Caracterização da proteinúria de pacientes com pré-eclâmpsia utilizando Pepstatina A. Joyce Pereira Takatsuka

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Caracterização da proteinúria de pacientes com pré-eclâmpsia utilizando Pepstatina A. Joyce Pereira Takatsuka"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE Joyce Pereira Takatsuka Caracterização da proteinúria de pacientes com pré-eclâmpsia utilizando Pepstatina A UBERABA-MG 01

2 Joyce Pereira Takatsuka CARACTERIZAÇÃO DA PROTEINÚRIA DE PACIENTES COM PRÉ-ECLÂMPSIA UTILIZANDO PEPSTATINA A Tese apresentada ao Curso de Pós-Graduação em Ciências da Saúde Área de Concentração Patologia Básica e Experimental, da Universidade Federal do Triângulo Mineiro, como requisito parcial para a obtenção do título de Doutor. Orientadora: Prof a. Dr a. Roseli Aparecida da Silva Gomes UBERABA-MG 01

3 Dedico esta tese... À minha família, principal responsável por esta conquista. Em especial, aos meus pais, Ricardo e Maria Helena, que nunca mediram esforços para que a minha educação fosse primordial. E que, por muitas vezes me acalmaram e enviaram energias positivas à distância quando o cansaço parecia me vencer e as dificuldades pareciam infindáveis... Ao meu noivo, Carlos Eduardo, por estar ao meu lado durante todos os momentos... Por compreender minhas tensões e ser sempre incentivador dos meus projetos... Enfim, a todos os colegas que colaboraram para a realização deste trabalho e amigos torceram para que meu sonho se concretizasse...

4 Agradecimentos A Deus Por me dar a dádiva da vida e saúde para seguir e buscar os meus sonhos... À Professora Roseli... Por ter aberto as portas do Laboratório de pesquisa em Bioquímica da UFTM para mim há 8 anos e muito ter colaborado para minha formação acadêmico-cientifica... Pela colaboração inestimável na execução deste trabalho e pela amizade construída... Às gestantes que participaram deste estudo... Sem sua colaboração nada disto seria possível... Pela compreensão da importância de sua participação e pela gentileza em coletar as amostras como solicitado... Aos professores e funcionários da Disciplina de Bioquímica da UFTM... Por todo auxílio técnico e científico, cada ensinamento prático transmitido, cada palavra de apoio e amizade construída... Por tornar esta jornada mais alegre e cheia de boas lembranças... À equipe de Medicina Fetal da UFTM... Pelo auxílio na obtenção das amostras de gestantes com pré-eclâmpsia... À amiga Enfermeira Ms. Bibiane Dias Miranda Parreira... Pelo auxílio na obtenção das amostras de gestantes normotensas... À banca examinadora desta tese... Pela gentileza em avaliar este trabalho e contribuir com seus valiosos conhecimentos em sua melhoria...

5 Aos colegas e professores da pós-graduação... Que compartilharam ensinamentos e aprendizados durante o curso de doutorado que serão levados comigo para sempre...

6 Apoio Financeiro O presente trabalho foi desenvolvido com recursos financeiros da Universidade Federal do Triângulo Mineiro, do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG), da Fundação de Ensino e Pesquisa de Uberaba (FUNEPU) e Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).

7 Ah! Se o mundo inteiro me pudesse ouvir... Tenho tanto pra contar, dizer que aprendi! Tim Maia

8 Resumo A pré-eclâmpsia é uma doença específica da gestação humana, caracterizada por hipertensão e proteinúria após a 0ª semana da gravidez. Além de uma ferramenta diagnóstica, a proteinúria tem sido proposta como indicativa da gravidade da doença e preditora dos sintomas. Entretanto, seu conteúdo e mecanismos ainda não inteiramente conhecidos. Soma-se a isto, o fato da urina ser um fluido biológico bastante rico e conter moléculas capazes de interferir em ensaios que poderiam esclarecer estas questões. Sendo assim, o objetivo deste trabalho foi caracterizar a proteinúria de pacientes com pré-eclâmpsia utilizando pepstatina A, na tentativa de inibir a principal protease ácida descrita na urina. Nove (09) gestantes com pré-eclâmpsia e quatro (0) gestantes normotensas coletaram amostras de urina de horas sem conservante, de 6 horas com HCl como conservante e de 6 horas com HCl e pepstatina como conservantes. Em ensaios de atividade proteolítica sobre hemoglobina bovina nas amostras de urina coletadas verificou-se que a adição de pepstatina A diminuiu significativamente (p=0,0006) a hidrólise de hemoglobina. Entretanto, atividade proteolítica residual foi detectada e atribuída a possíveis outras classes enzimáticas. O perfil proteico urinário das gestantes com préeclâmpsia foi avaliado por meio de eletroforeses em gel de poliacrilamida contendo dodecil sulfato de sódio (SDS-PAGE) nas amostras sem conservante e nas amostras com adição de pepstatina A. Notou-se que há grande heterogeneidade nos perfis de proteínas excretadas na pré-eclâmpsia e grande variabilidade entre as pacientes, mesmo quando o inibidor de protease foi utilizado na coleta. Análises de SDS-PAGE, para comparar os perfis proteicos urinários da mesma gestante nas três condições de coleta, mostraram que a acidificação das amostras favoreceu a ação de aspartil proteases, levando a intensa modificação do perfil proteico com formação de bandas de baixa massa molecular na maioria das amostras proteinúricas e nãoproteinúricas. As amostras colhidas com HCl e pepstatina A apresentaram um perfil proteico semelhante ao observado nas amostras sem conservante, porém com algumas diferenças que podem sugerir que enzimas da classe de aspartil proteases tenham ação até mesmo nas amostras de horas sem ajuste de ph. As amostras coletadas com pepstatina A foram submetidas à análise proteômica por espectrometria de massa sequencial, precedida de cromatografia líquida (LC-MS/MS) para identificação das proteínas nas amostras de urina, e o número de espectro normalizado de cada proteína foi usado para comparações entre os grupos de gestantes. Um total de 6 proteínas foi identificado, sendo 8 exclusivamente encontradas nas amostras de gestantes com pré-eclâmpsia e 1, exclusivas de gestantes normotensas. A

9 albumina foi a única proteína encontrada significativamente aumentada (p=0,01) nas amostras de urina de gestantes com pré-eclâmpsia. Enquanto, a proteína AMBP (p=0,001), regiões específicas da cadeia kappa da imunoglobulina (p=0,06 e p=0,0) foram encontradas significativamente diminuídas nas amostras de gestantes com pré-eclâmpsia. Ressaltamos que uma proteína identificada como ribonuclease pancreática, em cuja família está incluída a angiogenina, também foi encontrada significativamente diminuída nas amostras de gestantes com pré-eclâmpsia (p=0,01), e esta diminuição pode estar relacionada com seu envolvimento na fisiopatologia da pré-eclâmpsia. Palavras-chave: Pré-eclâmpsia. Proteinúria. Pepstatina A.

10 Abstract Preeclampsia is a human pregnancy-specific disease, characterized by hypertension and proteinuria after 0 weeks of pregnancy. In addition to a diagnostic tool, proteinuria has been proposed as a disease severity indicator and symptoms predictor. However, its contents and mechanisms are still not entirely known. Moreover, urine is a very rich biological fluid and contains molecules able of interfering in tests that could clarify these issues. Thus, the aim of this study was to characterize the proteinuria of patients with preeclampsia using pepstatin A, in an attempt to inhibit the major acid protease described in urine. Nine (09) preeclamptic pregnant women and four (0) normotensive pregnant women collected a -hour urine sample without preservative, a 6-hour sample with HCl as preservative and a 6-hour sample with HCl and pepstatin as preservatives. In proteolytic activity assay on bovine hemoglobin with urine samples collected, it was found that the addition of pepstatin A in collection procedure significantly decreased (p=0.0006) hydrolysis of hemoglobin. However, residual proteolytic activity was detected and attributed to possible other enzyme classes. Urinary protein profile of preeclamptic pregnant women was evaluated by polyacrylamide gel electrophoresis containing sodium dodecyl sulfate (SDS- PAGE) using as unpreserved samples (-h) as those with addition of pepstatin A. It was noted that there is a great heterogeneity in profiles of excreted proteins in preeclampsia and large variability among patients, even when the protease inhibitor was used for sample collection. Electrophoresis analysis were also useful comparing urinary protein profiles of the same pregnant women in the three collection conditions, which showed that sample acidification favored aspartyl proteases action, leading to intense changes in protein profile with formation of lower molecular weight bands in most proteinuric and nonproteinuric samples. Samples collected with HCl and pepstatin A showed a protein profile similar to that observed in the sample without preservative, but with some differences that may suggest that enzymes from aspartyl protease class may have activity even in -hour samples without ph adjustment. The samples collected with pepstatin A were submitted to proteomics analysis by sequential mass spectrometry preceded by liquid chromatography (LC-MS/MS) for identification of proteins in urine samples, and the normalized spectrum number of each protein was used for comparisons between pregnant women groups. A total of 6 proteins were identified in urine samples. Among of them, 8 were exclusively found in samples from women with preeclampsia and 1, only found in normotensive pregnant women. Serum albumin was the

11 unique protein found significantly increased (p=0.01) in urine samples of preeclamptic women. Meanwhile, AMBP protein (p=0.001) and specific regions of the immunoglobulin kappa chain (p=0.06 and p=0.0) were found significantly decreased in samples from women with preeclampsia. We note that a protein identified as pancreatic ribonuclease, whose family included angiogenin, was also found significantly decreased (p=0.01) in samples of preeclamptic pregnant women, and this decrease may be related to its involvement in the pathophysiology of preeclampsia. Keywords: Preeclampsia. Proteinuria. Pepstatin A.

12 Lista de Figuras Figura 1. SDS-PAGE das amostras de horas das gestantes com préeclâmpsia... 6 Figura. SDS-PAGE das amostras das gestantes com pré-eclâmpsia 1 e... 8 Figura. SDS-PAGE das amostras das gestantes com pré-eclâmpsia, e Figura. SDS-PAGE das amostras da gestante com pré-eclâmpsia Figura 5. SDS-PAGE das amostras das gestantes com pré-eclâmpsia 7, 8 e Figura 6. SDS-PAGE das amostras das gestantes normotensas 1 e Figura 7. SDS-PAGE das amostras das gestantes normotensas e Figura 8. SDS-PAGE das amostras com pepstatina A das gestantes com préeclâmpsia... 56

13 Lista de Tabelas Tabela 1. Dados clínicos e demográficos de gestantes normotensas e préeclâmpticas... Tabela. Atividade proteolítica das amostras de urina de gestantes com préeclâmpsia... 5 Tabela. Atividade proteolítica das amostras de urina de gestantes normotensas... 5 Tabela. Porcentagem de inibição da atividade proteolítica das amostras de urina de gestantes com pré-eclâmpsia com uso de inibidores de proteases... 5 Tabela 5. Porcentagem de inibição da atividade proteolítica das amostras de urina de gestantes normotensas com uso de inibidores de proteases Tabela 6. Identificação e quantificação de proteínas nas amostras de urina das gestantes por LC-MS/MS Tabela 7. Características físico-químicas das proteínas identificadas por LC- MS/MS... 6

14 Lista de Símbolos e Abreviaturas %... porcentagem.. maior ou igual que mmhg. milímetro de mercúrio et al. e colaboradores mg... miligrama OMS... Organização Mundial de Saúde PAS. pressão arterial sistólica PAD... pressão arterial diastólica h.. hora HELLP hemólise, alteração de enzimas hepáticas e trombocitopenia UTI... unidade de terapia intensiva sflt-1... receptor solúvel de tirosina quinase 1 seng... endoglina solúvel PIGF... fator de crescimento placentário VEGF... fator de crescimento vascular endotelial L... litro α... alfa β... beta BPM... baixo peso molecular PMI... peso molecular intermediário APM... alto peso molecular <... menor que Ig... imunoglobulina SELDI... surface-enhanced laser desorption/ionization TOF time of flight ph... potencial hidrogeniônico Leu.. leucina Val.. valina HCl. ácido clorídrico UFTM. Universidade Federal do Triângulo Mineiro ABNT... Associação Brasileira de Normas Técnicas HC... Hospital de Clínicas UMS... Unidade municipal de saúde MG... Minas Gerais ml... mililitro µg... micrograma g... força g (gravidade)

15 o C... SDS-PAGE... graus Celsius Eletroforese em gel de poliacrilamida contendo dodecil sulfato de sódio mm... milímetro... marca registrada V... volt cm... centímetro rpm... rotações por minuto NaOH... hidróxido de sódio N... normal nm... nanômetro LNBio... Laboratório Nacional de Biociências CNPEM... Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais SP... São Paulo M... molar mm... milimolar DTT... ditiotreitol TFA... ácido trifluoracético ACN... acetonitrila LC-MS/MS... Espectrometria de massa sequencial acoplada à cromatografia líquida de alta eficiência Q-TOF... Quadrupolo-Time of flight µl... microlitro µm... micrômetro min... minuto Da... dalton MS... espectrometria de massa PE... pré-eclâmpsia ±... mais ou menos kda... kilodalton PMM... padrão de massa molecular C... controle P... pepstatina A AMBP... alpha-1-microglobulin-bikunin precursor pi... ponto isoelétrico -DE... bidimensional >... maior que RNA... ácido ribonucleico

16 Sumário 1. Introdução Síndromes hipertensivas da gestação Pré-eclâmpsia Proteinúria Proteinúria na pré-eclâmpsia Aspartil proteases Justificativa Objetivos Objetivo geral Objetivos específicos Material e métodos Gestantes..... Obtenção e processamento das amostras..... Determinação da proteinúria das gestantes normotensas Avaliação do perfil proteico urinário Determinação da atividade proteolítica urinária Identificação das proteínas Extração das proteínas Digestão das proteínas Dessalinização dos peptídeos Espectrometria de massa Análise estatística Resultados Caracterização do grupo de estudo Avaliação do perfil eletroforético proteico urinário de gestantes com pré-eclâmpsia Influência de aspartil proteases no perfil eletroforético proteico urinário Determinação da atividade proteolítica urinária Avaliação do perfil eletroforético proteico urinário de gestantes com pré-eclâmpsia utilizando pepstatina A Identificação das proteínas Discussão Conclusões... 8 Referências Apêndices Anexos

17 Introdução

18 Introdução INTRODUÇÃO 1.1. Síndromes hipertensivas da gestação 1 5 A hipertensão arterial é a desordem mais comum em gestações complicadas, com implicações significativas em morbidade e mortalidade materna. É também uma das áreas da prática clínica mais extensivamente estudadas, apesar de pouco compreendida. Ela chega a atingir até 10% das gestantes e afeta cerca de mulheres nos Estados Unidos todo ano (HUTCHEON; LISONKOVA; JOSEPH, 011) No Brasil, a hipertensão é a principal causa de mortalidade materna, e correspondeu em 010 a 19,7% do total de óbitos maternos no país, sendo que no estado do Maranhão, chegou a ser causa da morte de 1,7% das gestantes. Em Minas Gerais, esta prevalência é de 19,% (Ministério da Saúde, 01) As síndromes hipertensivas da gestação são classificadas em (1) Hipertensão crônica, () Pré-eclâmpsia/eclâmpsia, () Pré-eclâmpsia sobreposta à hipertensão pré-existente e () Hipertensão gestacional (Report of the National High Blood Pressure Education Program Working Group on High Blood Pressure in Pregnancy, 000), diferenciadas abaixo A hipertensão crônica é definida clinicamente com níveis pressóricos aumentados ( 10 x 90 mmhg) antes da gestação ou antes da vigésima semana dela. A maioria das pacientes nesta categoria terá uma evolução benigna da gestação, podendo haver inclusive normalização da pressão arterial A pré-eclâmpsia é uma doença multisistêmica, específica da gestação, caracterizada por aparecimento de hipertensão e proteinúria (excreção proteica urinária maior que 00 mg

19 Introdução 18 1 em horas) após a 0ª semana de gestação. A eclâmpsia é a forma da doença que evolui com crises convulsivas. 5 Até 0% das mulheres hipertensas crônicas desenvolvem pré-eclâmpsia (pré- eclâmpsia sobreposta à hipertensão prévia), anunciada pela ocorrência de proteinúria no terceiro trimestre, o que não ocorre na hipertensão crônica pura. 6 A hipertensão gestacional ocorre quando há aparecimento de hipertensão arterial na 7 8 segunda metade da gestação em uma gestante previamente normotensa, na ausência de proteinúria Gaio et al. (001), demonstraram em um estudo com.89 gestantes, uma frequência de 7,5% de síndromes hipertensivas da gestação no Brasil, sendo,0% a frequência de hipertensão crônica,,% de pré-eclâmpsia/eclâmpsia, 0,7% de hipertensão gestacional e 0,5% de pré-eclâmpsia sobreposta à hipertensão prévia. 1.. Pré-eclâmpsia A pré-eclâmpsia se destaca dentre as síndromes hipertensivas da gestação devido ao seu impacto sobre a saúde materna e neonatal. Trata-se de uma síndrome específica de gestação humana, cuja incidência global tem sido estimada entre e 8% de todas as gestações, sendo a principal causa materna de morbidade e mortalidade, resultando em cerca de a mortes anualmente em todo o mundo (OMS, 00) Clinicamente, a pré-eclâmpsia é caracterizada pelo aparecimento de hipertensão arterial (PAS 10 mmhg ou PAD 90 mmhg), proteinúria ( 00 mg/ h) e edema após 0 semanas de gestação (MILNE et al., 005). Entretanto, o fenótipo da doença pode variar desde formas brandas até formas mais graves, como a síndrome HELLP e a eclâmpsia.

20 Introdução A eclâmpsia, que complica cerca de 1-% dos casos de pré-eclâmpsia grave, é definida como a ocorrência de convulsões tônico-clônicas em uma gestante ou no início do pós-parto que não podem ser atribuídas a outras causas (SIBAI, 006). Cerca de 10 a 0% dos casos de pré-eclâmpsia grave pode evoluir para a síndrome HELLP, definida por três sinais cujas iniciais dos termos em língua inglesa significam Hemolytic anemia, Elevated Liver enzymes e Low Platelet count, ou seja, hemólise, alterações de enzimas hepáticas e trombocitopenia (HARAM; SVENDSEN; ABILDGAARD, 009) A pré-eclâmpsia pode trazer complicações tanto para mãe quanto para o feto. Estas complicações foram revistas por Steegers et al. (010) e Mustafa et al. (01). A hipertensão durante a gestação pode ocasionar parto prematuro, restrição do crescimento fetal, dificuldade respiratória neonatal e uma frequência aumentada de admissão na UTI neonatal. Entretanto, mesmo nas formas mais graves a hipertensão durante a gestação não parece estar relacionada a um risco aumentado de morte fetal ou perinatal. As principais complicações maternas incluem danos ao sistema nervoso central, tais como convulsões, o que caracteriza a eclâmpsia, acidente vascular cerebral isquêmico ou hemorrágico, lesão hepática, ocasionando elevação das aminopeptidases e caracterizando a síndrome HELLP, falência hepática, disfunção renal, assim como uma frequência aumentada de partos por cesariana, partos prematuros e descolamento prematuro de placenta Apesar da dificuldade de se prever o desenvolvimento da pré-eclâmpsia, alguns fatores de risco têm sido identificados, como: nuliparidade, gestação multifetal, história prévia de pré-eclâmpsia, obesidade, diabetes mellitus, hipertensão crônica, doenças autoimunes, doenças de tecido conjuntivo e vascular, idade materna maior que 5 anos na primeira gestação, tabagismo e a raça negra (SIBAI et al., 1997; SIBAI et al., 000; WALKER, 000; AMERICAN COLLEGE OF OBSTETRICS & GYNECOLOGY, 00; DUCKITT; HARRINGTON, 005; LYKKE; PAIDAS; LANGHOFF-ROOS, 009). É interessante citar

21 Introdução que a prevalência da pré-eclâmpsia tem aumentado no mundo todo (HUTCHEON; LISONKOVA; JOSEPH, 011) e que isto pode estar, ao menos em parte, relacionado com o aumento também da prevalência dos fatores de risco, tais como obesidade e doenças crônicas, além das gestações múltiplas, com o advento da tecnologia de reprodução assistida (DUCKITT; HARRINGTON, 005) A etiologia exata da pré-eclâmpsia ainda é desconhecida e muitas teorias têm sido consideradas, tais como (1) invasão trofoblástica anormal e implantação inadequada, () desequilíbrio de fatores angiogênicos, () anormalidades na coagulação, () lesão vascular endotelial, (5) predisposição genética, (6) problemas cardiovasculares prévios, (7) resposta inflamatória exagerada e (8) estresse oxidativo aumentado (SIBAI, 01; STEEGERS et al., 010; MYATT; WEBSTER, 009; HUPPERTZ, 008; REDMAN; SARGENT, 009; REDMAN; SARGENT, 010). Parece não haver um mecanismo patogênico unificador para a pré-eclâmpsia, mas diversos autores concordam que a doença parece ser uma cascata desencadeada por resposta inflamatória materna anormal, lesão/ativação de células endoteliais com ambiente hemodinâmico alterado e imunidade prejudicada (STEINBERG; KHANKIN; KARUMANCHI, 009; AGGARWAL et al., 011; RAMMA; AHMED, 011; CLIFTON et al., 01) Existem evidências que fatores maternos, paternos e/ou fetais/placentários contribuem para uma disfunção endotelial localizada ou sistêmica (MEEKINS et al., 199; ROBERTS; REDMAN, 199) É comumente aceito que o mecanismo central da patogênese da préeclâmpsia envolva uma placentação anormal e um desenvolvimento placentário inadequado, o que resulta em redução na perfusão da placenta levando à sua isquemia (GOLDMAN-WOHL; YAGEL, 00; MOHAUPT, 007) e liberação de fatores solúveis na corrente sanguínea materna que levam a uma disfunção endotelial localizada ou generalizada, que é a característica mais proeminente da doença (HUPPERTZ, 008; MYATT; WEBSTER, 009).

22 Introdução Estudos sugerem que a disfunção endotelial na pré-eclâmpsia resulta de um estado antiangiogênico, mediado por altos níveis circulantes do receptor solúvel de tirosina quinase 1 (sflt-1) e endoglina solúvel (seng), juntamente com baixos níveis de fatores proangiogênicos, como o fator de crescimento placentário (PIGF) e o fator de crescimento vascular endotelial (VEGF) (VENKATESHA et al., 006; MAYNARD et al., 00; AHMAD; AHMED, 00). As concentrações mais altas de fatores antiangiogênicos parecem desencadear lesão da célula endotelial vascular no fígado, rins, cérebro, e também na própria placenta, o que resulta em hipertensão, proteinúria e outras manifestações sistêmicas da doença (STEINBERG; KHANKIN; KARUMANCHI, 009). 1.. Proteinúria Em condições normais, proteínas plasmáticas de alto peso molecular, como a albumina e as globulinas, praticamente não passam através da membrana de filtração capilar glomerular devido à restrição por tamanho e por carga da membrana. Proteínas de baixo peso molecular, como a β -microglobulina, a α 1 -microglobulina e a lisozima, entretanto, atravessam livremente a membrana de filtração, mas são 95% reabsorvidas ao chegarem ao túbulo contorcido proximal. Portanto, o conteúdo proteico na urina é baixo (0-10 mg/ h) e consiste principalmente de albumina plasmática (0%), fragmentos de imunoglobulinas (15%), outras proteínas plasmáticas (5%) e proteínas tissulares originadas do sistema urinário (0%). Em uma amostra de urina aleatória, a concentração de proteínas varia de 0 a 80 mg/l e o resultado de um teste qualitativo é tipicamente negativo. Quando a proteína urinária excede 150 mg/ h ou a concentração está acima de 100 mg/l, o resultado para um teste qualitativo se torna positivo. Isto é conhecido como proteinúria (RIELLA; PACHALY; ZUNINO, 008; McINTYRE; TAAL, 008; MILLER et al., 009).

23 Introdução 1 A proteinúria é a manifestação mais comum de doenças renais e diversos estudos (WANG; LaPAGE; HIRSCHBERG, 000; PETROVIC; STOJIMIROVIC, 008; BURTON; HARRIS, 1996) demonstraram que além de um sinal da lesão renal, a proteinúria participa da progressão da doença como um fator patológico independente Dois mecanismos parecem ser os responsáveis pelo aparecimento da proteinúria e caracterizam os padrões de proteínas encontrados em cada tipo de lesão renal. O aumento da permeabilidade da parede dos capilares glomerulares ocasiona passagem não seletiva de proteínas para o espaço de Bowman. Estudos experimentais (BLOUCH et al., 1997; COMPER; GLASGOW, 1995; OHLSON; SÖRENSSON; HARALDSSON, 000; REMUZZI; REMUZZI, 199) demonstraram que as alterações de permeabilidade são decorrentes de uma combinação de perda de restrição por tamanho e por carga. Ao atingir as células tubulares, as proteínas de baixo peso molecular (BPM) e peso molecular intermediário (PMI) são reabsorvidas, mas não as de alto peso (APM), que basicamente compõem a proteinúria glomerular em seu estado inicial, caracterizando uma proteinúria seletiva. A progressão do dano glomerular leva a uma saturação no processo de reabsorção de proteínas pelas células tubulares, gerando uma proteinúria não seletiva, com excreção de proteínas de APM, PMI e BPM. O outro mecanismo está relacionado a danos às células tubulares e subsequente reabsorção prejudicada. Em consequência, tem-se a chamada proteinúria tubular, caracterizada por proteínas de BPM, que são livremente filtradas e agora não podem ser reabsorvidas, e uma pequena quantidade de proteínas de PMI, em particular a albumina (D`AMICO; BAZZI, 00; MAACHI et al., 00).

24 Introdução 1.. Proteinúria da pré-eclâmpsia Apesar de alguns pesquisadores defenderem a exclusão da proteinúria como um dos critérios para o diagnóstico da pré-eclâmpsia (PETTIT; BROWN, 01) e algumas diretrizes internacionais não a considerarem como um aspecto patognomônico da doença, como a Australasian Society for the Study of Hypertension in Pregnancy (BROWN et al., 000) ou considerarem-na simplesmente uma hipertensão gestacional com proteinúria (HELEWA et al., 1997), as diretrizes da International Society for the Study of Hypertension in Pregnancy (BROWN et al., 001) e National High Blood Pressure Education Program Working Party (Report of the National High Blood Pressure Education Program Working Group on High Blood Pressure in Pregnancy, 000) persistem com a ideia da existência da proteinúria para a realização do diagnóstico da pré-eclâmpsia. Além disso, alguns autores (CHAN et al., 005; CHUA; REDMAN, 199) já demonstraram aumento no risco de intercorrências maternas e fetais na pré-eclâmpsia relacionadas com a proteinúria, evidenciando desta maneira a importância deste parâmetro na doença Estudos demonstraram que a análise qualitativa de proteínas urinárias por meio de fita reagente não se relaciona bem com o nível de proteínas em amostras de horas na préeclâmpsia (KUO; KOUMANTAKIS; GALLERY, 199; MEYER et al., 199). Além disso, apesar de alguns pesquisadores demonstrarem que a taxa proteína/creatinina urinária em uma única amostra possui forte correlação com nível de proteína total em amostras de horas de pacientes com diagnóstico confirmado de pré-eclâmpsia (JASCHEVATZKY et al., 1990; ROBERT et al., 1997; NEITHARDT; DOOLEY; BORENSZTAJN, 00), uma pesquisa realizada com 0 gestantes com suspeita de pré-eclâmpsia para comparar estes dois testes concluiu que a taxa proteína/creatinina não deve ser usada como uma alternativa à avaliação de urina de horas (DURNWALD; MERCER, 00). E em vista destes resultados

25 Introdução 1 contraditórios, o padrão ouro para a avaliação da proteinúria na pré-eclâmpsia continua a ser a coleta de urina durante um período de horas Enquanto o limiar máximo de referência para não gestantes é de 150 mg/ horas, sabe-se que na gestação saudável ocorre aumento no fluxo sanguíneo renal e na taxa de filtração glomerular (DAVISON, 1987), o que é acompanhado por aumento na excreção urinária de proteínas, sendo então considerado dentro da faixa de normalidade valores < 00 mg/dia para gestantes (KUO; KOUMANTAKIS; GALLERY, 199). Em gestações normais, a função tubular também sofre alterações que colaboram para o pequeno incremento na excreção de proteínas (CONRAD et al., 005) O mecanismo preciso da proteinúria na pré-eclâmpsia ainda não está elucidado. Sabese que ocorre queda na taxa de filtração glomerular e no fluxo sanguíneo renal (MORAN; LINDHEIMER; DAVISON, 00); portanto o aumento na excreção de proteínas deve ocorrer por aumento na permeabilidade glomerular, alterações na pressão nos glomérulos ou função tubular prejudicada. A pressão glomerular na pré-eclâmpsia parece ser mantida, mas existem relatos de mudanças no tamanho e a carga dos poros dos glomérulos (MORAN; LINDHEIMER; DAVISON, 00; MORAN et al., 00; NAICKER et al., 1997), o que parece contribuir para a proteinúria Além disto, algumas mudanças na morfologia renal parecem estar relacionadas ao mecanismo de proteinúria na pré-eclâmpsia. A endoteliose glomerular é uma lesão considerada por muito tempo característica da pré-eclâmpsia, entretanto um estudo demonstrou que ela é uma adaptação renal à gestação, encontrada exacerbada na préeclâmpsia (STREVENS et al., 00). Esta lesão é caracterizada por inchaço das células endoteliais, obliteração das fenestrações e invasão do espaço capilar e Moran, Lindheimer e Davison (00) a relacionam diretamente com o extravasamento de proteínas para o espaço

26 Introdução de Bowman. Um importante mediador destas alterações parece ser um desequilíbrio de fatores angiogênicos ocasionado pelos altos níveis circulantes de sflt-1 encontrados na pré-eclâmpsia (MAYNARD et al., 00). sflt-1 antagoniza as funções biológicas do VEGF, que é um fator crucial para a manutenção da integridade e fisiologia dos podócitos (LINDHEIMER; KANTER, 010) e a lesão podocitária está diretamente relacionada ao acometimento renal da pré-eclâmpsia (GAROVIC et al., 007) A pré-eclâmpsia é frequentemente relacionada como uma doença glomerular, sendo as lesões tubulares menos reportadas. KRONBORG et al (011) realizaram uma análise do padrão de excreção de proteínas de BPM e APM ao longo da gestação acometida por préeclâmpsia e encontraram uma lesão glomerular inicial, evidenciada pela excreção de proteínas de APM, seguida por uma reabsorção tubular prejudicada com o progresso da gestação, evidenciada pela excreção de proteínas de BPM. O dano tubular na pré-eclâmpsia foi também evidenciado pela maior excreção de N-acetil-ß-D-glucosaminidase, proteína livremente filtrada e normalmente reabsorvida, por gestantes acometidas pela doença em relação a gestantes normotensas (HAYASHI et al., 00; PATERNOSTER et al., 1999). Uma análise por imunoblot das proteínas excretadas na pré-eclâmpsia revelou que era possível atribuir origem tubular para a excreção de ao menos 1% das proteínas, comparado a cerca de 15% de proteínas a que foram atribuídas origem glomerular (YAMAMOTO et al., 199). Neste mesmo estudo, foi identificado grande quantidade de β -microglobulina, marcador de lesão tubular, na urina das gestantes com pré-eclâmpsia, entretanto não foi realizada comparação com um grupo controle. Uma análise eletroforética de urina de gestantes com pré-eclâmpsia mostrou desaparecimento da proteína de Tamm-Horsfall, produzida exclusivamente por células renais tubulares e que normalmente representa a principal proteína urinária, o que pode ser um reflexo da disfunção tubular da doença (NESSELHUT et al. 1989).

Bioquímica. Purificação de proteínas

Bioquímica. Purificação de proteínas Bioquímica Purificação de proteínas Estratégia geral - Liberação da proteína do material biológico - Podem ser separados por fracionamento celular - Pode-se separar proteínas por características: Solubilidade

Leia mais

Epidemiologia DIABETES MELLITUS

Epidemiologia DIABETES MELLITUS Epidemiologia DIABETES MELLITUS 300 milhões / mundo ( 5,9% população adulta) / Brasil : > 10 milhões Aumento progressivo : Longevidade, Síndrome metabólica Mortalidade anual : 3,8 milhões AVC, IAM... Amputação

Leia mais

DHEG, Pré Eclâmpsia e Eclâmpsia

DHEG, Pré Eclâmpsia e Eclâmpsia FACULDADE DE MEDICINA FACIMED CACOAL - RO DHEG, Pré Eclâmpsia e Eclâmpsia Prof. Dr. José Meirelles Filho 7º semestre de Medicina Programa de Educação Médica Continuada CRM-MT FACULDADE DE CACOAL MEDICINA

Leia mais

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA RENAL 01. A sudorese (produção de suor) é um processo fisiológico que ajuda a baixar a temperatura do corpo quando está muito calor ou quando realizamos uma atividade

Leia mais

As principais causas de diabetes insípidus central são tumores que acometem a região hipotalâmica hipofisária, como por exemplo:

As principais causas de diabetes insípidus central são tumores que acometem a região hipotalâmica hipofisária, como por exemplo: Diabetes insípidus O que é Diabetes insípidus? Diabetes insípidus consiste em um distúrbio de controle da água no organismo, no qual os rins não conseguem reter adequadamente a água que é filtrada. Como

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 22 Página 1 de 5 1. Sinonímia Beta 2 Microglobulina, b2m 2. Aplicabilidade Aos técnicos e bioquímicos do setor de imunologia 3. Aplicação clínica A beta-2-microglobulina é uma proteína presente

Leia mais

Extração de DNA. Prof. Silmar Primieri

Extração de DNA. Prof. Silmar Primieri Extração de DNA Prof. Silmar Primieri Conceitos Prévios O que é DNA? Onde se localiza o DNA na célula? Do que são formadas as membranas celulares? Qual a estrutura do DNA? O que é DNA? Unidade básica informacional

Leia mais

REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL

REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL Bioquímica Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes Referências Bioquímica Clínica M A T Garcia e S Kanaan Bioquímica Mèdica J W Baynes e M H Dominiczack Fundamentos

Leia mais

Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4. , K +, Mg 2+, etc...)

Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4. , K +, Mg 2+, etc...) Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4 2-, K +, Mg 2+, etc...) Regulação do equilíbrio hidrossalino e da pressão arterial; Regulação do ph sanguíneo (H +, HCO 3- ); Síntese

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA DISCIPLINA BIOQUÍMICA ESTRUTURAL Ministrante: Prof. Dr. Carlos Alberto de Almeida

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA PERMEABILIDADE DAS MEMBRANAS CELULARES

DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA PERMEABILIDADE DAS MEMBRANAS CELULARES DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA FISIOLOGIA ANIMAL II AULA 4 PERMEABILIDADE DAS MEMBRANAS CELULARES CAETANA CARVALHO, PAULO SANTOS 2006 1 INTRODUÇÃO As

Leia mais

Diabetes Gestacional

Diabetes Gestacional Diabetes Gestacional Introdução O diabetes é uma doença que faz com que o organismo tenha dificuldade para controlar o açúcar no sangue. O diabetes que se desenvolve durante a gestação é chamado de diabetes

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 29 Página 1 de 5 1. Sinonímia Pesquisa de anticorpos frios. 2. Aplicabilidade Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de Imunologia. 3. Aplicação clínica As Crioaglutininas são anticorpos

Leia mais

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro ANTI- 1 Manual CAMBRIDGE BIOTECH -1 POP: BM 05 Página 1 de 7 1. Sinonímia ANTI, TESTE CONFIRMATÓRIO. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos e técnicos do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica Os testes

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ CUSTO ENERGÉTICO DA GRAVIDEZ CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO FETAL SÍNTESE DE TECIDO MATERNO 80.000 kcal ou 300 Kcal por dia 2/4 médios 390 Kcal depósito de gordura- fase

Leia mais

CURSO de MEDICINA VETERINÁRIA - Gabarito

CURSO de MEDICINA VETERINÁRIA - Gabarito UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2005 e 1 o semestre letivo de 2006 CURSO de MEDICINA VETERINÁRIA - Gabarito Verifique se este caderno contém: INSTRUÇÕES AO CANDIDATO

Leia mais

Determinação quantitativa de amido em produtos cárneos por espectrometria

Determinação quantitativa de amido em produtos cárneos por espectrometria Página 1 de 7 1 Escopo Este método tem por objetivo quantificar amido em produtos cárneos por espectrometria molecular no. 2 Fundamentos Baseia-se na determinação espectrofotométrica a 620 nm do composto

Leia mais

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE Janaína Esmeraldo Rocha, Faculdade Leão Sampaio, janainaesmeraldo@gmail.com

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. POP-I 67 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-½ - OraQuick ADVANCE 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica O ensaio

Leia mais

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL 43 3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL 3. 1 METODOLOGIAS DE ANÁLISES 3.1.1 Método de Quantificação de Surfactantes (MBAS) em Águas 3.1.2 Princípio e aplicabilidade Os surfactantes aniônicos SLS (Lauril Sulfato

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Siomara F. M. de Araújo; Dyego F. Facundes; Erika M. Costa; Lauane L. Inês; Raphael Cunha. siomarafma@hotmail.com

Leia mais

ANTICORPOS. CURSO: Farmácia DISCIPLINA: Microbiologia e Imunologia Clínica PROFESSORES: Guilherme Dias Patto Silvia Maria Rodrigues Querido

ANTICORPOS. CURSO: Farmácia DISCIPLINA: Microbiologia e Imunologia Clínica PROFESSORES: Guilherme Dias Patto Silvia Maria Rodrigues Querido CURSO: Farmácia DISCIPLINA: Microbiologia e Imunologia Clínica PROFESSORES: Guilherme Dias Patto Silvia Maria Rodrigues Querido ANTICORPOS Anticorpo é uma globulina sintetizada por linfócitos B e principalmente

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

Técnicas de biologia molecular. da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala

Técnicas de biologia molecular. da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala Técnicas de biologia molecular da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala os mesmos genes, qual a diferença? Dogma central Localizando alvos Técnicas iniciais para evidenciar

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema Elaboradora TESTE DE ANTIGLOBULINA E SUA APLICAÇÃO EM LABORATÓRIOS Margarida de Oliveira Pinho, Bióloga, Responsável pelo Setor de Imunohematologia e Coordenação da equipe técnica do Serviço de Hemoterapia

Leia mais

Prova Experimental Física, Química, Biologia

Prova Experimental Física, Química, Biologia Prova Experimental Física, Química, Biologia Complete os espaços: Nomes dos estudantes: Número do Grupo: País: BRAZIL Assinaturas: A proposta deste experimento é extrair DNA de trigo germinado e, posteriormente,

Leia mais

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR)

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) 1 Universidade Federal Fluminense Instituto Biomédico Departamento de Microbiologia e Parasitologia Disciplina: Virologia Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) A técnica de reação

Leia mais

As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica

As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica Células e Membranas As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica Organelas são compartimentos celulares limitados por membranas A membrana plasmática é por si só uma organela.

Leia mais

ENZIMAS. Células podem sintetizar enzimas conforme a sua necessidade.

ENZIMAS. Células podem sintetizar enzimas conforme a sua necessidade. ENZIMAS As enzimas são proteínas, catalisadores (aumenta a velocidade de uma determinada reação química) biológicos (proteínas) de alta especificidade. Praticamente todas as reações que caracterizam o

Leia mais

FOSFATO DISSÓDICO DE DEXAMETASONA

FOSFATO DISSÓDICO DE DEXAMETASONA FSFAT DISSÓDIC DE DEXAMETASNA Dexamethasoni natrii phosphas H H H P Na Na F H C 22 H 28 FNa 2 8 P 516,41 02821 Fosfato dissódico de 9-fluoro-11β,17 diidroxi-16α-metil-3, 20- dioxopregna- 1,4 dieno-21-il

Leia mais

Profa. Maria Fernanda - Química nandacampos.mendonc@gmail.com

Profa. Maria Fernanda - Química nandacampos.mendonc@gmail.com Profa. Maria Fernanda - Química nandacampos.mendonc@gmail.com Testes para identificar a gravidez Como é possível identificar se uma mulher está grávida? Após os sintomas apresentados acima, normalmente

Leia mais

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES 5.5.2009 Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES Introdução Diabetes Mellitus é uma doença metabólica, causada pelo aumento da quantidade de glicose sanguínea A glicose é a principal fonte de energia

Leia mais

O TAMANHO DO PROBLEMA

O TAMANHO DO PROBLEMA FÍSICA MÉDICA O TAMANHO DO PROBLEMA Quantos hipertensos existem no Brasil? Estimativa de Prevalência de Hipertensão Arterial (1998) 13 milhões se considerar cifras de PA > 160 e/ou 95 mmhg 30 milhões

Leia mais

ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO. Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO

ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO. Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar Conservante: Azida de Sódio 0,1 % Responsável

Leia mais

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 03 Síntese do Oxalato de Bário

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 03 Síntese do Oxalato de Bário UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier Prática 03 Síntese do Oxalato

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. POP n.º: I70 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-, VIKIA Biomeriéux. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. 3. Aplicação

Leia mais

MARCADORES CARDÍACOS

MARCADORES CARDÍACOS Maria Alice Vieira Willrich, MSc Farmacêutica Bioquímica Mestre em Análises Clínicas pela Universidade de São Paulo Diretora técnica do A Síndrome Coronariana Aguda MARCADORES CARDÍACOS A síndrome coronariana

Leia mais

Extração de DNA e Amplificação por PCR

Extração de DNA e Amplificação por PCR Universidade Federal de São Carlos Departamento de Genética e Evolução Disciplina Práticas de Genética Extração de DNA e Amplificação por PCR Érique de Castro 405523, Victor Martyn 405612, Wilson Lau Júnior

Leia mais

BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL

BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL Departamento de Bioquímica Instituto de Química USP Apostila de protocolos BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL QBQ 036N 203 Professores Carlos Takeshi Hotta Guilherme Menegon Arantes Esta apostila foi desenvolvida

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

Coisas que deve saber sobre a pré-eclâmpsia

Coisas que deve saber sobre a pré-eclâmpsia Coisas que deve saber sobre a pré-eclâmpsia A pré-eclâmpsia é muito mais comum do que a maior parte das pessoas pensa na realidade ela é a mais comum das complicações graves da gravidez. A pré-eclâmpsia

Leia mais

SISTEMA URINÁRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo

SISTEMA URINÁRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA URINÁRIO Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA URINÁRIO Conjunto de órgãos e estruturas responsáveis pela filtração do sangue e consequente formação da urina; É o principal responsável pela eliminação

Leia mais

BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL

BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL Departamento de Bioquímica Instituto de Química USP Apostila de protocolos BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL QBQ 06N 0 Professores Carlos T. Hotta Ronaldo B. Quaggio Eduardo M. Reis Esta apostila foi desenvolvida

Leia mais

EXAME DISCURSIVO 2ª fase

EXAME DISCURSIVO 2ª fase EXAME DISCURSIVO 2ª fase 30/11/2014 Biologia Caderno de prova Este caderno, com dezesseis páginas numeradas sequencialmente, contém dez questões de Biologia. Não abra o caderno antes de receber autorização.

Leia mais

ALTERAÇÕES RENAIS. Texto extraído do Editorial do Endocrinologia&Diabetes clínica e experimental vol. 7 número 3, julho/2007.

ALTERAÇÕES RENAIS. Texto extraído do Editorial do Endocrinologia&Diabetes clínica e experimental vol. 7 número 3, julho/2007. ALTERAÇÕES RENAIS E.D. teve seu diabetes diagnosticado em 1985, nessa época tinha 45 anos e não deu muita importância para os cuidados que seu médico lhe havia recomendado, sua pressão nesta época era

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

Vera Lúcia de Castro Jaguariúna, 2006.

Vera Lúcia de Castro Jaguariúna, 2006. Aspectos do biomonitoramento da toxicidade perinatal pelos agroquímicos Vera Lúcia de Castro Jaguariúna, 2006. A contaminação ambiental por agroquímicos pode causar efeitos negativos aos recursos naturais

Leia mais

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração Fisiologia Humana Sistema circulatório Componentes: - Sangue (elementos figurados e plasma) - Vasos sanguíneos - Coração Vasos sanguíneos Artérias Vasos com paredes espessas e elásticas por onde circula

Leia mais

Elaborado por: Antônio do Amaral Batista Revisado por: Lilia Maria Razzolini Aprovado por: Andréa Cauduro de Castro

Elaborado por: Antônio do Amaral Batista Revisado por: Lilia Maria Razzolini Aprovado por: Andréa Cauduro de Castro POPE: B04 Página 1 de 7 1. Identificação do equipamento: 1.1 Nome: Analisador para eletroforese capilar automatizada. 1.2 Modelo: Capillarys Flex Piercing / SEBIA. 1.3 Número de série: Equipamento 5: SN

Leia mais

ANTI HUMANO. Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico

ANTI HUMANO. Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico ANTI HUMANO Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar Conservante:

Leia mais

Separação de Misturas

Separação de Misturas 1. Introdução Separação de Misturas As misturas são comuns em nosso dia a dia. Como exemplo temos: as bebidas, os combustíveis, e a própria terra em que pisamos. Poucos materiais são encontrados puros.

Leia mais

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE Cláudio Martin Jonsson Vera Lúcia Castro Jaguariúna, outubro 2005. O modelo de agricultura utilizado atualmente visa

Leia mais

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora Estudo do Controle da HA Hipertensão Arterial e Perfil Farmacológico pacientes cadastrados no PRC Programa Remédio em Casa UBS Jd. Aurora Subprefeitura de Guaianases

Leia mais

CAPÍTULO 13: PROTEÍNAS PLASMÁTICAS DE INTERESSE CLÍNICO

CAPÍTULO 13: PROTEÍNAS PLASMÁTICAS DE INTERESSE CLÍNICO CAPÍTULO 13: PROTEÍNAS PLASMÁTICAS DE INTERESSE CLÍNICO Autores: Prof. Dr. Paulo Cesar Naoum Biólogo: Paulo Francisco Naoum Introdução Cerca de 100 tipos diferentes de proteínas plasmáticas foram identificadas

Leia mais

Após a leitura deste texto não deixe de ler também nossas outras postagens sobre exames laboratoriais:

Após a leitura deste texto não deixe de ler também nossas outras postagens sobre exames laboratoriais: Aula Prática Profa. Dra. Fernanda Ayala O exame de urina é usado como método diagnóstico complementar desde o século II. Trata-se de um exame indolor e de simples coleta, o que o torna muito menos penoso

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL

A IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL A IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL Programa BemVindo - www.bemvindo.org.br A OMS - Organização Mundial da Saúde diz que "Pré-Natal" é conjunto de cuidados médicos, nutricionais, psicológicos e sociais, destinados

Leia mais

Sistemas Excretores. Professor Fernando Stuchi

Sistemas Excretores. Professor Fernando Stuchi Sistemas Excretores Definição Para manutenção da vida de um organismo animal, todo alimento e substancia que são digeridas, as células absorvem os nutrientes necessários para o fornecimento de energia.

Leia mais

SISTEMA EXCRETOR (URINÁRIO) RIO) Rins: morfologia e funcionamento Regulação hormonal Distúrbios mais comuns Excreção de compostos nitrogenados

SISTEMA EXCRETOR (URINÁRIO) RIO) Rins: morfologia e funcionamento Regulação hormonal Distúrbios mais comuns Excreção de compostos nitrogenados SISTEMA EXCRETOR (URINÁRIO) RIO) Rins: morfologia e funcionamento Regulação hormonal Distúrbios mais comuns Excreção de compostos nitrogenados Regulação osmótica SISTEMA URINÁRIO HUMANO adrenal Veia cava

Leia mais

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Diabetes é uma doença ocasionada pela total falta de produção de insulina pelo pâncreas ou pela quantidade insuficiente da substância no corpo. A insulina

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Prof. Hugo Henrique Pádua M.Sc. Fundamentos de Biofísica.

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Prof. Hugo Henrique Pádua M.Sc. Fundamentos de Biofísica. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Prof. Hugo Henrique Pádua M.Sc. Fundamentos de Biofísica Eletroforese Introdução a Eletroforese Eletroforese migração de moléculas ionizadas,

Leia mais

Departamento de Biologia da Universidade do Minho

Departamento de Biologia da Universidade do Minho Departamento de Biologia da Universidade do Minho Mestrado em Genética Molecular Ano lectivo de 2004/2005, edição de 2004-2006 Estudo da regulação do gene STL1 codificando o sistema de simporte H + /glicerol

Leia mais

O Diagnóstico, seguimento e tratamento de todas estas complicações causam um enorme fardo econômico ao sistema de saúde.

O Diagnóstico, seguimento e tratamento de todas estas complicações causam um enorme fardo econômico ao sistema de saúde. HEMOGLOBINA GLICADA AbA1c A prevalência do diabetes tem atingido, nos últimos anos, níveis de uma verdadeira epidemia mundial. Em 1994, a população mundial de diabéticos era de 110,4 milhões. Para 2010

Leia mais

ELETROFORESE APLICADA À ANÁLISE DE DNA

ELETROFORESE APLICADA À ANÁLISE DE DNA ELETROFORESE APLICADA À ANÁLISE DE DNA Eletroforese Separação de moléculas carregadas em um campo elétrico. As moléculas em uma mistura são separadas umas das outras conforme o tamanho ou a carga Eletroforese

Leia mais

Biologia Celular e Molecular

Biologia Celular e Molecular DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Biologia Celular e Molecular Detecção de proteínas por western-blotting 2007-2008 Na electroforese em gel de poliacrilamida

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA PROCESSOS QUÍMICOS TECNOLÓGICOS Ângela de Mello Ferreira Belo Horizonte 2013 Prática 02 Processo de coagulação e floculação

Leia mais

Cálculo de potência; Limites de confiança; Análise estatística (ANOVA).

Cálculo de potência; Limites de confiança; Análise estatística (ANOVA). CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO UNIFRA CURSO DE FARMÁCIA CONTROLE BIOLÓGICO DA QUALIDADE DE MEDICAMENTOS DELINEAMENTO: 3 x 3 3 doses do padrão Prof. Marcos R. dos Santos P2 A1 A3 A2 P1 A = amostra P=

Leia mais

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Disciplina: Farmacologia Curso: Enfermagem TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Professora: Ms. Fernanda Cristina Ferrari Controle da Pressão Arterial Sistêmica Controle Neural estimulação dos

Leia mais

Concentração no local do receptor

Concentração no local do receptor FARMACOCINÉTICA FARMACOCINÉTICA O que o organismo faz sobre a droga. FARMACODINÂMICA O que a droga faz no organismo. RELAÇÕES ENTRE FARMACOCINÉTICA E FARMACODINÂMICA DROGA ORGANISMO FARMACOCINÉTICA Vias

Leia mais

Rachel Siqueira de Queiroz Simões, Ph.D rachelsqsimoes@gmail.com rachel.simoes@ioc.fiocruz.br

Rachel Siqueira de Queiroz Simões, Ph.D rachelsqsimoes@gmail.com rachel.simoes@ioc.fiocruz.br Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Casa da Medicina Unidade Gávea Coordenação Central de Extensão EPIDEMIOLOGIA MOLECULAR Rachel Siqueira de Queiroz

Leia mais

Aula 9 Sistema digestório

Aula 9 Sistema digestório Aula 9 Sistema digestório Os alimentos fornecem nutrientes para construção de estruturas celulares e, ainda, liberação de energia para as atividades celulares. A função da digestão é converter os alimentos

Leia mais

7.012 Conjunto de Problemas 5

7.012 Conjunto de Problemas 5 Nome Seção 7.012 Conjunto de Problemas 5 Pergunta 1 Enquanto estudava um problema de infertilidade, você tentou isolar um gene hipotético de coelho que seria responsável pela prolífica reprodução desses

Leia mais

Protocolo, ed. V 21/01/2013

Protocolo, ed. V 21/01/2013 2013 Protocolo, ed. V Preparo e Dosagem 21/01/2013 www.ecosynth.com.br Protocolo ATM - ed.05 (jan/2013) Página 2 1. APRESENTAÇÃO A propriedade de ocupar áreas destinadas a expansão industrial, custo de

Leia mais

SOFTWARE DE PROTEÔMICA ALVO SKYLINE DESCUBRA NOVAS TRAJETÓRIAS COM AS SOLUÇÕES DA AGILENT

SOFTWARE DE PROTEÔMICA ALVO SKYLINE DESCUBRA NOVAS TRAJETÓRIAS COM AS SOLUÇÕES DA AGILENT Do Grupo MacCoss da Universidade de Washington SOFTWARE DE PROTEÔMICA ALVO SKYLINE DESCUBRA NOVAS TRAJETÓRIAS COM AS SOLUÇÕES DA AGILENT ESCOLHA DAS FERRAMENTAS CORRETAS PARA A SUA PESQUISA Para a análise

Leia mais

Biofísica. Patrícia de Lima Martins

Biofísica. Patrícia de Lima Martins Biofísica Patrícia de Lima Martins 1. Conceito É uma ciência interdisciplinar que aplica as teorias, a metodologia, conhecimentos e tecnologias da Matemática, Química e Física para resolver questões da

Leia mais

Cap. 4: Componentes orgânicos celulares As moléculas multifuncionais. Equipe de Biologia

Cap. 4: Componentes orgânicos celulares As moléculas multifuncionais. Equipe de Biologia ap. 4: omponentes orgânicos celulares As moléculas multifuncionais Equipe de Biologia De que são formados os seres vivos? Substâncias orgânicas arboidratos Lipídios Proteínas Vitaminas Ácidos nucleicos

Leia mais

45 3 OP - Aspectos elementares dos processos de neurotransmissão.

45 3 OP - Aspectos elementares dos processos de neurotransmissão. Código Disciplina CH CR Nat Ementa BIQ808 BIOQUÍMICA CELULAR (DOMÍNIO CONEXO) BIQ826 TÓPICOS DE BIOQUÍMICA AVANÇADA EFI804 FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO FAE914 DIDÁTICA ENSINO SUPERIOR FAR815 IMUNOFARMACOLOGIA

Leia mais

FISIOLOGIA ANIMAL II

FISIOLOGIA ANIMAL II DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA FISIOLOGIA ANIMAL II AULAS e 3 DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO DE GLICOSE E LÍPIDOS NO SANGUE POR COLORIMETRIA CAETANA CARVALHO,

Leia mais

O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico.

O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico. 1 O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico. Note essa organização na figura abaixo. - Átomos formam

Leia mais

Procedimentos Técnicos NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR

Procedimentos Técnicos NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Versão: 1 Pg: 1/6 NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Ivo Fernandes Sobreiro Gerente da Qualidade 01/09/2009 DE ACORDO Renato de Lacerda Diretor Técnico 05/09/2009 APROVADO POR Jose Carlos Santos

Leia mais

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO Morrem mais brancos por causa naturais e negros por motivos externos. A s estatísticas de morbidade e mortalidade têm sido utilizadas por epidemiologistas, demógrafos

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

CONTROLE FISIOLÓGICO DA FILTRAÇÃO GLOMERULAR E DO FLUXO SANGUÍNEO RENAL

CONTROLE FISIOLÓGICO DA FILTRAÇÃO GLOMERULAR E DO FLUXO SANGUÍNEO RENAL Prof. Hélder Mauad CONTROLE FISIOLÓGICO DA FILTRAÇÃO GLOMERULAR E DO FLUXO SANGUÍNEO RENAL São variáveis e sujeitas a controle fisiológico São variáveis e sujeitas a controle fisiológico 1. Sistema Nervoso

Leia mais