XML. Levantea mãose você. XML Nativo. XML Nativo. XML Nativo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "XML. Levantea mãose você. XML Nativo. XML Nativo. XML Nativo"

Transcrição

1 Levantea mãose você Mirella M. Moro Nunca ouviu falar de XML Sabe escrever um documento XML Sabe consultas em XPath/XQuery Faz pesquisa com XML Conhece XML nativo Esta palestra é para todos vocês 2 XML A linguagem que apareceu para resolver todos os problemas do mundo É tipo assim XML Fever E. Wilde, R. J. Glushko Communications ACM, July 2008 XML A melhor linguagem para resolver alguns problemas de gerenciamento de dados Sim bem resolvido? 3 4 XML está por toda a parte Web services (formato de feeds RSS) Integração (e-commerce) Padrões abertos para troca de arquivos 5 XML está por toda a parte Advertising: adxml place an ad onto an ad network or to a single vendor Banking: MBA Mortgage Bankers Association of America credit report, loan file, underwriting Directories: dirxml Novell s Directory Services Markup Language Literature: Gutenberg convert the world s great literature into XML Geospatial: ANZMETA distributed national directory for land information Healthcare: HL7 DTDs for prescriptions, policies & procedures, clinical trials Human Resources: XML-HR standardization of HR/electronic recruiting XML definitions International Dvt: IDML improve the mgt. and exchange of info. for sustainable development Math: MathML Mathematical Markup Language News: NewsML creation, transfer and delivery of news Surveys: DDI Data Documentation Initiative, codebooks in the social and behavioral sciences Travel: opentravel information for airlines, hotels, and car rental places Voice: VoxML markup language for voice applications Wireless: WAP Wireless Application Protocol, wireless devices on the World Wide Web Weather: OMF Weather Observation Markup Format Web Servers: apachexml parsers, XSL, web publishing 6

2 Na Web BD = tecnologia base para qualquer aplicação web Semi-estruturado Modelo relacional: relações e propriedades tabelas e colunas Semi-estruturado: relaxa as restrições adiciona aninhamento, repetição e recursão 7 8 Aninhamento Repetição Recursão <continents> <LatinAmerica> <Brazil language= Portuguese population=> <FamousThings> <people> <TopModels> </TopModels> <SoccerPlayers> </SoccerPlayers> <artists> <painter> </painter> <painter> </painter> </artists> </people> <parties> <carnival> </carnival> </parties></famousthings></brazil></latinamerica> </continents> Aninhamento Repetição Recursão <continents> <LatinAmerica> <Brazil language= Portuguese population=> <FamousThings> <people> <TopModels> </TopModels> <SoccerPlayers></SoccerPlayers> <artists> <painter></painter> <painter></painter> </artists> </people> <parties> <carnival> </carnival> </parties> </FamousThings> </Brazil> </LatinAmerica> </continents> TopModels SoccerPlayers people painter continents LatinAmerica Brazil FamousThings artists painter parties carnival 9 10 Muito se tem feito na pesquisa Mais ainda na indústria Muitas opções XML sobre tabelas relacionais XML como arquivos texto XML como estruturas de árvore FORMATO NATIVO Ao final desta palestra Conceitos básicos de XML Modelo de dados XML Armazenamento de dados XML Consulta a dados XML MAIS outros tópicos Web 11 12

3 1.1. XML HTML usa tags para formatação (italic) 1. Conceitos Básicos 1. XML 2. O que? 3. Quando? Por quê? Onde? 4. Como? 5. Criar conjunto de tags para um domínio (ex. genoma), e traduzir dados para documentos apropriadamente marcados (tags) Linguagem usa tags para semântica Aplicável para qualquer semântica extensible Markup Language O que XML? Modelo de Dados Relacional Normalizado em tabelas (colunas, linhas) Estrutura definida Novo Modelo de Dados Baseado em árvores Representação de dados flexível, estrutura variável Compartilhamento de documentos entre sistemas e base de dados OqueXML? É uma metalinguagem não uma linguagem específica Define regras de como marcar o documento não define os nomes usados na marcação Document Type Definition (DTD) para restringir a marcação permitida em uma classe de documentos Todas as linguagens naturais, independente de conjunto de caracteres, orientação de escrita, O que XML? <bibliografia> Tipo de elemento <artigo ID="object-fusion"> <autores> <autor>y. Papakonstantinou</autor> <autor>s. Abiteboul</autor> <autor>h. Garcia-Molina</autor> </autores> <artigocompleto source="fusion"/> <título>object Fusion in Mediator Systems</título> <public>vldb 96</public> </artigo> </bibliografia> Conteúdo, caracteres Elemento Elemento Vazio Conteúdo Elemento XML vs. HTML <h1> Bibliografia </h1> <p> <i> Foundations of DB Systems</i>, Elmasri, Navathe <br> Addison-Wesley, 2006 <p> <i> Encyclopedia of DB Systems</i>, Ozsu, Liu, eds. <br> 2008 <bibliografia> <livro> <titulo> Foundations of DB Systems </titulo> <autor> Elmasri </autor> <autor> Navathe </autor> <editora> Addison-Wesley </editora>. </livro> <livro> <editor> Ozsu</editor> </livro> </bibliografia> HTML tags apresentação, estrutura genérica XML tags conteúdo, semântica, (DTD-) específica 17 18

4 Quando? 1995 Evolução para novos tipos de negócios: baseados em conexão com pessoas do mundo inteiro e conexão de aplicações construídas por vários fornecedores (B2C, B2B) Necessidade de um formato de dados novo e comum (padrão) para ser usado na Internet Por quê? Flexível Padrão para descrever formato de dados Auto-descritivo, metadados no documento Legível e disponível em qualquer língua Possibilita o conteúdo (informação) de um documento ser separado dos detalhes de apresentação Onde? Microsoft Office 2003, Adobe PDF, Adobe Photoshop, Sun StarOffice, OpenOffice 19 Por que XML? Auto-descritivo horrível TERCEIRA LINHA DO PRIMEIRO ok VERSO?! muito melhor ÐÏ^Qà \documentclass{article} <?xml version="1.0"?> \begin{document} <universal_library> \{Some Quotations from the <books> ÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿ Universal Library} ÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿ <book> ÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿ \section{famous Quotes} <> Some Quotations from the Universal ÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿì \subsection{by William I} Library</> \textbf{\cite[sonnet <section> <> Famous Quotes </> XVIII]{shakespeare-sonnets- <subsection> <> By William I </> Quotations from the Universal Library^M1 1609}} <quote bibref="shakespeare-sonnets-1609"> Famous Quotes^M1.1 By William I^M[2, \begin{verse} Sonnet XVIII]^MShall I compare thee to a <> Sonnet XVIII</> Shall I compare thee to a summer's summer's day?^mthou art more lovely and day?\\ <verse> more temperate.^mrough winds do shake the Thou art more lovely and more <line>shall I compare thee to a summer's darling buds of May,^MAnd summer's lease temperate. \\ day? </line> hath all too short a date.^msometime too hot Rough winds do shake the darling <line>thou art more lovely and more the eye of heaven shines,^mand often is his buds of May, \\ gold complexion dimmed.^mand every fair temperate. </line> And summer's lease hath all too short from fair some declines,^mby chance or a date. \\ <line>rough winds do shake the darling nature's changing course untrimmed.^mbut thy Sometime too hot the eye of heaven buds of May, </line> eternal summer shall not fade,^mnor lose shines, \\ </verse> possession of that fair thou owest,^mnor shall And often is his gold complexion Death brag thou wander'st in his dimmed. \\ shade^mwhile in eternal lines to time thou </subsection> growest.^mso long as men can breathe, or <subsection> <>By William II</> \qquad So long as men can breathe, eyes can see,^mso long live this, and this or eyes can see,\\ <quote bibref="gates-road-ahead-1995"> gives life to thee.^m1.2 By William II^M[1, \qquad So long live this, and this p.265]^m\223the obvious mathematical gives life to thee. \\ </quote> breakthrough would be development of^man \end{verse} easy way to factor large prime </subsection> numbers."^mreferences^m[1] W. H. Gates. </section> \subsection{by William II} The Road Ahead. Viking Penguin, 1995.^M[2] </book> W. Shakespeare. The Sonnets of \bibliographystyle{abbrv} </books> \bibliography{msg} \end{document} </universal_library> Como XML? CLOB/BLOB Armazenar XML como documento texto PROBLEMAS? Difícil de consultar e atualizar Não fornece integridade aos dados Como XML? XML/SQL Shredding Mapear e reduzir XML em tabelas SQL Consultas XML usando SQL ou SQL/XML PROBLEMAS? Cada SGBD SQL tem uma técnica diferente Consulta XML usando SQL, reconstrói dados XML Uma coluna texto em uma tabela Várias colunas texto em várias tabelas XML NATIVO XML/SQL Shredding Mapear e reduzir XML em tabelas SQL Consulta XML usando SQL, reconstrói dados XML BLOB/CLOB Armazenar XML como documento texto Difícil de consultar e atualizar ArmazenaXML no modonativo, com ou sem esquema ConsultausandolinguagemXML (XQuery, XPath) Utiliza índices XML apropriados 23 Documento <Library> <book = 14 > <>Adventures of Huckleberry Finn</> <author><last>twain</last> <first>mark</first> </author> <>2002</> <otherinfo> <isbn> </isbn> <collection>penguin Classics</collection> <publisher>penguin Classics</publisher> </otherinfo> </book> <book = 5 > atributo elemento <>How the Grinch Stole Christmas!</> <author>dr. Seuss</author> <publisher> Random House</publisher> <>1957</> <isbn> </isbn> valor </book> <DVD = 2 rated= PG > <>The Grinch</> <director><last>howard</last> <first>ron</first></director> <actors><actor>jim Carrey</actor> <actor>taylor Momsen</actor> </actors> <studio>universal Studios</studio> <>2001</> </DVD> </Library> book author otherinfo last first isbn publisher collection Representação Árvore Library book author publisher isbn DVD rated studio director actors last first actor actor 24

5 , e não SQL Consulta Relacional em JAVA, SGBD relacional shredding public long queryaccumulation(stringxquery)throws SQLException, IfsException{ AttributeSearchSpecification asp=new AttributeSearchSpecification();StringclassNames[] =newstring[] {"SWAPSTREAM", "CALCULATIONPERIODAMOUNT", "CALCULATION", "FLOATINGRATECALCULATION", "NOTIONALSCHEDULE","NOTIONALSTEPSCHEDULE"}; StringaliasNames[] =newstring[] {"ss","cpa","c","frc","ns","nss"};boolean delbvrs[] = {false,false,false,false,false,false};boolean recbvrs[] = {false,false,false,false,false,false};searchclassspecification scp =new SearchClassSpecification(classNames,aliasNames,delBvrs,recBvrs);scp.addResultClass("sS");asp.setSearchClassSpecification(scp);JoinQualificati on jq1 =new JoinQualification();JoinQualificationjq2 =new JoinQualification();JoinQualificationjq3 =new JoinQualification();JoinQualificationjq4 =new JoinQualification();JoinQualificationjq5 =new JoinQualification(); jq1.setleftattribute("ss","calculationperiodamount"); jq1.setrightattribute("cpa",null); jq2.setleftattribute("cpa","calculation"); jq2.setrightattribute("c",null); jq3.setleftattribute("c","floatingratecalculation"); jq3.setrightattribute("frc",null); jq4.setleftattribute("c","notionalschedule"); jq4.setrightattribute("ns",null); jq5.setleftattribute("ns","notionalstepschedule"); jq5.setrightattribute("nss",null);attributequalificationaq1 =new AttributeQualification(); aq1.setattribute("frc","floatingrateindex"); aq1.setoperatortype("="); aq1.setvalue("usd-libor-bba");attributequalificationaq2 =new AttributeQualification(); aq2.setattribute("frc","daycountfraction"); aq2.setoperatortype("="); aq2.setvalue("act/360");attributequalificationaq3 =new AttributeQualification(); aq3.setattribute("nss","currency"); aq3.setoperatortype("="); aq3.setvalue("usd");searchclausesc1 =new SearchClause(); sc1.setleftsearchqualification(jq1); sc1.setrightsearchqualification(jq2); sc1.setoperatortype(searchclause.and);searchclausesc2 =new SearchClause(); sc2.setleftsearchqualification(sc1); sc2.setrightsearchqualification(jq3); sc2.setoperatortype(searchclause.and);searchclausesc3 =new SearchClause(); sc3.setleftsearchqualification(sc2); sc3.setrightsearchqualification(jq4); sc3.setoperatortype(searchclause.and);searchclausesc4=new SearchClause(); sc4.setleftsearchqualification(sc3); sc4.setrightsearchqualification(jq5); sc4.setoperatortype(searchclause.and);searchclausesc5 =new SearchClause(); sc5.setleftsearchqualification(aq1); sc5.setrightsearchqualification(aq2); sc5.setoperatortype(searchclause.and);searchclausesc6 =new SearchClause(); sc6.setleftsearchqualification(sc5); sc6.setrightsearchqualification(aq3); sc6.setoperatortype(searchclause.and);searchclausesc7=new SearchClause(); sc7.setleftsearchqualification(sc4); sc7.setrightsearchqualification(sc6); sc7.setoperatortype(searchclause.and);asp.setsearchqualification(sc7);viewspecification vs;vs=new ViewSpecification("VIEW_SWAPSTREAM",asp,true); vs.addclass(sess, "frc",newstring[] {"FLOATINGRATEINDEX","DAYCOUNTFRACTION"}); vs.addclass(sess, "nss",newstring[] {"CURRENCY","INITIALVALUE"});sess.createView(vs);long sum= 0; Stringsql= "SELECT SUM(INITIALVALUE) FROM VIEW_SWAPSTREAM";PreparedStatement pstmt=databasecon.preparestatement(sql);resultset rset=pstmt.executequery();rset.next();sum=rset.getlong(1);rset.close();pstmt.close();return sum;}, e não SQL Consulta XQuery, SGBD XML nativo sum(/fpml[trade/swap/swapstream/ calculationperiodamount/calculation [notionalschedule/notionalstepschedule/currency='usd and floatingratecalculation/floatingrateindex='usd-libor-bba' and daycountfraction='act/360']] /trade/swap/swapstream/calculationperiodamount/calculation/notio nalschedule/notionalstepschedule/initialvalue) SGBD TIMBER [Jagadish et al VLDB J. 2002] ROX [Halverson et al VLDB 2004] NeoCore XML Management System (Xpriori) Tamino XML Server (SoftwareAG) TX1 (Toshiba) exist (open source) SGBD Híbrido (relacional + engine nativo) DB2 goes hybrid, Beyer et al IBM Systems Journal, 45(2), 2006 Native Xquery processing in Oracle XMLDB, Liu et al. SIGMOD 2005 Conceitos Básicos XML: linguagem usa tags para qualquer semântica Por quê? Flexível, padrão, auto-descritivo, metadados no documento, legível e disponível em qualquer língua Onde? MS Office, Adobe, Open Office Como? BLOB/CLOB, Shredding Revisão Modelo de Banco de Dados 1. Revisão 2. Regras Básicas 3. Fundamentos 2. Modelo de Dados Definição Representação matemática dos dados Exemplos Modelo relacional: tabelas Modelo semiestruturado: árvores, grafos Operações nos dados Restrições sobre os dados 30

6 Modelo Semiestruturado 2.2. Regras Básicas nome Joe s bar servidoem end Maple ceva nome Bud manuf A.B. raiz ceva manuf Objeto bar p/ o bar do Joe nome M lob ano 1995 premiação Gold Tipo de dados diferentes premio Objeto cerveja (ceva) para a Budweiser Informação é representada em unidades chamadas Documentos XML Um documento contém um ou mais elementos Um elemento: tem um nome é definido no doc. com marcação explícita pode conter outros elementos pode ser associado com atributos Fundamentos Elemento Texto delimitado: tag de início, tag de fim Elementos podem ser aninhados Tags não são pré-definidas <bd> <leilao> <data> </data> <lote> <no>534</no> <valor>200000</valor> <obra>abapuru</obra> </lote> </leilao> </bd> Fundamentos Atributos do elemento <bd> <leilao leiloeiro="ec" local="cp"> <data> </data> <lote> <no>534</no> <valor moeda="reais">200000</valor> <obra>abapuru</obra> </lote> </leilao> </bd> ATRIBUTOS Fundamentos Declaração: <?xml version= 1.0?> Componentes de dados lógicos Vocabulário de marcação: elementos, atributos <produto categoria = telefone móvel"> <mfg>nokia</mfg><modelo>8890</modelo> </product> Espaços em branco Dados (caracteres) parseados e não parseados Referências a entidades: &diagrama; Comentários: <!-- interessante --> Instruções de processamento <?xml-stylesheet href="catalog-style.css" type="text/css"?> Fundamentos Declarações de marcação (DTD) Declarações internas e externas Tipo do elemento raiz Tipos de elementos: EMPTY, children, mixed, ANY <!ELEMENT categoria (mfg, modelo, descrição, relógio?)> <!ELEMENT descrição (#PCDATA feature)*> <!ELEMENT relógio EMPTY> Tipos de atributos: CDATA, ID, IDREF(-S), ENTITY(-TIES), NMTOKEN(-S) <!ATTLIST relógio setting CDATA #IMPLIED alarme (yes, no, dual) "yes" > Notações Entidades 35 36

7 Fundamentos Conformidade Bem formado (Well-formed) Tags sintaticamente corretas Tags combinadas (matching tags) Elementos aninhados Todas entidades declaradas antes de serem usadas Válido Bem formado DTD + documento obedece DTD IDs únicos sem IDREFs perdidas Modelo de Dados XML: conceitos básicos O que, quando, porque, onde, como Modelos de Banco de Dados [próximo slide] Fundamentos do Modelo Documento <Library> <book = 14 > <>Adventures of Huckleberry Finn</> <author><last>twain</last> <first>mark</first> </author> <>2002</> <otherinfo> <isbn> </isbn> <collection>penguin Classics</collection> <publisher>penguin Classics</publisher> </otherinfo> </book> <book = 5 > atributo elemento <>How the Grinch Stole Christmas!</> <author>dr. Seuss</author> <publisher> Random House</publisher> <>1957</> <isbn> </isbn> valor </book> <DVD = 2 rated= PG > <>The Grinch</> <director><last>howard</last> <first>ron</first></director> <actors><actor>jim Carrey</actor> <actor>taylor Momsen</actor> </actors> <studio>universal Studios</studio> <>2001</> </DVD> </Library> book author otherinfo last first isbn publisher collection Representação Árvore Library book author publisher isbn DVD rated studio director actors last first actor actor Modelagem de Dados XML 1. Exemplo: livrarias online 2. Uma metodologia 3. Padrões de modelagem 3.1. Exemplo: Livrarias online 41 42

8 <!-- Amazon --> book FreeSuperSaving SurpriseMe author* type list_price our_price you_save perc buy_used <! BookPool --> book fig author* type publisher date_published month id usually_ships_in instock list_price our_used you_save <! Barnes & Nobel--> book fig author* type date_published usually_ships_in instock isbn type sales_rank our_price you_save ± Mesma info Vocabulário? Elementos? Atributos? Uma Metodologia p/ Modelagem Fase Modelo Relacional Modelo XML Conceitual: semântica Entidades, atributos, tipo, relacionamentos, restrições. Diagrama ER. Nomes (taxonomia, vocabulário), relacionamentos. Lógica: Tabelas, colunas, Elementos, atributos, valores, estrutura relacionamentos, visões. Formas normais, modelo relacional, DDL. relacionamentos (aninhamento). DTD, XML Schema. Física Implementação e otimização: armazenamento e partições, índices, caminhos de acesso. DDL. Escrever esquema, instâncias, otimizações: armazenamento e partições, índices, unidades reusáveis Padrões de Modelagem E-Catalog Endereço Endereço permanente Endereço de cobrança Endereço de envio [MORO, LIM, SIGMOD 2007] RUSSIAN DOLLS Sem reusabilidade Mudanças locais VENETIAN BLINDS SALAMI SLICES Reusabilidade Mudanças globais GARDEN OF EDEN <purchaseorder number="10293"> <permaddress></permaddress> <billtoaddress></billtoaddress> <sendtoaddress></sendtoaddress> </purchaseorder> <purchaseorder number="10293"> <address type= permaddress ></address> <address type= billtoaddress ></address> <address type= sendtoaddress ></address> </purchaseorder> <purchaseorder number="10293"> <permaddress> <address></address> </permaddress> <billtoaddress> <address></address> </billtoaddress> <sendtoaddress> <address></address> </sendtoaddress> </purchaseorder> <purchaseorder number="10293"> <address> <permaddress></permaddress> <billtoaddress></billtoaddress> <sendtoaddress></sendtoaddress> </address> </purchaseorder> 47 Critérios para escolher Flexibilidade Vocabulário, namespaces Reuso: Quais estruturas precisam ser reutilizadas? Todas? Por várias aplicações diferentes? Especialização: Quais estruturas alguém pode querer modificar? Qual o impacto para estas modificações? 48

9 Modelagem de Dados XML Exemplo: livrarias online Cada qual com sua informação Diferentes maneiras de representar, nomear Uma metodologia Dados relacionais x dados XML Padrões de modelagem Russian dolls, salami slices, venetian blinds, garden of Eden 49

XML Nativo XML. Levante a mão se você. XML Nativo. Mirella M. Moro

XML Nativo XML. Levante a mão se você. XML Nativo. Mirella M. Moro XML Nativo Mirella M. Moro Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais mirella@dcc.ufmg.br Levante a mão se você Nunca ouviu falar de XML Sabe escrever um documento XML Sabe

Leia mais

XML. 1. XML: Conceitos Básicos. 2. Aplicação XML: XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata XML

XML. 1. XML: Conceitos Básicos. 2. Aplicação XML: XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata XML 1 1. : Conceitos Básicos 2. Aplicação : XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata 2 é um acrônimo para EXtensible Markup Language é uma linguagem de marcação muito parecida com HTML foi designada para descrever

Leia mais

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA XML e Banco de Dados DCC/IM/UFBA Banco de Dados na Web Armazenamento de dados na Web HTML muito utilizada para formatar e estruturar documentos na Web Não é adequada para especificar dados estruturados

Leia mais

XML (extensible Markup Language)

XML (extensible Markup Language) Sumário 1. Introdução a Aplicações Não-Convencionais 2. Revisão de Modelagem Conceitual 3. BD Orientado a Objetos (BDOO) 4. BD Objeto-Relacional (BDOR) 5. BD Temporal (BDT) 6. BD Geográfico (BDG) 7. BD

Leia mais

XML e Banco de Dados de Internet. Tópicos Especiais em Tecnologia da Informação Profa. Késsia R. C. Marchi

XML e Banco de Dados de Internet. Tópicos Especiais em Tecnologia da Informação Profa. Késsia R. C. Marchi XML e Banco de Dados de Internet Tópicos Especiais em Tecnologia da Informação Profa. Késsia R. C. Marchi Motivação Diversas aplicações Web utilizam Fontes de Dados (BD); Arquitetura Cliente-Servidor (2

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS -XML Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. O QUE É XML? Tecnologia desenvolvida pelo W3C http://www.w3c.org W3C: World Wide Web Consortium consórcio formado por acadêmicos

Leia mais

Bases de dados semi-estruturadas, XML

Bases de dados semi-estruturadas, XML Bases de dados semi-estruturadas, XML Fernando Lobo Base de Dados, Universidade do Algarve 1 / 40 Modelo de informação semi-estruturado Esquema está impĺıcito nos dados. Ao invés do modelo relacional,

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O QUE É XML? Tecnologia desenvolvida pelo W3C http://www.w3c.org W3C: World Wide Web Consortium consórcio

Leia mais

Um documento XML possui Unidade lógica - os elementos Usuário "inventa" as marcas através de DTDs

Um documento XML possui Unidade lógica - os elementos Usuário inventa as marcas através de DTDs XML Um documento XML possui Unidade lógica - os elementos Usuário "inventa" as marcas através de DTDs Unidade física - as entidades Armazenamento separado dos dados Como toda linguagem de marcação: XML

Leia mais

XML XML. XML extensible Markup Language HTML. Motivação. W3C: World Wide Web Consortium XML 1.0. Mário Meireles Teixeira DEINF-UFMA

XML XML. XML extensible Markup Language HTML. Motivação. W3C: World Wide Web Consortium XML 1.0. Mário Meireles Teixeira DEINF-UFMA Mário Meireles Teixeira DEINF-UFMA Motivação extensible Markup Language W3C: World Wide Web Consortium http://www.w3.org 1.0 W3C Recommendation, 10/Fev/1998 (inicial) W3C Recommendation, 04/Fev/2004, 3

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O QUE É XML? Tecnologia desenvolvida pelo W3C http://www.w3c.org W3C: World Wide Web Consortium consórcio

Leia mais

extensible Markup Language (XML) XML é uma linguagem de anotação. XML utiliza tags para descrever informação.

extensible Markup Language (XML) XML é uma linguagem de anotação. XML utiliza tags para descrever informação. extensible Markup Language (XML) XML é uma linguagem de anotação. XML utiliza tags para descrever informação. Em XML, os tags não são pré-definidos. Temos de definir os nossos tags. XML utiliza um Document

Leia mais

Introdução e motivação SGBD XML Nativo Consultas em SGBDs XML Prática. Bancos de dados XML. Conceitos e linguagens de consulta

Introdução e motivação SGBD XML Nativo Consultas em SGBDs XML Prática. Bancos de dados XML. Conceitos e linguagens de consulta Bancos de dados XML Conceitos e linguagens de consulta Sidney Roberto de Sousa MC536 - Bancos de Dados: Teoria e prática Material base: W3Schools XPath and XQuery Tutorial http://www.w3schools.com/xpath/

Leia mais

Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) XML Origens. HTML Problemas

Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) XML Origens. HTML Problemas Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) (extensible( Markup Language ) Origens (extensible Markup Language linguagem de marcação extensível) Criada em 1996 pelo W3C (World

Leia mais

Introdução. Definição. Validação. Universo XML. Apresentação. Processamento. Prof. Enzo Seraphim. Banco de Dados

Introdução. Definição. Validação. Universo XML. Apresentação. Processamento. Prof. Enzo Seraphim. Banco de Dados Introdução Definição Validação Apresentação Processamento Banco de Dados Universo XML Prof. Enzo Seraphim Popularidade do HTML Extremamente simples Estilo próprio para formatação de documentos Ligações

Leia mais

Banco de Dados. Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca, Ana Carolina Salgado & Robson Fidalgo

Banco de Dados. Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca, Ana Carolina Salgado & Robson Fidalgo Dados na Web Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca, Ana Carolina Salgado & Robson Fidalgo 1 O objetivo é integrar todos os tipos de informação, incluindo informação não estruturada Informação

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -DTD. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://www.about.me/tilfrozza

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -DTD. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://www.about.me/tilfrozza GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -DTD Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://www.about.me/tilfrozza ROTEIRO Introdução ao DTD Elementos Atributos Entidades Validando um documento XML DTD (DOCUMENT

Leia mais

L A C Laboratory for Advanced Collaboration

L A C Laboratory for Advanced Collaboration Publicação de Dados Governamentais no Padrão Linked Data 2.1 Conceitos Básicos Karin Breitman José Viterbo Edgard Marx Percy Salas L A C Laboratory for Advanced Collaboration Objetivo deste módulo 1.Discutir

Leia mais

GEE051 - Banco de Dados (BD) Plano de Curso. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/bd UFU/FACOM - 2011/2

GEE051 - Banco de Dados (BD) Plano de Curso. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/bd UFU/FACOM - 2011/2 GEE051 - Banco de Dados (BD) Plano de Curso Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/bd UFU/FACOM - 2011/2 Motivação Problemas reais encontrados por engenheiros exigem uma visão

Leia mais

MAPEAMENTO DE CONSULTAS SQL EM XML ENTRE SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS RELACIONAIS

MAPEAMENTO DE CONSULTAS SQL EM XML ENTRE SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS RELACIONAIS Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Informática e Estatística Curso de Sistemas de Informação RENATO SULZBACH MAPEAMENTO DE CONSULTAS SQL EM XML ENTRE SISTEMAS GERENCIADORES

Leia mais

Guia de Consulta Rápida XML. Otávio C. Décio. Novatec Editora

Guia de Consulta Rápida XML. Otávio C. Décio. Novatec Editora Guia de Consulta Rápida XML Otávio C. Décio Novatec Editora Guia de Consulta Rápida XML de Otávio C. Décio Copyright@2000 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610

Leia mais

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve Banco de Dados I Introdução Fabricio Breve Introdução SGBD (Sistema Gerenciador de Banco de Dados): coleção de dados interrelacionados e um conjunto de programas para acessar esses dados Coleção de dados

Leia mais

XML (extensible Markup Language) por. Rafael Port da Rocha. (Notas de Aula)

XML (extensible Markup Language) por. Rafael Port da Rocha. (Notas de Aula) XML (extensible Markup Language) por Rafael Port da Rocha (Notas de Aula) 2007 Introcução Componentes de um Documento Eletrônico Digital Conteúdo: formado pelas informações que o documento transmite aos

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Curso de Gestão em SI Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Rodrigo da Silva Gomes (Extraído do material do prof. Ronaldo Melo - UFSC) Banco de Dados (BD) BD fazem parte do nosso dia-a-dia!

Leia mais

SuporteNativoa XML no

SuporteNativoa XML no SuporteNativoa XML no Gerenciamento de Dados e Informação Suporte Nativo a XML no Oracle Fernando Fonseca Ana Carolina Robson Fidalgo 2 Oracle & XML Habilita uma fonte confiável para XML Apresenta flexibilidade

Leia mais

Banco de Dados I. Introdução Conceitos

Banco de Dados I. Introdução Conceitos Banco de Dados I Introdução Conceitos Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Ementa Conceitos Fundamentais de Banco de Dados; Características

Leia mais

Este relatório tem por objetivo, abordar a sintaxe XML.

Este relatório tem por objetivo, abordar a sintaxe XML. Relatório do GPES Este relatório tem por objetivo, abordar a sintaxe XML. XML Estrutura do documento Um documento XML é uma árvore rotulada onde um nó externo consiste de: [1] Dados de caracteres (uma

Leia mais

SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS

SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br SISTEMA GERENCIADOR

Leia mais

Sintaxe XML. César Vittori cvittori@inf.ufrgs.br. Outubro de 2000. Resumo Introdução à sintaxe XML. Marcação tradicional x marcação de documentos

Sintaxe XML. César Vittori cvittori@inf.ufrgs.br. Outubro de 2000. Resumo Introdução à sintaxe XML. Marcação tradicional x marcação de documentos Sintaxe XML César Vittori cvittori@inf.ufrgs.br Outubro de 2000 Resumo Introdução à sintaxe XML. Marcação tradicional x marcação de documentos XML. Sintaxe XML Marcação de documentos eletrônicos XML é

Leia mais

Recapitular XML... Gestão e Tratamento de Informação DEI IST

Recapitular XML... Gestão e Tratamento de Informação DEI IST Recapitular XML... Gestão e Tratamento de Informação DEI IST Agenda Introdução ao XML XML Schema XML Namespaces Agenda Introdução ao XML XML Schema XML Namespaces Revolução da Web HTML é a linguagem da

Leia mais

INTEGRAÇÃO ENTRE XML E OS SBGDs MICROSOFT SQL SERVER 2008 E ORACLE 11G. Resumo: Atualmente existe uma preocupação maior com relação à geração,

INTEGRAÇÃO ENTRE XML E OS SBGDs MICROSOFT SQL SERVER 2008 E ORACLE 11G. Resumo: Atualmente existe uma preocupação maior com relação à geração, INTEGRAÇÃO ENTRE XML E OS SBGDs MICROSOFT SQL SERVER 2008 E ORACLE 11G AGDA COUTINHO GOMIDE 1 IREMAR NUNES DE LIMA 2 Resumo: Atualmente existe uma preocupação maior com relação à geração, manutenção, organização,

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Introdução a Computação Aula 04 SGBD Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com Conceitos Básicos DADOS: são fatos em sua forma primária. Ex: nome do funcionário,

Leia mais

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados -

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados - Banco de Dados Aula 02 Modelagem de Dados Roteiro Definição Evolução Projeto de BD Abstração Esquema e Instância Definição É uma representação, normalmente gráfica, de estruturas de dados reais. Auxilia

Leia mais

Um Modelo de Controle de Acesso para Conteúdos Digitais

Um Modelo de Controle de Acesso para Conteúdos Digitais Um Modelo de Controle de Acesso para Conteúdos Digitais Valerio Rosset, Carla Merkle Westphall INE - LRG (Laboratório de Redes e Gerência) Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Caixa Postal 476

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias 2 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias Modelo de dados: Conjunto de conceitos

Leia mais

XML & Banco de Dados

XML & Banco de Dados SECCOM - UFSC Semana de Cursos e Palestras da Computação Outubro/2004 XML & Banco de Dados Ronaldo dos Santos Mello INE / CTC / UFSC ronaldo@inf.ufsc.br Roteiro 1. Introdução 2. Tecnologia XML 3. Gerenciamento

Leia mais

XML para transferência de dados Estrutura hierárquica do XML DTDs e XML Schema Consultas de documentos XML: XPath e XQuery Transformação de

XML para transferência de dados Estrutura hierárquica do XML DTDs e XML Schema Consultas de documentos XML: XPath e XQuery Transformação de Capítulo 9: XML XML para transferência de dados Estrutura hierárquica do XML DTDs e XML Schema Consultas de documentos XML: XPath e XQuery Transformação de documentos XML: XSLT Mapeamento entre documentos

Leia mais

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Banco de Dados Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Roteiro Apresentação do professor e disciplina Definição de Banco de Dados Sistema de BD vs Tradicional Principais características de BD Natureza autodescritiva

Leia mais

Bases de Dados. Bibliografia. 1. Parte I Componente Teórica. Pedro Quaresma

Bases de Dados. Bibliografia. 1. Parte I Componente Teórica. Pedro Quaresma Índice Bases de Dados Pedro Quaresma Departamento de Matemática Universidade de Coimbra 2010/2011 1. Parte I Componente Teórica 1.1 Introdução 1.2 Modelo ER 1.3 Modelo Relacional 1.4 SQL 1.5 Integridade

Leia mais

Introdução ao SQL. O que é SQL?

Introdução ao SQL. O que é SQL? Introdução ao SQL 1 O que é SQL? Inicialmente chamada de Sequel, SQL (Structured Query Language), é a linguagem padrão utilizada para comunicar-se com um banco de dados relacional. A versão original foi

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

INF220 - Banco de Dados I

INF220 - Banco de Dados I Banco de Dados - Introdução Bibliografia INF220 - Banco de Dados I Prof. Jugurta Lisboa Filho Departamento de Informática - UFV Notas de Aula (jugurta@dpi.ufv.br) ELMASRI, R; NAVATHE, S. Fundamentals of

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia. Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística. Versao 1.

Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia. Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística. Versao 1. Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística Prof. Andre Zanki Cordenonsi Versao 1.0 Março de 2008 Tópicos Abordados Conceitos sobre Banco

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS FORMAS DE TROCA DE INFORMAÇÃO: EDI E XML

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS FORMAS DE TROCA DE INFORMAÇÃO: EDI E XML GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS FORMAS DE TROCA DE INFORMAÇÃO: EDI E XML Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-1 Objetivos Compreender as diferentes tecnologias de troca de informação em uma Cadeia de Suprimentos

Leia mais

Introdução. Unidade 1. Engenharia de Computação / Engenharia de Produção Banco de Dados Prof. Maria das Graças da Silva Teixeira

Introdução. Unidade 1. Engenharia de Computação / Engenharia de Produção Banco de Dados Prof. Maria das Graças da Silva Teixeira Unidade 1 Introdução Engenharia de Computação / Engenharia de Produção Banco de Dados Prof. Maria das Graças da Silva Teixeira Material base: Banco de Dados, 2009.2, prof. Otacílio José Pereira Contexto

Leia mais

XML (extensible Markup Language)

XML (extensible Markup Language) XML (extensible Markup Language) João Carlos Pinheiro jcarlos026@ig.com.br Comentário As implicações mais amplas de um formato de dados padrão e de fácil processamento como XML, são difíceis de imaginar,

Leia mais

Gerenciamento de um Sistema de

Gerenciamento de um Sistema de SBD Gerenciamento de um Sistema de Banco de Dados Prof. Michel Nobre Muza ua michel.muza@ifsc.edu.br Prof. Marcos Antonio Viana Nascimento Por que é importante: Motivação Participar na organização e no

Leia mais

DDL, Lidando com as diferenças das instruções SQL nos diferentes SGBD s

DDL, Lidando com as diferenças das instruções SQL nos diferentes SGBD s DDL, Lidando com as diferenças das instruções SQL nos diferentes SGBD s Dio Rafael Jacobs 1, Juliano Varella de Carvalho 1 1 Centro Universitário Feevale Instituto de Ciência Exatas e Tecnológicas Novo

Leia mais

A Linguagem XML (& Markup Languages)

A Linguagem XML (& Markup Languages) SCC0265 Sistemas Interativos Web A Linguagem XML (& Markup Languages) Renata Pontin M. Fortes (renata@icmc.usp.br) PAE: Willian Watanabe (watinha@gmail.com) Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Fundamentos de Banco de Dados Aula 01 Introdução aos Sistemas de Bancos de Dados Introdução aos Sistemas de BD Objetivo Apresentar

Leia mais

Trabalho de Graduação

Trabalho de Graduação Trabalho de Graduação Armazenamento de Mídias e Objetos Virtuais Utilizando o Suporte Nativo a XML do Oracle 10g Aluna: Nara de Arruda Falcão (naf@cin.ufpe.br) Orientador: Fernando da Fonseca de Souza

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS. Prof. Ronaldo R. Goldschmidt

INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS. Prof. Ronaldo R. Goldschmidt INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS Prof. Ronaldo R. Goldschmidt Hierarquia Dado - Informação - Conhecimento: Dados são fatos com significado implícito. Podem ser armazenados. Dados Processamento Informação

Leia mais

Usando Visões SQL/XML para publicação de Dados Relacionais

Usando Visões SQL/XML para publicação de Dados Relacionais Usando Visões SQL/XML para publicação de Dados Relacionais Luiz Aires de Souza Neto, Vânia Maria Ponte Vidal, Bernadette Farias Lóscio, Fernando Cordeiro Lemos Departamento de Computação - UFC {luiz_aires,

Leia mais

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Orivaldo V. Santana Jr A partir de slides elaborados por Ivan G. Costa Filho Fernando Fonseca & Robson Fidalgo 1 Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos Principal

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO À LINGUAGEM XML

BREVE INTRODUÇÃO À LINGUAGEM XML BREVE INTRODUÇÃO À LINGUAGEM XML Por Carlos H. Marcondes marcon@vm.uff.br Rio de Janeiro Abril 2008 PROGRAMA 1.Problema, motivações e conceitos 2.Estrutura de um documento XML 1.DTDs, Schemas 2.Folhas

Leia mais

Banco de Dados Aula 02. Colégio Estadual Padre Carmelo Perrone Profº: Willian

Banco de Dados Aula 02. Colégio Estadual Padre Carmelo Perrone Profº: Willian Banco de Dados Aula 02 Colégio Estadual Padre Carmelo Perrone Profº: Willian Conceitos básicos Dado: Valor do campo quando é armazenado dento do BD; Tabela Lógica: Representa a estrutura de armazenamento

Leia mais

Documento apresentado para discussão. II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais

Documento apresentado para discussão. II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais Documento apresentado para discussão II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais Rio de Janeiro, 21 a 25 de agosto de 2006 PID - Projeto de Interoperabilidade

Leia mais

Introdução a Sistemas de Bancos de Dados

Introdução a Sistemas de Bancos de Dados Introdução a Sistemas de Bancos de Dados Prof. UFES - Universidade Federal do Espírito Santo rapchan@inf.ufes.br http://www.inf.ufes.br/~rapchan Roteiro da Apresentação Introdução Características de um

Leia mais

O que é XML? A Linguagem de Marcação Extensível (Extensible Markup Language - XML) é:

O que é XML? A Linguagem de Marcação Extensível (Extensible Markup Language - XML) é: 1.264 Aula 13 XML O que é XML? A Linguagem de Marcação Extensível (Extensible Markup Language - XML) é: Uma recomendação proposta pelo World Wide Web Consortium (W3C) Um formato de arquivo Documentos eletrônicos

Leia mais

MODELAGEM DE DADOS. Unidade II Arquiteturas do SGBD

MODELAGEM DE DADOS. Unidade II Arquiteturas do SGBD MODELAGEM DE DADOS Unidade II Arquiteturas do SGBD 0 UNIDADE II: TÓPICOS: Tópico 1 - Arquitetura SGBD Tópico 2 - Etapas de um projeto de Banco de Dados Tópico 3 Modelagem Tópico 1 - Arquitetura SGBD A

Leia mais

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Fernando Castor A partir de slides elaborados por Fernando Fonseca & Robson Fidalgo 1 Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos Principal característica é a replicação

Leia mais

Introdução Banco de Dados

Introdução Banco de Dados Introdução Banco de Dados Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny Por que estudar BD? Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária reserva de hotel matrícula em

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE IV: Fundamentos da Inteligência de Negócios: Gestão da Informação e de Banco de Dados Um banco de dados é um conjunto de arquivos relacionados

Leia mais

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Banco de Dados Introdução João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Importância dos Bancos de Dados A competitividade das empresas depende de dados precisos e atualizados. Conforme

Leia mais

Transformação de Documentos XML em Bases de Dados Relacionais Utilizando ASP.NET

Transformação de Documentos XML em Bases de Dados Relacionais Utilizando ASP.NET Transformação de Documentos XML em Bases de Dados Relacionais Utilizando ASP.NET D Ilton Moreira Silveira 1, Fabiano Fagundes 1, Deise de Brum Saccol 2 1 Curso de Sistemas de Informação Centro Universitário

Leia mais

Visual Library: Uma Biblioteca para Criação de Ferramentas de Modelagem Gráfica

Visual Library: Uma Biblioteca para Criação de Ferramentas de Modelagem Gráfica Visual Library: Uma Biblioteca para Criação de Ferramentas de Modelagem Gráfica Tiago A. Gameleira 1, Raimundo Santos Moura 2, Luiz Affonso Guedes 1 1 Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Leia mais

Hoje é inegável que a sobrevivência das organizações depende de dados precisos e atualizados.

Hoje é inegável que a sobrevivência das organizações depende de dados precisos e atualizados. BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br INTRODUÇÃO Hoje é

Leia mais

Controle de Restrições de Integridade de Domínio em Documentos XML

Controle de Restrições de Integridade de Domínio em Documentos XML UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Alexandre Tagliari Lazzaretti Controle de Restrições de Integridade de Domínio em Documentos XML Trabalho Individual

Leia mais

Pré-requisito Treinamento de Lógica de Programação, ou conhecimento equivalente.

Pré-requisito Treinamento de Lógica de Programação, ou conhecimento equivalente. 1 HTML5 e 3 Descrição Aprenda no curso de HTML os conceitos essenciais para a criação de páginas web, junto com os novos recursos e possibilidades que o HTML5 e 3 oferecem para a criação de sites com códigos

Leia mais

Tutorial. Introdução ao XML e tecnologias associadas. Aplicações e dialectos XML. Sessão 4. 8-10 Fevereiro XATA 06

Tutorial. Introdução ao XML e tecnologias associadas. Aplicações e dialectos XML. Sessão 4. 8-10 Fevereiro XATA 06 Tutorial Introdução ao XML e tecnologias associadas Sessão 4 Aplicações e dialectos XML Miguel Ferreira mferreira@dsi.uminho.pt Departamento de Sistemas de Informação Universidade do Minho Conteúdo Vantagens

Leia mais

Aula 1: Noção Básica e Criação de Tabelas.

Aula 1: Noção Básica e Criação de Tabelas. Aula 1: Noção Básica e Criação de Tabelas. Introdução Olá! Seja bem-vindo a apostila de Microsoft Access 2010. Access 2010 é um Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados da Microsoft, distribuído no pacote

Leia mais

Armazienamento de Dados

Armazienamento de Dados Armazienamento de Dados Bernade'e Farias Lóscio bfl@cin.ufpe.br Agenda Dados x metadados Fontes de dados: de onde os dados podem ser extraídos? Dados abertos: em qual formato publicar? A importância dos

Leia mais

Uma Abordagem Alternativa para o Armazenamento Electrónico de Dados: O Papel da Norma XML

Uma Abordagem Alternativa para o Armazenamento Electrónico de Dados: O Papel da Norma XML Uma Abordagem Alternativa para o Armazenamento Electrónico de Dados: O Papel da Norma XML Semana da Ciência e da Tecnologia 2002 FOR $l IN document( wwwestvipvpt/biblioteca/bdbiblioxml ) //livro WHERE

Leia mais

dados abertos cartilha para desenvolvedores

dados abertos cartilha para desenvolvedores dados abertos cartilha para desenvolvedores Esta publicação é um encarte integrante do Manual dos dados abertos: desenvolvedores, resultante do acordo de cooperação técnico-científica entre o Laboratório

Leia mais

Conteúdo Programático de PHP

Conteúdo Programático de PHP Conteúdo Programático de PHP 1 Por que PHP? No mercado atual existem diversas tecnologias especializadas na integração de banco de dados com a WEB, sendo o PHP a linguagem que mais se desenvolve, tendo

Leia mais

Laboratório de Banco de Dados

Laboratório de Banco de Dados Universidade Federal de Mato Grosso-UFMT Sistemas de Informação Laboratório de Banco de Dados Prof. Clóvis Júnior Laboratório de Banco de Dados Conteúdo Administração de Usuários de Papéis; Linguagens

Leia mais

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante Banco de Dados 1 Programação sucinta do curso:. Conceitos fundamentais de Banco de Dados.. Arquitetura dos Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados (SGBD ou DBMS).. Características típicas de um SGBD..

Leia mais

Revisão: O que XML? Revisão: XML NATIVO. MIRELLA M. MORO mirella@dcc.ufmg.br http://www.dcc.ufmg.br/~mirella

Revisão: O que XML? Revisão: XML NATIVO. MIRELLA M. MORO mirella@dcc.ufmg.br http://www.dcc.ufmg.br/~mirella Bancos de Dados Avançados Processamento de dados XML DCC030 - TCC: Bancos de Dados Avançados (Ciência Computação) DCC049 - TSI: Bancos de Dados Avançados (Sistemas Informação) DCC842 - Bancos de Dados

Leia mais

Disciplina de Banco de Dados Parte V

Disciplina de Banco de Dados Parte V Disciplina de Banco de Dados Parte V Prof. Elisa Maria Pivetta CAFW - UFSM Modelo de Dado Relacional O Modelo Relacional O Modelo ER é independente do SGDB portanto, deve ser o primeiro modelo gerado após

Leia mais

Desenvolvendo com XML

Desenvolvendo com XML José Antônio da Cunha IFRN Disciplina:ADM Banco de Dados Desenvolvendo com XML Tópicos: O tipo de dados XML O suporte XQuery Os métodos Data Type XML Índices XML Usando a cláusula For XML OPENXML XML Bulk

Leia mais

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes EN-3610 Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Gerenciamento baseado na Web Prof. João Henrique Kleinschmidt Gerenciamento baseado na Web Web browser Acesso ubíquo Interface Web vs Gerenciamento baseado

Leia mais

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1 1. Quando se constrói um banco de dados, define-se o modelo de entidade e relacionamento (MER), que é a representação abstrata das estruturas de dados do banco e seus relacionamentos. Cada entidade pode

Leia mais

Roteiro. Modelo de Dados Relacional. Processo de Projeto de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I. Ementa. Posicionamento.

Roteiro. Modelo de Dados Relacional. Processo de Projeto de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I. Ementa. Posicionamento. Roteiro Modelo de Dados Relacional Posicionamento Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br www.decom.ufop.br/luiz Introdução

Leia mais

XHTML 1.0 DTDs e Validação

XHTML 1.0 DTDs e Validação XHTML 1.0 DTDs e Validação PRnet/2012 Ferramentas para Web Design 1 HTML 4.0 X XHTML 1.0 Quais são os três principais componentes ou instrumentos mais utilizados na internet? PRnet/2012 Ferramentas para

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Conceitos de XBRL e Taxonomia

Conceitos de XBRL e Taxonomia COORDENAÇÃO-GERAL DE NORMAS DE CONTABILIDADE APLICADAS À FEDERAÇÃO CCONF NÚCLEO DE CONSOLIDAÇÃO E TRANSPARÊNCIA DAS CONTAS PÚBLICAS - NUCOP Conceitos de XBRL e Taxonomia REUNIÃO DO GRUPO TÉCNICOS DE SISTEMATIZAÇÃO

Leia mais

Introdução. Banco de dados. Por que usar BD? Por que estudar BD? Exemplo de um BD. Conceitos básicos

Introdução. Banco de dados. Por que usar BD? Por que estudar BD? Exemplo de um BD. Conceitos básicos Introdução Banco de Dados Por que usar BD? Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny 4 Por que estudar BD? Exemplo de um BD Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária

Leia mais

XML. Introdução Ferramentas para Internet Marx Gomes Van der Linden. ( Material baseado no original de Marcelo José Siqueira Coutinho de Almeida )

XML. Introdução Ferramentas para Internet Marx Gomes Van der Linden. ( Material baseado no original de Marcelo José Siqueira Coutinho de Almeida ) XML Introdução Ferramentas para Internet Marx Gomes Van der Linden ( Material baseado no original de Marcelo José Siqueira Coutinho de Almeida ) Objetivos Apresentar a linguagem de marcação XML bem como

Leia mais

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2 Introdução a SQL 2 Leitura Obrigatória ELMASRI,

Leia mais

08/04/2013. Agenda. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ

08/04/2013. Agenda. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ Agenda Caché Server Pages Uma Aplicação Banco de Dados Fernando Fonseca Ana Carolina Salgado Mestrado Profissional 2 SGBD de alto desempenho e escalabilidade Servidor de dados multidimensional Arquitetura

Leia mais

Sistemas de Gerência de Bancos de Dados. 7 - Outras Arquiteturas para SGBDs 7.7 - SGBDs e a Web

Sistemas de Gerência de Bancos de Dados. 7 - Outras Arquiteturas para SGBDs 7.7 - SGBDs e a Web Sistemas de Gerência de Bancos de Dados 7 - Outras Arquiteturas para SGBDs 7.7 - SGBDs e a Web 1 Tópicos Modelos de Dados para a Web Linguagens de Consulta para a Web Integração de Informação Extraída

Leia mais

XML extensible Markup Language. Prof. Fellipe Aleixo fellipe.aleixo@ifrn.edu.br

XML extensible Markup Language. Prof. Fellipe Aleixo fellipe.aleixo@ifrn.edu.br XML extensible Markup Language Prof. Fellipe Aleixo fellipe.aleixo@ifrn.edu.br XML Projetada para transportar e armazenar dados (estruturados) Importante conhecer e fácil de entender Exemplo de documento

Leia mais

Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca. Graduação

Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca. Graduação Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca 1 Suporte Nativo a XML no Oracle 10g 2 Oracle 10g XML Parsers Suporte a interfaces DOM e SAX XML Class Generator Código fonte a partir de XML DTD ou

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ESTUDO COMPARATIVO ENTRE BANCO DE DADOS RELACIONAL E XML NATIVO Área de Banco de Dados por

Leia mais

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico Banco de Dados // 1 Banco de Dados // 2 Conceitos BásicosB Engenharia da Computação UNIVASF BANCO DE DADOS Aula 1 Introdução a Banco de Dados Campo representação informatizada de um dado real / menor unidade

Leia mais

GBC043 Sistemas de Banco de Dados (SBD) Plano de Curso. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM

GBC043 Sistemas de Banco de Dados (SBD) Plano de Curso. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM GBC043 Sistemas de Banco de Dados (SBD) Plano de Curso Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM Motivação/Justificativa Conteúdo fundamental para a Formação Tecnológica

Leia mais

Bases de Dados. O que é uma Base de Dados? Pós-Grduação em SIG

Bases de Dados. O que é uma Base de Dados? Pós-Grduação em SIG Bases de Dados O que é uma Base de Dados? Dados Pode-se começar por tentar dar uma definição do que são Dados. Os dados são factos em bruto, que não são necessáriamente relevantes para qualquer coisa que

Leia mais

XVersioning - Uma Ferramenta para Versionamento de Esquemas XML

XVersioning - Uma Ferramenta para Versionamento de Esquemas XML XVersioning - Uma Ferramenta para Versionamento de Esquemas XML Renan Bet Rodrigues 1, Denio Duarte 2 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) Joinville,

Leia mais