Cálculo diferencial em IR n

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cálculo diferencial em IR n"

Transcrição

1 Cálculo diferencial em IR n (Eercícios) DMAT Abril 2003

2 1 Eercícios propostos 1.1 Funções de IR n em IR m Eercício 1 Determine os domínios das funções seguintes e represente-os graficamente ; ln(+) 1. f (, ) = ³ 2. f (, ) =tan 2 ; 3. f (, ) =ln( ) ³ ³ 4. f (, ) = ln 5. f (,, ) = ³ 1 4,+ ; sin, ln ( 1), Eercício 2 Construa os conjuntos de nível das seguintes funções: 1. f (, ) = + ; 2. f (, ) = 2 2 ; 3. f (,, ) = Eercício 3 Escreva a equação da curva de nível de f que contém o ponto P indicado.. 1. f (, ) = arctan, P =(1, 4); 2. f (, ) =(2 + 2 ) e, P =(0, 2). Eercício 4 Represente graficamente em IR 3 os seguintes campos escalares: 1. f (, ) = p ; 2. f (, ) = ; 3. f (, ) =

3 Eercício 5 Uma chapa plana de metal está situada num plano, demodo a que a temperatura T (em o C)noponto(, ) seja inversamente proporcional à distância à origem. 1. Descreva as curvas isotérmicas; 2. Sendo a temperatura no ponto P =(4, 3) de 40 o C, determine a equação dacurvaisotérmicaparaumatemperaturade20 o C. Eercício 6 Considere a tensão V no ponto (,, ) dada por p 2 +4 V = Descreva as superfícies equipotenciais; 2. Determine a equação da superfície equipotencial V = 120. Eercício 7 Estabeleça a correspondência correcta entre os gráficos a) - f) e os conjuntos de curvas de nível das funções dadas por = f(, ). 2

4 a) d) b) c) e) f) a) d) b) c) e) f) 3

5

6 1.2 Elementos Topológicos em IR n Eercício 8 Determine o interior, o eterior, a fronteira, o fecho e o derivado de cada um dos conjuntos seguintes e indique quais são abertos e quais são fechados. Represente geometricamente os conjuntos correspondentes às alíneas 4, 5 e 6: 1. A =[ 1, 1[ ]2, 4[ {10, 11} ; 2. B =[0, 1] Q; 3. C = a n = 1 n+1 : n INª ; 4. D = (, ) IR 2 : ª ; 5. E = (, ) IR 2 : =1 ª ; 6. F = (, ) IR 2 : < 6 ª. 1.3 Limites e Continuidade em IR n Eercício 9 Prove, por definição, que e, em caso afirmativo in- Eercício 10 Averigue se eiste dique o seu valor. 1 lim sin =0. (,) (0,0) lim 2 (,) (0,0) Eercício 11 Calcule, caso eistam, os seguintes limites: 1. lim ; (,) (0,0) ( ) 2. lim ; (,) (0,0) ; (,) (0,0) lim 4. lim 3 ; (,) (0,0) ; (,) (0,2) 2 +( 2) 2 5. lim 5

7 3 3. (,) (0,0) lim Eercício 12 Considere a função f : D IR 2 IR definida por 1. Determine D; f (, ) = Mostre que é possível prolongar f por continuidade à curva = e indique esse prolongamento. Eercício 13 Considere a função f :IR 2 IR definida por ½ n se (, ) 6= (0, 0) f (, ) = 2 + 2, com n IN. 0 se (, ) =(0, 0) Prove que, para n =1,fnão é contínua no ponto (0, 0) equeécontínuano mesmo ponto para n 2. Eercício 14 Seja f (, ) = log(1+). 1. Determine o domínio de f e represente-o graficamente; 2. Calcule, caso eista, lim f (, ); (,) (0,0) 3. Justifique que a funçãof é contínua em todos os pontos do seu domínio; 4. Prolongue a função f, por continuidade, ao ponto (0, 0). Eercício 15 Considere a função f : D IR 2 IR 2 definida por µ 1 f (, ) = sin 2 + 2, Justifique que f é contínua no seu domínio; 2. Prolongue f, por continuidade, ao ponto (0, 0). 6

8 1.4 Cálculo Diferencial em Campos Escalares Eercício 16 Recorrendo à definição calcule as derivadas parciais das seguintes funções nos pontos indicados: 1. f (, ) = em (0, 1); 2. g (, ) = ½ + se =0 =0 1 se 6= 0 6= 0 em (0, 0). Eercício 17 Recorrendo às regras de derivação determine as derivadas parciais das funções: 1. f (, ) = ; 2. g (, ) = + 2 ; 3. h (, ) = q + ; ³ 4. w (, ) =2 sin 5. n (, ) =e 2 ; ; 6. m (, ) =ln cos 1. Eercício 18 Prove que a função f (, ) = ln ( 2 2 ) satisfa a equação 1 f + 1 f = f(,). 2 Eercício 19 Considere a função f : D IR 2 IR definida por f (, ) = sin 1 p Faça um prolongamento por continuidade de f a IR 2 edesigne-oporg; 2. Calcule g 0 (0, 0) e g 0 (0, 0); 3. Determine g 0 e mostre que esta derivada é uma função descontínua na origem; 4. Prove que g é diferenciável na origem. 7

9 Eercício 20 Uma função f(, ) éharmónicase 2 f f 2 =0 em todo o domínio de f. Prove que a função f(, ) =e cos + e cos éharmónica. Eercício 21 Mostre que w =cos( ) +ln( + ), satisfaaequação 2 w 2 w = Eercício 22 Seja f(, ) = R 2 2 e t2 dt. Calcule f f (, ) e (, ). Eercício 23 Determine o vector gradiente dos seguintes campos escalares: ³ 1. f (, ) = arctan ; 2. f (, ) =e cos ; 3. f (,, ) =ln( ). Eercício 24 Calcule as derivadas dos seguintes campos escalares nos pontos e segundo os vectores que se indicam: 1. f (, ) = sin () no ponto (π,π) e segundo o vector v =2e 1 e 2 ; 2. f (,, ) = no ponto (1, 1, 0) e segundo o vector v = e 1 e 2 +2e 3. Eercício 25 Escreva as equações do plano tangente e da recta normal às seguintes superfícies nos pontos que se indicam: 1. = no ponto (1, 2, 5); =2R no ponto (R cos a, R sin a, R), supondo R>0; Eercício 26 Em que pontos da superfície 2 ângulos iguais com os eios das coordenadas? a 2 b 2 c 2 =1a normal forma Eercício 27 Considere a superfície definida pela seguinte condição, f (, ) =4 2 2, e o ponto dessa superfície P =(1, 1, 2). 8

10 1. Determine e represente graficamente os conjuntos de nível f (, ) =0 e f (, ) =4; 2. Determine a equação do plano tangente e da recta normal à superfície no ponto P ; 3. Determine a equação do plano tangente e da recta normal ao gráfico de f no ponto (0, 0, 4). Eercício 28 Considere a superfície de equação 2 a b + 2 =1, a>2, b>2 e c>2. 2 c2 1. Determine 0, de tal forma que o ponto (1, 1, 0 ) pertença à referida superfície; 2. Determine a equação do plano tangente e da recta normal à superfície no ponto (1, 1, 0 ). Eercício 29 Suponha que uma montanha tem a forma de um parabolóide elíptico de equação = c a 2 b 2, onde a, b e c são constantes positivas, e representam a longitude e a latitude de cada ponto e a sua altitude, (,, em metros). 1. No ponto (1, 1), em que direcção aumenta mais rapidamente a altitude? 2. Se colocarmos um berlinde no ponto (1, 1), em que direcção começará a rolar? Eercício 30 Em algumas aplicações pode ser difícil calcular directamente f (, ). Usa-se às vees a aproimação seguinte para as componentes, em que h 0: f 0 f ( + h, ) f ( h, ) (, ) 2h f 0 f (, + h) f (, h) (, ). 2h 1. Mostre que essas aproimações melhoram quando h 0; 2. Se f (, ) = 3, aproime f (1, 2) tomando h =0, 01 ecomparea 1+ aproimação com o resultado eacto. 9

11 Eercício 31 A análise da temperatura de cada componente é fundamental para o planeamento de um chip de computador. Suponhamos que, para que um chip opere adequadamente, a temperatura de cada componente não deva eceder 78 F. Se um computador tende a aquecer, os engenheiros costumam colocar o chip numa parte fria do computador. O planeamento de chips é auiliado por simulação em computadores em que se analisam os gradientes da temperatura. Uma simulação para o novo chip resultou na tabela de temperaturas (em F ) eibida na seguinte figura: mm Se T (, ) éatemperaturaem(, ) utilie o eercício anterior com h =1para aproimar T (3, 3); 2. Estime a direcção da transferência máima de calor em (3, 3); 3. Estime a taa de variação instantânea de T na direcção de a = e 1 +2e 2 em (3, 3), sabendo que T é função diferenciável em (3, 3). 1.5 Cálculo Diferencial em Campos Vectoriais Eercício 32 Seja f :IR 2 IR 3 definida por Calcule f 0 (0, 1). f (, ) = 2 +2, e,+ e +. Eercício 33 Seja f :IR 2 IR 3 uma aplicação tal que f (0, 0) = (1, 0, 0) e f 0 (, ) = 2 6 sin cos Determine f (, ); 2. Calcule f 0 v(0, 0) onde v =2e 1 +3e 2. 10

12 Eercício 34 Seja f : IR 2 IR (t,u) f(t,u) de classe C1, satisfaendo f 0 t (0,e)=e e f 0 u (0,e)= 1. Sabendo que g (, ) =f (sin ( 2 ),e ),mostrequeg 0 (0, 1) +g 0 (0, 1) = 0. Eercício 35 Dada as funções F (u, v) e w = F (, ),mostreque: w + w w =22 F u. Eercício 36 Sejam f e g duas funções de classe C 1 tais que h (, ) =f ( +2)+g ( 2). Prove que: 2 h 1 2 h 2 4 =0. 2 Eercício 37 Se w = f (, ) em que = r cos θ e = r sin θ, mostreque: 2 w + 2 w 2 2 Eercício 38 Seja f :IR 3 IR 3, tal que f (,, ) = Determine (divf)(0, 1, 1) e (rotf)(0, 1, 1). = 2 w r w 2 r 2 θ w r r. ³ e ++, p 2, Eercício 39 Sendo r = e 1 + e 2 + e 3 e a =a 1 e 1 + a 2 e 2 + a 3 e 3 um vector constante, com a 1,a 2,a 3 IR, prove que: 1. rot (a r) =2a; 2. div (a r) = Etremos Eercício 40 Determine os etremos das funções: 1. f (, ) = ; 2. f (, ) = ; 3. f (, ) = ; 11.

13 4. f (, ) = ( 2) ; 5. f (, ) = Eercício 41 Ache o ponto do plano 3+4 =26que está mais próimo da origem. Eercício 42 Uma caia prismática sem tampa tem capacidade 256cm 3. Calcule as suas dimensões de modo que a sua área seja mínima. Eercício 43 Determine os etremos da função f (, ) =1 2 2 no domínio fechado D = (, ) : e 0 1 2ª. Eercício 44 Determine os etremos relativos e absolutos da função f (, ) = , no conjunto limitado do 1 o quadrante definido pelas linhas + =1, =0e =0. Eercício 45 Determine os etremos da função f (,, ) = condicionados pela relação 2 2 =1. Interprete geometricamente o problema. 12

14 2 Eercícios Complementares 2.1 Funções de IR n em IR m Eercício 46 Construa os conjuntos de nível das seguintes funções: 1. f (, ) = ; 2. f (,, ) = + + ; 3. f (,, ) = Eercício 47 De acordo com a lei dos gases ideais, a pressão P,ovolume V, e a temperatura T de um gás confinado estão relacionados pela fórmula PV = kt, para uma constante k. Epresse P como função de V e T e descreva as curvas de nível associadas a esta função. Qual o significado físico dessas curvas de nível? Eercício 48 A potência P gerada por um rotor eólico é proporcional ao produtodaáreaa varridapelaspásdorotoreàterceirapotênciadavelocidade v do vento. 1. Epresse P como função de A e v; 2. Descreva as curvas de nível de P e eplique o seu significado físico; 3. Quando o diâmetro da área circular varrida pelas pás é de 2m ea velocidade do vento é de 30Km/h então P = 3000 watts. Determine a equação da curva de nível P = 4000W. 2.2 Elementos Topológicos em IR n Eercício 49 1 Considere os seguintes conjuntos S IR n. Determine o interior, a fronteira, o eterior, o fecho e o derivado de S. Diga se S é aberto, fechado, limitado, compacto ou coneo. 1. S =]1, 5] ; 2. S = IR : = 1 n n INª ] 1, 0] ; 3. S = (, ) IR 2 : > 1 ª ; 1 pág. 85 do Cálculo Diferencial e Integral, Acilina Aenha e Maria Gerónimo, McGraw- Hill,

15 4. S é o domínio da função f (, ) =ln( 2 ); 5. S é o domínio da função f (, ) = p 2 sin 2 ; 6. S = (, ) IR 2 : π <<π / Q Q ª ; 7. S = (, ) IR 2 : π <<π / Q Q ª ¾ ½(, ) IR 2 : 2 < 2. 4 Eercício 50 Determine o interior, o eterior, a fronteira, o fecho e o derivado de cada um dos conjuntos seguintes e indique quais são abertos e quais são fechados. Represente geometricamente os conjuntos correspondentes às alineas 4, 5, 6 e 7: 1. A = { IR : 3 >} ; 2. B = 1+( 1) n n+1 n : n INª ; 3. C = { Q: +3 < 5} IR : é irracional 2 13 ª 4. D = (, ) IR 2 :1 2e3 4 ª ; 5. E = (, ) IR 2 : < 1e < 1 ª ; 6. F = (, ) IR 2 : = 2ª ; 7. G = (,, ) IR 3 : < 0 ª. Eercício 51 Mostre que em IR as bolas abertas são intervalos abertos. Eercício Mostre que a união de dois conjuntos abertos é ainda um conjunto aberto; 2. Mostre que a intersecção de dois conjuntos abertos é ainda um conjunto aberto; 3. Mostre que a intersecção infinita de abertos pode não ser um aberto; 4. Mostre que a união infinita de fechados pode não ser um fechado. 14

16 Eercício Mostre que a união de dois conjuntos fechados é ainda um conjunto fechado; 2. Mostre que a intersecção de dois conjuntos fechados é ainda um conjunto fechado. Eercício 54 Mostre que a éaderenteas sse a qualquer bola de centro a pertencer um elemento de S. Eercício 55 Mostre que S é fechado sse S = S. Eercício 56 Mostre que A 0 Ā. 2.3 Limites e Continuidade em IR n Eercício 57 Considere a função f : D IR 2 IR definida por f (, ) = Determine o domínio de f represente-o geometricamente; 2. Prove que não eiste lim f (, ). (,) (0,0) Eercício 58 Determine, justificando, o conjunto dos pontos de continuidade das seguintes funções: 1. f (, ) = 2 5 +sin 2 +2; 2. f (, ) = ; f (, ) = ½ se (, ) 6= (0, 0) 0 se (, ) =(0, 0). Eercício 59 Considere a função definida em IR 2 \{(0, 0)} por f (, ) = Mostre que f não tem limite no ponto (0, 0) ; 15

17 2. Sendo g :IR 2 \{(0, 0)} IR 2 o campo vectorial cujas componentes escalares são definidas por g 1 (, ) =f (, ) e g 2 (, ) =e +,mostre que g é contínuo em todo o seu domínio e que não é possível prolongar g por continuidade ao ponto (0, 0). Eercício 60 Considere a função g : D IR 2 IR 3 definida por Ã! 2 g (, ) = p 2 +, , Justifique que g é contínua no seu domínio; 2. Mostre que não é possível prolongar g, por continuidade, ao ponto (0, 0). Eercício 61 Considere o campo escalar definido por ( ³ 1 f (, ) = e se < 1 0 se Calcule (,) lim ³ 2 2, 2 2 f(,) Eercício 62 Estabeleça uma relação entre os números reais positivos p e q, de modo que a função f dada por ½ p q se (, ) 6= (0, 0) f (, ) = se (, ) =(0, 0), seja contínua em (0, 0). Eercício 63 Considere a função f :IR 2 IR definida por ½ se 6= 0 f (, ) = 3 0 se =0. 1. Determine as curvas de nível da função f correspondentes aos valores 1 e 1, representando-as geometricamente; 2. Calcule o limite de f quando (, ) (0, 0) segundo a direcção da linha de equação = 3 ; 3. Que pode concluir sobre a continuidade da função f na origem? 16

18 Eercício 64 Considere o campo escalar definido por ( 0 se =0 =0 f (, ) = p se 6= 0 6= 0. 1 arctan 1. Determine o seu maior domínio; 2. Determine o limite de f (, ) quando (, ) (0, 0) sobre as rectas = m; 3. Mostre que f (, ) não é contínua em (0, 0). Eercício 65 Seja f :IR 2 \{(0, 0)}, definida por f (, ) = Justifique a continuidade de f no domínio D e calcule o limite de f quando (, ) (0, 0); 2. Determine o prolongamento por continuidade de f ao ponto (0, 0); 3. Mostre que = representa a equação do plano tangente à 4 4 ³ superfície = f (, ) no ponto 1, 1, Cálculo Diferencial em Campos Escalares Eercício 66 Considere o seguinte campo escalar f :IR 2 IR definido por f (, ) = Mostre aplicando a definiçãoqueécontínuoem(0, 0); 2. Calcule as suas derivadas parciais a partir da definição; 3. Justifique a diferenciabilidade de f; 4. Calcule f 0 (1, 1); 5. Calcule a derivada de f segundo o vector (2, 3) no ponto (1, 1); 6. Calcule o gradiente de f em (1, 1); 7. Indique a direcção de maior crescimento de f em (1, 1); 8. Determine as equações do plano tangente e da recta normal à superfície do gráfico de f no ponto (1, 1, 5). 17

19 Eercício 67 Considere a função f :IR 2 IR definida por: ( 3 cos() se (, ) 6= (0, 0) f (, ) = se (, ) =(0, 0). 1. Determine o seu domínio e verifiquequeécontinuanaorigem; 2. Calcule as derivadas parciais de f na origem; 3. Estude a função quanto à diferenciabilidade na origem; 4. Determine a derivada de f no ponto (0, 0) segundo um vector arbitrário; Eercício 68 Considere o seguinte campo escalar de IR 2 IR f (, ) = ln (). 1. Determine o seu domínio D e represente-o graficamente. Indique, justificando se é aberto, fechado ou nem aberto e nem fechado; 2. Será possível prolongar por continuidade f (, ) aos pontos dos eios coordenados? Justifique a resposta; 3. Calcule por definição f 0 (1, 2). Eercício 69 Escreva as equações do plano tangente e da recta normal às seguintes superfícies nos pontos que se indicam: =0no ponto (4, 3, 4); = a 3 em que =0e = a, coma 6= 0. Eercício 70 Determine a e b de modo que o plano +2 + =3seja tangente à superfície a b 2 =2no ponto (1, 1, 0). Indique em seguida as equações cartesianas da recta normal à referida superfície no mesmo ponto. Eercício 71 Prove que a equação do plano tangente no ponto P 0 ( 0, 0, 0 ) da quádrica =1é =1. a 2 b 2 c 2 a 2 b 2 c 2 Eercício 72 Seja f :IR IR contínua com f (3) = 4. Considere g (,, ) = Z Calcule g g g (1, 1, 1), (1, 1, 1) e (1, 1, 1) f (t) dt.

20 Eercício 73 Quando um poluente tal como o óido nítrico é emitido por uma chaminé de h metros de altura, a concentração C(, ) (em µg/m 3 )do poluente num ponto a km da chaminé e à altura de metros (ver figura) pode ser representada por C (, ) = a ( h)2 b e e (+h)2 b 2 em que a e b são constantes positivas que dependem das condições atmosféricas e da taa de emissão do poluente. Considere a = 200, b =0, 02 e h =10. Calcule e interprete C e C no ponto (2, 5). m ( ) (, ), h ( Km ) 2.5 Cálculo Diferencial em Campos Vectoriais Eercício 74 Considere os campos vectoriais diferenciáveis f (, t) =(u (, t),t) e g (u, t) =( (u, t),t), ambos definidos em IR 2 ecomvaloresemir Calcule a matri Jacobiana das aplicações f e g; 2. Calcule a matri Jacobiana da aplicação h = g f; 3. Calcule a derivada parcial h 2 (, t) e h 2 (, t). t Eercício 75 Seja f : D IR 2 IR definida por f (, ) = 1 ln( ). 1. Determine D e faça a sua representação gráfica. Justifique cuidadosamente se f é prolongável por continuidade ao ponto (0, 1); 2. Represente graficamente as curvas de nível de f; 3. Indique a direcção de maior crescimento de f no ponto (1, 1) ecalcule f 0 v(1, 1) em que, v =(1, 1); 19

21 ³ 1 4. Considere a função g (, ) = 1.Calcule(f g) 0 (2, 1). Eercício 76 Seja a função vectorial seguinte f : D IR 2 IR 2,definida por f (, ) =(e, cos ( 2 )). 1. Calcule a matri Jacobiana de f no ponto (1, 0); 2. Calcule a derivada dirigida de f no ponto (1, 0), segundo a direcção do vector v = e 1 + e 2 ; 3. Considerando g : IR 2 IR, diferenciável no ponto (1, 1) etalque g g h h (1, 1) = (1, 1) = 5, calcule (1, 0) e (1, 0), sabendo que u v h = g f. Eercício 77 Seja = 2 ln com = u v e =3u 2v. Calcule u e v. Eercício 78 Dada a função F (u, v), suponha w = F (, que 2 w + 2 w + 2 w =0. ). Mostre Eercício 79 Sejam f e g duas funções de classe C 1. Considerando h (, ) =f + g,proveque: h + h + 1 ³ g h (, ) =. Eercício 80 Considere o campo escalar diferenciável F (u, v) easeguinte função composta w = F (, ). Mostreque w + w =0. Eercício 81 Seja f : IR 2 IR uma função de classe C 1. Prove que u = 3 f, verifica a equação: u + u + u =3u. Eercício 82 Supondo que as funções envolvidas são suficientemente regulares, mostre que: 1. rot(f + g) =rot(f)+rot(g); 2. rot(fg) =(5f) g+frot(g); 3. div(f g) =g rotf f rotg; 4. rot(5f) =0; 5. div(rotg) =0. 20

22 3 Soluções 1.1: 1.2: D f = (, ) IR 2 : > 6= 1 ª ; D f = ½ (, ) IR 2 : 6= 0 6= ¾ 2 (2k +1)π 2, com k ZZ ; 1.3: D f =IR 2 \{(0, 0)} ; 1.4: 1.5: D f = (, ) IR 2 :(>1 >4) ( <1 <4) ª ; D f = (,, ) IR 3 : >1 6= kπ, com k ZZ ª ; 2: : f(, ) =π; 3.2: f(, ) =4. 4: : círculos com centro na origem; 5.2: = : 2 36c c c 2 =1,c6= 0e (0, 0, 0),c=0;6.2: = : 1-d); 2-e); 3-a); 4-c); 5-f); 6-b). 8.1: inta =] 1, 1[ ]2, 4[ ; eta =], 1[ ]1, 2[ ]4, 10[ ]10, 11[ ]11, + [; fra = { 1, 1, 2, 4, 10, 11} ; A =[ 1, 1] [2, 4] {10, 11} ; A 0 =[ 1, 1] [2, 4] ; A não é aberto nem fechado. 8.2: intb = ; etb =IR\ [0, 1] ; frb =[0, 1] ; B = B 0 =[0, 1] ; B não é aberto nem fechado. 21

23 8.3: intc = ; etc =IR\{C {0}} ; frc = {C {0}} ; C = C {0} ; C 0 = {0} ; C não é aberto nem fechado. 8.4: intd = (, ) IR 2 : > ª ; etd = (, ) IR 2 : < ª ; frd = (, ) IR 2 : = ª ; D = D 0 = D; D éfechadoenãoéaberto. 8.5: inte = ; ete = (, ) IR 2 :( 1) =2 ª ; fre = E = E 0 = E; E éfechadoenãoéaberto. 8.6: intf = F ; etf = (, ) IR 2 : > 6 ª ; frf = (, ) IR 2 : =6 ª ; F = F 0 = (, ) IR 2 : ª ; F éabertoenãoéfechado. 9: -. 10: : não eiste; 11.2: não eiste; 11.3: não eiste; 11.4: não eiste; 11.5: não eiste; 11.6: : D = (, ) IR 2 : 0 6= ª ½ ; f (, ) se 0 6= 12.2: g (, ) = + se = ; 13: : (, ) IR 2 : 6= 0 6= 0 > 1 ª ½ ; 14.2: 1; 14.3: -; f (, ) se (, ) Df 14.4: g (, ) = 1 se (, ) =(0, 0). 15.1: -; 15.2: g (, ) = ½ f (, ) se (, ) 6= (0, 0) (0, 0) se (, ) =(0, 0) 16.1: f 0 (0, 1) = 1 e f 0 (0, 1) = 2; 16.2: g 0 (0, 0) = 1 e g 0 (0, 0) = 1; 17.1: f 0 (, ) = e f 0 (, ) = ; 22

24 17.2: g 0 = 2 e g 0 (+ 2 ) 2 = 2 ; (+ 2 ) : h 0 = 2 +1 e h 0 = (2 1) 2 + ³ 17.4: w 0 =2sin 17.5: n 0 = 2e : m 0 = 1 18: : cos ³ e n 0 = 2 tan 1 g (, ) = 2 ; e 2 ; e w 0 = 22 2 e m 0 = 1 tan 1. ³ cos ; ½ f (, ) se (, ) 6= (0, 0) 0 se (, ) =(0, 0) ; 19.2: g 0 (0, 0) = 0 e g 0 (0, 0) = 0; 19.3: Ã! Ã! g 0 1 (, ) =2 sin p p cos 1 p ; : -. 20: -. 21: -. 22: f 0 (, ) = 2e 4 e f 0 (, ) =2e : µ µ 5f (, ) = arctan + 2 +, : 5f (, ) =(e cos, e sin ); 23.3: µ 5f (,, ) = , , ; : f 0 v (π, π) =4π + π 3 cos (π 2 ) 2π sin (π 2 ); 24.2: f 0 v (1, 1, 0) = : 25.2: = (eq. plano) 1 = 2 =5 (eqs. recta normal); 2 4 cos a + sin a = R (eq. plano) R cos a = R sin a e = R (eqs. recta normal). 2R cos a 2R sin a 23

25 26: P 1 = 1 a2 + b 2 + c 2 a 2,b 2,c 2 e P 2 = 1 a2 + b 2 + c 2 a 2,b 2,c : L (0) = (, ) IR 2 : =4 ª, L (4) = {(0, 0)}; 27.2: =6(eq. plano); 1 = 1 = 2 (eqs. recta normal); 27.3: 2 2 q =4; =0 = : 0 = ±c ; a 2 b : 1 a b c 2 = 1 (eq.plano), a 2 ( 1) 2 = b2 ( 1) : ( 2a, 2b); 29.2: (2a, 2b); 30.1: : = c2 ( 0 ) 2 0 f (1, 2) e e 2 ; f (1, 2) = e e 2. (eqs.recta normal). 31.1: T (3, 3) 2, 11 2 ; 31.2: v = 2, ; 31.3: T e a (3, 3) = : f 0 (0, 1) = 2 0 e 0. e 1+e 33.1: f (, ) =( ,sin,); 33.2: fv 0 (0, 0) = 3e 3. 34: -. 35: -. 36: -. 37: -. 38: (divf)(0, 1, 1) = e e (rotf)(0, 1, 1) = 2 (0,e2 1, e 2 ). 39: : (2, 1) é ponto de mínimo de f e ( 2, 1) é ponto de máimo de f; 40.2: nãoeistemetremos;40.3: 2, 2 e 2, 2 são pontos de mínimo de f; 40.4: a, a 1, a IR\{0} são pontos de mínimo de f; 40.5: (a, a 2 ), a IR são pontos de mínimo de f. 41: (3, 4, 1). 42: cm 3. 24

26 43: (0, 0) é ponto de máimo de f e a, 1 a 2 i, a são pontos de mínimo de f. 44: (0, 0) é ponto de máimo de f. 45: ( 1, 0, 0) e (1, 0, 0) são pontos de mínimo de f. 1, 3 2 h i 3 h,

27 4 Soluções Eercícios Complementares 46.1: L (c) = (, ) IR 2 : >0 = c, c IR ª ; 46.2: L (c) = (,, ) IR 3 : + + = c, c IR ª ; 46.3: L (c) = (,, ) IR 3 : = c, c IR ª. 47: P (V,T) = kt,v 6= 0;L(c) = (V,T) IR 2 : kt = c, V 6= 0,c IRª ; a V V pressão é constante, sendo a temperatura directamente proporcional ao volume. 48.1: P = kav 3,k > 0; 48.2: A pressão é constante, sendo a temperatura directamente proporcional ao volume; 48.3: Av 3 = π. 49.1: ints =]1, 5[ 6= S S não é aberto; frs = {1, 5} ; ets =], 1[ ]5, + [; S =[1, 5] = S 0 ; S 6= S S não é fechado; S é limitado, não é compacto e é coneo. 49.2: ints =] 1, 0[ 6= S S não é aberto; frs = { 1, 0} IR : = 1 n (n IN)ª ; ets =IR\ [ 1, 0] IR : = 1 n (n IN)ª ; S =[ 1, 0] IR : = 1 n (n IN)ª ; S 6= S S não é fechado; S 0 =[ 1, 0] S é limitado, não é compacto nem coneo. 49.3: ints = (, ) IR 2 : > 1 ª = S S éaberto; frs = (, ) IR 2 : =1 ª ; ets = (, ) IR 2 : < 1 ª ; S = S 0 = (, ) IR 2 : 1 ª ; S 6= S S não é fechado; S não é limitado, não é compacto nem coneo. 49.4: ints = (, ) IR 2 : 2 >0 ª = S S éaberto; frs = (, ) IR 2 : 2 =0 ª ; ets = (, ) IR 2 : 2 <0 ª ; S = S 0 = (, ) IR 2 : 2 0 ª ; S 6= S S não é fechado; S não é limitado, não é compacto e é coneo. 49.5: ints = (, ) IR 2 : 2 sin 2 >0 ª 6= S S não é aberto; frs = (, ) IR 2 : 2 sin 2 =0 ª ; ets = (, ) IR 2 : 2 sin 2 <0 ª ; 26

28 S = S 0 = (, ) IR 2 : 2 sin 2 0 ª ; S = S S é fechado; S não é limitado, não é compacto e é coneo. 49.6: ints = 6= S S não é aberto; frs = (, ) IR 2 : π π ª ; ets = (, ) IR 2 : < π >π ª ; S 0 = S = frs; S 6= S S não é fechado; S não é limitado, não é compacto e é coneo. 49.7: n o ints = (, ) IR 2 : 2 4 <2 < 2 6= S S não é aberto; n h ³ i frs = (, ) IR 2 : π 0 0 π h ³ io >π = 2 = 2 ; 4 ets = (, ) IR 2 : < π ª n (, ) IR 2 : >π S = ints n frs 6= S S não é fechado; ³ S 2 o = S 0 = (, ) IR 2 : π π >π ; S não é limitado, não é compacto mas é coneo. 50.1: inta =] 1, 0[ ]1, + [; eta =], 1[ ]0, 1[ ; fra = { 1, 0 1} ; A = A 0 =[ 1, 0] [1, + [; A éabertoenãoéfechado. 50.2: intb = ; etb =IR\ (B {0, 2}); frb = B {0, 2} ; B = B {0, 2} ; B 0 = {0, 2} ; B não é aberto nem fechado. 50.3: intc = 2, 2 ; etc =], 8[ 13, + ; frc = 8, 2 2, 13 ; C = C 0 = 8, 13 ; C não é aberto nem fechado D = (, ) IR 2 :(1 2) (3 4) ª intd = (, ) IR 2 :(1<<2) (3 <<4) ª ; ³ < 2 4 >2 o ; 27

29 etd = (, ) IR 2 : <1 >2 <3 >4 ª =IR 2 \S; frd = (, ) IR 2 :( =1 =2) 3 4 ª (, ) IR 2 :( =3 =4) 1 2 ª ; D = D 0 = D; D éfechadoenãoéaberto. 50.5: E = (, ) IR 2 : 1 <<1 1 <<1 ª inte = E; ete = (, ) IR 2 : < 1 >1 < 1 >1 ª ; fre = (, ) IR 2 :( = 1 =1) 1 1 ª (, ) IR 2 :( = 1 =1) 1 1 ª ; E = E 0 = (, ) IR 2 : 1 1 ª ; E éabertoenãoéfechado. 50.6: F = (, ) IR 2 : = 2ª intf = ; etf = (, ) IR 2 : 6= 2ª ; frf = F = F 0 = F ; F éfechadoenãoéaberto. 50.7: G = (,, ) IR 3 : < 1 ª intg = G; etg = (,, ) IR 3 : > 1 ª ; frg = (,, ) IR 3 : =1 ª ; G = G 0 = (,, ) IR 3 : ª ; G éabertoenãoéfechado. 51: : -; 52.2: -; 52.3: -; 52.4: : -; 53.2: -; 54: -. 55: -. 56: : D = (, ) IR 2 : + 2 6=0 ª = (, ) IR 2 : 6= 2ª ; 28

30 57.2: Sugestão: Considere = m. 58.1: IR 2 ; 58.2: (, ) IR 2 : < 1 ª ; 58.3: IR 2 \{(0, 0)}. 59.1: Sugestão: Considere a recta = m; 59.2: : -; 60.2: -; 61: 0. 62: p + q> : (, ) IR 2 : = 3ª, (, ) IR 2 : = 3ª ; 63.2: 1; 63.3: descontínua. 64.1: IR 2 ; 64.2: 0; 64.3: : lim (,) (0,0) f (, ) =0; 65.2: g (, ) = 65.3: : -; 66.2: 66.3: -; 66.4: f =52 e f =10; f 0 (1, 1) = 5 10 ; ½ f (, ) se (, ) 6= (0, 0) 0 se (, ) =(0, 0) ; 66.5: f 0 v (1, 1) = 40; 66.6: 5f (1, 1) = (5, 10); 66.7: Direcção do vector (5, 10); 66.8: =10 e 1 5 = 1 10 = : D f =IR 2 ; 67.2: f 0 (0, 0) = f 0 (0, 0) = 0; 67.3: f é diferenciável em (0, 0); 67.4: f 0 v (0, 0) = 0, v IR : D = (, ) IR 2 : 6= 1 > 0 ª ; D éabertoenãoéfechado; 68.2: Éprolongável,pois lim f (, ) = (,) (0,) 68.3: f 0 (1, 2) = 69.1: 69.2: ln 2 1 ln 2 2. lim f (, ) = (,) (,0) lim f (, ) =0; (,) (0,0) = 0 (eq. plano), = 3 9 =4 (eqs. recta normal); 2 + = a (eq. plano), = + a = a (eqs. recta normal). 29

31 70: a = b =1;eqs. da recta: 1= 1 =. 2 71: -. 72: g g g (1, 1, 1) = (1, 1, 1) = (1, 1, 1) = 8. 73: C 36, 58 (µg/m3 ) /m é a taa segundo a qual a concentração varia na direcção horiontal no ponto (2, 5); C 0, 229 (µg/m3 ) /m éataa segundo a qual a concentração varia na direcção vertical no ponto (2, 5). 74.1: u u J f (, t) = t 0 1 J g (u, t) = u t ; : J h (, t) = u u u u t + t : h 2 =0e h 2 = : D = (, ) IR 2 : = =0 ª e f não é prolongável; 75.2: -; 75.3: Direcção do vector v = µ 1 ln 2 (2), 1 ln 2 (2) 75.4: (f g) (2, 1) = (0, 0). 76.1: J f (1, 0) = ³ : fv 0 (1, 0) =, ; 76.3: h 2 77: u v 78: -. 79: -. 80: -. 81: -. 82: -. ; e f 0 v (1, 1) = 2 ln 2 (2) ; h (1, 0) = 0 e (1, 0) = 5. 2u ln (3u 2v) 3u 2 = + v 2 3uv 2 2v ; 3 = 2u2 ln (3u 2v) v 3 + 2u 2 3uv 2 2v 3. 30

Complementos de Análise Matemática

Complementos de Análise Matemática Instituto Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia Departamento: Matemática Ficha prática n o 1 - Cálculo Diferencial em IR n 1. Para cada um dos seguintes subconjuntos de IR, IR 2 e IR 3, determine

Leia mais

gradiente, divergência e rotacional (revisitados)

gradiente, divergência e rotacional (revisitados) gradiente, divergência e rotacional (revisitados) Prof Carlos R Paiva Prof Carlos R Paiva NOTA PRÉVIA Os apontamentos que se seguem não são um teto matemático: não se procura, aqui, o rigor de uma formulação

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO B 2005/2

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO B 2005/2 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO B 00/ SUMÁRIO. LIMITES E CONTINUIDADE..... NOÇÃO INTUITIVA DE LIMITE..... FUNÇÃO CONTÍNUA NUM

Leia mais

FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. 1. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de x = 0. Então:

FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. 1. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de x = 0. Então: FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de = 0. Então: (A) f tem necessariamente derivada finita em = 0; (B) f não tem com certeza derivada finita

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E DE GESTÃO ONDAS 2004 / 05. Exercícios teórico-práticos FILIPE SANTOS MOREIRA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E DE GESTÃO ONDAS 2004 / 05. Exercícios teórico-práticos FILIPE SANTOS MOREIRA INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E DE GESTÃO ONDAS 004 / 05 Eercícios teórico-práticos FILIPE SANTOS MOREIRA Ondas (EE) Eercícios TP Índice ÍNDICE I DERIVADAS E INTEGRAIS

Leia mais

ANÁLISE MATEMÁTICA II

ANÁLISE MATEMÁTICA II ANÁLISE MATEMÁTICA II Acetatos de Ana Matos Noções Básicas de Funções em R n Topologia DMAT Noções Básicas sobre funções em n Introdução Vamos generalizar os conceitos de limite, continuidade e diferenciabilidade,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Quarta lista de Eercícios de Cálculo Diferencial e Integral I - MTM 1 1. Nos eercícios a seguir admita

Leia mais

6. Aplicações da Derivada

6. Aplicações da Derivada 6 Aplicações da Derivada 6 Retas tangentes e normais - eemplos Encontre a equação da reta tangente e da normal ao gráfico de f () e, em 0 Represente geometricamente Solução: Sabemos que a equação da reta

Leia mais

9. Derivadas de ordem superior

9. Derivadas de ordem superior 9. Derivadas de ordem superior Se uma função f for derivável, então f é chamada a derivada primeira de f (ou de ordem 1). Se a derivada de f eistir, então ela será chamada derivada segunda de f (ou de

Leia mais

I N T E G R A L. Prof. ADRIANO CATTAI. Apostila 03: Funções de Várias Variáveis (Atualizada em 13 de novembro de 2013)

I N T E G R A L. Prof. ADRIANO CATTAI. Apostila 03: Funções de Várias Variáveis (Atualizada em 13 de novembro de 2013) I N T E G R A L ac C Á L C U L O Prof. ADRIANO CATTAI 03 Apostila 03: Funções de Várias Variáveis (Atualizada em 13 de novembro de 2013) NOME: DATA: / / Não há ciência que fale das harmonias da natureza

Leia mais

Universidade Federal da Bahia

Universidade Federal da Bahia Universidade Federal da Bahia Instituto de Matemática DISCIPLINA: CALCULO B UNIDADE III - LISTA DE EXERCÍCIOS Atualizado 2008.2 Domínio, Imagem e Curvas/Superfícies de Nível y2 è [1] Determine o domínio

Leia mais

PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO

PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO (Tóp. Teto Complementar) PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO 1 PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO Este teto estuda um grupo de problemas, conhecido como problemas de otimização, em tais problemas, quando possuem soluções, é

Leia mais

Soluções abreviadas de alguns exercícios

Soluções abreviadas de alguns exercícios Tópicos de cálculo para funções de várias variáveis Soluções abreviadas de alguns exercícios Instituto Superior de Agronomia - 2 - Capítulo Tópicos de cálculo diferencial. Domínio, curva de nível e gráfico.

Leia mais

I. Cálculo Diferencial em R n

I. Cálculo Diferencial em R n Análise Matemática II Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Ano Lectivo 2010/2011 2 o Semestre Exercícios propostos para as aulas práticas I. Cálculo Diferencial em R n Departamento

Leia mais

NOTAS DE AULA. Cláudio Martins Mendes

NOTAS DE AULA. Cláudio Martins Mendes NOTAS DE AULA FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS - DIFERENCIAÇÃO Cláudio Martins Mendes Segundo Semestre de 2005 Sumário 1 Funções de Várias Variáveis - Diferenciabilidade 2 1.1 Noções Topológicas no R n.............................

Leia mais

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA UNIDADE MARICÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MATEMÁTICA 2 PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA UNIDADE MARICÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MATEMÁTICA 2 PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA UNIDADE MARICÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS 1 MATEMÁTICA PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ ESTUDO DAS DERIVADAS (CONCEITO E APLICAÇÕES) No presente capítulo, estudaremos as

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA APLICADA À ECONOMIA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA APLICADA À ECONOMIA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA APLICADA À ECONOMIA Prof. Francisco Leal Moreira / SUMÁRIO. FUNÇÕES DE DUAS VARIÁVEIS.. FUNÇÕES HOMOGÊNEAS.. CURVAS

Leia mais

Escola Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Matemática - 12º ano Cálculo Diferencial II - Exercícios saídos em Exames (séc XX)

Escola Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Matemática - 12º ano Cálculo Diferencial II - Exercícios saídos em Exames (séc XX) Escola Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Matemática - 1º ano Cálculo Diferencial II - Eercícios saídos em Eames (séc XX) 1. Seja f a função real de variável real tal que f()= - /. Quanto ao limite

Leia mais

Capítulo 2. Funções complexas. 2.1. Introdução

Capítulo 2. Funções complexas. 2.1. Introdução Capítulo Funções complexas 1 Introdução Neste capítulo consideram-se vários exemplos de funções complexas e ilustram-se formas de representação geométrica destas funções que contribuem para a apreensão

Leia mais

MAT2454 - Cálculo Diferencial e Integral para Engenharia II

MAT2454 - Cálculo Diferencial e Integral para Engenharia II MAT454 - Cálculo Diferencial e Integral para Engenharia II a Lista de Exercícios -. Ache os pontos do hiperboloide x y + z = onde a reta normal é paralela à reta que une os pontos (,, ) e (5,, 6).. Encontre

Leia mais

1ª LISTA DE EXERCÍCIOS - FUNÇÕES 2010/2

1ª LISTA DE EXERCÍCIOS - FUNÇÕES 2010/2 Número de pontos Dívida ($ bilhão) 1ª LISTA DE EXERCÍCIOS - FUNÇÕES 010/ 1. A dívida pública dos EUA (em bilhões de dólares) para alguns anos encontra-se no gráfico abaio. 400 300 00 100 000 1900 1800

Leia mais

(Testes intermédios e exames 2005/2006)

(Testes intermédios e exames 2005/2006) 158. Indique o conjunto dos números reais que são soluções da inequação log 3 (1 ) 1 (A) [,1[ (B) [ 1,[ (C) ], ] (D) [, [ 159. Na figura abaio estão representadas, em referencial o. n. Oy: parte do gráfico

Leia mais

Tópico 8 Funções de Duas ou Mais Variáveis Consulta Indicada: ANTON, H. Cálculo: Um novo horizonte. Volume 2. Páginas 311 a 323.

Tópico 8 Funções de Duas ou Mais Variáveis Consulta Indicada: ANTON, H. Cálculo: Um novo horizonte. Volume 2. Páginas 311 a 323. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Matemática - Departamento de Matemática Cálculo B (Informática) Turmas 18 e 138 Tópico 8 Funções de Duas ou Mais Variáveis Consulta Indicada:

Leia mais

11. Problemas de Otimização

11. Problemas de Otimização 11. Problemas de Otimização Nesta seção veremos vários eemplos de problemas cujas soluções eigem a determinação de valores máimos e/ou mínimos absolutos das funções que os representam. São chamados de

Leia mais

Lista de Exercícios - Integrais

Lista de Exercícios - Integrais Lista de Exercícios - Integrais 4) Calcule as integrais indefinidas: 5) Calcule as integrais indefinidas: 1 6) Suponha f(x) uma função conhecida e que queiramos encontrar uma função F(x), tal que y = F(x)

Leia mais

Equações diferencias são equações que contém derivadas.

Equações diferencias são equações que contém derivadas. Equações diferencias são equações que contém derivadas. Os seguintes problemas são exemplos de fenômenos físicos que envolvem taxas de variação de alguma quantidade: Escoamento de fluidos Deslocamento

Leia mais

MATEMÁTICA I ECONOMIA (5598) Ficha de exercícios 1 (2012/2013)

MATEMÁTICA I ECONOMIA (5598) Ficha de exercícios 1 (2012/2013) Universidade da Beira Interior - Departamento de Matemática MATEMÁTICA I ECONOMIA (5598) Ficha de eercícios (0/03). Determine o conjunto dos pontos interiores, eteriores e fronteiros dos seguintes conjuntos:

Leia mais

Matemáticas Gerais. (Licenciatura em Geologia) Caderno de exercícios (exercícios propostos e tabelas) Armando Gonçalves e Maria João Rodrigues

Matemáticas Gerais. (Licenciatura em Geologia) Caderno de exercícios (exercícios propostos e tabelas) Armando Gonçalves e Maria João Rodrigues Matemáticas Gerais (Licenciatura em Geologia Caderno de eercícios (eercícios propostos e tabelas Armando Gonçalves e Maria João Rodrigues Departamento de Matemática Faculdade de Ciências e Tecnologia da

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina0.com.br Funções Reais CÁLCULO VOLUME ZERO - Neste capítulo, estudaremos as protagonistas do longa metragem

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Departamento de Matemática 3 a Lista de exercícios de Cálculo III - MAT 241

Universidade Federal de Viçosa Departamento de Matemática 3 a Lista de exercícios de Cálculo III - MAT 241 Universidade Federal de Viçosa Departamento de Matemática a Lista de exercícios de Cálculo III - MAT 41 1. Calcule, se existirem, as derivadas parciais f f (0, 0) e (0, 0) sendo: x + 4 (a) f(x, ) = x,

Leia mais

MAT 2352 - Cálculo Diferencial e Integral II - 2 semestre de 2012 Registro das aulas e exercícios sugeridos - Atualizado 13.11.

MAT 2352 - Cálculo Diferencial e Integral II - 2 semestre de 2012 Registro das aulas e exercícios sugeridos - Atualizado 13.11. MT 2352 - Cálculo Diferencial e Integral II - 2 semestre de 2012 Registro das aulas e exercícios sugeridos - tualizado 13.11.2012 1. Segunda-feira, 30 de julho de 2012 presentação do curso. www.ime.usp.br/

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2008/1

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2008/1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 008/ . CONCEITO DE FUNÇÃO As funções são as melhores ferramentas para descrever

Leia mais

(Exames Nacionais 2000)

(Exames Nacionais 2000) (Eames Nacionais 000) 1.a) Seja [ABC] um triângulo O ângulo, assinalado na figura, tem o seu vértice no centro isósceles em que BA = BC. Seja α da Terra; o seu lado origem passa no perigeu, o seu lado

Leia mais

CDI-II. Trabalho. Teorema Fundamental do Cálculo

CDI-II. Trabalho. Teorema Fundamental do Cálculo Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise Prof. Gabriel Pires CDI-II Trabalho. Teorema Fundamental do Cálculo 1 Trabalho. Potencial Escalar Uma das noções mais importantes

Leia mais

Problemas de Máximo e Mínimos em Intervalos quaisquer

Problemas de Máximo e Mínimos em Intervalos quaisquer Capítulo 18 Problemas de Máimo e Mínimos em Intervalos quaisquer 18.1 Introdução No Cap. 15 estudamos o problema de determinar máimos e mínimos globais para funções contínuas definidas em intervalos fechados.

Leia mais

x + y + 1 (2x 4y) = 10. (x 3) 5 y 2 + (x 3) 4 y 4 (x 2 6x + 9 + y 6 ) 3

x + y + 1 (2x 4y) = 10. (x 3) 5 y 2 + (x 3) 4 y 4 (x 2 6x + 9 + y 6 ) 3 1 Lista 2 de Cálculo Diferencial e Integral II Funções de Várias Variáveis e Diferenciação Parcial 1. Determine, descreva e represente geometricamente o domínio das funções abaixo: (a) f(x, y) = xy 5 x

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Terminologia e Definições Básicas No curso de cálculo você aprendeu que, dada uma função y f ( ), a derivada f '( ) d é também, ela mesma, uma função de e

Leia mais

CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS

CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS 15 CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS Um dos problemas que ocorrem mais frequentemente em trabalhos científicos é calcular as raízes de equações da forma: f() = 0. A função f() pode ser um polinômio em

Leia mais

Engenharia Informática. Física II. 1º Ano 2º Semestre. Instituto politécnico de Bragança Escola Superior de Tecnologia e de Gestão

Engenharia Informática. Física II. 1º Ano 2º Semestre. Instituto politécnico de Bragança Escola Superior de Tecnologia e de Gestão 1º no º Semestre 1. Cálculo vectorial 1.1. Introdução análise vectorial é um assunto do âmbito da matemática e não propriamente da Engenharia. No entanto, é quase impossível estudar Electrostática e Magnetismo

Leia mais

MATEMÁTICA A - 12o Ano Funções - Limites e Continuidade

MATEMÁTICA A - 12o Ano Funções - Limites e Continuidade MATEMÁTICA A - 12o Ano Funções - Limites e Continuidade Eercícios de eames e testes intermédios 1. Para um certo número real k, é contínua em R a função f definida por 2 + e +k se 0 f() = 2 + ln( + 1)

Leia mais

Projecto Piloto para o Ensino à

Projecto Piloto para o Ensino à Projecto Piloto para o Ensino à Distância Universidade do Porto Abril de 2000 Disciplina: Curso de Física Geral Docente coordenador: Jaime Villate, Prof. Auxiliar, Faculdade de Engenharia. Identificação

Leia mais

Equações Diferenciais Ordinárias

Equações Diferenciais Ordinárias Equações Diferenciais Ordinárias Uma equação diferencial é uma equação que relaciona uma ou mais funções (desconhecidas com uma ou mais das suas derivadas. Eemplos: ( t dt ( t, u t d u ( cos( ( t d u +

Leia mais

Máximos e Mínimos em Intervalos Fechados

Máximos e Mínimos em Intervalos Fechados Capítulo 5 Máimos e Mínimos em Intervalos Fechados 5. Motivação Na Seção.., estudamos o problema da caia, onde queríamos montar uma caia recortando retângulos nos quatro cantos de uma lâmina de plástico

Leia mais

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas Resolução dos Eercícios sobre Derivadas Eercício Utilizando a idéia do eemplo anterior, encontre a reta tangente à curva nos pontos onde e Vamos determinar a reta tangente à curva nos pontos de abscissas

Leia mais

FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES

FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES Í N D I C E Funções Definição... Gráficos (Resumo): Domínio e Imagem... 5 Tipos de Funções... 7 Função Linear... 8 Função Linear Afim... 9 Coeficiente Angular e Linear... Função

Leia mais

Mudança de Coordenadas

Mudança de Coordenadas Mudança de Coordenadas Reginaldo J. Santos Departamento de Matemática-ICE Universidade Federal de Minas Gerais http://www.mat.ufmg.br/~regi regi@mat.ufmg.br 13 de deembro de 2001 1 Rotação e Translação

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA CURSO BIETÁPICO EM ENGENHARIA CIVIL º ciclo Regime Diurno/Nocturno Disciplina de COMPLEMENTOS DE MATEMÁTICA Ano lectivo de 7/8 - º Semestre Etremos

Leia mais

Caderno 1 : Domínios de Definição, Limites e Continuidade

Caderno 1 : Domínios de Definição, Limites e Continuidade Institut Superir de Ciências d Trabalh e Empresa Curs: Gestã e GEI, An Cadeira: Optimizaçã Cadern : Dmínis de Definiçã, Limites e Cntinuidade (Tópics de teria e eercícis) Elabrad pr: Diana Aldea Mendes

Leia mais

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Notasdeaula Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Os primeiros conjuntos numéricos conhecidos pela humanidade são os chamados inteiros positivos

Leia mais

< 0, conclui-se, de acordo com o teorema 1, que existem zeros de f (x) Pode-se também chegar às mesmas conclusões partindo da equação

< 0, conclui-se, de acordo com o teorema 1, que existem zeros de f (x) Pode-se também chegar às mesmas conclusões partindo da equação . Isolar os zeros da função f ( )= 9 +. Resolução: Pode-se construir uma tabela de valores para f ( ) e analisar os sinais: 0 f ( ) + + + + + Como f ( ) f ( ) < 0, f ( 0 ) f ( ) < 0 e f ( ) f ( ) < 0,

Leia mais

APOSTILA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II

APOSTILA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II APOSTILA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II z t t C C α y β y Colaboradores para elaboração da apostila: Elisandra Bär de Figueiredo, Enori Carelli, Ivanete Zuchi Siple, Marnei Luis Mandler, Rogério

Leia mais

Seja D R. Uma função vetorial r(t) com domínio D é uma correspondência que associa a cada número t em D exatamente um vetor r(t) em R 3

Seja D R. Uma função vetorial r(t) com domínio D é uma correspondência que associa a cada número t em D exatamente um vetor r(t) em R 3 1 Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire Cálculo Vetorial Texto 01: Funções Vetoriais Até agora nos cursos de Cálculo só tratamos de funções cujas imagens

Leia mais

MATERIAL DIDÁTICO DE CÁLCULO I

MATERIAL DIDÁTICO DE CÁLCULO I MATERIAL DIDÁTICO DE CÁLCULO I Acadêmico(a): Turma: 9/ Capítulo : Funções Cálculo I. ANÁLISE GRÁFICA DAS FUNÇÕES.. EXERCÍCIOS Abaio estão representadas graficamente algumas funções. Analise cada uma dessas

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I 1) Considerações gerais sobre os conjuntos numéricos. Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

Grupo I... 70 Cada resposta certa...10 Grupo II...130 1...35 3...30 1.1...15 3.1...10 1.2...10 3.2...20 1.3...10 4...35 2...30 4.1...5 2.1...

Grupo I... 70 Cada resposta certa...10 Grupo II...130 1...35 3...30 1.1...15 3.1...10 1.2...10 3.2...20 1.3...10 4...35 2...30 4.1...5 2.1... Material necessário: Material de escrita. Máquina de calcular científica (não gráfica). A prova é constituída por dois grupos, I e II. O grupo I inclui 7 questões de escolha múltipla. Para cada uma delas,

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV COLÉGIO PEDRO II - CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO III 1ª SÉRIE MATEMÁTICA I PROF. MARCOS EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV www.professorwaltertadeu.mat.br 1) Seja f uma função de N em N definida por f(n) = 10 n. Escreva

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Exatas Departamento de Matematica Prof. Juan Carlos Vila Bravo Curitiba, 1 de Dezembro de 005 1. A posição de uma particula é dada por: r(t) = (sen t)i+(cost)j

Leia mais

UFPR - Universidade Federal do Paraná Departamento de Matemática CM042 - Cálculo II Prof. José Carlos Eidam. Lista 1. Curvas

UFPR - Universidade Federal do Paraná Departamento de Matemática CM042 - Cálculo II Prof. José Carlos Eidam. Lista 1. Curvas UFPR - Universidade Federal do Paraná Departamento de Matemática CM042 - Cálculo II Prof. José Carlos Eidam Lista 1 Curvas 1. Desenhe as imagens das seguintes curvas: (a) γ(t) = (1, t) (b) γ(t) = (cos

Leia mais

LISTA 2. 4. y = e 2 x + y 1, y(0) = 1

LISTA 2. 4. y = e 2 x + y 1, y(0) = 1 MAT 01167 Equações Diferenciais LISTA Resolva: 1. x y y = x sen x. y + y tan x = x sen x cos x, y0) =. x + 1) dy dx x y = 1 4. y = e x + y 1, y0) = 1 5. x y + x + x + ) dy dx = 0 ) x 6. Resolva a equação

Leia mais

MECÂNICA DOS FLUIDOS 2 ME262

MECÂNICA DOS FLUIDOS 2 ME262 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS (CTG) DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA (DEMEC) MECÂNICA DOS FLUIDOS ME6 Prof. ALEX MAURÍCIO ARAÚJO (Capítulo 5) Recife - PE Capítulo

Leia mais

A EQUAÇÃO DO MOVIMENTO EM OCEANOGRAFIA

A EQUAÇÃO DO MOVIMENTO EM OCEANOGRAFIA A EQUAÇÃO DO MOVIMENTO EM OCEANOGRAFIA Escrever a equação do movimento corresponde a escrever a 2ª Lei de Newton (F = ma) numa forma que possa ser aplicada à oceanografia. Esta Lei diz-nos que como resultado

Leia mais

Círculo de Estudos ccpfc/acc 19941/00. Eduardo Cunha. www.educunha.net. Escola Secundária de Barcelos 2000/2001. T I 83 - Plus

Círculo de Estudos ccpfc/acc 19941/00. Eduardo Cunha. www.educunha.net. Escola Secundária de Barcelos 2000/2001. T I 83 - Plus Investigação e Modelação na aula de Matemática Círculo de Estudos ccpfc/acc 19941/00 Eduardo Cunha www.educunha.net Escola Secundária de Barcelos 2000/2001 Módulo 2: Estudo de Funções - calculadora gráfica.

Leia mais

v m = = v(c) = s (c).

v m = = v(c) = s (c). Capítulo 17 Teorema do Valor Médio 17.1 Introdução Vimos no Cap. 16 como podemos utilizar a derivada para traçar gráficos de funções. Muito embora o apelo gráfico apresentado naquele capítulo relacionando

Leia mais

INTRODUÇÃO E A PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

INTRODUÇÃO E A PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS INTRODUÇÃO E A PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS INTRODUÇÃO Os livros de cálculo costumam conter um capítulo ou um apêndice dedicado a eplicações de fatos básicos da matemática e que, em geral, são abordados

Leia mais

(b) (1,0 ponto) Reciprocamente, mostre que, se um número x R possui representação infinita em toda base β, então x é irracional.

(b) (1,0 ponto) Reciprocamente, mostre que, se um número x R possui representação infinita em toda base β, então x é irracional. Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional MA11 Números e Funções Reais Avaliação 3 - GABARITO 06 de julho de 013 1. (1,5 pontos) Determine se as afirmações

Leia mais

Exercícios: Funções e Campos Vetoriais

Exercícios: Funções e Campos Vetoriais Eercícios: Funções e Campos Vetoriais. Faça a representação gráfica dos campos vetoriais gerados por: a) V [, y] b) V y i j c) V [, y ]. Determine o lugar no espaço onde os vetores, do eercício anterior,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL- ESTREMOZ MATEMÁTICA A 12ºANO ANO LETIVO 2015/2016 OBJECTIVOS ESPECÍFICOS

ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL- ESTREMOZ MATEMÁTICA A 12ºANO ANO LETIVO 2015/2016 OBJECTIVOS ESPECÍFICOS PROBABILIDADES E COMBINATÓRIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL- ESTREMOZ MATEMÁTICA A 12ºANO ANO LETIVO 2015/2016 Introdução ao cálculo Conhecer terminologia das probabilidades de Probabilidades

Leia mais

Limites e continuidade

Limites e continuidade Capítulo 3 Limites e continuidade 3.1 Limite no ponto Considere a função f() = 1 1, D f =[0, 1[ ]1, + ). Observe que esta função não é definida em =1. Contudo, fazendo suficientemente próimo de 1 (mas

Leia mais

Problemas de Mecânica e Ondas 5

Problemas de Mecânica e Ondas 5 Problemas de Mecânica e Ondas 5 P 5.1. Um automóvel com uma massa total de 1000kg (incluindo ocupantes) desloca-se com uma velocidade (módulo) de 90km/h. a) Suponha que o carro sofre uma travagem que reduz

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Escola de Engenharia Industrial Metalúrgica de Volta Redonda PROVAS RESOLVIDAS DE CÁLCULO VETORIAL Professora Salete Souza de Oliveira Aluna Thais Silva de Araujo P1 Turma

Leia mais

2. Função polinomial do 2 o grau

2. Função polinomial do 2 o grau 2. Função polinomial do 2 o grau Uma função f: IR IR que associa a cada IR o número y=f()=a 2 +b+c com a,b,c IR e a0 é denominada função polinomial do 2 o grau ou função quadrática. Forma fatorada: a(-r

Leia mais

Aula 8 Distância entre pontos do plano euclidiano

Aula 8 Distância entre pontos do plano euclidiano Distância entre pontos do plano euclidiano MÓDULO - AULA 8 Aula 8 Distância entre pontos do plano euclidiano Objetivos Nesta aula, você: Usará o sistema de coordenadas para calcular a distância entre dois

Leia mais

x 1 f(x) f(a) f (a) = lim x a

x 1 f(x) f(a) f (a) = lim x a Capítulo 27 Regras de L Hôpital 27. Formas indeterminadas Suponha que desejamos traçar o gráfico da função F () = 2. Embora F não esteja definida em =, para traçar o seu gráfico precisamos conhecer o comportamento

Leia mais

Exercícios de Matemática Geometria Analítica Cônicas

Exercícios de Matemática Geometria Analítica Cônicas Eercícios de Matemática Geometria Analítica Cônicas ) (ITA-004) Considere todos os números z = + i que têm módulo e estão na elipse + 4 = 4. Então, o produto deles é igual a 9 49 8 4 ) (VUNESP-00) A figura

Leia mais

2 Descrição do movimento de um ponto material no espaço e no tempo

2 Descrição do movimento de um ponto material no espaço e no tempo 2 Descrição do movimento de um ponto material no espaço e no tempo 2.1. Num instante t i um corpo parte de um ponto x i num movimento de translação a uma dimensão, com módulo da velocidade v i e aceleração

Leia mais

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea 2 O objetivo geral desse curso de Cálculo será o de estudar dois conceitos básicos: a Derivada e a Integral. No decorrer do curso esses dois conceitos, embora motivados de formas distintas, serão por mais

Leia mais

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de etremos O Teorema de Taylor estabelece que sob certas condições) uma função pode ser aproimada na proimidade de algum ponto dado) por um polinómio, de modo

Leia mais

O gráfico de. Freqüentemente você se depara com tabelas. Nossa aula

O gráfico de. Freqüentemente você se depara com tabelas. Nossa aula O gráfico de uma função A UUL AL A Freqüentemente você se depara com tabelas e gráficos, em jornais, revistas e empresas que tentam transmitir de forma simples fatos do dia-a-dia. Fala-se em elevação e

Leia mais

1 Transformada de Laplace

1 Transformada de Laplace Dep. de Matemática da F..T.U.. - Análise Matemática IV - 5/6. Transformada de Laplace. Usando a definição de Transformada de Lapace, mostre que a) L{} = s, s>; b) L{e kt } = s k, s>k; c) L{t n } = n!,

Leia mais

3. Limites. = quando x está muito próximo de 0: a) Vejamos o que ocorre com a função f ( x)

3. Limites. = quando x está muito próximo de 0: a) Vejamos o que ocorre com a função f ( x) . Limites Ao trabalhar com uma função nossa primeira preocupação deve ser o seu domínio (condição de eistência) afinal só faz sentido utilizá-la nos pontos onde esteja definida e sua epressão matemática

Leia mais

Problemas de O-mização. Material online: h-p://www.im.ufal.br/professor/thales/calc1-2010_2.html

Problemas de O-mização. Material online: h-p://www.im.ufal.br/professor/thales/calc1-2010_2.html Problemas de O-mização Material online: h-p://www.im.ufal.br/professor/thales/calc1-2010_2.html Roteiro para resolver problemas de o-mização 1. Compreenda o problema a) O que é desconhecido? b) Quais as

Leia mais

Lista de exercícios Trigonometria Problemas Gerais. Parte 1 : Tangente da soma e da diferença de arcos e tangente do dobro de um arco

Lista de exercícios Trigonometria Problemas Gerais. Parte 1 : Tangente da soma e da diferença de arcos e tangente do dobro de um arco Lista de eercícios Trigonometria Problemas Gerais Prof ºFernandinho Parte 1 : Tangente da soma e da diferença de arcos e tangente do dobro de um arco 01.(Fuvest) Se é um ângulo tal que 0 < < 90 e sen =,

Leia mais

Exemplos de aceleração Constante 1 D

Exemplos de aceleração Constante 1 D Exemplos de aceleração Constante 1 D 1) Dada a equação de movimento de uma partícula em movimento retilíneo, s=-t 3 +3t 2 +2 obtenha: a) A velocidade média entre 1 e 4 segundos; e) A velocidade máxima;

Leia mais

Matemática A. Versão 2. Na sua folha de respostas, indique de forma legível a versão do teste. Teste Intermédio de Matemática A.

Matemática A. Versão 2. Na sua folha de respostas, indique de forma legível a versão do teste. Teste Intermédio de Matemática A. Teste Intermédio de Matemática A Versão 2 Teste Intermédio Matemática A Versão 2 Duração do Teste: 90 minutos 24.05.2013 12.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março????????????? Na

Leia mais

01- Assunto: Matrizes. Dadas as matrizes A = e B =, calcule AB + A t.

01- Assunto: Matrizes. Dadas as matrizes A = e B =, calcule AB + A t. EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES - MATEMÁTICA - ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== - Assunto: Matrizes 5 Dadas as matrizes A

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M20 Geometria Analítica: Circunferência

Matemática. Resolução das atividades complementares. M20 Geometria Analítica: Circunferência Resolução das atividades complementares Matemática M Geometria Analítica: ircunferência p. (Uneb-A) A condição para que a equação 6 m 9 represente uma circunferência é: a), m, ou, m, c) < m < e), m, ou,

Leia mais

MATEMÁTICA A VERSÃO 1

MATEMÁTICA A VERSÃO 1 gabinete de avaliação educacional T E S T E I N T E R M É D I O 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) Duração da Prova: 90 minutos 10/Maio/2007 MATEMÁTICA A VERSÃO 1 Na sua

Leia mais

b) Calcule as temperaturas em Kelvin equivalentes às temperaturas de 5,0 ºC e 17,0 ºC.

b) Calcule as temperaturas em Kelvin equivalentes às temperaturas de 5,0 ºC e 17,0 ºC. Questão 1 A pressão P no interior de um fluido em equilíbrio varia com a profundidade h como P = P 0 + ρgh. A equação dos gases ideais relaciona a pressão, o volume e a temperatura do gás como PV = nrt,

Leia mais

CEFET/RJ - Cálculo a Várias Variáveis Professor: Roberto Thomé e-mail: rthome@cefet-rj.br homepage: www.rcthome.pro.br LISTA DE EXERCÍCIOS 01

CEFET/RJ - Cálculo a Várias Variáveis Professor: Roberto Thomé e-mail: rthome@cefet-rj.br homepage: www.rcthome.pro.br LISTA DE EXERCÍCIOS 01 CEFET/RJ - Cálculo a Várias Variáveis Professor: Roberto Thomé e-mail: rthome@cefet-rj.br homepage: www.rcthome.pro.br LISTA DE EXERCÍCIOS 01 1) Seja f = 36 9x 2 4y 2. Então : (a) Calcule f, f(2, 0) e

Leia mais

Capítulo 2. A 1ª Lei da Termodinâmica

Capítulo 2. A 1ª Lei da Termodinâmica Capítulo 2. A 1ª Lei da Termodinâmica Parte 1: trabalho, calor e energia; energia interna; trabalho de expansão; calor; entalpia Baseado no livro: Atkins Physical Chemistry Eighth Edition Peter Atkins

Leia mais

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL.1 Funções Vetoriais de Uma Variável Real Vamos agora tratar de um caso particular de funções vetoriais F : Dom(f R n R m, que são as funções vetoriais de uma

Leia mais

(Testes intermédios e exames 2010/2011)

(Testes intermédios e exames 2010/2011) (Testes intermédios e eames 00/0) 57. Na Figura, está parte da representação gráfica da função f, de domínio +, definida por f() = log 9 () Em qual das opções seguintes está definida uma função g, de domínio,

Leia mais

3. Duas esferas A e B de massas m A = 5 g e m B =

3. Duas esferas A e B de massas m A = 5 g e m B = Curso de pós graduação em Astrofísica Prova de admissão 1. O menor ângulo sob o qual o olho humano consegue visualizar dois pontos é da ordem de 1 (um minuto de arco). Esse ângulo recebe o nome de ângulo

Leia mais

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU FUNÇÃO IDENTIDADE... FUNÇÃO LINEAR... FUNÇÃO AFIM... GRÁFICO DA FUNÇÃO DO º GRAU... IMAGEM... COEFICIENTES DA FUNÇÃO AFIM... ZERO DA FUNÇÃO AFIM... 8 FUNÇÕES CRESCENTES OU DECRESCENTES... 9 SINAL DE UMA

Leia mais

II Cálculo Integral em R n

II Cálculo Integral em R n Análise Matemática II Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de omputadores Ano Lectivo 2/22 2 o emestre Exercícios propostos para as aulas práticas II álculo Integral em R n Departamento de

Leia mais

LEITURA E INTERPRETAÇÃO DO TEFIGRAMA

LEITURA E INTERPRETAÇÃO DO TEFIGRAMA Ê Destina-se a todos níveis de piloto LEITURA E INTERPRETAÇÃO DO TEFIGRAMA O voo livre, depende literalmente das condições meteorológicas. Saber avaliar correctamente as mesmas, é fundamental para voar

Leia mais

Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.)

Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) 3.1- Aceleração Escalar (a): Em movimentos nos quais as velocidades dos móveis variam com o decurso do tempo, introduz-se o conceito de uma grandeza

Leia mais

A abordagem do assunto será feita inicialmente explorando uma curva bastante conhecida: a circunferência. Escolheremos como y

A abordagem do assunto será feita inicialmente explorando uma curva bastante conhecida: a circunferência. Escolheremos como y 5 Taxa de Variação Neste capítulo faremos uso da derivada para resolver certos tipos de problemas relacionados com algumas aplicações físicas e geométricas. Nessas aplicações nem sempre as funções envolvidas

Leia mais

2ª fase. 19 de Julho de 2010

2ª fase. 19 de Julho de 2010 Proposta de resolução da Prova de Matemática A (código 635) ª fase 19 de Julho de 010 Grupo I 1. Como só existem bolas de dois tipos na caixa e a probabilidade de sair bola azul é 1, existem tantas bolas

Leia mais

M23. Nome: Turma: Nº FUNÇÃO EXPONENCIAL E LOGARÍTMICA FUNÇÃO EXPONENCIAL E LOGARÍTMICA I PARTE

M23. Nome: Turma: Nº FUNÇÃO EXPONENCIAL E LOGARÍTMICA FUNÇÃO EXPONENCIAL E LOGARÍTMICA I PARTE M FUNÇÃO EXPONENCIAL E LOGARÍTMICA Nome: Turma: Nº FUNÇÃO EXPONENCIAL E LOGARÍTMICA I PARTE. Certo tratamento médico consiste na aplicação, a um paciente, de uma determinada substância. Admita que a quantidade

Leia mais