DOMÍNIOS HIDROGEOLÓGICOS NO MEIO FISSURAL DO LESTE DA ZONA DA MATA-MG E EXTREMO NOROESTE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DOMÍNIOS HIDROGEOLÓGICOS NO MEIO FISSURAL DO LESTE DA ZONA DA MATA-MG E EXTREMO NOROESTE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO"

Transcrição

1 Rev. Águas Subterrâneas n 17/ Mai 3. DOMÍNIOS HIDROGEOLÓGICOS NO MEIO FISSURAL DO LESTE DA ZONA DA MATA-MG E EXTREMO NOROESTE DO ESTADO DO DE JANEIRO Jsé August Csta Gnçalves 1 Paul Cyr Baptista Scudin 2 Frederic Garcia Sbreira 3 RESUMO Esse trabalh mstra a pesquisa hidrgelógica desenvlvida em terren cristalin cm mant de intemperism, cm bjetiv de caracterizar s aqüífers, usand cm ferramenta um cadastr de 6 pçs e suas respectivas análises físic-químicas. A grande variaçã litlógica e um hetergêne grau de fraturament, aliads a relativamente espess mant de intemperism, cm cerca de 25 metrs em média de espessura, caracterizam s aqüífers da área. Esses aqüífers, analisads quant a cndicinament estrutural, à vazã específica, à cndutividade elétrica, mstraram-se diferenciads, resultand de frma preliminar, na subdivisã ds mesms em Dmínis Hidrgelógics A e B. Para ambs s Dmínis, verificaram-se valres médis de vazã específica de,1234 L/s/m e,2331 L/s/m; para a cndutividade elétrica s valres médis fram de 132,42 µs/cm e 276,42 µs/cm, respectivamente. Traçs estruturais espaçads e difuss sã característics d Dmíni Hidrgelógic A, enquant uma densa linearidade de traçs estrutural marca Dmíni Hidrgelógic B. ABSTRACT This paper has shwn the hydrgelgical research develped in crystalline terrain with mantle f weathering in rder t characterise the aquifers, estimate the vlumes f the grund waters as als t classify them chemically, using like a tl ne survey map f wells and their respective physic-chemical analyses. A large lithlgical variatin and a hetergeneus grade f faulting, cnnected t the relatively dense mantle f weathering which measures abut 25m in average f thickness, have characterised the aquifers frm the site. These aquifers have been analysed cnsidering the structural cnditining, specifical discharge, electrical cnductivity, and s they had shwn themselves differentiated, which resulted in the subdivisins frm bth nes int Hydrgelgical Dmains A and B. T bth, average values t specifical discharge had been verified:.1234 L/s/m, and.2331 L/s/m; tward the electrical cnductivity, these values were µs/cm and µs/cm, respectively. Structural and diffuse traces have been characterised in the Hydrgelgical Dmain A while a dense linearity f structural traces has marked the Hydrgelgical Dmain B. Palavras-chaves Água Subterrânea, Mei Fissural, Aqüífer. 1 Dutrand pel Departament de Gelgia-Universidade Federal de Our Pret-Mrr d Cruzeir-CEP: Our Pret/MG Tel /Fax Departament de Gelgia-Universidade Federal de Our Pret-Mrr d Cruzeir-CEP: Our Pret/MG Tel /Fax Departament de Gelgia-Universidade Federal de Our Pret-Mrr d Cruzeir-CEP: Our Pret/MG Tel /Fax

2 Rev. Águas Subterrâneas n 17/ Mai 3. 1 Lcalizaçã da área de estud A área de estud (Figura 1), lcaliza-se na Zna da Mata d Estad de Minas Gerais, abrangend uma pequena faixa territrial d Nreste d Estad d Ri de Janeir, entre s paralels 21 e de latitude sul e s meridians 42 5 a 43 3 de lngitude este de Greenwich, perfazend uma superfície na rdem de 6 Km 2. Essa área tem cbertura cartgráfica na flha Juiz de Fra (SF-23-X-D), na escala de 1: ' 66 E 43 3' 43 15' ' ' ' ' 8 21 ' ALTO DOCE DA KSn 36 UBÁ MURIAÉ ' SERRA POMBA O Km 764 CATAGUASES 764 N 66 E ' 7 43 ' ' Depósits Aluvinares 2 - KSn Crps Intrusivs Alcalins 3 - Crps Intrusivs Granític 4 - Cmplex Paraíba d Sul(Migmatits Indiscriminads, Bitita xists, Bitita gnaisses bandeads prfirclástics/prfirblástics, Pegmatits, e Quartzits) 5 - Cmplex Barbacena(Bitita-gnaisses, Crps metabasítics, Rchas ultrabásicas, Micaxists feldspátics/granatífers e quartzits) 6 - Cmplex Juiz de Fra(Granulits, Charnckits, Gnaisses, Milnits) MINAS GERAIS 7 - Granulits Itaperuna 8 - Cntat definid 9-7 Fliaçã DE JANEIRO 1 - Cidades Figura 1 - Mapa de Lcalizaçã da Área e Mapa Gelógic mdificad da CPRM(1984) ( Carta Gelógica - Juiz de Fra - SF-23-X-D / 1:25 ). 2 Sistemas Aqüífers: Identificaçã e características litlógicas A regiã está inserida hidrgelgicamente n Mapa de Prvíncias Hidrgelógicas d Brasil (Pessa et al, 198) na Sub-prvíncia Escud Oriental 6-b. A se cnsiderar ambiente gelógic da área de estud, identificam-se duas categrias de sistemas aqüífers: um mei granular, caracterizad pr depósits aluvinares, e um mei fissural, representad pr rchas cristalinas de diversas unidades litlógicas. Em relaçã a aqüífer fissural adtu-se duas entidades espaciais de agrupament, caracterizadas pr um u mais tips predminantes e bem definids de rcha reservatóri, ambas assciadas a uma unidade gelógica reginal específica. Pr nã se terem pçs cadastrads n mei granular, a sua identificaçã e descriçã serã restritas a âmbit gelógic. As relações entre s sistemas aqüífers e as unidades gelógicas assciadas, cm s tips de rchas dminantes, cnstam na Tabela 1. 32

3 Rev. Águas Subterrâneas n 17/ Mai 3. Tabela 1 Sistemas Aqüífers da área de estud. Sistemas Aqüífers Litlgia Predminante e Unidades Gelógicas Mei Granular Aluvial Areias de depósits aluviais Quaternári Cberturas Detríticas e Mant de Alteraçã Areias, Siltes e Argilas Terciár-Quaternári Rchas da Assciaçã Xists-Gnaisses- Migmatits (Rchas metamórficas rientadas) Dmíni Hidrgelógic A Rchas da Assciaçã Charnckit- Granulit-Gnaisses-Granits. (Rchas metamórficas nã rientadas) Dmíni Hidrgelógic B Mei Fissural Bitita-Xists, Bitita Gnaisses, Micaxists, Migmatits Indiscriminads d Cmplex Paraíba d Sul () e Micaxists, Bitita Gnaisses d Cmplex Barbacena () Charnckits, Granulits, Milnits d Cmplex Juiz de Fra (), Granulits Itaperuna() e Intrusões Graníticas (pcgr) 3 Sistemas Aqüífers: Descrições e Caracterizações Na área estudada, predminantemente cnstituída de rchas cristalinas de baixa permeabilidade primária, existem dis aqüífers de cmprtaments bastante distints: um mais superficial, frmad na mairia das vezes pel reglit intemperizad e/u depósits quaternáris de cmprtament de mei granular e um mais prfund, frmad pr fraturas de rcha sã. O primeir é reginal e extens, dand cntrns à superfície d relev. O segund, subjacente, em geral, apresenta mair cndutividade hidráulica e pde atingir grandes prfundidades Mei Granular Aqüífers em sediments aluviais Esses depósits, que pdem atingir até 15 metrs de espessura, sã encntrads a lng da rede de drenagem, ns canais fluviais, nas planícies de inundaçã e ns terraçs de acrd cm Brandalise (1976). Cntud, pr limitações de escala, apenas manchas de mair expressã fram representadas Aqüífers em Cberturas Detríticas e Mants de Alteraçã Esse sistema cnstitui s aqüífers superficiais assciads a mant de alteraçã das rchas (saprólits, elúvis e clúvis) e as depósits detrítics de cbertura d Terciári-Quaternári. Os mants de alteraçã das rchas nã estã representads n mapa de sistemas aqüífers pr limitaçã de escala d mapeament, entretant, crrem de md generalizad se cnstituind numa imprtante fnte de recarga das rchas fraturadas subjacentes, pis atua cm um mei de captaçã da água precipitada em tda a superfície permeável (u semipermeável), diminuind a perda pr escament e minimizand prcess de evapraçã. Sua mineralgia e espessura sã muit variáveis e guardam íntima relaçã cm a litlgia de rigem e as cndições climáticas atuantes Mei Fissural Para mei fissural, as infrmações reunidas e tratadas reginalmente vieram indicar que s fatres mais determinantes e que influenciam quantitativa e qualitativamente nas águas subterrâneas ds dmínis hidrgelógics sã cndicinament estrutural e litlógic derivads. A análise integrada destas infrmações sugerem em caráter preliminar, a cmpartimentaçã em dis dmínis hidrgelógics cm características diferenciadas (Gnçalves, 1). O mei aqüífer fissural é caracterizad pela ausência u presença muit reduzida de espaçs vazis na rcha. Nesse aqüífer, a água se encntra em espaçs representads pr fissuras u fraturas, juntas u ainda em falhas, crrend ainda em situações esprádicas, em vesículas. Segund Csta (1983), s principais fatres atuantes cnsiderads n estud de caracterizaçã d mei fissural e que cntrlam s mecanisms de infiltraçã, perclaçã, armazenament d água e qualidade sã: clima, relev, hidrgrafia, 33

4 Rev. Águas Subterrâneas n 17/ Mai 3. cberturas (sedimentares, detríticas, mant de alteraçã), cnstituiçã litlógica e estruturas. Send assim, para tda a área estudada, entende-se que, através de uma ótica reginalizada, cm exceçã ds cndicinantes estruturais assciads às litlgias, tds s utrs fatres atuaram de frma geralmente cnstante, influenciand de maneira hmgênea mei aqüífer fissural Dmínis Hidrgelógics d mei fissural Apesar de nã terem sid alvs e bjetivs principais desse trabalh, s lineaments estruturais da área de estud fram abrdads a partir da análise de estruturas em escala macrscópica, num cntext reginal, e através de trabalhs de detalhe nde s mesms sugerem a existência de duas znas de características distintas, denminadas de Dmínis Hidrgelógics A e B. Tais cnsiderações fram fundamentadas e verificadas utilizand-se cm parâmetr hidráulic a vazã específica (L/s/m) e cm parâmetr físicquímic a cndutividade elétrica (µs/cm). Para que essas cnsiderações tivessem cnsistência, certificu-se em camp de que tds s pçs cadastrads se encntram lcads em cndições similares para fins de uma análise detalhada. Assim independentemente d tip de rcha, na melhr situaçã mrflógica, u seja, em depressões geralmente de bacias hidrgráficas, send evitads s pçs lcalizads em tps de elevações, divisres hidrgráfics, flancs de clinas u vertentes ds vales Diferenciaçã quantitativa e qualitativa ds dmínis hidrgelógics Cnsiderand a vazã específica parâmetr que melhr reflete as características hidráulicas ds aqüífers, verifica-se para s 114 pçs cadastrads d Dmíni Hidrgelógic A um valr médi de,1234 L/s/m, enquant para s 92 pçs d Dmíni Hidrgelógic B, encntru-se um valr médi de,2331 L/s/m. Utilizand-se da relaçã entre a freqüência das vazões específicas cm númer de pçs crrespndentes para cada dmíni hidrgelógic, verifica-se que s aqüífers d Dmíni Hidrgelógic B apresentam as maires vazões específicas, cnfrme a Tabela 2. Tabela 2 Freqüência da Vazã Específica ds Pçs em relaçã as dmínis hidrgelógics. Freqüência (%) da Vazã Específica ds Pçs (L/s/m) (N Ttal de Pçs para cada interval de vazã específica estabelecid) <,5 (74 Pçs),5-,1 (4 Pçs),1-, (45 Pçs) >, (47 Pçs) Dmíni 54,5% 65% 57,77% 36,17% Hidrgelógic A Dmíni Hidrgelógic B 45,95% 35% 42,23% 63,83% Os resultads das análises cnsideradas em cnjunt mstram que 77% das águas amstradas apresentam cndutividade elétrica inferir a µs/cm, a pass que apenas 2,82% mstra valres superir a 5 µs/cm. O valr médi da cndutividade é de 189,22 µs/cm, tend um mínim de 58, µs/cm e um máxim de 175, µs/cm. Analisand s valres da cndutividade elétrica das águas distintamente para s dmínis hidrgelógics, certificu-se da diferenciaçã ds mesms de acrd cm a mair u menr quantidade de sais disslvids, cnfrme Tabela 3. 34

5 Rev. Águas Subterrâneas n 17/ Mai 3. Tabela 3 Freqüência da cndutividade elétrica das águas subterrâneas cm relaçã as dmínis hidrgelógics. Freqüência (%) da Cndutividade Elétrica (µs/cm) (N.º de Ttal de Análises para cada interval estabelecid) < 1 (13) 1 (42) > (16) Dmíni Hidrgelógic 84,62% 64,29% 31,25% A Dmíni Hidrgelógic B 15,38% 35,71% 68,75% Descriçã ds Dmínis Hidrgelógics Dmíni Hidrgelógic A Esse dmíni cupa tda a regiã centr cidental da área, representad gelgicamente pr rchas da Assciaçã Xists-Gnaisses-Migmatits ds Cmplexs Paraíba d Sul e Barbacena respectivamente (Tabela 1, Figura 1), de direçã NE-SW e pela Intrusã Alcalina de Ubari. Cbre assim, uma área de km 2, perfazend 65,66 % d ttal da regiã de estud. As rchas d Cmplex Barbacena, de idade arqueana, sã cnstituídas principalmente pr micaxists, anfiblits, anfibóli xists, gnaisses xistss, metaultrabásicas serpentinizadas e tremlitizadas, talc-tremlita-xists e tremlita xists; Cmplex Paraíba d Sul, de idade prterzóica, é cnstituíd principalmente pr migmatits indiscriminads, bitita-xists, bitita gnaisses bandeads prfirclástics/prfirblástics, pegmatits e quatzits; Cmplex Juiz de Fra é frmad pr charnquits, granulits, gnaisses e milnits; e pr últim, pela rcha intrusiva alcalina de Ubari. Os traçs estruturais se caracterizam pr serem espaçads e difuss, tend as principais direções de falhaments paralels à direçã geral de fliaçã NNE-SSW. Os aqüífers desse dmíni sã fraturads, lcais, descntínus, livres e semicnfinads, restrits a juntas e fraturas, recberts pela presença de cberturas indiferenciadas e aluviões, assciads a linhas de drenagem superficial, planícies de inundaçã e terraçs. As chuvas e elevad ptencial de armazenament, decrrentes ds relativamente espesss hrizntes das cberturas aluvinares e rchas intemperizadas, sã s principais cntribuintes para a recarga dessa unidade aqüífera, restituind também um significativ vlume de água as ris, através das inúmeras nascentes existentes pr tda área. Na Figura 2, um histgrama de freqüência mstra que, ds 114 pçs cadastrads nesse dmíni, analisads quant à espessura das cberturas de alteraçã e aluviões, apresentam um valr máxim de 6 metrs, um mínim de 4 metrs e médi de 25,26 metrs. Espessuras superires a metrs representam 65,78 % d ttal de pçs analisads, cmprvand uma significativa cndiçã para armazenament de água. Para uma análise das vazões específicas ds pçs desse dmíni hidrgelógic, histgrama (Figura 3), mstra que ds 114 pçs amstrads, 57,89% representam valres até,1 L/s/m, indicand também um valr médi de,1234 L/s/m, cm uma amplitude entre mínim de,48 L/s/m e máxim de,518 L/s/m. A distribuiçã das prfundidades ds 114 pçs cmputads (Figura 4), indica que 51,75% destes têm prfundidades entre 5 a 9 metrs. O valr máxim de prfundidade é de 14 metrs e mínim de 5 metrs, tend ainda um valr médi de 86, metrs. Para análise da prfundidade útil ds pçs desse dmíni hidrgelógic, gráfic (Figura 5), demnstra que 48,24 % ds pçs estudads têm prfundidade útil n interval entre 4 a 8 metrs. O valr máxim é de 139,5 metrs e valr mínim de 4,3 metrs, cm valr médi de 81,69 metrs, para um ttal de 114 pçs amstrads. 35

6 Rev. Águas Subterrâneas n 17/ Mai Dmíni Hidrgelógic B Esse dmíni cupa uma larga faixa n centr da área de estud, cm direçã NE- SW, e a prçã extrem leste representada gelgicamente pr rchas da Assciaçã Charnckit- Granulit- Gnaisses- Granits Diverss d Cmplex Juiz de Fra e Rchas Intrusivas Graníticas (Tabela 1, Figura 1), e cbre uma regiã de 2.23,5 km 2, perfazend 33,69 % d ttal da área pesquisada. Frequência (%) Frequência Acumulada (%) Númer de amstras : 114 Valr máxim : 6 Valr mínim : 4 Média : 25,26 Desvi padrã : 12,79 1 Frequência Acumulada (%) Frequência (%) ,1,2,3,4,5,6 Númer de amstras : 114 pçs Val máxim :,518 Valr mínim :,48 Média :,1234 Desvi padrã :, Espessura (m) Figura 2 - Distribuiçã das espessuras ds mants de alteraçã d Dmíni Hidrgelógic A,5,1,15,,25,3,35,4,45,5,55,6 Vazã Específica (L/s/m) Figura 3 - Distribuiçã das vazões específicas (L/s/m) Dmíni Hidrgelógic A Frequência Acumulada (%) Frequência (%) Númer de amstras : 114 Valr máxim : 14 Valr mínim : 5 Média : 86, Desvi padrã : 19,45 Frequência (%) Frequência Acumulada (%) Númer de amstras : 114 Valr máxim : 139,5 Valr mínim : 4,3 Média : 81,69 Desvi padrã : 18, Prfundidade (m) Figura 4 - Distribuiçã das prfundidades ds pçs d Dmíni Hidrgelógic A As rchas que cnstituem esse dmíni sã de idade arqueana e Prfundidade útil (m) Figura 5 - Distribuiçã das prfundidades úteis Dmíni Hidrgelógic A prterzóica, representadas pr granulits, gnaisses kinzigítics, charnckits, gnaisses 36

7 Rev. Águas Subterrâneas n 17/ Mai 3. e milnits d Cmplex Juiz de Fra e granits intrusivs. Na estruturaçã tectônica, esse dmíni apresenta uma densa linearidade de traçs estruturais, cm as principais direções de falhaments paralelas à direçã geral de fliaçã NNE-SSW, cm um estil estrutural lngitudinal e mergulhand para SE, evidenciand uma tectônica cmpressiva. Essa área é cnsiderada cm parte de um Blc de Znas de Cisalhament (Fnseca, 1998). Nesse dmíni, s aqüífers sã fraturads, lcais, descntínus, livres e semicnfinads, restrits a juntas e fraturas, send recberts pela crrência de aluviões e cberturas indiferenciadas, s quais nã fram representads na Figura 1, pr limitações de escala. Uma densa malha de fraturas, assciada às cberturas de alteraçã e aluviais, cnstitui um sistema aqüífer livre nde a tpgrafia passa a ser principal fatr respnsável pela circulaçã das águas. A recarga da unidade aqüífera tem na rede de drenagem superficial e nas chuvas, s maires cntribuintes, send mais eficiente nas áreas nde cntrle estrutural da drenagem se dá através das fraturas, que permitem uma cntínua realimentaçã pr mei ds aluviões, principalmente durante períd das chuvas. A distribuiçã das espessuras das cberturas de alteraçã e aluviões (Figura 6), para um ttal de 92 pçs amstrads, mstra que 5 % desses apresentam valres acima de metrs. Verifica-se também um valr máxim de 51 metrs, um valr mínim de 4 metrs e valr médi de 21,42 metrs. Para analisar as vazões específicas desse dmíni hidrgelógic, um histgrama de freqüência (Figura 7), mstra que 53,26 % ds 92 pçs amstrads representam valres até,1 L/s/m, indicand um valr médi de,2331 L/s/m, cm uma variaçã entre mínim de,3 L/s/m e máxim de 2,6881 L/s/m. A distribuiçã das prfundidades ds 92 pçs cmputads (Figura 8), indica que 7 % têm prfundidades entre 5 a 9 metrs. O valr máxim de prfundidade para s pçs dessa unidade aqüífera é de 156 metrs e mínim de 5 metrs, send valr médi de 76,27 metrs. Cm relaçã à prfundidade útil ds 92 pçs estudads (Figura 9), 75% desses representam pçs de prfundidade útil cmpreendids n interval entre 4 a 8 metrs, mstrand também um valr máxim de 147,2 metrs, um valr mínim de 28,1 metrs e valr médi de 7,95 metrs Caracterizaçã ds Dmínis Hidrgelógics Dmíni Hidrgelógic A Esse dmíni se apresenta mens fraturad que dmíni B, mstrand traçs estruturais difuss e espaçads, cujas rchas, em sua grande mairia, pssuem um caráter estrutural incmpetente, u seja, de cmprtament gemecânic dúctil, devid à cnstituiçã litlógica, representada principalmente pr micaxists, migmatits e gnaisses xistss. Além diss, pr serem rchas ricas em minerais máfics e feldspats, mais susceptíveis a intemperism químic, sfrem dissluçã e precipitaçã de material argils nas fraturas, pdend reduzir a permeabilidade d mei. 37

8 Rev. Águas Subterrâneas n 17/ Mai 3. Frequência (%) Frequência Acumulada (%) Númer de amstras : 92 Valr máxim : 51 Valr mínim : 4 Média : 21,42 Desvi padrã : 12,5 Frequência Acumulada (%) Frequência (%),,3,6,9 1,2 1,5 1,8 2,1 2,4 2, Númer de amstras : 92 Valr máxim : 2,6881 Valr mínim :,3 Média :,2331 Desvi padrã :, Espessura (m) Figura 6 - Distribuiçã das espessuras ds mants de alteraçã d Dmíni Hidrgelógic B,,3,6,9 1,2 1,5 1,8 2,1 2,4 2,7 Vazã Específica (l/s/m) Figura 7 - Distribuiçã das vazões específicas d Dmíni Hidrgelógic B Frequência Acumulada (%) Frequência (%) Númr de amstras : 92 Valr máxim : 156 Valr mínim : 3 Média : 76,27 Desvi padrã : 23,34 Frequência Acumulada (%) Frequência (%) Númer de amstras : 92 Valr máxim : 147,2 Valr mínim : 28,1 Média : 7,95 Desvi padrã : 23, Prfundidade (m) Figura 8 - Distribuiçã das prfundidades ds pçs d Dmíni Hidrgelógic B Prfundidade útil (m) Figura 9 - Distribuiçã das prfundidades úteis Dmíni Hidrgelógic B 38

9 POMBA Rev. Águas Subterrâneas n 17/ Mai ALTO DOCE 35 DA POMBA KSn UBÁ CATAGUASES MURIAÉ SERRA LS GAVIÃO PRATA DA CÓRR. GLÓRIA RIB. JOÃO DO MONTE MACUCO CORR. ALEGRE CÓRR.DO VALÃO MURIAÉ MURIAÉ CÓRR. JACARÉ MANOEL CAC. PATAGÔNIA MURIAÉ RIB. ALEGRE RIB. TIJUCO SÃO CORR. CHOPOTÓ CÓRR. MONTE ACÁCIO RIB. BONFIM RIB. POMBA RIB. RIB. LAMBARI CÓRR. BOA VISTA CÓRR.ÁGUA LIMPA POMBA 45 PARIS RIB. NOVO M N 2 4 6Km Gelgia / Litlgias Granulits Itaperuna;2 - Cmplex Juiz de Fra (Granulits, gnaisses kinzigítics, charnquits, gnaisses, milnits);3 - Cmplex Barbacena(Bitita- -gnaisses, crps metabasítics, rchas ultrabásicas, micaxists feldspátics / granatífers, micaxists e quartzits);4 - Cmplex Paraíba d Sul(Bitita- -xists, migmatits indiscriminads, bitita gnaisses bandeads prfirclástics/prfirblástics, pegmatits, quartzits);5 - Crps Intrusivs Granítics; 6- Crps Intrusivs Alcalins;7 - Depósits aluvinares KSn 7 SISTEMAS AQUÍFEROS/CARACTERÍSTICAS LITOLOGIAS PREDOMINANTES MEIO GRANULAR Depósits Aluvinares Areias, Silte, Argilas, Cascalhs - Quaternári Elements Estruturais : Cntat definid Cntat aprximad Falha definida Falha prvável Falha de empurrã Fratura Lineament Estrutural Falha interpretada em imagens de Radar(R),Landsat(LS),Magnetmetria(M) R MEIO FRATURADO Dmíni Hidrgelógic A Rchas da Assciaçã Xists-Gnaisses-Migmatits (Rchas metamórficas rientadas) Bitita-gnaisses, micaxists (Cmplex Barbacena); migmatits indiscriminads, bitita gnaisses bandeads, bitita xists (Cmplex Paraiba d Sul). Elements Diverss : MI-2646/1 MI-2646/3 MI-2646/2 MI-2647/1 MI-2647/2 MI-2648/1 MI-2648/2 FOLHAS TOPOGRÁFICAS MI-2646/4 MI-2647/3 MI-2647/4 MI-2648/3 MI-2648/4 Drenagens Principais Cidades Dmíni Hidrgelógic B Rchas da Assciaçã Charnckits-Granulits-Granits (Rchas metamórficas e ígneas nã rientadas) Granulits, gnaisses kinzigítics, charnquíts, milnits, (Cmplex Juiz de Fra);granits diverss(crps Intrusivs Intrusivs ). Figura 1 - Carta de Sistemas Aqüífers -1:25 ). 39

10 Rev. Águas Subterrâneas n 17/ Mai 3. Outra respsta a menr grau de fraturament desse dmíni é verificada n baix ter de sais disslvids nas águas analisadas dessa prçã, cmprvad pel valr médi da cndutividade elétrica (132,42 µσ/cm). Esse fat é justificável pel menr caminh percrrid, menr temp de circulaçã, prprcinand reduçã ns mecanisms de dissluçã de minerais e mair renvaçã das águas nas znas mais superires Dmíni Hidrgelógic B O dmíni hidrgelógic B mstra mair densidade de traçs estruturais, tant na faixa central da área de estud, cm também na prçã extrem leste, que é cnsiderada parte de Blc de Znas de Cisalhament, segund Fnseca (1998). Esses fatres, assciads à presença de rchas, representadas principalmente pr granulits, charnckits e granits diverss, em sua mairia de caráter estrutural rúptil, cm mens plasticidade, prduziram falhas abertas cm menr espaçament, favrecend a existência de pçs de ba prdutividade. Cm a cndutividade elétrica apresentand um valr médi de 276,42 µσ/cm, as águas subterrâneas desse dmíni mstram-se bem mais salinizadas quand cmparadas cm as d dmíni hidrgelógic A, devid a uma mair e mais prfunda trama de caminhs, que favrecem as cndições para dissluçã de sais minerais. 4 - Cnclusões Apesar da inexistência de distinções climáticas, da grande semelhança ds litssmas e relativa similaridade na gemrflgia, verifica-se a existência de áreas mais favráveis e prmissras para lcaçã e perfuraçã de pçs tubulares, apresentand as seguintes características: depressões tpgráficas abertas (evitar tps e flancs de clinas, cm também divisres hidrgráfics), assciadas às znas de fraturament e/u drenagem superficial, cm cberturas detríticas u mant de alteraçã.verifica-se que aspects hidrgelógics e físic-químics prprcinaram as aqüífers fissurais características diferenciadas, tant quantitativa cm qualitativamente. Esse fat pssibilita a sugestã em caráter preliminar para s aqüífers fissurais da área, a subdivisã em dis dmínis hidrgelógics, A e B. 5 - Referências Bibligráficas Csta, W. D Hidrgelgia de Terrens Cristalins. Apstila d Curs de Hidrgelgia. CPRM, Recife. p Fnseca, M.J.G. et al Mapa Gelógic d Estad d Ri de Janeir. Escala 1:4.. DNPM, Ri de Janeir, 141 p. Brandalise, L. A Prjet Vale d Paraíba. Relatóri Final. Bel Hriznte. CPRM. 441 p. Gnçalves, J.A.C. 1. Cntribuiçã à Hidrgelgia e à Hidrquímica d Leste da Zna da Mata de Minas Gerais e Extrem Nreste d Estad d Ri de Janeir. Departament de Gelgia, Universidade Federal de Our Pret, Our Pret, Dissertaçã de Mestrad, 12p. Pessa, M.D.; Mente, A.; Leal, O Prvíncias Hidrgelógicas d Brasil. In: Cngress Brasileir de Águas Subterrâneas, 1, Recife, Anais. p

PROGRAMA DE ÁGUA SUBTERRÂNEA PARA A REGIÃO NORDESTE PROJETO CENTRO DE PESQUISA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS

PROGRAMA DE ÁGUA SUBTERRÂNEA PARA A REGIÃO NORDESTE PROJETO CENTRO DE PESQUISA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS Capa PROGRAMA DE ÁGUA SUBTERRÂNEA PARA A REGIÃO NORDESTE PROJETO CENTRO DE PESQUISA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS ESTUDO HIDROGEOLÓGICO SUCINTO PARA LOCAÇÃO DE POÇOS NAS LOCALIDADES DE POÇA, COTIA, ALVES, CHAPADA

Leia mais

PRINCÍPIOS DE ALTERAÇÃO DAS ROCHAS

PRINCÍPIOS DE ALTERAÇÃO DAS ROCHAS Elsa Sampai PRINCÍPIOS DE ALTERAÇÃO DAS ROCHAS Elsa Sampai ems@uevra.pt Departament de Geciências Universidade de Évra 2006 Elsa P. M. Sampai ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. ALTERAÇÃO DAS ROCHAS 2.1 PRINCIPAIS

Leia mais

3 Fundamentos do Comportamento dos Hidrocarbonetos Fluidos

3 Fundamentos do Comportamento dos Hidrocarbonetos Fluidos 3 Fundaments d Cmprtament ds Hidrcarbnets Fluids 3.1. Reservatóris de Petróle O petróle é uma mistura de hidrcarbnets, que pde ser encntrada ns estads: sólid, líquid, u ass, dependend das cndições de pressã

Leia mais

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações.

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações. Taxa DI Cetip Critéri de apuraçã a partir de 07/10/2013 As estatísticas d ativ Taxa DI-Cetip Over (Extra-Grup) sã calculadas e divulgadas pela Cetip, apuradas cm base nas perações de emissã de Depósits

Leia mais

Questão 13. Questão 14. alternativa C

Questão 13. Questão 14. alternativa C Questã 13 O suc de laranja cncentrad da marca M cntém 20 mg de vitamina C pr 50 ml de suc cncentrad. Para ser cnsumid, deve ser diluíd cm água até que seu vlume seja 4 vezes mair que inicial. Pr utr lad,

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital Banc Industrial d Brasil S.A. Gerenciament de Capital 2014 1 Sumári 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 4 4. PLANO DE CAPITAL... 5 5. RESPONSABILIDADES... 6

Leia mais

DEfINIÇÃO DAS UNIDADES GEOTÉCNICAS E DE RISCO

DEfINIÇÃO DAS UNIDADES GEOTÉCNICAS E DE RISCO ÍNDCE NTRODUÇÃO LOCALZAÇÃO MAPA GEOLÓGCO-GEOTÉCNCO METODOLOGA UTLZADA METODOLOGA PARA CARACTERZAÇÃO DAS UNDADES GEOTÉCNCAS ASPECTOS FSOGRÁFCOS Clima Vegetaçã Sls Relev GEOLOGA DO MUNCÍPO ÁGUAS SUBTERRÂNEAS

Leia mais

SIG DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA DO BRASIL

SIG DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA DO BRASIL Serviço Geológico do Brasil SIG DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA DO BRASIL Autoria: Luiz Fernando Costa Bomfim José Domingos Alves de Jesus junho/2006 OBJETIVOS DESENVOLVER UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS

Leia mais

Estruturas de Concreto

Estruturas de Concreto Estruturas de Cncret ISSN 1519-4086 Númer 4 MODELOS DE PREVISÃO DA FLUÊNCIA E DA RETRAÇÃO DO CONCRETO JOSÉ MILTON DE ARAÚJO Editra DUNAS Estruturas de Cncret é uma publicaçã seriada cm bjetiv de abrdar

Leia mais

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ)

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ) APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ) Este case apresenta a aplicaçã da sluçã Elipse E3 para aprimrar mnitrament da temperatura encntrada

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍI UNIERSIDDE TÓLI DE GOIÁS DEPRTMENTO DE MTEMÁTI E FÍSI Prfessres: Edsn az e Renat Medeirs EXERÍIOS NOT DE UL II Giânia - 014 E X E R Í I OS: NOTS DE UL 1. Na figura abaix, quand um elétrn se deslca

Leia mais

Análise da Mobilidade Humana em Eventos de Larga Escala baseada em Chamadas de Telefones Celulares

Análise da Mobilidade Humana em Eventos de Larga Escala baseada em Chamadas de Telefones Celulares Análise da Mbilidade Humana em Events de Larga Escala baseada em Chamadas de Telefnes Celulares Humbert T. Marques-Net Departament de Ciência da Cmputaçã Pntifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Leia mais

Gestão ambiental de zonas de amortecimento de unidades de conservação em áreas urbanas

Gestão ambiental de zonas de amortecimento de unidades de conservação em áreas urbanas Gestã ambiental de znas de amrteciment de unidades de cnservaçã em áreas urbanas Marta Feppel Ribeir Instituiçã: Universidade d Estad d Ri de Janeir IVIG/COPPE/Universidade Federal d Ri de Janeir Email:

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta ATENÇÃO: Escreva a resluçã COMPLETA de cada questã n espaç a ela reservad. Nã basta escrever resultad final: é necessári mstrar s cálculs u racicíni utilizad. Questã Uma pessa pssui a quantia de R$7.560,00

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA LISTA DE EXERCICIOS # () OSCILADOR PONTE DE MEACHAM O sciladr a pnte Meacham

Leia mais

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO Transfrmadres 1.1- INTRODUÇÃO N estud da crrente alternada bservams algumas vantagens da CA em relaçã a CC. A mair vantagem da CA está relacinada cm a facilidade de se elevar u abaixar a tensã em um circuit,

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

ABERTURAS EM ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE CONCRETO

ABERTURAS EM ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE CONCRETO Pntifícia Universidade Católica d Ri Grande d Sul Faculdade de Engenharia Curs de Engenharia Civil CONCRETO ARMADO III ABERTURAS EM ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE CONCRETO COMENTÁRIOS GERAIS 1/9 ABERTURAS EM

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

ANA, Aeroportos de Portugal, S.A. Plano de Acções de Gestão e Redução de Ruído para o Aeroporto de Lisboa Resumo Não-Técnico

ANA, Aeroportos de Portugal, S.A. Plano de Acções de Gestão e Redução de Ruído para o Aeroporto de Lisboa Resumo Não-Técnico ANA, Aerprts de Prtugal, S.A. Plan de Acções de Gestã e Reduçã de Ruíd para Aerprt de Lisba Resum Nã-Técnic Janeir 2014 Aerprt de lisba Plan de Ações de Gestã e Reduçã de Ruíd 2013-2018 Cnteúd CONTEÚDO...

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. Resposta. Resposta. Resposta. ATENÇÃO: Escreva a resolução COM- PLETA de cada questão no espaço reservado

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. Resposta. Resposta. Resposta. ATENÇÃO: Escreva a resolução COM- PLETA de cada questão no espaço reservado ATENÇÃO: Escreva a resluçã COM- PLETA de cada questã n espaç reservad para a mesma. Nã basta escrever apenas resultad final: é necessári mstrar s cálculs racicíni utilizad. Questã Caminhand sempre cm a

Leia mais

Capacitância e Capacitores

Capacitância e Capacitores Nessa prática, farems um estud sbre capacitres. erá intrduzid cnceit de capacitância e estudarems as leis de carga e descarga de capacitres, bem cm as regras de assciaçã desses elements de circuit. empre

Leia mais

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0)

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0) Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br TESTE DE SOFTWARE (Versã 2.0) 9 Teste de Sftware Imprtância Dependência

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

Terremotos e Ressonância

Terremotos e Ressonância Ntas d Prfessr Terremts e Ressnância Pergunta em fc Cm mviment d sl causad pr um terremt afeta a estabilidade de edifícis de diferentes alturas? Ferramentas e materiais Dis pedaçs quadrads de madeira,

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

ANÁLISE DA VULNERABILIDADE À EROSÃO NAS PRAIAS DE PORTO DE GALINHAS, CUPE E GAMBOA, MUNICÍPIO DE IPOJUCA, LITORAL SUL DO ESTADO DE PERNAMBUCO*

ANÁLISE DA VULNERABILIDADE À EROSÃO NAS PRAIAS DE PORTO DE GALINHAS, CUPE E GAMBOA, MUNICÍPIO DE IPOJUCA, LITORAL SUL DO ESTADO DE PERNAMBUCO* II Cngress sbre Planejament e Gestã das Znas Csteiras ds Países de Expressã Prtuguesa IX Cngress da Assciaçã Brasileira de Estuds d Quaternári II Cngress d Quaternári ds Países de Língua Ibéricas ANÁLISE

Leia mais

Aula 03 Circuitos CA

Aula 03 Circuitos CA Campus I Jã Pessa Disciplina: Análise de Circuits Curs Técnic Integrad em Eletrônica Prfª: Rafaelle Felician 1. Elements de Circuits n dmíni de Fasres Intrduçã Para cmpreender a respsta de dispsitivs básics

Leia mais

NO NORDESTE DO BRASIL (PERIODO 1977-81) Maria Marle Bandeira 1 Juan Carlos Ceballos;'~ e Bernardo Barbosa da Silva 2

NO NORDESTE DO BRASIL (PERIODO 1977-81) Maria Marle Bandeira 1 Juan Carlos Ceballos;'~ e Bernardo Barbosa da Silva 2 598 REGINALIZACA D REGIME DE ENERGIA ELICA N NRDESTE D BRASIL (PERID 1977-81) Maria Marle Bandeira 1 Juan Carls Ceballs;' e Bernard Barbsa da Silva 2 Departament de Ciências Atmsféricas Universidade Federal

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa Inventári de Emissões de Gases de Efeit Estufa CEDS BRAVO 2011 Objetivs d inventári Cumprir exigências externas/internas Identificar, quantificar e relatar as principais emissões de GEE Implementar ações

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

Segmentação de Imagem

Segmentação de Imagem em pr bjectiv dividir a imagem em regiões u bjects segund um critéri Frequentemente resultad nã é uma imagem mas um cnjunt de regiões/bjects A precisã da fase de segmentaçã determina sucess u falha ds

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

AULA CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA

AULA CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA APOSTILA ELÉTRIA PARA AULA 11 MÓDULO - 1 ORRENTE ONTÍNUA E ALTERNADA Induçã Eletrmagnética Geraçã de crrente cntínua e alternada Frmas de nda - icl - Períd - Frequência lts de pic e pic-a-pic Tensã eficaz

Leia mais

1 - PRÓLOGO 2 - INTRODUÇÃO 3 - METODOLOGIA

1 - PRÓLOGO 2 - INTRODUÇÃO 3 - METODOLOGIA 1 - PRÓLOGO A Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais - CPRM e a Fundação de Desenvolvimento da Região Metropolitana do Recife - FIDEM, entregam à comunidade o presente trabalho, que se constitui em

Leia mais

PROJETO CADASTRO DE FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUA SUBTERRÂNEA

PROJETO CADASTRO DE FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUA SUBTERRÂNEA IINNTTRRODDUUÇÇÃÃO I As decisões sbre a implementaçã de ações de cnvivência cm a seca exigem cnheciment básic sbre a lcalizaçã, caracterizaçã e dispnibilidade das fntes de água superficiais e subterrâneas.

Leia mais

Lista de exercícios de resistência ao cisalhamento dos solos

Lista de exercícios de resistência ao cisalhamento dos solos UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA Departament de Engenharia Civil Setr de Getecnia Paul Sérgi de Almeida Barbsa Lista de exercícis de resistência a cisalhament ds sls 1.ª ) Uma amstra de uma argila nrmalmente

Leia mais

Pesquisa Oficial de Demanda Imobiliária SINDUSCON Grande Florianópolis. NÃO ASSOCIADOS Apresentação

Pesquisa Oficial de Demanda Imobiliária SINDUSCON Grande Florianópolis. NÃO ASSOCIADOS Apresentação Pesquisa Oficial de Demanda Imbiliária SINDUSCON Grande Flrianóplis. NÃO ASSOCIADOS Apresentaçã O presente trabalh tem cm principais bjetivs identificar perfil d frequentadr d Salã d Imóvel, suas demandas

Leia mais

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA De Plenári, err1 substituiçã à COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sbre Prjet de Lei da Câmara 209, de 2015, de autria d Deputad Aeltn Freitas, que altera a Lei n 8.906, de 4 de julh de 1994

Leia mais

ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS GRAFICOS DE x E R.

ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS GRAFICOS DE x E R. ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS GAFICOS DE E. Vims cm cnstruir e utilizar s gráfics de cntrle. Agra vams estudar sua capacidade de detectar perturbações n prcess. GÁFICO de Em um julgament, veredict final será

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

TEORIA DO OLIGOPÓLIO, MODELOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS.

TEORIA DO OLIGOPÓLIO, MODELOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS. Ntas de Aula Ecnmia Industrial Nta_aula_4_Preç-Oligpli TEORIA DO OLIGOPÓLIO, MODELOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS. Bibligrafia: KON, Anita. Ecnmia Industrial. Sã Paul: Nbel, 2001. (CAPÍTULO 2) PINDYCK, RS e RUBINFELD,

Leia mais

=1,350 Ma), Potiraguá felsic alkaline dyke (Pb-Pb= 676 ± 15 Ma; T DM. =1,371 Ma), Ibicaraí Syenite (Pb-Pb = 688 ± 10 Ma; T DM

=1,350 Ma), Potiraguá felsic alkaline dyke (Pb-Pb= 676 ± 15 Ma; T DM. =1,371 Ma), Ibicaraí Syenite (Pb-Pb = 688 ± 10 Ma; T DM Revista Brasileira de Geciências Luiz César Crrêa-Gmes & Elsn Paiva Oliveira 32(2):185-196, junh de 2002 DADOS Sm-Nd, Ar-Ar E Pb-Pb DE CORPOS PLUTÔNICOS NO SUDESTE DA BAHIA, BRASIL: IMPLICAÇÕES PARA O

Leia mais

"Sistema de Informações para Gestão Territorial da Região Metropolitana do Recife - Projeto SINGRE".

Sistema de Informações para Gestão Territorial da Região Metropolitana do Recife - Projeto SINGRE. EQUIPE TÉCNICA Enjôlras A. Medeirs Lima Gerente de Hidrlgia e Gestã Territrial Iv Figueirôa Supervisr de Gestã Territrial Autr Pedr August ds Sants Pfaltzgraff Editraçã Eletrônica Cláudi Scheid Analista

Leia mais

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas Unidade 7: Sínteses de evidências para plíticas Objetiv da Unidade Desenvlver um entendiment cmum d que é uma síntese de evidências para plíticas, que inclui e cm pde ser usada 3 O que é uma síntese de

Leia mais

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira CAPÍTULO IV Valres, Crenças, Missã, Visã.e Plítica da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira Há alguns ans, quand tínhams ótims atletas, perdíams a Cpa d Mund de futebl, as Olimpíadas, errand em cisas básicas.

Leia mais

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças)

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 20 05 3 PLD (Preç de Liquidaçã das Diferenças) PLD - 4ª Semana de Mai de 203 (8.05.203 a 24.05.203) PLD médi PLD médi 2 R$/MWh Sudeste Sul Nrdeste Nrte Sudeste 34,58 344,32 Pesada 360,7 360,7 360,7 360,7

Leia mais

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt Versã 1.1.1.3 Descriçã d prdut, 2009 www.graycell.pt 1 ENQUADRAMENTO A platafrma ask-it! é uma aplicaçã web-based que permite criar inquérits dinâmics e efectuar a sua dispnibilizaçã n-line. A facilidade

Leia mais

ELETRICIDADE E MAGNETISMO

ELETRICIDADE E MAGNETISMO PONIFÍCIA UNIVERSIDADE CAÓLICA DE GOIÁS DEPARAMENO DE MAEMÁICA E FÍSICA Prfessres: Edsn Vaz e Renat Medeirs ELERICIDADE E MAGNEISMO NOA DE AULA II Giânia 2014 1 ENERGIA POENCIAL ELÉRICA E POENCIAL ELÉRICO

Leia mais

Capítulo V. Técnicas de Análise de Circuitos

Capítulo V. Técnicas de Análise de Circuitos Capítul V Técnicas de Análise de Circuits 5.1 Intrduçã Analisar um circuit é bter um cnjunt de equações u valres que demnstram as características de funcinament d circuit. A análise é fundamental para

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso At endi m ent acl i ent e Apr es ent aç ãdc ur s Apresentaçã d Curs O curs Atendiment a Cliente fi elabrad cm bjetiv de criar cndições para que vcê desenvlva cmpetências para: Identificar s aspects que

Leia mais

Desenho centrado em utilização

Desenho centrado em utilização Desenh centrad em utilizaçã Engenharia de Usabilidade Prf.: Clarind Isaías Pereira da Silva e Pádua Departament de Ciência da Cmputaçã - UFMG Desenh centrad em utilizaçã Referências Cnstantine, L.L., &

Leia mais

Prospeto Informativo Montepio Consumer Brands - Maio 2015 Produto Financeiro Complexo

Prospeto Informativo Montepio Consumer Brands - Maio 2015 Produto Financeiro Complexo Prspet Infrmativ Mntepi Cnsumer Brands - Mai 2015 Prdut Financeir Cmplex Designaçã Mntepi Cnsumer Brands - Mai 2015 Classificaçã Prdut Financeir Cmplex Depósit Indexad O depósit Mntepi Cnsumer Brands -

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora. e Fitorremediação. Grupo: Juliana Brum Natália Buzinari Samuel l Ferraz Taimara Polidoro

Universidade Federal de Juiz de Fora. e Fitorremediação. Grupo: Juliana Brum Natália Buzinari Samuel l Ferraz Taimara Polidoro Universidade Federal de Juiz de Fra Birremediaçã e Fitrremediaçã Grup: Juliana Brum Natália Buzinari Samuel l Ferraz Taimara Plidr 1 2 Sumári Intrduçã Áreas cntaminadas Remediaçã de sls cntaminads Parâmetrs

Leia mais

Questão 11. Questão 12. Resposta. Resposta S 600. Um veículo se desloca em trajetória retilínea e sua velocidade em função do tempo é apresentada

Questão 11. Questão 12. Resposta. Resposta S 600. Um veículo se desloca em trajetória retilínea e sua velocidade em função do tempo é apresentada Questã Um veícul se deslca em trajetória retilínea e sua velcidade em funçã d temp é apresentada na fiura. a) Identifique tip de mviment d veícul ns intervals de temp de 0 a 0 s,de 0 a 30 s e de 30 a 0

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011.

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011. Gabinete d Deputad FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de març de 2011. Quand ingressei cm Requeriment slicitand a presença de Vssas Senhrias na Cmissã, estava assustad, cm, aliás, tda a ppulaçã, cm

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia

Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia Pntifícia Universidade Católica d S Faculdade de Engenharia LABOATÓO DE ELETÔNCA DE POTÊNCA EXPEÊNCA 4: ETFCADO TFÁSCO COM PONTO MÉDO ( PULSOS) OBJETO erificar qualitativa e quantitativamente cmprtament

Leia mais

Instruções para as apresentações científicas

Instruções para as apresentações científicas Instruções para as apresentações científicas As apresentações pderã ser realizadas na frma de PÔSTER u ORAL, dentr das especialidades dntlógicas: Ciências Básicas, Estmatlgia/Radilgia/Patlgia, Cirurgia,

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS Prjets n Bima Amazônia A Critéris Orientadres B C D E F Cndicinantes Mínims para Prjets Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss Restriçã de Us ds Recurss Critéris

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE Técnics de Instalaçã e Manutençã de Edifícis e Sistemas (TIMs) NO SISTEMA INFORMÁTICO DO SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS (SCE) 17/07/2014

Leia mais

A SUPERINFLAÇÃO BRASILEIRA EM 1989: NOTAS E COMENTÁRIOS

A SUPERINFLAÇÃO BRASILEIRA EM 1989: NOTAS E COMENTÁRIOS A SUPERINFLAÇÃ BRASILEIRA EM 1989: NTAS E MENTÁRIS Gentil Crazza* "A inflaçã é uma frma de distribuir s ganhs e as perdas através das frças impessais d mercad." Charles Kindieberger Intrduçã A ecnmia e

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

2. A programação completa e mais informações estarão disponíveis no site www.gar.esp.br.

2. A programação completa e mais informações estarão disponíveis no site www.gar.esp.br. REGULAMENTO 1. Sbre Event 1. A Gramad Adventure Running é uma prva de revezament junt à natureza que será realizada n dia 09/05/2015 (Sábad) em Gramad, n Estad d Ri Grande d Sul, cm participaçã de ambs

Leia mais

De acordo com estes critérios, uma sugestão de formato para nomes de tablespaces no banco de dados Oracle é a seguinte: S_O_T, onde:

De acordo com estes critérios, uma sugestão de formato para nomes de tablespaces no banco de dados Oracle é a seguinte: S_O_T, onde: Pedr F. Carvalh cntat@pedrfcarvalh.cm.br Tablespaces: Organizaçã e Nmenclatura Definir critéris para a divisã de um banc de dads Oracle em tablespaces é sempre uma questã imprtante para s DBAs na rganizaçã

Leia mais

MUSEU VIRTUAL DE CIÊNCIAS E SALA VIRTUAL DE LEITURA: Entendimento e Informações Técnicas

MUSEU VIRTUAL DE CIÊNCIAS E SALA VIRTUAL DE LEITURA: Entendimento e Informações Técnicas MUSEU VIRTUAL DE CIÊNCIAS E SALA VIRTUAL DE LEITURA: Entendiment e Infrmações Técnicas A elabraçã da prpsta baseu se em alguns pressupsts que fcam nã só us presente d Museu e da Sala de Leitura, cm suas

Leia mais

VENDAS CONTRATADAS NO 1S10 ULTRAPASSAM R$507 MILHÕES, RESULTADO 73% ACIMA DO OBTIDO NO MESMO PERÍODO DE 2009.

VENDAS CONTRATADAS NO 1S10 ULTRAPASSAM R$507 MILHÕES, RESULTADO 73% ACIMA DO OBTIDO NO MESMO PERÍODO DE 2009. PARA DIVULGAÇÃO IMEDIATA: Sã Paul, 14 de julh de 2010: A CAMARGO CORRÊA DESENVOLVIMENTO IMOBILIÁRIO ( CCDI u Cmpanhia ; Bvespa: CCIM3) anuncia seus resultads peracinais referentes a segund trimestre de

Leia mais

AVISO. operações urbanísticas, que evoluirá até à desmaterialização total, num curto espaço de tempo,

AVISO. operações urbanísticas, que evoluirá até à desmaterialização total, num curto espaço de tempo, AVISO NORMAS DE INSTRUÇÃO DE PROCESSOS EM FORMATO DIGITAL A Câmara Municipal de Viseu vai iniciar, n próxim dia 5 de Janeir de 2015, a implementaçã da tramitaçã eletrónica ds prcesss de licenciament/admissã

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/6 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ABATE E DESRAME DE ÁRVORES 2 DESCRIÇÃO As tarefas de abate e desrame de árvres estã habitualmente relacinadas cm s seguintes trabalhs Levantaments

Leia mais

Poços rasos e profundos, locação e perfuração

Poços rasos e profundos, locação e perfuração Poços rasos e profundos, locação e perfuração Captações rasas águas freáticas em perfis de alteração. Captações profundas águas de aquíferos livres e confinados em rocha Locação - em sedimentos não consolidados,

Leia mais

PRH Piranhas-Açu Disponibilidade Hídrica Subterrânea (RP-02)

PRH Piranhas-Açu Disponibilidade Hídrica Subterrânea (RP-02) PRH Piranhas-Açu Disponibilidade Hídrica Subterrânea (RP-02) José Luiz Gomes Zoby Patos/PB 14 de Março, 2013 Sumário Introdução Geologia Domínios Hidrogeológicos e Sistemas Aquíferos Conclusões Introdução

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA CAPACIDADE DE ASSIMILAÇÃO DOS CORPOS DE ÁGUA PARA A DISPOSIÇÃO FINAL DOS EFLUENTES DOMÉSTICOS E INDUSTRIAIS

DETERMINAÇÃO DA CAPACIDADE DE ASSIMILAÇÃO DOS CORPOS DE ÁGUA PARA A DISPOSIÇÃO FINAL DOS EFLUENTES DOMÉSTICOS E INDUSTRIAIS DETERMINAÇÃO DA CAPACIDADE DE ASSIMILAÇÃO DOS CORPOS DE ÁGUA PARA A DISPOSIÇÃO FINAL DOS EFLUENTES DOMÉSTICOS E INDUSTRIAIS Rbsn Sarment (1) Engenheir Espec., M.Sc., Ph.D - Prfessr d Departament de Hidráulica

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

INFORMAÇÃO GERAL. 3 Questionário Comunidade Versão 9 Agosto de 2015. Data de Aplicação. Entrevistador

INFORMAÇÃO GERAL. 3 Questionário Comunidade Versão 9 Agosto de 2015. Data de Aplicação. Entrevistador 3 Questinári Cmunidade Versã 9 Agst de 2015 A INFORMAÇÃO GERAL Data de Aplicaçã Entrevistadr A1 Nme cmunidade da Entidade lcal menr [Parâmetr nacinal] Entidade lcal mair [parâmetr nacinal] Entidade reginal

Leia mais

Poder e escola: Uma analise acerca das relações entre professor e aluno.

Poder e escola: Uma analise acerca das relações entre professor e aluno. Pder e escla: Uma analise acerca das relações entre prfessr e alun. Marcs Paul A. Rdrigues 1 Andersn Silva Nunes 2 Intrduçã: O presente trabalh expõe s tips de pder exercid pels prfessres sbre s aluns,

Leia mais

Excluídas as seguintes definições:

Excluídas as seguintes definições: Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Entre PM AM.08 APLICAÇÃO DE PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE CONTRATAÇÃO E PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE LASTRO DE VENDA & PdC AM.10 MONITORAMENTO DE INFRAÇÃO

Leia mais

3 Aplicações dos Modelos de Análise de Crédito

3 Aplicações dos Modelos de Análise de Crédito 3 Aplicações ds Mdels de Análise de Crédit Pdem ser citads cm principais estuds realizads para previsã de inslvência de pessas jurídicas: Estud de Tamari O estud fi realizad n final da década de 50 e fi

Leia mais

Física E Extensivo V. 1

Física E Extensivo V. 1 Física E Extensiv V. 1 Exercícis 01) Verdadeira. Verdadeira. Temperatura mede a agitaçã ds átms. Verdadeira. Temperatura e energia cinética sã diretamente prprcinais. Verdadeira. Falsa. Crp nã tem calr.

Leia mais

Latha Soorya Jessica Kiarashi Eric Hollander

Latha Soorya Jessica Kiarashi Eric Hollander Intervenções Psicfarmaclógicas para Cmprtaments Repetitivs ns Transtrns d Espectr Autista Psychfarmaclgic Interventins fr Repetitive Behavirs in Autism Spectrum Disrders Child and Adlescent Psychiatric

Leia mais

Mairiporã: o valor do solo urbano em uma urbanização dispersa

Mairiporã: o valor do solo urbano em uma urbanização dispersa VIII Seminári Internacinal da LARES Mercads emergentes de Real Estate: nvs desafis e prtunidades 03, 04 e 05 de Setembr de 2008 Sã Paul - SP - Brasil Mairiprã: valr d sl urban em uma urbanizaçã dispersa

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

QUEDAS EM CRIANÇAS E JOVENS: UM ESTUDO RETROSPETIVO (2000-2013) Reedição, revista e adaptada

QUEDAS EM CRIANÇAS E JOVENS: UM ESTUDO RETROSPETIVO (2000-2013) Reedição, revista e adaptada Reediçã, revista e adaptada RELATÓRIO FINAL Nvembr de 04 I Enquadrament e bjetivs Na Eurpa tds s ans mrrem 500 crianças e jvens entre s 0 e s 9 ans na sequência de uma queda. Apesar de nã ser a mair causa

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

Espécies recomendadas para os relvados do campo de golfe da ADT-3 - Herdade da Comporta

Espécies recomendadas para os relvados do campo de golfe da ADT-3 - Herdade da Comporta Espécies recmendadas para s relvads d camp de glfe da ADT-3 - Herdade da Cmprta Preparad pr: Dr. Charles H. Peacck Senir Agrnmist Audubn Envirnmental 1000 St. Albans Drive, Suite 350 Raleigh, Nrth Carlina

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 Ns terms d regulament específic Equipaments para a Cesã Lcal,

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

Glaucoma. O que é glaucoma?

Glaucoma. O que é glaucoma? Glaucma O que é glaucma? Glaucma é a designaçã genérica de um grup de denças que atingem nerv óptic (ver figura 1) e envlvem a perda de células ganglinares da retina num padrã característic de neurpatia

Leia mais

CONSTRUMETAL 2010 CONGRESSO LATINO-AMERICANO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA São Paulo Brasil 31 de agosto a 2 de setembro 2010

CONSTRUMETAL 2010 CONGRESSO LATINO-AMERICANO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA São Paulo Brasil 31 de agosto a 2 de setembro 2010 CONSTRUMETAL 2010 CONGRESSO LATINO-AMERICANO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA Sã Paul Brasil 31 de agst a 2 de setembr 2010 PRESCRIÇÕES DE SOLDAS APLICADAS EM LIGAÇÕES COM BASE NA NORMA BRASILEIRA DE PROJETO DE

Leia mais

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES 1 Breve Históric Sbre Design Patterns A rigem ds Design Patterns (Padrões de Desenh u ainda Padrões de Prjet) vem d trabalh de um arquitet chamad

Leia mais

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AURÉLIA DE SOUSA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prva Escrita e Prva Oral de Inglês 11.º An de esclaridade DECRETO-LEI n.º 139/2012, de 5 de julh Prva (n.º367) 1.ªe 2.ª Fase 6

Leia mais

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos Versã 14.0 Junh 2015 www.psr-inc.cm Cntat: sddp@psr-inc.cm SDDP VERSÃO 14.0 Nvidades Representaçã mais detalhada da peraçã em cada estági: 21 blcs Tradicinalmente, a peraçã de cada estági (semana u mês)

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais