AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE TRANSMISSÃO DE MULTIMÍDIA SOBRE G.SHDSL.BIS EFM EM COMPARAÇÃO A OUTRAS TECNOLOGIAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE TRANSMISSÃO DE MULTIMÍDIA SOBRE G.SHDSL.BIS EFM EM COMPARAÇÃO A OUTRAS TECNOLOGIAS"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE TRANSMISSÃO DE MULTIMÍDIA SOBRE G.SHDSL.BIS EFM EM COMPARAÇÃO A OUTRAS TECNOLOGIAS Adriane Wahast Salvador 1 Rafael Bohrer Ávila 2 Resumo: As operadoras de telecomunicação buscam continuamente diversificar a gama de serviços oferecidos a seus clientes, bem como, melhorar a qualidade destes serviços a custo razoável. Para atingir tais objetivos, estas empresas investem em pesquisa, procurando novas tecnologias que atendam às necessidades de seus clientes e agreguem valor aos serviços oferecidos. A cada dia os clientes exigem serviços melhores e com taxas de transmissão mais elevadas, com isso o meio de fornecê-los pode tornar-se o maior obstáculo para essas empresas. O tema central desse projeto é analisar os benefícios da tecnologia EFM (Ethernet in the First Mile) sobre cobre em conjunto com os benefícios da tecnologia G.SHDSL.bis (Single-Pair High-Speed Digital Subscriber Line-Extension), além de compreender o modo pelo qual estas tecnologias contribuem para solucionar possíveis obstáculos na transmissão de dados. Palavras-chave: EFM. G.SHDSL.bis. Multimídia. 1 INTRODUÇÃO As operadoras de telefonia possuem hoje uma extensa planta de pares metálicos instalados (MEF, 2005a). Conforme indicadores da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), órgão regulador da telefonia no Brasil, no segundo trimestre de 2013 o número de acessos STFC (Serviço Telefônico Fixo Comutado de Comunicação Multimídia) ativos chegou a mais de 44 milhões e mais de 68 milhões instalados. Conforme pesquisas realizadas pela Cetic.br (Centro de Estudos sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação), 65% das empresas entrevistadas utilizam a conexão via linha telefônica DSL (Digital Subscriber Line). A Tabela 1 traz os tipos de conexões mais utilizadas pelas empresas. 1 Adriane Wahast Salvador, aluna do curso de Ciência da Computação, 2 Rafael Bohrer Ávila, professor da Universidade do Vale do Rio dos Sinos,

2 2 Tabela 1 - Tipo de conexões utilizadas pelas Empresas Conexões % de empresas que utilizam Via linha telefônica DSL Via cabo Via rádio Via modem 3G Via acesso discado Via satélite Outras conexões Não sabiam/não responderam Fonte: Centro de Estudos sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação CETIC (2012, 2011, 2010, 2009). Com a crescente demanda por serviços de Internet, bem como a necessidade por bandas com taxas maiores, o meio físico continua sendo um obstáculo para a entrega de um serviço de qualidade ao usuário final. Até recentemente, a fibra óptica era a única forma de proporcionar ao cliente serviços com taxas elevadas de transmissão (MEF, 2005b). Neste sentido a tecnologia G.SHDSL.bis EFM (IEEE, 2004) surge como uma alternativa interessante, pois permite um melhor aproveitamento da rede de cobre já instalada, podendo chegar a 5,69 Mbps em um único par de cobre. Dois grupos trabalharam concomitantemente para criar e promover um padrão global para garantir total interoperabilidade do EFM com outros fabricantes, o Institute of Electrical e Electronics Engineers, Inc. (IEEE) e o Metro Ethernet Forum (MEF). Enquanto o IEEE trabalhou no desenvolvimento do padrão EFM, o Metro Ethernet Fórum trabalhou na conscientização de mercado, dirigindo um consenso e preparando demonstrações de interoperabilidade (MEF, 2005a). O padrão EFM não melhora ou substitui a padrão Ethernet existente, mas consiste em um conjunto de especificações adicionais que permite aos usuários o uso do protocolo Ethernet através de meios antes não suportados. Como pares metálicos, sem a necessidade de protocolos adicionais, pois a Ethernet chega de forma direta ao site do cliente. Estas características tornam o EFM adequado para uso em redes de acesso de assinante.

3 3 O baixo custo e alta largura de banda tornam o EFM adequado para serviços adicionais, como o Triple Play, que fornece em um único meio de comunicação, serviços de dados, voz e multimídia. Serviços multimídia estão se tornando cada vez mais populares e são cada vez mais procurados, tanto por usuários empresariais, quanto por usuários residenciais. Alguns desses serviços como VoIP - voz sobre IP, IPTV - TV sobre IP e VoD - Vídeo on Demand possibilitam a interação dos usuários, exigindo assim maiores taxas, não só de recepção, mas também de transmissão. Para garantir a qualidade do serviço - QoS, alguns parâmetros como perda de pacotes, Jitter e atraso devem ser observados para que se obtenha sucesso no fornecimento desse tipo de serviços (CHANGBIN; LEI; BIN, 2007). Com isso, essa tecnologia torna-se uma boa alternativa em várias áreas. Nas instituições de ensinos, por exemplo, alunos podem fazer Upload de conteúdos para pesquisas escolares, professores podem realizar uma capacitação online, bem como transmitir aulas ministradas a distância. Esse tipo de uso já vem sendo adotado pelo Governo Federal, através do Programa Banda Larga nas Escolas, lançado em Este programa tem como objetivo conectar todas as escolas públicas urbanas à Internet (BRASIL, 2012). Na área da saúde pode-se pensar em consultas online, pois algumas cidades por questão de distância ou dificuldade de acesso, não dispõem de especialista em determinadas áreas, podendo assim fazer um pré-diagnóstico do problema do paciente. As empresas, por sua vez, visam cada vez mais reduções de custo e tempo. Com o uso desta tecnologia uma empresa pode realizar reuniões com os associados de suas filiais que podem estar em cidades, estados ou até mesmo países diferentes. Sem que haja a necessidade de deslocamento dos participantes, reduzindo assim os custos de transporte, estadias e perda de tempo com pontes aéreas. Todas essas aplicações são suportadas pela tecnologia G.SHDSL.bis EFM, que garante taxa de transmissão simétrica para Download e Upload. O objetivo central do trabalho é realizar uma avaliação do desempenho na transmissão de dados multimídia sobre G.SHDSL.bis EFM, descrevendo o funcionamento desta tecnologia e visando identificar suas vantagens e desvantagens em relação a outras tecnologias utilizadas atualmente.

4 4 Alguns dos objetivos específicos a serem realizados nesse trabalho são: comparar tecnicamente a tecnologia G.SHDSL.bis EFM com as tecnologias que são utilizadas atualmente pelas operadoras de telecomunicações, como ADSL2+ (Asymmetric Digital Subscriber Line 2 plus) e o VDSL2 (Very-High-Bit-Rate Digital Subscriber Line 2); comparar o comportamento e o desempenho na transmissão de dados multimídia da tecnologia G.SHDSL.bis EFM com as demais tecnologias; comprovar o comportamento e desempenho das tecnologias, através de experimentos práticos. O estudo realizado nesse trabalho, poderá servir como apoio técnico às empresas que desejam conhecer os detalhes de funcionamento da tecnologia G.SHDSL.bis EFM, sejam elas operadoras, fabricantes de equipamentos ou potenciais usuários desta tecnologia. Ele mostrará as limitações, vantagens e desvantagem da utilização dessa tecnologia e ajudará a entender melhor a adequabilidade dessa nova tecnologia de transmissão para aplicações multimídia. 2 ETHERNET NA PRIMEIRA MILHA (EFM) O meio físico que interliga o usuário final e a rede pública é fundamental para a entrega de banda larga a assinantes comerciais e residenciais. Até pouco tempo, as tecnologias existentes de acesso de primeira milha vinham causando um gargalo na largura de banda (MEF, 2005a). Para atender essa necessidade, o IEEE ratificou em 2004 a norma EFM 802.3ah. O EFM foi desenvolvido para contribuir na solução destes problemas, vindo para mudar o cenário, usando a infraestrutura física existente, sejam linhas telefônicas ou links de fibra ótica. Com a tecnologia de acesso, a Ethernet tem três vantagens sobre as tecnologias de primeira milha já existentes (MEF, 2005a): Um padrão simples e globalmente aceito que garante interoperabilidade; Uma prova de conceito para futuras aplicações com uso de dados, vídeo e voz; A infraestrutura é mais eficaz para os serviços de dados.

5 5 O padrão EFM também define funções OAM (operação, administração e manutenção), que simplificam o monitoramento da rede Ethernet. Através dessas funções as operadoras podem monitorar, gerenciar e solucionar problemas da rede de acesso e os mesmos protocolos de gerenciamento funcionam em todas as topologias EFM (MEF, 2005c). Considerando que a primeira milha pode ser dentro de um bairro, um parque empresarial, um campus ou um único edifício, o padrão EFM oferece suporte a todas essas situações, alem de fornecer uma abordagem única para transmitir tráfego Ethernet através de três topologias diferentes (MEF, 2005a): Redes de cabeamento de cobre ponto a ponto: o cabeamento de cobre e par trançado também conhecido como linha telefônica domina a primeira milha, sendo assim o EFM Cobre (EFMC) se torna ideal para explorar essa infraestrutura existente (MEF, 2005a). O padrão EFMC pode chegar a taxas de 10 Mbps em curtas distâncias ou 2 Mbps para distâncias mais longas, tornando-se uma solução de acesso atraente para usuários e operadoras, pois utiliza meios que já existem hoje em grande parte das localidades e são compatíveis espectralmente com outros serviços como o E1/T1, serviços DSL, para que eles possam coexistir em um mesmo cabo (MEF, 2005a). Redes de fibra óptica ponto a ponto: No padrão EFM Fibra(EFMF) o transporte para a rede de acesso é feito através de uma conexão ponto a ponto entre a operadora e o endereço do assinante. Neste modo são suportadas as opções de fibra monomodo full-duplex, que chega a 1 Gbps e multi modo para acesso ponto a ponto a 100 Mbps (MEF, 2005a). Redes de fibra óptica ponto a multiponto: uma rede Óptica Passiva (PON), é uma única fibra compartilhada entre diversas fibras individuais. Aqui, cada fibra individual alimenta um cliente e o processo de separação do sinal da fibra compartilhada é feito através de divisores ópticos. Consequentemente, essa técnica necessita de muito menos fibra, provendo taxas de 1 Gbps e distâncias de até metros (MEF, 2005a).

6 6 As operadoras de rede têm a liberdade de escolher e misturar as três topologias EFM, baseado nos seus modelos de negócio, arquiteturas de rede e necessidades do assinante. Elas podem criar ou atualizar suas redes de acesso com várias topologias EFM e gerenciá-las com uma única ferramenta de gerência (MEF, 2005a). 2.1 IEEE 802.3AH EFM COBRE (EFMC) A procura por serviços de Ethernet cresce diariamente acompanhada por exigências de maiores taxas, porém as limitações na conexão entre operadoras e clientes continuam sendo um obstáculo significativo para a entrega destes serviços. Até recentemente, a fibra era a única forma de prover serviços sobre Ethernet de altas taxas, no entanto a cobertura limitada da rede de fibra necessitaria de uma solução alternativa para complementá-la, a fim de atender a demanda distribuída por serviços Ethernet. O par trançado de cobre é a infraestrutura predominante hoje, e que abrange a maior área entre clientes e operadoras. Com isso, a disponibilização de uma rede Ethernet sobre estes cabos de cobre é conveniente pelo fato de explorar uma estrutura já existente em lugares como bairros residenciais e centros empresariais (MEF, 2005b). Para atender essa demanda o IEEE padronizou o EFMC. O processo de normalização é o 802.3ah EFM sobre cobre ou EFMC. O padrão estabelece taxas de pelo menos 10 Mbps para uma opção de curto alcance, de até 750 metros. Há também uma opção de longo alcance, com 2 Mbps para uma distância de metros, podendo chegar a taxas mais elevadas (MEF, 2005b). O EFMC usa mecanismos adicionais para a ligação de múltiplos pares de cobre que permitem um rendimento ainda mais elevado, podendo agregar até 32 pares e chegar a mais de 100 Mbps (MEF, 2009). Contudo, conforme as pesquisas realizadas a maioria dos CPEs (Customer Premises Equipment) existentes no mercado suporta a ligação de no máximo 4 pares, com poucos modelos suportando 8 ou 16 pares.

7 7 Figura 1 - Opções de curto e longo alcance do EFMC Fonte: Metro Ethernet Forum (2005b). 2.2 TIPOS DE EFMC Existem dois tipos de EFM sobre cobre, o 10PASS-TS e 2BASE-TL. O primeiro foi desenvolvido para atender curtas distâncias com taxas simétricas e assimétricas e o segundo para atender longas distâncias com taxas simétricas (EFM, 2005), conforme ilustrado na a Figura PASS-TS Desenvolvido para curto alcance, trabalha com taxas simétricas e assimétricas de no mínimo 10 Mbps e distância de pelo menos 750 metros. Para atingir tais taxas e distâncias sobre um único par de cobre, o EFM usa a tecnologia VDSL (MEF, 2005b) BASE-TL Criado para longo alcance, proporciona taxas simétricas entre 2 Mbps e 5,69 Mbps em um único par de cobre, e a distância de pelo menos metros. Para atingir essa métrica o EFM faz uso da tecnologia G.SHDSL.bis (MEF, 2009). Outra característica desse tipo de EFM é a agregação de pares, o que possibilita fornecer

8 8 taxas simétricas de 22 Mbps a 45 Mbps ou mais. O EFM 2BASE-TL é indicado para empresas, bem como a instituições educacionais e governamentais. 2.3 VANTAGENS A seguir serão analisadas algumas das vantagens da tecnologia EFM Melhorias EFMC em relação ao DSL A EFMC PHYsical (referência ao meio físico) aproveitou anos de trabalho de desenvolvimento da DSL adotando as mesmas técnicas de modulação desta, o que garante a compatibilidade espectral entre suas modulações. Além disso, a EFMC em conjunto com outras tecnologias pode chegar a distâncias maiores usando apenas um par metálico (MEF, 2005b). Já o padrão DSL trabalha com uma pilha de protocolos, além de suporte PPP (Point-to-Point Protocol) e subcamadas ATM (Asynchronous Transfer Mode), as quais foram desenvolvidas para acomodar serviços ainda não implantados, o que resulta em custos adicionais para prover serviços desnecessários Redução do Overhead Uma das características mais importantes do EFM é a redução de overhead em comparação com outros métodos de conexão, como os conhecidos ADSL, T1 e outras soluções de acesso à internet que adotam quadros Ethernet encapsulados em células ATM para o transporte através da rede de telecomunicações. Além disso, é comum a adição de outras camadas de encapsulamento, como PPPoE (Point-to- Point Protocol over Ethernet) e PPPoA (Point-to-Point Protocol over ATM), o que favorece o aumento do overhead nesses links. Tal sobrecarga pode levar a uma ineficácia entre 20-50% no transporte de tráfego Ethernet, reduzindo a taxa de transferência disponível para o usuário (MEF, 2005b). A Figura 2 mostra a diferença entre o tráfego Ethernet entregue no padrão ATM baseado em DSL versus o tráfego entregue no padrão EFM (HATTERAS NETWORKS, 2005).

9 9 Figura 2 - Atual pilha de protocolo de entrega IP/Ethernet x Novo padrão IEEE802.3ah Fonte: HATTERAS NETWORKS (2005) Arquitetura do EFMC Na arquitetura EFMC, as novas subcamadas de ligação de dados mais próximas da camada física são definidas por padrões já existentes no DSL, conforme Figura 3. Mais acima se encontram as novas subcamadas, Rate Matching e Loop Aggrregation e logo acima há a camada Ethernet existente. A camada de agregação do EFMC recebe pacotes de Ethernet através da interface MII (Media Independent Interface - Interface Independente do Meio) após a remoção dos Inter-Packet Gap e Preamble, quebra o pacote em fragmentos de comprimento variável. Logo após esses fragmentos são enviados para uma subcamada de convergência de transmissão em um modem específico, onde são encapsulado com fragmentação 64B/65B e transmitidos através das camadas PMA/PMD (Physical Medium Dependent - Dependente do Meio Físico) para o cabo. Do lado receptor não há encapsulamento desses fragmentos, mas sim um reagrupamento dos quadros Ethernet originais e restauração do Inter-Packet Gap e do Preamble. Com isso, o overhead do EFM é de aproximadamente 5%, dependendo do tamanho do pacote e do algoritmo de fragmentação utilizado (MEF, 2005b).

10 10 Figura 3 - Arquitetura EFMC Fonte: Metro Ethernet Forum (2005b). Duas novas camadas foram criadas com o padrão EFMC, a Rate Matching e Loop Aggregation, que permitem combinar vários pares de cobre na camada física (PHY) em um link lógico ethernet. Essa característica é um dos maiores benefícios do EFM, com isso a largura de banda disponível é muito maior. O método Loop Aggregation atua abaixo da camada MAC, quebrando os quadros Ethernet em pequenos fragmentos e marcando-os com um Header Fragment (FH) Fragmento de Cabeçalho. Estes fragmentos marcados são distribuídos entre todos os loops - pares de cobre agregados. Uma vez que esses fragmentos cheguem à outra extremidade da ligação, são reagrupados utilizando os dados presentes no FH e colocados sobre a rede Ethernet do assinante (MEF, 2005b). A técnica de agregação é transparente para os aplicativos em camada superior. Os quadros são fragmentados usando a codificação 64B/65B (1 de cada 65 Bytes é overhead) e distribuídos para cada linha, conforme Figura 4, o que resulta em maior eficiência.

11 11 Figura 4 - Enquadramento e Fragmentação do EFM Fonte: Metro Ethernet Forum (2005b). 2.4 PROBLEMAS E SOLUÇÕES DO LOOP DE COBRE Uma das limitações na transmissão quando se utiliza essa arquitetura é a atenuação, pois o aumento da frequência é acompanhado de aumento na perda. Outra preocupação constante devido às limitações na planta de pares metálicos é o Crosstalk interferência, pois pode tornar-se comum a presença de interferência, tanto de mesmo tipo de serviço em outros pares no cabo (auto-crosstalk), quanto de outros tipos de serviços (alien-crosstalk). Finalmente, existe a questão da sobreposição de outros serviços como POTS e o ISDN, pois estes, respectivamente com frequências entre 0-25 KHz e KHz, podem operar no mesmo par. Para auxiliar no suporte ao funcionamento de diferentes serviços na mesma rede e atenuar o impacto de suas limitações, os administradores e reguladores definiram um conjunto de plano de definições de banda, conforme mostra a Figura 5.

12 12 Figura 5 - Definições de plano de banda Fonte: Metro Ethernet Forum (2005b). Figura 6 - Tipos de Problemas de Interferência Fonte: Metro Ethernet Forum (2005b). Como mostra a Figura 6, existem dois tipos de problemas de Interferência: o Far End Crosstalk (FEXT) interferência longe da extremidade do receptor e o Near End Crosstalk (NEXT) interferência perto da extremidade do receptor. O primeiro é causado por outro cabo na extremidade oposta do receptor, suavizando o nível de Interferência pela atenuação da linha, já o segundo é causado por outro par de cabos, porém na extremidade do receptor. No Near End Crosstalk não há atenuação na linha, o que faz com que o nível de Interferência seja mais elevado. Os problemas causados pelos NEXT e FEXT sobre a transmissão depende do tipo de sinal transmitido. Nos sistemas VDSL os sinais de transmissão e recepção utilizam bandas de frequência diferentes, tendo o sinal de transmissão adjacente um impacto muito baixo sobre um sinal recebido, neste caso o FEXT é fator perturbador.

13 13 Por outro lado, com sistemas G.SHDSL que utilizam as mesmas frequências para transmitir e receber, o NEXT é o principal fator que limita a capacidade de transmissão (MEF, 2005b). 2.5 G.SHDSL O padrão G.SHDSL (Single-Pair High-speed Digital Subscriber Line) foi padronizado em 2001 pela norma ITU-T G.991.2, anexos A e B. Com o avanço das tecnologias e o aumento da taxa de dados em cabos de cobre o padrão ITU G foi criado para aumentar as taxas de dados e permitir a interoperabilidade entre diferentes fabricantes. O G.SHDSL é uma ótima opção para pequenas e médias empresas, podendo também ser usado em residências. A norma ainda estabelece métodos para adaptar as taxas conforme as condições da linha e trafegar dados com taxas simétricas ao longo de um único par de cobre. Com a utilização deste padrão as taxas de transmissão podem chegar a 2,3 Mbps com distâncias de até 3000 metros ou até 192 Kbps com distância de até metros. Ao se utilizar dois pares essas taxas podem dobrar, chegando a 4,6 Mbps (BROADBAND, 2002). O G.SHDSL usa codificação 16-TCPAM (Trellis Coded Pulse Amplitude Modulation) esta modulação reduz a potência e melhora o desempenho, ela codifica mais os dados dentro do espectro de frequência, usando cancelamento de eco ou multiplexação por divisão de frequência (FDM). Usando a codificação TC-PAM, o G.SHDSL atinge maiores taxas e distâncias, pois consome menos potência, e consequentemente gera menor sinal-ruído ou Difonia (BROADBAND, 2002). O TC-PAM usa 16 níveis de codificação, pois isso permite aumentar o tráfego de dados, o que faz com que melhore a eficiência espectral, pois permite um trafego maior de dados, podendo transportar até 36 timeslotes de 64 Kbps podendo chegar a 2,3 Mbps em um único par (DATACOM, 2010). O G.SHDSL substitui com êxito os antigos sistemas E1/T1 que fornecem respectivamente máximas de 2 Mbps e 1,5 Mbps, precisando de vários repetidores para atingir maiores distâncias (BROADBAND, 2002).

14 G.SHDSL.BIS O padrão G.SHDSL.bis é uma extensão do padrão G.SHDSL, e foi definida pela recomendação ITU-T G.991.2, anexos F e G, ficando conhecida como Bis ou Extended. Este padrão foi desenvolvido para garantir uma transmissão robusta de voz e dados sobre uma infraestrutura utilizando pares metálicos. O G.SHDSL.bis usa codificação 16TC-PAM ou 32-TCPAM, permitindo transportar até 89 timeslotes de 64 Kbps, atingindo taxas simétricas de 5,7 Mbps em um único par (DATACOM, 2010) podendo chegar a 22,8 Mbps agrupando até quatro pares. Caso um cliente necessite de taxas de transmissão superior ao limite atingido em uma única linha, os dados podem ser divididos em taxas mais baixas e transportados em linhas separadas. Nas extremidades de recepção, os dados dessas várias linhas são recombinados de volta para o fluxo de dados original (LOOP TELECOM, 2008). Uma característica importante deste padrão é a adaptação automática em caso de degradação ou falha de uma das linhas utilizadas na instalação, voltando então à taxa original quando a linha onde ocorreu a falha for restaurada. Por exemplo, se quatro linhas de 5.6 Mbps G.SHDSL são usadas para atingir uma taxa de dados de 22,4 Mbps, e uma delas falhar, as três linhas restantes continuam a trafegar dados, cada uma com sua taxa de transmissão original. O resultado da adaptação é um tráfego total de 16,8 Mbps. Quando a linha que falhou tem o seu funcionamento restaurado, o tráfego volta à taxa original de 22,4 Mbps. (LOOP TELECOM, 2008). 3 METODOLOGIA O objetivo do trabalho é comprovar a qualidade da tecnologia G.SHDSL.bis EFM, para isso foram escolhidas duas tecnologias usadas pelas operadoras para fornecer serviços de internet para fazer a comparação.

15 TECNOLOGIAS ESCOLHIDAS Conforme já mencionado (vide Tabela 1 - Tipo de conexões utilizadas pelas empresas), as conexões DSL ainda são as mais utilizadas pelas empresas, sendo assim para realizar os testes comparativos com o G.SDHDSL.bis EFM, escolheu-se as duas tecnologia mais recentes desse padrão. As tecnologias escolhidas foram o ADSL2+, e o VDSL2. A tecnologia ADSL2+ foi padronizada em 2003, através da recomendação ITU G Dependendo das condições da linha telefônica o ADSL2+ pode chega a 20 Mbps de Download e em torno de 1 Mbps de Upload a uma distâncias de até metros (CHLAMTAC; GUMASTE; SZABÓ, 2005). O ADSL2+ é uma tecnologia amplamente conhecida e domina a planta de banda larga no Brasil (TELETIME, 2010). O VDSL2 foi padronizado pela ITU G em maio de A tecnologia VDSL2 pode fornecer taxas de até 100 Mbps a curtas distâncias ou chegar a metros com taxas mais baixas. Por fornecer altas taxas, é uma boa opção para as operadoras fornecerem serviços avançados sobre pares de cobre (ERIKSSON; ODENHAMMAR, 2006). As operadoras tem adotado essa solução para atender condomínios, chegando com fibra até a entrada do condomínio e par de cobre até o cliente final. 3.2 CRITÉRIOS DE COMPARAÇÃO Para comparar as tecnologias algumas características foram levadas em consideração, são elas a vazão e as distâncias alcançadas por cada tecnologia. A distância atingida por uma tecnologia tem uma importância especial para as operadoras, pois quanto maior for a distância alcançada pela tecnologia, mais clientes serão atendidos com uma mesma estrutura. Já a vazão, corresponde à taxa de transmissão de dados suportada, e quanto maior esta taxa, mais serviços a operadora poderá fornecer a seus clientes. Para fazer o comparativo entre as tecnologias foram definidas algumas métricas relevantes na entrega de serviços multimídia, são elas, a Perda de Pacotes e o Jitter (CHANGBIN; LEI; BIN, 2007).

16 16 Perda de pacotes: a perda de pacotes em uma comunicação multimídia pode ser grave se atingir um determinado limite de pacotes perdidos, e pode afetar a qualidade do serviço. Passando desse limite e imagem pode começar a ficar com pausas e a voz pode sofrer interrupções. Jitter: Jitter é a variação não prevista no atraso (FOROUZAN, 2007). Para uma transmissão que não é sensível ao tempo, como por exemplo, o envio de um e- mail, esta variação no atraso não causa maiores impactos. Já para transmissões sensíveis ao tempo, como multimídia, esse fator é muito importante, já que ao transmitir pacotes de dados com imagem e áudio os pacotes devem chegar juntos. O problema surge quando os buffers de recepção de dados são esvaziados antes que tenham sido recebidos novos pacotes com conteúdo a ser reproduzido. Isso também causa uma impressão negativa na qualidade do serviço. 3.3 ANÁLISE ESTATÍSTICA Para identificar se houve diferença significativa entre as tecnologias, foi feita a analise da variância, que encontra a média das amostras e as compara, para identificar se as médias encontradas são significativamente distintas ou não. Para verificar se houve uma diferença significativa foi determinada a probabilidade de erro de até 5%. Com base na probabilidade de erro e na variância das amostras coletadas, encontra-se o Valor P Padrão de Comparação, que determina se existe uma diferença significativa ou não entre as tecnologias, portanto, se o valor P encontrado for menor ou igual a 5%, existe diferença significativa entre as tecnologias, caso o valor encontrado for maior que 5%, a diferença encontrada no estudo não foi significativa, ou seja, os valores encontrados podem ter ocorrido por acaso. Durante as simulações conclui-se que estatisticamente 5 amostras eram suficientes para comprovar a confiabilidade dos testes. 4 DESCRIÇÃO DOS EXPERIMENTOS Neste capítulo será descrito como foram realizados os experimentos e as características levadas em consideração para definir os cenários de testes.

17 MULTIMÍDIA Como o objetivo é simular serviços multimídia, e nesse tipo de comunicação os fluxos de dados são altos e constantes, os testes foram realizados levando em consideração o tamanho máximo para o Payload de um quadro Ethernet, que são Bytes. O Payload refere-se apenas aos dados reais transmitidos em uma comunicação. Como as tecnologias são full duplex, os fluxos foram gerados simultaneamente no sentido de Download e Upload. Para uma comunicação Multimídia consideram-se duas modalidades de transmissão a Unicast e Multicast. Unicast: na transmissão Unicast é estabelecida uma conexão ponto a ponto, entre o usuário origem e o destino. Multicast: na transmissão Multicast os usuários dividem a mesma comunicação, possui um usuário transmitindo e vários recebendo. Nos experimentos foi usada uma transmissão Unicast, ou seja, uma máquina recebendo e gerando fluxo, o que é suficiente para avaliar as tecnologias em uma comunicação multimídia. 4.2 DESCRIÇÃO DOS EXPERIMENTOS Para comparar o desempenho das tecnologias propostas, optou-se por cenários de testes reais e para obter resultados mais próximos da realidade os cenários foram realizados em uma plataforma de testes de uma grande operadora do Brasil. Para avaliar as três tecnologias foram montados cenários que reproduziam exatamente, um dos cenários usados em campo pela operadora. Os cenários dos testes foram compostos por DSLAM, Roteadores, Modem, Gerador de Tráfego e Simulador de Linha, conforme a Figura 7.

18 18 Figura 7 - Cenário de Teste Fonte: Elaborado pela autora. Baseado no cenário proposto pela operadora, testes de sincronismo de linha e coleta de dados foram realizados em 10 cenários com distâncias distintas. Como o simulador de cabos da tecnologia G.SHDSL é limitado em metros, a distância máxima dos testes dessa tecnologia e do ADSL2+ ficou limitada a esse valor, com intervalos de 500 metros aproximadamente. Já o VDSL2 os testes foram realizados até metros, a distância máxima atingida pelo seu simulador. Para os testes, algumas variáveis do simulador de linha foram configuradas, como o tipo de cabo e o tipo de ruído inserido, em ambos os parâmetros seguiu-se os padrões usados pela operadora. O cabo usado em todos os cenários de testes foi do tipo 26 AWG (American Wire Gauge - Escala Americana Normalizada) que simula cabo de 0.4mm, por ter maior resistência representa o pior caso. O ruído usado foi do tipo Crosstalk - Interferência, que segundo a operadora é tipo de ruído que mais interfere nas tecnologias fornecidas sobre cobre. Para os testes do EFM G.SHDSL.bis foi usado no lado do Central Office um DSLAM da Huaway modelo MA5600 e um Roteador Cisco 3925, para simular o ponto remoto que representa o ambiente do cliente foi usado um Roteador da HP modelo MSR920 e um Modem EFM da Digistar. Para gerar tráfego foi usado o Gerador e Medidor de Tráfego N2x Agilent, que foi configurado para gerar fluxo nos dois sentidos, ele também é o responsável pela coleta dos dados específicos para geração das medidas de desempenho.

19 19 Para simular a rede externa foi usado o simulador de cabos DSL1100 da Spirent que simula até pés que equivale a metros. O ruído usado foi do tipo Crosstalk interferência, com ruído padrão dbm no lado do Central Office e dbm no lado do Ponto Remoto, que é o sugerido pelo fabricante do simulador para testes dessa tecnologia. Para os testes da tecnologia ADSL2+, no lado do Ponto Remoto foi usado o Modem ADSL2+ SpeedTouch da Thomson. Para simular a linha foi utilizado o simulador de cabos da Spirent modelo DSL410A, que simula linhas de até metros. Para gerar ruído foi usado o gerador de ruído DSL5500 da Spirent. O tipo de ruído inserido para testes do ADSL2+ segue a norma brasileira padrão Telebrás de abril de 1997, que propõe dois tipos de ruídos para testes de ADSL, os ruídos ETSI-A e B, para os testes foi usado o tipo ETSI-B simulando o efeito da Diafonia, com potência de -43 dbm no ponto remoto e no lado da operadora. Para os testes do VDSL2, no lado da operadora foi usado o mesmo DSLAM mudando apenas o tipo de interface, no ponto remoto foi usado o modem do fabricante ASTORIA Networks modelo ARCADYAN. Para simular as linhas foi usado o DSL8130 da Spirent que simula até metros, para gerar ruído foi usado o gerador de ruídos DLS5500 da Spirent, gerando ruído do tipo Crosstalk Interferência com níveis de -11,1 dbm no lado do Central Office e -13,9 dbm no lado do Ponto Remoto, que segundo a operadora são os níveis padrões de testes do VDSL2. 5 RESULTADO DA SIMULAÇÃO Ao todo foram feitas 300 medições, 5 medições para cada distância, repetidas para cada tecnologia, com ruído (C/R) e sem ruído (S/R). Utilizando os cenários descritos, a cada distância proposta foram gerados e coletados dados através do Gerador e Medidor de Tráfego, os dados coletados foram Taxas de Transmissão de Download e Upload, Perda de Pacotes no Download e Upload, Jitter no Download e Upload.

20 AVALIANDO AS TAXAS DE DOWNLOAD E UPLOAD Conforme demonstrado na Figura 8, as taxas de Download atingidas pelo VDSL2 em ambos os ambientes são superiores as demais tecnologias, porém em curtas distâncias elas caem abruptamente. Figura 8 - Taxas de Download e Upload, G.SHDSL com 1 linha 100,0 Taxas Download G.SHDSL.bis C/R G.SHDSL.bis S/R Taxas (Mbps) *escala log. 10,0 1,0 ADSL2+ C/R ADSL2+ S/R VDSL2 C/R VDSL2 S/R 0, Distância (m) Banda Mín. SD H.264 Banda Mín. HD H ,0 Taxas Upload G.SHDSL.bis C/R G.SHDSL.bis S/R Taxas (Mbps) *escala log. 10,0 1,0 ADSL2+ C/R ADSL2+ S/R VDSL2 C/R VDSL2 S/R 0, Distâncias (m) Banda Mínima SD H.264 Banda Mínima HD H.264 Fonte: Elaborado pela autora 3. * Para permitir melhor visualização das curvas em distâncias curtas as taxas foram apresentadas em escala logarítmica. 3 Como o simulador trabalha com distâncias em pés, ao converter pés para metros os valores ficaram quebrados.

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS UNIDADE ACADÊMICA DE GRADUAÇÃO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ADRIANE WAHAST SALVADOR

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS UNIDADE ACADÊMICA DE GRADUAÇÃO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ADRIANE WAHAST SALVADOR UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS UNIDADE ACADÊMICA DE GRADUAÇÃO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ADRIANE WAHAST SALVADOR AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE TRANSMISSÃO DE MULTIMÍDIA SOBRE G.SHDSL.BIS

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 6 Redes xdsl Sumário Introdução; Taxas de transmissão DSL e qualidade

Leia mais

TECNOLOGIAS xdsl para pares de cobre

TECNOLOGIAS xdsl para pares de cobre TECNOLOGIAS xdsl para pares de cobre ESTV 2002/03 Paulo Coelho Redes e Serviços em Banda Larga 1 Tecnologias para a rede de cobre Evolução da transmissão de dados sobre pares de cobre: Rede s/ elementos

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: Rodrigo Caetano Filgueira Tecnologias WAN TECNOLOGIAS WAN Quando uma empresa cresce e passa a ter instalações em várias localidades, é necessário interconectar as redes

Leia mais

Redes 10 Gigabit Ethernet

Redes 10 Gigabit Ethernet Redes 10 Gigabit Ethernet Ederson Luis Posselt 1, Joel Henri Walter 2 1 Instituto de Informática Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC) Bairro Universitário na Av. Independência 2293 Santa Cruz do Sul

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E Prof. Luís Rodolfo Unidade I REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO C Redes de computadores e telecomunicação Objetivo: apresentar os conceitos iniciais e fundamentais com relação às redes de computadores

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

ADSL. Esta tecnologia é utilizada pelo Speedy da Telefonica, Turbo da Brasil Telecom, Velox da Telemar e Turbonet da GVT.

ADSL. Esta tecnologia é utilizada pelo Speedy da Telefonica, Turbo da Brasil Telecom, Velox da Telemar e Turbonet da GVT. ADSL Este tutorial apresenta a tecnologia ADSL (Asymetric Digital Subscriber Line) desenvolvida para prover acesso de dados banda larga a assinantes residenciais ou escritórios através da rede de pares

Leia mais

PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON

PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON É uma solução para a rede de acesso, busca eliminar o gargalo das atuais conexões entre as redes dos usuários e as redes MAN e WAN. A solução PON não inclui equipamentos ativos

Leia mais

Tecnologias de Banda Larga

Tecnologias de Banda Larga Banda Larga Banda larga é uma comunicação de dados em alta velocidade. Possui diversas tecnologia associadas a ela. Entre essas tecnologias as mais conhecidas são a ADSL, ISDN, e o Cable Modem. Essas tecnologias

Leia mais

Redes Físicas de Acesso em Banda Larga

Redes Físicas de Acesso em Banda Larga Redes Físicas de Acesso em Banda Larga Prof. Rafael Guimarães Redes de Alta Velocidade Tópico 5 - Aula 1 Tópico 5 - Aula 1 Rafael Guimarães 1 / 58 Sumário Sumário 1 Motivação 2 Objetivos 3 Introdução 4

Leia mais

6.3 Tecnologias de Acesso

6.3 Tecnologias de Acesso Capítulo 6.3 6.3 Tecnologias de Acesso 1 Acesso a redes alargadas Acesso por modem da banda de voz (através da Rede Fixa de Telecomunicações) Acesso RDIS (Rede Digital com Integração de Serviços) Acesso

Leia mais

Redes de Alta Velocidade

Redes de Alta Velocidade Redes de Alta Velocidade IEEE 802.3z e IEEE 802.3ab Gigabit Ethernet Redes de Alta Velocidade IEEE 802.3z e IEEE 802.3ab Gigabit Ethernet Parte I IEEE 802.3 Ethernet Parte II IEEE 802.3u Fast Ethernet

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 11/11/2002).

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 11/11/2002). ADSL (Speedy, Velox, Turbo) Este tutorial apresenta a tecnologia ADSL (Asymetric Digital Subscriber Line) desenvolvida para prover acesso de dados banda larga a assinantes residenciais ou escritórios através

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA DE REDES DE COMPUTADORES I

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA DE REDES DE COMPUTADORES I UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA DE REDES DE COMPUTADORES I ADSL Alexandre Martini Fernando Boettcher Julio Cezar Kronbauer Santa

Leia mais

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES REDES DE TELECOMUNICAÇÕES Transmissão digital no lacete do assinante Engª de Sistemas e Informática UALG/FCT/ADEEC 2003/2004 Redes de Telecomunicações 1 xdsl Sumário Conceitos Gerais VDSL Implementação

Leia mais

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES REDES DE TELECOMUNICAÇÕES Transmissão digital no lacete do assinante Engª de Sistemas e Informática UALG/FCT/ADEEC 2004/2005 Redes de Telecomunicações 1 xdsl Sumário Conceitos Gerais Implementação Redes

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

X??? Digital Subscriber Line

X??? Digital Subscriber Line Tecnologias XDSL X??? Digital Subscriber Line AGENDA GERAL Tecnologias de Transmissão A Rede Rede Pública Comutada Loop local Central PROVEDOR REDE CORPORATIVA usuário Central Central usuário Par trançado

Leia mais

IPT - INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO APRESENTAÇÃO DE REDES DE ACESSOS

IPT - INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO APRESENTAÇÃO DE REDES DE ACESSOS IPT - INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO APRESENTAÇÃO DE REDES DE ACESSOS Mestrandos: Delson Martins N:760 Turma 10 Márcio Fernando Flores N:767 Turma 10 Professores: Volnys; Kiatake;

Leia mais

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 As redes de computadores possibilitam que indivíduos possam trabalhar em equipes, compartilhando informações,

Leia mais

GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS ELÉTRICOS - GTL

GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS ELÉTRICOS - GTL SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GLT - 30 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS

Leia mais

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN V3PN Voice, Video and Integrated Data IP V3PN Voice, Video and Integrated Data Palestrante André Gustavo Lomônaco Diretor de Tecnologia da IPPLUS Tecnologia Mestre em Engenharia Elétrica Certificado Cisco

Leia mais

Técnico em Informática. Redes de Computadores 2ºE1/2ºE2

Técnico em Informática. Redes de Computadores 2ºE1/2ºE2 Técnico em Informática Redes de omputadores 2ºE1/2ºE2 SUMÁRIO 2.1 Introdução 2.2 Vantagens do Modelo de amadas 2.3 Modelo de inco amadas 2.4 Funções das amadas 2.5 Protocolos de Rede 2.6 Arquitetura de

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Sobre a arquitetura Ethernet Camadas da arquitetura Ethernet Topologias para redes Ethernet IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 É a arquitetura mais comum em redes locais

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

Line, é uma tecnologia que permite a transmissão de dados, inclusive Internet, em alta

Line, é uma tecnologia que permite a transmissão de dados, inclusive Internet, em alta Como funciona o sinal DSL INTRODUÇÃO: A Linha Digital de Assinante, conhecida por DSL, do inglês Digital Subscriber Line, é uma tecnologia que permite a transmissão de dados, inclusive Internet, em alta

Leia mais

TÉCNICAS DE ACESSO MÚLTIPLO NO DOMINIO ÓPTICO. José Valdemir dos Reis Junior

TÉCNICAS DE ACESSO MÚLTIPLO NO DOMINIO ÓPTICO. José Valdemir dos Reis Junior TÉCNICAS DE ACESSO MÚLTIPLO NO DOMINIO ÓPTICO José Valdemir dos Reis Junior ROTEIRO Gerações das redes PON Componentes das Redes Ópticas Passivas Técnicas de acesso múltiplo nas redes PON: - Acesso Multiplo

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti UNIDADE II Metro Ethernet Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti Metro Ethernet é um modo de utilizar redes Ethernet em áreas Metropolitanas e geograficamente distribuídas. Esse conceito surgiu pois, de

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Metro-Ethernet (Carrier Ethernet) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Ethernet na LAN www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique

Leia mais

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS)

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Este tutorial apresenta a tecnologia LMDS (Local Multipoint Distribuition Service), acesso em banda larga para última milha por meio de rádios microondas.

Leia mais

PROTOCOLO PPP. Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2

PROTOCOLO PPP. Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2 PROTOCOLO PPP Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2 RESUMO Neste trabalho é apresentado o Protocolo PPP, Suas principais características e seu funcionamento. Suas variações também são enfocadas

Leia mais

Índice. TIPO DE DOCUMENTO Nota Técnica. Designação VERSÃO 3.0. 30 de Julho de 2009. TÍTULO ADSL sobre ISDN - Interface Utilizador-Rede 1/10 3.

Índice. TIPO DE DOCUMENTO Nota Técnica. Designação VERSÃO 3.0. 30 de Julho de 2009. TÍTULO ADSL sobre ISDN - Interface Utilizador-Rede 1/10 3. 1/10 TIPO DE DOCUMENTO Nota Técnica Designação VERSÃO 30 de Julho de 2009 Índice 1 ÂMBITO... 3 2 MODELOS DE REFERÊNCIA... 4 3 INTERFACE UNI USER TO NETWORK... 5 2/10 3.1 PONTO DE TERMINAÇÃO DA REDE......

Leia mais

Fundação Oswaldo Aranha Centro Universitário de Volta Redonda RJ

Fundação Oswaldo Aranha Centro Universitário de Volta Redonda RJ Fundação Oswaldo Aranha Centro Universitário de Volta Redonda RJ Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Metodologia da Pesquisa Científica Outros trabalhos em: www.projetoderedes.com.br

Leia mais

TECNOLOGIA DE ACESSO A REDES Prof. André Ciriaco andreciriaco@hotmail.com Aula 02 Objetivo da Aula Apresentação da Atividade PO última aula 1.5. Redes WAN Conceitos 1.5.1 Redes Wan -História 1.5.2 Elementos

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Rádio Spread Spectrum Este tutorial apresenta os aspectos técnicos dos Rádios Spread Spectrum (Técnica de Espalhamento Espectral) aplicados aos Sistemas de Transmissão de Dados. Félix Tadeu Xavier de Oliveira

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 8 IEEE 802.3 Ethernet Half-Duplex e Full-Duplex Full-duplex é um modo de operação opcional, permitindo a comunicação nos dois sentidos simultaneamente

Leia mais

Segunda Lista de Exercícios

Segunda Lista de Exercícios INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Segunda Lista de Exercícios 1. Qual é a posição dos meios de transmissão no modelo OSI ou Internet? Os meios de transmissão estão localizados abaixo

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

ERRATA. 3. Item 7.9.2.2 e 7.9.2.2.1 do ANEXO I - Minuta do Termo de Referência;

ERRATA. 3. Item 7.9.2.2 e 7.9.2.2.1 do ANEXO I - Minuta do Termo de Referência; ERRATA Este documento tem por objetivo retificar: 1. Item 4.1.1 do ANEXO I - Minuta do Termo de Referência; 2. Item 7.9.2.1 do ANEXO I - Minuta do Termo de Referência; 3. Item 7.9.2.2 e 7.9.2.2.1 do ANEXO

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral UNIDADE II xdsl eadsl Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral Nasceu da necessidade de acesso à Internet em velocidades superiores ao padrão V.90-56kbit/s e ISDN BRI-128kbit/s pelos clientes corporativos,

Leia mais

Em sua Casa. Na Central Telefônica

Em sua Casa. Na Central Telefônica &RP )XQFLRQ $'6/ Em sua Casa Na Central Telefônica Em sua Casa A. Dentro de Seu PC: O modem ADSL de seu computador conecta a uma linha de telefone analógica padrão. B. Voz e Dados: Um modem ADSL tem um

Leia mais

2 Perspectivas de Consumo de Banda no Acesso

2 Perspectivas de Consumo de Banda no Acesso 2 Perspectivas de Consumo de Banda no Acesso Esse capítulo apresenta os novos serviços disponíveis aos usuários e a tendência de oferta futura, indicando as previsões de bandas associadas necessárias a

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA 1 Banda Estreita A conexão de banda estreita ou conhecida como linha discada disponibiliza ao usuário acesso a internet a baixas velocidades,

Leia mais

Equipamentos de Redes de Computadores

Equipamentos de Redes de Computadores Equipamentos de Redes de Computadores Romildo Martins da Silva Bezerra IFBA Estruturas Computacionais Equipamentos de Redes de Computadores... 1 Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)...

Leia mais

1.264 Aula 22. Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local

1.264 Aula 22. Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local 1.264 Aula 22 Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local TV a cabo Permite a transferência de voz e dados nos estados permitidos (poucos até o momento) À LEC foi permitida a transferência

Leia mais

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO:

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: CABEAMENTO DE REDE QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: MEIO FÍSICO: CABOS COAXIAIS, FIBRA ÓPTICA, PAR TRANÇADO MEIO NÃO-FÍSICO:

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Interconexão de Redes

Interconexão de Redes Interconexão de Redes Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)... 3 Switches (camada 2)... 3 Conceito de VLANs... 3 Switches (camada

Leia mais

Casa do Futuro Convergência Digital. Porto Alegre, 11 de Setembro de 2007

Casa do Futuro Convergência Digital. Porto Alegre, 11 de Setembro de 2007 Casa do Futuro Convergência Digital Porto Alegre, 11 de Setembro de 2007 O Ponto de Partida A Casa nos Anos 80 TV Aberta Analógica: Do ponto de vista das emissoras, o usuário final não era gerador direto

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona SDH A SDH, Hierarquia Digital Síncrona, é um novo sistema de transmissão digital de alta velocidade, cujo objetivo básico é construir um padrão internacional unificado, diferentemente do contexto PDH,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com RESUMO 1 COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS Reservados fim-a-fim; Recursos são dedicados; Estabelecimento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA I - REDE GPON... 1. II - REDES FTTx... 8. III - DESCRIÇÃO DO PROJETO REDE FIBRAS OPTICAS FTTx... 10

TERMO DE REFERÊNCIA I - REDE GPON... 1. II - REDES FTTx... 8. III - DESCRIÇÃO DO PROJETO REDE FIBRAS OPTICAS FTTx... 10 TERMO DE REFERÊNCIA Conteúdo I - REDE GPON... 1 II - REDES FTTx... 8 III - DESCRIÇÃO DO PROJETO REDE FIBRAS OPTICAS FTTx... 10 IV RESUMO DE ATENDIMENTO DA REDE DE DUTOS POR SETOR... 15 1 I - REDE GPON

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Redes de Computadores Prof. Dr. Rogério Galante Negri Rede É uma combinação de hardware e software Envia dados de um local para outro Hardware: transporta sinais Software: instruções que regem os serviços

Leia mais

EMBRATEL WHITE PAPER

EMBRATEL WHITE PAPER EMBRATEL WHITE PAPER CARRIER ETHERNET Neste artigo, a Embratel destaca a história, arquitetura, princípios e serviços que a solução de Carrier Ethernet possui. A tecnologia Ethernet foi concebida na década

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

Tecnologia da Informação Apostila 02

Tecnologia da Informação Apostila 02 Parte 6 - Telecomunicações e Redes 1. Visão Geral dos Sistemas de Comunicações Comunicação => é a transmissão de um sinal, por um caminho, de um remetente para um destinatário. A mensagem (dados e informação)

Leia mais

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com WiMAX é uma tecnologia padronizada de rede sem fio que permite substituir as tecnologias de acesso de banda larga por cabo e ADSL. O WiMAX permite a

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Exercícios Rede de Computadores I (27/05/2006)

Exercícios Rede de Computadores I (27/05/2006) UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGICAS DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Exercícios Rede de Computadores I (27/05/2006) Marcelo Santos Daibert Juiz de Fora Minas Gerais Brasil

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET Objectivos História da Internet Definição de Internet Definição dos protocolos de comunicação Entender o que é o ISP (Internet Service Providers) Enumerar os equipamentos

Leia mais

Instituto Federal de Santa Catarina. Redes de Computadores RES 12502

Instituto Federal de Santa Catarina. Redes de Computadores RES 12502 Instituto Federal de Santa Catarina Redes de Computadores RES 12502 2014 2 O material para essas apresentações foi retirado das apresentações disponibilizadas pela Editora Pearson para o livro Redes de

Leia mais

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão Os meios físicos de transmissão são compostos pelos cabos coaxiais, par trançado, fibra óptica, transmissão a rádio, transmissão via satélite e são divididos em duas

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

Padrões de Rede 15/02/2014. Padrões de rede. Padrão Ethernet IEEE 802.3 802.3

Padrões de Rede 15/02/2014. Padrões de rede. Padrão Ethernet IEEE 802.3 802.3 Padrões de Rede Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Padrões de rede Existem diversos padrões Ethernet, que são utilizados pela maioria das tecnologias de rede local em uso. Definem

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores... 1 Mobilidade... 1 Hardware de Rede... 2 Redes Locais - LANs... 2 Redes metropolitanas - MANs... 3 Redes Geograficamente Distribuídas - WANs... 3 Inter-redes... 5 Software de Rede...

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed quality of service Resumo para a disciplina de Processamento Digital de

Leia mais

IPTV em rede Multicast

IPTV em rede Multicast IPTV em rede Multicast Flávio Gomes Figueira Camacho Apresentação Flavio Gomes Figueira Camacho Diretor de TI da Vipnet Baixada Telecomunicações e, Operadora de STFC e SCM. Mestrando em Engenharia de Telecomunicações

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Advanced Wireless Networks Overview & Configuration. Workshop by Nicola Sanchez

Advanced Wireless Networks Overview & Configuration. Workshop by Nicola Sanchez Advanced Wireless Networks Overview & Configuration Workshop by Nicola Sanchez Microwave Wireless Telecom - Brasil Distribuidor Mikrotik no Brasil Fornecedor de Soluções em Redes Wireless Consultoria e

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Contribuição acadêmica

Contribuição acadêmica Contribuição acadêmica Origem deste trabalho em cadeiras do curso de mestrado na COPPE/UFRJ; Continuidade da contribuição acadêmica através do laboratório RAVEL: desenvolvimento de sw para apoio; intercâmbio

Leia mais

19/07/2013. Camadas. Camadas de Enlace e Física. Camadas de Enlace e Física. Topologias de Rede NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA

19/07/2013. Camadas. Camadas de Enlace e Física. Camadas de Enlace e Física. Topologias de Rede NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA 2 Camadas NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística e Informática Aplicação Transporte

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Arquitetura Token Ring Arquitetura FDDI IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Usada em redes que possuem computadores de grande porte da IBM Opera nas camadas 1 e 2 do

Leia mais

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente? CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 05 UCs de Eletrônica e/ou de Telecomunicações 26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

Leia mais

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios Técnico em Redes de Computadores Equipamentos e Acessórios Componentes de uma Rede Uma rede é um sistema composto de um arranjo de componentes: Cabeamento Hardware Software Cabeamento Componentes de uma

Leia mais

Transmissão e Multiplexação. Rodolfo I. Meneguette

Transmissão e Multiplexação. Rodolfo I. Meneguette Transmissão e Multiplexação Rodolfo I. Meneguette Redes de Acesso e Meios Físicos P: Como conectar os sistemas finais aos roteadores de borda? Redes de acesso residencial redes de acesso institucional

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES TELECOMUNICAÇÕES E REDES 1 OBJETIVOS 1. Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? 2. Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização deve utilizar? 3. Como sua

Leia mais

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ STJ 2008 Com relação a transmissão de dados, julgue os itens

Leia mais

Redes I Longa distância e alto desempenho ADSL Assymetric Digital Subscriber Line

Redes I Longa distância e alto desempenho ADSL Assymetric Digital Subscriber Line Redes I Longa distância e alto desempenho ADSL Assymetric Digital Subscriber Line TÓPICOS INTRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS APLICAÇÕES O FUTURO CONCLUSÃO INTRODUÇÃO Ter que aguardar por vários dias o término

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Introdução Redes

Leia mais