Normas para o Projeto das Estradas de Rodagem

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Normas para o Projeto das Estradas de Rodagem"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM Noras para o Projeto das Estradas de Rodage Aprovadas pelo Senhor Ministro da Viação e Obras Públicas consoante Portarias núeros 19, de e 348, de Reeditado e 1973 BRASIL. Ministério dos Transportes. Departaento Nacional de Estradas de Rodage.... Noras para o projeto das estradas de rodage... /Rio de Janeiro/ Serviço de Publicações/ p. 2tab. 23c. 1. Estradas de rodage. I. Título. C.D.D

2 MINISTÉRIO DA VIAÇÃO E OBRAS PÚBLICAS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Divisão de Orçaento PORTARIA N. 19 DE 10 DE JANEIRO DE 1949* O Ministro de Estado dos Negócios da Viação, atendendo ao que propôs o Conselho Rodoviário Nacional e usando das atribuições que lhe confere o artigo 9, cobinado co a alínea "c" do artigo 7 do Decreto-lei n , de 27 de dezebro de 1945, e o Decreto nº , de 29 de junho de 1948: Resolve aprovar as Noras para o Projeto das Estradas de Rodage, que co esta baixa, devidaente rubricadas, para sere aplicadas ao projeto das estradas federais e dos Planos Rodoviários dos Estados e do Distrito Federal, na conforidade, quanto a estes,do disposto nos artigos 5, alínea "d", e 6., da Lei nº. 302, de 13 de julho de 1948, ficando revogada a Portaria n. 674, de 25 de julho de (a) CLOVIS PESTANA. * Publicada no Diário Oficial de

3 NORMAS PARA O PROJETO DAS ESTRADAS DE RODAGEM OBJETIVO DAS NORMAS DEFINIÇÕES Art. 1º Estas Noras se destina a fixar as principais características técnicas dos projetos das estradas federais e das estradas dos planos regionais. Elas se aplica tanto aos projetos de estradas novas coo aos de elhoraentos das estradas existentes. Não se aplica, todavia, obrigatoriaente a estradas de finalidade eraente turística. 1 Para o efeito destas Noras, entende-se por estradas federais as que faze parte do Plano Rodoviário Nacional e outras cuja construção o Congresso Nacional ou o Governo Federal coeter ao Departaento Nacional de Estradas de Rodage. 2º Entende-se por estradas dos planos regionais as constantes dos Planos Rodoviários, legalente e vigor, dos Estados, do Distrito Federal e dos Territórios. Art. 2º Velocidade diretriz é a velocidade básica para a dedução das características do projeto. Art. 3º Pista é a parte da platafora destinada e preparada para o rolaento dos veículos. 1º Salvo indicação e contrário, cada estrada conterá ua só pista, constituída de 2 faixas de tráfego e destinada ao tráfego nos dois sentidos. 2º Por estradas independentes entre dois pontos dados, se entende estradas indo de u a outro ponto por traçados distintos, contendo cada estrada ua pista, de duas faixas de tráfego, salvo indicação e contrário, as servindo ao tráfego nos dois sentidos. 3 Por pistas independentes, entre dois pontos dados, se entende, pistas inteiraente separadas ou interligadas de espaço a espaço, indo de u a outro ponto, por traçados contíguos ou distintos, contendo cada pista duas faixas de tráfego nu só sentido. Art. 4 As características técnicas das estradas de rodage consideradas nestas Noras se distingue pelas seguintes "designações: a) Classe Especial; b) Classe I; c) Classe II; d) Classe III. Art. 5º Os projetos das estradas federais do Plano Rodoviário Nacional obedecerão, noralente, às características da Classe I.(*) 1 Nos trechos dessas estradas e que for previsto tráfego isto uito intenso e futuro próxio, os projetos deverão obedecer às características da Classe Especial. 2 Quando for previsto tráfego superior a veículos diários, sobretudo nos trechos próxios dos grandes centros urbanos, o projeto deverá ser elaborado co duas pistas independentes, frequenteente interligadas. O eso se fará nos projetos de estradas e regiões escarpadas, quando for previsto tráfego superior a veículos por dia ou ais. 3º E circunstâncias especiais, poderão ser consideradas, no caso do parágrafo anterior, duas estradas independentes. 4º E zonas urbanas, ou proxiaente urbanas, os projetos poderão obedecer a características técnicas próprias. Art. 6º Os Estados, o Distrito Federal e os Territórios poderão epregar, na noenclatura das estradas, expressões tais coo "estradas-tronco", "raais", "ligações", "estradas principais" e "estradas secundárias", co o fi de indicar a iportância relativa das diversas estradas no seu Plano Rodoviário regional, sendo-lhes, poré, vedado o uso das designações a que se refere o artigo 4 co sentido diverso do consignado nestas Noras. O elenco das expressões, os seus significados, a aplicação delas às diversas estradas e ua adequada relação entre as expressões e as características técnicas liites co que as estradas deverão ser projetadas, estas, de conforidade co as designações encionadas no artigo 4º, constarão do Plano Rodoviário regional ou lhes serão aditadas, podendo, todavia, variar de u plano regional para outro. 3

4 (*) Vide ite 2 da Portaria 3.602/69 que substituiu este artigo. VELOCIDADES DIRETRIZES Art. 7º As velocidades diretrizes, e k/h, são as seguintes: REGIÕES CLASSE ESPECIAL CLASSE 1 CLASSE II CLASSE III Planas Onduladas Montanhosas RAIOS MÍNIMOS DE CURVATURA HORIZONTAL Art. 8 Os raios ínios de curvatura horizontal, e, dos eixos das estradas, são os seguintes: REGIÕES CLASSE ESPECIAL ( 1 ) CLASSE 1 ( 2 ) CLASSE II ( 2 ) CLASSE III ( 2 ) Planas Onduladas Montanhosas ( 1 ) Valores calculados co as seguintes hipóteses principais: a) Inexistência de atrito entre os pneus e a pista de rolaento; b) Inclinação transversal de 10 %; c) Velocidade-diretriz igual a 75 % da velocidade-diretriz correspondente para a Classe I. ( 2 ) Valores calculados co as seguintes hipóteses: a) Coeficiente de atrito entre pneus e pista de rolaento, calculado pela fórula epírica: onde V é o valor da velocidade-diretriz e k/h; b) Inclinação transversal de 8 %; ƒ= 1 1,4. 3 V c) Velocidades diretrizes co os valores correspondentes à Classe e acidentação topográfica da região (Art. 7 ). Parágrafo único Nos trechos e regiões planas ou onduladas, o raio ínio de curvatura horizontal entre dois longos alinhaentos retos, sendo u deles superior a 2.000, deverá ser de 700 ou 640, confore a inclinação transversal seja de 8% ou 1 0 %. ( 3 ) Art. 9º Nos projetos de estradas co duas pistas independentes, os valores dos raios ínios se aplica à curvatura do eixo de qualquer das pistas. CURVAS DE TRANSIÇÃO TANGENTES MÍNIMAS Art. 10 Nas estradas de características técnicas das Classes Especial e I, serão adotadas, e planta, curvas de transição para raios de curvatura inferiores a 600. Na curva de transição, a curvatura crescerá proporcionalente ao copriento, e o seu desenvolviento será fixado pela exigência de o veículo percorrê-la co o acréscio constante de aceleração centrípeta de 0,6 3 /seg. O processo de transição será o denoinado de "raio de conservação" segundo o eixo da pista. 4

5 ( 3 ) Calculado co a velocidade-diretriz de 140 k/h. Art. 11 Nas estradas de características técnicas das Classes II e III, deverão ser adotadas curvas de transição, para raios de curvatura inferiores a 440 etros. A transição a epregar pode ser a denoinada "circular co raio duplo". Art. 12 A transição e perfil será linear ao longo da transição e planta, ou não havendo esta, segundo rapa de 1/400 ao longo do eixo da pista. Art. 13 As curvas de transição entre dois arcos de círculo consecutivos poderão suceder-se iediataente ua à outra. Art. 14 Quando duas curvas circulares consecutivas não tivere transição, ou ua delas não a tiver, o copriento ínio da tangente entre elas será deterinado pelas condições da transição e perfil, de acordo co o artigo 12. Parágrafo único Nas estradas de características técnicas das Classes II e III, a tangente ínia adissível, entre duas curvas de curvaturas opostas, é de 40. DECLIVIDADES LONGITUDINAIS Art. 15 Até a altitude de acia do nível do ar as rapas áxias adissíveis são as seguintes: REGIÕES CLASSES Planas Onduladas Montanhosas Especial 3% 4% 5% I 3% 4% 5% II 3% 4% 6% III 4% 5% 7% 1º Esses valores poderão ser acrescidos de 1% para extensões até 900 e regiões planas, 300 e regiões onduladas e 150 e regiões ontanhosas. 2º Os valores acia fixados deverão ser reduzidos de 0,5% para altitudes superiores a Art. 16 Nos trechos e corte ou e seção ista, a declividade ínia adissível é de 1%. CURVATURAS VERTICAIS Art. 17 As curvaturas verticais de concordância entre declividades longitudinais sucessivas serão parábolas do 2º grau ou círculos de grande raio, que proporcione as distancias de visibilidade adiante prescritas. DISTANCIAS DE VISIBILIDADE Art. 18 Os valores liites da distancia dupla de visibilidade, ou seja, da distancia ínia necessária para que dois otoristas de habilidade édia, conduzindo veículos que percorra, e sentidos opostos, o eixo da esa faixa de tráfego, possa evitar o choque, recorrendo aos freios, são os seguintes: ( 4 ) ( 4 ) Valores arredondados calculados co a fórula D 2 = 2 (0,5 V + 0,01 V 2 ) 5

6 CLASSES Planas REGIÕES Onduladas Montanhosas Especial I II III Art. 19 Na verificação da distancia de visibilidade, e perfil, adite-se que o ponto-de-vista dos otoristas esteja a 1,20 acia da pista. Art. 20 A verificação da distancia de visibilidade e planta deve ser feita co os veículos supostos percorrendo o eixo da faixa de tráfego interna. Art. 21 Nas estradas de características técnicas da Classe Especial, são exigidos, a intervalos de, no áxio, 3.000, trechos proporcionando as seguintes distancias de visibilidade de passage (distancia necessária para peritir a passage de u veículo à frente de outro que percorra a estrada no eso sentido, se perigo de choque co u terceiro veículo que percorra a esa estrada e sentido oposto pela outra faixa de tráfego): ( 5 ) ( 5 ) Calculados co a fórula para os seguintes valores : D p = V (1,25 + 0,5 v / a ) REGIÕES D p Planas Onduladas Montanhosas Art. 22 Nos trechos de estradas co duas pistas independentes, a distancia siples de visibilidade será a etade dos valores fixados no art. 18. Art. 23 Nos trechos de estrada co duas pistas independentes e co características técnicas da Classe Especial, são exigidos, a intervalos de, no áxio 3.000, trechos proporcionando as seguintes distancias de visibilidade de passage. ( 6 ) REGIÕES D P Planas Onduladas Montanhosas

7 Regiões v k/h a /seg 2 Planas ,60 Onduladas ,80 Montanhosas ,00 ( 6 ) Calculados co a fórula D p = V (1,25 + 0,2 v / a) onde Dp, V e a tê a significação e valores da nota do rodapé ( 5 ). FAIXA DE DOMÍNIO Art. 24 Nas zonas rurais a faixa de doínio terá ua largura ínia liitada pela distancia de 10, contada a partir das cristas dos cortes ou dos pés dos aterros, para cada u dos lados, não sendo inferior aos seguintes liites: CLASSES Planas REGIÕES Onduladas Montanhas I II III A faixa de doínio das estradas de características técnicas da Classe Especial será fixada, e cada caso, confore o objetivo e vista, as não será de largura inferior à das estradas de características técnicas da Classe I. 2º Nas estradas de duas pistas independentes contíguas, aplicar-se-á à parte externa de cada pista o critério fixado no início do artigo, respeitando-se, tabé, os ínios de largura total da faixa de doínio constante do quadro acia. Art. 25 Os projetos das estradas deve prever a arborização, tanto quanto possível, da faixa de doínio. Esta arborização, a ser constituída de espécies vegetais adequadas, será projetada de odo que, alé de servir de defesa contra as erosões, se enquadre no aspecto paisagístico da região e funcione coo sinalização viva. Art. 26 Nas regiões onde seja frequente o trânsito de boiadas ou tropas e não seja possível desviá-las por cainhos ou estradas secundárias, a faixa de doínio deverá abranger, a ais, quando necessário, u corredor bloqueado de 20 de largura, para lhes peritir a passage. Art. 27 Nos trechos urbanos, sepre que econoicaente possível, ou nos que apresente tendências de tornar-se urbanos e futuro próxio, a faixa de doínio deverá ter largura que perita a construção de duas vias para atender ao tráfego local, ua de cada lado, fisicaente separadas do corpo da estrada. Art. 28 Nos cruzaentos ou entroncaentos co outras estradas deve ser incorporadas à faixa de doínio as áreas para a construção das obras necessárias à eliinação das interferências de tráfego. Art. 29 Nos projetos de elhoraentos de estradas, quando for uito elevado o custo dos terrenos ou ióveis a desapropriar, abrangidos pela faixa de doínio deterinada de acordo co o art. 24, a largura dessa faixa poderá, por exceção, ser reduzida até os ínios seguintes, desde que justificada a redução e cada caso: 7

8 Núero de faixas de tráfego Zonas urbanas ou proxiaente urbanas Zonas rurais º Nesses casos, deverão ser toadas edidas especiais para a segurança do tráfego e que garanta a estabilidade dos terrenos a ontante da estrada. 2º Ao eso tepo que se fizere esses elhoraentos, deverão ser projetados novos traçados que perita desviar parte substancial do tráfego da estrada elhorada. LARGURA DAS PISTAS DE ROLAMENTO Art. 30 No caso corrente de estradas co pista de duas faixas de tráfego, adota-se as seguintes larguras de pista: CLASSES LARGURA Especial 7,50 I 7,00 II e III 6,00 a 7,00 Art. 31 Nas estradas de duas pistas independentes co duas faixas de tráfego cada ua, a largura da pista será de 7,00. onde: Art. 32 A superlargura nos trechos curvos será deterinada pela fórula: s = n [ R - R 2 b 2 ] + v_ 10 R s é a superlargura, e ; n é o núero de faixas de tráfego de ua pista; R é o raio de curvatura do eixo da pista, e ; V é a velocidade diretriz, e k/h; b é a distância, e, entre os eixos da parte rígida do veículo, e que noralente se tornará igual a 6. INCLINAÇÕES TRANSVERSAIS Art. 33 A inclinação transversal, nos trechos curvos, será feita e torno do bordo interno da pista, considerada co a largura dos trechos retos e variará de 10% a 2% nas estradas de características técnicas da Classe Especial e de 8% a 2% nas estradas de características das Classes I, II e III adotando-se os seguintes valores: 8

9 CLASSES Raio Co inclinação transversal constante Inclinação % Raio Inclinação % Co inclinação transversal variável Raio Variação Especial a 480 I a 360 II a 200 III a 200 0,5% para cada 20 de variação do raio de curvatura ACOSTAMENTOS Art. 34 São os seguintes os valores ínios dos acostaentos: REGIÕES CLASSES Planas Onduladas Montanhosas Escarpadas Especial 3,00 2,50 2,00 1,50 I 2,50 2,00 1,50 1,20 II 2,00 1,50 1,20 1,00 III 1,00 1,00 1,00 0,80 Art. 35 Sepre que a largura dos acostaentos for inferior a 2,50, deve ser previstas áreas de estacionaento, tão próxias quanto possível, de acordo co a topografia e o volue do tráfego previsto e futuro próxio. Art. 36 A declividade transversal dos acostaentos deverá ser de 5%. SARJETAS Art. 37 As sargetas de escoaento de águas, nos cortes, deverão apresentar perfil transversal constituído por duas rapas, ua junto ao talude do corte e outra junto ao acostaento, concordadas, entre si, por curva circular apla. 1º. As rapas da sarjeta deverão ter as seguintes declividades: a) na parte contígua ao acostaento, 25%; b) na parte contígua ao corte, a esa inclinação do talude deste. 2º. A distância horizontal entre o início da sarjeta, a partir do acostaento, e o seu ponto ais baixo, deverá variar entre 2,00 e 1,50, no caso das estradas de características técnicas das Classes Especial e I, tendo-se e vista a sua declividade longitudinal, natureza topográfica da região e intensidade das chuvas. No caso de estradas de características técnicas das Classes II e III, a distância ínia adissível è de 1,00. 3º. Nos trechos urbanos ou proxiaente urbanos, a redução desses valores só será aditida, se for adotada canalização subterrânea que alivie a sajeta. REFÚGIOS CENTRAIS Art. 38 As larguras dos refúgios centrais nos casos de estradas co duas pistas independentes deverão ser superiores a 6, podendo descer, excepcionalente, aos seguintes ínios: 9

10 REGIÕES Largura do refúgio central Planas 3,00 Onduladas 3,00 Montanhosas 1,50 1º. A largura dos refúgios centrais poderá ser reduzida até 0,80, nas zonas rurais, onde o custo dos terrenos for elevado, ou e trechos de regiões escarpadas. Nestes casos, coo nos de largura inferior a 3, os eios fios que liita os refúgios serão elevados, curvos ou inclinados. 2º. Para atender aos projetos de cruzaentos de nível, ou peritir os retornos, os refúgios centrais deverão apresentar alargaentos adequados de espaço a espaço, localizados, de preferência, entre duas curvas consecutivas do eixo da estrada ou a eio de curva cujo raio não seja inferior a INCLINAÇÕES DOS TALUDES DOS CORTES E DOS ATERROS Art. 39 As inclinações áxias e relação ao plano horizontal peritidas nos taludes dos cortes, são as seguintes: a) Nos terrenos co possibilidade de escorregaento ou desoronaento...1:1 b) Nos terrenos se possibilidade de escorregaento...1,5:1 c) Nos terrenos de rocha viva...vertical Parágrafo único Quando necessário, serão projetadas, nos cortes, banquetas de visibilidade, co altura áxia de 0,80. Art. 40 As inclinações áxias e relação ao plano horizontal peritidas nos taludes dos aterros são as seguintes: a) Aterros co enos de 3 de altura áxia...1:4 b) Aterros co ais de 3 de altura áxia...1:2 Art. 41 Nos aterros, evitar-se-á o uso de banquetas de terra,recorrendo-se a outros tipos de proteção que perita fácil escoaento das águas superficiais. CRUZAMENTOS E ENTRONCAMENTOS Art. 42 De odo geral, as estradas deve evitar a travessia das cidades co população até habitantes, podendo, entretanto, tangenciar-lhes o períetro urbano. Art. 43 As estradas pode ser incorporadas a trechos de avenidas de contorno das cidades ais populosas, ou eso atravessá-las, desde que seja toadas providências construtivas que garanta a segurança do tráfego, se diinuição sensível das velocidades diretrizes. Nesta últia hipótese, os projetos de travessia deve ser estudados especialente e cada caso, considerando-se uito e particular a previsão do progresso de tráfego e a possibilidade da construção futura de pistas independentes. Art. 44 As estradas serão consideradas preferenciais do ponto de vista do tráfego, confore a iportância deste e as características técnicas do projeto. Art. 45 Nos projetos dos cruzaentos ou dos entroncaentos das estradas de características técnicas das Classes Especial e I co estradas de características técnicas das Classes II e III, deve ser previstas obras especiais para eliinação das interferências de tráfego. Art. 46 Nos cruzaentos de nível e nos entroncaentos, os eixos das estradas deve ser, tanto quanto possível, ortogonais. 1º. Nos entroncaentos, o projeto da estrada de enor iportância de tráfego deve prever u 10

11 bulbo, que iponha a redução da velocidade dos veículos, ao se inscrevere na estrada de aior tráfego ou de características técnicas de classe superior. 2º. - Nos cruzaentos de nível deve ser adotada disposição de circulação contínua (round point), ou outra, que obrigue a redução de velocidade na estrada de características técnicas de enor classe. 3º. Deve, sepre, ser prevista, nas situações acia consideradas, ua faixa de doínio que proporcione as distâncias de visibilidade ínias da estrada preferencial. OBRAS DE ARTE Art. 47 As obras de arte, nas estradas de características técnicas das Classes Especial e I, deverão ser projetadas para as cargas e co o gabarito ínio constantes do Anexo I, respeitando, alé disso, as deais disposições da Nora Brasileira NB6, de Art. 48 As obras de arte nas estradas de características técnicas das Classes II e III, deve ser projetadas para as cargas das Classes I e II, respectivaente, da Nora Brasileira NB6, de 1943, e co os gabaritos constantes dos anexos II e III, respectivaente. Art. 49 As pistas das estradas das pontes deve ser projetadas co paviento de tipo superior co, pelo enos, 12 c de espessura. Art. 50 Nas obras de vão superior a 5 (pontilhões), a largura da obra de arte deve corresponder à da platafora da estrada, isto é, pista ais acostaentos. Art. 51 Nos trechos de estradas de pistas independentes contíguas, as obras de arte de vão superior a 5 deve ser projetadas co superestruturas separadas, cada u correspondendo a ua pista de duas faixas de tráfego. PAVIMENTAÇÃO Art. 52 Os projetos de pavientos dos diversos tipos obedecerão a Noras próprias. PROJETO DE PRIMEIRA ABERTURA OU DE MELHORAMENTO INTERMEDIÁRIO Art. 53 Quando iposto por otivo absolutaente forçoso de insuficiência de recursos financeiros e peritido pelas exigências do tráfego provável nos prieiros anos seguintes, as estradas novas ou os elhoraentos de estradas existentes poderão obedecer a projeto de prieira abertura ou de elhoraento interediário lançado sobre o projeto definitivo elaborado de acordo co as exigências dos artigos anteriores, aditindo-se naquele as seguintes tolerâncias: a) Redução, e trechos escarpados, da velocidade diretriz para as estradas de características técnicas das Classes I e II, a 40 k/h e 35 k/h, respectivaente. b) Desvios do eixo, e regiões ontanhosas e escarpadas, liitados a extensões estritaente necessárias. c) Redução, e trechos escarpados, do raio ínio de curvatura horizontal para as estradas de características técnicas das Classes I e II, a 50 e 40, respectivaente. d) Dispensa das curvas de transição nas extreidades das curvas horizontais de raios inferiores aos liites adotados no projeto definitivo. e) Acréscio de 1% nas declividades áxias de regiões ontanhosas e de 3% nas de regiões onduladas e planas. f) Redução na largura dos acostaentos. g) Elevação da inclinação áxia dos taludes dos aterros, e relação ao plano horizontal, até os seguintes valores: 1) Aterros co enos de 3 de altura áxia...1:2 2) Aterros co ais de 3 de altura áxia...1:1,5 h) Projetos para a construção parcial dos bueiros, drenos e uros de arrio do projeto definitivo, consideradas as partes a sere executadas dessas obras e suas posições finais, elaboradas de fora que lhes facilite a copletação futura. i) Nos trechos de estradas de pistas independentes contíguas, projetos para a execução parcial das obras de acesso e apoio das superestruturas das obras de arte de vão superior a 5, elaborados de fora que perita, se alterações apreciáveis, a futura copletação das obras de arte. 11

12 Parágrafo único Onde o projeto de prieira abertura ou de elhoraento interediário coincidir co o traçado do projeto definitivo da estrada ou o do elhoraento definitivo, nenhua tolerância será aditida quanto à largura da faixa de doínio e aos gabaritos e cargas das pontes, pontilhões e viadutos. Art. 54 Nas estradas que não tenha de ser pavientadas na fase de prieira abertura, deve ser exainada a conveniência de sere enterradas as obras de arte. DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 55 Quando se previr ou verificar, e certos trechos de estradas e regiões ontanhosas ou escarpadas, engarrafaento do tráfego de veículos leves, e conseqüência de forte redução da velocidade dos veículos de carga, deve-se projetar ua pista de subida para o tráfego lento, independente da pista noral. Art. 56 Os projetos das estradas deve der acopanhados do estudo dos solos ao longo do traçado, visando ao planejaento da terraplenage e geral, à classificação prévia dos ateriais, à construção de sub-bases e bases de revestiento e à proteção dos taludes e dos terrenos da estrada e circunvizinhos, contra a erosão. Art. 57 Os projetos das obras de arte de vulto, e qualquer situação topográfica, e os de quaisquer obras, e trechos de serra, deverão basear-se e estudos geológicos. Art. 58 Recoenda-se o exae geológico, particularente o reconheciento das águas subterrâneas da região atravessada, para a conveniente fixação do greide e previsão das obras de proteção da estrada, e conseqüente apliação da faixa de doínio, se necessário; Art. 59 Na escolha das características técnicas que as estradas deva apresentar no seu estágio final, o fator a considerar-se predoinanteente é o áxio volue de tráfego isto diário previsto no fi dos seus prieiros anos, adotando-se os seguintes valores: Classe I - Classe II - Classe III ou ais veículos/dia; enos de e ais de 500 veículos/dia; até 500 veículos/dia. 12

13 MINISTÉRIO DA VIAÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Divisão de Orçaento ATO DO MINISTRO PORTARIA N. 348, DE 17 DE ABRIL DE 1950* O Ministro de Estado, tendo e vista o que propôs o Conselho Rodoviário Nacional no Ofício nº. CRN-182, de 1950, de 20 de arço de 1950, e usando das atribuições que lhe confere o artigo 9º, cobinado co a alínea "c" do artigo 7º do Decreto-lei nº , de 27 de dezebro de 1945, resolve substituir a alínea "f" do artigo 53, das Noras para o Projeto das Estradas de Rodage, aprovadas pela Portaria nº. 19, de 10 de janeiro do ano próxio findo, pela seguinte: f) Redução para as estradas de características técnicas das Classes I, II e III. 1 ) da distância ínia horizontal entre o início da sarjeta, a partir do escoaento, e o seu ponto ais baixo, para 0,75 ; 2 ) da largura dos acostaentos (a) JOÃO VALDETARO. (*) Diário Oficial de Página

14 E VALORES MÍNIMOS DAS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DAS RODOVIAS FEDERAIS Pela Portaria 3.602, o Diretor-Geral do DNER de acordo co as atribuições que lhe confere o ite XXXI do art. 142, do Regiento aprovado pelo Decreto , resolve: 1 Fazer vigorar, enquanto não fore concluídos os estudos referentes à Revisão das Noras para Projetos de Estradas de Rodage aprovadas pela Portaria 19-59, do Sr. Ministro da Viação e Obras Públicas, para valores ínios das características técnicas das rodovias federais, os valores constantes das tabelas anexas. 2 Alterar a redação do art. 5º daquelas Noras, que passa a ser a seguinte: os projetos das estradas federais do Plano Rodoviário Nacional obedecerão noralente às características da Classe I desde que atendidos os áxios volues de tráfego previstos no artigo 59. NORMAS ADMISSÍVEIS DE PROJETOS RODOVIÁRIOS PARA MELHORIA DE ESTRADAS EXISTENTES Classe da rodovia Região 0 I II III 1- Velocidade de projeto k/h plana ondulada ontanhosa Raio horizontal ínio plana ondulada ontanhosa Greide áxio % plana ondulada 4 4,5 5 6 ontanhosa Distância de visibilidade p/ plana parada ondulada ontanhosa Distância de visibilidade p/ plana ultrapassage ondulada ontanhosa Largura do paviento plana 7,50 7,00 7,00 7,00 ondulada 7,50 7,00 a a ontanhosa 7,50 7,00 6,00 6,00 7- Largura do acostaento plana 3,00 2,50 2,00 1,50 ondulada 2,50 2,00 1,50 1,20 ontanhosa 2,00 1,50 1,20 1,00 8- Faixa de doínio plana 1,50 1,00 1,00 0,80 ondulada ontanhosa uito ontanhosa

15 NORMAS ADMISSÍVEIS DE PROJETOS RODOVIÁRIOS PARA NOVAS ESTRADAS Classe da rodovia Região 0 I II III 1- Velocidade de projeto k/h plana ondulada ontanhosa Raio horizontal ínio plana ondulada ontanhosa Greide áxio % plana ondulada 4 4,5 5 6 ontanhosa Distância de visibilidade p/ plana parada ondulada ontanhosa Distância de visibilidade p/ plana ultrapassage ondulada ontanhosa Largura do paviento plana 7,50 7,20 7,00 7,00 ondulada 7,50 7,20 para para ontanhosa 7,50 7,200 6,50 6,00 7- Largura do acostaento plana 3,50 3,00 2,50 2,00 ondulada 3,00 para para para ontanhosa 2,50 2,50 2,00 1,20 uito ontanhosa 1,00 1,00 1,00 0,80 8- Faixa de doínio plana ondulada ontanhosa D.O., Seção I Parte II Republicada por ter saído incopleta De no B. A. nº 231, de

16 ATOS DO DIRETOR-GERAL Aprovar valores, e Pela Portaria nº , o Diretor-Geral do DNER, de acordo co as atribuições que lhe confere o ite XXXI do artigo 142 do Regiento aprovado pelo Decreto nº , de , resolve aprovar para valores das características técnicas das "Rodovias pioneiras destinadas à colonização de áreas virgens", os valores constantes da tabela abaixo: NORMAS PARA PROJETOS DE RODOVIAS PIONEIRAS DESTINADAS À COLONIZAÇÃO DE ÁREAS VIRGENS Características Região Plana Ondulada Montanhosa 1. Velocidade k/h Raio Horizontal Mínio Greide Máxio (Desejável Absoluto) Distância de Visibilidade Distância de Visibilidade de ultrapassage Largura de platafora e cortes e aterros... 8,60 8,60 8,60 7. Faixa de doínio (ínio desejável)

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 9 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM

Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM 6.1. INTRODUÇÃO A geometria de uma estrada é definida pelo traçado do seu eixo em planta e pelos perfis longitudinal e transversal. A Fig. 6.1 apresentada

Leia mais

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Elementos geométricos de uma estrada (Fonte: PONTES FILHO, 1998) GEOMETRIA DE VIAS 1. INTRODUÇÃO: A geometria de uma estrada é definida pelo traçado do

Leia mais

PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E CAPACITAÇÃO DER/2008 TÓPICOS DE DE PROJETO GEOMÉTRICO RODOVIÁRIO. Lucas Bach Adada

PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E CAPACITAÇÃO DER/2008 TÓPICOS DE DE PROJETO GEOMÉTRICO RODOVIÁRIO. Lucas Bach Adada PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E CAPACITAÇÃO DER/2008 TÓPICOS DE DE PROJETO GEOMÉTRICO RODOVIÁRIO Lucas Bach Adada 1 Conteúdo Programático Definição de Projeto Geométrico; Classificação das Vias e Rodovias ; Critérios

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL 2 Publicação IPR - 727/2006 Diretrizes Básicas

Leia mais

ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO

ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto Geométrico dos Projetos de Engenharia Ferroviária, Projeto Básico e Projeto Executivo. 2. FASES DO PROJETO

Leia mais

1ª LISTA DE DINÂMICA E ESTÁTICA. está inicialmente em repouso nas coordenadas 2,00 m, 4,00 m. (a) Quais são as componentes da

1ª LISTA DE DINÂMICA E ESTÁTICA. está inicialmente em repouso nas coordenadas 2,00 m, 4,00 m. (a) Quais são as componentes da Universidade do Estado da Bahia UNEB Departaento de Ciências Exatas e da Terra DCET I Curso de Engenharia de Produção Civil Disciplina: Física Geral e Experiental I Prof.: Paulo Raos 1 1ª LISTA DE DINÂMICA

Leia mais

Manipulação, Armazenamento, Comercialização e Utilização de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP)

Manipulação, Armazenamento, Comercialização e Utilização de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) É ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO DE OPERAÇÕES DE DEFESA CIVIL Departaento de Proteção Contra Incêndio, Explosão e Pânico NORMA TÉCNICA n. 28/2008 Manipulação,

Leia mais

F. Jorge Lino Módulo de Weibull MÓDULO DE WEIBULL. F. Jorge Lino

F. Jorge Lino Módulo de Weibull MÓDULO DE WEIBULL. F. Jorge Lino MÓDULO DE WEIBULL F. Jorge Lino Departaento de Engenharia Mecânica e Gestão Industrial da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, Rua Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto, Portugal, Telf. 22508704/42,

Leia mais

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Prof. Glauber Carvalho Costa Estradas 1

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Prof. Glauber Carvalho Costa Estradas 1 1 a QUESTÃO Supondo que você é o engenheiro responsável pela elaboração do projeto geométrico do Arco Metropolitano do Recife, projeto que irá conectar o pólo de desenvolvimento industrial do litoral norte

Leia mais

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos.

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, oleodutos. APROVAÇÃO EM: Portaria SUP/DER-

Leia mais

Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição de energia.

Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição de energia. fls. 1/11 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição

Leia mais

Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça.

Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça. fls. 1/5 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

3.3. O Ensaio de Tração

3.3. O Ensaio de Tração Capítulo 3 - Resistência dos Materiais 3.1. Definição Resistência dos Materiais é u rao da Mecânica plicada que estuda o coportaento dos sólidos quando estão sujeitos a diferentes tipos de carregaento.

Leia mais

NPT 024 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS PARA ÁREAS DE DEPÓSITOS

NPT 024 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS PARA ÁREAS DE DEPÓSITOS Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 024 Sistea de chuveiros autoáticos para áreas de depósitos CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Nora de Procediento Técnico 104páginas SUMÁRIO 1 2 3 4 5 Objetivo

Leia mais

-ESTRUTURA VIÁRIA TT048 CURVAS VERTICAIS

-ESTRUTURA VIÁRIA TT048 CURVAS VERTICAIS INFRAINFRA -ESTRUTURA VIÁRIA TT048 CURVAS VERTICAIS Prof. Djalma Pereira Prof. Eduardo Ratton Profa. Gilza Fernandes Blasi Profa. Márcia de Andrade Pereira Um fator importante para a segurança e eficiência

Leia mais

Início E. 2345+13,98. UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Prof. Glauber Carvalho Costa Estradas 1. 1 a QUESTÃO

Início E. 2345+13,98. UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Prof. Glauber Carvalho Costa Estradas 1. 1 a QUESTÃO 1 a QUESTÃO Supondo que você foi designado para desenvolver o projeto geométrico do Arco Metropolitano do Recife, que corresponderá a uma o obra rodoviária ligando a região norte do estado, próximo ao

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol.

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

Simulado 2 Física AFA/EFOMM 2012. B)30 2 m. D)50 2 m. 1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m.

Simulado 2 Física AFA/EFOMM 2012. B)30 2 m. D)50 2 m. 1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m. Prof. André otta - ottabip@hotail.co Siulado 2 Física AFA/EFO 2012 1- Os veículos ostrados na figura desloca-se co velocidades constantes de 20 /s e 12/s e se aproxia de u certo cruzaento. Qual era a distância

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 8 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI:

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI: LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Lei do Sistema Viário do Município de Cafeara, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE

Leia mais

PTR 2378 Projeto de infra-estrutura de vias de transportes terrestres

PTR 2378 Projeto de infra-estrutura de vias de transportes terrestres PTR 2378 Projeto de infra-estrutura de vias de transportes terrestres º semestre/2007 Aula 9 Elementos da Seção Transversal Elementos da Seção Transversal. Considerações gerais 2. Faixas de rolamento 3.

Leia mais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Diretoria de Infra-Estrutura Manual de Fiscalização de Obras e Vias Rurais Rodovia: Contrato: Lista de Verificação das Principais Atividades do Eng. Fiscal

Leia mais

PROJETO GEOMÉTRICO ELEMENTOS DA SEÇÃO TRANVERSAL

PROJETO GEOMÉTRICO ELEMENTOS DA SEÇÃO TRANVERSAL 1 Largura das faixas de rolamento 2 - Larguras dos acostamentos (Bermas) 3 -Conformação e declividades (caimentos) da pista e dos acostamentos 4 - Canteiro central (Mediano) 5 -Taludes 6 -Faixa de domínio

Leia mais

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA Diferença entre Cartografia e Topografia: A Topografia é muitas vezes confundida com a Cartografia ou Geodésia pois se utilizam dos mesmos equipamentos e praticamente dos mesmos

Leia mais

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa E. alternativa A. gasto pela pedra, entre a janela do 12 o piso e a do piso térreo, é aproximadamente:

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa E. alternativa A. gasto pela pedra, entre a janela do 12 o piso e a do piso térreo, é aproximadamente: Questão 46 gasto pela pedra, entre a janela do 1 o piso e a do piso térreo, é aproxiadaente: A figura ostra, e deterinado instante, dois carros A e B e oviento retilíneo unifore. O carro A, co velocidade

Leia mais

IP-03 INSTRUÇÃO DE PROJETO GEOMÉTRICO

IP-03 INSTRUÇÃO DE PROJETO GEOMÉTRICO 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é apresentar as diretrizes relativas ao projeto geométrico de vias urbanas, a serem seguidas no desenvolvimento de projeto de vias públicas na PMSP. 2. INTRODUÇÃO

Leia mais

Prefeitura Municipal de Registro

Prefeitura Municipal de Registro Prefeitura Municipal de Registro Departamento Municipal de Administração Rua José Antônio de Campos, nº 250 Centro CEP: 11.900-000 Registro SP Fone: (13) 3828-1000 Fax: (13) 3821-2565 e-mail prefeitura@registro.sp.gov.br

Leia mais

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos Sistema topograph 98 Tutorial Módulo Projetos Como abrir um projeto existente _ 1. Na área de trabalho do Windows, procure o ícone do topograph e dê um duplo clique sobre ele para carregar o programa.

Leia mais

ÍNDICE. Capítulo I...5. Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5. Capítulo II...5. Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6

ÍNDICE. Capítulo I...5. Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5. Capítulo II...5. Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6 ÍNDICE Capítulo I...5 Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5 Capítulo II...5 Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE CRATEÚS PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU

Leia mais

PTR 2378 Projeto de infra-estrutura de vias de transportes terrestres

PTR 2378 Projeto de infra-estrutura de vias de transportes terrestres PTR 2378 Projeto de infra-estrutura de vias de transportes terrestres 1º semestre/2007 Prof. Felipe I. Kabbach Jr. (aulas teóricas) Prof. Ettore José Bottura (aulas práticas) Prof. Telmo G. Porto (aula

Leia mais

NOVEMBRO 2013 1º RELATÓRIO DE ANDAMENTO

NOVEMBRO 2013 1º RELATÓRIO DE ANDAMENTO NOVEMBRO 2013 ESTUDO PRELIMINAR PARA IMPLANTAÇÃO DE PONTE SOBRE O RIO SÃO FRANCISCO, ENTRE OS MUNICÍPIOS DE PENEDO/AL E NEÓPOLIS/SE 1º RELATÓRIO DE ANDAMENTO ESTUDO PRELIMINAR PARA IMPLANTAÇÃO DE PONTE

Leia mais

Construção de um sistema de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico

Construção de um sistema de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico Construção de u sistea de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico Roberto Scalco, Fabrício Martins Pedroso, Jorge Tressino Rua, Ricardo Del Roio, Wellington Francisco Centro Universitário do Instituto

Leia mais

Física Fascículo 04 Eliana S. de Souza Braga

Física Fascículo 04 Eliana S. de Souza Braga Física Fascículo Eliana S. de Souza raa Índice Choques, Lançaentos, Graitação esuo eórico... Exercícios... Gabarito... Choques, Lançaentos, Graitação esuo eórico Lançaento horizontal x oiento ertical queda

Leia mais

Armazenagem de Líquidos Inflamáveis e Combustíveis

Armazenagem de Líquidos Inflamáveis e Combustíveis SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bobeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 27/2004 Arazenage de Líquidos Inflaáveis e Cobustíveis SUMÁRIO ANEXOS

Leia mais

Armazenagem de Líquidos Inflamáveis e Combustíveis

Armazenagem de Líquidos Inflamáveis e Combustíveis SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bobeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 27/2004 Arazenage de Líquidos Inflaáveis e Cobustíveis SUMÁRIO ANEXOS

Leia mais

SECRETARIA DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM MANUAL ATIVIDADES GERAIS 3.02 AUTORIZAÇÕES PARA ACESSO ÀS ESTRADAS

SECRETARIA DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM MANUAL ATIVIDADES GERAIS 3.02 AUTORIZAÇÕES PARA ACESSO ÀS ESTRADAS SECRETARIA DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM MANUAL ATIVIDADES GERAIS 3.0 SEÇÃO 3.0: AUTORIZAÇÕES PARA ACESSO ÀS ESTRADAS APROVAÇÃO: Em 1/06/1978 às fls. 197 dos autos 14.795/DER/197

Leia mais

SINALIZAÇÃO HORIZONTAL. Profa. Mariana de Paiva

SINALIZAÇÃO HORIZONTAL. Profa. Mariana de Paiva SINALIZAÇÃO HORIZONTAL Profa. Mariana de Paiva 3. INSTRUMENTOS DE CONTROLE DE TRÁFEGO 3.2 SINALIZAÇÃO CLASSIFICAÇÃO Sinalização Vertical Sinalização Horizontal Sinais Luminosos Dispositivos de Sinalização

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 5 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

ATIVIDADE DE COMPOSTAGEM

ATIVIDADE DE COMPOSTAGEM ATIVIDADE DE COMPOSTAGEM 1. Identificação Epresa/Interessado: Endereço: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: E-ail: Atividade: Localização do epreendiento (Endereço): Bairro: CEP: Contato:

Leia mais

5. CLASSIFICAÇÃO DA SINALIZAÇÃO DE INDICAÇÃO

5. CLASSIFICAÇÃO DA SINALIZAÇÃO DE INDICAÇÃO 5. CLASSIFICAÇÃO DA SINALIZAÇÃO DE INDICAÇÃO 5.1 Placas de identificação Posicionam o condutor ao longo do seu deslocamento, ou com relação a distâncias, ou locais de destino. 5.1.1 Placas de identificação

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG.. Cabos Elétricos e Acessórios 02.1. Geral 02.2. Noras 02.3. Escopo de Forneciento 02 T-.1. Tabela 02.4. Características Construtivas 04.4.1. Aplicação 04.4.2. Diensionaento 04.4.3.

Leia mais

01 MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA DUPLICAÇÃO DA CIRCULAR URBANA - 3ª FASE

01 MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA DUPLICAÇÃO DA CIRCULAR URBANA - 3ª FASE 01 MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA DUPLICAÇÃO DA CIRCULAR URBANA - 3ª FASE 1. Considerações Gerais O estudo que se apresenta respeita à 3ª fase da duplicação da circular urbana e tem como principal

Leia mais

Obras-de-arte especiais - escoramentos

Obras-de-arte especiais - escoramentos MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

IMPULSO E QUANTIDADE DE MOVIMENTO

IMPULSO E QUANTIDADE DE MOVIMENTO IMPULSO E QUNTIDDE DE MOVIMENTO 1. Ua bolinha se choca contra ua superfície plana e lisa co velocidade escalar de 10 /s, refletindo-se e seguida, confore a figura abaixo. Considere que a assa da bolinha

Leia mais

RESOLUÇÃO N 495, DE 5 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO N 495, DE 5 DE JUNHO DE 2014 RESOLUÇÃO N 495, DE 5 DE JUNHO DE 2014 Estabelece os padrões e critérios para a instalação de faixa elevada para travessia de pedestres em vias públicas. O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO CONTRAN, usando

Leia mais

100m. aprox. 5m. Legenda. Detalhes croquis / anotações. Desenhos: PLANTA DO TÉRREO ELEVAÇÃO DOS EDIFÍCIOS PLANTA TÉRREO

100m. aprox. 5m. Legenda. Detalhes croquis / anotações. Desenhos: PLANTA DO TÉRREO ELEVAÇÃO DOS EDIFÍCIOS PLANTA TÉRREO Térreo: Meça e desenhe as diensões principais e eleentos que observar na planta. Preste atenção no edifício e divisão de lotes, entradas, canteiros, obiliário urbano, diensões livres do passeio, etc. Elevação

Leia mais

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases:

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases: ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Passarela para Pedestres em Projetos de Engenharia Ferroviária. 2. FASES DO PROJETO O

Leia mais

ORESTES QUÉRCIA, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, Decreta:

ORESTES QUÉRCIA, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, Decreta: Decreto Nº 30.374, de 12 de setembro de 1989 12/09/1989. Aprova o regulamento de autorização de acesso pelas rodovias estaduais aos terrenos lindeiros às suas faixas de domínio, onde se instalem estabelecimentos

Leia mais

RESOLUÇÃO DAS QUESTÔES DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR DA UNICAMP 2006. 1 POR PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA.

RESOLUÇÃO DAS QUESTÔES DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR DA UNICAMP 2006. 1 POR PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA. RESOLUÇÃO DAS QUESTÔES DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR DA UNICAMP 006. POR PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA. 5. O gráfico ao lado ostra o total de acidentes de trânsito na cidade de Capinas e o total de

Leia mais

UMA HEURÍSTICA PARA RESOLUÇÃO DO PROBLEMA DE CARREGAMENTO DE CONTAINER

UMA HEURÍSTICA PARA RESOLUÇÃO DO PROBLEMA DE CARREGAMENTO DE CONTAINER Pesquisa Operacional na Sociedade: Educação, Meio Aente e Desenvolviento 2 a 5/09/06 Goiânia, GO UMA HEURÍSTICA PARA RESOLUÇÃO DO PROBLEMA DE CARREGAMENTO DE CONTAINER E. Vendraini Universidade Estadual

Leia mais

1.1. Locação da rede de distribuição

1.1. Locação da rede de distribuição 1. Rodovias O uso da faixa de domínio das estradas de rodagem estaduais e federais delegadas, é regulamentada pela Decisão Normativa nº 35, de 18 de agosto de 2003, emitida pelo DAER/RS. 1.1. Locação da

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES DA BAHIA 1. OBJETIVO

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES DA BAHIA 1. OBJETIVO 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de adutoras de água e emissário de esgoto nas faixas de domínio das rodovias sob jurisdição do DERBA, assim como orientar quanto

Leia mais

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS SIMÕES FILHO BAHIA. PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS Salvador, Outubro/2010 SIMÕES FILHO BAHIA. A P R E S

Leia mais

CRITÉRIOS DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS TRAVESSIA DE OCUPAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO

CRITÉRIOS DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS TRAVESSIA DE OCUPAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO 1/16 1. Rodovias O uso da faixa de domínio das estradas de rodagem estaduais e federais delegadas, é regulamentada pela Decisão Normativa nº 35, de 18 de agosto de 2003, emitida pelo DAER/RS. 1.1. Locação

Leia mais

Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências.

Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências. LEI COMPLENTAR Nº 136, DE 15 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências. O Sr. Adriano Xavier Pivetta, Prefeito Municipal de Nova Mutum, Estado

Leia mais

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG NORMA INTERNA: UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE SINALIZAÇÃO DE OBRAS E

Leia mais

COMPLETA AUTOMAÇÃO PARA

COMPLETA AUTOMAÇÃO PARA COMPLETA AUTOMAÇÃO PARA TOPOGRAFIA E GEODÉSIA Algumas Novidades da Versão Office: Reformulação das Planilhas de Cálculos; GeraçãodeLayoutsdeImpressão; Inserção e Georreferenciamento de Imagens Raster;

Leia mais

COMPONENTES DE SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS

COMPONENTES DE SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS COMPONENTES DE SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS 4.1. Introdução A coleta e o transporte das águas residuárias desde a orige até o lançaento final constitue o fundaento básico do saneaento de ua população.

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PARCELAMENTO DO SOLO LOTEAMENTOS E DESMEMBRAMENTOS 04 vias do processo contendo na capa o número

Leia mais

MANUAL DO MÓDULO DE VIAS ÍNDICE ANALÍTICO

MANUAL DO MÓDULO DE VIAS ÍNDICE ANALÍTICO MANUAL DO MÓDULO DE VIAS ÍNDICE ANALÍTICO 1 AMBIENTE DE TRABALHO...1 2 IMPORTANDO DADOS GERADOS NO SISTEMA POSIÇÃO PARA O AUTOCAD/INTELLICAD...2 3 MODELAGEM DIGITAL DO TERRENO...4 4 INICIANDO UM PROJETO

Leia mais

CAPíTULO 10 - ACELERAÇÃO DE CORIOL\S E CORRENTES GEOSTRÓFICAS

CAPíTULO 10 - ACELERAÇÃO DE CORIOL\S E CORRENTES GEOSTRÓFICAS 1 CAPíTULO 10 - ACELERAÇÃO DE CORIOL\S E CORRENTES GEOSTRÓFICAS 1. Introdução Seja u vetor à nu sistea de coordenadas (x, y, z), co os versores T,], k, de odo que - - - A = A 1 i + A 2 j + A 3 k. A derivada

Leia mais

SEINFRA SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA JUNHO/2015

SEINFRA SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA JUNHO/2015 SEINFRA SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA JUNHO/2015 Corredores de Ônibus Manaus: Atendem três condicionantes: 1) Plano de Estruturação da Malha Viária do Governo do Estado do Amazonas; 2) Demanda

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE ACESSO NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE ACESSO NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de acesso nas faixas de domínio das rodovias sob jurisdição do DERBA, assim como orientar quanto aos procedimentos administrativos

Leia mais

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Nos termos do Contrato de Concessão, bem como dos regulamentos administrativos impostos pelo Poder Concedente, compete à ECO101 Concessionária

Leia mais

AÇÕES NAS PONTES. De acordo com a NBR8681- Ações e segurança nas estruturas, as ações podem ser classificadas em:

AÇÕES NAS PONTES. De acordo com a NBR8681- Ações e segurança nas estruturas, as ações podem ser classificadas em: De acordo co a NBR8681- Ações e segurança nas estruturas, as ações pode ser classificadas e: Ações peranentes: diretas e indiretas Ações variáveis: norais e especiais Ações excepcionais Considerando a

Leia mais

Tabela AVP 27. Investimentos rodoviários aplicados no programa PRODETUR/CE I Projetos e Obras

Tabela AVP 27. Investimentos rodoviários aplicados no programa PRODETUR/CE I Projetos e Obras Fonte: SETUR/2001 Figura AVP 12. Mapa de rodovias do PRODETUR/CE I O conjunto de trechos de rodovias que foi beneficiado pelo PRODETUR/CE I perfaz um total de aproximadamente 252,86 quilômetros com investimentos

Leia mais

07. Obras célebres da literatura brasileira foram ambientadas em regiões assinaladas neste mapa:

07. Obras célebres da literatura brasileira foram ambientadas em regiões assinaladas neste mapa: 6 FUVEST 09/0/202 Seu é Direito nas Melhores Faculdades 07. Obras célebres da literatura brasileira fora abientadas e regiões assinaladas neste apa: Co base nas indicações do apa e e seus conhecientos,

Leia mais

Método Simbólico. Versus. Método Diagramas de Euler. Diagramas de Venn

Método Simbólico. Versus. Método Diagramas de Euler. Diagramas de Venn IV Método Sibólico Versus Método Diagraas de Euler E Diagraas de Venn - 124 - Método Sibólico Versus Método Diagraas de Euler e Diagraas de Venn Para eplicar o que é o Método Sibólico e e que aspecto difere

Leia mais

Aula 6 Primeira Lei da Termodinâmica

Aula 6 Primeira Lei da Termodinâmica Aula 6 Prieira Lei da Terodinâica 1. Introdução Coo vios na aula anterior, o calor e o trabalho são foras equivalentes de transferência de energia para dentro ou para fora do sistea. 2. A Energia interna

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL MUNICÍPIO DE JARDIM

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL MUNICÍPIO DE JARDIM LEI COMPLEMENTAR Nº 106/2013 JARDIM-MS, 09 DE ABRIL DE 2013. DISPÕE SOBRE O SISTEMA VIÁRIO DO MS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito Municipal de Jardim Estado de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE NOVOS ACESSOS ÀS RODOVIAS

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE NOVOS ACESSOS ÀS RODOVIAS INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE NOVOS ACESSOS ÀS RODOVIAS SOB JURISDIÇÃO DO DER/DF 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de acesso nas faixas de

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA - FÍSICA - Grupos H e I

PADRÃO DE RESPOSTA - FÍSICA - Grupos H e I PDRÃO DE RESPOST - FÍSC - Grupos H e a UESTÃO: (, pontos) valiador Revisor Íãs são frequenteente utilizados para prender pequenos objetos e superfícies etálicas planas e verticais, coo quadros de avisos

Leia mais

Manual de Loteamentos e Urbanização

Manual de Loteamentos e Urbanização Manual de Loteamentos e Urbanização Juan Luis Mascaró ARQ 1206 - Urbanização de Encostas - Análise Prof Sônia Afonso segundo trimestre 2003 Adriana Fabre Dias 1. Retículas Urbanas e Custos 1.1. Aspectos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU LEI DO SISTEMA VIÁRIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU LEI DO SISTEMA VIÁRIO PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ KL Serviços e Engenharia S/C PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU LEI DO SISTEMA VIÁRIO LEI Nº Dispõe sobre o sistema Viário do Município de Quixadá e dá outras

Leia mais

IT - 22 ARMAZENAGEM DE LÍQUIDOS INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS

IT - 22 ARMAZENAGEM DE LÍQUIDOS INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS IT - 22 ARMAZENAGEM DE LÍQUIDOS INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo A - Tabelas de distanciaentos 2 Aplicação B - Detalhe de arruação de arazenage fracionada 3 Referências Norativas e Bibliográficas

Leia mais

Corredores Complexos: Interseção de rodovias

Corredores Complexos: Interseção de rodovias Neyton Luiz Dalle Molle Engenheiro Civil Como desenvolver o projeto de interseção de duas rodovias, com a escolha do traçado das alças, analisando a topografia e determinando rampas e seções dentro do

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE POLIDUTOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE POLIDUTOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de polidutos (oleodutos, gasodutos, tubulações diversas, etc) nas faixas de domínio das rodovias sob jurisdição do DERBA, assim

Leia mais

OBRAS COMPLEMENTARES PARA RODOVIAS

OBRAS COMPLEMENTARES PARA RODOVIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES OBRAS COMPLEMENTARES PARA RODOVIAS CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: TT-401 - TRANSPORTES A PROFESSORES: Djalma Martins

Leia mais

2 O Preço Spot de Energia Elétrica do Brasil

2 O Preço Spot de Energia Elétrica do Brasil 2 O Preço Spot de Energia Elétrica do Brasil Inicialente, vai se expor de ua fora uita sucinta coo é criado o preço spot de energia elétrica do Brasil, ais especificaente, o CMO (Custo Marginal de Operação).

Leia mais

Projetos de Redes Aéreas Urbanas de Distribuição de Energia Elétrica

Projetos de Redes Aéreas Urbanas de Distribuição de Energia Elétrica Projetos de Redes Aéreas Urbanas de Distribuição Revisão 05 07/2015 NORMA ND.22 ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Gerência Executiva de Engenharia, Planejaento e Operação Rua

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE REDE DE ENERGIA ELÉTRICA NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE REDE DE ENERGIA ELÉTRICA NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de rede de transmissão e/ou distribuição de energia elétrica nas faixas de domínio das rodovias sob jurisdição do DERBA, assim

Leia mais

2.5. Obras todas as obras e/ou serviços que utilizam a faixa de domínio, no sentido transversal e/ou longitudinal ou em áreas localizadas;

2.5. Obras todas as obras e/ou serviços que utilizam a faixa de domínio, no sentido transversal e/ou longitudinal ou em áreas localizadas; 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de rede de telecomunicações (cabos metálicos ou de fibras ópticas) nas faixas de domínio das rodovias sob jurisdição do DERBA,

Leia mais

ISF 210: PROJETO DE DRENAGEM

ISF 210: PROJETO DE DRENAGEM ISF 210: PROJETO DE DRENAGEM 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Drenagem e Obras de Arte Correntes nos Projetos de Engenharia de Infraestrutura Ferroviária. 2. FASES

Leia mais

PACOTE TOPOGRAFIA. Cálculos

PACOTE TOPOGRAFIA. Cálculos PACOTE TOPOGRAFIA Cálculos Este aplicativo é responsável pelos cálculos de topografia e UTM do Sistema topograph. As cadernetas de levantamento de campo podem ser introduzidas a partir de dados levantados

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, linhas físicas de telecomunicações, cabos metálicos e fibras ópticas.

PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, linhas físicas de telecomunicações, cabos metálicos e fibras ópticas. fls. 1/6 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de Linhas Físicas de Telecomunicações, com Cabos Metálicos e com Fibras Ópticas. PALAVRAS-CHAVE:

Leia mais

ESTRADAS E AEROPORTOS DRENAGEM DE VIAS

ESTRADAS E AEROPORTOS DRENAGEM DE VIAS ESTRADAS E AEROPORTOS DRENAGEM DE VIAS Prof. Vinícius C. Patrizzi 2 DRENAGEM PROFUNDA 3 DRENAGEM PROFUNDA 4 DRENAGEM PROFUNDA DRENAGEM PROFUNDA OBJETIVOS INTERCEPTAR AS ÁGUAS QUE POSSAM ATINGIR O SUBLEITO;

Leia mais

PAVIMENTO ESTUDOS GEOTÉCNICOS. Prof. Dr. Ricardo Melo. Terreno natural. Seção transversal. Elementos constituintes do pavimento. Camadas do pavimento

PAVIMENTO ESTUDOS GEOTÉCNICOS. Prof. Dr. Ricardo Melo. Terreno natural. Seção transversal. Elementos constituintes do pavimento. Camadas do pavimento Universidade Federal da Paraíba Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Laboratório de Geotecnia e Pavimentação ESTUDOS GEOTÉCNICOS Prof. Dr. Ricardo Melo PAVIMENTO Estrutura construída após

Leia mais

GUINDASTE PARA TERRENO ACIDENTADO - SRC 350. Capacidade de 35 toneladas

GUINDASTE PARA TERRENO ACIDENTADO - SRC 350. Capacidade de 35 toneladas GUINDASTE PARA TERRENO ACIDENTADO - SRC 0 01 Produto internacional desenvolvido co a colaboração de especialistas de dois países, baseado na platafora de R&D China e nos Estados Unidos; A lança totalente

Leia mais

Revisões de análise modal e análise sísmica por espectros de resposta

Revisões de análise modal e análise sísmica por espectros de resposta Revisões de análise odal e análise sísica por espectros de resposta Apontaentos da Disciplina de Dinâica e Engenharia Sísica Mestrado e Engenharia de Estruturas Instituto Superior Técnico Luís Guerreiro

Leia mais

CORTESIA Prof. Renato Brito

CORTESIA Prof. Renato Brito INSTITUTO TECNOÓGICO DE AERONÁUTICA VESTIBUAR 987/988 PROVA DE FÍSICA 0. (ITA- 88 ) U disco gira, e torno do seu eixo, sujeito a u torque constante. Deterinando-se a velocidade angular édia entre os instante

Leia mais

Decreto-Lei n.º168/99 de 18 de Maio

Decreto-Lei n.º168/99 de 18 de Maio Decreto-Lei n.º168/99 de 18 de Maio O Decreto-Lei n.º 189/88, de 27 de Maio, estabeleceu as regras aplicáveis à produção de energia eléctrica a partir de recursos renováveis e à produção cobinada de calor

Leia mais

DER/PR ES-T 03/05 TERRAPLENAGEM: EMPRÉSTIMOS

DER/PR ES-T 03/05 TERRAPLENAGEM: EMPRÉSTIMOS TERRAPLENAGEM: EMPRÉSTIMOS Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41) 3304 8130 www.pr.gov.br/derpr Especificações

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG

ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG DNIT - SREMG João Monlevade - 28/06/2012 ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG RODOVIA: BR-381MG TRECHO: DIVISA ES/MG - DIV. MG/SP

Leia mais

CIRCUITOS ELÉTRICOS REGIME PERMANENTE SENOIDAL, REPRESENTAÇÃO FASORIAL E POTÊNCIAS ELÉTRICAS

CIRCUITOS ELÉTRICOS REGIME PERMANENTE SENOIDAL, REPRESENTAÇÃO FASORIAL E POTÊNCIAS ELÉTRICAS CICUIOS EÉICOS EGIME PEMANENE SENOIDA, EPESENAÇÃO FASOIA E As análises de circuitos até o presente, levou e consideração a aplicação de fontes de energia elétrica a u circuito e conseqüente resposta por

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCINAS PARA PAVIMENTAÇÃO EM PARALELEPÍPEDO

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCINAS PARA PAVIMENTAÇÃO EM PARALELEPÍPEDO MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCINAS PARA PAVIMENTAÇÃO EM PARALELEPÍPEDO PROPRIETÁRIO: Prefeitura Municipal de Araripina PE OBRA: Construção de Pavimentação em Araripina LOTE III LOCAL: Rua Trav.

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DINÂMICO DE UM VAGÃO SUBMETIDO À EXCITAÇÃO HARMÔNICA POR MEIO DE SIMULAÇÃO MULTICORPOS

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DINÂMICO DE UM VAGÃO SUBMETIDO À EXCITAÇÃO HARMÔNICA POR MEIO DE SIMULAÇÃO MULTICORPOS ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DINÂMICO DE UM VAGÃO SUBMETIDO À EXCITAÇÃO HARMÔNICA POR MEIO DE SIMULAÇÃO MULTICORPOS 1º Lucas de Castro Valente*, 2º Raphael Marotta, 3º Vitor Mainenti 4º Fernando Nogueira 1

Leia mais

ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS

ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços de Estudos Topográficos nos Projetos Básicos de Engenharia Ferroviária. Devem ser considerados

Leia mais

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT - IBR 001/2006 PROJETO BÁSICO Primeira edição: válida a partir de 07/11/2006 Palavras Chave: Projeto Básico,

Leia mais