A COMPARATIVE BETWEEN CERTIFICATORS OF BOVINE TRACEABILITY OFFICIALLY CREDENCED BY THE AGRICULTURE MINISTERY, PECUARY AND SUPPLYING

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A COMPARATIVE BETWEEN CERTIFICATORS OF BOVINE TRACEABILITY OFFICIALLY CREDENCED BY THE AGRICULTURE MINISTERY, PECUARY AND SUPPLYING"

Transcrição

1 UM COMPARATIVO ENTRE CERTIFICADORAS DE RASTREABILIDADE BOVINA E BUBALINA OFICIALMENTE CREDENCIADAS PELO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO (MAPA) 1 Francisco Juraci Rolim 2 Marcos Aurélio Lopes 3 RESUMO O objetivo desse trabalho foi realizar uma avaliação do que está sendo oferecido em termos de prestação de serviços pelas empresas operadoras de rastreabilidade credenciadas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. A pesquisa foi dividida em duas etapas distintas, onde a primeira consistiu em fazer uma avaliação da forma como a empresa se apresenta na Internet, considerando os seguintes quesitos: Tempo de Carga, Aparência, Estrutura e Navegação, Usabilidade, Conteúdo e Especificas para a Pesquisa. A segunda etapa, consistiu em submeter as duas empresas que obtiveram os melhores desempenhos no Questionário de Avaliação de Web Site (primeira etapa) a uma avaliação do Software por elas utilizados para fazer a certificação. Tal avaliação consistiu em verificar se o software é de fácil operação, se os relatórios fornecidos são claros e eficientes, se a documentação é suficiente para o usuário, se constam as formas de suporte oferecido ao usuário e se o software permite comunicação com outros equipamentos. PALAVRAS-CHAVE: Bovinocultura, Certificadoras, Internet, Rastreabilidade, Sisbov, Web Sites. A COMPARATIVE BETWEEN CERTIFICATORS OF BOVINE TRACEABILITY OFFICIALLY CREDENCED BY THE AGRICULTURE MINISTERY, PECUARY AND SUPPLYING ABSTRACT The purpose of this work was to realize an evaluation of what has been offered in terms of performing services by the operating companies of traceability credenced by the Agriculture Ministery, Pecuary and Supplying. The research was divided into two different parts where the first one consisted of making an evaluation of the way that the company appears on the Internet, considering the following aspects: Time of Load, Appearance, Structure, Navigation, Usability, Content and Specifics for the Research. The second one consisted in submitting the two companies that got the best performance in the evaluation questionnaire of Web Site (the first stage) in an evaluation of the Software used by them in order to make a certification. Such evaluation consisted of checking if it s easy to operate the Software, if the supplied reports are clear and efficient, if the documentation is sufficient for the user, if the ways of support offered to the user are mentioned and if the software permits communication with other equipment. KEYWORDS: Beef Cattle, Certificators, Internet, Traceability, Sisbov, Web Sites. 1. INTRODUÇÃO Enfermidades em bovinos prejudiciais aos seres humanos, levaram os europeus a criar um conjunto de ações denominados de rastreabilidade, ações que permitem que medidas possam ser tomadas de forma mais eficazes. REZENDE (2003) salientou que a palavra rastreabilidade não consta ainda em nosso dicionário, 1 Parte da monografia do primeiro autor apresentada à Universidade Federal de Juiz de Fora, como parte dos requisitos necessários para obtenção do grau de Especialista em Gestão da Informação no Agronegócio 2 Contabilista, Analista de Sistemas Banco BEG S.A. Endereço - Avenida Topázio, Quadra 02, Lote 10, Jardim California - Goiânia -Go - Cep DSc., Professor do Depto. de Medicina Veterinária da Universidade Federal de Lavras;

2 mas indica a possibilidade de seguir os passos de alguma coisa, no caso, o histórico do animal desde o nascimento ou aquisição até o momento do seu consumo ou de uma de suas partes. A exigência da rastreabilidade da carne por parte da Comunidade Européia trouxe uma grande inquietação aos países exportadores e em especial ao Brasil devido ao tamanho do rebanho, às condições de criação do gado, à extensão do território brasileiro e à falta de utilização da tecnologia por parte da grande maioria de produtores, ainda não acostumados com o uso da informática ou da gerência e controle integrados ao dia a dia de suas atividades. Visando atender essa demanda o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) publicou a Instrução Normativa n o 1, de 9 de janeiro de 2002 (BRASIL, 2002), a qual institui o Sistema de Identificação e Certificação de Origem Bovina e Bubalina (SISBOV), bem como a Instrução Normativa N.º 21, de 26 de fevereiro de 2002, que estabeleceu as diretrizes, os requisitos, os critérios e os parâmetros para credenciamento de entidades certificadoras junto ao SISBOV. Dada a importância e atualidade do tema, dezenas de outros artigos foram veiculados na mídia televisiva, escrita e mesmo eletrônica abordando o assunto e algumas de suas implicações (REZENDE, 2002; MARTINS, 2002; ROCHA e LOPES, 2002). No entanto, em momento algum, observou-se artigos a respeito das certificadoras que atuam no Brasil. O objetivo desse trabalho foi realizar uma avaliação do que está sendo oferecido em termos de prestação de serviços pelas empresas operadoras de rastreabilidade credenciadas pelo MAPA. 2. METODOLOGIA A pesquisa foi realizada em duas etapas. A primeira avaliou as 13 empresas credenciadas no MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) até o dia 08 de abril de Essas empresas foram avaliadas por um Questionário de Avaliação de Web Site elaborado por BRODBECK (2003), que é subdividido em cinco grupos: Tempo de Carga, Aparência, Estrutura e Navegação, Usabilidade e Conteúdo". O grupo Tempo de Carga avalia o tempo gasto entre o usuário fornecer o endereço no navegador e a disponibilização total das informações do site. O grupo Aparência faz uma avaliação na forma como as informações são apresentadas para o usuário. O grupo Estrutura e Navegação avalia se os elementos de navegação são utilizados de forma homogênea ao longo do site, se os links funcionam, se é simples de operar, se existe mapa no site. Usabilidade, segundo NIELSEN (1999), citado por Dias (2002) tem como atributos a facilidade de aprendizado, eficiência de uso, facilidade de memorização, baixa taxa de erros e satisfação subjetiva. Para MORO (2001) Conteúdo é qualquer recurso acessível em um Web site, como vídeos, figuras, sons e páginas texto. As duas empresas com melhor desempenho na avaliação inicial (etapa 1) passaram a ser avaliadas por um questionário de autoria dos alunos do curso de Gestão da Informação no Agronegócio, do ano de 2001, sob orientação da professora Profª. Fernanda Campos, sendo essa a segunda etapa da pesquisa. Ao questionário de avaliação de web site aplicado na etapa 1, foram implementadas cinco alterações para se atender os objetivos desta pesquisa, a saber: 1) Foram eliminadas questões subjetivas do questionário, pois as mesmas não traziam auxilio substancial para o trabalho; 2) Todas as 58 perguntas são objetivas com respostas (S) Sim ou (N) Não; 3) Foi inserido um grupo de perguntas (específicas para a pesquisa) para se obter mais dados específicos para a pesquisa; 4) Foram atribuídos pesos para cada grupo de perguntas; 5) Para cada pergunta respondida afirmativamente no grupo foi acumulado o peso dado ao grupo (Figura 1). No final de cada questionário foi realizado o somatório dos pontos obtidos por cada empresa para todos os grupos. Mediante a apuração feita no questionário da etapa 1, as duas empresas com melhor desempenho foram escolhidas para serem avaliadas mais detalhadamente utilizando-se a ficha de avaliação de software. O questionário foi respondido sob o ponto de vista do autor deste trabalho (especificamente para essa pesquisa) e depois aplicado por outros seis profissionais da área de processamento de dados, sendo um mestre, um doutorando, e quatro especialistas. A inclusão da avaliação de outras pessoas teve por finalidade evitar vícios na aplicação do questionário. 2

3 Tempo de Carga Aparência 15% 1% 14% 18% Estrutura e Navegação 22% Conteudo 30% Usabilidade FIGURA 1: Importância Relativa dos Grupos de Perguntas. 3. RESULTADOS E DISCUSSÕES Especificas p/ pesquisa 3.1. Avaliação de Web Site Na Tabela 1 é demonstrada a apuração do Questionário de Avaliação de Web Site. Percebe-se diferenças nas formas de apresentação entre as empresas de rastreabilidade ao mercado. Verifica-se que entre a primeira e a última colocada nos critérios utilizados para a avaliação, num conjunto de dez empresas, a décima colocada obteve pouco mais da metade da pontuação da primeira. Fica evidenciado que as empresas que obtiveram um melhor desempenho na avaliação tem uma certa uniformidade nas respostas do questionário, enquanto que as empresas com um desempenho inferior mostram certo nível de divergências, onde existem pontuações boas e outras muito fracas. O grupo Tempo de Carga é complexo para se analisar por que é constituído de apenas três perguntas, o que torna a representatividade muito grande de cada pergunta no grupo. Considerando que existe uma pergunta que não obteve nenhuma resposta afirmativa, o desempenho coletivo deste grupo ficou prejudicado (46,6%). O grupo Conteúdo teve um desempenho coletivo superior aos outros (72,2%), mas, quando realizada uma análise mais profunda, percebe-se que contêm apenas informações superficiais. No grupo Aparência constatou-se que não houve uma preocupação com a altura da página, existindo a necessidade de se parar a leitura para realizar a rolagem da tela para, então, dar prosseguimento à leitura. O grupo usabilidade pode ser considerado homogêneo para todas as empresas avaliadas, pois a média de respostas afirmativas foi de 26 pontos, para um universo de 36 pontos, com desvio padrão de 3,89. Esse grupo teve um desempenho coletivo razoável (50%). Onde existe flexibilidade para utilizar vários navegadores para visualização dos sites, os campos a serem preenchidos, na maioria das vezes, estão dentro de um padrão lógico de disposição nas telas. O grande problema no quesito Usabilidade é que em nenhum site existe a perspectiva de um deficiente visual utilizá-los. O grupo Estrutura e Navegação foi o que obteve o melhor desempenho coletivo (67,7%), mas nenhum disponibilizou o mapa do site. O grupo Específicas para a Pesquisa foi criado devido à necessidade de se avaliar separadamente as informações pertinentes ao assunto rastreabilidade. Ficou evidenciado que alguns sites fornecem informações insuficientes para que o usuário venha a obter conhecimento sobre rastreabilidade, pois cinco das dez empresas pesquisadas não responderam a nenhuma pergunta desse grupo. Nenhuma das empresas teve a preocupação de fornecer dados de custo-benefício da rastreabilidade. Isso demonstra que tais empresas estão tratando o assunto apenas como um ramo de negócio, pois é obrigatório se obter a certificação para exportação de carne de bovinos e bubalinos. Então, de qualquer maneira, o produtor não tem opção, a não ser contratar os serviços dessas empresas. 3

4 TABELA 1: Apuração da aplicação do questionário de Avaliação Web Site CRITÉRIOS Emp1 Emp2 Emp3 Emp4 Emp5 Emp6 Emp7 Emp8 Emp9 Emp10 Média Desvio Padrão Tempo de Carga ,4 0,70 Aparência ,6 4,81 Estrutura e navegação ,07 Conteúdo ,47 Usabilidade ,89 Específicas para a Pesquisa ,4 9,47 Total ,81 19, Avaliação dos softwares utilizados pelas empresas selecionadas A Empresa8 forneceu uma versão de demonstração do Software de rastreabilidade, para que se realizasse a avaliação, bem como uma cópia da documentação do software para confrontá-la com o sistema. Percebe-se que o software utilizado pelo Empresa8 ainda não está pronto. A versão demonstrativa que foi colocada à disposição para análise, possui apenas uma breve consulta sobre os animais. O que consta na documentação são algumas telas destinadas ao cadastramento do Supervisor, que será o responsável pela alimentação do Software na região sob sua jurisdição, bem como tela de inclusão de sistemas de produção e clientes. O lançamento de animais na propriedade são feitos de forma manual e como os números de identificação dos animais geralmente são extensos, é grande a probabilidade de erros de digitação, causando com isto a obrigatoriedade de conferência posterior dos dados lançados. O lançamento das ocorrências com os animais são simples, porém deixa margens para erros por conter um grande número de informações a serem digitadas. As informações contidas nos relatórios para efeito de rastreabilidade são insuficientes, pois não constam dados sobre a sanidade, manejo, profilaxia e alimentação. É apresentada uma ficha para leilão, que se mostra incompleta, pois não traz informações interessantes para um leilão, tais como: peso do animal, se o animal recebeu alguma medicação e se receberam as vacinas habituais. Verifica-se algumas deficiências sérias no Software, quanto a informações referentes aos itens: relatórios, configurações, backup, contato, suporte, instalação do software e treinamento de mão-de-obra. A pesquisa junto à segunda empresa selecionada, a Empresa1, foi realizada em um trabalho de campo, com o acompanhamento da pesagem de um lote de animais rastreados. O software é bastante automatizado, o que o torna bastante funcional. A sua operação é complexa porque para se registrar uma inseminação, por exemplo, exige toda uma preparação do ambiente, que vai desde o cadastramento dos produtos utilizados até mesmo a necessidade de se informar o nome do touro, o fornecedor do sêmen, a efetivação do inseminador e a data da realização. O software é baseado na identificação eletrônica, reduzindo a probabilidade de erros no cadastramento das informações. Ele é possuidor de 148 módulos. Dentre eles, os mais importantes são os referentes a rastreabilidade, controle de inseminação, custo de dieta, rotação de pastos, controle de reformas de pastagens e genealogia do rebanho. O número de atividades atendidas pelo software e o seu grau de detalhamento o tornam rico em informações para tomadas de decisão. Não foi repassado nenhum relatório do software e nem mesmo uma cópia da documentação para confrontá-la com a aplicação de pesagem eletrônica que foi acompanhada. Do ponto de vista dos diretores da empresa, esta documentação forneceria condições para um possível plagio do software. O software tem funções de restauração de informações em caso de panes ou por ações incorretas de operação. As atualizações do Software (upgrade) são realizadas de 3 em 3 meses. Estas atualizações, que constam em contratos, são decorrentes de melhorias do software, alterações de legislação, inclusão de novos equipamentos nas tabelas do software. A atividade de treinamento de mão-de-obra é ministrada por um zootecnista ou um veterinário, no prazo de dois dias, e depois acompanhados por outro funcionário da empresa por mais três dias. Quanto à Empresa1, não se pode nem falar de deficiências, pois foram vistas instruções de treinamento de mão-de-obra, de instalação, de backup e de restauração de arquivos em caso de problemas com as bases de dados em discos rígidos (HD). Acompanhou-se o software funcionando na pesagem de animais, mas não foi fornecido documento algum desta empresa para que se pudesse confirmar esses dados. Por este motivo não se pode chegar a conclusões mais sólidas a respeito da qualidade do software dessa empresa. 4

5 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS O trabalho de rastreabilidade realizado pelas certificadoras está voltado único e exclusivamente para atender o grande produtor. Apesar da legislação já ter determinado prazos para que todo o rebanho nacional de bovinos e bubalinos estejam sendo rastreados, muito pouco tem se feito no sentido de conscientizar o pequeno produtor com relação a rastreabilidade. Nas bibliografias não se encontra o formato de como as informações inerentes a rastreabilidade devam ser repassadas para o MAPA para alimentação de suas bases de dados. Em contato com o citado Ministério, recebeu-se a orientação de que tal informação só pode ser concedida mediante apresentação de um projeto de criação de uma empresa certificadora. Diante disso, fica a pergunta: Como conceber que uma informação que deveria ser de domínio público não possa ser acessada por um pesquisador, ou por um cidadão que quer saber mais a respeito da qualidade do alimento que está indo para sua mesa? Percebe-se também que existem certificadoras que merecem ser observadas com melhores olhos pelos órgãos competentes, pois nem todas estão cumprindo o que determina a legislação e não estão aptas a prestar serviços de tamanha responsabilidade. 8. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRODBECK, H. J. Questionário de Avaliação de Sites Web. Universidade Federal do Rio Grande do Sul - Instituto de Informática. Disponivel em: <http://www.inf.ufrgs.br/~brodbeck/websites/avaliacao_de_sites_web.doc>. Acessado em: mar CAMPOS, F. C. A. Concurso Agrosoft de software agropecuário, Revista Agrosoft, nº3, nov. / dez 1997, p DIAS, C. Avaliação de Usabilidade: Conceitos e Métodos; Usability Evaluation: Concepts and Methodos. Disponível em <http://www.puc-campinas.edu.br/ceatec/revista_eletronica/segunda_edicao/ Artigo_02/Avaliacao_de_Usabilidade.PDF>. Acessado em: ago MARTINS, F. M. Rastreabilidade Bovina no Brasil p. Graduação em Medicina Veterinária - Departamento de Medicina Veterinária da Universidade Federal de Lavras. MORO, Rodrigo G. Usando Versões e XML no Gerenciamento de Conteúdo Web, (2001), Disponível em: <http://www.inf.ufrgs.br/~clesio/cmp151/cmp / apresentacao_rodrigo_moro.pdf>. Acessado em: ago REZENDE, E. H. S. Identificação, Certificação e Rastreabilidade na Cadeia da Carne Bovina e Bubalina no Brasil p. Monografia - Especialização em Gestão da Informação no Agronegócio - Universidade Federal de Juiz de Fora. ROCHA, J. L. P; LOPES, M. A.. Rastreabilidade e certificação da produção da carne bovina: um comparativo entre alguns sistemas, Revista Brasileira de Agroinformática, Juiz de Fora (MG), Volume 2 número , Disponível em: <http://www.sbiagro.org.br/vol4n2> Acesso em: jun

CREDENCIADAS PARA O SISBOV MAPA 1

CREDENCIADAS PARA O SISBOV MAPA 1 1052 COMPARATIVO ENTRE ROLIM, CERTIFICADORAS F. J. & LOPES, M. ADE RASTREABILIDADE CREDENCIADAS PARA O SISBOV MAPA 1 A comparative among certificators of traceability credenced by SISBOV MAPA Francisco

Leia mais

SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE REBANHOS BOVINOS: DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO PELA SOFTHOUSE

SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE REBANHOS BOVINOS: DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO PELA SOFTHOUSE SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE REBANHOS BOVINOS: DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO PELA SOFTHOUSE Marcelo Pereira Barbosa Email: mpbbarbosa@bol.com.br Vínculo: Professor da Escola Técnica Estadual "Lauro Gomes"

Leia mais

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 Desenvolvimento de um software de baixo custo para o gerenciamento de bovinocultura de leite Miler Grudtner BOELL¹; Marcos Roberto RIBEIRO² 1 Aluno do Curso de Tecnologia de Sistemas para Internet e bolsista

Leia mais

SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE REBANHOS BOVINOS: SELEÇÃO E AVALIAÇÃO PELO PECUARISTA

SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE REBANHOS BOVINOS: SELEÇÃO E AVALIAÇÃO PELO PECUARISTA SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE REBANHOS BOVINOS: SELEÇÃO E AVALIAÇÃO PELO PECUARISTA Marcos Aurélio Lopes Email: malopes@ufla.br Vínculo: Professor do Depto de Medicina Veterinária da Universidade Federal

Leia mais

Rastreabilidade bovina: do campo ao prato - uma ferramenta a serviço da segurança alimentar Taulni Francisco Santos da Rosa (Chico)

Rastreabilidade bovina: do campo ao prato - uma ferramenta a serviço da segurança alimentar Taulni Francisco Santos da Rosa (Chico) Rastreabilidade bovina: do campo ao prato - uma ferramenta a serviço da segurança alimentar Taulni Francisco Santos da Rosa (Chico) Coordenador Agricultural Services SGS do Brasil Ltda. O que é Rastreabilidade?

Leia mais

COMUNICAÇÃO PRINCIPAIS DIFICULDADES ENCONTRADAS PELAS CERTIFICADORAS PARA RASTREAR BOVINOS

COMUNICAÇÃO PRINCIPAIS DIFICULDADES ENCONTRADAS PELAS CERTIFICADORAS PARA RASTREAR BOVINOS 1552 COMUNICAÇÃO LOPES, M. A. & SANTOS, G. dos PRINCIPAIS DIFICULDADES ENCONTRADAS PELAS CERTIFICADORAS PARA RASTREAR BOVINOS Main difficulties found by certifiers of bovine traceability Marcos Aurélio

Leia mais

Leite. A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades. relatório de inteligência. Abril 2014

Leite. A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades. relatório de inteligência. Abril 2014 Leite relatório de inteligência Abril 2014 A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades A rotina em uma propriedade leiteira exige acompanhamento e atenção em todos os

Leia mais

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO.

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO. SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO. Valmir L. Rodrigues Médico Veterinário/Biorastro Hoje, mais que antigamente, o consumidor busca serviços de

Leia mais

MANUAL DE RASTREABILIDADE

MANUAL DE RASTREABILIDADE MANUAL DE RASTREABILIDADE A.P.C.B.R.H/RASTRECERT CNPJ: 76.607.597/0001-07 Inscrição Estadual: 101.15739-39 Endereço: Rua Professor Francisco Dranka, nº 608 Bairro Orleans - CEP: 81200-560 Curitiba-Paraná

Leia mais

Quality of agricultural software: a case study

Quality of agricultural software: a case study QUALIDADE DE SOFTWARE Qualidade de software AGROPECUÁRIO: agropecuário: um estudo... UM ESTUDO DE CASO 075 Quality of agricultural software: a case study Henri Cócaro, Marcos Aurélio Lopes 2, Fernanda

Leia mais

Software for management of cattle herds: development and evaluation by the softhouse

Software for management of cattle herds: development and evaluation by the softhouse SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE REBANHOS BOVINOS: DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO PELA SOFTHOUSE 1 Marcelo Pereira Barbosa Tecnólogo em Processamento de Dados, Professor da Escola Técnica Estadual "Lauro Gomes"

Leia mais

CRM GESTÃO DOS SERVIÇOS AOS CLIENTES

CRM GESTÃO DOS SERVIÇOS AOS CLIENTES Página 1 de 6 Este sistema automatiza todos os contatos com os clientes, ajuda as companhias a criar e manter um bom relacionamento com seus clientes armazenando e inter-relacionando atendimentos com informações

Leia mais

IREasy Manual do Usuário Versão do manual - 0.0.9

IREasy Manual do Usuário Versão do manual - 0.0.9 OBJETIVOS DO PROGRAMA DE COMPUTADOR IREasy Permitir a apuração do Imposto de Renda dos resultados das operações em bolsa de valores (mercado à vista, a termo e futuros). REQUISITOS MÍNIMOS DO COMPUTADOR

Leia mais

NOVIDADES DA VERSÃO 2.10 DO SANKHYA-W. Atividade Descrição Versão Abrangência

NOVIDADES DA VERSÃO 2.10 DO SANKHYA-W. Atividade Descrição Versão Abrangência NOVIDADES DA VERSÃO 2.10 DO SANKHYA-W Atividade Descrição Versão Abrangência Nota de complemento Geração de nota de complemento através do Sankhya-W. Informações da Sankhya/Jiva no Os e-mails de NF-e enviados

Leia mais

Cadeia Produtiva de Bovinos e Bubalinos

Cadeia Produtiva de Bovinos e Bubalinos Cartilha do novo Serviço de Rastreabilidade da Cadeia Produtiva de Bovinos e Bubalinos SISBOV Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil COORDENAÇÃO:

Leia mais

SISTEMA BRASILEIRO DE IDENTIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE ORIGEM

SISTEMA BRASILEIRO DE IDENTIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE ORIGEM SISTEMA BRASILEIRO DE IDENTIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE ORIGEM Luiz Carlos de Oliveira Secretário de Defesa Agropecuária Ministério Da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Instrução normativa n o 21 de

Leia mais

Produção Animal ( Corte e Leite) Gestão econômico-financeira. Controle de estoque. Registro de atividades

Produção Animal ( Corte e Leite) Gestão econômico-financeira. Controle de estoque. Registro de atividades Cadastro de animais completo com controle integrado de genealogia Controle de cadastro de lotes e suas movimentações Produção Animal ( Corte e Leite) Gestão econômico-financeira Avaliação patrimonial;

Leia mais

Material Didático Módulo Financeiro e Ferramentas. Manual prático de utilização

Material Didático Módulo Financeiro e Ferramentas. Manual prático de utilização Material Didático Módulo Financeiro e Ferramentas. Manual prático de utilização O treinamento do Prodap Profissional GP tem como objetivo orientar o usuário no uso do software. Esse treinamento contem

Leia mais

Guia Sphinx: instalação, reposição e renovação

Guia Sphinx: instalação, reposição e renovação Sphinx : software para coleta e análise de dados acadêmicos e gerenciais. Tecnologia e informação para a decisão! Copyright Sphinx Todos direitos reservados Guia Sphinx: instalação, reposição e renovação

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

Software. Gerenciamento de Manutenção

Software. Gerenciamento de Manutenção Software Gerenciamento de Manutenção Importância de um Software de Manutenção Atualmente o departamento de manutenção das empresas, como todos outros departamentos, necessita prestar contas de sua atuação

Leia mais

MANUAL PORTAL ACADÊMICO

MANUAL PORTAL ACADÊMICO MANUAL PORTAL ACADÊMICO Sumário Sumário... 2 1. Apresentação... 3 2. Navegação no site da Escola do Legislativo... 4 3. Ministrante... 6 3.1.Cadastro de ministrante... 6 3.2. Preencher os campos... 7 3.3

Leia mais

Tutorial para Configurar o Kitty Emulador de Terminal Linux

Tutorial para Configurar o Kitty Emulador de Terminal Linux Tutorial para Configurar o Kitty Emulador de Terminal Linux dez/2011 Créditos: Sérgio Luiz Solusoft Solução em Informática Ltda Rua Desemb. Alarico Barroso, no. 87 - Ouro Preto - Pampulha - CEP: 31.310-380

Leia mais

e-nota G Módulo de Guarda da Nota Fiscal eletrônica

e-nota G Módulo de Guarda da Nota Fiscal eletrônica Página1 e-nota G Módulo de Guarda da Nota Fiscal eletrônica Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa Página2 Índice 1. Safeweb e-nota G... 03 2. O que é XML... 04 3. Acesso e-nota G... 05

Leia mais

Rede Paraense de Pesquisa e Inovação em Tecnologia da Informação e Comunicação. Laboratório de Tecnologia de Software LTS

Rede Paraense de Pesquisa e Inovação em Tecnologia da Informação e Comunicação. Laboratório de Tecnologia de Software LTS Rede Paraense de Pesquisa e Inovação em Tecnologia da Informação e Comunicação Laboratório de Tecnologia de Software LTS Qualidade de Produto Cláudio Martins claudiomartins2000@gmail.com www.ufpa.br/redetic

Leia mais

Cartilha da Nota Fiscal Eletrônica 2.0 Hábil Empresarial PROFISSIONAL & Hábil Enterprise

Cartilha da Nota Fiscal Eletrônica 2.0 Hábil Empresarial PROFISSIONAL & Hábil Enterprise Cartilha da Nota Fiscal Eletrônica 2.0 Hábil Empresarial PROFISSIONAL & Hábil Enterprise Koinonia Software Ltda (0xx46) 3225-6234 Índice I Índice Cap. I Introdução 1 1 Orientações... Iniciais 1 Cap. II

Leia mais

SOBRE A SOFTLOG. APRESENTAÇÃO - SoftLog LOGuinho

SOBRE A SOFTLOG. APRESENTAÇÃO - SoftLog LOGuinho SOBRE A SOFTLOG A SoftLog Tecnologia é uma empresa especializada no desenvolvimento de soluções tecnológicas para empresas e instituições de diversos modais de transporte. Dentre os diversos tipos de soluções

Leia mais

Documento de Requisitos Projeto SisVendas Sistema de Controle de Vendas para Loja de Informática.

Documento de Requisitos Projeto SisVendas Sistema de Controle de Vendas para Loja de Informática. Documento de Requisitos Projeto SisVendas Sistema de Controle de Vendas para Loja de Informática. 1 Introdução 1.1 Propósito O propósito deste documento de especificação de requisitos é definir os requisitos

Leia mais

Procedimento de Certificação de Produto. Programa de rastreabilidade e certificação de origem bovina e bubalina

Procedimento de Certificação de Produto. Programa de rastreabilidade e certificação de origem bovina e bubalina Página: 1 de 16 Elaboração Aprovação Nome Visto Data Nome Visto Data Patrícia Verona Leandro Reneu Ries 1. Objetivo Esse documento estabelece as condições para a comercialização, operacionalização, concessão

Leia mais

MANUAL DE IMPLEMENTAÇÃO DO MÓDULO NOTA FISCAL ELETRONICA

MANUAL DE IMPLEMENTAÇÃO DO MÓDULO NOTA FISCAL ELETRONICA MANUAL DE IMPLEMENTAÇÃO DO MÓDULO NOTA FISCAL ELETRONICA MARKANTY INFORMÁTICA Sistemas para Automação Comercial Gestão Empresarial e Fábrica de Software (Específicos) Princípios de nossos Profissionais:

Leia mais

SISCOMEX EXPORTAÇÃO WEB MÓDULO COMERCIAL (NOVOEX)

SISCOMEX EXPORTAÇÃO WEB MÓDULO COMERCIAL (NOVOEX) SISCOMEX EXPORTAÇÃO WEB MÓDULO COMERCIAL (NOVOEX) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. Onde acessar o NOVOEX? O acesso ao NOVOEX poderá ser feito por meio da página eletrônica do Ministério do Desenvolvimento,

Leia mais

Introdução a listas - Windows SharePoint Services - Microsoft Office Online

Introdução a listas - Windows SharePoint Services - Microsoft Office Online Page 1 of 5 Windows SharePoint Services Introdução a listas Ocultar tudo Uma lista é um conjunto de informações que você compartilha com membros da equipe. Por exemplo, você pode criar uma folha de inscrição

Leia mais

e-nota E Módulo de Entrega da Nota

e-nota E Módulo de Entrega da Nota Página1 e-nota E Módulo de Entrega da Nota Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa Página2 Índice 1. Safeweb e-nota E... 03 2. O que é XML... 04 3. Acesso e-nota E... 05 4. Gerenciamento

Leia mais

Plataforma de Gestão Agropecuária PGA

Plataforma de Gestão Agropecuária PGA Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plataforma de Gestão Agropecuária PGA Maio de 2013 Histórico 2007/novembro - DG-SANCO/UE restringe as importações de carne bovina do Brasil e determina:

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1 MANUAL DO USUÁRIO Índice 1. Introdução... 3 2. Acesso ao Sistema... 4 2.1. Instalação... 4 2.1.1. Servidor - Computador Principal... 4 2.1.2. Estação - Computador na Rede... 6 2.1.3. Estação - Mapeamento

Leia mais

1. REQUISITOS DO SOLICITANTE

1. REQUISITOS DO SOLICITANTE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EDITAL Nº 023/PRPGP/UFSM, DE 29 DE ABRIL DE 2015 Programa Especial de Incentivo às Revistas Científicas

Leia mais

Software $uplementa Certo: Benefício/Custo da Suplementação na Seca

Software $uplementa Certo: Benefício/Custo da Suplementação na Seca Software $uplementa Certo: Benefício/Custo da Suplementação na Seca Campo Grande - MS 1 Resumo A aplicação $uplementa Certo é fruto da parceria EMBRAPA Gado Corte e Universidade Federal de Mato Grosso

Leia mais

Manual de Instruções DataCollection. Nome do Documento. Procedimentos para inventariar animais do criatório e efetuar os ajustes necessários.

Manual de Instruções DataCollection. Nome do Documento. Procedimentos para inventariar animais do criatório e efetuar os ajustes necessários. Nome do Documento Procedimentos para inventariar animais do criatório e efetuar os ajustes necessários. Procedimentos operacionais gerais, para inventariar periodicamente os animais do criatório e, eventualmente,

Leia mais

SISTEMA DE RASTREABILIDADE BOVINA

SISTEMA DE RASTREABILIDADE BOVINA SISTEMA DE RASTREABILIDADE BOVINA Ricardo Toshio Yugue EAN BRASIL Grupo de Trabalho para Automação, Rastreabilidade e Padronização Comercial da Carne Bovina 24 SUMÁRIO presente projeto tem por objetivo

Leia mais

Manual de Instruções DataCollection. Nome do Documento. Novas Funcionalidades DataCollection versão 2.80

Manual de Instruções DataCollection. Nome do Documento. Novas Funcionalidades DataCollection versão 2.80 Nome do Documento Novas Funcionalidades DataCollection versão 2.80 1. Carregar Observações O DataCollection permite que o usuário insira observações específicas aos animais. Estas observações serão exibidas

Leia mais

1998-2011 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados.

1998-2011 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados. Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas Ltda. Nesse caso, somente a Domínio Sistemas poderá ter

Leia mais

Cadeia Produtiva de Bovinos e Bubalinos

Cadeia Produtiva de Bovinos e Bubalinos Cartilha do novo Serviço de Rastreabilidade da Cadeia Produtiva de Bovinos e Bubalinos SISBOV Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Coordenação:

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

Utilização da plataforma Ning para o desenvolvimento de rede social temática para o agronegócio do leite

Utilização da plataforma Ning para o desenvolvimento de rede social temática para o agronegócio do leite Utilização da plataforma Ning para o desenvolvimento de rede social temática para o agronegócio do leite Leonardo Mariano Gravina Fonseca 1, Myriam Maia Nobre 1, Denis Teixeira da Rocha 1, Elizabeth Nogueira

Leia mais

Manual Wincall Atualizado em 19/09/2007 Pág. 1

Manual Wincall Atualizado em 19/09/2007 Pág. 1 MANUAL CALL CENTER Pág. 1 INTRODUÇÃO AO MODULO CALL CENTER Esse módulo do Sistema gerencia todo relacionamento da empresa com seus clientes, registrando todos os contatos realizados, controlando todo o

Leia mais

Não conformidades encontradas nas auditorias oficiais do SISBOV realizadas em Minas Gerais

Não conformidades encontradas nas auditorias oficiais do SISBOV realizadas em Minas Gerais FOOD SAFETY / SCIENTIFIC COMMUNICATION DOI: 10.1590/1808-1657000182013 Não conformidades encontradas nas auditorias oficiais do SISBOV realizadas em Minas Gerais Non-compliances found in the official audits

Leia mais

CASO DE USO PARA ANÁLISE DE DOMINIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE LEITE

CASO DE USO PARA ANÁLISE DE DOMINIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE LEITE CASO DE USO PARA ANÁLISE DE DOMINIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE LEITE Andrea C. A. Borim 1 Antônio M. Saraiva 2 José M. Fernandes 3 Carlos A. R. Pinto 4 RESUMO A busca pelo aumento da

Leia mais

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS Élysson Mendes Rezende Bacharelando em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

Manual do Usuário. SCA - Sistema de Controle de Acesso

Manual do Usuário. SCA - Sistema de Controle de Acesso Manual do Usuário SCA - Sistema de Controle de Acesso Equipe-documentacao@procergs.rs.gov.br Data: Julho/2012 Este documento foi produzido por Praça dos Açorianos, s/n CEP 90010-340 Porto Alegre, RS (51)

Leia mais

Guia para Pré-Proposta FUMDEC Macaé

Guia para Pré-Proposta FUMDEC Macaé Guia para Pré-Proposta FUMDEC Macaé 1. Objetivo O presente guia tem como objetivo orientar o empreendedor a como preencher o Formulário de Pré-proposta para financiamento, item fundamental para início

Leia mais

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA 1 NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA TUTORIAL DE USO DA FERRAMENTA ANO 2012 2 Sumário 1 Nota Fiscal de Serviços eletrônica - NFS-e... 3 1.1 Considerações Iniciais... 3 1.2 Legislação... 3 1.3 Definição...

Leia mais

INSTRUTIVO PARA ORIENTAR O PREENCHIMENTO DO RELATÓRIO DE VISTORIA EM ERAS

INSTRUTIVO PARA ORIENTAR O PREENCHIMENTO DO RELATÓRIO DE VISTORIA EM ERAS INSTRUTIVO PARA ORIENTAR O PREENCHIMENTO DO RELATÓRIO DE VISTORIA EM ERAS Este instrutivo tem como objetivo uniformizar as vistorias nos ERAS, realizadas pelas certificadoras. O relatório será preenchido

Leia mais

MÓDULO DE AVALIAÇÃO DO RETORNO DE INVESTIMENTO EM SISTEMA DE ANIMAL. Eduardo Ehlert Orientador: Mauro Marcelo Mattos

MÓDULO DE AVALIAÇÃO DO RETORNO DE INVESTIMENTO EM SISTEMA DE ANIMAL. Eduardo Ehlert Orientador: Mauro Marcelo Mattos MÓDULO DE AVALIAÇÃO DO RETORNO DE INVESTIMENTO EM SISTEMA DE RASTREABILIDADE ANIMAL Eduardo Ehlert Orientador: Mauro Marcelo Mattos Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento do

Leia mais

Árvore da informação do agronegócio do leite. identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite

Árvore da informação do agronegócio do leite. identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite Árvore da informação do agronegócio do leite identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite 1. Introdução Claudio Nápolis Costa 1 A exposição dos mercados dos diversos países às pressões

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL PADRÃO Ref.: FIN-PGP-001_00 Emissão: 22/05/2013 P. 1/14 CARTÃO CORPORATIVO

PROCEDIMENTO GERENCIAL PADRÃO Ref.: FIN-PGP-001_00 Emissão: 22/05/2013 P. 1/14 CARTÃO CORPORATIVO Ref.: FIN-PGP-001_00 Emissão: 22/05/2013 P. 1/14 CARTÃO CORPORATIVO Ref.: FIN-PGP-001_00 Emissão: 22/05/2013 P. 2/14 SUMÁRIO 1. RESUMO DO PROCESSO... 3 2. FLUXOGRAMA... 4 3. OBJETIVO... 5 4. APLICAÇÃO...

Leia mais

Título do Slide. Coletor de dados no curral. Título da Apresentação

Título do Slide. Coletor de dados no curral. Título da Apresentação Título do Slide Coletor de dados no curral Título da Apresentação Softway S.A. Resumo da empresa Fundação: 1996 Nº Colaboradores: 360 Escritórios: Matriz Campinas SP Escritórios São Paulo SP São José dos

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS EXTRAJUDICIAL SIG-EX

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS EXTRAJUDICIAL SIG-EX SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS EXTRAJUDICIAL SIG-EX Atualizado em 27.05.2011 MANUAL DO USUÁRIO 1. Apresentação 1.1. Acessando o Sistema 1.2. Tela Principal 2. Página Principal SUMÁRIO 3. Módulo Corregedoria

Leia mais

Escritório Virtual Administrativo

Escritório Virtual Administrativo 1 Treinamento Módulos Escritório Virtual Administrativo Sistema Office Instruções para configuração e utilização do módulo Escritório Virtual e módulo Administrativo do sistema Office 2 3 1. Escritório

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO PARA EMISSÃO DE GUIA DE TRÂNSITO ANIMAL DE ABELHAS, BICHO- DA-SEDA E OUTROS INVERTEBRADOS TERRESTRES

MANUAL DE PREENCHIMENTO PARA EMISSÃO DE GUIA DE TRÂNSITO ANIMAL DE ABELHAS, BICHO- DA-SEDA E OUTROS INVERTEBRADOS TERRESTRES MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA SDA DEPARTAMENTO DE SAÚDE ANIMAL DSA COORDENAÇÃO DE TRÃNSITO E QUARENTENA ANIMAL CTQA MANUAL DE PREENCHIMENTO PARA

Leia mais

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria Médio Integrado em Agroindústria A importância da cadeia do leite A cadeia do leite e de seus derivados desempenha papel relevante no suprimento de alimentos e na geração de emprego e renda, se igualando

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Coordenação: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) Colaboração: Confederação da

Leia mais

Coordenação Geral de Tecnologia da Informação - CGTI. SIGED - Sistema de Gestão Eletrônica de Documentos MANUAL DO USUÁRIO Módulo de Arquivos

Coordenação Geral de Tecnologia da Informação - CGTI. SIGED - Sistema de Gestão Eletrônica de Documentos MANUAL DO USUÁRIO Módulo de Arquivos SIGED - Sistema de Gestão Eletrônica de Documentos MANUAL DO USUÁRIO Módulo de Arquivos O objetivo deste Manual é permitir a reunião de informações dispostas de forma sistematizada, criteriosa e segmentada

Leia mais

BEM VINDOS AO DHL WEB SHIPPING GUIA DE USO

BEM VINDOS AO DHL WEB SHIPPING GUIA DE USO Envio de Remessas Online BEM VINDOS AO DHL WEB SHIPPING GUIA DE USO webshipping.dhl.com ACESSE O DHL WEB SHIPPING DE QUALQUER LUGAR DO MUNDO. Ideal para qualquer empresa com acesso à internet, o DHL Web

Leia mais

Manual Garantia e Serviço de Atendimento ao Consumidor - SAC

Manual Garantia e Serviço de Atendimento ao Consumidor - SAC Manual Garantia e Serviço de Atendimento ao Consumidor - SAC DESENVOLVENDO SOLUÇÕES Autora: Laila M G Gechele Doc. Vrs. 02 Revisores: Aprovado em: Novembro de 2014 Nota de copyright Copyright 2014 Teorema

Leia mais

SST - PPP. 11.8.x. abril de 2015. Versão: 4.0

SST - PPP. 11.8.x. abril de 2015. Versão: 4.0 SST - PPP 11.8.x abril de 2015 Versão: 4.0 1 Sumário 1 Objetivo... 4 2 Como utilizar esse material em seus estudos de Atendimento Clínico... 4 3 Introdução... 5 4 PPP... 6 4.1 Principais botões do sistema...

Leia mais

O e-docs foi testado e homologado pela Microsoft via certificadora internacional Verisign.

O e-docs foi testado e homologado pela Microsoft via certificadora internacional Verisign. O e-docs Uma ferramenta com interface intuitiva, simples e dinâmica para você que necessita: Centralizar e estruturar o conhecimento corporativo. Manter a flexibilidade necessária para a colaboração. Permite

Leia mais

Manual Do Usuário ClinicaBR

Manual Do Usuário ClinicaBR Manual Do Usuário ClinicaBR SUMÁRIO 1 Introdução... 01 2 ClinicaBR... 01 3 Como se cadastrar... 01 4 Versão experimental... 02 5 Requisitos mínimos p/ utilização... 03 6 Perfis de acesso... 03 6.1 Usuário

Leia mais

Circular SUSEP Nº285, de 21 de Março de 2005. Versão atualizada pela Circular SUSEP Nº297.

Circular SUSEP Nº285, de 21 de Março de 2005. Versão atualizada pela Circular SUSEP Nº297. Circular SUSEP Nº285, de 21 de Março de 2005. Versão atualizada pela Circular SUSEP Nº297. Cadastro de recursos dos sistemas de informação e mapa de saldos. Gustavo Dias - CEINF Marcos de Almeida - DECON

Leia mais

VVS Sistemas (21)3405-9500

VVS Sistemas (21)3405-9500 Índice Assunto Página Apresentação... 2 Funcionamento do Módulo... 3 Instalação do Módulo... 4 Configurações no C-Plus NF-e... 9 Acessando os arquivos... 11 Apresentação Apresentamos o módulo C-Plus NF-e

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

Certificação Profissional de Análise e Aprovação de Crédito - CERT.FBB-200

Certificação Profissional de Análise e Aprovação de Crédito - CERT.FBB-200 MANUAL DE CANDIDATURA da Abril de 2012 Versão 2.0 A Federação Brasileira de Bancos FEBRABAN vem, neste Manual de Candidatura, divulgar as regras e informações necessárias para a realização dos exames pertinentes

Leia mais

Software. Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais. Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais...

Software. Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais. Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais... Software www.imagecomnet.com.br Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais... A Empresa A Imagecom, uma empresa conceituada no ramo

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Ponta Grossa 2012 ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Trabalho elaborado pelo

Leia mais

Aplicação Administrativa de Gestão

Aplicação Administrativa de Gestão Aplicação Administrativa de Gestão DIAGNIMAGEM, Sociedade Unipessoal, Lda Clínica de Exames e Diagnósticos de Imagiologia A Empresa é constituída por 4 departamentos: Gerência (1) Administrativo/ Contabilidade

Leia mais

MANUAL EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO

MANUAL EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO MANUAL EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO Diretoria de Vigilância Epidemiológica/SES/SC 2006 1 Módulo 04 - Exportação e Importação de Dados Manual do SINASC Módulo Exportador Importador Introdução O Sistema SINASC

Leia mais

INSTRUÇÕES DO PORTAL PÓS-VENDAS MUELLER

INSTRUÇÕES DO PORTAL PÓS-VENDAS MUELLER INSTRUÇÕES DO PORTAL PÓS-VENDAS MUELLER O acesso ao Portal deve ser feito através do site da Mueller sendo www.mueller.ind.br. Logo abaixo, o posto deverá clicar no rodapé da página em Intranet/Extranet.

Leia mais

Adicionais. Grupo Acert - 1

Adicionais. Grupo Acert - 1 MÓDULOS Adicionais Grupo Acert - 1 ÍNDICE 1 - ESTOQUE 1.1- Balanço de Estoque 03 2 - FATURAMENTO/FINANCEIRO 2.1- Pagamento Eletrônico (Fornecedores) 2.2- Plug-in Cheque Custódia 06 07 3 - FISCAL e CONTÁBIL

Leia mais

SISTEMA COOL 2.0V. (Certificado de Origen On Line) MANUAL DO USUÁRIO

SISTEMA COOL 2.0V. (Certificado de Origen On Line) MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA COOL 2.0V (Certificado de Origen On Line) MANUAL DO USUÁRIO ÍNDICE Pré-requisitos para utilização do sistema....2 Parte I Navegador...2 Parte II Instalação do Interpretador de PDF...2 Parte III

Leia mais

Informática. Informática. Valdir

Informática. Informática. Valdir Informática Informática Valdir Questão 21 A opção de alterar as configurações e aparência do Windows, inclusive a cor da área de trabalho e das janelas, instalação e configuração de hardware, software

Leia mais

Neste tópico, você aprenderá a criar facilmente um banco de dados para uma nova empresa e a definir configurações comuns de uma empresa no SAP

Neste tópico, você aprenderá a criar facilmente um banco de dados para uma nova empresa e a definir configurações comuns de uma empresa no SAP Neste tópico, você aprenderá a criar facilmente um banco de dados para uma nova empresa e a definir configurações comuns de uma empresa no SAP Business One, em apenas uma etapa usando um assistente guiado.

Leia mais

AMTEC FATURAMENTO ELETRÔNICO IMAS MANUAL

AMTEC FATURAMENTO ELETRÔNICO IMAS MANUAL AMTEC FATURAMENTO ELETRÔNICO IMAS MANUAL GOIÂNIA MAIO/2011 Direito de Cópia 2011 pela Gerência do Departamento de Desenvolvimento de Sistemas da AMTEC. 2011 1ª Edição Este documento ou parte dele não pode

Leia mais

CONHECENDO O BANCO DE DADOS DPCOMP

CONHECENDO O BANCO DE DADOS DPCOMP CONHECENDO O BANCO DE DADOS DPCOMP Atualmente, a DpComp, visando ampliar a capacidade corporativa de seus clientes, acompanha a evolução tecnológica e trabalha hoje com o banco de dados MySQL, um dos bancos

Leia mais

Experiência: Sistema PIER e Gestão por Resultados (Painel de Indicadores Estratégicos)

Experiência: Sistema PIER e Gestão por Resultados (Painel de Indicadores Estratégicos) Experiência: Sistema PIER e Gestão por Resultados (Painel de Indicadores Estratégicos) SERPRO - Serviço Federal de Processamento de Dados Ministério da Fazenda Responsável: Adinilson Martins da Silva Técnico

Leia mais

FUNCEXDATA 2.0. Manual do Usuário. Maio/2012. Ajudando o Brasil a expandir fronteiras

FUNCEXDATA 2.0. Manual do Usuário. Maio/2012. Ajudando o Brasil a expandir fronteiras Ajudando o Brasil a expandir fronteiras FUNCEXDATA 2.0 Manual do Usuário Maio/2012 Funcex Av. Rio Branco, 120, Gr. 707, Centro 20040-001 Rio de Janeiro RJ Instituída em 12 de março de 1976 CNPJ 42.580.266/0001-09.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE APOIO À GESTÃO DE EVENTO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE APOIO À GESTÃO DE EVENTO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE APOIO À GESTÃO DE EVENTO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL Adler H. Schmidt, Caroline F. Vicentini, Patrick P. Viera, Ronaldo C. M. dos Santos, Andrea S. Charão Universidade

Leia mais

Dicas para implantação do Autodesk Vault para pequenas e médias empresas

Dicas para implantação do Autodesk Vault para pequenas e médias empresas Dicas para implantação do Autodesk Vault para pequenas e médias empresas Rodrigo Tito Nova CS Informática Cristiano Oliveira ConsultCAD É sabido por todos que hoje, o processo de desenvolvimento do produto

Leia mais

Procedimentos para Instalação e Utilização do PEP Programa automatizado de apoio à Elaboração de Projetos

Procedimentos para Instalação e Utilização do PEP Programa automatizado de apoio à Elaboração de Projetos MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria-Executiva Unidade de Coordenação de Programas Esplanada dos Ministérios Bl. P 4º Andar Salas 409/410 CEP 70.048-900 Brasília DF Tel: (61) 3412.2492 email: ucp@fazenda.gov.br

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 9, DE 4 DE MAIO DE 2004

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 9, DE 4 DE MAIO DE 2004 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 9, DE 4 DE MAIO DE 2004 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

e-nota G Módulo de Guarda da Nota Fiscal eletrônica

e-nota G Módulo de Guarda da Nota Fiscal eletrônica Página1 e-nota G Módulo de Guarda da Nota Fiscal eletrônica Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa Página2 Índice 1. Safeweb e-nota G... 03 2. O que é NF-e?... 04 3. O que é CT-e?... 05

Leia mais

2. O que informatizar?

2. O que informatizar? A INFORMÁTICA NO CONSULTÓRIO MÉDICO No fascículo anterior, comentamos como a gestão de custos, mesmo sendo feita de maneira simplista, auxilia o consultório a controlar e avaliar seus resultados, permitindo

Leia mais

DIF-e - MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO CONTRIBUINTE

DIF-e - MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO CONTRIBUINTE Página 1 de REVISÃO DATA VERSÃO DO HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES SISTEMA 00 1.0 Emissão inicial. Página 2 de Sumário 1. Introdução... 4 2. Modelo Conceitual... 4 3. Programa Cliente... 5 3.1 Telas de Configuração...

Leia mais

IAMSPE DÚVIDAS FREQUENTES

IAMSPE DÚVIDAS FREQUENTES IAMSPE DÚVIDAS FREQUENTES P: É possível anexar documentos nos pedidos solicitados no sistema Medlink? R: Ao incluir um pedido em sistema é possível anexar documentos. Após registro do pedido em sistema

Leia mais

PLATAFORMA DE GESTÃO AGROPECUÁRIA ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA CNA/MAPA

PLATAFORMA DE GESTÃO AGROPECUÁRIA ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA CNA/MAPA PLATAFORMA DE GESTÃO ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA CNA/MAPA Histórico 1997 - U E publica Council Regulation CE 820/97 Inicio da Rastreabilidade para os membros do bloco e para países exportadores para o

Leia mais

SGCD 2.0 Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico

SGCD 2.0 Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico Atualizado em 24/08/2011 No final de 2007, o Serviço Técnico de Informática da UNESP Marília, disponibilizou para a comunidade acadêmica e administrativa o Sistema

Leia mais

Serviço de Informações Municipais Nota Fiscal de Serviços Eletrônica - NFS-e. Manual de Operação Versão 2.0

Serviço de Informações Municipais Nota Fiscal de Serviços Eletrônica - NFS-e. Manual de Operação Versão 2.0 Manual de Operação Versão 2.0 Índice de Operações 1. Apresentação...2 2. Solicitação de Uso da NFS-e...3 3. Consultar Andamento da Solicitação de Uso...5 4. Emitindo a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica...5

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Tópicos de Ambiente Web Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Roteiro Motivação Desenvolvimento de um site Etapas no desenvolvimento de software (software:site) Analise

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

P á g i n a 1. SISCOAF Sistema de Controle de Atividades Financeiras. Manual Operacional

P á g i n a 1. SISCOAF Sistema de Controle de Atividades Financeiras. Manual Operacional P á g i n a 1 SISCOAF Sistema de Controle de Atividades Financeiras Manual Operacional P á g i n a 2 1 SUMÁRIO 2 Orientações gerais... 3 2.1 Perfis de acesso... 4 2.2 Para acessar todas as funcionalidades

Leia mais