UC: Análise Matemática II. Caderno 1 : Integrais Duplos e Integrais de Linha

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UC: Análise Matemática II. Caderno 1 : Integrais Duplos e Integrais de Linha"

Transcrição

1 ET / E, o Ano U: Análise Matemática aderno : ntegrais uplos e ntegrais de Linha (uplos, Volumes, Mudança de oordenadas, ntegrais de Linha) Elaborado de: iana Aldea Mendes e Rosário Laureano epartamento de Métodos Quantitativos Fevereiro de

2 apítulo ntegrais uplos. ntegrais duplos - definição e interpretação A definição de integral duplo (multiplo) é uma generalização da de integral a uma só variável. Em particular, o Teorema de Fubini, permite relacionar um integral definido em R n (integral multiplo) com o integral em R. Nomeadamente, um integral multiplo pode ser calculado por integrações sucessivas numa variável considerando as restantes fias (constantes). O integral duplo (multiplo) quando eplicitado por intermédio de dois (vários) integrais simples designa-se por integral iterado. Seja f uma função de duas variáveis, z f(, ), que seja contínua numa certa região limitada e fechada do O-plano. Tem-se f R.Naprática,paracalcularum integral duplo RR f(, )dd, temos que seguir os seguintes passos:. Representar graficamente o domínio de integração. Estudar a regularidade do domínio de integração e determinar a ordem de integração (dd ou dd). Eplicitar os limites de integração e escrever o integral duplo na forma iterada 4. alcular o integral duplo respeitando a ordem de integração A principal dificuldade nos integrais duplos, consiste em, dado um domínio de integração, determinar os limites de integração em cada um dos integrais simples envolvidos.

3 ntegrais uplos efinição.. O domínio R diz-se regular segundo o eio dos (no sentido do eio dos ) se. Qualquer vertical que passe por um ponto interior de intersecta a sua fronteira em apenas dois pontos. é limitado pelas curvas g () e g () e pelas rectas a e b, sendo g () g () e a b. Se o domínio de integração éregularnosentidodoeiodos (ou segundo o eio dos ), então a ordem de integração é dd e o integral duplo eplicita-se (calcula-se) por f(, )dd Z b à Z! g () f(, )d d a g () Z b a d Z g () g () f (, ) d. Graficamente, temos um domínio de integração regular no sentido do eio dos, em cada uma das seguintes situações: g () g () g () g () a b a b g ()c g () g ()d g () a b a b eve ficar claro que o cálculo de um integral duplo requer o cálculo de integrais simples pela ordem indicada: primeiro o integral de f(, ) em relação à variável (con-

4 .. NTEGRAS UPLOS - EFNÇÃO E NTERPRETAÇÃO siderando como constante) desde g () (a fronteira inferior do domínio de integração ) até g () (a fronteira superior de ); depois o integral da epressão obtida em relação à variável no intervalo [a, b],isto é, do etremo esquerdo do domínio de integração até ao etremo direito de. efinição.. O domínio R diz-se regular segundo o eio dos (no sentido do eio dos ) se. Qualquer horizontal que passe por um ponto interior de intersecta a sua fronteira em apenas dois pontos. é limitado pelas curvas h () e h () epelasrectas c e d, sendo h () h () e c d. Se o domínio de integração é regular no sentido do eio dos (ou segundo o eio dos ), então a ordem de integração é dd e o integral duplo eplicita-se (calcula-se) por f(, )dd Z d à Z! h () f(, )d d c h () Z d c d Z h () h () f (, ) d. Graficamente, temos um domínio de integração regular no sentido do eio dos, em cada uma das seguintes situações: h () h () d d d d h () h () c c c c a b

5 4 ntegrais uplos h ()a h ()b d c d c d h () d h () c c a b Neste caso, calcula-se primeiro o integral de f(, ) em relação à variável (considerando como constante) desde h () (a fronteira esquerda do domínio de integração ) até h () (a fronteira direita de ); depois o integral da epressão obtida em relaçãoàvariável no intervalo [c, d],isto é, do etremo inferior do domínio de integração até ao etremo superior de. Tem-se sempre que Z à b Z g ()! f(, )d d a g () f(, )dd Z d c à Z! h () f(, )d d, ou seja, indiferente da ordem de integração utilizada, o valor do integral duplo é o mesmo. Propriedades aso eistam os integrais duplos são válidas as seguintes propriedades operacionais: [f(, ) ± g(, )] dd f(, )dd ± g(, )dd; h () cf(, )dd c f(, )dd, para c R; h()f(, )dd g()f(, )dd Z b a Z d c h() g() Z g () g () Z h () h () f(, )dd; f(, )dd. Uma outra propriedade de grande utilidade em domínios de integração não regulares é a seguinte: f(, )dd f(, )dd + f(, )dd,

6 .. EXEMPLOS 5 se, int( ) int( ), e e são regulares no mesmo sentido. O integral duplo sobre o domínio de integração da função constante f (, ) defineaáreade, istoé dd A (). A passagem duma ordem de integração para outra num integral duplo, caso é possível, designa-se por inversão da ordem de integração do integral duplo. Se o domínio for regular no sentido do eio dos ou seja. Eemplos Eemplo. alcule o valor dos seguintes integrais duplos a). R d R ( cos ) d R ( sin ) d R ³ ( sin ) d sin b). R 5 d R () d R 5 d R 5 d 4 4 Eemplo. etermine o valor do integral duplo ( +) dd sin onde o domínio de integração é limitado pelas parábolas de equação e

7 6 ntegrais uplos Os pontos de intersecção das duas parábolas obtem-se iqualando as equações corespondentes, isto é + ± sendo ± as equações das rectas verticais que limitam o domínio de integração. onclui-se que éregularnosentidodoeiodos, logo pode ser escrito como, + ª deduzindo (também do gráfico) que g () é a função inferior e g () + é a função superior que limitam o domínio de integração. a regularidade de segundo o eio dos obtem-se a ordem de integração dd, logo o integral duplo escreve-se como ( +) dd Z Z Z Z + Z d ( +) d + + d ³ d d µ Portanto o valor do integral duplo é /5. Eemplo. alcule do integral duplo da função f(, ) + no domínio de integração definido por,, ª. A representação gráfica do domínio de integração é ilustrada na Figura abaio.

8 .. EXEMPLOS / 4 / omínio de integração regular segundo regular segundo omo é regular no sentido do eio dos, ou seja pode ser limitado por: a, b, g () e g (), com e, o integral duplo escreve-se como ( + ) dd Z µz Z ( + )d d µ4 4 d µ + d µ Z 5 5 O mesmo integral duplo pode ser calculado pelo outro integral iterado (obtido invertendo a ordem de integração), ou seja por ( + ) dd Z 4 Ã Z! ( + )d d 5 5. Tem-se c,d 4, h () e h (), segundo a notação indicada no desenvolvimento. Eemplo 4. integração dado por / onsidere-se agora o mesmo integral duplo, mas com o domínio de,, ª. Então o domínio é regular no sentido do eio dos e portanto o integral duplo é: ( + ) dd Z µz Z ( + )d d µ4 4 d µ + d µ Z 8

9 8 ntegrais uplos Se optarmos pela outra ordem de integração o mesmo integral duplo terá de ser calculado como segue: / / Z Ã Z! Z Ã Z! ( + ) dd ( + )d d + ( + )d d / / dado que é necessário considerar sub-regiões e separadas pela recta tais que. e facto, atendendo a que a recta vertical intersecta a parábola quando tomaovalor e intersecta a recta quando toma o valor (atenda à figura anterior e complete-a) estas duas sub-regiões serão as seguintes,,, ª,,, ª. Por vezes é forçoso inverter a ordem de integração face à função f(, ) a primitivar. Eemplo 5. alcule o seguinte integral duplo Z d Z e d. Este integral duplo não pode ser calculado de forma fácil directamente pela ordem de integração estabelecida (dd),vistoqueaprimitiva R e d não é uma primitiva elementar. O domínio de integração deste integral duplo é limitado pelas rectas,, e. Para estabelecer o outra ordem de integração (dd) isto é, para efectuar inversão da ordem de integração do integral duplo é útil representar graficamente este domínio de integração

10 .. EXEMPLOS 9 ou / e, a partir dessa representação, escrever o novo integral iterado Z d Z e d Z Z Z d e d ³ e d 6 Z ³ e d e e 9. 6 Eemplo 6. Pretende-se calcular o integral duplo RR f(, )dd para f(, ) e definido por { 6,,,8}. Para tal represente-se graficamente este domínio e estabeleça-se as ordens de integração: Z Z 8 dd d d + Z 4 Z 6/ d d

11 ntegrais uplos dd Z 4 d Z d + Z 8 4 d Z 6/ d Verifica-se através da figura que, qualquer que seja a ordem de integração escolhida, é necessário separar o domínio de integração em sub-regiões, a saber: e separadas pela recta quandoaopçãoé R R f(, )d d, e separadas pela recta 4 quandoaopçãoé RR f(, )d d. O cálculo de qualquer um destes integrais iterados conduz ao valor 448 para o integral duplo. Eemplo 7. etermine o valor do integral duplo RR () dd onde o domínio de integração é limitado pelas curvas de equação e +6. A parábola de equação +6 tem a forma equivalente ± +6vista como função de variável e tem a forma vista como função de variável. Os pontos de intersecção entre a parábola e a recta calculam-se de +6( ), oque implica 4 5, de onde e 5. (5,4) 4 ( /) (-,-) onsideramos a regularidade segundo o eio dos (sendo mais fácil neste caso). Então o domínio de integração é limitado pelas rectas horizontais de equação e 4(calculados como as imagens dos pontos de intersecção e 5), epelas curvas: á esquerda h () eádireita h () +, logo, a ordem de

12 .. EXEMPLOS integração dd determina o seguinte integral iterado () dd Z 4 Z 4 Z 4 Z + d d à ( +) Z 4 µ µ µ µ ! d 4 d d 6. Estudando a regularidade de segundooeiodos, ou seja, fazendo uma inversão da ordem de integração de dd para dd, obtem-se uma divisão de em dois sub-domínios de integração separados pela recta vertical de equação. (5,4) (+6) / (+6) / (-,-) Tem-se então o sub-domínio de integração (regularnosentidodoeiodos) limitado pelas rectas verticais de equação e e pelas curvas horizontais g () +6 (curva inferior) e g () +6 (curva superior) e o subdomínio (regular o sentido do eio dos ) limitado pelas rectas verticais e 5e pelas curvas horizontais g () (curva inferior) e g 4 () +6 (curva superior).

13 ntegrais uplos Então a ordem de integração é dd e o integral iterado á calcular é dado por () dd () dd + () dd Z d Z d + Z 5 d Z +6 d 6. Eemplo 9. figura seguinte: Eplicita o integral duplo RR () dd, sendo definido como na Regularidade segundo o eio dos ordem de integração dd () dd () dd + () dd + () dd Z d Z + f (, ) d + Z d Z + f (, ) d + Regularidade segundo o eio dos ordem de integração dd () dd () dd + () dd + () dd Z d Z f (, ) d + Z d Z f (, ) d +. Mudança de variável: coordenadas polares Z Z d Z f (, ) d. Z d f (, ) d. Quando se utilizam coordenadas rectangulares (, ) o sistema de referência é dado por um par de rectas perpendiculares (os bem conhecidos eios dos e dos ). Para definir

14 .. MUANÇA E VARÁVEL: OORENAAS POLARES as coordenadas polares é utilizado um sistema de referência que consta de um ponto O chamado pólo e de um raio que se inicia no ponto O designado por eio polar. Raio θ θ +π θ O Eio polar Raio θ +π oncretamente, um ponto P é dado pelas coordenadas polares (r, θ) se está posicionado aumadistânciar do pólo O tal que semi-recta OP determina um ângulo de amplitude θ radianos (medido no sentido positivo) com o semi-eio positivo dos. ontrariamente ao que acontece com as coordenadas rectângulares, as coordenadas polares não estão univocamente determinadas. e facto, geometricamente não eiste distinção entre os pontos cujos ângulos diferam por um múltiplo de π, isto é(r, θ) (r, θ +nπ),n Z +. É, no entanto, usual considerar θ a amplitude do menor dos ângulos. Tem-se então r R + e θ [, π[. A relação entre as coordenadas polares (r, θ) e as coordenadas rectangulares (, ) é dada por ½ r cos θ r sin θ

15 4 ntegrais uplos visto que cos θ r e sin θ r (ver figura abaio), (,) h r θ O o que implica que tan θ, ou seja θ arctan. r +.. Eemplos. etermine as coordenadas rectangulares do ponto P dado pelas seguintes coordenadas polares (r, θ) (,π/). Atendendo as relações r cos θ e r sin θ obtem-se cos(π/) e sin(π/). Portanto o ponto P tem as coordenadas rectangulares,.. Encontre as coordenadas polares para o ponto P definido pelas seguintes coordenadas rectangulares (, ),. Trata-se de um ponto do segundo quadrante. Sabemos que r cos θ e r sin θ. Encontra-se o seginte valor para o raio r fazendo r + (r cos θ) +(r sin θ) ( ) + 6. Logo r 4. onsiderando r 4obtem-se r cos θ 4cosθ cos θ r sin θ 4sinθ sin θ. Tem-se então θ arcsin arccos π. Então as coordenadas polares de P são 4, π.

16 .. MUANÇA E VARÁVEL: OORENAAS POLARES 5. Em coordenadas rectangulares (, ) a circunferência de centro (, ) eraioa tem por equação + a. A mesma circunferência, em coordenadas polares (r, θ), tem por equação r a. O interior da circunferência é definido por <r<ae o eterior por r>a. 4. Em coordenadas rectangulares (, ) a recta que passa pela origem e faz um ângulo α com o eio dos tem por equação m onde m tanα. Em coordenadas polares (r, θ), a mesma recta, tem por equação θ α. A recta vertical a tem por equação polar r cos θ a e a recta horizontal b tem por equação polar r sin θ b. Mais geral, uma recta de equação cartesiana A+B+ pode ser escrita em coordenadas polares (atendendo as relações r cos θ e r sinθ) como Ar cos θ + B sin θ + r (A cos θ + B sin θ)+. 5. Encontre uma equação em coordenadas polares para a hipérbole de equação a. Substituindo r cos θ e r sinθ na equação da hipérbole obtem-se r cos θ r sin θ r cos θ sin θ r cos (θ) a Portanto a equação r cos (θ) a representa, em coordenadas polares, a hipérbole dada. ado o integral duplo f(, )dd, sempre que o domínio de integração é dado por uma região circular ou quando a função integranda f(, ) contém uma epressão de tipo +, pode ser útil o uso de coordenadas polares para calcular o valor do integral duplo. Relembramos que as coordenadas polares (r, θ) de um ponto P estão relacionadas com as coordenadas rectangulares (, ) por meio das seguintes equações ½ r cos θ r sin θ e ( r + ³ θ arctan

17 6 ntegrais uplos Apresenta-se em seguida a metodologia de cálculo dos integrais duplos f (, ) dd utilizando as coordenadas polares (r, θ). O primeiro passo consta em transformar o domínio de integração (dado em coordenadas cartesianas) no domínio equivalente, Ω, em coordenadas polares (r, θ). Admitindo que a função f (, ) écontínuaem, a função composta F (r, θ) f (r cos θ, r sin θ) também vai ser contínua em todos os pontos do seu domínio Ω. onsiderando a mudança de variáveis para coordenadas polares, tem-se então que f (, ) dd f (r cos θ, r sin θ) rdrdθ visto que r é o valor do determinante da matriz jacobiana Se o conjunto Ω édefinido por Ω Ω {(r, θ) α θ β, g (θ) r g (θ)} Ω F (r, θ) rdrdθ (, ) (r, θ) e r. para β α π, então a ordem de integração em coordenadas polares será drdθ (o domínio Ω sendo regular segundo r) e então o integral duplo escreve-se como Z β Z g (θ) f (, ) dd F (r, θ) rdrdθ dθ F (r, θ) rdr Ω α g (θ) θ β r g (θ) θ α r g (θ) O Eio polar

18 .. MUANÇA E VARÁVEL: OORENAAS POLARES 7 Este caso obtem-se quando o domínio provém da intersecção de duas rectas que passam pela origem e de declive α e β e mais outras duas curvas quisquer (veja figura acima). Se o conjunto Ω tem a forma Ω {(r, θ) a r b, h (r) θ h (r)}, então a ordem de integração em coordenadas polares será dθdr (o domínio Ω sendo regular segundo θ) e então o integral duplo escreve-se como f (, ) dd F (r, θ) rdrdθ Ω Z b a dr Z h (r) h (r) F (r, θ) rdθ. Este caso resulte quando o domínio provém da intersecção de duas circunferências com centro na origem e de raio a e b e mais outras duas curvas. aso em qual o domínio é o resultado da intersecção de duas circunferências com centro na origem e duas rectas que passam pela origem, então o domínio em coordenadas polares, Ω, sera regular nos dois sentidos permitidos e a ordem de integração é aleatória. omo caso particular pode afirmar-sequeaáreadodomíniodeintegração pode ser calculada em termos de coordenadas polares utilizando a seguinte fórmula Área de considerando f(, ). Z β α dθ Z g (θ) g (θ) rdr Z β α g (θ) g (θ) dθ Eemplo. Utilize coordenadas polares para calcular o valor do integral duplo dd onde édefinido por +,, ª. Representação gráfica do domínio de integração em coordenadas rectangulares: álculo do novo domínio de integração Ω e sua representação gráfica: + r cos θ + r sin θ r cos θ +sin θ r de onde <r implica <r ou seja g (θ) e g (θ). (Ou ainda, atendendo um dos eemplos da secção anterior, sabe-se que + tem por equação polar r e o seu interior é dado por <r<).

19 8 ntegrais uplos θ θ π/ Ω r r Figura.: A equação tem a forma polar r cos θ cos θ. A equação tem a forma polar r sin θ sin θ. Aequaçãosin θ θ representa o limite inferior de θ eolimtesuperiordeθ é dado pelo valor π/ visto que cos θ. Tem-se então Ω n(r, θ) :<θ< π e <r< o. O domínio Ω é regular nos dois sentidos (o seu gráfico é um rectângulo), logo são permitidas as duas ordens de integração. A função f (, ) em coordenadas polares vem f (r cos θ, r sin θ) F (r, θ) (r cos θ)(r sin θ) r sin θ cos θ. Então, escolhendo a ordem de integração drdθ, tem-seque Z π/ Z dd r sin θ cos θ r drdθ dθ r sin θ cos θdr Ω Z π/ µ r 4 Z π/ µ sin θ cos 4 θ dθ sin θ cos θ dθ 4 Z π/ µ (sin θ) dθ π/ cos 8 6 θ 8. Eemplo. alcule + p + dd, sendo limitado pelas rectas ± e pelas circunfêrencias ( ) + e ( ) + 4.

20 .. MUANÇA E VARÁVEL: OORENAAS POLARES 9 r Ω 4 r 4 cos θ r cos θ 4 θ - Figura.: O transformado de (veja a sua representação gráfica) em coordenadas polares, o conjunto Ω, é dado pelas relações ( ) + r cosθ e ( ) + 4 r 4cosθ r cos θ r sin θ r cos θ tan θ π 4 θ π 4 ou seja Ω n(r, θ) : π 4 θ π 4, cosθ r 4cosθ o. Nota-se que a ordem de integração permitida é drdθ (o domínio Ω é regular no sentido do eio dos rr) e o integral duplo escreve-se em coordenadas polares como sendo Z + p + dd sin θ π/4 Z 4cosθ cos θ + rdrdθ sin θ dθ π/4 cosθ cos θ + rdr Ω Z π/4 π/4 µ sin θ r cos θ + 4cosθ cosθ Z π/4 dθ 6 π/4 sin θ cos θ + cos θdθ (o valor do itegral é nulo porque a função integranda é impar e os limites de integração simétricos, logo A A A ).

21 ntegrais uplos.4 ntegrais duplos - Eercícios propostos. etermine as epressões gerais das primitivas para as funções: (a) f(, ) +6 5 (b) f(, ) + 4 (c) f(, ) + (d) f(, ) 9 (e) f(, ) + + (f) f(, ) q 4 ( + ) (g) f(, ) + (h) f(, ) (i) f(, ) ln + ³ (j) f(, ) ln + (k) f(, ) (l) f(, ) (m) f(, ) ( + ) 4 6 (n) f(, ) p 4 (o) f(, ) arctan ( + ) (p) f(, ) sin ( + ). Mostre que Z Ã Z! ( +)d d

22 .4. NTEGRAS UPLOS - EXERÍOS PROPOSTOS. alcule o valor do integral duplo ( +)dd sendo a região do plano limitada pelas curvas,, e e para cada uma das possíveis ordens de integração, R R f(, )d d e RR f(, )d d. 4. etermine RR f(, )dd considerando f(, ) e (, ) R : 6, >, + 6 ª Averígue se pode retirar algumas conclusões acerca do valor e sinal do mesmo integral para outros domínios de integração como sejam (, ) R :, >, + 6 ª (, ) R :, + 6 ª (, ) R :,, + 6 ª 5. Mostre que dd sendo o paralelogramo limitado pelas rectas,5, + 4e etermine o valor do integral duplo sendo e dd n(, ) R : o. 7. alcule e nos casos possíveis inverte a ordem de integração para os seguintes integrais duplos (a) Z Z µ + sin dd

23 ntegrais uplos (b) (c) (d) (e) (f) Z + Z + Z Z Ã Z log Z Z Z Z Z dd p 4 +! dd e dd e / dd e 4 dd 8. onsidere o integral duplo Z Z d f(, ) d. Estabeleça a outra ordem de integração e calcule o valor do integral para f(, ). 9. nverta a ordem de integração no seguinte integral duplo Z d. onsidere o integral duplo Z f(, )d + Z Z d Z Z ln d + f(, )d. f(, )d. nverta a ordem de integração e mostre que tem o valor 6 paraocasodef(, ).. etermine o valor do integral duplo Z 4 Z d 4 4 f(, ) d para f(, ) e +.

24 .4. NTEGRAS UPLOS - EXERÍOS PROPOSTOS. Verifique que o valor do integral duplo Z Z d 4 e d.. Mostre, usando cada uma das possíveis ordens de integração, que /5 éovalordo integral duplo dd para (, ) R : ª. 4. onsidere o integral duplo Z Z d + f(, ) d + Z Z d f(, ) d. (a) nverta a ordem de integração. (b) alcule o valor do integral para f(, ). 5. Verifique que + dd 4 para definido pelas condições +,, e. 6. Passar às coordenadas polares (r, θ), no integral duplo RR f (, ) dd e encontrar os limites de integração onde (a) + 4 ª (b) + 9 ª (c) + 4, + 8,, ª (d) + 9 ª 7. Utilizando dois metodos diferentes calcule as áreas dos domínios de integração que se indicam (a) {,,+ }

25 4 ntegrais uplos (b) {, 5, } (c) {,, 4} 8. Passando aos coordenadas polares calcule os seguintes integrais duplos (a) (b) (c) (d) Z Z Z 4 Z Z Z Z Z / p + dd p + dd e + dd + / dd (e) / Z Z p + dd (f) Z Z ( e + ) dd (g) Z 4 Z 4 dd 9. Utilizando as coordenadas polares, calcule os seguintes integrais duplos: (a) RR +4 dd, onde +, + 4, ª (b) RR dd, onde + 5 ª (c) RR dd, onde é a região do plano real limitada por + 9, e.

26 .5. ÁLULO E VOLUMES 5 (d) RR dd, onde éaregiãodoo quadrante do plano real limitada por + 4. e + 5. (e) RR e dd, onde é a região do plano real limitada por p 4 e.. alcule o integral duplo dd ( + + / ) onde é o triangulo de vertices (, ), (, ) e (, ).. alcule o integral duplo p + dd onde é o triangulo de vertices (, ), (, ) e,.. alcule sabendo que o domínio de integração é ln + + p dd + + 4, ª.. alcule RR e. + dd sendo limitado pelas curvas de equação,.5 álculo de Volumes Os integrais duplos podem ser utilizados no cálculo: de áreas, sendo A () dd

27 6 ntegrais uplos de volumes, sendo V (S) (q (, ) p (, )) dd ovolumedosólidos compreendido entre os gráficos das funções q (, ) (limita o sólido superiormente) e p (, ) (limita o sólido inferiormente), no domínio R. z R z q (, ) z p (, ) a b g () h () Eemplo. alcule o volume da região do espaço limitada pelas superfícies z + + b, z, a e a ( <a<b). A superfície z + + b corresponde a um parabolóide que se desenvolve ao longo do z-eio com vértice (,,b ). A condição a caracteriza os planos paralelos ao z-plano de equações a e a. A condição a caracteriza os planos paralelos ao z-plano de equações a e a. A condição z define o -plano. Uma maior secção plana destaregiãodoespaçor é o quadrado no -plano de vértices (a, a), ( a, a), (a, a) e ( a, a), istoé, (, ) R : a a a a ª

28 .5. ÁLULO E VOLUMES 7 R (,, z) R :(, ) z b ª. O volume pedido pode ser calculado por: V b dd Z a µz a a Z a a a b Z a d d b a b a a a d b a a a a a 4b a 8 a4. Eemplo. alcule o volume da região do espaço situada no o pelas superfícies, z + e 4. As superfícies e z + são planos. a a d octante limitado A superfície 4 é um cilindro parabólico que se desenvolve ao longo do z-eio dado que temos a equivalência p 4 4. Uma maior secção plana destaregiãodoespaçor é, no -plano,isto é, temos (, ) R 4 ª R (,, z) R (, ) z + ª. O volume pedido pode ser calculado por: V ( + )dd Z Z Z + 4 d d Z d à Z! 4 ( + ) d d Z d d

29 8 ntegrais uplos Eemplo. alcule o volume da região do espaço limitada pelas superfícies a + b, z + a e z ( <b<a). A superfície a + corresponde a um cilindro elíptico que se desenvolve ao longo b do z-eio. A superfície z + a é um plano paralelo ao -eio. A superfície z é o -plano. Uma maior secção plana destaregiãodoespaçor éaelipseno-plano de equação a + b. Temos ½ ¾ (, ) R a + b R (,, z) R (, ) z a ª. O volume pedido pode ser calculado por: V (a )dd e, aplicando a mudança de variáveis a X b Y a que corresponde o jacobiano (, ) (X, Y ) ab, temos V (a by )ab dxdy. Aplicando coordenadas polares, temos V Z π ab ab µz Z π Z π (a br sin θ) abr dr dθ ab µa b sin θ µ aπ + b b dθ ab aθ + b cos θ θπ θ πa b. a r r br sin θ dθ r Eemplo 4. alcule o volume da região do espaço limitada pelas superfícies z +,,,, e z. A superfície z + corresponde a um parabolóide que se desenvolve ao longo do z-eio de vértice (,, ) com todos os pontos de cota positiva.

30 .5. ÁLULO E VOLUMES 9 A superfície é um cilindro parabólico que se desenvolve ao longo do z-eio. A superfície corresponde a um cilindro hiperbólico que se desenvolve ao longo do z-eio. A superfície é um plano paralelo ao z-plano. As superfícies e z são, respectivamente, o z-plano e o -plano. Uma maior secção plana destaregiãodoespaçor é, no -plano, isto é, temos (, ) R ª ½ (, ) R ¾ R (,, z) R (, ) z + ª. O volume pedido pode ser calculado por: V ( + )dd Z Ã Z! ( + )d d + z. Z Z 5 + µ d + d + Z Z + 6 Z Ã Z! ( + )d d + µ + d Eemplo 5. alcule o volume limitado pelas superfícies + 4, + + z e A superfície + 4corresponde a um cilindro circular que se desenvolve ao longo do z-eio. A superfície + + z é um plano que intersecta os eios coordenados em, e z. A superfície z é o -plano. O volume pedido pode ser calculado por V ( )dd. d

31 ntegrais uplos Pode aplicar-se coordenadas polares a uma parte do domínio : Z π µz Z V ( r cos θ r sin θ)r dr dθ + π Z π π Z π π Z π π r r r r cos θ sin θ dθ + r Z µz (4 8 cos θ 8 Z sin θ)dθ + (4 + (4 8 cos θ 8 Z sin θ)dθ + (4 6 + )d 8 8 4θ sin θ + cos θ θπ π + 8 π + 8 θ π π + 6. ( )d d d )d.6 álculo de volumes - Eercícios Propostos. alcule o volume limitado pelas superfícies + + z 8e + z.. alcule o volume limitado pelas superfícies + 4, +, z e z.. alcule o volume limitado pelas superfícies +, e +z. 4. alcule o volume da região do espaço definida pelas condições + + z 4 e z p Utilizando os integrais duplos calcule os volumes dos sólidos limitados pelas seguintes superfícies (a) (b) ½ z + z

32 .6. ÁLULO E VOLUMES - EXERÍOS PROPOSTOS (c) (f) z + + z + + z ½ z 4 (d) z + ½ z (e) z + (g) (h) (i) (j) (k) (l) (m) (n) 4 4 z + + ½ + z + 4 z + z 6 z z 4 z z z z z z + z z z 4 z + 6. Encontra o volume do sólido limitado superiormente pela superfície de equação z + e limitado inferiormente do triângulo de vertices (,, ), (,, ), (,, ).

33 ntegrais uplos 7. alcule o volume do sólido limitado superiormente pelo plano z +b, inferiormente pelo plano e lateral pelo cilindro circular + b, sendo b um número real. 8. Encontra o volume do elipsóido de equação z. 9. Encontra o volume do sólido limitado superiormente pelo plano z e limitado inferiormente pelo círculo ( ) +.. Encontra o volume do sólido limitado superiormente pelo parabolóide z + e limitado inferiormente pela região queestádentrodacurva + a.. Encontra o volume do sólido situado dentro da esfera + + z 6eforado cilindro alcule o volume do sólido limitado pelo parabolóido z epeloplano z 4.. alcule o volume do sólido limitado pelos parabolóidos z + e z alcule o volume do sólido situado no interior do cilindro + 4e do elipsóido z 64.

34 apítulo ntegrais de Linha. Eercícios propostos. alcule o valor do integral de linha Z + d + + d ao longo da curva plana definida pela equação + a e percorrida no sentido positivo.. Verifique que é igual a zero o valor do integral curvilíneo do campo de vectores F (, ) e + e ao longo de qualquer circunferência de centro (, ), masque F não é um campo gradiente ou conservativo (ou com potencial).. alcule o valor do integral de linha Z zd + d zdz sendo a curva no espaço constituída pela porção de circunferência de centro O (,, ) que une o ponto A (,, ) ao ponto B (,, ) seguidodeumsegmentode recta que une B (,, ) ao ponto (,, ) e de outro segmento de recta que une (,, ) ao ponto E (,, ).

35 4 APÍTULO. NTEGRAS E LNHA 4. ada a curva no espaço definida parametricamente por r z compreendida entre os pontos A (,, ) e B (, 4, ), e sendo f(,, z) z +, mostre que Z f(,, z)d Sendo o arco de circunferência + compreendido entre A (,, ) e B(,, ), verifique a igualdade Z d Mostre que 4ab / éovalordointegraldelinha Z d + d sendo aporçãodaelipseentreosvértices(a, ) e ( a, ) passando pelo vértice (,b), com orientação positiva (a, b > ). 7. Mostre que πa 4 / é o valor do trabalho do campo de vectores F (, ), ao longo da circunferência + a, percorrida no sentido positivo. 8. Utilize os processos indicados em cada uma das alíneas para calcular o trabalho de campo de vectores F (, ) ³ +, ( + ) ao longo da curva plana sendoestaocontornodotriângulodevérticesa(, ), B(, ) e (, ) percorrido no sentido positivo. (a) directamente pelas parametrizações; (b) usando o teorema de Green.

36 .. EXERÍOS PROPOSTOS 5 9. etermine, usando integrais de linha, a área do círculo.. Prove, utilizando integrais de linha, que πab é a área delimitada pela elipse de equação a + b.. Utilize o teorema de Green para mostrar que o trabalho realizado pelo campo de vectores F (, ) ( +) e +( ) e, quando o ponto de aplicação da força dá uma volta no sentido positivo em torno da elipse de equação 4 + 4,éde 4π.. alcule o valor do integral de linha ( +4)d +(5 + 6) d sendo cada uma das seguintes curvas planas: (a) o contorno do triângulo de vértices O(, ), A(, ) e B(, ); (b) a circunferência de centro (, ) eraio4.. Mostre que é πa /8 o valor da área da hipocicloide de equação + a cuja parametrização é r a cos θ a sin θ, para θ<π. 4. Verifique que o campo de vectores F (, ) ( + ep ) e + + ep e é conservativo ou gradiente (ou com potencial) e determine a respectiva função potencial associada. alcule ainda o valor do trabalho do campo de vectores F no deslocamento de uma partícula entre os pontos (, ) e (, 4) da parábola de equação.

37 6 APÍTULO. NTEGRAS E LNHA 5. onsidere o integral de linha Z d + d. (a) alcule o valor do integral de linha sendo a curva plana definida por com ; (b) Provequeeisteumafunçãof(, ) tal que (c) etermine a função f tal que df d + d; gradf µ, ; (d) alcule o valor do integral de linha anterior usando a alínea b. 6. alcule o valor do integral de linha Z 4 + d + 4 d ao longo da curva plana definida parametricamente por r (θ) (sinθ, arcsin θ) entre A(, ) e B(, ). 7. alcule o comprimento da curva plana definida por + a. 8. Mostre que πa (b + a) éovalordointegraldelinha Z zd + d + dz ao longo da espira de hélice de equações paramétricas (t) a cos t, (t) a sin t, z(t) bt, parat [, π]. 9. Mostre que Z (P ) (P ) (z + ) d +( + z) d +( + ) dz 8 aolongodacurva no espaço parametrizada por r (t) t,t,t sabendo que P (,, ) e P (9, 7, ).

38 .. NTEGRAS E LNHA - PROPOSTAS E RESOLUÇÃO 7. Mostre a igualdade ABA sendo A (,, ),B(,, ) e (,, ).. Use a fórmula para provar que d + zd + dz R (P ) (P ) f(,, z)d r R t t f ((t),(t),z(t)) k( (t), (t),z (t))k dt (a) com r (t) t, t,t,p (,, ), P (, 4, 8), ef(,, z) z se tem Z (P ) (P ) f(,, z)d r Z t 9p +4t +9t 4 dt; (b) com r (θ) (4 cos θ, 4sinθ, θ),p (4,, ), P (4,, 4π), ef(,, z) z se tem Z (P ) (P ). alcule o trabalho do campo de vectores f(,, z)d r 64 5 π. F (,, z) (,,z) ao longo da curva no espaço definida por (a) z t +5entre os pontos (,, ) e (,, ); (b) 6 + z. 9. ntegrais de linha - Propostas de resolução Eercise Mostre que πa 4 / éovalordotrabalhodocampodevectores F (, ), ao longo da circunferência + a, percorrida no sentido positivo.

Exercícios Resolvidos Integral de Linha de um Campo Vectorial

Exercícios Resolvidos Integral de Linha de um Campo Vectorial Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise ercícios Resolvidos Integral de inha de um ampo Vectorial ercício onsidere o campo vectorial F,, z =,, z. alcule o integral

Leia mais

UFPR - Universidade Federal do Paraná Departamento de Matemática CM042 - Cálculo II Prof. José Carlos Eidam. Lista 1. Curvas

UFPR - Universidade Federal do Paraná Departamento de Matemática CM042 - Cálculo II Prof. José Carlos Eidam. Lista 1. Curvas UFPR - Universidade Federal do Paraná Departamento de Matemática CM042 - Cálculo II Prof. José Carlos Eidam Lista 1 Curvas 1. Desenhe as imagens das seguintes curvas: (a) γ(t) = (1, t) (b) γ(t) = (cos

Leia mais

Capítulo 2. Funções complexas. 2.1. Introdução

Capítulo 2. Funções complexas. 2.1. Introdução Capítulo Funções complexas 1 Introdução Neste capítulo consideram-se vários exemplos de funções complexas e ilustram-se formas de representação geométrica destas funções que contribuem para a apreensão

Leia mais

4.1 Funções de varias variáveis - Definição e exemplos

4.1 Funções de varias variáveis - Definição e exemplos Capítulo 4 Funções de duas variáveis 4.1 Funções de varias variáveis - Definição e eemplos Definição 1: Chamamos de função real com n variáveis a uma função do tipo f : D R com D R n = R R. Ou seja, uma

Leia mais

Seja D R. Uma função vetorial r(t) com domínio D é uma correspondência que associa a cada número t em D exatamente um vetor r(t) em R 3

Seja D R. Uma função vetorial r(t) com domínio D é uma correspondência que associa a cada número t em D exatamente um vetor r(t) em R 3 1 Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire Cálculo Vetorial Texto 01: Funções Vetoriais Até agora nos cursos de Cálculo só tratamos de funções cujas imagens

Leia mais

Exercícios Resolvidos Integrais de Linha. Teorema de Green

Exercícios Resolvidos Integrais de Linha. Teorema de Green Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise Exercícios Resolvidos Integrais de Linha. Teorema de Green Exercício 1 Um aro circular de raio 1 rola sem deslizar ao longo

Leia mais

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL.1 Funções Vetoriais de Uma Variável Real Vamos agora tratar de um caso particular de funções vetoriais F : Dom(f R n R m, que são as funções vetoriais de uma

Leia mais

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel. 04-98/4-98 Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Podemos epressar o produto de quatro fatores iguais a.... por meio de uma potência de base e epoente

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I 1) Considerações gerais sobre os conjuntos numéricos. Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

CDI-II. Trabalho. Teorema Fundamental do Cálculo

CDI-II. Trabalho. Teorema Fundamental do Cálculo Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise Prof. Gabriel Pires CDI-II Trabalho. Teorema Fundamental do Cálculo 1 Trabalho. Potencial Escalar Uma das noções mais importantes

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA CURSO BIETÁPICO EM ENGENHARIA CIVIL º ciclo Regime Diurno/Nocturno Disciplina de COMPLEMENTOS DE MATEMÁTICA Ano lectivo de 7/8 - º Semestre Etremos

Leia mais

< 0, conclui-se, de acordo com o teorema 1, que existem zeros de f (x) Pode-se também chegar às mesmas conclusões partindo da equação

< 0, conclui-se, de acordo com o teorema 1, que existem zeros de f (x) Pode-se também chegar às mesmas conclusões partindo da equação . Isolar os zeros da função f ( )= 9 +. Resolução: Pode-se construir uma tabela de valores para f ( ) e analisar os sinais: 0 f ( ) + + + + + Como f ( ) f ( ) < 0, f ( 0 ) f ( ) < 0 e f ( ) f ( ) < 0,

Leia mais

9. Derivadas de ordem superior

9. Derivadas de ordem superior 9. Derivadas de ordem superior Se uma função f for derivável, então f é chamada a derivada primeira de f (ou de ordem 1). Se a derivada de f eistir, então ela será chamada derivada segunda de f (ou de

Leia mais

MAT 2352 - Cálculo Diferencial e Integral II - 2 semestre de 2012 Registro das aulas e exercícios sugeridos - Atualizado 13.11.

MAT 2352 - Cálculo Diferencial e Integral II - 2 semestre de 2012 Registro das aulas e exercícios sugeridos - Atualizado 13.11. MT 2352 - Cálculo Diferencial e Integral II - 2 semestre de 2012 Registro das aulas e exercícios sugeridos - tualizado 13.11.2012 1. Segunda-feira, 30 de julho de 2012 presentação do curso. www.ime.usp.br/

Leia mais

CÁLCULO: VOLUME III MAURICIO A. VILCHES - MARIA LUIZA CORRÊA. Departamento de Análise - IME UERJ

CÁLCULO: VOLUME III MAURICIO A. VILCHES - MARIA LUIZA CORRÊA. Departamento de Análise - IME UERJ CÁLCULO: VOLUME III MAURICIO A. VILCHES - MARIA LUIZA CORRÊA Departamento de Análise - IME UERJ 2 Copyright by Mauricio A. Vilches Todos os direitos reservados Proibida a reprodução parcial ou total 3

Leia mais

Soluções abreviadas de alguns exercícios

Soluções abreviadas de alguns exercícios Tópicos de cálculo para funções de várias variáveis Soluções abreviadas de alguns exercícios Instituto Superior de Agronomia - 2 - Capítulo Tópicos de cálculo diferencial. Domínio, curva de nível e gráfico.

Leia mais

MAT 2455 - Cálculo Diferencial e Integral III para Engenharia 1 ā Prova - 1o semestre de 2005

MAT 2455 - Cálculo Diferencial e Integral III para Engenharia 1 ā Prova - 1o semestre de 2005 MAT 4 - Cálculo iferencial e Integral III para Engenharia ā Prova - o semestre de Questão. Calcule: (,- ). (a) (. pontos) (b) (. pontos) x e + d dx (x + ) (x ) dx d, onde é o triângulo de vértices (,),

Leia mais

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Notasdeaula Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Os primeiros conjuntos numéricos conhecidos pela humanidade são os chamados inteiros positivos

Leia mais

Teorema da Mudança de Coordenadas

Teorema da Mudança de Coordenadas Instituto uperior écnico Departamento de Matemática ecção de Álgebra e Análise Prof. Gabriel Pires eorema da Mudança de Coordenadas 1 Mudança de Coordenadas Definição 1 eja n um aberto. Diz-se que uma

Leia mais

Geometria Analítica e Vetorial - Daniel Miranda, Rafael Grisi, Sinuê Lodovici

Geometria Analítica e Vetorial - Daniel Miranda, Rafael Grisi, Sinuê Lodovici 8 C U RVA S 8.1 parametrização de curvas No Capítulo 3 estudamos as equações de uma reta no espaço e vimos que tal entidade geométrica pode ser representada pelas equações paramétricas: x r : z = a+v 1

Leia mais

II Cálculo Integral em R n

II Cálculo Integral em R n Análise Matemática II Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de omputadores Ano Lectivo 2/22 2 o emestre Exercícios propostos para as aulas práticas II álculo Integral em R n Departamento de

Leia mais

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU FUNÇÃO IDENTIDADE... FUNÇÃO LINEAR... FUNÇÃO AFIM... GRÁFICO DA FUNÇÃO DO º GRAU... IMAGEM... COEFICIENTES DA FUNÇÃO AFIM... ZERO DA FUNÇÃO AFIM... 8 FUNÇÕES CRESCENTES OU DECRESCENTES... 9 SINAL DE UMA

Leia mais

A abordagem do assunto será feita inicialmente explorando uma curva bastante conhecida: a circunferência. Escolheremos como y

A abordagem do assunto será feita inicialmente explorando uma curva bastante conhecida: a circunferência. Escolheremos como y 5 Taxa de Variação Neste capítulo faremos uso da derivada para resolver certos tipos de problemas relacionados com algumas aplicações físicas e geométricas. Nessas aplicações nem sempre as funções envolvidas

Leia mais

Matemática A. Teste Intermédio Matemática A. Versão 1. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 24.01.2008. 11.º Ano de Escolaridade

Matemática A. Teste Intermédio Matemática A. Versão 1. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 24.01.2008. 11.º Ano de Escolaridade Teste Intermédio Matemática A Versão 1 Teste Intermédio Matemática A Versão 1 Duração do Teste: 90 minutos 24.01.2008 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Na sua folha de respostas,

Leia mais

PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO

PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO (Tóp. Teto Complementar) PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO 1 PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO Este teto estuda um grupo de problemas, conhecido como problemas de otimização, em tais problemas, quando possuem soluções, é

Leia mais

4.1A Esboce o grá co de cada curva dada abaixo, indicando a orientação positiva. cos (1=t), para 0 < t 1 e y 0 (0) = 0. Sendo esta derivada

4.1A Esboce o grá co de cada curva dada abaixo, indicando a orientação positiva. cos (1=t), para 0 < t 1 e y 0 (0) = 0. Sendo esta derivada 4.1 Curvas Regulares 4.1A Esboce o grá co de cada curva dada abaixo, indicando a orientação positiva. (a) ~r (t) = t~i + (1 t)~j; 0 t 1 (b) ~r (t) = 2t~i + t 2 ~j; 1 t 0 (c) ~r (t) = (1=t)~i + t~j; 1 t

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M20 Geometria Analítica: Circunferência

Matemática. Resolução das atividades complementares. M20 Geometria Analítica: Circunferência Resolução das atividades complementares Matemática M Geometria Analítica: ircunferência p. (Uneb-A) A condição para que a equação 6 m 9 represente uma circunferência é: a), m, ou, m, c) < m < e), m, ou,

Leia mais

APOSTILA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II

APOSTILA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II APOSTILA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II z t t C C α y β y Colaboradores para elaboração da apostila: Elisandra Bär de Figueiredo, Enori Carelli, Ivanete Zuchi Siple, Marnei Luis Mandler, Rogério

Leia mais

(Exames Nacionais 2000)

(Exames Nacionais 2000) (Eames Nacionais 000) 1.a) Seja [ABC] um triângulo O ângulo, assinalado na figura, tem o seu vértice no centro isósceles em que BA = BC. Seja α da Terra; o seu lado origem passa no perigeu, o seu lado

Leia mais

3.3 Espaço Tridimensional - R 3 - versão α 1 1

3.3 Espaço Tridimensional - R 3 - versão α 1 1 1 3.3 Espaço Tridimensional - R 3 - versão α 1 1 3.3.1 Sistema de Coordenadas Tridimensionais Como vimos no caso do R, para localizar um ponto no plano precisamos de duas informações e assim um ponto P

Leia mais

Mudança de Coordenadas

Mudança de Coordenadas Mudança de Coordenadas Reginaldo J. Santos Departamento de Matemática-ICE Universidade Federal de Minas Gerais http://www.mat.ufmg.br/~regi regi@mat.ufmg.br 13 de deembro de 2001 1 Rotação e Translação

Leia mais

1.5 O oscilador harmónico unidimensional

1.5 O oscilador harmónico unidimensional 1.5 O oscilador harmónico unidimensional A energia potencial do oscilador harmónico é da forma U = 2 2, (1.29) onde é a constante de elasticidade e a deformação da mola. Substituindo (1.29) em (1.24) obtemos

Leia mais

Prova Escrita de MATEMÁTICA

Prova Escrita de MATEMÁTICA Prova Escrita de MATEMÁTICA Identi que claramente os grupos e as questões a que responde. As funções trigonométricas estão escritas no idioma anglo saxónico. Utilize apenas caneta ou esferográ ca de tinta

Leia mais

I N T E G R A L. Prof. ADRIANO CATTAI. Apostila 03: Funções de Várias Variáveis (Atualizada em 13 de novembro de 2013)

I N T E G R A L. Prof. ADRIANO CATTAI. Apostila 03: Funções de Várias Variáveis (Atualizada em 13 de novembro de 2013) I N T E G R A L ac C Á L C U L O Prof. ADRIANO CATTAI 03 Apostila 03: Funções de Várias Variáveis (Atualizada em 13 de novembro de 2013) NOME: DATA: / / Não há ciência que fale das harmonias da natureza

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Escola de Engenharia Industrial Metalúrgica de Volta Redonda PROVAS RESOLVIDAS DE CÁLCULO VETORIAL Professora Salete Souza de Oliveira Aluna Thais Silva de Araujo P1 Turma

Leia mais

MATEMÁTICA I AULA 07: TESTES PARA EXTREMOS LOCAIS, CONVEXIDADE, CONCAVIDADE E GRÁFICO TÓPICO 02: CONVEXIDADE, CONCAVIDADE E GRÁFICO Este tópico tem o objetivo de mostrar como a derivada pode ser usada

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina0.com.br Funções Reais CÁLCULO VOLUME ZERO - Neste capítulo, estudaremos as protagonistas do longa metragem

Leia mais

Vestibular 2ª Fase Resolução das Questões Discursivas

Vestibular 2ª Fase Resolução das Questões Discursivas COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 010 Prova de Matemática Vestibular ª Fase Resolução das Questões Discursivas São apresentadas abaixo possíveis

Leia mais

MATEMÁTICA A VERSÃO 1

MATEMÁTICA A VERSÃO 1 gabinete de avaliação educacional T E S T E I N T E R M É D I O 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) Duração da Prova: 90 minutos 10/Maio/2007 MATEMÁTICA A VERSÃO 1 Na sua

Leia mais

PARTE 3. 3.1 Funções Reais de Várias Variáveis Reais

PARTE 3. 3.1 Funções Reais de Várias Variáveis Reais PARTE 3 FUNÇÕES REAIS DE VÁRIAS VARIÁVEIS REAIS 3. Funções Reais de Várias Variáveis Reais Vamos agora tratar do segundo caso particular de funções vetoriais de várias variáveis reais, F : Dom(F) R n R

Leia mais

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas Resolução dos Eercícios sobre Derivadas Eercício Utilizando a idéia do eemplo anterior, encontre a reta tangente à curva nos pontos onde e Vamos determinar a reta tangente à curva nos pontos de abscissas

Leia mais

C Curso destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET www.concursosecursos.com.br RACIOCÍNIO LÓGICO AULA 9

C Curso destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET www.concursosecursos.com.br RACIOCÍNIO LÓGICO AULA 9 RACIOCÍNIO LÓGICO AULA 9 TRIGONOMETRIA TRIÂNGULO RETÂNGULO Considere um triângulo ABC, retângulo em  ( = 90 ), onde a é a medida da hipotenusa, b e c, são as medidas dos catetos e a, β são os ângulos

Leia mais

II BIENAL DA SBM 06 A 11 DE NOVEMBRO DE 2006. Equações Paramétricas E... x y. Animação ADELMO RIBEIRO DE JESUS UCSAL/FJA - SALVADOR BAHIA

II BIENAL DA SBM 06 A 11 DE NOVEMBRO DE 2006. Equações Paramétricas E... x y. Animação ADELMO RIBEIRO DE JESUS UCSAL/FJA - SALVADOR BAHIA II BIENAL DA SBM 06 A DE NOVEMBRO DE 006 Equações Paramétricas E... Animação ADELMO RIBEIRO DE JESUS UCSAL/FJA - SALVADOR BAHIA INTRODUÇÃO Neste trabalho analisaremos as várias formas de apresentação das

Leia mais

FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES

FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES Í N D I C E Funções Definição... Gráficos (Resumo): Domínio e Imagem... 5 Tipos de Funções... 7 Função Linear... 8 Função Linear Afim... 9 Coeficiente Angular e Linear... Função

Leia mais

Teorema de Green no Plano

Teorema de Green no Plano Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise Prof. Gabriel Pires Teorema de Green no Plano O teorema de Green permite relacionar o integral de linha ao longo de uma

Leia mais

Exercícios de Matemática Geometria Analítica Cônicas

Exercícios de Matemática Geometria Analítica Cônicas Eercícios de Matemática Geometria Analítica Cônicas ) (ITA-004) Considere todos os números z = + i que têm módulo e estão na elipse + 4 = 4. Então, o produto deles é igual a 9 49 8 4 ) (VUNESP-00) A figura

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS DE CAMPOS CONSERVATIVOS NO PLANO E NO ESPAÇO. CURVAS PARAMETRIZADAS, INTEGRAIS DE LINHA (COM RESPEITO A COMPRIMENTO DE ARCO).

LISTA DE EXERCÍCIOS DE CAMPOS CONSERVATIVOS NO PLANO E NO ESPAÇO. CURVAS PARAMETRIZADAS, INTEGRAIS DE LINHA (COM RESPEITO A COMPRIMENTO DE ARCO). LISTA DE EXERCÍCIOS DE CAMPOS CONSERVATIVOS NO PLANO E NO ESPAÇO. CURVAS PARAMETRIZADAS, INTEGRAIS DE LINHA (COM RESPEITO A COMPRIMENTO DE ARCO. PROFESSOR: RICARDO SÁ EARP OBS: Faça os exercícios sobre

Leia mais

Considere um triângulo eqüilátero T 1

Considere um triângulo eqüilátero T 1 Considere um triângulo eqüilátero T de área 6 cm. Unindo-se os pontos médios dos lados desse triângulo, obtém-se um segundo triângulo eqüilátero T, que tem os pontos médios dos lados de T como vértices.

Leia mais

Raio é o segmento de recta que une um ponto da circunferência com o seu centro.

Raio é o segmento de recta que une um ponto da circunferência com o seu centro. Catarina Ribeiro 1 Vamos Recordar: Circunferência de centro C e raio r é o lugar geométrico de todos os pontos do plano que estão à mesma distância r de um ponto fixo C. Círculo de centro C e raio r é

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Exatas Departamento de Matematica Prof. Juan Carlos Vila Bravo Curitiba, 1 de Dezembro de 005 1. A posição de uma particula é dada por: r(t) = (sen t)i+(cost)j

Leia mais

NOTAS DE AULA. Cláudio Martins Mendes

NOTAS DE AULA. Cláudio Martins Mendes NOTAS DE AULA FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS - DIFERENCIAÇÃO Cláudio Martins Mendes Segundo Semestre de 2005 Sumário 1 Funções de Várias Variáveis - Diferenciabilidade 2 1.1 Noções Topológicas no R n.............................

Leia mais

Lista 1. Sistema cartesiano ortogonal. 1. Observe a figura e determine os pontos, ou seja, dê suas coordenadas: a) A b) B c) C d) D e) E

Lista 1. Sistema cartesiano ortogonal. 1. Observe a figura e determine os pontos, ou seja, dê suas coordenadas: a) A b) B c) C d) D e) E Sistema cartesiano ortogonal Lista. Observe a figura e determine os pontos, ou seja, dê suas coordenadas: a) A b) B c) C d) D e) E. Marque num sistema de coordenadas cartesianas ortogonais os pontos: a)

Leia mais

FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. 1. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de x = 0. Então:

FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. 1. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de x = 0. Então: FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de = 0. Então: (A) f tem necessariamente derivada finita em = 0; (B) f não tem com certeza derivada finita

Leia mais

Produtos. 4.1 Produtos escalares

Produtos. 4.1 Produtos escalares Capítulo 4 Produtos 4.1 Produtos escalares Neste tópico iremos estudar um novo tipo de operação entre vetores do plano e do espaço. Vamos fazer inicialmente uma consideração geométrica, como segue. Seja

Leia mais

gradiente, divergência e rotacional (revisitados)

gradiente, divergência e rotacional (revisitados) gradiente, divergência e rotacional (revisitados) Prof Carlos R Paiva Prof Carlos R Paiva NOTA PRÉVIA Os apontamentos que se seguem não são um teto matemático: não se procura, aqui, o rigor de uma formulação

Leia mais

2. Cinemática vetorial

2. Cinemática vetorial 2. Cinemática vetorial Quando um objeto se desloca no espaço sem seguir uma trajetória determinada, a sua posição já não pode ser definida com uma única variável como nos exemplos estudados no capítulo

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Apontamentos: Curso de Conhecimentos Básicos de Matemática Cursos do Departamento de Gestão Maria Cristina

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2008/1

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2008/1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 008/ . CONCEITO DE FUNÇÃO As funções são as melhores ferramentas para descrever

Leia mais

1.1 Domínios e Regiões

1.1 Domínios e Regiões 1.1 Domínios e Regiões 1.1A Esboce o conjunto R do plano R 2 dada abaixo e determine sua fronteira. Classi que R em: aberto, fechado, itado, compacto, ou conexo. (a) R = (x; y) 2 R 2 ; jxj 1; 0 y (b) R

Leia mais

Teorema da Mudança de Variáveis

Teorema da Mudança de Variáveis Instituto Superior écnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise Prof. Gabriel Pires eorema da Mudança de Variáveis 1 Mudança de Variáveis Definição 1 Seja R n um aberto. Di-se que uma

Leia mais

AV1 - MA 13-2011 UMA SOLUÇÃO. b x

AV1 - MA 13-2011 UMA SOLUÇÃO. b x Questão 1. figura abaixo mostra uma sequência de circunferências de centros 1,,..., n com raios r 1, r,..., r n, respectivamente, todas tangentes às retas s e t, e cada circunferência, a partir da segunda,

Leia mais

2. Função polinomial do 2 o grau

2. Função polinomial do 2 o grau 2. Função polinomial do 2 o grau Uma função f: IR IR que associa a cada IR o número y=f()=a 2 +b+c com a,b,c IR e a0 é denominada função polinomial do 2 o grau ou função quadrática. Forma fatorada: a(-r

Leia mais

CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS

CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS 15 CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS Um dos problemas que ocorrem mais frequentemente em trabalhos científicos é calcular as raízes de equações da forma: f() = 0. A função f() pode ser um polinômio em

Leia mais

Apostila de Cálculo Vetorial

Apostila de Cálculo Vetorial PET-EM Apostila de álculo Vetorial Iury de Araujo umário 1 Unidade I 5 1.1 Operações Vetoriais........................ 5 1.1.1 Adição e subtração.................... 5 1.1.2 Multiplicações Vetoriais.................

Leia mais

Nível B3 SISTEMAS DE EQUAÇÕES

Nível B3 SISTEMAS DE EQUAÇÕES Nível B SISTEMAS DE EQUAÇÕES Equações do º grau com duas incógnitas Equação do º grau com duas incógnitas é uma equação onde figuram eactamente duas letras com epoente, por eemplo: -. Uma solução de uma

Leia mais

Tópicos de Física Moderna ano 2005/2006

Tópicos de Física Moderna ano 2005/2006 Trabalho Prático Nº 3 ESTUDO DA DIFRAÇÃO Tópicos de Física Moderna ano 005/006 Objectivos: Familiarização com os fenómenos de interferência e difracção da luz, com utilização de uma rede de difracção para

Leia mais

Matemática. Subtraindo a primeira equação da terceira obtemos x = 1. Substituindo x = 1 na primeira e na segunda equação obtém-se o sistema

Matemática. Subtraindo a primeira equação da terceira obtemos x = 1. Substituindo x = 1 na primeira e na segunda equação obtém-se o sistema Matemática 01. A ilustração a seguir é de um cubo com aresta medindo 6 cm. A, B, C e D são os vértices indicados do cubo, E é o centro da face contendo C e D, e F é o pé da perpendicular a BD traçada a

Leia mais

2 Descrição do movimento de um ponto material no espaço e no tempo

2 Descrição do movimento de um ponto material no espaço e no tempo 2 Descrição do movimento de um ponto material no espaço e no tempo 2.1. Num instante t i um corpo parte de um ponto x i num movimento de translação a uma dimensão, com módulo da velocidade v i e aceleração

Leia mais

APLICAÇÕES DA DERIVADA

APLICAÇÕES DA DERIVADA Notas de Aula: Aplicações das Derivadas APLICAÇÕES DA DERIVADA Vimos, na seção anterior, que a derivada de uma função pode ser interpretada como o coeficiente angular da reta tangente ao seu gráfico. Nesta,

Leia mais

Teste Intermédio Matemática. 9.º Ano de Escolaridade. Versão 1. Duração do Teste: 30 min (Caderno 1) + 60 min (Caderno 2) 21.03.

Teste Intermédio Matemática. 9.º Ano de Escolaridade. Versão 1. Duração do Teste: 30 min (Caderno 1) + 60 min (Caderno 2) 21.03. Teste Intermédio Matemática Versão 1 Duração do Teste: 30 min (Caderno 1) + 60 min (Caderno 2) 21.03.2014 9.º Ano de Escolaridade Indica de forma legível a versão do teste. O teste é constituído por dois

Leia mais

Integrais Duplas e Coordenadas Polares. 3.1 Coordenadas Polares: Revisão

Integrais Duplas e Coordenadas Polares. 3.1 Coordenadas Polares: Revisão Cálculo III Departamento de Matemática - ICEx - UFMG Marcelo Terra Cunha Integrais Duplas e Coordenadas Polares Nas primeiras aulas discutimos integrais duplas em algumas regiões bem adaptadas às coordenadas

Leia mais

Cálculo diferencial em IR n

Cálculo diferencial em IR n Cálculo diferencial em IR n (Eercícios) DMAT Abril 2003 1 Eercícios propostos 1.1 Funções de IR n em IR m Eercício 1 Determine os domínios das funções seguintes e represente-os graficamente. 2 + 2 9 ;

Leia mais

4. Curvas planas. T = κn, N = κt, B = 0.

4. Curvas planas. T = κn, N = κt, B = 0. 4. CURVAS PLANAS 35 4. Curvas planas Nesta secção veremos que no caso planar é possível refinar a definição de curvatura, de modo a dar-lhe uma interpretação geométrica interessante. Provaremos ainda o

Leia mais

Geometria Analítica. Katia Frensel - Jorge Delgado. NEAD - Núcleo de Educação a Distância. Curso de Licenciatura em Matemática UFMA

Geometria Analítica. Katia Frensel - Jorge Delgado. NEAD - Núcleo de Educação a Distância. Curso de Licenciatura em Matemática UFMA Geometria Analítica NEAD - Núcleo de Educação a Distância Curso de Licenciatura em Matemática UFMA Katia Frensel - Jorge Delgado Março, 011 ii Geometria Analítica Conteúdo Prefácio ix 1 Coordenadas na

Leia mais

I. Cálculo Diferencial em R n

I. Cálculo Diferencial em R n Análise Matemática II Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Ano Lectivo 2010/2011 2 o Semestre Exercícios propostos para as aulas práticas I. Cálculo Diferencial em R n Departamento

Leia mais

Lista 4. 2 de junho de 2014

Lista 4. 2 de junho de 2014 Lista 4 2 de junho de 24 Seção 5.. (a) Estime a área do gráfico de f(x) = cos x de x = até x = π/2 usando quatro retângulos aproximantes e extremidades direitas. Esboce os gráficos e os retângulos. Sua

Leia mais

Lista de Exercícios sobre trabalho, teorema de Green, parametrizações de superfícies, integral de superfícies : MAT 1153-2006.1

Lista de Exercícios sobre trabalho, teorema de Green, parametrizações de superfícies, integral de superfícies : MAT 1153-2006.1 Lista de Exercícios sobre trabalho, teorema de Green, parametrizações de superfícies, integral de superfícies : MAT 1153-2006.1 1. Fazer exercícios 1, 4, 5, 7, 8, 9 da seção 8.4.4 pgs 186, 187 do livro

Leia mais

Só Matemática O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br FUNÇÕES

Só Matemática O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br FUNÇÕES FUNÇÕES O conceito de função é um dos mais importantes em toda a matemática. O conceito básico de função é o seguinte: toda vez que temos dois conjuntos e algum tipo de associação entre eles, que faça

Leia mais

(Testes intermédios e exames 2010/2011)

(Testes intermédios e exames 2010/2011) (Testes intermédios e eames 00/0) 57. Na Figura, está parte da representação gráfica da função f, de domínio +, definida por f() = log 9 () Em qual das opções seguintes está definida uma função g, de domínio,

Leia mais

MA211 - Lista 09. Coordenadas Esféricas e Mudança de Variáveis 7 de outubro de 2015

MA211 - Lista 09. Coordenadas Esféricas e Mudança de Variáveis 7 de outubro de 2015 MA2 - Lista 9 Coordenadas sféricas e Mudança de Variáveis 7 de outubro de 25. Marque o ponto cujas coordenadas esféricas é (,, ) e encontre as coordenadas retangulares do ponto. 2. Mude o ponto (, 3, 2

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 12.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 635/11 Págs. Duração da prova: 150

Leia mais

1 C. Logo, A B = {c} e P(A B) = {Ø, {c}}

1 C. Logo, A B = {c} e P(A B) = {Ø, {c}} MATEMÁTICA NOTAÇÕES = {,,,,...} : conjunto dos números reais : conjunto dos números compleos [a, b] = { ; a b} (a, + ) = ]a, + [ = { ; a < < + } A\B = { A; B} A C : complementar do conjunto A i: unidade

Leia mais

Resolução da Prova da Escola Naval 2009. Matemática Prova Azul

Resolução da Prova da Escola Naval 2009. Matemática Prova Azul Resolução da Prova da Escola Naval 29. Matemática Prova Azul GABARITO D A 2 E 2 E B C 4 D 4 C 5 D 5 A 6 E 6 C 7 B 7 B 8 D 8 E 9 A 9 A C 2 B. Os 6 melhores alunos do Colégio Naval submeteram-se a uma prova

Leia mais

Apostila de Matemática Aplicada. Volume 1 Edição 2004. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Matemática Aplicada. Volume 1 Edição 2004. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostila de Matemática Aplicada Volume Edição 00 Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Capítulo - Revisão Neste capítulo será feita uma revisão através da resolução de alguns eercícios, dos principais tópicos já

Leia mais

Conceitos Básicos Mariana Dias Júlia Justino Novembro 2010

Conceitos Básicos Mariana Dias Júlia Justino Novembro 2010 Conceitos Básicos Mariana Dias Júlia Justino Novembro Conteúdo Cálculo Algébrico. Conjuntos de Números..... Conjuntodosnúmerosnaturais..... Conjuntodosnúmerosinteiros..... Conjuntodosnúmerosracionaisoufraccionários.....

Leia mais

Exercícios resolvidos P2

Exercícios resolvidos P2 Exercícios resolvidos P Questão 1 Dena as funções seno hiperbólico e cosseno hiperbólico, respectivamente, por sinh(t) = et e t e cosh(t) = et + e t. (1) 1. Verique que estas funções satisfazem a seguinte

Leia mais

Professor Bruno Alves

Professor Bruno Alves Professor Bruno Alves Engenharia maecânica Engenharia de produção Engenharia de controle e automação Poços de Caldas Segundo semestre de 1 Notas de aula da disciplina Cálculo III ministrada no segundo

Leia mais

Soluções das Questões de Matemática do Processo Seletivo de Admissão ao Colégio Naval PSACN

Soluções das Questões de Matemática do Processo Seletivo de Admissão ao Colégio Naval PSACN Soluções das Questões de Matemática do Processo Seletivo de Admissão ao Colégio Naval PSACN Questão Concurso 00 Seja ABC um triângulo com lados AB 5, AC e BC 8. Seja P um ponto sobre o lado AC, tal que

Leia mais

Matemática A. Versão 2. Na sua folha de respostas, indique de forma legível a versão do teste. Teste Intermédio de Matemática A.

Matemática A. Versão 2. Na sua folha de respostas, indique de forma legível a versão do teste. Teste Intermédio de Matemática A. Teste Intermédio de Matemática A Versão 2 Teste Intermédio Matemática A Versão 2 Duração do Teste: 90 minutos 24.05.2013 12.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março????????????? Na

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2013 DA UNICAMP-FASE 2. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2013 DA UNICAMP-FASE 2. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA RESOLUÇÃO D PROV DE MTEMÁTIC DO VESTIBULR 0 D UNICMP-FSE. PROF. MRI NTÔNI C. GOUVEI. Em de outubro de 0, Feli Baumgartner uebrou o recorde de velocidade em ueda livre. O salto foi monitorado oficialmente

Leia mais

Matemática 2. 01. A estrutura abaixo é de uma casa de brinquedo e consiste de um. 02. Abaixo temos uma ilustração da Victoria Falls Bridge.

Matemática 2. 01. A estrutura abaixo é de uma casa de brinquedo e consiste de um. 02. Abaixo temos uma ilustração da Victoria Falls Bridge. Matemática 2 01. A estrutura abaixo é de uma casa de brinquedo e consiste de um paralelepípedo retângulo acoplado a um prisma triangular. 1,6m 1m 1,4m Calcule o volume da estrutura, em dm 3, e indique

Leia mais

FICHA DE TRABALHO 6 - RESOLUÇÃO

FICHA DE TRABALHO 6 - RESOLUÇÃO ecção de Álgebra e Análise, Departamento de Matemática, Instituto uperior Técnico Análise Matemática III A - 1 o semestre de 23/4 FIHA DE TRABALHO 6 - REOLUÇÃO 1) Indique se as formas diferenciais seguintes

Leia mais

1 Transformada de Laplace

1 Transformada de Laplace Dep. de Matemática da F..T.U.. - Análise Matemática IV - 5/6. Transformada de Laplace. Usando a definição de Transformada de Lapace, mostre que a) L{} = s, s>; b) L{e kt } = s k, s>k; c) L{t n } = n!,

Leia mais

Funções. Funções. Você, ao longo do curso, quando apresentado às disciplinas de Economia, terá oportunidade de fazer aplicações nos cálculos

Funções. Funções. Você, ao longo do curso, quando apresentado às disciplinas de Economia, terá oportunidade de fazer aplicações nos cálculos Funções Funções Um dos conceitos mais importantes da matemática é o conceito de função. Em muitas situações práticas, o valor de uma quantidade pode depender do valor de uma segunda. A procura de carne

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na fgv

CPV O cursinho que mais aprova na fgv O cursinho que mais aprova na fgv FGV economia a Fase 0/novembro/008 MTEMÁTI 0. umentando a base de um triângulo em 0% e reduzindo a altura relativa a essa base em 0%, a área do triângulo aumenta em %.

Leia mais

Complementos de Análise Matemática

Complementos de Análise Matemática Instituto Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia Departamento: Matemática Ficha prática n o 1 - Cálculo Diferencial em IR n 1. Para cada um dos seguintes subconjuntos de IR, IR 2 e IR 3, determine

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO B 2005/2

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO B 2005/2 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO B 00/ SUMÁRIO. LIMITES E CONTINUIDADE..... NOÇÃO INTUITIVA DE LIMITE..... FUNÇÃO CONTÍNUA NUM

Leia mais

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA UNIDADE MARICÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MATEMÁTICA 2 PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA UNIDADE MARICÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MATEMÁTICA 2 PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA UNIDADE MARICÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS 1 MATEMÁTICA PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ ESTUDO DAS DERIVADAS (CONCEITO E APLICAÇÕES) No presente capítulo, estudaremos as

Leia mais

Cálculo 3A Lista 12. Solução: O esboço do sólido W está representado na figura que se segue. Vemos que W = S 1 S 2, orientada positivamente.

Cálculo 3A Lista 12. Solução: O esboço do sólido W está representado na figura que se segue. Vemos que W = S 1 S 2, orientada positivamente. Universidade Federal Fluminense Instituto de Matemática e Estatística epartamento de Matemática Aplicada Cálculo 3A Lista Eercício : Verifique o teorema de Gauss para o campo vetorial F,,),,) no sólido

Leia mais