULA 05-06 SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS Curso: Informática (Integrado) Disciplina: Banco de Dados Prof. Abrahão Lopes abrahao.lopes@ifrn.edu.br Conceitos Banco de Dados Coleção de dados

Leia mais

Gerência e Planejamento de Projeto. Engenharia de Software Profa. Elisa Yumi Nakagawa 1 o semestre de 2016

Gerência e Planejamento de Projeto. Engenharia de Software Profa. Elisa Yumi Nakagawa 1 o semestre de 2016 Gerência e Planejamento de Projeto Engenharia de Software Profa. Elisa Yumi Nakagawa 1 o semestre de 2016 Conteúdo: Parte 1: Gerenciamento & Qualidade Plano de Projeto Aspectos Gerais Parte 2: Plano de

Leia mais

Banco de Dados. Professor: Marcelo Machado Cunha IFS Campus Aracaju

Banco de Dados. Professor: Marcelo Machado Cunha IFS Campus Aracaju Banco de Dados Professor: Marcelo Machado Cunha IFS Campus Aracaju Definição Banco de Dados Conjunto de dados interrelacionados que objetivam atender as necessidades de um conjunto de usuários. Inglês:

Leia mais

Banco de Dados. Introdução. Profa. Flávia Cristina Bernardini

Banco de Dados. Introdução. Profa. Flávia Cristina Bernardini Banco de Dados Introdução Profa. Flávia Cristina Bernardini * Slides Baseados no material elaborado pelos professores Eduardo R. Hruschka, Cristina D. A. Ciferri e Elaine Parros Machado Motivação Operações

Leia mais

Enterprise Application Integration (EAI)

Enterprise Application Integration (EAI) Enterprise Application Integration (EAI) Histórico Sistemas de Informação (SI) muito caros As empresas passaram a contar com mais de um SI July Any Rizzo Oswaldo Filho Informações perdidas por falta de

Leia mais

Executa em qualquer plataforma que possua o Java (JDK) da Oracle

Executa em qualquer plataforma que possua o Java (JDK) da Oracle Recurso Benefícios Multiplataforma Executa em qualquer plataforma que possua o Java (JDK) da Oracle Utiliza base de dados Oracle, Microsoft SQL ou MySql Utiliza os principais bancos de dados de mercado

Leia mais

ISO/IEC 12207: Manutenção

ISO/IEC 12207: Manutenção ISO/IEC 12207: Manutenção O desenvolvimento de um sistema termina quando o produto é liberado para o cliente e o software é instalado para uso operacional Daí em diante, deve-se garantir que esse sistema

Leia mais

Introdução às Bases de Dados

Introdução às Bases de Dados O Sistema de Base de Dados através do SGBD permite controlar de forma centralizada os dados armazenados. Base de Dados Ficheiro 1 Ficheiro 2 Ficheiro 3 Sistema de Gestão de Bases de Dados (SGBD) Prog.1

Leia mais

Gerência e Planejamento de Projeto. Engenharia de Software I Profa. Elisa Yumi Nakagawa 1 o semestre de 2015

Gerência e Planejamento de Projeto. Engenharia de Software I Profa. Elisa Yumi Nakagawa 1 o semestre de 2015 Gerência e Planejamento de Projeto Engenharia de Software I Profa. Elisa Yumi Nakagawa 1 o semestre de 2015 Conteúdo: Parte 1: Gerenciamento & Qualidade Plano de Projeto - aspectos gerais Parte 2: Plano

Leia mais

Princípios da Engenharia de Software aula 03

Princípios da Engenharia de Software aula 03 Princípios da Engenharia de Software aula 03 Prof.: José Honorato Ferreira Nunes Material cedido por: Prof.: Franklin M. Correia Na aula anterior... Modelos de processos de software: Evolucionário Tipos

Leia mais

Unidade 1 Introdução

Unidade 1 Introdução Unidade 1 UFCG/CEEI/DSC Banco de Dados I Prof. Cláudio Baptista, PhD O que é um Banco de Dados (BD)? É uma coleção de dados relacionados e armazenados em algum dispositivo. Propriedades de um BD: Um BD

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Comunicação em Grupo Referência Sistemas operacionais modernos Andrew S. TANENBAUM Prentice-Hall, 1995 Seção 10.4 pág. 304-311 2 Comunicação em Grupo Suponha que se deseja um serviço de arquivos único

Leia mais

Formação de DBAs SQL Server 2008

Formação de DBAs SQL Server 2008 Formação de DBAs SQL Server 2008 Parte 8: Banco de Dados Distribuído Computação Distribuída Um grupo de elementos autônomos de processamento (não necessariamente homogêneos) que estão interconectados por

Leia mais

SGBD. Definição. Funções básicas

SGBD. Definição. Funções básicas Definição Sistema cujo objetivo principal é gerenciar o acesso e a correta manutenção dos dados armazenados em um banco dados. Funções básicas Métodos acesso Integrida Semântica Segurança Concorrência

Leia mais

Prof. Luiz A. Nascimento

Prof. Luiz A. Nascimento Prof. Luiz A. Nascimento Qual a importância da Engenharia de Software? O desenvolvimento de um software envolve processos muitos complexos. A engenharia de software estabelece um modelo para se construir

Leia mais

Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados

Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados Introdução Prof. Marcos Alexandruk EMENTA Sistemas gerenciadores de banco de dados; Configurações do ambiente de trabalho; Diferenças entre as diversas plataformas;

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Lista de Exercícios 03. Luiz Leão

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Lista de Exercícios 03. Luiz Leão Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Exercício 01 É o sistema de informações desenvolvido para atender às necessidades do nível estratégico da corporação. auxilia a direção da corporação

Leia mais

Este é o segundo modulo, nele abordaremos os métodos de gerenciamento do Windows Server 2008.

Este é o segundo modulo, nele abordaremos os métodos de gerenciamento do Windows Server 2008. Gerenciando o Windows Server 2008 Bem vindo(a), Este é o segundo modulo, nele abordaremos os métodos de gerenciamento do Windows Server 2008. Após essa aula você será capaz de: Definir quais são as formas

Leia mais

BANCO DE DADOS. Introdução. Prof. Marcelo Machado Cunha

BANCO DE DADOS. Introdução. Prof. Marcelo Machado Cunha BANCO DE DADOS Introdução Prof. Marcelo Machado Cunha Profissionais Envolvidos Administrador de Banco de Dados (DBA) responsável por autorizar o acesso ao banco de dados e coordenar e monitorar seu uso;

Leia mais

Diagrama Funcional das Informações

Diagrama Funcional das Informações Arquitetura Processo Diagrama Funcional das Informações Produção das Informações Coleta das Informações Gestores Algoritmo de Processamento / Data Loader Decriptografia e descompactação Armazenamento Consumo

Leia mais

SSC643 -Avaliação de Desempenho de Sistemas Computacionais Sarita Mazzini Bruschi

SSC643 -Avaliação de Desempenho de Sistemas Computacionais Sarita Mazzini Bruschi Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Sistemas de Computação SSC643 -Avaliação de Desempenho de Sistemas Computacionais Sarita Mazzini Bruschi Material

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Versão 1.4 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 11/10/2012 1.0 Revisão das políticas EPG 26/11/2012 1.1 Revisão do Item de customização EPG 24/10/2013 1.2 Revisão

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO NA ÁREA DE INFORMÁTICA: HABILITAÇÃO TÉCNICO EM INFORMÁTICA NA MODALIDADE A DISTÂNCIA /1

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO NA ÁREA DE INFORMÁTICA: HABILITAÇÃO TÉCNICO EM INFORMÁTICA NA MODALIDADE A DISTÂNCIA /1 ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO NA ÁREA DE INFORMÁTICA: HABILITAÇÃO TÉCNICO EM INFORMÁTICA NA MODALIDADE A DISTÂNCIA - 2008/1 DC 9481 03/10/07 Rev. 00 1. Dados Legais Autorizado pelo Parecer 278 do Conselho

Leia mais

Bancos de Dados Distribuídos. Bancos de Dados Distribuídos. Conteúdo. Motivação. Motivação. Introdução aos BDs Distribuídos.

Bancos de Dados Distribuídos. Bancos de Dados Distribuídos. Conteúdo. Motivação. Motivação. Introdução aos BDs Distribuídos. Bancos de Dados Distribuídos Prof. Frank Siqueira Departamento de Informática e Estatística Universidade Federal de Santa Catarina Conteúdo Introdução aos BDs Distribuídos Processamento de Consultas Distribuídas

Leia mais

Modernizando a Informação: Atualização do Banco de Dados Oracle da versão 7 para a 10g

Modernizando a Informação: Atualização do Banco de Dados Oracle da versão 7 para a 10g Modernizando a Informação: Atualização do Banco de Dados Oracle da versão 7 para a 10g Fabiana Ferreira do Nascimento fabiana@nti.ufpb.br CSI/NTI/UFPB O Valor da Informação nas IFES Protocolo Alunos Pró-Reitores

Leia mais

Adriano Maranhão PROFISSIONAIS E ATIVIDADES ENVOLVIDAS EM UM SGBD

Adriano Maranhão PROFISSIONAIS E ATIVIDADES ENVOLVIDAS EM UM SGBD Adriano Maranhão PROFISSIONAIS E ATIVIDADES ENVOLVIDAS EM UM SGBD ADMINISTRADOR DA BASE DE DADOS Em qualquer organização onde muitas pessoas compartilham muitos recursos, existe a necessidade de um administrador

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha

Prof. Marcelo Machado Cunha Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

Perfil Formação Acadêmica Experiência Profissional Capacitação Profissional

Perfil Formação Acadêmica Experiência Profissional Capacitação Profissional Programador - DESENVOLVEDOR JAVA Deverá possuir experiência comprovada de pelo menos 01 (um) ano em desenvolvimento de aplicações WEB com J2EE; Conhecimentos em JSP, TagLib, Servlets, Classes Java, linguagem

Leia mais

Curso de Engenharia Industrial Madeireira UFPR Prof. Umberto Klock

Curso de Engenharia Industrial Madeireira UFPR Prof. Umberto Klock Curso de Engenharia Industrial Madeireira UFPR Prof. Umberto Klock Introdução à Gestão de Projetos; Gestão de Escopo; Gestão de Prazos; Gestão de Custos; Gestão de Pessoas; Gestão de Comunicação; Gestão

Leia mais

Banco de Dados e Engenharia de Software

Banco de Dados e Engenharia de Software Banco de Dados e Engenharia de Software Agenda Introdução a Banco de Dados Lógica Elementar, Conjuntos e Relações Arquitetura de Banco de Dados Linguagem SQL Modelo conceitual para Banco de Dados Transações

Leia mais

Bancos de Dados IV. Data Warehouse Conceitos. Rogério Costa

Bancos de Dados IV. Data Warehouse Conceitos. Rogério Costa Bancos de Dados IV Data Warehouse Conceitos Rogério Costa rogcosta@inf.puc-rio.br 1 Data Warehouse - O que é? Conjunto de dados orientados por assunto, integrado, variável com o tempo e nãovolátil Orientado

Leia mais

Formação de DBAs SQL Server 2008 Parte 1: Introdução

Formação de DBAs SQL Server 2008 Parte 1: Introdução Formação de DBAs SQL Server 2008 Parte 1: Introdução Material Cedido pelo Professor Leandro Coelho Correia Objetivos Preparar profissionais para atuar como administradores de banco de dados SQL Server

Leia mais

Conceitos de Sistemas de Banco de Dados INE 5323

Conceitos de Sistemas de Banco de Dados INE 5323 Conceitos de Sistemas de Banco de Dados INE 5323 Prof. Mario Dantas Introdução Por quê Sistemas de Banco de Dados Visão dos Dados Modelos de Dados Linguagem de Definição de Dados (DDL) Linguagem de Manipulação

Leia mais

Comparação entre os bancos de dados Mysql 5.0 e Firebird 2.0

Comparação entre os bancos de dados Mysql 5.0 e Firebird 2.0 Comparação entre os bancos de dados Mysql 5.0 e Firebird 2.0 Joao Cosme Júnior José Wilson Júnior Rafael Neves Instituto Fátima 5 de julho de 2007 Sumário Um pouco de História 1 Um pouco de História 2

Leia mais

Aula 4 TECNOLOGIA EM JOGOS DIGITAIS JOGOS MASSIVOS DISTRIBUÍDOS. Marcelo Henrique dos Santos

Aula 4 TECNOLOGIA EM JOGOS DIGITAIS JOGOS MASSIVOS DISTRIBUÍDOS. Marcelo Henrique dos Santos Aula 4 TECNOLOGIA EM JOGOS DIGITAIS JOGOS MASSIVOS DISTRIBUÍDOS Marcelo Henrique dos Santos Marcelo Henrique dos Santos Email: Site: marcelosantos@outlook.com www.marcelohsantos.com.br TECNOLOGIA EM JOGOS

Leia mais

ISO/IEC Processo de ciclo de vida

ISO/IEC Processo de ciclo de vida ISO/IEC 12207 Processo de ciclo de vida O que é...? ISO/IEC 12207 (introdução) - O que é ISO/IEC 12207? - Qual a finalidade da ISO/IEC 12207? Diferença entre ISO/IEC 12207 e CMMI 2 Emendas ISO/IEC 12207

Leia mais

REDE PERT - CPM DEP E A P R A TA T M A EN E TO T DE E M EC E ÂN Â IC I A C

REDE PERT - CPM DEP E A P R A TA T M A EN E TO T DE E M EC E ÂN Â IC I A C REDE PERT - CPM DEPARTAMENTO DE MECÂNICA PROGRAMA DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA AO LONGO DO ANO PARALIZAÇÕES E TRABALHOS DE EMERGÊNCIA GRANDES TRABALHOS PROJETOS DE MODIFICAÇÕES INSPEÇÃO LUBRIFICAÇÃO DE ROTINA

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Visão Geral dos O é fundamental para o gerenciamento de um ambiente de TI, uma vez que a eficácia é seriamente comprometida se uma organização não souber quais ativos de software ela possui, onde estão

Leia mais

O que é um sistema distribuído?

O que é um sistema distribuído? Disciplina: Engenharia de Software 4 Bimestre Aula 1: ENGENHARIA DE SOFTWARE DISTRIBUÍDO O que é um sistema distribuído? Segundo Tanenbaum e Steen (2007) um sistema distribuído é uma coleção de computadores

Leia mais

Organização para Realização de Teste de Software

Organização para Realização de Teste de Software Organização para Realização de Teste de Software Quando o teste se inicia há um conflito de interesses: Desenvolvedores: interesse em demonstrar que o programa é isento de erros. Responsáveis pelos testes:

Leia mais

Introdução 12 que inuenciam a execução do sistema. As informações necessárias para o diagnóstico de tais problemas podem ser obtidas através da instru

Introdução 12 que inuenciam a execução do sistema. As informações necessárias para o diagnóstico de tais problemas podem ser obtidas através da instru 1 Introdução Atualmente a demanda pela construção de novos sistemas de software tem aumentado. Junto com esse aumento também cresce a complexidade das soluções que estão sendo desenvolvidas, o que torna

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 6 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 6-10/05/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software (Caps. 13 e 14 do

Leia mais

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Ciência da Computação Disciplina de Algoritmos Paralelos e Distribuídos

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Ciência da Computação Disciplina de Algoritmos Paralelos e Distribuídos Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Ciência da Computação Disciplina de Algoritmos Paralelos e Distribuídos Pensando em Paralelo Pensar em paralelo é uma tarefa que exige disciplina

Leia mais

Banco de Dados I. Prof. Edson Thizon ethizon@bol.com.br

Banco de Dados I. Prof. Edson Thizon ethizon@bol.com.br Banco de Dados I Prof. Edson Thizon ethizon@bol.com.br Conceitos Dados Fatos conhecidos que podem ser registrados e que possuem significado implícito Banco de dados (BD) Conjunto de dados interrelacionados

Leia mais

Prof. Esp. Fabiano Taguchi

Prof. Esp. Fabiano Taguchi UML Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@hotmail.com UML COMPETÊNCIA: Conhecer e desenvolver estudos de caso usando modelagem orientada a objeto. HABILIDADE: Conhecer

Leia mais

Prof. Claudio SIBC, TI e SGBD PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Prof. Claudio SIBC, TI e SGBD PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Claudio SIBC, TI e SGBD PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Revisão Dado é diferente de é diferente de conhecimento Sistemas podem ser: Simples e Complexos; Abertos e Fechados; Estáveis e Dinâmicos;

Leia mais

Infra-estrutura de Informática e formas de acesso às redes de informação

Infra-estrutura de Informática e formas de acesso às redes de informação Infra-estrutura de Informática e formas de acesso às redes de informação A FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE entende que deve acompanhar as necessidades de atendimento da área acadêmica e administrativa

Leia mais

As Visões. Visões arquiteturais (revisão)

As Visões. Visões arquiteturais (revisão) As 4 + 1 Visões Jair C Leite Visões arquiteturais (revisão) Separar diferentes aspectos em visões separadas com o objetivo de gerenciar complexidade. Cada visão descreve diferentes conceitos da engenharia.

Leia mais

Banco de Dados Relacional

Banco de Dados Relacional Centro Federal de Educação Tecnológica de Pernambuco Curso de Tecnologia em Sistemas de Informação Banco de Dados Relacional Renata Lúcia Mendonça Ernesto do Rêgo rlrego@yahoo.com 1 Plano de Ensino Objetivo

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 07/02/2012 19:25. Centro de Ciências Exatas e Naturais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 07/02/2012 19:25. Centro de Ciências Exatas e Naturais 7// 9:5 Centro de Ciências Exatas e Naturais Curso: 6 Sistemas de Informação (Noturno) Currículo: / ADM.96.-7 Funções Empresariais I Ementa: Introdução à administração. Conceitos de Organização e Administração.

Leia mais

Banco de Dados Distribuído

Banco de Dados Distribuído Bancos de Dados III Bancos de Dados Distribuídos Introdução Rogério Costa rogcosta@inf.puc-rio.br 1 Banco de Dados Distribuído Vários bancos de dados fisicamente separados, mas logicamente relacionados

Leia mais

Manual do Usuário V Universidade Federal do Pampa Núcleo de Tecnologia da Informação e comunicação NTIC 26/01/2015

Manual do Usuário V Universidade Federal do Pampa Núcleo de Tecnologia da Informação e comunicação NTIC 26/01/2015 Manual do Usuário V.1.0.0 2015 Universidade Federal do Pampa Núcleo de Tecnologia da Informação e comunicação NTIC 26/01/2015 REITORA Ulrika Arns VICE-REITOR Almir Barros da Silva Santos Neto DIRETOR DO

Leia mais

Qualidade de Software QUALIDADE DE SOFTWARE PRODUTO

Qualidade de Software QUALIDADE DE SOFTWARE PRODUTO Qualidade de Software QUALIDADE DE SOFTWARE PRODUTO O que é Qualidade de Software Produto? Boa fabricação. Deve durar muito. Bom desempenho. Utilizável tanto em UNIX quanto em DOS. Adaptável às minhas

Leia mais

Fundamentos de Gestão de TI

Fundamentos de Gestão de TI Fundamentos de Gestão de TI Tópico IV Desenho de Serviço (ITIL V3) José Teixeira de Carvalho Neto desenho de serviço desenho de serviço Objetivo: desenhar e especificar serviços novos ou alterados para

Leia mais

Gerência de Redes Visão Geral

Gerência de Redes Visão Geral Gerência de Redes Visão Geral Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Sumário Gerenciamento de Redes Evolução do Gerenciamento Áreas Funcionais Elementos do Gerenciamento Plataformas

Leia mais

Novidades da Plataforma de suporte remoto 3.0

Novidades da Plataforma de suporte remoto 3.0 Novidades Plataforma de suporte remoto do SAP Business One Versão do documento: 1.0 08.10.2012 PÚBLICO Novidades da Plataforma de suporte remoto 3.0 Todos os países Convenções tipográficas Estilo de letra

Leia mais

Modelagem de Dados MODELAGEM DE DADOS. Sistemas de Banco de Dados. Profa. Rosemary Melo

Modelagem de Dados MODELAGEM DE DADOS. Sistemas de Banco de Dados. Profa. Rosemary Melo MODELAGEM DE DADOS Sistemas de Banco de Dados Profa. Rosemary Melo SISTEMAS DE BANCO DE DADOS OBJETIVOS Apresentar os conceitos fundamentais de Sistemas de Banco de Dados. Principais componentes dos SGBDs

Leia mais

Objetos e Componentes Distribuídos: EJB

Objetos e Componentes Distribuídos: EJB : EJB Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta

Leia mais

Programação Concorrente

Programação Concorrente INE 5410 Programação Concorrente Professor: Lau Cheuk Lung (turma A) INE UFSC lau.lung@inf.ufsc.br Conteúdo Programático 1. 2. Programação Concorrente 3. Sincronização 1. Condição de corrida, região critica

Leia mais

Avaliação de Desempenho

Avaliação de Desempenho Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Sistemas de Computação Avaliação de Desempenho Introdução Aula 1 Marcos José Santana Regina Helena Carlucci Santana

Leia mais

Resolução dos exercícios da lista BD01

Resolução dos exercícios da lista BD01 Resolução dos exercícios da lista BD01 Pedro Losco Takecian Monitor João Eduardo Ferreira Professor 4 de abril de 2006 1. Quando faz sentido utilizar um SGBD ao invés de simplesmente utilizar o sistema

Leia mais

OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS

OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS PERSPECTIVA: TRE/RN e Sociedade Objetivo 1: Primar pela satisfação do cliente de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) Descritivo: Conhecer e ouvir o cliente

Leia mais

Aula 01. Introdução aos sistemas de informação Conceitos de banco de dados Modelos de BD Linguagens de Banco de Dados Usuários de um Banco de Dados

Aula 01. Introdução aos sistemas de informação Conceitos de banco de dados Modelos de BD Linguagens de Banco de Dados Usuários de um Banco de Dados INSTITUTO FEDERAL NORTE DE MINAS GERAIS Curso Técnico em Informática Disciplina: Banco de Dados Professor: Alessandro Carneiro Ribeiro E-mail: alessandro.carneiro@yahoo.com.br Aula 01 Introdução aos sistemas

Leia mais

Como criar seu ecossistema de dados com o Tableau no AWS

Como criar seu ecossistema de dados com o Tableau no AWS Como criar seu ecossistema de dados com o Tableau no AWS Migrando seu BI para a nuvem Seu BI funciona e, provavelmente, funciona muito bem. Porém, continuar capacitando seus colegas com os dados será um

Leia mais

MODELAGEM DE DADOS UNIDADE 1 Visão Geral. Luiz Leão

MODELAGEM DE DADOS UNIDADE 1 Visão Geral. Luiz Leão UNIDADE 1 Visão Geral Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático 1.1 Visão geral: Banco de dados 1.2 Dados versus informação 1.3 Classificando os bancos de dados 1.4 Sistemas

Leia mais

TESTES DE SOFTWARE 1. Fundamentos sobre testes de software

TESTES DE SOFTWARE 1. Fundamentos sobre testes de software ENG SOFT - TESTES TESTES DE SOFTWARE 1. Fundamentos sobre testes de software A atividade de teste de software sempre foi considerada como um gasto de tempo desnecessário, uma atividade de segunda classe,

Leia mais

S T E M A I N T E G R A D O A SOLUÇÃO COMPLETA PARA ADMINISTRAÇÃO DE SUA EMPRESA Indústria Comércio Serviço

S T E M A I N T E G R A D O A SOLUÇÃO COMPLETA PARA ADMINISTRAÇÃO DE SUA EMPRESA Indústria Comércio Serviço S A SOLUÇÃO COMPLETA PARA ADMNSTRAÇÃO DE SUA EMPRESA ndústria Comércio Serviço S O GestãoPro foi desenvolvido para atender as empresas que atuam nos setores da indústria, comércio e serviço. O grande diferencial

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 4 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 4-03/05/2006 1 Modelos Prescritivos de Processo Modelo em cascata Modelos incrementais Modelo incremental Modelo RAD Modelos

Leia mais

MATA60 BANCO DE DADOS Aula 2- Sistema Gerenciador de Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro

MATA60 BANCO DE DADOS Aula 2- Sistema Gerenciador de Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro MATA60 BANCO DE DADOS Aula 2- Sistema Gerenciador de Banco de Dados Prof. Daniela Barreiro Claro Agenda SGBD Visão Geral Componentes Vantagens Arquitetura de um SGBD FORMAS - UFBA 2 de X SGBD Um Sistema

Leia mais

Caracterização de Sistemas Distribuídos

Caracterização de Sistemas Distribuídos Caracterização de Sistemas Distribuídos Roteiro Conceitos de Hardware Conceitos de Software Classificação de Flynn Classificação baseada no acesso a memória 2 Conceitos de HW Múltiplas CPUs Diferentes

Leia mais

- Prototipação Iterativa - Observação Direta

- Prototipação Iterativa - Observação Direta - Prototipação Iterativa - Observação Direta Júnia Coutinho Anacleto Silva Maio/2004 Prototipação Iterativa A interface com o usuário é a porta de entrada da aplicação, e desempenha um papel fundamental

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - UFPR BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - UFPR BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CI 221 DISCIPLINA: Engenharia de Software AULA NÚMERO: 3 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos básicos como processo, projeto, produto, por que

Leia mais

CRITÉRIOS DA USABILIDADE Um auxílio à qualidade do software

CRITÉRIOS DA USABILIDADE Um auxílio à qualidade do software CRITÉRIOS DA USABILIDADE Um auxílio à qualidade do software Simone Vasconcelos Silva Professora de Informática do CEFET Campos Mestre em Engenharia de Produção pela UENF RESUMO Um produto de software de

Leia mais

Korreio: solução integrada para a administração de sistemas de correio eletrônico baseada em software livre

Korreio: solução integrada para a administração de sistemas de correio eletrônico baseada em software livre Korreio: solução integrada para a administração de sistemas de correio eletrônico baseada em software livre Reinaldo Carvalho 1, Antônio Abelém 2 Instituto de Informática Universidade Federal do Pará (UFPA)

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais de Arquitetura Aberta. CST em Redes de Computadores

Fundamentos de Sistemas Operacionais de Arquitetura Aberta. CST em Redes de Computadores Fundamentos de Sistemas Operacionais de Arquitetura Aberta CST em Redes de Computadores Introdução Computadores Computadores são compostos, basicamente, de CPU, memória e dispositivos de entrada e saída

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE DEFINIÇÕES / RESUMO. Apostilas de NORMAS, disponíveis no site do professor. Prof. Celso Candido ADS / REDES / ENGENHARIA

QUALIDADE DE SOFTWARE DEFINIÇÕES / RESUMO. Apostilas de NORMAS, disponíveis no site do professor. Prof. Celso Candido ADS / REDES / ENGENHARIA DEFINIÇÕES / RESUMO Apostilas de NORMAS, disponíveis no site do professor. 1 NORMAS VISÃO GERAL Qualidade é estar em conformidade com os requisitos dos clientes; Qualidade é antecipar e satisfazer os desejos

Leia mais

Normas ISO:

Normas ISO: Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software Normas ISO: 12207 15504 Prof. Luthiano Venecian 1 ISO 12207 Conceito Processos Fundamentais

Leia mais

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A.

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE 35300010230 RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO GESTÃO INTEGRADA DE RISCO OPERACIONAL, CONTROLES INTERNOS E COMPLIANCE Objetivo Este documento

Leia mais

ITIL v3 Transição de Serviço Parte 1

ITIL v3 Transição de Serviço Parte 1 ITIL v3 Transição de Serviço Parte 1 A Transição de Serviço é composto por um conjunto de processos e atividades para a transição de serviços no ambiente de produção. Aqui, deve-se encarar como um projeto

Leia mais

Oracle Database 10g: Fundamentos de SQL e PL/SQL

Oracle Database 10g: Fundamentos de SQL e PL/SQL Oracle University Contact Us: 0-800-167225 Oracle Database 10g: Fundamentos de SQL e PL/SQL Duration: 5 Dias O que é que gostaria de aprender Conheça os fundamentos de SQL e PL/SQL usando o SQL Developer

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 5ª. Série Programação Distribuída A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido

Leia mais

Desenvolvimento de um Escalonador de Cenas para motores de jogos

Desenvolvimento de um Escalonador de Cenas para motores de jogos Desenvolvimento de um Escalonador de Cenas para motores de jogos Lucas Pinheiro Otaviano Andre 1 1 Instituto Metrópole Digital Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) lpoandre@inf.ufrgs.br Abstract.

Leia mais

Programação Paralela e Distribuída

Programação Paralela e Distribuída INE 5645 Programação Paralela e Distribuída Professor: Lau Cheuk Lung (turma A) INE UFSC lau.lung@inf.ufsc.br Conteúdo Programático 1. Introdução 2. Programação Paralela 3. Controle de Concorrência 4.

Leia mais

Introdução. O que é um Banco de Dados (BD)?

Introdução. O que é um Banco de Dados (BD)? O que é um Banco de Dados (BD)? É uma coleção de dados relacionados e armazenados em algum dispositivo Associações aleatórias de dados não podem ser chamadas de base de dados Conceito de dados Valor de

Leia mais

Conceitos relativos a Banco de Dados & Modelos de Informação de Banco de Dados. Introdução

Conceitos relativos a Banco de Dados & Modelos de Informação de Banco de Dados. Introdução Conceitos relativos a Banco de Dados & Modelos de Informação de Banco de Dados Prof. Anderson Henriques Introdução A quantidade de informação relevante para a tomada de decisões nas organizações é muito

Leia mais

Software Para Geração de Consultas e Relatórios

Software Para Geração de Consultas e Relatórios Software Para Geração de Consultas e Relatórios Características e Funcionalidades Versão 1.1 Iniview é marca registrada da Projedata Informática Ltda. Todos os direitos reservados à Projedata Informática

Leia mais

Visão Geral da Norma ISO/IEC 12207

Visão Geral da Norma ISO/IEC 12207 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Visão Geral da Norma ISO/IEC 12207 Engenharia de Software 2o. Semestre

Leia mais

Inteligência Empresarial

Inteligência Empresarial SOLUÇÕES WK Inteligência Empresarial A Solução para da WK Sistemas contempla um conjunto de ferramentas que permitem integrar através de Dashboards e Relatórios personalizados informações das diversas

Leia mais

Requisitos de Ambiente para Central SAVER OmniLink

Requisitos de Ambiente para Central SAVER OmniLink Documentação Técnica N. 0073/10 Requisitos de Ambiente para Central SAVER OmniLink Histórico de Alterações Revisão Data Autor Principais Alterações 3 27/07/2010 Marcilio Machado Criação do Documento 27/07/2010

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini   / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: SIG Aula N : 06 Tema: Fundamentos da inteligência

Leia mais

Sistemas de Banco de Dados

Sistemas de Banco de Dados Sistemas de Banco de Dados Fundamentos em Bancos de Dados Relacionais Wladmir Cardoso Brandão www.wladmirbrandao.com Departamento de Ciência da Computação (DCC) Instituto de Ciências Exatas e Informática

Leia mais

Sistema de Gestão de Recursos Humanos

Sistema de Gestão de Recursos Humanos Sistema de Gestão de Recursos Humanos Manual de Procedimentos I Módulo de Usuários Revisão: 07 Versão: 7.9.109 JM Soft Informática Março, 2015 Sumário MÓDULO DE USUÁRIOS... 4 1 MENU CADASTROS... 4 1.1

Leia mais