uma meia verdade em três oportunidades 1. Renegociação da dívida

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "uma meia verdade em três oportunidades 1. Renegociação da dívida"

Transcrição

1 Contestação à matéria publicada pelo Deputado Raul Pont no Jornal Le Monde Diplomatique, de novembro/2007, intitulado: Rio Grande do Sul: crise das finanças públicas A matéria já começa com uma monumental inverdade, a de que o Estado do Rio Grande do Sul RS é um estado tradicionalmente equilibrado. (Grifei). As finanças estaduais apresentaram déficits primários desde o início da década de 70, alcançando no período uma média de 16% da receita corrente líquida - RCL, gerando, em decorrência, uma dívida que, medida em números relativos, foi do índice 100 para o índice 2.736, isto é, multiplicou-se por 27 em 28 anos, em termos reais (Tabela 1). Nesses 28 anos, em todos eles, sem exceção, ocorreram déficits primários! O percentual dos déficits primários entre 1971 e 1994, antes do Governo Britto e Bogo ( ), considerado neoliberal, que vendeu patrimônio público e renegociou a dívida, ficou próximo a 16% (Tabela 1). Por isso, a causa da crise não está nas políticas adotadas nesse período. Além do endividamento, esses déficits foram financiados pela receitas financeiras provenientes da inflação, que em dois períodos governamentais ( e ) atingiu a média anual de 1178% e de 1360%, respectivamente. No ano de 1989 a inflação foi de 1783% e em 1993, 2.708% (28% e 32% ao mês, respectivamente). O rendimento referido foi, em média, de 18% da receita corrente líquida. Era como se o governo dispusesse de cinco orçamentos em quatro anos pelo lado da receita. A queda da inflação para níveis abaixo de um dígito a partir de 1995 com a conseqüente redução das receitas financeiras deixou a descoberto um déficit que, potencialmente, já existia há muito tempo. A venda de bens patrimoniais entre outras ações foram as alternativas adotadas pelos governos seguintes para financiar os déficits. Os déficits citados tiveram também como causa os altos níveis de investimentos, que foram de cerca de 30% nas décadas de 1970 e 1980, descendo para 7,5% no período e para 5,8% no período A redução do nível de investimentos, conjugada com o cumprimento apenas parcial das vinculações constitucionais com educação, saúde e ciência e tecnologia que fez com que melhorassem os resultados primários, dando a falsa impressão que a situação financeira melhorou. Segue o ilustre Deputado com outra inverdade, quando afirma que o Governador Rigotto atrasou salários. É verdade que ele pagou o 13º salário através do Banrisul, mas nunca atrasou um dia de salário, tendo utilizado para isso o sistema de caixa único do Estado 1, com retiradas crescentes e sem devolução, pratica essa concebida no Governo anterior, do Sr.Olívio Dutra. O Governador Olívio Dutra, que também não atrasou salário, utilizou-se, conforme referido, de R$ 1,7 bilhão de recursos do caixa único. E, para 1 O caixa único é um sistema que centraliza numa única conta uma grande quantidade de contas, a maioria constituída de recursos vinculados a finalidades específicas pela legislação, cujas retiradas são lançadas em outra conta denominada de resgates. Esses resgates passaram a ser efetuados sem devolução à conta única, a partir do Governo do Sr. Olívio Dutra ( ).

2 pagar o 13º salário do último ano, usou R$ 258 milhões recebidos para a aplicação na manutenção de estradas federais, além de ter antecipado receita de impostos de competência do governo seguinte. Continua com uma meia verdade, quando faz a seguinte afirmativa: Com a maioria da Assembléia Legislativa, aplicou nos últimos dois anos uma brutal elevação de impostos, que ficou conhecida como tarifaço. Um aumento médio de 20% nas alíquotas principais do ICMS: energia elétrica, telefonia e combustíveis (álcool e gasolina). O aumento médio não foi de 20%, porque reajuste dessa dimensão só ocorreu com um dos itens atingidos, que foi a telefonia, que passou de 25% para 30%. A energia elétrica e os combustíveis subiram de 25% para 29% em 2005 e para 28% em 2006, portanto 16% e 12%, respectivamente. Não vou entrar no mérito das críticas políticas à Governadora Yeda, com exceção da relativa ao aumento do ICMS, que também é de natureza técnica. Diz o Deputado o seguinte: Ainda em dezembro de 2006, antes da posse, a governadora eleita rasgou o discurso eleitoral e requereu ao governador Rigotto que enviasse á Assembléia Legislativa projeto de lei prorrogando o tarifaço do PMDB. De fato, a Governadora descumpriu a promessa de não aumentar impostos. Da mesma forma, o Governador Olívio ( ) também prometeu que não os aumentaria e, em três oportunidades, encaminhou à Assembléia Legislativa três projetos semelhantes, todos eles baseados na tributação dos mesmos itens, com algumas reduções em outros de menor peso na arrecadação, a exemplo do projeto encaminhado pela Governadora Yeda. Todos os projetos do Governador Olívio, assim como o da Governadora Yeda, não obtiveram aprovação legislativa. Passo agora a comentar as principais afirmações relativas a cada um dos itens arrolados na matéria em causa. 1. Renegociação da dívida No tocante à renegociação da dívida, todos os estados fizeram acordos semelhantes, sendo o que os livrou do colapso financeiro. No RS não havia mais como rolar uma dívida, cujo serviço bruto superava a média de 30% da RCL ao ano, o que explica o fato de seu estoque ter passado do índice 100 para o entre 1970 e 1998, antes do acordo. Diga-se de passagem, que as condições do acordo do RS, com uma taxa de 6% ao ano e com limite de 13% da receita líquida real foi melhor que alguns estados, que o fizeram com uma taxa de 7,5% e limite de 15%. Não é verdade que nunca o serviço da dívida líquido passou de 5,4%. Sem falar do período , quando atingiu 26%, no período seguinte ao que antecedeu ao acordo, isto é, , o serviço da dívida líquido foi de 11,4%, resultante de um serviço bruto de 31,3% e de operações de rolagens de 19,9%. Tudo isso consta dos balanços gerais e de documentos oficiais da Secretaria da Fazenda (Tabela 2). Então, trocou-se uma dívida que crescia sem cessar, de custo de 11,4% da RCL, por outra que ficou estabilizada e que custa 14%. Essa a é verdade. E, se não houve redução do estoque a partir de então, foi porque o indexador da dívida, o IGP-DI, apresentou um crescimento 50% maior que o IPCA. Nem o Governo Federal anterior aceitou e nem o atual aceita rever o 2

3 contrato para corrigir essa distorção. A alegação de que a Lei de Responsabilidade Fiscal não permite não é justificativa, porque lei não é imutável, principalmente no tocante a um dispositivo que todos os estados entendem ser necessária sua revisão. 2. Política de renúncias fiscais Na realidade, há um percentual muito alto de desonerações do ICMS, na ordem de 35,61% do seu valor potencial. A metade, no entanto, tem origem nas exportações, matéria disciplinada pela Constituição Federal. O restante está a cargo do Estado, mas seu corte pode causar prejuízo às cadeias produtivas locais. Pelo menos, foi essa a argumentação dos deputados, tanto da situação como da oposição, quando o Governador Rigotto tentou reduzir esses incentivos. No governo em que o ilustre Deputado fez parte as desonerações chegaram a 39,75%, em média, portanto maiores, conforme dispõe a Lei de Diretrizes Orçamentárias para Quanto ao Fundopem, programa utilizado para a atração de novos investimentos, representa o menor valor entre as desonerações, pois em 2006, foi de apenas 1,62% do ICMS potencial (Tabela 3). É claro que deve haver alguma margem para redução, mas essa não é causa da crise estrutural, que é muito mais ampla. 3. Lei Kandir A Constituição brasileira de 1967 já isentava de ICMS os produtos industrializados destinados ao exterior. Em 1996, a Lei Complementar 87/96, denominada Lei Kandir, estendeu essa isenção aos produtos primários e semi-elaborados, medida essa importante, porque aumentou a competitividade dos produtos exportados, mas que, por outro lado, prejudicou as finanças dos estados, principalmente daqueles que apresentam saldo negativo na balança comercial com o exterior, como é o caso do RS. As compensações por ela criadas apresentam queda gradativa desde A reforma tributária de 2003, encaminhada pelo atual presidente, acabou constitucionalizando os dispositivos da Lei Kandir. Não dá para acreditar que o Presidente Lula com essa iniciativa pretendesse causar prejuízo aos estados, quando, em vez de propor a revogação da citada lei, incorporou-a aos dispositivos da Constituição Federal, situação que a torna de muito mais difícil revogação. 4. Venda de patrimônio Na realidade, no período houve venda de patrimônio que, em valores atualizados, atingem o montante de R$ 8,5 bilhões. No período , também houve venda de patrimônio, no valor atualizado de R$ 2,02 bilhões, só que não se tratava de empresas, mas de créditos do Estado. Tudo isso foi feito para enfrentar o déficit que ficou a descoberto com o fim das receitas inflacionárias, após a edição do Plano Real, em meados de Não sei baseado em que o ilustre deputado faz a afirmativa de que as empresas privatizadas eram lucrativas. Os relatórios do Tribunal de Contas 3

4 sempre atestaram sua situação deficitária e que a expansão delas estava totalmente inviabilizada pela ausência de recursos públicos. Por outro lado, o crescimento real do ICMS no período , de 10,8%, teria apresentado um decréscimo real de 4,2% não fosse o crescimento real de 39% nos setores de energia elétrica, combustíveis e telefonia, tendo este último setor conseguido um crescimento real de 66%. Além do crescimento provocado na arrecadação, a privatização da telefonia permitiu que a população, que antes esperava até quatro anos para conseguir uma linha telefônica, passasse a dispor desse serviço tão pronto solicitado, tanto na versão fixa como na móvel. Deve ser destacado, ainda, que antes da privatização só conseguia um terminal telefônico sem uma longa espera aqueles que dispunham de recursos expressivos para adquiri-lo no mercado negro ou alugá-lo a preços também expressivos na chamada bolsa de telefones. 5. Crise do orçamento O Estado do RS apresenta um processo de formação da despesa que o conduz sempre ao déficit, devido à elevada vinculação da receita (65%) e à excessiva rigidez da despesa, onde a folha de pagamento representa mais de 73% da RCL, sendo composta por mais da metade de inativos, ao mesmo tempo em que 95% dos ativos estão lotados em setores de difícil redução (segurança pública, educação, saúde e outros Poderes). Com isso a despesa vai a 115% da receita corrente líquida, excesso esse que nas propostas orçamentárias vem sendo zerado há anos pela inclusão de receitas fictícias. Com isso, o orçamento dava uma impressão de equilibrado, quando na realidade sempre trazia oculto, um déficit próximo a R$ 2 bilhões. Que fez o atual Governo? Encaminhou um orçamento que deixou transparente o déficit, ao não incluir as tais receitas fictícias, obedecendo ao que dispõe a Lei de Responsabilidade Fiscal, em seu artigo 12. As ações voltadas contra essa medida não passaram de uma coalizão contra a verdade. A medida da Governadora foi sim um ato de coragem, por si só e não por blindagem da mídia, conforme afirma o deputado. Ela alterou uma sistemática nefasta ao equilíbrio das contas publicas da qual os últimos governos não conseguiram se afastar. A medida em causa vem ao encontro do que ficou convencionado no Pacto pelo Rio Grande, quando estabeleceu que as receitas extras só seriam consideradas para efeito de liberação pelo seu efetivo ingresso, medida essa necessária para evitar a perpetuação do déficit. Inquestionavelmente, um governo tem mais força para negar uma reivindicação, quando deixa transparente o déficit do que quando o esconde, dando a falsa impressão de equilíbrio. 6. Conclusão A afirmação de que as causas do problema financeiro do Estado do RS estão nas políticas neoliberais é um diagnóstico preconcebido e, portanto, deslocado da realidade. Nosso Estado, na década de 80 já apresentava a pior situação financeira entre todos os estados da federação. De lá para cá, a situação agravou-se por diversas razões, destacando-se o fim da inflação e o crescimento do número de servidores inativos em 4

5 quase 70%. A despesa com servidores inativos é mais da metade do valor total da folha (a maior entre todos os estados), o que equivale a pagar dois servidores para um trabalhar. É isso que está gerando o estado mínimo, porque a situação financeira não permite a reposição integral dos que se aposentam, mesmo num cenário de crescimento da população. Além disso, a Constituição de 1988 criou uma série de vantagens que aumentaram sobremaneira a despesa pública, com destaque especial para a pensão integral, sem que existisse contribuição para isso. No caso do RS, a instituição da pensão integral, acabou gerando uma obrigação que, pela não existência de recursos para honrá-la, formou R$ 2 bilhões de precatórios judiciais impagáveis. As vendas de bens patrimoniais e o crescimento da dívida e sua indispensável renegociação não são causas, mas conseqüências de uma crise histórica, cujos meios para seu enfrentamento estão cada vez mais esgotados. Temos que ter muito cuidado com os falsos diagnósticos, porque eles conduzem aos remédios mal ministrados, que só servem para complicar as enfermidades. Tabelas anexas Tabela 1 Evolução da dívida, resultado primário e investimentos em % da RCL, Em percentual da receita corrente líquida Períodos Governo Dívida Resultado Investi- Como foram enfrentados os déficits Relativos Primário mentos , TRICHES 218,8 (9,6) 29,2 Endividamento GUAZELLI 400,4 (17,2) 29,4 Endividamento AMARAL 717,3 (19,6) 27,4 Endividamento JAIR 995,8 (20,9) 19,7 Débitos de tesouraria SIMON 997,2 (15,4) 20,4 Inflação COLLARES 1.231,0 (13,0) 13,0 Inflação BRITTO 2.736,4 (14,6) 16,7 Privatização OLÍVIO 2.729,2 (3,2) 7,5 SIAC, redução investimentos, venda de créditos, não cumprim.vinculações (em parte) RIGOTTO 2.781,1 4,0 5,8 SIAC, redução investimentos, depósitos judiciais, financ.13o.salário, não cumprimento. de vinculações e aumento de alíquotas do ICMS. Média período (16,0) 23,2 Média período (15,8) 22,2 Fonte dos dados brutos: Balanços do Estado do RS. 5

6 Tabela 2 Rolagens e serviço da dívida, Em R$ de 2006, pelo IGP-DI ANO VALOR OPERAÇÕES SERVIÇO DA SERVIÇO DA RCL SD BRUTO/ ROLA- SDL/RCL PARA ROLAGENS DÍVIDA BRUTO DÍVIDA LÍQUIDO Adm.direta RCL GENS/RCL A B C=B-A D B/D A/D C/D ,2% 31,4% 18,7% ,6% 6,8% 31,8% ,6% 5,6% 7,1% ( ) ,3% 22,0% -3,7% MÉDIAS ,9% 16,5% 13,4% ,6% 13,2% 8,5% ,7% 14,8% 10,9% ,3% 19,2% 16,0% ,1% 28,4% 9,7% MÉDIAS ,2% 18,9% 11,3% ,7% 24,6% 9,1% ,4% 20,4% 9,0% ,8% 28,9% 9,0% ,5% 23,6% 10,9% MÉDIAS ,9% 24,4% 9,5% MÉDIA GERAL 31,3% 19,9% 11,4% Fonte: Balanços do Estado - serviço da dívida Divisão da Dívida Pública/SEFA: Dados sobre rolagens. Tabela 3 Desonerações fiscais de ICMS % das Desonerações % do ICMS Potencial DESONERAÇÃO Valor Nominal NÃO INCIDÊNCIAS (Exceto exportações) ,99% 3,20% EXPORTAÇÕES ,12% 17,13% ISENÇÕES ,22% 3,28% REDUÇÃO DE BASE DE CÁLCULO ,41% 2,64% CRÉDITOS PRESUMIDOS: ,62% 6,63% FUNDOPEM ,55% 1,62% DEMAIS ,07% 5,01% MICRO E EPP ,65% 2,73% TOTAL DAS DESONERAÇÕES ,00% 35,61% ICMS ,39% ICMS POTENCIAL ,00% Fonte: Secretaria da Fazenda do Estado do RS - Proposta Orçamentária 2008, página 49, conjugada com a página 57 para o caso do Fundopem. 6

Alternativas para a renegociação do Acordo da Dívida do RS

Alternativas para a renegociação do Acordo da Dívida do RS Alternativas para a renegociação do Acordo da Dívida do RS Darcy Francisco Carvalho dos Santos(*) Roberto Calazans(*) O objetivo deste trabalho é apresentar novas propostas para renegociação do Acordo

Leia mais

A DÍVIDA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

A DÍVIDA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL A DÍVIDA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Porto Alegre, 27 de março de 2012. CONDIÇÕES DE RENEGOCIAÇÃO DAS DÍVIDAS ESTADUAIS 1997/98 1997 Lei 9.496/97 Os entes federados renegociaram suas dívidas contratuais

Leia mais

Governo do Estado do Piauí Secretaria da Fazenda Unidade de Gestão Financeira e Contábil do Estado Gerência de Controle Contábil

Governo do Estado do Piauí Secretaria da Fazenda Unidade de Gestão Financeira e Contábil do Estado Gerência de Controle Contábil R I S C O S F I S C A I S (Artigo 4º, 3º da Lei Complementar nº 101/2000) A Lei Complementar n.º 101 de 2002 Lei de Responsabilidade Fiscal, estabelece que a Lei de Diretrizes Orçamentárias conterá o Anexo

Leia mais

ANÁLISE DA ARRECADAÇÃO DAS RECEITAS FEDERAIS SETEMBRO DE 2002

ANÁLISE DA ARRECADAÇÃO DAS RECEITAS FEDERAIS SETEMBRO DE 2002 MF-SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL COORDENAÇÃO-GERAL DE POLÍTICA TRIBUTÁRIA COORDENAÇÃO DE PREVISÃO E ANÁLISE DAS RECEITAS ANÁLISE DA ARRECADAÇÃO DAS RECEITAS FEDERAIS SETEMBRO DE I. CONSIDERAÇÕES GERAIS

Leia mais

UM MODELO SIMPLES DE EQUILÍBRIO ORÇAMENTÁRIO PARA OS ESTADOS: DESENVOLVIDO COM BASE NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

UM MODELO SIMPLES DE EQUILÍBRIO ORÇAMENTÁRIO PARA OS ESTADOS: DESENVOLVIDO COM BASE NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UM MODELO SIMPLES DE EQUILÍBRIO ORÇAMENTÁRIO PARA OS ESTADOS: DESENVOLVIDO COM BASE NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL TEMA 1: AJUSTE FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA SUMÁRIO CONSIDERAÇÕES INICIAIS 3 1. OS DÉFICITS

Leia mais

ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 7 O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO

ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 7 O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 7 O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO Índice 1. O Sistema Tributário Brasileiro...3 1.1. Breve histórico do sistema tributário brasileiro... 3 1.1.1. A reforma dos

Leia mais

Servidor Público Militar. Veja o quanto de perdas salariais que você terá com 5% de Data Base

Servidor Público Militar. Veja o quanto de perdas salariais que você terá com 5% de Data Base Servidor Público Militar. Veja o quanto de perdas salariais que você terá com 5% de Data Base Técnicos do FES fizeram uma análise das contas do governo. Usando os dados de janeiro a maio deste ano e a

Leia mais

Reforma Tributária ria e Política de Desenvolvimento Regional Cuiabá,, Agosto 2007 Reuniões com Governadores Natureza das reuniões anteriores: Governadores de diferentes regiões do país e dirigentes das

Leia mais

AÇÕES DE GOVERNO LITORAL NORTE

AÇÕES DE GOVERNO LITORAL NORTE GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL GOVERNO DE RESULTADOS AÇÕES DE GOVERNO LITORAL NORTE GOVERNADORA YEDA CRUSIUS IMBÉ Janeiro/2010 SUPERANDO DESAFIOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO CORAGEM PARA FAZER 40

Leia mais

Lei de Responsabilidade Fiscal

Lei de Responsabilidade Fiscal AOF Lei de Responsabilidade Fiscal PLANEJAMENTO Lei de Diretrizes Orçamentárias Lei Orçamentária Anual Execução Orçamentária e do Cumprimento das Metas RECEITA PÚBLICA Previsão e da Arrecadação Renúncia

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 66 agosto de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor Econômico

Boletim Econômico Edição nº 66 agosto de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor Econômico Boletim Econômico Edição nº 66 agosto de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor Econômico Considerações técnicas sobre a Conjuntura econômica e a Previdência Social 1 I - Governo se perde

Leia mais

CRITÉRIOS / Indicadores

CRITÉRIOS / Indicadores CRITÉRIOS / Indicadores A lista de conceitos desta MELHORES E MAIORES Os valores usados nesta edição são expressos em reais de dezembro de 2014. A conversão para dólares foi feita, excepcionalmente, com

Leia mais

Análise das finanças do Estado do RS em 2008 Darcy Francisco Carvalho dos Santos

Análise das finanças do Estado do RS em 2008 Darcy Francisco Carvalho dos Santos Análise das finanças do Estado do RS em 2008 Darcy Francisco Carvalho dos Santos O exercício de 2008 foi um ano atípico em termos de crescimento da arrecadação, em todos os níveis de governo. O Governo

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual

Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 21 de março de 2013 1 A economia

Leia mais

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011 AGENDA DE TRABALHO PARA O CURTO PRAZO Indústria brasileira de bens de capital mecânicos Janeiro/2011 UMA AGENDA DE TRABALHO (para o curto prazo) A. Financiamento A1. Taxa de juros competitiva face a nossos

Leia mais

Resultados da gestão orçamentária e financeira do Estado do Rio Grande do Norte: análise comparativa - Período: 2010 a 2014

Resultados da gestão orçamentária e financeira do Estado do Rio Grande do Norte: análise comparativa - Período: 2010 a 2014 Resultados da gestão orçamentária e financeira do Estado do Rio Grande do Norte: análise comparativa - Período: 2010 a 2014 Introdução Este relatório apresenta os principais resultados da gestão orçamentária

Leia mais

O Caixa Único do Estado e a Lei de Responsabilidade Fiscal

O Caixa Único do Estado e a Lei de Responsabilidade Fiscal O Caixa Único do Estado e a Lei de Responsabilidade Fiscal Roberto B. Calazans O objetivo desse texto, dentro do princípio da transparência da Lei de Responsabilidade Fiscal, é contribuir para demonstrar

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL (LRF) Atualizado até 13/10/2015 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) tem como base alguns princípios,

Leia mais

TRANSPORTE AÉREO BRASILEIRO POR QUE AS EMPRESAS PERDEM DINHEIRO?

TRANSPORTE AÉREO BRASILEIRO POR QUE AS EMPRESAS PERDEM DINHEIRO? 1 TRANSPORTE AÉREO BRASILEIRO POR QUE AS EMPRESAS PERDEM DINHEIRO? I - INTRODUÇÃO O mercado aéreo brasileiro vem apresentando, em seu segmento doméstico, taxas de crescimento chinesas desde o início de

Leia mais

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL IMPORTÂNCIA ECONOMICA 1- Exportações em 2014: Mais de US$ 100 bilhões de dólares; 2- Contribui com aproximadamente 23% do PIB brasileiro; 3- São mais de 1 trilhão de Reais e

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 20.934/2014

PROJETO DE LEI Nº 20.934/2014 PROJETO DE LEI Nº 20.934/2014 Estima a Receita e fixa a Despesa do Estado para o exercício financeiro de 2015. O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA, faço saber que a Assembleia Legislativa decreta e eu sanciono

Leia mais

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU Secretaria Municipal de Governo

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU Secretaria Municipal de Governo ALTERA DISPOSITIVOS DO CÓDIGO TRIBUTÁRIO DO MUNICÍPIO DE ARACAJU E CONCEDE INCENTIVO FISCAL PARA AS EMPRESAS DOS SEGMENTOS DE CALL CENTER E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO QUE ESPECIFICA. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

Olá caros acadêmicos segue um resumo básico de alguns conceitos estabelecidos na LDO, retirado do site ponto dos concursos.

Olá caros acadêmicos segue um resumo básico de alguns conceitos estabelecidos na LDO, retirado do site ponto dos concursos. Olá caros acadêmicos segue um resumo básico de alguns conceitos estabelecidos na LDO, retirado do site ponto dos concursos. Vamos ao nosso assunto de hoje! Lei de Diretrizes Orçamentárias LDO: A LDO é

Leia mais

Planejamento Tributário: O desafio da Logística

Planejamento Tributário: O desafio da Logística Planejamento Tributário: O desafio da Logística Contextualização Tributos O Brasil é considerado o país mais oneroso no que diz respeito a impostos e tributos. Fonte: Receita Federal Contextualização Tributos

Leia mais

Cenário econômico-político do Brasil: momento atual e perspectivas

Cenário econômico-político do Brasil: momento atual e perspectivas Simpósio UNIMED 2015 Cenário econômico-político do Brasil: momento atual e perspectivas Mansueto Almeida 28 de agosto de 2015 Indústria: o que aconteceu? Produção Física da Indústria de Transformação 2002-

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

Modernização da Gestão

Modernização da Gestão Modernização da Gestão Administrativa do MPF Lei de Responsabilidade Fiscal, Finanças Públicas e o Aprimoramento da Transparência Francisco Vignoli Novembro-Dezembro/2010 MPF - I Seminário de Planejamento

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º./XII/1.ª

PROJETO DE LEI N.º./XII/1.ª Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º./XII/1.ª INTRODUZ UM MECANISMO DE SALVAGUARDA DA EQUIDADE FISCAL PARA TODOS OS CONTRIBUINTES E ELIMINA AS ISENÇÕES DE TRIBUTAÇÃO SOBRE MAIS-VALIAS OBTIDAS POR SGPS

Leia mais

A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO. Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos

A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO. Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos Painel 46/162 Uma visão de longo prazo da Força de Trabalho no setor

Leia mais

BERJ PUBLICA BALANÇO DE 2007 AUDITADO (25/08/2008)

BERJ PUBLICA BALANÇO DE 2007 AUDITADO (25/08/2008) BERJ PUBLICA BALANÇO DE 2007 AUDITADO (25/08/2008) As Demonstrações Financeiras de 2007 do Berj foram publicadas no dia 22 de agosto de 2008, após serem auditadas PricewatershouseCoopers Auditores Independentes.

Leia mais

A Sombra do Imposto. Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já

A Sombra do Imposto. Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já A Sombra do Imposto Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já Expediente A Sombra do Imposto Cartilha produzida pelo Sistema Fiep (Federação das Indústrias do Estado do Paraná).

Leia mais

CRÉDITO IMOBILIÁRIO E POLÍTICA HABITACIONAL

CRÉDITO IMOBILIÁRIO E POLÍTICA HABITACIONAL CRÉDITO IMOBILIÁRIO E POLÍTICA HABITACIONAL. O déficit habitacional brasileiro é da ordem de 7 milhões de unidades. A demanda por crescimento demográfico do número de famílias é da ordem de 700 MIL unidades

Leia mais

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que Aula 21 12/05/2010 Mankiw (2007) - Cap 26. POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. investem. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS NA ECONOMIA

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

Política e Sistema de Promoção e Proteção do Emprego PROPOSTA DAS CENTRAIS SINDICAIS

Política e Sistema de Promoção e Proteção do Emprego PROPOSTA DAS CENTRAIS SINDICAIS Política e Sistema de Promoção e Proteção do Emprego PROPOSTA DAS CENTRAIS SINDICAIS Novembro, 2013 1 Política e Sistema de Promoção e Proteção do Emprego PROPOSTA DAS CENTRAIS SINDICAIS Novembro, 2013

Leia mais

REQUERIMENTO. (Do Sr. Carlos Bezerra) Senhor Presidente,

REQUERIMENTO. (Do Sr. Carlos Bezerra) Senhor Presidente, REQUERIMENTO (Do Sr. Carlos Bezerra) Requer o envio de indicação ao Poder Executivo, sugerindo alteração na legislação tributária federal relativa ao Imposto de Renda incidente sobre aplicações em renda

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665

Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665 Boletim Econômico Edição nº 56 fevereiro de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665 As duas medidas visam economizar R$ 18 bilhões

Leia mais

Nº 186. Novembro de 2015 Qual a relação entre a fragilidade da política pública de saúde e o sobrelucro das mineradoras na Amazônia?

Nº 186. Novembro de 2015 Qual a relação entre a fragilidade da política pública de saúde e o sobrelucro das mineradoras na Amazônia? Nº 186. Novembro de 2015 Qual a relação entre a fragilidade da política pública de saúde e o sobrelucro das mineradoras na Amazônia? Por Grazielle David, assessora política do Inesc Introdução A mineração

Leia mais

Bernard Appy LCA Consultores. TRIBUTOS E ENCARGOS SOBRE A ELETRICIDADE: Impactos sobre a Eficiência Econômica

Bernard Appy LCA Consultores. TRIBUTOS E ENCARGOS SOBRE A ELETRICIDADE: Impactos sobre a Eficiência Econômica Bernard Appy LCA Consultores TRIBUTOS E ENCARGOS SOBRE A ELETRICIDADE: Impactos sobre a Eficiência Econômica Roteiro EFEITOS DO MODELO DE TRIBUTAÇÃO DA ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL A estrutura tributária

Leia mais

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral 1 RELATÓRIO DE DESEMPENHO DA PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO FRENTE À LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL NO EXERCÍCIO DE 2012 Este relatório tem por objetivo abordar, de forma resumida, alguns aspectos

Leia mais

A INSTITUIÇÃO TESOURO ESTADUAL EM TEMPO DE AMEAÇAS ÀS FINANÇAS CAPIXABAS*

A INSTITUIÇÃO TESOURO ESTADUAL EM TEMPO DE AMEAÇAS ÀS FINANÇAS CAPIXABAS* A INSTITUIÇÃO TESOURO ESTADUAL EM TEMPO DE AMEAÇAS ÀS FINANÇAS CAPIXABAS* Marcos Bragatto O sucesso da gestão de qualquer instituição se fundamenta na eficiência do desempenho do tripé métodos, meios e

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 37, DE 2009

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 37, DE 2009 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 37, DE 2009 Altera a Lei nº 9.250, de 26 de dezembro de 1995, e a Lei nº 9.532, de 10 de dezembro de 1997, para permitir a dedução, do imposto de renda das pessoas

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Dispõe sobre o quórum de aprovação de convênio que conceda remissão dos créditos tributários constituídos em decorrência de benefícios, incentivos fiscais ou financeiros instituídos

Leia mais

GESTÃO ORÇAMENTARIA E FINANCEIRA EM SAÚDE

GESTÃO ORÇAMENTARIA E FINANCEIRA EM SAÚDE GESTÃO ORÇAMENTARIA E FINANCEIRA EM SAÚDE LDO: CARACTERÍSTICAS GERAIS E A LRF Prof. Dr. Áquilas Mendes METAS DE APRENDIZAGEM DA DISCIPLINA: ao final desta disciplina, o especializando será capaz de conhecer

Leia mais

Cenário financeiro dos Municípios brasileiros em final de mandato

Cenário financeiro dos Municípios brasileiros em final de mandato 1 Cenário financeiro dos Municípios brasileiros em final de mandato Estudos Técnicos CNM Introdução Em decorrência da surpresa dos dirigentes municipais com a atual dificuldade financeira vivida pelos

Leia mais

Perguntas Frequentes - Tributação

Perguntas Frequentes - Tributação 1. Tributação do Ganho de Capital Perguntas Frequentes - Tributação 1.1 - Como é feita a tributação dos ganhos obtidos com a alienação de ações? A tributação é feita em bases mensais, ou seja: o ganho

Leia mais

SAIBA TUDO SOBRE O PLANO III DE PREVIDÊNCIA PRIVADA!

SAIBA TUDO SOBRE O PLANO III DE PREVIDÊNCIA PRIVADA! SAIBA TUDO SOBRE O PLANO III DE PREVIDÊNCIA PRIVADA! Prezado participante, 2 Brasil Foods Sociedade de Previdência Privada Cartilha Plano III Um dos grandes objetivos da política de recursos humanos de

Leia mais

Uma agenda tributária para o Brasil. Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014

Uma agenda tributária para o Brasil. Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014 Uma agenda tributária para o Brasil Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014 Sumário Introdução Problemas do sistema tributário brasileiro Sugestões de aperfeiçoamento 2 Sumário Introdução

Leia mais

Estudo comemorativo 10 anos do Impostômetro. Veja o que mudou no Brasil ao longo desses anos. #CadêoRetorno (2005-2015)

Estudo comemorativo 10 anos do Impostômetro. Veja o que mudou no Brasil ao longo desses anos. #CadêoRetorno (2005-2015) Veja o que mudou no Brasil ao longo desses anos. #CadêoRetorno Estudo comemorativo 10 anos do Impostômetro (2005-2015) 1 Súmario 02 03 05 10 anos de Impostômetro trabalhados para pagar tributos Evolução

Leia mais

Defesa dos Serviços e Trabalhadores Públicos Brasileiros e o. Não Pagamento da Dívida Pública

Defesa dos Serviços e Trabalhadores Públicos Brasileiros e o. Não Pagamento da Dívida Pública Defesa dos Serviços e Trabalhadores Públicos Brasileiros e o Não Pagamento da Dívida Pública O endividamento público vem pautando a vida do povo brasileiro sob diversas formas, especialmente a partir da

Leia mais

ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 16 A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL

ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 16 A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 16 A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL Índice 1. A lei de responsabilidade fiscal...3 2. A integração entre o planejamento e o orçamento...3 3. Execução orçamentária

Leia mais

O FGTS TRAZ BENEFÍCIOS PARA O TRABALHADOR?

O FGTS TRAZ BENEFÍCIOS PARA O TRABALHADOR? O FGTS TRAZ BENEFÍCIOS PARA O TRABALHADOR? FERNANDO B. MENEGUIN 1 O FGTS - Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, regido pela Lei nº 8.036, de 11/05/90, foi instituído, em 1966, em substituição à estabilidade

Leia mais

Saiba o que vai mudar no seu bolso com as novas medidas econômicas do governo

Saiba o que vai mudar no seu bolso com as novas medidas econômicas do governo Cliente: Trade Energy Veículo: Portal R7 Assunto: Saiba o que vai mudar no seu bolso com as novas medidas Data: 21/01/2015 http://noticias.r7.com/economia/saiba-o-que-vai-mudar-no-seu-bolso-com-as-novas-medidaseconomicas-do-governo-21012015

Leia mais

Darcy Francisco Carvalho dos Santos (Contador e Economista)

Darcy Francisco Carvalho dos Santos (Contador e Economista) Dezembro de 2011 Crescimento vegetativo da folha de pagamento do do Estado do RS Darcy Francisco Carvalho dos Santos (Contador e Economista) Estudos e Trabalhos sobre Finanças Públicas Estaduais www.darcyfrancisco.com.br

Leia mais

Crise dos Municípios

Crise dos Municípios Crise dos Municípios Crise Desde a promulgação da Constituição Federal em 1988, quando os Municípios foram elevados a condição de entes federados autônomos ocorre uma constante descentralização da execução

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

Recupere a saúde financeira e. garanta um futuro tranquilo Reitoria da UNESP, 13/05/2015

Recupere a saúde financeira e. garanta um futuro tranquilo Reitoria da UNESP, 13/05/2015 Recupere a saúde financeira e garanta um futuro tranquilo Reitoria da UNESP, 13/05/2015 Objetivo geral Disseminar conhecimento financeiro e previdenciário dentro e fora da SP-PREVCOM buscando contribuir

Leia mais

Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento

Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento Julho de 2011 1 Debate sobre desoneração da folha de pagamento deve ser feito com cautela e tendo como ponto de partida a compensação vinculada (principal

Leia mais

Relatório dos principais pontos relevantes a respeito das Demonstrações Contábeis do Exercício Social de 2007.

Relatório dos principais pontos relevantes a respeito das Demonstrações Contábeis do Exercício Social de 2007. Relatório dos principais pontos relevantes a respeito das Demonstrações Contábeis do Exercício Social de 2007. Srs. Diretores, Membros do Conselho Fiscal e Deliberativo da CAC, Submetemos à apreciação

Leia mais

LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA

LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA A Medida Provisória (MP) nº 651/14 promoveu diversas alterações na legislação tributária

Leia mais

O controle de renúncia de receitas

O controle de renúncia de receitas Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul Escola Superior de Controle Externo O controle de renúncia de receitas Apresentação J.R. Caldas Furtado Junho2015 1 O controle externo na Constituição

Leia mais

5 Análise do Balanço Patrimonial

5 Análise do Balanço Patrimonial 5 Análise do Balanço Patrimonial Essa análise tem por finalidade confrontar os dados e valores que constituem o Balanço Patrimonial correspondente ao exercício de 2002, com os do mesmo período de 2001,

Leia mais

Darcy Francisco Carvalho dos Santos (Contador e Economista)

Darcy Francisco Carvalho dos Santos (Contador e Economista) Julho de 2011 A questão da dívida pública do Estado do RS Darcy Francisco Carvalho dos Santos (Contador e Economista) Estudos e Trabalhos sobre Finanças Públicas Estaduais www.darcyfrancisco.com.br A questão

Leia mais

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 637, DE 2011 I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 637, DE 2011 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI N o 637, DE 2011 Altera a Lei nº 6.830, de 22 de setembro de 1980, para incluir o segurogarantia dentre os instrumentos de garantia nas ações de execução

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Comentários sobre a Avaliação da Situação Financeira do FAT, anexa ao Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2016 Elisangela Moreira da Silva

Leia mais

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER 1- Uma dívida no valor de R$ 60.020,54 deve ser paga em sete prestações postecipadas de R$ 10.000,00, a uma determinada taxa de juros. Considerando esta mesma taxa de juros, calcule o saldo devedor imediatamente

Leia mais

Cartilha do Orçamento Público

Cartilha do Orçamento Público Cartilha do Orçamento Público O QUE É O ORÇAMENTO? Nós cidadãos comuns, ganhamos e também gastamos dinheiro. Podemos receber dinheiro de uma ou várias fontes: salário, aluguel de imóveis, prestação de

Leia mais

PEC 31: Apresentação Sintética de seus Fundamentos Básicos. 1 Criação do Sistema de Integração Tributária - SIT

PEC 31: Apresentação Sintética de seus Fundamentos Básicos. 1 Criação do Sistema de Integração Tributária - SIT PEC 31: Apresentação Sintética de seus Fundamentos Básicos 1 Criação do Sistema de Integração Tributária - SIT O que seria: uma ferramenta para que do ponto de vista do contribuinte o recolhimento de toda

Leia mais

Curso Preparatório CPA20

Curso Preparatório CPA20 Página 1 de 8 Você acessou como Flávio Pereira Lemos - (Sair) Curso Preparatório CPA20 Início Ambiente ) CPA20_130111_1_1 ) Questionários ) Passo 2: Simulado Módulo IV ) Revisão da tentativa 3 Iniciado

Leia mais

Marcos Puglisi de Assumpção 10. PLANOS DE PREVIDÊNCIA

Marcos Puglisi de Assumpção 10. PLANOS DE PREVIDÊNCIA Marcos Puglisi de Assumpção 10. 2010 Uma das maiores preocupações de um indivíduo é como ele vai passar o final de sua vida quando a fase de acumulação de capital cessar. É preciso fazer, o quanto antes,

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 5, ANO III MAIO DE 2011 1 ESTADO NÃO PODE RECUSAR CRÉDITOS DE ICMS DECORRENTES DE INCENTIVOS FISCAIS Fiscos Estaduais não podem autuar

Leia mais

REGRAS FISCAIS E RELAÇÃO ENTRE OS NÍVEIS DE GOVERNO NO BRASIL

REGRAS FISCAIS E RELAÇÃO ENTRE OS NÍVEIS DE GOVERNO NO BRASIL REGRAS FISCAIS E RELAÇÃO ENTRE OS NÍVEIS DE GOVERNO NO BRASIL III Encontro de Coordenação Orçamentária, Financeira e Fiscal Intergovernamental de Países Ibero-americanos Celia Carvalho Presidente do GEFIN

Leia mais

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade 1) Nos últimos dez anos a renda media dos brasileiros que caiu a taxa de 0.6% ao ano, enquanto o dos pobres cresceu 0.7%, já descontados o crescimento

Leia mais

Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação

Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação O processo de desindustrialização pelo qual passa o país deve-se a inúmeros motivos, desde os mais comentados, como a sobrevalorização

Leia mais

Francisco Paulo Pimenta Maria Tereza de Araújo Serra

Francisco Paulo Pimenta Maria Tereza de Araújo Serra TEXTO: FINANCIAMENTO (MECANISMOS E INSTRUMENTOS) Diretrizes Orçamentárias, Plano Integrado e Orçamento Público da União, Estados, Distrito Federal e Municípios: conhecer para exigir, exigir para incluir,

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO LEI N. 1.021, DE 21 DE JANEIRO DE 1992 "Define microempresa para efeito fiscal previsto na Lei Complementar n. 48/84 e dá outras providências." O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que

Leia mais

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho Taxa de Câmbio TAXA DE CÂMBIO No Brasil é usado a CONVENÇÃO DO INCERTO. O valor do dólar é fixo e o variável é a nossa moeda. Por exemplo : 1 US$ = R$ 3,00 Mercado de Divisa No mercado de câmbio as divisas

Leia mais

PROGRAMA DE PREVIDÊNCIA UVERGS PREVI

PROGRAMA DE PREVIDÊNCIA UVERGS PREVI PROGRAMA DE PREVIDÊNCIA UVERGS PREVI UVERGS PREVI A União dos Vereadores do Estado do Rio Grande do Sul visa sempre cuidar do futuro de seus associados Por conta disso, está lançando um Programa de Benefícios

Leia mais

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 1 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. Política Econômica Desastrosa do Primeiro Mandato 2.1. Resultados

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2015

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2015 ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2015 I - Critérios utilizados para a discriminação, na programação de trabalho, do código identificador de resultado primário

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

Ajuste Macroeconômico na Economia Brasileira

Ajuste Macroeconômico na Economia Brasileira Ajuste Macroeconômico na Economia Brasileira Fundação Getúlio Vargas 11º Fórum de Economia Ministro Guido Mantega Brasília, 15 de setembro de 2014 1 Por que fazer ajustes macroeconômicos? 1. Desequilíbrios

Leia mais

Caderneta de Poupança

Caderneta de Poupança Caderneta de Poupança Maio de 2009 1 OBJETIVO DAS MEDIDAS Garantir que a caderneta de poupança permaneça como o melhor investimento para a poupança da maioria da população brasileira Impedir que a caderneta

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

PLANEJAMENTO E GESTÃO PÚBLICA. Auditor Substituto de Conselheiro Omar P. Dias

PLANEJAMENTO E GESTÃO PÚBLICA. Auditor Substituto de Conselheiro Omar P. Dias PLANEJAMENTO E GESTÃO PÚBLICA Auditor Substituto de Conselheiro Omar P. Dias A ARTE DE GOVERNAR (segundo Matus) PROJETO DE GOVERNO SABER ARTICULAR GOVERNABILIDADE GOVERNANÇA Plano de Governo: Base do Planejamento

Leia mais

Sumário Executivo de Medida Provisória

Sumário Executivo de Medida Provisória Sumário Executivo de Medida Provisória Medida Provisória nº 651, de 2014. Publicação: DOU de 10 de julho de 2014. Ementa: Dispõe sobre os fundos de índice de renda fixa, sob a responsabilidade tributária

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. João Arruda) Institui Regime Especial de Tributação para instalação e manutenção de Centros de Processamento de Dados - Data Centers. O Congresso Nacional decreta: Art.

Leia mais

A Evolução Recente da Arrecadação Federal

A Evolução Recente da Arrecadação Federal Carta PR 1164 /2015 Brasília, 28 de agosto de 2015 Exmo(a). Senhor(a) Senador(a), O Sindicato dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil SINDIFISCO NACIONAL oferece a Vossa Excelência um breve

Leia mais

UNIOESTE CCET Colegiado de Matemática XXV Semana Acadêmica da Matemática 15 a 19 de Agosto de 2011

UNIOESTE CCET Colegiado de Matemática XXV Semana Acadêmica da Matemática 15 a 19 de Agosto de 2011 UNIOESTE CCET Colegiado de Matemática XXV Semana Acadêmica da Matemática 15 a 19 de Agosto de 2011 Entendendo as mordidas do leão como funciona o cálculo do imposto de renda Profa. Raquel Lehrer Todos

Leia mais

Banrisul Armazéns Gerais S.A.

Banrisul Armazéns Gerais S.A. Balanços patrimoniais 1 de dezembro de 2012 e 2011 Nota Nota explicativa 1/12/12 1/12/11 explicativa 1/12/12 1/12/11 Ativo Passivo Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 17.891 18.884 Contas

Leia mais

A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda

A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda Câmara dos Deputados Brasília, 23 de novembro de 2011 1 Economia mundial deteriorou-se nos últimos meses

Leia mais

NBC T 10.16. Entidades que recebem subvenções, contribuições, auxílios e doações AUDIT

NBC T 10.16. Entidades que recebem subvenções, contribuições, auxílios e doações AUDIT NBC T 10.16 Entidades que recebem subvenções, contribuições, auxílios e doações AUDIT NBC T 10.16 - Entidades que recebem subvenções, contribuições, auxílios e doações Foco do seminário em: Conceito (conceituando

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

APURAÇÃO DO RESULTADO (1)

APURAÇÃO DO RESULTADO (1) APURAÇÃO DO RESULTADO (1) Isnard Martins - UNESA Rodrigo de Souza Freitas http://www.juliobattisti.com.br/tutoriais/rodrigosfreitas/conhecendocontabilidade012.asp 1 Apuração do Resultado A maioria das

Leia mais

Metas Fiscais e Riscos Fiscais. de Contabilidade

Metas Fiscais e Riscos Fiscais. de Contabilidade Metas Fiscais e Riscos Fiscais Secretaria do Tesouro Nacional Conselho Federal de Contabilidade 2012 Curso Multiplicadores 2012 Programa do Módulo 2 Metas Fiscais e Riscos Fiscais CH: 04 h Conteúdo: 1.

Leia mais

Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o

Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o art.195, CF, comentando os seus principais parágrafos, para fins de concurso público! Alberto Alves www.editoraferreira.com.br 1º As

Leia mais

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Unidade de Pesquisa, Avaliação e Desenvolvimento Unidade de Política Econômica O Simples Nacional e o ICMS* Adesão ao

Leia mais